SlideShare uma empresa Scribd logo
Vivências: Revista Eletrônica de Extensão da URI
ISSN 1809-1636
SALA DE ESPERA: UM AMBIENTE PARA EFETIVAR A EDUCAÇÃO EM SAÚDE
Waiting room: an environment for effective health education
Andréia Dornelles RODRIGUES1
Carlise Rigon DALLANORA2
Jonathan da ROSA3
Alessandra Regina Müller GERMANI4
RESUMO
O presente artigo apresenta as atividades que vem sendo desenvolvidas pelos bolsistas do projeto de
extensão da URI - Universidade Regional Integrada do Alto Uruguai e das Missões, Campus de
Frederico Westphalen, chamado Implantação/implementação da Sala de Espera no Programa de
Saúde da Família - PSF 2 do Município de Frederico Westphalen/RS. Nesse artigo ressaltamos a
importância da implementação da sala de espera nos diferentes serviços de saúde, como um
ambiente crítico/reflexivo que possibilite um meio para acolher os usuários, levantando as suas
necessidades e contribuindo, desta forma, para a efetivação dos princípios e diretrizes do Sistema
Único de Saúde – SUS.
Palavras-chave: Sala de espera; Educação em saúde; Sistema Único de Saúde.
ABSTRACT
This article presents the activities which is being developed by stock of the project for the extension
of URI - Regional University Integrated High Uruguay and the Missions, Campus of Frederico
Westphalen, called Implantation/implemention at the Waiting Room in Family Health Program –
PSF 2 of the county of Frederico Westphalen/RS. In this article we emphasize the importance of
implementation of waiting room in the different health services as an environment critical/reflexive
which allows a means to welcome the users, raising their needs, thereby contributing to the
realization of the principles and guidelines of Single Health System – SUS.
Key words: Waiting room; Health Education; Unified Health System.
INTRODUÇÃO
A Conferência Internacional sobre Cuidados Primários de Saúde, ocorrida em Alma-Ata, em
1978, expressou a necessidade de proteger e promover a saúde de todos os povos do mundo, como
um direito humano fundamental. Nesse contexto, destaca-se que a saúde passou a ter a dimensão de
qualidade de vida e não simplesmente de ausência de doença, o que exige pessoas informadas sobre
1
Aluna voluntária do Projeto de Extensão, Membro do grupo de Pesquisa em Saúde e Acadêmica do Curso de
Graduação em Enfermagem - Universidade Regional Integrada do Alto Uruguai e das Missões, URI, Campus de
Frederico Westphalen (RS)-Brasil; andreiadornellesr@hotmail.com.
2
Bolsista do Projeto de Extensão, Membro do grupo de Pesquisa em Saúde e Acadêmica do Curso de Graduação em
Enfermagem da URI, Campus de Frederico Westphalen; carliserdn@yahoo.com.br.
3
Aluno voluntário do Projeto de Extensão, Membro do grupo de Pesquisa em Saúde e Acadêmico do Curso de
Graduação em Enfermagem da URI, Campus de Frederico Westphalen; jonathastress@yahoo.com.br.
4
Enfermeira, Professora, Mestre, Líder do Grupo de Pesquisa em Saúde, Coordenadora do Curso de Graduação em
Enfermagem da URI, Campus de Frederico Westphalen, orientadora do trabalho; alessandragermani@fw.uri.br.
Vivências. Vol.5, N.7: p.101-106, Maio/2009 101
Vivências: Revista Eletrônica de Extensão da URI
ISSN 1809-1636
os cuidados para se ter saúde e com capacidade pessoal para melhorar as condições físicas e
psicossociais nos espaços onde vivem.
Nessa perspectiva, novas estratégias são criadas e implementadas visando criar políticas que
atendam a essas demandas, sendo uma delas, a criação do Sistema Único de Saúde - SUS, com suas
políticas norteadoras, como a Estratégia de Saúde da Família - ESF, a qual tem como papel
principal a reorientação do modelo assistencial para a atenção básica, buscando assim a
integralidade da assistência. Deste modo, novos serviços devem ser criados para atender as
necessidades da população e as necessidades dessa nova visão de assistência.
Neste contexto, ressalta-se que a atenção básica da saúde deveria ser a base para a assistência
da população. Conforme Ronzani e Silva (2008), a atenção primária ou básica caracteriza-se pelo
atendimento de forma preventiva e promocional, visando o indivíduo holisticamente, seu contexto
social, psicológico e físico, deixando de lado as percepções de cura e do individualismo, assumindo
assim o cuidado integral ao indivíduo.
Deste modo, novas metodologias assistenciais devem ser implementadas para atender as
necessidades da população. Neste viés, apresenta-se o projeto de extensão chamado Implantação e
Implementação da sala de espera no Programa de Saúde da Família -PSF II, do município de
Frederico Westphalen/RS, que está sendo desenvolvido desde o segundo semestre de 2008, inserido
na URI - Universidade Regional Integrada do Alto Uruguai e das Missões, Campus de Frederico
Westphalen.
Portanto, nesse artigo iremos destacar as atividades desenvolvidas pelos bolsistas do projeto
de extensão. Dessa forma, vale ressaltar que essa construção faz parte do plano de trabalho dos
bolsistas, o qual proporciona aos acadêmicos conhecimentos metodológicos acerca da extensão
universitária e o aprofundamento dos conhecimentos sobre a temática em questão.
Assim, para a construção deste artigo, em uma primeira etapa, realizou-se um amplo estudo
bibliográfico, a fim de aprofundar e ampliar os conhecimentos sobre a temática sala de espera,
onde foram realizadas várias consultas aos materiais disponíveis na biblioteca da Universidade.
Após, foram realizadas também diversas consultas a sistema de informações on-line como:
biblioteca virtuais, sítios como SCIELO e do Ministério da Saúde, sendo priorizadas as buscas por
materiais atuais. Ao término desta etapa, foi feito a leitura e releitura dos materiais, discussões dos
temas nos grupos de estudos do referido projeto, e, em seguida, realizados aprofundamento e
ampliação da revisão de literatura, bem como a organização das fichas de registros dos materiais
referentes ao tema.
Face ao exposto, destacamos os principais objetivos do referido projeto, quais sejam:
Implantar/implementar a sala de espera na Unidade Básica de Saúde do PSF 2, no Estado do Rio
Grande do Sul, Município de Frederico Westphalen, com vistas a propiciar um ambiente de
acolhimento e vínculo aos usuários; sensibilizar os profissionais da área de saúde, bem como os
acadêmicos do curso de Enfermagem, sobre a importância da implantação/implementação da sala
de espera, enriquecendo os conhecimentos dos mesmos a respeito desta alternativa; além disto,
desenvolver atividades sócio-educativas, de caráter preventivo e de promoção à saúde, direcionadas
às reais necessidades da população.
SALA DE ESPERA TERRITÓRIO DE EDUCAÇÃO EM SAÚDE
A promoção da saúde por meio do desenvolvimento de ações de educação em saúde é uma
prática afirmada desde 1986, quando ocorreu a 8º Conferência Nacional de Saúde, onde se discutiu
um novo conceito de saúde, passando este a ser entendido como resultante das condições objetivas
de vida, tais como alimentação, educação, transporte e lazer acesso aos serviços de saúde, moradia e
acesso a posse de terra. Diante disso os serviços de saúde necessitam fornecer novas formas de
Rodrigues, A., et all. 102
Vivências: Revista Eletrônica de Extensão da URI
ISSN 1809-1636
acolhimento, humanizando a assistência e melhorando a qualidade dos serviços de saúde prestados
a população.
Nesse contexto, desde a Constituição Federal de 1988, o governo propõe uma reestruturação
do Sistema Nacional de Saúde (SNS), o qual estabelece que a saúde é um direito de todos e de
responsabilidade do Estado, proposto então pelos princípios e diretrizes do SUS, os quais sejam:
universalidade, integralidade, além da participação comunitária. Diante disso, o SUS, desde sua
criação até os dias de hoje, vem passando por um processo gradual de aperfeiçoamento, onde busca-
se a implementação e regulamentação de seus princípios e diretrizes.
No mesmo viés e com o intuito de efetivar e consolidar os princípios e diretrizes do SUS,
surge em 1994, o Programa de Saúde da Família – PSF, que passa a ser considerado mais adiante
uma Estratégia de Saúde da Família - ESF. Segundo Mano (2004), o PSF tem como papel principal
á reorientação do modelo assistencial para a atenção básica, buscando assim a integralidade da
assistência. Desta forma, ressalta-se que a atenção básica da saúde deveria ser a base para a
assistência da população.
Neste sentido, considerando as necessidades dos usuários, a sala de espera tem o intuito de
garantir um cuidado humanizado, efetivando a aproximação cada vez maior entre a comunidade e
os serviços de saúde. É por meio da sala de espera os profissionais da área da saúde tem a
oportunidade de estar desenvolvendo atividades que extrapolam o cuidado, como a educação em
saúde, auxiliando na prevenção de doenças e na promoção da saúde; proporcionando também uma
melhora na qualidade do atendimento, garantindo maior acolhimento aos usuários, e melhorando a
inter-relação usuário/sistema/trabalhador de saúde, além de constituir-se em uma forma de
humanizar muitas vezes os burocratizados serviços prestados.
Procurando estabelecer vínculos com a população, é que se estabelecem os momentos de sala
de espera, que, segundo Teixeira e Veloso (2006), pode ser considerada um espaço dinâmico, onde
ocorrem vários fenômenos psíquicos, culturais, singulares e coletivos. Podemos dizer que a sala de
espera ameniza o desgaste físico e emocional associado ao tempo de espera por algum atendimento,
espera essa que pode gerar ansiedade, angustia, revolta, tensão, e comentários negativos entorno do
atendimento dos serviços públicos de saúde.
Veríssimo e Valle (2006) mencionam que o grupo de sala de espera é caracterizado como uma
forma produtiva de ocupar um tempo ocioso nas instituições, com a transformação do período de
espera pelas consultas médicas em momento de trabalho; espaço esse em que podem ser
desenvolvidos processos educativos e de troca de experiências comuns entre os usuários,
possibilitando a interação do conhecimento popular com os saberes dos profissionais de saúde.
Nesta direção, os grupos de sala de espera podem funcionar como “espaço potencial”, sendo
