SlideShare uma empresa Scribd logo
Introdução à LógicaLógica é a cola que gruda os métodos de raciocínio.  		Schneider e Gries 
LógicaVem do grego logos (λόγος) e significa palavra, pensamento, ideia, argumento, relato -> razão.Trata dos princípios da argumentação válida.Argumentação: modo de expor ou apresentar raciocínios de modo a concordar ou refutar determinado ponto de vista, idéia, hipótese.
LógicaRegrasPrincípio da identidade		a=aPrincípio da não contradição	a≠bPrincípio do terceiro excluído	a≠cFormaSequência de proposições -> uma delas é a conclusão e as demais são premissas.
LógicaExemplos:RegrasPrincípio da identidadePrincípio da não-contradiçãoPrincípio do terceiro excluídoFormaTodo menino é sapeca.		Cebolinha é menino.Logo, Cebolinha é sapeca.énão é        não é
LógicaSilogismo	Todos os peixes são amarelos.	premissa maior	Cléo é um peixe.			premissa menor	Logo, Cléo é amarelo. 			conclusão		A->B		C->AC ->B
LógicaNOÇÕES DE LÓGICA MATEMÁTICA 	UMA CLASSIFICAÇÃO DA LÓGICA	Alguns autores dividem o estudo da Lógica em:LÓGICA INDUTIVA: útil no estudo da teoria da probabilidade.	eLÓGICA DEDUTIVA: que pode ser dividida em : · LÓGICA CLÁSSICA- Considerada como o núcleo da lógica dedutiva. Três Princípios (entre outros) regem a Lógica Clássica: da IDENTIDADE, da CONTRADIÇÃO e do TERCEIRO EXCLUÍDO os quais serão abordados mais adiante.· LÓGICAS COMPLEMENTARES DA CLÁSSICA: Complementam de algum modo a lógica clássica estendendo o seu domínio. Exemplos: lógicas modal , deôntica, epistêmica , etc.· LÓGICAS NÃO - CLÁSSICAS: Assim caracterizadas por derrogarem algum ou alguns dos princípios da lógica clássica. Exemplos: paracompletas e intuicionistas (derrogam o princípio do terceiro excluído); paraconsistentes (derrogam o princípio da contradição); não-aléticas (derrogam o terceiro excluído e o da contradição); não-reflexivas (derrogam o princípio da identidade); probabilísticas, polivalentes, fuzzy-logic, etc...http://www.pucsp.br/~logica/
LógicaProposição	Segundo Quine, toda proposição é uma frase mas nem toda frase é uma proposição; uma frase é uma proposição apenas quando admite um dos dois valores lógicos: Falso (F)ou Verdadeiro (V). Exemplos:Frases que não são proposiçõesPare!Quer uma xícara de café?Eu não estou bem certo se esta cor me agradaFrases que são proposiçõesA lua é o único satélite do planeta terra (V)A cidade de Salvador é a capital do estado do Amazonas (F)O numero 712 é ímpar (F)Raiz quadrada de dois é um número irracional (V)http://www.inf.ufsc.br/ine5365/introlog.html
LógicaSilogismo	O silogismo é um tipo de argumento composto de três proposições: duas premissas e uma conclusão.  Sua origem está ligada ao berço da civilização ocidental, a Grécia antiga com o pensamento do filósofo Aristóteles. Ele chamou sua obra de PrimeirosAnalíticos, isto porque o silogismo é uma forma de análise que procura decompor em partes os argumentos e as proposições de um argumento e seus termos. Mais tarde o conjunto de seus escritos silogísticos foi chamado de Organon, ou seja, “instrumento” para pensar corretamente.  Há quatro tipos de proposições que pode conter um silogismo:http://logicanet.wordpress.com/2007/11/26/silogismo/
Lógica	A=Universal afirmativa: Todos os A’s são B.	E=Universal negativa: Nenhum A é B.	I=Particular afirmativa: Alguns A’s são B.	O=Particular negativa: Alguns A’s não são B.http://logicanet.wordpress.com/2007/11/26/silogismo/
LógicaExemplos:Universal afirmativaTodos os jogadores de futebol são craques.Universal negativaNenhum jogador de futebol é craqueParticular afirmativaAlguns jogadores de futebol são craques.Particular negativaAlguns jogadores de futebol não são craques.
LógicaQuadrado Lógico
Lógica
Algumas leis do quadrado lógicoRegra das contrárias: Duas proposições contrárias não podem ser ambas verdadeiras ao mesmo tempo.Regra das contraditórias: Duas proposições contraditórias não podem ser nem verdadeiras nem falsas ao mesmo tempo.Regra das subcontrárias: Duas proposições subcontrárias não podem ser ambas falsas ao mesmo tempo.http://pt.wikipedia.org/wiki/Quadrado_das_oposições
LógicaOposição de proposiçõesExemplosRegrasContraditórias: as proposições diferem na quantidade e na qualidadeA.       Todos os advogados são juristas.O.   Alguns advogados são juristas.E.   Nenhum advogado é jurista.I.    Alguns advogados são juristas.Não podem ser verdadeiras nem falsas ao mesmo tempo.Se A é verdadeira, O é falsaSe E é verdadeira, I é falsaContrárias: as proposições são universais, mas diferem na qualidadeA.       Todos os advogados são juristas.E.   Nenhum advogado é jurista. Não podem ser verdadeiras ao mesmo tempo , mas podem ser falsas ao mesmo tempoSubcontrárias: ambas as proposições são particulares, diferem na qualidadeI.    Alguns advogados são juristas.O.   Alguns advogados são juristas. Podem ser ambas verdadeiras ao mesmo tempo.Não podem ser as duas falsas ao mesmo tempo.Subalternas: ambas as proposições são afirmativas ou negativas, diferem na quantidadeB.      Todos os advogados são juristas.O.   Alguns advogados são juristas.E.   Nenhum advogado é jurista.I.    Alguns advogados são juristas.Se a universal é verdade, a particular é verdadeiraSe a particular é falsa, a universal é falsa.Distribuição dos termos
Lógica		Todo homem é mortal		Sócrates é homem		Logo, Sócrates é mortal.	A primeira proposição chamamos de premissa maior, a segunda proposição chamamos de premissa menor, a terceira proposição chamamos de conclusão. Essa é a forma básica do silogismo. Além disso, ele contém os seguintes termos: homem, animal e mortal. O termo que se repete na premissa maior e menor, que é o termo homem, chamamos de termo médio. Os outros dois termos do silogismo, animal e mortal,  chamamos de termos extremos. A função do termo médio é ligar os termos extremos permitindo chegar à conclusão. Portanto, o termo médio nunca se repete na conclusão.http://logicanet.wordpress.com/2007/11/26/silogismo/
LógicaSilogismos categóricos irregularesSe A, logo B.Eu penso, logo existo.		Todo o B é C porque é D               	Todo o A é B porque é H             Logo, todo A é C.Todo alimento é nutritivo porque é saudável.Toda fruta é alimento porque é comestível. Logo, toda fruta é nutritiva. 	B é C                	A é B             Logo, A é C               	D não é C             Logo, D não é A.			Pinga é cachaça		Aguardente é pinga		Logo, aguardente é cachaça		Água não é cachaça                 		Logo,  água não é aguardente 			C é B			D é C			E é D			A é E                                            	                  Logo, A é B.			O vertebrado tem sangue vermelho.		O mamífero é vertebrado.		O carnívoro é mamífero.		O leão é carnívoro.		Logo, o leão tem sangue vermelho.  
LógicaAlguns raciocínios incorretosStefan e Mathias gostam de chocolate.	Todos os que gostam de pipoca gostam de chocolate.	Logo, Stefan e Mathias gostam de pipoca. Todos os portugueses são europeus. Cristiano Ronaldo é europeu. Logo, Cristiano Ronaldo é português.Todos os portugueses são europeus.	Beckham é europeu.	Logo, Beckham é português.Os bombeiros dividem-se em batalhões, obedecem a uma hierarquia, têm um quartel e usam farda, tal como os polícias. Os polícias usam arma. Logo, os bombeiros usam arma.Os bombeiros dividem-se em batalhões, obedecem a uma hierarquia e têm um quartel, como os polícias. Os polícias usam farda. Logo, os bombeiros usam farda."Nem todo mundo gosta de sexo", filosofou Dunga na chegada à África. Realmente. As pessoas que não conseguem mais praticá-lo e as que não tem "joie de vivre" não gostam. Barbara GanciaSe todos os gatos são pretos, Miau é preto.	Alguns gatos são pretos, outros rajados.	Miau é ???Alguns campineiros são metidos e arrogantes.	Alguns campineiros estudam na Unicamp.	Logo, ???
Lógica
Lógicahttp://criticanarede.com/fisher.htmlhttp://criticanarede.com/log_nocoes.html
Lógica	Considere-se agora o seguinte argumento:		O mundo exterior existe. 	O mundo exterior não existe. 	Logo, Deus existe.	Pela definição dada, este argumento é válido, apesar de poder parecer o contrário. A indecisão nasce do facto de não ser possível atribuir a verdade simultaneamente às duas premissas, porque estas são inconsistentes. Mas já se torna claro o facto de este argumento ser válido se fizermos a seguinte consideração: precisamente pelo facto de as premissas não poderem nunca ser simultaneamente verdadeiras, segue-se que nunca podemos ter as premissas verdadeiras e a conclusão falsa. Logo, o argumento é válido, pois é isso precisamente que caracteriza os argumentos válidos.http://criticanarede.com/html/fa_2_apendice.html
LógicaValidade e correcção	Um argumento dedutivo válido é qualquer argumento dedutivo que obedeça às regras da lógica. A definição semântica de argumento dedutivo válido é a seguinte: um argumento dedutivo é válido se, e somente se, nos casos em que as premissas são verdadeiras, a conclusão também é verdadeira. Por exemplo:		Se o conhecimento é possível, os cépticos estão enganados. 	O conhecimento é possível. 	Logo, os cépticos estão enganados.	Dada a verdade das duas premissas, a conclusão é também verdadeira. Claro que se as premissas forem falsas, a conclusão tanto pode ser falsa como verdadeira. A validade dedutiva do argumento só nos garante a verdade da conclusão caso as premissas sejam verdadeiras. Por outras palavras, um argumento dedutivo válido garante que nunca podemos ter as premissas verdadeiras e a conclusão falsa.http://criticanarede.com/html/fa_2_apendice.html
