SlideShare uma empresa Scribd logo
Ensinar para administrar.
Administrar para ensinar.
E crescermos juntos!

www.chiavenato.com
Parte II
Conhecimento Competitivo
e Organizacional
Capítulo 4
Intenção Estratégica
Intenção Estratégica
O que você verá neste capítulo :
•Questões básicas da intenção estratégica
•Missão organizacional
•Definição preliminar do negócio
•Redefinição do negócio
•Visão organizacional
•Ideologia central de organização
•Públicos de interesse (Stakeholders)
•Proposta de valor
•Objetivos organizacionais
•Conclusão
Intenção Estratégica

Objetivos de aprendizagem :
•Discutir a intenção estratégica
•Conceituar o propósito da organização, sua
missão e sua visão de futuro
•Conceituar o negócio da organização
•Indicar a formação da ideologia central da
organização
•Mostrar o caminho da criação,
desenvolvimento e difusão do valor
Intenção Estratégica
A intenção estratégica é o conhecimento da essência da
organização e representa a alavancagem de todos os
recursos internos, capacidades e habilidades de uma
organização com a finalidade de cumprir suas metas no
ambiente competitivo. É essa intenção estratégica que
proporciona aos membros da organização, em todos os
níveis e áreas, a justificativa para a entrega e dedicação
na busca de um desempenho que seja único,
significativo e superior com relação aos concorrentes.
Isso somente será alcançado quando todas as pessoas
da organização tiverem a crença fervorosa em seu
produto ou serviço e forem lastreadas pela explícita
ideologia organizacional.
Clipping Competitivo
Intenções Estratégicas Divulgadas

Intel: Tornar-se o melhor fornecedor mundial para a indústria
de computadores.
Microsoft: Tornar-se as Páginas Amarelas de um mercado
eletrônico de sistemas de informação on-line.
Canon: Derrotar a Xerox.
Honda: Tornar-se uma segunda Ford (empresa que ela
identificou como pioneira na indústria automobilística).
Latin World Entertainment: a maior empresa de entretenimento
do segmento hispânico nos EUA, quer se tornar a referência
número 1 como agência de talento para os grandes estúdios de
Hollywood.
Vale: Quer se tornar um grande global player de metais visando
criar valor para seus acionistas e outros públicos de interesse.
Questões Básicas da Intenção Estratégica

Missão organizacional: Qual é o negócio da
organização?
Visão organizacional: Como o negócio da
organização será no futuro?
Valores organizacionais: O que é importante
para a organização?
Questões Básicas da Intenção Estratégica

Stakeholders ou públicos de interesse: A quem
interesse chegar a esses resultados? Quem são
os públicos estratégicos da organização?
Proposta de valor: Quais são os clientes e o que
eles consideram valioso na organização, em seus
produtos e serviços?
Objetivos organizacionais: Quais serão os
resultados esperados da organização?
Missão Organizacional
Missão organizacional é a declaração do propósito e de
mercado e responde à questão: “Qual é o negócio da
organização?” Ela se refere ao papel da organização dentro
da sociedade em que está envolvida e indica a sua razão de
ser e de existir. A missão da organização deve ser definida
em termos de satisfazer a alguma necessidade do
ambiente externo e não em termos de oferecer algum
produto ou serviço. Deve contemplar os seguintes
aspectos: a razão de ser da organização, o papel da
organização na sociedade, a natureza do negócio da
organização, o valor que a organização constrói para seus
públicos de interesse e os tipos de atividades em que a
organização deve concentrar seus esforços no futuro.
Formulação da missão organizacional

A declaração de missão (mission statement) da
organização é um chamamento genérico para a ação e
deve partir do pressuposto de que a organização como
um todo se compromete com essa missão.
A declaração da missão deve incorporar o mercado,
fazendo referência às demandas genéricas da
sociedade por energia, abrigo, comunicação,
alimentação, transporte, entretenimento, saúde, etc.
Porém, será preciso um entendimento geral, ainda que
não-pontual, de suas competências essenciais que
serão exercidas para o cumprimento da missão
proposta.
Formulação da missão organizacional
Além do foco genérico de atuação da organização a missão
organizacional deve pontuar os seguintes escopos
competitivos:
 Escopo setorial: indicando setores preferenciais de
atuação
 Escopo estendido dos produtos e serviços: fazendo
referências, por exemplo, à qualidade ou aos serviços.
 Escopo das competências: embasando a produção de
produtos e serviços.
 Escopo dos segmentos de atuação: a organização elege
os segmentos prioritários de atendimento.
 Escopo de verticalização: definindo o grau de integração
ou terceirização dos processos.
Por que a declaração da missão é importante?

 Ajuda a concentrar o esforço das pessoas para uma
direção, ao explicitar os principais compromissos da
organização.
Afasta o risco de buscar propósitos conflitantes, evitando
desgastes e falta de foco durante a execução do plano
estratégico.
Fundamenta a alocação dos recursos segundo o escopo
dado pela missão.
Estabelece uma atitude de responsabilidades para a
execução do plano estratégico ao definir as categorias de
tarefas a serem cumpridas.
Alinha a formulação das políticas à definição dos objetivos
organizacionais.
Banco de Idéias
Declarações curtas, porém impactantes:
Nike: Prover a emoção de competir e vencer.
Sony: Aplicar a tecnologia em benefício da população.
3M: Resolver problemas não-solucionados de forma
inovadora.
Hewlett-Packard: Oferecer contribuições técnicas para o
progresso e bem-estar da humanidade.
Walt Disney: Tornar as pessoas felizes.
Definição Preliminar do Negócio
Ao definir o negócio, é necessário entender o produto
ou o serviço total que o cliente está comprando e
evitar a armadilha de olhar apenas para o produto
físico oferecido.
Um negócio pode ser definido em termos de três
dimensões:
1.Mercados ou segmentos (necessidade e desejos dos
clientes)
2.Setores de atuação (produtos e serviços)
3.Tecnologia e processos (excelência operacional)
Redefinição do Negócio
Quando mudam as condições de mercado ou quando
durante longo tempo não se observou o direcionamento
apontado pela missão organizacional, é chegada a hora
de mudá-la, isto é, repensar os mercados de atuação e os
produtos e serviços oferecidos e propor alterações.
A atualização da missão se dá pela redefinição do
negócio. Quando o ambiente contextual e o ambiente
relacional exigirem, faz-se uma releitura da declaração
da missão organizacional de modo a adequá-las às novas
exigências e para assegurar à organização sua condição
de atuar sobre aqueles ambientes considerados, uma
abordagem que amplia potencialmente o escopo de suas
operações ao longo do tempo.
Visão Organizacional
Visão organizacional ou, ainda, visão de futuro é o
sonho acalentado pela organização. É a imagem com
a qual ela se vê no futuro. É a explicação do porquê,
diariamente, todos se levantam e dedicam a maior
parte dos seus dias de sucesso da organização onde
trabalham, onde investem ou fazem negócios. Deve
atender às seguintes premissas:
 Aderência aos fatos reais
 Descrição concisa, porém poderosa
 Equilíbrio para todos os grupos de interesse
Alinhamento da Visão de Negócios
 Esclarecer a todos os grupos de interesse a direção de
negócios.
 Descrever uma condição futura.
 Motivar os grupos de interesse envolvidos a
executarem as ações necessárias.
 Oferecer o foco.
 Inspirar as pessoas a trabalharem em direção a um
conjunto integrado de objetivos
Informação Privilegiada
Visões Inspiradoras:

