SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 21
TRABALHO DE PARASITOLOGIA
TEMA: AMEBÍASE
GRUPO II
Gustavo Ribeiro, Heloiza Gaiozo, Karen Fernandes,
Renata Martinez, Vivianne Menezes e Thatiane Castro
O que é Amebíase?
A amebíase, também conhecida por disenteria amebiana, é uma infecção
parasitária que acomete o intestino. Ela é bastante comum em áreas do mundo
onde o saneamento básico é deficiente, permitindo que alimentos e água sejam
expostos à contaminação fecal.
Causas
AAmebíase é causada pelo micro-organismo Entamoeba histolytica, que invade o
corpo humano e pode trazer diversos sintomas, ou não, aos pacientes.
Transmissão
A doença é transmitida através de contaminação fecal e pode ser manifestada
dentro ou fora do intestino. A ingestão do protozoário pode ser feita através de
comidas ou bebidas contaminadas ou pode ser contraído, ainda, através do
contato direto com o material fecal.
Colocar na boca qualquer objeto que tenha entrado em contato direto ou
indireto com as fezes de um infectado;
Ingerir algo, como água ou comida, que esteja contaminada com o protozoário;
Ingerir cistos de E. histolytica (ovos) contraídos de superfícies ou dedos
contaminados;
Sexo oral ou anal desprotegido com infectado.
Principais meios de transmissão
Grupos de Risco
Desnutridos;
Gestantes;
Pacientes que sofrem de câncer;
Pessoas que tem problemas com o alcoolismo;
Pessoas que utilizam corticoides para inibir o sistema imunológico;
Pessoas que mantêm relações sexuais sem proteção;
Crianças e idosos;
Habitantes de áreas com saneamento básico precário;
Visitantes a áreas com saneamento básico precário.
Sintomatologia
Das pessoas contaminadas por E. histolytica, somente 10-20% ficam doentes com
sua infecção. Esta pequena porcentagem que adoece desenvolve sintomas entre
duas e quatro semanas após o primeiro contato com o parasita.
Fadiga;
Perda de peso involuntária;
Tenesmo (dor retal durante a evacuação);
Desconforto, cólicas intestinais e gases em excesso;
Evacuação de fezes pastosas, com muco e sangue ocasional.
Sintomas Leves
Sintomas Graves
Evacuação de fezes líquidas, com sangue ocasional;
Evacuação de dez a vinte vezes ao dia;
Sensibilidade abdominal;
Perfuração intestinal;
Febre e vômitos;
Complicações
Abcesso hepático;
Danos a órgãos vitais;
Efeitos colaterais medicamentosos.
Amebíase Cutânea
Múltiplas úlceras cutâneas, causadas por E. histolytica, na área do glúteo e
períneo em paciente indiano soropositivo.
A inoculação externa da E. histolytica ocorre normalmente através da prática do
sexo anal, ou por contato do parasita em forma de trofozoíto com pele não-íntegra.
A incidência é mais comum no ânus, períneo, glúteo e nas genitálias tanto
masculina quanto feminina.
Entamoeba histolytica - Morfologia
Vacúolo Contrátil
Recolhe o excesso de
água na célula e o
expulsa por contração
brusca, participando
do movimento dos
pseudópodos.Pseudópodos
Projeções temporárias
da parede celular,
criando “falsos pés”
para a locomoção.
Vacúolos Digestórios
Efetuam a absorção de
nutrientes do meio
externo da célula.
Núcleo
Regula o metabolismo e
armazena informações
genéticas da célula.
Endoplasma
Parte líquida, interna
do citoplasma, que
circunda o núcleo.
Ectoplasma
Membrana plasmática
externa, em contato
com a parede celular.
Ciclo de Vida
O parasita libera cistos (ovos) que podem sobreviver meses no mesmo local em
que foram depositados. Esses lugares costumam ser o chão, a água e até mesmo
as próprias fezes. Ter relações sexuais desprotegidas também pode ser um meio
de infecção.
Os cistos possuem 15 mícrons e, após entrarem no corpo humano, passam pela
parte ácida do estômago e, já no intestino delgado, se rompem e geram oito
trofozoítos cada. Alguns desses trofozoítos se multiplicam e causam doenças, já
outros se transformam em cistos que não se aderem à mucosa e são expelidos do
corpo pelas fezes.
Após invadir o corpo humano o parasita pode ficar instalado no intestino de dias até
anos, mas geralmente ele se hospeda de duas a quatro semanas, causando
sintomas ou não, sendo que a grande maioria dos pacientes não sentem sintomas
e nem sabem que ficaram com o parasita no corpo.
Ciclo da Entamoeba histolytica - Infecção não Invasiva
Cisto de Quatro
Núcleos
Excretado
através das
fezes, infecta
água potável e
