Aulão Solidário - Conhecimentos Pedagógicos - Realização: Miron Barbosa

2.311 visualizações

Publicada em

Professora Julhiana Gelbcke
Cargo: Professor

Publicada em: Educação
0 comentários
3 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
2.311
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
3
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
82
Comentários
0
Gostaram
3
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Aulão Solidário - Conhecimentos Pedagógicos - Realização: Miron Barbosa

  1. 1. CONHECIMENTOS PEDAGÓGICOS FACILITADORA: JULHIANA GELBCKE
  2. 2. CONHECIMENTOS PEDAGÓGICOS?  Proporciona embasamento teórico e prático para uma reflexão sobre o campo de atuação docente.  Além de possibilitar o conhecimento de diferentes paradigmas que levam em conta a complexidade que envolve a realidade escolar na perspectiva de construção de conhecimentos e práticas que contribuem para identidade profissional do educador.
  3. 3. LDB  A Lei de Diretrizes e Bases (Lei 9394/96) - LDB - é a lei orgânica e geral da educação brasileira. Como o próprio nome diz, dita as diretrizes e as bases da organização do sistema educacional. Segundo o ex-ministro Paulo Renato Souza - que ao lado do então presidente Fernando Henrique Cardoso sancionou a LDB que vigora até hoje - "o mais interessante da LDB é que ela foge do que é, infelizmente o mais comum na legislação brasileira: ser muito detalhista. A LDB não é detalhista, ela dá muita liberdade para as escolas, para os sistemas de ensino dos municípios e dos estados, fixando normas gerais. Acho que é realmente uma lei exemplar." A primeira Lei de Diretrizes e Bases foi criada em 1961. Uma nova versão foi aprovada em 1971 e a terceira, ainda vigente no Brasil, foi sancionada em 1996.
  4. 4. LDB  Alguns pontos da LDB vigente desde então são considerados ganhos importantes para os cidadãos: "a União deve gastar no mínimo 18% e os estados e municípios no mínimo 25% de seus orçamentos na manutenção e desenvolvimento do ensino público" (art. 69); o Ensino fundamental passa a ser obrigatório e gratuito (art. 4) e; a educação infantil (creches e pré-escola) se torna oficialmente a primeira etapa da educação básica.
  5. 5. QUESTÃO De acordo com a Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional (LDB), Nº 9.394/96, Título IV, ―Da Organização da Educação Nacional‖, artigo 16, ― o sistema federal de ensino compreende‖: 20.1- As instituições de ensino mantidas pela união. 20.2- As instituições de educação superior criadas e mantidas pela iniciativa privada. 20.3- Os órgãos federais de educação. 20.4- Os órgãos municipais, estaduais e federais de educação.     ► Está(ão) correta(s) apenas a(s) afirmativa(s): 20.1, 20.2 e 20.3; 20.1 e 20.2; 20.1, 20.2, 20.3 e 20.4; 20.1, 20.3 e 20.4.
  6. 6. QUESTÃO No Art. 13 da Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional (Lei N° 9.394/96) explicita-se como incumbência dos docentes:      Participar da elaboração da proposta pedagógica do estabelecimento de ensino. Notificar ao Conselho Tutelar do Município a relação dos alunos que apresentem quantidade de faltas acima de cinquenta por cento do percentual permitido em lei. Informar pai e mãe sobre a frequência e rendimento dos alunos. Administrar os recursos materiais e financeiros do estabelecimento de ensino. Coletar, analisar e disseminar informações sobre a educação.
  7. 7. QUESTÃO De acordo com o Art. 24, item I da Lei que estabelece as diretrizes e bases da educação nacional (LDBEN), a carga horária mínima anual será de _____________ horas, distribuídas por um mínimo de _______________ dias e efetivo trabalho escolar excluído o tempo reservado aos exames finais, quando houver. Preencha as lacunas com as palavras adequadas para que haja coerência e coesão textual.      Novecentas, duzentos. Oitocentas, duzentos e vinte. Oitocentas e cinquenta, duzentos e trinta. Oitocentas, duzentos. Oitocentas e vinte, duzentos e dez.