Shell Oil
“Necessidades de energia da humanidade satisfeitas.”
Remete a uma visão de mundo sem problemas de
energia, direcionando as atividades da empresa para o
desenvolvimento de produtos e serviços que estejam
relacionados com pesquisa e desenvolvimento,
produção, distribuição e outros processos para o
atendimento do mercado de energia.
Informação Privilegiada
Visões Inspiradoras:

Bic
“Produtos descartáveis.”
Indica a preocupação da empresa em
disponibilizar produtos e serviços práticos aos
seus usuários.
Informação Privilegiada
Visões Inspiradoras:

Coca-Cola
“Matar a sede.”
Isso explica o fato de a Coca-Cola atuar em
diferentes categorias de bebidas.
Elaboração da visão de negócios
Primeiro esboço: declaração inicial de um único indivíduo
refletindo seus sonhos e as demandas do mercado.
Etapa de coalizão: O primeiro esboço é modelado no
decorrer do tempo pela coalizão dos responsáveis pela
organização ou por um grupo maior.
Dinâmica de grupo (conversação estratégica): A
elaboração descritiva da visão de negócios demanda uma
condução profissional do trabalho em equipe, muitas vezes
sendo necessário o isolamento, para que as emoções e
ansiedades a respeito dos impactos da formulação da visão
de negócios sejam explicitadas e trabalhadas.
Elaboração da visão de negócios
Desalinhamento do processo: não se pode esperar um
avanço linear no processo de elaboração da visão de
negócios. O avanço acontecerá, mas sempre dando dois
passos para a frente, um para trás e às vezes, de lado.
Duração: o assunto não acaba em uma reunião; esperase num processo disciplinado e prioritário a duração de
meses, a partir do primeiro esboço.
Produto final: o processo resulta em uma direção para o
futuro, viável, focalizada, flexível e de fácil entendimento
e comunicação.
Ideologia Central da Organização
Ideologia central da organização é
idealizada de dentro para fora
independentemente do ambiente
constituída pelos princípios e valores
seus objetivos missionários.

uma construção
da organização,
externo, sendo
organizacionais e

Ideologia: do grego idea, idéia + logos, tratado; significa
a maneira de pensar que caracteriza um indivíduo, grupo
de pessoas ou organização.
A ideologia central de uma organização envolve
princípios e valores organizacionais.
Públicos de Interesse (stakeholders)
São grupos estratégicos que pervagam uma
determinada organização. Cada organização é um
sistema que congrega vários públicos de interesse, ou
seja, partes interessadas, intervenientes com os quais
estabelece suas relações.
Uma organização que pretende ter uma existência
estável e duradoura deve atender simultânea e
equilibradamente às demandas de todas as suas partes
interessadas. Uma missão organizacional bem
elaborada deve procurar satisfazer as demandas dos
mais diferentes públicos de interesse.
Stakeholders
Proposta de Valor

O valor total para o cliente corresponde à soma de
benefícios que ele espera receber pelo uso de um
produto ou serviço, ou pela aceitação de um
conceito. O custo total para o cliente é
representado por todos os custos relacionados a
avaliar, obter, utilizar e descartar o produto, serviço
ou conceito. Por outro lado, a organização precisa
ter uma idéia de como sua oferta é avaliada e
valorizada em comparação com a oferta
concorrente.
Criação, Desenvolvimento e Difusão de Valor

1. Criação ou identificação do valor: produzindo
inovações estratégicas em produtos, processos e
modelagem de negócios (a partir do desenvolvimento
de um profundo conhecimento do perfil e das
demandas dos mais diferentes segmentos e
mercados).
2. Desenvolvimento e entrega do valor: capturando os
resultados estratégicos esperados (a partir da
execução do processo de planejamento estratégico).
3. Alinhamento das pessoas aos valores criados:
liderando e motivando colaboradores e parceiros na
mudança e incentivando o alto desempenho.
Informação Privilegiada

Criação de valor, hoje e amanhã
A liderança de mercado hoje não significa a
liderança de mercado amanhã. Quando se avalia
a capacidade da organização de aproveitar as
oportunidades de valor que aparecem é
interessante percorrer a lista de checagem
(check-list) e considerar o conhecimento
disponível do momento.
Objetivos Organizacionais
 Servem como padrões através dos quais os públicos de
interesse da organização podem avaliar o êxito da
organização, sua eficiência e seu rendimento em relação
aos objetivos pretendidos.
 Servem como unidade de medida para que os públicos
de interesse possam medir e comparar a produtividade e o
sucesso da organização, seja no tempo, seja em relação
aos concorrentes.
 Funcionam como aglutinadores de esforços, isto é,
esforços
como elementos de convergência de atividades e de
direcionamento de esforços para que os vários públicos de
interesse possam se integrar de maneira coordenada.
Conclusões
A intenção estratégica constitui o ponto de partida
para uma visão e ação estratégica da organização.
Contudo, apesar de mobilizar as pessoas e
impulsionar a organização, ela é insuficiente para os
dias atuais. É preciso que ela seja convertida em um
planejamento estratégico através do exame das
condições
ambientais
e
das
condições
organizacionais e de suas decorrências futuras para
que sejam estabelecidos os objetivos pretendidos
pela organização e definidas as estratégias no
sentido de alcançá-los adequadamente. Este é o
caminho do planejamento estratégico.
Passeio pela Internet:
Identificação de sites interessantes para consulta dos
temas tratados:

A Companhia Vale do Rio Doce explicita em seu site
suas políticas para o atendimento das demandas de seus
diferentes públicos de interesse, mostrando o cuidado
estratégico com que eles são avaliados pela empresa:
http://www.vale.com/vale/cgi/cgilua.exe/sys/start.htm?si
Fundamentos de gestão empresarial cap4

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Slides Planejamento Estrategico 2
Slides Planejamento Estrategico 2Slides Planejamento Estrategico 2
Slides Planejamento Estrategico 2
neodo
 
