SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 110
Baixar para ler offline
IInnssttiittuuttoo FFeeddeerraall GGooiiaannoo ccââmmppuuss UUrruuttaaíí 
LLaabboorraattóórriioo ddee MMiiccrroobbiioollooggiiaa 
DDiisscciipplliinnaa ddee MMiiccrroobbiioollooggiiaa GGeerraall 
MMIICCOOLLOOGGIIAA 
PPrrooff.. MMiillttoonn LL.. PPaazz LLiimmaa 
1
2
Características Gerais dos fungos: 
- Aclorofilados; 
-Talo eucariótico: a hifa é o talo vegetativo dos 
fungos. 
- Heterotróficos: Todos os fungos sejam saprófitos 
ou parasitos requerem carbono orgânico na sua nutrição 
como os animais. 
- Absorção de nutriente: absorvidos a partir dos 
substratos em que crescem através das hifas 
(fagocitose – para fungos plasmodiais). 
- Formação de esporos (r. assexuada): unidades 
reprodutivas parra produção em abundância de propágulos 
de disseminação. 
3
Fungo Verdadeiro vs Pseudo fungos 
4
5
Morfologia dos fungos: 
Corpo: Estruturas vegetativos e reprodutivas. 
a) Talo (corpo): pode ser unicelular (leveduriforme), 
simples, plasmodial e micelial (maioria). 
Hifa – Micélio – Colônia. 
Modificações da Hifa – estruturas reprodutivas 
(sexuais e assexuais). 
As células fúngicas são separadas por septos. 
6
Esporos são chamados de : 
-Zoósporos, 
-Aplanósporos 
-Zigósporos, 
-Conídios, 
-Clamidósporos, 
-Urediniósporos, 
-Oóporos 
-Ustilósporos. 
O que caracteriza os fungos pertencentes ao Reino 
Fungi? 
Resposta: é a presença de quitina em sua parede 
celular, além de outras características celulares e 
moleculares importantes. Exceção: Leveduras e Oomicetos 
(celuloses) 
7
b) Estruturas Especializadas dos fungos 
 Haustórios – absorção de nutrientes do citoplasma 
 Rizóide - absorção de nutrientes do citoplasma 
 Hifopódio – ancoragem do fungo no substrato 
 Apressório – facilitar a penetração do fungo 
 Escleródio – massa de hifas (sobrevivência) 
 Estroma – massa de hifas (reprodução) 
 Rizomorfo – agregado de hifas =raiz (sobrevivência, 
disseminação e penetração) 
 Cordão micelial – agregado de hifas, formando 
filamentos visíveis: micorrizas (transporte da água e 
nutrientes da planta para o fungo) 
 Corpos de Frutificação: 
 Estruturas reprodutivas (Basidiomicetos) 
 Apotécios e Peritécios (Ascomicetos) 
 Picnídios e acérvulos (Deuteromicetos) 
8
c) Estrutura Reprodutivas dos 
fungos 
•Unidade de reprodução (esporos ou 
propágulos) 
•Os esporos contem um ou mais núcleos 
•Elemento de dispersão capaz de gerar novo 
indivíduo 
•O esporo pode especializar-se para a 
sobrevivência (clamidósporos, oósporos e 
zigósporos) 
•Características morfológicas = TAXONOMIA 
•Esporos sexuais e assexuais 
9
Esporos Assexuais - Disseminação 
 Esporos Assexuais = resultam de divisão mitótica 
 Tipos: 
 Zoósporos, aplanósporos, conídios. 
 Zoósporos (móveis) e aplanósporos (imóveis) – 
produzidos dentro de esporângios 
 Conídios – produzidos em conidióforos ou corpos 
de frutificação (picnídios e acérvulos) e fragmentos 
do talo 
 Clamidósporos - de parede espessa 
(sobrevivência) 
10
Esporos sexuais - Variabilidade 
 Esporos Sexuais = resultam de um processo de 
plasmogamia, seguido de cariogamia e meiose. 
 Plasmogamia = união de citoplasma, pareamento de 
núcleos haplóides (N) compatíveis de talos 
diferentes ou não. 
 Cariogamia = fusão de núcleos (2N), pode surgir os 
oósporos, zigósporos e os esporângios de repouso 
 Meiose = origina esporos haplóides (N): ascósporos 
(Ascos) e basidiósporos (basídio) 
 Esporos sexuais: ascosporos, basidiosporos, 
zigosporos, oosporo. 
11
Evolução filogenética dos fungos 
12
b) Estruturas reprodutivas: 
- estrutura básica de esporo. 
- Sobrevivência através de clamidósporos, oósporos e 
zigósporos. 
Formação: 
-Assexuais (mitospóricos): divisão céls. específicas da 
hifa. As células conidiogênicas dos conidióforos produzem 
conídios ou esporos. 
-Sexuais. Os esporos sexuais são oriundos de 
plasmogamia, seguido de cariogamia e meiose. Exemplos 
de esporos sexuais temos os basidiósporos e 
ascósporos, formados combinação de hifas + e -. 
13
Reprodução dos Fungos: 
É variável entre as espécies, onde apresentam 
morfologias diferentes para cada etapa de sua vida, 
sendo assim denominados com nomes científicos 
específicos para cada fase. 
Fase assexual ou mitospórica - denominação científica 
(táxon) para o fungo, 
Fase sexual - tem-se outra denominação científica 
(táxon) para o fungo interrelacionado. 
Relação entre os dois – Ciclo Biológico – sendo a fase 
assexual chamada de ANAMÓRFICA, e a fase sexual é 
denominado de TELEOMÓRFICA. 
14
Exemplos 
O fungo causador da doença chamada oídio bastante 
comum em folhas de folhas Solanáceas (dentre 
outras), sua fase assexual ou anamófica é denominada 
de Oidiopsis taurica, e a sua fase sexual ou 
teleomórfica é denominada de Leveillula taurica. 
Ex. Colletotrichum (ana) e Glomerella cingulata 
(teleo) 
Ex. Alternaria e Lewia sp. 
Ex. Cercospora e Mycosphaerella sp. 
Ex. Oidium e Erysiphe sp. 
Ex. Fusarium e Plectosphaerella sp. e Nectria sp. 
Ex. Graphium e Ophiostoma. 
15
Antiga Classificação: Hawksworth et 
al. (1983) 
Reino: Fungi 
Divisão Myxomycota (talo vegetativo plasmodial ou amebóide) 
Classe Myxomicetes (saprófitos) 
Classe Plasmodiophoromycetes (endoparasitas) 
Divisão Eumycota (talo vegetativo micelial com parede celular) 
Sub-divisão Mastigomycotina (fungos zoospóricos) 
Classe Chytridiomycetes (zoósporos uniflagelados) 
Classe Oomycetes (zoosóros biflagelados) 
Sub-divisão Zygomycotina (reprodução sexual: zigósporo) 
Classe Zygomycetes 
Sub-divisão Ascomycotina (reproducao sexual: ascósporo) 
Sub-divisão Basidiomycotina (reprodução sexual: basidiosporo) 
Classe Holobasidiomycetes (com basidiomas; basídios não septados) 
