SlideShare uma empresa Scribd logo
FILOSOFIA DA RELIGIÃO
PAINE, Scott Randall. Filosofia da religião. In: Compêndio de Ciência da Religião/
João Décio Passos, Frank Usarski (Org.). – São Paulo: Paulinas: Paulus, 2013.
PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE SÃO PAULO
Departamento de Ciência da Religião
Doutorado/Mestrado em CR. 2o Sem/2018
Arlindo Rocha
Renilda Almeida
08/11/2018
1
ÍNDICE
 INTRODUÇÃO
 ORIENTAÇÕES CONCEITUAIS
 ANTECEDENTES DA FILOSOFIA DA RELIGIÃO
 FILOSOFIA DA RELIGIÃO
 FILOSOFIA DA RELIGIÃO NO MUNDO ANGLO-SAXÃO
 FILOSOFIA CONTINENTAL RELIGIÃO
 FILOSOFIA COMPARADA DA RELIGIÃO
 FILOSOFIA DA RELIGIÃO NO BRASIL
 CONCLUSÃO
2
Dados biográficos
Professor e pesquisador associado da Universidade
de Brasília, com estudos na Universidade de Chicago
(1970-71), possui graduação em Latim e Literatura
Latina pela Universidade de Kansas (1974),
Graduação em Filosofia e Teologia, Mestrado (1982) e
doutorado (1988) em Filosofia pela Pontifícia
Universidade São Tomás de Aquino. Experiência nas
áreas de Filosofia, Teologia e Ciência da Religião, com
ênfase em Filosofia Medieval, Filosofia Oriental,
Metafísica, Teologia e Filosofia Comparadas. Foi
pesquisador visitante na Universidade Nacional de
Cingapura em 2007 e no Centro para o Estudo das
Religiões Mundiais da Universidade de Harvard em
2013.
3
INTRODUÇÃO
 A FILOSOFIA DA RELIGIÃO não surgiu do dia para a noite, foi um processo
onde é possível identificar caminhos [paralelos – divergentes –
convergentes].
 O objetivo desse artigo é examinar a relação histórica e problemática entre
RELIGIÃO e FILOSOFIA que deram origem a FILOSOFIA DA RELIGIÃO:
1. No PRIMEIRO momento - reflete sobre a complexa realidade conceitual de cada
termo, mostrando a dificuldade na definição objetiva de cada um;
2. No SEGUNDO momento - investe na procura dos antecedentes da filosofia da
religião;
3. No TERCEIRO momento - aborda a filosofia no mundo anglo-saxão; seguida da
filosofia continental da religião;
4. E, finalmente faz uma análise sobre a filosofia comparada da religião e a filosofia
da religião no Brasil.
4
INTRODUÇÃO (cont)
 Seu surgimento remonta à dois fatos históricos:
1. Estudo não confessional da religião a partir do século XVIII;
em perspectiva histórica, linguística, antropológica,
sociológica e psicológica;
2. Surgimento de novos estudos de religiões pouco conhecidas;
 Na filosofia contemporânea ressurge o interesse reanimado:
 pela crença e fenomenologia da experiência e linguagem
religiosas;
 Pelo problema do mal e da liberdade humana;
 Pelos argumentos sobre a existência de Deus ou não.
5
ORIENTAÇÕES CONCEITUAIS
 Nesse ponto, o autor se propõe a definir os conceitos, de
FILOSOFIA e RELIGIÃO.
 A dificuldade na definição da FILOSOFIA reside na polissemia das filosofias,
como reflexo da disparidade de significações do termo ao longo da história
das correntes filosóficas, pois, contrariamente as ciências particulares que
buscam saber tudo sobre algo; a filosofia pretende saber algo de tudo.
 Definições de RELIGIÃO, também são polêmicas, mas o autor sugere quatro
parâmetros, visando contornar a natureza das religiões:
 existem níveis heterogêneos do real superiores àqueles registrados por nossos
sentidos;
 a nossa relação com a transcendência é de suma importância;
 por qualquer razão, essa relação foi interrompida;
 consequentemente uma religião se apresenta como meio de restaurar e sanar
essa relação.
6
ORIENTAÇÕES CONCEITUAIS (cont)
 Para o autor a Filosofia da Religião se estrutura em torno
de quatro eixos:
 Discussão da existência e natureza de Deus ou de algo
transcendente;
 A justificativa da crença, a experiência religiosa, a mística e os
milagres;
 O problema do mal e do livre arbítrio;
 As estruturas religiosas, cognitivas, morais e rituais, ou o credo,
o código e o culto.
7
ANTECEDENTES DA FILOSOFIA DA RELIGIÃO
Ao relacionarmos os conceitos de FILOSOFIA e RELIGIÃO, podemos
elencar três tentativas, a saber:
1. Filosofia é Religião (identidade), ou seja, uma aproximação semelhante a uma fusão;
Pode ser identificada de duas formas:
 Em certas correntes do budismo, do neoplatonismo, no positivismo comteano e
nas formas pragmáticas do marxismo;
 Correntes religiosas que reclamam somente à revelação ou a uma intuição mística,
todos os direitos de conhecimento fidedigno acessível ao homem.
2. Filosofia e Religião (paralelismo), saberes distintos e inconfundíveis, tanto no método
quanto no conteúdo;
Os dois conceitos afastam um do outro:
 Distinção e distância estabeleceram-se como caraterísticas dessa relação;
 Ambas costumam ser vistas como inconfundíveis tanto no método quanto no
conteúdo.
3. Filosofia na Religião (teologias e metafísicas religiosas), a cooperação entre ambas
gerou grandes teologias.
 a cooperação entre ambas, no Ocidente gerou grandes teologias,
(Cristianismo, Judaísmo e Islã).
8
FILOSOFIA DA RELIGIÃO
No mundo moderno, a Filosofia começou a ter a Religião
como objeto de reflexão e aponta três razões.
 Primeiro: no século XV – Cisma da cristandade entre Oriente e
Ocidente; surgimento de denominações protestantes; a religião
deixou de ser identificada com uma única igreja;
 Segundo: a chegada de novas fontes de informação sobre o
oriente no século XVII através dos Jesuítas.
 Terceiro: surgimento das ciências modernas: ataques ao
pensamento religioso/teológico levaram ao amadurecimento da
reflexão sobre a origem desse fenômeno.
9
FILOSOFIA DA RELIGIÃO (cont.)
 Nos séculos XVI e XVII, vários pensadores tentaram estudar a religião
enquanto tal, com um olhar filosófico, mas com pouco impacto.
Exemplos:
 Jean Bodin (séc. XV);
 Pedro Abelardo, Raimundo Lulio (séc. XIII);
 Nicolau de Cusa (séc. XV).
 No século seguinte Edward Herbert Cherbury, publicou suas Cinco noções
comuns, que ofereceram outro caminho pela formulação de teses abstratas e
universais.
 Outras interpretações tentaram dar um valor aos pormenores da crença:
 Bernard Fontenelle (séc. XVIII) sugeriu que a religião como uma espécie de
protociência [esforço racional], mas da parte de pessoas não instruídas pela ciência
moderna;
 Giambattista Vico (séc. XVIII) valorizava o aspecto poético e imaginativo caraterístico
das religiões como válida, mas, não valorizada de conhecimento.
10
FILOSOFIA DA RELIGIÃO (cont.)
 Com David HUME e outros filósofos do séc. XVIII - questões sobre
religião começaram a universalizar com um viés mais crítico.
Para ele:
 Os milagres não merecem crença da parte do homem;
 Os argumentos sobre a existência de Deus eram refutáveis;
 A origem da religião seria atribuível a projeções de agência humana em
poderes da natureza ainda não conhecidos cientificamente.
 Um século depois [XIX], MARX afirmará que “a crítica da religião é a pré-
condição de toda a crítica futura” [...]
 LEIBNIZ [vê a religião com bons olhos] – escreveu em 1710 um Discurso
preliminar sobre a conformidade da fé com a razão;
 No final do século KANT daria um valor positivo à religião [o instinto moral
humano pode explicar o surgimento das crenças, que serviriam como
defensores da moral]:
Em KANT, a redução da religião à moral teve como meta transformar o ser humano e
não apenas no agir.
11
FILOSOFIA DA RELIGIÃO (cont.)
 HEGEL e COMTE integram a religião nos seus sistemas filosóficos:
 No primeiro caso, etapa necessária para o idealismo hegeliano, como
estágio de emergência do Espírito Absoluto;
 No positivismo comteano, como etapa separada no progresso rumo a
formulação do positivismo como a religião da humanidade.
 SCHLEIERMACHER valoriza a religião positivamente, mas de
maneira não teórica.
Obs: enquanto KANT pretendeu explicar a religião deixando os fatos
religiosos concretos desprovidos de interesse, HEGEL, COMTE e
SCHLEIERMACHER, valorizaram os fenômenos particulares, fazendo de um
filosofar sobre a religião uma autêntica Filosofia da Religião.
12
FILOSOFIA DA RELIGIÃO (cont.)
