SlideShare uma empresa Scribd logo
Filosofia do cotidiano
escolar:
porumdiagnóstico do
senso comumpedagógico
(LUCKESI, 1994)
 O professor, na sala de aula, tem uma filosofia
que compreende e orienta a sua ação?
 Se tem essa filosofia, como ela se configura –
quais são seus elementos constitutivos e de
compreensão da realidade?
 Em princípio e genericamente falando, o dia-
a-dia do educador escolar tem por base não
uma filosofia criticamente construída, mas sim
um se nso co m um que foi adquirido, ao longo
do tempo, por acúmulo espontâneo de
experiências e por introjeção acrítica de
conceitos, valores e entendimentos vigentes e
dominantes no seu meio.
 No geral, a ação pedagógica cotidiana escolar
vem sendo realizada se m um a m e ditação
crítica sobre o que se está fazendo: seu
sentido, significado e finalidade.
1. Osenso comum
 O senso comum é formado por conceitos,
significados e valores que adquirimos
espontaneamente, pela convivência, no
ambiente em que vivemos; construindo “uma
visão de mundo”, fragmentária e, por vezes,
contraditória.
 O senso comum nasce desse processo de
“acostumar-se” a uma explicação ou
compreensão da realidade, sem que ela seja
questionada. Mais do que uma interpretação
adequada da realidade, ele é uma “forma de
ver” a realidade – mítica, espontânea, acrítica.
1. Osenso comum
 Mas será que tudo é senso comum no dia-a-dia das
pessoas?
 No seio do senso comum, ocorre o “bom senso”, que
se compõe de fragmentos de criticidade que
emergem no contexto dessas configurações. Nem
tudo no senso comum é ingenuidade.
 O ideal seria que o todo da compreensão e da
conduta de cada pessoa se desse de modo crítico,
coerente, sistematizado.
1. Osenso comum
 Hoje, fazendo uma afirmação genérica,
podemos dizer que, na prática pedagógica,
impera o senso comum. Será que, para
direcionarmos nossos trabalhos pedagógicos,
temos permanentemente nos perguntado
quem é o educando e o que ele significa? Que
é o conhecimento? Que são os conteúdos
veiculados em nossas aulas? Será que
questionamos o material didático que
utilizamos?
1. Osenso comum
 Parece que, em vez de nos questionarmos, nos
acostumamos e nos adaptamos às explicações e
compreensões que foram sendo passadas de uma
geração a outra através da palavra, através dos
gestos e da convivência.
 Em educação, dificilmente, nos perguntamos se
esses entendimentos têm algum fundamento. Por
vezes nem mesmo tomamos consciência de que
somos direcionados por algum entendimento. Parece-
nos tão “natural” agir assim, que não nos importa
questionar. Seguimos certos princípios sem
questioná-los e muito menos nos perguntamos se
seriam esses os que gostaríamos de perseguir como
2. Osenso comumpedagógico
 EDUCADOR
 Quem é o educador no processo educativo
escolar?
 Qual é a função do educador?
2. Osenso comumpedagógico
 Em geral, e a não ser numa minoria de casos, parece
que o senso comum é o seguinte: para ser professor
no sistema de ensino escolar, basta tomar um certo
conteúdo, preparar-se para apresentá-lo ou dirigir o
seu estudo; ir para uma sala de aula, tomar conta de
uma turma de alunos e efetivar o ritual da docência:
apresentação de conteúdos, controle dos alunos,
avaliação da aprendizagem, disciplinamento etc.
 Ou seja, a atividade de docência tornou-se uma rotina
comum, sem que se pergunte se ela implica ou não
decisões contínuas, constantes e precisas, a partir de
um conhecimento adequado das implicações do
processo educativo na sociedade.
2. Osenso comumpedagógico
 A ação docente tem sentido e significado.
 Assim, se não buscarmos o sentido e o
significado crítico, consciente e explícito da
ação docente, seguimos o sentido e o
significado dominante desse entendimento
que se tornou senso comum.
2. Osenso comumpedagógico
 EDUCANDO
 Como os professores concebem o educando?
 Um dos sujeitos do processo educativo?
 Quem é ele?
 Qual a sua dimensão?
 Qual o seu papel no processo de ensino-
aprendizagem?
2. Osenso comumpedagógico
 Que elementos caracterizam o senso comum
pedagógico sobre o educando?
A1 ) O e ducando é um se r passivo .
Não é que o aluno se ja pro priam e nte
passivo ; m as, se g undo o se nso co m um ,
de ve sê -lo . Em geral, os atos e condutas dos
professores dão a entender que eles q ue re m
que os alunos sejam passivos, pois os ativos
“dão trabalho”, seja na disciplina
comportamental, seja na disciplina
intelectual.
2. Osenso comumpedagógico
A2) O e ducando de ve se r ativo se m pre .
 Todavia, não se tem muita clareza sobre o que se
compreende como um aluno “ativo”. Por vezes, ativo
têm sido designados os educandos que se agitam
durante as atividades escolares.
 Com isso, esquece-se de verificar que o modo de ser
ativo depende do conteúdo com o qual se esteja
trabalhando.
 Conteúdo referente a uma atividade física = será ativo
o aluno que a praticou.
 Conteúdo referente a uma atividade intelectual = a
atividade será mental.
2. Osenso comumpedagógico
B) O e ducando é um se r de pe nde nte do
e ducado r: desde o que deve aprender até o
que deve responder.
Será mesmo que o educando é tão
dependente assim?
Será que o querer do professor e do
educando não podem ser permeados pela
busca de um entendimento, novo e superior,
através da discussão entre ambos?
2. Osenso comumpedagógico
C) O e ducando é um se r incapaz de criar. Ele tem que
reter e repetir os conhecimentos e não inventá-los.
Lema: “fazer as coisas como o professor quer”.
A ação pedagógica, na maior parte das vezes, está
pautada pela ideia de que o aluno é incapaz de criar,
é um inválido do ponto de vista intelectual. Toda vez
que o educando tenta sair do esquema do dia-a-dia, é
cerceado de diversas maneiras.
2. Osenso comumpedagógico
D) O e ducando é um suje ito incapaz de julg am e nto
so bre si m e sm o e so bre sua apre ndizag e m .
No momento da avaliação, na maior parte das vezes,
o professor nem sequer dá ao educando a
oportunidade de verificar o que não conseguiu
aprender, nem por que não conseguiu aprender.
Será que o aluno não merece um momento de troca
de ideias e entendimento sobre seus avanços e suas
dificuldades?
2. Osenso comumpedagógico
E) O e ducando é um e le m e nto iso lado de tudo o
m ais q ue o ce rca.