Classe Phragmobasidiomycetes (com basidiomas; basídios septados) 
Classe Teliomycetes (sem basidioma; teliósporos como probasídios) 
Sub-divisão Deuteromycotina (reproducao sexual: ausente) 
Classe Hyphomycetes (conidióforos livres) 
Classe Coelomycetes (Picnídios ou acérvulos) 
16
Divisão Myxomycota 
(Talo vegetativo plasmodial ou amebóide) 
Myxomicetes 
(Saprofitas) 
Fuligo e Physarum 
Plasmodiophoromycetes 
(Endoparasitas) 
Plasmodiophora, Polymyxa e Spongospora 
Divisão Eumycota 
(Talo vegetativo micelial com parede celular) 
Mastigomycotina 
fungos zoospóricos: 
zoósporos 
Zygomycotina 
reprodução sexual: 
zigósporo 
Ascomycotina 
reprodução sexual: 
ascósporo 
Basidiomycotina 
reprodução sexual: 
basidiosporo 
Deuteromycotina 
reprodução sexual: 
ausente 
Zygomycetes 
Aplanosporos 
Choanephora 
Rhizopus 
Chytridiomycetes 
Uniflagelados 
Physodema 
Oomycetes 
biflagelados 
Pythium 
Phytophtora 
Bremia, 
Perenospora 
Pseudoperenospora 
Peronosclerospora 
Plasmopara 
Sclerophtora 
Basidiophora 
Sclerospora 
Albugo 
Eurotiales 
Ascos unitunicado 
(cleistotécio) 
Ophiostomatales 
Sphaeriales 
Hypocreales 
Diaportales 
Polystigmatales 
Clavicipitales 
Ascos unitunicado 
(peritécio) 
Helotiales 
Rhytismatales 
Ascos unitunicado 
(apotécio) 
Dothideales 
(ascostroma) 
Erysiphales 
(cleistotécio) 
Ascos bitunicado 
Holobasidiomycetes 
com basidiomas e 
basídios não septados 
Cogumelos 
Phragmobasidio 
mycetes 
com basidiomas e 
basídios septados 
Fungos gelatinosos 
Teliomycetes 
sem basidioma e 
teliosporos como 
probasídios 
Ferrugens e Carvões 
Hyphomycetes 
(conidióforos 
livres) 
Coelomycetes 
(picnídios ou 
acérvulos) 
Agonomycetes 
(micélio estéril) 
17
Nova Classificação dos fungos: Hawksworth et al., 1995 
em 3 reinos 
Grupos Gêneros Espécies 
Reino Protozoa 
Acrasiomycota 
Dictyosteliomycota 
Myxomycota 
Myxomycetes 
Protosteliomycetes 
Plasmodiophoromycota 
04 
04 
74 
60 
14 
16 
12 
46 
719 
690 
29 
45 
Sub-total 1541 
Reino Chromista 
Hyphochytriomycota 
Labyrinthulomycota 
Oomycota 
7 
13 
95 
24 
42 
694 
Sub-total 760 
Reino Fungi 
Ascomycota 
Basidiomycota 
Basidiomycetes 
Teliomycetes 
Ustomycetes 
Chytridiomycota 
Zygomycota 
Zygomycetes 
Trichomycetes 
3255 
1428 
473 
167 
63 
112 
173 
125 
40 
32267 
22244 
13857 
7134 
1064 
793 
1056 
867 
189 
Sub-total 77622 
Fungos Mitospóricos 2547 14104 
Total de espécies conhecidas 94027 
18
Classificação e Identificação de 
Fungos 
 KIRK et al. (2008) – Decisões sobre o comitê de 
fungos – International Code of Botanical 
Nomenclature – Congresso de Viena (2006). 
 Principais grupos de fungos Fitopatogênicos 
 Reino Protozoa 
 Reino Chromista 
 Reino Fungi 
Massola Jr. e Kruger (20111)9
Taxonomia dos Fungos 
20 
Reinos, Divisões/ Classes/ordens/ familias de fungos de inportancia fitopatogênica 
Massola Jr. e Kruger (2011)
Associações entre hifomicetos e 
teleomorfos 
21
Antigamente Divisão Mixomicota 
Reino Protoza 
22
Divisão Myxomycota 
•Classe Myxomicetes: 
Não patogênicos de ambientes úmidos 
Talo vegetativo plasmodial. 
Mutualismo com algas: causa doença 
Crescimento viscoso branco-creme ou amarelo 
Transforma plasmódio em esporângios 
Gêneros: Fuligo e Physarum. 
23
24
Classe Plasmodiophoromycetes: 
 Fitopatogênicos: Parasitas Obrigatórios 
 Plasmodiophora brassicae (hérnia das crucíferas); 
Sobrevive no solo (esporos de repouso = N); 
Produz zoósporos biflagelados. 
 Polymyxa (doenças de raiz de gramíneas e 
cereais)* 
 Spongospora (sarna pulverulenta da batata)*, 
*transmissores de vírus 
25
26
Spongospora subterranea 
27
Reino Chromista 
 Antigamente Divisão Eumicota, Classe 
Mastigomicotina, subclasse oomicetes 
28
Oomycetes: 
 Talo vegetativo micelial doplóide sem septos 
 Parede celular sem quitina, e sim celulose (glucans) 
 Reproducao assexual: zoósporos biflagelados 
(esporângios) 
 Reprodução sexual: oosporos (sobrevivência no solo) 
 Pythium (globoso) 
 Phytophtora (limoniforme) 
 Míldios: Bremia, Peronospora, 
Pseudoperonospora, Peronosclerospora, Plasmopara, 
Sclerophtora, Basidiophora e Sclerospora (diferenças 
nos esporangióforos) 
 Ferrugens brancas: Albugo 
29
Divisão Oomicota 
30
Basidiophora sp. 
Phytophthora sp. Bremia sp. 
31
Phytophthora sp. Pythium sp. 
32
33
34
Pseudoperonospora sp. 
Peronospora sp. 
35
Plasmopara viticola. 
36
37
Aphanomyces invadans 
Peixe: Brevoortia tyrannus 
38
Divisão eumicota 
Reino Fungi 
39
Divisão Eumycota 
•Classe Chytridiomycetes: 
Talo simples 
talo vegetativo pouco desenvolvido 
Talo se transforma em estrutura reprodutiva 
Numero de esporângios: monocêntrico e policêntrico 
Allomyces, Physoderma maydis – mancha parda 
Gametângios de Allomyces Physoderma maydis 
40
Classe Chytridiomycetes: Antigamente Divisão 
Eumicota, Classe Mastigomicotina, subclasse 
Chytridiomicetes 
41
Chytridiomycota 
(a)Ciclos de vida de 
Allomyces sp., 
alternância fases (n) e 
depois 2n. Zigotos 2n 
no encistamento. 
(b)Rhizophyctis rosea, 
possui rizóides. 
(c) Olpidium brassicae 
cresce no interior de 
crucíferas. Formam 
esporos de repouso 
dentro da célula 
hospedeira. 
42
Divisão Zygomycetes: 
•Esporangiósporos imóveis 
(aplanósporos) 
•Reprodução sexual: 
zigósporos (esporo de 
repouso = 2N) 
•Talo vegetativo micelial (N) 
sem septo. 
• Gêneros: Choanephora 
e Rhizopus (Parasitas fracos) 
• Fungos endomicorrízicos 
(6 gêneros) formam 
azigósporos e clamidósporos). 
43
Divisão Zigomycetes 
44
Choanephora infundibulifera 
(Zygomycota, Zygomycetes, 
Mucorales, Choanephoraceae). 
Asexual spore formation. 
Rhizopus sp. 45
46
47
Pilobolus sp. Piptocephalis sp. parasita de 
outro zigomiceto 
Esporângios de fungos 
entomopatogênicos (e.g. 
Entomophthora, Pandora spp.) 
