SlideShare uma empresa Scribd logo
Exercícios do item 1.5: 1) Calcule a força de tração nas duas barras da estrutura abaixo.
0
111 87,36)75,0(tanarc
4
3
tan =θ→=θ→=θ
0
222 13,53)333,1(tanarc
3
4
tan =θ→=θ→=θ
0)13,53(cosF)87,36(cosF:0F o
2
o
1x =+−=∑
21
2
121 F75,0F
8,0
F6,0
F06,0F8,0F =→=→=+−
0000.12)13,53(senF)87,36(senF:0F o
2
o
1y =−++=∑
000.128,0F6,0F 21 =+
Colocando-se a força F1 na expressão acima, tem-se:
N600.9
25,1
000.12
F000.128,0F6,0F75,0 222 ==→=+⋅
N200.7F9600x75,0F 11 =→=
2) Calcule a força de tração nos dois cabos da figura.
000.6FF0F000.5000.1F:0F 2121y =+→=+−−=∑
N8,730.3F06,2xF8,1x000.57,0x000.1:0M 221 =→=−+=∑
N2,269.2F08,0x000.59,1x000.16,2xF:0M 112 =→=−−=∑
Exercícios do item 1.6: 1) Calcule as reações nos apoios da viga abaixo.
0H:0F Ax ==∑
000.14VV0V000.14V:0F BABAy =+→=+−=∑
N000.8V05,3xV0,2x000.14:0M BBA =→=−=∑
N000.6V05,1x000.145,3xV:0M AAB =→=−=∑
2) Calcule as reações no apoio da viga em balanço (ou viga cantilever).
0H:0F bx ==∑
000.1V0000.1V:0F bby =→=−=∑
m.N000.3M0M0,3x000.1:0M bbO =→=−=∑
Exercícios do item 1.9: 1) Calcule as reações de apoio da viga de aço abaixo.
Dado: γs = 77 kN/m3
A carga q (N/m) é obtida multiplicando-se o peso específico pela área da seção
transversal:
2
mm000.3300x62x100x6A =+=
Ou: 2326
m10x0,3m)10(000.3A −−
==
m/N231)m(10x0,3x)m/N(77000A.q 233
==γ= −
0H0F Ax =→=∑
L.qVV0F BAy =+→=∑
Então: N20790,9x231VV BA ==+
0
2
L
.L.qL.V0M AB =−→=∑
2
Lq
V
2
Lq
V BA =→=
N5,1039
2
0,9x231
VV BA ===
2) Calcule as reações de apoio da viga de aço abaixo.
Dado: γs = 77 kN/m
3
0H0F Bx =→=∑
N20790,9x231L.qV0F By ===→=∑
m.N5,9355
2
qL
M0M
2
L
.L.q0M
2
BBo ==→=+−→=∑
Observação muito importante: A substituição de uma carga distribuída pela força
resultante somente pode usada para calcularem-se as reações de apoio. Não deve ser
usada para mais nada.
Exercícios do item 2.1: 1) Calcule a tensão normal nos dois cabos da figura.
Dados: φ1 = φ2 = 25,4 mm
Área dos cabos 1 e 2:
2
21
2
21 mm7,506AA)7,12(AA ==→π==
Tensão normal nos cabos 1 e 2:
2
2
1
1
1 mm/N48,4
)mm(7,506
)N(2,269.2
A
F
===σ
2
2
2
2
2 mm/N36,7
)mm(7,506
)N(8,730.3
A
F
===σ
2) Calcule a tensão normal nas duas barras da treliça abaixo.
Dados: φ1 = 12,5 mm ; φ2 = 20,0 mm
21
o
2
o
1x FF0)45cos(F)45(cosF:0F =→=+−=∑
0000.5)45(senF)45(senF:0F o
2
o
1y =−+=∑
N1,3536FF000.5707,0F2 211 ==→=
Cálculo da tensão normal nas barras 1 e 2:
2
2
1
1
1 mm/N8,28
)25,6(
1,3536
A
F
=
π
==σ
2
2
2
2
2 mm/N3,11
)10(
1,3536
A
F
=
π
==σ
3) Calcule a tensão normal nas duas barras da treliça abaixo. As duas barras têm seção
transversal circular. Dados: φBarra tracionada = 15 mm ; φBarra comprimida = 20 mm
866,0FF0)30cos(FF:0F 21
o
21x ⋅−=→=+=∑
N000.50F0000.52)30(senF:0F 2
o
2y −=→=+=∑
N300.43F866,0.)000.50(F 11 =→−−=
Tensão normal nas barras 1 e 2:
2
2
1
1
1 mm/N0,245
)5,7(
300.43
A
F
=
π
==σ
2
2
2
2
2 mm/N2,159
)10(
000.50
A
F
−=
π
−
==σ
4) Uma barra, de seção transversal retangular, tem altura variável (como indicado) e
largura b constante igual a 12 mm. Calcule a tensão normal no ponto de aplicação da
força F e no engaste. Dado: F = 8.000 N
2
mm/N44,44
15x12
000.8
A
F
===σ
2
Engaste mm/N67,26
25x12
000.8
A
F
===σ
5) Uma barra prismática está pendurada por uma de suas extremidades. Construa os
diagramas de força normal e de tensão normal.
Dados: γ: peso específico; A: área da seção transversal
Fazendo-se um corte imaginário à distância x os esforços que eram internos passam a
ser externos. A parte recortada também tem que estar em equilíbrio, pois qualquer
parte (ou ponto) de uma estrutura em equilíbrio também está em equilíbrio. N(x):
representa a ação da parte de cima sobre a parte de baixo.
xA)x(N0xA)x(N:0Fy γ=→=γ−=∑
x
A
Ax
A
)x(N
γ=
γ
==σ
Exercícios do item 2.2: 1) Uma barra prismática de seção transversal circular (φ = 25
mm) e de comprimento L = 800 mm fica solicitada por uma força axial de tração F =
30.000 N. Calcule a tensão normal e a deformação linear específica sabendo que o
alongamento da barra é de 2,0 mm.
2
2
mm/N1,61
)5,12(
000.30
A
F
=
π
==σ
3
10x5,2
)mm(800
)mm(0,2
L
L −
==
∆
=ε
2) Um elástico tem comprimento não esticado igual a 30,0 cm. Calcule a deformação
linear específica do elástico quando for esticado ao redor de um poste com diâmetro
externo igual a 16 cm.
P: Perímetro externo do poste: cm27,508.2R2P =π=π=
68,0
30
3027,50
L
LL
L
L
i
if
i
=
−
=
−
=
∆
=ε
Exercícios do item 2.3: 1) Uma barra prismática de seção transversal circular (d = 20
mm) fica solicitada por uma força axial de tração F = 6.000 N. Experimentalmente,
determinou-se a deformação linear específica longitudinal oo
o
L /3=ε . Calcule a
tensão normal, a variação do comprimento e do diâmetro da barra. Dado: ν = 0,25.
2
2x mm/N1,19
)10(
000.6
A
F
=
π
==σ
003,0
1000
3
/3 oo
o
xL ===ε=ε
mm5,4L1500.10x0,3LL
L
L
x
3
xxx
x
x
x =∆→=ε=∆→
∆
=ε −
yyy
y
y
y LL
L
L
ε=∆→
∆
=ε
ddL yy ε=∆=∆
43
xy
x
y
10x5,710x0,3x25,0 −−
−=−=εν−=ε→
ε
ε
−=ν
mm015,020x10x5,7d 4
−=−=∆ −
2) Calcule o volume final da barra do problema anterior.
Vi : volume inicial da barra; Vf: volume final da barra
32
iii mm9,238.471500.1x)10(LAV =π==
3
2
fff mm9,943.471)5,41500(x
4
)015,020(
LAV =+
−π
==
3
if mm7059,238.4719,943.471VVV =−=−=∆
Exercício do item 2.4: A figura abaixo mostra um diagrama Força-Alongamento de um
ensaio de tração simples. A barra tem seção transversal circular (d = 30 mm) e
comprimento inicial (referência) igual a 800 mm. Calcule:
a) a tensão (ou limite) de proporcionalidade (σP);
b) a tensão (ou limite) de escoamento (σY);
c) a tensão última (σU);
4
30.
4
D
R.A
22
2 π
=
π
=π= = 2
mm86,706
a) MPa15,14mm/N15,14
86,706
000.10
P
2
P =σ→==σ
b) MPa98,16mm/N98,16
86,706
000.12
Y
2
Y =σ→==σ
c) MPa29,28mm/N29,28
86,706
000.20
U
2
U =σ→==σ
Exercícios do item 2.5: 1) Calcule o módulo de Young (Ε) da barra do problema
anterior.
εΕ=σ .
3
10x75,3
mm800
mm3
L
L −
=ε→=
∆
=ε
3
2
10x75,3
mm/N15,14
−
=
ε
σ
=Ε 2
mm/N3,773.3=Ε→
MPa3,773.3:Ou =Ε GPa77,3=
2) Uma circunferência de raio R = 300 mm é desenhada em uma placa. Calcule ao
aplicar-se a tensão normal σx = 81,0 MPa os valores dos diâmetros ab e cd. Dados da
placa: Ε = 120 GPa; ν = 0,36
Lei de Hooke: σ=Εε xx σ=Εε→
9
6
x
x
10x120
10x81
=
Ε
σ
=ε → 4
x 10x75,6 −
=ε
mm405,0600x10x75,6L
L
L 4
x
x
x
x ==∆→
∆
=ε −
mm405,600405,0600LFab =+=
Coeficiente de Poisson (ν):
x
y
ε
ε
−=ν → xy εν−=ε =
4
10x75,6x36,0 −
− =
4
10x43,2 −
−
mm1458,0600x10x43,2L
L
L 4
y
y
y
y −=−=∆→
∆
=ε −
mm8542,5991458,0600LFcd =−=
3) Um bloco de massa m = 1.500 kg é sustentado por dois cabos de seção transversal
circular. Sendo dados d1 = 8,0 mm; d2 = 12,0 mm; Ε1 = 70 GPa e Ε2 = 120 GPa, calcule:
a) o valor do ângulo θ sabendo σ1 = σ2 ;
b) valor da tensão normal nas duas barras;
c) a deformação linear específica das duas barras.
θ
=→=−θ→=∑ sen
P
F0PsenF0F 22y
θ
θ
=→=θ−→=∑ cos
sen
P
F0cosFF0F 121x
a)
2
2
1
1
21
A
F
A
F
=→σ=σ
36
1
16
cos
)6(
sen
P
)4(
sen
cosP
22
=
θ
→
π
θ=
π
θ
θ
o
61,63
36
16
cosarc =θ→