FEUERBACH, KIERKEGAARD, FREUD, MARX, ambos a sua
maneira refletem sobre o “fenômeno”:
 FEUERBACH – vê no cristianismo, uma filosofia do homem, ou
seja, algo integral à realidade humana que requer reflexão.
 KIERKEGAARD - interpretará os paradoxos e aparentes
contradições do Cristianismo como estratégias divinas para
desarmar a ignorância humana.
 FREUD e MARX – vêm na religião não apenas só doença ou
narcótico, mas algo rico e cheio de conteúdo intelectualmente
estimulante, embora as interpretações sejam divergentes.
13
FILOSOFIA DA RELIGIÃO (cont.)
Fora do mundo acadêmico, os filósofos como GUÉNON
COOMARASWAMY [perenalistas] avançam a Tese de uma FILOSOFIA
PERENE, presente em todas as tradições religiosas, que incentivou
obras relevantes para a FILOSOFIA DA RELIGIÃO.
 Em meados do século XX, identifica-se duas tendências que levaram
o filósofo acadêmico a se ocupar da religião.
 Primeira: reanimação de algumas problemáticas epistemológicas e
até metafísicas que a Filosofia acadêmica havia tentado aposentar,
mas, sem êxito;
 Segunda: nova atenção proporcionada à riqueza e diversidade do
fenômeno religioso, provindo das Ciências Sociais e da religião
comparada.
14
FILOSOFIA DA RELIGIÃO (cont.)
A relevância desses estudos chegou à tona graças aos estudos sobre
filosofia Oriental. A íntima relação entre Religião e Filosofia fez com
que a FILOSOFIA DA RELIGIÃO recebesse bastante atenção.
Além disso, ainda podemos citar:
 Interesse crescente na Filosofia mundial (Sabedoria indígena, por exemplo);
 Interesse na Fenomenologia da Religião através dos teólogos OTTO, VAN DER LEEUW,
MAX SCHELER e ELIADE.
 MAS, o termo FILOSOFIA DA RELIGIAO fez sua estreia acadêmica com o filósofo
platônico Ralph Cudworth (século XVII) ganhando nomenclatura na última
década do século XVIII.
 Na segunda metade do século XX despertou mais interesse de pesquisa e
publicação, pois, os filósofos começaram a abrigar-se nos departamentos de
Filosofia.
15
FILOSOFIA DA RELIGIÃO NO MUNDO ANGLO-SAXÃO
A corrente de FILOSOFIA DA RELIGIÃO mais ativa no início do século XXI nasceu na
linhagem de uma escola histórica anti-metafísica e antirreligiosa: O POSITIVISMO
LÓGICO.
 Não que o conhecimento religioso metafísico fosse falso, mas carecia de
sentido.
 Então, como é que desse contexto pouco promissor surgiu a manifestação mais
vigorosa de FILOSOFIA DA RELIGIÃO no mundo acadêmico?
 Foi graças a WITTGENSTEIN. Sua obra Tratactus logico-philosophicus (1921) é vista
como uma declaração de independência do cientificismo para o CÍRCULO DE
VIENA e do POSITIVISMO LÓGICO.
 Ele declarou assuntos metafísicos e religiosos além do alcance da linguagem
empiricamente verificável e de interesse zero para a filosofia, porém, anos depois,
rejeitou a teoria da linguagem do seu Tratactus e abraçou a visão de “jogos de
linguagem” como a maneira que vários sentidos fora da ciência podem construir
sentidos religiosos.
16
FILOSOFIA DA RELIGIÃO NO MUNDO ANGLO-SAXÃO (cont.)
Outros estudiosos, a partir de 1950 abriram portas para a “linguagem
ordinária” e começaram a estudar a linguagem religiosa, assuntos
metafísicos, epistemológicos e moral ligados à religião.
 A Filosofia da Religião tem se dedicado a assuntos relevantes a
saber:
 A coerência da ideia de Deus e provas para a Sua existência;
 A epistemologia da fé e a experiência religiosa;
 O problema do mal.
17
FILOSOFIA DA RELIGIÃO NO MUNDO ANGLO-SAXÃO (cont.)
 Na discussão das demonstrações sobre a existência de Deus:
 SWINBURN, sugere que apesar da insuficiência das provas
ontológicas, cosmológicas, teológicas e morais, vistas em conjunto
constituem um elemento de alta probabilidade;
 Outra prova é aquela apresentada pelos seguidores da
“epistemologia reformada” de CALVINO, que defenderam o caráter
básico pré-argumentativo da crença em Deus, e, por isso, nem
precisa de provas para justificar;
 PLANTINGA completa sua defesa da racionalidade da crença em Deus
atacando o naturalismo ontológico. Ele tira a possibilidade de confiar
que o aparato cognitivo humano torna possível teorias verdadeiras e
não meramente úteis para a sobrevivência.
18
FILOSOFIA DA RELIGIÃO NO MUNDO ANGLO-SAXÃO (cont.)
Vários filósofos analíticos da religião tem desmentido acusações de
uma irracionalidade, mostrando que, se uma crença não pode ser
provada racionalmente, no entanto pode ser razoável aceitá-la.
 Geralmente esses pensadores são tidos como CRIPTOAPOLGETAS do
Cristianismo, por terem se juntado a pensadores religiosos dos séculos XVII e
XVIII [...]
Outra FILOSOFIA DA RELIGIÃO vem de teólogos inspirados por
WHITEHEAD que tentam eliminar o escândalo do MAL pela negação da
onipotência divina e a insistência em um Deus imanente.
 Novos modelos através da Biologia Evolucionista estão em discussão desde o
inicio do século, mas é muito cedo para avaliar o papel que terão a longo
prazo.
19
FILOSOFIA CONTINENTAL RELIGIÃO
 Embora a fronteira entre a FILOSOFIA ANGLO-SAXÃO e a CONTINENTAL não
esteja bem definida (séc XXI), ela é claramente não analítica, ou seja tem pouca
afinidade com as ciências naturais.
 Os filósofos encontram-se menos em departamentos de Filosofia, como no
mundo anglo-saxão, e mais em departamentos de Teologia ou Ciência da
Religião.
 FILÓSOFOS COMO:
 SCHLEIERMACHER , KIERKEGAARD tentam resgatar a religião do campo cognitivo;
 TROELTSCH e BULTMAN usam a categoria de história [história da salvação] para forjar
um pensamento coerente sobre a religião;
 Gabriel MARCEL e M. BUBER, através do existencialismo cristão revelam novos pontos
de contato entre religião e filosofia;
 O TOMISMO em todas as escolas [neoescolástica, transcendental, fenomenológica e
existencialista] continuam gerando aprofundamentos filosóficos através do legado de
AQUINO, com Kant, Husserl Heidegger e Wittgenstein.
20
FILOSOFIA COMPARADA DA RELIGIÃO
 É uma área mais recente, mas que promete muito crescimento. Ela
migrou para as Ciencias Sociais, as humanidades e a História chegando
aos departamentos de Ciência da Religião.
 Grande parte da terminologia religiosa carece de exegese filosófica só
para que possam articular suas convicções e explicar suas práticas.
 A Filosofia na Religião afasta-se do contexto confessional e junta-se as
outras filosofias que servem em outras tradições para comparar
conceitos lógicos, cosmológicos, psicológicos, metafísicos, éticos e
estéticos para construir uma FILOSOFIA COMPARADA DA RELIGIÃO.
21
FILOSOFIA DA RELIGIÃO NO BRASIL
 Encontra-se camuflada, entre Departamentos de Teologia,
Ciência da Religião e Filosofia, sendo temido como uma forma
criptoteologia.
 Tem despertado algum interesse por parte de missionários, de
cientistas sociais, especialmente das religiões minoritárias
que, juntamente com o Cristianismo criaram uma dinâmica que
não pode deixar a religião fora da ementa dos filósofos.
 Assim, a influência do positivismo (séc. XIX - XX) e do
marxismo na década de 1960, acabaram dando lugar a
programas de FILOSOFIA DA RELGIÃO no final do século XX, em
algumas pós-graduações do país, tendo sido criada a ABFR que
até 2017 organizou sete congressos nacionais.
22
CONCLUSÃO
 O perfil da FILOSOFIA DA RELIGIÃO pode ser esboçado através de
dois tópicos:
 Os que dirigem sua reflexão ao objeto de crença e práxis religiosa:
 Esses abordam seu objeto apenas como aquilo que a razão humana pode
determinar;
 Podem levar em consideração dimensões filosóficas das doutrinas além da razão
que abrem horizonte não racionais
 Outros debruçam sobre o sujeito da experiência religiosa:
 Estes podem estudar as condições de possibilidade cognitivas e psicológicas da experiência
religiosa e até mística.
Negando à religião a possibilidade de uma reflexão filosófica abrangente é torná-la
mais pobre, pois, nenhum outro assunto é capaz de revigorar nos filósofos a
dedicação prestada por seus antepassados às GRANDES QUESTÕES.
23
Obrigado!
24