um território onde ocorrem trocas entre o indivíduo e o meio. No mesmo sentido, o processo de
educação pode estimular nos pacientes a responsabilidade do auto-cuidado, gerando a interpretação
de que muitas situações são previníveis, sem ter a necessidade de buscar atendimento especializado.
Dessa forma, é através dos diálogos que acontecem na sala de espera que podemos detectar
problemas de saúde, através de expressões faciais dos pacientes e de suas dimensões físicas e
psicossociais; nesse espaço também avaliamos, interagimos, desmistificamos determinados tabus e
entendemos determinadas crenças, e consequentemente ver e entender o usuário na sua totalidade.
De acordo com Japur e Borges (2008), é necessário abrir espaços de diálogo com a população,
gerando espaços de reflexão e problematização, que possibilitem a construção de uma relação de
co-responsabilidade, favorecendo formas mais humanas e efetivas no processo de trabalho em
saúde, tanto para os usuários, como para os profissionais.
Face a essas considerações, podemos ressaltar que o enfermeiro é um agente fundamental na
construção de um fazer em saúde, e através da ferramenta assistencial, sala de espera, o profissional
pode compreender as necessidades dos usuários, convocando-os para a co-construção de
Vivências. Vol.5, N.7: p.101-106, Maio/2009 103
Vivências: Revista Eletrônica de Extensão da URI
ISSN 1809-1636
alternativas viáveis para solucionar os possíveis problemas que venham a surgir, assim é construído
um processo de trabalho em saúde comum entre usuários e profissionais.
Nesta perspectiva, considera-se que, por meio da sala de espera, a enfermagem tem a
oportunidade de contribuir para a promoção da saúde, prevenção de doenças, bem como, para a
recuperação da saúde, além da mesma facilitar o encaminhamento dos usuários para outras
atividades de saúde ligadas ao profissional enfermeiro(a), como a consulta de enfermagem, os
grupos educativos, as visitas domiciliares, os agendamentos de consultas, além de encaminhamento
para atendimento com a equipe interdisciplinar quando necessário. (TEIXEIRA e VELOSO, 2006).
Através do espaço da sala de espera é permitido o desenvolvimento de ações educativas em
saúde, pois é neste ambiente que é feito o acolhimento dos usuários pelos profissionais. Com isso, o
enfermeiro(a) tem a oportunidade de desenvolver habilidades relacionadas à comunicação e
interação, assim a sala de espera não constitui apenas mais uma atividade de enfermagem, e sim um
instrumento que permite também a troca de conhecimentos entre os participantes, reconhecimento
da realidade sócio-cultural, bem como, crenças e a expressão dos sentimentos dos participantes.
METODOLOGIA/RESULTADOS
Face ao exposto, cabe ao profissional enfermeiro(a) um envolvimento constante e com
responsabilidade em lutar em prol da efetivação das diretrizes propostas pelo SUS, sendo necessário
que o mesmo venha a utilizar algumas ferramentas de trabalho, as quais possam contribuir para o
alcance de tal proposta. Mediante isto, a utilização da sala de espera, pode ser considerada mais um
instrumento importante de trabalho para os serviços de saúde, principalmente para o profissional
enfermeiro.
Nesse sentido, no que se refere aos bolsistas, esse projeto de extensão proporcionou
experiências acerca da extensão universitária, despertando-nos para o compromisso com o
desenvolvimento destas atividades no cotidiano profissional; vivenciamos a implantação e
implementação da sala de espera no PSF2, tendo em vista contribuir para a melhoria da assistência;
organizamos os temas para serem abordados na sala de espera utilizando diversos recursos
audiovisuais.
Entretanto, para dar continuidade nas atividades propostas pelo projeto, foi realizada uma
reunião com os profissionais de Saúde do PSF2, a fim de sensibilizá-los acerca da importância da
sala de espera; sendo neste momento apresentado o projeto de extensão para a Secretária de Saúde
do Município de Frederico Westphalen, no intuito de levar ao seu conhecimento os objetivos do
mesmo e obter a autorização da enfermeira responsável pelo PSF 2 para assim iniciarmos as
atividades da sala de espera.
Desta forma, após o aval das instâncias responsáveis, foram iniciadas as atividades;
primeiramente, com o reconhecimento do local, sendo, com isto, organizado o espaço mais
apropriado para a implantação da sala de espera. Isto porque é imprescindível organizar o local
destinado à realização da espera, que deve constituir-se de um espaço público, onde os usuários
circulam e aguardam o atendimento, bem como conversam, trocam experiências, observam e
expressam-se (TEIXEIRA; VELOSO, 2006).
Neste sentido, após a organização do local, foi realizada uma reunião com a enfermeira
responsável pelo PSF 2, onde foi passada a mesma uma lista com alguns temas sugeridos para
serem abordados durante os encontros na sala de espera. No decorrer da reunião, foram também
propostos, pela profissional responsável, outros temas que poderiam ser discutidos na sala de
espera, dada a frequencia destes no PSF 2.
Vale destacar que no presente momento, o projeto encontra-se na fase de implementação,
dessa forma foram realizados dez encontros de sala de espera, estando previstos mais momentos de
educação em saúde na sala de espera do PSF 2, do Município de Frederico Westphalen/RS. Desta
Rodrigues, A., et all. 104
Vivências: Revista Eletrônica de Extensão da URI
ISSN 1809-1636
forma, objetivando a melhoria da assistência, o acolhimento, a humanização do atendimento,
procuramos organizar e abordar os assuntos de forma criativa e dinâmica, a fim de atrair a atenção
dos usuários que aguardam por atendimento.
Desta forma, ao longo do desenvolvimento do projeto, foram discutidos vários temas, os quais
foram baseados em dados epidemiológicos do local, promoção da saúde e prevenção de doenças,
além de temas que despertam nos usuários a necessidade de participação na efetivação do Sistema
Único de Saúde. Dentre os temas trabalhados, destacamos: qualidade de vida, alimentação
saudável; exercícios físicos; câncer de pele; desidratação; insolação; diarréia; auto-medicação;
triglicérides; colesterol; obesidade e doenças relacionadas.
Para o desenvolvimento dos momentos de sala de espera, foi utilizada uma linguagem
simples, materiais didáticos como fôlderes, cartazes e figuras ilustrativas motivadoras de discussão,
uso de vídeos, DVDs, televisor e CDs. Nas salas de espera constituídas, os usuários se mostraram
participativos e interessados no tema proposto; houve troca de experiências e informações e foram
esclarecidas dúvidas. As salas de espera tiveram duração de 30 a 60 minutos, tempo estabelecido
conforme a participação dos usuários e o desenvolvimento das atividades propostas.
CONSIDERAÇÕES FINAIS
Ressalta-se que o desenvolvimento de tal projeto vem fornecendo várias experiências
construtivas, pois através do desenrolar das atividades propostas, proporcionou-se a articulação
ensino-teoria, bem como, contribuições para o exercício profissional e uma melhor qualidade dos
serviços de saúde do município. A organização e o desenvolvimento da sala de espera no PSF II
representaram um desafio aos acadêmicos, pois exigiu uma intensa preparação para discussão de
temáticas diferenciadas, conforme solicitação dos usuários. Outro desafio foi transformar os estudos
e a prática da organização e desenvolvimento da sala de espera no PSF II em produção
bibliográfica, viabilizando troca de experiências acerca da extensão universitária, despertando-os
para o compromisso com o desenvolvimento destas atividades no cotidiano profissional.
Enquanto bolsistas e, mais especificamente, durante o desenvolvimento das atividades
propostas no projeto, percebe-se a importância da implantação e consolidação da sala de espera não
apenas no PSF2, mas também nos diferentes serviços de saúde. Principalmente como um ambiente
crítico/reflexivo que possibilite um ambiente acolhedor aos usuários, levantando as suas
necessidades e buscando intervir junto com eles e não apenas para eles, contribuindo efetivamente
para a efetivação dos princípios e diretrizes do Sistema Único de Saúde – SUS.
Portanto, por meio da sala de espera, foram evidenciados bons resultados em relação à
educação em saúde, pois foi a partir das atividades realizadas e da participação dos usuários que
tornou-se possível desenvolver ações que visem a prevenção de doenças, promoção e recuperação
de saúde, proporcionando melhor qualidade de vida a população, bem como, a troca de informações
e conhecimentos entre usuários, familiares e profissionais.
Desta forma, durante o ambiente da sala de espera, ficou evidenciado que o enfermeiro(a) tem
a oportunidade de utilizar esta ferramenta para prestar um atendimento mais humanizado e
qualificar os serviços de saúde, neste espaço onde é permitido a este profissional o conhecimento
das reais necessidades da população, bem como a busca por soluções para uma melhor qualidade de
vida.
REFERÊNCIAS
JAPUR, M.; BORGES, C. C. Sobre a (não) adesão ao tratamento: Ampliando sentidos do
autocuidado. Texto e Contexto Enferm. Florianópolis, 2008. Jan-mar; 17(1): 64-71.
Vivências. Vol.5, N.7: p.101-106, Maio/2009 105
Vivências: Revista Eletrônica de Extensão da URI
ISSN 1809-1636
MANO, A. M. A educação em saúde e o PSF resgate histórico, esperança eterna. Boletim da
saúde. Porto Alegre,v. 8, jan/jul 2004.
RONZANI, T. M.; SILVA, C. M. O Programa Saúde da Família segundo profissionais de
saúde, gestores e usuários. Ciência & Saúde Coletiva. 13(1):23-34. 2008
TEIXEIRA, E. R.; VELOSO, R. C. O grupo em sala de espera: território de práticas e
representações em saúde. Texto & Contexto Enfermagem, abril-junho. Vol 15, n 2.
Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis (SC), Brasil, p. 320-325, 2006.
VERISSIMO, D. S; VALLE, E.R.M. A experiência vivida por pessoas com tumor cerebral e
por seus familiares. Psicologia Argumenta/pontifica Universidade do Paraná. Curitiba:
Champagana – v. 24. n. 45, Junho de 2006.
Recebido em abril de 2009 e aprovado em maio de 2009.
Rodrigues, A., et all. 106