O educando é considerado sem vínculos com
a natureza, com o ambiente sócio-cultural,
com a história, com a sociedade; sem
vinculação com a sua natureza ativa.
2. Osenso comumpedagógico
 Há uma contradição entre essas condutas
educacionais e aquilo que os educadores dizem.
Todos dizem que desejam educandos ativos,
criativos, autônomos, capazes de decisão etc. porém,
as ações educativas, enquanto atos educativos,
mostram o contrário. O senso comum tornou-se
hegemônico – agimos co m e po r ele, sem nos
perguntarmos sobre sua significação e validade. Só
com a tomada de consciência desses elementos do
senso comum – e com sua superação – poderemos
chegar a uma nova compreensão do educando,
dando um salto à frente.
2. Osenso comumpedagógico
 O CONHECIMENTO E SEU PROCESSO
 O que é o conhecimento? Qual é o seu
processo de apropriação e construção?
 Segundo o senso comum: “O conhecimento
parece ser o conjunto de informações que são
apresentadas ou lidas no livro-texto e o
pro ce sso parece ter sido o de reter essas
informações na memória para depois repeti-
las.”
2. Osenso comumpedagógico
 Conhecimento é uma forma de entendimento
da realidade.
 Para isso, é claro, podemos e devemos nos
utilizar do saber que a humanidade nos legou.
Eles são nossos auxiliares na compreensão da
realidade.
 Mas o que importa é a compreensão da
realidade.
2. O senso comum pedagógico
 O processo de conhecimento é ativo e ocorre
a partir da assimilação ativa dos
conhecimentos já estabelecidos e da
construção ativa de novas compreensões da
realidade e não por meio da retenção
padronizada de “lições”.
2. Osenso comumpedagógico
2. Osenso comumpedagógico
 O CONTEÚDO A SERASSIMILADO
 Os conteúdos dos livros-textos não são os
melhores e os mais corretos. No entanto, nos
baseamos neles para ensinar e avaliar nossos
alunos.
 Ou seja, ao nos basearmos no senso comum
estabelecido sobre os conteúdos que
ensinamos, passamos a exigir que nossos
alunos adquiram conhecimentos errados da
realidade. Se não errados, ao menos
distorcidos.
2. Osenso comumpedagógico
 O senso comum pedagógico toma por ve rdade
aquilo que é uma fo rm a de interpretar a
realidade.
 Exemplo: Pedro Álvares Cabral “descobriu” o
Brasil.
 Descobriu ou invadiu?
 Foi o Pedro Álvares Cabral ou a classe
dominante portuguesa através de Cabral?
2. Osenso comumpedagógico
 Devido às muitas críticas que se tem feito aos
desvios dos conteúdos de ensino, uma
posição oposta e ingênua tem sido tomada: a
de que não vale a pena ensinar conteúdo
algum e deixar que os alunos reflitam sobre o
seu dia-a-dia, para que “tomem consciência”
dele. Com isso, praticamente, passou-se a
não ensinar nada.
2. Osenso comumpedagógico
 Não é porque muitos dos atuais conteúdos
ensinados possuam desvios que não se deva
ensinar conteúdo algum.
 O que importa é recuperar o sentido
adequado dos conteúdos escolares e passar
a trabalhar a partir deles.
2. Osenso comumpedagógico
 MATERIAL DIDÁTICO
 Qual o significado do livro didático na prática
pedagógica escolar?
 No geral, ele tem sido assumido como uma
“bíblia”, ou seja, como um livro sagrado: tudo o
que está escrito nele se assume como
verdade.
 Deve ser essa a atitude a ser assumida diante
do livro didático?
 Será que ele não contém inverdades,
reduções e desvios de conhecimentos?
2. Osenso comumpedagógico
 Será que os livros didáticos merecem todo esse
respeito e submissão?
 Ou será que devem ser usados sempre de uma forma
crítica, como um ponto de partida a ser abordado,
discutido, questionado, duvidado?
 Os livros didáticos podem e devem ser utilizados com
criticidade, ultrapassando os elementos do senso
comum e os próprios limites desses livros.
2. Osenso comumpedagógico
 MÉTODOS E PROCEDIMENTOS DE ENSINO
 Os métodos de ensino presentes nos
planejamentos decorrem de uma reflexão
teórica, objetiva e consciente ou emergiram do
“costume” de dizer que os métodos de ensino
são esses?
2. Osenso comumpedagógico
 Os planejamentos são produzidos como
preenchimento de um formulário no início do
ano letivo. A atividade é assumida como se
fosse planejamento, mas é executada como
um preenchimento de formulário.
 O planejamento seria o m o m e nto de cisivo
sobre o que fazer; um momento de definição
política e científica da ação pedagógica, no
caso da educação.
2. Osenso comumpedagógico
 Há a necessidade de estudar que
procedimentos e que atividades possibilitarão,
da melhor forma, que nossos alunos atinjam o
objetivo de aprender o melhor possível
daquilo que estamos pretendendo ensinar.
3. Razões da permanência do senso comum
 O senso comum é uma configuração
espontânea, fragmentária e acrítica do
pensamento e do entendimento.
 Então, por que permanece em nosso meio,
oferecendo compreensão e direcionamento
para muitas ações humanas, inclusive a
prática escolar?
3. Razões da permanência do senso comum
 O conhecimento objetivo oferece um patamar
importante de consciência da realidade.
 As classes dominantes e seus representantes
preferem a manutenção e a reprodução da situação
na qual se encontram, o chamado status q uo .
 Assim, para os setores dominantes e conservadores
da sociedade, interessa que o senso comum impere
em muitos cantos da vida social e cultural,
especialmente naqueles que se destinam às grandes
massas, como é o caso da educação.
3. Razões da permanência do senso comum
 A instituição escolar não poderá, segundo um
ponto de vista conservador, trabalhar na base
do senso crítico, mas sim com base no senso
comum, pois este dá maiores possibilidades
de manipulação, devido às mistificações que
propicia e mantém.
 O senso comum é o meio fundamental para a
proliferação da manipulação de informações,
das condutas e dos atos políticos e sociais dos
dirigentes e dos setores dominantes da
sociedade.
3. Razões da permanência do senso comum
 Uma educação realizada com base em princípios do
senso comum só poderá estar a serviço de uma
perspectiva social dominante.
 A prática educacional não poderia nem deveria, de
forma alguma, atuar com base em elementos do
senso comum, pois tem o objetivo de formar
consciências críticas, capazes de compreender,
propor e agir em função de novas perspectivas de
vidas.
Filosofia do cotidiano escolar

