SlideShare uma empresa Scribd logo
Capítulo V
(os cinco pilares)
ISLAMISMO
História e doutrina
30/10/2015ARLINDO ROCHA - MESTRANDO EM C. R. 1
A LEI DO ISLÃ
• A lei do islã ocupou sempre um lugar importante no mundo muçulmano, ou seja, o
Islã é a religião de uma Lei.
• Torna-se importante precisar o sentido da expressão “Lei muçulmana”
• a) Trata-se de um código intangível que existe desde o início do Islã?
• b) Em que medida é legítimo fazer emendas a esse código?
• c) Sob que forma ele já foi aplicado?
(os cinco pilares)
30/10/2015ARLINDO ROCHA - MESTRANDO EM C. R. 2
Os muçulmanos, reconhecem que o Corão necessita ser precisado. Há uma
jurisprudência que orienta a aplicação da Lei Corânica.
• O Corão contém versículos referentes ao véu das mulheres. Mas permanece uma
incerteza já que existem duas tradições diferentes:
• Uma que exige que sejam visíveis exclusivamente os olhos da mulher;
• Outra que deixa livre o rosto, as mãos, os pés...
• No caso do aborto, é expressamente proibido a partir do momento em que o feto é
um ser vivo.
• O aborto é permitido nos três primeiros meses de gravidez e proibido a partir de
quarto mês.
30/10/2015ARLINDO ROCHA - MESTRANDO EM C. R. 3
• No caso do ladrão que tem que ter a mão amputada, a não aplicação da pena tem sido
justificada pelo Califa Omar que suspendeu a pena durante uma fome generalizada.
• Entretanto, alguns pontos caraterísticos – como vestes femininas, amputação da mão,
proibição de bebidas alcoólicas e de juros nos empréstimos, continuaram a ser práticas
onde o regime é mais conservador, como na Arábia Saudita.
• Hoje os movimentos fundamentalistas pedem que essas leis sejam postas em vigor, uma
vez que a legislação do sec. XX está marcado por modelos ocidentais.
30/10/2015ARLINDO ROCHA - MESTRANDO EM C. R. 4
COMO SE FORMOU A LEI MUÇULMANA?
Para o muçulmano, o Corão é a Lei que exprime uma obrigação é absoluta.
• Ele foi redigido num estilo conciso e sem detalhes, por isso, os exemplos de Mohammad,
tem servido para esclarecer a legislação.
• As coletâneas apresentam-se como textos, que vão desde:
• Sentenças breves de duas ou três linhas à relatos que ocupam várias páginas.
• Cada texto vai acompanhado de uma espécie de justificativa ( consiste numa lista de
nomes que transmitiram de uma a outra pessoa até chegar ao próprio Mohammad).
30/10/2015ARLINDO ROCHA - MESTRANDO EM C. R. 5
Hoje as tradições são agrupados em livros clássicos:
• Primeiro, foi preciso colecioná-los (os sábios consultaram in loco os conhecedores do
passado)
• Finalmente a coleção foi colocada por escrito.
Dois séculos depois do começo do Islã, a comunidade muçulmana estava na posse de duas
coleções, que até hoje são autoridades.
 As “Autênticas” e as “Sahih”.
Em seguida a ciência do Hadith enriqueceu-se com um trabalho de crítica. O
esforço centrou-se sobretudo na crítica externa.
• a) Cadeia de transmissores;
• b) Honestidade e confiança dos relatores;
A aplicação de diferentes princípios deram origem a escolas jurídicas diferentes
30/10/2015ARLINDO ROCHA - MESTRANDO EM C. R. 6
Existem várias escolas jurídicas por vezes denominadas “ritos”. As diferenças são
por vezes mínimas.
• As quatro principais são:
1. A escola hanafita (derivada do nome do seu fundador o imane Abu Hanifa);
2. A escola malekita (de imane mallekita);
3. A esola shafi’ita (do imane al-Shafi’i);
4. A esocla hambalita (do imane Hambal).
Essas escolas têm como propósito o controlo doutrinal da comunidade mas também tem voz
nas questões jurídicas.
AS PRINCIPAIS ESCOLAS JURÍDICAS
30/10/2015ARLINDO ROCHA - MESTRANDO EM C. R. 7
COMO A LEI MUÇULMANA OBRIGA? QUEM ESTÁ SUJEITA A ELA?
Os muçulmanos conhecem uma lei moral geral que corresponde à parte moral do
Decálogo ( do 4º ao 10º mandamento):
• Não matar, não roubar, não levantar falso testemunho etc.
• Existe além disso, uma lei propriamente muçulmana, que distingue obrigações a título
pessoal e coletivo.
• Obrigação pessoal - A partir da puberdade todo o crente deve fazer cinco orações
rituais por dia;
• Obrigação coletiva – guerra santa que incumbe a comunidade enquanto tal.
A Lei propriamente muçulmana são conhecidas sob o nome de “os cinco pilares
do Islã”
30/10/2015ARLINDO ROCHA - MESTRANDO EM C. R. 8
O PRIMEIRO DOS CINCO PILARES
O testemunho da unicidade de Deus e a profecia de Mohammad.
A fórmula deste testemunho é o seguinte:
“atesto que não existe divindade afora Deus e que Mohammad é o Enviado de Deus”.
• Os árabes falam a Deus ou de Deus empregando a palavra Allah. A fórmula de fé é tão
caraterística, que basta pronunciá-la para ser muçulmano.
• Os fiéis elogiam o profeta em várias ocasiões, mesmo os libertos das ideias religiosas guardam
um sentimento que os faz reagir contra quem toca na memória de Mohammad.
O testemunho a favor da unicidade divina ajuda a recusar a submissão às autoridades que vão
contra o Corão e o Islã
30/10/2015ARLINDO ROCHA - MESTRANDO EM C. R. 9
O SEGUNDO DOS CINCO PILARES
A oração ritual:
• A partir da puberdade os muçulmanos são obrigados a efetuar individualmente cinco
orações cotidianas que constituem a liturgia Islã.
• Na sexta-feira, ao meio dia os homens têm que reunir-se na mesquita para a oração
em comum.
• Existe ainda uma oração especial para cada uma das grandes festas do ano e
outras preces em diversas ocasiões (funerais, calamidade pública etc.).
30/10/2015ARLINDO ROCHA - MESTRANDO EM C. R. 10
Homens e mulheres são obrigadas à oração privada; (somente em períodos de
impurezas ligas as mulheres podem afastar da oração ritual).
• A oração deve ser feita em estado de pureza ritual, daí, as purificações antes, se for
preciso.
AS CINCO ORAÇÕES COTIDIANAS
Elas são constituídas cada uma por uma oração elementar repetida com mínimas
variantes, duas, três ou quatro vezes.
1.Oração da aurora (al-fajr) – desde o fim da noite escura (repetida 2 vezes);
2.Oração do meio-dia (al-Zohr) – desde que o sol passou pelo Zênite (4
vezes);
3.Oração pós-meridiana (al-’açr) – após metade da tarde (4 vezes);
4.Oração do Magheb (logo depois do por-do-sol (3 vezes);
5.Oração da noite escura (al-’asha) mais ou menos 1h30mn após o por-do-sol
(4 vezes)
30/10/2015ARLINDO ROCHA - MESTRANDO EM C. R. 11
SENTIMENTO SOBRE OS QUAIS A ORAÇÃO COLOCA
ACENTO
• Em primeiro lugar a obediência a Deus. A oração é a proclamação da grandeza de Deus.
A oração contribui para purificar quem a fez para obter o perdão dos pecados.
CHAMADO À ORAÇÃO
• É lançado das mesquitas antes da hora ritual de cada uma das cinco sessões;
• A rádio nos países muçulmanos transmite pelo menos às sextas-feiras ao meio-dia;
• Nas cidades muçulmanas ouve-se os chamados vindos dos minaretes com o som
dos sinos;
30/10/2015ARLINDO ROCHA - MESTRANDO EM C. R. 12
A ORAÇÃO COMO TAL
Durante a oração é evocada a bondade de Deus, louvando-o “al-hamdu lillâh”
(louvado seja Deus);
• De pé voltado para Meca o fiel recita o primeiro “Allahu abkar” (Deus é grande) e a seguir
recita a primeira sura (capítulo do Corão);
• Depois, recita-se um ou vários versículos do Corão a escolha.
• O fiel exprime sua adoração através da inclinação só do busto seguida de prostração
(joelhos e fronte para a terra), levanta-se sentado sobre os calcanhares e finalmente
prostra-se com o rosto para o solo.
• No final da oração ainda sentado sobre os calcanhares recita silenciosamente uma
profissão de fé chamada tashahhod (oração obrigatória),
30/10/2015ARLINDO ROCHA - MESTRANDO EM C. R. 13
O TERCEIRO DOS CINCO PILARES
O imposto social (esmola ou zaka)
• É uma espécie de dízimo destinado a sustentar os pobres e os que tem o encargo de
recolhê-lo. Representa o aspecto de estrutura financeira da sociedade muçulmana
primitiva;
• No Islã, o Zaka tem sido fator de solidariedade e de unidade.
• O Zaka é mais do que um simples apelo a generosidade dos que possuem, é
mencionado na oração como ensinamento de todos os profetas anteriores a Mohammad.
• O montante é fixado pelos doutores da Lei (10%)
30/10/2015ARLINDO ROCHA - MESTRANDO EM C. R. 14
O QUARTO PILAR
O jejum do mês de ramadã.
• O mês do ramadã é o nono do ano lunar muçulmano. O jejum exigido durante esse mês é
uma exigência que marca a vida pessoal mas também a vida pública.
• Por ser destinado a celebrar a revelação do Corão, também é um mês que se lembra aos
ricos a existência dos pobres.
• É um mês de domínio e de exercício da vontade para dominar as paixões, resistir à fome,
à sede, à necessidade de fumar etc.
• Em toda a parte reina uma atmosfera de festa depois do pôr-do-sol, sobretudo no seio
familiar com visita de parentes e amigos.
30/10/2015ARLINDO ROCHA - MESTRANDO EM C. R. 15
O QUINTO PILAR
A peregrinação à Meca
• Pelo menos uma vez na vida, todo o muçulmano, adulto, que disponha de recursos para
a viagem e assegure a manutenção da família durante sua ausência;
• Obrigado para as muçulmanas, quando podem ser acompanhadas.
• As primeiras cerimônias efetuam-se individualmente em Meca (durante o 10º o 11º e o
início do 12º mês, sendo o último o mês de peregrinação).
• As segundas cerimônias realizam-se para todos na mesma data fixa do ano, nos
arredores de Meca e em seguida na própria cidade.
30/10/2015ARLINDO ROCHA - MESTRANDO EM C. R. 16
Os elementos principais da peregrinação:
• 1º- Al Ihram – É a intenção de cumprir a peregrinação;
• 2º- Al Tawaf – Consiste em dar sete voltas em torno da Kaaba, repetindo o que foi feito
pelo Profeta Abraão e seu filho Ismael.
• 3º- Al Sa'i - Consiste em percorrer a distância entre os montes de Al Safa e Al Marwa,
sete vezes, repetindo o que foi feito pela esposa do profeta Abraão, quando procurava
água para o seu filho Ismael.
• 4º- Jamarat – Consiste em repetir o mesmo ato feito pelo profeta Abraão, quando estava
indo cumprir a ordem de Deus de sacrificar o seu filho Ismael.
• 5º- A parada em Arafat – Consiste em ficar ali desde o entardecer do dia nove até o pôr
do sol do mesmo dia.
30/10/2015ARLINDO ROCHA - MESTRANDO EM C. R. 17
O sentido da peregrinação
• É o “perdão” (...) se a peregrinação for bem feita, proporciona a remissão de todos os
pecados anteriores.
• O peregrino ouve erepete invocações à glória de Deus, o Único e de Mohammad, e volta
para casa com o título cobiçado de hajj ou hajji .
30/10/2015ARLINDO ROCHA - MESTRANDO EM C. R. 18
OS CINCO PILARES DO ISLÃ
30/10/2015ARLINDO ROCHA - MESTRANDO EM C. R. 19
1. O testemunho da unicidade de Deus e do profecia de Mohammad;
2. A oração ritual;
3. O imposto social (zaka);
4. O jejum do mês de ramadã;
5. A peregrinação à Meca;
REFERÊNCIA
30/10/2015ARLINDO ROCHA - MESTRANDO EM C. R. 20
• JOMIER, Jacques. Islamismo: história e doutrina. Tradução de Luiz João Baraúna. – Petrópolis, RJ: Vozes 1992.
• GIOVANNI, Filoramo. Monoteísmos e dualismos : as religiões de salvação. Tradução de Camila Kintzel;
organização da edição brasileira Adone Agnolim. 1a edição – São Paulo: Hedra, 2005.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Estudo do documento 100
Estudo do documento 100Estudo do documento 100
Estudo do documento 100
IRINEU FILHO
 
