Apresentação valdir principios e diretrizes curso 2015

328 visualizações

Publicada em

Apresentação Associação Viva e Deixe Viver

Publicada em: Educação
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
328
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
4
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
1
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Apresentação valdir principios e diretrizes curso 2015

  1. 1. “Princípios e Diretrizes da Associação Viva e Deixe Viver”
  2. 2. MEIOS DE COMUNICAÇÃO •democratização do informar, entreter e saber; •Pensar o sujeito como um ser histórico; •Possibilidades de interação com o mundo; •Informação para educação como uma prática social; •Envolvimento e construção de uma relação mundo e ser humano mais saudáveis. O CIDADÃO MÍDIA
  3. 3. filantropia investimento social privado responsabilidade social sustentabilidade doação prestação de contas diálogo com as partes interessadas demandas atuais e futuras O Tempo do Social
  4. 4. 2º Setor PRIVADO 3º Setor SOCIAL Criação de novas políticas de relacionamento, com valores éticos, princípios e principalmente diálogo. Aproximação com a sociedade, detectando necessidades e lideranças para manter o sistema viável e em equilíbrio entre a demanda e oferta dos serviços sociais Co-responsável no desenvolvimento da sociedade, apoiando com recursos técnicos científicos, intelectual e financeiros 1º Setor GOVERNO REDE REDE SOCIAL (todos nós)
  5. 5. RESPONSABILIDADE SOCIAL GLOBAL ECO 1992 8 Metas do milênio Habitantes 1830 – 1 Bilhão 2001 – 6 Bilhões 2006 – 6,5 Bi 2017 – 8 Bilhões Em 50 anos 1 copo de água dia por habitante Humanos/Valores Planejamento para prevenções
  6. 6. Linha do Tempo 1996 VALORES HUMANOS VIVENDO VALORES 1997 FUNDAÇÃO BRINCAR LER 1998 PALHAÇOS, ARTISTAS, CONTADORES DE HISTÓRIAS 2000 ANO INTERNACIONAL DA CULTURA DA PAZ 1992 DESCOBERTA 3º SETOR
  7. 7. Cultura de Paz e a Não Violência Respeitar a vida e a dignidade de cada pessoa Praticar a não- violência ativa Cultivar a generosidade Escutar para compreender Preservar o planeta Reinventar a solidariedade
  8. 8. 2003 ANO HUMANIZAÇÃO DA SOCIEDADE 2001 ANO INTERNACIONAL DO VOLUNTÁRIO 2006/7 ANO SEDE PROPRIA 2009 ANO SEDE PROPRIA 2012 ANO 15 ANIVERSÁRIO 2015 18 anos Linha do Tempo
  9. 9. Índice de Leitura “O brasileiro ainda tem índices de leitura muito baixos, comparados aos dos países mais desenvolvidos, segundo o Sindicato Nacional dos Editores de Livros” Pesquisa Retratos da Leitura no Brasil - 28/03/2012 http://www.vivaedeixeviver.org.br/Pesquisas
  10. 10. Por que Leitura? Sou amigo Livro é o fio condutor Respeitar o desejo
  11. 11. Por que Leitura? Ler sozinhoPrestar atenção no que o texto deseja transmitir Seleção da Leitura Ler na sociedade atual Globalização
  12. 12. Por que Leitura? O que importa é o que se aprende Domínio da linguagem Acesso ao imaginário Os livros abrem possibilidades Socialização cultural
  13. 13. Por que Leitura? Ampliar a experiência do seu mundo Compartilhar/doar Valorizar o comunitário Comunicação reflexiva Expandir conhecimento
  14. 14. Por que Brincar? Brinquedoteca em Hospitais Pediátricos. Lei nº11.104/2005 Educativo Cultural Terapêutico
