SlideShare uma empresa Scribd logo
FALANDO PARA PERSUADIR
INTRODUÇÃO FALANDO PARA PERSUADIR Dicionário Michaelis per.su.a.são s. f. 1. Ato ou efeito de persuadir (-se).  2. Convicção, crença. per.su.a.dir v. 1. Tr. dir. e intr. Levar à persuasão ou à convicção. 2. Tr. dir. Levar ou induzir a fazer, a aceitar ou a crer; aconselhar. 3. Pron. Acreditar, convencer-se, cuidar, julgar. 4. Pron. Admitir como verdadeiro, aceitar como certo.
INTRODUÇÃO FALANDO PARA PERSUADIR Internet: A persuasão é sempre o acesso ao seu CÉREBRO DIREITO. A metade esquerda de seu cérebro é analítica e racional. O lado direito é criativo e imaginativo. Todos nós possuímos o poder de persuadir , cabe a nós o papel de despertar esta arte e aplicar em nossas vidas! Fonte: Sandra Regina da Luz Inácio: http://www.administradores.com.br/artigos/tecnicas_de_persuasao/22498/
FALANDO PARA PERSUADIR
DISCURSOS PERSUASIVOS SOBRE ASSUNTOS RELACIONADOS A FATO, VALOR E POLÍTICA... FALANDO PARA PERSUADIR O QUE SÃO ASSUNTOS RELACIONADOS A FATO ASSUNTO SOBRE A VERDADE OU FALSIDADE DE UMA ASSERÇÃO “QUAL FOI O BRASILEIRO A GANHAR A PRIMEIRA MEDALHA DE OURO NAS OLIMPÍADAS DE PEQUIM NO ANO DE 2008? QUAL A DISTÂNCIA ENTRE SÃO PAULO A BELO HORIZONTE?” VOCÊ PODE PROCURAR AS RESPOSTAS EM JORNAIS, MAPAS, LIVROS DE REFERÊNCIAS, QUE NENHUMA PESSOA RACIONAL AS CONTESTARIA. AS RESPOSTAS ESTÃO CERTAS OU ERRADAS. “A ECONOMIA VAI MELHORAR OU PIORAR NO PRÓXIMO ANO? QUEM VAI VENCER O CAMPEONATO NACIONAL DE FUTEBOL ESTE ANO?” HÁ UMA RESPOSTA VERDADEIRA, MAS NÃO TEMOS INFORMAÇÕES SUFICIENTES PARA SABER QUAL É, POIS ENVOLVEM A PREDIÇÃO. “AS MEGADOSES DIÁRIAS DE VITAMINAS SÃO BENÉFICAS À SAÚDE HUMANA?” NINGUÉM CONHECE AS RESPOSTAS FINAIS PARA ESSAS QUESTÕES, MAIS ISSO NÃO IMPEDE AS PESSOAS DE ESPECULAREM A RESPEITO, OU DE TENTAREM CONVENCER OUTRAS DE QUE CONHECEM AS MELHORES RESPOSTAS POSSÍVEIS.
DISCURSOS PERSUASIVOS SOBRE ASSUNTOS RELACIONADOS A FATO, VALOR E POLÍTICA... FALANDO PARA PERSUADIR O QUE SÃO ASSUNTOS RELACIONADOS A FATO ANÁLISE DE ASSUNTOS RELACIONADOS A FATO É PARECIDO COM UM DISCURSO INFORMATIVO.  A SITUAÇÃO PARA UM DISCURSO INFORMATIVO É PARCIAL OU IMPARCIAL, VEJAMOS: ,[object Object]
IMPARCIAL – O ORADOR AGE COMO UM PROFESSOR, O PROPÓSITO É FORNECER AS INFORMAÇÕES COM O MÁXIMO DE IMPARCIALIDADE POSSÍVEL, NÃO ARGUMENTAR POR UM DETERMINADO PONTO DE VISTA.“ ...SE NÃO HOUVESSE POSSIBILIDADE DE DIVERGÊNCIA QUANTO AOS ASSUNTOS RELACIONADOS A FATO, NÃO HAVERIA NECESSIDADE DE JULGAMENTOS NOS TRIBUNAIS... ”
DISCURSOS PERSUASIVOS SOBRE ASSUNTOS RELACIONADOS A FATO, VALOR E POLÍTICA... FALANDO PARA PERSUADIR O QUE SÃO ASSUNTOS RELACIONADOS A FATO O QUE SÃO ASSUNTOS RELACIONADOS A VALOR ASSUNTO SOBRE O VALOR, CORREÇÃO, MORALIDADE E ASSIM POR DIANTE DE UMA IDÉIA OU AÇÃO. “A CLONAGEM DE SERES HUMANOS É JUSTIFICÁVEL MORALMENTE? É MORALMENTE JUSTIFICÁVEL REMOVER OS SISTEMAS DE MANUTENÇÃO DA VIDA DE UM CORPO VIVO NO CASO DA EUTANÁSIA (MORTE SEM SOFRIMENTO)?” ESSAS INDAGAÇÕES NÃO APENAS ENVOLVEM ASSUNTOS RELACIONADOS A FATO, MAS TAMBÉM EXIGEM JULGAMENTOS DE VALOR – JULGAMENTOS BASEADOS NAS CONVICÇÕES DE UMA PESSOA SOBRE O QUE É CERTO OU ERRADO, BOM OU MAU, MORAL OU IMORAL, PRÓPRIO OU IMPRÓPRIO, JUSTO OU INJUSTO.
FALANDO PARA PERSUADIR
DISCURSOS PERSUASIVOS SOBRE ASSUNTOS RELACIONADOS A FATO, VALOR E POLÍTICA... FALANDO PARA PERSUADIR O QUE SÃO ASSUNTOS RELACIONADOS A FATO  A persuasão é uma atividade complexa, que não pode ser reduzida a fórmulas pomposas ou técnicas simples. Podemos dizer que os ouvintes serão persuadidos pelas palavras de um orador por uma ou mais de quatro razões:   Porque percebem o orador como tendo grande credibilidade. Porque aceitam as evidências do orador. Porque são convencidos pelo raciocínio do orador. Porque as emoções são influenciadas pelas idéias ou pela linguagem do orador.
