SlideShare uma empresa Scribd logo
O que é?
                                                            Todas as Ciências procuram respostas e
       Escola Secundária de Gondomar                    interpretações para o que ocorre na natureza, ou
            Ficha Informativa nr. 1                     seja, factos. A própria palavra Ciência deriva do
              Ano lectivo 2010/11                       latim e significa conhecer, saber. Essa procura do
               Biologia e Geologia                      saber, do conhecer, tem que ser feita com critério,
                                                        e esse critério é o método científico.
                                                            Observar é fundamental para se fazer Ciência.
             Método Científico                          Os cientistas observam os factos e fazem
                                                        perguntas sobre eles, tentando entendê-los. No
   Suponha, que ao ligarmos uma lâmpada, ela não        entanto, não podemos esquecer que, nem o mais
acende. Este facto levanta imediatamente a questão:     puro ou ingénuo cientista observa algo sem ter a
por que razão a lâmpada não está a acender? Podemos     cabeça cheia de conceitos, princípios e teorias, que
então arriscar o palpite de que a lâmpada está          direccionam as suas observações, sendo assim, não
queimada. Para testar esse palpite ou hipótese,         nos podemos esquecer que a observação pressupõe
retiramos a lâmpada e primeiro observamos se o seu      um sistema de expectativas. Depois de feita a
fio interno está ou não rompido. Se estiver, trocamos   pergunta, os cientistas procuram formular
a lâmpada por outra que funcione. Se essa nova          possíveis respostas. Essas respostas são as
lâmpada não acender, teremos outro problema, que        hipóteses. Ao formular uma hipótese, o cientista
requer outra explicação. Por exemplo: talvez o fio      procura reunir várias informações disponíveis
dentro do casquilho esteja com mau contacto. Temos      sobre o assunto e utilizar os seus conhecimentos
agora uma nova hipótese para ser testada e este         gerais para explicar uma situação específica. Esse
processo de testar novas hipóteses continua até que o   processo chama-se indução. Uma vez levantada a
problema seja resolvido.                                hipótese por indução, os cientistas fazem uma
   Este procedimento é semelhante ao método que os      dedução: prevêem o que poderia acontecer se a sua
cientistas usam para estudar a natureza: o método       hipótese for verdadeira. Essa dedução é testada
científico. Ao utilizarmos o mesmo, tentamos explicar   mediante novas observações ou experimentações.
um facto por meio de suposições ou hipóteses que        Isso permite tirar conclusões a respeito das
possam ser testadas experimentalmente.                  deduções. Se confirmadas, elas são aceites. Se não
                                                        confirmadas, são rejeitas e novas deduções são
                                                        formuladas para serem testadas. É importante
                                                        esclarecer      que,    ao    serem       realizadas
                                                        experimentações, deve-se trabalhar sempre com
                                                        um grupo experimental (o grupo em que se promove
                                                        uma alteração a ser testada, deixando todas as
                                                        demais condições sem alteração) e um grupo de
                                                        controlo (submetido às condições sem nenhuma
                                                        alteração). Assim, pode-se testar um factor de
                                                        cada vez. Se uma hipótese for confirmada por
                                                        grande número de experimentações, então ela pode
                                                        tornar-se uma Teoria.

