SlideShare uma empresa Scribd logo
Publicidade:
Persuasão e Manipulação
Escola Superior de Educação e Ciências Sociais - IPP
Jornalismo e Comunicação
Ano Letivo 2016/2017
Comunicação e Retórica
1 | P á g i n a
Jornalismo e Comunicação
Publicidade: Persuasão e Manipulação
Eliane Ferreira, Joana Simão, Lígia Neves
Índice
Introdução ....................................................................................................................... 2
Persuasão e Manipulação ............................................................................................ 3
Relação entre Publicidade e Retórica ........................................................................ 4
Truques Psicológicos que a Publicidade usa para Manipular ................................ 7
O Uso de Famosos na Publicidade............................................................................. 8
A Influência da Publicidade no Consumo Infantil ..................................................... 9
Conclusão .....................................................................................................................12
Webliografia..................................................................................................................13
Escola Superior de Educação e Ciências Sociais - IPP
Jornalismo e Comunicação
Ano Letivo 2016/2017
Comunicação e Retórica
2 | P á g i n a
Jornalismo e Comunicação
Publicidade: Persuasão e Manipulação
Eliane Ferreira, Joana Simão, Lígia Neves
Introdução
Neste trabalho realizado no âmbito da Unidade Curricular Comunicação
e Retórica iremos falar sobre a Persuasão e Manipulação na Publicidade.
Começaremos por explicar o significado de Persuasão e Manipulação
como os lados “positivo” e “negativo” da Retórica, respetivamente, tendo em
conta que a Persuasão procura mudar a maneira de pensar do auditório
através de argumentos lógicos, sendo possível ao ouvinte aderir ou não a
esses ideais, enquanto a Manipulação procura anular a autonomia do auditório.
Em seguida, estabeleceremos uma relação entre Publicidade e Retórica,
através das Marcas Retóricas na Publicidade, na Dimensão Argumentativa,
que consiste na busca pela persuasão através de argumentos, e na Dimensão
Oratória, que se baseia no uso de um orador para exibir a marca.
Depois, iremos nomear alguns truques psicológicos usados pela
Publicidade para manipular, através das emoções, dos defeitos e qualidades
do produto, da exclusividade e do medo.
Iremos também explicar o porquê do uso de famosos na Publicidade,
tendo em vista que este confere ao produto diversas vantagens desde a
captação da atenção do consumidor, à associação de valores.
Por fim, iremos fazer uma reflexão acerca da influência da Publicidade
no consumo infantil, referindo os estímulos publicitários no consumo infantil,
uma vez que as crianças são um público mais facilmente manipulável, e da
comercialização da criança.
Escola Superior de Educação e Ciências Sociais - IPP
Jornalismo e Comunicação
Ano Letivo 2016/2017
Comunicação e Retórica
3 | P á g i n a
Jornalismo e Comunicação
Publicidade: Persuasão e Manipulação
Eliane Ferreira, Joana Simão, Lígia Neves
Persuasão e Manipulação
A Retórica tem dois lados o “negativo” e o “positivo”. A Manipulação é
considerada negativa e a Persuasão positiva. Apesar destes conceitos estarem
relacionados com a retórica, existe uma grande diferença entre eles.
A Persuasão consiste numa técnica de argumentação usada por um
interlocutor para que alguém, um auditório ou o público em geral acredite em
seus argumentos, na mensagem que tem interesse em passar, a persuasão
pode ser benéfica ou maléfica porque dependendo da mensagem que foi
passada e assimilada pode mudar a maneira de pensar do auditório. A
persuasão age estrategicamente através de argumentos lógicos ou simbólicos.
Assim, a capacidade de argumentação e a retórica são essenciais para
conseguir persuadir alguém, no âmbito da liderança, um líder deve saber
motivar e persuadir outras pessoas de forma limpa e coerente para que suas
instruções sejam bem aceitas e tenham bons resultados. Na Persuasão existe
uma predominância do logos, que são argumentos utilizados pelo orador. O
auditório é livre de aderir ou não às ideias defendidas.
Ao contrário da Persuasão, na Manipulação existe uma predominância
do phatos, ou seja, das emoções desencadeadas no auditório pelo orador. Isso
acontece porque o principal objetivo da Manipulação é fazer com que o
auditório aceite as suas ideias. Desta forma, o orador utiliza um grande número
de argumentos que apelam à emoção, acabando por seduzir e por levar as
pessoas/auditório a adesão sem questionar. Entre as estratégias do
manipulador estão: alteração no tom de voz; olhares penetrantes, gestos
dramáticos, diferentes expressões faciais, fala de forma muito sentimental, o
manipulador por natureza é sedutor. Os objetivos são escondidos ou
apresentam-se de forma confusa para que não haja reflexão, não há
transparência. Há autores que chamam a manipulação de “retórica negra” ou
persuasão irracional. Ele evita a crítica e procura desviar as atenções do
próprio tema, anulando a autonomia dos ouvintes e a sua capacidade de
avaliação da situação. Na manipulação há um desprezo claro pela
individualidade e liberdade de adesão dos ouvintes, ele os vê como seres
inferiores que usa em proveito próprio.
Escola Superior de Educação e Ciências Sociais - IPP
Jornalismo e Comunicação
Ano Letivo 2016/2017
Comunicação e Retórica
4 | P á g i n a
Jornalismo e Comunicação
Publicidade: Persuasão e Manipulação
Eliane Ferreira, Joana Simão, Lígia Neves
Relação entre Publicidade e Retórica
O discurso publicitário aos olhos da Retórica qualifica-se pela constante
presença de um desempenho estruturalmente dominante, que deixa de ser o
referencial, para passar a ser o apelativo.
Este exercício retórico publicitário desenvolve-se apenas no discurso
comercial no sentido de declarar uma entidade comercial.
A principal dimensão prende-se com a persuasão do consumidor para a
realização de uma determinada ação comercial, como por exemplo, através do
“Compre”, “ Experimente” e “Adira”.
Marcas Retóricas na Publicidade
A Retórica está presente na Publicidade essencialmente pela presença
de duas dimensões: a dimensão argumentativa e a dimensão oratória.
A dimensão argumentativa está relacionada com a utilização de
argumentos racionais, ou seja, numa fundamentação persuasiva, em que o
logos assume um papel fundamental.
A dimensão oratória determina-se pela utilização de marcas não
racionais, o ethos e o pathos.
Quando a emotividade remete para o polo do orador estamos no
domínio do ethos, quando a emotividade remete para o polo do destinatário
estamos no domínio do pathos.
Dimensão Argumentativa
A dimensão argumentativa do discurso está associada com a dimensão
dialética do mesmo, em que se busca pela persuasão através de argumentos
que mudam consoante o género.
Há diferentes géneros retóricos aplicados à publicidade: O género
judicial publicitário que remete para o passado; O género epidíctico publicitário
que remete para o presente, apesar de poder fundamentar ações no passado e
no futuro; O género deliberativo publicitário que remete para o futuro.
A argumentação publicitária/dialética desenvolve-se através de
silogismos ou raciocínios que podem ser verdadeiros ou verosímeis. Os
silogismos dedutivos partem do geral para o particular e os silogismos indutivos
vão do particular para o geral. Os entimemas são argumentos retóricos
específicos, em que se esconde uma das premissas e se mantém a conclusão,
ou seja, através da omissão de uma das premissas nós conseguimos chegar à
conclusão.
Escola Superior de Educação e Ciências Sociais - IPP
Jornalismo e Comunicação
Ano Letivo 2016/2017
Comunicação e Retórica
5 | P á g i n a
Jornalismo e Comunicação
Publicidade: Persuasão e Manipulação
Eliane Ferreira, Joana Simão, Lígia Neves
Nas especificidades argumentativas existe uma maior carga sofística na
medida em que a Publicidade alicerça-se numa dimensão discursiva, não
importa se é racional ou não.
É uma dimensão que pode ser mais ou menos infantil e
simultaneamente mágica, ou anti-dialética, ou seja a dialética só se estabelece
através da compreensão, o que remete para uma falácia da dimensão
argumentativa.
Publicidade caracteriza-se pela existência de provas intrínsecas e de
provas extrínsecas.
As provas intrínsecas resultam da invenção e da imaginação do criativo
publicitário e as provas extrínsecas estão relacionadas com a possibilidade de
argumentar o discurso a partir de factos extra-retóricos, em que existem
argumentos de autoridade.
Segundo Topoí, Aristóteles refere-se à argumentação como “os lugares
argumentativos são argumentos-tipo”.
São argumentos da eficácia, da conveniência, da felicidade, do sucesso
e da sinceridade.
Cada género possui os seus topoís baseados numa existência
comercial, em que o produto ocupa uma dimensão central.
os deliberativos estão relacionados com uma premissa básica: a felicidade e
tudo o que lhe está subjacente, seja a tranquilidade, a poupança, a segurança,
a economia, a beleza, a comodidade, o conforto e a paz.
Dimensão Oratória
O ethos publicitário implica a existência de um orador.
São pessoas delegadas pela marca para a exibirem no âmbito do processo
comunicacional.
Isto acontece quando a marca recorre a mascotes que se pretendem
eternizar como sendo características só do produto que representam.
Deste modo, pode também atribuir qualidades que o auditório quereria
ter: o tigre simboliza a potência e a vivacidade que se pretende nos jovens.
É importante referir a existência de um Star System publicitário, isto é, a
existência de celebridades que oferecem a sua notoriedade e reputação ao
produto que se pretende anunciar.
O facto de ela ser uma pessoa conhecida do publico faz com que as
seus qualidades sejam identificados mais facilmente e ajude na promoção do
produto ao qual faz publicidade.
As mascotes usadas na publicidade para persuadir as crianças são os
bonecos, onde lhe é atribuída a personificação para assim divulgar a marca.
Como eles vivem no mundo da fantasia, no mundo dos desenhos
animados, tudo para eles é muito fácil.
Escola Superior de Educação e Ciências Sociais - IPP
Jornalismo e Comunicação
Ano Letivo 2016/2017
Comunicação e Retórica
6 | P á g i n a
Jornalismo e Comunicação
Publicidade: Persuasão e Manipulação
Eliane Ferreira, Joana Simão, Lígia Neves
Em contrapartida, eles próprios são “cobaias” da marca, assumindo as
suas características perante a sociedade ao revelarem os seus gostos.
O fato da marca usar um tipo de mascote – bonecos de pano que vivem
num mundo todo ele feito de pano remete para um cenário infantil de
imaginação e graça.
O pathos corresponde à pré-disposição do público que determina a
natureza das mensagens e a natureza do ethos.
No que diz respeito ao ethos, o carácter do orador é, sem dúvida,
fundamental já que uma pessoa respeitada e íntegra, ganha de uma maneira