DISCURSOS PERSUASIVOS SOBRE ASSUNTOS RELACIONADOS A FATO, VALOR E POLÍTICA... FALANDO PARA PERSUADIR O QUE SÃO ASSUNTOS RELACIONADOS A FATO Credibilidade – percepção da platéia sobre o quanto se pode acreditar num orador. Os dois principais fatores que influenciam a credibilidade de um orador são a competência e o caráter. - Competência: como a platéia considera a inteligência, a habilidade e o conhecimento do orador. - Caráter: como a platéia considera a sinceridade, a confiabilidade e a preocupação do orador com o bem estar da platéia.   As evidências são os materiais de apoio – exemplos, estatísticas, testemunhos – usados para provar ou contestar alguma coisa. As pesquisas mostram que oradores com uma credibilidade inicial muito alta não precisam usar tantas evidências quanto os oradores com credibilidade menor. O bom êxito do seu discurso dependerá em parte da eficiência com que você antecipar essas reações internas, e apresentar evidências para refutá-las. A evidência é um dos elementos daquilo que Aristóteles chamou de logos, o apelo lógico de um orador. Os dois principais elementos do logos são a evidência e o raciocínio.
DISCURSOS PERSUASIVOS SOBRE ASSUNTOS RELACIONADOS A FATO, VALOR E POLÍTICA... FALANDO PARA PERSUADIR O QUE SÃO ASSUNTOS RELACIONADOS A FATO Raciocínio é simplesmente o processo de tirar uma conclusão com base em evidências. Como orador, você deve ter duas preocupações em relação ao raciocínio. Primeiro, deve cuidar para que seu próprio raciocínio seja perfeito. Segundo, deve tentar fazer com que os ouvintes concordem com seu raciocínio. Existem quatro métodos básicos de raciocínio, são eles: - Raciocínio a partir de Exemplos Específicos: raciocínio que passa de fatos particulares para uma conclusão geral. Atenção: cuidado para generalização precipitada.
DISCURSOS PERSUASIVOS SOBRE ASSUNTOS RELACIONADOS A FATO, VALOR E POLÍTICA... FALANDO PARA PERSUADIR O QUE SÃO ASSUNTOS RELACIONADOS A FATO Ex: 1. Todas as pessoas são mortais. 2. Sócrates é uma pessoa. 3. Portanto, Sócrates é mortal. -Raciocínio Causal: que procura estabelecer relação entre causas e efeitos. Atenção, existe a falsa causa: erro no raciocínio causal em que um orador presume de maneira equivocada que, por outro, o primeiro é a causa do segundo. Esse erro é frequentemente conhecido pela expressão latina, posthoc ergo propterhoc, que significa “depois disto, logo, por causa disto”.   Ex.: Há uma placa de gelo na calçada. Você escorrega, cai e quebra o braço. - Raciocínio analógico: aquele em que o orador compara dois casos similares e deduz que o que é verdade para o primeiro também o é para o segundo. Ex.: Se você é bom em raquetebol, também é bom no pingue-pongue.
DISCURSOS PERSUASIVOS SOBRE ASSUNTOS RELACIONADOS A FATO, VALOR E POLÍTICA... FALANDO PARA PERSUADIR O QUE SÃO ASSUNTOS RELACIONADOS A FATO Falácias: erro de raciocínio. Os tipos mais usados: - Arrenque defumado: falácia que introduz uma questão irrelevante para desviar a atenção do assunto em discussão. -Ad Hominem: falácia que ataca a pessoa, em vez de lidar com a questão em disputa. - “Ou isso ou aquilo”: falácia que força os ouvintes a optarem entre duas alternativas, quando há mais de duas. - Popularidade: falácia que presume que algo popular é bom, correto ou desejável. - Encosta Escorregadia: falácia que presume que o primeiro passo levará a passos subseqüentes, que não poderão ser evitados. Apelo às emoções A persuasão eficaz muitas vezes exige o apelo emocional.  Phatos: nome usado por Aristóteles para designar o que os modernos estudiosos da comunicação chamam de apelo emocional. Ética e Apelo Emocional Algumas pessoas têm assumido a posição radical de que os oradores éticos devem se ater à razão, evitando por completo o apelo emocional. Uma chave para o uso do apelo emocional em termos éticos é cuidar para que ele seja apropriado ao tema do discurso. É preciso sempre desenvolver o discurso persuasivo com uma base firme nos fatos e na lógica. Isso é importante não apenas por razões éticas, mas também por razões práticas.
Bibliografia FALANDO PARA PERSUADIR Livros Dale Carnegie Como Fazer Amigos e InfluênciarPessoas Milton MillerLas Vegas, USA http://www.persuasaoeseducao.com/ Sandra Regina da Luz Inácio http://www.administradores.com.br/artigos/tecnicas_de_persuasao/22498/ Artigos da Internet

