Argumentação

541 visualizações

Publicada em

Argumentação

Publicada em: Educação
0 comentários
1 gostou
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
541
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
9
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
5
Comentários
0
Gostaram
1
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Argumentação

  1. 1. ARGUMENTAÇÃO PAGS 46 A 54
  2. 2. ARGUMENTAÇÃO PARA HAVER UM ATO COMUNICATIVO, É PRECISO QUE SEIS FATORES INTERVENHAM: O EMISSOR, O RECEPTOR, A MENSAGEM, O CÓDIGO, O CANAL E O REFERENTE. COMUNICAÇÃO RECEBIDA # COMUNICAÇÃO ASSUMIDA COMUNICAR É, ALÉM DE FAZER SABER, TAMBÉM FAZER CRER E FAZER FAZER. A ACEITAÇÃO DEPENDE DE UMA SÉRIE DE FATORES: EMOÇÕES, SENTIMENTOS, VALORES, IDEOLOGIA, VISÃO DE MUNDO, CONVICÇÕES POLÍTICAS, ETC A PERSUAÇÃO É ENTÃO O ATO DE LEVAR O OUTRO A ACEITAR O QUE ESTÁ SENDO DITO, POIS SÓ QUANDO ELE O FIZER, A COMUNICAÇÃO SERÁ EFICAZ.
  3. 3. ARGUMENTAÇÃO VEM DO LATIM ARGUMENTUM, CUJO SENTIDO PODE SER ASSOCIADO A BRILHAR, ILUMINAR. ARGUMENTAR, PORTANTO, REFERE-SE A TODO PROCEDIMENTO LINGUÍSTICO QUE VISA A PERSUADIR, A FAZER O RECEPTOR ACEITAR O QUE LHE FOI COMUNICADO, A LEVÁ-LO A CRER NO QUE FOI DITO E A FAZER O QUE FOI PROPOSTO.
  4. 4. • A argumentação é um recurso que tem como propósito convencer alguém, para que esse tenha a opinião ou o comportamento alterado. Sempre que argumentamos, temos o intuito de convencer alguém a pensar como nós. • No momento da construção textual, os argumentos são essenciais, esses serão as provas que apresentaremos, com o propósito de defender nossa ideia e convencer o leitor de que essa é a correta. • Há diferentes tipos de argumentos e a escolha certa consolida o texto.
  5. 5. 1. Argumentação por citação: • Sempre que queremos defender uma ideia, procuramos pessoas ‘consagradas’, que pensam como nós acerca do tema em evidência. Apresentamos no corpo de nosso texto a menção de uma informação extraída de outra fonte. A citação pode ser apresentada assim: Assim parece ser porque, para Piaget, “toda moral consiste num sistema de regras e a essência de toda moralidade deve ser procurada no respeito que o indivíduo adquire por essas regras” (Piaget, 1994, p.11). A essência da moral é o respeito às regras. A capacidade intelectual de compreender que a regra expressa uma racionalidade em si mesma equilibrada.
  6. 6. • O uso de citações mostra que o falante conhece bem o assunto, pois já leu sobre o que está sendo discutido. • Mas cuidado com citações descosturadas, sem relação com o que está sendo exposto.
  7. 7. 2. Argumento baseado no consenso: • É o argumento que traz uma afirmação que representa consenso geral, incontestável. São mais utilizados quando se quer defender um ponto de vista, uma opinião, um argumento que é massificado; ninguém irá apelar contra, pois é conhecido universalmente.
  8. 8. 3. Argumentação baseada em provas concretas: • A sustentação da argumentação se dará a partir das informações apresentadas (dados, estatísticas, percentuais) que a acompanham. Esse recurso é explorado quando o objetivo é contestar um ponto de vista equivocado. Veja: O ministro da Educação, Cristovam Buarque, lança hoje o Mapa da Exclusão Educacional. O estudo do Inep, feito a partir de dados do IBGE e do Censo Educacional do Ministério da Educação, mostra o número de crianças de sete a catorze anos que estão fora das escolas em cada estado. Segundo o mapa, no Brasil, 1,4 milhão de crianças, ou 5,5 % da população nessa faixa etária (sete a catorze anos), para a qual o ensino é obrigatório, não frequentam as salas de aula. O pior índice é do Amazonas: 16,8% das crianças do estado, ou 92,8 mil, estão fora da escola. O melhor, o Distrito Federal, com apenas 2,3% (7 200) de crianças excluídas, seguido por Rio Grande do Sul, com 2,7% (39 mil) e São Paulo, com 3,2% (168,7 mil).
  9. 9. Argumento de Exemplificação ou Ilustração: A exemplificação consiste no relato de um pequeno fato (real ou fictício). Esse recurso argumentativo é amplamente usado quando a tese defendida é muito teórica e carece de esclarecimentos com mais dados concretos. Veja o texto abaixo: A condescendência com que os brasileiros têm convivido com a corrupção não é propriamente algo que fale bem de nosso caráter. Conviver e condescender com a corrupção não é, contudo, praticá-la, como queria um líder empresarial que assegurava sermos todos corruptos. Somos mesmo? Um rápido olhar sobre nossas práticas cotidianas registra a amplitude e a profundidade da corrupção, em várias intensidades.