Fundamentos de gestão empresarial cap8
Fundamentos de gestão empresarial cap8Fundamentos de gestão empresarial cap8
Fundamentos de gestão empresarial cap8
Professor Sérgio Duarte
 
Estratégia e competitividade
Estratégia e competitividadeEstratégia e competitividade
Estratégia e competitividade
Universidade Pedagogica
 
Conceitos e estruturas sub cap-1.rascunh-odoc
Conceitos e estruturas sub cap-1.rascunh-odocConceitos e estruturas sub cap-1.rascunh-odoc
Conceitos e estruturas sub cap-1.rascunh-odoc
Jaqueline Strassburger
 
A estratégia empresarial em suas diversas abordagens
A estratégia empresarial em suas diversas abordagensA estratégia empresarial em suas diversas abordagens
A estratégia empresarial em suas diversas abordagens
mariameloto
 
A atuacao da_controladoria_no_planejamento
A atuacao da_controladoria_no_planejamentoA atuacao da_controladoria_no_planejamento
A atuacao da_controladoria_no_planejamento
Elizandra Castro
 
E-Book Estratégia Nos Mercados de Hoje DOM Strategy Partners 2010
 E-Book Estratégia Nos Mercados de Hoje DOM Strategy Partners 2010 E-Book Estratégia Nos Mercados de Hoje DOM Strategy Partners 2010
E-Book Estratégia Nos Mercados de Hoje DOM Strategy Partners 2010
DOM Strategy Partners
 
O planejamento estrategico(slides)
O planejamento estrategico(slides)O planejamento estrategico(slides)
O planejamento estrategico(slides)
Jorge Leandro
 
Planejamento estratégico
Planejamento estratégicoPlanejamento estratégico
Planejamento estratégico
URCA
 
A gestão estratégica no novo milênio
A gestão estratégica no novo milênioA gestão estratégica no novo milênio
A gestão estratégica no novo milênio
Universidade Federal Fluminense
 
Planejamento Estrategico
Planejamento EstrategicoPlanejamento Estrategico
Planejamento Estrategico
André Tenório
 
Estratégia empresarial
Estratégia empresarialEstratégia empresarial
Estratégia empresarial
Universidade Pedagogica
 
837 analise interna de uma ies
837 analise interna de uma ies837 analise interna de uma ies
837 analise interna de uma ies
Carlos Henrique Cangussu
 
A gestão estratégica das organizações no novo milênio
A gestão estratégica das organizações no novo milênioA gestão estratégica das organizações no novo milênio
A gestão estratégica das organizações no novo milênio
Universidade Federal Fluminense
 
Desafios da gestão empresarial
Desafios da gestão empresarialDesafios da gestão empresarial
Desafios da gestão empresarial
JOSÉ ROBERTO CASTANHEIRA CAMARGO
 
Resumo estratégias empresariais
Resumo estratégias empresariaisResumo estratégias empresariais
Resumo estratégias empresariais
Jazon Pereira
 

Mais procurados (16)

Slides Planejamento Estrategico 2
Slides Planejamento Estrategico 2Slides Planejamento Estrategico 2
Slides Planejamento Estrategico 2
 
Fundamentos de gestão empresarial cap8
Fundamentos de gestão empresarial cap8Fundamentos de gestão empresarial cap8
Fundamentos de gestão empresarial cap8
 
Estratégia e competitividade
Estratégia e competitividadeEstratégia e competitividade
Estratégia e competitividade
 
Conceitos e estruturas sub cap-1.rascunh-odoc
Conceitos e estruturas sub cap-1.rascunh-odocConceitos e estruturas sub cap-1.rascunh-odoc
Conceitos e estruturas sub cap-1.rascunh-odoc
 
A estratégia empresarial em suas diversas abordagens
A estratégia empresarial em suas diversas abordagensA estratégia empresarial em suas diversas abordagens
A estratégia empresarial em suas diversas abordagens
 
A atuacao da_controladoria_no_planejamento
A atuacao da_controladoria_no_planejamentoA atuacao da_controladoria_no_planejamento
A atuacao da_controladoria_no_planejamento
 
E-Book Estratégia Nos Mercados de Hoje DOM Strategy Partners 2010
 E-Book Estratégia Nos Mercados de Hoje DOM Strategy Partners 2010 E-Book Estratégia Nos Mercados de Hoje DOM Strategy Partners 2010
E-Book Estratégia Nos Mercados de Hoje DOM Strategy Partners 2010
 
O planejamento estrategico(slides)
O planejamento estrategico(slides)O planejamento estrategico(slides)
O planejamento estrategico(slides)
 
Planejamento estratégico
Planejamento estratégicoPlanejamento estratégico
Planejamento estratégico
 
A gestão estratégica no novo milênio
A gestão estratégica no novo milênioA gestão estratégica no novo milênio
A gestão estratégica no novo milênio
 
Planejamento Estrategico
Planejamento EstrategicoPlanejamento Estrategico
Planejamento Estrategico
 
Estratégia empresarial
Estratégia empresarialEstratégia empresarial
Estratégia empresarial
 
837 analise interna de uma ies
837 analise interna de uma ies837 analise interna de uma ies
837 analise interna de uma ies
 
A gestão estratégica das organizações no novo milênio
A gestão estratégica das organizações no novo milênioA gestão estratégica das organizações no novo milênio
A gestão estratégica das organizações no novo milênio
 
Desafios da gestão empresarial
Desafios da gestão empresarialDesafios da gestão empresarial
Desafios da gestão empresarial
 
Resumo estratégias empresariais
Resumo estratégias empresariaisResumo estratégias empresariais
Resumo estratégias empresariais
 

Destaque

Apostila empresarial 3
Apostila empresarial 3Apostila empresarial 3
Apostila empresarial 3
portustfs
 
Turismo mkt planej. mkt
Turismo mkt planej. mktTurismo mkt planej. mkt
Turismo mkt planej. mkt
Professor Sérgio Duarte
 
MKT TURISTICO Cap04
MKT TURISTICO Cap04MKT TURISTICO Cap04
MKT TURISTICO Cap04
Professor Sérgio Duarte
 
Pesquisa Aplicada a Comunicação ec cap-1
Pesquisa Aplicada a Comunicação   ec cap-1Pesquisa Aplicada a Comunicação   ec cap-1
Pesquisa Aplicada a Comunicação ec cap-1
Professor Sérgio Duarte
 
Gestão e Desenvolvimento de Produto- Adm.com.mkt
Gestão e Desenvolvimento de Produto- Adm.com.mktGestão e Desenvolvimento de Produto- Adm.com.mkt
Gestão e Desenvolvimento de Produto- Adm.com.mkt
Professor Sérgio Duarte
 