  8. 8. PCN´S      Os Parâmetros Curriculares Nacionais, mais conhecidos como PCN, é uma coleção de documentos que compõem a grade curricular de uma instituição educativa. Esse material foi elaborado a fim de servir como ponto de partida para o trabalho docente, norteando as atividades realizadas na sala de aula. É claro que cada instituição deve montar o seu Projeto Político Pedagógico, sua proposta pedagógica, adaptando esses conteúdos à realidade social da localidade onde está inserida. O documento é uma orientação quanto ao cotidiano escolar, os principais conteúdos que devem ser trabalhados, a fim de dar subsídios aos educadores, para que suas práticas pedagógicas sejam da melhor qualidade. Em sua abordagem, os parâmetros curriculares nacionais definem que os currículos e conteúdos não podem ser trabalhados apenas como transmissão de conhecimentos, mas que as práticas docentes devem encaminhar os alunos rumo à aprendizagem.
  9. 9. PCN´S   Os PCN estão divididos a fim de facilitar o trabalho da instituição, principalmente na elaboração do seu Projeto Político Pedagógico. São seis volumes que apresentam as áreas do conhecimento, como: língua portuguesa, matemática, ciências naturais, história, geografia, arte e educação física. Outros três volumes trazem elementos que compõem os temas transversais. O primeiro deles explica e justifica o porquê de se trabalhar com temas transversais, além de trazer uma abordagem sobre ética. No segundo volume os assuntos abordados tratam de pluralidade cultural e orientação sexual; e o terceiro volume aborda meio ambiente e saúde.
  10. 10. QUESTÕES A educação, no contexto dos Parâmetros Curriculares Nacionais, é concebida como: I. Processo que consiste em transmitir normas de comportamento técnicocientífica (instrução) e moral (formação do caráter) que podem ser compartilhadas por todos os membros da sociedade. II. Prática que tem a possibilidade de criar condições para que todos os alunos desenvolvam suas capacidades e aprendam os conteúdos necessários para construir instrumentos de compreensão da realidade e de participação em relações sociais, políticas e culturais diversificadas e cada vez mais amplas. III. Fenômeno observado em qualquer sociedade e nos grupos constitutivos destas, responsável pela sua manutenção e perpetuação a partir da transposição, às gerações que se seguem, dos modos culturais de ser, estar e agir necessários à convivência e ao ajustamento de um membro no seu grupo ou sociedade. Assinale a alternativa que apresenta a resposta CORRETA:     a) Apenas a alternativa III está correta. b) As alternativas I, II e III estão corretas. c) As alternativas I e II estão corretas. d) Apenas a alternativa II está correta.
  11. 11. ECA  O Estatuto da Criança e do Adolescente é conhecido pela sociedade brasileira por ECA (as primeiras letras das palavras Estatuto Criança e Adolescente). A Lei que deu vida ao ECA é de Nº 8.069, de 13 de julho de 1990 e esta foi sancionada pelo ex-Presidente do Brasil Fernando Collor de Mello. O ECA foi especialmente criado para revelar os direitos e os deveres das crianças e dos adolescentes. Também há neste estatuto os direitos e deveres dos adultos.
  12. 12. ECA  O ECA garante que todas as crianças e adolescentes, independentemente de cor, etnia ou classe social, sejam tratados como pessoas que precisam de atenção, proteção e cuidados especiais para se desenvolverem e serem adultos saudáveis. Antes do surgimento do ECA, existia apenas o Código de Menores (uma lei de 1979), uma lei voltada apenas para os menores de 18 anos, pobres, abandonados, carentes ou infratores.
  13. 13. QUESTÕES Antes da aprovação do Estatuto da Criança e do Adolescente (ECA), duas outras legislações regulamentavam a ação do Estado no trato com a infância. Elas eram:  (A) o Código de Menores de 1979 e a Lei nº 8.069/90.  (B) a Carta Magna de 1988 e a Lei nº 1.14/05.  (C) a Lei nº 8.069/90 e o Código Penal Brasileiro. (D) o Código Penal Brasileiro e o Código da Infância de 1982.  (E) o Código de Menores de 1927 e o Código de Menores de 1979.
  14. 14. QUESTÕES Estatuto da Criança e do Adolescente (ECA) propõe basicamente a transformação de dois grandes eixos no atendimento educacional da infância e da juventude que são:  (A) redução da maior idade penal / medidas socioeducativas.  (B) medidas protetivas / medidas socioeducativas.  (C) privação de liberdade / negligenciamento institucional.  (D) violação de direitos / medidas protetivas.  (E) medidas socioeducativas / repressão de adolescentes infratores.
