SlideShare uma empresa Scribd logo
ELZA RODRIGUES
PROJETO DE INTERVENÇÃO SOBRE A HUMANIZAÇÃO NA ÁREA
HOSPITALAR COM OS USUÁRIOS SUS
MARINGÁ
2014
ELZA RODRIGUES
PROJETO DE INTERVENÇÃO SOBRE A HUMANIZAÇÃO NA ÁREA
HOSPITALAR COM OS USUÁRIOS SUS
Projeto apresentado ao Centro
Universitário de Maringá-Unicesumar
como requisito parcial para a
obtenção da nota do terceiro bimestre
MARINGÁ
2014
SUMÁRIO
1 INTRODUÇÃO...........................................................................................................................................05
2 OBJETIVOS..................................................................................................................................................07
2.1 Objetivo Geral..................................................................................................................................07
2.2 Objetivos Específicos...............................................................................................................07
3 METAS..............................................................................................................................................................08
4 METODOLOGIA..........................................................................................................................................08
5 RECURSOS................................................................................................................................................09
5.1 Recursos Humanos.....................................................................................................................09
5.2 Recursos Físicos..........................................................................................................................09
5.3 Recursos Financeiros................................................................................................................09
6 BENEFICIÁRIOS (Público Alvo)......................................................................................................09
7 EQUIPE ............................................................................................................................................................10
8 ORÇAMENTO..............................................................................................................................................10
9 CRONOGRAMA.........................................................................................................................................10
10 AVALIAÇÃO................................................................................................................................................12
11 REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS.........................................................................................12
PROJETO
IDENTIFICAÇÃO
Título do Projeto: Projeto de intervenção sobre a humanização na área
hospitalar com os usuários SUS
Órgão Proponente: Hospital ER
Telefone:
Endereço:
E-mail: Órgão Executor: Serviço Social e Comissão de Humanização.
Responsáveis pelo Projeto: Assistente Social/supervisora de estágio do
Hospital E
Acadêmica: Elza Rodrigues
Data e previsão de realização: Julho de 2015 sendo prevista
sua continuidade.
DADOS INSTITUCIONAIS
Nome:
CNPJ –
Endereço:.
Cidade:
Telefone:
Site:
DIAGNÓSTICO
Considerando que se faz necessário reorientar o papel da Unidade de
Assistência e do Centro de Referência na atenção à saúde e definir a
qualificação técnica exigida para o atendimento aos usuários do Sistema
Único de Saúde - SUS; o parecer conclusivo do respectivo Gestor do SUS –
manifestação expressa em relação ao credenciamento. No caso de processo
formalizado por Secretaria de município em Gestão Plena do Sistema
Municipal de Saúde, deverá constar, além do parecer do Gestor municipal, o
parecer do Gestor estadual do SUS e o da Humanização que será
responsável pela integração da Unidade à rede e a definição dos fluxos de
referência e contra - referência dos pacientes.
1 – INTRODUÇÃO
O presente projeto de intervenção é fruto de observação e
questionamentos que surgiram durante a realização do estágio no hospital E
nas alas de atendimento aos pacientes SUS.
O projeto em questão busca levar informações e orientações que é
direito de todo cidadão receber um atendimento público de qualidade na área
da saúde.
Os questionamentos se referem ao serviço de saúde que é ofertado
na instituição que, muitas vezes é realizado como um atendimento como se
fosse de favor e não visto como um direito do usuário, assim, o assistente
social entra como mediador, isto é, torna-se um objeto de estudo do
profissional de serviço social, uma vez que os atendimentos não eram
calcados nos princípios da humanização do SUS e o usuário tem seus direitos
garantidos.
De acordo com o Ministério da saúde, a Consolidação da política de
Humanização do SUS foi criada em 2001, para dar suporte ao SUS através
de um conjunto de ações na busca da efetivação de seus princípios,
procurando minimizar as fragmentações do serviço da saúde.
A humanização é entendida como valor na medida em resgata o
respeito à vida humana.
Abrange circunstâncias sociais, éticas, educacionais e psíquicas
presentes em todo relacionamento humano. Esse valor é definido em função
de seu caráter complementar aos aspectos técnicos científicos que
privilegiam a objetividade, a generalidade, a causalidade e a especialização
do saber.
Faz-se necessária considerando que nos serviços de saúde há
situações desumanizantes. Pois são apontadas há décadas como
relacionadas nas condições de trabalho e as falhas no atendimento devido às
longas esperas e adiamentos de atendimentos, ausência de regulamentos,
etc.
Especialistas que trabalham com humanização são unânimes em
afirmar que a mudança do ambiente hospitalar traz benefícios como redução
do tempo de internação, aumento do bem estar geral dos pacientes e
funcionários e a diminuição das faltas de trabalho entre equipe de saúde.
Como consequência, o hospital também reduz seus gastos.
O assistente social dispõe de atribuições específicas na área da
saúde, o que constitui um instrumento importante na construção de
estratégias para o exercício profissional e na busca de alternativas visando ao
entendimento das necessidades sociais apresentadas pelos usuários nos
serviços de saúde.
Por entender que o assistente social é um profissional que, com
regularidade atua na relação direta com sujeitos, geralmente em situações de
fragilidade e sofrimento, exige que este profissional tenha a percepção do
outro como um ser completo, que necessita de forma equitativa da saúde
física, mental e emocional. Desta forma, percebe-se a necessidade de
mudanças na forma de pensar, sentir e agir do assistente social para que este
esteja preparado para atender às novas e variadas demandas do mundo e de
seus diversos atores.
O objetivo fundamental da Política de Humanização é o de aprimorar
as relações entre profissionais, entre usuários e profissionais (campo das
interações face-a-face) e entre hospital e comunidade, visando à melhoria da
qualidade e a eficácia dos serviços prestados por estas instituições (Delandes
2004).
A capacitação permanente do assistente social para atualização e
fortalecimento do referencial teórico-metodológico e instrumentalização da
análise e da intervenção na realidade social torna-se uma necessidade.
E baseado no que foi dito anteriormente é que, se faz necessário
iniciar e ou dar continuidade no processo de humanização tendo como
prioridade transmitir para esses profissionais informações sobre os cuidados
de saúde de uma maneira mais simples e humanizada, e estabelecendo um
atendimento na busca da qualidade de vida das famílias e usuários desta
unidade de saúde.
A tarefa de humanizar requer competência técnica, envolve interesse
e é pautada no respeito e dedicação com o outro. Já que o tratamento
humanizado é uma das grandes metas do Hospital, é preciso oferecer todas
as condições para que os pacientes sintam que estão recebendo um
atendimento completo. O assistente social é responsável por atuar
diretamente com os pacientes e a família dos pacientes. É um trabalho de
acolhimento que faz toda diferença para quem está passando por um
momento difícil. A assistência social atua nas alas do SUS do Hospital. Além
de prestar todo o apoio, a assistente social também trabalha conscientizando
os pacientes e familiares sobre as rotinas e normas do Hospital.
2 – OBJETIVOS
2.1 OBJETIVO GERAL
Desenvolver a Humanização SUS no Hospital E buscando
prestar um serviço igualitário e de qualidade a todos os pacientes e
familiares.
2.2 OBJETIVOS ESPECÍFICOS
 Despertar nos profissionais para um novo conceito de assistência
à saúde que valorize a vida humana.