                                                              A experiência controlada.
                                                           Imagine que queríamos testar a seguinte
                                                        hipótese: “A falta de determinada vitamina provoca
                                                        uma doença em ratos”. Nesse caso, poderíamos
                                                        usar o método científico da seguinte maneira:
                                                        colocaríamos numa gaiola vários ratos que
                                                        alimentaríamos com uma dieta completa, em que
                                                        não faltasse essa vitamina; noutra gaiola
                                                        colocaríamos o mesmo número de ratos, do mesmo
                                                                                                           1
lote dos anteriores, os quais receberiam uma dieta       descoberta ou a um resultado. Na prática, muitas
com falta da vitamina em estudo; após algum tempo,       vezes o cientista procede por tentativas, vai numa
observaríamos as alterações que tivessem surgido nos     direcção, volta, mede novamente, abandona certas
ratos que não receberam a vitamina.                      hipóteses porque não tem equipamento adequado,
Esse tipo de experiência é chamado de experiência        fica entusiasmado e até, por vezes, deprimido.
controlada, pois os ratos que receberam a dieta             Enfim, fazer Ciência é uma actividade humana,
completa funcionam como um grupo de controlo ou de       com todos os defeitos e virtudes que o ser humano
comparação. O outro grupo é o grupo experimental.        tem. No entanto, não podemos negar que os
Se a experiência for bem realizada, as doenças que       cientistas têm formas características de trabalhar
aparecerem no grupo que está a ser testado podem         e reportar os seus resultados.
ser atribuídas exclusivamente à falta da vitamina. Por
isso é importante que sejam ratos da mesma espécie e
da mesma idade, colocados nas mesmas condições                          Leis e teorias
ambientais, para que a doença não possa ser atribuída
a outro factor que não à falta da vitamina na dieta. É      Uma hipótese ou um conjunto de hipóteses
importante também usar grupos, e não somente             confirmadas     por    um   grande    número    de
indivíduos, para evitar generalizações a partir de       experiências, isto é, que não tenham sido negadas
factos isolados.                                         pelos testes experimentais, passam a ganhar a
   No final do teste, os resultados são publicados em    confiança dos cientistas. Hipóteses de carácter
revistas científicas especializadas. Desse modo,         geral que explicam um grande número de factos e
outros cientistas poderão repetir a experiência para     que foram confirmadas experimentalmente são
ver se os resultados conferem. Uma hipótese, ou um       chamadas leis científicas. Leis são hipóteses
conjunto de hipóteses, confirmada por um grande          gerais que descrevem relações entre fenómenos e
número de experiências, passa a ganhar aos poucos a      foram confirmadas experimentalmente.
confiança dos cientistas e poderá ser considerada           A Ciência não é um conjunto de leis isoladas, e
Lei.                                                     sim uma reunião de leis, hipóteses, conceitos e
   Ciência é um conhecimento baseado neste tipo de       definições interligadas e coerentes, formando
procedimento, que caracteriza o método científico.       teorias científicas. É importante, porém, ter
                                                         sempre em mente que, por mais bem-sucedida que
                   As etapas                             seja uma lei ou teoria, ela pode ser corrigida,
                                                         aperfeiçoada, e até substituída, à medida que se
   Podemos dizer que, em linhas gerais, o método         descobrem novos factos ou se realizem novas
científico é constituído pelas seguintes etapas:         experiências. O conhecimento científico cresce e
 Observação de um facto;                                evolui não por mera acumulação, mas principalmente
 Formulação de um problema, isto é, levantamento        por reformulação do conhecimento prévio.
de alguma questão ligada ao facto, que precisa de ser       Assim a ciência progride, formulando teorias
explicada;                                               cada vez mais amplas e capazes de explicar uma
 Formulação de hipóteses que expliquem o                maior variedade de fenómenos.
problema;
 Elaboração de experiências controladas que                       Os limites da ciência
testem a hipótese;
 Análise dos resultados da experiência, seguida de         A Ciência está, neste momento, cada vez mais
conclusão.                                               aberta à sociedade e cabe-nos a nós participar
                                                         conscientemente     no    uso    das   descobertas
   Apesar da apresentação do método científico como      científicas e na legislação que o regulamenta. É
uma sequência bem definida, temos de ter em conta        preciso não esquecer que o progresso científico
que a produção de conhecimento científico é uma          deve ser acompanhado de um progresso moral,
actividade, essencialmente, humana (com todas as         político e social. Assim, princípios éticos devem
implicações que isso possa ter), caracterizada por       nortear qualquer experiência. Nenhuma pesquisa
uma permanente interacção entre o pensar, sentir e       científica pode ser considerada desvinculada de
fazer. Desta forma, a actividade científica não é        suas aplicações práticas e de consequências sociais.
uma receita infalível, uma sequência linear de              É preciso, pois, que a aplicação da ciência
passos que necessariamente conduzem a uma                respeite os valores e os direitos humanos.
                                                                                                            2

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

História da tabela periódica(final)
História da tabela periódica(final)História da tabela periódica(final)
História da tabela periódica(final)
ct-esma
 
Biomas Brasileiros
Biomas Brasileiros Biomas Brasileiros
Biomas Brasileiros
Leandro A. Machado de Moura
 
A Terra como um sistema
A Terra como um sistemaA Terra como um sistema
A Terra como um sistema
Catir
 
Fotossintese
FotossinteseFotossintese
Fotossintese
guest787ebb4
 
Setores de atividade e recursos naturais
Setores de atividade e recursos naturaisSetores de atividade e recursos naturais
Setores de atividade e recursos naturais
Gina Espenica
 