mais fácil, a confiança do auditório. Deste modo, o auditório ganha uma maior
predisposição para ser persuadido.
Em relação ao pathos é necessário reconhecer que a emoção que o
orador consegue transmitir ao auditório é determinante na decisão de serem a
favor ou contra aquilo que este defende, ou no caso da publicidade, se
pretende vender.
Por último, o logos é a parte fundamental da oratória na medida em que
se aplicam as principais regras e princípios da técnica retórica. É no domínio do
logos que se dá a fundamentação persuasiva da reputação e decisão
publicitária.
Escola Superior de Educação e Ciências Sociais - IPP
Jornalismo e Comunicação
Ano Letivo 2016/2017
Comunicação e Retórica
7 | P á g i n a
Jornalismo e Comunicação
Publicidade: Persuasão e Manipulação
Eliane Ferreira, Joana Simão, Lígia Neves
Truques Psicológicos Que A
Publicidade Usa Para Manipular
A fim de manipular o público a comprar determinado produto, certos
publicitários encerem nas suas publicidades determinados truques
psicológicos, nomeadamente:
Ideias Emocionais: mostrar que um produto pode melhorar a qualidade
de vida de um cliente é uma tática mais eficaz do que explicar suas
funcionalidades
Destacar Defeitos: uma maneira de conseguir credibilidade é apontar
as deficiências de seu produto, de maneira a evitar possíveis dúvidas
dos consumidores
Enfatizar Exageradamente as Qualidades: as qualidades do produto
são apontadas por diversas vezes de maneira a que se o cliente
acreditar que no produto que usa atualmente falta alguma coisa, as
chances de testar o que está sendo promovido são maiores
Promover a Exclusividade: os publicitários tentam transmitir aos
consumidores a ideia de que através da compra do seu produto tornar-
se-ão parte de um grupo exclusivo
Incutir o Medo: apesar de esta tática ser normalmente usada em
campanhas políticas, também é usada em publicidade de medicamentos
ou de seguros, por exemplo, através da promoção do medo referente
aos efeitos de uma determinada doença
Escola Superior de Educação e Ciências Sociais - IPP
Jornalismo e Comunicação
Ano Letivo 2016/2017
Comunicação e Retórica
8 | P á g i n a
Jornalismo e Comunicação
Publicidade: Persuasão e Manipulação
Eliane Ferreira, Joana Simão, Lígia Neves
O Uso de Famosos na Publicidade
Muitas empresas recorrem à contratação de celebridades para
participarem nos seus anúncios publicitários. Este fenómeno deve-se ao facto
de usar pessoas famosas em uma campanha publicitária trazer muitas
vantagens, desde a associação de valores representados por essa pessoa
conhecida do público, como o facto de marcar o reconhecimento mais rápido
do produto anunciado. O famoso ajuda a criar e a manter a atenção do
consumidor na peça publicitária, tornando-se num modelo, em referência, ao
consumidor que deseja se parecer com ele. Isso ocorre principalmente entre os
famosos que os consumidores acreditam ter alcançado a fama por “méritos
próprios”, sobretudo famosos ligados ao mundo do desporto.
Na hora de escolher a celebridade para participar no anúncio a
credibilidade, a confiabilidade e a perceção do famoso como especialista por
parte do consumidor são valores essenciais. Este deverá ser atraente, não só
fisicamente, mas também no que diz respeito à familiaridade. É fundamental
que o famoso desperte simpatia no público.
Escola Superior de Educação e Ciências Sociais - IPP
Jornalismo e Comunicação
Ano Letivo 2016/2017
Comunicação e Retórica
9 | P á g i n a
Jornalismo e Comunicação
Publicidade: Persuasão e Manipulação
Eliane Ferreira, Joana Simão, Lígia Neves
A Influência da Publicidade no
Consumo Infantil
O impacto da publicidade no desenvolvimento infantil é um tema
recorrente nos nossos dias e bastante polémico.
Através da visão proposta pelos meios de comunicação, as crianças são
constantemente bombardeadas por conteúdo especial direcionado para as
mesmas. Em relação ao contexto de mercado, as crianças estão cada vez mais
informadas acerca dos novos brinquedos que saem, isto deve-se ao facto
destas terem fácil acesso à internet através dos telemóveis, tablets,
computadores e televisão.
Na verdade, antes mesmo de as crianças nascerem, elas já estão a ser
introduzidas na sociedade consumista, visto que os pais consomem informação
para suprir as necessidades de seu futuro bebé.
Como a criança é inserida desde tenra idade na realidade social sob a
perspetiva capitalista, esta encontra bem cedo o seu papel como consumidora
ativa.
Desta forma, o público infantil se torna um alvo cobiçado pela
publicidade, o que faz com que as crianças sejam um público cobiçado pela
publicidade devido ao facto de elas influenciarem os pais a comprarem o
brinquedo que elas viram.
Escola Superior de Educação e Ciências Sociais - IPP
Jornalismo e Comunicação
Ano Letivo 2016/2017
Comunicação e Retórica
10 | P á g i n a
Jornalismo e Comunicação
Publicidade: Persuasão e Manipulação
Eliane Ferreira, Joana Simão, Lígia Neves
Os Estímulos Publicitários no Público Infantil
A criança de hoje é a consumidora adulta de amanhã, visto que as
empresas lançam produtos e serviços virado para o público infantil, o que faz
com que as empresas estejam suprindo as necessidades dos pais, e investindo
em futuros consumidores.
A partir do momento em que as crianças começam a ter acesso à
televisão e internet e até mesmo a ir à escola, elas se tornam ainda mais
sensibilizadas pela sociedade e adquirem cada vez mais poder de forma a
influenciar a família.
E esta exibição massiva e contínua dos meios de comunicação torna o
público infantil uma presa, como realça Gilmar Piolla, “investir nas crianças,
hoje, é garantia que daqui a 10 ou 15 anos a empresa poderá ser lembrada por
elas”.
A criança constitui uma fonte potencial e rentável para investimentos
publicitários, e isso é irrefutável. Vários problemas podem vir a ser causados
pela influência da publicidade na vida das crianças, como por exemplo, a
obesidade, o sedentarismo ou a compulsão pelo consumo.
Segundo pesquisa da Young & Rubicam que é uma agência de
propaganda e publicidade, as crianças na faixa etária de 0 a 14 anos
movimentam 1,3 bilhões de reais por ano (cerca de 0,3% do PIB médio
brasileiro) apenas em mesadas estabelecidas pelos pais que, sem pensarem,
já estão estimulando seus filhos a ser consumidores.
As pessoas são estereotipadas o tempo todo pelo que usam e pelo que
consomem, e com as crianças isso não é diferente. O público infantil também
deseja o poder influenciado pela riqueza material, as crianças de hoje em dia
querem status e ser reconhecidas pela sociedade, devido a isso elas desejam
ser influenciadoras, assim como os seus pais, e não serem apenas
influenciadas pela sociedade.
A relação entre criança e publicidade é ampla. As crianças assistem a
programas de televisão divertidos e aprendem a brincar, elas veem filmes da
Disney e desenhos da Nickelodeon ou do Cartoon Network pois eles contém
personagens com os quais elas se identificam, e elas são expostas à
propagandas de fast-food que sabem muito bem como as fazer correr pra
cozinha em busca de doces e guloseimas.
A Comercialização da Criança
O processo de fortalecimento do acesso das crianças aos média vem
seguindo uma lógica de comercialização desde muito pequenas.
Linn aborda o fato de que as crianças de hoje “são bombardeadas com
mensagens publicitárias a partir do momento em que se levantam de manhã
até o instante em que vão para a cama de noite”.
Escola Superior de Educação e Ciências Sociais - IPP
Jornalismo e Comunicação
Ano Letivo 2016/2017
Comunicação e Retórica
11 | P á g i n a
Jornalismo e Comunicação
Publicidade: Persuasão e Manipulação
Eliane Ferreira, Joana Simão, Lígia Neves
Em 2003, apenas 8% das crianças influenciavam fortemente seus pais
nas decisões de compra. Hoje em dia, 49% delas participam desse processo
de forma ativa e, segundo diversos estudos, no futuro próximo esse índice
passará a ser de 82%.
Conforme estudos citados por White em 1997, as crianças acompanham
seus pais ao local de compra a partir de 1 mês de idade, e elas começam a
fazer compras de forma independente a partir dos 4 anos, passando por 5
estágios:
1) Observando e interagindo no local de compra;
2) Fazendo pedidos aos pais;
3) Selecionando produtos e serviços que querem
4) Efetuando compras com algum tipo de ajuda (dos pais ou de quem quer
que seja);
A pesquisa revelou que as crianças de 2 a 5 anos passam em média 25
horas semanais em frente a televisão, e dedicam 7 horas semanais a assistir
desenhos animados, jogar videogames ou consumir conteúdo gravado
(músicas, filmes, séries.).
Então, considerando-se que as crianças são muito mais manipuláveis do
que os adultos, as ações publicitárias a elas destinadas geram efeitos que
podem ultrapassar os limites da ética e do bom senso, e essas ações muitas
vezes são extremamente violentas e prejudiciais ao desenvolvimento infantil.
Os publicitários lembram-nos que para as empresas “a margem de lucro é
muito importante para que elas se importem com o bem-estar da criança”, e
isto não deveria acontecer, visto que o que eles incutem nas crianças pode
afetar as suas vidas.
Esse fato lamentável faz insurgir críticas e discussões acaloradas no mundo
publicitário e principalmente entre a sociedade.
Escola Superior de Educação e Ciências Sociais - IPP
Jornalismo e Comunicação
Ano Letivo 2016/2017
Comunicação e Retórica
12 | P á g i n a
Jornalismo e Comunicação
Publicidade: Persuasão e Manipulação
Eliane Ferreira, Joana Simão, Lígia Neves
Conclusão
Com a elaboração deste trabalho, podemos concluir que a Persuasão e
a Manipulação são maneiras contrárias de captar a adesão de um auditório,
sendo uma negativa e outra positiva.
Ficamos a saber que a Publicidade e a Retórica têm uma relação direta
uma vez que a Publicidade usa argumentos e/ou oradores típicos da Retórica.
Concluímos também que existem determinados truques psicológicos
usados na publicidade a fim de manipular os consumidores, nomeadamente
ideias emocionais, realce de defeitos e qualidades do produto, exclusividade do
mesmo e da promoção do medo.
Percebemos ainda que o uso de famosos na Publicidade traz diversas
vantagens à empresa, na medida em que induz credibilidade, prende a atenção
do público e transmite a associação de valores.
Por fim, concluímos que a influência da publicidade no consumo infantil
é deveras muito grande, uma vez que o público infantil é mais facilmente
manipulado pela publicidade.
Escola Superior de Educação e Ciências Sociais - IPP
Jornalismo e Comunicação
Ano Letivo 2016/2017
Comunicação e Retórica
13 | P á g i n a
Jornalismo e Comunicação
Publicidade: Persuasão e Manipulação
Eliane Ferreira, Joana Simão, Lígia Neves
Webliografia
www.fil11.blogspot.pt
www.pt.slideshare.net
www.notapositiva.com
http://brainossome.blogspot.pt
http://entrelinhablog.com.br
http://popsapiens.net
http://www.knowledgeatwharton.com.br
http://cromasolutions.com.br
https://www.youtube.com/watch?v=f-CHDAgsNL8
https://www.youtube.com/watch?v=2bOmlcjfsEw
https://www.youtube.com/watch?v=UhiKQCjfQY8