 Estreitar a relação usuário- profissional da saúde, que deve se dar
por parâmetros humanitários.

 Prestar informações a familiares de forma respeitosa e clara,
objetivando diminuir a ansiedade, a angústia e seu sofrimento
enquanto espera.
3 - METAS
 Implantação do novo serviço e aceitação do mesmo pelos
profissionais, fruindo a satisfação dos profissionais em relação à
profissão com um percentual de 90% dos profissionais em 12 meses.

 Trabalhar atos humanitário tanto com os funcionários quanto com os
usuários, maior comprometimento dos mesmos com o ambiente
hospitalar. Envolvendo um percentual 90% dos profissionais em 24
meses.

 Importância da implantação do serviço de acolhimento,
comprometimento e agilidade nas informações hospitalares, a fim de
organizar os fluxos de atendimento. Alcançando um percentual de
80%, de satisfação dos usuários em 6 meses.
4 – METODOLOGIA
Este projeto será apresentado á gerência de atendimento ao cliente ao
qual o serviço social está subordinado, e se aprovado será agendado uma
reunião com os profissionais a serem envolvidos.
Esta reunião (palestra) será realizada com o grupo de funcionários
(médicos, equipe de enfermagem, hotelaria, maqueiro, assistente social,
psicologia e capela hospitalar) antes da entrada em seu turno para a
orientação de como se dará esta palestra para que surta a sensibilização
sobre a temática no lema: humanizar é trabalho com alegria e dignidade.
Devido à dificuldade de reunião de todos os funcionários pelo fato dos
mesmos possuírem turnos diferentes de 6 a 8 horas, os encontros serão
realizados em duas etapas em dois dias, ou seja, uma hora antes da entrada
em seu turno de trabalho. Ficando duas reuniões no matutino (6 e 12h) e
duas no noturno (18 e 22h).
Após esse encontro, deixar a amostra nos quartos, recepção e posto
de enfermagem uma caixa para sugestões, com papel e caneta para os
usuários e familiares deem a sua leitura de como gostaria de ser tratado,
anonimamente. Passado uns três dias (ou uma semana) a assistente social e
estagiária recolherá os papéis da caixa e se fará a leitura com os demais
funcionários, onde estas sugestões tornam-se o material para a iniciação do
trabalho de humanização citados pelos pacientes e familiares destes, que
será a implantação do projeto.
Ao receberem as orientações dos pacientes/familiares em forma de
sugestões, os profissionais executarão as dinâmicas (ações) nas alas do
SUS, a sensibilização verbalmente, com o comportamento e a prática de
acolhimento no campo da saúde no interior dos quartos.
Prestar informações realista e de cunho humanístico sempre que os
pacientes necessitarem de apoio físico, moral, espiritual e social.
5 – RECURSOS
5.1 HUMANOS
MÉDICOS ENFERM EIR OS ASSISTENTE SOCIAL
MAQUEIR O
HOTELARIA ESTAGIÁRIO S. SOCIAL
CAPELÃ
HOSPITALAR PSICOLOGIA NUTRICIONISTA
FISIOTER APEU TA TÉCNICOS DE FARMAC EÚTICO
ENFERMAGEM
5.2 FÍSICO
Quartos específicos das alas do SUS com leitos (camas
hospitalar, guarda roupas, mesas de cabeceira, cadeiras, hastes para soros,
macas e medicamentos não especificados que os pacientes possam usar),
banheiro (vasos sanitário, pia, chuveiro).
5.3 FINANCEIRO
Recurso disponibilizado pelo diretor Hospitalar: R$3.500,00(semestral)
6 - BENEFICIÁRIOS (PÚBLICO ALVO)
Profissionais da Instituição e usuários do SUS (pacientes usuários do
sexo masculino e feminino independentes da situação socioeconômico que
estejam internados na ala pelo SUS).
7- EQUIPE
Médicos, enfermeiros, assistente social e estagiária, maqueiro, hotelaria,
psicologia, nutrição, fisioterapeuta, técnicos de enfermagem, farmacêutico e
capelã hospitalar.
8 – ORÇAMENTO
Período de Execução
Data Início: 07/2015 - Data Prevista: 07/2016 de mais 01(um) ano de
prorrogação do projeto para atingir 95% das metas.
INVESTIMENTO (ORÇAMENTO MENSAL SIMPLIFICADO)
MATERIALDE QUANTIDADE PREÇO UN TOTAL
CONSUMO
LÁPIS PRETO 20 CX R$ 10,00 R$ 200,00
CANETA AZUL 05 CX R$ 20,00 R$ 200,00
RESMA PAPEL 05 R R$ 30,00 R$ 150,00
CAIXA DE 25 UN R$ 52,00 R$1.300,00
POSTAGEM
IMPRESSOS 1000 UN R$12,00 Cto R$1.200,00
QUESTIONÁRIO
TOTAL R$ 3.050,00
9 - CRONOGRAMADE ATIVIDADES
MES: Julho de 2015 - Primeira semana do mês de Julho de 2015
DOMINGO SEGUNDA TERÇA QUARTA QUINTA SEXTA SÁBADO
º FEIRA FEIRA FEIRA FEIRA FEIRA
Postagem de Reuniões Implantaçã Compra Postagem Visita Continuid
informativos para a o do projeto dos das social ade da
nos quadros implantaçã com os materiais caixas nos visita
murais dos o do projeto todos os nos leitos social nos
funcionários funcionário respectivo leitos
s que irão s quartos
participar
do mesmo.
MESES: JULHO A DEZEMBRO DE 2015
OBS: Devido à rotatividade de pacientes nas alas do SUS, segue-se o
mesmo cronograma do mês de julho para os meses seguintes.
DOMINGO SEGUN TERÇA QUARTA QUINTA SEXTA SÁBADO
DA FEIRA FEIRA FEIRA FEIRA
FEIRA
Retirada Reuniões Visita Atendimen Acompa Atendi Atendiment
das caixas para a nos to aos nhar, avaliar mento o aos
dos quartos leitura leitos pacientes e monitorar. aos pacientes
pacientes
MESES:JANEIRO A JUNHO DE 2016
DOMINGO SEGUND TERÇA QUARTA QUINTA SEXTA SÁBADO
A FEIRA FEIRA FEIRA FEIRA FEIRA
Retirada Reuniões Visita Atendime Acompan Atendim Atendi
das caixas para a nos nto aos har, ento aos mento aos
dos leitura das leitos pacientes avaliar e pacien pacientes
quartos sugestões monitorar. tes
OBS: Mês de junho será feita a avaliação do projeto para verificação dos
resultados, esperando que o Indicador de resultado positivo destes meios de
verificação, periodicidade seja atingido todas as metas com sucesso.
10- AVALIAÇÃO
A avaliação será constantemente pela assistente social e a estagiária
de Serviço Social e 02(duas) vezes semanalmente como forma de avaliação
das sugestões dos pacientes no tratamento da humanização e os
profissionais envolvidos, na relação profissional/paciente verificando a
evolução dos prontuários, nas trocas de experiências e vivências no
fortalecimento coletivo dos familiares/funcionários do hospital E. Finalizando,
a cada 15 dia será realizado uma palestra para os funcionários, onde estes
poderão narrar suas experiências que lhe chamaram atenção e renovar o
fortalecimento do compromisso profissional.
11- REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS
BRASIL. Ministério da Saúde. Acolhimento nas Práticas de Produção de Saúde.
Brasília, DF, 2008
BRASIL. Ministério da Saúde. Política Nacional de Humanização. Cartilha da PNH:
Acolhimento com Classificação de Risco. Brasília, DF, 2004b.
BRASIL. Ministério da Saúde. Política Nacional de Humanização. Documento base
para Gestores e Trabalhadores do SUS. Brasília, DF, 2004c.
BRASIL. Ministério da Saúde. Saúde Mental no SUS: Os Centros de Atenção
Psicossocial. Brasília, DF, 2004 d.
DESLANDES, S. Análise do discurso oficial sobre a humanização da assistência
hospitalar comunicacional. Revista Ciência & Saúde Coletiva, v. 9, n.1, 2004.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