  15. 15. EDUCAÇÃO INFANTIL   Se o direito de 0 a 6 anos à educação em creches e pré – escolas já estava assegurado na Constituição de 1988 e reafirmado no Estatuto da Criança e do Adolescente de 1990, a tradução deste direito em diretrizes e normas, no âmbito da educação nacional, representa um marco histórico de grande importância para a educação infantil em nosso país. A inserção da educação infantil na educação básica, como sua primeira etapa, é o reconhecimento de que a educação começa nos primeiros anos de vida e é essencial para o cumprimento de sua finalidade, afirmada no Art. 22 da Lei: ―a educação básica tem por finalidade desenvolver o educando , assegurar – lhe a formação comum indispensável para o exercício da cidadania e fornecer – lhes meios para progredir no trabalho e nos estudos posteriores‖.
  16. 16. A EDUCAÇÃO INFANTIL RECEBEU UM DESTAQUE NA NOVA LDB, INEXISTENTE NAS LEGISLAÇÕES ANTERIORES. É TRATADA NA SEÇÃO II, DO CAPÍTULO II (DA EDUCAÇÃO BÁSICA), NOS SEGUINTES TERMOS: Art. 29 A educação infantil, primeira etapa da educação básica, tem com finalidade o desenvolvimento integral da criança até os seis anos de idade, em seus aspectos físico, psicológico, intelectual e social, complementando a ação da família e da comunidade.  Art. 30 A educação infantil será oferecida em: I – creches ou entidades equivalentes, para crianças de até três anos de idade; II – pré – escolas para crianças de quatro a seis anos de idade.  Art. 31 Na educação infantil a avaliação far – se – á mediante acompanhamento e registro de seu desenvolvimento, sem o objetivo de promoção, mesmo para o acesso ao ensino 
  17. 17. QUESTÕES O artigo 29 da LDB, ao definir o âmbito da educação Infantil, estabelece uma exigência de cooperação e articulação entre escola, família e comunidade, ou seja, compete à escola complementar ―ação da família e da comunidade‖. O artigo seguinte da aludida lei, estrutura o oferecimento da educação infantil na escola. Com base na legislação, indique a alternativa correta.      a) A educação infantil será oferecida em creches, para crianças de até quatro anos de idade, e em pré-escolas, para as crianças de quatro a cinco anos de idade; b) A educação infantil será oferecida em creches, ou entidades equivalentes, para crianças de até três anos de idade, e em pré-escolas, para as crianças de quatro a cinco anos de idade; c) A educação infantil será oferecida em entidades não governamentais, para crianças de até três anos de idade, e em pré-escolas, para as crianças de quatro a sete anos de idade; d) A educação infantil será oferecida em creches, ou entidades equivalentes, para crianças de até dois anos e meio de idade, e em pré-escolas, para as crianças de três a seis anos de idade; e) A educação infantil será oferecida em creches, ou entidades equivalentes, para crianças de até cinco anos de idade, e em pré-escolas, para as crianças de seis anos de idade.
  18. 18. QUESTÕES     Conforme o Referencial Curricular Nacional para a Educação Infantil (1998), a prática da educação infantil deve se organizar de modo que as crianças desenvolvam determinadas capacidades, com exceção de: a) conhecer algumas manifestações culturais, demonstrando atitudes de interesse, respeito e participação frente a elas e valorizando a diversidade. b) utilizar as diferentes linguagens (corporal, musical, plástica, oral e escrita) ajustadas às diferentes intenções e situações de comunicação. c) desenvolver a capacidade de aprendizagem autônoma, tendo em vista a aquisição de conhecimentos e habilidades e a formação de atitudes e valores. d) estabelecer e ampliar as relações sociais, aprendendo paulatinamente a articular seus interesses e pontos de vista com os demais, respeitando a diversidade.
  19. 19. DIDÁTICA?  Segundo Libâneo (2002), a didática é uma ponte mediadora entre a teoria e a prática docente. E ela que interliga as bases teóricas à ação prática, evitando o espontaneísmo e fornecendo aos profissionais da educação uma práxis educativa sólida. A didática tem como objeto de estudo o processo de aprendizagem na sua globalidade. Sendo assim, está inteiramente ligada à teoria da educação, às teorias da organização escolar, às teorias do conhecimento e à psicologia da educação. Esse suporte teórico é a base da prática educativa. Neste sentido, a didática torna-se o principal ramo de estudos da pedagogia, pois é necessário dominar bem todas as teorias para que haja uma boa prática educativa. Assim, o educador dispõe de recursos teóricos para organizar e articular o processo de ensino e aprendizagem.