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Tipos de assessoria de imprensa
Tipos de assessoria de imprensaTipos de assessoria de imprensa
Tipos de assessoria de imprensa
Jennyffer Mesquita
 
Introducao As Teorias Da Cibercultura
Introducao As Teorias Da CiberculturaIntroducao As Teorias Da Cibercultura
Introducao As Teorias Da Cibercultura
gabizago
 
Método indutivo - Filosofia
Método indutivo - FilosofiaMétodo indutivo - Filosofia
Método indutivo - Filosofia
Ryan Gabriel Senaa
 
O Sentido da Vida
O Sentido da VidaO Sentido da Vida
O Sentido da Vida
Luís Rita
 
Apostilaredacaopublicitaria08032005170707 091201205511-phpapp02
Apostilaredacaopublicitaria08032005170707 091201205511-phpapp02Apostilaredacaopublicitaria08032005170707 091201205511-phpapp02
Apostilaredacaopublicitaria08032005170707 091201205511-phpapp02
Blogotipos - Diário das Marcas
 
Aula 9c Estudos Culturais - Stuart Hall
Aula 9c Estudos Culturais - Stuart HallAula 9c Estudos Culturais - Stuart Hall
Aula 9c Estudos Culturais - Stuart Hall
Elizeu Nascimento Silva
 
Persuasão e Manipulação - A Propaganda
Persuasão e Manipulação - A PropagandaPersuasão e Manipulação - A Propaganda
Persuasão e Manipulação - A Propaganda
Duarte Súcia
 
Aula4 cultura da convergência
Aula4 cultura da convergênciaAula4 cultura da convergência
Aula4 cultura da convergência
lilianedb
 
Teoria Organizacional do Jornalismo
Teoria Organizacional do JornalismoTeoria Organizacional do Jornalismo
Teoria Organizacional do Jornalismo
higginha
 
Cultura da convergência e da participação
Cultura da convergência e da participaçãoCultura da convergência e da participação
Cultura da convergência e da participação
Aline Corso
 
A Escola Canadiana: Innis e McLuhan
A Escola Canadiana: Innis e McLuhanA Escola Canadiana: Innis e McLuhan
A Escola Canadiana: Innis e McLuhan
Lívia Priscilla
 
Aula capa 2010
Aula capa 2010Aula capa 2010
Aula capa 2010
Helena Jacob
 
História das Idéias Pedagógicas no Brasil
História das Idéias Pedagógicas no BrasilHistória das Idéias Pedagógicas no Brasil
História das Idéias Pedagógicas no Brasil
Ulisses Vakirtzis
 
Aula 03 - Modelo de Lasswell
Aula 03 - Modelo de LasswellAula 03 - Modelo de Lasswell
Aula 03 - Modelo de Lasswell
Elizeu Nascimento Silva
 
Estrategias de midia
Estrategias de midiaEstrategias de midia
Estrategias de midia
Kauê Krischnegg
 
Cultura de Convergência
Cultura de ConvergênciaCultura de Convergência
Cultura de Convergência
Carmem Júlia
 
Desinformação e noticias falsas
Desinformação e noticias falsasDesinformação e noticias falsas
Desinformação e noticias falsas
Carlos Pinheiro
 
Teoria Culturológica
Teoria CulturológicaTeoria Culturológica
Teoria Culturológica
nanasimao
 
éTica na comunicação
éTica na comunicaçãoéTica na comunicação
éTica na comunicação
ana cláudia campos
 
Papel da escola na reprodução social trabalho
Papel da escola na reprodução social   trabalhoPapel da escola na reprodução social   trabalho
Papel da escola na reprodução social trabalho
carlonaviola
 

Mais procurados (20)

Tipos de assessoria de imprensa
Tipos de assessoria de imprensaTipos de assessoria de imprensa
Tipos de assessoria de imprensa
 
Introducao As Teorias Da Cibercultura
Introducao As Teorias Da CiberculturaIntroducao As Teorias Da Cibercultura
Introducao As Teorias Da Cibercultura
 
Método indutivo - Filosofia
Método indutivo - FilosofiaMétodo indutivo - Filosofia
Método indutivo - Filosofia
 