48
49
Classe Basidiomicetes (cogumelos) 
•Apresenta dicariofase no seu ciclo 
•Anamorfo: Agonomycetes (micélio estéril) 
•Parede celular multiestratificada 
•Presença de “doliporo” 
•Micélio primário (N), secundário (2N) e 
terciário (2N) 
•Apresenta “grampo de conecção” 
•Os basidiósporos são projeções da basídia 
50
Exemplo Ciclo sseexxuuaall ee aasssseexxuuaall 
ddooss BBaassiiddiioommiicceettooss 
51
Formação do Basidioma e/ou basidiocarpo 
52
Fusão de hifas compatíveis 
53
54
55
Morfologia do Basidiocarpo 
Himênio 
56
Basídias de Coprinus 
Basidiomas gelatinosos cinereus em BDA. 
Basidiocarpo de Coprinus cinereus em BDA. 
Basidiocarpos nao estipitados 
Basidiocarpos estipitado 
57
Encontro de hifas compatíveis 
58
Amanita muscaria - veneno 
59
Cogumelos - diversidade 
60
Esporos dos Teliomicetos 
 Picniósporos  Eciósporos (N + N)  
Urediniósporos (N + N)  Teliósporos (2N)  
Basidiósporos N 
Fase II - URÉDIA 
(UREDINIÓSPOROS) 
Fase 0 - PÍCNIA 
(PICNIÓSPOROS) 
Fase I - ÉCIO 
(ECIÓSPOROS) 
Fase III - TÉLIO 
(TELIÓSPOROS) 
Fase IV -BASÍDIO 
(BASIDIÓSPOROS) 
61
Urédia 
Télia 
Basídia 
Pícnia 
Écio 
Ciclo dos Teliomicetos 
n+n 
2n 
n 
n+n 
n+n 
62
Teliósporos – esporos sexuais (tipos) 
63
Puccinia psidii Uromyces sp. 
Puccinia arechavaletae Prospodium sp. 
64
Urédia=estrutura que produz urediniósporos 
Teliósporo Urediniósporo 
65
ASCOMYCOTINA 
Grupo mais numeroso: de saprófitas a parasitas. 
Formação de ascósporos em ascas após 
meiose. 
Talo vegetativo: unicelular a micelial. 
Ocorrência de dicariofase no ciclo em hifas 
ascógenas 
Ciclo sexual: ascogônio e anterídio ou 
espermácia. 
Classificação: morfologia das estruturas sexuais 
Anamorfo: Coelomycetes e Hyphomycetes 
Apresentam o “crozier”. 
66
•Micélio monocariótico(n) 
•Gametângios: Ascogônio e Anterídio 
•Ascogônio dá início a formação da hifa 
tricógina. 
•Ascogônio Multinucleada:Migração 
•Formação de células ascógenas. 
•Mitose de pares de núcleos (fase 
dicariótica) 
•Células ascógenas formam apotécio e 
paráfises; 
•Células curvam-se – “Croziers” 
•Fusão penúltima célula – 2n – Meiose n 
-Mitoses –Ascósporos(n) e ascos, 67
68
69
70
71
Tipos de Ascomas 
Asco de Pleospora 
herbarum 
Apotécio Peziza sp. 
72
73
Ascósporos 
Meiósporos 
Asco 
Ascósporos 
74
CORPOS DE FRUTIFICAÇÃO DE TELEOMORFOS 
Ascos nus 
Peritécio 
Cleistotécio 
Apotécio 
Pseudotéc75io
Cleistotécio 
Apotécio 
Pseudotécio 
Peritécio 
76
Peritécio 
77
DEUTEROMYCOTINA 
•Fungos imperfeitos: reprodução sexual ausente 
•10 a 15 % tem forma sexual conhecida 
•Produção de conídios (mitósporos) 
•São ascomicetes que perderam a capacidade de 
reprodução sexual ou ainda não é conhecida 
•E a fase sexual dos fungos. 
•Um gênero teleomórfico pode apresentar fase 
anamórfica em diferentes estádio e vice-versa 
•Classificação: morfologia do conidióforo e conídios 
78
-Subgrupo Hifomicetos 
-Subgrupo Coelomicetos 
Reino Fungi 
79
Fungos Mitospóricos 
•Fungos imperfeitos: reprodução sexual ausente 
•10 a 15 % tem forma sexual conhecida 
•Produção de conídios (mitósporos) 
•São ascomicetes que perderam a capacidade de 
reprodução sexual ou ainda não é conhecida 
•E a fase sexual dos fungos. 
•Um gênero teleomórfico pode apresentar fase 
anamórfica em diferentes gêneros e vice-versa 
•Classificação: morfologia do conidióforo e conídios 
80
MMoorrffoollooggiiaa ddooss FFuunnggooss MMiittoossppóórriiccooss 
CONÍDIO 
CÉLULA CONIDIOGÊNICA 
CONIDIÓFORO 
81
Conidióforos 
Conidióforos 
Isolados 
HIFOMICETOS 
Agrupados 
Desprotegidos 
HIFOMICETOS 
Protegidos 
(corpos de 
frutificação) 
COELOMICETOS 
Sinema 
(ereto e 
alongado) 
Esporodóquio 
(achatado, 
“almofada”) 
Acérvulo 
(achatado) 
Picnídio 
(globoso) 
82
Tipos de Conídios 
Artrósporos 
83
Clamidósporo: sobrevivência 
84
Morfologia dos conídios de Hifomicetos e Coelomicetos 
Dictiósporos 
Feodictos 
Didimósporos 
Hialodídimos Helicósporos Estaurósporos Fragmósporos 
Feofragmosporo 
Dictiósporos 
Feodictos 
Fragmósporos 
Hialofragmos 
Estaurósporo Amerósporo 
Hialósporo 
85
Oidiopsis haplphyllii 
Stemphyllium sp. 
Asperisporium caricae 
Colletotrichum sp. 
Cladosporium sp. 
Aspergillus sp. 
86
Leandria momordicae 
Oidium sp. 
Oidium sp. 
Oidiopsis taurica 
Tubo 
germinativo 
Conidióforos de 
Aspergillus sp. 
87
Curvularia sp. 
Acérvulo 
Colletotrichum sp. 
Fusarium sp. 
Setas 
Conídios 
88 
hilo
Pé-do-atleta causado por 
Hifomicetos 
89
90
91
Critérios taxonômicos para 
Identificação de HIFOMICETOS 
ENTEROBLÁSTICA 
Blástica Tálica 
92
CÉLULA CONIDIOGÊNICA 
93 
Determinada: ocorre 
apenas um evento de 
conidiogênese 
Percorrente: ocorre uma 
proliferação de mais de um 
conidio, e como 
consequência o resíduo de 
secessão forma anéis no 
conidióforo 
Simpodial: ocorre uma 
proliferação mudando de 
direção no crescimento, 
o conidióforo muda de 
eixo (geniculação)
94 
CÉLULA CONIDIOGÊNICA 
Integrada: os conídios são 
produzidos no conidióforo. 
Discretas: os conídios são 
produzidos numa estrutura 
for a do corpo do 
conidióforo.
CRESCIMENTO DO CONIDIÓFORO 
95 
Acroáuxico: o crescimento 
ocorre no ápice. 
Basáuxico: o crescimento 
ocorre na base.
MORFOLOGIA CONIDIÓFORO 
96 
Micronematoso: o tamanho do 
conidióforo é similar a hifa de 
origem, não há distinçao de 
tamanho. 
Macronematoso: morfologicamente 
a hifa vegetativa é distinta. É ereto e 
pigmentado.
CONIDIÓFORO 
97
CONÍDIO 
98
99
100
101
102
Periconia sp 103
104
105
106
107
108
Dinâmica de fixação 
 Zigosporo 
 Orelha de pau 
 Cogumelo 
 Basidia septada 
 Asco bitunicado 
 Agonomicetes 
 Teleomorfo 
 clamidosporo 
 Aplanosporo 
 Pileo 
 Tubo germinativo 
 Hifa cenocítica 
 Hialino 
 Basidia 
 Picnidio 
 celulose 
109
Literatura Recomendada para 
Estudo 
110