LógicaConsidere-se este outro argumento:		Deus existe. 	Logo, o mundo exterior existe ou o mundo exterior não existe.	À primeira vista pode parecer que este argumento não é válido. Mas se tivermos mais atenção verificamos que se trata, de facto, de um argumento válido. Mais uma vez: dada a verdade da premissa, a conclusão pode ser falsa? Bom, é fácil ver que a conclusão nunca pode ser falsa. Logo, também não é falsa dada a verdade da premissa. Logo, é um argumento válido.	O objectivo destes dois exemplos de argumentos válidos que aparentemente não o são é distinguir a validade de um argumento da sua relevância. Apesar de os dois argumentos acima serem válidos, eles não são relevantes. Porquê? Porque o primeiro é válido à custa da inconsistência das premissas; e o segundo é válido à custa do facto de a conclusão ser sempre verdadeira. Temos assim de perceber que o que nos interessa num ensaio argumentativo, quer estejamos a escrevê-lo, quer estejamos a avaliá-lo, não é a validade dos argumentos tout court, mas um caso especial de validade, a que podemos chamar relevância.Assim, para decidir se um argumento é relevante, temos de usar a seguinte definição: um argumento dedutivo válido é relevante se, e somente se: 1) todas as premissas podem ser simultaneamente verdadeiras; 2) a conclusão pode ser falsa.http://criticanarede.com/html/fa_2_apendice.html
Lógica	Perante um argumento dedutivo qualquer, o leitor deve usar a seguinte rotina para verificar a sua relevância:	1. Verificar se é um argumento válido, pela definição semântica dada. 2. Verificar se todas as premissas podem ser simultaneamente verdadeiras. 3. Verificar se a conclusão pode ser falsa.	Um argumento só é relevante se passar os três testes. Se passar apenas um ou dois, não é relevante.http://criticanarede.com/html/fa_2_apendice.html
LógicaCondicionaisAs condicionais são canonicamente expressas na forma «Se..., então...». Mas a verdade é que existem muitas formas de exprimir condicionais. Esta secção oferece uma lista de algumas dessas formas.O primeiro facto: muitas vezes, o «então» é elidido, como em		Se Deus não existe, a ética não é possível.			que significa precisamente o mesmo que		Se Deus não existe, então a ética não é possível.Outros factos menos evidentes:		Se A, então B			pode exprimir se como		1. A somente se B. 	2. A só se B. 	3. A implica B. 	4. A só no caso de B. 	5. A só na condição de B. 	6. A é condição suficiente de B. 	7. B é condição necessária de A. 	8. B se A. 	9. Só se B é que A.http://criticanarede.com/html/fa_2_apendice.html
LógicaNão se deve usar a lista anterior para fazer variar a forma como, ao longo de um ensaio, se exprimem condicionais. Lembre-se da regra 6, que se aplica também às partículas lógicas: se começou por dizer «Se A, então B», não afirme de seguida «C só se D», para tornar o texto variado; afirme antes «Se C, então D». Um texto não é um espectáculo de variedades e a elegância literária não vale nada se for conseguida à custa da clareza, porque é uma forma luminosa para um conteúdo obscuro (é como um automóvel com uma excelente pintura, mas com o motor avariado).O que costuma fazer mais confusão são as noções de condição necessária e condição suficiente. A lista acima permite saber exactamente o que é uma condição suficiente (a antecedente de uma condicional) e uma condição necessária (a consequente de uma condicional). Mas os exemplos seguintes tornarão claras estas noções:		Estar inscrito em Filosofia é uma condição necessária para passar a Filosofia.Mas estar inscrito em Filosofia não é uma condição suficiente para passar a Filosofia.		Ter 10 valores é uma condição suficiente para passar a Filosofia. Mas ter 10 valores não é uma condição necessária para passar a Filosofia.http://criticanarede.com/html/fa_2_apendice.html
LógicaArgumentos e condicionais	Muitos argumentos são expostos sob a forma de uma condicional, como		Se não existir livre-arbítrio, a responsabilidade moral não é possível.	Para avaliar a verdade de uma condicional usam-se precisamente as mesmas regras que se usam para avaliar a validade de um argumento. A diferença consiste agora em tomar a antecedente da condicional em vez das premissas, e a sua consequente em vez da conclusão. Assim, uma condicional pode funcionar como um argumento válido se, e somente se, nos casos em que a antecedente é verdadeira, a consequente também for verdadeira. Por outras palavras, uma condicional pode funcionar como um argumento válido se, e somente se, for uma verdade lógica.	Note-se que uma condicional pode ter antecedentes ou consequentes complexos:		1. Se Deus e o mundo existem, então Deus existe. 	2. Se Deus existe, então Deus ou o mundo existem.	Nos casos de condicionais com antecedentes ou consequentes complexos, aplica-se a mesma distinção que já introduzimos anteriormente: para que se aceite uma condicional verdadeira como relevante é necessário que a sua antecedente possa ser verdadeira e que a sua consequente possa ser falsa. As duas condicionais anteriores são verdadeiras e relevantes, mas as duas seguintes não são relevantes, apesar de serem verdadeiras:		1. Se o mundo exterior existe e o mundo exterior não existe, Deus existe. 	2. Se Deus existe, então o mundo exterior existe ou o mundo exterior não existe.http://criticanarede.com/html/fa_2_apendice.html
Falácia	O objectivo de um argumento é expor as razões (premissas) que sustentam uma conclusão. Um argumento é falacioso quando parece que as razões apresentadas sustentam a conclusão, mas na realidade não sustentam. Da mesma maneira que há padrões típicos, largamente usados, de argumentação correcta, também há padrões típicos de argumentos falaciosos.http://criticanarede.com/falacias.htm
LógicaFalácia da inversão da condicional	Uma falácia comum é a seguinte:		Se não existir livre-arbítrio, a responsabilidade moral não será possível. 	Logo, se a responsabilidade moral não for possível, não existirá livre-arbítrio.	A forma lógica desta falácia é a seguinte:		Se A, então B. 	Logo, se B, então A.	É fácil verificar que se trata de uma falácia com o exemplo seguinte, que tem a mesma forma lógica do que o anterior:		Se nasceste em Lisboa, és português de naturalidade. 	Logo, se és português de naturalidade, nasceste em Lisboa.	Repare-se no método informal que usei aqui para tornar evidente que este argumento é falacioso: mantendo a sua forma lógica intacta, substituí as frases de maneira a obter uma premissa verdadeira e uma conclusão falsa. http://criticanarede.com/html/fa_2_apendice.html
LógicaFalácia da causa única	Esta é talvez a falácia mais popular. É tão comum que o leitor deve estar alertado, não só para não a cometer inadvertidamente nos seus argumentos, como para poder detectá-la nos argumentos das outras pessoas.		Todas as coisas têm uma causa. 	Logo, tem de haver algo que seja a causa de tudo.	Este argumento é usado em particular para defender a existência de Deus, que depois é identificado com a causa de todas as coisas. Mas a mesma forma lógica pode surgir inadvertidamente em vários argumentos.	Verifica-se que este argumento é inválido considerando os seguintes exemplos, que têm a mesma forma lógica do que o anterior:	Todas as pessoas têm uma mãe. Logo, tem de haver alguém que seja a mãe de toda a gente.	Todos os números têm um sucessor. Logo, tem de haver um número que seja o sucessor de todos os números.	Nestes dois argumentos, as premissas são verdadeiras e as conclusões são falsas. Logo, na sua forma geral,Todos os x têm um y. Logo, tem de haver um y para todos os x.	a premissa pode ser verdadeira e a conclusão falsa. Logo, esta forma de argumento dedutivo não é válida.	Esta falácia é particularmente clara para as pessoas que sabem lógica formal, sendo conhecida por falácia da inversão dos quantificadores.http://criticanarede.com/html/fa_2_apendice.html
LógicaMais exemplos de faláciasA afirmação de Joãozinho é falsa, pois ele é um sujeito mal-educadoJoão é a favor do tratamento do reservatório de água da cidade com flúor. João é um ladrão. Logo, não devemos tratar o reservatório de água da cidade com flúor.Jones acredita que devemos nos abster de bebida alcoólica. Jones está sempre bêbado. Logo, não devemos nos abster de bebida alcoólica.Acredite em Deus, senão irá pro Inferno.Se Aristóteles disse isto, é verdadeVocê deve ser rico pois estuda em um colégio de ricos.Formigas destroem árvores. Logo, esta formiga pode destruir uma árvore.Deveríamos abolir todas as armas do mundo. Só assim haveria paz verdadeira.
LógicaO Japão rendeu-se logo após a utilização das bombas atômicas por parte dos EUA. Portanto, a paz foi alcançada devido à utilização das armas nuclearesSabemos que Joãozinho diz a verdade pois muitas pessoas dizem isso. E sabemos que Joãozinho diz a verdade pois nós o conhecemos.Não devemos falar MAL dos nossos amigos.Não devemos falar mal dos nossos AMIGOS“Se há carros então há poluição. Há poluição. Logo, há carros.Se há carros então há poluição. Não há carros. Logo, não há poluiçãoSe você não está a favor de de mim então está contra mimA voz dos pobres é a voz da verdade
LógicaA explosão do Challenger foi causada pelo tempo frio. (Verdadeiro, mas não teria ocorrido se os anéis em o tivessem sido bem construídos.)As pessoas estão com medo por causa do incremento do crime. (Certo, mas as pessoas têm sido levadas a violar a lei em consequência do seu medo. O que ainda aumenta mais o crime.)O União vai ganhar este jogo porque ganhou todas as vezes que jogou em quinta-feira.Será que o palhaço Joãozinho é o assassino? No ano passado um palhaço matou uma criança.O acidente não teria ocorrido se não fosse a má localização do arbusto. (Certo, mas o acidente não teria ocorrido se o condutor não estivesse bêbado, e se o peão tivesse prestado atenção ao trânsito.)