  20. 20. DIDÁTICA?  É a didática que fundamenta a ação docente; é através da didática que a teoria e a prática se consolidam de forma viável e eficaz pois ela se ocupa do processo de ensino nas várias dimensões, não se restringindo à educação escolar, mas investiga e orienta a formação do educador na sua totalidade.
  21. 21. PLANEJAMENTO O planejamento escolar é uma tarefa docente que inclui tanto a previsão das atividades em termos de organização e coordenação em face dos objetivos propostos, quanto a sua revisão e adequação no decorrer do processo de ensino. O planejamento é um meio para programar as ações docentes, mas é também um momento de pesquisa e reflexão intimamente ligado à avaliação.  Há três modalidades de planejamento, articulados entre si o plano da escola, o plano de ensino e o plano de aulas. 
  22. 22. PLANEJAMENTO    O plano da escola é um documento mais global; expressa orientações gerais que sintetizam, de um lado, as ligações da escola com o sistema escolar mais amplo e, de outro, as ligações do projeto pedagógico da escola com os planos de ensino propriamente ditos. O plano de ensino (ou plano de unidade) é a previsão dos objetivos e tarefas do trabalho docente para o ano ou semestre; é um documento mais elaborado, dividido por unidades sequenciais, no qual aparecem objetivos específicos, conteúdos e desenvolvimento metodológicos. O plano de aula é a previsão do desenvolvimento do conteúdo para uma aula ou conjunto de aulas e tem um caráter específico.
  23. 23. QUESTÕES Um professor que trabalha para tornar importante e única cada atividade, cada tarefa, cada proposta para a vida de seu aluno e que se esforça para que os alunos absorvam os ideais amplos e generosos discutidos no planejamento de ensino, está preocupado em estabelecer a relação entre:  A) Sistemas de ensino.  B) Tipos de aprendizagem e desempenho.  C) Objetivos, conteúdos e métodos.  D) Avaliação e feedback.  E) Proposta e projeto de ensino.
  24. 24. TEORIA DE APRENDIZAGEM: SEGUNDO PIAGET       De acordo com Piaget, as crianças possuem um papel ativo na construção de seu conhecimento, de modo que o termo construtivismo ganha muito destaque em seu trabalho. O desenvolvimento cognitivo, que é a base da aprendizagem, se dá por assimilação e acomodação. Quando na assimilação, a mente não se modifica. Quando a pessoa não consegue assimilar determinada situação, podem ocorrer dois processos: a mente desiste ou se modifica. Se modificar, ocorre então a acomodação, levando a construção de novos esquemas de assimilação e resultando no processo de desenvolvimento cognitivo. Somente poderá ocorrer a aprendizagem quando o esquema de assimilação sofre acomodação.
  25. 25. TEORIA DE APRENDIZAGEM: SEGUNDO PIAGET      O que fazer então par provocar o processo de acomodação? Para modificar os esquemas de assimilação é necessário propor atividades desafiadoras que provoquem desequilíbrios e reequilibrações sucessivas nos alunos. De acordo com Piaget, apenas a acomodação vai promover a descoberta e posteriormente a construção do conhecimento. O conhecimento real e concreto é construído através de experiências. Aprender é uma interpretação pessoal do mundo, ou seja, é uma atividade individualizada, um processo ativo no qual o significado é desenvolvido com base em experiências. O papel do professor é então aquele de criar situações compatíveis com o nível de desenvolvimento cognitivo do aluno, em atividades que possam desafiar os alunos.