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Filosofia medieval
Filosofia medievalFilosofia medieval
Filosofia medieval
Janimara
 
Filosofia
Filosofia Filosofia
Filosofia
Erica Frau
 
Kant
KantKant
Filosofia da Arte: Arte e estética
Filosofia da Arte: Arte e estéticaFilosofia da Arte: Arte e estética
Filosofia da Arte: Arte e estética
Raphael Lanzillotte
 
Ceticismo
CeticismoCeticismo
Dogmatismo, Ceticismo e Criticismo
Dogmatismo, Ceticismo e CriticismoDogmatismo, Ceticismo e Criticismo
Dogmatismo, Ceticismo e Criticismo
Mariana Couto
 
Filosofia da Ciência
Filosofia da CiênciaFilosofia da Ciência
Filosofia da Ciência
Cristopher Kennedy
 
Aula de filosofia antiga, tema: Santo Agostinho de Hipona
Aula de filosofia antiga, tema: Santo Agostinho de HiponaAula de filosofia antiga, tema: Santo Agostinho de Hipona
Aula de filosofia antiga, tema: Santo Agostinho de Hipona
Leandro Nazareth Souto
 
1 introdução à reflexão filosofica
1 introdução à reflexão filosofica1 introdução à reflexão filosofica
1 introdução à reflexão filosofica
Daniele Rubim
 
Filosofia.1º ano
Filosofia.1º anoFilosofia.1º ano
Filosofia.1º ano
Jorge Marcos Oliveira
 
Platão
PlatãoPlatão
4 filosofia e senso comum
4 filosofia e senso comum 4 filosofia e senso comum
4 filosofia e senso comum
Erica Frau
 
A Revolução Científica
A Revolução CientíficaA Revolução Científica
A Revolução Científica
Rui Neto
 
Lógica filosófica
Lógica filosóficaLógica filosófica
Lógica filosófica
Italo Colares
 
Filosofia contemporânea
Filosofia contemporâneaFilosofia contemporânea
Filosofia contemporânea
Lucas Sousa
 
O racionalismo
O racionalismoO racionalismo
O racionalismo
Alison Nunes
 
Revolução científica
Revolução científicaRevolução científica
Revolução científica
cattonia
 
Senso Comum e Ciência
Senso Comum e CiênciaSenso Comum e Ciência
Senso Comum e Ciência
Jorge Barbosa
 
Ideologia
IdeologiaIdeologia
Ideologia
Douglas Gregorio
 
Os pré-socráticos
Os pré-socráticosOs pré-socráticos
Os pré-socráticos
João Paulo Rodrigues
 

Mais procurados (20)

Filosofia medieval
Filosofia medievalFilosofia medieval
Filosofia medieval
 
Filosofia
Filosofia Filosofia
Filosofia
 
Kant
KantKant
Kant
 
Filosofia da Arte: Arte e estética
Filosofia da Arte: Arte e estéticaFilosofia da Arte: Arte e estética
Filosofia da Arte: Arte e estética
 
Ceticismo
CeticismoCeticismo
Ceticismo
 
Dogmatismo, Ceticismo e Criticismo
Dogmatismo, Ceticismo e CriticismoDogmatismo, Ceticismo e Criticismo
Dogmatismo, Ceticismo e Criticismo
 
Filosofia da Ciência
Filosofia da CiênciaFilosofia da Ciência
Filosofia da Ciência
 
Aula de filosofia antiga, tema: Santo Agostinho de Hipona
Aula de filosofia antiga, tema: Santo Agostinho de HiponaAula de filosofia antiga, tema: Santo Agostinho de Hipona
Aula de filosofia antiga, tema: Santo Agostinho de Hipona
 
1 introdução à reflexão filosofica
1 introdução à reflexão filosofica1 introdução à reflexão filosofica
1 introdução à reflexão filosofica
 
Filosofia.1º ano
Filosofia.1º anoFilosofia.1º ano
Filosofia.1º ano
 
Platão
PlatãoPlatão
Platão
 
4 filosofia e senso comum
4 filosofia e senso comum 4 filosofia e senso comum
4 filosofia e senso comum
 
A Revolução Científica
A Revolução CientíficaA Revolução Científica
A Revolução Científica
 
Lógica filosófica
Lógica filosóficaLógica filosófica
Lógica filosófica
 
Filosofia contemporânea
Filosofia contemporâneaFilosofia contemporânea
Filosofia contemporânea
 
O racionalismo
O racionalismoO racionalismo
O racionalismo
 
Revolução científica
Revolução científicaRevolução científica
Revolução científica
 
Senso Comum e Ciência
Senso Comum e CiênciaSenso Comum e Ciência
Senso Comum e Ciência
 
Ideologia
IdeologiaIdeologia
Ideologia
 
Os pré-socráticos
Os pré-socráticosOs pré-socráticos
Os pré-socráticos
 

Semelhante a FILOSOFIA DA RELIGIÃO - [PAINE, Scott Randall]

7361 28363-1-pb
7361 28363-1-pb7361 28363-1-pb
7361 28363-1-pb
djairpaulo paulo
 
Apresentacao_banca final.pptx
Apresentacao_banca final.pptxApresentacao_banca final.pptx
Apresentacao_banca final.pptx
Gilbraz Aragão
 
Reflexões teóricas e históricas sobre o espiritualismo de 1850 a 1930
Reflexões teóricas e históricas sobre o espiritualismo de 1850 a 1930Reflexões teóricas e históricas sobre o espiritualismo de 1850 a 1930
Reflexões teóricas e históricas sobre o espiritualismo de 1850 a 1930
ceakimb
 
Filosofia medieval 25tp
Filosofia medieval 25tpFilosofia medieval 25tp
Filosofia medieval 25tp
Alexandre Misturini
 
A Historia da Ciência da Religião.
A Historia da Ciência da Religião.A Historia da Ciência da Religião.
A Historia da Ciência da Religião.
Arlindo Nascimento Rocha - "Oficina Acadêmica"
 
Filosofia medieval
Filosofia medievalFilosofia medieval
Filosofia medieval
Agostinhofilho
 
7424 34663-1-pb
7424 34663-1-pb7424 34663-1-pb
7424 34663-1-pb
djairpaulo paulo
 
Contribuições da antropologia para as pesquisas no programa de pós
Contribuições da antropologia para as pesquisas no programa de pósContribuições da antropologia para as pesquisas no programa de pós
Contribuições da antropologia para as pesquisas no programa de pós
lumennovum
 
A área de ciências da religião no brasil 2023.ppsx
A área de ciências da religião no brasil  2023.ppsxA área de ciências da religião no brasil  2023.ppsx
A área de ciências da religião no brasil 2023.ppsx
Gilbraz Aragão
 
Filosofia medieval slide
Filosofia medieval slideFilosofia medieval slide
Filosofia medieval slide
Alexandre Misturini
 
Paula montero controversas publicas sobre religiao
Paula montero controversas publicas sobre religiaoPaula montero controversas publicas sobre religiao
Paula montero controversas publicas sobre religiao
Ulisses de Oliveira
 
Filosofia medieval camila m, camila t, sabrina, marina e luiza
Filosofia medieval   camila m, camila t, sabrina, marina e luizaFilosofia medieval   camila m, camila t, sabrina, marina e luiza
Filosofia medieval camila m, camila t, sabrina, marina e luiza
Alexandre Misturini
 
O SEDUTOR FUTURO DA TEOLOGIA
O SEDUTOR FUTURO DA TEOLOGIAO SEDUTOR FUTURO DA TEOLOGIA
O SEDUTOR FUTURO DA TEOLOGIA
Virna Salgado Barra
 
Slides da Disciplina de Filosofia da Religião
Slides da Disciplina de Filosofia da ReligiãoSlides da Disciplina de Filosofia da Religião
Slides da Disciplina de Filosofia da Religião
andrealvessobral
 