OS INSTRUMENTAIS TÉCNICO-OPERATIVOS NA PRÁTICA PROFISSIONAL DO SERVIÇO SOCIAL
OS INSTRUMENTAIS TÉCNICO-OPERATIVOS NA PRÁTICA PROFISSIONAL DO SERVIÇO SOCIALOS INSTRUMENTAIS TÉCNICO-OPERATIVOS NA PRÁTICA PROFISSIONAL DO SERVIÇO SOCIAL
OS INSTRUMENTAIS TÉCNICO-OPERATIVOS NA PRÁTICA PROFISSIONAL DO SERVIÇO SOCIAL
Conceição Amorim
 
Relatorio social adoção
Relatorio social adoçãoRelatorio social adoção
Relatorio social adoção
Diario de Assistente Social
 
Humanização Na Assistencia de Enfermagem
Humanização Na Assistencia de  EnfermagemHumanização Na Assistencia de  Enfermagem
Humanização Na Assistencia de Enfermagem
Charles Lima
 
Apresentação do caps
Apresentação do capsApresentação do caps
Apresentação do caps
Adriana Emidio
 
COMO FAZER RELATÓRIOS
COMO FAZER RELATÓRIOSCOMO FAZER RELATÓRIOS
COMO FAZER RELATÓRIOS
Daiane Daine
 
Aula Introdutória de Saúde Coletiva
Aula Introdutória de Saúde ColetivaAula Introdutória de Saúde Coletiva
Aula Introdutória de Saúde Coletiva
Karynne Alves do Nascimento
 
POLÍTICAS PÚBLICAS DE SAÚDE
POLÍTICAS PÚBLICAS DE SAÚDE  POLÍTICAS PÚBLICAS DE SAÚDE
POLÍTICAS PÚBLICAS DE SAÚDE
Valdirene1977
 
Equipe multiprofissional de saúde
Equipe multiprofissional de saúdeEquipe multiprofissional de saúde
Equipe multiprofissional de saúde
naiellyrodrigues
 
Relatório ações da saúde
Relatório ações da saúdeRelatório ações da saúde
Relatório ações da saúde
Junior Campos
 
A construção do sus
A construção do susA construção do sus
A construção do sus
Regina M F Gomes
 
Relatorio 1
Relatorio 1Relatorio 1
Relatorio 1
Egidio Inacio
 
Projeto terapeutico singular
Projeto terapeutico singularProjeto terapeutico singular
Projeto terapeutico singular
CENAT Cursos
 
Humanização na saude
Humanização na saudeHumanização na saude
Humanização na saude
Juliermeson Morais
 
Aula 2 saúde e doença
Aula 2   saúde e doençaAula 2   saúde e doença
Aula 2 saúde e doença
Jesiele Spindler
 
Apresentação serviços social
Apresentação serviços socialApresentação serviços social
Apresentação serviços social
jorge luiz dos santos de souza
 
História da Luta Antimanicomial: recortes e contextualização
História da Luta Antimanicomial: recortes e contextualizaçãoHistória da Luta Antimanicomial: recortes e contextualização
História da Luta Antimanicomial: recortes e contextualização
Alexandre Simoes
 
Pnab -programa nacional da Atenção básica
Pnab -programa nacional da Atenção básicaPnab -programa nacional da Atenção básica
Pnab -programa nacional da Atenção básica
Jarquineide Silva
 
Modelo parecer social
Modelo  parecer socialModelo  parecer social
Modelo parecer social
Rosane Domingues
 
Política nacional de humanização
Política nacional de humanizaçãoPolítica nacional de humanização
Política nacional de humanização
Priscila Tenório
 
Atenção Primária à Saúde
Atenção Primária à SaúdeAtenção Primária à Saúde

Mais procurados (20)

OS INSTRUMENTAIS TÉCNICO-OPERATIVOS NA PRÁTICA PROFISSIONAL DO SERVIÇO SOCIAL
OS INSTRUMENTAIS TÉCNICO-OPERATIVOS NA PRÁTICA PROFISSIONAL DO SERVIÇO SOCIALOS INSTRUMENTAIS TÉCNICO-OPERATIVOS NA PRÁTICA PROFISSIONAL DO SERVIÇO SOCIAL
OS INSTRUMENTAIS TÉCNICO-OPERATIVOS NA PRÁTICA PROFISSIONAL DO SERVIÇO SOCIAL
 
Relatorio social adoção
Relatorio social adoçãoRelatorio social adoção
Relatorio social adoção
 
Humanização Na Assistencia de Enfermagem
Humanização Na Assistencia de  EnfermagemHumanização Na Assistencia de  Enfermagem
Humanização Na Assistencia de Enfermagem
 
Apresentação do caps
Apresentação do capsApresentação do caps
Apresentação do caps
 
COMO FAZER RELATÓRIOS
COMO FAZER RELATÓRIOSCOMO FAZER RELATÓRIOS
COMO FAZER RELATÓRIOS
 
Aula Introdutória de Saúde Coletiva
Aula Introdutória de Saúde ColetivaAula Introdutória de Saúde Coletiva
Aula Introdutória de Saúde Coletiva
 
POLÍTICAS PÚBLICAS DE SAÚDE
POLÍTICAS PÚBLICAS DE SAÚDE  POLÍTICAS PÚBLICAS DE SAÚDE
POLÍTICAS PÚBLICAS DE SAÚDE
 
Equipe multiprofissional de saúde
Equipe multiprofissional de saúdeEquipe multiprofissional de saúde
Equipe multiprofissional de saúde
 
Relatório ações da saúde
Relatório ações da saúdeRelatório ações da saúde
Relatório ações da saúde
 
A construção do sus
A construção do susA construção do sus
A construção do sus
 
Relatorio 1
Relatorio 1Relatorio 1
Relatorio 1
 
Projeto terapeutico singular
Projeto terapeutico singularProjeto terapeutico singular
Projeto terapeutico singular
 
Humanização na saude
Humanização na saudeHumanização na saude
Humanização na saude
 
Aula 2 saúde e doença
Aula 2   saúde e doençaAula 2   saúde e doença
Aula 2 saúde e doença
 
Apresentação serviços social
Apresentação serviços socialApresentação serviços social
Apresentação serviços social
 
História da Luta Antimanicomial: recortes e contextualização
História da Luta Antimanicomial: recortes e contextualizaçãoHistória da Luta Antimanicomial: recortes e contextualização
História da Luta Antimanicomial: recortes e contextualização
 