  26. 26. DE ACORDO COM PIAGET, O DESENVOLVIMENTO COGNITIVO DAS CRIANÇAS OCORRE EM QUATRO FASES:   Sensorial-motor (0 - 2 anos) Ao nascer, o bebe tem padrões inatos de comportamento, como agarrar, sugar e atividades grosseiras do organismo, segundo Piaget. As modificações e o desenvolvimento do comportamento ocorrem como resultado da interação desses padrões inatos (semelhantes a reflexos) com o meio ambiente. O bebê então começa a construir esquemas para assimilar o ambiente. Nesse estágio, seu conhecimento é privado e não tocado pela experiência de outras pessoas (o mundo é ele). - Pré-operações (2 – 7 anos) O período pré – operatório abrange a idade de 2 a 7 anos e é dividido em dois períodos: o da Inteligência Simbólica (dos 2 aos 4 anos) e o período Intuitivo (dos 4 aos 7 anos)
  27. 27. DE ACORDO COM PIAGET, O DESENVOLVIMENTO COGNITIVO DAS CRIANÇAS OCORRE EM QUATRO FASES: - Operações concretas (7 - 11 anos) O individuo consolida as conservações de número, substancia, volume e peso. Desenvolve também noções de tempo, espaço, velocidade, ordem, casualidade. Organiza então o mundo de maneira lógica e operatória. É capaz de estabelecer compromissos, compreende as regras podendo ser fiel a elas.  - Operações formais (11 – 15 anos) No período formal as estruturas cognitivas da criança alcançam seu nível mais elevado de desenvolvimento, e tornam-se aptas a aplicar o raciocínio lógico a todas as classes de problemas. Enfim, é a ―abertura para todos os possíveis‖. 
  28. 28. FERNANDO DE AZEVEDO  Fernando de Azevedo foi um homem de pensamento, com múltiplos interesses intelectuais, para quem nada do que é humano era estranho. Da educação física — área em que foi especialista, tendo escrito uma tese pioneira em 1915 — às ciências sociais, trajetória que completou em 20 anos, transitou pelo ensino de latim e de psicologia, pela crítica literária, pela investigação sobre a arquitetura colonial e sobre a educação paulista, pela reforma educacional. Estudioso e amante dos clássicos, nunca escondeu o seu fascínio pelas ciências modernas, que procurou incluir nos currículos escolares, tanto que, nos anos 50, organizou a obra As ciências no Brasil, cuja segunda edição acaba de sair pela Universidade Federal do Rio de Janeiro em 1994. Entre 25 livros, a maioria na área da educação, escreveu obras pioneira no campo das ciências sociais como Princípios de Sociologia (193S),Sociologia, Educacional (1940) e Canaviais e engenhos na vida política do Brasil (1948).
  29. 29. FERNANDO DE AZEVEDO  Segundo o testemunho insuspeito de Paschoal Lemme, Fernando de Azevedo foi "urna das mais altas expressões da inteligência e da cultura do Brasil moderno", destacando-se por três contribuições fundamentais: "1. A grande reforma do ensino no antigo Distrito Federal (19271930) (...), reforma essa que, segundo as opiniões mais autorizadas, foi o marco inicial do processo de modernização do ensino no Brasil. 2. O Manifesto dos pioneiros da educação nova (1932) (...), documento único na historia da educação brasileira. (...) Subscrito por um grupo dos mais eminentes educadores e intelectuais, mantém até hoje sua validade. 3. A monumental obra A cultura brasileira, redigida inicialmente para servir de introdução ao recenseamento de 1940, tornou-se de consulta obrigatória para quem deseja conhecer a evolução da cultura nacional, em todos os seus aspectos" (Carta aoJornal do Brasil, 1976). A estas três poderíamos acrescentar uma quarta contribuição, que foi a sua importante participação no processo de fundação da Universidade de São Paulo (1934), destacandose como um lutador incansável pela implementação do verdadeiro espírito universitário,
  30. 30. ANÍSIO TEIXEIRA  Considerado o principal idealizador das grandes mudanças que marcaram a educação brasileira no século 20, Anísio Teixeira foi pioneiro na implantação de escolas públicas de todos os níveis, que refletiam seu objetivo de oferecer educação gratuita para todos. Como teórico da educação, Anísio não se preocupava em defender apenas suas idéias. Muitas delas eram inspiradas na filosofia de John Dewey (1852-1952), de quem foi aluno ao fazer um curso de pós-graduação nos Estados Unidos. Dewey considerava a educação uma constante reconstrução da experiência. Foi esse pragmatismo, observa a professora Maria Cristina Leal, da Universidade do Estado do Rio de Janeiro, que impulsionou Anísio a se projetar para além do papel de gestor das reformas educacionais e atuar também como filósofo da educação. A marca do pensador Anísio era uma atitude de inquietação permanente diante dos fatos, considerando a verdade não como algo definitivo, mas que se busca continuamente. Para o pragmatismo, o mundo em transformação requer um novo tipo de homem consciente e bem preparado para resolver seus próprios problemas acompanhando a tríplice revolução da vida atual: intelectual, pelo incremento das ciências; industrial, pela tecnologia; e social, pela democracia. Essa concepção exige, segundo Anísio, ―uma educação em mudança permanente, em permanente reconstrução‖.