Lógica
LógicaSímbolos lógicos	Apresento a seguir alguns símbolos lógicos e algumas regras de transformação básicas, que poderão servir como uma introdução à lógica. Por outro lado, ajudarão qualquer pessoa a exercer o seu poder crítico sobre argumentos informais onde ocorra algum deste simbolismo. Os argumentos dedutivos podem ser muito complexos, e também aqui o simbolismo ajuda, porque torna mais simples a sua avaliação.	As palavras-chave que ocorrem nos argumentos dedutivos, e das quais depende a sua validade, como «se,...então...», «e», «ou» e «não», são operadores lógicos e simbolizam-se assim:	1. Se A, então B: A -> B (ou: A ⊃ B) 2. Não A: ¬A (ou: ~A) 3. A ou B: A ∨ B 4. A e B: A ∧ B (ou: A & B) 5. A se e somente se B (ou: A se e só se B): A ↔ B 6. Todos os objectos x têm o predicado P: ∀xPx 7. Existe pelo menos um objecto x que tem o predicado P: ∃x;Px	As regras de transformação permitem-nos mudar as frases existentes para outras logicamente equivalentes. 	Ou Deus existe, ou a vida não tem sentido. Mas a vida tem sentido. Logo, Deus existe.http://criticanarede.com/html/fa_2_apendice.html
Lógica15/06/2010Advogada foi morta uma hora após desaparecerWilliam Cardoso e Luis Kawagutido AgoraA advogada MérciaNakashima, 28 anos, foi morta cerca de uma hora após sair da casa de sua avó, em Guarulhos (Grande SP), no dia 23 de maio. A informação foi obtida pela Polícia Civil com o depoimento de um pescador --que presenciou um único homem jogar o Honda Fit, com Mércia dentro, nas águas da represa Atibainha, em Nazaré Paulista (64 km de SP)."Ela [Mércia] saiu da casa [dos avós] às 18h30. Às 19h30, estava na represa com uma pessoa. O carro foi jogado na água", disse o delegado Antônio de Olim, do DHPP (Departamento de Homicídios e de Proteção à Pessoa).Com isso, a polícia descartou a hipótese de Mércia ter sido levada a um cativeiro. Ex-namorado de Mércia, o ex-PM Mizael Bispo dos Santos, 40 anos, segue como principal suspeito de ter cometido o crime --ele nega.
LógicaAutoajuda segundo Keith RichardsDestakDiversão & Arte"Todo mundo devia nascer com uma guitarra - haveria muito menos suicídio." Esse é um dos conselhos que o lendário guitarrista dos Rolling Stones dá no livro O que Keith Richards faria em seu lugar?. Por meio de citações e entrevistas que Keith deu ao longo de seus 48 anos de carreira, a escritora Jessica Pallington West fez uma compilação que se assemelha aos livros de autoajuda. Tratado como um "sobrevivente do rock 'n' roll", devido ao seu passado de abusos, Keith, que tem 66 anos, dá lições de como encarar a vida. Logo no capítulo inicial são expostos os 26 mandamentos do "keithismo", termo criado pela autora para definir a "filosofia" que o músico dissemina em frases como "aceite os Stones como seu senhor metafórico“.
LógicaObama compara desastre no golfo do México a 11/9DestakDiversão & ArteO presidente dos EUA, BarackObama, comparou ontem o impacto da tragédia ecológica no golfo do México com o do 11/9, no sentido de mudar a forma de pensar dos americanos. "Da mesma forma que a visão sobre nossas vulnerabilidades e nossa política externa foi profundamente moldada pelo 11/9, eu acredito que esse desastre vá moldar a maneira como pensamos sobre o meio ambiente e a energia por muitos anos", afirmou o presidente a um site americano. Obama iniciou a quarta visita à região atingida pelo derramamento de óleo provocado pela explosão de uma plataforma petrolífera em 20 de abril. Ao fim dessa viagem de dois dias por Mississippi, Alabama e Flórida, ele fará um pronunciamento pela televisão no horário nobre. Amanhã, Obama vai se encontrar com o presidente da BritishPetroleum (BP) para exigir a criação de um fundo especial para indenizações e compensações. A empresa anunciou um novo plano para conter o vazamento, que recolheria, por dia, 7,5 milhões de litros de óleo, frente aos 2,4 milhões que estão sendo recolhidos agora. Segundo o governo, vazam 7,9 milhões de litros por dia. A empresa anunciou que já gastou US$ 1,6 bilhão para responder ao vazamento. Pelo menos 51 pedidos de indenização já foram feitos à BP.
LógicaPaulistanos vão gastar R$ 181 na 1ª fase da CopaOs torcedores paulistanosdeverão desembolsar, emmédia, R$ 181 para com-prar itens relativos à Copado Mundo durante a pri-meira fase do Mundial. Ca-so a seleção brasileira che-gue à final, as despesas vãosubir para R$ 357. É o que mostra uma pesquisa realizada pela ACSP (AssociaçãoComercial de São Paulo).A maioria dos gastos dopaulistano (74%) será destinada à compra de alimentos e bebidas para serem consumidos durante os jogos do Brasil. A pesquisa mostra ainda que, no caso das bebidas, a maioria dos torcedores (54%) pretendem adquiri-las para consumir em casa. Desse total, 44% vai comprar cerveja,8% refrigerantes e 2% vaioptar por outra bebida.Já em relação à alimen-tação –que corresponde a20% das despesas –9% dosentrevistados gastarão nacompra de ingredientes para as refeições, 7% comprarão petiscos e guloseimas e4% vão optar por gastar em bares ou restaurantes.O paulistano tambémvai investir em adereços eartigos de decoração. Se-gundo o economista chefee superintendente geral daACSP, Marcel Solimeo, ascamisetas devem respon-der por 14% das aquisições,bolas por 2% e apitos e bandeiras por 2%.As lojas físicas irão rece-ber 89% dos consumidores.Enquanto o comércio ele-trônico será a opção de  8% das intenções de compra.A partir de hoje, dia daestreia da seleção brasilei-ra na Copa do Mundo, osbancos e as operações decâmbio do Banco Centralterão horário de expedien-te alterado. O pregão da Bovespanão sofre interrupções durante a Copa. METRO
HierarquiaDiz que um leão enorme ia andando chateado, não muito rei dos animais, porque tinha acabado de brigar com a mulher e esta lhe dissera poucas e boas (1).Eis que, subitamente, o leão defronta com um pequeno rato, o ratinho mais menor que ele já tinha visto. Pisou-lhe a cauda e, enquanto o rato forçava inutilmente pra escapar, o leão gritava: "Miserável criatura, estúpida, ínfima, vil, torpe: não conheço na criação nada mais insignificante e nojento. Vou te deixar com vida apenas para que você possa sofrer toda a humilhação do que lhe disse, você, desgraçado, inferior, mesquinho, rato!" E soltou-o .O rato correu o mais que pode, mas, quando já estava a salvo, gritou pro leão: "Será que V. Excelência poderia escrever isso pra mim? Vou me encontrar com uma lesma que eu conheço e quero repetir isso pra ela com as mesmas palavras!"(1) Ou seja muitas e más.MORAL: Ninguém é tão sempre inferior.SUBMORAL: Nem tão nunca superior, por falar nisso
Risos da galeraEm 1974, Saad e São Bento jogavam amistosamente em São Caetano do Sul e o time sorocabano era dirigido pelo técnico Mickey. De repente quebra o maior pau dentro do gramado envolvendo os 22 jogadores.Vamos separar o pessoal, Mickey?, diz um dirigente que estava sentado no banco ao seu lado.Eu não sou louco. Vai você.No meio da confusão ouve-se a voz de Mickey:Calma gente! Vai pra lá você. Deixa disso pessoal! Surpreso, o dirigente olhou para Mickey e disse:Ué, o que você está fazendo aqui?É que jogaram tanta garrafa de guaraná no banco que eu achei menos perigoso levar uns socos aqui dentro do gramado.O saudoso Ajato, folclórico torcedor sorocabano, contou que certa vez proporcionou uma grande confusão nas agências do Correio. Era a sua primeira carta que mandava para alguém fora da cidade. Chegou na agência com o envelope escrito, faltando apenas selá-lo.Moça, como eu faço para mandar esta carta para São Paulo?A moça, depois de vender o selo, disse:Agora você vai até aquela mesa e cola o selo.Ajato dirigiu-se até a mesa, colocou o selo e voltou com o envelope. Surpresa, a moça perguntou:Ué, e o selo?O selo tá pregado bem bonitinho lá na mesa, como você pediu, disse Ajato.Notícia publicada na edição de 16-03-2003 do Jornal Cruzeiro do Sul, editoria Esportes, coluna RISOS DA GALERA
LógicaJogo perigosoEm Santos e no Rio de Janeiro, é na areia da praia que muitas vezes nasce o futuro craque de futebol.Em São Paulo, os mais velhos lembram com nostalgia dos campinhos às margens do Tietê, onde se praticava o "futebol de várzea".Hoje, a capital já não tem tantos espaços vazios. Para quem não é sócio de clube ou não tem mordomias esportivas num condomínio, resta pagar pelo aluguel de uma quadra ou tentar a sorte em alguns parques e áreas públicas.Infelizmente, a situação desses locais deixa muito a desejar, como revelou a reportagem do Agora na edição de ontem.Foram visitados 15 campos públicos. Não fazem justiça ao país do futebol. Para começar, alambrados enferrujados e canos soltos ameaçam desabar sobre os frequentadores.Além disso, há problemas graves no piso. Buracos e pedras podem causar contusões e até fraturas. Um caso lamentável foi identificado no campo do Águia, na zona sul.Segundo a reportagem, se dois jogadores disputarem um lançamento pela lateral correm o risco de rolar por um barranco.O Brasil tem uma vocação quase natural para o futebol. Ao longo do tempo, nos tornamos uma fábrica de craques. Até na seleção da Alemanha, como vimos no fim de semana, tem brasileiro jogando. Mas isso não é desculpa. Governo federal, Estado e prefeitura têm o dever de fomentar a prática esportiva e oferecer condições para que a população pratique. E isso não vale só para campos de futebol. Se o Brasil pretende um dia ser potência olímpica, precisa desde já incentivar o esporte nas escolas.15/06/2010http://www.agora.uol.com.br/editorial/ult10112u751008.shtml