Os sacramentos da igreja - Aula 03
Os sacramentos da igreja - Aula 03Os sacramentos da igreja - Aula 03
Os sacramentos da igreja - Aula 03
Rubens Júnior
 
Quaresma momento de estender as mãos ao próximo
Quaresma momento de estender as mãos ao próximoQuaresma momento de estender as mãos ao próximo
Quaresma momento de estender as mãos ao próximo
Bernadetecebs .
 
Slide de Culto na Igreja Presbiteriana Bom Pastor
Slide de Culto na Igreja Presbiteriana Bom PastorSlide de Culto na Igreja Presbiteriana Bom Pastor
Slide de Culto na Igreja Presbiteriana Bom Pastor
João Marcos
 
Disciplina História do Cristianismo
Disciplina História do CristianismoDisciplina História do Cristianismo
Disciplina História do Cristianismo
faculdadeteologica
 
Missa parte por parte
Missa parte por parteMissa parte por parte
Missa parte por parte
Nahor Lopes de Souza Junior
 
Curso de-ministros
Curso de-ministrosCurso de-ministros
Curso de-ministros
Wesley Mallbross
 
Catequese batismo-adultos-resumo
Catequese batismo-adultos-resumoCatequese batismo-adultos-resumo
Catequese batismo-adultos-resumo
Catequista Josivaldo
 
Sacramentos slides
Sacramentos   slidesSacramentos   slides
Sacramentos slides
Alexandre Alves
 
IGMR - INSTRUÇÃO GERAL DO MISSAL ROMANO
IGMR - INSTRUÇÃO GERAL DO MISSAL ROMANOIGMR - INSTRUÇÃO GERAL DO MISSAL ROMANO
IGMR - INSTRUÇÃO GERAL DO MISSAL ROMANO
GRUPO DE ORAÇÃO ANJO RAFAEL
 
Rica
RicaRica
10 o evangelho quadangular
10   o evangelho quadangular10   o evangelho quadangular
10 o evangelho quadangular
fabiosuportnet
 
Religiões
ReligiõesReligiões
Religiões
ioseph
 
22º Encontro - Sacramentos de Cura e Serviços
22º Encontro - Sacramentos de Cura e Serviços22º Encontro - Sacramentos de Cura e Serviços
22º Encontro - Sacramentos de Cura e Serviços
Catequese Anjos dos Céus
 
Curso de liturgia
Curso de liturgiaCurso de liturgia
Curso de liturgia
mbsilva1971
 
Formação de acólitos
Formação de acólitosFormação de acólitos
Formação de acólitos
Jean
 
Introdução ao Antigo Testamento
Introdução ao Antigo TestamentoIntrodução ao Antigo Testamento
Introdução ao Antigo Testamento
Viva a Igreja
 
Catecismo da igreja católica aula 01
Catecismo da igreja católica   aula 01Catecismo da igreja católica   aula 01
Catecismo da igreja católica aula 01
Pe Gil Medeiros
 
Alerta - Iniciação à Vida Cristã com adolescentes e jovens nordeste 3 - Aracaju
Alerta - Iniciação à Vida Cristã com adolescentes e jovens nordeste 3 - AracajuAlerta - Iniciação à Vida Cristã com adolescentes e jovens nordeste 3 - Aracaju
Alerta - Iniciação à Vida Cristã com adolescentes e jovens nordeste 3 - Aracaju
Liana Plentz
 
Guia de-preparação-noivos-2
Guia de-preparação-noivos-2Guia de-preparação-noivos-2
Guia de-preparação-noivos-2
Marcia Mostiack
 

Mais procurados (20)

Estudo do documento 100
Estudo do documento 100Estudo do documento 100
Estudo do documento 100
 