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Relatório ações da saúde
Relatório ações da saúdeRelatório ações da saúde
Relatório ações da saúde
Junior Campos
 
Resumo Lei 8080 para Concursos
Resumo Lei 8080 para ConcursosResumo Lei 8080 para Concursos
Resumo Lei 8080 para Concursos
Estratégia Concursos
 
Apresentação serviços social
Apresentação serviços socialApresentação serviços social
Apresentação serviços social
jorge luiz dos santos de souza
 
Procedimentos em atenção primária a saúde
Procedimentos em atenção primária a saúdeProcedimentos em atenção primária a saúde
Procedimentos em atenção primária a saúde
Centro de Desenvolvimento, Ensino e Pesquisa em Saúde - CEDEPS
 
Relatorio das Ações realizadas na Assistência Social no mês de Abril de 2018
Relatorio das Ações realizadas na Assistência Social no mês de Abril de 2018Relatorio das Ações realizadas na Assistência Social no mês de Abril de 2018
Relatorio das Ações realizadas na Assistência Social no mês de Abril de 2018
Geraldina Braga
 
Pet e Clínica Ampliada
Pet e Clínica AmpliadaPet e Clínica Ampliada
Pet e Clínica Ampliada
petsmufrn
 
Atencao basica-psf (1)
Atencao basica-psf (1)Atencao basica-psf (1)
Atencao basica-psf (1)
Eduardo Júnior
 
Gestão Clínica
Gestão ClínicaGestão Clínica
Gestão Clínica
HealthMinds Academy
 
Manual do agente comunitário de saúde
Manual do agente comunitário de saúdeManual do agente comunitário de saúde
Manual do agente comunitário de saúde
Alinebrauna Brauna
 
Pnst
PnstPnst
Agente comunitario de saúde
Agente comunitario de saúdeAgente comunitario de saúde
Agente comunitario de saúde
psfpacaembu
 
Matriciamento
MatriciamentoMatriciamento
Matriciamento
petsmufrn
 
Roteiro elaboraçao relatorio estagio
Roteiro elaboraçao relatorio estagioRoteiro elaboraçao relatorio estagio
Roteiro elaboraçao relatorio estagio
serunb
 
06 ficha de evolução de atendimento
06   ficha de evolução de atendimento06   ficha de evolução de atendimento
06 ficha de evolução de atendimento
Janaina Anjos
 
VISITA DOMICILIAR
VISITA DOMICILIARVISITA DOMICILIAR
VISITA DOMICILIAR
ivone guedes borges
 
PROJETO DE INTERVENÇÃO SOBRE A HUMANIZAÇÃO NA ÁREA HOSPITALAR COM OS USUÁRIO...
PROJETO DE INTERVENÇÃO SOBRE A HUMANIZAÇÃO NA ÁREA  HOSPITALAR COM OS USUÁRIO...PROJETO DE INTERVENÇÃO SOBRE A HUMANIZAÇÃO NA ÁREA  HOSPITALAR COM OS USUÁRIO...
PROJETO DE INTERVENÇÃO SOBRE A HUMANIZAÇÃO NA ÁREA HOSPITALAR COM OS USUÁRIO...
Allan Vieira
 
Aula nasf
Aula nasfAula nasf
Aula nasf
enfgabi
 
08 plano de acompanhamento familiar - folha de acoes - exemplos
08   plano de acompanhamento familiar - folha de acoes - exemplos08   plano de acompanhamento familiar - folha de acoes - exemplos
08 plano de acompanhamento familiar - folha de acoes - exemplos
Janaina Anjos
 
Evolução histórica da organização do sistema de saúde no brasil e a construçã...
Evolução histórica da organização do sistema de saúde no brasil e a construçã...Evolução histórica da organização do sistema de saúde no brasil e a construçã...
Evolução histórica da organização do sistema de saúde no brasil e a construçã...
John Paul John Paul
 
TCC - Serviço social
TCC - Serviço socialTCC - Serviço social
TCC - Serviço social
Gui Souza A
 

Mais procurados (20)

Relatório ações da saúde
Relatório ações da saúdeRelatório ações da saúde
Relatório ações da saúde
 
Resumo Lei 8080 para Concursos
Resumo Lei 8080 para ConcursosResumo Lei 8080 para Concursos
Resumo Lei 8080 para Concursos
 
Apresentação serviços social
Apresentação serviços socialApresentação serviços social
Apresentação serviços social
 
Procedimentos em atenção primária a saúde
Procedimentos em atenção primária a saúdeProcedimentos em atenção primária a saúde
Procedimentos em atenção primária a saúde
 