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Identificação convencional de fungos filamentosos1
Identificação convencional de fungos filamentosos1Identificação convencional de fungos filamentosos1
Identificação convencional de fungos filamentosos1
Marcos Alan
 
Aula 7º ano - Reino Fungi
Aula 7º ano - Reino FungiAula 7º ano - Reino Fungi
Aula 7º ano - Reino Fungi
Leonardo Kaplan
 
Aula de Fotossíntese (Power Point)
Aula de Fotossíntese (Power Point)Aula de Fotossíntese (Power Point)
Aula de Fotossíntese (Power Point)
Bio
 
Aula nomenclatura botânica
Aula nomenclatura botânicaAula nomenclatura botânica
Aula nomenclatura botânica
Maria Betânia
 
Unidade 02 formação e desenvolvimento das sementes
Unidade 02 formação e desenvolvimento das sementesUnidade 02 formação e desenvolvimento das sementes
Unidade 02 formação e desenvolvimento das sementes
Bruno Rodrigues
 
Origem, evolução e domesticação das plantas aula 2
Origem, evolução e domesticação das plantas aula 2Origem, evolução e domesticação das plantas aula 2
Origem, evolução e domesticação das plantas aula 2
UERGS
 

Mais procurados (20)

Hormônios Vegetais
Hormônios VegetaisHormônios Vegetais
Hormônios Vegetais
 
Slides fungos
Slides  fungosSlides  fungos
Slides fungos
 
Anatomia vegetal
Anatomia vegetalAnatomia vegetal
Anatomia vegetal
 
Identificação convencional de fungos filamentosos1
Identificação convencional de fungos filamentosos1Identificação convencional de fungos filamentosos1
Identificação convencional de fungos filamentosos1
 
Aula 7º ano - Reino Fungi
Aula 7º ano - Reino FungiAula 7º ano - Reino Fungi
Aula 7º ano - Reino Fungi
 
Classificação e reprodução
Classificação e reproduçãoClassificação e reprodução
Classificação e reprodução
 
Manejo Integrado de Doenças de Plantas
Manejo Integrado de Doenças de PlantasManejo Integrado de Doenças de Plantas
Manejo Integrado de Doenças de Plantas
 
Fungos
FungosFungos
Fungos
 
Microbiologia Agrícola UFMT - Aula 002
Microbiologia Agrícola UFMT - Aula 002Microbiologia Agrícola UFMT - Aula 002
Microbiologia Agrícola UFMT - Aula 002
 
Aula de Fotossíntese (Power Point)
Aula de Fotossíntese (Power Point)Aula de Fotossíntese (Power Point)
Aula de Fotossíntese (Power Point)
 
Aula nomenclatura botânica
Aula nomenclatura botânicaAula nomenclatura botânica
Aula nomenclatura botânica
 
Unidade 02 formação e desenvolvimento das sementes
Unidade 02 formação e desenvolvimento das sementesUnidade 02 formação e desenvolvimento das sementes
Unidade 02 formação e desenvolvimento das sementes
 
Tipos de reprodução em insetos
Tipos de reprodução em insetosTipos de reprodução em insetos
Tipos de reprodução em insetos
 
Grupo 6 fitopatologia
Grupo 6 fitopatologiaGrupo 6 fitopatologia
Grupo 6 fitopatologia
 
Microbiologia Agrícola UFMT - Aula 006
Microbiologia Agrícola UFMT - Aula 006Microbiologia Agrícola UFMT - Aula 006
Microbiologia Agrícola UFMT - Aula 006
 
Origem, evolução e domesticação das plantas aula 2
Origem, evolução e domesticação das plantas aula 2Origem, evolução e domesticação das plantas aula 2
Origem, evolução e domesticação das plantas aula 2
 
Microbiologia Agrícola UFMT - Aula 001
Microbiologia Agrícola UFMT - Aula 001Microbiologia Agrícola UFMT - Aula 001
Microbiologia Agrícola UFMT - Aula 001
 
Reino Fungi
Reino FungiReino Fungi
Reino Fungi
 
Microbiologia Agrícola UFMT - Aula 005
Microbiologia Agrícola UFMT - Aula 005Microbiologia Agrícola UFMT - Aula 005
Microbiologia Agrícola UFMT - Aula 005
 
Morfologia externa cabeça e apêndices cefálicos
Morfologia externa   cabeça e apêndices cefálicosMorfologia externa   cabeça e apêndices cefálicos
Morfologia externa cabeça e apêndices cefálicos
 

Semelhante a Fitopatologia estudo de fungos

Avaliação parcial de Biologia II
Avaliação parcial de Biologia IIAvaliação parcial de Biologia II
Avaliação parcial de Biologia II
Isabella Silva
 
Avaliação parcial de Biologia II
Avaliação parcial de Biologia IIAvaliação parcial de Biologia II
Avaliação parcial de Biologia II
Isabella Silva
 
Avaliação parcial de Biologia II
Avaliação parcial de Biologia IIAvaliação parcial de Biologia II
Avaliação parcial de Biologia II
Isabella Silva
 
Avaliação parcial de biologia ii
Avaliação parcial de biologia iiAvaliação parcial de biologia ii
Avaliação parcial de biologia ii
Isabella Silva
 
Avaliação parcial de Biologia II
Avaliação parcial de Biologia IIAvaliação parcial de Biologia II
Avaliação parcial de Biologia II
Isabella Silva
 
Avaliação parcial de Biologia II
Avaliação parcial de Biologia IIAvaliação parcial de Biologia II
Avaliação parcial de Biologia II
Isabella Silva
 

Semelhante a Fitopatologia estudo de fungos (20)

Ppoint.Fungos.2009 C Nat.#
Ppoint.Fungos.2009 C Nat.#Ppoint.Fungos.2009 C Nat.#
Ppoint.Fungos.2009 C Nat.#
 