Pnab -programa nacional da Atenção básica
Pnab -programa nacional da Atenção básicaPnab -programa nacional da Atenção básica
Pnab -programa nacional da Atenção básica
 
Modelo parecer social
Modelo  parecer socialModelo  parecer social
Modelo parecer social
 
Política nacional de humanização
Política nacional de humanizaçãoPolítica nacional de humanização
Política nacional de humanização
 
Atenção Primária à Saúde
Atenção Primária à SaúdeAtenção Primária à Saúde
Atenção Primária à Saúde
 

Semelhante a PROJETO DE INTERVENÇÃO SOBRE A HUMANIZAÇÃO NA ÁREA HOSPITALAR COM OS USUÁRIOS SUS

Acolhimentoehumanizao 111011082936-phpapp01
Acolhimentoehumanizao 111011082936-phpapp01Acolhimentoehumanizao 111011082936-phpapp01
Acolhimentoehumanizao 111011082936-phpapp01
rosiclermalta
 
Abbes e maassaro acolhimento com classificação de risco
Abbes e maassaro   acolhimento com classificação de riscoAbbes e maassaro   acolhimento com classificação de risco
Abbes e maassaro acolhimento com classificação de risco
Jozy Anne Aguiar
 
Política Nacional de Humanização - PNH.pdf
Política Nacional de Humanização - PNH.pdfPolítica Nacional de Humanização - PNH.pdf
Política Nacional de Humanização - PNH.pdf
RitaOliveira691334
 
Humanizasus 2004
Humanizasus 2004Humanizasus 2004
Humanizasus 2004
danilo rodrigues
 
Acolhimentoehumanização
AcolhimentoehumanizaçãoAcolhimentoehumanização
Acolhimentoehumanização
Saúde Hervalense
 
4ª aula 1º slid humaniza sus
4ª aula 1º slid humaniza sus4ª aula 1º slid humaniza sus
4ª aula 1º slid humaniza sus
Francisco Fialho
 
Acolhimento classificaao risco_servico_urgencia
Acolhimento classificaao risco_servico_urgenciaAcolhimento classificaao risco_servico_urgencia
Acolhimento classificaao risco_servico_urgencia
Alice Costa
 
Cola
ColaCola
Tratamento Humanizado - Pascoal Marracini
Tratamento Humanizado - Pascoal MarraciniTratamento Humanizado - Pascoal Marracini
Tratamento Humanizado - Pascoal Marracini
Oncoguia
 
Cartilha da pnh
Cartilha da pnhCartilha da pnh
Cartilha da pnh
Juliana Azevedo
 
Internação
InternaçãoInternação
Internação
Natha Fisioterapia
 
Cartilha humanizasus
Cartilha humanizasusCartilha humanizasus
Cartilha humanizasus
Yasmin Mattos
 
Humanização em enfermagem slides pptx...
Humanização em enfermagem slides pptx...Humanização em enfermagem slides pptx...
Humanização em enfermagem slides pptx...
jhordana1
 
Processos gerenciais na prática do cuidado
Processos gerenciais na prática do cuidadoProcessos gerenciais na prática do cuidado
Processos gerenciais na prática do cuidado
gisorte
 
Texto acolhimento
Texto acolhimento Texto acolhimento
Texto acolhimento
Ericksson Ávila
 
Iv congresso internacional de serviço social
Iv congresso internacional de serviço socialIv congresso internacional de serviço social
Iv congresso internacional de serviço social
Vilma Pereira da Silva
 
Humaniza SUS marco teorico
Humaniza SUS marco teoricoHumaniza SUS marco teorico
Humaniza SUS marco teorico
feraps
 
integracao_ensino_servico_emilia_higino.ppt
integracao_ensino_servico_emilia_higino.pptintegracao_ensino_servico_emilia_higino.ppt
integracao_ensino_servico_emilia_higino.ppt
AndreiaDiasdeLima
 
Relatorio final pronto!
Relatorio final pronto!Relatorio final pronto!
Relatorio final pronto!
Silvio Medeiros
 
PRÉ PROJETO DE TCC - Arlene Morais Freitas-1.pptx
PRÉ PROJETO DE TCC - Arlene Morais Freitas-1.pptxPRÉ PROJETO DE TCC - Arlene Morais Freitas-1.pptx
PRÉ PROJETO DE TCC - Arlene Morais Freitas-1.pptx
EvandroPereira73
 

Semelhante a PROJETO DE INTERVENÇÃO SOBRE A HUMANIZAÇÃO NA ÁREA HOSPITALAR COM OS USUÁRIOS SUS (20)

Acolhimentoehumanizao 111011082936-phpapp01
Acolhimentoehumanizao 111011082936-phpapp01Acolhimentoehumanizao 111011082936-phpapp01
Acolhimentoehumanizao 111011082936-phpapp01
 
Abbes e maassaro acolhimento com classificação de risco
Abbes e maassaro   acolhimento com classificação de riscoAbbes e maassaro   acolhimento com classificação de risco
Abbes e maassaro acolhimento com classificação de risco
 
Política Nacional de Humanização - PNH.pdf
Política Nacional de Humanização - PNH.pdfPolítica Nacional de Humanização - PNH.pdf
Política Nacional de Humanização - PNH.pdf
 
Humanizasus 2004
Humanizasus 2004Humanizasus 2004
Humanizasus 2004
 
Acolhimentoehumanização
AcolhimentoehumanizaçãoAcolhimentoehumanização
Acolhimentoehumanização
 
4ª aula 1º slid humaniza sus
4ª aula 1º slid humaniza sus4ª aula 1º slid humaniza sus
4ª aula 1º slid humaniza sus
 
Acolhimento classificaao risco_servico_urgencia
Acolhimento classificaao risco_servico_urgenciaAcolhimento classificaao risco_servico_urgencia
Acolhimento classificaao risco_servico_urgencia
 
Cola
ColaCola
Cola
 
Tratamento Humanizado - Pascoal Marracini
Tratamento Humanizado - Pascoal MarraciniTratamento Humanizado - Pascoal Marracini
Tratamento Humanizado - Pascoal Marracini
 
Cartilha da pnh
Cartilha da pnhCartilha da pnh
Cartilha da pnh
 
Internação
InternaçãoInternação
Internação
 
Cartilha humanizasus
Cartilha humanizasusCartilha humanizasus
Cartilha humanizasus
 
Humanização em enfermagem slides pptx...
Humanização em enfermagem slides pptx...Humanização em enfermagem slides pptx...
Humanização em enfermagem slides pptx...
 
Processos gerenciais na prática do cuidado
Processos gerenciais na prática do cuidadoProcessos gerenciais na prática do cuidado
Processos gerenciais na prática do cuidado
 
Texto acolhimento
Texto acolhimento Texto acolhimento
Texto acolhimento
 
Iv congresso internacional de serviço social
Iv congresso internacional de serviço socialIv congresso internacional de serviço social
Iv congresso internacional de serviço social
 
Humaniza SUS marco teorico
Humaniza SUS marco teoricoHumaniza SUS marco teorico
Humaniza SUS marco teorico
 
integracao_ensino_servico_emilia_higino.ppt
integracao_ensino_servico_emilia_higino.pptintegracao_ensino_servico_emilia_higino.ppt
integracao_ensino_servico_emilia_higino.ppt
 
Relatorio final pronto!
Relatorio final pronto!Relatorio final pronto!
Relatorio final pronto!
 