=θ
b) 2
o
o
1
1
1
)4(
)61,63(sen
)61,63(cosP
A
F
π
==σ = 2
mm/N2,145496,0
16
81,91500
=⋅
⋅π
⋅
=
⋅π
⋅
=
π
==σ
36
8958,0
81,91500
)6(
)61,63(sen
P
A
F
2
o
2
2
2
2
mm/N2,145
c) Lei de Hooke: σ=Εε
3
123
2
1111 10x074,2
)mm/N(10x70
)mm/N(2,145 −
=ε→=ε→σ=Εε
3
223
2
2222 10x21,1
)mm/N(10x120
)mm/N(2,145 −
=ε→=ε→σ=Εε
Exercícios do item 3.1: 1) Uma barra prismática de aço, com seção transversal circular,
tem 6,0 metros de comprimento e está solicitada por uma força axial de tração F = 104
N. Sabendo-se que o alongamento da barra é de 2,5 mm e que Ε = 205 GPa, calcule:
a) o diâmetro da barra;
b) a tensão normal.
a) mm1,6R
R10x205
6000x10
5,2
AE
LF
L 23
4
=→
π⋅
=→=∆
Então: d = 12,2 mm
b) 2
2
4
mm/N5,85
)1,6(
10
A
F
=
π
==σ
2) Calcule o alongamento dos dois cabos da estrutura abaixo.
Dados: φ1 = φ2 = 25,4 mm; L1 = L2 = 3,5 m; Ε1 = Ε2 = 70 GPa
mm22,0
7,50610x70
3500x2,2269
L
AE
LF
L 31
11
11
1 =
⋅
=∆→=∆
mm37,0
7,50610x70
3500x8,3730
L
AE
LF
L 31
22
22
2 =
⋅
=∆→=∆
3) Calcule o alongamento das duas barras da treliça abaixo.
Dados: φ1 = 12,5 mm ; φ2 = 20 mm; L1 = 1,0 m; L2 = 2,0 m; Ε1 = 205 GPa; Ε2 = 120 GPa
mm14,0
7,12210x205
1000x1,3536
L
AE
LF
L 31
11
11
1 =
⋅
=∆→=∆
mm19,0
2,31410x120
2000x1,3536
L
AE
LF
L 31
22
22
2 =
⋅
=∆→=∆
Exercícios do item 3.2: 1) Calcule o deslocamento horizontal do ponto de aplicação da
força de 200 kN. Dados: A = 800 mm2
; Ε = 70 GPa
mm18,22
80010x70
1800x000.250
80010x70
3600x000.80
80010x70
5400x000.200
AE
LF
H 333
n
1i ii
ii
=
⋅
+
⋅
−
⋅
==∆ ∑
=
2) Duas barras de seção transversal circular são soldadas como mostra a figura. Sendo
dados: φ1= 14 mm; φ2 = 8 mm; Ε1= Ε2 = 70 GPa, calcule:
a) a tensão normal nas duas barras;
b) o alongamento da barra.
a) 22
1 mm9,153)7(A =π=
22
2 mm3,50)4(A =π=
2
1 mm/N98,51
9,153
8000
==σ
2
2 mm/N64,59
3,50
3000
==σ
b) mm91,1
9,15310x70
2000x000.5
9,15310x70
2000x000.3
3,5010x70
500x000.3
L 333
=
⋅
+
⋅
+
⋅
=∆
3) Calcule a tensão normal máxima e o alongamento da barra prismática abaixo. Dados:
A = 7,1 x 10− 4
m2
; Ε = 120 GPa; γ = 44.300 N/m3
• A tensão normal máxima ocorre no apoio:
266
4máx m/N10x22,010x63,55x300.44
10x1,7
000.4
L
A
F
+=+=γ+=σ −
MPa85,5m/N10x85,5 26
máx ==σ
• Cálculo do alongamento:
E2
L
AE
LF
L
2
γ
+=∆
O alongamento máximo ocorre na extremidade livre:
m10x61,410x41,1
10x120x2
544300
10x1,710x120
0,3x000.4
L 64
9
2
49máx
−−
−
+=
⋅
+
⋅
=∆
mm146,0m10x46,1L 4
máx ==∆ −
Exercícios do item 3.3: 1) Calcule a tensão normal nas três barras da treliça abaixo e o
deslocamento vertical do ponto de aplicação da força P.
Dados: P = 15.000 N; Ε1 = Ε2 = 205 GPa; Α1 = Α2 = 2 x 10 − 4
m
2
Diagrama de corpo livre:
055cosF55cosF0F o
1
o
1x =+−→=∑
0PF55senF.20F 2
o
1y =−+→=∑
De onde: 1,64 F1 + F2 = P (1)
Temos uma equação e duas incógnitas, o problema é uma vez hiperestático. A outra
equação virá da “compatibilidade dos deslocamentos”.
11
o
22
11
11o
22
22
LF35cosLF
AE
LF
35cos
AE
LF
=→=
Cálculo do comprimento da barra 1: L1 cos35o
= L2
m44,2L
35cos
0,2
L 1o1 =→=
Da equação de compatibilidade:
121
o
2 F49,1F44,2F35cos0,2xF =→= (2)
Colocando-se a equação (2) na equação (1), tem-se:
1,64 F1 + 1,49 F1 = P
N4792F000.15F13,3 11 =→=
F2 = 7.140 N
Cálculo da tensão normal nas barras 1 e 2::
MPa96,23
10x2
4792
A
F
14
1
1
1 =σ→==σ
−
MPa70,35
10x2
7140
A
F
24
2
2
2 =σ→==σ
−
Cálculo do deslocamento vertical do ponto de aplicação da força P:
mm35,0V
10x2x10x205
000.2x7140
AE
LF
LV
49
22
22
2 =∆→==∆=∆
−
Exercício 2): A barra rígida (indeformável) AB, de peso desprezível, é rotulada em A,
suspensa por dois cabos e suporta uma força P = 58.000 N. Calcule a tensão normal
nos cabos 1 e 2 e a reação vertical no apoio A.
Dados: L1 = L2; Ε1 = 70 GPa; Ε2 = 205 GPa; Α1 = Α2 = 5 x 10 − 4
m
2
0PFFV0F 21Ay =−++→=∑ (1)
0d4xFd3xPd2xF0M 21A =+−→=∑
De onde: Px3Fx4Fx2 21 =+ (2)
Temos duas equações independentes da estática e três incógnitas. O Problema é uma
vez hiperestático e a outra equação virá da compatibilidade dos deslocamentos.
21
21
LL2
d4
L
d2
L
∆=∆→
∆
=
∆
9
2
9
1
22
22
11
11
10x205
F
10x70
F
2
AE
LF
AE
LF
2 =→=
De onde: F2 = 5,86 F1 (3)
Colocando-se a equação (3) na equação (2), tem-se:
Px3F86,5x4Fx2 11 =+
25,44 F1 = 3 x 58.000 → F1 = 6.839,6 N
F2 = 40.080,1 N
Cálculo da tensão normal nos cabos:
MPa68,13
10x5
6,6839
A
F
14
1
1
1 =σ→==σ
−
MPa16,80
10x5
6,080.40
A
F
24
2
2
2 =σ→==σ
−
Cálculo da reação vertical no apoio A (equação (1):
N3,080.11000.581,080.406,839.6PFFV 21A =+−−=+−−=
Exercício 3): A barra prismática abaixo está presa em dois apoios indeformáveis e
solicitada por uma força axial F. Determine as reações nos apoios A e B.
0HFH0F BAx
=+−→=∑ (1)
O problema é uma vez hiperestático. Vamos retirar um dos apoios e determinar o
deslocamento que o apoio retirado está impedindo.
Colocando-se o apoio retirado, tem-se:
Compatibilidade dos deslocamentos:
L
a.F
H
EA
L.H
EA
a.F
LL B
B
21 =→=→∆=∆
L
b.F
H)aL(
L
F
L
a.F
L
L
F
L
a.F
FHHFH AABA =→−=−=−=→−=
Exercício 4): A barra prismática abaixo está carregada axialmente por duas forças F1 e
F2. Calcule:
a) as reações nos apoios indeformáveis A e B;
b) a tensão normal no meio da barra.
Dados: F1 = 2.000 N; F2 = 3.500; Aseção transversal = 200 mm
2
Superposição dos efeitos:
N6,384.1
6,2
8,1x000.2
L
b.F
H 11
A === N4,615
6,2
8,0x000.2
L
a.F
H 11
B ===
N7,807
6,2
6,0x500.3
L
b.F
H 22
A === N3,692.2
6,2
0,2x500.3
L
a.F
H 22
B ===
N9,5767,8076,384.1HHH 2
A
1
AA =−=+=
N9,076.23,692.24,615HHH 2
B
1
BB =+−=+=
Cálculo da tensão normal no meio da barra:
F = força normal axial no meio da barra
F = − HÁ + F1 = − 576,9 + 2.000 = 1.423,1 N
Ou: F = − HB + F2 = − 2.076,9 + 3.500 = 1.423,1 N
Então: MPa1,7:oumm/N1,7
200
1,423.1
A
F 2
=σ===σ
Exercício 5): A barra prismática está na posição indicada quando a força F = 0. Calcule
as reações nos apoios rígidos A e B quando for aplicada a força F = 18.000 N.
Dados: Ε = 1,5 GPa; Α = 5 x 10 − 3
m2
OBS.: Se a barra não encostar no apoio B as reações são dadas por:
HÁ = 18.000 N e HB = 0.0
Vamos retirar o apoio B:
mm8,4
10x5x10x5,1
000.2x000.18
EA
000.2xF
L
391 ===∆
−
Colocando-se o apoio B, a reação HB deverá diminuir (encurtar) a barra de ∆L1 – 2 mm.
N5,562.6H0,28,4
10x5x10x5,1
200.3xH
B39
B
=→−=
−
N5,437.115,562.6000.18HFHH ABA =−=→=+
Exercícios Capítulo Três, item 3.4: 1) A barra prismática abaixo está livre de tensão
quando a temperatura é igual a 20ºC. Sabendo que os engastes são indeformáveis
calcule a tensão normal na barra quando a temperatura subir para 50ºC.
Dados: Ε = 205 GPa; α = 11,7 x 10 − 6
/o
C
Retirando-se o apoio B, tem-se:
Compatibilidade dos deslocamentos
TF LL ∆=∆
TL
EA
FL
∆α=
TE ∆α=σ
30x10x7,11x10x205 69 −
=σ
26
m/N10x95,71=σ
Ou: σcompressão = 71,95 MPa
2) A barra prismática abaixo está livre de tensão quando a temperatura é igual a 25º C.
Sabendo que os engastes A e B são indeformáveis calcule a tensão normal na barra
quando a temperatura descer para − 60ºC.
Dados: Ε = 70 GPa; α = 21,6 x 10 − 6
/o
C; L = 4,0 m
Compatibilidade dos deslocamentos
TF LL ∆=∆
TL
EA
FL
∆α=
TE ∆α=σ
85x10x6,21x10x70 69 −
=σ
26
m/N10x52,128=σ
Ou: σtração = 128,52 MPa
3) Resolva o problema anterior considerando que à temperatura t = − 60º C o apoio B
se desloca de 3 mm e o apoio A continua indeformável.
Dados: Ε = 70 GPa; α = 21,6 x 10 − 6
/
o
C; L = 4,0 m
T
3
F L10x3L ∆=+∆ −
TL10x3
EA
FL 3
∆α=+ −
TL10x3
E
L 3
∆α=+
σ −
85x4x10x6,2110x3
10x70
4x 63
9
−−
=+
σ
33
9
10x310x344,7
10x70
4x −−
−=
σ
26
m/N10x02,76=σ
Ou: σtração = 76,02 MPa
4) A estrutura abaixo é perfeitamente ajustada aos engastes rígidos A e B quando a
temperatura é igual a 18º C. Calcule a tensão normal nas barras 1 e 2 quando a
temperatura subir para 100º C.
Dados: Ε1 = Ε2 = 205 GPa; α1 = α2 = 12 x 10 − 6
/o
C; Α1 = 600 mm2
;
Α2 = 300 mm
2
TLTLL 2211T ∆α+∆α=∆
82x400x10x1282x500x10x12L 66
T
−−
+=∆ = 0,8856 mm
22
2
11
1
F
AE
FL
AE
FL
L +=∆
300x10x205
400xF
600x10x205
500xF
L
33F +=∆ = 1,0569 x 10
– 5
. F
∆LF = ∆LT
então: 1,0569 x 10 – 5
. F = 0,8856
F = 83.791,4 N
Cálculo da tensão normal:
2
1
1 mm/N7,139
600
4,791.83
A
F
===σ
Ou: σ1 = 139,7 MPa
2
2
2 mm/N3,279