Tomás Nsunda Lelo, Fasciculo de teologia contemporanea
Tomás Nsunda Lelo, Fasciculo de teologia contemporaneaTomás Nsunda Lelo, Fasciculo de teologia contemporanea
Tomás Nsunda Lelo, Fasciculo de teologia contemporanea
LELO
 
Universidade de cuiab3
Universidade de cuiab3Universidade de cuiab3
Universidade de cuiab3
ostozao
 
Platonismo e cristianismo: Irreconciabilidade radical ou elementos comuns?
Platonismo e cristianismo: Irreconciabilidade radical ou elementos comuns?Platonismo e cristianismo: Irreconciabilidade radical ou elementos comuns?
Platonismo e cristianismo: Irreconciabilidade radical ou elementos comuns?
Pr. Régerson Molitor
 
Filosofia medieval raiana 27 np
Filosofia medieval raiana 27 npFilosofia medieval raiana 27 np
Filosofia medieval raiana 27 np
Alexandre Misturini
 
UMA VISAO SOBRE FILOSOFIA MEDIEVAL 2 MODULO.docx
UMA VISAO SOBRE FILOSOFIA MEDIEVAL 2 MODULO.docxUMA VISAO SOBRE FILOSOFIA MEDIEVAL 2 MODULO.docx
UMA VISAO SOBRE FILOSOFIA MEDIEVAL 2 MODULO.docx
andresilvahis
 
psicanálise e religião
psicanálise e religiãopsicanálise e religião
psicanálise e religião
faculdadeteologica
 

Semelhante a FILOSOFIA DA RELIGIÃO - [PAINE, Scott Randall] (20)

7361 28363-1-pb
7361 28363-1-pb7361 28363-1-pb
7361 28363-1-pb
 
Apresentacao_banca final.pptx
Apresentacao_banca final.pptxApresentacao_banca final.pptx
Apresentacao_banca final.pptx
 
Reflexões teóricas e históricas sobre o espiritualismo de 1850 a 1930
Reflexões teóricas e históricas sobre o espiritualismo de 1850 a 1930Reflexões teóricas e históricas sobre o espiritualismo de 1850 a 1930
Reflexões teóricas e históricas sobre o espiritualismo de 1850 a 1930
 
Filosofia medieval 25tp
Filosofia medieval 25tpFilosofia medieval 25tp
Filosofia medieval 25tp
 
A Historia da Ciência da Religião.
A Historia da Ciência da Religião.A Historia da Ciência da Religião.
A Historia da Ciência da Religião.
 
Filosofia medieval
Filosofia medievalFilosofia medieval
Filosofia medieval
 
7424 34663-1-pb
7424 34663-1-pb7424 34663-1-pb
7424 34663-1-pb
 
Contribuições da antropologia para as pesquisas no programa de pós
Contribuições da antropologia para as pesquisas no programa de pósContribuições da antropologia para as pesquisas no programa de pós
Contribuições da antropologia para as pesquisas no programa de pós
 
A área de ciências da religião no brasil 2023.ppsx
A área de ciências da religião no brasil  2023.ppsxA área de ciências da religião no brasil  2023.ppsx
A área de ciências da religião no brasil 2023.ppsx
 
Filosofia medieval slide
Filosofia medieval slideFilosofia medieval slide
Filosofia medieval slide
 
Paula montero controversas publicas sobre religiao
Paula montero controversas publicas sobre religiaoPaula montero controversas publicas sobre religiao
Paula montero controversas publicas sobre religiao
 
Filosofia medieval camila m, camila t, sabrina, marina e luiza
Filosofia medieval   camila m, camila t, sabrina, marina e luizaFilosofia medieval   camila m, camila t, sabrina, marina e luiza
Filosofia medieval camila m, camila t, sabrina, marina e luiza
 
O SEDUTOR FUTURO DA TEOLOGIA
O SEDUTOR FUTURO DA TEOLOGIAO SEDUTOR FUTURO DA TEOLOGIA
O SEDUTOR FUTURO DA TEOLOGIA
 
Slides da Disciplina de Filosofia da Religião
Slides da Disciplina de Filosofia da ReligiãoSlides da Disciplina de Filosofia da Religião
Slides da Disciplina de Filosofia da Religião
 
Tomás Nsunda Lelo, Fasciculo de teologia contemporanea
Tomás Nsunda Lelo, Fasciculo de teologia contemporaneaTomás Nsunda Lelo, Fasciculo de teologia contemporanea
Tomás Nsunda Lelo, Fasciculo de teologia contemporanea
 
Universidade de cuiab3
Universidade de cuiab3Universidade de cuiab3
Universidade de cuiab3
 
Platonismo e cristianismo: Irreconciabilidade radical ou elementos comuns?
Platonismo e cristianismo: Irreconciabilidade radical ou elementos comuns?Platonismo e cristianismo: Irreconciabilidade radical ou elementos comuns?
Platonismo e cristianismo: Irreconciabilidade radical ou elementos comuns?
 
Filosofia medieval raiana 27 np
Filosofia medieval raiana 27 npFilosofia medieval raiana 27 np
Filosofia medieval raiana 27 np
 
UMA VISAO SOBRE FILOSOFIA MEDIEVAL 2 MODULO.docx
UMA VISAO SOBRE FILOSOFIA MEDIEVAL 2 MODULO.docxUMA VISAO SOBRE FILOSOFIA MEDIEVAL 2 MODULO.docx
UMA VISAO SOBRE FILOSOFIA MEDIEVAL 2 MODULO.docx
 
psicanálise e religião
psicanálise e religiãopsicanálise e religião
psicanálise e religião
 

Mais de Arlindo Nascimento Rocha - "Oficina Acadêmica"

PPT: A RELIGIÃO DO HOMEM DECAÍDO EM BUSCA DO DEUSABSCONDITUS EM BLAISE PASCAL...
PPT: A RELIGIÃO DO HOMEM DECAÍDO EM BUSCA DO DEUSABSCONDITUS EM BLAISE PASCAL...PPT: A RELIGIÃO DO HOMEM DECAÍDO EM BUSCA DO DEUSABSCONDITUS EM BLAISE PASCAL...
PPT: A RELIGIÃO DO HOMEM DECAÍDO EM BUSCA DO DEUSABSCONDITUS EM BLAISE PASCAL...
Arlindo Nascimento Rocha - "Oficina Acadêmica"
 
MODELOS E PRÁTICAS DO ENSINO RELIGIOSO E DIVERSIDADE RELIGIOSA EM SALA DE AUL...
MODELOS E PRÁTICAS DO ENSINO RELIGIOSO E DIVERSIDADE RELIGIOSA EM SALA DE AUL...MODELOS E PRÁTICAS DO ENSINO RELIGIOSO E DIVERSIDADE RELIGIOSA EM SALA DE AUL...
MODELOS E PRÁTICAS DO ENSINO RELIGIOSO E DIVERSIDADE RELIGIOSA EM SALA DE AUL...
Arlindo Nascimento Rocha - "Oficina Acadêmica"
 
Mobilidade humana nacional e internacional: problemas e soluções
Mobilidade humana nacional e internacional: problemas e soluçõesMobilidade humana nacional e internacional: problemas e soluções
Mobilidade humana nacional e internacional: problemas e soluções
Arlindo Nascimento Rocha - "Oficina Acadêmica"
 
Aprendizagem na atualidade: dos saberes às práticas
Aprendizagem na atualidade: dos saberes às práticasAprendizagem na atualidade: dos saberes às práticas
Aprendizagem na atualidade: dos saberes às práticas
Arlindo Nascimento Rocha - "Oficina Acadêmica"
 
Entretextos: coletânea de textos acadêmicos
Entretextos: coletânea de textos acadêmicos Entretextos: coletânea de textos acadêmicos
Entretextos: coletânea de textos acadêmicos
Arlindo Nascimento Rocha - "Oficina Acadêmica"
 
RELIGIÕES AFRO-BRASILEIRAS DENTRO E FORA DAS ESCOLAS
RELIGIÕES AFRO-BRASILEIRAS DENTRO E FORA DAS ESCOLASRELIGIÕES AFRO-BRASILEIRAS DENTRO E FORA DAS ESCOLAS
RELIGIÕES AFRO-BRASILEIRAS DENTRO E FORA DAS ESCOLAS
Arlindo Nascimento Rocha - "Oficina Acadêmica"
 
Uma leitura atual sobre a construção política e social na filosofia de Blaise...
Uma leitura atual sobre a construção política e social na filosofia de Blaise...Uma leitura atual sobre a construção política e social na filosofia de Blaise...
Uma leitura atual sobre a construção política e social na filosofia de Blaise...
Arlindo Nascimento Rocha - "Oficina Acadêmica"
 