Fungos
FungosFungos
Fungos
 
Avaliação parcial de Biologia II
Avaliação parcial de Biologia IIAvaliação parcial de Biologia II
Avaliação parcial de Biologia II
 
www.TutoresReforcoEscolar.Com.Br - Biologia - Classificação dos Seres Vivos
www.TutoresReforcoEscolar.Com.Br - Biologia -  Classificação dos Seres Vivoswww.TutoresReforcoEscolar.Com.Br - Biologia -  Classificação dos Seres Vivos
www.TutoresReforcoEscolar.Com.Br - Biologia - Classificação dos Seres Vivos
 
www.AulasParticularesApoio.Com.Br - Biologia - Classificação dos Seres Vivos
www.AulasParticularesApoio.Com.Br - Biologia -  Classificação dos Seres Vivoswww.AulasParticularesApoio.Com.Br - Biologia -  Classificação dos Seres Vivos
www.AulasParticularesApoio.Com.Br - Biologia - Classificação dos Seres Vivos
 
www.aulasapoio.com - Biologia - Classificação dos Seres Vivos
www.aulasapoio.com  - Biologia -  Classificação dos Seres Vivoswww.aulasapoio.com  - Biologia -  Classificação dos Seres Vivos
www.aulasapoio.com - Biologia - Classificação dos Seres Vivos
 
Avaliação parcial de Biologia II
Avaliação parcial de Biologia IIAvaliação parcial de Biologia II
Avaliação parcial de Biologia II
 
Avaliação parcial de Biologia II
Avaliação parcial de Biologia IIAvaliação parcial de Biologia II
Avaliação parcial de Biologia II
 
Avaliação parcial de biologia ii
Avaliação parcial de biologia iiAvaliação parcial de biologia ii
Avaliação parcial de biologia ii
 
Fungi, Monera e Protista
Fungi, Monera e ProtistaFungi, Monera e Protista
Fungi, Monera e Protista
 
Avaliação parcial de Biologia II
Avaliação parcial de Biologia IIAvaliação parcial de Biologia II
Avaliação parcial de Biologia II
 
Avaliação parcial de Biologia II
Avaliação parcial de Biologia IIAvaliação parcial de Biologia II
Avaliação parcial de Biologia II
 
Protozo+ürios
Protozo+üriosProtozo+ürios
Protozo+ürios
 
Aula 8 Fungos.pdf
Aula 8 Fungos.pdfAula 8 Fungos.pdf
Aula 8 Fungos.pdf
 
Reino fungi
Reino fungiReino fungi
Reino fungi
 
Fungos
FungosFungos
Fungos
 
Fungos
FungosFungos
Fungos
 
www.aulasdebiologiaapoio.com - Biologia - Classificação dos Seres Vivos
www.aulasdebiologiaapoio.com - Biologia -  Classificação dos Seres Vivoswww.aulasdebiologiaapoio.com - Biologia -  Classificação dos Seres Vivos
www.aulasdebiologiaapoio.com - Biologia - Classificação dos Seres Vivos
 
Reino fungi
Reino fungiReino fungi
Reino fungi
 
Generalidades De MicologìA
Generalidades De MicologìAGeneralidades De MicologìA
Generalidades De MicologìA
 

Mais de Luciano Marques

Receita organica defensivo
Receita organica defensivoReceita organica defensivo
Receita organica defensivo
Luciano Marques
 

Mais de Luciano Marques (11)

Andef manual tecnologia_de_aplicacao
Andef manual tecnologia_de_aplicacaoAndef manual tecnologia_de_aplicacao
Andef manual tecnologia_de_aplicacao
 
Manual de identificacao das doencas da soja
Manual de identificacao das doencas da sojaManual de identificacao das doencas da soja
Manual de identificacao das doencas da soja
 
Apostila MIP (Manejo Integrado de Pragas)
Apostila MIP (Manejo Integrado de Pragas)Apostila MIP (Manejo Integrado de Pragas)
Apostila MIP (Manejo Integrado de Pragas)
 
Greening do Citros
Greening do CitrosGreening do Citros
Greening do Citros
 
Principios basico de microbiologia
Principios basico de microbiologiaPrincipios basico de microbiologia
Principios basico de microbiologia
 
Melhoramento genético em citrus
Melhoramento genético em citrusMelhoramento genético em citrus
Melhoramento genético em citrus
 
Considerações sobre a produção de laranja no Estado de São Paulo
Considerações sobre a produção de laranja no Estado de São PauloConsiderações sobre a produção de laranja no Estado de São Paulo
Considerações sobre a produção de laranja no Estado de São Paulo
 
seja doutor do seu citros
seja doutor do seu citrosseja doutor do seu citros
seja doutor do seu citros
 
Fisiologia e inducao floracao em cana de acucar
Fisiologia e inducao floracao em cana de acucarFisiologia e inducao floracao em cana de acucar
Fisiologia e inducao floracao em cana de acucar
 
Olericultura basica2006
Olericultura basica2006Olericultura basica2006
Olericultura basica2006
 
Receita organica defensivo
Receita organica defensivoReceita organica defensivo
Receita organica defensivo
 

Último

4 ano atividade fonema e letra 08.03-1.pdf
4 ano atividade fonema e letra 08.03-1.pdf4 ano atividade fonema e letra 08.03-1.pdf
4 ano atividade fonema e letra 08.03-1.pdf
LindinhaSilva1
 
Gramática - Texto - análise e construção de sentido - Moderna.pdf
Gramática - Texto - análise e construção de sentido - Moderna.pdfGramática - Texto - análise e construção de sentido - Moderna.pdf
Gramática - Texto - análise e construção de sentido - Moderna.pdf
Kelly Mendes
 
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhosoO Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
VALMIRARIBEIRO1
 
Regulamento do Festival de Teatro Negro - FESTIAFRO 2024 - 10ª edição - CEI...
Regulamento do Festival de Teatro Negro -  FESTIAFRO 2024 - 10ª edição -  CEI...Regulamento do Festival de Teatro Negro -  FESTIAFRO 2024 - 10ª edição -  CEI...
Regulamento do Festival de Teatro Negro - FESTIAFRO 2024 - 10ª edição - CEI...
Eró Cunha
 
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
aulasgege
 

Último (20)

SQL Parte 1 - Criação de Banco de Dados.pdf
SQL Parte 1 - Criação de Banco de Dados.pdfSQL Parte 1 - Criação de Banco de Dados.pdf
SQL Parte 1 - Criação de Banco de Dados.pdf
 
4 ano atividade fonema e letra 08.03-1.pdf
4 ano atividade fonema e letra 08.03-1.pdf4 ano atividade fonema e letra 08.03-1.pdf
4 ano atividade fonema e letra 08.03-1.pdf
 
Edital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PE
Edital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PEEdital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PE
Edital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PE
 
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdfufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
 
Gramática - Texto - análise e construção de sentido - Moderna.pdf
Gramática - Texto - análise e construção de sentido - Moderna.pdfGramática - Texto - análise e construção de sentido - Moderna.pdf
Gramática - Texto - análise e construção de sentido - Moderna.pdf
 
QUESTÃO 4 Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...
QUESTÃO 4   Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...QUESTÃO 4   Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...
QUESTÃO 4 Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...
 
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhosoO Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
 
Insegurança nunca mais tem afeta pessoas
Insegurança nunca mais tem afeta pessoasInsegurança nunca mais tem afeta pessoas
Insegurança nunca mais tem afeta pessoas
 
o-homem-que-calculava-malba-tahan-1_123516.pdf
o-homem-que-calculava-malba-tahan-1_123516.pdfo-homem-que-calculava-malba-tahan-1_123516.pdf
o-homem-que-calculava-malba-tahan-1_123516.pdf
 
APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.
APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.
APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.
 