alimentos.
Cisto Maduro
Viaja da boca até
o intestino
delgado, onde se
rompe.
Excistação
Um Metacisto
de quatro
núcleos emerge
e se divide três
vezes e cada
núcleo se divide
uma vez,
produzindo oito
trofozoítos.
Trofozoítos
Migram para o
intestino grosso.
Cissiparidade
Trofozoítos se
multiplicam, e
uma parte se
tornará cistos,
enquanto outra
manterá a forma
original e se
alojará no
intestino.
Pré-Cisto
Forma arredondada,
menor que trofozoíto,
gerada no cólon.
Cisto Imaturo de
Um Núcleo
Cisto Imaturo de
Dois Núcleos
Contaminação
Via oral, através
de água e
alimentos
contaminados.
Ciclo da Entamoeba histolytica - Infecção Invasiva
Cisto Maduro
Viaja da boca até
o intestino
delgado, onde se
rompe.
Excistação
Um Metacisto
de quatro
núcleos emerge
e se divide três
vezes e cada
núcleo se divide
uma vez,
produzindo oito
trofozoítos.
Trofozoítos
Migram para o
intestino grosso.
Cissiparidade
Trofozoítos se
multiplicam, e
uma parte se
tornará cistos,
enquanto outra
manterá a forma
original e se
alojará no
intestino.
Contaminação
Via oral, através
de água e
alimentos
contaminados.
Órgãos vitais,
como o cérebro,
coração, fígado,
pulmões e rins,
são atingidos.
Trofozoítos
invadem a
mucosa intestinal.
Em seguida,
entram na
corrente
sanguínea do
infectado.
MAIS AFETADO
Incidência da Doença no Mundo
A doença atinge mais de 50 milhões de pessoas por ano, mas somente 100.000
pessoas morrem por conta da amebíase e suas complicações. A amebíase é
endêmica na América Latina, Índia, Sudoeste Asiático e África. Nessas áreas
duas a cada três pessoas terão a doença, mas, na maioria dos casos, não há
problemas, pois os sintomas não são perceptíveis.
Incidência da doença no território brasileiro por região (2006)
19% 11%
6,5%
Em dados mais
recentes, não
regionalizados, o
Brasil indica uma
incidência da doença
em até 11% da
população.
NORTE
SUL
SUDESTE
NORDESTE
CENTRO-OESTE
Diagnóstico
O diagnóstico é feito por médicos proctologistas, infectologistas,
gastroenterologistas e até mesmo clínico geral. Os exames que costumam detectar
a doença são:
 Tomografia;
 Ressonância magnética;
 Ecografia.
Para confirmar o diagnóstico, punções de abscessos e exames de sangue também
podem ser realizados para detectarem anticorpos contra o parasita. Exames de
fezes e exames laboratoriais são feitos para ver se a função hepática sofreu
alteração e se houve dano ao fígado. Realizar uma colonoscopia poderá detectar
se o parasita E. histolytica invadiu também o cólon ou o intestino.
Ao marcar a consulta com o médico, pode ser que ele faça perguntas frequentes de
como e quando surgiram os sintomas, se você tem ido muitas vezes ao banheiro
diariamente e se viajou para algum lugar com condições ruins de saneamento
básico.
Tratamento da Amebíase
Metronidazol
Tem 250mg e vem em
caixas entre 20 e 70
comprimidos.
Geralmente a posologia é
de 500mg a cada 6 horas,
durante 5 a 7 dias na
amebíase intestinal e de 7 a
10 dias na extra-intestinal.
Benzoilmetronidazol
Vem na forma líquida de
40mg/mL em embalagens de
100mL, que acompanha um
copinho com medida.
Geralmente a posologia é de
20mg/kg a cada 6 horas,
durante 5 a 7 dias na
amebíase intestinal e de 7 a
10 dias na extra-intestinal.
Annita (Nitazoxanida)
Geralmente a
posologia é de 500mg
a cada 12 horas,
durante 3 dias. Não há
informações sobre
tratamento de
amebíase invasiva
O tratamento com antiparasitários é frequentemente indicado para cura da
amebíase e sua indicação é largamente usada nas regiões onde o saneamento
básico é deficiente e por isso, com maior índice de contaminação.
Convivendo com o problema
A doença só volta se o tratamento não for feito corretamente, tirando isso, em duas
semanas a pessoa está curada da amebíase e poderá voltar a ter uma vida normal,
sem alterações no estilo de vida ou na alimentação.
Cuidados extras durante o tratamento
Seguir os horários de medicação conforme prescrição médica;
Evitar ingerir bebidas alcoólicas;
Manter uma boa alimentação;
Evitar alimentos gordurosos;
Ingerir muito líquido;
Profilaxia na Comunidade
A amebíase é uma doença causada pela má-higiene e falta ou precariedade de
serviços sanitários básicos, além de estar diretamente ligada à regiões onde se
predominam a pobreza, ignorância e analfabetismo. Sua prevenção na comunidade