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Logica informal
Logica informalLogica informal
Logica informal
Helena Serrão
 
Os Sofistas
Os SofistasOs Sofistas
Os Sofistas
daysefaro
 
Juízo de fato e Juízo de valor
Juízo de fato e Juízo de valorJuízo de fato e Juízo de valor
Juízo de fato e Juízo de valor
Danilo Pires
 
Argumentos não dedutivos
Argumentos não dedutivosArgumentos não dedutivos
Argumentos não dedutivos
Isabel Moura
 
Pré socráticos
Pré socráticosPré socráticos
Pré socráticos
rafaforte
 
Logica
LogicaLogica
Logica
Erica Frau
 
Filosofia 02 - Sócrates, Platão e Aristóteles
Filosofia 02 - Sócrates, Platão e  AristótelesFilosofia 02 - Sócrates, Platão e  Aristóteles
Filosofia 02 - Sócrates, Platão e Aristóteles
Diego Bian Filo Moreira
 
Liberdade e determinismo
Liberdade  e determinismoLiberdade  e determinismo
Liberdade e determinismo
Luis De Sousa Rodrigues
 
Racionalismo x Empirismo
Racionalismo x EmpirismoRacionalismo x Empirismo
Racionalismo x Empirismo
Leonardo Leitão
 
Descartes
DescartesDescartes
Descartes
Elisama Lopes
 
Logica formal e_informal
Logica formal e_informalLogica formal e_informal
Logica formal e_informal
Domingos Inácio Inácio
 
Slide a origem da filosofia
Slide a origem da filosofiaSlide a origem da filosofia
Slide a origem da filosofia
iranildespm
 
Aula de filosofia 1 ano i bimestre 2020
Aula de filosofia 1 ano   i bimestre 2020Aula de filosofia 1 ano   i bimestre 2020
Aula de filosofia 1 ano i bimestre 2020
Paulo Alexandre
 
Fundamentação da Moral: Kant e o Imperativo Categórico
Fundamentação da Moral: Kant e o Imperativo CategóricoFundamentação da Moral: Kant e o Imperativo Categórico
Fundamentação da Moral: Kant e o Imperativo Categórico
Ruben Fonseca
 
A reflexão filosófica
A reflexão filosóficaA reflexão filosófica
A reflexão filosófica
Marcelo Ferreira Boia
 
A teoria ética utilitarista de Stuart Mill
A teoria ética utilitarista de Stuart MillA teoria ética utilitarista de Stuart Mill
A teoria ética utilitarista de Stuart Mill
Otávio Augusto Padilha
 
Slides - Aula 02 - Sofistas e Sócrates.pdf
Slides - Aula 02 - Sofistas e Sócrates.pdfSlides - Aula 02 - Sofistas e Sócrates.pdf
Slides - Aula 02 - Sofistas e Sócrates.pdf
Natan Baptista
 
A verdade
A verdadeA verdade
Dogmatismo, Ceticismo e Criticismo
Dogmatismo, Ceticismo e CriticismoDogmatismo, Ceticismo e Criticismo
Dogmatismo, Ceticismo e Criticismo
Mariana Couto
 
História da filosofia antiga
História da filosofia antigaHistória da filosofia antiga
História da filosofia antiga
rafaforte
 

Mais procurados (20)

Logica informal
Logica informalLogica informal
Logica informal
 
Os Sofistas
Os SofistasOs Sofistas
Os Sofistas
 
Juízo de fato e Juízo de valor
Juízo de fato e Juízo de valorJuízo de fato e Juízo de valor
Juízo de fato e Juízo de valor
 
Argumentos não dedutivos
Argumentos não dedutivosArgumentos não dedutivos
Argumentos não dedutivos
 
Pré socráticos
Pré socráticosPré socráticos
Pré socráticos
 
Logica
LogicaLogica
Logica
 
Filosofia 02 - Sócrates, Platão e Aristóteles
Filosofia 02 - Sócrates, Platão e  AristótelesFilosofia 02 - Sócrates, Platão e  Aristóteles
Filosofia 02 - Sócrates, Platão e Aristóteles
 
Liberdade e determinismo
Liberdade  e determinismoLiberdade  e determinismo
Liberdade e determinismo
 
Racionalismo x Empirismo
Racionalismo x EmpirismoRacionalismo x Empirismo
Racionalismo x Empirismo
 
Descartes
DescartesDescartes
Descartes
 
Logica formal e_informal
Logica formal e_informalLogica formal e_informal
Logica formal e_informal
 
Slide a origem da filosofia
Slide a origem da filosofiaSlide a origem da filosofia
Slide a origem da filosofia
 
Aula de filosofia 1 ano i bimestre 2020
Aula de filosofia 1 ano   i bimestre 2020Aula de filosofia 1 ano   i bimestre 2020
Aula de filosofia 1 ano i bimestre 2020
 
Fundamentação da Moral: Kant e o Imperativo Categórico
Fundamentação da Moral: Kant e o Imperativo CategóricoFundamentação da Moral: Kant e o Imperativo Categórico
Fundamentação da Moral: Kant e o Imperativo Categórico
 
A reflexão filosófica
A reflexão filosóficaA reflexão filosófica
A reflexão filosófica
 
A teoria ética utilitarista de Stuart Mill
A teoria ética utilitarista de Stuart MillA teoria ética utilitarista de Stuart Mill
A teoria ética utilitarista de Stuart Mill
 
Slides - Aula 02 - Sofistas e Sócrates.pdf
Slides - Aula 02 - Sofistas e Sócrates.pdfSlides - Aula 02 - Sofistas e Sócrates.pdf
Slides - Aula 02 - Sofistas e Sócrates.pdf
 
A verdade
A verdadeA verdade
A verdade
 
Dogmatismo, Ceticismo e Criticismo
Dogmatismo, Ceticismo e CriticismoDogmatismo, Ceticismo e Criticismo
Dogmatismo, Ceticismo e Criticismo
 
História da filosofia antiga
História da filosofia antigaHistória da filosofia antiga
História da filosofia antiga
 

Destaque

O livro dos gigantes
O livro dos gigantesO livro dos gigantes
O livro dos gigantes
Biblioteca Virtual
 
Lógica aristotélica
Lógica aristotélicaLógica aristotélica
Lógica aristotélica
Iarley Brito
 
correção dos exercícios de lógica aristotélica
correção dos exercícios de lógica aristotélicacorreção dos exercícios de lógica aristotélica
correção dos exercícios de lógica aristotélica
Isabel Moura
 
Raciocinio logico
Raciocinio logicoRaciocinio logico
Raciocinio logico
Lilliane Renata Defante
 
Aula 12 - Lógica
Aula 12 - LógicaAula 12 - Lógica
Aula 12 - Lógica
Jocelma Rios
 
Rochas Sedimentares
Rochas SedimentaresRochas Sedimentares
Rochas Sedimentares
guestdbe434
 

Destaque (6)

O livro dos gigantes
O livro dos gigantesO livro dos gigantes
O livro dos gigantes
 
Lógica aristotélica
Lógica aristotélicaLógica aristotélica
Lógica aristotélica
 
correção dos exercícios de lógica aristotélica
correção dos exercícios de lógica aristotélicacorreção dos exercícios de lógica aristotélica
correção dos exercícios de lógica aristotélica
 
Raciocinio logico
Raciocinio logicoRaciocinio logico
Raciocinio logico
 
Aula 12 - Lógica
Aula 12 - LógicaAula 12 - Lógica
Aula 12 - Lógica
 
Rochas Sedimentares
Rochas SedimentaresRochas Sedimentares
Rochas Sedimentares
 

Semelhante a Introdução à Lógica

LÓGICA ARISTOTÉLICA
LÓGICA ARISTOTÉLICALÓGICA ARISTOTÉLICA
LÓGICA ARISTOTÉLICA
Alan
 
Lógica Aristotélica
Lógica AristotélicaLógica Aristotélica
Lógica Aristotélica
Munis Pedro
 
LÓGICA ARISTOTÉLICA
LÓGICA ARISTOTÉLICALÓGICA ARISTOTÉLICA
LÓGICA ARISTOTÉLICA
Alan
 
Silogismo
SilogismoSilogismo
Aula03 - Lógica
Aula03 - LógicaAula03 - Lógica
Aula03 - Lógica
William Ananias
 
Correção ficha de revisões 1 teste 11
Correção ficha de revisões 1 teste 11Correção ficha de revisões 1 teste 11
Correção ficha de revisões 1 teste 11
Isabel Moura
 
Proposicoes categoriais e silogismo aristotelico
Proposicoes categoriais e silogismo aristotelicoProposicoes categoriais e silogismo aristotelico
Proposicoes categoriais e silogismo aristotelico
Wellington Oliveira
 