Os sacramentos da igreja - Aula 03
Os sacramentos da igreja - Aula 03Os sacramentos da igreja - Aula 03
Os sacramentos da igreja - Aula 03
 
Quaresma momento de estender as mãos ao próximo
Quaresma momento de estender as mãos ao próximoQuaresma momento de estender as mãos ao próximo
Quaresma momento de estender as mãos ao próximo
 
Slide de Culto na Igreja Presbiteriana Bom Pastor
Slide de Culto na Igreja Presbiteriana Bom PastorSlide de Culto na Igreja Presbiteriana Bom Pastor
Slide de Culto na Igreja Presbiteriana Bom Pastor
 
Disciplina História do Cristianismo
Disciplina História do CristianismoDisciplina História do Cristianismo
Disciplina História do Cristianismo
 
Missa parte por parte
Missa parte por parteMissa parte por parte
Missa parte por parte
 
Curso de-ministros
Curso de-ministrosCurso de-ministros
Curso de-ministros
 
Catequese batismo-adultos-resumo
Catequese batismo-adultos-resumoCatequese batismo-adultos-resumo
Catequese batismo-adultos-resumo
 
Sacramentos slides
Sacramentos   slidesSacramentos   slides
Sacramentos slides
 
IGMR - INSTRUÇÃO GERAL DO MISSAL ROMANO
IGMR - INSTRUÇÃO GERAL DO MISSAL ROMANOIGMR - INSTRUÇÃO GERAL DO MISSAL ROMANO
IGMR - INSTRUÇÃO GERAL DO MISSAL ROMANO
 
Rica
RicaRica
Rica
 
10 o evangelho quadangular
10   o evangelho quadangular10   o evangelho quadangular
10 o evangelho quadangular
 
Religiões
ReligiõesReligiões
Religiões
 
22º Encontro - Sacramentos de Cura e Serviços
22º Encontro - Sacramentos de Cura e Serviços22º Encontro - Sacramentos de Cura e Serviços
22º Encontro - Sacramentos de Cura e Serviços
 
Curso de liturgia
Curso de liturgiaCurso de liturgia
Curso de liturgia
 
Formação de acólitos
Formação de acólitosFormação de acólitos
Formação de acólitos
 
Introdução ao Antigo Testamento
Introdução ao Antigo TestamentoIntrodução ao Antigo Testamento
Introdução ao Antigo Testamento
 
Catecismo da igreja católica aula 01
Catecismo da igreja católica   aula 01Catecismo da igreja católica   aula 01
Catecismo da igreja católica aula 01
 
Alerta - Iniciação à Vida Cristã com adolescentes e jovens nordeste 3 - Aracaju
Alerta - Iniciação à Vida Cristã com adolescentes e jovens nordeste 3 - AracajuAlerta - Iniciação à Vida Cristã com adolescentes e jovens nordeste 3 - Aracaju
Alerta - Iniciação à Vida Cristã com adolescentes e jovens nordeste 3 - Aracaju
 
Guia de-preparação-noivos-2
Guia de-preparação-noivos-2Guia de-preparação-noivos-2
Guia de-preparação-noivos-2
 

Destaque

Islamismo
IslamismoIslamismo
O Islamismo
O IslamismoO Islamismo
O Islamismo
O IslamismoO Islamismo
O Islamismo
Rosário
 
O império islâmico
O império islâmicoO império islâmico
Império islamico
Império islamicoImpério islamico
Império islamico
alinemaiahistoria
 
Mulher no Islam *
Mulher no Islam *Mulher no Islam *
Mulher no Islam *
Cristiane Freitas
 
Reforma protestante e Contrarreforma
Reforma protestante e ContrarreformaReforma protestante e Contrarreforma
Reforma protestante e Contrarreforma
Lú Carvalho
 
Islamismo
IslamismoIslamismo
Islamismo
Lú Carvalho
 
Islamismo
IslamismoIslamismo
Islamismo
Fernando Moreira
 
O Islamismo
O IslamismoO Islamismo
O Islamismo
Sílvia Mendonça
 
As origens e a expansão do islamismo
As origens e a expansão do islamismoAs origens e a expansão do islamismo
As origens e a expansão do islamismo
Lucas Degiovani
 
Teorias de povoamento da América
Teorias de povoamento da AméricaTeorias de povoamento da América
Teorias de povoamento da América
Sarah Rossi
 
Os seres humanos povoam a américa
Os seres humanos povoam a américaOs seres humanos povoam a américa
Os seres humanos povoam a américa
RODRIGO Cicéro
 
Pré – história brasileira eja i
Pré – história brasileira   eja iPré – história brasileira   eja i
Pré – história brasileira eja i
Marcela Marangon Ribeiro
 
Pré-História no Brasil
Pré-História no BrasilPré-História no Brasil
Pré-História no Brasil
Luizelene Moreira
 
Slide islamismo
Slide islamismoSlide islamismo
Slide islamismo
Isabel Aguiar
 
A origem do homem americano
A origem do homem americanoA origem do homem americano
A origem do homem americano
Edilson Elaine Rossi
 
Primeiros Povoadores da América
Primeiros Povoadores da AméricaPrimeiros Povoadores da América
Primeiros Povoadores da América
edna2
 
Das Revoluções Inglesa à Revolução Industrial
Das Revoluções Inglesa à Revolução IndustrialDas Revoluções Inglesa à Revolução Industrial
Das Revoluções Inglesa à Revolução Industrial
Douglas Barraqui
 
REVOLUÇÃO INDUSTRIAL
REVOLUÇÃO INDUSTRIALREVOLUÇÃO INDUSTRIAL
REVOLUÇÃO INDUSTRIAL
Giovani M Bernini
 

Destaque (20)

Islamismo
IslamismoIslamismo
Islamismo
 
O Islamismo
O IslamismoO Islamismo
O Islamismo
 
O Islamismo
O IslamismoO Islamismo
O Islamismo
 
O império islâmico
O império islâmicoO império islâmico
O império islâmico
 
Império islamico
Império islamicoImpério islamico
Império islamico
 
Mulher no Islam *
Mulher no Islam *Mulher no Islam *
Mulher no Islam *
 
Reforma protestante e Contrarreforma
Reforma protestante e ContrarreformaReforma protestante e Contrarreforma
Reforma protestante e Contrarreforma
 
Islamismo
IslamismoIslamismo
Islamismo
 
Islamismo
IslamismoIslamismo
Islamismo
 
O Islamismo
O IslamismoO Islamismo
O Islamismo
 
As origens e a expansão do islamismo
As origens e a expansão do islamismoAs origens e a expansão do islamismo
As origens e a expansão do islamismo
 
Teorias de povoamento da América
Teorias de povoamento da AméricaTeorias de povoamento da América
Teorias de povoamento da América
 
Os seres humanos povoam a américa
Os seres humanos povoam a américaOs seres humanos povoam a américa
Os seres humanos povoam a américa
 
Pré – história brasileira eja i
Pré – história brasileira   eja iPré – história brasileira   eja i
Pré – história brasileira eja i
 
Pré-História no Brasil
Pré-História no BrasilPré-História no Brasil
Pré-História no Brasil
 
Slide islamismo
Slide islamismoSlide islamismo
Slide islamismo
 
A origem do homem americano
A origem do homem americanoA origem do homem americano
A origem do homem americano
 
Primeiros Povoadores da América
Primeiros Povoadores da AméricaPrimeiros Povoadores da América
Primeiros Povoadores da América
 
Das Revoluções Inglesa à Revolução Industrial
Das Revoluções Inglesa à Revolução IndustrialDas Revoluções Inglesa à Revolução Industrial
Das Revoluções Inglesa à Revolução Industrial
 
REVOLUÇÃO INDUSTRIAL
REVOLUÇÃO INDUSTRIALREVOLUÇÃO INDUSTRIAL
REVOLUÇÃO INDUSTRIAL
 

Semelhante a Os Cinco Pilares do Islã

Os principais pontos em comum no mundo árabe são a língua
Os principais pontos em comum no mundo árabe são a línguaOs principais pontos em comum no mundo árabe são a língua
Os principais pontos em comum no mundo árabe são a língua
Ana Roberta Souza
 
Islamismo
Islamismo Islamismo
Islamismo
Laís Camargo
 
Islamismo 1 ano
Islamismo 1 anoIslamismo 1 ano
Islamismo 1 ano
Frederico Marques Sodré
 