MKT TURISTICO Cap05
MKT TURISTICO Cap05MKT TURISTICO Cap05
MKT TURISTICO Cap05
Professor Sérgio Duarte
 
Comunicação & Marketing
Comunicação & MarketingComunicação & Marketing
Comunicação & Marketing
Professor Sérgio Duarte
 
Gestão de Serviços Gerenciando relacionamentos em serviço
Gestão de Serviços Gerenciando relacionamentos em serviçoGestão de Serviços Gerenciando relacionamentos em serviço
Gestão de Serviços Gerenciando relacionamentos em serviço
Professor Sérgio Duarte
 
Pesquisa Aplicada a Comunicação cap-3
Pesquisa Aplicada a Comunicação cap-3Pesquisa Aplicada a Comunicação cap-3
Pesquisa Aplicada a Comunicação cap-3
Professor Sérgio Duarte
 
Turismo mkt ambiente mkt
Turismo mkt ambiente mktTurismo mkt ambiente mkt
Turismo mkt ambiente mkt
Professor Sérgio Duarte
 
MKT TURISTICO Cap07
MKT TURISTICO Cap07MKT TURISTICO Cap07
MKT TURISTICO Cap07
Professor Sérgio Duarte
 
MKT TURISTICO Cap02
MKT TURISTICO Cap02MKT TURISTICO Cap02
MKT TURISTICO Cap02
Professor Sérgio Duarte
 
Pesquisa Aplicada a Comunicação cap-6
Pesquisa Aplicada a Comunicação cap-6Pesquisa Aplicada a Comunicação cap-6
Pesquisa Aplicada a Comunicação cap-6
Professor Sérgio Duarte
 
Pesquisa Aplicada a Comunicação cap-5
Pesquisa Aplicada a Comunicação cap-5Pesquisa Aplicada a Comunicação cap-5
Pesquisa Aplicada a Comunicação cap-5
Professor Sérgio Duarte
 
MKT TURISTICO Cap01
MKT TURISTICO Cap01MKT TURISTICO Cap01
MKT TURISTICO Cap01
Professor Sérgio Duarte
 
Pesquisa Aplicada a Comunicação cap-4
Pesquisa Aplicada a Comunicação cap-4Pesquisa Aplicada a Comunicação cap-4
Pesquisa Aplicada a Comunicação cap-4
Professor Sérgio Duarte
 
Turismo mkt mkt globo
Turismo mkt mkt globoTurismo mkt mkt globo
Turismo mkt mkt globo
Professor Sérgio Duarte
 
Pesquisa de mkt ec cap-1
Pesquisa de mkt   ec cap-1Pesquisa de mkt   ec cap-1
Pesquisa de mkt ec cap-1
Professor Sérgio Duarte
 
Publicdade e propaganda iii critérios de avaliação de uma agência
Publicdade e propaganda iii  critérios de avaliação de uma agênciaPublicdade e propaganda iii  critérios de avaliação de uma agência
Publicdade e propaganda iii critérios de avaliação de uma agência
Professor Sérgio Duarte
 
Gestão e Desenvolvimento de Produto - Formação de preços
Gestão e Desenvolvimento de Produto - Formação de preçosGestão e Desenvolvimento de Produto - Formação de preços
Gestão e Desenvolvimento de Produto - Formação de preços
Professor Sérgio Duarte
 

Destaque (20)

Apostila empresarial 3
Apostila empresarial 3Apostila empresarial 3
Apostila empresarial 3
 
Turismo mkt planej. mkt
Turismo mkt planej. mktTurismo mkt planej. mkt
Turismo mkt planej. mkt
 
MKT TURISTICO Cap04
MKT TURISTICO Cap04MKT TURISTICO Cap04
MKT TURISTICO Cap04
 
Pesquisa Aplicada a Comunicação ec cap-1
Pesquisa Aplicada a Comunicação   ec cap-1Pesquisa Aplicada a Comunicação   ec cap-1
Pesquisa Aplicada a Comunicação ec cap-1
 
Gestão e Desenvolvimento de Produto- Adm.com.mkt
Gestão e Desenvolvimento de Produto- Adm.com.mktGestão e Desenvolvimento de Produto- Adm.com.mkt
Gestão e Desenvolvimento de Produto- Adm.com.mkt
 
MKT TURISTICO Cap05
MKT TURISTICO Cap05MKT TURISTICO Cap05
MKT TURISTICO Cap05
 
Comunicação & Marketing
Comunicação & MarketingComunicação & Marketing
Comunicação & Marketing
 
Gestão de Serviços Gerenciando relacionamentos em serviço
Gestão de Serviços Gerenciando relacionamentos em serviçoGestão de Serviços Gerenciando relacionamentos em serviço
Gestão de Serviços Gerenciando relacionamentos em serviço
 
Pesquisa Aplicada a Comunicação cap-3
Pesquisa Aplicada a Comunicação cap-3Pesquisa Aplicada a Comunicação cap-3
Pesquisa Aplicada a Comunicação cap-3
 
Turismo mkt ambiente mkt
Turismo mkt ambiente mktTurismo mkt ambiente mkt
Turismo mkt ambiente mkt
 
MKT TURISTICO Cap07
MKT TURISTICO Cap07MKT TURISTICO Cap07
MKT TURISTICO Cap07
 
MKT TURISTICO Cap02
MKT TURISTICO Cap02MKT TURISTICO Cap02
MKT TURISTICO Cap02
 
Pesquisa Aplicada a Comunicação cap-6
Pesquisa Aplicada a Comunicação cap-6Pesquisa Aplicada a Comunicação cap-6
Pesquisa Aplicada a Comunicação cap-6
 
Pesquisa Aplicada a Comunicação cap-5
Pesquisa Aplicada a Comunicação cap-5Pesquisa Aplicada a Comunicação cap-5
Pesquisa Aplicada a Comunicação cap-5
 
MKT TURISTICO Cap01
MKT TURISTICO Cap01MKT TURISTICO Cap01
MKT TURISTICO Cap01
 
Pesquisa Aplicada a Comunicação cap-4
Pesquisa Aplicada a Comunicação cap-4Pesquisa Aplicada a Comunicação cap-4
Pesquisa Aplicada a Comunicação cap-4
 
Turismo mkt mkt globo
Turismo mkt mkt globoTurismo mkt mkt globo
Turismo mkt mkt globo
 
Pesquisa de mkt ec cap-1
Pesquisa de mkt   ec cap-1Pesquisa de mkt   ec cap-1
Pesquisa de mkt ec cap-1
 
Publicdade e propaganda iii critérios de avaliação de uma agência
Publicdade e propaganda iii  critérios de avaliação de uma agênciaPublicdade e propaganda iii  critérios de avaliação de uma agência
Publicdade e propaganda iii critérios de avaliação de uma agência
 