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Regra do plural dos substantivos compostos
Regra do plural dos substantivos compostosRegra do plural dos substantivos compostos
Regra do plural dos substantivos compostos
Kauana Manika
 
Erros de Português!
Erros de Português!Erros de Português!
Erros de Português!
Elifrance França
 
Concordancia Nominal
Concordancia NominalConcordancia Nominal
Concordancia Nominal
Mara Virginia
 
Variacao linguistica
Variacao linguisticaVariacao linguistica
Variacao linguistica
caurysilva
 
Polissemia
PolissemiaPolissemia
Polissemia
whybells
 
Período composto-por-subordinação-oração-subordinada-adverbial-português
Período composto-por-subordinação-oração-subordinada-adverbial-portuguêsPeríodo composto-por-subordinação-oração-subordinada-adverbial-português
Período composto-por-subordinação-oração-subordinada-adverbial-português
Flávio Ferreira
 
Conjuncões
ConjuncõesConjuncões
Concordancia nominal
Concordancia nominalConcordancia nominal
Concordancia nominal
Tati Borlote Varanda
 
Tonicidade
TonicidadeTonicidade
Tonicidade
jaquemarcondes
 
Transitividade verbal
Transitividade verbalTransitividade verbal
Transitividade verbal
Diego Prezia
 
The Or Zero Article Introduction
The Or Zero Article IntroductionThe Or Zero Article Introduction
The Or Zero Article Introduction
Sergi B
 
Modal Verbs Pp
Modal Verbs PpModal Verbs Pp
Modal Verbs Pp
josigleide
 
Aula de Inglês - Comparative and Superlative
Aula de Inglês - Comparative and Superlative Aula de Inglês - Comparative and Superlative
Aula de Inglês - Comparative and Superlative
pridamico
 
Concordância verbal
Concordância verbalConcordância verbal
Concordância verbal
Rita Cunha
 
Concordância verbal simples e composto - ppt
Concordância verbal   simples e composto - pptConcordância verbal   simples e composto - ppt
Concordância verbal simples e composto - ppt
Vilmar Vilaça
 
Gramática Hífen
Gramática HífenGramática Hífen
Gramática Hífen
Nilza Aparecida dos Santos
 
RegêNcia Verbal
RegêNcia VerbalRegêNcia Verbal
RegêNcia Verbal
Miguel Neto
 
Horas ingles
Horas inglesHoras ingles
Horas ingles
singularstatus
 
Ingles volume-5
Ingles volume-5Ingles volume-5
Exercícios sobre regência verbal e nominal
Exercícios sobre regência verbal e nominalExercícios sobre regência verbal e nominal
Exercícios sobre regência verbal e nominal
ma.no.el.ne.ves
 

Mais procurados (20)

Regra do plural dos substantivos compostos
Regra do plural dos substantivos compostosRegra do plural dos substantivos compostos
Regra do plural dos substantivos compostos
 
Erros de Português!
Erros de Português!Erros de Português!
Erros de Português!
 
Concordancia Nominal
Concordancia NominalConcordancia Nominal
Concordancia Nominal
 
Variacao linguistica
Variacao linguisticaVariacao linguistica
Variacao linguistica
 
Polissemia
PolissemiaPolissemia
Polissemia
 
Período composto-por-subordinação-oração-subordinada-adverbial-português
Período composto-por-subordinação-oração-subordinada-adverbial-portuguêsPeríodo composto-por-subordinação-oração-subordinada-adverbial-português
Período composto-por-subordinação-oração-subordinada-adverbial-português
 
Conjuncões
ConjuncõesConjuncões
Conjuncões
 
Concordancia nominal
Concordancia nominalConcordancia nominal
Concordancia nominal
 
Tonicidade
TonicidadeTonicidade
Tonicidade
 
Transitividade verbal
Transitividade verbalTransitividade verbal
Transitividade verbal
 
The Or Zero Article Introduction
The Or Zero Article IntroductionThe Or Zero Article Introduction
The Or Zero Article Introduction
 
Modal Verbs Pp
Modal Verbs PpModal Verbs Pp
Modal Verbs Pp
 
Aula de Inglês - Comparative and Superlative
Aula de Inglês - Comparative and Superlative Aula de Inglês - Comparative and Superlative
Aula de Inglês - Comparative and Superlative
 
Concordância verbal
Concordância verbalConcordância verbal
Concordância verbal
 
Concordância verbal simples e composto - ppt
Concordância verbal   simples e composto - pptConcordância verbal   simples e composto - ppt
Concordância verbal simples e composto - ppt
 