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Paulo Freire - cap 2 de Pedagogia da Autonomia
Paulo Freire - cap 2 de Pedagogia da AutonomiaPaulo Freire - cap 2 de Pedagogia da Autonomia
Paulo Freire - cap 2 de Pedagogia da Autonomia
AkarynaA
 
A literatura infantil na escola
A literatura infantil na escolaA literatura infantil na escola
A literatura infantil na escola
UESPI - PI
 
Curriculo
CurriculoCurriculo
Relatório do pibid
Relatório do pibidRelatório do pibid
Relatório do pibid
Renato Feliciano
 
Tendência progressista libertária
Tendência progressista libertáriaTendência progressista libertária
Tendência progressista libertária
GoretteFonseca2
 
As concepções de criança e infância como norteadores de uma prática pedagógica
As concepções de criança e infância como norteadores de uma prática pedagógicaAs concepções de criança e infância como norteadores de uma prática pedagógica
As concepções de criança e infância como norteadores de uma prática pedagógica
Marilia Pires
 
Andragogia apresentação
Andragogia apresentaçãoAndragogia apresentação
Andragogia apresentação
Elisabete DSOP
 
Slides Tendência Pedagógica Renovada Progressivista
Slides Tendência Pedagógica Renovada Progressivista Slides Tendência Pedagógica Renovada Progressivista
Slides Tendência Pedagógica Renovada Progressivista
Ana Mara Oliveira de Sousa
 
Importância do estágio
Importância do estágioImportância do estágio
Importância do estágio
gmonteiro1975
 
Pedagogia Renovada
Pedagogia RenovadaPedagogia Renovada
Pedagogia Renovada
Lourienny Ellen
 
Avaliação mediadora -_jussara_hoffmann
Avaliação mediadora -_jussara_hoffmannAvaliação mediadora -_jussara_hoffmann
Avaliação mediadora -_jussara_hoffmann
Docência "in loco"
 
Antropologia e educação2223
Antropologia e educação2223Antropologia e educação2223
Antropologia e educação2223
Ricardo Castro
 
Conhecendo a didática
Conhecendo a didáticaConhecendo a didática
1.processo de ensino e aprendizagem
1.processo de ensino e aprendizagem1.processo de ensino e aprendizagem
1.processo de ensino e aprendizagem
Alba Mate Mate
 
Epistemologia introdução
Epistemologia   introduçãoEpistemologia   introdução
Epistemologia introdução
João Paulo Rodrigues
 
Gestão de sala de aula
Gestão de sala de aula Gestão de sala de aula
Gestão de sala de aula
mtolentino1507
 
TENDÊNCIAS PEDAGOGICAS NA PRÁTICA ESCOLAR
TENDÊNCIAS PEDAGOGICAS NA PRÁTICA ESCOLARTENDÊNCIAS PEDAGOGICAS NA PRÁTICA ESCOLAR
TENDÊNCIAS PEDAGOGICAS NA PRÁTICA ESCOLAR
Andrea Maria de Jesus
 
1.9 quadro sintese das tendências pedagógicas (1)
1.9 quadro sintese das tendências pedagógicas (1)1.9 quadro sintese das tendências pedagógicas (1)
1.9 quadro sintese das tendências pedagógicas (1)
Eduardo Lopes
 
Psicologia do desenvolvimento e da aprendizagem
Psicologia do desenvolvimento e da aprendizagemPsicologia do desenvolvimento e da aprendizagem
Psicologia do desenvolvimento e da aprendizagem
Débora Silveira
 
Pcns.
Pcns.Pcns.

Mais procurados (20)

Paulo Freire - cap 2 de Pedagogia da Autonomia
Paulo Freire - cap 2 de Pedagogia da AutonomiaPaulo Freire - cap 2 de Pedagogia da Autonomia
Paulo Freire - cap 2 de Pedagogia da Autonomia
 
A literatura infantil na escola
A literatura infantil na escolaA literatura infantil na escola
A literatura infantil na escola
 
Curriculo
CurriculoCurriculo
Curriculo
 
Relatório do pibid
Relatório do pibidRelatório do pibid
Relatório do pibid
 
Tendência progressista libertária
Tendência progressista libertáriaTendência progressista libertária
Tendência progressista libertária
 
As concepções de criança e infância como norteadores de uma prática pedagógica
As concepções de criança e infância como norteadores de uma prática pedagógicaAs concepções de criança e infância como norteadores de uma prática pedagógica
As concepções de criança e infância como norteadores de uma prática pedagógica
 
Andragogia apresentação
Andragogia apresentaçãoAndragogia apresentação
Andragogia apresentação
 
Slides Tendência Pedagógica Renovada Progressivista
Slides Tendência Pedagógica Renovada Progressivista Slides Tendência Pedagógica Renovada Progressivista
Slides Tendência Pedagógica Renovada Progressivista
 
Importância do estágio
Importância do estágioImportância do estágio
Importância do estágio
 
Pedagogia Renovada
Pedagogia RenovadaPedagogia Renovada
Pedagogia Renovada
 
Avaliação mediadora -_jussara_hoffmann
Avaliação mediadora -_jussara_hoffmannAvaliação mediadora -_jussara_hoffmann
Avaliação mediadora -_jussara_hoffmann
 
Antropologia e educação2223
Antropologia e educação2223Antropologia e educação2223
Antropologia e educação2223
 
Conhecendo a didática
Conhecendo a didáticaConhecendo a didática
Conhecendo a didática
 
1.processo de ensino e aprendizagem
1.processo de ensino e aprendizagem1.processo de ensino e aprendizagem
1.processo de ensino e aprendizagem
 
Epistemologia introdução
Epistemologia   introduçãoEpistemologia   introdução
Epistemologia introdução
 
Gestão de sala de aula
Gestão de sala de aula Gestão de sala de aula
Gestão de sala de aula
 
TENDÊNCIAS PEDAGOGICAS NA PRÁTICA ESCOLAR
TENDÊNCIAS PEDAGOGICAS NA PRÁTICA ESCOLARTENDÊNCIAS PEDAGOGICAS NA PRÁTICA ESCOLAR
TENDÊNCIAS PEDAGOGICAS NA PRÁTICA ESCOLAR
 
1.9 quadro sintese das tendências pedagógicas (1)
1.9 quadro sintese das tendências pedagógicas (1)1.9 quadro sintese das tendências pedagógicas (1)
1.9 quadro sintese das tendências pedagógicas (1)
 
Psicologia do desenvolvimento e da aprendizagem
Psicologia do desenvolvimento e da aprendizagemPsicologia do desenvolvimento e da aprendizagem
Psicologia do desenvolvimento e da aprendizagem
 
Pcns.
Pcns.Pcns.
Pcns.
 