PRÉ PROJETO DE TCC - Arlene Morais Freitas-1.pptx
PRÉ PROJETO DE TCC - Arlene Morais Freitas-1.pptxPRÉ PROJETO DE TCC - Arlene Morais Freitas-1.pptx
PRÉ PROJETO DE TCC - Arlene Morais Freitas-1.pptx
 

Mais de Allan Vieira

HISTÓRIA DA CONSTRUÇÃO DA CIDADANIA CIDADANIA E DEMOCRACIA
HISTÓRIA DA CONSTRUÇÃO DA CIDADANIA  CIDADANIA E DEMOCRACIAHISTÓRIA DA CONSTRUÇÃO DA CIDADANIA  CIDADANIA E DEMOCRACIA
HISTÓRIA DA CONSTRUÇÃO DA CIDADANIA CIDADANIA E DEMOCRACIA
Allan Vieira
 
CONSELHO DO IDOSO
CONSELHO DO IDOSO CONSELHO DO IDOSO
CONSELHO DO IDOSO
Allan Vieira
 
Como obter o registro no CMAS?
Como obter o registro no CMAS?Como obter o registro no CMAS?
Como obter o registro no CMAS?
Allan Vieira
 
Como obter o registro no cmas
Como obter o registro no cmasComo obter o registro no cmas
Como obter o registro no cmas
Allan Vieira
 
Como organizar as Comissões das Conferencias Municipais de Assistencia Social...
Como organizar as Comissões das Conferencias Municipais de Assistencia Social...Como organizar as Comissões das Conferencias Municipais de Assistencia Social...
Como organizar as Comissões das Conferencias Municipais de Assistencia Social...
Allan Vieira
 
O capitalismo social
O capitalismo socialO capitalismo social
O capitalismo social
Allan Vieira
 
Histórico do município de sarandi
Histórico do município de sarandiHistórico do município de sarandi
Histórico do município de sarandi
Allan Vieira
 
Propostas da conferencia dos deficientes 2010
Propostas da conferencia dos deficientes 2010Propostas da conferencia dos deficientes 2010
Propostas da conferencia dos deficientes 2010
Allan Vieira
 
Regimento Interno do Conselho dos deficientes de Sarandi
Regimento Interno  do Conselho dos deficientes de SarandiRegimento Interno  do Conselho dos deficientes de Sarandi
Regimento Interno do Conselho dos deficientes de Sarandi
Allan Vieira
 
Como Captar Recursos no 3º Setor?
Como Captar Recursos no 3º Setor?Como Captar Recursos no 3º Setor?
Como Captar Recursos no 3º Setor?
Allan Vieira
 
Associativismo e cultura política
Associativismo e cultura políticaAssociativismo e cultura política
Associativismo e cultura política
Allan Vieira
 
Apresentação semana do serviço social maringá
Apresentação semana do serviço social maringáApresentação semana do serviço social maringá
Apresentação semana do serviço social maringá
Allan Vieira
 
PPA CMDCA Sarandi - 2011 - 2013
PPA CMDCA Sarandi - 2011 - 2013PPA CMDCA Sarandi - 2011 - 2013
PPA CMDCA Sarandi - 2011 - 2013
Allan Vieira
 
Ata de constituição de Observatório Social - modelo
Ata de constituição  de Observatório Social -   modeloAta de constituição  de Observatório Social -   modelo
Ata de constituição de Observatório Social - modelo
Allan Vieira
 
Estatuto observatórios modelo
Estatuto observatórios   modeloEstatuto observatórios   modelo
Estatuto observatórios modelo
Allan Vieira
 
Controle social e cidadania
Controle social e cidadaniaControle social e cidadania
Controle social e cidadania
Allan Vieira
 
Crescimento da RMMaringá...O Que fazer??
Crescimento da RMMaringá...O Que fazer??Crescimento da RMMaringá...O Que fazer??
Crescimento da RMMaringá...O Que fazer??
Allan Vieira
 

Mais de Allan Vieira (17)

HISTÓRIA DA CONSTRUÇÃO DA CIDADANIA CIDADANIA E DEMOCRACIA
HISTÓRIA DA CONSTRUÇÃO DA CIDADANIA  CIDADANIA E DEMOCRACIAHISTÓRIA DA CONSTRUÇÃO DA CIDADANIA  CIDADANIA E DEMOCRACIA
HISTÓRIA DA CONSTRUÇÃO DA CIDADANIA CIDADANIA E DEMOCRACIA
 
CONSELHO DO IDOSO
CONSELHO DO IDOSO CONSELHO DO IDOSO
CONSELHO DO IDOSO
 
Como obter o registro no CMAS?
Como obter o registro no CMAS?Como obter o registro no CMAS?
Como obter o registro no CMAS?
 
Como obter o registro no cmas
Como obter o registro no cmasComo obter o registro no cmas
Como obter o registro no cmas
 
Como organizar as Comissões das Conferencias Municipais de Assistencia Social...
Como organizar as Comissões das Conferencias Municipais de Assistencia Social...Como organizar as Comissões das Conferencias Municipais de Assistencia Social...
Como organizar as Comissões das Conferencias Municipais de Assistencia Social...
 
O capitalismo social
O capitalismo socialO capitalismo social
O capitalismo social
 
Histórico do município de sarandi
Histórico do município de sarandiHistórico do município de sarandi
Histórico do município de sarandi
 
Propostas da conferencia dos deficientes 2010
Propostas da conferencia dos deficientes 2010Propostas da conferencia dos deficientes 2010
Propostas da conferencia dos deficientes 2010
 
Regimento Interno do Conselho dos deficientes de Sarandi
Regimento Interno  do Conselho dos deficientes de SarandiRegimento Interno  do Conselho dos deficientes de Sarandi
Regimento Interno do Conselho dos deficientes de Sarandi
 
Como Captar Recursos no 3º Setor?
Como Captar Recursos no 3º Setor?Como Captar Recursos no 3º Setor?
Como Captar Recursos no 3º Setor?
 
Associativismo e cultura política
Associativismo e cultura políticaAssociativismo e cultura política
Associativismo e cultura política
 
Apresentação semana do serviço social maringá
Apresentação semana do serviço social maringáApresentação semana do serviço social maringá
Apresentação semana do serviço social maringá
 
PPA CMDCA Sarandi - 2011 - 2013
PPA CMDCA Sarandi - 2011 - 2013PPA CMDCA Sarandi - 2011 - 2013
PPA CMDCA Sarandi - 2011 - 2013
 
Ata de constituição de Observatório Social - modelo
Ata de constituição  de Observatório Social -   modeloAta de constituição  de Observatório Social -   modelo
Ata de constituição de Observatório Social - modelo
 
Estatuto observatórios modelo
Estatuto observatórios   modeloEstatuto observatórios   modelo
Estatuto observatórios modelo
 
Controle social e cidadania
Controle social e cidadaniaControle social e cidadania
Controle social e cidadania
 
Crescimento da RMMaringá...O Que fazer??
Crescimento da RMMaringá...O Que fazer??Crescimento da RMMaringá...O Que fazer??
Crescimento da RMMaringá...O Que fazer??
 