Diagramas lógicos
Diagramas lógicosDiagramas lógicos
Diagramas lógicos
Sérgio de Castro
 
Raciocinio logico 05
Raciocinio logico 05Raciocinio logico 05
Raciocinio logico 05
Adriana Ribeiro
 
3 Ano_Logica para aprofundamento3 ano logica para aprofundamento
3 Ano_Logica para aprofundamento3 ano logica para aprofundamento3 Ano_Logica para aprofundamento3 ano logica para aprofundamento
3 Ano_Logica para aprofundamento3 ano logica para aprofundamento
Sandra Wirthmann
 
Lógica aristotélica
Lógica aristotélicaLógica aristotélica
Lógica aristotélica
Iarley Brito
 
Correção da ficha de revisões 2 teste 11
Correção da ficha de revisões 2 teste 11Correção da ficha de revisões 2 teste 11
Correção da ficha de revisões 2 teste 11
Isabel Moura
 
Introdução a logica senac
Introdução a logica   senacIntrodução a logica   senac
Introdução a logica senac
Gabriel Araujo
 
Anotações sobre as aulas de lógica
Anotações sobre as aulas de lógicaAnotações sobre as aulas de lógica
Anotações sobre as aulas de lógica
Caio Grimberg
 
Apostila básica de Lógica
Apostila básica de LógicaApostila básica de Lógica
Apostila básica de Lógica
Cleber Oliveira
 
111580394 103649915-dicionario-de-filosofia
111580394 103649915-dicionario-de-filosofia111580394 103649915-dicionario-de-filosofia
111580394 103649915-dicionario-de-filosofia
Carlos Alê
 
Rac logico
Rac logicoRac logico
Rac logico
Ewerton Rodrigues
 
Lógica
LógicaLógica
Lógica
almada76
 
O essencial para os exames de filosofia
O essencial para os exames de filosofiaO essencial para os exames de filosofia
O essencial para os exames de filosofia
Luis De Sousa Rodrigues
 
Lógica.pptx
Lógica.pptxLógica.pptx
Lógica.pptx
RivelinoMiranda1
 

Semelhante a Introdução à Lógica (20)

LÓGICA ARISTOTÉLICA
LÓGICA ARISTOTÉLICALÓGICA ARISTOTÉLICA
LÓGICA ARISTOTÉLICA
 
Lógica Aristotélica
Lógica AristotélicaLógica Aristotélica
Lógica Aristotélica
 
LÓGICA ARISTOTÉLICA
LÓGICA ARISTOTÉLICALÓGICA ARISTOTÉLICA
LÓGICA ARISTOTÉLICA
 
Silogismo
SilogismoSilogismo
Silogismo
 
Aula03 - Lógica
Aula03 - LógicaAula03 - Lógica
Aula03 - Lógica
 
Correção ficha de revisões 1 teste 11
Correção ficha de revisões 1 teste 11Correção ficha de revisões 1 teste 11
Correção ficha de revisões 1 teste 11
 
Proposicoes categoriais e silogismo aristotelico
Proposicoes categoriais e silogismo aristotelicoProposicoes categoriais e silogismo aristotelico
Proposicoes categoriais e silogismo aristotelico
 
Diagramas lógicos
Diagramas lógicosDiagramas lógicos
Diagramas lógicos
 
Raciocinio logico 05
Raciocinio logico 05Raciocinio logico 05
Raciocinio logico 05
 
3 Ano_Logica para aprofundamento3 ano logica para aprofundamento
3 Ano_Logica para aprofundamento3 ano logica para aprofundamento3 Ano_Logica para aprofundamento3 ano logica para aprofundamento
3 Ano_Logica para aprofundamento3 ano logica para aprofundamento
 
Lógica aristotélica
Lógica aristotélicaLógica aristotélica
Lógica aristotélica
 
Correção da ficha de revisões 2 teste 11
Correção da ficha de revisões 2 teste 11Correção da ficha de revisões 2 teste 11
Correção da ficha de revisões 2 teste 11
 
Introdução a logica senac
Introdução a logica   senacIntrodução a logica   senac
Introdução a logica senac
 
Anotações sobre as aulas de lógica
Anotações sobre as aulas de lógicaAnotações sobre as aulas de lógica
Anotações sobre as aulas de lógica
 
Apostila básica de Lógica
Apostila básica de LógicaApostila básica de Lógica
Apostila básica de Lógica
 
111580394 103649915-dicionario-de-filosofia
111580394 103649915-dicionario-de-filosofia111580394 103649915-dicionario-de-filosofia
111580394 103649915-dicionario-de-filosofia
 
Rac logico
Rac logicoRac logico
Rac logico
 
Lógica
LógicaLógica
Lógica
 
O essencial para os exames de filosofia
O essencial para os exames de filosofiaO essencial para os exames de filosofia
O essencial para os exames de filosofia
 
Lógica.pptx
Lógica.pptxLógica.pptx
Lógica.pptx
 

Último

Matemática para Concursos - Teoria dos Conjuntos
Matemática para Concursos - Teoria dos ConjuntosMatemática para Concursos - Teoria dos Conjuntos
Matemática para Concursos - Teoria dos Conjuntos
Instituto Walter Alencar
 
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
Sandra Pratas
 
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
Espanhol Online
 
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdfGeotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Falcão Brasil
 
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptxSlides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsxOceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Luzia Gabriele
 
apresentação metodologia terapia ocupacional
apresentação metodologia terapia ocupacionalapresentação metodologia terapia ocupacional
apresentação metodologia terapia ocupacional
shirleisousa9166
 
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Centro Jacques Delors
 
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Falcão Brasil
 
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UEInfografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Centro Jacques Delors
 
O processo da farinhada no Assentamento lagoa de Dentro, Zona Rural de Várzea...
O processo da farinhada no Assentamento lagoa de Dentro, Zona Rural de Várzea...O processo da farinhada no Assentamento lagoa de Dentro, Zona Rural de Várzea...
O processo da farinhada no Assentamento lagoa de Dentro, Zona Rural de Várzea...
AntHropológicas Visual PPGA-UFPE
 
Desafio matemático - multiplicação e divisão.
Desafio matemático -  multiplicação e divisão.Desafio matemático -  multiplicação e divisão.
Desafio matemático - multiplicação e divisão.
Mary Alvarenga
 
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23
Sandra Pratas
 
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdfUFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
Manuais Formação
 
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da TerraUma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Luiz C. da Silva
 
PERÍODO COMPOSTO POR COORDENAÇÃO PDF.pdf
PERÍODO COMPOSTO POR COORDENAÇÃO PDF.pdfPERÍODO COMPOSTO POR COORDENAÇÃO PDF.pdf
PERÍODO COMPOSTO POR COORDENAÇÃO PDF.pdf
EsterGabriiela1
 
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdfMarinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Falcão Brasil
 
Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...
Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...
Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...
Falcão Brasil
 
Caça-palavras - multiplicação
Caça-palavras  -  multiplicaçãoCaça-palavras  -  multiplicação
Caça-palavras - multiplicação
Mary Alvarenga
 

Último (20)

Matemática para Concursos - Teoria dos Conjuntos
Matemática para Concursos - Teoria dos ConjuntosMatemática para Concursos - Teoria dos Conjuntos
Matemática para Concursos - Teoria dos Conjuntos
 
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
 
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
 
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdfGeotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
 
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptxSlides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
 
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsxOceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
 
apresentação metodologia terapia ocupacional
apresentação metodologia terapia ocupacionalapresentação metodologia terapia ocupacional
apresentação metodologia terapia ocupacional
 
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
 
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
 
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UEInfografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UE
 
O processo da farinhada no Assentamento lagoa de Dentro, Zona Rural de Várzea...
O processo da farinhada no Assentamento lagoa de Dentro, Zona Rural de Várzea...O processo da farinhada no Assentamento lagoa de Dentro, Zona Rural de Várzea...
O processo da farinhada no Assentamento lagoa de Dentro, Zona Rural de Várzea...
 
Desafio matemático - multiplicação e divisão.
Desafio matemático -  multiplicação e divisão.Desafio matemático -  multiplicação e divisão.
Desafio matemático - multiplicação e divisão.
 
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23
 
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdfUFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
 
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da TerraUma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
 
PERÍODO COMPOSTO POR COORDENAÇÃO PDF.pdf
PERÍODO COMPOSTO POR COORDENAÇÃO PDF.pdfPERÍODO COMPOSTO POR COORDENAÇÃO PDF.pdf
PERÍODO COMPOSTO POR COORDENAÇÃO PDF.pdf
 
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdfMarinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
 
FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO .
FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO                .FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO                .
FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO .
 
Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...
Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...
Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...
 