Uma leitura atual sobre a construção política e social na filosofia de Blaise...
Uma leitura atual sobre a construção política e social na filosofia de Blaise...Uma leitura atual sobre a construção política e social na filosofia de Blaise...
Uma leitura atual sobre a construção política e social na filosofia de Blaise...
Arlindo Nascimento Rocha - "Oficina Acadêmica"
 
BLAISE PASCAL: DESEJO E DIVERTIMENTO COMO FUGA DE SI MESMO NA ANTROPOLOGIA PA...
BLAISE PASCAL: DESEJO E DIVERTIMENTO COMO FUGA DE SI MESMO NA ANTROPOLOGIA PA...BLAISE PASCAL: DESEJO E DIVERTIMENTO COMO FUGA DE SI MESMO NA ANTROPOLOGIA PA...
BLAISE PASCAL: DESEJO E DIVERTIMENTO COMO FUGA DE SI MESMO NA ANTROPOLOGIA PA...
Arlindo Nascimento Rocha - "Oficina Acadêmica"
 
PEDRO SIQUEIRA: O ESCOLHIDO PARA FALAR COM SANTOS, ANJOS E NOSSA SENHORA
PEDRO SIQUEIRA: O ESCOLHIDO PARA FALAR COM SANTOS, ANJOS E NOSSA SENHORAPEDRO SIQUEIRA: O ESCOLHIDO PARA FALAR COM SANTOS, ANJOS E NOSSA SENHORA
PEDRO SIQUEIRA: O ESCOLHIDO PARA FALAR COM SANTOS, ANJOS E NOSSA SENHORA
Arlindo Nascimento Rocha - "Oficina Acadêmica"
 
SER JUDEU: UMA HERANÇA GENÉTICA TRANSMITIDA UNICAMENTE PELO SANGUE?
SER JUDEU: UMA HERANÇA GENÉTICA TRANSMITIDA UNICAMENTE PELO SANGUE?SER JUDEU: UMA HERANÇA GENÉTICA TRANSMITIDA UNICAMENTE PELO SANGUE?
SER JUDEU: UMA HERANÇA GENÉTICA TRANSMITIDA UNICAMENTE PELO SANGUE?
Arlindo Nascimento Rocha - "Oficina Acadêmica"
 
A FRAQUEZA DA RAZÃO E A INCERTEZA DO CONHECIMENTO DA VERDADE EM BLAISE PASCAL
A FRAQUEZA DA RAZÃO E A INCERTEZA DO CONHECIMENTO DA VERDADE EM BLAISE PASCALA FRAQUEZA DA RAZÃO E A INCERTEZA DO CONHECIMENTO DA VERDADE EM BLAISE PASCAL
A FRAQUEZA DA RAZÃO E A INCERTEZA DO CONHECIMENTO DA VERDADE EM BLAISE PASCAL
Arlindo Nascimento Rocha - "Oficina Acadêmica"
 
O PROBLEMA DO MAL E A OCULTAÇÃO DE DEUS: UMA ANÁLISE SOBREO PECADO ORIGINAL C...
O PROBLEMA DO MAL E A OCULTAÇÃO DE DEUS: UMA ANÁLISE SOBREO PECADO ORIGINAL C...O PROBLEMA DO MAL E A OCULTAÇÃO DE DEUS: UMA ANÁLISE SOBREO PECADO ORIGINAL C...
O PROBLEMA DO MAL E A OCULTAÇÃO DE DEUS: UMA ANÁLISE SOBREO PECADO ORIGINAL C...
Arlindo Nascimento Rocha - "Oficina Acadêmica"
 
Idas e Vindas do Sagrado - Danièle Hervieu-Léger
Idas e Vindas do Sagrado - Danièle Hervieu-LégerIdas e Vindas do Sagrado - Danièle Hervieu-Léger
Idas e Vindas do Sagrado - Danièle Hervieu-Léger
Arlindo Nascimento Rocha - "Oficina Acadêmica"
 
Conhecimento Religioso
Conhecimento ReligiosoConhecimento Religioso
Desafios da gestão democrática na escola pública: Emergência de um novo parad...
Desafios da gestão democrática na escola pública: Emergência de um novo parad...Desafios da gestão democrática na escola pública: Emergência de um novo parad...
Desafios da gestão democrática na escola pública: Emergência de um novo parad...
Arlindo Nascimento Rocha - "Oficina Acadêmica"
 
Dimensôes da condição humana no judaísmo: lutando contra Deus num mundo imper...
Dimensôes da condição humana no judaísmo: lutando contra Deus num mundo imper...Dimensôes da condição humana no judaísmo: lutando contra Deus num mundo imper...
Dimensôes da condição humana no judaísmo: lutando contra Deus num mundo imper...
Arlindo Nascimento Rocha - "Oficina Acadêmica"
 
Os Cinco Pilares do Islã
Os Cinco Pilares do IslãOs Cinco Pilares do Islã
O Rig Veda
O Rig VedaO Rig Veda
Judeus e não Judeus na família.
Judeus e não Judeus na família. Judeus e não Judeus na família.
Judeus e não Judeus na família.
Arlindo Nascimento Rocha - "Oficina Acadêmica"
 

Mais de Arlindo Nascimento Rocha - "Oficina Acadêmica" (20)

PPT: A RELIGIÃO DO HOMEM DECAÍDO EM BUSCA DO DEUSABSCONDITUS EM BLAISE PASCAL...
PPT: A RELIGIÃO DO HOMEM DECAÍDO EM BUSCA DO DEUSABSCONDITUS EM BLAISE PASCAL...PPT: A RELIGIÃO DO HOMEM DECAÍDO EM BUSCA DO DEUSABSCONDITUS EM BLAISE PASCAL...
PPT: A RELIGIÃO DO HOMEM DECAÍDO EM BUSCA DO DEUSABSCONDITUS EM BLAISE PASCAL...
 
MODELOS E PRÁTICAS DO ENSINO RELIGIOSO E DIVERSIDADE RELIGIOSA EM SALA DE AUL...
MODELOS E PRÁTICAS DO ENSINO RELIGIOSO E DIVERSIDADE RELIGIOSA EM SALA DE AUL...MODELOS E PRÁTICAS DO ENSINO RELIGIOSO E DIVERSIDADE RELIGIOSA EM SALA DE AUL...
MODELOS E PRÁTICAS DO ENSINO RELIGIOSO E DIVERSIDADE RELIGIOSA EM SALA DE AUL...
 
Mobilidade humana nacional e internacional: problemas e soluções
Mobilidade humana nacional e internacional: problemas e soluçõesMobilidade humana nacional e internacional: problemas e soluções
Mobilidade humana nacional e internacional: problemas e soluções
 
Aprendizagem na atualidade: dos saberes às práticas
Aprendizagem na atualidade: dos saberes às práticasAprendizagem na atualidade: dos saberes às práticas
Aprendizagem na atualidade: dos saberes às práticas
 
Entretextos: coletânea de textos acadêmicos
Entretextos: coletânea de textos acadêmicos Entretextos: coletânea de textos acadêmicos
Entretextos: coletânea de textos acadêmicos
 
RELIGIÕES AFRO-BRASILEIRAS DENTRO E FORA DAS ESCOLAS
RELIGIÕES AFRO-BRASILEIRAS DENTRO E FORA DAS ESCOLASRELIGIÕES AFRO-BRASILEIRAS DENTRO E FORA DAS ESCOLAS
RELIGIÕES AFRO-BRASILEIRAS DENTRO E FORA DAS ESCOLAS
 
Uma leitura atual sobre a construção política e social na filosofia de Blaise...
Uma leitura atual sobre a construção política e social na filosofia de Blaise...Uma leitura atual sobre a construção política e social na filosofia de Blaise...
Uma leitura atual sobre a construção política e social na filosofia de Blaise...
 
Uma leitura atual sobre a construção política e social na filosofia de Blaise...
Uma leitura atual sobre a construção política e social na filosofia de Blaise...Uma leitura atual sobre a construção política e social na filosofia de Blaise...
Uma leitura atual sobre a construção política e social na filosofia de Blaise...
 
BLAISE PASCAL: DESEJO E DIVERTIMENTO COMO FUGA DE SI MESMO NA ANTROPOLOGIA PA...
BLAISE PASCAL: DESEJO E DIVERTIMENTO COMO FUGA DE SI MESMO NA ANTROPOLOGIA PA...BLAISE PASCAL: DESEJO E DIVERTIMENTO COMO FUGA DE SI MESMO NA ANTROPOLOGIA PA...
BLAISE PASCAL: DESEJO E DIVERTIMENTO COMO FUGA DE SI MESMO NA ANTROPOLOGIA PA...
 