O Sentido da Vida
O Sentido da VidaO Sentido da Vida
O Sentido da Vida
 
Apostilaredacaopublicitaria08032005170707 091201205511-phpapp02
Apostilaredacaopublicitaria08032005170707 091201205511-phpapp02Apostilaredacaopublicitaria08032005170707 091201205511-phpapp02
Apostilaredacaopublicitaria08032005170707 091201205511-phpapp02
 
Aula 9c Estudos Culturais - Stuart Hall
Aula 9c Estudos Culturais - Stuart HallAula 9c Estudos Culturais - Stuart Hall
Aula 9c Estudos Culturais - Stuart Hall
 
Persuasão e Manipulação - A Propaganda
Persuasão e Manipulação - A PropagandaPersuasão e Manipulação - A Propaganda
Persuasão e Manipulação - A Propaganda
 
Aula4 cultura da convergência
Aula4 cultura da convergênciaAula4 cultura da convergência
Aula4 cultura da convergência
 
Teoria Organizacional do Jornalismo
Teoria Organizacional do JornalismoTeoria Organizacional do Jornalismo
Teoria Organizacional do Jornalismo
 
Cultura da convergência e da participação
Cultura da convergência e da participaçãoCultura da convergência e da participação
Cultura da convergência e da participação
 
A Escola Canadiana: Innis e McLuhan
A Escola Canadiana: Innis e McLuhanA Escola Canadiana: Innis e McLuhan
A Escola Canadiana: Innis e McLuhan
 
Aula capa 2010
Aula capa 2010Aula capa 2010
Aula capa 2010
 
História das Idéias Pedagógicas no Brasil
História das Idéias Pedagógicas no BrasilHistória das Idéias Pedagógicas no Brasil
História das Idéias Pedagógicas no Brasil
 
Aula 03 - Modelo de Lasswell
Aula 03 - Modelo de LasswellAula 03 - Modelo de Lasswell
Aula 03 - Modelo de Lasswell
 
Estrategias de midia
Estrategias de midiaEstrategias de midia
Estrategias de midia
 
Cultura de Convergência
Cultura de ConvergênciaCultura de Convergência
Cultura de Convergência
 
Desinformação e noticias falsas
Desinformação e noticias falsasDesinformação e noticias falsas
Desinformação e noticias falsas
 
Teoria Culturológica
Teoria CulturológicaTeoria Culturológica
Teoria Culturológica
 
éTica na comunicação
éTica na comunicaçãoéTica na comunicação
éTica na comunicação
 
Papel da escola na reprodução social trabalho
Papel da escola na reprodução social   trabalhoPapel da escola na reprodução social   trabalho
Papel da escola na reprodução social trabalho
 

Semelhante a A publicidade: Persuação e Manipulação

Persuasão e Manipulação
Persuasão e ManipulaçãoPersuasão e Manipulação
Persuasão e Manipulação
Joana Filipa Rodrigues
 
Grupo 3
Grupo 3Grupo 3
Grupo 5
Grupo 5Grupo 5
Grupo 4
Grupo 4Grupo 4
Grupo 6
Grupo 6Grupo 6
"Persuasão e Manipulação"-"Argumentação, verdade e ser"
"Persuasão e Manipulação"-"Argumentação, verdade e ser""Persuasão e Manipulação"-"Argumentação, verdade e ser"
"Persuasão e Manipulação"-"Argumentação, verdade e ser"
Jorge David
 
CCA0331 redacaomidiasgraficasav1
CCA0331 redacaomidiasgraficasav1CCA0331 redacaomidiasgraficasav1
CCA0331 redacaomidiasgraficasav1
Diego Moreau
 
Grupo 10
Grupo 10Grupo 10
Grupo 10
filosofia-alijo
 
Grupo 9
Grupo 9Grupo 9
Grupo márcio
Grupo márcioGrupo márcio
Grupo márcio
filosofia-alijo
 
Teoria das representações socias oficina
Teoria das representações socias   oficinaTeoria das representações socias   oficina
Teoria das representações socias oficina
Cinthia Ferreira
 
Regência no 3 e 4
Regência no 3 e 4Regência no 3 e 4
Regência no 3 e 4
j_sdias
 
Tecnicas de redação publicitária i
Tecnicas de redação publicitária  iTecnicas de redação publicitária  i
Tecnicas de redação publicitária i
Katia Manangão
 
Trilhando o Caminho das Apresentações e Oratórias
Trilhando o Caminho das Apresentações e OratóriasTrilhando o Caminho das Apresentações e Oratórias
Trilhando o Caminho das Apresentações e Oratórias
pmarcolinsq
 
O slogan publicitário algumas estratégias argumentativas
O slogan publicitário algumas estratégias argumentativasO slogan publicitário algumas estratégias argumentativas
O slogan publicitário algumas estratégias argumentativas
Dragodragons
 
Falando para Persuadir
Falando para PersuadirFalando para Persuadir
Falando para Persuadir
Dayane Salvador
 
Apostila de Comunicação empresarial
Apostila de Comunicação empresarialApostila de Comunicação empresarial
Apostila de Comunicação empresarial
daanielrox
 
Trabalho
TrabalhoTrabalho
Trabalho
André
 
Aids, Jovens e Propaganda “#partiuteste”: incoerência no discurso Governamental
Aids, Jovens e Propaganda “#partiuteste”: incoerência no discurso GovernamentalAids, Jovens e Propaganda “#partiuteste”: incoerência no discurso Governamental
Aids, Jovens e Propaganda “#partiuteste”: incoerência no discurso Governamental
Maria Angela de Lima Dummel
 
Ficha arg. 8
Ficha arg. 8Ficha arg. 8
Ficha arg. 8
pyteroliva
 

Semelhante a A publicidade: Persuação e Manipulação (20)

Persuasão e Manipulação
Persuasão e ManipulaçãoPersuasão e Manipulação
Persuasão e Manipulação
 
Grupo 3
Grupo 3Grupo 3
Grupo 3
 
Grupo 5
Grupo 5Grupo 5
Grupo 5
 
Grupo 4
Grupo 4Grupo 4
Grupo 4
 
Grupo 6
Grupo 6Grupo 6
Grupo 6
 
"Persuasão e Manipulação"-"Argumentação, verdade e ser"
"Persuasão e Manipulação"-"Argumentação, verdade e ser""Persuasão e Manipulação"-"Argumentação, verdade e ser"
"Persuasão e Manipulação"-"Argumentação, verdade e ser"
 
CCA0331 redacaomidiasgraficasav1
CCA0331 redacaomidiasgraficasav1CCA0331 redacaomidiasgraficasav1
CCA0331 redacaomidiasgraficasav1
 
Grupo 10
Grupo 10Grupo 10
Grupo 10
 
Grupo 9
Grupo 9Grupo 9
Grupo 9
 
Grupo márcio
Grupo márcioGrupo márcio
Grupo márcio
 
Teoria das representações socias oficina
Teoria das representações socias   oficinaTeoria das representações socias   oficina
Teoria das representações socias oficina
 
Regência no 3 e 4
Regência no 3 e 4Regência no 3 e 4
Regência no 3 e 4
 
Tecnicas de redação publicitária i
Tecnicas de redação publicitária  iTecnicas de redação publicitária  i
Tecnicas de redação publicitária i
 
Trilhando o Caminho das Apresentações e Oratórias
Trilhando o Caminho das Apresentações e OratóriasTrilhando o Caminho das Apresentações e Oratórias
Trilhando o Caminho das Apresentações e Oratórias
 
O slogan publicitário algumas estratégias argumentativas
O slogan publicitário algumas estratégias argumentativasO slogan publicitário algumas estratégias argumentativas
O slogan publicitário algumas estratégias argumentativas
 
Falando para Persuadir
Falando para PersuadirFalando para Persuadir
Falando para Persuadir
 
Apostila de Comunicação empresarial
Apostila de Comunicação empresarialApostila de Comunicação empresarial
Apostila de Comunicação empresarial
 
Trabalho
TrabalhoTrabalho
Trabalho
 
Aids, Jovens e Propaganda “#partiuteste”: incoerência no discurso Governamental
Aids, Jovens e Propaganda “#partiuteste”: incoerência no discurso GovernamentalAids, Jovens e Propaganda “#partiuteste”: incoerência no discurso Governamental
Aids, Jovens e Propaganda “#partiuteste”: incoerência no discurso Governamental
 
Ficha arg. 8
Ficha arg. 8Ficha arg. 8
Ficha arg. 8
 

Mais de nanasimao

Hábitos de Leitura de Notícias dos Estudantes de JC
Hábitos de Leitura de Notícias dos Estudantes de JCHábitos de Leitura de Notícias dos Estudantes de JC
Hábitos de Leitura de Notícias dos Estudantes de JC
nanasimao
 