Caça-palavras - multiplicação
Caça-palavras  -  multiplicaçãoCaça-palavras  -  multiplicação
Caça-palavras - multiplicação
 

Introdução à Lógica

  • 1. Introdução à LógicaLógica é a cola que gruda os métodos de raciocínio. Schneider e Gries 
  • 2. LógicaVem do grego logos (λόγος) e significa palavra, pensamento, ideia, argumento, relato -> razão.Trata dos princípios da argumentação válida.Argumentação: modo de expor ou apresentar raciocínios de modo a concordar ou refutar determinado ponto de vista, idéia, hipótese.
  • 3. LógicaRegrasPrincípio da identidade a=aPrincípio da não contradição a≠bPrincípio do terceiro excluído a≠cFormaSequência de proposições -> uma delas é a conclusão e as demais são premissas.
  • 4. LógicaExemplos:RegrasPrincípio da identidadePrincípio da não-contradiçãoPrincípio do terceiro excluídoFormaTodo menino é sapeca. Cebolinha é menino.Logo, Cebolinha é sapeca.énão é não é
  • 5. LógicaSilogismo Todos os peixes são amarelos. premissa maior Cléo é um peixe. premissa menor Logo, Cléo é amarelo. conclusão A->B C->AC ->B
  • 6. LógicaNOÇÕES DE LÓGICA MATEMÁTICA UMA CLASSIFICAÇÃO DA LÓGICA Alguns autores dividem o estudo da Lógica em:LÓGICA INDUTIVA: útil no estudo da teoria da probabilidade. eLÓGICA DEDUTIVA: que pode ser dividida em : · LÓGICA CLÁSSICA- Considerada como o núcleo da lógica dedutiva. Três Princípios (entre outros) regem a Lógica Clássica: da IDENTIDADE, da CONTRADIÇÃO e do TERCEIRO EXCLUÍDO os quais serão abordados mais adiante.· LÓGICAS COMPLEMENTARES DA CLÁSSICA: Complementam de algum modo a lógica clássica estendendo o seu domínio. Exemplos: lógicas modal , deôntica, epistêmica , etc.· LÓGICAS NÃO - CLÁSSICAS: Assim caracterizadas por derrogarem algum ou alguns dos princípios da lógica clássica. Exemplos: paracompletas e intuicionistas (derrogam o princípio do terceiro excluído); paraconsistentes (derrogam o princípio da contradição); não-aléticas (derrogam o terceiro excluído e o da contradição); não-reflexivas (derrogam o princípio da identidade); probabilísticas, polivalentes, fuzzy-logic, etc...http://www.pucsp.br/~logica/
  • 7. LógicaProposição Segundo Quine, toda proposição é uma frase mas nem toda frase é uma proposição; uma frase é uma proposição apenas quando admite um dos dois valores lógicos: Falso (F)ou Verdadeiro (V). Exemplos:Frases que não são proposiçõesPare!Quer uma xícara de café?Eu não estou bem certo se esta cor me agradaFrases que são proposiçõesA lua é o único satélite do planeta terra (V)A cidade de Salvador é a capital do estado do Amazonas (F)O numero 712 é ímpar (F)Raiz quadrada de dois é um número irracional (V)http://www.inf.ufsc.br/ine5365/introlog.html
  • 8. LógicaSilogismo O silogismo é um tipo de argumento composto de três proposições: duas premissas e uma conclusão.  Sua origem está ligada ao berço da civilização ocidental, a Grécia antiga com o pensamento do filósofo Aristóteles. Ele chamou sua obra de PrimeirosAnalíticos, isto porque o silogismo é uma forma de análise que procura decompor em partes os argumentos e as proposições de um argumento e seus termos. Mais tarde o conjunto de seus escritos silogísticos foi chamado de Organon, ou seja, “instrumento” para pensar corretamente.  Há quatro tipos de proposições que pode conter um silogismo:http://logicanet.wordpress.com/2007/11/26/silogismo/
  • 9. Lógica A=Universal afirmativa: Todos os A’s são B. E=Universal negativa: Nenhum A é B. I=Particular afirmativa: Alguns A’s são B. O=Particular negativa: Alguns A’s não são B.http://logicanet.wordpress.com/2007/11/26/silogismo/
  • 10. LógicaExemplos:Universal afirmativaTodos os jogadores de futebol são craques.Universal negativaNenhum jogador de futebol é craqueParticular afirmativaAlguns jogadores de futebol são craques.Particular negativaAlguns jogadores de futebol não são craques.
  • 13. Algumas leis do quadrado lógicoRegra das contrárias: Duas proposições contrárias não podem ser ambas verdadeiras ao mesmo tempo.Regra das contraditórias: Duas proposições contraditórias não podem ser nem verdadeiras nem falsas ao mesmo tempo.Regra das subcontrárias: Duas proposições subcontrárias não podem ser ambas falsas ao mesmo tempo.http://pt.wikipedia.org/wiki/Quadrado_das_oposições
  • 14. LógicaOposição de proposiçõesExemplosRegrasContraditórias: as proposições diferem na quantidade e na qualidadeA.       Todos os advogados são juristas.O.   Alguns advogados são juristas.E.   Nenhum advogado é jurista.I.    Alguns advogados são juristas.Não podem ser verdadeiras nem falsas ao mesmo tempo.Se A é verdadeira, O é falsaSe E é verdadeira, I é falsaContrárias: as proposições são universais, mas diferem na qualidadeA.       Todos os advogados são juristas.E.   Nenhum advogado é jurista. Não podem ser verdadeiras ao mesmo tempo , mas podem ser falsas ao mesmo tempoSubcontrárias: ambas as proposições são particulares, diferem na qualidadeI.    Alguns advogados são juristas.O.   Alguns advogados são juristas. Podem ser ambas verdadeiras ao mesmo tempo.Não podem ser as duas falsas ao mesmo tempo.Subalternas: ambas as proposições são afirmativas ou negativas, diferem na quantidadeB.      Todos os advogados são juristas.O.   Alguns advogados são juristas.E.   Nenhum advogado é jurista.I.    Alguns advogados são juristas.Se a universal é verdade, a particular é verdadeiraSe a particular é falsa, a universal é falsa.Distribuição dos termos
  • 15. Lógica Todo homem é mortal Sócrates é homem Logo, Sócrates é mortal. A primeira proposição chamamos de premissa maior, a segunda proposição chamamos de premissa menor, a terceira proposição chamamos de conclusão. Essa é a forma básica do silogismo. Além disso, ele contém os seguintes termos: homem, animal e mortal. O termo que se repete na premissa maior e menor, que é o termo homem, chamamos de termo médio. Os outros dois termos do silogismo, animal e mortal,  chamamos de termos extremos. A função do termo médio é ligar os termos extremos permitindo chegar à conclusão. Portanto, o termo médio nunca se repete na conclusão.http://logicanet.wordpress.com/2007/11/26/silogismo/
  • 16. LógicaSilogismos categóricos irregularesSe A, logo B.Eu penso, logo existo. Todo o B é C porque é D               Todo o A é B porque é H      Logo, todo A é C.Todo alimento é nutritivo porque é saudável.Toda fruta é alimento porque é comestível. Logo, toda fruta é nutritiva. B é C                A é B      Logo, A é C                D não é C       Logo, D não é A. Pinga é cachaça Aguardente é pinga Logo, aguardente é cachaça Água não é cachaça Logo, água não é aguardente C é B D é C E é D A é E Logo, A é B. O vertebrado tem sangue vermelho. O mamífero é vertebrado. O carnívoro é mamífero. O leão é carnívoro. Logo, o leão tem sangue vermelho.  
  • 17. LógicaAlguns raciocínios incorretosStefan e Mathias gostam de chocolate. Todos os que gostam de pipoca gostam de chocolate. Logo, Stefan e Mathias gostam de pipoca. Todos os portugueses são europeus. Cristiano Ronaldo é europeu. Logo, Cristiano Ronaldo é português.Todos os portugueses são europeus. Beckham é europeu. Logo, Beckham é português.Os bombeiros dividem-se em batalhões, obedecem a uma hierarquia, têm um quartel e usam farda, tal como os polícias. Os polícias usam arma. Logo, os bombeiros usam arma.Os bombeiros dividem-se em batalhões, obedecem a uma hierarquia e têm um quartel, como os polícias. Os polícias usam farda. Logo, os bombeiros usam farda."Nem todo mundo gosta de sexo", filosofou Dunga na chegada à África. Realmente. As pessoas que não conseguem mais praticá-lo e as que não tem "joie de vivre" não gostam. Barbara GanciaSe todos os gatos são pretos, Miau é preto. Alguns gatos são pretos, outros rajados. Miau é ???Alguns campineiros são metidos e arrogantes. Alguns campineiros estudam na Unicamp. Logo, ???
  • 20. Lógica Considere-se agora o seguinte argumento: O mundo exterior existe.  O mundo exterior não existe.  Logo, Deus existe. Pela definição dada, este argumento é válido, apesar de poder parecer o contrário. A indecisão nasce do facto de não ser possível atribuir a verdade simultaneamente às duas premissas, porque estas são inconsistentes. Mas já se torna claro o facto de este argumento ser válido se fizermos a seguinte consideração: precisamente pelo facto de as premissas não poderem nunca ser simultaneamente verdadeiras, segue-se que nunca podemos ter as premissas verdadeiras e a conclusão falsa. Logo, o argumento é válido, pois é isso precisamente que caracteriza os argumentos válidos.http://criticanarede.com/html/fa_2_apendice.html
  • 21. LógicaValidade e correcção Um argumento dedutivo válido é qualquer argumento dedutivo que obedeça às regras da lógica. A definição semântica de argumento dedutivo válido é a seguinte: um argumento dedutivo é válido se, e somente se, nos casos em que as premissas são verdadeiras, a conclusão também é verdadeira. Por exemplo: Se o conhecimento é possível, os cépticos estão enganados.  O conhecimento é possível.  Logo, os cépticos estão enganados. Dada a verdade das duas premissas, a conclusão é também verdadeira. Claro que se as premissas forem falsas, a conclusão tanto pode ser falsa como verdadeira. A validade dedutiva do argumento só nos garante a verdade da conclusão caso as premissas sejam verdadeiras. Por outras palavras, um argumento dedutivo válido garante que nunca podemos ter as premissas verdadeiras e a conclusão falsa.http://criticanarede.com/html/fa_2_apendice.html