300
4,791.83
A
F
===σ
Ou: σ2 = 279,3 MPa
5) A barra prismática está na posição indicada na figura abaixo quando a temperatura é
igual a 25º C. Sabendo que apoios A e B são indeformáveis calcule a tensão normal na
barra quando a temperatura for igual a:
a) 10º C;
b) 70º C;
c) 105º C;
Dados: Ε = 70 GPa; que α = 20 x 10 − 6
/
o
C
a) σ = 0,0
b) mm5,2mm25,245x500.2x10x20L 6
T <==∆ −
Portanto, a barra não vai encostar no apoio B, então: σ = 0,0
c) mm5,2mm0,480x500.2x10x20L 6
T >==∆ −
2
compressão33F mm/N42
10x70
500.2x
5,1
A10x70
500.2xF
L =σ→
σ
=→=∆
6) As barras estão na posição indicada na figura abaixo quando a temperatura é igual a
− 5º C. Determine a distância “d” que o ponto a se desloca quando a temperatura subir
para 40º C. Considere que a barra ab tenha coeficiente de dilatação térmica
insignificante. Dados: α1 = 23 x 10 − 6
/
o
C; α2 = 12 x 10 − 6
/
o
C
mm93,045x900x10x23TLLT 6
111 ==∆α=∆ −
mm49,045x900x10x12TLLT 6
222 ==∆α=∆ −
290
x
30
49,093,0
290
x
30
LTLT 21
=
−
→=
∆−∆
mm25,4290.
30
44,0
x
30
44,0
290
x
==→=
mm74,425,449,0d =+=
7) Um tubo de alumínio mede 35 m à temperatura de 22º C. Um tubo de aço, à mesma
temperatura, é 5 mm mais longo. Calcule em qual temperatura estes tubos terão o
mesmo comprimento.
Dados: αAlumínio = 21,6 x 10 − 6
/
o
C; αS = 11,7 x 10 − 6
/
o
C
SAL LT005.35LT000.35 ∆+=∆+
TL005.35TL000.35 SSALAL ∆α+=∆α+
Tx005.35x10x7,11005.35T000.35x10x6,21000.35 66
∆+=∆+ −−
T410,0005.35T756,0000.35 ∆+=∆+
000.35005.35T410,0T756,0 −=∆−∆
C45,14T5T346,0 o
=∆→=∆
C45,36T45,1422T o
=→+=
Observação: à temperatura t = 36,45ºC têm-se os seguintes comprimentos:
mm92,010.3545,14x000.35x10x6,21000.35L 6
AL =+= −
mm92,010.3545,14x005.35x10x7,11005.35L 6
S =+= −
Exercícios do Capítulo Quatro: Exercício: 1) Calcule a tensão de cisalhamento média
que ocorre na cola.
MPa5,2m/N10x5,2
10,0x04,0x2
000.20
A
F 26
mm ==τ→==τ
Ou:
MPa5,2mm/N5,2
100x40x2
000.20
A
F 2
mm ==τ→==τ
2) Um bloco está solicitado por uma força F = 112 kN. Calcule:
a) A tensão cisalhante média;
b) O deslocamento do ponto d considerando-se que a face inferior não se desloca.
Dados: Ε = 87,5 GPa; ν = 0,25
a) →==τ
50x160
000.112
A
F
m
2
m mm/N14=τ
b)
γ=∆→
∆
=γ≅γ 80
80
tg
Lei de Hooke no cisalhamento: γ=τ G
GPa35G
)25,01(2
5,87
)1(2
E
G =→
+
=
ν+
=
.rad10x4
)mm/N(10x35
)mm/N(14
G
4
23
2
−
=γ→=
τ
=γ
mm032,010x4x80 4
=∆→=∆ −
3) Calcule a tensão de cisalhamento média no pino e a tensão normal de tração média
no cabo da estrutura abaixo.
2
méd2méd mm/N7,71
10x14,3
500.22
A
F
=τ→==τ
2
méd2méd mm/N5,292
7x14,3
000.45
A
F
=σ→==σ
4) Calcule a tensão de cisalhamento nos parafusos da ligação abaixo. Dados: F =
35.000 N; d = 19,05 mm
Neste caso n = 4 e nA = 1 (corte simples)
2
méd2méd mm/N7,30
)525,9(x14,3x1x4
000.35
A
F
=τ→==τ
5) Calcule o diâmetro dos parafusos da ligação abaixo.
Dados: F = 200.000 N;
2
__
mm/N95=τ
Para este problema: n = 8 e nA = 1 (corte simples)
mm15,9R
)R(x14,3x1x8
000.200
95
A
F
2méd =→=→=τ
Portanto: d = 18,3 mm
6) Calcule a tensão de cisalhamento nos parafusos da ligação abaixo e a tensão normal
nas chapas. Dado: d = 12 mm
1ª opção: F = 15.000 N; n = 6; An = 1
2
méd2méd mm/N1,22
)6(x14,3x1x6
000.15
A
F
=τ→==τ
2
mm/N50
100x3
000.15
A
F
=σ→==σ
2ª opção: F = 30.000 N; n = 6; An = 2
2
méd2méd mm/N1,22
)6(x14,3x2x6
000.30
A
F
=τ→==τ
2
mm/N50
100x6
000.30
A
F
=σ→==σ
7) Um suporte para televisão é sustentado por um pino de 8 mm de diâmetro. Calcule a
tensão de cisalhamento média no pino sabendo que a massa da televisão é igual a 25
kg.
Observação: a força cisalhante no pino é provocada pelo binário exigido para o equilíbrio
de momentos fletores.
050xF800xP0MA =−→=∑
N924.3F50xF800x81,9x25 =→=
Cálculo da tensão cisalhante média no pino:
2
m2m mm/N1,78
4x14,3
924.3
A
F
=τ→==τ
Exercícios do Capítulo 5: 1) Para o eixo abaixo calcule:
a) a tensão de cisalhamento máxima;
b) o giro relativo da seção transversal B em relação ao engaste indeformável A;
c) o deslocamento horizontal do ponto c.
Dados: =T 4.600 N.mm; G = 60 GPa.
a)
J
r.T
=τ
( ) ( ) 4444
i
4
e mm2,270.8J1218
32
DD
32
J =→−
π
=−
π
=
MPa01,5:oumm/N01,5
2,270.8
9x600.4
máx
2
máx =τ==τ
b) .rad10x42,7
2,270.8x10x60
800x600.4
GJ
TL 3
3
−
===θ
c)
mm067,010x42,7x9x9
9
tg 3
==θ=∆→
∆
=θ≅θ −
2) Um eixo de seção transversal circular fica solicitado pelos momentos de torção
indicados na figura abaixo. Calcule a tensão de cisalhamento máxima e o giro relativo da
seção transversal B em relação ao engaste indeformável A. Dado: G = 25 GPa.
J
r.T
=τ onde:
444
mm3,592.613J50
32
D
32
J =→
π
=
π
=
MPa67,1:oumm/N67,1
3,592.613
25x000.41
máx
2
máx =τ==τ
GJ
TL
=θ
.rad10x194,3
3,592.613x10x25
000.2x000.63
3,592.613x10x25
500.3x000.22 3
33B
−
−=−=θ
Resposta: .rad10x194,3 3
B
−
=θ (no sentido de 63.000 N.mm)
3) A tensão de cisalhamento máxima que solicita o eixo abaixo é igual a 32,5 MPa.
Sabendo que o eixo tem seção transversal circular (Φ = 12 mm) e L = 500 mm calcule o
valor da força F. Para este valor de F calcule o giro relativo da seção transversal onde
está aplicado o binário em relação ao engaste rígido. Dado: G = 42 GPa.
F12T =
44
mm75,2035J12
32
J =→
π
=
N9,918F
75,2035
6F12
5,32
J
r.T
máx =→
⋅
==τ→=τ
Cálculo do ângulo de torção:
75,2035x10x42
5009,91812
GJ
TL
3
⋅⋅
==θ
.rad064,0=θ (ou: 3,7º)
4) Determine as reações nos engastes indeformáveis. O eixo é prismático e tem seção
transversal circular.
TTT0M BA =+→=∑
O Problema é uma vez hiperestático. Precisamos de mais uma equação que virá da
“compatibilidade dos deslocamentos”. Retirando-se o apoio B tem-se o giro relativo θB:
JG
a.T
GJ
TL
B ==θ
Colocando-se o engaste B, tem-se o giro relativo :|
Bθ
JG
L.TB|
B =θ
Compatibilidade dos deslocamentos:
JG
L.TB
B
|
B →θ=θ
JG
a.T
=
L
a.T
TB =
Da equação de equilíbrio:
=−=−=
L
a.T
TTTT BA T
L
L
L
a.T
−
L
b.T
T)aL(
L
T
T AA =→−=
Exercício do item 5.5: Calcule a tensão de cisalhamento média da barra com seção
vazada de parede fina com espessura t constante.
tA2
T
méd =τ
Onde: A é a área limitada pela linha do esqueleto
2
médméd mm/N21,10
3x204.2x2
000.135
=τ→=τ
Exercícios do item 6.4: 1) Calcule a tensão normal e a tensão cisalhante nos pontos
KeJ,I .
Esforços internos na seção transversal que contém os três pontos:
M = − 15.000 N.m e V = − 5.000 N
44
3
Z m10x8,1
12
30,0x08,0
I −
==
Cálculo da tensão normal (σ):
ZI
y.M
=σ
MPa5,12m/N10x5,12
10x8,1
)15,0(x000.15 26
I4I ==σ→
−−
=σ −
0
10x8,1
)0(x000.15
J4J =σ→
−
=σ −
MPa5,12m/N10x5,12
10x8,1
)15,0(x000.15 26
K4K −=−=σ→
−
=σ −
Cálculo da tensão cisalhante (τ):
ZI.b
Q.V
=τ
0
10x8,1x08,0
0x000.5
4I ==τ −
MPa3125,0m/N10x125,3
10x8,1x08,0
075,0x15,0x08,0x000.5 25
4J ===τ −
0
10x8,1x08,0
0x000.5
4K ==τ −
Exercício 2) Uma viga em balanço tem largura b constante em todo o comprimento igual
a 10 cm e altura variável, como mostra a figura abaixo. Calcule máxcmáxtmáx e, τσσ
no meio da viga e no engaste. Dado; P = 30.000 N
• No meio da viga tem-se:
M = − 30.000 (N) x 2,5 (m) = − 75.000 N.m
V = − 30.000 N
45
3
Z m10x8125,2
12
15,0x10,0
I −
==
MPa200m/N10x200
10x8125,2
)075,0(x000.75 26
5tmáx ==
−−
=σ −
MPa200m/N10x200
10x8125,2
)075,0(x000.75 26
5cmáx −=−=
−
=σ −
MPa3m/N10x3
10x8125,2x10,0
)0375,0x075,0x10,0(x000.30 26
5máx ===τ −
• No engaste da viga tem-se:
M = − 30.000 (N) x 5,0 (m) = − 150.000 N.m
V = − 30.000 N
44
3
Z m10x3021,1
12
25,0x10,0
I −
==
MPa144m/N10x144
10x3021,1
)125,0(x000.150 26
4tmáx ==
−−
=σ −
MPa144m/N10x144
10x3021,1
)125,0(x000.150 26
4cmáx −=−=
−
=σ −
MPa8,1m/N10x8,1
10x3021,1x10,0
)0625,0x125,0x10,0(x000.30 26
4máx ===τ −
Exercício 3: Para a viga abaixo calcule as tensões normais extremas (σmáx T e σmáx C ) e
a maior tensão cisalhante.
N000.27VV0F BAY =+→=∑
09,3xV7,2x000.152,1x000.120M BA =−+→=∑
N9,076.14VB =
02,1x000.157,2x000.129,3xV0M AB =−−→=∑
N1,923.12VA =
44
3
Z m10x998,6
12
36,0x18,0
I −
==
MPa34,4m/N10x34,4
10x998,6
18,0x3,892.16 26
4tmáx ===σ −
MPa34,4m/N10x34,4
10x998,6
)18,0(x3,892.16 26
4cmáx −=−=
−
=σ −
MPa326,0m/N2,854.325
10x998,6x18,0
09,0x18,0x18,0x9,076.14 2
4máx ===τ −
Exercício 4: A viga abaixo está solicitada por três forças atuando no plano de simetria