Reino Plantas
Reino PlantasReino Plantas
Reino Plantas
infoeducp2
 
Química Ambiental
Química AmbientalQuímica Ambiental
Química Ambiental
Killer Max
 
Química Orgânica: introdução ao estudo do carbono
Química Orgânica: introdução ao estudo do carbonoQuímica Orgânica: introdução ao estudo do carbono
Química Orgânica: introdução ao estudo do carbono
Carlos Priante
 
III - TECTÓNICA DE PLACAS
III - TECTÓNICA DE PLACASIII - TECTÓNICA DE PLACAS
III - TECTÓNICA DE PLACAS
sandranascimento
 
Revisões de CFQ- 7º ano
Revisões de CFQ- 7º anoRevisões de CFQ- 7º ano
Revisões de CFQ- 7º ano
inessalgado
 
Água - Lista de exercícios - 6º ano
Água - Lista de exercícios - 6º anoÁgua - Lista de exercícios - 6º ano
Água - Lista de exercícios - 6º ano
NAPNE
 
Bioticos e abioticos: Interações.
Bioticos e abioticos: Interações.Bioticos e abioticos: Interações.
Bioticos e abioticos: Interações.
Mauricio De Oliveira Silva
 
Ciclos Biogeoquímicos
Ciclos BiogeoquímicosCiclos Biogeoquímicos
Ciclos Biogeoquímicos
profatatiana
 
Os Recursos Naturais
Os Recursos NaturaisOs Recursos Naturais
Os Recursos Naturais
Diogo Mateus
 
1 método científico - power point
1  método científico - power point1  método científico - power point
1 método científico - power point
margaridabt
 
Fósseis....
Fósseis....Fósseis....
Fósseis....
Gabriela Bruno
 
Plasticos e Meio Ambiente
Plasticos e  Meio AmbientePlasticos e  Meio Ambiente
Plasticos e Meio Ambiente
Claudia Costa
 
/Caça palavras elementos quimicos
/Caça palavras elementos quimicos/Caça palavras elementos quimicos
/Caça palavras elementos quimicos
Teresa Enríquez
 
Formação Geral Básica | Bimestralização DC-GOEM
Formação Geral Básica | Bimestralização DC-GOEMFormação Geral Básica | Bimestralização DC-GOEM
Formação Geral Básica | Bimestralização DC-GOEM
GoisBemnoEnem
 
TIPOS DE ROCHAS
 TIPOS DE ROCHAS TIPOS DE ROCHAS
TIPOS DE ROCHAS
Andrea Lemos
 

Mais procurados (20)

História da tabela periódica(final)
História da tabela periódica(final)História da tabela periódica(final)
História da tabela periódica(final)
 
Biomas Brasileiros
Biomas Brasileiros Biomas Brasileiros
Biomas Brasileiros
 
A Terra como um sistema
A Terra como um sistemaA Terra como um sistema
A Terra como um sistema
 
Fotossintese
FotossinteseFotossintese
Fotossintese
 
Setores de atividade e recursos naturais
Setores de atividade e recursos naturaisSetores de atividade e recursos naturais
Setores de atividade e recursos naturais
 
Reino Plantas
Reino PlantasReino Plantas
Reino Plantas
 
Química Ambiental
Química AmbientalQuímica Ambiental
Química Ambiental
 
Química Orgânica: introdução ao estudo do carbono
Química Orgânica: introdução ao estudo do carbonoQuímica Orgânica: introdução ao estudo do carbono
Química Orgânica: introdução ao estudo do carbono
 
III - TECTÓNICA DE PLACAS
III - TECTÓNICA DE PLACASIII - TECTÓNICA DE PLACAS
III - TECTÓNICA DE PLACAS
 
Revisões de CFQ- 7º ano
Revisões de CFQ- 7º anoRevisões de CFQ- 7º ano
Revisões de CFQ- 7º ano
 
Água - Lista de exercícios - 6º ano
Água - Lista de exercícios - 6º anoÁgua - Lista de exercícios - 6º ano
Água - Lista de exercícios - 6º ano
 
Bioticos e abioticos: Interações.
Bioticos e abioticos: Interações.Bioticos e abioticos: Interações.
Bioticos e abioticos: Interações.
 