  • 22. LógicaConsidere-se este outro argumento: Deus existe.  Logo, o mundo exterior existe ou o mundo exterior não existe. À primeira vista pode parecer que este argumento não é válido. Mas se tivermos mais atenção verificamos que se trata, de facto, de um argumento válido. Mais uma vez: dada a verdade da premissa, a conclusão pode ser falsa? Bom, é fácil ver que a conclusão nunca pode ser falsa. Logo, também não é falsa dada a verdade da premissa. Logo, é um argumento válido. O objectivo destes dois exemplos de argumentos válidos que aparentemente não o são é distinguir a validade de um argumento da sua relevância. Apesar de os dois argumentos acima serem válidos, eles não são relevantes. Porquê? Porque o primeiro é válido à custa da inconsistência das premissas; e o segundo é válido à custa do facto de a conclusão ser sempre verdadeira. Temos assim de perceber que o que nos interessa num ensaio argumentativo, quer estejamos a escrevê-lo, quer estejamos a avaliá-lo, não é a validade dos argumentos tout court, mas um caso especial de validade, a que podemos chamar relevância.Assim, para decidir se um argumento é relevante, temos de usar a seguinte definição: um argumento dedutivo válido é relevante se, e somente se: 1) todas as premissas podem ser simultaneamente verdadeiras; 2) a conclusão pode ser falsa.http://criticanarede.com/html/fa_2_apendice.html
  • 23. Lógica Perante um argumento dedutivo qualquer, o leitor deve usar a seguinte rotina para verificar a sua relevância: 1. Verificar se é um argumento válido, pela definição semântica dada. 2. Verificar se todas as premissas podem ser simultaneamente verdadeiras. 3. Verificar se a conclusão pode ser falsa. Um argumento só é relevante se passar os três testes. Se passar apenas um ou dois, não é relevante.http://criticanarede.com/html/fa_2_apendice.html
  • 24. LógicaCondicionaisAs condicionais são canonicamente expressas na forma «Se..., então...». Mas a verdade é que existem muitas formas de exprimir condicionais. Esta secção oferece uma lista de algumas dessas formas.O primeiro facto: muitas vezes, o «então» é elidido, como em Se Deus não existe, a ética não é possível. que significa precisamente o mesmo que Se Deus não existe, então a ética não é possível.Outros factos menos evidentes: Se A, então B pode exprimir se como 1. A somente se B.  2. A só se B.  3. A implica B.  4. A só no caso de B.  5. A só na condição de B.  6. A é condição suficiente de B.  7. B é condição necessária de A.  8. B se A.  9. Só se B é que A.http://criticanarede.com/html/fa_2_apendice.html
  • 25. LógicaNão se deve usar a lista anterior para fazer variar a forma como, ao longo de um ensaio, se exprimem condicionais. Lembre-se da regra 6, que se aplica também às partículas lógicas: se começou por dizer «Se A, então B», não afirme de seguida «C só se D», para tornar o texto variado; afirme antes «Se C, então D». Um texto não é um espectáculo de variedades e a elegância literária não vale nada se for conseguida à custa da clareza, porque é uma forma luminosa para um conteúdo obscuro (é como um automóvel com uma excelente pintura, mas com o motor avariado).O que costuma fazer mais confusão são as noções de condição necessária e condição suficiente. A lista acima permite saber exactamente o que é uma condição suficiente (a antecedente de uma condicional) e uma condição necessária (a consequente de uma condicional). Mas os exemplos seguintes tornarão claras estas noções: Estar inscrito em Filosofia é uma condição necessária para passar a Filosofia.Mas estar inscrito em Filosofia não é uma condição suficiente para passar a Filosofia. Ter 10 valores é uma condição suficiente para passar a Filosofia. Mas ter 10 valores não é uma condição necessária para passar a Filosofia.http://criticanarede.com/html/fa_2_apendice.html
  • 26. LógicaArgumentos e condicionais Muitos argumentos são expostos sob a forma de uma condicional, como Se não existir livre-arbítrio, a responsabilidade moral não é possível. Para avaliar a verdade de uma condicional usam-se precisamente as mesmas regras que se usam para avaliar a validade de um argumento. A diferença consiste agora em tomar a antecedente da condicional em vez das premissas, e a sua consequente em vez da conclusão. Assim, uma condicional pode funcionar como um argumento válido se, e somente se, nos casos em que a antecedente é verdadeira, a consequente também for verdadeira. Por outras palavras, uma condicional pode funcionar como um argumento válido se, e somente se, for uma verdade lógica. Note-se que uma condicional pode ter antecedentes ou consequentes complexos: 1. Se Deus e o mundo existem, então Deus existe.  2. Se Deus existe, então Deus ou o mundo existem. Nos casos de condicionais com antecedentes ou consequentes complexos, aplica-se a mesma distinção que já introduzimos anteriormente: para que se aceite uma condicional verdadeira como relevante é necessário que a sua antecedente possa ser verdadeira e que a sua consequente possa ser falsa. As duas condicionais anteriores são verdadeiras e relevantes, mas as duas seguintes não são relevantes, apesar de serem verdadeiras: 1. Se o mundo exterior existe e o mundo exterior não existe, Deus existe.  2. Se Deus existe, então o mundo exterior existe ou o mundo exterior não existe.http://criticanarede.com/html/fa_2_apendice.html
  • 27. Falácia O objectivo de um argumento é expor as razões (premissas) que sustentam uma conclusão. Um argumento é falacioso quando parece que as razões apresentadas sustentam a conclusão, mas na realidade não sustentam. Da mesma maneira que há padrões típicos, largamente usados, de argumentação correcta, também há padrões típicos de argumentos falaciosos.http://criticanarede.com/falacias.htm
  • 28. LógicaFalácia da inversão da condicional Uma falácia comum é a seguinte: Se não existir livre-arbítrio, a responsabilidade moral não será possível.  Logo, se a responsabilidade moral não for possível, não existirá livre-arbítrio. A forma lógica desta falácia é a seguinte: Se A, então B.  Logo, se B, então A. É fácil verificar que se trata de uma falácia com o exemplo seguinte, que tem a mesma forma lógica do que o anterior: Se nasceste em Lisboa, és português de naturalidade.  Logo, se és português de naturalidade, nasceste em Lisboa. Repare-se no método informal que usei aqui para tornar evidente que este argumento é falacioso: mantendo a sua forma lógica intacta, substituí as frases de maneira a obter uma premissa verdadeira e uma conclusão falsa. http://criticanarede.com/html/fa_2_apendice.html
  • 29. LógicaFalácia da causa única Esta é talvez a falácia mais popular. É tão comum que o leitor deve estar alertado, não só para não a cometer inadvertidamente nos seus argumentos, como para poder detectá-la nos argumentos das outras pessoas. Todas as coisas têm uma causa.  Logo, tem de haver algo que seja a causa de tudo. Este argumento é usado em particular para defender a existência de Deus, que depois é identificado com a causa de todas as coisas. Mas a mesma forma lógica pode surgir inadvertidamente em vários argumentos. Verifica-se que este argumento é inválido considerando os seguintes exemplos, que têm a mesma forma lógica do que o anterior: Todas as pessoas têm uma mãe. Logo, tem de haver alguém que seja a mãe de toda a gente. Todos os números têm um sucessor. Logo, tem de haver um número que seja o sucessor de todos os números. Nestes dois argumentos, as premissas são verdadeiras e as conclusões são falsas. Logo, na sua forma geral,Todos os x têm um y. Logo, tem de haver um y para todos os x. a premissa pode ser verdadeira e a conclusão falsa. Logo, esta forma de argumento dedutivo não é válida. Esta falácia é particularmente clara para as pessoas que sabem lógica formal, sendo conhecida por falácia da inversão dos quantificadores.http://criticanarede.com/html/fa_2_apendice.html
  • 30. LógicaMais exemplos de faláciasA afirmação de Joãozinho é falsa, pois ele é um sujeito mal-educadoJoão é a favor do tratamento do reservatório de água da cidade com flúor. João é um ladrão. Logo, não devemos tratar o reservatório de água da cidade com flúor.Jones acredita que devemos nos abster de bebida alcoólica. Jones está sempre bêbado. Logo, não devemos nos abster de bebida alcoólica.Acredite em Deus, senão irá pro Inferno.Se Aristóteles disse isto, é verdadeVocê deve ser rico pois estuda em um colégio de ricos.Formigas destroem árvores. Logo, esta formiga pode destruir uma árvore.Deveríamos abolir todas as armas do mundo. Só assim haveria paz verdadeira.
  • 31. LógicaO Japão rendeu-se logo após a utilização das bombas atômicas por parte dos EUA. Portanto, a paz foi alcançada devido à utilização das armas nuclearesSabemos que Joãozinho diz a verdade pois muitas pessoas dizem isso. E sabemos que Joãozinho diz a verdade pois nós o conhecemos.Não devemos falar MAL dos nossos amigos.Não devemos falar mal dos nossos AMIGOS“Se há carros então há poluição. Há poluição. Logo, há carros.Se há carros então há poluição. Não há carros. Logo, não há poluiçãoSe você não está a favor de de mim então está contra mimA voz dos pobres é a voz da verdade
  • 32. LógicaA explosão do Challenger foi causada pelo tempo frio. (Verdadeiro, mas não teria ocorrido se os anéis em o tivessem sido bem construídos.)As pessoas estão com medo por causa do incremento do crime. (Certo, mas as pessoas têm sido levadas a violar a lei em consequência do seu medo. O que ainda aumenta mais o crime.)O União vai ganhar este jogo porque ganhou todas as vezes que jogou em quinta-feira.Será que o palhaço Joãozinho é o assassino? No ano passado um palhaço matou uma criança.O acidente não teria ocorrido se não fosse a má localização do arbusto. (Certo, mas o acidente não teria ocorrido se o condutor não estivesse bêbado, e se o peão tivesse prestado atenção ao trânsito.)