Último

Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptxSlides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
28 - Agente de Endemias (40 mapas mentais) - Amostra.pdf
28 - Agente de Endemias (40 mapas mentais) - Amostra.pdf28 - Agente de Endemias (40 mapas mentais) - Amostra.pdf
28 - Agente de Endemias (40 mapas mentais) - Amostra.pdf
SheylaAlves6
 
Escola Preparatória de Cadetes do Ar (EPCAR).pdf
Escola Preparatória de Cadetes do Ar (EPCAR).pdfEscola Preparatória de Cadetes do Ar (EPCAR).pdf
Escola Preparatória de Cadetes do Ar (EPCAR).pdf
Falcão Brasil
 
Sistema Integrado de Monitoramento de Fronteiras - SISFRON.pdf
Sistema Integrado de Monitoramento de Fronteiras - SISFRON.pdfSistema Integrado de Monitoramento de Fronteiras - SISFRON.pdf
Sistema Integrado de Monitoramento de Fronteiras - SISFRON.pdf
Falcão Brasil
 
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdfHistória das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
LeideLauraCenturionL
 
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdfMarinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Falcão Brasil
 
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdfOrganograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Falcão Brasil
 
Introdução ao filme Divertida Mente 2 em pdf
Introdução ao filme Divertida Mente 2 em pdfIntrodução ao filme Divertida Mente 2 em pdf
Introdução ao filme Divertida Mente 2 em pdf
valdeci17
 
A GEOPOLÍTICA ATUAL E A INTEGRAÇÃO ECONÔMICA E SOCIAL
A GEOPOLÍTICA ATUAL E A INTEGRAÇÃO ECONÔMICA E SOCIALA GEOPOLÍTICA ATUAL E A INTEGRAÇÃO ECONÔMICA E SOCIAL
A GEOPOLÍTICA ATUAL E A INTEGRAÇÃO ECONÔMICA E SOCIAL
ArapiracaNoticiasFat
 
Os Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdf
Os Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdfOs Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdf
Os Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdf
Falcão Brasil
 
Fotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosas
Fotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosasFotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosas
Fotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosas
MariaJooSilva58
 
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Falcão Brasil
 
Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...
Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...
Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...
Falcão Brasil
 
Slides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptxSlides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Boletim informativo - Contacto - julho de 2024
Boletim informativo - Contacto - julho de 2024Boletim informativo - Contacto - julho de 2024
Boletim informativo - Contacto - julho de 2024
Bibliotecas Escolares AEIDH
 
Plano Diretor da Tecnologia da Informação PDTIC 2020 a 2023.pdf
Plano Diretor da Tecnologia da Informação PDTIC 2020 a 2023.pdfPlano Diretor da Tecnologia da Informação PDTIC 2020 a 2023.pdf
Plano Diretor da Tecnologia da Informação PDTIC 2020 a 2023.pdf
Falcão Brasil
 
Ensinar Programação 📚 Python 🐍 Método Inovador e Prático 🚀
Ensinar Programação 📚 Python 🐍 Método Inovador e Prático 🚀Ensinar Programação 📚 Python 🐍 Método Inovador e Prático 🚀
Ensinar Programação 📚 Python 🐍 Método Inovador e Prático 🚀
Miguel Delamontagne
 
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Centro Jacques Delors
 
Desafio matemático - multiplicação e divisão.
Desafio matemático -  multiplicação e divisão.Desafio matemático -  multiplicação e divisão.
Desafio matemático - multiplicação e divisão.
Mary Alvarenga
 

Último (20)

Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptxSlides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
 
28 - Agente de Endemias (40 mapas mentais) - Amostra.pdf
28 - Agente de Endemias (40 mapas mentais) - Amostra.pdf28 - Agente de Endemias (40 mapas mentais) - Amostra.pdf
28 - Agente de Endemias (40 mapas mentais) - Amostra.pdf
 
Escola Preparatória de Cadetes do Ar (EPCAR).pdf
Escola Preparatória de Cadetes do Ar (EPCAR).pdfEscola Preparatória de Cadetes do Ar (EPCAR).pdf
Escola Preparatória de Cadetes do Ar (EPCAR).pdf
 
Sistema Integrado de Monitoramento de Fronteiras - SISFRON.pdf
Sistema Integrado de Monitoramento de Fronteiras - SISFRON.pdfSistema Integrado de Monitoramento de Fronteiras - SISFRON.pdf
Sistema Integrado de Monitoramento de Fronteiras - SISFRON.pdf
 
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdfHistória das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
 
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdfMarinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
 
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdfOrganograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
 
Introdução ao filme Divertida Mente 2 em pdf
Introdução ao filme Divertida Mente 2 em pdfIntrodução ao filme Divertida Mente 2 em pdf
Introdução ao filme Divertida Mente 2 em pdf
 
A GEOPOLÍTICA ATUAL E A INTEGRAÇÃO ECONÔMICA E SOCIAL
A GEOPOLÍTICA ATUAL E A INTEGRAÇÃO ECONÔMICA E SOCIALA GEOPOLÍTICA ATUAL E A INTEGRAÇÃO ECONÔMICA E SOCIAL
A GEOPOLÍTICA ATUAL E A INTEGRAÇÃO ECONÔMICA E SOCIAL
 
Os Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdf
Os Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdfOs Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdf
Os Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdf
 
Fotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosas
Fotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosasFotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosas
Fotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosas
 
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
 
Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...
Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...
Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...
 
Slides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptxSlides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptx
 
Boletim informativo - Contacto - julho de 2024
Boletim informativo - Contacto - julho de 2024Boletim informativo - Contacto - julho de 2024
Boletim informativo - Contacto - julho de 2024
 
Plano Diretor da Tecnologia da Informação PDTIC 2020 a 2023.pdf
Plano Diretor da Tecnologia da Informação PDTIC 2020 a 2023.pdfPlano Diretor da Tecnologia da Informação PDTIC 2020 a 2023.pdf
Plano Diretor da Tecnologia da Informação PDTIC 2020 a 2023.pdf
 
Ensinar Programação 📚 Python 🐍 Método Inovador e Prático 🚀
Ensinar Programação 📚 Python 🐍 Método Inovador e Prático 🚀Ensinar Programação 📚 Python 🐍 Método Inovador e Prático 🚀
Ensinar Programação 📚 Python 🐍 Método Inovador e Prático 🚀
 
TALENTOS DA NOSSA ESCOLA .
TALENTOS DA NOSSA ESCOLA                .TALENTOS DA NOSSA ESCOLA                .
TALENTOS DA NOSSA ESCOLA .
 
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
 
Desafio matemático - multiplicação e divisão.
Desafio matemático -  multiplicação e divisão.Desafio matemático -  multiplicação e divisão.
Desafio matemático - multiplicação e divisão.
 