Expansão Islâmica e Islamismo - Educação e ensino de História
Expansão Islâmica e Islamismo - Educação e ensino de HistóriaExpansão Islâmica e Islamismo - Educação e ensino de História
Expansão Islâmica e Islamismo - Educação e ensino de História
DANIELESAIURERIBEIRO
 
Islamismo
Islamismo  Islamismo
Islamismo
Mary Alvarenga
 
Uma história dos povos arabes albert hourani
Uma história dos povos arabes albert houraniUma história dos povos arabes albert hourani
Uma história dos povos arabes albert hourani
Victor Martins
 
Islamismo Alá é o único Deus
Islamismo Alá é o único DeusIslamismo Alá é o único Deus
Islamismo Alá é o único Deus
Leandro Nazareth Souto
 
O Mundo Islâmico - Ontem e Hoje......ppt
O Mundo Islâmico - Ontem e Hoje......pptO Mundo Islâmico - Ontem e Hoje......ppt
O Mundo Islâmico - Ontem e Hoje......ppt
RenanBrito43
 
Apresentaçao de slides sandraxavier ativ5
Apresentaçao de slides sandraxavier ativ5Apresentaçao de slides sandraxavier ativ5
Apresentaçao de slides sandraxavier ativ5
Sandra Xavier
 
Islamismo
IslamismoIslamismo
Islamismo
fespiritacrista
 
Islamismo
IslamismoIslamismo
Islamismo
FrancielleCarla
 
Islamismo Paloma 2
Islamismo Paloma 2Islamismo Paloma 2
Islamismo Paloma 2
gueste042c2
 
Islamismo
IslamismoIslamismo
Islamismo
Jainny F.
 
Islamismo
IslamismoIslamismo
Islamismo
Matheus Roger
 
Os muçulmanos na península ibérica
Os muçulmanos na península ibéricaOs muçulmanos na península ibérica
Os muçulmanos na península ibérica
Anabela Sobral
 
O islamismo
O islamismo O islamismo
O islamismo
maddiogo
 
Fundamentalismos
FundamentalismosFundamentalismos
Fundamentalismos
rsaloes
 
Religiões(Judaísmo e Islamismo)
Religiões(Judaísmo e Islamismo)Religiões(Judaísmo e Islamismo)
Religiões(Judaísmo e Islamismo)
recoba27
 
O profeta Maomé e o nascimento do islã
O profeta Maomé e o nascimento do islãO profeta Maomé e o nascimento do islã
O profeta Maomé e o nascimento do islã
João Marcelo
 
História da Igreja #17
História da Igreja #17História da Igreja #17
História da Igreja #17
Respirando Deus
 

Semelhante a Os Cinco Pilares do Islã (20)

Os principais pontos em comum no mundo árabe são a língua
Os principais pontos em comum no mundo árabe são a línguaOs principais pontos em comum no mundo árabe são a língua
Os principais pontos em comum no mundo árabe são a língua
 
Islamismo
Islamismo Islamismo
Islamismo
 
Islamismo 1 ano
Islamismo 1 anoIslamismo 1 ano
Islamismo 1 ano
 
Expansão Islâmica e Islamismo - Educação e ensino de História
Expansão Islâmica e Islamismo - Educação e ensino de HistóriaExpansão Islâmica e Islamismo - Educação e ensino de História
Expansão Islâmica e Islamismo - Educação e ensino de História
 
Islamismo
Islamismo  Islamismo
Islamismo
 
Uma história dos povos arabes albert hourani
Uma história dos povos arabes albert houraniUma história dos povos arabes albert hourani
Uma história dos povos arabes albert hourani
 
Islamismo Alá é o único Deus
Islamismo Alá é o único DeusIslamismo Alá é o único Deus
Islamismo Alá é o único Deus
 
O Mundo Islâmico - Ontem e Hoje......ppt
O Mundo Islâmico - Ontem e Hoje......pptO Mundo Islâmico - Ontem e Hoje......ppt
O Mundo Islâmico - Ontem e Hoje......ppt
 
Apresentaçao de slides sandraxavier ativ5
Apresentaçao de slides sandraxavier ativ5Apresentaçao de slides sandraxavier ativ5
Apresentaçao de slides sandraxavier ativ5
 
Islamismo
IslamismoIslamismo
Islamismo
 
Islamismo
IslamismoIslamismo
Islamismo
 
Islamismo Paloma 2
Islamismo Paloma 2Islamismo Paloma 2
Islamismo Paloma 2
 
Islamismo
IslamismoIslamismo
Islamismo
 
Islamismo
IslamismoIslamismo
Islamismo
 
Os muçulmanos na península ibérica
Os muçulmanos na península ibéricaOs muçulmanos na península ibérica
Os muçulmanos na península ibérica
 
O islamismo
O islamismo O islamismo
O islamismo
 
Fundamentalismos
FundamentalismosFundamentalismos
Fundamentalismos
 
Religiões(Judaísmo e Islamismo)
Religiões(Judaísmo e Islamismo)Religiões(Judaísmo e Islamismo)
Religiões(Judaísmo e Islamismo)
 
O profeta Maomé e o nascimento do islã
O profeta Maomé e o nascimento do islãO profeta Maomé e o nascimento do islã
O profeta Maomé e o nascimento do islã
 
História da Igreja #17
História da Igreja #17História da Igreja #17
História da Igreja #17
 

Mais de Arlindo Nascimento Rocha - "Oficina Acadêmica"

PPT: A RELIGIÃO DO HOMEM DECAÍDO EM BUSCA DO DEUSABSCONDITUS EM BLAISE PASCAL...
PPT: A RELIGIÃO DO HOMEM DECAÍDO EM BUSCA DO DEUSABSCONDITUS EM BLAISE PASCAL...PPT: A RELIGIÃO DO HOMEM DECAÍDO EM BUSCA DO DEUSABSCONDITUS EM BLAISE PASCAL...
PPT: A RELIGIÃO DO HOMEM DECAÍDO EM BUSCA DO DEUSABSCONDITUS EM BLAISE PASCAL...
Arlindo Nascimento Rocha - "Oficina Acadêmica"
 
MODELOS E PRÁTICAS DO ENSINO RELIGIOSO E DIVERSIDADE RELIGIOSA EM SALA DE AUL...
MODELOS E PRÁTICAS DO ENSINO RELIGIOSO E DIVERSIDADE RELIGIOSA EM SALA DE AUL...MODELOS E PRÁTICAS DO ENSINO RELIGIOSO E DIVERSIDADE RELIGIOSA EM SALA DE AUL...
MODELOS E PRÁTICAS DO ENSINO RELIGIOSO E DIVERSIDADE RELIGIOSA EM SALA DE AUL...
Arlindo Nascimento Rocha - "Oficina Acadêmica"
 
Mobilidade humana nacional e internacional: problemas e soluções
Mobilidade humana nacional e internacional: problemas e soluçõesMobilidade humana nacional e internacional: problemas e soluções
Mobilidade humana nacional e internacional: problemas e soluções
Arlindo Nascimento Rocha - "Oficina Acadêmica"
 
FILOSOFIA DA RELIGIÃO - [PAINE, Scott Randall]
FILOSOFIA DA RELIGIÃO - [PAINE, Scott Randall]FILOSOFIA DA RELIGIÃO - [PAINE, Scott Randall]
FILOSOFIA DA RELIGIÃO - [PAINE, Scott Randall]
Arlindo Nascimento Rocha - "Oficina Acadêmica"
 
Aprendizagem na atualidade: dos saberes às práticas
Aprendizagem na atualidade: dos saberes às práticasAprendizagem na atualidade: dos saberes às práticas
Aprendizagem na atualidade: dos saberes às práticas
Arlindo Nascimento Rocha - "Oficina Acadêmica"
 
Entretextos: coletânea de textos acadêmicos
Entretextos: coletânea de textos acadêmicos Entretextos: coletânea de textos acadêmicos
Entretextos: coletânea de textos acadêmicos
Arlindo Nascimento Rocha - "Oficina Acadêmica"
 