Ciclos Biogeoquímicos
Ciclos BiogeoquímicosCiclos Biogeoquímicos
Ciclos Biogeoquímicos
 
Os Recursos Naturais
Os Recursos NaturaisOs Recursos Naturais
Os Recursos Naturais
 
1 método científico - power point
1  método científico - power point1  método científico - power point
1 método científico - power point
 
Fósseis....
Fósseis....Fósseis....
Fósseis....
 
Plasticos e Meio Ambiente
Plasticos e  Meio AmbientePlasticos e  Meio Ambiente
Plasticos e Meio Ambiente
 
/Caça palavras elementos quimicos
/Caça palavras elementos quimicos/Caça palavras elementos quimicos
/Caça palavras elementos quimicos
 
Formação Geral Básica | Bimestralização DC-GOEM
Formação Geral Básica | Bimestralização DC-GOEMFormação Geral Básica | Bimestralização DC-GOEM
Formação Geral Básica | Bimestralização DC-GOEM
 
TIPOS DE ROCHAS
 TIPOS DE ROCHAS TIPOS DE ROCHAS
TIPOS DE ROCHAS
 

Semelhante a Ficha Informativa - Método Científico

Aula método científico
Aula método científicoAula método científico
Aula método científico
Mayra Ruas da Costa
 
aulamtodocientifico-130213204339-phpapp01.pptx
aulamtodocientifico-130213204339-phpapp01.pptxaulamtodocientifico-130213204339-phpapp01.pptx
aulamtodocientifico-130213204339-phpapp01.pptx
ClaudislaneLima
 
Aula de Método Científico: Metodologia Científica
Aula de Método Científico: Metodologia CientíficaAula de Método Científico: Metodologia Científica
Aula de Método Científico: Metodologia Científica
natboy51
 
Aula método cientifico
Aula método cientificoAula método cientifico
Aula método cientifico
Aln2
 
10o metodocientificobg
10o metodocientificobg10o metodocientificobg
10o metodocientificobg
João Soares
 
Método científico normal médio
Método científico     normal médioMétodo científico     normal médio
Método científico normal médio
Avnatureza
 
Aula 3 - método científico e tipos de pesquisa 2020.pptx
Aula 3 - método científico e tipos de pesquisa 2020.pptxAula 3 - método científico e tipos de pesquisa 2020.pptx
Aula 3 - método científico e tipos de pesquisa 2020.pptx
GustavoArouche2
 
Método cientifico
Método cientifico Método cientifico
Método cientifico
Josy Braga
 
Os parametros da pesquisa
Os parametros da pesquisaOs parametros da pesquisa
Os parametros da pesquisa
unesp
 
Senso comum_Ciência
Senso comum_CiênciaSenso comum_Ciência
Senso comum_Ciência
Isabel Moura
 
Método Científico em 6 passos
Método Científico em 6 passosMétodo Científico em 6 passos
Método Científico em 6 passos
Thiago Xavier
 
Trabalho método científico
Trabalho método científico Trabalho método científico
Trabalho método científico
Vanderson lage
 
16 o método científico
16 o método científico16 o método científico
16 o método científico
Joao Balbi
 
Construção da ciência
Construção da ciênciaConstrução da ciência
Construção da ciência
MariaSantos508206
 
07-02-22-Fundamentos do pensamento científico.pptx
07-02-22-Fundamentos do pensamento científico.pptx07-02-22-Fundamentos do pensamento científico.pptx
07-02-22-Fundamentos do pensamento científico.pptx
taloGardner
 
Metodo científico
Metodo científicoMetodo científico
Metodo científico
Carlos Priante
 
eqt11_estatuto_conhecimento_cientifico.pptx
eqt11_estatuto_conhecimento_cientifico.pptxeqt11_estatuto_conhecimento_cientifico.pptx
eqt11_estatuto_conhecimento_cientifico.pptx
MnicaMatos22
 
fc.pptx
fc.pptxfc.pptx
fc.pptx
Lurdes Sousa
 
Metodo cientifico certo
Metodo cientifico certoMetodo cientifico certo
Metodo cientifico certo
Ercio Novaes
 
Roteiro de prática de campo
Roteiro de prática de campoRoteiro de prática de campo
Roteiro de prática de campo
Guilherme LeaL
 

Semelhante a Ficha Informativa - Método Científico (20)

Aula método científico
Aula método científicoAula método científico
Aula método científico
 
aulamtodocientifico-130213204339-phpapp01.pptx
aulamtodocientifico-130213204339-phpapp01.pptxaulamtodocientifico-130213204339-phpapp01.pptx
aulamtodocientifico-130213204339-phpapp01.pptx
 