Gramática Hífen
Gramática HífenGramática Hífen
Gramática Hífen
 
RegêNcia Verbal
RegêNcia VerbalRegêNcia Verbal
RegêNcia Verbal
 
Horas ingles
Horas inglesHoras ingles
Horas ingles
 
Ingles volume-5
Ingles volume-5Ingles volume-5
Ingles volume-5
 
Exercícios sobre regência verbal e nominal
Exercícios sobre regência verbal e nominalExercícios sobre regência verbal e nominal
Exercícios sobre regência verbal e nominal
 

Destaque

Lógica Matemática: Proposição I
Lógica Matemática: Proposição ILógica Matemática: Proposição I
Lógica Matemática: Proposição I
qieducacao
 
Lógica filosófica
Lógica filosóficaLógica filosófica
Lógica filosófica
Italo Colares
 
Aula introdução à lógica matemática
Aula introdução à lógica matemáticaAula introdução à lógica matemática
Aula introdução à lógica matemática
Aristóteles Meneses
 
Lógica Matemática
Lógica MatemáticaLógica Matemática
Lógica Matemática
Gomes Gomes
 
Introdução à Lógica
Introdução à LógicaIntrodução à Lógica
Introdução à Lógica
Luciano Cadaval Basso INC.
 
Contrução da tabela verdade
Contrução da tabela verdadeContrução da tabela verdade
Contrução da tabela verdade
Aristóteles Meneses
 

Destaque (6)

Lógica Matemática: Proposição I
Lógica Matemática: Proposição ILógica Matemática: Proposição I
Lógica Matemática: Proposição I
 
Lógica filosófica
Lógica filosóficaLógica filosófica
Lógica filosófica
 
Aula introdução à lógica matemática
Aula introdução à lógica matemáticaAula introdução à lógica matemática
Aula introdução à lógica matemática
 
Lógica Matemática
Lógica MatemáticaLógica Matemática
Lógica Matemática
 
Introdução à Lógica
Introdução à LógicaIntrodução à Lógica
Introdução à Lógica
 
Contrução da tabela verdade
Contrução da tabela verdadeContrução da tabela verdade
Contrução da tabela verdade
 

Semelhante a Falando para Persuadir

2 argumentaoeretrica-121111133751-phpapp02
2 argumentaoeretrica-121111133751-phpapp022 argumentaoeretrica-121111133751-phpapp02
2 argumentaoeretrica-121111133751-phpapp02
Miguel Alves
 
ARGUMENTAÇÃO E RETÓRICA
ARGUMENTAÇÃO E RETÓRICAARGUMENTAÇÃO E RETÓRICA
ARGUMENTAÇÃO E RETÓRICA
norberto faria
 
Argumentação e retórica
Argumentação e retóricaArgumentação e retórica
Argumentação e retórica
Nikita Soares
 
Persuasão e Manipulação
Persuasão e ManipulaçãoPersuasão e Manipulação
Persuasão e Manipulação
Joana Filipa Rodrigues
 
Argumentação e retórica trb grupo filosofia
Argumentação e retórica  trb grupo filosofiaArgumentação e retórica  trb grupo filosofia
Argumentação e retórica trb grupo filosofia
João Bastos
 
Rápido e Devagar Duas Formas de Pensar - Daniel Kahneman.pdf
Rápido e Devagar Duas Formas de Pensar - Daniel Kahneman.pdfRápido e Devagar Duas Formas de Pensar - Daniel Kahneman.pdf
Rápido e Devagar Duas Formas de Pensar - Daniel Kahneman.pdf
Rosiberto Goncalves
 
A arte de falar e de escutar em público
A arte de falar e de escutar em público A arte de falar e de escutar em público
A arte de falar e de escutar em público
Rodrigo Catini Flaibam
 
técnicas oratória e apresentação de trabalhos.pptx
técnicas oratória e apresentação de trabalhos.pptxtécnicas oratória e apresentação de trabalhos.pptx
técnicas oratória e apresentação de trabalhos.pptx
franmafesoni
 
A publicidade: Persuação e Manipulação
A publicidade: Persuação e ManipulaçãoA publicidade: Persuação e Manipulação
A publicidade: Persuação e Manipulação
nanasimao
 
SLIDES CONSIDERAÇÕES LINGUAGEM PERSUASIVA (1).pptx
SLIDES CONSIDERAÇÕES LINGUAGEM PERSUASIVA (1).pptxSLIDES CONSIDERAÇÕES LINGUAGEM PERSUASIVA (1).pptx
SLIDES CONSIDERAÇÕES LINGUAGEM PERSUASIVA (1).pptx
AmandaMachado791964
 
Práticas Articuladas 20-04.pptx
Práticas Articuladas 20-04.pptxPráticas Articuladas 20-04.pptx
Práticas Articuladas 20-04.pptx
AdrianaMorabitoLeite
 
Tecnicas de Oratória.
Tecnicas de Oratória.Tecnicas de Oratória.
Tecnicas de Oratória.
Raimundo Nonato
 