RELIGIÕES AFRO-BRASILEIRAS DENTRO E FORA DAS ESCOLAS
RELIGIÕES AFRO-BRASILEIRAS DENTRO E FORA DAS ESCOLASRELIGIÕES AFRO-BRASILEIRAS DENTRO E FORA DAS ESCOLAS
RELIGIÕES AFRO-BRASILEIRAS DENTRO E FORA DAS ESCOLAS
Arlindo Nascimento Rocha - "Oficina Acadêmica"
 
Uma leitura atual sobre a construção política e social na filosofia de Blaise...
Uma leitura atual sobre a construção política e social na filosofia de Blaise...Uma leitura atual sobre a construção política e social na filosofia de Blaise...
Uma leitura atual sobre a construção política e social na filosofia de Blaise...
Arlindo Nascimento Rocha - "Oficina Acadêmica"
 
Uma leitura atual sobre a construção política e social na filosofia de Blaise...
Uma leitura atual sobre a construção política e social na filosofia de Blaise...Uma leitura atual sobre a construção política e social na filosofia de Blaise...
Uma leitura atual sobre a construção política e social na filosofia de Blaise...
Arlindo Nascimento Rocha - "Oficina Acadêmica"
 
BLAISE PASCAL: DESEJO E DIVERTIMENTO COMO FUGA DE SI MESMO NA ANTROPOLOGIA PA...
BLAISE PASCAL: DESEJO E DIVERTIMENTO COMO FUGA DE SI MESMO NA ANTROPOLOGIA PA...BLAISE PASCAL: DESEJO E DIVERTIMENTO COMO FUGA DE SI MESMO NA ANTROPOLOGIA PA...
BLAISE PASCAL: DESEJO E DIVERTIMENTO COMO FUGA DE SI MESMO NA ANTROPOLOGIA PA...
Arlindo Nascimento Rocha - "Oficina Acadêmica"
 
PEDRO SIQUEIRA: O ESCOLHIDO PARA FALAR COM SANTOS, ANJOS E NOSSA SENHORA
PEDRO SIQUEIRA: O ESCOLHIDO PARA FALAR COM SANTOS, ANJOS E NOSSA SENHORAPEDRO SIQUEIRA: O ESCOLHIDO PARA FALAR COM SANTOS, ANJOS E NOSSA SENHORA
PEDRO SIQUEIRA: O ESCOLHIDO PARA FALAR COM SANTOS, ANJOS E NOSSA SENHORA
Arlindo Nascimento Rocha - "Oficina Acadêmica"
 
SER JUDEU: UMA HERANÇA GENÉTICA TRANSMITIDA UNICAMENTE PELO SANGUE?
SER JUDEU: UMA HERANÇA GENÉTICA TRANSMITIDA UNICAMENTE PELO SANGUE?SER JUDEU: UMA HERANÇA GENÉTICA TRANSMITIDA UNICAMENTE PELO SANGUE?
SER JUDEU: UMA HERANÇA GENÉTICA TRANSMITIDA UNICAMENTE PELO SANGUE?
Arlindo Nascimento Rocha - "Oficina Acadêmica"
 
A FRAQUEZA DA RAZÃO E A INCERTEZA DO CONHECIMENTO DA VERDADE EM BLAISE PASCAL
A FRAQUEZA DA RAZÃO E A INCERTEZA DO CONHECIMENTO DA VERDADE EM BLAISE PASCALA FRAQUEZA DA RAZÃO E A INCERTEZA DO CONHECIMENTO DA VERDADE EM BLAISE PASCAL
A FRAQUEZA DA RAZÃO E A INCERTEZA DO CONHECIMENTO DA VERDADE EM BLAISE PASCAL
Arlindo Nascimento Rocha - "Oficina Acadêmica"
 
O PROBLEMA DO MAL E A OCULTAÇÃO DE DEUS: UMA ANÁLISE SOBREO PECADO ORIGINAL C...
O PROBLEMA DO MAL E A OCULTAÇÃO DE DEUS: UMA ANÁLISE SOBREO PECADO ORIGINAL C...O PROBLEMA DO MAL E A OCULTAÇÃO DE DEUS: UMA ANÁLISE SOBREO PECADO ORIGINAL C...
O PROBLEMA DO MAL E A OCULTAÇÃO DE DEUS: UMA ANÁLISE SOBREO PECADO ORIGINAL C...
Arlindo Nascimento Rocha - "Oficina Acadêmica"
 
Idas e Vindas do Sagrado - Danièle Hervieu-Léger
Idas e Vindas do Sagrado - Danièle Hervieu-LégerIdas e Vindas do Sagrado - Danièle Hervieu-Léger
Idas e Vindas do Sagrado - Danièle Hervieu-Léger
Arlindo Nascimento Rocha - "Oficina Acadêmica"
 
Conhecimento Religioso
Conhecimento ReligiosoConhecimento Religioso
Desafios da gestão democrática na escola pública: Emergência de um novo parad...
Desafios da gestão democrática na escola pública: Emergência de um novo parad...Desafios da gestão democrática na escola pública: Emergência de um novo parad...
Desafios da gestão democrática na escola pública: Emergência de um novo parad...
Arlindo Nascimento Rocha - "Oficina Acadêmica"
 
Dimensôes da condição humana no judaísmo: lutando contra Deus num mundo imper...
Dimensôes da condição humana no judaísmo: lutando contra Deus num mundo imper...Dimensôes da condição humana no judaísmo: lutando contra Deus num mundo imper...
Dimensôes da condição humana no judaísmo: lutando contra Deus num mundo imper...
Arlindo Nascimento Rocha - "Oficina Acadêmica"
 
O Rig Veda
O Rig VedaO Rig Veda
Judeus e não Judeus na família.
Judeus e não Judeus na família. Judeus e não Judeus na família.
Judeus e não Judeus na família.
Arlindo Nascimento Rocha - "Oficina Acadêmica"
 

Mais de Arlindo Nascimento Rocha - "Oficina Acadêmica" (20)

PPT: A RELIGIÃO DO HOMEM DECAÍDO EM BUSCA DO DEUSABSCONDITUS EM BLAISE PASCAL...
PPT: A RELIGIÃO DO HOMEM DECAÍDO EM BUSCA DO DEUSABSCONDITUS EM BLAISE PASCAL...PPT: A RELIGIÃO DO HOMEM DECAÍDO EM BUSCA DO DEUSABSCONDITUS EM BLAISE PASCAL...
PPT: A RELIGIÃO DO HOMEM DECAÍDO EM BUSCA DO DEUSABSCONDITUS EM BLAISE PASCAL...
 
MODELOS E PRÁTICAS DO ENSINO RELIGIOSO E DIVERSIDADE RELIGIOSA EM SALA DE AUL...
MODELOS E PRÁTICAS DO ENSINO RELIGIOSO E DIVERSIDADE RELIGIOSA EM SALA DE AUL...MODELOS E PRÁTICAS DO ENSINO RELIGIOSO E DIVERSIDADE RELIGIOSA EM SALA DE AUL...
MODELOS E PRÁTICAS DO ENSINO RELIGIOSO E DIVERSIDADE RELIGIOSA EM SALA DE AUL...
 
Mobilidade humana nacional e internacional: problemas e soluções
Mobilidade humana nacional e internacional: problemas e soluçõesMobilidade humana nacional e internacional: problemas e soluções
Mobilidade humana nacional e internacional: problemas e soluções
 
FILOSOFIA DA RELIGIÃO - [PAINE, Scott Randall]
FILOSOFIA DA RELIGIÃO - [PAINE, Scott Randall]FILOSOFIA DA RELIGIÃO - [PAINE, Scott Randall]
FILOSOFIA DA RELIGIÃO - [PAINE, Scott Randall]
 
Aprendizagem na atualidade: dos saberes às práticas
Aprendizagem na atualidade: dos saberes às práticasAprendizagem na atualidade: dos saberes às práticas
Aprendizagem na atualidade: dos saberes às práticas
 
Entretextos: coletânea de textos acadêmicos
Entretextos: coletânea de textos acadêmicos Entretextos: coletânea de textos acadêmicos
Entretextos: coletânea de textos acadêmicos
 
RELIGIÕES AFRO-BRASILEIRAS DENTRO E FORA DAS ESCOLAS
RELIGIÕES AFRO-BRASILEIRAS DENTRO E FORA DAS ESCOLASRELIGIÕES AFRO-BRASILEIRAS DENTRO E FORA DAS ESCOLAS
RELIGIÕES AFRO-BRASILEIRAS DENTRO E FORA DAS ESCOLAS
 
Uma leitura atual sobre a construção política e social na filosofia de Blaise...
Uma leitura atual sobre a construção política e social na filosofia de Blaise...Uma leitura atual sobre a construção política e social na filosofia de Blaise...
Uma leitura atual sobre a construção política e social na filosofia de Blaise...
 