pode ser feita através de:
Educação preventiva;
Obras de saneamento básico;
Projetos sociais de acesso a banheiros (Melhorias Sanitárias Domiciliares -
FUNASA);
Acesso a itens de higiene pessoal a preços acessíveis ou de maneira
subsidiada.
Cuidados Essenciais
Manter-se sempre com a higiene em dia;
Lavar os alimentos antes de consumi-los;
Não realizar atividades sexuais sem proteção;
Não consumir água diretamente da fonte sem que haja filtração dela;
Evite queijos, leites e produtos lácteos sem que eles sejam pasteurizados;
Lavar frutas e verduras antes de comê-las;
Evitar se alimentar em locais que você não confia na higiene;
Beber água somente engarrafada.
Profilaxia no consumo de Água de fonte Mineral
Na nossa região e em grande parte do país, temos o costume de buscar água de
fontes naturais (minas) sempre que possível. Embora a maioria delas seja testada
constantemente, com vários relatórios emitidos sobre a qualidade da água,
devemos sempre tomar um cuidado extra, recomendado pelo Ministério da Saúde.
Uso do Hipoclorito de Sódio (Solução a 2,5%)
É um Desinfetante para Tratamento de
Água para Consumo Humano. Deve
ser utilizado em toda água que não
passou por processo de tratamento,
mas é considerada potável, ou em água
que passou por tratamento precário.
Recomenda-se o uso de duas gotas
por litro de água, com um período de
espera de 30 minutos.
Um segundo uso para o Hipoclorito de
Sódio é a lavagem desinfetante de
frutas e vegetais.
Profilaxia em Viagens
Se você está visitando uma região ou país com condições sanitárias precárias,
deve-se tomar algumas precauções
Consumir leite, queijo, ou outros laticínios sem pasteurização;
Tomar água em bebedouros ou da torneira sem ferver;
Consumir bebidas com cubos de gelo;
Comer frutas e vegetais que não foram descascados por você;
Consumir alimentos ou bebidas de vendedores ambulantes ou barracas de rua;
Consumir alimentos ou bebidas de estabelecimentos de má-higiene visível.
O que NÃO fazer
O que é SEGURO
Consumir água mineral engarrafada, desde que o lacre não tenha sido violado;
Tomar água da torneira, fervida por, pelo menos, um minuto;
Tomar bebidas gaseificadas, desde que proceda de latas e garrafas lacradas.
Profilaxia em Acampamentos
Nem sempre quando vamos acampar conseguimos carregar toda a água
necessária para o consumo. Nesse caso, temos uma solução prática e muito
eficiente de apenas dois passos:
Passo I - Filtro de Água Portátil de 1 mícron ou menos
Remove os sedimentos da água e ajuda a
eliminar algumas das bactérias e
protozoários na sua fina “rede” interna.
Passo II - Tabletes de Dióxido de Cloro
Transforma a água sem sedimentos em
água potável através da purificação pelo
cloro.
Esperamos que tenham gostado da nossa apresentação.
Muito obrigado pela atenção!
FontesdePesquisa
• Slideshare - pt.slideshare.com
• Apresentação Amebíase (2015) - https://pt.slideshare.net/lipamufca/amebases-20151
• Blog Ciências e Viver - cienciaseviver.blogspot.com.br
• Amebíase - http://cienciaseviver.blogspot.com.br/2014/07/amebiase-ou-infeccao-por-
entamoeba_7.html
• Wikipédia (em inglês) - en.wikipedia.org
• Ciclo de Vida da Entamoeba histolytica -
https://upload.wikimedia.org/wikipedia/commons/a/a1/Entamoeba_histolytica_life_cycle-
en.svg
• Só Biologia - www.sobiologia.com.br
• Morfologia - http://www.sobiologia.com.br/conteudos/Reinos/bioprotista2.php
• Consulta Remédios - www.consultaremedios.com.br
• Resumo Amebíase - https://consultaremedios.com.br/crsaude/o-que-e-amebiase-
sintomas-tratamento-prevencao-remedio-e-cura/problemas-de-saude/sua-saude
• Medscape (em inglês) - www.medscape.com
• Amebíase Cutânea - http://www.medscape.com/viewarticle/467073
• Estatísticas Internacionais - http://emedicine.medscape.com/article/212029-overview#a5
• CDC (EUA - em inglês) - www.cdc.gov
• Informações gerais - https://www.cdc.gov/parasites/amebiasis/general-info.html
• Saúde Sublime - www.saudesublime.com
• Medicamentos mais comuns - https://saudesublime.com/tratamento-de-amebiase-
remedios-mais-usados/
• Coordenadoria de Comunicação UFRJ - http://www.olharvital.ufrj.br
• Prevenção - http://www.olharvital.ufrj.br/2006/index.php?id_edicao=090&codigo=9
• Minha Vida - www.minhavida.com.br
• Sintomatologia - http://www.minhavida.com.br/saude/temas/amebiase