Gestão e Desenvolvimento de Produto - Formação de preços
Gestão e Desenvolvimento de Produto - Formação de preçosGestão e Desenvolvimento de Produto - Formação de preços
Gestão e Desenvolvimento de Produto - Formação de preços
 

Semelhante a Fundamentos de gestão empresarial cap4

Adm estrat aula 2 va
Adm estrat  aula 2 vaAdm estrat  aula 2 va
Adm estrat aula 2 va
katiagomide
 
Adm estrat aula 2 va
Adm estrat  aula 2 vaAdm estrat  aula 2 va
Adm estrat aula 2 va
katiagomide
 
Adm estrat aula 2 va
Adm estrat  aula 2 vaAdm estrat  aula 2 va
Adm estrat aula 2 va
katiagomide
 
Aula planejamento estratégico 2007
Aula planejamento estratégico 2007Aula planejamento estratégico 2007
Aula planejamento estratégico 2007
CharmosaCat
 
Aula planejamento estratégico 2007
Aula planejamento estratégico 2007Aula planejamento estratégico 2007
Aula planejamento estratégico 2007
CharmosaCat
 
Uma abordagem geral da Análise de Negócios
Uma abordagem geral da Análise de NegóciosUma abordagem geral da Análise de Negócios
Uma abordagem geral da Análise de Negócios
José Vieira
 
Estudando o planejamento estratégico
Estudando o planejamento estratégicoEstudando o planejamento estratégico
Estudando o planejamento estratégico
Luiz Messano
 
Fase de arranque do projeto
Fase de arranque do projetoFase de arranque do projeto
Fase de arranque do projeto
LuisDuque59
 
Pensamento estratégico e geração de vantagem competitiva
Pensamento estratégico e geração de vantagem competitivaPensamento estratégico e geração de vantagem competitiva
Pensamento estratégico e geração de vantagem competitiva
Bruno Oliveira
 
slides módulo v
slides módulo vslides módulo v
slides módulo v
Fdtensino
 
Planear
PlanearPlanear
Planear
André Silva
 
09 planejamento estrategico do negocio
09 planejamento estrategico do negocio09 planejamento estrategico do negocio
09 planejamento estrategico do negocio
andressa bonn
 
Modelo de Plano de Negocios
Modelo de Plano de NegociosModelo de Plano de Negocios
Modelo de Plano de Negocios
Letícia Vilela de Aquino
 
Tecnicas-de-Planejamento-para-Desenvolvimento-de-Carreira-1.pptx
Tecnicas-de-Planejamento-para-Desenvolvimento-de-Carreira-1.pptxTecnicas-de-Planejamento-para-Desenvolvimento-de-Carreira-1.pptx
Tecnicas-de-Planejamento-para-Desenvolvimento-de-Carreira-1.pptx
NayaraMartinez2
 
UFCD 7845 Empresas e o seu meio envolvente.pptx
UFCD 7845 Empresas e o seu meio envolvente.pptxUFCD 7845 Empresas e o seu meio envolvente.pptx
UFCD 7845 Empresas e o seu meio envolvente.pptx
Scribd917701
 
A Análise de Negócios
A Análise de NegóciosA Análise de Negócios
A Análise de Negócios
Jaffer Veronezi
 
Artigo excelência operacional
Artigo excelência operacionalArtigo excelência operacional
Artigo excelência operacional
Symnetics Business Transformation
 
Trabalho de admnistraçao estrategica bsc
Trabalho de admnistraçao estrategica bscTrabalho de admnistraçao estrategica bsc
Trabalho de admnistraçao estrategica bsc
Juliana Nonemacher
 
Bsc notas de aula
Bsc notas de aulaBsc notas de aula
Bsc notas de aula
Wellington Boness
 
Balanced Scorecard
Balanced ScorecardBalanced Scorecard
Balanced Scorecard
Marco Antonio Maciel
 

Semelhante a Fundamentos de gestão empresarial cap4 (20)

Adm estrat aula 2 va
Adm estrat  aula 2 vaAdm estrat  aula 2 va
Adm estrat aula 2 va
 
Adm estrat aula 2 va
Adm estrat  aula 2 vaAdm estrat  aula 2 va
Adm estrat aula 2 va
 
Adm estrat aula 2 va
Adm estrat  aula 2 vaAdm estrat  aula 2 va
Adm estrat aula 2 va
 
Aula planejamento estratégico 2007
Aula planejamento estratégico 2007Aula planejamento estratégico 2007
Aula planejamento estratégico 2007
 
Aula planejamento estratégico 2007
Aula planejamento estratégico 2007Aula planejamento estratégico 2007
Aula planejamento estratégico 2007
 
Uma abordagem geral da Análise de Negócios
Uma abordagem geral da Análise de NegóciosUma abordagem geral da Análise de Negócios
Uma abordagem geral da Análise de Negócios
 
Estudando o planejamento estratégico
Estudando o planejamento estratégicoEstudando o planejamento estratégico
Estudando o planejamento estratégico
 
Fase de arranque do projeto
Fase de arranque do projetoFase de arranque do projeto
Fase de arranque do projeto
 
Pensamento estratégico e geração de vantagem competitiva
Pensamento estratégico e geração de vantagem competitivaPensamento estratégico e geração de vantagem competitiva
Pensamento estratégico e geração de vantagem competitiva
 
slides módulo v
slides módulo vslides módulo v
slides módulo v
 
Planear
PlanearPlanear
Planear
 
09 planejamento estrategico do negocio
09 planejamento estrategico do negocio09 planejamento estrategico do negocio
09 planejamento estrategico do negocio
 
Modelo de Plano de Negocios
Modelo de Plano de NegociosModelo de Plano de Negocios
Modelo de Plano de Negocios
 
Tecnicas-de-Planejamento-para-Desenvolvimento-de-Carreira-1.pptx
Tecnicas-de-Planejamento-para-Desenvolvimento-de-Carreira-1.pptxTecnicas-de-Planejamento-para-Desenvolvimento-de-Carreira-1.pptx
Tecnicas-de-Planejamento-para-Desenvolvimento-de-Carreira-1.pptx
 
UFCD 7845 Empresas e o seu meio envolvente.pptx
UFCD 7845 Empresas e o seu meio envolvente.pptxUFCD 7845 Empresas e o seu meio envolvente.pptx
UFCD 7845 Empresas e o seu meio envolvente.pptx
 
A Análise de Negócios
A Análise de NegóciosA Análise de Negócios
A Análise de Negócios
 
Artigo excelência operacional
Artigo excelência operacionalArtigo excelência operacional
Artigo excelência operacional
 