Aula de Método Científico: Metodologia Científica
Aula de Método Científico: Metodologia CientíficaAula de Método Científico: Metodologia Científica
Aula de Método Científico: Metodologia Científica
 
Aula método cientifico
Aula método cientificoAula método cientifico
Aula método cientifico
 
10o metodocientificobg
10o metodocientificobg10o metodocientificobg
10o metodocientificobg
 
Método científico normal médio
Método científico     normal médioMétodo científico     normal médio
Método científico normal médio
 
Aula 3 - método científico e tipos de pesquisa 2020.pptx
Aula 3 - método científico e tipos de pesquisa 2020.pptxAula 3 - método científico e tipos de pesquisa 2020.pptx
Aula 3 - método científico e tipos de pesquisa 2020.pptx
 
Método cientifico
Método cientifico Método cientifico
Método cientifico
 
Os parametros da pesquisa
Os parametros da pesquisaOs parametros da pesquisa
Os parametros da pesquisa
 
Senso comum_Ciência
Senso comum_CiênciaSenso comum_Ciência
Senso comum_Ciência
 
Método Científico em 6 passos
Método Científico em 6 passosMétodo Científico em 6 passos
Método Científico em 6 passos
 
Trabalho método científico
Trabalho método científico Trabalho método científico
Trabalho método científico
 
16 o método científico
16 o método científico16 o método científico
16 o método científico
 
Construção da ciência
Construção da ciênciaConstrução da ciência
Construção da ciência
 
07-02-22-Fundamentos do pensamento científico.pptx
07-02-22-Fundamentos do pensamento científico.pptx07-02-22-Fundamentos do pensamento científico.pptx
07-02-22-Fundamentos do pensamento científico.pptx
 
Metodo científico
Metodo científicoMetodo científico
Metodo científico
 
eqt11_estatuto_conhecimento_cientifico.pptx
eqt11_estatuto_conhecimento_cientifico.pptxeqt11_estatuto_conhecimento_cientifico.pptx
eqt11_estatuto_conhecimento_cientifico.pptx
 
fc.pptx
fc.pptxfc.pptx
fc.pptx
 
Metodo cientifico certo
Metodo cientifico certoMetodo cientifico certo
Metodo cientifico certo
 
Roteiro de prática de campo
Roteiro de prática de campoRoteiro de prática de campo
Roteiro de prática de campo
 

Mais de Isaura Mourão

UFCD-pele e a sua integridade - ensino profissional.pdf
UFCD-pele e a sua integridade -  ensino profissional.pdfUFCD-pele e a sua integridade -  ensino profissional.pdf
UFCD-pele e a sua integridade - ensino profissional.pdf
Isaura Mourão
 
BiologiaProfissional Planificação completa.pdf
BiologiaProfissional Planificação completa.pdfBiologiaProfissional Planificação completa.pdf
BiologiaProfissional Planificação completa.pdf
Isaura Mourão
 
Powerpoint de Sismologia - Completo.pdf10º ano de escolaridade
Powerpoint de Sismologia - Completo.pdf10º ano de escolaridadePowerpoint de Sismologia - Completo.pdf10º ano de escolaridade
Powerpoint de Sismologia - Completo.pdf10º ano de escolaridade
Isaura Mourão
 
bg10 - outubro com principios e correção.docx
bg10 - outubro com principios e correção.docxbg10 - outubro com principios e correção.docx
bg10 - outubro com principios e correção.docx
Isaura Mourão
 
Tectónica de placas (1).pptx
Tectónica de placas (1).pptxTectónica de placas (1).pptx
Tectónica de placas (1).pptx
Isaura Mourão
 
2 - Biossíntese de proteínas.pptx
2 - Biossíntese de proteínas.pptx2 - Biossíntese de proteínas.pptx
2 - Biossíntese de proteínas.pptx
Isaura Mourão
 
Doencas de Pele (1).ppt
Doencas de Pele (1).pptDoencas de Pele (1).ppt
Doencas de Pele (1).ppt
Isaura Mourão
 
62 Arquivos históricos da Terra.pptx
62 Arquivos históricos da Terra.pptx62 Arquivos históricos da Terra.pptx
62 Arquivos históricos da Terra.pptx
Isaura Mourão
 
odis11_bio_ppt_cap6.pptx
odis11_bio_ppt_cap6.pptxodis11_bio_ppt_cap6.pptx
odis11_bio_ppt_cap6.pptx
Isaura Mourão
 