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados (20)

Aula de Parasitologia do dia: 08.09.2016
Aula de Parasitologia do dia: 08.09.2016Aula de Parasitologia do dia: 08.09.2016
Aula de Parasitologia do dia: 08.09.2016
 
Parasitologia
ParasitologiaParasitologia
Parasitologia
 
Teniase e cisticercose
Teniase e cisticercoseTeniase e cisticercose
Teniase e cisticercose
 
Ascaridíase
Ascaridíase Ascaridíase
Ascaridíase
 
Bases Ii Aula 1 IntroduçãO à Parasitologia 24082009
Bases Ii   Aula 1   IntroduçãO à Parasitologia   24082009Bases Ii   Aula 1   IntroduçãO à Parasitologia   24082009
Bases Ii Aula 1 IntroduçãO à Parasitologia 24082009
 
Giardiase
GiardiaseGiardiase
Giardiase
 
Protozoarios
ProtozoariosProtozoarios
Protozoarios
 
Esquistossomose
EsquistossomoseEsquistossomose
Esquistossomose
 
Ascaridíase - Lombriga - Ascaris Lumbricoides
Ascaridíase - Lombriga - Ascaris LumbricoidesAscaridíase - Lombriga - Ascaris Lumbricoides
Ascaridíase - Lombriga - Ascaris Lumbricoides
 
Esquistossomose
EsquistossomoseEsquistossomose
Esquistossomose
 
Oxiurose
OxiuroseOxiurose
Oxiurose
 
Aula 3 Giardia Lamblia
Aula 3   Giardia LambliaAula 3   Giardia Lamblia
Aula 3 Giardia Lamblia
 
Giardia
GiardiaGiardia
Giardia
 
Aula n° 2
Aula n° 2  Aula n° 2
Aula n° 2
 
Amebíase
AmebíaseAmebíase
Amebíase
 
Toxoplasmose
ToxoplasmoseToxoplasmose
Toxoplasmose
 
Aula n° 6 toxoplasma
Aula n° 6   toxoplasmaAula n° 6   toxoplasma
Aula n° 6 toxoplasma
 
Leishmaniose
LeishmanioseLeishmaniose
Leishmaniose
 
Strongyloides stercoralis
Strongyloides stercoralisStrongyloides stercoralis
Strongyloides stercoralis
 
Leishmaniose tegumentar e visceral
Leishmaniose tegumentar e visceral Leishmaniose tegumentar e visceral
Leishmaniose tegumentar e visceral
 

Semelhante a Parasitologia: Amebíase

Água não tratada é porta aberta para várias doenças
Água não tratada é porta aberta para várias doençasÁgua não tratada é porta aberta para várias doenças
Água não tratada é porta aberta para várias doençasAndré Luiz Fachardo
 
Aula 5 - Doenças transmitidas por alimentos - DTA.pdf
Aula 5 - Doenças transmitidas por alimentos - DTA.pdfAula 5 - Doenças transmitidas por alimentos - DTA.pdf
Aula 5 - Doenças transmitidas por alimentos - DTA.pdfesusana86
 
Resumo parasitoses e diarreia aguda
Resumo parasitoses e diarreia agudaResumo parasitoses e diarreia aguda
Resumo parasitoses e diarreia agudaLívia Zadra
 
AMEBIASE E GIARDIASE (AULA 1).ppt
AMEBIASE E GIARDIASE (AULA 1).pptAMEBIASE E GIARDIASE (AULA 1).ppt
AMEBIASE E GIARDIASE (AULA 1).pptdirleyvalderez1
 