PROJETO DE INTERVENÇÃO SOBRE A HUMANIZAÇÃO NA ÁREA HOSPITALAR COM OS USUÁRIOS SUS

  • 1. ELZA RODRIGUES PROJETO DE INTERVENÇÃO SOBRE A HUMANIZAÇÃO NA ÁREA HOSPITALAR COM OS USUÁRIOS SUS MARINGÁ 2014
  • 2. ELZA RODRIGUES PROJETO DE INTERVENÇÃO SOBRE A HUMANIZAÇÃO NA ÁREA HOSPITALAR COM OS USUÁRIOS SUS Projeto apresentado ao Centro Universitário de Maringá-Unicesumar como requisito parcial para a obtenção da nota do terceiro bimestre MARINGÁ 2014
  • 3. SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO...........................................................................................................................................05 2 OBJETIVOS..................................................................................................................................................07 2.1 Objetivo Geral..................................................................................................................................07 2.2 Objetivos Específicos...............................................................................................................07 3 METAS..............................................................................................................................................................08 4 METODOLOGIA..........................................................................................................................................08 5 RECURSOS................................................................................................................................................09 5.1 Recursos Humanos.....................................................................................................................09 5.2 Recursos Físicos..........................................................................................................................09 5.3 Recursos Financeiros................................................................................................................09 6 BENEFICIÁRIOS (Público Alvo)......................................................................................................09 7 EQUIPE ............................................................................................................................................................10 8 ORÇAMENTO..............................................................................................................................................10 9 CRONOGRAMA.........................................................................................................................................10 10 AVALIAÇÃO................................................................................................................................................12 11 REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS.........................................................................................12
  • 4. PROJETO IDENTIFICAÇÃO Título do Projeto: Projeto de intervenção sobre a humanização na área hospitalar com os usuários SUS Órgão Proponente: Hospital ER Telefone: Endereço: E-mail: Órgão Executor: Serviço Social e Comissão de Humanização. Responsáveis pelo Projeto: Assistente Social/supervisora de estágio do Hospital E Acadêmica: Elza Rodrigues Data e previsão de realização: Julho de 2015 sendo prevista sua continuidade. DADOS INSTITUCIONAIS Nome: CNPJ – Endereço:. Cidade: Telefone: Site: DIAGNÓSTICO Considerando que se faz necessário reorientar o papel da Unidade de Assistência e do Centro de Referência na atenção à saúde e definir a qualificação técnica exigida para o atendimento aos usuários do Sistema Único de Saúde - SUS; o parecer conclusivo do respectivo Gestor do SUS –
  • 5. manifestação expressa em relação ao credenciamento. No caso de processo formalizado por Secretaria de município em Gestão Plena do Sistema Municipal de Saúde, deverá constar, além do parecer do Gestor municipal, o parecer do Gestor estadual do SUS e o da Humanização que será responsável pela integração da Unidade à rede e a definição dos fluxos de referência e contra - referência dos pacientes. 1 – INTRODUÇÃO O presente projeto de intervenção é fruto de observação e questionamentos que surgiram durante a realização do estágio no hospital E nas alas de atendimento aos pacientes SUS. O projeto em questão busca levar informações e orientações que é direito de todo cidadão receber um atendimento público de qualidade na área da saúde. Os questionamentos se referem ao serviço de saúde que é ofertado na instituição que, muitas vezes é realizado como um atendimento como se fosse de favor e não visto como um direito do usuário, assim, o assistente social entra como mediador, isto é, torna-se um objeto de estudo do profissional de serviço social, uma vez que os atendimentos não eram calcados nos princípios da humanização do SUS e o usuário tem seus direitos garantidos. De acordo com o Ministério da saúde, a Consolidação da política de Humanização do SUS foi criada em 2001, para dar suporte ao SUS através de um conjunto de ações na busca da efetivação de seus princípios, procurando minimizar as fragmentações do serviço da saúde. A humanização é entendida como valor na medida em resgata o respeito à vida humana. Abrange circunstâncias sociais, éticas, educacionais e psíquicas presentes em todo relacionamento humano. Esse valor é definido em função de seu caráter complementar aos aspectos técnicos científicos que
  • 6. privilegiam a objetividade, a generalidade, a causalidade e a especialização do saber. Faz-se necessária considerando que nos serviços de saúde há situações desumanizantes. Pois são apontadas há décadas como relacionadas nas condições de trabalho e as falhas no atendimento devido às longas esperas e adiamentos de atendimentos, ausência de regulamentos, etc. Especialistas que trabalham com humanização são unânimes em afirmar que a mudança do ambiente hospitalar traz benefícios como redução do tempo de internação, aumento do bem estar geral dos pacientes e funcionários e a diminuição das faltas de trabalho entre equipe de saúde. Como consequência, o hospital também reduz seus gastos. O assistente social dispõe de atribuições específicas na área da saúde, o que constitui um instrumento importante na construção de estratégias para o exercício profissional e na busca de alternativas visando ao entendimento das necessidades sociais apresentadas pelos usuários nos serviços de saúde. Por entender que o assistente social é um profissional que, com regularidade atua na relação direta com sujeitos, geralmente em situações de fragilidade e sofrimento, exige que este profissional tenha a percepção do outro como um ser completo, que necessita de forma equitativa da saúde física, mental e emocional. Desta forma, percebe-se a necessidade de mudanças na forma de pensar, sentir e agir do assistente social para que este esteja preparado para atender às novas e variadas demandas do mundo e de seus diversos atores. O objetivo fundamental da Política de Humanização é o de aprimorar as relações entre profissionais, entre usuários e profissionais (campo das interações face-a-face) e entre hospital e comunidade, visando à melhoria da qualidade e a eficácia dos serviços prestados por estas instituições (Delandes 2004). A capacitação permanente do assistente social para atualização e fortalecimento do referencial teórico-metodológico e instrumentalização da análise e da intervenção na realidade social torna-se uma necessidade.