Grupo 4
Grupo 4Grupo 4
Filosofia
FilosofiaFilosofia
Filosofia
DanielaMoreira84
 
Argumentos
ArgumentosArgumentos
Argumentos
professorakathia
 
Ethos
EthosEthos
Comunicação
ComunicaçãoComunicação
Comunicação
cattonia
 
Comunicação
ComunicaçãoComunicação
Comunicação
Israel Domingues
 
Apostila de Comunicação Verbal e Oratória
Apostila de Comunicação Verbal e OratóriaApostila de Comunicação Verbal e Oratória
Apostila de Comunicação Verbal e Oratória
Caput Consultoria
 
<title> Retórica - Discurso e Argumentação </title>
<title> Retórica  - Discurso e Argumentação </title><title> Retórica  - Discurso e Argumentação </title>
<title> Retórica - Discurso e Argumentação </title>
UNISUAM
 

Semelhante a Falando para Persuadir (20)

2 argumentaoeretrica-121111133751-phpapp02
2 argumentaoeretrica-121111133751-phpapp022 argumentaoeretrica-121111133751-phpapp02
2 argumentaoeretrica-121111133751-phpapp02
 
ARGUMENTAÇÃO E RETÓRICA
ARGUMENTAÇÃO E RETÓRICAARGUMENTAÇÃO E RETÓRICA
ARGUMENTAÇÃO E RETÓRICA
 
Argumentação e retórica
Argumentação e retóricaArgumentação e retórica
Argumentação e retórica
 
Persuasão e Manipulação
Persuasão e ManipulaçãoPersuasão e Manipulação
Persuasão e Manipulação
 
Argumentação e retórica trb grupo filosofia
Argumentação e retórica  trb grupo filosofiaArgumentação e retórica  trb grupo filosofia
Argumentação e retórica trb grupo filosofia
 
Rápido e Devagar Duas Formas de Pensar - Daniel Kahneman.pdf
Rápido e Devagar Duas Formas de Pensar - Daniel Kahneman.pdfRápido e Devagar Duas Formas de Pensar - Daniel Kahneman.pdf
Rápido e Devagar Duas Formas de Pensar - Daniel Kahneman.pdf
 
A arte de falar e de escutar em público
A arte de falar e de escutar em público A arte de falar e de escutar em público
A arte de falar e de escutar em público
 
técnicas oratória e apresentação de trabalhos.pptx
técnicas oratória e apresentação de trabalhos.pptxtécnicas oratória e apresentação de trabalhos.pptx
técnicas oratória e apresentação de trabalhos.pptx
 
A publicidade: Persuação e Manipulação
A publicidade: Persuação e ManipulaçãoA publicidade: Persuação e Manipulação
A publicidade: Persuação e Manipulação
 
SLIDES CONSIDERAÇÕES LINGUAGEM PERSUASIVA (1).pptx
SLIDES CONSIDERAÇÕES LINGUAGEM PERSUASIVA (1).pptxSLIDES CONSIDERAÇÕES LINGUAGEM PERSUASIVA (1).pptx
SLIDES CONSIDERAÇÕES LINGUAGEM PERSUASIVA (1).pptx
 
Práticas Articuladas 20-04.pptx
Práticas Articuladas 20-04.pptxPráticas Articuladas 20-04.pptx
Práticas Articuladas 20-04.pptx
 
Tecnicas de Oratória.
Tecnicas de Oratória.Tecnicas de Oratória.
Tecnicas de Oratória.
 
Grupo 4
Grupo 4Grupo 4
Grupo 4
 
Filosofia
FilosofiaFilosofia
Filosofia
 
Argumentos
ArgumentosArgumentos
Argumentos
 
Ethos
EthosEthos
Ethos
 
Comunicação
ComunicaçãoComunicação
Comunicação
 
Comunicação
ComunicaçãoComunicação
Comunicação
 
Apostila de Comunicação Verbal e Oratória
Apostila de Comunicação Verbal e OratóriaApostila de Comunicação Verbal e Oratória
Apostila de Comunicação Verbal e Oratória
 
<title> Retórica - Discurso e Argumentação </title>
<title> Retórica  - Discurso e Argumentação </title><title> Retórica  - Discurso e Argumentação </title>
<title> Retórica - Discurso e Argumentação </title>
 

Mais de Dayane Salvador

Deus e a Política
Deus e a PolíticaDeus e a Política
Deus e a Política
Dayane Salvador
 
Como Elaborar um Plano de Marketing
Como Elaborar um Plano de MarketingComo Elaborar um Plano de Marketing
Como Elaborar um Plano de Marketing
Dayane Salvador
 
Pesquisa de Mercado
Pesquisa de MercadoPesquisa de Mercado
Pesquisa de Mercado
Dayane Salvador
 
Ética e a Resonsabilidade Social
Ética e a Resonsabilidade SocialÉtica e a Resonsabilidade Social
Ética e a Resonsabilidade Social
Dayane Salvador
 
Processos de Liderança e Cultura Organizacional no contexto pós-aquisição
Processos de Liderança e Cultura Organizacional no contexto pós-aquisiçãoProcessos de Liderança e Cultura Organizacional no contexto pós-aquisição
Processos de Liderança e Cultura Organizacional no contexto pós-aquisição
Dayane Salvador
 