Relatorio das Ações realizadas na Assistência Social no mês de Abril de 2018
Relatorio das Ações realizadas na Assistência Social no mês de Abril de 2018Relatorio das Ações realizadas na Assistência Social no mês de Abril de 2018
Relatorio das Ações realizadas na Assistência Social no mês de Abril de 2018
 
Pet e Clínica Ampliada
Pet e Clínica AmpliadaPet e Clínica Ampliada
Pet e Clínica Ampliada
 
Atencao basica-psf (1)
Atencao basica-psf (1)Atencao basica-psf (1)
Atencao basica-psf (1)
 
Gestão Clínica
Gestão ClínicaGestão Clínica
Gestão Clínica
 
Manual do agente comunitário de saúde
Manual do agente comunitário de saúdeManual do agente comunitário de saúde
Manual do agente comunitário de saúde
 
Pnst
PnstPnst
Pnst
 
Agente comunitario de saúde
Agente comunitario de saúdeAgente comunitario de saúde
Agente comunitario de saúde
 
Matriciamento
MatriciamentoMatriciamento
Matriciamento
 
Roteiro elaboraçao relatorio estagio
Roteiro elaboraçao relatorio estagioRoteiro elaboraçao relatorio estagio
Roteiro elaboraçao relatorio estagio
 
06 ficha de evolução de atendimento
06   ficha de evolução de atendimento06   ficha de evolução de atendimento
06 ficha de evolução de atendimento
 
VISITA DOMICILIAR
VISITA DOMICILIARVISITA DOMICILIAR
VISITA DOMICILIAR
 
PROJETO DE INTERVENÇÃO SOBRE A HUMANIZAÇÃO NA ÁREA HOSPITALAR COM OS USUÁRIO...
PROJETO DE INTERVENÇÃO SOBRE A HUMANIZAÇÃO NA ÁREA  HOSPITALAR COM OS USUÁRIO...PROJETO DE INTERVENÇÃO SOBRE A HUMANIZAÇÃO NA ÁREA  HOSPITALAR COM OS USUÁRIO...
PROJETO DE INTERVENÇÃO SOBRE A HUMANIZAÇÃO NA ÁREA HOSPITALAR COM OS USUÁRIO...
 
Aula nasf
Aula nasfAula nasf
Aula nasf
 
08 plano de acompanhamento familiar - folha de acoes - exemplos
08   plano de acompanhamento familiar - folha de acoes - exemplos08   plano de acompanhamento familiar - folha de acoes - exemplos
08 plano de acompanhamento familiar - folha de acoes - exemplos
 
Evolução histórica da organização do sistema de saúde no brasil e a construçã...
Evolução histórica da organização do sistema de saúde no brasil e a construçã...Evolução histórica da organização do sistema de saúde no brasil e a construçã...
Evolução histórica da organização do sistema de saúde no brasil e a construçã...
 
TCC - Serviço social
TCC - Serviço socialTCC - Serviço social
TCC - Serviço social
 

Semelhante a Sala de espera artigo

Sessão de Educação para a saúde - Idade escolar
Sessão de Educação para a saúde - Idade escolarSessão de Educação para a saúde - Idade escolar
Sessão de Educação para a saúde - Idade escolar
Literacia em Saúde
 
Apresentação pet pisc
Apresentação pet piscApresentação pet pisc
Apresentação pet pisc
PET Biologia unipampa
 
Temáticas em Saúde Sociedade e Ambiente - 2013
Temáticas em Saúde Sociedade e Ambiente - 2013Temáticas em Saúde Sociedade e Ambiente - 2013
Temáticas em Saúde Sociedade e Ambiente - 2013
Angelina Lessa
 
Apresentações 2º dia VI SEPE UFFS - Campus Passo Fundo
Apresentações 2º dia VI SEPE UFFS - Campus Passo FundoApresentações 2º dia VI SEPE UFFS - Campus Passo Fundo
Apresentações 2º dia VI SEPE UFFS - Campus Passo Fundo
jorge luiz dos santos de souza
 
A prática clínica do enfermeiro na atenção básica um processo em construção u...
A prática clínica do enfermeiro na atenção básica um processo em construção u...A prática clínica do enfermeiro na atenção básica um processo em construção u...
A prática clínica do enfermeiro na atenção básica um processo em construção u...
Eli Paula
 
Residencia Uerj Donato
Residencia Uerj DonatoResidencia Uerj Donato
Residencia Uerj Donato
Inaiara Bragante
 
Residecnia uerj donato
Residecnia uerj donatoResidecnia uerj donato
Residecnia uerj donato
Inaiara Bragante
 
Apresentações 1º dia VI SEPE UFFS - Campus Passo Fundo
Apresentações 1º dia VI SEPE UFFS - Campus Passo FundoApresentações 1º dia VI SEPE UFFS - Campus Passo Fundo
Apresentações 1º dia VI SEPE UFFS - Campus Passo Fundo
jorge luiz dos santos de souza
 
Humanização da assistência em uma unidade de atenção básica à saúde de votupo...
Humanização da assistência em uma unidade de atenção básica à saúde de votupo...Humanização da assistência em uma unidade de atenção básica à saúde de votupo...
Humanização da assistência em uma unidade de atenção básica à saúde de votupo...
Tais Queiroz
 
Reforma atencao
Reforma atencaoReforma atencao
Reforma atencao
Inaiara Bragante
 
Livro o territorio e o processo saude doença
Livro o territorio e o  processo saude doençaLivro o territorio e o  processo saude doença
Livro o territorio e o processo saude doença
DudaMendesS
 
Relatório de estágio
Relatório de estágioRelatório de estágio
Relatório de estágio
Rosane Garcia
 
V10n3a21
V10n3a21V10n3a21
V10n3a21
Claudio Borges
 
projeto clinica.ppt
projeto clinica.pptprojeto clinica.ppt
projeto clinica.ppt
FellipeMedeiros8
 
Texto 2 - ACONSELHAMENTO PSICOLOGICO
Texto 2 - ACONSELHAMENTO PSICOLOGICOTexto 2 - ACONSELHAMENTO PSICOLOGICO
Texto 2 - ACONSELHAMENTO PSICOLOGICO
Psicologia_2015
 
Eficácia da ¨Sala de Espera¨ nas usf do Feira VI e do Rosário
Eficácia da ¨Sala de Espera¨ nas usf do Feira VI e do RosárioEficácia da ¨Sala de Espera¨ nas usf do Feira VI e do Rosário
Eficácia da ¨Sala de Espera¨ nas usf do Feira VI e do Rosário
Programa de Educação pelo Trabalho - PET Saúde/Vigilância
 
Saude coletiva.pdf
Saude coletiva.pdfSaude coletiva.pdf
Saude coletiva.pdf
FERNANDACOELHOSANTOS
 
Livro unico laura
Livro unico lauraLivro unico laura
Livro unico laura
andressaborges30
 
Tese de Doutorado sobre Cuidado Espiritual (Prof. Michell Ângelo)
Tese de Doutorado sobre Cuidado Espiritual (Prof. Michell Ângelo)Tese de Doutorado sobre Cuidado Espiritual (Prof. Michell Ângelo)
Tese de Doutorado sobre Cuidado Espiritual (Prof. Michell Ângelo)
LACES1
 
Tese de Doutorado sobre Cuidado Espiritual (Prof. Michell Ângelo)
Tese de Doutorado sobre Cuidado Espiritual (Prof. Michell Ângelo)Tese de Doutorado sobre Cuidado Espiritual (Prof. Michell Ângelo)
Tese de Doutorado sobre Cuidado Espiritual (Prof. Michell Ângelo)
LACES1
 

Semelhante a Sala de espera artigo (20)

Sessão de Educação para a saúde - Idade escolar
Sessão de Educação para a saúde - Idade escolarSessão de Educação para a saúde - Idade escolar
Sessão de Educação para a saúde - Idade escolar
 
Apresentação pet pisc
Apresentação pet piscApresentação pet pisc
Apresentação pet pisc
 
Temáticas em Saúde Sociedade e Ambiente - 2013
Temáticas em Saúde Sociedade e Ambiente - 2013Temáticas em Saúde Sociedade e Ambiente - 2013
Temáticas em Saúde Sociedade e Ambiente - 2013
 
Apresentações 2º dia VI SEPE UFFS - Campus Passo Fundo
Apresentações 2º dia VI SEPE UFFS - Campus Passo FundoApresentações 2º dia VI SEPE UFFS - Campus Passo Fundo
Apresentações 2º dia VI SEPE UFFS - Campus Passo Fundo
 
A prática clínica do enfermeiro na atenção básica um processo em construção u...
A prática clínica do enfermeiro na atenção básica um processo em construção u...A prática clínica do enfermeiro na atenção básica um processo em construção u...
A prática clínica do enfermeiro na atenção básica um processo em construção u...
 