Diarreia aguda na infância
Diarreia aguda na infânciaDiarreia aguda na infância
Diarreia aguda na infânciaNíris Stéfany
 
Infeccoes intestinais bacterianas
Infeccoes intestinais bacterianasInfeccoes intestinais bacterianas
Infeccoes intestinais bacterianasUFRJ
 
Água não tratada é porta aberta para várias doenças
Água não tratada é porta aberta para várias doençasÁgua não tratada é porta aberta para várias doenças
Água não tratada é porta aberta para várias doençasCopasa Digital
 
Doenças causadas por água contaminada
Doenças causadas por água contaminadaDoenças causadas por água contaminada
Doenças causadas por água contaminadaSamuel Coelho
 
Reino protista (protozoarios)
Reino protista (protozoarios)Reino protista (protozoarios)
Reino protista (protozoarios)Nome Sobrenome
 
Gíardia lamblia presentation
Gíardia lamblia presentationGíardia lamblia presentation
Gíardia lamblia presentationArmando Gaspar
 
Síndromes Diarréicas
Síndromes DiarréicasSíndromes Diarréicas
Síndromes DiarréicasPaulo Alambert
 

Semelhante a Parasitologia: Amebíase (20)

Água não tratada é porta aberta para várias doenças
Água não tratada é porta aberta para várias doençasÁgua não tratada é porta aberta para várias doenças
Água não tratada é porta aberta para várias doenças
 
Amebíase
AmebíaseAmebíase
Amebíase
 
Aula 5 - Doenças transmitidas por alimentos - DTA.pdf
Aula 5 - Doenças transmitidas por alimentos - DTA.pdfAula 5 - Doenças transmitidas por alimentos - DTA.pdf
Aula 5 - Doenças transmitidas por alimentos - DTA.pdf
 
Resumo parasitoses e diarreia aguda
Resumo parasitoses e diarreia agudaResumo parasitoses e diarreia aguda
Resumo parasitoses e diarreia aguda
 
AMEBIASE E GIARDIASE (AULA 1).ppt
AMEBIASE E GIARDIASE (AULA 1).pptAMEBIASE E GIARDIASE (AULA 1).ppt
AMEBIASE E GIARDIASE (AULA 1).ppt
 
Amebíase e toxoplasmose
Amebíase e toxoplasmoseAmebíase e toxoplasmose
Amebíase e toxoplasmose
 
Diarreia aguda na infância
Diarreia aguda na infânciaDiarreia aguda na infância
Diarreia aguda na infância
 
Infeccoes intestinais bacterianas
Infeccoes intestinais bacterianasInfeccoes intestinais bacterianas
Infeccoes intestinais bacterianas
 
Cólera
CóleraCólera
Cólera
 
Saneamento
SaneamentoSaneamento
Saneamento
 
Água não tratada é porta aberta para várias doenças
Água não tratada é porta aberta para várias doençasÁgua não tratada é porta aberta para várias doenças
Água não tratada é porta aberta para várias doenças
 
Copasa doenças
Copasa doençasCopasa doenças
Copasa doenças
 
Centro de educação profissional - CEL
Centro de educação profissional - CELCentro de educação profissional - CEL
Centro de educação profissional - CEL
 
Doenças causadas por água contaminada
Doenças causadas por água contaminadaDoenças causadas por água contaminada
Doenças causadas por água contaminada
 
Doenças
DoençasDoenças
Doenças
 
Saúde pública
Saúde públicaSaúde pública
Saúde pública
 
Reino protista (protozoarios)
Reino protista (protozoarios)Reino protista (protozoarios)
Reino protista (protozoarios)
 
Gíardia lamblia presentation
Gíardia lamblia presentationGíardia lamblia presentation
Gíardia lamblia presentation
 
Síndromes Diarréicas
Síndromes DiarréicasSíndromes Diarréicas
Síndromes Diarréicas
 