Nós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos Animais
Nós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos AnimaisNós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos Animais
Nós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos Animais
 
Poema - Aedes Aegypt.
Poema - Aedes Aegypt.Poema - Aedes Aegypt.
Poema - Aedes Aegypt.
 
Nós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º ano
Nós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º anoNós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º ano
Nós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º ano
 
Slides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptx
Slides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptxSlides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptx
Slides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptx
 
Peça de teatro infantil: A cigarra e as formigas
Peça de teatro infantil: A cigarra e as formigasPeça de teatro infantil: A cigarra e as formigas
Peça de teatro infantil: A cigarra e as formigas
 
Regulamento do Festival de Teatro Negro - FESTIAFRO 2024 - 10ª edição - CEI...
Regulamento do Festival de Teatro Negro -  FESTIAFRO 2024 - 10ª edição -  CEI...Regulamento do Festival de Teatro Negro -  FESTIAFRO 2024 - 10ª edição -  CEI...
Regulamento do Festival de Teatro Negro - FESTIAFRO 2024 - 10ª edição - CEI...
 
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
 
Testes de avaliação português 6º ano .pdf
Testes de avaliação português 6º ano .pdfTestes de avaliação português 6º ano .pdf
Testes de avaliação português 6º ano .pdf
 
5. EJEMPLOS DE ESTRUCTURASQUINTO GRADO.pptx
5. EJEMPLOS DE ESTRUCTURASQUINTO GRADO.pptx5. EJEMPLOS DE ESTRUCTURASQUINTO GRADO.pptx
5. EJEMPLOS DE ESTRUCTURASQUINTO GRADO.pptx
 
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptxSlides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
 