Destaque

Filosofia e educação
Filosofia e educaçãoFilosofia e educação
Filosofia e educação
Anderson رودريغز
 
O cotidiano escolar
O cotidiano escolarO cotidiano escolar
O cotidiano escolar
mariavalezin
 
Filosofia e o valor do conhecimento
Filosofia e o valor do conhecimentoFilosofia e o valor do conhecimento
Filosofia e o valor do conhecimento
edsonfgodoy
 
Filosofia da educação até semana 4
Filosofia da educação   até semana 4Filosofia da educação   até semana 4
Filosofia da educação até semana 4
Roxana Alhadas
 
Discussão 1
Discussão 1Discussão 1
Discussão 1
EdileideSantosAlves
 
Discussão 4
Discussão 4Discussão 4
Discussão 4
EdileideSantosAlves
 
Dicussão 5
Dicussão 5Dicussão 5
Dicussão 5
EdileideSantosAlves
 
Discussao 2
Discussao 2Discussao 2
Discussao 2
EdileideSantosAlves
 
Discussão 3
Discussão 3Discussão 3
Discussão 3
EdileideSantosAlves
 
Seminario 3
Seminario 3Seminario 3
Seminario 3
EdileideSantosAlves
 
Seminario 4
Seminario 4Seminario 4
Seminario 4
EdileideSantosAlves
 
Seminario 5
Seminario 5Seminario 5
Seminario 5
EdileideSantosAlves
 
Seminario 2
Seminario 2Seminario 2
Seminario 2
EdileideSantosAlves
 
Seminario 1
Seminario 1Seminario 1
Seminario 1
EdileideSantosAlves
 
Filosofia para-principiantes
Filosofia para-principiantesFilosofia para-principiantes
Filosofia para-principiantes
Guillermo Alejandro Ivarra
 
01 -rius_-_filosofia_para_principiantes
01  -rius_-_filosofia_para_principiantes01  -rius_-_filosofia_para_principiantes
01 -rius_-_filosofia_para_principiantes
AcaFilos Iztapalapa
 
Filosofia da educação
Filosofia da educaçãoFilosofia da educação
Filosofia da educação
Oswaldo Michaelano
 
Power point da filosofia da educaçao
Power point da filosofia da educaçaoPower point da filosofia da educaçao
Power point da filosofia da educaçao
Gisele Boucherville
 
A escola como agente de socialização
A escola como agente de socializaçãoA escola como agente de socialização
A escola como agente de socialização
Inez Rocha
 
Filosofia passagem do mito para a razão
Filosofia passagem do mito para a razãoFilosofia passagem do mito para a razão
Filosofia passagem do mito para a razão
Luanna Karolyne
 

Destaque (20)

Filosofia e educação
Filosofia e educaçãoFilosofia e educação
Filosofia e educação
 
O cotidiano escolar
O cotidiano escolarO cotidiano escolar
O cotidiano escolar
 
Filosofia e o valor do conhecimento
Filosofia e o valor do conhecimentoFilosofia e o valor do conhecimento
Filosofia e o valor do conhecimento
 
Filosofia da educação até semana 4
Filosofia da educação   até semana 4Filosofia da educação   até semana 4
Filosofia da educação até semana 4
 
Discussão 1
Discussão 1Discussão 1
Discussão 1
 
Discussão 4
Discussão 4Discussão 4
Discussão 4
 
Dicussão 5
Dicussão 5Dicussão 5
Dicussão 5
 
Discussao 2
Discussao 2Discussao 2
Discussao 2
 
Discussão 3
Discussão 3Discussão 3
Discussão 3
 
Seminario 3
Seminario 3Seminario 3
Seminario 3
 
Seminario 4
Seminario 4Seminario 4
Seminario 4
 
Seminario 5
Seminario 5Seminario 5
Seminario 5
 
Seminario 2
Seminario 2Seminario 2
Seminario 2
 
Seminario 1
Seminario 1Seminario 1
Seminario 1
 
Filosofia para-principiantes
Filosofia para-principiantesFilosofia para-principiantes
Filosofia para-principiantes
 
01 -rius_-_filosofia_para_principiantes
01  -rius_-_filosofia_para_principiantes01  -rius_-_filosofia_para_principiantes
01 -rius_-_filosofia_para_principiantes
 
Filosofia da educação
Filosofia da educaçãoFilosofia da educação
Filosofia da educação
 
Power point da filosofia da educaçao
Power point da filosofia da educaçaoPower point da filosofia da educaçao
Power point da filosofia da educaçao
 
A escola como agente de socialização
A escola como agente de socializaçãoA escola como agente de socialização
A escola como agente de socialização
 
Filosofia passagem do mito para a razão
Filosofia passagem do mito para a razãoFilosofia passagem do mito para a razão
Filosofia passagem do mito para a razão
 

Semelhante a Filosofia do cotidiano escolar

Resumo do livro de paulo freire pedagogia da autonomia
Resumo do livro de paulo freire pedagogia da autonomiaResumo do livro de paulo freire pedagogia da autonomia
Resumo do livro de paulo freire pedagogia da autonomia
Joka Luiz
 
Resumo do livro pedagogia de autonomia
Resumo do livro pedagogia de autonomiaResumo do livro pedagogia de autonomia
Resumo do livro pedagogia de autonomia
Marciafaria13
 
Freire, paulo pedagogia da autonomia
Freire, paulo    pedagogia da autonomiaFreire, paulo    pedagogia da autonomia
Freire, paulo pedagogia da autonomia
marcaocampos
 
Metodos pres.pptx
Metodos pres.pptxMetodos pres.pptx
Metodos pres.pptx
Leniomar Morais
 
Metodologia Dialética em Sala de Aula
Metodologia Dialética em Sala de AulaMetodologia Dialética em Sala de Aula
Metodologia Dialética em Sala de Aula
Mary Carneiro Rezende
 