Aula 2 Amebiase
Aula 2   AmebiaseAula 2   Amebiase
Aula 2 Amebiase
 

Parasitologia: Amebíase

  • 1. TRABALHO DE PARASITOLOGIA TEMA: AMEBÍASE GRUPO II Gustavo Ribeiro, Heloiza Gaiozo, Karen Fernandes, Renata Martinez, Vivianne Menezes e Thatiane Castro
  • 2. O que é Amebíase? A amebíase, também conhecida por disenteria amebiana, é uma infecção parasitária que acomete o intestino. Ela é bastante comum em áreas do mundo onde o saneamento básico é deficiente, permitindo que alimentos e água sejam expostos à contaminação fecal. Causas AAmebíase é causada pelo micro-organismo Entamoeba histolytica, que invade o corpo humano e pode trazer diversos sintomas, ou não, aos pacientes. Transmissão A doença é transmitida através de contaminação fecal e pode ser manifestada dentro ou fora do intestino. A ingestão do protozoário pode ser feita através de comidas ou bebidas contaminadas ou pode ser contraído, ainda, através do contato direto com o material fecal.
  • 3. Colocar na boca qualquer objeto que tenha entrado em contato direto ou indireto com as fezes de um infectado; Ingerir algo, como água ou comida, que esteja contaminada com o protozoário; Ingerir cistos de E. histolytica (ovos) contraídos de superfícies ou dedos contaminados; Sexo oral ou anal desprotegido com infectado. Principais meios de transmissão Grupos de Risco Desnutridos; Gestantes; Pacientes que sofrem de câncer; Pessoas que tem problemas com o alcoolismo; Pessoas que utilizam corticoides para inibir o sistema imunológico; Pessoas que mantêm relações sexuais sem proteção; Crianças e idosos; Habitantes de áreas com saneamento básico precário; Visitantes a áreas com saneamento básico precário.
  • 4. Sintomatologia Das pessoas contaminadas por E. histolytica, somente 10-20% ficam doentes com sua infecção. Esta pequena porcentagem que adoece desenvolve sintomas entre duas e quatro semanas após o primeiro contato com o parasita. Fadiga; Perda de peso involuntária; Tenesmo (dor retal durante a evacuação); Desconforto, cólicas intestinais e gases em excesso; Evacuação de fezes pastosas, com muco e sangue ocasional. Sintomas Leves Sintomas Graves Evacuação de fezes líquidas, com sangue ocasional; Evacuação de dez a vinte vezes ao dia; Sensibilidade abdominal; Perfuração intestinal; Febre e vômitos; Complicações Abcesso hepático; Danos a órgãos vitais; Efeitos colaterais medicamentosos.
  • 5. Amebíase Cutânea Múltiplas úlceras cutâneas, causadas por E. histolytica, na área do glúteo e períneo em paciente indiano soropositivo. A inoculação externa da E. histolytica ocorre normalmente através da prática do sexo anal, ou por contato do parasita em forma de trofozoíto com pele não-íntegra. A incidência é mais comum no ânus, períneo, glúteo e nas genitálias tanto masculina quanto feminina.
  • 6. Entamoeba histolytica - Morfologia Vacúolo Contrátil Recolhe o excesso de água na célula e o expulsa por contração brusca, participando do movimento dos pseudópodos.Pseudópodos Projeções temporárias da parede celular, criando “falsos pés” para a locomoção. Vacúolos Digestórios Efetuam a absorção de nutrientes do meio externo da célula. Núcleo Regula o metabolismo e armazena informações genéticas da célula. Endoplasma Parte líquida, interna do citoplasma, que circunda o núcleo. Ectoplasma Membrana plasmática externa, em contato com a parede celular.
  • 7. Ciclo de Vida O parasita libera cistos (ovos) que podem sobreviver meses no mesmo local em que foram depositados. Esses lugares costumam ser o chão, a água e até mesmo as próprias fezes. Ter relações sexuais desprotegidas também pode ser um meio de infecção. Os cistos possuem 15 mícrons e, após entrarem no corpo humano, passam pela parte ácida do estômago e, já no intestino delgado, se rompem e geram oito trofozoítos cada. Alguns desses trofozoítos se multiplicam e causam doenças, já outros se transformam em cistos que não se aderem à mucosa e são expelidos do corpo pelas fezes. Após invadir o corpo humano o parasita pode ficar instalado no intestino de dias até anos, mas geralmente ele se hospeda de duas a quatro semanas, causando sintomas ou não, sendo que a grande maioria dos pacientes não sentem sintomas e nem sabem que ficaram com o parasita no corpo.