BIOLOGIA11_Rmag.Aula Nº 1.pptx
BIOLOGIA11_Rmag.Aula Nº 1.pptxBIOLOGIA11_Rmag.Aula Nº 1.pptx
BIOLOGIA11_Rmag.Aula Nº 1.pptx
Isaura Mourão
 
56 Argumentos do evolucionismo.pptx
56 Argumentos do evolucionismo.pptx56 Argumentos do evolucionismo.pptx
56 Argumentos do evolucionismo.pptx
Isaura Mourão
 
63 Rochas magmáticas.pptx
63 Rochas magmáticas.pptx63 Rochas magmáticas.pptx
63 Rochas magmáticas.pptx
Isaura Mourão
 
11º PTAS- RESUMO Sistema urinário.pptx
11º PTAS- RESUMO Sistema urinário.pptx11º PTAS- RESUMO Sistema urinário.pptx
11º PTAS- RESUMO Sistema urinário.pptx
Isaura Mourão
 
50 Ciclo celular (3).pptx
50 Ciclo celular (3).pptx50 Ciclo celular (3).pptx
50 Ciclo celular (3).pptx
Isaura Mourão
 
51 Reprodução assexuada (1).pptx
51 Reprodução assexuada (1).pptx51 Reprodução assexuada (1).pptx
51 Reprodução assexuada (1).pptx
Isaura Mourão
 
1- DNA.pptx
1- DNA.pptx1- DNA.pptx
1- DNA.pptx
Isaura Mourão
 
48 DNA.pptx
48 DNA.pptx48 DNA.pptx
48 DNA.pptx
Isaura Mourão
 
M5-nervoso.pptx
M5-nervoso.pptxM5-nervoso.pptx
M5-nervoso.pptx
Isaura Mourão
 
Trocas gasosas.pptx
Trocas gasosas.pptxTrocas gasosas.pptx
Trocas gasosas.pptx
Isaura Mourão
 
Alcoolismo.ppt
Alcoolismo.pptAlcoolismo.ppt
Alcoolismo.ppt
Isaura Mourão
 

Mais de Isaura Mourão (20)

UFCD-pele e a sua integridade - ensino profissional.pdf
UFCD-pele e a sua integridade -  ensino profissional.pdfUFCD-pele e a sua integridade -  ensino profissional.pdf
UFCD-pele e a sua integridade - ensino profissional.pdf
 
BiologiaProfissional Planificação completa.pdf
BiologiaProfissional Planificação completa.pdfBiologiaProfissional Planificação completa.pdf
BiologiaProfissional Planificação completa.pdf
 
Powerpoint de Sismologia - Completo.pdf10º ano de escolaridade
Powerpoint de Sismologia - Completo.pdf10º ano de escolaridadePowerpoint de Sismologia - Completo.pdf10º ano de escolaridade
Powerpoint de Sismologia - Completo.pdf10º ano de escolaridade
 
bg10 - outubro com principios e correção.docx
bg10 - outubro com principios e correção.docxbg10 - outubro com principios e correção.docx
bg10 - outubro com principios e correção.docx
 
Tectónica de placas (1).pptx
Tectónica de placas (1).pptxTectónica de placas (1).pptx
Tectónica de placas (1).pptx
 
2 - Biossíntese de proteínas.pptx
2 - Biossíntese de proteínas.pptx2 - Biossíntese de proteínas.pptx
2 - Biossíntese de proteínas.pptx
 
Doencas de Pele (1).ppt
Doencas de Pele (1).pptDoencas de Pele (1).ppt
Doencas de Pele (1).ppt
 
62 Arquivos históricos da Terra.pptx
62 Arquivos históricos da Terra.pptx62 Arquivos históricos da Terra.pptx
62 Arquivos históricos da Terra.pptx
 
odis11_bio_ppt_cap6.pptx
odis11_bio_ppt_cap6.pptxodis11_bio_ppt_cap6.pptx
odis11_bio_ppt_cap6.pptx
 
BIOLOGIA11_Rmag.Aula Nº 1.pptx
BIOLOGIA11_Rmag.Aula Nº 1.pptxBIOLOGIA11_Rmag.Aula Nº 1.pptx
BIOLOGIA11_Rmag.Aula Nº 1.pptx
 