PROJETO DE RESPONSABILIDADE SÓCIO-AMBIENTAL
PROJETO DE RESPONSABILIDADE SÓCIO-AMBIENTALPROJETO DE RESPONSABILIDADE SÓCIO-AMBIENTAL
PROJETO DE RESPONSABILIDADE SÓCIO-AMBIENTAL
Dayane Salvador
 
Inglaterra
InglaterraInglaterra
Inglaterra
Dayane Salvador
 
ANÁLISE DO PROGRAMA DE ESTÁGIOS DA FACESM - ITAJUBÁ
ANÁLISE DO PROGRAMA DE ESTÁGIOS DA FACESM - ITAJUBÁANÁLISE DO PROGRAMA DE ESTÁGIOS DA FACESM - ITAJUBÁ
ANÁLISE DO PROGRAMA DE ESTÁGIOS DA FACESM - ITAJUBÁ
Dayane Salvador
 
Percepção da oportunidade
Percepção da oportunidadePercepção da oportunidade
Percepção da oportunidade
Dayane Salvador
 
Avaliando o potencial de um negócio
Avaliando o potencial de um negócioAvaliando o potencial de um negócio
Avaliando o potencial de um negócio
Dayane Salvador
 
Dinâmida dos negocios
Dinâmida dos negociosDinâmida dos negocios
Dinâmida dos negocios
Dayane Salvador
 
Pedagogia empreendedora
Pedagogia empreendedoraPedagogia empreendedora
Pedagogia empreendedora
Dayane Salvador
 
Gestao de pessoas
Gestao de pessoas Gestao de pessoas
Gestao de pessoas
Dayane Salvador
 
Apresentação monografia
Apresentação monografiaApresentação monografia
Apresentação monografia
Dayane Salvador
 
FACESM - "Brasileiro só pensa em sexo?"
FACESM - "Brasileiro só pensa em sexo?" FACESM - "Brasileiro só pensa em sexo?"
FACESM - "Brasileiro só pensa em sexo?"
Dayane Salvador
 

Mais de Dayane Salvador (15)

Deus e a Política
Deus e a PolíticaDeus e a Política
Deus e a Política
 
Como Elaborar um Plano de Marketing
Como Elaborar um Plano de MarketingComo Elaborar um Plano de Marketing
Como Elaborar um Plano de Marketing
 
Pesquisa de Mercado
Pesquisa de MercadoPesquisa de Mercado
Pesquisa de Mercado
 
Ética e a Resonsabilidade Social
Ética e a Resonsabilidade SocialÉtica e a Resonsabilidade Social
Ética e a Resonsabilidade Social
 
Processos de Liderança e Cultura Organizacional no contexto pós-aquisição
Processos de Liderança e Cultura Organizacional no contexto pós-aquisiçãoProcessos de Liderança e Cultura Organizacional no contexto pós-aquisição
Processos de Liderança e Cultura Organizacional no contexto pós-aquisição
 
PROJETO DE RESPONSABILIDADE SÓCIO-AMBIENTAL
PROJETO DE RESPONSABILIDADE SÓCIO-AMBIENTALPROJETO DE RESPONSABILIDADE SÓCIO-AMBIENTAL
PROJETO DE RESPONSABILIDADE SÓCIO-AMBIENTAL
 
Inglaterra
InglaterraInglaterra
Inglaterra
 
ANÁLISE DO PROGRAMA DE ESTÁGIOS DA FACESM - ITAJUBÁ
ANÁLISE DO PROGRAMA DE ESTÁGIOS DA FACESM - ITAJUBÁANÁLISE DO PROGRAMA DE ESTÁGIOS DA FACESM - ITAJUBÁ
ANÁLISE DO PROGRAMA DE ESTÁGIOS DA FACESM - ITAJUBÁ
 
Percepção da oportunidade
Percepção da oportunidadePercepção da oportunidade
Percepção da oportunidade
 
Avaliando o potencial de um negócio
Avaliando o potencial de um negócioAvaliando o potencial de um negócio
Avaliando o potencial de um negócio
 
Dinâmida dos negocios
Dinâmida dos negociosDinâmida dos negocios
Dinâmida dos negocios
 
Pedagogia empreendedora
Pedagogia empreendedoraPedagogia empreendedora
Pedagogia empreendedora
 
Gestao de pessoas
Gestao de pessoas Gestao de pessoas
Gestao de pessoas
 
Apresentação monografia
Apresentação monografiaApresentação monografia
Apresentação monografia
 
FACESM - "Brasileiro só pensa em sexo?"
FACESM - "Brasileiro só pensa em sexo?" FACESM - "Brasileiro só pensa em sexo?"
FACESM - "Brasileiro só pensa em sexo?"
 