Fitopatologia estudo de fungos

  • 1. IInnssttiittuuttoo FFeeddeerraall GGooiiaannoo ccââmmppuuss UUrruuttaaíí LLaabboorraattóórriioo ddee MMiiccrroobbiioollooggiiaa DDiisscciipplliinnaa ddee MMiiccrroobbiioollooggiiaa GGeerraall MMIICCOOLLOOGGIIAA PPrrooff.. MMiillttoonn LL.. PPaazz LLiimmaa 1
  • 2. 2
  • 3. Características Gerais dos fungos: - Aclorofilados; -Talo eucariótico: a hifa é o talo vegetativo dos fungos. - Heterotróficos: Todos os fungos sejam saprófitos ou parasitos requerem carbono orgânico na sua nutrição como os animais. - Absorção de nutriente: absorvidos a partir dos substratos em que crescem através das hifas (fagocitose – para fungos plasmodiais). - Formação de esporos (r. assexuada): unidades reprodutivas parra produção em abundância de propágulos de disseminação. 3
  • 4. Fungo Verdadeiro vs Pseudo fungos 4
  • 5. 5
  • 6. Morfologia dos fungos: Corpo: Estruturas vegetativos e reprodutivas. a) Talo (corpo): pode ser unicelular (leveduriforme), simples, plasmodial e micelial (maioria). Hifa – Micélio – Colônia. Modificações da Hifa – estruturas reprodutivas (sexuais e assexuais). As células fúngicas são separadas por septos. 6
  • 7. Esporos são chamados de : -Zoósporos, -Aplanósporos -Zigósporos, -Conídios, -Clamidósporos, -Urediniósporos, -Oóporos -Ustilósporos. O que caracteriza os fungos pertencentes ao Reino Fungi? Resposta: é a presença de quitina em sua parede celular, além de outras características celulares e moleculares importantes. Exceção: Leveduras e Oomicetos (celuloses) 7
  • 8. b) Estruturas Especializadas dos fungos  Haustórios – absorção de nutrientes do citoplasma  Rizóide - absorção de nutrientes do citoplasma  Hifopódio – ancoragem do fungo no substrato  Apressório – facilitar a penetração do fungo  Escleródio – massa de hifas (sobrevivência)  Estroma – massa de hifas (reprodução)  Rizomorfo – agregado de hifas =raiz (sobrevivência, disseminação e penetração)  Cordão micelial – agregado de hifas, formando filamentos visíveis: micorrizas (transporte da água e nutrientes da planta para o fungo)  Corpos de Frutificação:  Estruturas reprodutivas (Basidiomicetos)  Apotécios e Peritécios (Ascomicetos)  Picnídios e acérvulos (Deuteromicetos) 8
  • 9. c) Estrutura Reprodutivas dos fungos •Unidade de reprodução (esporos ou propágulos) •Os esporos contem um ou mais núcleos •Elemento de dispersão capaz de gerar novo indivíduo •O esporo pode especializar-se para a sobrevivência (clamidósporos, oósporos e zigósporos) •Características morfológicas = TAXONOMIA •Esporos sexuais e assexuais 9
  • 10. Esporos Assexuais - Disseminação  Esporos Assexuais = resultam de divisão mitótica  Tipos:  Zoósporos, aplanósporos, conídios.  Zoósporos (móveis) e aplanósporos (imóveis) – produzidos dentro de esporângios  Conídios – produzidos em conidióforos ou corpos de frutificação (picnídios e acérvulos) e fragmentos do talo  Clamidósporos - de parede espessa (sobrevivência) 10
  • 11. Esporos sexuais - Variabilidade  Esporos Sexuais = resultam de um processo de plasmogamia, seguido de cariogamia e meiose.  Plasmogamia = união de citoplasma, pareamento de núcleos haplóides (N) compatíveis de talos diferentes ou não.  Cariogamia = fusão de núcleos (2N), pode surgir os oósporos, zigósporos e os esporângios de repouso  Meiose = origina esporos haplóides (N): ascósporos (Ascos) e basidiósporos (basídio)  Esporos sexuais: ascosporos, basidiosporos, zigosporos, oosporo. 11
  • 13. b) Estruturas reprodutivas: - estrutura básica de esporo. - Sobrevivência através de clamidósporos, oósporos e zigósporos. Formação: -Assexuais (mitospóricos): divisão céls. específicas da hifa. As células conidiogênicas dos conidióforos produzem conídios ou esporos. -Sexuais. Os esporos sexuais são oriundos de plasmogamia, seguido de cariogamia e meiose. Exemplos de esporos sexuais temos os basidiósporos e ascósporos, formados combinação de hifas + e -. 13
  • 14. Reprodução dos Fungos: É variável entre as espécies, onde apresentam morfologias diferentes para cada etapa de sua vida, sendo assim denominados com nomes científicos específicos para cada fase. Fase assexual ou mitospórica - denominação científica (táxon) para o fungo, Fase sexual - tem-se outra denominação científica (táxon) para o fungo interrelacionado. Relação entre os dois – Ciclo Biológico – sendo a fase assexual chamada de ANAMÓRFICA, e a fase sexual é denominado de TELEOMÓRFICA. 14
  • 15. Exemplos O fungo causador da doença chamada oídio bastante comum em folhas de folhas Solanáceas (dentre outras), sua fase assexual ou anamófica é denominada de Oidiopsis taurica, e a sua fase sexual ou teleomórfica é denominada de Leveillula taurica. Ex. Colletotrichum (ana) e Glomerella cingulata (teleo) Ex. Alternaria e Lewia sp. Ex. Cercospora e Mycosphaerella sp. Ex. Oidium e Erysiphe sp. Ex. Fusarium e Plectosphaerella sp. e Nectria sp. Ex. Graphium e Ophiostoma. 15
  • 16. Antiga Classificação: Hawksworth et al. (1983) Reino: Fungi Divisão Myxomycota (talo vegetativo plasmodial ou amebóide) Classe Myxomicetes (saprófitos) Classe Plasmodiophoromycetes (endoparasitas) Divisão Eumycota (talo vegetativo micelial com parede celular) Sub-divisão Mastigomycotina (fungos zoospóricos) Classe Chytridiomycetes (zoósporos uniflagelados) Classe Oomycetes (zoosóros biflagelados) Sub-divisão Zygomycotina (reprodução sexual: zigósporo) Classe Zygomycetes Sub-divisão Ascomycotina (reproducao sexual: ascósporo) Sub-divisão Basidiomycotina (reprodução sexual: basidiosporo) Classe Holobasidiomycetes (com basidiomas; basídios não septados) Classe Phragmobasidiomycetes (com basidiomas; basídios septados) Classe Teliomycetes (sem basidioma; teliósporos como probasídios) Sub-divisão Deuteromycotina (reproducao sexual: ausente) Classe Hyphomycetes (conidióforos livres) Classe Coelomycetes (Picnídios ou acérvulos) 16
  • 17. Divisão Myxomycota (Talo vegetativo plasmodial ou amebóide) Myxomicetes (Saprofitas) Fuligo e Physarum Plasmodiophoromycetes (Endoparasitas) Plasmodiophora, Polymyxa e Spongospora Divisão Eumycota (Talo vegetativo micelial com parede celular) Mastigomycotina fungos zoospóricos: zoósporos Zygomycotina reprodução sexual: zigósporo Ascomycotina reprodução sexual: ascósporo Basidiomycotina reprodução sexual: basidiosporo Deuteromycotina reprodução sexual: ausente Zygomycetes Aplanosporos Choanephora Rhizopus Chytridiomycetes Uniflagelados Physodema Oomycetes biflagelados Pythium Phytophtora Bremia, Perenospora Pseudoperenospora Peronosclerospora Plasmopara Sclerophtora Basidiophora Sclerospora Albugo Eurotiales Ascos unitunicado (cleistotécio) Ophiostomatales Sphaeriales Hypocreales Diaportales Polystigmatales Clavicipitales Ascos unitunicado (peritécio) Helotiales Rhytismatales Ascos unitunicado (apotécio) Dothideales (ascostroma) Erysiphales (cleistotécio) Ascos bitunicado Holobasidiomycetes com basidiomas e basídios não septados Cogumelos Phragmobasidio mycetes com basidiomas e basídios septados Fungos gelatinosos Teliomycetes sem basidioma e teliosporos como probasídios Ferrugens e Carvões Hyphomycetes (conidióforos livres) Coelomycetes (picnídios ou acérvulos) Agonomycetes (micélio estéril) 17
  • 18. Nova Classificação dos fungos: Hawksworth et al., 1995 em 3 reinos Grupos Gêneros Espécies Reino Protozoa Acrasiomycota Dictyosteliomycota Myxomycota Myxomycetes Protosteliomycetes Plasmodiophoromycota 04 04 74 60 14 16 12 46 719 690 29 45 Sub-total 1541 Reino Chromista Hyphochytriomycota Labyrinthulomycota Oomycota 7 13 95 24 42 694 Sub-total 760 Reino Fungi Ascomycota Basidiomycota Basidiomycetes Teliomycetes Ustomycetes Chytridiomycota Zygomycota Zygomycetes Trichomycetes 3255 1428 473 167 63 112 173 125 40 32267 22244 13857 7134 1064 793 1056 867 189 Sub-total 77622 Fungos Mitospóricos 2547 14104 Total de espécies conhecidas 94027 18
  • 19. Classificação e Identificação de Fungos  KIRK et al. (2008) – Decisões sobre o comitê de fungos – International Code of Botanical Nomenclature – Congresso de Viena (2006).  Principais grupos de fungos Fitopatogênicos  Reino Protozoa  Reino Chromista  Reino Fungi Massola Jr. e Kruger (20111)9
  • 20. Taxonomia dos Fungos 20 Reinos, Divisões/ Classes/ordens/ familias de fungos de inportancia fitopatogênica Massola Jr. e Kruger (2011)