vertical. Calcule as tensões normais extremas (σmáx T e σmáx C ) e a maior tensão
cisalhante.
N500.12VV0F BAY =+→=∑
09x000.20,6xV0,4x500.40,2x000.60M BA =+−+→=∑
N000.8VB =
00,3x000.20,2x500.40,4x000.6Vx60M AB =+−−→=∑
N500.4VA =
Cálculo do momento de inércia IZ:
44
33
Z m10x25,2
12
30,0x10,0
12
h.b
I −
===
Cálculo das tensões normais extremas:
26
4
Z
Tmáx m/N10x0,6
10x25,2
15,0x000.9
I
y.M
===σ −
= 6,0 MPa
26
4
Z
Cmáx m/N10x0,6
10x25,2
)15,0(x000.9
I
y.M
−=
−
==σ −
= − 6,0 MPa
Cálculo de τmáx:
ZIb
Q.V
=τ
25
4máx m/N10x0,3
1025,2x10,0
)075,0x15,0x10,0(x000.6
==τ −
Exercícios do item 6.7: 1) Sendo Ε Ι = constante, determine:
a) a equação da tangente à linha elástica;
b) a equação da linha elástica;
c) a deflexão do ponto A;
d) a deflexão do ponto d.
Colocando-se o sistema de referência no ponto A:
)x(M)x(vIE ||
−=
)Lx0(x.P)x(M ≤≤−=
x.P)x(vIE ||
+=
1
2
|
C
2
xP
)x(vIE +=
Os engastes impedem rotações, então: 0)L(v |
=
2
PL
C0C
2
LP
)L(vIE
2
11
2
|
−=→=+=
a)
2
PL
2
xP
)x(vIE
22
|
−=
Integrando a equação acima tem-se a expressão de v(x):
2
23
C
2
xPL
6
xP
)x(vIE +−=
Os engastes impedem deslocamentos, então: 0)L(v =
3
PL
2
PL
6
PL
C0C
2
LPL
6
LP
)L(vIE
333
22
23
=+−=→=+−=
b)
3
PL
2
xPL
6
xP
)x(vIE
323
+−=
c)
3
PL
2
0PL
6
0P
)0(vIE
323
+−=
IE3
PL
v)0(v
3
A ==
d)
( )
3
PL
2
)2L(PL
6
2LP
)2L(vIE
323
+−=
3
333
PL
48
)16121(
3
PL
4
PL
48
PL
)2/L(EIv
+−
=+−=
EI48
PL5
v)2/L(v
3
d ==
2) Sendo Ε Ι = constante, determine:
a) a equação da tangente à linha elástica;
b) a equação da linha elástica;
c) a deflexão do ponto A;
d) a deflexão do ponto d.
)Lx0(
2
qx
)x(M
2
≤≤−=
2
qx
)x(vIE
2
||
+=
1
3
|
C
6
qx
)x(vIE +=
Os engastes impedem rotações, então: 0)L(v |
=
6
qL
C0C
6
Lq
)L(vIE
3
11
3
|
−=→=+=
a)
6
qL
6
xq
)x(vIE
33
|
−=
Integrando a equação acima tem-se a expressão de v(x):
2
34
C
6
xqL
24
xq
)x(vIE +−=
Os engastes impedem deslocamentos, então: 0)L(v =
8
qL
6
qL
24
qL
C0C
6
LqL
24
Lq
)L(vIE
444
22
34
=+−=→=+−=
b)
8
qL
6
xqL
24
xq
)x(vIE
434
+−=
c)
8
qL
6
0qL
24
0q
)0(vIE
434
+−=
IE8
qL
v)0(v
4
A ==
d)
8
qL
6
)3/L(qL
24
)3/L(q
)3/L(vIE
434
+−=
4
444
qL
1944
)2431081(
8
qL
18
qL
1944
qL
)3/L(EIv
+−
=+−=
EI243
qL17
EI1944
qL136
v)3/L(v
44
d ===
3) Sendo Ε Ι = constante, determine:
a) a equação da tangente à linha elástica;
b) a equação da linha elástica;
c) a deflexão máxima;
d) a rotação nos apoios.
)Lx0(
2
qx
x
2
qL
2
qx
xV)x(M
22
A ≤≤−=−=
2
qx
x
2
qL
)x(vIE
2
||
+−=
1
3
2|
C
6
qx
x
4
qL
)x(vIE ++−=
21
4
3
CxC
24
qx
x
12
qL
)x(vIE +++−=
Condições de contorno (ou condições de extremidades):
0)0(v = e 0)L(v =
0C0C0C
24
0q
0
12
qL
)0(vIE 221
4
3
=→=+++−=
0LC
24
qL
L
12
qL
)L(vIE 1
4
3
=++−=
24
qL
C
24
qL
12
qL
LC
3
1
44
1 =→−=
a)
24
qL
6
qx
x
4
qL
)x(vIE
33
2|
++−=
b) x
24
qL
24
qx
x
12
qL
)x(vIE
34
3
++−=
c) A deflexão máxima ocorre no meio da viga:
)2/L(
24
qL
24
)2/L(q
)2/L(
12
qL
)2/L(vIE
34
3
++−=
4
444
qL
384
)814(
48
qL
384
qL
96
qL
)2/L(vIE
++−
=++−=
IE384
qL5
)2/L(vv
4
máx ==
Observação: Para vigas bi-apoiadas a deflexão máxima ocorre onde
0)x(v|
=
0
24
qL
6
qx
x
4
qL
)x(vIE
33
2|
=++−=
De onde:
0LxL6x40
24
L
x
4
L
6
x 323
3
2
3
=+−→=+−
A equação do terceiro grau acima fornece três raízes reais que são:
X1 = 1,366L
X2 = 0,5L
X3 = − 0,366L
d) Rotação nos apoios: )x()x(v|
θ≅
IE24
qL
)0(v
24
qL
6
0q
0
4
qL
)0(vIE
3
A
|
33
2|
=θ≅→++−=
IE24
qL
)L(v
24
qL
6
qL
L
4
qL
)L(vIE
3
B
|
33
2|
−=θ≅→++−=
4) Determine a deflexão no meio da viga. IE = constante.
Trecho 1: )2/Lx0(x
2
P
)x(M ≤≤=
x
2
P
)x(vIE ||
−=
1
2|
Cx
4
P
)x(vIE +−=
Para x = L/2: v|
(L/2) = 0
16
PL
C0C)2/L(
4
P
)2/L(vIE
2
11
2|
=→=+−=
2
2
3
Cx
16
PL
x
12
P
)x(vIE ++−=
Para x = 0: v(0) = 0
0C0C0
16
PL
0
12
P
)0(vIE 22
2
3
=→=++−=
Cálculo da deflexão no meio do vão:
3
332
3
PL
96
)31(
32
PL
96
PL
)2/L(
16
PL
)2/L(
12
P
)2/L(vIE
+−
=+−=+−=
IE48
PL
v)2/L(v
3
máx ==
5) Sabendo que a deflexão máxima da viga abaixo é igual a 0,6 cm calcule o valor do
módulo de elasticidade da viga abaixo. IE = constante.
IE48
PL
v
3
máx =
44
3
z m10x375,3
12
30,015,0
I −
=
⋅
=
4
3
10x375,3E48
)4,6(26000
006,0 −
⋅⋅
=
29
m/N10x12,70E = ou: GPa12,70E =
6) Calcule a deflexão (flecha) máxima da viga abaixo. IE = constante.
Dados: Ε = 120 GPa; q = 80.000 N/m
43
33
m10x083,2I
12
)5,0(20,0
12
hb
I −
=→
⋅
==
EI
qL00652,0
v)L52,0(v
4
máx ==
m10x3,1
10x083,2x10x120
)5(x000.80x00652,0
v 3
39
4
máx
−
−
==
Exercícios do item 7.1: 1) Para a estrutura abaixo calcule as tensões normais extremas
e a posição da linha neutra.
Dado: F = 100.000 N
Reduzindo a força F ao centróide tem-se:
MZ = 100.000 (N) x 100 (mm) = 1,0 x 10
7
N.mm
z
z
I
yM
A
F ⋅
+=σ
12
400x200
y10x0,1
400x200
100.000
3
7
⋅
−−=σ
y10x375,91,25 3
⋅−−=σ −
Cálculo das tensões normais extremas:
23
Tmáx mm/N625,0)200(10x375,91,25 =−−−=σ −
23
Cmáx mm/N125,3)200(10x375,91,25 −=−−=σ −
Equação da linha neutra: σ = 0
y10x375,91,250 3
⋅−−= −
mm133,33
10x375,9
1,25
y 3
−=
−
= −
Exercício 2) Calcule a tensão normal nos pontos f e g e a posição da linha neutra no
engaste. Calcule também a tensão de cisalhamento máxima.
Seção transversal do engaste:
Mz = – 3000 x 3,7 – 5.000 x 2,5 = – 23.600 N.m
z
z
I
yM
A
F ⋅
+=σ
12
5,0x25,0
y23600
5,0x0,25
150.000
3
⋅
−−=σ
y10x06,910x1,2 66
⋅−−=σ
Cálculo das tensões normais:
MPa06,1)25,0(10x06,910x1,2 66
f =−⋅−−=σ
MPa46,3)25,0(10x06,910x1,2 66
g −=⋅−−=σ
Equação da linha neutra: σ = 0
y10x06,910x1,20 66
⋅−−=
m13,0
10x06,9
10x1,2
y 6
6
−=
−
=
Cálculo de τmáx:
ZIb
QV
⋅
⋅
=τ
2
3máx m/N000.96
10x604,2x25,0
0,125x0,25x0,25x8.000
==τ −
Exercícios do item 8.4: 1) Investigue se vai ocorrer flambagem do pilar BC. Dados: ΕBC =
120 GPa; LBC = 4,0 m.
Cálculo da carga crítica do pilar BC:
( )2
fl
min
2
CR
L
IE
P
π
=
4
3
min mm500.112
12
30x50
I ==
mm40004000x0,1LKLfl ==⋅=
( )
N5,327.8
4000
112500x10x120
P 2
32
CR =
⋅π
=
A força de compressão que atua no pilar BC é maior do que a carga crítica ( CRP ) do
pilar. Portanto, vai ocorre flambagem do pilar BC.
2) Resolva o problema anterior considerando-se que o pilar BC está engastado no ponto
C.
Cálculo da carga crítica do pilar BC:
( )2
fl
min
2
CR
L
IE
P
π
=
mm28004000x7,0LKLfl ==⋅=
( )
N9,994.16
2800
112500x10x120
P 2
32
CR =
⋅π
=
CRBC PF < , neste caso não vai ocorrer flambagem do pilar.
3) Calcule o valor crítico da força P. As duas barras têm seção transversal circular com
diâmetro φ = 15mm e módulo de elasticidade Ε = 205 GPa.
o
60)5,0(cosarc
69,0
345,0
cos =θ→=θ→=θ
P155,1
60sen
P
F0senFP0F o22Y
−=−=→=θ+→=∑
θ−=→=θ+→=∑ cosFF0cosFF0F 2121X
P5775,060cos)P155,1(F o
1 =−−=
Cálculo da carga crítica da barra 2:
( )2
fl
min
2
CR
L
IE
P
π
=
49
44
min m10x485,2
64
)015,0(
64
D
I −
=
π
=
π
=
m69,069,0x0,1LKLfl ==⋅=
( )
N560.10
69,0
10x485,2x10x205
P 2
992
CR =
⋅π
=
−
Para que ocorra flambagem da barra 2: F2 = Pcr, então:
N9,142.9P560.10P155,1 =→=
Exercício do item 9.2: Calcule a tensão normal e a tensão cisalhante nas direções θ =
60º e θ = 150º.
MPa32
25x15
000.12
A
F
xx −=σ→
−
==σ
Para θ = 60º tem-se as tensões:
MPa2460sen.32sen. 022
x −=−=θσ=σθ
MPa86,1360cos.60sen)32(cos.sen. oo
x =−−=θθσ−=τθ
Para θ = 150º tem-se as tensões:
MPa8150sen.32sen. 022
x −=−=θσ=σθ
MPa86,13150cos.150sen)32(cos.sen. oo
x −=−−=θθσ−=τθ
Exercício do item 9.3: Duas peças de madeira são coladas como mostra a figura abaixo.
A cola não pode ser tracionada e a tensão admissível ao cisalhamento é igual a 4,0
MPa. Investigue se a solicitação na cola é admissível.
θθτ+θσ+θσ=σθ sencos2cossen xy
2
y
2
x
( ) ( )θ−θτ+θθσ−σ=τθ
22
xyxy cossencossen
Neste problema: σx = 2,0 MPa ; σy = − 5,0 MPa ; τxy = 0,0
Para θ = 45º tem-se as tensões:
MPa5,1045cos0,545sen0,2 o2o2
−=σ→+−=σ θθ
( ) MPa5,3045cos45sen0,20,5 oo
−=τ→+−−=τ θθ
Conclusão: A solicitação na cola é admissível.
Exercício do item 9.5: 1) Um elemento estrutural fica solicitado pelas tensões indicadas
na figura abaixo. Calcule:
a) as tensões e as direções principais (mostre os resultados em um elemento orientado);
b) as tensões que atuam nos planos que formam ângulos de 10
0
;
c) a maior tensão de cisalhamento do plano xOy e a direção θ3.
a) 2
xy
2
yxyx
2
1
22
τ+