Falando para Persuadir

  • 2. INTRODUÇÃO FALANDO PARA PERSUADIR Dicionário Michaelis per.su.a.são s. f. 1. Ato ou efeito de persuadir (-se). 2. Convicção, crença. per.su.a.dir v. 1. Tr. dir. e intr. Levar à persuasão ou à convicção. 2. Tr. dir. Levar ou induzir a fazer, a aceitar ou a crer; aconselhar. 3. Pron. Acreditar, convencer-se, cuidar, julgar. 4. Pron. Admitir como verdadeiro, aceitar como certo.
  • 3. INTRODUÇÃO FALANDO PARA PERSUADIR Internet: A persuasão é sempre o acesso ao seu CÉREBRO DIREITO. A metade esquerda de seu cérebro é analítica e racional. O lado direito é criativo e imaginativo. Todos nós possuímos o poder de persuadir , cabe a nós o papel de despertar esta arte e aplicar em nossas vidas! Fonte: Sandra Regina da Luz Inácio: http://www.administradores.com.br/artigos/tecnicas_de_persuasao/22498/
  • 5. DISCURSOS PERSUASIVOS SOBRE ASSUNTOS RELACIONADOS A FATO, VALOR E POLÍTICA... FALANDO PARA PERSUADIR O QUE SÃO ASSUNTOS RELACIONADOS A FATO ASSUNTO SOBRE A VERDADE OU FALSIDADE DE UMA ASSERÇÃO “QUAL FOI O BRASILEIRO A GANHAR A PRIMEIRA MEDALHA DE OURO NAS OLIMPÍADAS DE PEQUIM NO ANO DE 2008? QUAL A DISTÂNCIA ENTRE SÃO PAULO A BELO HORIZONTE?” VOCÊ PODE PROCURAR AS RESPOSTAS EM JORNAIS, MAPAS, LIVROS DE REFERÊNCIAS, QUE NENHUMA PESSOA RACIONAL AS CONTESTARIA. AS RESPOSTAS ESTÃO CERTAS OU ERRADAS. “A ECONOMIA VAI MELHORAR OU PIORAR NO PRÓXIMO ANO? QUEM VAI VENCER O CAMPEONATO NACIONAL DE FUTEBOL ESTE ANO?” HÁ UMA RESPOSTA VERDADEIRA, MAS NÃO TEMOS INFORMAÇÕES SUFICIENTES PARA SABER QUAL É, POIS ENVOLVEM A PREDIÇÃO. “AS MEGADOSES DIÁRIAS DE VITAMINAS SÃO BENÉFICAS À SAÚDE HUMANA?” NINGUÉM CONHECE AS RESPOSTAS FINAIS PARA ESSAS QUESTÕES, MAIS ISSO NÃO IMPEDE AS PESSOAS DE ESPECULAREM A RESPEITO, OU DE TENTAREM CONVENCER OUTRAS DE QUE CONHECEM AS MELHORES RESPOSTAS POSSÍVEIS.
  • 6.
  • 7. IMPARCIAL – O ORADOR AGE COMO UM PROFESSOR, O PROPÓSITO É FORNECER AS INFORMAÇÕES COM O MÁXIMO DE IMPARCIALIDADE POSSÍVEL, NÃO ARGUMENTAR POR UM DETERMINADO PONTO DE VISTA.“ ...SE NÃO HOUVESSE POSSIBILIDADE DE DIVERGÊNCIA QUANTO AOS ASSUNTOS RELACIONADOS A FATO, NÃO HAVERIA NECESSIDADE DE JULGAMENTOS NOS TRIBUNAIS... ”
  • 8. DISCURSOS PERSUASIVOS SOBRE ASSUNTOS RELACIONADOS A FATO, VALOR E POLÍTICA... FALANDO PARA PERSUADIR O QUE SÃO ASSUNTOS RELACIONADOS A FATO O QUE SÃO ASSUNTOS RELACIONADOS A VALOR ASSUNTO SOBRE O VALOR, CORREÇÃO, MORALIDADE E ASSIM POR DIANTE DE UMA IDÉIA OU AÇÃO. “A CLONAGEM DE SERES HUMANOS É JUSTIFICÁVEL MORALMENTE? É MORALMENTE JUSTIFICÁVEL REMOVER OS SISTEMAS DE MANUTENÇÃO DA VIDA DE UM CORPO VIVO NO CASO DA EUTANÁSIA (MORTE SEM SOFRIMENTO)?” ESSAS INDAGAÇÕES NÃO APENAS ENVOLVEM ASSUNTOS RELACIONADOS A FATO, MAS TAMBÉM EXIGEM JULGAMENTOS DE VALOR – JULGAMENTOS BASEADOS NAS CONVICÇÕES DE UMA PESSOA SOBRE O QUE É CERTO OU ERRADO, BOM OU MAU, MORAL OU IMORAL, PRÓPRIO OU IMPRÓPRIO, JUSTO OU INJUSTO.
  • 10. DISCURSOS PERSUASIVOS SOBRE ASSUNTOS RELACIONADOS A FATO, VALOR E POLÍTICA... FALANDO PARA PERSUADIR O QUE SÃO ASSUNTOS RELACIONADOS A FATO A persuasão é uma atividade complexa, que não pode ser reduzida a fórmulas pomposas ou técnicas simples. Podemos dizer que os ouvintes serão persuadidos pelas palavras de um orador por uma ou mais de quatro razões:   Porque percebem o orador como tendo grande credibilidade. Porque aceitam as evidências do orador. Porque são convencidos pelo raciocínio do orador. Porque as emoções são influenciadas pelas idéias ou pela linguagem do orador.