  10. 10. Há a pequena corrupção, cotidiana e muito difundida. É, por exemplo, a da secretária da repartição pública que engorda seu salário datilografando trabalhos “para fora”, utilizando máquina, papel e tempo que deveriam servir à instituição. Os chefes justificam esses pequenos desvios com a alegação de que os salários públicos são baixos. Assim, estabelece-se um pacto: o chefe não luta por melhores salários de seus funcionários, enquanto estes, por sua vez, não “funcionam”. O outro exemplo é o do policial que entra na padaria do bairro em que faz ronda e toma de graça um café com coxinha. Em troca, garante proteção extra ao estabelecimento comercial, o que inclui, eventualmente, a liquidação física de algum ladrão pé-de- chinelo. (Jaime Pinksky/Luzia Nagib Eluf.. Brasileiro(a) é Assim Mesmo, Ed.Contexto)
  11. 11. 4. Argumentação por raciocínio lógico: • A criação de relações de causa e efeito é um recurso utilizado para demonstrar que uma conclusão (afirmada no texto) é necessária, e não fruto de uma interpretação pessoal que pode ser contestada. Veja: “O fumo é o mais grave problema de saúde pública no Brasil. Assim como não admitimos que os comerciantes de maconha, crack ou heroína façam propaganda para os nossos filhos na TV, todas as formas de publicidade do cigarro deveriam ser proibidas terminantemente. Para os desobedientes, cadeia.” VARELLA, Drauzio. In: Folha de S. Paulo, 20 de maio de 2000.
  12. 12. • Para a construção de um bom texto argumentativo faz-se necessário o conhecimento sobre a questão proposta, fundamentação para que seja realizado com sucesso.
  13. 13. 5. Argumento da competência linguística: Em algumas situações da Comunicação, deve-se usar a variante culta da língua. Alguns exemplos deste tipo de situação são: discurso político, religioso, pedagógico etc. utilizar um vocabulário adequado à situação de interlocução dá credibilidade às informações veiculadas. Se um professor não é capaz de usar a norma culta, achamos que ele não conhece sua disciplina. Veja o exemplo abaixo: “Não sou biólogo e tenho que puxar pela memória dos tempos de colegial para recordar a diferença entre uma mitocôndria e uma espermatogônia. Ainda lembro bastante para qualificar a canetada de FHC de ‘defecatio maxima’ (este espaço é nobre demais para que nele se escrevam palavras de baixo calão, como em latim tudo é elevado…).”
  14. 14. Estratégias argumentativas: •Seis fatores intervêm no processo de comunicação: emissor, receptor, mensagem, código, canal e referente. •Temos diferentes estratégias persuasivas, que se assentam sobre um ou mais de um desses fatores, a seguir:
  15. 15. Estratégia baseada no emissor: • Uma estratégia persuasiva baseada no emissor é aquela que o credencia para um dado tipo de comunicação. Exemplo claro é o do texto que inicia o capítulo, em que o emissor se qualifica junto aos receptores dizendo que era bandido. • No discurso eleitoral os emissores apresentam-se como dotados de experiência administrativa ou parlamentar. Nessa estratégia discursiva, citam-se realizações, cria-se uma imagem favorável.
  16. 16. Estratégia baseada no receptor: • Uma estratégia baseada no receptor é aquela que cria imagens favoráveis daquela que se deseja persuadir. O discurso publicitário faz largo uso dessa estratégia.
  17. 17. Estratégia baseada no referente: • A estratégia baseada no referente é aquela que cita provas concretas, dados da situação, estatísticas, experimentos, dados da realidade, conhecimento do mundo. É a estratégia básica dos editoriais de jornais. No entanto, alguns discursos publicitários se valem dela. • “25 de dezembro com preço de 25 de março.”
  18. 18. Estratégia baseada na mensagem: • A estratégia baseada na mensagem é aquela que procura convencer com base na construção rigorosamente concatenada do texto ou na articulação textual bem feita. Um enunciado bem construído fala por si: “Motoqueiro: o capacete é sua segurança. Ponha isso na cabeça.”
  19. 19. Estratégia baseada no código: • A estratégia baseada no código é aquela que busca explorar as oposições linguísticas, os significados das palavras, as virtualidades da língua.
  20. 20. Estratégia baseada no canal: • A estratégia baseada no canal é aquela que valoriza o veículo transmissor. É frequente no discurso do senso comum dar prova da veracidade de um fato com o seguinte argumento: “Deu na televisão..., no jornal...” • Observe a estratégia argumentativa no texto abaixo: • “Mas Tom Jobim era também uma unanimidade universal, digno da reverência de músicos norte-americanos ingleses, franceses, italianos, de jornais como o N.Y. Times, o Corriere della Sera, da Itália, ou de especialistas em jazz na Europa e EUA.”
  21. 21. • Certas estratégias argumentativas baseiam-se em mais de um fator: um deles, no entanto , é dominante.

×