  • 8. Ciclo da Entamoeba histolytica - Infecção não Invasiva Cisto de Quatro Núcleos Excretado através das fezes, infecta água potável e alimentos. Cisto Maduro Viaja da boca até o intestino delgado, onde se rompe. Excistação Um Metacisto de quatro núcleos emerge e se divide três vezes e cada núcleo se divide uma vez, produzindo oito trofozoítos. Trofozoítos Migram para o intestino grosso. Cissiparidade Trofozoítos se multiplicam, e uma parte se tornará cistos, enquanto outra manterá a forma original e se alojará no intestino. Pré-Cisto Forma arredondada, menor que trofozoíto, gerada no cólon. Cisto Imaturo de Um Núcleo Cisto Imaturo de Dois Núcleos Contaminação Via oral, através de água e alimentos contaminados.
  • 9. Ciclo da Entamoeba histolytica - Infecção Invasiva Cisto Maduro Viaja da boca até o intestino delgado, onde se rompe. Excistação Um Metacisto de quatro núcleos emerge e se divide três vezes e cada núcleo se divide uma vez, produzindo oito trofozoítos. Trofozoítos Migram para o intestino grosso. Cissiparidade Trofozoítos se multiplicam, e uma parte se tornará cistos, enquanto outra manterá a forma original e se alojará no intestino. Contaminação Via oral, através de água e alimentos contaminados. Órgãos vitais, como o cérebro, coração, fígado, pulmões e rins, são atingidos. Trofozoítos invadem a mucosa intestinal. Em seguida, entram na corrente sanguínea do infectado. MAIS AFETADO
  • 10. Incidência da Doença no Mundo A doença atinge mais de 50 milhões de pessoas por ano, mas somente 100.000 pessoas morrem por conta da amebíase e suas complicações. A amebíase é endêmica na América Latina, Índia, Sudoeste Asiático e África. Nessas áreas duas a cada três pessoas terão a doença, mas, na maioria dos casos, não há problemas, pois os sintomas não são perceptíveis.
  • 11. Incidência da doença no território brasileiro por região (2006) 19% 11% 6,5% Em dados mais recentes, não regionalizados, o Brasil indica uma incidência da doença em até 11% da população. NORTE SUL SUDESTE NORDESTE CENTRO-OESTE
  • 12. Diagnóstico O diagnóstico é feito por médicos proctologistas, infectologistas, gastroenterologistas e até mesmo clínico geral. Os exames que costumam detectar a doença são:  Tomografia;  Ressonância magnética;  Ecografia. Para confirmar o diagnóstico, punções de abscessos e exames de sangue também podem ser realizados para detectarem anticorpos contra o parasita. Exames de fezes e exames laboratoriais são feitos para ver se a função hepática sofreu alteração e se houve dano ao fígado. Realizar uma colonoscopia poderá detectar se o parasita E. histolytica invadiu também o cólon ou o intestino. Ao marcar a consulta com o médico, pode ser que ele faça perguntas frequentes de como e quando surgiram os sintomas, se você tem ido muitas vezes ao banheiro diariamente e se viajou para algum lugar com condições ruins de saneamento básico.
  • 13. Tratamento da Amebíase Metronidazol Tem 250mg e vem em caixas entre 20 e 70 comprimidos. Geralmente a posologia é de 500mg a cada 6 horas, durante 5 a 7 dias na amebíase intestinal e de 7 a 10 dias na extra-intestinal. Benzoilmetronidazol Vem na forma líquida de 40mg/mL em embalagens de 100mL, que acompanha um copinho com medida. Geralmente a posologia é de 20mg/kg a cada 6 horas, durante 5 a 7 dias na amebíase intestinal e de 7 a 10 dias na extra-intestinal. Annita (Nitazoxanida) Geralmente a posologia é de 500mg a cada 12 horas, durante 3 dias. Não há informações sobre tratamento de amebíase invasiva O tratamento com antiparasitários é frequentemente indicado para cura da amebíase e sua indicação é largamente usada nas regiões onde o saneamento básico é deficiente e por isso, com maior índice de contaminação.
  • 14. Convivendo com o problema A doença só volta se o tratamento não for feito corretamente, tirando isso, em duas semanas a pessoa está curada da amebíase e poderá voltar a ter uma vida normal, sem alterações no estilo de vida ou na alimentação. Cuidados extras durante o tratamento Seguir os horários de medicação conforme prescrição médica; Evitar ingerir bebidas alcoólicas; Manter uma boa alimentação; Evitar alimentos gordurosos; Ingerir muito líquido;