Sermão de Santo António aos peixes
Sermão de Santo António aos peixes Sermão de Santo António aos peixes
Sermão de Santo António aos peixes
nanasimao
 
Cultura em Portugal
Cultura em PortugalCultura em Portugal
Cultura em Portugal
nanasimao
 
A Revolução cientifica e o conhecimento do Homem e da Natureza
A Revolução cientifica e o conhecimento do Homem e da NaturezaA Revolução cientifica e o conhecimento do Homem e da Natureza
A Revolução cientifica e o conhecimento do Homem e da Natureza
nanasimao
 
Gótico Europeu
Gótico EuropeuGótico Europeu
Gótico Europeu
nanasimao
 
Auto/ Farsa de Inês Pereira
Auto/ Farsa de Inês PereiraAuto/ Farsa de Inês Pereira
Auto/ Farsa de Inês Pereira
nanasimao
 
Breve análise da Síria e Filândia
Breve análise da Síria e FilândiaBreve análise da Síria e Filândia
Breve análise da Síria e Filândia
nanasimao
 
Freedom House
Freedom HouseFreedom House
Freedom House
nanasimao
 
A imprensa escrita e o poder potilico- texto de Luís Felipe
A imprensa escrita e o poder potilico- texto de Luís FelipeA imprensa escrita e o poder potilico- texto de Luís Felipe
A imprensa escrita e o poder potilico- texto de Luís Felipe
nanasimao
 
Operação Lex
Operação LexOperação Lex
Operação Lex
nanasimao
 
Os telemóveis no mundo contemporâneo
Os telemóveis no mundo contemporâneoOs telemóveis no mundo contemporâneo
Os telemóveis no mundo contemporâneo
nanasimao
 
13 Reasons Why
13 Reasons Why 13 Reasons Why
13 Reasons Why
nanasimao
 
Rede Globo
Rede GloboRede Globo
Rede Globo
nanasimao
 
Ameaças e oportunidades num mundo multipolar
Ameaças e oportunidades num mundo multipolarAmeaças e oportunidades num mundo multipolar
Ameaças e oportunidades num mundo multipolar
nanasimao
 
Energia nuclear
Energia nuclearEnergia nuclear
Energia nuclear
nanasimao
 
A poluição dos mares e solos temas
A poluição dos mares e solos temas A poluição dos mares e solos temas
A poluição dos mares e solos temas
nanasimao
 
Jornal- O Districto de portalegre
Jornal- O Districto de portalegre  Jornal- O Districto de portalegre
Jornal- O Districto de portalegre
nanasimao
 
A propaganda Nazi
A propaganda Nazi A propaganda Nazi
A propaganda Nazi
nanasimao
 
Karl Blossfeldt
Karl BlossfeldtKarl Blossfeldt
Karl Blossfeldt
nanasimao
 
A imprensa na 2ª metade do século XIX
A imprensa na 2ª metade do século XIXA imprensa na 2ª metade do século XIX
A imprensa na 2ª metade do século XIX
nanasimao
 

Mais de nanasimao (20)

Hábitos de Leitura de Notícias dos Estudantes de JC
Hábitos de Leitura de Notícias dos Estudantes de JCHábitos de Leitura de Notícias dos Estudantes de JC
Hábitos de Leitura de Notícias dos Estudantes de JC
 
Sermão de Santo António aos peixes
Sermão de Santo António aos peixes Sermão de Santo António aos peixes
Sermão de Santo António aos peixes
 
Cultura em Portugal
Cultura em PortugalCultura em Portugal
Cultura em Portugal
 
A Revolução cientifica e o conhecimento do Homem e da Natureza
A Revolução cientifica e o conhecimento do Homem e da NaturezaA Revolução cientifica e o conhecimento do Homem e da Natureza
A Revolução cientifica e o conhecimento do Homem e da Natureza
 
Gótico Europeu
Gótico EuropeuGótico Europeu
Gótico Europeu
 
Auto/ Farsa de Inês Pereira
Auto/ Farsa de Inês PereiraAuto/ Farsa de Inês Pereira
Auto/ Farsa de Inês Pereira
 
Breve análise da Síria e Filândia
Breve análise da Síria e FilândiaBreve análise da Síria e Filândia
Breve análise da Síria e Filândia
 
Freedom House
Freedom HouseFreedom House
Freedom House
 
A imprensa escrita e o poder potilico- texto de Luís Felipe
A imprensa escrita e o poder potilico- texto de Luís FelipeA imprensa escrita e o poder potilico- texto de Luís Felipe
A imprensa escrita e o poder potilico- texto de Luís Felipe
 
Operação Lex
Operação LexOperação Lex
Operação Lex
 
Os telemóveis no mundo contemporâneo
Os telemóveis no mundo contemporâneoOs telemóveis no mundo contemporâneo
Os telemóveis no mundo contemporâneo
 
13 Reasons Why
13 Reasons Why 13 Reasons Why
13 Reasons Why
 
Rede Globo
Rede GloboRede Globo
Rede Globo
 
Ameaças e oportunidades num mundo multipolar
Ameaças e oportunidades num mundo multipolarAmeaças e oportunidades num mundo multipolar
Ameaças e oportunidades num mundo multipolar
 
Energia nuclear
Energia nuclearEnergia nuclear
Energia nuclear
 
A poluição dos mares e solos temas
A poluição dos mares e solos temas A poluição dos mares e solos temas
A poluição dos mares e solos temas
 
Jornal- O Districto de portalegre
Jornal- O Districto de portalegre  Jornal- O Districto de portalegre
Jornal- O Districto de portalegre
 
A propaganda Nazi
A propaganda Nazi A propaganda Nazi
A propaganda Nazi
 
Karl Blossfeldt
Karl BlossfeldtKarl Blossfeldt
Karl Blossfeldt
 
A imprensa na 2ª metade do século XIX
A imprensa na 2ª metade do século XIXA imprensa na 2ª metade do século XIX
A imprensa na 2ª metade do século XIX
 

Último

Licao de adultos Topico 1 CPAD edit.pptx
Licao de adultos Topico 1 CPAD edit.pptxLicao de adultos Topico 1 CPAD edit.pptx
Licao de adultos Topico 1 CPAD edit.pptx
jetroescola
 
Auxiliar Adolescente 2024 3 trimestre 24
Auxiliar Adolescente 2024 3 trimestre 24Auxiliar Adolescente 2024 3 trimestre 24
Auxiliar Adolescente 2024 3 trimestre 24
DirceuSilva26
 
Relatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdf
Falcão Brasil
 
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdfoficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
marcos oliveira
 
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsxOceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Luzia Gabriele
 
farmacologia-segura-em-mapas-mentais-reduzindo-os-riscos-da-terapeutica-24040...
farmacologia-segura-em-mapas-mentais-reduzindo-os-riscos-da-terapeutica-24040...farmacologia-segura-em-mapas-mentais-reduzindo-os-riscos-da-terapeutica-24040...
farmacologia-segura-em-mapas-mentais-reduzindo-os-riscos-da-terapeutica-24040...
AngelicaCostaMeirele2
 
Temática – Projeto para Empreendedores Locais
Temática – Projeto para Empreendedores LocaisTemática – Projeto para Empreendedores Locais
Temática – Projeto para Empreendedores Locais
Colaborar Educacional
 
_jogo-brinquedo-brincadeira-e-a-e-ducacao-tizuko-morchida-kishimoto-leandro-p...
_jogo-brinquedo-brincadeira-e-a-e-ducacao-tizuko-morchida-kishimoto-leandro-p..._jogo-brinquedo-brincadeira-e-a-e-ducacao-tizuko-morchida-kishimoto-leandro-p...
_jogo-brinquedo-brincadeira-e-a-e-ducacao-tizuko-morchida-kishimoto-leandro-p...
marcos oliveira
 
Slides Lição 2, CPAD, O Livro de Rute, 3Tr24.pptx
Slides Lição 2, CPAD, O Livro de Rute, 3Tr24.pptxSlides Lição 2, CPAD, O Livro de Rute, 3Tr24.pptx
Slides Lição 2, CPAD, O Livro de Rute, 3Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Relatório de Atividades 2016 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2016 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2016 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2016 CENSIPAM.pdf
Falcão Brasil
 
Ideais do Ministério jovem Adventista pdf
Ideais do Ministério jovem Adventista pdfIdeais do Ministério jovem Adventista pdf
Ideais do Ministério jovem Adventista pdf
Anesio2
 
As Ideias Têm Consequências - Richard M. Weaver
As Ideias Têm Consequências - Richard M. WeaverAs Ideias Têm Consequências - Richard M. Weaver
As Ideias Têm Consequências - Richard M. Weaver
C4io99
 
Apostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdf
Apostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdfApostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdf
Apostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdf
pattyhsilva271204
 