Residencia Uerj Donato
Residencia Uerj DonatoResidencia Uerj Donato
Residencia Uerj Donato
 
Residecnia uerj donato
Residecnia uerj donatoResidecnia uerj donato
Residecnia uerj donato
 
Apresentações 1º dia VI SEPE UFFS - Campus Passo Fundo
Apresentações 1º dia VI SEPE UFFS - Campus Passo FundoApresentações 1º dia VI SEPE UFFS - Campus Passo Fundo
Apresentações 1º dia VI SEPE UFFS - Campus Passo Fundo
 
Humanização da assistência em uma unidade de atenção básica à saúde de votupo...
Humanização da assistência em uma unidade de atenção básica à saúde de votupo...Humanização da assistência em uma unidade de atenção básica à saúde de votupo...
Humanização da assistência em uma unidade de atenção básica à saúde de votupo...
 
Reforma atencao
Reforma atencaoReforma atencao
Reforma atencao
 
Livro o territorio e o processo saude doença
Livro o territorio e o  processo saude doençaLivro o territorio e o  processo saude doença
Livro o territorio e o processo saude doença
 
Relatório de estágio
Relatório de estágioRelatório de estágio
Relatório de estágio
 
V10n3a21
V10n3a21V10n3a21
V10n3a21
 
projeto clinica.ppt
projeto clinica.pptprojeto clinica.ppt
projeto clinica.ppt
 
Texto 2 - ACONSELHAMENTO PSICOLOGICO
Texto 2 - ACONSELHAMENTO PSICOLOGICOTexto 2 - ACONSELHAMENTO PSICOLOGICO
Texto 2 - ACONSELHAMENTO PSICOLOGICO
 
Eficácia da ¨Sala de Espera¨ nas usf do Feira VI e do Rosário
Eficácia da ¨Sala de Espera¨ nas usf do Feira VI e do RosárioEficácia da ¨Sala de Espera¨ nas usf do Feira VI e do Rosário
Eficácia da ¨Sala de Espera¨ nas usf do Feira VI e do Rosário
 
Saude coletiva.pdf
Saude coletiva.pdfSaude coletiva.pdf
Saude coletiva.pdf
 
Livro unico laura
Livro unico lauraLivro unico laura
Livro unico laura
 
Tese de Doutorado sobre Cuidado Espiritual (Prof. Michell Ângelo)
Tese de Doutorado sobre Cuidado Espiritual (Prof. Michell Ângelo)Tese de Doutorado sobre Cuidado Espiritual (Prof. Michell Ângelo)
Tese de Doutorado sobre Cuidado Espiritual (Prof. Michell Ângelo)
 
Tese de Doutorado sobre Cuidado Espiritual (Prof. Michell Ângelo)
Tese de Doutorado sobre Cuidado Espiritual (Prof. Michell Ângelo)Tese de Doutorado sobre Cuidado Espiritual (Prof. Michell Ângelo)
Tese de Doutorado sobre Cuidado Espiritual (Prof. Michell Ângelo)
 

Mais de Marta Elini Borges

O brincar no hospital
O brincar no hospitalO brincar no hospital
O brincar no hospital
Marta Elini Borges
 
Mindfullness pdf
Mindfullness pdfMindfullness pdf
Mindfullness pdf
Marta Elini Borges
 
A terapia cognitiva e o mindfulness
A terapia cognitiva e o mindfulnessA terapia cognitiva e o mindfulness
A terapia cognitiva e o mindfulness
Marta Elini Borges
 
A bioetica em psicologia
A bioetica em psicologiaA bioetica em psicologia
A bioetica em psicologia
Marta Elini Borges
 
Psicologia da Saúde e o novo paradigma: novo paradigma?
Psicologia da Saúde e o novo paradigma: novo paradigma?Psicologia da Saúde e o novo paradigma: novo paradigma?
Psicologia da Saúde e o novo paradigma: novo paradigma?
Marta Elini Borges
 
Metologia pequisa
Metologia pequisaMetologia pequisa
Metologia pequisa
Marta Elini Borges
 
Apostila abnt
Apostila abntApostila abnt
Apostila abnt
Marta Elini Borges
 
Sindrome de down
Sindrome de downSindrome de down
Sindrome de down
Marta Elini Borges
 
Depressao na mulher
Depressao na mulherDepressao na mulher
Depressao na mulher
Marta Elini Borges
 
Dependencia quimica e trabalho
Dependencia quimica e trabalhoDependencia quimica e trabalho
Dependencia quimica e trabalho
Marta Elini Borges
 
Dependencia quimica e trabalho
Dependencia quimica e trabalhoDependencia quimica e trabalho
Dependencia quimica e trabalho
Marta Elini Borges
 
Estudo de caso em pesquisa. pdf
Estudo de caso em pesquisa. pdfEstudo de caso em pesquisa. pdf
Estudo de caso em pesquisa. pdf
Marta Elini Borges
 

Mais de Marta Elini Borges (12)

O brincar no hospital
O brincar no hospitalO brincar no hospital
O brincar no hospital
 
Mindfullness pdf
Mindfullness pdfMindfullness pdf
Mindfullness pdf
 
A terapia cognitiva e o mindfulness
A terapia cognitiva e o mindfulnessA terapia cognitiva e o mindfulness
A terapia cognitiva e o mindfulness
 
A bioetica em psicologia
A bioetica em psicologiaA bioetica em psicologia
A bioetica em psicologia
 
Psicologia da Saúde e o novo paradigma: novo paradigma?
Psicologia da Saúde e o novo paradigma: novo paradigma?Psicologia da Saúde e o novo paradigma: novo paradigma?
Psicologia da Saúde e o novo paradigma: novo paradigma?
 
Metologia pequisa
Metologia pequisaMetologia pequisa
Metologia pequisa
 
Apostila abnt
Apostila abntApostila abnt
Apostila abnt
 
Sindrome de down
Sindrome de downSindrome de down
Sindrome de down
 
Depressao na mulher
Depressao na mulherDepressao na mulher
Depressao na mulher
 
Dependencia quimica e trabalho
Dependencia quimica e trabalhoDependencia quimica e trabalho
Dependencia quimica e trabalho
 
Dependencia quimica e trabalho
Dependencia quimica e trabalhoDependencia quimica e trabalho
Dependencia quimica e trabalho
 
Estudo de caso em pesquisa. pdf
Estudo de caso em pesquisa. pdfEstudo de caso em pesquisa. pdf
Estudo de caso em pesquisa. pdf
 

Último

AULA BANHO NO LEITO DE ENFERMAGEM...pptx
AULA BANHO NO LEITO DE ENFERMAGEM...pptxAULA BANHO NO LEITO DE ENFERMAGEM...pptx
AULA BANHO NO LEITO DE ENFERMAGEM...pptx
DiegoFernandes857616
 
643727227-7233-Afetvidade-e-sexualidade-das-pessoas-com-deficie-ncia-mental.pptx
643727227-7233-Afetvidade-e-sexualidade-das-pessoas-com-deficie-ncia-mental.pptx643727227-7233-Afetvidade-e-sexualidade-das-pessoas-com-deficie-ncia-mental.pptx
643727227-7233-Afetvidade-e-sexualidade-das-pessoas-com-deficie-ncia-mental.pptx
SusanaMatos22
 
3° Aula.ppt historia do Sistema Unico de Saude
3° Aula.ppt historia do Sistema Unico de Saude3° Aula.ppt historia do Sistema Unico de Saude
3° Aula.ppt historia do Sistema Unico de Saude
WilberthLincoln1
 
8. Medicamentos que atuam no Sistema Endócrino.pdf
8. Medicamentos que atuam no Sistema Endócrino.pdf8. Medicamentos que atuam no Sistema Endócrino.pdf
8. Medicamentos que atuam no Sistema Endócrino.pdf
jhordana1
 