  • 23. Divisão Myxomycota •Classe Myxomicetes: Não patogênicos de ambientes úmidos Talo vegetativo plasmodial. Mutualismo com algas: causa doença Crescimento viscoso branco-creme ou amarelo Transforma plasmódio em esporângios Gêneros: Fuligo e Physarum. 23
  • 24. 24
  • 25. Classe Plasmodiophoromycetes:  Fitopatogênicos: Parasitas Obrigatórios  Plasmodiophora brassicae (hérnia das crucíferas); Sobrevive no solo (esporos de repouso = N); Produz zoósporos biflagelados.  Polymyxa (doenças de raiz de gramíneas e cereais)*  Spongospora (sarna pulverulenta da batata)*, *transmissores de vírus 25
  • 26. 26
  • 28. Reino Chromista  Antigamente Divisão Eumicota, Classe Mastigomicotina, subclasse oomicetes 28
  • 29. Oomycetes:  Talo vegetativo micelial doplóide sem septos  Parede celular sem quitina, e sim celulose (glucans)  Reproducao assexual: zoósporos biflagelados (esporângios)  Reprodução sexual: oosporos (sobrevivência no solo)  Pythium (globoso)  Phytophtora (limoniforme)  Míldios: Bremia, Peronospora, Pseudoperonospora, Peronosclerospora, Plasmopara, Sclerophtora, Basidiophora e Sclerospora (diferenças nos esporangióforos)  Ferrugens brancas: Albugo 29
  • 31. Basidiophora sp. Phytophthora sp. Bremia sp. 31
  • 33. 33
  • 34. 34
  • 37. 37
  • 38. Aphanomyces invadans Peixe: Brevoortia tyrannus 38
  • 40. Divisão Eumycota •Classe Chytridiomycetes: Talo simples talo vegetativo pouco desenvolvido Talo se transforma em estrutura reprodutiva Numero de esporângios: monocêntrico e policêntrico Allomyces, Physoderma maydis – mancha parda Gametângios de Allomyces Physoderma maydis 40
  • 41. Classe Chytridiomycetes: Antigamente Divisão Eumicota, Classe Mastigomicotina, subclasse Chytridiomicetes 41
  • 42. Chytridiomycota (a)Ciclos de vida de Allomyces sp., alternância fases (n) e depois 2n. Zigotos 2n no encistamento. (b)Rhizophyctis rosea, possui rizóides. (c) Olpidium brassicae cresce no interior de crucíferas. Formam esporos de repouso dentro da célula hospedeira. 42
  • 43. Divisão Zygomycetes: •Esporangiósporos imóveis (aplanósporos) •Reprodução sexual: zigósporos (esporo de repouso = 2N) •Talo vegetativo micelial (N) sem septo. • Gêneros: Choanephora e Rhizopus (Parasitas fracos) • Fungos endomicorrízicos (6 gêneros) formam azigósporos e clamidósporos). 43
  • 45. Choanephora infundibulifera (Zygomycota, Zygomycetes, Mucorales, Choanephoraceae). Asexual spore formation. Rhizopus sp. 45
  • 46. 46
  • 47. 47
  • 48. Pilobolus sp. Piptocephalis sp. parasita de outro zigomiceto Esporângios de fungos entomopatogênicos (e.g. Entomophthora, Pandora spp.) 48
  • 49. 49
  • 50. Classe Basidiomicetes (cogumelos) •Apresenta dicariofase no seu ciclo •Anamorfo: Agonomycetes (micélio estéril) •Parede celular multiestratificada •Presença de “doliporo” •Micélio primário (N), secundário (2N) e terciário (2N) •Apresenta “grampo de conecção” •Os basidiósporos são projeções da basídia 50
  • 51. Exemplo Ciclo sseexxuuaall ee aasssseexxuuaall ddooss BBaassiiddiioommiicceettooss 51
  • 52. Formação do Basidioma e/ou basidiocarpo 52
  • 53. Fusão de hifas compatíveis 53
  • 54. 54
  • 55. 55
  • 57. Basídias de Coprinus Basidiomas gelatinosos cinereus em BDA. Basidiocarpo de Coprinus cinereus em BDA. Basidiocarpos nao estipitados Basidiocarpos estipitado 57
  • 58. Encontro de hifas compatíveis 58
  • 59. Amanita muscaria - veneno 59
  • 61. Esporos dos Teliomicetos  Picniósporos  Eciósporos (N + N)  Urediniósporos (N + N)  Teliósporos (2N)  Basidiósporos N Fase II - URÉDIA (UREDINIÓSPOROS) Fase 0 - PÍCNIA (PICNIÓSPOROS) Fase I - ÉCIO (ECIÓSPOROS) Fase III - TÉLIO (TELIÓSPOROS) Fase IV -BASÍDIO (BASIDIÓSPOROS) 61
  • 62. Urédia Télia Basídia Pícnia Écio Ciclo dos Teliomicetos n+n 2n n n+n n+n 62
  • 63. Teliósporos – esporos sexuais (tipos) 63
  • 64. Puccinia psidii Uromyces sp. Puccinia arechavaletae Prospodium sp. 64
  • 65. Urédia=estrutura que produz urediniósporos Teliósporo Urediniósporo 65
  • 66. ASCOMYCOTINA Grupo mais numeroso: de saprófitas a parasitas. Formação de ascósporos em ascas após meiose. Talo vegetativo: unicelular a micelial. Ocorrência de dicariofase no ciclo em hifas ascógenas Ciclo sexual: ascogônio e anterídio ou espermácia. Classificação: morfologia das estruturas sexuais Anamorfo: Coelomycetes e Hyphomycetes Apresentam o “crozier”. 66
  • 67. •Micélio monocariótico(n) •Gametângios: Ascogônio e Anterídio •Ascogônio dá início a formação da hifa tricógina. •Ascogônio Multinucleada:Migração •Formação de células ascógenas. •Mitose de pares de núcleos (fase dicariótica) •Células ascógenas formam apotécio e paráfises; •Células curvam-se – “Croziers” •Fusão penúltima célula – 2n – Meiose n -Mitoses –Ascósporos(n) e ascos, 67
  • 68. 68
  • 69. 69
  • 70. 70
  • 71. 71
  • 72. Tipos de Ascomas Asco de Pleospora herbarum Apotécio Peziza sp. 72
  • 73. 73
  • 75. CORPOS DE FRUTIFICAÇÃO DE TELEOMORFOS Ascos nus Peritécio Cleistotécio Apotécio Pseudotéc75io
  • 78. DEUTEROMYCOTINA •Fungos imperfeitos: reprodução sexual ausente •10 a 15 % tem forma sexual conhecida •Produção de conídios (mitósporos) •São ascomicetes que perderam a capacidade de reprodução sexual ou ainda não é conhecida •E a fase sexual dos fungos. •Um gênero teleomórfico pode apresentar fase anamórfica em diferentes estádio e vice-versa •Classificação: morfologia do conidióforo e conídios 78
  • 79. -Subgrupo Hifomicetos -Subgrupo Coelomicetos Reino Fungi 79
  • 80. Fungos Mitospóricos •Fungos imperfeitos: reprodução sexual ausente •10 a 15 % tem forma sexual conhecida •Produção de conídios (mitósporos) •São ascomicetes que perderam a capacidade de reprodução sexual ou ainda não é conhecida •E a fase sexual dos fungos. •Um gênero teleomórfico pode apresentar fase anamórfica em diferentes gêneros e vice-versa •Classificação: morfologia do conidióforo e conídios 80
  • 81. MMoorrffoollooggiiaa ddooss FFuunnggooss MMiittoossppóórriiccooss CONÍDIO CÉLULA CONIDIOGÊNICA CONIDIÓFORO 81
  • 82. Conidióforos Conidióforos Isolados HIFOMICETOS Agrupados Desprotegidos HIFOMICETOS Protegidos (corpos de frutificação) COELOMICETOS Sinema (ereto e alongado) Esporodóquio (achatado, “almofada”) Acérvulo (achatado) Picnídio (globoso) 82
  • 83. Tipos de Conídios Artrósporos 83
  • 85. Morfologia dos conídios de Hifomicetos e Coelomicetos Dictiósporos Feodictos Didimósporos Hialodídimos Helicósporos Estaurósporos Fragmósporos Feofragmosporo Dictiósporos Feodictos Fragmósporos Hialofragmos Estaurósporo Amerósporo Hialósporo 85
  • 86. Oidiopsis haplphyllii Stemphyllium sp. Asperisporium caricae Colletotrichum sp. Cladosporium sp. Aspergillus sp. 86
  • 87. Leandria momordicae Oidium sp. Oidium sp. Oidiopsis taurica Tubo germinativo Conidióforos de Aspergillus sp. 87
  • 88. Curvularia sp. Acérvulo Colletotrichum sp. Fusarium sp. Setas Conídios 88 hilo
  • 89. Pé-do-atleta causado por Hifomicetos 89
  • 90. 90
  • 91. 91
  • 92. Critérios taxonômicos para Identificação de HIFOMICETOS ENTEROBLÁSTICA Blástica Tálica 92
  • 93. CÉLULA CONIDIOGÊNICA 93 Determinada: ocorre apenas um evento de conidiogênese Percorrente: ocorre uma proliferação de mais de um conidio, e como consequência o resíduo de secessão forma anéis no conidióforo Simpodial: ocorre uma proliferação mudando de direção no crescimento, o conidióforo muda de eixo (geniculação)
  • 94. 94 CÉLULA CONIDIOGÊNICA Integrada: os conídios são produzidos no conidióforo. Discretas: os conídios são produzidos numa estrutura for a do corpo do conidióforo.
  • 95. CRESCIMENTO DO CONIDIÓFORO 95 Acroáuxico: o crescimento ocorre no ápice. Basáuxico: o crescimento ocorre na base.
  • 96. MORFOLOGIA CONIDIÓFORO 96 Micronematoso: o tamanho do conidióforo é similar a hifa de origem, não há distinçao de tamanho. Macronematoso: morfologicamente a hifa vegetativa é distinta. É ereto e pigmentado.
  • 99. 99
  • 100. 100
  • 101. 101
  • 102. 102
  • 104. 104
  • 105. 105
  • 106. 106
  • 107. 107
  • 108. 108
  • 109. Dinâmica de fixação  Zigosporo  Orelha de pau  Cogumelo  Basidia septada  Asco bitunicado  Agonomicetes  Teleomorfo  clamidosporo  Aplanosporo  Pileo  Tubo germinativo  Hifa cenocítica  Hialino  Basidia  Picnidio  celulose 109