Teorias de aprendizagem.sintese
Teorias de aprendizagem.sinteseTeorias de aprendizagem.sintese
Teorias de aprendizagem.sintese
Eduardo Lopes
 
O papel-do-professor-na-promocao-da-aprendizagem-significativa-julio-cesar-fu...
O papel-do-professor-na-promocao-da-aprendizagem-significativa-julio-cesar-fu...O papel-do-professor-na-promocao-da-aprendizagem-significativa-julio-cesar-fu...
O papel-do-professor-na-promocao-da-aprendizagem-significativa-julio-cesar-fu...
PROIDDBahiana
 
Didática III
Didática IIIDidática III
Didática III
Robert Cesar
 
Vida e obra de johnn dewey
Vida e obra de johnn deweyVida e obra de johnn dewey
Vida e obra de johnn dewey
Sonia Ricardo
 
Portfolio
PortfolioPortfolio
Portfolio
PortfolioPortfolio
Portfolio
PortfolioPortfolio
Portfolio
PortfolioPortfolio
Teorias da aprendizagem
Teorias da aprendizagemTeorias da aprendizagem
Teorias da aprendizagem
Vânia Oliveira
 
55586200 teorias-da-aprendizagem-aula
55586200 teorias-da-aprendizagem-aula55586200 teorias-da-aprendizagem-aula
55586200 teorias-da-aprendizagem-aula
Patricia Mendes
 
Professor Reflexivo 2
Professor Reflexivo 2Professor Reflexivo 2
Professor Reflexivo 2
Marlova Balke
 
Apostila teorias da aprendizagem para a prática pedagógica
Apostila  teorias da aprendizagem para a prática pedagógicaApostila  teorias da aprendizagem para a prática pedagógica
Apostila teorias da aprendizagem para a prática pedagógica
Fátima Noronha
 
O Papel Do Professor
O Papel Do ProfessorO Papel Do Professor
O Papel Do Professor
Mary Carneiro
 
Apostila teorias da aprendizagem para a prática pedagógica
Apostila  teorias da aprendizagem para a prática pedagógicaApostila  teorias da aprendizagem para a prática pedagógica
Apostila teorias da aprendizagem para a prática pedagógica
Fátima Noronha
 
Aprender a Aprender
Aprender a AprenderAprender a Aprender
Aprender a Aprender
Rodrigo Pinto
 

Semelhante a Filosofia do cotidiano escolar (20)

Resumo do livro de paulo freire pedagogia da autonomia
Resumo do livro de paulo freire pedagogia da autonomiaResumo do livro de paulo freire pedagogia da autonomia
Resumo do livro de paulo freire pedagogia da autonomia
 
Resumo do livro pedagogia de autonomia
Resumo do livro pedagogia de autonomiaResumo do livro pedagogia de autonomia
Resumo do livro pedagogia de autonomia
 
Freire, paulo pedagogia da autonomia
Freire, paulo    pedagogia da autonomiaFreire, paulo    pedagogia da autonomia
Freire, paulo pedagogia da autonomia
 
Metodos pres.pptx
Metodos pres.pptxMetodos pres.pptx
Metodos pres.pptx
 
Metodologia Dialética em Sala de Aula
Metodologia Dialética em Sala de AulaMetodologia Dialética em Sala de Aula
Metodologia Dialética em Sala de Aula
 
Teorias de aprendizagem.sintese
Teorias de aprendizagem.sinteseTeorias de aprendizagem.sintese
Teorias de aprendizagem.sintese
 
O papel-do-professor-na-promocao-da-aprendizagem-significativa-julio-cesar-fu...
O papel-do-professor-na-promocao-da-aprendizagem-significativa-julio-cesar-fu...O papel-do-professor-na-promocao-da-aprendizagem-significativa-julio-cesar-fu...
O papel-do-professor-na-promocao-da-aprendizagem-significativa-julio-cesar-fu...
 
Didática III
Didática IIIDidática III
Didática III
 
Vida e obra de johnn dewey
Vida e obra de johnn deweyVida e obra de johnn dewey
Vida e obra de johnn dewey
 
Portfolio
PortfolioPortfolio
Portfolio
 
Portfolio
PortfolioPortfolio
Portfolio
 
Portfolio
PortfolioPortfolio
Portfolio
 
Portfolio
PortfolioPortfolio
Portfolio
 
Teorias da aprendizagem
Teorias da aprendizagemTeorias da aprendizagem
Teorias da aprendizagem
 
55586200 teorias-da-aprendizagem-aula
55586200 teorias-da-aprendizagem-aula55586200 teorias-da-aprendizagem-aula
55586200 teorias-da-aprendizagem-aula
 
Professor Reflexivo 2
Professor Reflexivo 2Professor Reflexivo 2
Professor Reflexivo 2
 
Apostila teorias da aprendizagem para a prática pedagógica
Apostila  teorias da aprendizagem para a prática pedagógicaApostila  teorias da aprendizagem para a prática pedagógica
Apostila teorias da aprendizagem para a prática pedagógica
 
O Papel Do Professor
O Papel Do ProfessorO Papel Do Professor
O Papel Do Professor
 
Apostila teorias da aprendizagem para a prática pedagógica
Apostila  teorias da aprendizagem para a prática pedagógicaApostila  teorias da aprendizagem para a prática pedagógica
Apostila teorias da aprendizagem para a prática pedagógica
 
Aprender a Aprender
Aprender a AprenderAprender a Aprender
Aprender a Aprender
 

Último

O sentimento nacional brasiliero, segundo o historiador Jose Murlo de Carvalho
O sentimento nacional brasiliero, segundo o historiador Jose Murlo de CarvalhoO sentimento nacional brasiliero, segundo o historiador Jose Murlo de Carvalho
O sentimento nacional brasiliero, segundo o historiador Jose Murlo de Carvalho
analuisasesso
 
Forças e leis de Newton 2024 - parte 1.pptx
Forças e leis de Newton 2024 - parte 1.pptxForças e leis de Newton 2024 - parte 1.pptx
Forças e leis de Newton 2024 - parte 1.pptx
Danielle Fernandes Amaro dos Santos
 
Egito antigo resumo - aula de história.pdf
Egito antigo resumo - aula de história.pdfEgito antigo resumo - aula de história.pdf
Egito antigo resumo - aula de história.pdf
sthefanydesr
 
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantilVogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
mamaeieby
 