56 Argumentos do evolucionismo.pptx
56 Argumentos do evolucionismo.pptx56 Argumentos do evolucionismo.pptx
56 Argumentos do evolucionismo.pptx
 
63 Rochas magmáticas.pptx
63 Rochas magmáticas.pptx63 Rochas magmáticas.pptx
63 Rochas magmáticas.pptx
 
11º PTAS- RESUMO Sistema urinário.pptx
11º PTAS- RESUMO Sistema urinário.pptx11º PTAS- RESUMO Sistema urinário.pptx
11º PTAS- RESUMO Sistema urinário.pptx
 
50 Ciclo celular (3).pptx
50 Ciclo celular (3).pptx50 Ciclo celular (3).pptx
50 Ciclo celular (3).pptx
 
51 Reprodução assexuada (1).pptx
51 Reprodução assexuada (1).pptx51 Reprodução assexuada (1).pptx
51 Reprodução assexuada (1).pptx
 
1- DNA.pptx
1- DNA.pptx1- DNA.pptx
1- DNA.pptx
 
48 DNA.pptx
48 DNA.pptx48 DNA.pptx
48 DNA.pptx
 
M5-nervoso.pptx
M5-nervoso.pptxM5-nervoso.pptx
M5-nervoso.pptx
 
Trocas gasosas.pptx
Trocas gasosas.pptxTrocas gasosas.pptx
Trocas gasosas.pptx
 
Alcoolismo.ppt
Alcoolismo.pptAlcoolismo.ppt
Alcoolismo.ppt
 

Ficha Informativa - Método Científico

  • 1. O que é? Todas as Ciências procuram respostas e Escola Secundária de Gondomar interpretações para o que ocorre na natureza, ou Ficha Informativa nr. 1 seja, factos. A própria palavra Ciência deriva do Ano lectivo 2010/11 latim e significa conhecer, saber. Essa procura do Biologia e Geologia saber, do conhecer, tem que ser feita com critério, e esse critério é o método científico. Observar é fundamental para se fazer Ciência. Método Científico Os cientistas observam os factos e fazem perguntas sobre eles, tentando entendê-los. No Suponha, que ao ligarmos uma lâmpada, ela não entanto, não podemos esquecer que, nem o mais acende. Este facto levanta imediatamente a questão: puro ou ingénuo cientista observa algo sem ter a por que razão a lâmpada não está a acender? Podemos cabeça cheia de conceitos, princípios e teorias, que então arriscar o palpite de que a lâmpada está direccionam as suas observações, sendo assim, não queimada. Para testar esse palpite ou hipótese, nos podemos esquecer que a observação pressupõe retiramos a lâmpada e primeiro observamos se o seu um sistema de expectativas. Depois de feita a fio interno está ou não rompido. Se estiver, trocamos pergunta, os cientistas procuram formular a lâmpada por outra que funcione. Se essa nova possíveis respostas. Essas respostas são as lâmpada não acender, teremos outro problema, que hipóteses. Ao formular uma hipótese, o cientista requer outra explicação. Por exemplo: talvez o fio procura reunir várias informações disponíveis dentro do casquilho esteja com mau contacto. Temos sobre o assunto e utilizar os seus conhecimentos agora uma nova hipótese para ser testada e este gerais para explicar uma situação específica. Esse processo de testar novas hipóteses continua até que o processo chama-se indução. Uma vez levantada a problema seja resolvido. hipótese por indução, os cientistas fazem uma Este procedimento é semelhante ao método que os dedução: prevêem o que poderia acontecer se a sua cientistas usam para estudar a natureza: o método hipótese for verdadeira. Essa dedução é testada científico. Ao utilizarmos o mesmo, tentamos explicar mediante novas observações ou experimentações. um facto por meio de suposições ou hipóteses que Isso permite tirar conclusões a respeito das possam ser testadas experimentalmente. deduções. Se confirmadas, elas são aceites. Se não confirmadas, são rejeitas e novas deduções são formuladas para serem testadas. É importante esclarecer que, ao serem realizadas experimentações, deve-se trabalhar sempre com um grupo experimental (o grupo em que se promove uma alteração a ser testada, deixando todas as demais condições sem alteração) e um grupo de controlo (submetido às condições sem nenhuma alteração). Assim, pode-se testar um factor de cada vez. Se uma hipótese for confirmada por grande número de experimentações, então ela pode tornar-se uma Teoria. A experiência controlada. Imagine que queríamos testar a seguinte hipótese: “A falta de determinada vitamina provoca uma doença em ratos”. Nesse caso, poderíamos usar o método científico da seguinte maneira: colocaríamos numa gaiola vários ratos que alimentaríamos com uma dieta completa, em que não faltasse essa vitamina; noutra gaiola colocaríamos o mesmo número de ratos, do mesmo 1