PEDRO SIQUEIRA: O ESCOLHIDO PARA FALAR COM SANTOS, ANJOS E NOSSA SENHORA
PEDRO SIQUEIRA: O ESCOLHIDO PARA FALAR COM SANTOS, ANJOS E NOSSA SENHORAPEDRO SIQUEIRA: O ESCOLHIDO PARA FALAR COM SANTOS, ANJOS E NOSSA SENHORA
PEDRO SIQUEIRA: O ESCOLHIDO PARA FALAR COM SANTOS, ANJOS E NOSSA SENHORA
 
SER JUDEU: UMA HERANÇA GENÉTICA TRANSMITIDA UNICAMENTE PELO SANGUE?
SER JUDEU: UMA HERANÇA GENÉTICA TRANSMITIDA UNICAMENTE PELO SANGUE?SER JUDEU: UMA HERANÇA GENÉTICA TRANSMITIDA UNICAMENTE PELO SANGUE?
SER JUDEU: UMA HERANÇA GENÉTICA TRANSMITIDA UNICAMENTE PELO SANGUE?
 
A FRAQUEZA DA RAZÃO E A INCERTEZA DO CONHECIMENTO DA VERDADE EM BLAISE PASCAL
A FRAQUEZA DA RAZÃO E A INCERTEZA DO CONHECIMENTO DA VERDADE EM BLAISE PASCALA FRAQUEZA DA RAZÃO E A INCERTEZA DO CONHECIMENTO DA VERDADE EM BLAISE PASCAL
A FRAQUEZA DA RAZÃO E A INCERTEZA DO CONHECIMENTO DA VERDADE EM BLAISE PASCAL
 
O PROBLEMA DO MAL E A OCULTAÇÃO DE DEUS: UMA ANÁLISE SOBREO PECADO ORIGINAL C...
O PROBLEMA DO MAL E A OCULTAÇÃO DE DEUS: UMA ANÁLISE SOBREO PECADO ORIGINAL C...O PROBLEMA DO MAL E A OCULTAÇÃO DE DEUS: UMA ANÁLISE SOBREO PECADO ORIGINAL C...
O PROBLEMA DO MAL E A OCULTAÇÃO DE DEUS: UMA ANÁLISE SOBREO PECADO ORIGINAL C...
 
Idas e Vindas do Sagrado - Danièle Hervieu-Léger
Idas e Vindas do Sagrado - Danièle Hervieu-LégerIdas e Vindas do Sagrado - Danièle Hervieu-Léger
Idas e Vindas do Sagrado - Danièle Hervieu-Léger
 
Conhecimento Religioso
Conhecimento ReligiosoConhecimento Religioso
Conhecimento Religioso
 
Desafios da gestão democrática na escola pública: Emergência de um novo parad...
Desafios da gestão democrática na escola pública: Emergência de um novo parad...Desafios da gestão democrática na escola pública: Emergência de um novo parad...
Desafios da gestão democrática na escola pública: Emergência de um novo parad...
 
Dimensôes da condição humana no judaísmo: lutando contra Deus num mundo imper...
Dimensôes da condição humana no judaísmo: lutando contra Deus num mundo imper...Dimensôes da condição humana no judaísmo: lutando contra Deus num mundo imper...
Dimensôes da condição humana no judaísmo: lutando contra Deus num mundo imper...
 
Os Cinco Pilares do Islã
Os Cinco Pilares do IslãOs Cinco Pilares do Islã
Os Cinco Pilares do Islã
 
O Rig Veda
O Rig VedaO Rig Veda
O Rig Veda
 
Judeus e não Judeus na família.
Judeus e não Judeus na família. Judeus e não Judeus na família.
Judeus e não Judeus na família.
 

Último

Texto e atividade - O que fazemos com a água que usamos.
Texto e atividade -  O que fazemos com a água que usamos.Texto e atividade -  O que fazemos com a água que usamos.
Texto e atividade - O que fazemos com a água que usamos.
Mary Alvarenga
 
reconquista sobre a guerra de ibérica.docx
reconquista sobre a guerra de ibérica.docxreconquista sobre a guerra de ibérica.docx
reconquista sobre a guerra de ibérica.docx
felipescherner
 
Auxiliar Adolescente 2024 3 trimestre 24
Auxiliar Adolescente 2024 3 trimestre 24Auxiliar Adolescente 2024 3 trimestre 24
Auxiliar Adolescente 2024 3 trimestre 24
DirceuSilva26
 
FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24
FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24
FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24
Sandra Pratas
 
Relatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdf
Falcão Brasil
 
Caça-palavras - multiplicação
Caça-palavras  -  multiplicaçãoCaça-palavras  -  multiplicação
Caça-palavras - multiplicação
Mary Alvarenga
 
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
marcos oliveira
 
IV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptx
IV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptxIV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptx
IV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptx
Ligia Galvão
 
apresentação metodologia terapia ocupacional
apresentação metodologia terapia ocupacionalapresentação metodologia terapia ocupacional
apresentação metodologia terapia ocupacional
shirleisousa9166
 
Trabalho Colaborativo na educação especial.pdf
Trabalho Colaborativo na educação especial.pdfTrabalho Colaborativo na educação especial.pdf
Trabalho Colaborativo na educação especial.pdf
marcos oliveira
 
Caça - palavras e cruzadinha com dígrafos
Caça - palavras  e cruzadinha   com  dígrafosCaça - palavras  e cruzadinha   com  dígrafos
Caça - palavras e cruzadinha com dígrafos
Mary Alvarenga
 
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Centro Jacques Delors
 
Relatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdf
Falcão Brasil
 
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
Sandra Pratas
 
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptxSlides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UEInfografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Centro Jacques Delors
 
Caderno 1 - Módulo Água JMS 2024 (1).pdf
Caderno 1 -  Módulo Água JMS 2024 (1).pdfCaderno 1 -  Módulo Água JMS 2024 (1).pdf
Caderno 1 - Módulo Água JMS 2024 (1).pdf
SupervisoEMAC
 

Último (20)

Texto e atividade - O que fazemos com a água que usamos.
Texto e atividade -  O que fazemos com a água que usamos.Texto e atividade -  O que fazemos com a água que usamos.
Texto e atividade - O que fazemos com a água que usamos.
 
reconquista sobre a guerra de ibérica.docx
reconquista sobre a guerra de ibérica.docxreconquista sobre a guerra de ibérica.docx
reconquista sobre a guerra de ibérica.docx
 
Auxiliar Adolescente 2024 3 trimestre 24
Auxiliar Adolescente 2024 3 trimestre 24Auxiliar Adolescente 2024 3 trimestre 24
Auxiliar Adolescente 2024 3 trimestre 24
 
FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24
FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24
FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24
 
TALENTOS DA NOSSA ESCOLA .
TALENTOS DA NOSSA ESCOLA                .TALENTOS DA NOSSA ESCOLA                .
TALENTOS DA NOSSA ESCOLA .
 
Relatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdf
 
Caça-palavras - multiplicação
Caça-palavras  -  multiplicaçãoCaça-palavras  -  multiplicação
Caça-palavras - multiplicação
 
FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO .
FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO                .FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO                .
FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO .
 
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
 
RECORDANDO BONS MOMENTOS! _
RECORDANDO BONS MOMENTOS!               _RECORDANDO BONS MOMENTOS!               _
RECORDANDO BONS MOMENTOS! _
 
IV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptx
IV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptxIV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptx
IV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptx
 
apresentação metodologia terapia ocupacional
apresentação metodologia terapia ocupacionalapresentação metodologia terapia ocupacional
apresentação metodologia terapia ocupacional
 
Trabalho Colaborativo na educação especial.pdf
Trabalho Colaborativo na educação especial.pdfTrabalho Colaborativo na educação especial.pdf
Trabalho Colaborativo na educação especial.pdf
 
Caça - palavras e cruzadinha com dígrafos
Caça - palavras  e cruzadinha   com  dígrafosCaça - palavras  e cruzadinha   com  dígrafos
Caça - palavras e cruzadinha com dígrafos
 
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
 
Relatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdf
 
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
 
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptxSlides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
 
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UEInfografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UE
 
Caderno 1 - Módulo Água JMS 2024 (1).pdf
Caderno 1 -  Módulo Água JMS 2024 (1).pdfCaderno 1 -  Módulo Água JMS 2024 (1).pdf
Caderno 1 - Módulo Água JMS 2024 (1).pdf
 

FILOSOFIA DA RELIGIÃO - [PAINE, Scott Randall]