 σ−σ
±
σ+σ
=σ
( )2
2
2
1 25
2
8535
2
8535
−+




 −
±
+
=σ
então: MPa36,951 =σ e MPa64,242 =σ
0
1
x1
xy
1 5,22
3536,95
25
tg −=θ→
−
−
=
σ−σ
τ
=θ
0
2
2x
xy
2 5,67
64,2435
25
tg =θ→





−
−
−=







σ−σ
τ
−=θ
b) Para
0
10=θ , tem-se as tensões:
000202
10sen10cos)25(210cos8510sen35 −++=σθ MPa94,74=
( ) )10cos10sen(2510cos10sen3585 020200
−−−=τθ MPa04,32=
c) τmáx= 2
xy
2
yx
2
τ+






 σ−σ
τmáx= 2
2
)25(
2
8535
−+




 −
= 35,36 MPa
( )
0
33
yx
xymáx
3
51,22)4144,0(tanarc
5,0)8535(
2536,35
5,0
tg
=θ→=θ
⋅−
−
−=








⋅σ−σ
τ+τ
−=θ
2) Para um ponto da barra abaixo calcule:
a) as tensões principais e as direções principais (mostre os resultados em um
elemento orientado):
b) τmáx do plano xoy e a direção θ3 .
22
mm68,126)35,6(A =π=
2
2x mm/N71
)mm(68,126
)N(000.9
A
F
===σ
a)
( )2
xy
2
yxyx
2
1
22
τ+






 σ−σ
±
σ+σ
=σ
( )2
2
2
1 0
2
071
2
071
+




 −
±
+
=σ 5,355,35 ±=
De onde: MPa711 =σ e 02 =σ
Cálculo das direções principais:
0
0
7171
0
tan
x1
xy
1 =
−
=
σ−σ
τ
=θ (indeterminado)
Neste caso, a fórmula acima não pode ser usada. Nos planos principais a tensão
cisalhante é nula. Então, σx e σy são tensões principais:
o
11x 90;MPa71 =θ=σ=σ
o
22y 0;0 =θ=σ=σ
b)
( )2
xy
2
yx
min
máx
2
τ+






 σ−σ
±=τ
( ) →+




 −
±=τ 2
2
min
máx 0
2
071
MPa5,35eMPa5,35 minmáx −=τ=τ
( ) 1
5,0)071(
05,35
5,0
tan
yx
xymáx
3 −=





⋅−
+
−=








⋅σ−σ
τ+τ
−=θ
o
3 45)1(tanarc −=−=θ
Observação: Em uma barra tracionada (ou comprimida) a tensão cisalhante máxima
atua nos planos que formam 45º com o eixo x e seu valor é a metade da tensão normal
máxima:
2
x
máx
σ
=τ . No entanto, dependendo da resistência do material máxτ pode
romper uma barra.
3) Um eixo maciço está solicitado por um torque Τ = 73.630 N.mm. Para um ponto
localizado na superfície do eixo calcule usando o círculo de Mohr:
a) as tensões principais e as direções principais (mostre os resultados em um
elemento orientado):
b) τmáx do plano xoy e a direção θ3.
O momento de torção (ou torque) produz um estado de cisalhamento puro.
J
r.T
=τ (Expressão válida para seção transversal circular)
4
44
mm3,592.613
32
)50(
32
D
J =
π
=
π
=
2
xyxy mm/N3
3,613592
25x73630
=τ→=τ
Círculo de Mohr:
Elemento orientado da letra a:
b) τmáx = 3,0 MPa θ3 = 90º
Exercícios do item 9.8: 1)Uma circunferência de raio r = 600 mm é desenhada em
uma placa quadrada de lado L = 1400 mm. Determine os comprimentos dos diâmetros
ab e cd depois de aplicadas as tensões indicadas.
Dados: σx = 150 MPa; σy = 80 MPa ; Ε = 70 GPa ; ν = 0,3
[ ])(
E
1
zyxx σ+σν−σ=ε
[ ] 366
9x 10x486,2)010x80(3,010x150
10x70
1 −
=+−−=ε
xxx LL
L
L
ε=∆→
∆
=ε
mm98,2120010x486,21200L 3
xab =⋅=⋅ε=∆ −
mm98,1202L98,21200L1200L abFababF =→+=∆+=
[ ])(
E
1
zxyy σ+σν−σ=ε
[ ] 366
9y 10x786,1)010x150(3,010x80
10x70
1 −
−=+−−=ε
yyy LL
L
L
ε=∆→
∆
=ε
mm14,2120010x786,11200L 3
ycd −=⋅−=⋅ε=∆ −
mm86,1197L14,21200L1200L cdFcdcdF =→−=∆+=
2) Em uma chapa de liga de titânio desenhou-se uma linha inclinada. Calcule o valor em
graus do ângulo β depois de aplicadas as tensões indicadas.
Dados: σx = 90 MPa; σy = 70 MPa Εtitânio = 120 GPa ; νtitânio = 0,36
o
55,27)5217,0(tanarc
mm230
mm120
tg =β→=β→=β
[ ])(
E
1
zyxx σ+σν−σ=ε
[ ] 466
9x 10x06,9)010x70(36,010x90
10x120
1 −
=+−−=ε
xxx LL
L
L
ε=∆→
∆
=ε
mm2208,023010x60,9230L 4
xx =⋅=⋅ε=∆ −
mm2208,230L2208,0230L230L FxxFx =→+=∆+=
[ ])(
E
1
zxyy σ+σν−σ=ε
[ ] 466
9y 10x53,8)010x90(36,010x70
10x120
1 −
−=+−−=ε
yyy LL
L
L
ε=∆→
∆
=ε
mm102,012010x53,8120L 4
yy −=⋅−=⋅ε=∆ −
mm898,119L102,0120L120L FyyFy =→−=∆+=
o
FFF 51,27)5208,0(tanarc
mm2208,230
mm898,119
tg =β→=β→=β
3) Uma barra está solicitada pela tensão normal σx. Para este caso demonstre que:
ν−
ε+ε+ε
=σ
21
E)( zyx
x
Lei de Hooke Generalizada:
[ ])(
E
1
zyxx σ+σν−σ=ε
[ ])(
E
1
zxyy σ+σν−σ=ε
[ ])(
E
1
yxzz σ+σν−σ=ε
Para uma barra solicitada pela tensão normal σx tem-se:
[ ]
E
)00(
E
1 x
xx
σ
=+ν−σ=ε
[ ]
E
)0(0
E
1 x
xy
νσ
−=+σν−=ε
[ ]
E
)0(0
E
1 x
xz
νσ
−=+σν−=ε
Somando as deformações εx , εy e εz tem-se:
EEE
xxx
zyx
νσ
−
νσ
−
σ
=ε+ε+ε
)1(
E
x
zyx ν−ν−
σ
=ε+ε+ε
ν−
ε+ε+ε
=σ
21
E)( zyx
x
4) Em muitas situações de carregamento a tensão normal em uma direção é igual a
zero, como na chapa da figura abaixo onde σz = 0 (estado plano de tensão). Para este
caso demonstre que:
ν−
ε+εν
−=ε
1
)( yx
z
Para uma chapa solicitada por σx e σy tem-se:
[ ] )(
E
1
)0(
E
1
yxyxx νσ−σ=+σν−σ=ε
[ ] )(
E
1
)0(
E
1
xyxyy νσ−σ=+σν−σ=ε
[ ] E
)(
)(0
E
1 yx
yxz
σ+σν
−=σ+σν−=ε
Somando as expressões de εx e εy , tem-se:
)(
E
1
yxyx νσ−σ=ε+ε + )(
E
1
xy νσ−σ
yxyx (
E
1
νσ−σ=ε+ε + )xy νσ−σ
)1()1(E)( yxyx ν−σ+ν−σ=ε+ε
)()1(E)( yxyx σ+σν−=ε+ε
De onde:
ν−
ε+ε
=σ+σ
1
E)( yx
yx
Colocando-se a expressão acima na expressão de εz, tem-se:
E
1
)(
EE
)( yxyx
z
ν−
ε+ε
⋅
ν
−=
σ+σν
−=ε
ν−
ε+εν
−=ε
1
)( yx
z
Exercícios sobre critério de resistência de von Mises (item 10.4)
2
Y
2
yz
2
xz
2
xyzyzxyx
2
z
2
y
2
x )(3 σ<τ+τ+τ+σσ−σσ−σσ−σ+σ+σ
1) Usando o critério de resistência de von Mises investigue se o eixo abaixo está em
segurança. Dado: MPa100Y =σ
26
2x m/N10x96,79
)025,0(
157000
A
F
=
π
==σ
J
rT⋅
=τ 26
4yx m/N10x06,25
32
)05,0(
025,0x615
=
π
=τ→
Critério de von Mises:
2
Y
2
xy
2
x )(3 σ<τ+σ
222
100)06,25(3)96,79( <+
000.106,277.8 <
Segundo o critério de von Mises o eixo está em segurança.
2) Sabendo que MPa240Y =σ calcule o valor do momento de torção que inicia o
escoamento do eixo abaixo.
J
rT⋅
=τ T10x2595,3
32
)25(
5,12xT 4
4yx
−
=
π
=τ→
2
Y
2
xy )(3 σ<τ
224
240)T10x5259,3(3 =−
57600T10x06243,1x3 27
=−
mm.N109.425T
10x72918,3
57600
T 7
2
=→= −
Observação: Usando o critério de Tresca: Y31 σ<σ−σ
2
xy
2
yxyx
2
1
22
τ+