Trabalho Colaborativo na educação especial.pdf
Trabalho Colaborativo na educação especial.pdfTrabalho Colaborativo na educação especial.pdf
Trabalho Colaborativo na educação especial.pdf
marcos oliveira
 
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsxNoite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Luzia Gabriele
 
Atividade Dias dos Pais - Meu Pai, Razão da Minha História.
Atividade Dias dos Pais -  Meu Pai, Razão da Minha História.Atividade Dias dos Pais -  Meu Pai, Razão da Minha História.
Atividade Dias dos Pais - Meu Pai, Razão da Minha História.
Mary Alvarenga
 
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Painel para comemerorar odia dos avós grátis.pdf
Painel  para comemerorar odia dos avós grátis.pdfPainel  para comemerorar odia dos avós grátis.pdf
Painel para comemerorar odia dos avós grátis.pdf
marcos oliveira
 
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Centro Jacques Delors
 
Texto e atividade - O que fazemos com a água que usamos.
Texto e atividade -  O que fazemos com a água que usamos.Texto e atividade -  O que fazemos com a água que usamos.
Texto e atividade - O que fazemos com a água que usamos.
Mary Alvarenga
 

Último (20)

Licao de adultos Topico 1 CPAD edit.pptx
Licao de adultos Topico 1 CPAD edit.pptxLicao de adultos Topico 1 CPAD edit.pptx
Licao de adultos Topico 1 CPAD edit.pptx
 
Auxiliar Adolescente 2024 3 trimestre 24
Auxiliar Adolescente 2024 3 trimestre 24Auxiliar Adolescente 2024 3 trimestre 24
Auxiliar Adolescente 2024 3 trimestre 24
 
Relatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdf
 
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdfoficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
 
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsxOceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
 
farmacologia-segura-em-mapas-mentais-reduzindo-os-riscos-da-terapeutica-24040...
farmacologia-segura-em-mapas-mentais-reduzindo-os-riscos-da-terapeutica-24040...farmacologia-segura-em-mapas-mentais-reduzindo-os-riscos-da-terapeutica-24040...
farmacologia-segura-em-mapas-mentais-reduzindo-os-riscos-da-terapeutica-24040...
 
Temática – Projeto para Empreendedores Locais
Temática – Projeto para Empreendedores LocaisTemática – Projeto para Empreendedores Locais
Temática – Projeto para Empreendedores Locais
 
_jogo-brinquedo-brincadeira-e-a-e-ducacao-tizuko-morchida-kishimoto-leandro-p...
_jogo-brinquedo-brincadeira-e-a-e-ducacao-tizuko-morchida-kishimoto-leandro-p..._jogo-brinquedo-brincadeira-e-a-e-ducacao-tizuko-morchida-kishimoto-leandro-p...
_jogo-brinquedo-brincadeira-e-a-e-ducacao-tizuko-morchida-kishimoto-leandro-p...
 
Slides Lição 2, CPAD, O Livro de Rute, 3Tr24.pptx
Slides Lição 2, CPAD, O Livro de Rute, 3Tr24.pptxSlides Lição 2, CPAD, O Livro de Rute, 3Tr24.pptx
Slides Lição 2, CPAD, O Livro de Rute, 3Tr24.pptx
 
Relatório de Atividades 2016 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2016 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2016 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2016 CENSIPAM.pdf
 
Ideais do Ministério jovem Adventista pdf
Ideais do Ministério jovem Adventista pdfIdeais do Ministério jovem Adventista pdf
Ideais do Ministério jovem Adventista pdf
 
As Ideias Têm Consequências - Richard M. Weaver
As Ideias Têm Consequências - Richard M. WeaverAs Ideias Têm Consequências - Richard M. Weaver
As Ideias Têm Consequências - Richard M. Weaver
 
Apostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdf
Apostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdfApostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdf
Apostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdf
 
Trabalho Colaborativo na educação especial.pdf
Trabalho Colaborativo na educação especial.pdfTrabalho Colaborativo na educação especial.pdf
Trabalho Colaborativo na educação especial.pdf
 
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsxNoite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
 
Atividade Dias dos Pais - Meu Pai, Razão da Minha História.
Atividade Dias dos Pais -  Meu Pai, Razão da Minha História.Atividade Dias dos Pais -  Meu Pai, Razão da Minha História.
Atividade Dias dos Pais - Meu Pai, Razão da Minha História.
 
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
 
Painel para comemerorar odia dos avós grátis.pdf
Painel  para comemerorar odia dos avós grátis.pdfPainel  para comemerorar odia dos avós grátis.pdf
Painel para comemerorar odia dos avós grátis.pdf
 
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
 
Texto e atividade - O que fazemos com a água que usamos.
Texto e atividade -  O que fazemos com a água que usamos.Texto e atividade -  O que fazemos com a água que usamos.
Texto e atividade - O que fazemos com a água que usamos.
 