  • 1. FILOSOFIA DA RELIGIÃO PAINE, Scott Randall. Filosofia da religião. In: Compêndio de Ciência da Religião/ João Décio Passos, Frank Usarski (Org.). – São Paulo: Paulinas: Paulus, 2013. PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE SÃO PAULO Departamento de Ciência da Religião Doutorado/Mestrado em CR. 2o Sem/2018 Arlindo Rocha Renilda Almeida 08/11/2018 1
  • 2. ÍNDICE  INTRODUÇÃO  ORIENTAÇÕES CONCEITUAIS  ANTECEDENTES DA FILOSOFIA DA RELIGIÃO  FILOSOFIA DA RELIGIÃO  FILOSOFIA DA RELIGIÃO NO MUNDO ANGLO-SAXÃO  FILOSOFIA CONTINENTAL RELIGIÃO  FILOSOFIA COMPARADA DA RELIGIÃO  FILOSOFIA DA RELIGIÃO NO BRASIL  CONCLUSÃO 2
  • 3. Dados biográficos Professor e pesquisador associado da Universidade de Brasília, com estudos na Universidade de Chicago (1970-71), possui graduação em Latim e Literatura Latina pela Universidade de Kansas (1974), Graduação em Filosofia e Teologia, Mestrado (1982) e doutorado (1988) em Filosofia pela Pontifícia Universidade São Tomás de Aquino. Experiência nas áreas de Filosofia, Teologia e Ciência da Religião, com ênfase em Filosofia Medieval, Filosofia Oriental, Metafísica, Teologia e Filosofia Comparadas. Foi pesquisador visitante na Universidade Nacional de Cingapura em 2007 e no Centro para o Estudo das Religiões Mundiais da Universidade de Harvard em 2013. 3
  • 4. INTRODUÇÃO  A FILOSOFIA DA RELIGIÃO não surgiu do dia para a noite, foi um processo onde é possível identificar caminhos [paralelos – divergentes – convergentes].  O objetivo desse artigo é examinar a relação histórica e problemática entre RELIGIÃO e FILOSOFIA que deram origem a FILOSOFIA DA RELIGIÃO: 1. No PRIMEIRO momento - reflete sobre a complexa realidade conceitual de cada termo, mostrando a dificuldade na definição objetiva de cada um; 2. No SEGUNDO momento - investe na procura dos antecedentes da filosofia da religião; 3. No TERCEIRO momento - aborda a filosofia no mundo anglo-saxão; seguida da filosofia continental da religião; 4. E, finalmente faz uma análise sobre a filosofia comparada da religião e a filosofia da religião no Brasil. 4
  • 5. INTRODUÇÃO (cont)  Seu surgimento remonta à dois fatos históricos: 1. Estudo não confessional da religião a partir do século XVIII; em perspectiva histórica, linguística, antropológica, sociológica e psicológica; 2. Surgimento de novos estudos de religiões pouco conhecidas;  Na filosofia contemporânea ressurge o interesse reanimado:  pela crença e fenomenologia da experiência e linguagem religiosas;  Pelo problema do mal e da liberdade humana;  Pelos argumentos sobre a existência de Deus ou não. 5
  • 6. ORIENTAÇÕES CONCEITUAIS  Nesse ponto, o autor se propõe a definir os conceitos, de FILOSOFIA e RELIGIÃO.  A dificuldade na definição da FILOSOFIA reside na polissemia das filosofias, como reflexo da disparidade de significações do termo ao longo da história das correntes filosóficas, pois, contrariamente as ciências particulares que buscam saber tudo sobre algo; a filosofia pretende saber algo de tudo.  Definições de RELIGIÃO, também são polêmicas, mas o autor sugere quatro parâmetros, visando contornar a natureza das religiões:  existem níveis heterogêneos do real superiores àqueles registrados por nossos sentidos;  a nossa relação com a transcendência é de suma importância;  por qualquer razão, essa relação foi interrompida;  consequentemente uma religião se apresenta como meio de restaurar e sanar essa relação. 6
  • 7. ORIENTAÇÕES CONCEITUAIS (cont)  Para o autor a Filosofia da Religião se estrutura em torno de quatro eixos:  Discussão da existência e natureza de Deus ou de algo transcendente;  A justificativa da crença, a experiência religiosa, a mística e os milagres;  O problema do mal e do livre arbítrio;  As estruturas religiosas, cognitivas, morais e rituais, ou o credo, o código e o culto. 7
  • 8. ANTECEDENTES DA FILOSOFIA DA RELIGIÃO Ao relacionarmos os conceitos de FILOSOFIA e RELIGIÃO, podemos elencar três tentativas, a saber: 1. Filosofia é Religião (identidade), ou seja, uma aproximação semelhante a uma fusão; Pode ser identificada de duas formas:  Em certas correntes do budismo, do neoplatonismo, no positivismo comteano e nas formas pragmáticas do marxismo;  Correntes religiosas que reclamam somente à revelação ou a uma intuição mística, todos os direitos de conhecimento fidedigno acessível ao homem. 2. Filosofia e Religião (paralelismo), saberes distintos e inconfundíveis, tanto no método quanto no conteúdo; Os dois conceitos afastam um do outro:  Distinção e distância estabeleceram-se como caraterísticas dessa relação;  Ambas costumam ser vistas como inconfundíveis tanto no método quanto no conteúdo. 3. Filosofia na Religião (teologias e metafísicas religiosas), a cooperação entre ambas gerou grandes teologias.  a cooperação entre ambas, no Ocidente gerou grandes teologias, (Cristianismo, Judaísmo e Islã). 8
  • 9. FILOSOFIA DA RELIGIÃO No mundo moderno, a Filosofia começou a ter a Religião como objeto de reflexão e aponta três razões.  Primeiro: no século XV – Cisma da cristandade entre Oriente e Ocidente; surgimento de denominações protestantes; a religião deixou de ser identificada com uma única igreja;  Segundo: a chegada de novas fontes de informação sobre o oriente no século XVII através dos Jesuítas.  Terceiro: surgimento das ciências modernas: ataques ao pensamento religioso/teológico levaram ao amadurecimento da reflexão sobre a origem desse fenômeno. 9
  • 10. FILOSOFIA DA RELIGIÃO (cont.)  Nos séculos XVI e XVII, vários pensadores tentaram estudar a religião enquanto tal, com um olhar filosófico, mas com pouco impacto. Exemplos:  Jean Bodin (séc. XV);  Pedro Abelardo, Raimundo Lulio (séc. XIII);  Nicolau de Cusa (séc. XV).  No século seguinte Edward Herbert Cherbury, publicou suas Cinco noções comuns, que ofereceram outro caminho pela formulação de teses abstratas e universais.  Outras interpretações tentaram dar um valor aos pormenores da crença:  Bernard Fontenelle (séc. XVIII) sugeriu que a religião como uma espécie de protociência [esforço racional], mas da parte de pessoas não instruídas pela ciência moderna;  Giambattista Vico (séc. XVIII) valorizava o aspecto poético e imaginativo caraterístico das religiões como válida, mas, não valorizada de conhecimento. 10
  • 11. FILOSOFIA DA RELIGIÃO (cont.)  Com David HUME e outros filósofos do séc. XVIII - questões sobre religião começaram a universalizar com um viés mais crítico. Para ele:  Os milagres não merecem crença da parte do homem;  Os argumentos sobre a existência de Deus eram refutáveis;  A origem da religião seria atribuível a projeções de agência humana em poderes da natureza ainda não conhecidos cientificamente.  Um século depois [XIX], MARX afirmará que “a crítica da religião é a pré- condição de toda a crítica futura” [...]  LEIBNIZ [vê a religião com bons olhos] – escreveu em 1710 um Discurso preliminar sobre a conformidade da fé com a razão;  No final do século KANT daria um valor positivo à religião [o instinto moral humano pode explicar o surgimento das crenças, que serviriam como defensores da moral]: Em KANT, a redução da religião à moral teve como meta transformar o ser humano e não apenas no agir. 11
  • 12. FILOSOFIA DA RELIGIÃO (cont.)  HEGEL e COMTE integram a religião nos seus sistemas filosóficos:  No primeiro caso, etapa necessária para o idealismo hegeliano, como estágio de emergência do Espírito Absoluto;  No positivismo comteano, como etapa separada no progresso rumo a formulação do positivismo como a religião da humanidade.  SCHLEIERMACHER valoriza a religião positivamente, mas de maneira não teórica. Obs: enquanto KANT pretendeu explicar a religião deixando os fatos religiosos concretos desprovidos de interesse, HEGEL, COMTE e SCHLEIERMACHER, valorizaram os fenômenos particulares, fazendo de um filosofar sobre a religião uma autêntica Filosofia da Religião. 12