Uma leitura atual sobre a construção política e social na filosofia de Blaise...
Uma leitura atual sobre a construção política e social na filosofia de Blaise...Uma leitura atual sobre a construção política e social na filosofia de Blaise...
Uma leitura atual sobre a construção política e social na filosofia de Blaise...
 
BLAISE PASCAL: DESEJO E DIVERTIMENTO COMO FUGA DE SI MESMO NA ANTROPOLOGIA PA...
BLAISE PASCAL: DESEJO E DIVERTIMENTO COMO FUGA DE SI MESMO NA ANTROPOLOGIA PA...BLAISE PASCAL: DESEJO E DIVERTIMENTO COMO FUGA DE SI MESMO NA ANTROPOLOGIA PA...
BLAISE PASCAL: DESEJO E DIVERTIMENTO COMO FUGA DE SI MESMO NA ANTROPOLOGIA PA...
 
PEDRO SIQUEIRA: O ESCOLHIDO PARA FALAR COM SANTOS, ANJOS E NOSSA SENHORA
PEDRO SIQUEIRA: O ESCOLHIDO PARA FALAR COM SANTOS, ANJOS E NOSSA SENHORAPEDRO SIQUEIRA: O ESCOLHIDO PARA FALAR COM SANTOS, ANJOS E NOSSA SENHORA
PEDRO SIQUEIRA: O ESCOLHIDO PARA FALAR COM SANTOS, ANJOS E NOSSA SENHORA
 
SER JUDEU: UMA HERANÇA GENÉTICA TRANSMITIDA UNICAMENTE PELO SANGUE?
SER JUDEU: UMA HERANÇA GENÉTICA TRANSMITIDA UNICAMENTE PELO SANGUE?SER JUDEU: UMA HERANÇA GENÉTICA TRANSMITIDA UNICAMENTE PELO SANGUE?
SER JUDEU: UMA HERANÇA GENÉTICA TRANSMITIDA UNICAMENTE PELO SANGUE?
 
A FRAQUEZA DA RAZÃO E A INCERTEZA DO CONHECIMENTO DA VERDADE EM BLAISE PASCAL
A FRAQUEZA DA RAZÃO E A INCERTEZA DO CONHECIMENTO DA VERDADE EM BLAISE PASCALA FRAQUEZA DA RAZÃO E A INCERTEZA DO CONHECIMENTO DA VERDADE EM BLAISE PASCAL
A FRAQUEZA DA RAZÃO E A INCERTEZA DO CONHECIMENTO DA VERDADE EM BLAISE PASCAL
 
O PROBLEMA DO MAL E A OCULTAÇÃO DE DEUS: UMA ANÁLISE SOBREO PECADO ORIGINAL C...
O PROBLEMA DO MAL E A OCULTAÇÃO DE DEUS: UMA ANÁLISE SOBREO PECADO ORIGINAL C...O PROBLEMA DO MAL E A OCULTAÇÃO DE DEUS: UMA ANÁLISE SOBREO PECADO ORIGINAL C...
O PROBLEMA DO MAL E A OCULTAÇÃO DE DEUS: UMA ANÁLISE SOBREO PECADO ORIGINAL C...
 
Idas e Vindas do Sagrado - Danièle Hervieu-Léger
Idas e Vindas do Sagrado - Danièle Hervieu-LégerIdas e Vindas do Sagrado - Danièle Hervieu-Léger
Idas e Vindas do Sagrado - Danièle Hervieu-Léger
 
Conhecimento Religioso
Conhecimento ReligiosoConhecimento Religioso
Conhecimento Religioso
 
Desafios da gestão democrática na escola pública: Emergência de um novo parad...
Desafios da gestão democrática na escola pública: Emergência de um novo parad...Desafios da gestão democrática na escola pública: Emergência de um novo parad...
Desafios da gestão democrática na escola pública: Emergência de um novo parad...
 
Dimensôes da condição humana no judaísmo: lutando contra Deus num mundo imper...
Dimensôes da condição humana no judaísmo: lutando contra Deus num mundo imper...Dimensôes da condição humana no judaísmo: lutando contra Deus num mundo imper...
Dimensôes da condição humana no judaísmo: lutando contra Deus num mundo imper...
 
O Rig Veda
O Rig VedaO Rig Veda
O Rig Veda
 
Judeus e não Judeus na família.
Judeus e não Judeus na família. Judeus e não Judeus na família.
Judeus e não Judeus na família.
 

Último

Boletim informativo - Contacto - julho de 2024
Boletim informativo - Contacto - julho de 2024Boletim informativo - Contacto - julho de 2024
Boletim informativo - Contacto - julho de 2024
Bibliotecas Escolares AEIDH
 
UFCD_7224_Prevenção de acidentes em contexto domiciliário e institucional_índ...
UFCD_7224_Prevenção de acidentes em contexto domiciliário e institucional_índ...UFCD_7224_Prevenção de acidentes em contexto domiciliário e institucional_índ...
UFCD_7224_Prevenção de acidentes em contexto domiciliário e institucional_índ...
Manuais Formação
 
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptxSlides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Caça-palavras - multiplicação
Caça-palavras  -  multiplicaçãoCaça-palavras  -  multiplicação
Caça-palavras - multiplicação
Mary Alvarenga
 
Slides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptxSlides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Portfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdf
Portfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdfPortfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdf
Portfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdf
Falcão Brasil
 
Ensinar Programação 📚 Python 🐍 Método Inovador e Prático 🚀
Ensinar Programação 📚 Python 🐍 Método Inovador e Prático 🚀Ensinar Programação 📚 Python 🐍 Método Inovador e Prático 🚀
Ensinar Programação 📚 Python 🐍 Método Inovador e Prático 🚀
Miguel Delamontagne
 
Que Pena Amor! Eugénio de Sá - Soneto.ppsx
Que Pena Amor! Eugénio de Sá - Soneto.ppsxQue Pena Amor! Eugénio de Sá - Soneto.ppsx
Que Pena Amor! Eugénio de Sá - Soneto.ppsx
Luzia Gabriele
 
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Falcão Brasil
 
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdfGeotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Falcão Brasil
 
Fotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosas
Fotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosasFotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosas
Fotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosas
MariaJooSilva58
 
Introdução ao filme Divertida Mente 2 em pdf
Introdução ao filme Divertida Mente 2 em pdfIntrodução ao filme Divertida Mente 2 em pdf
Introdução ao filme Divertida Mente 2 em pdf
valdeci17
 
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdfA Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
Falcão Brasil
 
O que é o programa nacional de alimentação escolar (PNAE)?
O que é  o programa nacional de alimentação escolar (PNAE)?O que é  o programa nacional de alimentação escolar (PNAE)?
O que é o programa nacional de alimentação escolar (PNAE)?
Marcelo Botura
 
Análise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.ppt
Análise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.pptAnálise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.ppt
Análise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.ppt
Falcão Brasil
 
Plano Estratégico Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de ...
Plano Estratégico Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de ...Plano Estratégico Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de ...
Plano Estratégico Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de ...
Falcão Brasil
 
A GEOPOLÍTICA ATUAL E A INTEGRAÇÃO ECONÔMICA E SOCIAL
A GEOPOLÍTICA ATUAL E A INTEGRAÇÃO ECONÔMICA E SOCIALA GEOPOLÍTICA ATUAL E A INTEGRAÇÃO ECONÔMICA E SOCIAL
A GEOPOLÍTICA ATUAL E A INTEGRAÇÃO ECONÔMICA E SOCIAL
ArapiracaNoticiasFat
 
A Participação do Brasil nas Operações de Manutenção da Paz da ONU Passado, P...
A Participação do Brasil nas Operações de Manutenção da Paz da ONU Passado, P...A Participação do Brasil nas Operações de Manutenção da Paz da ONU Passado, P...
A Participação do Brasil nas Operações de Manutenção da Paz da ONU Passado, P...
Falcão Brasil
 
Aula 3 CURSO LETRANDO (classes gramaticais).pdf
Aula 3 CURSO LETRANDO (classes gramaticais).pdfAula 3 CURSO LETRANDO (classes gramaticais).pdf
Aula 3 CURSO LETRANDO (classes gramaticais).pdf
ProfessoraSilmaraArg
 

Último (20)

Boletim informativo - Contacto - julho de 2024
Boletim informativo - Contacto - julho de 2024Boletim informativo - Contacto - julho de 2024
Boletim informativo - Contacto - julho de 2024
 
UFCD_7224_Prevenção de acidentes em contexto domiciliário e institucional_índ...
UFCD_7224_Prevenção de acidentes em contexto domiciliário e institucional_índ...UFCD_7224_Prevenção de acidentes em contexto domiciliário e institucional_índ...
UFCD_7224_Prevenção de acidentes em contexto domiciliário e institucional_índ...
 