  • 15. Profilaxia na Comunidade A amebíase é uma doença causada pela má-higiene e falta ou precariedade de serviços sanitários básicos, além de estar diretamente ligada à regiões onde se predominam a pobreza, ignorância e analfabetismo. Sua prevenção na comunidade pode ser feita através de: Educação preventiva; Obras de saneamento básico; Projetos sociais de acesso a banheiros (Melhorias Sanitárias Domiciliares - FUNASA); Acesso a itens de higiene pessoal a preços acessíveis ou de maneira subsidiada. Cuidados Essenciais Manter-se sempre com a higiene em dia; Lavar os alimentos antes de consumi-los; Não realizar atividades sexuais sem proteção; Não consumir água diretamente da fonte sem que haja filtração dela; Evite queijos, leites e produtos lácteos sem que eles sejam pasteurizados; Lavar frutas e verduras antes de comê-las; Evitar se alimentar em locais que você não confia na higiene; Beber água somente engarrafada.
  • 16. Profilaxia no consumo de Água de fonte Mineral Na nossa região e em grande parte do país, temos o costume de buscar água de fontes naturais (minas) sempre que possível. Embora a maioria delas seja testada constantemente, com vários relatórios emitidos sobre a qualidade da água, devemos sempre tomar um cuidado extra, recomendado pelo Ministério da Saúde. Uso do Hipoclorito de Sódio (Solução a 2,5%) É um Desinfetante para Tratamento de Água para Consumo Humano. Deve ser utilizado em toda água que não passou por processo de tratamento, mas é considerada potável, ou em água que passou por tratamento precário. Recomenda-se o uso de duas gotas por litro de água, com um período de espera de 30 minutos. Um segundo uso para o Hipoclorito de Sódio é a lavagem desinfetante de frutas e vegetais.
  • 17. Profilaxia em Viagens Se você está visitando uma região ou país com condições sanitárias precárias, deve-se tomar algumas precauções Consumir leite, queijo, ou outros laticínios sem pasteurização; Tomar água em bebedouros ou da torneira sem ferver; Consumir bebidas com cubos de gelo; Comer frutas e vegetais que não foram descascados por você; Consumir alimentos ou bebidas de vendedores ambulantes ou barracas de rua; Consumir alimentos ou bebidas de estabelecimentos de má-higiene visível. O que NÃO fazer O que é SEGURO Consumir água mineral engarrafada, desde que o lacre não tenha sido violado; Tomar água da torneira, fervida por, pelo menos, um minuto; Tomar bebidas gaseificadas, desde que proceda de latas e garrafas lacradas.
  • 18. Profilaxia em Acampamentos Nem sempre quando vamos acampar conseguimos carregar toda a água necessária para o consumo. Nesse caso, temos uma solução prática e muito eficiente de apenas dois passos: Passo I - Filtro de Água Portátil de 1 mícron ou menos Remove os sedimentos da água e ajuda a eliminar algumas das bactérias e protozoários na sua fina “rede” interna. Passo II - Tabletes de Dióxido de Cloro Transforma a água sem sedimentos em água potável através da purificação pelo cloro.
  • 19. Esperamos que tenham gostado da nossa apresentação. Muito obrigado pela atenção!
  • 20. FontesdePesquisa • Slideshare - pt.slideshare.com • Apresentação Amebíase (2015) - https://pt.slideshare.net/lipamufca/amebases-20151 • Blog Ciências e Viver - cienciaseviver.blogspot.com.br • Amebíase - http://cienciaseviver.blogspot.com.br/2014/07/amebiase-ou-infeccao-por- entamoeba_7.html • Wikipédia (em inglês) - en.wikipedia.org • Ciclo de Vida da Entamoeba histolytica - https://upload.wikimedia.org/wikipedia/commons/a/a1/Entamoeba_histolytica_life_cycle- en.svg • Só Biologia - www.sobiologia.com.br • Morfologia - http://www.sobiologia.com.br/conteudos/Reinos/bioprotista2.php • Consulta Remédios - www.consultaremedios.com.br • Resumo Amebíase - https://consultaremedios.com.br/crsaude/o-que-e-amebiase- sintomas-tratamento-prevencao-remedio-e-cura/problemas-de-saude/sua-saude • Medscape (em inglês) - www.medscape.com • Amebíase Cutânea - http://www.medscape.com/viewarticle/467073 • Estatísticas Internacionais - http://emedicine.medscape.com/article/212029-overview#a5 • CDC (EUA - em inglês) - www.cdc.gov • Informações gerais - https://www.cdc.gov/parasites/amebiasis/general-info.html
  • 21. • Saúde Sublime - www.saudesublime.com • Medicamentos mais comuns - https://saudesublime.com/tratamento-de-amebiase- remedios-mais-usados/ • Coordenadoria de Comunicação UFRJ - http://www.olharvital.ufrj.br • Prevenção - http://www.olharvital.ufrj.br/2006/index.php?id_edicao=090&codigo=9 • Minha Vida - www.minhavida.com.br • Sintomatologia - http://www.minhavida.com.br/saude/temas/amebiase