  • 2. lote dos anteriores, os quais receberiam uma dieta descoberta ou a um resultado. Na prática, muitas com falta da vitamina em estudo; após algum tempo, vezes o cientista procede por tentativas, vai numa observaríamos as alterações que tivessem surgido nos direcção, volta, mede novamente, abandona certas ratos que não receberam a vitamina. hipóteses porque não tem equipamento adequado, Esse tipo de experiência é chamado de experiência fica entusiasmado e até, por vezes, deprimido. controlada, pois os ratos que receberam a dieta Enfim, fazer Ciência é uma actividade humana, completa funcionam como um grupo de controlo ou de com todos os defeitos e virtudes que o ser humano comparação. O outro grupo é o grupo experimental. tem. No entanto, não podemos negar que os Se a experiência for bem realizada, as doenças que cientistas têm formas características de trabalhar aparecerem no grupo que está a ser testado podem e reportar os seus resultados. ser atribuídas exclusivamente à falta da vitamina. Por isso é importante que sejam ratos da mesma espécie e da mesma idade, colocados nas mesmas condições Leis e teorias ambientais, para que a doença não possa ser atribuída a outro factor que não à falta da vitamina na dieta. É Uma hipótese ou um conjunto de hipóteses importante também usar grupos, e não somente confirmadas por um grande número de indivíduos, para evitar generalizações a partir de experiências, isto é, que não tenham sido negadas factos isolados. pelos testes experimentais, passam a ganhar a No final do teste, os resultados são publicados em confiança dos cientistas. Hipóteses de carácter revistas científicas especializadas. Desse modo, geral que explicam um grande número de factos e outros cientistas poderão repetir a experiência para que foram confirmadas experimentalmente são ver se os resultados conferem. Uma hipótese, ou um chamadas leis científicas. Leis são hipóteses conjunto de hipóteses, confirmada por um grande gerais que descrevem relações entre fenómenos e número de experiências, passa a ganhar aos poucos a foram confirmadas experimentalmente. confiança dos cientistas e poderá ser considerada A Ciência não é um conjunto de leis isoladas, e Lei. sim uma reunião de leis, hipóteses, conceitos e Ciência é um conhecimento baseado neste tipo de definições interligadas e coerentes, formando procedimento, que caracteriza o método científico. teorias científicas. É importante, porém, ter sempre em mente que, por mais bem-sucedida que As etapas seja uma lei ou teoria, ela pode ser corrigida, aperfeiçoada, e até substituída, à medida que se Podemos dizer que, em linhas gerais, o método descobrem novos factos ou se realizem novas científico é constituído pelas seguintes etapas: experiências. O conhecimento científico cresce e  Observação de um facto; evolui não por mera acumulação, mas principalmente  Formulação de um problema, isto é, levantamento por reformulação do conhecimento prévio. de alguma questão ligada ao facto, que precisa de ser Assim a ciência progride, formulando teorias explicada; cada vez mais amplas e capazes de explicar uma  Formulação de hipóteses que expliquem o maior variedade de fenómenos. problema;  Elaboração de experiências controladas que Os limites da ciência testem a hipótese;  Análise dos resultados da experiência, seguida de A Ciência está, neste momento, cada vez mais conclusão. aberta à sociedade e cabe-nos a nós participar conscientemente no uso das descobertas Apesar da apresentação do método científico como científicas e na legislação que o regulamenta. É uma sequência bem definida, temos de ter em conta preciso não esquecer que o progresso científico que a produção de conhecimento científico é uma deve ser acompanhado de um progresso moral, actividade, essencialmente, humana (com todas as político e social. Assim, princípios éticos devem implicações que isso possa ter), caracterizada por nortear qualquer experiência. Nenhuma pesquisa uma permanente interacção entre o pensar, sentir e científica pode ser considerada desvinculada de fazer. Desta forma, a actividade científica não é suas aplicações práticas e de consequências sociais. uma receita infalível, uma sequência linear de É preciso, pois, que a aplicação da ciência passos que necessariamente conduzem a uma respeite os valores e os direitos humanos. 2