Trabalho de admnistraçao estrategica bsc
Trabalho de admnistraçao estrategica bscTrabalho de admnistraçao estrategica bsc
Trabalho de admnistraçao estrategica bsc
 
Bsc notas de aula
Bsc notas de aulaBsc notas de aula
Bsc notas de aula
 
Balanced Scorecard
Balanced ScorecardBalanced Scorecard
Balanced Scorecard
 

Mais de Professor Sérgio Duarte

Apresentacao+casamento+ +final
Apresentacao+casamento+ +finalApresentacao+casamento+ +final
Apresentacao+casamento+ +final
Professor Sérgio Duarte
 
Trabalho C708 j agencia digital
Trabalho C708 j agencia digital Trabalho C708 j agencia digital
Trabalho C708 j agencia digital
Professor Sérgio Duarte
 
Trabalho c510 n – promoção e merchandising
Trabalho c510 n – promoção e merchandisingTrabalho c510 n – promoção e merchandising
Trabalho c510 n – promoção e merchandising
Professor Sérgio Duarte
 
Trabalho 2 cca0426 - pesq de opinião e mercadológica
Trabalho 2   cca0426 - pesq de opinião e mercadológicaTrabalho 2   cca0426 - pesq de opinião e mercadológica
Trabalho 2 cca0426 - pesq de opinião e mercadológica
Professor Sérgio Duarte
 
Trabalho c409 d convergência de mídias
Trabalho c409 d   convergência de mídiasTrabalho c409 d   convergência de mídias
Trabalho c409 d convergência de mídias
Professor Sérgio Duarte
 
Trabalho 1 cca0426 - pesq de opinião e mercadológica
Trabalho 1   cca0426 - pesq de opinião e mercadológicaTrabalho 1   cca0426 - pesq de opinião e mercadológica
Trabalho 1 cca0426 - pesq de opinião e mercadológica
Professor Sérgio Duarte
 
Trabalho c 711 n gestão de projetos
Trabalho c 711 n gestão de projetosTrabalho c 711 n gestão de projetos
Trabalho c 711 n gestão de projetos
Professor Sérgio Duarte
 
Critério brasil 2015-2016
Critério brasil   2015-2016Critério brasil   2015-2016
Critério brasil 2015-2016
Professor Sérgio Duarte
 
Remuneração de agências
Remuneração de agênciasRemuneração de agências
Remuneração de agências
Professor Sérgio Duarte
 
Panorama das agencias digitais
Panorama das agencias digitaisPanorama das agencias digitais
Panorama das agencias digitais
Professor Sérgio Duarte
 
Lei nº 4.680
Lei nº 4.680Lei nº 4.680
Livro Google Marketing
Livro Google MarketingLivro Google Marketing
Livro Google Marketing
Professor Sérgio Duarte
 
Pesquisa brasileira de midia 2014
Pesquisa brasileira de midia 2014Pesquisa brasileira de midia 2014
Pesquisa brasileira de midia 2014
Professor Sérgio Duarte
 
Pesquisa Descobrindo a Classe C
Pesquisa Descobrindo a Classe CPesquisa Descobrindo a Classe C
Pesquisa Descobrindo a Classe C
Professor Sérgio Duarte
 
Legislação promoção de prêmios
Legislação promoção de prêmiosLegislação promoção de prêmios
Legislação promoção de prêmios
Professor Sérgio Duarte
 
Legislação marco civil internet
Legislação marco civil internetLegislação marco civil internet
Legislação marco civil internet
Professor Sérgio Duarte
 
C708 j livro landing pages na prática
C708 j livro landing pages na práticaC708 j livro landing pages na prática
C708 j livro landing pages na prática
Professor Sérgio Duarte
 
Pesquisa agências digitais
Pesquisa agências digitaisPesquisa agências digitais
Pesquisa agências digitais
Professor Sérgio Duarte
 
C708 j lei nº 4.680
C708 j lei nº 4.680C708 j lei nº 4.680
C708 j lei nº 4.680
Professor Sérgio Duarte
 
C409 m texto entrevista o globo convergência
C409 m texto entrevista o globo convergênciaC409 m texto entrevista o globo convergência
C409 m texto entrevista o globo convergência
Professor Sérgio Duarte
 

Mais de Professor Sérgio Duarte (20)

Apresentacao+casamento+ +final
Apresentacao+casamento+ +finalApresentacao+casamento+ +final
Apresentacao+casamento+ +final
 
Trabalho C708 j agencia digital
Trabalho C708 j agencia digital Trabalho C708 j agencia digital
Trabalho C708 j agencia digital
 
Trabalho c510 n – promoção e merchandising
Trabalho c510 n – promoção e merchandisingTrabalho c510 n – promoção e merchandising
Trabalho c510 n – promoção e merchandising
 
Trabalho 2 cca0426 - pesq de opinião e mercadológica
Trabalho 2   cca0426 - pesq de opinião e mercadológicaTrabalho 2   cca0426 - pesq de opinião e mercadológica
Trabalho 2 cca0426 - pesq de opinião e mercadológica
 
Trabalho c409 d convergência de mídias
Trabalho c409 d   convergência de mídiasTrabalho c409 d   convergência de mídias
Trabalho c409 d convergência de mídias
 
Trabalho 1 cca0426 - pesq de opinião e mercadológica
Trabalho 1   cca0426 - pesq de opinião e mercadológicaTrabalho 1   cca0426 - pesq de opinião e mercadológica
Trabalho 1 cca0426 - pesq de opinião e mercadológica
 
Trabalho c 711 n gestão de projetos
Trabalho c 711 n gestão de projetosTrabalho c 711 n gestão de projetos
Trabalho c 711 n gestão de projetos
 
Critério brasil 2015-2016
Critério brasil   2015-2016Critério brasil   2015-2016
Critério brasil 2015-2016
 
Remuneração de agências
Remuneração de agênciasRemuneração de agências
Remuneração de agências
 
Panorama das agencias digitais
Panorama das agencias digitaisPanorama das agencias digitais
Panorama das agencias digitais
 
Lei nº 4.680
Lei nº 4.680Lei nº 4.680
Lei nº 4.680
 
Livro Google Marketing
Livro Google MarketingLivro Google Marketing
Livro Google Marketing
 
Pesquisa brasileira de midia 2014
Pesquisa brasileira de midia 2014Pesquisa brasileira de midia 2014
Pesquisa brasileira de midia 2014
 
Pesquisa Descobrindo a Classe C
Pesquisa Descobrindo a Classe CPesquisa Descobrindo a Classe C
Pesquisa Descobrindo a Classe C
 
Legislação promoção de prêmios
Legislação promoção de prêmiosLegislação promoção de prêmios
Legislação promoção de prêmios
 
Legislação marco civil internet
Legislação marco civil internetLegislação marco civil internet
Legislação marco civil internet
 