  15. 15. AIDS (HIV) Gripe suina Estreptococcias Estafilococcias Gripe Doença meningocócica Tuberculose Encefalite Varicela Sars Antraz Difteria Tétano Caxumba Rubéola Sarampo Poliomielite Cólera Febre tifóide Hepatite E Hepatite A Leptospirose Febre amarela Dengue Malária Anemia Glaucoma Acromatopsia Anorexia nervosa Síndroma de Shy-Drager Beribéri Hipotiroidismo Escorbuto Hipercolesterolemia Gota Bulimia Bócio endêmico Raquitismo Sindrome do lobo mau Depressão Asma Ansiedade Doença de Huntington Transtornos alimentares Síndrome de Tourette Epilepsia Silicose Argiria Osteoporose Catalepsia patológica Acantose nigricans Acrocianose Artrite psoriática Artrose Cancro ou Câncer Cirrose hepática Diabetes insipidus Diabetes mellitus Doença de Creutzfeldt-Jakob Enurese Esôfago de Barrett Hipertiroidismo Leucemia Leucemia mielóide aguda Mal de Alzheimer Esquisofrenia Acalvaria Acondroplasia Anemia falciforme Doença de Von Gierke Fenilcetonúria Fibrose cística Hemofilia Hiperparatiroidismo Hipertensão arterial Psoríase Talassemia Doença celíaca Lúpus eritematoso sistêmicoPênfigo Síndrome de Sjögren Vitiligo Acalasia Esclerose múltipla
  16. 16. HUMANIZAÇÃO DA SAÚDE Equipe de Profissionais Princípios Científicos e Técnicos Capacidade de comunicação e compreensão Habilidade e Técnica Prevenção e Higiene Ambiência Arquitetura Solidariedade Compaixão Outros O Paciente Individualidade e Integralidade História de vida O Ser Humano Capacidade de comunicação e compreensão
  17. 17. HUMANIZAÇÃO SAUDE A criança como paciente Doença Sem Voz Ativa Situação Social
  18. 18. Valores • Compaixão •Responsabilidade • Verdade • Respeito • Cooperação • Lealdade • Amor • Disciplina • Transparência • Ética • Paz • União EU Sou EU Eu e Meus Pais Diversidade Eles Nós Todos Nós EU Tenho
  19. 19. Postura com a criança e seu acompanhante Quem é o acompanhante? • Nunca prometer aquilo que não se pode cumprir!
  20. 20. Nosso Contato A criança e o adolescente • Imaginação
  21. 21. O remédio nem sempre é doce Ouvir Sempre
  22. 22. Respeitar o NÃO SIM
  23. 23. Voltar a ser criança
  24. 24. Sinestésico, Auditivo e Visual
  25. 25. Identificação com o mundo da criança
  26. 26. Alimentação Nutrição Hospitalar - Nunca leve ou ofereça alimento aos pacientes. - Nunca dê água. - Comunique a equipe multidisciplinar.
  27. 27. Higiene • Saúde Bucal • Lavar as Mãos • Higiene Geral
  28. 28. Causa Contribuir para a humanização da sociedade, fortalecendo valores e princípios éticos essenciais entre os sujeitos que produzem saúde.
  29. 29. Missão A ASSOCIAÇÃO VIVA E DEIXE VIVER é uma OSCIP - Organização da Sociedade Civil de Interesse Público. Fomentar a Educação e Cultura na Saúde através da leitura e do brincar, visando transformar a internação hospitalar de crianças e adolescentes em um momento mais alegre, agradável e terapêutico, contribuindo positivamente para o bem estar de seus familiares e equipe multidisciplinar.
  30. 30. Visão Ser reconhecido como uma OSCIP que desenvolve cidadãos para o cumprimento do trabalho voluntário de maneira consciente, comprometida e constante. Ser referência em Educação e Cultura por meio da promoção de atividades de ensino continuado na arte de contar histórias, no brincar e na comunicação.
  31. 31. RESPONSABILIDADE PESSOAL INVESTIMENTO RESULTADO FUTURO CONSTÂNCIA COMPROMETIMENTO CONSCIÊNCIA TRANSFORMAÇÃO DOS RELACIONAMENTOS
  32. 32. Príncipios/Valores Trabalhamos em equipes integradas e com respeito à individualidade. Não discriminamos raça, cor, credo, religião, partidos políticos, orientação sexual e poder aquisitivo. Não permitimos a utilização institucional político- partidária da nossa Associação. Acreditamos e incentivamos a capacitação constante de cada indivíduo.