 σ−σ
±
σ+σ
=σ 2
xy
2
1 τ±=σ→
T10x2595,3 4
xy1
−
=τ+=σ ; T10x2595,3 4
xy2
−
−=τ−=σ
As três tensões principais são:
T10x2595,3 4
1
−
=σ 02 =σ T10x2595,3 4
3
−
−=σ
Colocando as tensões principais extremas no critério de Tresca:
−−
T10x2595,3 4
240)T10x5259,3( 4
=− −
De onde: Τ = 368.155 N.mm
Comparação entre os critérios de von Mises e de Tresca:
1547,1
155.368
109.425
Tresca
Misesvon
==
Portanto, o valor do momento de torção que inicia o escoamento do eixo segundo o critério de
von Mises é 15,47% maior que o valor fornecido pelo critério de Tresca. Esta é a diferença
máxima entre os dois critérios e ocorre na torção pura.
3) Sabendo que MPa400Y =σ calcule o valor da força P inicia o escoamento da viga
abaixo.
A
F
I
yM
Z
+=σ
P100,5xP2M −=−=
30,0x2,0
P15
12
3,0x2,0
yP10
3
−
−
=σ
P250y.P22,222.22 −−=σ
Tensão normal no ponto b:
P250P33,333.3P250)15,0.(P22,222.22b −−=−−=σ
P33,3583b −=σ
Para que inicie o escoamento (critério de von Mises):
2622
Y
2
x )10x400()P33,3583( =−→σ=σ
Ou: N9,627.111P10x400P33,3583 6
=→=
Observação: Se tirar a força axial (N = 0):
N000.120P10x400P33,3333 6
=→=
4) Usando o critério de von Mises investigue se o elemento abaixo está em segurança.
Dado: MPa320Y =σ
2
Y
2
yz
2
xz
2
xyzyzxyx
2
z
2
y
2
x )(3 σ<τ+τ+τ+σσ−σσ−σσ−σ+σ+σ
2222222
320)306045(3110x)80(110x50)80(x50110)80(50 <+++−−−−−+−+
400.102875.47 <
Segundo o critério de von Mises o elemento está em segurança.
5) Usando o critério de von Mises calcule o valor da tensão normal σX que inicia o
escoamento do elemento abaixo. Dado: MPa720Y =σ
2
Y
2
yz
2
xz
2
xyzyzxyx
2
z
2
y
2
x )(3 σ<τ+τ+τ+σσ−σσ−σσ−σ+σ+σ
2222
xx
222
x 207)50400(3120801208012080 =+++⋅−⋅σ−⋅σ−++σ
849.42500.23200 x
2
x =+σ−σ
0349.19200 x
2
x =−σ−σ
De onde: MPa3,71eMPa3,271 xx −=σ=σ
6) Usando o critério de von Mises calcule o valor da tensão cisalhante τXY que inicia o
escoamento do elemento abaixo.
Dado: MPa150Y =σ
2
Y
2
yz
2
xz
2
xyzyzxyx
2
z
2
y
2
x )(3 σ<τ+τ+τ+σσ−σσ−σσ−σ+σ+σ
2222
xy
222
150)5040(3120801200800120800 =++τ+⋅−⋅−⋅−++
500.22)25001600(311200 2
xy =++τ+
7500480011200225003 2
xy −−−=τ
10003 2
xy −=τ
Portanto, para 0xy =τ o elemento já está escoando.
7) Usando o critério de von Mises calcule o valor da tensão cisalhante τXZ que inicia o
escoamento do elemento abaixo.
Dado: MPa150Y =σ
2
Y
2
yz
2
xz
2
xyzyzxyx
2
z
2
y
2
x )(3 σ<τ+τ+τ+σσ−σσ−σσ−σ+σ+σ
222
xz
2222
150)500(3120801200800120800 =+τ++⋅−⋅−⋅−++
500.22)7500311200 2
xz =+τ+
3
3800
38003 zx
2
zx =τ→=τ
MPa59,35zx =τ
8) Usando o critério de von Mises investigue se o elemento abaixo está em segurança
quando solicitado pelas tensões indicadas.
Dado: MPa320Y =σ
2
Y
2
yz
2
xz
2
xyzyzxyx
2
z
2
y
2
x )(3 σ<τ+τ+τ+σσ−σσ−σσ−σ+σ+σ
9) Usando o critério de von Mises investigue se o elemento abaixo está em segurança
quando solicitado pela tensão indicada.
Dado: MPa320Y =σ
2
Y
2
yz
2
xz
2
xyzyzxyx
2
z
2
y
2
x )(3 σ<τ+τ+τ+σσ−σσ−σσ−σ+σ+σ
Observação: “O escoamento ocorre sem variação de volume” (?????)
Vamos supor que uma barra de aço doce tem tensão de escoamento .MPa400Y =σ
Aplicando-se a F = 80.000 N, tem-se:
Y
2
mm/N400
2010
80000
σ==
⋅
=σ
Tensão esférica: 0
V
V
≠
∆
Tensões desvidadoras: 0
V
V
=
∆
A tensão de cisalhamento é igual a zero em todas as direções do estado de tensão esférico. O
escoamento é provocado pela tensão cisalhante, portanto, as tensões desviadoras são as
responsáveis pelo escoamento. Então, podemos afirmar que o escoamento ocorre sem
variação de volume?
Exercícios do Anexo à apostila:
1) Determine as coordenadas do centróide de uma área retangular.
h.b
dzdy.y
A
dA.y
y
h
0
b
0A
_
∫ ∫∫
== [ ] b.
2
h
.
h.b
1
z.
2
y
h.b
1 2
b
0
h
0
2
=





=
de onde:
2
h
y
_
=
h.b
dz.zdy
A
dA.z
z
h
0
b
0A
_
∫ ∫∫
== [ ]
2
b
h
h.b
1
2
z
.y
h.b
1 2b
0
2
h
0 ⋅⋅=





=
de onde:
2
b
z
_
=
O Sistema de referência pode ter origem em qualquer ponto do plano da área.
Para o sistema de referência acima:
mmxxz
_
=
→= 0y
_
0
A
dA.y
y A
_
==
∫
0dA.y:entãoA A
=∞≠ ∫
0dA.yQ AZ == ∫
O eixo z passa pelo centróide da área A, portanto, o momento estático de uma área
finita em relação a qualquer eixo que passa pelo centróide é nulo.
2) Calcule o momento estático da área hachurada em relação ao eixo horizontal do
centróide.
60
60
160
200
2
160
200
60
60AZ z
2
y
dz.dy.ydA.yQ −
−
−
−
− −
⋅=== ∫ ∫∫
[ ] [ ] [ ] 120000.40600.25
2
1
)60(60)200()160(
2
1
Q 22
Z ⋅−=−−⋅−−−=
3
Z mm000.864Q −=
Outra forma de calcular-se o momento estático:
AyQ
A
Q
y
A
dA.y
y
_
Z
Z
_
A
_
⋅=→=→=
∫
3
Z mm000.86412040)180(Q −=⋅⋅−=
Outra forma de calcular-se o momento estático: através da área abaixo
3
_
Z mm000.86436012020AyQ =⋅⋅=⋅=
3) Calcule o momento estático da área hachurada em relação ao eixo horizontal do
centróide.
3
_
Z mm000.400.2120200100AyQ =⋅⋅=⋅=
• Demonstração do teorema dos eixos paralelos
2
|ZZ a.AII +=
2
|YY b.AII +=
∫=
A
2|
|Z
dA)y(I
[ ]∫∫ ++=+=
A
2|2|
A
2|
Z dAaay2)y(dA)ay(I
∫ ∫ ∫++=
A A A
2|2|
Z dAadAya2dA)y(I
O momento estático de uma área em relação a um eixo que passa pelo seu centróide é
nulo, então:
∫ =
A
|
0dAy
2
|ZZ a.AII +=
4) Para a área abaixo, determine:
a) o momento de inércia IZ
b) o momento de inércia IY
a)
∫∫∫ −−
⋅==
2b
2b
2h
2h
2
A
2
Z dzdyydAyI
⋅=
−
2h
2h
3
Z
3
y
I
2b
2b
z − 