A publicidade: Persuação e Manipulação

  • 2. Escola Superior de Educação e Ciências Sociais - IPP Jornalismo e Comunicação Ano Letivo 2016/2017 Comunicação e Retórica 1 | P á g i n a Jornalismo e Comunicação Publicidade: Persuasão e Manipulação Eliane Ferreira, Joana Simão, Lígia Neves Índice Introdução ....................................................................................................................... 2 Persuasão e Manipulação ............................................................................................ 3 Relação entre Publicidade e Retórica ........................................................................ 4 Truques Psicológicos que a Publicidade usa para Manipular ................................ 7 O Uso de Famosos na Publicidade............................................................................. 8 A Influência da Publicidade no Consumo Infantil ..................................................... 9 Conclusão .....................................................................................................................12 Webliografia..................................................................................................................13
  • 3. Escola Superior de Educação e Ciências Sociais - IPP Jornalismo e Comunicação Ano Letivo 2016/2017 Comunicação e Retórica 2 | P á g i n a Jornalismo e Comunicação Publicidade: Persuasão e Manipulação Eliane Ferreira, Joana Simão, Lígia Neves Introdução Neste trabalho realizado no âmbito da Unidade Curricular Comunicação e Retórica iremos falar sobre a Persuasão e Manipulação na Publicidade. Começaremos por explicar o significado de Persuasão e Manipulação como os lados “positivo” e “negativo” da Retórica, respetivamente, tendo em conta que a Persuasão procura mudar a maneira de pensar do auditório através de argumentos lógicos, sendo possível ao ouvinte aderir ou não a esses ideais, enquanto a Manipulação procura anular a autonomia do auditório. Em seguida, estabeleceremos uma relação entre Publicidade e Retórica, através das Marcas Retóricas na Publicidade, na Dimensão Argumentativa, que consiste na busca pela persuasão através de argumentos, e na Dimensão Oratória, que se baseia no uso de um orador para exibir a marca. Depois, iremos nomear alguns truques psicológicos usados pela Publicidade para manipular, através das emoções, dos defeitos e qualidades do produto, da exclusividade e do medo. Iremos também explicar o porquê do uso de famosos na Publicidade, tendo em vista que este confere ao produto diversas vantagens desde a captação da atenção do consumidor, à associação de valores. Por fim, iremos fazer uma reflexão acerca da influência da Publicidade no consumo infantil, referindo os estímulos publicitários no consumo infantil, uma vez que as crianças são um público mais facilmente manipulável, e da comercialização da criança.
  • 4. Escola Superior de Educação e Ciências Sociais - IPP Jornalismo e Comunicação Ano Letivo 2016/2017 Comunicação e Retórica 3 | P á g i n a Jornalismo e Comunicação Publicidade: Persuasão e Manipulação Eliane Ferreira, Joana Simão, Lígia Neves Persuasão e Manipulação A Retórica tem dois lados o “negativo” e o “positivo”. A Manipulação é considerada negativa e a Persuasão positiva. Apesar destes conceitos estarem relacionados com a retórica, existe uma grande diferença entre eles. A Persuasão consiste numa técnica de argumentação usada por um interlocutor para que alguém, um auditório ou o público em geral acredite em seus argumentos, na mensagem que tem interesse em passar, a persuasão pode ser benéfica ou maléfica porque dependendo da mensagem que foi passada e assimilada pode mudar a maneira de pensar do auditório. A persuasão age estrategicamente através de argumentos lógicos ou simbólicos. Assim, a capacidade de argumentação e a retórica são essenciais para conseguir persuadir alguém, no âmbito da liderança, um líder deve saber motivar e persuadir outras pessoas de forma limpa e coerente para que suas instruções sejam bem aceitas e tenham bons resultados. Na Persuasão existe uma predominância do logos, que são argumentos utilizados pelo orador. O auditório é livre de aderir ou não às ideias defendidas. Ao contrário da Persuasão, na Manipulação existe uma predominância do phatos, ou seja, das emoções desencadeadas no auditório pelo orador. Isso acontece porque o principal objetivo da Manipulação é fazer com que o auditório aceite as suas ideias. Desta forma, o orador utiliza um grande número de argumentos que apelam à emoção, acabando por seduzir e por levar as pessoas/auditório a adesão sem questionar. Entre as estratégias do manipulador estão: alteração no tom de voz; olhares penetrantes, gestos dramáticos, diferentes expressões faciais, fala de forma muito sentimental, o manipulador por natureza é sedutor. Os objetivos são escondidos ou apresentam-se de forma confusa para que não haja reflexão, não há transparência. Há autores que chamam a manipulação de “retórica negra” ou persuasão irracional. Ele evita a crítica e procura desviar as atenções do próprio tema, anulando a autonomia dos ouvintes e a sua capacidade de avaliação da situação. Na manipulação há um desprezo claro pela individualidade e liberdade de adesão dos ouvintes, ele os vê como seres inferiores que usa em proveito próprio.
  • 5. Escola Superior de Educação e Ciências Sociais - IPP Jornalismo e Comunicação Ano Letivo 2016/2017 Comunicação e Retórica 4 | P á g i n a Jornalismo e Comunicação Publicidade: Persuasão e Manipulação Eliane Ferreira, Joana Simão, Lígia Neves Relação entre Publicidade e Retórica O discurso publicitário aos olhos da Retórica qualifica-se pela constante presença de um desempenho estruturalmente dominante, que deixa de ser o referencial, para passar a ser o apelativo. Este exercício retórico publicitário desenvolve-se apenas no discurso comercial no sentido de declarar uma entidade comercial. A principal dimensão prende-se com a persuasão do consumidor para a realização de uma determinada ação comercial, como por exemplo, através do “Compre”, “ Experimente” e “Adira”. Marcas Retóricas na Publicidade A Retórica está presente na Publicidade essencialmente pela presença de duas dimensões: a dimensão argumentativa e a dimensão oratória. A dimensão argumentativa está relacionada com a utilização de argumentos racionais, ou seja, numa fundamentação persuasiva, em que o logos assume um papel fundamental. A dimensão oratória determina-se pela utilização de marcas não racionais, o ethos e o pathos. Quando a emotividade remete para o polo do orador estamos no domínio do ethos, quando a emotividade remete para o polo do destinatário estamos no domínio do pathos. Dimensão Argumentativa A dimensão argumentativa do discurso está associada com a dimensão dialética do mesmo, em que se busca pela persuasão através de argumentos que mudam consoante o género. Há diferentes géneros retóricos aplicados à publicidade: O género judicial publicitário que remete para o passado; O género epidíctico publicitário que remete para o presente, apesar de poder fundamentar ações no passado e no futuro; O género deliberativo publicitário que remete para o futuro. A argumentação publicitária/dialética desenvolve-se através de silogismos ou raciocínios que podem ser verdadeiros ou verosímeis. Os silogismos dedutivos partem do geral para o particular e os silogismos indutivos vão do particular para o geral. Os entimemas são argumentos retóricos específicos, em que se esconde uma das premissas e se mantém a conclusão, ou seja, através da omissão de uma das premissas nós conseguimos chegar à conclusão.
  • 6. Escola Superior de Educação e Ciências Sociais - IPP Jornalismo e Comunicação Ano Letivo 2016/2017 Comunicação e Retórica 5 | P á g i n a Jornalismo e Comunicação Publicidade: Persuasão e Manipulação Eliane Ferreira, Joana Simão, Lígia Neves Nas especificidades argumentativas existe uma maior carga sofística na medida em que a Publicidade alicerça-se numa dimensão discursiva, não importa se é racional ou não. É uma dimensão que pode ser mais ou menos infantil e simultaneamente mágica, ou anti-dialética, ou seja a dialética só se estabelece através da compreensão, o que remete para uma falácia da dimensão argumentativa. Publicidade caracteriza-se pela existência de provas intrínsecas e de provas extrínsecas. As provas intrínsecas resultam da invenção e da imaginação do criativo publicitário e as provas extrínsecas estão relacionadas com a possibilidade de argumentar o discurso a partir de factos extra-retóricos, em que existem argumentos de autoridade. Segundo Topoí, Aristóteles refere-se à argumentação como “os lugares argumentativos são argumentos-tipo”. São argumentos da eficácia, da conveniência, da felicidade, do sucesso e da sinceridade. Cada género possui os seus topoís baseados numa existência comercial, em que o produto ocupa uma dimensão central. os deliberativos estão relacionados com uma premissa básica: a felicidade e tudo o que lhe está subjacente, seja a tranquilidade, a poupança, a segurança, a economia, a beleza, a comodidade, o conforto e a paz. Dimensão Oratória O ethos publicitário implica a existência de um orador. São pessoas delegadas pela marca para a exibirem no âmbito do processo comunicacional. Isto acontece quando a marca recorre a mascotes que se pretendem eternizar como sendo características só do produto que representam. Deste modo, pode também atribuir qualidades que o auditório quereria ter: o tigre simboliza a potência e a vivacidade que se pretende nos jovens. É importante referir a existência de um Star System publicitário, isto é, a existência de celebridades que oferecem a sua notoriedade e reputação ao produto que se pretende anunciar. O facto de ela ser uma pessoa conhecida do publico faz com que as seus qualidades sejam identificados mais facilmente e ajude na promoção do produto ao qual faz publicidade. As mascotes usadas na publicidade para persuadir as crianças são os bonecos, onde lhe é atribuída a personificação para assim divulgar a marca. Como eles vivem no mundo da fantasia, no mundo dos desenhos animados, tudo para eles é muito fácil.
  • 7. Escola Superior de Educação e Ciências Sociais - IPP Jornalismo e Comunicação Ano Letivo 2016/2017 Comunicação e Retórica 6 | P á g i n a Jornalismo e Comunicação Publicidade: Persuasão e Manipulação Eliane Ferreira, Joana Simão, Lígia Neves Em contrapartida, eles próprios são “cobaias” da marca, assumindo as suas características perante a sociedade ao revelarem os seus gostos. O fato da marca usar um tipo de mascote – bonecos de pano que vivem num mundo todo ele feito de pano remete para um cenário infantil de imaginação e graça. O pathos corresponde à pré-disposição do público que determina a natureza das mensagens e a natureza do ethos. No que diz respeito ao ethos, o carácter do orador é, sem dúvida, fundamental já que uma pessoa respeitada e íntegra, ganha de uma maneira mais fácil, a confiança do auditório. Deste modo, o auditório ganha uma maior predisposição para ser persuadido. Em relação ao pathos é necessário reconhecer que a emoção que o orador consegue transmitir ao auditório é determinante na decisão de serem a favor ou contra aquilo que este defende, ou no caso da publicidade, se pretende vender. Por último, o logos é a parte fundamental da oratória na medida em que se aplicam as principais regras e princípios da técnica retórica. É no domínio do logos que se dá a fundamentação persuasiva da reputação e decisão publicitária.