  31. 31. DIDÁTICA DA AÇÃO: ANÍSIO TEIXEIRA  As novas responsabilidades da escola eram, portanto, educar em vez de instruir; formar homens livres em vez de homens dóceis; preparar para um futuro incerto em vez de transmitir um passado claro; e ensinar a viver com mais inteligência, mais tolerância e mais felicidade. Para isso, seria preciso reformar a escola, começando por dar a ela uma nova visão da psicologia infantil. O próprio ato de aprender, dizia Anísio, durante muito tempo significou simples memorização; depois seu sentido passou a incluir a compreensão e a expressão do que fora ensinado; por último, envolveu algo mais: ganhar um modo de agir. Só aprendemos quando assimilamos uma coisa de tal jeito que, chegado o momento oportuno, sabemos agir de acordo com o aprendido.
  32. 32. DEMERVAL SAVIANI   Dermeval Saviani é grande educador que vivenciou um período de mudanças no nosso país, a exemplo da transição na educação durante a consolidação do período democrático que vivemos na atualidade, acompanhando, além das transformações sociais, as transformações na história da educação brasileira, acentuando os pontos positivos e negativos que as modificações no processo educacional refletiram no dia-a-dia, e teve uma visão progressista sobre a educação. Ele foi o fomentador da teoria histórico-crítica que também é conhecida como crítico-social dos conteúdos e tem como objetivo principal relação e transmissão de conhecimentos significativos que contribuam para a inclusão social do educando. Através da análise de algumas obras do autor, é possível perceber que embora este se mostre otimista – apresentando soluções para melhorar o sistema educacional no país, a partir de uma análise histórica dos fatos -, Saviani apresenta sua obra de maneira realista, destacando os erros de um sistema de educação que desde os primeiros passos letivos foi corrompido e repleto de falhas, realizando um paralelo entre a política e a educação.
  33. 33. JUSSARA HOFFMAN  Jussara Hoffmann é nome obrigatório quando se trata de discutir e repensar os rumos da avaliação. Mestre em Avaliação Educacional pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), ex-professora adjunta da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS), conferencista e consultora em educação, Jussara tem diversos livros publicados sobre o assunto.
  34. 34. JUSSARA HOFFMAN  QUAL O OBJETIVO DA AVALIAÇÃO?  APRENDIZAGEM. APRENDIZAGEM. APRENDIZAGEM. A expressão MEDIADORA, que utilizo desde 1991, tem por objetivo salientar a importância do papel do professor no sentido de observar o aluno PARA MEDIAR, ou seja, para refletir sobre as melhores estratégias pedagógicas possíveis que visem promover sua aprendizagem. Avaliar não é observar se o aluno aprende. Esta resposta já se tem: todos aprendem sempre, senão não estariam sequer vivos, pois enquanto se respira, se aprende, se descobrem novas coisas sobre o mundo em que vivemos. Entretanto, ninguém aprende apenas sozinho, aprende muito melhor com o outro, em interação com seus pares e com desafios intelectuais significativos. O melhor ambiente de aprendizagem é rico em oportunidades de convivência, de diálogo, de desafios, de recursos de todas as ordens. Para cada aluno, entretanto, não podem ser oferecidos os mesmos desafios, em tempos programados ou do mesmo jeito. E aí entra o professor, o avaliador. Olhando cada um, investigando e refletindo sobre o seu jeito de aprender, conversando, convivendo, organizando o cenário dessa interação, fazendo a pergunta mais desafiadora possível, escutando o silêncio, se for o caso. O professor MEDIADOR é o avaliador essencial. Cuidar para que o aluno aprenda mais e melhor, todos os dias. Isso é avaliar. 
  35. 35. PAULO FREIRE   Não podemos falar em educação e não mencionar PAULO FREIRE. Propulsor na alfabetização de adultos, propõe e estimula a inserção do adulto iletrado no seu contexto social e político, na sua realidade, promovendo o despertar para a cidadania plena e transformação social. É a leitura da palavra, proporcionando a leitura do mundo. Suas idéias nasceram no contexto do Nordeste brasileiro a partir da década de 1950, onde metade dos seus 30 milhões de habitantes eram analfabetos, com predomínio do colonialismo e todas as vivências impostas por uma realidade de opressão, imposição, limitações e muitas necessidades. Freire aplicou, pela primeira vez, publicamente, o seu método no ―Centro de Cultura Dona Olegarinha‖, um Círculo de Cultura do Movimento de Cultura Popular do Recife (MCP) para discussão dos problemas cotidianos na comunidade de ―Poço da Panela‖.