  • 11. DISCURSOS PERSUASIVOS SOBRE ASSUNTOS RELACIONADOS A FATO, VALOR E POLÍTICA... FALANDO PARA PERSUADIR O QUE SÃO ASSUNTOS RELACIONADOS A FATO Credibilidade – percepção da platéia sobre o quanto se pode acreditar num orador. Os dois principais fatores que influenciam a credibilidade de um orador são a competência e o caráter. - Competência: como a platéia considera a inteligência, a habilidade e o conhecimento do orador. - Caráter: como a platéia considera a sinceridade, a confiabilidade e a preocupação do orador com o bem estar da platéia.   As evidências são os materiais de apoio – exemplos, estatísticas, testemunhos – usados para provar ou contestar alguma coisa. As pesquisas mostram que oradores com uma credibilidade inicial muito alta não precisam usar tantas evidências quanto os oradores com credibilidade menor. O bom êxito do seu discurso dependerá em parte da eficiência com que você antecipar essas reações internas, e apresentar evidências para refutá-las. A evidência é um dos elementos daquilo que Aristóteles chamou de logos, o apelo lógico de um orador. Os dois principais elementos do logos são a evidência e o raciocínio.
  • 12. DISCURSOS PERSUASIVOS SOBRE ASSUNTOS RELACIONADOS A FATO, VALOR E POLÍTICA... FALANDO PARA PERSUADIR O QUE SÃO ASSUNTOS RELACIONADOS A FATO Raciocínio é simplesmente o processo de tirar uma conclusão com base em evidências. Como orador, você deve ter duas preocupações em relação ao raciocínio. Primeiro, deve cuidar para que seu próprio raciocínio seja perfeito. Segundo, deve tentar fazer com que os ouvintes concordem com seu raciocínio. Existem quatro métodos básicos de raciocínio, são eles: - Raciocínio a partir de Exemplos Específicos: raciocínio que passa de fatos particulares para uma conclusão geral. Atenção: cuidado para generalização precipitada.
  • 13. DISCURSOS PERSUASIVOS SOBRE ASSUNTOS RELACIONADOS A FATO, VALOR E POLÍTICA... FALANDO PARA PERSUADIR O QUE SÃO ASSUNTOS RELACIONADOS A FATO Ex: 1. Todas as pessoas são mortais. 2. Sócrates é uma pessoa. 3. Portanto, Sócrates é mortal. -Raciocínio Causal: que procura estabelecer relação entre causas e efeitos. Atenção, existe a falsa causa: erro no raciocínio causal em que um orador presume de maneira equivocada que, por outro, o primeiro é a causa do segundo. Esse erro é frequentemente conhecido pela expressão latina, posthoc ergo propterhoc, que significa “depois disto, logo, por causa disto”.   Ex.: Há uma placa de gelo na calçada. Você escorrega, cai e quebra o braço. - Raciocínio analógico: aquele em que o orador compara dois casos similares e deduz que o que é verdade para o primeiro também o é para o segundo. Ex.: Se você é bom em raquetebol, também é bom no pingue-pongue.
  • 14. DISCURSOS PERSUASIVOS SOBRE ASSUNTOS RELACIONADOS A FATO, VALOR E POLÍTICA... FALANDO PARA PERSUADIR O QUE SÃO ASSUNTOS RELACIONADOS A FATO Falácias: erro de raciocínio. Os tipos mais usados: - Arrenque defumado: falácia que introduz uma questão irrelevante para desviar a atenção do assunto em discussão. -Ad Hominem: falácia que ataca a pessoa, em vez de lidar com a questão em disputa. - “Ou isso ou aquilo”: falácia que força os ouvintes a optarem entre duas alternativas, quando há mais de duas. - Popularidade: falácia que presume que algo popular é bom, correto ou desejável. - Encosta Escorregadia: falácia que presume que o primeiro passo levará a passos subseqüentes, que não poderão ser evitados. Apelo às emoções A persuasão eficaz muitas vezes exige o apelo emocional. Phatos: nome usado por Aristóteles para designar o que os modernos estudiosos da comunicação chamam de apelo emocional. Ética e Apelo Emocional Algumas pessoas têm assumido a posição radical de que os oradores éticos devem se ater à razão, evitando por completo o apelo emocional. Uma chave para o uso do apelo emocional em termos éticos é cuidar para que ele seja apropriado ao tema do discurso. É preciso sempre desenvolver o discurso persuasivo com uma base firme nos fatos e na lógica. Isso é importante não apenas por razões éticas, mas também por razões práticas.
  • 15. Bibliografia FALANDO PARA PERSUADIR Livros Dale Carnegie Como Fazer Amigos e InfluênciarPessoas Milton MillerLas Vegas, USA http://www.persuasaoeseducao.com/ Sandra Regina da Luz Inácio http://www.administradores.com.br/artigos/tecnicas_de_persuasao/22498/ Artigos da Internet
  • 16. Palestrante FALANDO PARA PERSUADIR Dayane Salvador Machado Participaçãoteatral: Lívia Bustamante e Fabio Rios