“A classe operária vai ao paraíso os modos de produzir e trabalhar ao longo ...
“A classe operária vai ao paraíso  os modos de produzir e trabalhar ao longo ...“A classe operária vai ao paraíso  os modos de produzir e trabalhar ao longo ...
“A classe operária vai ao paraíso os modos de produzir e trabalhar ao longo ...
AdrianoMontagna1
 
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
Mary Alvarenga
 
Slides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptx
Slides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptxSlides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptx
Slides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Fernão Lopes. pptx
Fernão Lopes.                       pptxFernão Lopes.                       pptx
Fernão Lopes. pptx
TomasSousa7
 
CADERNO DE CONCEITOS E ORIENTAÇÕES DO CENSO ESCOLAR 2024.pdf
CADERNO DE CONCEITOS E ORIENTAÇÕES DO CENSO ESCOLAR 2024.pdfCADERNO DE CONCEITOS E ORIENTAÇÕES DO CENSO ESCOLAR 2024.pdf
CADERNO DE CONCEITOS E ORIENTAÇÕES DO CENSO ESCOLAR 2024.pdf
NatySousa3
 
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - AlfabetinhoAtividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
MateusTavares54
 
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdfUFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
Manuais Formação
 
Especialidade - Animais Ameaçados de Extinção(1).pdf
Especialidade - Animais Ameaçados de Extinção(1).pdfEspecialidade - Animais Ameaçados de Extinção(1).pdf
Especialidade - Animais Ameaçados de Extinção(1).pdf
DanielCastro80471
 
Aula história , caracteristicas e esteriótipos em relação a DANÇA DE SALAO.pptx
Aula história , caracteristicas e esteriótipos em relação a DANÇA DE SALAO.pptxAula história , caracteristicas e esteriótipos em relação a DANÇA DE SALAO.pptx
Aula história , caracteristicas e esteriótipos em relação a DANÇA DE SALAO.pptx
edivirgesribeiro1
 
Potenciação e Radiciação de Números Racionais
Potenciação e Radiciação de Números RacionaisPotenciação e Radiciação de Números Racionais
Potenciação e Radiciação de Números Racionais
wagnermorais28
 
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptxTreinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
MarcosPaulo777883
 
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.pptEstrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
livrosjovert
 
Caderno de Resumos XVIII ENPFil UFU, IX EPGFil UFU E VII EPFEM.pdf
Caderno de Resumos XVIII ENPFil UFU, IX EPGFil UFU E VII EPFEM.pdfCaderno de Resumos XVIII ENPFil UFU, IX EPGFil UFU E VII EPFEM.pdf
Caderno de Resumos XVIII ENPFil UFU, IX EPGFil UFU E VII EPFEM.pdf
enpfilosofiaufu
 
A dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptx
A dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptxA dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptx
A dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptx
ReinaldoSouza57
 
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdfA QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
AurelianoFerreirades2
 
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do AssaréFamílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
profesfrancleite
 

Último (20)

O sentimento nacional brasiliero, segundo o historiador Jose Murlo de Carvalho
O sentimento nacional brasiliero, segundo o historiador Jose Murlo de CarvalhoO sentimento nacional brasiliero, segundo o historiador Jose Murlo de Carvalho
O sentimento nacional brasiliero, segundo o historiador Jose Murlo de Carvalho
 
Forças e leis de Newton 2024 - parte 1.pptx
Forças e leis de Newton 2024 - parte 1.pptxForças e leis de Newton 2024 - parte 1.pptx
Forças e leis de Newton 2024 - parte 1.pptx
 
Egito antigo resumo - aula de história.pdf
Egito antigo resumo - aula de história.pdfEgito antigo resumo - aula de história.pdf
Egito antigo resumo - aula de história.pdf
 
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantilVogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
 
“A classe operária vai ao paraíso os modos de produzir e trabalhar ao longo ...
“A classe operária vai ao paraíso  os modos de produzir e trabalhar ao longo ...“A classe operária vai ao paraíso  os modos de produzir e trabalhar ao longo ...
“A classe operária vai ao paraíso os modos de produzir e trabalhar ao longo ...
 
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
 
Slides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptx
Slides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptxSlides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptx
Slides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptx
 
Fernão Lopes. pptx
Fernão Lopes.                       pptxFernão Lopes.                       pptx
Fernão Lopes. pptx
 
CADERNO DE CONCEITOS E ORIENTAÇÕES DO CENSO ESCOLAR 2024.pdf
CADERNO DE CONCEITOS E ORIENTAÇÕES DO CENSO ESCOLAR 2024.pdfCADERNO DE CONCEITOS E ORIENTAÇÕES DO CENSO ESCOLAR 2024.pdf
CADERNO DE CONCEITOS E ORIENTAÇÕES DO CENSO ESCOLAR 2024.pdf
 
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - AlfabetinhoAtividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
 
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdfUFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
 
Especialidade - Animais Ameaçados de Extinção(1).pdf
Especialidade - Animais Ameaçados de Extinção(1).pdfEspecialidade - Animais Ameaçados de Extinção(1).pdf
Especialidade - Animais Ameaçados de Extinção(1).pdf
 
Aula história , caracteristicas e esteriótipos em relação a DANÇA DE SALAO.pptx
Aula história , caracteristicas e esteriótipos em relação a DANÇA DE SALAO.pptxAula história , caracteristicas e esteriótipos em relação a DANÇA DE SALAO.pptx
Aula história , caracteristicas e esteriótipos em relação a DANÇA DE SALAO.pptx
 
Potenciação e Radiciação de Números Racionais
Potenciação e Radiciação de Números RacionaisPotenciação e Radiciação de Números Racionais
Potenciação e Radiciação de Números Racionais
 
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptxTreinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
 
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.pptEstrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
 
Caderno de Resumos XVIII ENPFil UFU, IX EPGFil UFU E VII EPFEM.pdf
Caderno de Resumos XVIII ENPFil UFU, IX EPGFil UFU E VII EPFEM.pdfCaderno de Resumos XVIII ENPFil UFU, IX EPGFil UFU E VII EPFEM.pdf
Caderno de Resumos XVIII ENPFil UFU, IX EPGFil UFU E VII EPFEM.pdf
 
A dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptx
A dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptxA dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptx
A dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptx
 
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdfA QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
 
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do AssaréFamílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
 