  • 13. FILOSOFIA DA RELIGIÃO (cont.) FEUERBACH, KIERKEGAARD, FREUD, MARX, ambos a sua maneira refletem sobre o “fenômeno”:  FEUERBACH – vê no cristianismo, uma filosofia do homem, ou seja, algo integral à realidade humana que requer reflexão.  KIERKEGAARD - interpretará os paradoxos e aparentes contradições do Cristianismo como estratégias divinas para desarmar a ignorância humana.  FREUD e MARX – vêm na religião não apenas só doença ou narcótico, mas algo rico e cheio de conteúdo intelectualmente estimulante, embora as interpretações sejam divergentes. 13
  • 14. FILOSOFIA DA RELIGIÃO (cont.) Fora do mundo acadêmico, os filósofos como GUÉNON COOMARASWAMY [perenalistas] avançam a Tese de uma FILOSOFIA PERENE, presente em todas as tradições religiosas, que incentivou obras relevantes para a FILOSOFIA DA RELIGIÃO.  Em meados do século XX, identifica-se duas tendências que levaram o filósofo acadêmico a se ocupar da religião.  Primeira: reanimação de algumas problemáticas epistemológicas e até metafísicas que a Filosofia acadêmica havia tentado aposentar, mas, sem êxito;  Segunda: nova atenção proporcionada à riqueza e diversidade do fenômeno religioso, provindo das Ciências Sociais e da religião comparada. 14
  • 15. FILOSOFIA DA RELIGIÃO (cont.) A relevância desses estudos chegou à tona graças aos estudos sobre filosofia Oriental. A íntima relação entre Religião e Filosofia fez com que a FILOSOFIA DA RELIGIÃO recebesse bastante atenção. Além disso, ainda podemos citar:  Interesse crescente na Filosofia mundial (Sabedoria indígena, por exemplo);  Interesse na Fenomenologia da Religião através dos teólogos OTTO, VAN DER LEEUW, MAX SCHELER e ELIADE.  MAS, o termo FILOSOFIA DA RELIGIAO fez sua estreia acadêmica com o filósofo platônico Ralph Cudworth (século XVII) ganhando nomenclatura na última década do século XVIII.  Na segunda metade do século XX despertou mais interesse de pesquisa e publicação, pois, os filósofos começaram a abrigar-se nos departamentos de Filosofia. 15
  • 16. FILOSOFIA DA RELIGIÃO NO MUNDO ANGLO-SAXÃO A corrente de FILOSOFIA DA RELIGIÃO mais ativa no início do século XXI nasceu na linhagem de uma escola histórica anti-metafísica e antirreligiosa: O POSITIVISMO LÓGICO.  Não que o conhecimento religioso metafísico fosse falso, mas carecia de sentido.  Então, como é que desse contexto pouco promissor surgiu a manifestação mais vigorosa de FILOSOFIA DA RELIGIÃO no mundo acadêmico?  Foi graças a WITTGENSTEIN. Sua obra Tratactus logico-philosophicus (1921) é vista como uma declaração de independência do cientificismo para o CÍRCULO DE VIENA e do POSITIVISMO LÓGICO.  Ele declarou assuntos metafísicos e religiosos além do alcance da linguagem empiricamente verificável e de interesse zero para a filosofia, porém, anos depois, rejeitou a teoria da linguagem do seu Tratactus e abraçou a visão de “jogos de linguagem” como a maneira que vários sentidos fora da ciência podem construir sentidos religiosos. 16
  • 17. FILOSOFIA DA RELIGIÃO NO MUNDO ANGLO-SAXÃO (cont.) Outros estudiosos, a partir de 1950 abriram portas para a “linguagem ordinária” e começaram a estudar a linguagem religiosa, assuntos metafísicos, epistemológicos e moral ligados à religião.  A Filosofia da Religião tem se dedicado a assuntos relevantes a saber:  A coerência da ideia de Deus e provas para a Sua existência;  A epistemologia da fé e a experiência religiosa;  O problema do mal. 17
  • 18. FILOSOFIA DA RELIGIÃO NO MUNDO ANGLO-SAXÃO (cont.)  Na discussão das demonstrações sobre a existência de Deus:  SWINBURN, sugere que apesar da insuficiência das provas ontológicas, cosmológicas, teológicas e morais, vistas em conjunto constituem um elemento de alta probabilidade;  Outra prova é aquela apresentada pelos seguidores da “epistemologia reformada” de CALVINO, que defenderam o caráter básico pré-argumentativo da crença em Deus, e, por isso, nem precisa de provas para justificar;  PLANTINGA completa sua defesa da racionalidade da crença em Deus atacando o naturalismo ontológico. Ele tira a possibilidade de confiar que o aparato cognitivo humano torna possível teorias verdadeiras e não meramente úteis para a sobrevivência. 18
  • 19. FILOSOFIA DA RELIGIÃO NO MUNDO ANGLO-SAXÃO (cont.) Vários filósofos analíticos da religião tem desmentido acusações de uma irracionalidade, mostrando que, se uma crença não pode ser provada racionalmente, no entanto pode ser razoável aceitá-la.  Geralmente esses pensadores são tidos como CRIPTOAPOLGETAS do Cristianismo, por terem se juntado a pensadores religiosos dos séculos XVII e XVIII [...] Outra FILOSOFIA DA RELIGIÃO vem de teólogos inspirados por WHITEHEAD que tentam eliminar o escândalo do MAL pela negação da onipotência divina e a insistência em um Deus imanente.  Novos modelos através da Biologia Evolucionista estão em discussão desde o inicio do século, mas é muito cedo para avaliar o papel que terão a longo prazo. 19
  • 20. FILOSOFIA CONTINENTAL RELIGIÃO  Embora a fronteira entre a FILOSOFIA ANGLO-SAXÃO e a CONTINENTAL não esteja bem definida (séc XXI), ela é claramente não analítica, ou seja tem pouca afinidade com as ciências naturais.  Os filósofos encontram-se menos em departamentos de Filosofia, como no mundo anglo-saxão, e mais em departamentos de Teologia ou Ciência da Religião.  FILÓSOFOS COMO:  SCHLEIERMACHER , KIERKEGAARD tentam resgatar a religião do campo cognitivo;  TROELTSCH e BULTMAN usam a categoria de história [história da salvação] para forjar um pensamento coerente sobre a religião;  Gabriel MARCEL e M. BUBER, através do existencialismo cristão revelam novos pontos de contato entre religião e filosofia;  O TOMISMO em todas as escolas [neoescolástica, transcendental, fenomenológica e existencialista] continuam gerando aprofundamentos filosóficos através do legado de AQUINO, com Kant, Husserl Heidegger e Wittgenstein. 20
  • 21. FILOSOFIA COMPARADA DA RELIGIÃO  É uma área mais recente, mas que promete muito crescimento. Ela migrou para as Ciencias Sociais, as humanidades e a História chegando aos departamentos de Ciência da Religião.  Grande parte da terminologia religiosa carece de exegese filosófica só para que possam articular suas convicções e explicar suas práticas.  A Filosofia na Religião afasta-se do contexto confessional e junta-se as outras filosofias que servem em outras tradições para comparar conceitos lógicos, cosmológicos, psicológicos, metafísicos, éticos e estéticos para construir uma FILOSOFIA COMPARADA DA RELIGIÃO. 21
  • 22. FILOSOFIA DA RELIGIÃO NO BRASIL  Encontra-se camuflada, entre Departamentos de Teologia, Ciência da Religião e Filosofia, sendo temido como uma forma criptoteologia.  Tem despertado algum interesse por parte de missionários, de cientistas sociais, especialmente das religiões minoritárias que, juntamente com o Cristianismo criaram uma dinâmica que não pode deixar a religião fora da ementa dos filósofos.  Assim, a influência do positivismo (séc. XIX - XX) e do marxismo na década de 1960, acabaram dando lugar a programas de FILOSOFIA DA RELGIÃO no final do século XX, em algumas pós-graduações do país, tendo sido criada a ABFR que até 2017 organizou sete congressos nacionais. 22
  • 23. CONCLUSÃO  O perfil da FILOSOFIA DA RELIGIÃO pode ser esboçado através de dois tópicos:  Os que dirigem sua reflexão ao objeto de crença e práxis religiosa:  Esses abordam seu objeto apenas como aquilo que a razão humana pode determinar;  Podem levar em consideração dimensões filosóficas das doutrinas além da razão que abrem horizonte não racionais  Outros debruçam sobre o sujeito da experiência religiosa:  Estes podem estudar as condições de possibilidade cognitivas e psicológicas da experiência religiosa e até mística. Negando à religião a possibilidade de uma reflexão filosófica abrangente é torná-la mais pobre, pois, nenhum outro assunto é capaz de revigorar nos filósofos a dedicação prestada por seus antepassados às GRANDES QUESTÕES. 23