MICROBIOLOGIA E PARASITOLOGIA na Enfermagem
MICROBIOLOGIA E PARASITOLOGIA na EnfermagemMICROBIOLOGIA E PARASITOLOGIA na Enfermagem
MICROBIOLOGIA E PARASITOLOGIA na Enfermagem
sidneyjmg
 
Teoria de enfermagem de Callista Roy.pdf
Teoria de enfermagem de Callista Roy.pdfTeoria de enfermagem de Callista Roy.pdf
Teoria de enfermagem de Callista Roy.pdf
jhordana1
 
doenças transmitidas pelas arboviroses ARBOVIROSES - GALGON.pptx
doenças transmitidas pelas arboviroses ARBOVIROSES - GALGON.pptxdoenças transmitidas pelas arboviroses ARBOVIROSES - GALGON.pptx
doenças transmitidas pelas arboviroses ARBOVIROSES - GALGON.pptx
ccursog
 
Historia de FLORENCE NIGHTINGALE na enfermagem
Historia de FLORENCE NIGHTINGALE na enfermagemHistoria de FLORENCE NIGHTINGALE na enfermagem
Historia de FLORENCE NIGHTINGALE na enfermagem
sidneyjmg
 
Bioquímica [Salvo automaticamente] [Salvo automaticamente].pptx
Bioquímica [Salvo automaticamente] [Salvo automaticamente].pptxBioquímica [Salvo automaticamente] [Salvo automaticamente].pptx
Bioquímica [Salvo automaticamente] [Salvo automaticamente].pptx
BeatrizLittig1
 
Principios do treinamento desportivo. Ed Física
Principios do treinamento desportivo. Ed FísicaPrincipios do treinamento desportivo. Ed Física
Principios do treinamento desportivo. Ed Física
AllanNovais4
 
higienização de espaços e equipamentos
higienização de    espaços e equipamentoshigienização de    espaços e equipamentos
higienização de espaços e equipamentos
Manuel Pacheco Vieira
 

Último (11)

AULA BANHO NO LEITO DE ENFERMAGEM...pptx
AULA BANHO NO LEITO DE ENFERMAGEM...pptxAULA BANHO NO LEITO DE ENFERMAGEM...pptx
AULA BANHO NO LEITO DE ENFERMAGEM...pptx
 
643727227-7233-Afetvidade-e-sexualidade-das-pessoas-com-deficie-ncia-mental.pptx
643727227-7233-Afetvidade-e-sexualidade-das-pessoas-com-deficie-ncia-mental.pptx643727227-7233-Afetvidade-e-sexualidade-das-pessoas-com-deficie-ncia-mental.pptx
643727227-7233-Afetvidade-e-sexualidade-das-pessoas-com-deficie-ncia-mental.pptx
 
3° Aula.ppt historia do Sistema Unico de Saude
3° Aula.ppt historia do Sistema Unico de Saude3° Aula.ppt historia do Sistema Unico de Saude
3° Aula.ppt historia do Sistema Unico de Saude
 
8. Medicamentos que atuam no Sistema Endócrino.pdf
8. Medicamentos que atuam no Sistema Endócrino.pdf8. Medicamentos que atuam no Sistema Endócrino.pdf
8. Medicamentos que atuam no Sistema Endócrino.pdf
 
MICROBIOLOGIA E PARASITOLOGIA na Enfermagem
MICROBIOLOGIA E PARASITOLOGIA na EnfermagemMICROBIOLOGIA E PARASITOLOGIA na Enfermagem
MICROBIOLOGIA E PARASITOLOGIA na Enfermagem
 
Teoria de enfermagem de Callista Roy.pdf
Teoria de enfermagem de Callista Roy.pdfTeoria de enfermagem de Callista Roy.pdf
Teoria de enfermagem de Callista Roy.pdf
 
doenças transmitidas pelas arboviroses ARBOVIROSES - GALGON.pptx
doenças transmitidas pelas arboviroses ARBOVIROSES - GALGON.pptxdoenças transmitidas pelas arboviroses ARBOVIROSES - GALGON.pptx
doenças transmitidas pelas arboviroses ARBOVIROSES - GALGON.pptx
 
Historia de FLORENCE NIGHTINGALE na enfermagem
Historia de FLORENCE NIGHTINGALE na enfermagemHistoria de FLORENCE NIGHTINGALE na enfermagem
Historia de FLORENCE NIGHTINGALE na enfermagem
 
Bioquímica [Salvo automaticamente] [Salvo automaticamente].pptx
Bioquímica [Salvo automaticamente] [Salvo automaticamente].pptxBioquímica [Salvo automaticamente] [Salvo automaticamente].pptx
Bioquímica [Salvo automaticamente] [Salvo automaticamente].pptx
 
Principios do treinamento desportivo. Ed Física
Principios do treinamento desportivo. Ed FísicaPrincipios do treinamento desportivo. Ed Física
Principios do treinamento desportivo. Ed Física
 
higienização de espaços e equipamentos
higienização de    espaços e equipamentoshigienização de    espaços e equipamentos
higienização de espaços e equipamentos
 