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptxSlides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
 
Caça-palavras - multiplicação
Caça-palavras  -  multiplicaçãoCaça-palavras  -  multiplicação
Caça-palavras - multiplicação
 
Slides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptxSlides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptx
 
Portfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdf
Portfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdfPortfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdf
Portfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdf
 
Ensinar Programação 📚 Python 🐍 Método Inovador e Prático 🚀
Ensinar Programação 📚 Python 🐍 Método Inovador e Prático 🚀Ensinar Programação 📚 Python 🐍 Método Inovador e Prático 🚀
Ensinar Programação 📚 Python 🐍 Método Inovador e Prático 🚀
 
Que Pena Amor! Eugénio de Sá - Soneto.ppsx
Que Pena Amor! Eugénio de Sá - Soneto.ppsxQue Pena Amor! Eugénio de Sá - Soneto.ppsx
Que Pena Amor! Eugénio de Sá - Soneto.ppsx
 
RECORDANDO BONS MOMENTOS! _
RECORDANDO BONS MOMENTOS!               _RECORDANDO BONS MOMENTOS!               _
RECORDANDO BONS MOMENTOS! _
 
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
 
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdfGeotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
 
Fotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosas
Fotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosasFotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosas
Fotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosas
 
Introdução ao filme Divertida Mente 2 em pdf
Introdução ao filme Divertida Mente 2 em pdfIntrodução ao filme Divertida Mente 2 em pdf
Introdução ao filme Divertida Mente 2 em pdf
 
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdfA Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
 
O que é o programa nacional de alimentação escolar (PNAE)?
O que é  o programa nacional de alimentação escolar (PNAE)?O que é  o programa nacional de alimentação escolar (PNAE)?
O que é o programa nacional de alimentação escolar (PNAE)?
 
Análise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.ppt
Análise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.pptAnálise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.ppt
Análise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.ppt
 
Plano Estratégico Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de ...
Plano Estratégico Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de ...Plano Estratégico Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de ...
Plano Estratégico Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de ...
 
A GEOPOLÍTICA ATUAL E A INTEGRAÇÃO ECONÔMICA E SOCIAL
A GEOPOLÍTICA ATUAL E A INTEGRAÇÃO ECONÔMICA E SOCIALA GEOPOLÍTICA ATUAL E A INTEGRAÇÃO ECONÔMICA E SOCIAL
A GEOPOLÍTICA ATUAL E A INTEGRAÇÃO ECONÔMICA E SOCIAL
 
A Participação do Brasil nas Operações de Manutenção da Paz da ONU Passado, P...
A Participação do Brasil nas Operações de Manutenção da Paz da ONU Passado, P...A Participação do Brasil nas Operações de Manutenção da Paz da ONU Passado, P...
A Participação do Brasil nas Operações de Manutenção da Paz da ONU Passado, P...
 
Aula 3 CURSO LETRANDO (classes gramaticais).pdf
Aula 3 CURSO LETRANDO (classes gramaticais).pdfAula 3 CURSO LETRANDO (classes gramaticais).pdf
Aula 3 CURSO LETRANDO (classes gramaticais).pdf
 