  • 7. E baseado no que foi dito anteriormente é que, se faz necessário iniciar e ou dar continuidade no processo de humanização tendo como prioridade transmitir para esses profissionais informações sobre os cuidados de saúde de uma maneira mais simples e humanizada, e estabelecendo um atendimento na busca da qualidade de vida das famílias e usuários desta unidade de saúde. A tarefa de humanizar requer competência técnica, envolve interesse e é pautada no respeito e dedicação com o outro. Já que o tratamento humanizado é uma das grandes metas do Hospital, é preciso oferecer todas as condições para que os pacientes sintam que estão recebendo um atendimento completo. O assistente social é responsável por atuar diretamente com os pacientes e a família dos pacientes. É um trabalho de acolhimento que faz toda diferença para quem está passando por um momento difícil. A assistência social atua nas alas do SUS do Hospital. Além de prestar todo o apoio, a assistente social também trabalha conscientizando os pacientes e familiares sobre as rotinas e normas do Hospital. 2 – OBJETIVOS 2.1 OBJETIVO GERAL Desenvolver a Humanização SUS no Hospital E buscando prestar um serviço igualitário e de qualidade a todos os pacientes e familiares. 2.2 OBJETIVOS ESPECÍFICOS  Despertar nos profissionais para um novo conceito de assistência à saúde que valorize a vida humana.   Estreitar a relação usuário- profissional da saúde, que deve se dar por parâmetros humanitários.   Prestar informações a familiares de forma respeitosa e clara, objetivando diminuir a ansiedade, a angústia e seu sofrimento enquanto espera.
  • 8. 3 - METAS  Implantação do novo serviço e aceitação do mesmo pelos profissionais, fruindo a satisfação dos profissionais em relação à profissão com um percentual de 90% dos profissionais em 12 meses.   Trabalhar atos humanitário tanto com os funcionários quanto com os usuários, maior comprometimento dos mesmos com o ambiente hospitalar. Envolvendo um percentual 90% dos profissionais em 24 meses.   Importância da implantação do serviço de acolhimento, comprometimento e agilidade nas informações hospitalares, a fim de organizar os fluxos de atendimento. Alcançando um percentual de 80%, de satisfação dos usuários em 6 meses. 4 – METODOLOGIA Este projeto será apresentado á gerência de atendimento ao cliente ao qual o serviço social está subordinado, e se aprovado será agendado uma reunião com os profissionais a serem envolvidos. Esta reunião (palestra) será realizada com o grupo de funcionários (médicos, equipe de enfermagem, hotelaria, maqueiro, assistente social, psicologia e capela hospitalar) antes da entrada em seu turno para a orientação de como se dará esta palestra para que surta a sensibilização sobre a temática no lema: humanizar é trabalho com alegria e dignidade. Devido à dificuldade de reunião de todos os funcionários pelo fato dos mesmos possuírem turnos diferentes de 6 a 8 horas, os encontros serão realizados em duas etapas em dois dias, ou seja, uma hora antes da entrada em seu turno de trabalho. Ficando duas reuniões no matutino (6 e 12h) e duas no noturno (18 e 22h). Após esse encontro, deixar a amostra nos quartos, recepção e posto de enfermagem uma caixa para sugestões, com papel e caneta para os usuários e familiares deem a sua leitura de como gostaria de ser tratado, anonimamente. Passado uns três dias (ou uma semana) a assistente social e
  • 9. estagiária recolherá os papéis da caixa e se fará a leitura com os demais funcionários, onde estas sugestões tornam-se o material para a iniciação do trabalho de humanização citados pelos pacientes e familiares destes, que será a implantação do projeto. Ao receberem as orientações dos pacientes/familiares em forma de sugestões, os profissionais executarão as dinâmicas (ações) nas alas do SUS, a sensibilização verbalmente, com o comportamento e a prática de acolhimento no campo da saúde no interior dos quartos. Prestar informações realista e de cunho humanístico sempre que os pacientes necessitarem de apoio físico, moral, espiritual e social. 5 – RECURSOS 5.1 HUMANOS MÉDICOS ENFERM EIR OS ASSISTENTE SOCIAL MAQUEIR O HOTELARIA ESTAGIÁRIO S. SOCIAL CAPELÃ HOSPITALAR PSICOLOGIA NUTRICIONISTA FISIOTER APEU TA TÉCNICOS DE FARMAC EÚTICO ENFERMAGEM 5.2 FÍSICO Quartos específicos das alas do SUS com leitos (camas hospitalar, guarda roupas, mesas de cabeceira, cadeiras, hastes para soros, macas e medicamentos não especificados que os pacientes possam usar), banheiro (vasos sanitário, pia, chuveiro). 5.3 FINANCEIRO Recurso disponibilizado pelo diretor Hospitalar: R$3.500,00(semestral) 6 - BENEFICIÁRIOS (PÚBLICO ALVO)
  • 10. Profissionais da Instituição e usuários do SUS (pacientes usuários do sexo masculino e feminino independentes da situação socioeconômico que estejam internados na ala pelo SUS). 7- EQUIPE Médicos, enfermeiros, assistente social e estagiária, maqueiro, hotelaria, psicologia, nutrição, fisioterapeuta, técnicos de enfermagem, farmacêutico e capelã hospitalar. 8 – ORÇAMENTO Período de Execução Data Início: 07/2015 - Data Prevista: 07/2016 de mais 01(um) ano de prorrogação do projeto para atingir 95% das metas. INVESTIMENTO (ORÇAMENTO MENSAL SIMPLIFICADO) MATERIALDE QUANTIDADE PREÇO UN TOTAL CONSUMO LÁPIS PRETO 20 CX R$ 10,00 R$ 200,00 CANETA AZUL 05 CX R$ 20,00 R$ 200,00 RESMA PAPEL 05 R R$ 30,00 R$ 150,00 CAIXA DE 25 UN R$ 52,00 R$1.300,00 POSTAGEM IMPRESSOS 1000 UN R$12,00 Cto R$1.200,00 QUESTIONÁRIO TOTAL R$ 3.050,00 9 - CRONOGRAMADE ATIVIDADES MES: Julho de 2015 - Primeira semana do mês de Julho de 2015
  • 11. DOMINGO SEGUNDA TERÇA QUARTA QUINTA SEXTA SÁBADO º FEIRA FEIRA FEIRA FEIRA FEIRA Postagem de Reuniões Implantaçã Compra Postagem Visita Continuid informativos para a o do projeto dos das social ade da nos quadros implantaçã com os materiais caixas nos visita murais dos o do projeto todos os nos leitos social nos funcionários funcionário respectivo leitos s que irão s quartos participar do mesmo. MESES: JULHO A DEZEMBRO DE 2015 OBS: Devido à rotatividade de pacientes nas alas do SUS, segue-se o mesmo cronograma do mês de julho para os meses seguintes. DOMINGO SEGUN TERÇA QUARTA QUINTA SEXTA SÁBADO DA FEIRA FEIRA FEIRA FEIRA FEIRA Retirada Reuniões Visita Atendimen Acompa Atendi Atendiment das caixas para a nos to aos nhar, avaliar mento o aos dos quartos leitura leitos pacientes e monitorar. aos pacientes pacientes MESES:JANEIRO A JUNHO DE 2016 DOMINGO SEGUND TERÇA QUARTA QUINTA SEXTA SÁBADO A FEIRA FEIRA FEIRA FEIRA FEIRA Retirada Reuniões Visita Atendime Acompan Atendim Atendi das caixas para a nos nto aos har, ento aos mento aos dos leitura das leitos pacientes avaliar e pacien pacientes quartos sugestões monitorar. tes OBS: Mês de junho será feita a avaliação do projeto para verificação dos resultados, esperando que o Indicador de resultado positivo destes meios de verificação, periodicidade seja atingido todas as metas com sucesso.
  • 12. 10- AVALIAÇÃO A avaliação será constantemente pela assistente social e a estagiária de Serviço Social e 02(duas) vezes semanalmente como forma de avaliação das sugestões dos pacientes no tratamento da humanização e os profissionais envolvidos, na relação profissional/paciente verificando a evolução dos prontuários, nas trocas de experiências e vivências no fortalecimento coletivo dos familiares/funcionários do hospital E. Finalizando, a cada 15 dia será realizado uma palestra para os funcionários, onde estes poderão narrar suas experiências que lhe chamaram atenção e renovar o fortalecimento do compromisso profissional. 11- REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS BRASIL. Ministério da Saúde. Acolhimento nas Práticas de Produção de Saúde. Brasília, DF, 2008 BRASIL. Ministério da Saúde. Política Nacional de Humanização. Cartilha da PNH: Acolhimento com Classificação de Risco. Brasília, DF, 2004b. BRASIL. Ministério da Saúde. Política Nacional de Humanização. Documento base para Gestores e Trabalhadores do SUS. Brasília, DF, 2004c. BRASIL. Ministério da Saúde. Saúde Mental no SUS: Os Centros de Atenção Psicossocial. Brasília, DF, 2004 d. DESLANDES, S. Análise do discurso oficial sobre a humanização da assistência hospitalar comunicacional. Revista Ciência & Saúde Coletiva, v. 9, n.1, 2004.