  • 34. LógicaSímbolos lógicos Apresento a seguir alguns símbolos lógicos e algumas regras de transformação básicas, que poderão servir como uma introdução à lógica. Por outro lado, ajudarão qualquer pessoa a exercer o seu poder crítico sobre argumentos informais onde ocorra algum deste simbolismo. Os argumentos dedutivos podem ser muito complexos, e também aqui o simbolismo ajuda, porque torna mais simples a sua avaliação. As palavras-chave que ocorrem nos argumentos dedutivos, e das quais depende a sua validade, como «se,...então...», «e», «ou» e «não», são operadores lógicos e simbolizam-se assim: 1. Se A, então B: A -> B (ou: A ⊃ B) 2. Não A: ¬A (ou: ~A) 3. A ou B: A ∨ B 4. A e B: A ∧ B (ou: A & B) 5. A se e somente se B (ou: A se e só se B): A ↔ B 6. Todos os objectos x têm o predicado P: ∀xPx 7. Existe pelo menos um objecto x que tem o predicado P: ∃x;Px As regras de transformação permitem-nos mudar as frases existentes para outras logicamente equivalentes. Ou Deus existe, ou a vida não tem sentido. Mas a vida tem sentido. Logo, Deus existe.http://criticanarede.com/html/fa_2_apendice.html
  • 35. Lógica15/06/2010Advogada foi morta uma hora após desaparecerWilliam Cardoso e Luis Kawagutido AgoraA advogada MérciaNakashima, 28 anos, foi morta cerca de uma hora após sair da casa de sua avó, em Guarulhos (Grande SP), no dia 23 de maio. A informação foi obtida pela Polícia Civil com o depoimento de um pescador --que presenciou um único homem jogar o Honda Fit, com Mércia dentro, nas águas da represa Atibainha, em Nazaré Paulista (64 km de SP)."Ela [Mércia] saiu da casa [dos avós] às 18h30. Às 19h30, estava na represa com uma pessoa. O carro foi jogado na água", disse o delegado Antônio de Olim, do DHPP (Departamento de Homicídios e de Proteção à Pessoa).Com isso, a polícia descartou a hipótese de Mércia ter sido levada a um cativeiro. Ex-namorado de Mércia, o ex-PM Mizael Bispo dos Santos, 40 anos, segue como principal suspeito de ter cometido o crime --ele nega.
  • 36. LógicaAutoajuda segundo Keith RichardsDestakDiversão & Arte"Todo mundo devia nascer com uma guitarra - haveria muito menos suicídio." Esse é um dos conselhos que o lendário guitarrista dos Rolling Stones dá no livro O que Keith Richards faria em seu lugar?. Por meio de citações e entrevistas que Keith deu ao longo de seus 48 anos de carreira, a escritora Jessica Pallington West fez uma compilação que se assemelha aos livros de autoajuda. Tratado como um "sobrevivente do rock 'n' roll", devido ao seu passado de abusos, Keith, que tem 66 anos, dá lições de como encarar a vida. Logo no capítulo inicial são expostos os 26 mandamentos do "keithismo", termo criado pela autora para definir a "filosofia" que o músico dissemina em frases como "aceite os Stones como seu senhor metafórico“.
  • 37. LógicaObama compara desastre no golfo do México a 11/9DestakDiversão & ArteO presidente dos EUA, BarackObama, comparou ontem o impacto da tragédia ecológica no golfo do México com o do 11/9, no sentido de mudar a forma de pensar dos americanos. "Da mesma forma que a visão sobre nossas vulnerabilidades e nossa política externa foi profundamente moldada pelo 11/9, eu acredito que esse desastre vá moldar a maneira como pensamos sobre o meio ambiente e a energia por muitos anos", afirmou o presidente a um site americano. Obama iniciou a quarta visita à região atingida pelo derramamento de óleo provocado pela explosão de uma plataforma petrolífera em 20 de abril. Ao fim dessa viagem de dois dias por Mississippi, Alabama e Flórida, ele fará um pronunciamento pela televisão no horário nobre. Amanhã, Obama vai se encontrar com o presidente da BritishPetroleum (BP) para exigir a criação de um fundo especial para indenizações e compensações. A empresa anunciou um novo plano para conter o vazamento, que recolheria, por dia, 7,5 milhões de litros de óleo, frente aos 2,4 milhões que estão sendo recolhidos agora. Segundo o governo, vazam 7,9 milhões de litros por dia. A empresa anunciou que já gastou US$ 1,6 bilhão para responder ao vazamento. Pelo menos 51 pedidos de indenização já foram feitos à BP.
  • 38. LógicaPaulistanos vão gastar R$ 181 na 1ª fase da CopaOs torcedores paulistanosdeverão desembolsar, emmédia, R$ 181 para com-prar itens relativos à Copado Mundo durante a pri-meira fase do Mundial. Ca-so a seleção brasileira che-gue à final, as despesas vãosubir para R$ 357. É o que mostra uma pesquisa realizada pela ACSP (AssociaçãoComercial de São Paulo).A maioria dos gastos dopaulistano (74%) será destinada à compra de alimentos e bebidas para serem consumidos durante os jogos do Brasil. A pesquisa mostra ainda que, no caso das bebidas, a maioria dos torcedores (54%) pretendem adquiri-las para consumir em casa. Desse total, 44% vai comprar cerveja,8% refrigerantes e 2% vaioptar por outra bebida.Já em relação à alimen-tação –que corresponde a20% das despesas –9% dosentrevistados gastarão nacompra de ingredientes para as refeições, 7% comprarão petiscos e guloseimas e4% vão optar por gastar em bares ou restaurantes.O paulistano tambémvai investir em adereços eartigos de decoração. Se-gundo o economista chefee superintendente geral daACSP, Marcel Solimeo, ascamisetas devem respon-der por 14% das aquisições,bolas por 2% e apitos e bandeiras por 2%.As lojas físicas irão rece-ber 89% dos consumidores.Enquanto o comércio ele-trônico será a opção de 8% das intenções de compra.A partir de hoje, dia daestreia da seleção brasilei-ra na Copa do Mundo, osbancos e as operações decâmbio do Banco Centralterão horário de expedien-te alterado. O pregão da Bovespanão sofre interrupções durante a Copa. METRO
  • 39. HierarquiaDiz que um leão enorme ia andando chateado, não muito rei dos animais, porque tinha acabado de brigar com a mulher e esta lhe dissera poucas e boas (1).Eis que, subitamente, o leão defronta com um pequeno rato, o ratinho mais menor que ele já tinha visto. Pisou-lhe a cauda e, enquanto o rato forçava inutilmente pra escapar, o leão gritava: "Miserável criatura, estúpida, ínfima, vil, torpe: não conheço na criação nada mais insignificante e nojento. Vou te deixar com vida apenas para que você possa sofrer toda a humilhação do que lhe disse, você, desgraçado, inferior, mesquinho, rato!" E soltou-o .O rato correu o mais que pode, mas, quando já estava a salvo, gritou pro leão: "Será que V. Excelência poderia escrever isso pra mim? Vou me encontrar com uma lesma que eu conheço e quero repetir isso pra ela com as mesmas palavras!"(1) Ou seja muitas e más.MORAL: Ninguém é tão sempre inferior.SUBMORAL: Nem tão nunca superior, por falar nisso
  • 40. Risos da galeraEm 1974, Saad e São Bento jogavam amistosamente em São Caetano do Sul e o time sorocabano era dirigido pelo técnico Mickey. De repente quebra o maior pau dentro do gramado envolvendo os 22 jogadores.Vamos separar o pessoal, Mickey?, diz um dirigente que estava sentado no banco ao seu lado.Eu não sou louco. Vai você.No meio da confusão ouve-se a voz de Mickey:Calma gente! Vai pra lá você. Deixa disso pessoal! Surpreso, o dirigente olhou para Mickey e disse:Ué, o que você está fazendo aqui?É que jogaram tanta garrafa de guaraná no banco que eu achei menos perigoso levar uns socos aqui dentro do gramado.O saudoso Ajato, folclórico torcedor sorocabano, contou que certa vez proporcionou uma grande confusão nas agências do Correio. Era a sua primeira carta que mandava para alguém fora da cidade. Chegou na agência com o envelope escrito, faltando apenas selá-lo.Moça, como eu faço para mandar esta carta para São Paulo?A moça, depois de vender o selo, disse:Agora você vai até aquela mesa e cola o selo.Ajato dirigiu-se até a mesa, colocou o selo e voltou com o envelope. Surpresa, a moça perguntou:Ué, e o selo?O selo tá pregado bem bonitinho lá na mesa, como você pediu, disse Ajato.Notícia publicada na edição de 16-03-2003 do Jornal Cruzeiro do Sul, editoria Esportes, coluna RISOS DA GALERA
  • 41. LógicaJogo perigosoEm Santos e no Rio de Janeiro, é na areia da praia que muitas vezes nasce o futuro craque de futebol.Em São Paulo, os mais velhos lembram com nostalgia dos campinhos às margens do Tietê, onde se praticava o "futebol de várzea".Hoje, a capital já não tem tantos espaços vazios. Para quem não é sócio de clube ou não tem mordomias esportivas num condomínio, resta pagar pelo aluguel de uma quadra ou tentar a sorte em alguns parques e áreas públicas.Infelizmente, a situação desses locais deixa muito a desejar, como revelou a reportagem do Agora na edição de ontem.Foram visitados 15 campos públicos. Não fazem justiça ao país do futebol. Para começar, alambrados enferrujados e canos soltos ameaçam desabar sobre os frequentadores.Além disso, há problemas graves no piso. Buracos e pedras podem causar contusões e até fraturas. Um caso lamentável foi identificado no campo do Águia, na zona sul.Segundo a reportagem, se dois jogadores disputarem um lançamento pela lateral correm o risco de rolar por um barranco.O Brasil tem uma vocação quase natural para o futebol. Ao longo do tempo, nos tornamos uma fábrica de craques. Até na seleção da Alemanha, como vimos no fim de semana, tem brasileiro jogando. Mas isso não é desculpa. Governo federal, Estado e prefeitura têm o dever de fomentar a prática esportiva e oferecer condições para que a população pratique. E isso não vale só para campos de futebol. Se o Brasil pretende um dia ser potência olímpica, precisa desde já incentivar o esporte nas escolas.15/06/2010http://www.agora.uol.com.br/editorial/ult10112u751008.shtml