Filosofia do cotidiano escolar

  • 1. Filosofia do cotidiano escolar: porumdiagnóstico do senso comumpedagógico (LUCKESI, 1994)
  • 2.  O professor, na sala de aula, tem uma filosofia que compreende e orienta a sua ação?  Se tem essa filosofia, como ela se configura – quais são seus elementos constitutivos e de compreensão da realidade?
  • 3.  Em princípio e genericamente falando, o dia- a-dia do educador escolar tem por base não uma filosofia criticamente construída, mas sim um se nso co m um que foi adquirido, ao longo do tempo, por acúmulo espontâneo de experiências e por introjeção acrítica de conceitos, valores e entendimentos vigentes e dominantes no seu meio.
  • 4.  No geral, a ação pedagógica cotidiana escolar vem sendo realizada se m um a m e ditação crítica sobre o que se está fazendo: seu sentido, significado e finalidade.
  • 5. 1. Osenso comum  O senso comum é formado por conceitos, significados e valores que adquirimos espontaneamente, pela convivência, no ambiente em que vivemos; construindo “uma visão de mundo”, fragmentária e, por vezes, contraditória.  O senso comum nasce desse processo de “acostumar-se” a uma explicação ou compreensão da realidade, sem que ela seja questionada. Mais do que uma interpretação adequada da realidade, ele é uma “forma de ver” a realidade – mítica, espontânea, acrítica.
  • 6. 1. Osenso comum  Mas será que tudo é senso comum no dia-a-dia das pessoas?  No seio do senso comum, ocorre o “bom senso”, que se compõe de fragmentos de criticidade que emergem no contexto dessas configurações. Nem tudo no senso comum é ingenuidade.  O ideal seria que o todo da compreensão e da conduta de cada pessoa se desse de modo crítico, coerente, sistematizado.
  • 7. 1. Osenso comum  Hoje, fazendo uma afirmação genérica, podemos dizer que, na prática pedagógica, impera o senso comum. Será que, para direcionarmos nossos trabalhos pedagógicos, temos permanentemente nos perguntado quem é o educando e o que ele significa? Que é o conhecimento? Que são os conteúdos veiculados em nossas aulas? Será que questionamos o material didático que utilizamos?
  • 8. 1. Osenso comum  Parece que, em vez de nos questionarmos, nos acostumamos e nos adaptamos às explicações e compreensões que foram sendo passadas de uma geração a outra através da palavra, através dos gestos e da convivência.  Em educação, dificilmente, nos perguntamos se esses entendimentos têm algum fundamento. Por vezes nem mesmo tomamos consciência de que somos direcionados por algum entendimento. Parece- nos tão “natural” agir assim, que não nos importa questionar. Seguimos certos princípios sem questioná-los e muito menos nos perguntamos se seriam esses os que gostaríamos de perseguir como
  • 9. 2. Osenso comumpedagógico  EDUCADOR  Quem é o educador no processo educativo escolar?  Qual é a função do educador?
  • 10. 2. Osenso comumpedagógico  Em geral, e a não ser numa minoria de casos, parece que o senso comum é o seguinte: para ser professor no sistema de ensino escolar, basta tomar um certo conteúdo, preparar-se para apresentá-lo ou dirigir o seu estudo; ir para uma sala de aula, tomar conta de uma turma de alunos e efetivar o ritual da docência: apresentação de conteúdos, controle dos alunos, avaliação da aprendizagem, disciplinamento etc.  Ou seja, a atividade de docência tornou-se uma rotina comum, sem que se pergunte se ela implica ou não decisões contínuas, constantes e precisas, a partir de um conhecimento adequado das implicações do processo educativo na sociedade.
  • 11. 2. Osenso comumpedagógico  A ação docente tem sentido e significado.  Assim, se não buscarmos o sentido e o significado crítico, consciente e explícito da ação docente, seguimos o sentido e o significado dominante desse entendimento que se tornou senso comum.
  • 12. 2. Osenso comumpedagógico  EDUCANDO  Como os professores concebem o educando?  Um dos sujeitos do processo educativo?  Quem é ele?  Qual a sua dimensão?  Qual o seu papel no processo de ensino- aprendizagem?
  • 13. 2. Osenso comumpedagógico  Que elementos caracterizam o senso comum pedagógico sobre o educando? A1 ) O e ducando é um se r passivo . Não é que o aluno se ja pro priam e nte passivo ; m as, se g undo o se nso co m um , de ve sê -lo . Em geral, os atos e condutas dos professores dão a entender que eles q ue re m que os alunos sejam passivos, pois os ativos “dão trabalho”, seja na disciplina comportamental, seja na disciplina intelectual.
  • 14. 2. Osenso comumpedagógico A2) O e ducando de ve se r ativo se m pre .  Todavia, não se tem muita clareza sobre o que se compreende como um aluno “ativo”. Por vezes, ativo têm sido designados os educandos que se agitam durante as atividades escolares.  Com isso, esquece-se de verificar que o modo de ser ativo depende do conteúdo com o qual se esteja trabalhando.  Conteúdo referente a uma atividade física = será ativo o aluno que a praticou.  Conteúdo referente a uma atividade intelectual = a atividade será mental.
  • 15. 2. Osenso comumpedagógico B) O e ducando é um se r de pe nde nte do e ducado r: desde o que deve aprender até o que deve responder. Será mesmo que o educando é tão dependente assim? Será que o querer do professor e do educando não podem ser permeados pela busca de um entendimento, novo e superior, através da discussão entre ambos?
  • 16. 2. Osenso comumpedagógico C) O e ducando é um se r incapaz de criar. Ele tem que reter e repetir os conhecimentos e não inventá-los. Lema: “fazer as coisas como o professor quer”. A ação pedagógica, na maior parte das vezes, está pautada pela ideia de que o aluno é incapaz de criar, é um inválido do ponto de vista intelectual. Toda vez que o educando tenta sair do esquema do dia-a-dia, é cerceado de diversas maneiras.
  • 17. 2. Osenso comumpedagógico D) O e ducando é um suje ito incapaz de julg am e nto so bre si m e sm o e so bre sua apre ndizag e m . No momento da avaliação, na maior parte das vezes, o professor nem sequer dá ao educando a oportunidade de verificar o que não conseguiu aprender, nem por que não conseguiu aprender. Será que o aluno não merece um momento de troca de ideias e entendimento sobre seus avanços e suas dificuldades?