 −
−⋅






 −
−=
2
b
2
b
8
h
8
h
3
1 33
12
hb
Ib
8
h
8
h
3
1
I
3
Z
33
Z =→⋅







+=
b)
∫∫∫ −−
⋅==
2b
2b
22h
2hA
2
Y dzzdydAzI
⋅= −
2h
2hY yI
2b
2b
3
3
z
−
12
bh 3
=
5) Determine o momento de inércia de uma área circular vazada em relação ao eixo Z.
∫=
A
2
Z dAyI
drrddA ⋅θ=
θ=→=θ senry
r
y
sen
∫ θθ= drrd)rsen(I 2
Z ∫ ∫
π
θ=
er
ir
2
0
23
dsendrr
( )
π
θθ−θ⋅=
2
0
er
ir
4
Z cossen
2
1
4
r
I
( ) ( )[ ])0cos0sen0(2cos2sen2
2
1
4
rr
I
4
i
4
e
Z −−ππ−π⋅
−
=
( ) ( )
4
rr
I2
2
1
4
rr
I
4
i
4
e
Z
4
i
4
e
Z
−π
=→π⋅
−
=
Ou colocando em função dos diâmetros externo e interno:














−




π
=
4
i
4
e
Z
2
D
2
D
4
I








−
π
=
16
D
16
D
4
4
i
4
e
[ ]4
i
4
eZ DD
64
I −
π
=
Particularizando para seção cheia (Di = 0):
64
D
I
4
e
Z
π
=
Observações: 1ª ) Existem infinitos eixos de simetria que passam pelo centróide de uma
área circular. Portanto, todos os momentos de inércia em relação aos eixos que passam
pelo centróide são iguais.
2ª ) Não confundir momento de inércia (I) com momento de inércia à torção (J)
I é usado na flexão
J é usado na torção
64
D
II
4
YZ
π
== (para seção circular cheia)
222
yzr +=
∫ ∫ ∫∫ +=+==
A A A
2222
A
2
dAydAzdA)yz(dArJ
ZY IIJ +=
32
D
64
D
64
D 444
π
=
π
+
π
=
6) Calcule o momento de inércia de uma área em forma de “T” em relação ao eixo
horizontal (Z) do centróide.
Cálculo das coordenadas do centróide:
0z
_
=
21
_
22
_
11A
_
AA
yAyA
A
ydA
y
+
+
==
∫
10,0x80,020,0x50,0
55,0x10,0x80,025,0x50,0x20,0
+
+
=
m383,0
18,0
069,0
y
_
==
Se o sistema de referência auxiliar for colocado na face superior, tem-se:
=
_
y m217,0
18,0
039,0
10,0x80,020,0x50,0
35,0x50,0x20,005,0x10,0x80,0
==
+
+
Transladando-se o sistema de referência para o centróide da figura, tem-se:
Cálculo de IZ usando-se o teorema dos eixos paralelos:
2
|ZZ a.AII +=
2
3
2
3
Z )133,0(x5,0x2,0
12
5,0x2,0
)167,0(x1,0x8,0
12
1,0x8,0
I +++=
43
Z m10x15,6I −
=
7) Para a área do exercício anterior calcule o momento de inércia em relação ao eixo y
( YI ).
43
33
Y m10x6,4
12
20,0x50,0
12
80,0x10,0
I −
=+=
8) Para a área abaixo calcule os momentos de inércia em relação aos eixos Z e Y.
410
33
Z mm10x97,1
12
400x300
12
800x500
I =−=
49
33
Y mm10x43,7
12
300x400
12
500x800
I =−=

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Resistência de materiais.pdf exercícios resolvidos em 26 mar 2016
Resistência de materiais.pdf exercícios resolvidos em 26 mar 2016Resistência de materiais.pdf exercícios resolvidos em 26 mar 2016
Resistência de materiais.pdf exercícios resolvidos em 26 mar 2016
Afonso Celso Siqueira Silva
 
Exercicios resolvidos hidraulica
Exercicios resolvidos hidraulicaExercicios resolvidos hidraulica
Exercicios resolvidos hidraulica
fernando correa
 
Resistência dos Materiais - Torção
Resistência dos Materiais - TorçãoResistência dos Materiais - Torção
Resistência dos Materiais - Torção
Rodrigo Meireles
 
Resistência dos materiais r. c. hibbeler
Resistência dos materiais   r. c. hibbelerResistência dos materiais   r. c. hibbeler
Resistência dos materiais r. c. hibbeler
Meireles01
 
Notas de aulas_resistencia1
Notas de aulas_resistencia1Notas de aulas_resistencia1
Notas de aulas_resistencia1
ADRIANO ALMEIDA MATOS
 
E flexao pura
E   flexao puraE   flexao pura
1 resistencia materiais-estaticas_estruturas - importantíssimo - usar este
1   resistencia materiais-estaticas_estruturas - importantíssimo - usar este1   resistencia materiais-estaticas_estruturas - importantíssimo - usar este
1 resistencia materiais-estaticas_estruturas - importantíssimo - usar este
turmacivil51
 
Lista 1 2 e 3 gabarito
Lista 1 2 e 3 gabaritoLista 1 2 e 3 gabarito
Lista 1 2 e 3 gabarito
Anyzete Galdino
 
Aula diagramas
Aula diagramasAula diagramas
Aula diagramas
Roseno11
 
4 cinematica dos fluidos exercícios
4 cinematica dos fluidos exercícios4 cinematica dos fluidos exercícios
4 cinematica dos fluidos exercícios
Nathalia Salomao Damiao
 
Exercício viga gerber
Exercício viga gerberExercício viga gerber
Exercício viga gerber
Fernando Almeida
 
96893253 tabela-centroides-de-areas
96893253 tabela-centroides-de-areas96893253 tabela-centroides-de-areas
96893253 tabela-centroides-de-areas
João Ferreira
 
flexão composta
flexão compostaflexão composta
flexão composta
Nilson Garcia
 
Resistencia dos-materiais-para-entender-
Resistencia dos-materiais-para-entender-Resistencia dos-materiais-para-entender-
Resistencia dos-materiais-para-entender-
Ma Dos Anjos Pacheco
 
Reações de Apoio em Estruturas
Reações de Apoio em EstruturasReações de Apoio em Estruturas
Reações de Apoio em Estruturas
camilapasta
 
3. cálculo dos esforços em vigas
3. cálculo dos esforços em vigas3. cálculo dos esforços em vigas
3. cálculo dos esforços em vigas
Willian De Sá
 
Resmat ii material de aula com exercicios da av1 até av2
Resmat ii material de aula com exercicios da av1 até av2Resmat ii material de aula com exercicios da av1 até av2
Resmat ii material de aula com exercicios da av1 até av2
Douglas Alves
 
Solução listaexercicios 1º bimestre_2-2016_concretoii
Solução listaexercicios 1º bimestre_2-2016_concretoiiSolução listaexercicios 1º bimestre_2-2016_concretoii
Solução listaexercicios 1º bimestre_2-2016_concretoii
roger forte
 
Linhas de-influencia-de-estruturas-isostaticas (1)
Linhas de-influencia-de-estruturas-isostaticas (1)Linhas de-influencia-de-estruturas-isostaticas (1)
Linhas de-influencia-de-estruturas-isostaticas (1)
UFRJ
 
Solução da lista 2
Solução da lista 2Solução da lista 2
Solução da lista 2
Ayrton Lira
 

Mais procurados (20)

Resistência de materiais.pdf exercícios resolvidos em 26 mar 2016
Resistência de materiais.pdf exercícios resolvidos em 26 mar 2016Resistência de materiais.pdf exercícios resolvidos em 26 mar 2016
Resistência de materiais.pdf exercícios resolvidos em 26 mar 2016
 
Exercicios resolvidos hidraulica
Exercicios resolvidos hidraulicaExercicios resolvidos hidraulica
Exercicios resolvidos hidraulica
 
Resistência dos Materiais - Torção
Resistência dos Materiais - TorçãoResistência dos Materiais - Torção
Resistência dos Materiais - Torção
 
Resistência dos materiais r. c. hibbeler
Resistência dos materiais   r. c. hibbelerResistência dos materiais   r. c. hibbeler
Resistência dos materiais r. c. hibbeler
 
Notas de aulas_resistencia1
Notas de aulas_resistencia1Notas de aulas_resistencia1
Notas de aulas_resistencia1
 
E flexao pura
E   flexao puraE   flexao pura
E flexao pura
 
1 resistencia materiais-estaticas_estruturas - importantíssimo - usar este
1   resistencia materiais-estaticas_estruturas - importantíssimo - usar este1   resistencia materiais-estaticas_estruturas - importantíssimo - usar este
1 resistencia materiais-estaticas_estruturas - importantíssimo - usar este
 
Lista 1 2 e 3 gabarito
Lista 1 2 e 3 gabaritoLista 1 2 e 3 gabarito
Lista 1 2 e 3 gabarito
 
Aula diagramas
Aula diagramasAula diagramas
Aula diagramas
 
4 cinematica dos fluidos exercícios
4 cinematica dos fluidos exercícios4 cinematica dos fluidos exercícios
4 cinematica dos fluidos exercícios
 
Exercício viga gerber
Exercício viga gerberExercício viga gerber
Exercício viga gerber
 
96893253 tabela-centroides-de-areas
96893253 tabela-centroides-de-areas96893253 tabela-centroides-de-areas
96893253 tabela-centroides-de-areas
 
flexão composta
flexão compostaflexão composta
flexão composta
 
Resistencia dos-materiais-para-entender-
Resistencia dos-materiais-para-entender-Resistencia dos-materiais-para-entender-
Resistencia dos-materiais-para-entender-
 
Reações de Apoio em Estruturas
Reações de Apoio em EstruturasReações de Apoio em Estruturas
Reações de Apoio em Estruturas
 
3. cálculo dos esforços em vigas
3. cálculo dos esforços em vigas3. cálculo dos esforços em vigas
3. cálculo dos esforços em vigas
 
Resmat ii material de aula com exercicios da av1 até av2
Resmat ii material de aula com exercicios da av1 até av2Resmat ii material de aula com exercicios da av1 até av2
Resmat ii material de aula com exercicios da av1 até av2
 
Solução listaexercicios 1º bimestre_2-2016_concretoii
Solução listaexercicios 1º bimestre_2-2016_concretoiiSolução listaexercicios 1º bimestre_2-2016_concretoii
Solução listaexercicios 1º bimestre_2-2016_concretoii
 