C708 j livro landing pages na prática
C708 j livro landing pages na práticaC708 j livro landing pages na prática
C708 j livro landing pages na prática
 
Pesquisa agências digitais
Pesquisa agências digitaisPesquisa agências digitais
Pesquisa agências digitais
 
C708 j lei nº 4.680
C708 j lei nº 4.680C708 j lei nº 4.680
C708 j lei nº 4.680
 
C409 m texto entrevista o globo convergência
C409 m texto entrevista o globo convergênciaC409 m texto entrevista o globo convergência
C409 m texto entrevista o globo convergência
 

Fundamentos de gestão empresarial cap4

  • 1. Ensinar para administrar. Administrar para ensinar. E crescermos juntos! www.chiavenato.com
  • 2. Parte II Conhecimento Competitivo e Organizacional Capítulo 4 Intenção Estratégica
  • 3.
  • 4. Intenção Estratégica O que você verá neste capítulo : •Questões básicas da intenção estratégica •Missão organizacional •Definição preliminar do negócio •Redefinição do negócio •Visão organizacional •Ideologia central de organização •Públicos de interesse (Stakeholders) •Proposta de valor •Objetivos organizacionais •Conclusão
  • 5. Intenção Estratégica Objetivos de aprendizagem : •Discutir a intenção estratégica •Conceituar o propósito da organização, sua missão e sua visão de futuro •Conceituar o negócio da organização •Indicar a formação da ideologia central da organização •Mostrar o caminho da criação, desenvolvimento e difusão do valor
  • 6. Intenção Estratégica A intenção estratégica é o conhecimento da essência da organização e representa a alavancagem de todos os recursos internos, capacidades e habilidades de uma organização com a finalidade de cumprir suas metas no ambiente competitivo. É essa intenção estratégica que proporciona aos membros da organização, em todos os níveis e áreas, a justificativa para a entrega e dedicação na busca de um desempenho que seja único, significativo e superior com relação aos concorrentes. Isso somente será alcançado quando todas as pessoas da organização tiverem a crença fervorosa em seu produto ou serviço e forem lastreadas pela explícita ideologia organizacional.
  • 7. Clipping Competitivo Intenções Estratégicas Divulgadas Intel: Tornar-se o melhor fornecedor mundial para a indústria de computadores. Microsoft: Tornar-se as Páginas Amarelas de um mercado eletrônico de sistemas de informação on-line. Canon: Derrotar a Xerox. Honda: Tornar-se uma segunda Ford (empresa que ela identificou como pioneira na indústria automobilística). Latin World Entertainment: a maior empresa de entretenimento do segmento hispânico nos EUA, quer se tornar a referência número 1 como agência de talento para os grandes estúdios de Hollywood. Vale: Quer se tornar um grande global player de metais visando criar valor para seus acionistas e outros públicos de interesse.
  • 8. Questões Básicas da Intenção Estratégica Missão organizacional: Qual é o negócio da organização? Visão organizacional: Como o negócio da organização será no futuro? Valores organizacionais: O que é importante para a organização?
  • 9. Questões Básicas da Intenção Estratégica Stakeholders ou públicos de interesse: A quem interesse chegar a esses resultados? Quem são os públicos estratégicos da organização? Proposta de valor: Quais são os clientes e o que eles consideram valioso na organização, em seus produtos e serviços? Objetivos organizacionais: Quais serão os resultados esperados da organização?
  • 10. Missão Organizacional Missão organizacional é a declaração do propósito e de mercado e responde à questão: “Qual é o negócio da organização?” Ela se refere ao papel da organização dentro da sociedade em que está envolvida e indica a sua razão de ser e de existir. A missão da organização deve ser definida em termos de satisfazer a alguma necessidade do ambiente externo e não em termos de oferecer algum produto ou serviço. Deve contemplar os seguintes aspectos: a razão de ser da organização, o papel da organização na sociedade, a natureza do negócio da organização, o valor que a organização constrói para seus públicos de interesse e os tipos de atividades em que a organização deve concentrar seus esforços no futuro.
  • 11. Formulação da missão organizacional A declaração de missão (mission statement) da organização é um chamamento genérico para a ação e deve partir do pressuposto de que a organização como um todo se compromete com essa missão. A declaração da missão deve incorporar o mercado, fazendo referência às demandas genéricas da sociedade por energia, abrigo, comunicação, alimentação, transporte, entretenimento, saúde, etc. Porém, será preciso um entendimento geral, ainda que não-pontual, de suas competências essenciais que serão exercidas para o cumprimento da missão proposta.
  • 12. Formulação da missão organizacional Além do foco genérico de atuação da organização a missão organizacional deve pontuar os seguintes escopos competitivos:  Escopo setorial: indicando setores preferenciais de atuação  Escopo estendido dos produtos e serviços: fazendo referências, por exemplo, à qualidade ou aos serviços.  Escopo das competências: embasando a produção de produtos e serviços.  Escopo dos segmentos de atuação: a organização elege os segmentos prioritários de atendimento.  Escopo de verticalização: definindo o grau de integração ou terceirização dos processos.
  • 13. Por que a declaração da missão é importante?  Ajuda a concentrar o esforço das pessoas para uma direção, ao explicitar os principais compromissos da organização. Afasta o risco de buscar propósitos conflitantes, evitando desgastes e falta de foco durante a execução do plano estratégico. Fundamenta a alocação dos recursos segundo o escopo dado pela missão. Estabelece uma atitude de responsabilidades para a execução do plano estratégico ao definir as categorias de tarefas a serem cumpridas. Alinha a formulação das políticas à definição dos objetivos organizacionais.
  • 14. Banco de Idéias Declarações curtas, porém impactantes: Nike: Prover a emoção de competir e vencer. Sony: Aplicar a tecnologia em benefício da população. 3M: Resolver problemas não-solucionados de forma inovadora. Hewlett-Packard: Oferecer contribuições técnicas para o progresso e bem-estar da humanidade. Walt Disney: Tornar as pessoas felizes.
  • 15. Definição Preliminar do Negócio Ao definir o negócio, é necessário entender o produto ou o serviço total que o cliente está comprando e evitar a armadilha de olhar apenas para o produto físico oferecido. Um negócio pode ser definido em termos de três dimensões: 1.Mercados ou segmentos (necessidade e desejos dos clientes) 2.Setores de atuação (produtos e serviços) 3.Tecnologia e processos (excelência operacional)
  • 16. Redefinição do Negócio Quando mudam as condições de mercado ou quando durante longo tempo não se observou o direcionamento apontado pela missão organizacional, é chegada a hora de mudá-la, isto é, repensar os mercados de atuação e os produtos e serviços oferecidos e propor alterações. A atualização da missão se dá pela redefinição do negócio. Quando o ambiente contextual e o ambiente relacional exigirem, faz-se uma releitura da declaração da missão organizacional de modo a adequá-las às novas exigências e para assegurar à organização sua condição de atuar sobre aqueles ambientes considerados, uma abordagem que amplia potencialmente o escopo de suas operações ao longo do tempo.