Sala de espera artigo

  • 1. Vivências: Revista Eletrônica de Extensão da URI ISSN 1809-1636 SALA DE ESPERA: UM AMBIENTE PARA EFETIVAR A EDUCAÇÃO EM SAÚDE Waiting room: an environment for effective health education Andréia Dornelles RODRIGUES1 Carlise Rigon DALLANORA2 Jonathan da ROSA3 Alessandra Regina Müller GERMANI4 RESUMO O presente artigo apresenta as atividades que vem sendo desenvolvidas pelos bolsistas do projeto de extensão da URI - Universidade Regional Integrada do Alto Uruguai e das Missões, Campus de Frederico Westphalen, chamado Implantação/implementação da Sala de Espera no Programa de Saúde da Família - PSF 2 do Município de Frederico Westphalen/RS. Nesse artigo ressaltamos a importância da implementação da sala de espera nos diferentes serviços de saúde, como um ambiente crítico/reflexivo que possibilite um meio para acolher os usuários, levantando as suas necessidades e contribuindo, desta forma, para a efetivação dos princípios e diretrizes do Sistema Único de Saúde – SUS. Palavras-chave: Sala de espera; Educação em saúde; Sistema Único de Saúde. ABSTRACT This article presents the activities which is being developed by stock of the project for the extension of URI - Regional University Integrated High Uruguay and the Missions, Campus of Frederico Westphalen, called Implantation/implemention at the Waiting Room in Family Health Program – PSF 2 of the county of Frederico Westphalen/RS. In this article we emphasize the importance of implementation of waiting room in the different health services as an environment critical/reflexive which allows a means to welcome the users, raising their needs, thereby contributing to the realization of the principles and guidelines of Single Health System – SUS. Key words: Waiting room; Health Education; Unified Health System. INTRODUÇÃO A Conferência Internacional sobre Cuidados Primários de Saúde, ocorrida em Alma-Ata, em 1978, expressou a necessidade de proteger e promover a saúde de todos os povos do mundo, como um direito humano fundamental. Nesse contexto, destaca-se que a saúde passou a ter a dimensão de qualidade de vida e não simplesmente de ausência de doença, o que exige pessoas informadas sobre 1 Aluna voluntária do Projeto de Extensão, Membro do grupo de Pesquisa em Saúde e Acadêmica do Curso de Graduação em Enfermagem - Universidade Regional Integrada do Alto Uruguai e das Missões, URI, Campus de Frederico Westphalen (RS)-Brasil; andreiadornellesr@hotmail.com. 2 Bolsista do Projeto de Extensão, Membro do grupo de Pesquisa em Saúde e Acadêmica do Curso de Graduação em Enfermagem da URI, Campus de Frederico Westphalen; carliserdn@yahoo.com.br. 3 Aluno voluntário do Projeto de Extensão, Membro do grupo de Pesquisa em Saúde e Acadêmico do Curso de Graduação em Enfermagem da URI, Campus de Frederico Westphalen; jonathastress@yahoo.com.br. 4 Enfermeira, Professora, Mestre, Líder do Grupo de Pesquisa em Saúde, Coordenadora do Curso de Graduação em Enfermagem da URI, Campus de Frederico Westphalen, orientadora do trabalho; alessandragermani@fw.uri.br. Vivências. Vol.5, N.7: p.101-106, Maio/2009 101
  • 2. Vivências: Revista Eletrônica de Extensão da URI ISSN 1809-1636 os cuidados para se ter saúde e com capacidade pessoal para melhorar as condições físicas e psicossociais nos espaços onde vivem. Nessa perspectiva, novas estratégias são criadas e implementadas visando criar políticas que atendam a essas demandas, sendo uma delas, a criação do Sistema Único de Saúde - SUS, com suas políticas norteadoras, como a Estratégia de Saúde da Família - ESF, a qual tem como papel principal a reorientação do modelo assistencial para a atenção básica, buscando assim a integralidade da assistência. Deste modo, novos serviços devem ser criados para atender as necessidades da população e as necessidades dessa nova visão de assistência. Neste contexto, ressalta-se que a atenção básica da saúde deveria ser a base para a assistência da população. Conforme Ronzani e Silva (2008), a atenção primária ou básica caracteriza-se pelo atendimento de forma preventiva e promocional, visando o indivíduo holisticamente, seu contexto social, psicológico e físico, deixando de lado as percepções de cura e do individualismo, assumindo assim o cuidado integral ao indivíduo. Deste modo, novas metodologias assistenciais devem ser implementadas para atender as necessidades da população. Neste viés, apresenta-se o projeto de extensão chamado Implantação e Implementação da sala de espera no Programa de Saúde da Família -PSF II, do município de Frederico Westphalen/RS, que está sendo desenvolvido desde o segundo semestre de 2008, inserido na URI - Universidade Regional Integrada do Alto Uruguai e das Missões, Campus de Frederico Westphalen. Portanto, nesse artigo iremos destacar as atividades desenvolvidas pelos bolsistas do projeto de extensão. Dessa forma, vale ressaltar que essa construção faz parte do plano de trabalho dos bolsistas, o qual proporciona aos acadêmicos conhecimentos metodológicos acerca da extensão universitária e o aprofundamento dos conhecimentos sobre a temática em questão. Assim, para a construção deste artigo, em uma primeira etapa, realizou-se um amplo estudo bibliográfico, a fim de aprofundar e ampliar os conhecimentos sobre a temática sala de espera, onde foram realizadas várias consultas aos materiais disponíveis na biblioteca da Universidade. Após, foram realizadas também diversas consultas a sistema de informações on-line como: biblioteca virtuais, sítios como SCIELO e do Ministério da Saúde, sendo priorizadas as buscas por materiais atuais. Ao término desta etapa, foi feito a leitura e releitura dos materiais, discussões dos temas nos grupos de estudos do referido projeto, e, em seguida, realizados aprofundamento e ampliação da revisão de literatura, bem como a organização das fichas de registros dos materiais referentes ao tema. Face ao exposto, destacamos os principais objetivos do referido projeto, quais sejam: Implantar/implementar a sala de espera na Unidade Básica de Saúde do PSF 2, no Estado do Rio Grande do Sul, Município de Frederico Westphalen, com vistas a propiciar um ambiente de acolhimento e vínculo aos usuários; sensibilizar os profissionais da área de saúde, bem como os acadêmicos do curso de Enfermagem, sobre a importância da implantação/implementação da sala de espera, enriquecendo os conhecimentos dos mesmos a respeito desta alternativa; além disto, desenvolver atividades sócio-educativas, de caráter preventivo e de promoção à saúde, direcionadas às reais necessidades da população. SALA DE ESPERA TERRITÓRIO DE EDUCAÇÃO EM SAÚDE A promoção da saúde por meio do desenvolvimento de ações de educação em saúde é uma prática afirmada desde 1986, quando ocorreu a 8º Conferência Nacional de Saúde, onde se discutiu um novo conceito de saúde, passando este a ser entendido como resultante das condições objetivas de vida, tais como alimentação, educação, transporte e lazer acesso aos serviços de saúde, moradia e acesso a posse de terra. Diante disso os serviços de saúde necessitam fornecer novas formas de Rodrigues, A., et all. 102
  • 3. Vivências: Revista Eletrônica de Extensão da URI ISSN 1809-1636 acolhimento, humanizando a assistência e melhorando a qualidade dos serviços de saúde prestados a população. Nesse contexto, desde a Constituição Federal de 1988, o governo propõe uma reestruturação do Sistema Nacional de Saúde (SNS), o qual estabelece que a saúde é um direito de todos e de responsabilidade do Estado, proposto então pelos princípios e diretrizes do SUS, os quais sejam: universalidade, integralidade, além da participação comunitária. Diante disso, o SUS, desde sua criação até os dias de hoje, vem passando por um processo gradual de aperfeiçoamento, onde busca- se a implementação e regulamentação de seus princípios e diretrizes. No mesmo viés e com o intuito de efetivar e consolidar os princípios e diretrizes do SUS, surge em 1994, o Programa de Saúde da Família – PSF, que passa a ser considerado mais adiante uma Estratégia de Saúde da Família - ESF. Segundo Mano (2004), o PSF tem como papel principal á reorientação do modelo assistencial para a atenção básica, buscando assim a integralidade da assistência. Desta forma, ressalta-se que a atenção básica da saúde deveria ser a base para a assistência da população. Neste sentido, considerando as necessidades dos usuários, a sala de espera tem o intuito de garantir um cuidado humanizado, efetivando a aproximação cada vez maior entre a comunidade e os serviços de saúde. É por meio da sala de espera os profissionais da área da saúde tem a oportunidade de estar desenvolvendo atividades que extrapolam o cuidado, como a educação em saúde, auxiliando na prevenção de doenças e na promoção da saúde; proporcionando também uma melhora na qualidade do atendimento, garantindo maior acolhimento aos usuários, e melhorando a inter-relação usuário/sistema/trabalhador de saúde, além de constituir-se em uma forma de humanizar muitas vezes os burocratizados serviços prestados. Procurando estabelecer vínculos com a população, é que se estabelecem os momentos de sala de espera, que, segundo Teixeira e Veloso (2006), pode ser considerada um espaço dinâmico, onde ocorrem vários fenômenos psíquicos, culturais, singulares e coletivos. Podemos dizer que a sala de espera ameniza o desgaste físico e emocional associado ao tempo de espera por algum atendimento, espera essa que pode gerar ansiedade, angustia, revolta, tensão, e comentários negativos entorno do atendimento dos serviços públicos de saúde. Veríssimo e Valle (2006) mencionam que o grupo de sala de espera é caracterizado como uma forma produtiva de ocupar um tempo ocioso nas instituições, com a transformação do período de espera pelas consultas médicas em momento de trabalho; espaço esse em que podem ser desenvolvidos processos educativos e de troca de experiências comuns entre os usuários, possibilitando a interação do conhecimento popular com os saberes dos profissionais de saúde. Nesta direção, os grupos de sala de espera podem funcionar como “espaço potencial”, sendo um território onde ocorrem trocas entre o indivíduo e o meio. No mesmo sentido, o processo de educação pode estimular nos pacientes a responsabilidade do auto-cuidado, gerando a interpretação de que muitas situações são previníveis, sem ter a necessidade de buscar atendimento especializado. Dessa forma, é através dos diálogos que acontecem na sala de espera que podemos detectar problemas de saúde, através de expressões faciais dos pacientes e de suas dimensões físicas e psicossociais; nesse espaço também avaliamos, interagimos, desmistificamos determinados tabus e entendemos determinadas crenças, e consequentemente ver e entender o usuário na sua totalidade. De acordo com Japur e Borges (2008), é necessário abrir espaços de diálogo com a população, gerando espaços de reflexão e problematização, que possibilitem a construção de uma relação de co-responsabilidade, favorecendo formas mais humanas e efetivas no processo de trabalho em saúde, tanto para os usuários, como para os profissionais. Face a essas considerações, podemos ressaltar que o enfermeiro é um agente fundamental na construção de um fazer em saúde, e através da ferramenta assistencial, sala de espera, o profissional pode compreender as necessidades dos usuários, convocando-os para a co-construção de Vivências. Vol.5, N.7: p.101-106, Maio/2009 103