  • 8. Escola Superior de Educação e Ciências Sociais - IPP Jornalismo e Comunicação Ano Letivo 2016/2017 Comunicação e Retórica 7 | P á g i n a Jornalismo e Comunicação Publicidade: Persuasão e Manipulação Eliane Ferreira, Joana Simão, Lígia Neves Truques Psicológicos Que A Publicidade Usa Para Manipular A fim de manipular o público a comprar determinado produto, certos publicitários encerem nas suas publicidades determinados truques psicológicos, nomeadamente: Ideias Emocionais: mostrar que um produto pode melhorar a qualidade de vida de um cliente é uma tática mais eficaz do que explicar suas funcionalidades Destacar Defeitos: uma maneira de conseguir credibilidade é apontar as deficiências de seu produto, de maneira a evitar possíveis dúvidas dos consumidores Enfatizar Exageradamente as Qualidades: as qualidades do produto são apontadas por diversas vezes de maneira a que se o cliente acreditar que no produto que usa atualmente falta alguma coisa, as chances de testar o que está sendo promovido são maiores Promover a Exclusividade: os publicitários tentam transmitir aos consumidores a ideia de que através da compra do seu produto tornar- se-ão parte de um grupo exclusivo Incutir o Medo: apesar de esta tática ser normalmente usada em campanhas políticas, também é usada em publicidade de medicamentos ou de seguros, por exemplo, através da promoção do medo referente aos efeitos de uma determinada doença
  • 9. Escola Superior de Educação e Ciências Sociais - IPP Jornalismo e Comunicação Ano Letivo 2016/2017 Comunicação e Retórica 8 | P á g i n a Jornalismo e Comunicação Publicidade: Persuasão e Manipulação Eliane Ferreira, Joana Simão, Lígia Neves O Uso de Famosos na Publicidade Muitas empresas recorrem à contratação de celebridades para participarem nos seus anúncios publicitários. Este fenómeno deve-se ao facto de usar pessoas famosas em uma campanha publicitária trazer muitas vantagens, desde a associação de valores representados por essa pessoa conhecida do público, como o facto de marcar o reconhecimento mais rápido do produto anunciado. O famoso ajuda a criar e a manter a atenção do consumidor na peça publicitária, tornando-se num modelo, em referência, ao consumidor que deseja se parecer com ele. Isso ocorre principalmente entre os famosos que os consumidores acreditam ter alcançado a fama por “méritos próprios”, sobretudo famosos ligados ao mundo do desporto. Na hora de escolher a celebridade para participar no anúncio a credibilidade, a confiabilidade e a perceção do famoso como especialista por parte do consumidor são valores essenciais. Este deverá ser atraente, não só fisicamente, mas também no que diz respeito à familiaridade. É fundamental que o famoso desperte simpatia no público.
  • 10. Escola Superior de Educação e Ciências Sociais - IPP Jornalismo e Comunicação Ano Letivo 2016/2017 Comunicação e Retórica 9 | P á g i n a Jornalismo e Comunicação Publicidade: Persuasão e Manipulação Eliane Ferreira, Joana Simão, Lígia Neves A Influência da Publicidade no Consumo Infantil O impacto da publicidade no desenvolvimento infantil é um tema recorrente nos nossos dias e bastante polémico. Através da visão proposta pelos meios de comunicação, as crianças são constantemente bombardeadas por conteúdo especial direcionado para as mesmas. Em relação ao contexto de mercado, as crianças estão cada vez mais informadas acerca dos novos brinquedos que saem, isto deve-se ao facto destas terem fácil acesso à internet através dos telemóveis, tablets, computadores e televisão. Na verdade, antes mesmo de as crianças nascerem, elas já estão a ser introduzidas na sociedade consumista, visto que os pais consomem informação para suprir as necessidades de seu futuro bebé. Como a criança é inserida desde tenra idade na realidade social sob a perspetiva capitalista, esta encontra bem cedo o seu papel como consumidora ativa. Desta forma, o público infantil se torna um alvo cobiçado pela publicidade, o que faz com que as crianças sejam um público cobiçado pela publicidade devido ao facto de elas influenciarem os pais a comprarem o brinquedo que elas viram.
  • 11. Escola Superior de Educação e Ciências Sociais - IPP Jornalismo e Comunicação Ano Letivo 2016/2017 Comunicação e Retórica 10 | P á g i n a Jornalismo e Comunicação Publicidade: Persuasão e Manipulação Eliane Ferreira, Joana Simão, Lígia Neves Os Estímulos Publicitários no Público Infantil A criança de hoje é a consumidora adulta de amanhã, visto que as empresas lançam produtos e serviços virado para o público infantil, o que faz com que as empresas estejam suprindo as necessidades dos pais, e investindo em futuros consumidores. A partir do momento em que as crianças começam a ter acesso à televisão e internet e até mesmo a ir à escola, elas se tornam ainda mais sensibilizadas pela sociedade e adquirem cada vez mais poder de forma a influenciar a família. E esta exibição massiva e contínua dos meios de comunicação torna o público infantil uma presa, como realça Gilmar Piolla, “investir nas crianças, hoje, é garantia que daqui a 10 ou 15 anos a empresa poderá ser lembrada por elas”. A criança constitui uma fonte potencial e rentável para investimentos publicitários, e isso é irrefutável. Vários problemas podem vir a ser causados pela influência da publicidade na vida das crianças, como por exemplo, a obesidade, o sedentarismo ou a compulsão pelo consumo. Segundo pesquisa da Young & Rubicam que é uma agência de propaganda e publicidade, as crianças na faixa etária de 0 a 14 anos movimentam 1,3 bilhões de reais por ano (cerca de 0,3% do PIB médio brasileiro) apenas em mesadas estabelecidas pelos pais que, sem pensarem, já estão estimulando seus filhos a ser consumidores. As pessoas são estereotipadas o tempo todo pelo que usam e pelo que consomem, e com as crianças isso não é diferente. O público infantil também deseja o poder influenciado pela riqueza material, as crianças de hoje em dia querem status e ser reconhecidas pela sociedade, devido a isso elas desejam ser influenciadoras, assim como os seus pais, e não serem apenas influenciadas pela sociedade. A relação entre criança e publicidade é ampla. As crianças assistem a programas de televisão divertidos e aprendem a brincar, elas veem filmes da Disney e desenhos da Nickelodeon ou do Cartoon Network pois eles contém personagens com os quais elas se identificam, e elas são expostas à propagandas de fast-food que sabem muito bem como as fazer correr pra cozinha em busca de doces e guloseimas. A Comercialização da Criança O processo de fortalecimento do acesso das crianças aos média vem seguindo uma lógica de comercialização desde muito pequenas. Linn aborda o fato de que as crianças de hoje “são bombardeadas com mensagens publicitárias a partir do momento em que se levantam de manhã até o instante em que vão para a cama de noite”.
  • 12. Escola Superior de Educação e Ciências Sociais - IPP Jornalismo e Comunicação Ano Letivo 2016/2017 Comunicação e Retórica 11 | P á g i n a Jornalismo e Comunicação Publicidade: Persuasão e Manipulação Eliane Ferreira, Joana Simão, Lígia Neves Em 2003, apenas 8% das crianças influenciavam fortemente seus pais nas decisões de compra. Hoje em dia, 49% delas participam desse processo de forma ativa e, segundo diversos estudos, no futuro próximo esse índice passará a ser de 82%. Conforme estudos citados por White em 1997, as crianças acompanham seus pais ao local de compra a partir de 1 mês de idade, e elas começam a fazer compras de forma independente a partir dos 4 anos, passando por 5 estágios: 1) Observando e interagindo no local de compra; 2) Fazendo pedidos aos pais; 3) Selecionando produtos e serviços que querem 4) Efetuando compras com algum tipo de ajuda (dos pais ou de quem quer que seja); A pesquisa revelou que as crianças de 2 a 5 anos passam em média 25 horas semanais em frente a televisão, e dedicam 7 horas semanais a assistir desenhos animados, jogar videogames ou consumir conteúdo gravado (músicas, filmes, séries.). Então, considerando-se que as crianças são muito mais manipuláveis do que os adultos, as ações publicitárias a elas destinadas geram efeitos que podem ultrapassar os limites da ética e do bom senso, e essas ações muitas vezes são extremamente violentas e prejudiciais ao desenvolvimento infantil. Os publicitários lembram-nos que para as empresas “a margem de lucro é muito importante para que elas se importem com o bem-estar da criança”, e isto não deveria acontecer, visto que o que eles incutem nas crianças pode afetar as suas vidas. Esse fato lamentável faz insurgir críticas e discussões acaloradas no mundo publicitário e principalmente entre a sociedade.
  • 13. Escola Superior de Educação e Ciências Sociais - IPP Jornalismo e Comunicação Ano Letivo 2016/2017 Comunicação e Retórica 12 | P á g i n a Jornalismo e Comunicação Publicidade: Persuasão e Manipulação Eliane Ferreira, Joana Simão, Lígia Neves Conclusão Com a elaboração deste trabalho, podemos concluir que a Persuasão e a Manipulação são maneiras contrárias de captar a adesão de um auditório, sendo uma negativa e outra positiva. Ficamos a saber que a Publicidade e a Retórica têm uma relação direta uma vez que a Publicidade usa argumentos e/ou oradores típicos da Retórica. Concluímos também que existem determinados truques psicológicos usados na publicidade a fim de manipular os consumidores, nomeadamente ideias emocionais, realce de defeitos e qualidades do produto, exclusividade do mesmo e da promoção do medo. Percebemos ainda que o uso de famosos na Publicidade traz diversas vantagens à empresa, na medida em que induz credibilidade, prende a atenção do público e transmite a associação de valores. Por fim, concluímos que a influência da publicidade no consumo infantil é deveras muito grande, uma vez que o público infantil é mais facilmente manipulado pela publicidade.
  • 14. Escola Superior de Educação e Ciências Sociais - IPP Jornalismo e Comunicação Ano Letivo 2016/2017 Comunicação e Retórica 13 | P á g i n a Jornalismo e Comunicação Publicidade: Persuasão e Manipulação Eliane Ferreira, Joana Simão, Lígia Neves Webliografia www.fil11.blogspot.pt www.pt.slideshare.net www.notapositiva.com http://brainossome.blogspot.pt http://entrelinhablog.com.br http://popsapiens.net http://www.knowledgeatwharton.com.br http://cromasolutions.com.br https://www.youtube.com/watch?v=f-CHDAgsNL8 https://www.youtube.com/watch?v=2bOmlcjfsEw https://www.youtube.com/watch?v=UhiKQCjfQY8