Os Cinco Pilares do Islã

  • 1. Capítulo V (os cinco pilares) ISLAMISMO História e doutrina 30/10/2015ARLINDO ROCHA - MESTRANDO EM C. R. 1
  • 2. A LEI DO ISLÃ • A lei do islã ocupou sempre um lugar importante no mundo muçulmano, ou seja, o Islã é a religião de uma Lei. • Torna-se importante precisar o sentido da expressão “Lei muçulmana” • a) Trata-se de um código intangível que existe desde o início do Islã? • b) Em que medida é legítimo fazer emendas a esse código? • c) Sob que forma ele já foi aplicado? (os cinco pilares) 30/10/2015ARLINDO ROCHA - MESTRANDO EM C. R. 2
  • 3. Os muçulmanos, reconhecem que o Corão necessita ser precisado. Há uma jurisprudência que orienta a aplicação da Lei Corânica. • O Corão contém versículos referentes ao véu das mulheres. Mas permanece uma incerteza já que existem duas tradições diferentes: • Uma que exige que sejam visíveis exclusivamente os olhos da mulher; • Outra que deixa livre o rosto, as mãos, os pés... • No caso do aborto, é expressamente proibido a partir do momento em que o feto é um ser vivo. • O aborto é permitido nos três primeiros meses de gravidez e proibido a partir de quarto mês. 30/10/2015ARLINDO ROCHA - MESTRANDO EM C. R. 3
  • 4. • No caso do ladrão que tem que ter a mão amputada, a não aplicação da pena tem sido justificada pelo Califa Omar que suspendeu a pena durante uma fome generalizada. • Entretanto, alguns pontos caraterísticos – como vestes femininas, amputação da mão, proibição de bebidas alcoólicas e de juros nos empréstimos, continuaram a ser práticas onde o regime é mais conservador, como na Arábia Saudita. • Hoje os movimentos fundamentalistas pedem que essas leis sejam postas em vigor, uma vez que a legislação do sec. XX está marcado por modelos ocidentais. 30/10/2015ARLINDO ROCHA - MESTRANDO EM C. R. 4
  • 5. COMO SE FORMOU A LEI MUÇULMANA? Para o muçulmano, o Corão é a Lei que exprime uma obrigação é absoluta. • Ele foi redigido num estilo conciso e sem detalhes, por isso, os exemplos de Mohammad, tem servido para esclarecer a legislação. • As coletâneas apresentam-se como textos, que vão desde: • Sentenças breves de duas ou três linhas à relatos que ocupam várias páginas. • Cada texto vai acompanhado de uma espécie de justificativa ( consiste numa lista de nomes que transmitiram de uma a outra pessoa até chegar ao próprio Mohammad). 30/10/2015ARLINDO ROCHA - MESTRANDO EM C. R. 5
  • 6. Hoje as tradições são agrupados em livros clássicos: • Primeiro, foi preciso colecioná-los (os sábios consultaram in loco os conhecedores do passado) • Finalmente a coleção foi colocada por escrito. Dois séculos depois do começo do Islã, a comunidade muçulmana estava na posse de duas coleções, que até hoje são autoridades.  As “Autênticas” e as “Sahih”. Em seguida a ciência do Hadith enriqueceu-se com um trabalho de crítica. O esforço centrou-se sobretudo na crítica externa. • a) Cadeia de transmissores; • b) Honestidade e confiança dos relatores; A aplicação de diferentes princípios deram origem a escolas jurídicas diferentes 30/10/2015ARLINDO ROCHA - MESTRANDO EM C. R. 6
  • 7. Existem várias escolas jurídicas por vezes denominadas “ritos”. As diferenças são por vezes mínimas. • As quatro principais são: 1. A escola hanafita (derivada do nome do seu fundador o imane Abu Hanifa); 2. A escola malekita (de imane mallekita); 3. A esola shafi’ita (do imane al-Shafi’i); 4. A esocla hambalita (do imane Hambal). Essas escolas têm como propósito o controlo doutrinal da comunidade mas também tem voz nas questões jurídicas. AS PRINCIPAIS ESCOLAS JURÍDICAS 30/10/2015ARLINDO ROCHA - MESTRANDO EM C. R. 7
  • 8. COMO A LEI MUÇULMANA OBRIGA? QUEM ESTÁ SUJEITA A ELA? Os muçulmanos conhecem uma lei moral geral que corresponde à parte moral do Decálogo ( do 4º ao 10º mandamento): • Não matar, não roubar, não levantar falso testemunho etc. • Existe além disso, uma lei propriamente muçulmana, que distingue obrigações a título pessoal e coletivo. • Obrigação pessoal - A partir da puberdade todo o crente deve fazer cinco orações rituais por dia; • Obrigação coletiva – guerra santa que incumbe a comunidade enquanto tal. A Lei propriamente muçulmana são conhecidas sob o nome de “os cinco pilares do Islã” 30/10/2015ARLINDO ROCHA - MESTRANDO EM C. R. 8
  • 9. O PRIMEIRO DOS CINCO PILARES O testemunho da unicidade de Deus e a profecia de Mohammad. A fórmula deste testemunho é o seguinte: “atesto que não existe divindade afora Deus e que Mohammad é o Enviado de Deus”. • Os árabes falam a Deus ou de Deus empregando a palavra Allah. A fórmula de fé é tão caraterística, que basta pronunciá-la para ser muçulmano. • Os fiéis elogiam o profeta em várias ocasiões, mesmo os libertos das ideias religiosas guardam um sentimento que os faz reagir contra quem toca na memória de Mohammad. O testemunho a favor da unicidade divina ajuda a recusar a submissão às autoridades que vão contra o Corão e o Islã 30/10/2015ARLINDO ROCHA - MESTRANDO EM C. R. 9
  • 10. O SEGUNDO DOS CINCO PILARES A oração ritual: • A partir da puberdade os muçulmanos são obrigados a efetuar individualmente cinco orações cotidianas que constituem a liturgia Islã. • Na sexta-feira, ao meio dia os homens têm que reunir-se na mesquita para a oração em comum. • Existe ainda uma oração especial para cada uma das grandes festas do ano e outras preces em diversas ocasiões (funerais, calamidade pública etc.). 30/10/2015ARLINDO ROCHA - MESTRANDO EM C. R. 10
  • 11. Homens e mulheres são obrigadas à oração privada; (somente em períodos de impurezas ligas as mulheres podem afastar da oração ritual). • A oração deve ser feita em estado de pureza ritual, daí, as purificações antes, se for preciso. AS CINCO ORAÇÕES COTIDIANAS Elas são constituídas cada uma por uma oração elementar repetida com mínimas variantes, duas, três ou quatro vezes. 1.Oração da aurora (al-fajr) – desde o fim da noite escura (repetida 2 vezes); 2.Oração do meio-dia (al-Zohr) – desde que o sol passou pelo Zênite (4 vezes); 3.Oração pós-meridiana (al-’açr) – após metade da tarde (4 vezes); 4.Oração do Magheb (logo depois do por-do-sol (3 vezes); 5.Oração da noite escura (al-’asha) mais ou menos 1h30mn após o por-do-sol (4 vezes) 30/10/2015ARLINDO ROCHA - MESTRANDO EM C. R. 11
  • 12. SENTIMENTO SOBRE OS QUAIS A ORAÇÃO COLOCA ACENTO • Em primeiro lugar a obediência a Deus. A oração é a proclamação da grandeza de Deus. A oração contribui para purificar quem a fez para obter o perdão dos pecados. CHAMADO À ORAÇÃO • É lançado das mesquitas antes da hora ritual de cada uma das cinco sessões; • A rádio nos países muçulmanos transmite pelo menos às sextas-feiras ao meio-dia; • Nas cidades muçulmanas ouve-se os chamados vindos dos minaretes com o som dos sinos; 30/10/2015ARLINDO ROCHA - MESTRANDO EM C. R. 12
  • 13. A ORAÇÃO COMO TAL Durante a oração é evocada a bondade de Deus, louvando-o “al-hamdu lillâh” (louvado seja Deus); • De pé voltado para Meca o fiel recita o primeiro “Allahu abkar” (Deus é grande) e a seguir recita a primeira sura (capítulo do Corão); • Depois, recita-se um ou vários versículos do Corão a escolha. • O fiel exprime sua adoração através da inclinação só do busto seguida de prostração (joelhos e fronte para a terra), levanta-se sentado sobre os calcanhares e finalmente prostra-se com o rosto para o solo. • No final da oração ainda sentado sobre os calcanhares recita silenciosamente uma profissão de fé chamada tashahhod (oração obrigatória), 30/10/2015ARLINDO ROCHA - MESTRANDO EM C. R. 13
  • 14. O TERCEIRO DOS CINCO PILARES O imposto social (esmola ou zaka) • É uma espécie de dízimo destinado a sustentar os pobres e os que tem o encargo de recolhê-lo. Representa o aspecto de estrutura financeira da sociedade muçulmana primitiva; • No Islã, o Zaka tem sido fator de solidariedade e de unidade. • O Zaka é mais do que um simples apelo a generosidade dos que possuem, é mencionado na oração como ensinamento de todos os profetas anteriores a Mohammad. • O montante é fixado pelos doutores da Lei (10%) 30/10/2015ARLINDO ROCHA - MESTRANDO EM C. R. 14
  • 15. O QUARTO PILAR O jejum do mês de ramadã. • O mês do ramadã é o nono do ano lunar muçulmano. O jejum exigido durante esse mês é uma exigência que marca a vida pessoal mas também a vida pública. • Por ser destinado a celebrar a revelação do Corão, também é um mês que se lembra aos ricos a existência dos pobres. • É um mês de domínio e de exercício da vontade para dominar as paixões, resistir à fome, à sede, à necessidade de fumar etc. • Em toda a parte reina uma atmosfera de festa depois do pôr-do-sol, sobretudo no seio familiar com visita de parentes e amigos. 30/10/2015ARLINDO ROCHA - MESTRANDO EM C. R. 15
  • 16. O QUINTO PILAR A peregrinação à Meca • Pelo menos uma vez na vida, todo o muçulmano, adulto, que disponha de recursos para a viagem e assegure a manutenção da família durante sua ausência; • Obrigado para as muçulmanas, quando podem ser acompanhadas. • As primeiras cerimônias efetuam-se individualmente em Meca (durante o 10º o 11º e o início do 12º mês, sendo o último o mês de peregrinação). • As segundas cerimônias realizam-se para todos na mesma data fixa do ano, nos arredores de Meca e em seguida na própria cidade. 30/10/2015ARLINDO ROCHA - MESTRANDO EM C. R. 16
  • 17. Os elementos principais da peregrinação: • 1º- Al Ihram – É a intenção de cumprir a peregrinação; • 2º- Al Tawaf – Consiste em dar sete voltas em torno da Kaaba, repetindo o que foi feito pelo Profeta Abraão e seu filho Ismael. • 3º- Al Sa'i - Consiste em percorrer a distância entre os montes de Al Safa e Al Marwa, sete vezes, repetindo o que foi feito pela esposa do profeta Abraão, quando procurava água para o seu filho Ismael. • 4º- Jamarat – Consiste em repetir o mesmo ato feito pelo profeta Abraão, quando estava indo cumprir a ordem de Deus de sacrificar o seu filho Ismael. • 5º- A parada em Arafat – Consiste em ficar ali desde o entardecer do dia nove até o pôr do sol do mesmo dia. 30/10/2015ARLINDO ROCHA - MESTRANDO EM C. R. 17
  • 18. O sentido da peregrinação • É o “perdão” (...) se a peregrinação for bem feita, proporciona a remissão de todos os pecados anteriores. • O peregrino ouve erepete invocações à glória de Deus, o Único e de Mohammad, e volta para casa com o título cobiçado de hajj ou hajji . 30/10/2015ARLINDO ROCHA - MESTRANDO EM C. R. 18
  • 19. OS CINCO PILARES DO ISLÃ 30/10/2015ARLINDO ROCHA - MESTRANDO EM C. R. 19 1. O testemunho da unicidade de Deus e do profecia de Mohammad; 2. A oração ritual; 3. O imposto social (zaka); 4. O jejum do mês de ramadã; 5. A peregrinação à Meca;
  • 20. REFERÊNCIA 30/10/2015ARLINDO ROCHA - MESTRANDO EM C. R. 20 • JOMIER, Jacques. Islamismo: história e doutrina. Tradução de Luiz João Baraúna. – Petrópolis, RJ: Vozes 1992. • GIOVANNI, Filoramo. Monoteísmos e dualismos : as religiões de salvação. Tradução de Camila Kintzel; organização da edição brasileira Adone Agnolim. 1a edição – São Paulo: Hedra, 2005.