  • 18. 2. Osenso comumpedagógico E) O e ducando é um e le m e nto iso lado de tudo o m ais q ue o ce rca. O educando é considerado sem vínculos com a natureza, com o ambiente sócio-cultural, com a história, com a sociedade; sem vinculação com a sua natureza ativa.
  • 19. 2. Osenso comumpedagógico  Há uma contradição entre essas condutas educacionais e aquilo que os educadores dizem. Todos dizem que desejam educandos ativos, criativos, autônomos, capazes de decisão etc. porém, as ações educativas, enquanto atos educativos, mostram o contrário. O senso comum tornou-se hegemônico – agimos co m e po r ele, sem nos perguntarmos sobre sua significação e validade. Só com a tomada de consciência desses elementos do senso comum – e com sua superação – poderemos chegar a uma nova compreensão do educando, dando um salto à frente.
  • 20. 2. Osenso comumpedagógico  O CONHECIMENTO E SEU PROCESSO  O que é o conhecimento? Qual é o seu processo de apropriação e construção?  Segundo o senso comum: “O conhecimento parece ser o conjunto de informações que são apresentadas ou lidas no livro-texto e o pro ce sso parece ter sido o de reter essas informações na memória para depois repeti- las.”
  • 21. 2. Osenso comumpedagógico  Conhecimento é uma forma de entendimento da realidade.  Para isso, é claro, podemos e devemos nos utilizar do saber que a humanidade nos legou. Eles são nossos auxiliares na compreensão da realidade.  Mas o que importa é a compreensão da realidade.
  • 22. 2. O senso comum pedagógico  O processo de conhecimento é ativo e ocorre a partir da assimilação ativa dos conhecimentos já estabelecidos e da construção ativa de novas compreensões da realidade e não por meio da retenção padronizada de “lições”.
  • 24. 2. Osenso comumpedagógico  O CONTEÚDO A SERASSIMILADO  Os conteúdos dos livros-textos não são os melhores e os mais corretos. No entanto, nos baseamos neles para ensinar e avaliar nossos alunos.  Ou seja, ao nos basearmos no senso comum estabelecido sobre os conteúdos que ensinamos, passamos a exigir que nossos alunos adquiram conhecimentos errados da realidade. Se não errados, ao menos distorcidos.
  • 25. 2. Osenso comumpedagógico  O senso comum pedagógico toma por ve rdade aquilo que é uma fo rm a de interpretar a realidade.  Exemplo: Pedro Álvares Cabral “descobriu” o Brasil.  Descobriu ou invadiu?  Foi o Pedro Álvares Cabral ou a classe dominante portuguesa através de Cabral?
  • 26. 2. Osenso comumpedagógico  Devido às muitas críticas que se tem feito aos desvios dos conteúdos de ensino, uma posição oposta e ingênua tem sido tomada: a de que não vale a pena ensinar conteúdo algum e deixar que os alunos reflitam sobre o seu dia-a-dia, para que “tomem consciência” dele. Com isso, praticamente, passou-se a não ensinar nada.
  • 27. 2. Osenso comumpedagógico  Não é porque muitos dos atuais conteúdos ensinados possuam desvios que não se deva ensinar conteúdo algum.  O que importa é recuperar o sentido adequado dos conteúdos escolares e passar a trabalhar a partir deles.
  • 28. 2. Osenso comumpedagógico  MATERIAL DIDÁTICO  Qual o significado do livro didático na prática pedagógica escolar?  No geral, ele tem sido assumido como uma “bíblia”, ou seja, como um livro sagrado: tudo o que está escrito nele se assume como verdade.  Deve ser essa a atitude a ser assumida diante do livro didático?  Será que ele não contém inverdades, reduções e desvios de conhecimentos?
  • 29. 2. Osenso comumpedagógico  Será que os livros didáticos merecem todo esse respeito e submissão?  Ou será que devem ser usados sempre de uma forma crítica, como um ponto de partida a ser abordado, discutido, questionado, duvidado?  Os livros didáticos podem e devem ser utilizados com criticidade, ultrapassando os elementos do senso comum e os próprios limites desses livros.
  • 30. 2. Osenso comumpedagógico  MÉTODOS E PROCEDIMENTOS DE ENSINO  Os métodos de ensino presentes nos planejamentos decorrem de uma reflexão teórica, objetiva e consciente ou emergiram do “costume” de dizer que os métodos de ensino são esses?
  • 31. 2. Osenso comumpedagógico  Os planejamentos são produzidos como preenchimento de um formulário no início do ano letivo. A atividade é assumida como se fosse planejamento, mas é executada como um preenchimento de formulário.  O planejamento seria o m o m e nto de cisivo sobre o que fazer; um momento de definição política e científica da ação pedagógica, no caso da educação.
  • 32. 2. Osenso comumpedagógico  Há a necessidade de estudar que procedimentos e que atividades possibilitarão, da melhor forma, que nossos alunos atinjam o objetivo de aprender o melhor possível daquilo que estamos pretendendo ensinar.
  • 33. 3. Razões da permanência do senso comum  O senso comum é uma configuração espontânea, fragmentária e acrítica do pensamento e do entendimento.  Então, por que permanece em nosso meio, oferecendo compreensão e direcionamento para muitas ações humanas, inclusive a prática escolar?
  • 34. 3. Razões da permanência do senso comum  O conhecimento objetivo oferece um patamar importante de consciência da realidade.  As classes dominantes e seus representantes preferem a manutenção e a reprodução da situação na qual se encontram, o chamado status q uo .  Assim, para os setores dominantes e conservadores da sociedade, interessa que o senso comum impere em muitos cantos da vida social e cultural, especialmente naqueles que se destinam às grandes massas, como é o caso da educação.
  • 35. 3. Razões da permanência do senso comum  A instituição escolar não poderá, segundo um ponto de vista conservador, trabalhar na base do senso crítico, mas sim com base no senso comum, pois este dá maiores possibilidades de manipulação, devido às mistificações que propicia e mantém.  O senso comum é o meio fundamental para a proliferação da manipulação de informações, das condutas e dos atos políticos e sociais dos dirigentes e dos setores dominantes da sociedade.
  • 36. 3. Razões da permanência do senso comum  Uma educação realizada com base em princípios do senso comum só poderá estar a serviço de uma perspectiva social dominante.  A prática educacional não poderia nem deveria, de forma alguma, atuar com base em elementos do senso comum, pois tem o objetivo de formar consciências críticas, capazes de compreender, propor e agir em função de novas perspectivas de vidas.