  • 4. Vivências: Revista Eletrônica de Extensão da URI ISSN 1809-1636 alternativas viáveis para solucionar os possíveis problemas que venham a surgir, assim é construído um processo de trabalho em saúde comum entre usuários e profissionais. Nesta perspectiva, considera-se que, por meio da sala de espera, a enfermagem tem a oportunidade de contribuir para a promoção da saúde, prevenção de doenças, bem como, para a recuperação da saúde, além da mesma facilitar o encaminhamento dos usuários para outras atividades de saúde ligadas ao profissional enfermeiro(a), como a consulta de enfermagem, os grupos educativos, as visitas domiciliares, os agendamentos de consultas, além de encaminhamento para atendimento com a equipe interdisciplinar quando necessário. (TEIXEIRA e VELOSO, 2006). Através do espaço da sala de espera é permitido o desenvolvimento de ações educativas em saúde, pois é neste ambiente que é feito o acolhimento dos usuários pelos profissionais. Com isso, o enfermeiro(a) tem a oportunidade de desenvolver habilidades relacionadas à comunicação e interação, assim a sala de espera não constitui apenas mais uma atividade de enfermagem, e sim um instrumento que permite também a troca de conhecimentos entre os participantes, reconhecimento da realidade sócio-cultural, bem como, crenças e a expressão dos sentimentos dos participantes. METODOLOGIA/RESULTADOS Face ao exposto, cabe ao profissional enfermeiro(a) um envolvimento constante e com responsabilidade em lutar em prol da efetivação das diretrizes propostas pelo SUS, sendo necessário que o mesmo venha a utilizar algumas ferramentas de trabalho, as quais possam contribuir para o alcance de tal proposta. Mediante isto, a utilização da sala de espera, pode ser considerada mais um instrumento importante de trabalho para os serviços de saúde, principalmente para o profissional enfermeiro. Nesse sentido, no que se refere aos bolsistas, esse projeto de extensão proporcionou experiências acerca da extensão universitária, despertando-nos para o compromisso com o desenvolvimento destas atividades no cotidiano profissional; vivenciamos a implantação e implementação da sala de espera no PSF2, tendo em vista contribuir para a melhoria da assistência; organizamos os temas para serem abordados na sala de espera utilizando diversos recursos audiovisuais. Entretanto, para dar continuidade nas atividades propostas pelo projeto, foi realizada uma reunião com os profissionais de Saúde do PSF2, a fim de sensibilizá-los acerca da importância da sala de espera; sendo neste momento apresentado o projeto de extensão para a Secretária de Saúde do Município de Frederico Westphalen, no intuito de levar ao seu conhecimento os objetivos do mesmo e obter a autorização da enfermeira responsável pelo PSF 2 para assim iniciarmos as atividades da sala de espera. Desta forma, após o aval das instâncias responsáveis, foram iniciadas as atividades; primeiramente, com o reconhecimento do local, sendo, com isto, organizado o espaço mais apropriado para a implantação da sala de espera. Isto porque é imprescindível organizar o local destinado à realização da espera, que deve constituir-se de um espaço público, onde os usuários circulam e aguardam o atendimento, bem como conversam, trocam experiências, observam e expressam-se (TEIXEIRA; VELOSO, 2006). Neste sentido, após a organização do local, foi realizada uma reunião com a enfermeira responsável pelo PSF 2, onde foi passada a mesma uma lista com alguns temas sugeridos para serem abordados durante os encontros na sala de espera. No decorrer da reunião, foram também propostos, pela profissional responsável, outros temas que poderiam ser discutidos na sala de espera, dada a frequencia destes no PSF 2. Vale destacar que no presente momento, o projeto encontra-se na fase de implementação, dessa forma foram realizados dez encontros de sala de espera, estando previstos mais momentos de educação em saúde na sala de espera do PSF 2, do Município de Frederico Westphalen/RS. Desta Rodrigues, A., et all. 104
  • 5. Vivências: Revista Eletrônica de Extensão da URI ISSN 1809-1636 forma, objetivando a melhoria da assistência, o acolhimento, a humanização do atendimento, procuramos organizar e abordar os assuntos de forma criativa e dinâmica, a fim de atrair a atenção dos usuários que aguardam por atendimento. Desta forma, ao longo do desenvolvimento do projeto, foram discutidos vários temas, os quais foram baseados em dados epidemiológicos do local, promoção da saúde e prevenção de doenças, além de temas que despertam nos usuários a necessidade de participação na efetivação do Sistema Único de Saúde. Dentre os temas trabalhados, destacamos: qualidade de vida, alimentação saudável; exercícios físicos; câncer de pele; desidratação; insolação; diarréia; auto-medicação; triglicérides; colesterol; obesidade e doenças relacionadas. Para o desenvolvimento dos momentos de sala de espera, foi utilizada uma linguagem simples, materiais didáticos como fôlderes, cartazes e figuras ilustrativas motivadoras de discussão, uso de vídeos, DVDs, televisor e CDs. Nas salas de espera constituídas, os usuários se mostraram participativos e interessados no tema proposto; houve troca de experiências e informações e foram esclarecidas dúvidas. As salas de espera tiveram duração de 30 a 60 minutos, tempo estabelecido conforme a participação dos usuários e o desenvolvimento das atividades propostas. CONSIDERAÇÕES FINAIS Ressalta-se que o desenvolvimento de tal projeto vem fornecendo várias experiências construtivas, pois através do desenrolar das atividades propostas, proporcionou-se a articulação ensino-teoria, bem como, contribuições para o exercício profissional e uma melhor qualidade dos serviços de saúde do município. A organização e o desenvolvimento da sala de espera no PSF II representaram um desafio aos acadêmicos, pois exigiu uma intensa preparação para discussão de temáticas diferenciadas, conforme solicitação dos usuários. Outro desafio foi transformar os estudos e a prática da organização e desenvolvimento da sala de espera no PSF II em produção bibliográfica, viabilizando troca de experiências acerca da extensão universitária, despertando-os para o compromisso com o desenvolvimento destas atividades no cotidiano profissional. Enquanto bolsistas e, mais especificamente, durante o desenvolvimento das atividades propostas no projeto, percebe-se a importância da implantação e consolidação da sala de espera não apenas no PSF2, mas também nos diferentes serviços de saúde. Principalmente como um ambiente crítico/reflexivo que possibilite um ambiente acolhedor aos usuários, levantando as suas necessidades e buscando intervir junto com eles e não apenas para eles, contribuindo efetivamente para a efetivação dos princípios e diretrizes do Sistema Único de Saúde – SUS. Portanto, por meio da sala de espera, foram evidenciados bons resultados em relação à educação em saúde, pois foi a partir das atividades realizadas e da participação dos usuários que tornou-se possível desenvolver ações que visem a prevenção de doenças, promoção e recuperação de saúde, proporcionando melhor qualidade de vida a população, bem como, a troca de informações e conhecimentos entre usuários, familiares e profissionais. Desta forma, durante o ambiente da sala de espera, ficou evidenciado que o enfermeiro(a) tem a oportunidade de utilizar esta ferramenta para prestar um atendimento mais humanizado e qualificar os serviços de saúde, neste espaço onde é permitido a este profissional o conhecimento das reais necessidades da população, bem como a busca por soluções para uma melhor qualidade de vida. REFERÊNCIAS JAPUR, M.; BORGES, C. C. Sobre a (não) adesão ao tratamento: Ampliando sentidos do autocuidado. Texto e Contexto Enferm. Florianópolis, 2008. Jan-mar; 17(1): 64-71. Vivências. Vol.5, N.7: p.101-106, Maio/2009 105
  • 6. Vivências: Revista Eletrônica de Extensão da URI ISSN 1809-1636 MANO, A. M. A educação em saúde e o PSF resgate histórico, esperança eterna. Boletim da saúde. Porto Alegre,v. 8, jan/jul 2004. RONZANI, T. M.; SILVA, C. M. O Programa Saúde da Família segundo profissionais de saúde, gestores e usuários. Ciência & Saúde Coletiva. 13(1):23-34. 2008 TEIXEIRA, E. R.; VELOSO, R. C. O grupo em sala de espera: território de práticas e representações em saúde. Texto & Contexto Enfermagem, abril-junho. Vol 15, n 2. Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis (SC), Brasil, p. 320-325, 2006. VERISSIMO, D. S; VALLE, E.R.M. A experiência vivida por pessoas com tumor cerebral e por seus familiares. Psicologia Argumenta/pontifica Universidade do Paraná. Curitiba: Champagana – v. 24. n. 45, Junho de 2006. Recebido em abril de 2009 e aprovado em maio de 2009. Rodrigues, A., et all. 106