  33. 33. A lei que regulamenta o serviço voluntário no Brasil é a Lei nº 9.608/98. A regulamentação deixa claro que o serviço voluntário não gera vínculo empregatício nem obrigação de natureza trabalhista, previdenciária ou afim entre a pessoa que desenvolve a atividade e a entidade pública ou privada, sem fins lucrativos, na qual ela presta seus serviços. Para se evitar eventuais problemas trabalhistas, o ideal é que a organização social formalize a relação com o voluntário por meio de um termo de adesão. Perfil do Voluntário Resolução 1409/12 - CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE.
  34. 34. • Para quem quero doar? • O que quero doar? • Quanto tempo posso doar? • É este meu momento pessoal para doar? Programas: Curso de Formação Voluntário • Contador de Histórias • Fazedor de Histórias
  35. 35. Apresentando Gestão Viva e Deixe Viver CONSELHO CONSULTIVO CONSELHO FISCAL CONSELHO CULTURAL SÓCIOS EFETIVOS CÉLULAS DE TRABALHO
  36. 36. Apresentando - Diretoria (Gestão 2013 a 2016) Presidente Fundador VALDIR CIMINO Diretor de Administração IVO GALLI Diretor de Integração TONY SILVA Diretoras de Desenvolvimento Humano Centro de Contação de Histórias e Núcleo Ayty ANA PAULA PICCARONE DIVA MASTROTI Diretora de Comunicação Marketing e Relações Públicas DENISE MONTEIRO Célula Integração
  37. 37. Programas: Curso de Formação Voluntário Regulamentos para ser um voluntário da Associação Viva e Deixe Viver - Conhecer e concordar com a missão, causa, princípios e visão da Associação; - Ter idade superior a 18 anos; - Gostar de ler e ter disponibilidade para voltar a ser criança/adolescente; - Pesquisar e manter-se atualizado sobre literatura infanto-juvenil e sobre o brincar; - Saber que o trabalho voluntário não será considerado como um estágio e nem haverá remuneração; - Não buscar colocação profissional nos hospitais parceiros da Associação Viva e Deixe Viver. - Responsabilidade pelo conteúdo adquirido a ser multiplicado
  38. 38. Atuação na Sede: Definir a Célula de Atuação + 1 visita por semana no período de até 6 horas + Participação no Ensino Continuado Curso de fazedor/Colaborador Atuação no hospital: 1 visita por semana no período de 2 a 4 horas + Tempo de locomoção + Tempo para preparar o material (livros) + Participação no Ensino Continuado Curso Contador de Histórias DIREITOS DE IMAGEM
  39. 39. DIREITOSDEIMAGEM
  40. 40. • É considerado o Coordenador dos Contadores do hospital que está locado. • Representa a Associação perante o Hospital e Contadores. • Enfermaria • Pronto-Socorro • UTI • Isolamento • Hemodiálise • Psiquiatria ... Programas: Cabeça de Chaves
  41. 41. Nosso Campo de Ação Âmbito e Encontro Hospitais • Espaço onde realizamos nosso objetivo. • Respeitar a particularidade de cada instituição. • Há sempre um representante do hospital nos acolhendo.
  42. 42. Segunda Terça Quarta Quinta Sexta Sábado Domingo Período Cabeça de Chave Suplente Nome: Telefone: Nome: Telefone: Mês 2015Hospital Semana Noite Tarde Manhã Total de Voluntários:
  43. 43. Diário do Contador de Histórias e Fazedor de Histórias
  44. 44. Credo do Contador de Histórias “Creio que a imaginação pode mais que o conhecimento; que o mito pode mais que a história que os sonhos podem mais que os fatos; que a esperança sempre vence a experiência; que só o riso cura a tristeza e creio que o amor pode mais que a morte.” Robert Fulghum (Tudo que eu devia saber na vida aprendi no jardim da infância) Vivendo Positivamente
  45. 45. Não ficamos tristes com desistências, mas sim, com ausências.
  46. 46. Levar o sorriso de hoje por mais “hojes” que a gente conseguir YARA GROTERA, 1998
  47. 47. Perguntas
  48. 48. Obrigado www.valdircimino.com.br Valdir Cimino

×