  36. 36. PAULO FREIRE  Dos 5 alunos, três aprenderam a ler e escrever em 30 horas, outros 2 abandonaram o ―curso‖. O método de alfabetização de Paulo Freire é resultado de muitos anos de trabalho e reflexões de Freire no campo da educação, sobretudo na de adultos em regiões proletárias e subproletárias, urbanas e rurais, de Pernambuco. No processo de aprendizado, o alfabetizando ou a alfabetizanda é estimulado(a) a articular sílabas, formando palavras, extraídas da sua realidade, do seu cotidiano e das suas vivências. Nesse sentido, vai além das normas metodológicas e lingüísticas, na medida em que propõe aos homens e mulheres alfabetizandos que se apropriem da escrita e da palavra para se politizarem, tendo uma visão de totalidade da linguagem e do mundo. O método Paulo Freire estimula a alfabetização/educação dos adultos mediante a discussão de suas experiências de vida entre si, os participantes da mesma experiência, através de tema/palavras gerador(as) da realidade dos alunos, que é decodificada para a aquisição da palavra escrita e da compreensão do mundo. As experiências acontecem nos Círculos de Cultura.
  37. 37. O “MÉTODO PAULO FREIRE” ESTÁ ESTRUTURADO EM TRÊS ETAPAS:  1) Etapa de Investigação: aluno e professor buscam, no universo vocabular do aluno e da sociedade onde ele vive, as palavras e temas centrais de sua biografia. 2) Etapa de Tematização: aqui eles codificam e decodificam esses temas, buscando o seu significado social, tomando assim consciência do mundo vivido. 3) Etapa de Problematização: aluno e professor buscam superar uma primeira visão mágica por uma visão crítica do mundo, partindo para a transformação do contexto vivido
  38. 38. QUESTÕES  ―O senso comum e a ciência são expressões da mesma necessidade básica, a necessidade de compreender o mundo, a fim de viver melhor e sobreviver. E para aqueles que teriam a tendência de achar que o senso comum é inferior à ciência, eu só gostaria de lembrar que, por dezenas de milhares de anos, os homens sobreviveram sem coisa alguma que se assemelhasse à nossa ciência...‖. (Rubem Alves) – Considerando que as classes populares produzem saberes, ligados às suas experiências de vida e ao contexto social em que estão inseridos, identifique a opção CORRETA em relação a educação popular: A) A Educação Popular é uma educação comprometida e participativa orientada pela perspectiva de realização de todos os direitos do povo. Sendo em si uma educação fria e imposta, pois baseia-se no saber da comunidade, que pouco dialoga.  B) É possível considerar como a principal característica da educação popular a utilização do saber da comunidade como matéria prima para o ensino. É aprender a partir do conhecimento do sujeito e ensinar a partir de palavras e temas geradores do cotidiano dele.  C) O educador popular constitui-se em um transmissor de informações, descontextualizadas da realidade dos sujeitos com quem atua restringindo-se a um grande facilitador de aprendizagens.  D) É diferente de uma Educação Informal porque possui uma relação vertical entre educador e educando.  E) Não existe relação entre educação popular e a seguinte frase de Paulo Freire ―já não se pode afirmar que alguém liberta alguém, ou que alguém se liberta sozinho, mas os homens se libertam em comunhão‖. Visto que ela refere-se a educação tradicional.
  39. 39. QUESTÕES      Na relação ensino-aprendizagem: a) Não deve haver intervenção pedagógica, pois, a construção de conhecimento é espontânea do aluno. b) O papel do professor é o de criar condições para que o aluno estabeleça relações entre o que já sabe e os novos conhecimentos a serem construídos. c) Ensino e aprendizagem são dois conceitos independentes. d) Os aspectos emocionais dos alunos não devem interferir nos procedimentos de ensino estabelecidos pelo professor. e) As patologias dos alunos não deveriam ser consideradas pelo professor ao estabelecer suas estratégias de ensino.
  40. 40. FICA A DICA: "Sucesso é conseguir o que se quer. Felicidade é querer o que se conseguiu." Lair Ribeiro

×