  • 17. Visão Organizacional Visão organizacional ou, ainda, visão de futuro é o sonho acalentado pela organização. É a imagem com a qual ela se vê no futuro. É a explicação do porquê, diariamente, todos se levantam e dedicam a maior parte dos seus dias de sucesso da organização onde trabalham, onde investem ou fazem negócios. Deve atender às seguintes premissas:  Aderência aos fatos reais  Descrição concisa, porém poderosa  Equilíbrio para todos os grupos de interesse
  • 18. Alinhamento da Visão de Negócios  Esclarecer a todos os grupos de interesse a direção de negócios.  Descrever uma condição futura.  Motivar os grupos de interesse envolvidos a executarem as ações necessárias.  Oferecer o foco.  Inspirar as pessoas a trabalharem em direção a um conjunto integrado de objetivos
  • 19. Informação Privilegiada Visões Inspiradoras: Shell Oil “Necessidades de energia da humanidade satisfeitas.” Remete a uma visão de mundo sem problemas de energia, direcionando as atividades da empresa para o desenvolvimento de produtos e serviços que estejam relacionados com pesquisa e desenvolvimento, produção, distribuição e outros processos para o atendimento do mercado de energia.
  • 20. Informação Privilegiada Visões Inspiradoras: Bic “Produtos descartáveis.” Indica a preocupação da empresa em disponibilizar produtos e serviços práticos aos seus usuários.
  • 21. Informação Privilegiada Visões Inspiradoras: Coca-Cola “Matar a sede.” Isso explica o fato de a Coca-Cola atuar em diferentes categorias de bebidas.
  • 22. Elaboração da visão de negócios Primeiro esboço: declaração inicial de um único indivíduo refletindo seus sonhos e as demandas do mercado. Etapa de coalizão: O primeiro esboço é modelado no decorrer do tempo pela coalizão dos responsáveis pela organização ou por um grupo maior. Dinâmica de grupo (conversação estratégica): A elaboração descritiva da visão de negócios demanda uma condução profissional do trabalho em equipe, muitas vezes sendo necessário o isolamento, para que as emoções e ansiedades a respeito dos impactos da formulação da visão de negócios sejam explicitadas e trabalhadas.
  • 23. Elaboração da visão de negócios Desalinhamento do processo: não se pode esperar um avanço linear no processo de elaboração da visão de negócios. O avanço acontecerá, mas sempre dando dois passos para a frente, um para trás e às vezes, de lado. Duração: o assunto não acaba em uma reunião; esperase num processo disciplinado e prioritário a duração de meses, a partir do primeiro esboço. Produto final: o processo resulta em uma direção para o futuro, viável, focalizada, flexível e de fácil entendimento e comunicação.
  • 24. Ideologia Central da Organização Ideologia central da organização é idealizada de dentro para fora independentemente do ambiente constituída pelos princípios e valores seus objetivos missionários. uma construção da organização, externo, sendo organizacionais e Ideologia: do grego idea, idéia + logos, tratado; significa a maneira de pensar que caracteriza um indivíduo, grupo de pessoas ou organização. A ideologia central de uma organização envolve princípios e valores organizacionais.
  • 25. Públicos de Interesse (stakeholders) São grupos estratégicos que pervagam uma determinada organização. Cada organização é um sistema que congrega vários públicos de interesse, ou seja, partes interessadas, intervenientes com os quais estabelece suas relações. Uma organização que pretende ter uma existência estável e duradoura deve atender simultânea e equilibradamente às demandas de todas as suas partes interessadas. Uma missão organizacional bem elaborada deve procurar satisfazer as demandas dos mais diferentes públicos de interesse.
  • 27. Proposta de Valor O valor total para o cliente corresponde à soma de benefícios que ele espera receber pelo uso de um produto ou serviço, ou pela aceitação de um conceito. O custo total para o cliente é representado por todos os custos relacionados a avaliar, obter, utilizar e descartar o produto, serviço ou conceito. Por outro lado, a organização precisa ter uma idéia de como sua oferta é avaliada e valorizada em comparação com a oferta concorrente.
  • 28. Criação, Desenvolvimento e Difusão de Valor 1. Criação ou identificação do valor: produzindo inovações estratégicas em produtos, processos e modelagem de negócios (a partir do desenvolvimento de um profundo conhecimento do perfil e das demandas dos mais diferentes segmentos e mercados). 2. Desenvolvimento e entrega do valor: capturando os resultados estratégicos esperados (a partir da execução do processo de planejamento estratégico). 3. Alinhamento das pessoas aos valores criados: liderando e motivando colaboradores e parceiros na mudança e incentivando o alto desempenho.
  • 29. Informação Privilegiada Criação de valor, hoje e amanhã A liderança de mercado hoje não significa a liderança de mercado amanhã. Quando se avalia a capacidade da organização de aproveitar as oportunidades de valor que aparecem é interessante percorrer a lista de checagem (check-list) e considerar o conhecimento disponível do momento.
  • 30. Objetivos Organizacionais  Servem como padrões através dos quais os públicos de interesse da organização podem avaliar o êxito da organização, sua eficiência e seu rendimento em relação aos objetivos pretendidos.  Servem como unidade de medida para que os públicos de interesse possam medir e comparar a produtividade e o sucesso da organização, seja no tempo, seja em relação aos concorrentes.  Funcionam como aglutinadores de esforços, isto é, esforços como elementos de convergência de atividades e de direcionamento de esforços para que os vários públicos de interesse possam se integrar de maneira coordenada.
  • 31. Conclusões A intenção estratégica constitui o ponto de partida para uma visão e ação estratégica da organização. Contudo, apesar de mobilizar as pessoas e impulsionar a organização, ela é insuficiente para os dias atuais. É preciso que ela seja convertida em um planejamento estratégico através do exame das condições ambientais e das condições organizacionais e de suas decorrências futuras para que sejam estabelecidos os objetivos pretendidos pela organização e definidas as estratégias no sentido de alcançá-los adequadamente. Este é o caminho do planejamento estratégico.
  • 32. Passeio pela Internet: Identificação de sites interessantes para consulta dos temas tratados: A Companhia Vale do Rio Doce explicita em seu site suas políticas para o atendimento das demandas de seus diferentes públicos de interesse, mostrando o cuidado estratégico com que eles são avaliados pela empresa: http://www.vale.com/vale/cgi/cgilua.exe/sys/start.htm?si