Linhas de-influencia-de-estruturas-isostaticas (1)
Linhas de-influencia-de-estruturas-isostaticas (1)Linhas de-influencia-de-estruturas-isostaticas (1)
Linhas de-influencia-de-estruturas-isostaticas (1)
 
Solução da lista 2
Solução da lista 2Solução da lista 2
Solução da lista 2
 

Destaque

Mecanica aplicada-apostila 2
Mecanica aplicada-apostila 2Mecanica aplicada-apostila 2
Mecanica aplicada-apostila 2
cristianorodcastro
 
Reações de apoio
Reações de apoioReações de apoio
Reações de apoio
lauttan
 
Exercicios resistencia dos materias online unip
Exercicios resistencia dos materias online   unipExercicios resistencia dos materias online   unip
Exercicios resistencia dos materias online unip
Bruna Kono
 
Resistênca dos Materiais Avançado - Lista de Exercícios 1
Resistênca dos Materiais Avançado - Lista de Exercícios 1Resistênca dos Materiais Avançado - Lista de Exercícios 1
Resistênca dos Materiais Avançado - Lista de Exercícios 1
Ricardo Alves Parente
 
Resistencia dos materiais apostila
Resistencia dos materiais   apostilaResistencia dos materiais   apostila
Resistencia dos materiais apostila
jocilenemota
 
Resistência dos Materiais - Hibbeler 5ª Ed.Cap07 - Exercícios resolvidos
Resistência dos Materiais - Hibbeler 5ª Ed.Cap07 - Exercícios resolvidosResistência dos Materiais - Hibbeler 5ª Ed.Cap07 - Exercícios resolvidos
Resistência dos Materiais - Hibbeler 5ª Ed.Cap07 - Exercícios resolvidos
Andre Luiz Vicente
 

Destaque (6)

Mecanica aplicada-apostila 2
Mecanica aplicada-apostila 2Mecanica aplicada-apostila 2
Mecanica aplicada-apostila 2
 
Reações de apoio
Reações de apoioReações de apoio
Reações de apoio
 
Exercicios resistencia dos materias online unip
Exercicios resistencia dos materias online   unipExercicios resistencia dos materias online   unip
Exercicios resistencia dos materias online unip
 
Resistênca dos Materiais Avançado - Lista de Exercícios 1
Resistênca dos Materiais Avançado - Lista de Exercícios 1Resistênca dos Materiais Avançado - Lista de Exercícios 1
Resistênca dos Materiais Avançado - Lista de Exercícios 1
 
Resistencia dos materiais apostila
Resistencia dos materiais   apostilaResistencia dos materiais   apostila
Resistencia dos materiais apostila
 
Resistência dos Materiais - Hibbeler 5ª Ed.Cap07 - Exercícios resolvidos
Resistência dos Materiais - Hibbeler 5ª Ed.Cap07 - Exercícios resolvidosResistência dos Materiais - Hibbeler 5ª Ed.Cap07 - Exercícios resolvidos
Resistência dos Materiais - Hibbeler 5ª Ed.Cap07 - Exercícios resolvidos
 

Semelhante a Exercicios resolvidos de resmat mecsol

Lista01 hiperestatica-metodo carga-unitaria_gab
Lista01 hiperestatica-metodo carga-unitaria_gabLista01 hiperestatica-metodo carga-unitaria_gab
Lista01 hiperestatica-metodo carga-unitaria_gab
Moisés Leandro Oliveira
 
Tabelas
TabelasTabelas
Ae1 sebdiag
Ae1 sebdiagAe1 sebdiag
Beer mecanica de_materiales_5e_manual_de_soluciones_c01_y_c02
Beer mecanica de_materiales_5e_manual_de_soluciones_c01_y_c02Beer mecanica de_materiales_5e_manual_de_soluciones_c01_y_c02
Beer mecanica de_materiales_5e_manual_de_soluciones_c01_y_c02
Eduardo Spech
 
Estruturas
EstruturasEstruturas
Lista Cálculo
Lista CálculoLista Cálculo
Lista Cálculo
William Rocha
 
Capitulo1
Capitulo1Capitulo1
Capitulo1
Darlan Quintino
 
Ex3 folha1
Ex3 folha1Ex3 folha1
Unicamp2005 2fase 3dia_parte_001
Unicamp2005 2fase 3dia_parte_001Unicamp2005 2fase 3dia_parte_001
Unicamp2005 2fase 3dia_parte_001
Thommas Kevin
 
Eds
EdsEds
Pilar canto
Pilar cantoPilar canto
Pilar canto
EDER OLIVEIRA
 
Metodo dos Esforços
Metodo dos EsforçosMetodo dos Esforços
Metodo dos Esforços
Luiz Henrique . Ferronato
 
Apostila sensacional !! deformacao de vigas em flexao
Apostila sensacional !! deformacao de vigas em flexaoApostila sensacional !! deformacao de vigas em flexao
Apostila sensacional !! deformacao de vigas em flexao
Henrique Almeida
 
Termodinamica 2
Termodinamica 2Termodinamica 2
Termodinamica 2
FlavioBonato4
 
Fuvest2012 2fase 3dia_parte_001
Fuvest2012 2fase 3dia_parte_001Fuvest2012 2fase 3dia_parte_001
Fuvest2012 2fase 3dia_parte_001
Thommas Kevin
 
Dinamica
DinamicaDinamica
Dinamica
JAIRO SALA
 
Pucsp2007 1dia parte_001
Pucsp2007 1dia parte_001Pucsp2007 1dia parte_001
Pucsp2007 1dia parte_001
Thommas Kevin
 
Lista exercicios 2 calculo 2
Lista exercicios 2 calculo 2Lista exercicios 2 calculo 2
Lista exercicios 2 calculo 2
marcio cerqueira
 
Lista m3
Lista m3Lista m3
Lista m3
Jean Heisenberg
 
Transformacao de tensoes
Transformacao de tensoesTransformacao de tensoes
Transformacao de tensoes
Bianca Alencar
 

Semelhante a Exercicios resolvidos de resmat mecsol (20)

Lista01 hiperestatica-metodo carga-unitaria_gab
Lista01 hiperestatica-metodo carga-unitaria_gabLista01 hiperestatica-metodo carga-unitaria_gab
Lista01 hiperestatica-metodo carga-unitaria_gab
 
Tabelas
TabelasTabelas
Tabelas
 
Ae1 sebdiag
Ae1 sebdiagAe1 sebdiag
Ae1 sebdiag
 
Beer mecanica de_materiales_5e_manual_de_soluciones_c01_y_c02
Beer mecanica de_materiales_5e_manual_de_soluciones_c01_y_c02Beer mecanica de_materiales_5e_manual_de_soluciones_c01_y_c02
Beer mecanica de_materiales_5e_manual_de_soluciones_c01_y_c02
 
Estruturas
EstruturasEstruturas
Estruturas
 
Lista Cálculo
Lista CálculoLista Cálculo
Lista Cálculo
 
Capitulo1
Capitulo1Capitulo1
Capitulo1
 
Ex3 folha1
Ex3 folha1Ex3 folha1
Ex3 folha1
 
Unicamp2005 2fase 3dia_parte_001
Unicamp2005 2fase 3dia_parte_001Unicamp2005 2fase 3dia_parte_001
Unicamp2005 2fase 3dia_parte_001
 
Eds
EdsEds
Eds
 
Pilar canto
Pilar cantoPilar canto
Pilar canto
 
Metodo dos Esforços
Metodo dos EsforçosMetodo dos Esforços
Metodo dos Esforços
 
Apostila sensacional !! deformacao de vigas em flexao
Apostila sensacional !! deformacao de vigas em flexaoApostila sensacional !! deformacao de vigas em flexao
Apostila sensacional !! deformacao de vigas em flexao
 
Termodinamica 2
Termodinamica 2Termodinamica 2
Termodinamica 2
 
Fuvest2012 2fase 3dia_parte_001
Fuvest2012 2fase 3dia_parte_001Fuvest2012 2fase 3dia_parte_001
Fuvest2012 2fase 3dia_parte_001
 
Dinamica
DinamicaDinamica
Dinamica
 
Pucsp2007 1dia parte_001
Pucsp2007 1dia parte_001Pucsp2007 1dia parte_001
Pucsp2007 1dia parte_001
 
Lista exercicios 2 calculo 2
Lista exercicios 2 calculo 2Lista exercicios 2 calculo 2
Lista exercicios 2 calculo 2
 
Lista m3
Lista m3Lista m3
Lista m3
 
Transformacao de tensoes
Transformacao de tensoesTransformacao de tensoes
Transformacao de tensoes
 

Último

Grau TÉCNICO EM SEGURANÇA DO TRABALHO I - LEGISLAÇÃO APLICADA À SAÚDE E SEGUR...
Grau TÉCNICO EM SEGURANÇA DO TRABALHO I - LEGISLAÇÃO APLICADA À SAÚDE E SEGUR...Grau TÉCNICO EM SEGURANÇA DO TRABALHO I - LEGISLAÇÃO APLICADA À SAÚDE E SEGUR...
Grau TÉCNICO EM SEGURANÇA DO TRABALHO I - LEGISLAÇÃO APLICADA À SAÚDE E SEGUR...
carlos silva Rotersan
 
AE03 - ESTUDO CONTEMPORÂNEO E TRANSVERSAL ENGENHARIA DA SUSTENTABILIDADE UNIC...
AE03 - ESTUDO CONTEMPORÂNEO E TRANSVERSAL ENGENHARIA DA SUSTENTABILIDADE UNIC...AE03 - ESTUDO CONTEMPORÂNEO E TRANSVERSAL ENGENHARIA DA SUSTENTABILIDADE UNIC...
AE03 - ESTUDO CONTEMPORÂNEO E TRANSVERSAL ENGENHARIA DA SUSTENTABILIDADE UNIC...
Consultoria Acadêmica
 
MAQUINAS-EQUIPAMENTOS-E-FERRAMENTAS.pptx
MAQUINAS-EQUIPAMENTOS-E-FERRAMENTAS.pptxMAQUINAS-EQUIPAMENTOS-E-FERRAMENTAS.pptx
MAQUINAS-EQUIPAMENTOS-E-FERRAMENTAS.pptx
Vilson Stollmeier
 
AE03 - ESTUDO CONTEMPORÂNEO E TRANSVERSAL INDÚSTRIA E TRANSFORMAÇÃO DIGITAL ...
AE03 - ESTUDO CONTEMPORÂNEO E TRANSVERSAL  INDÚSTRIA E TRANSFORMAÇÃO DIGITAL ...AE03 - ESTUDO CONTEMPORÂNEO E TRANSVERSAL  INDÚSTRIA E TRANSFORMAÇÃO DIGITAL ...
AE03 - ESTUDO CONTEMPORÂNEO E TRANSVERSAL INDÚSTRIA E TRANSFORMAÇÃO DIGITAL ...
Consultoria Acadêmica
 
Manual de Instalação para Placa Proteco Q60A
Manual de Instalação para Placa Proteco Q60AManual de Instalação para Placa Proteco Q60A
Manual de Instalação para Placa Proteco Q60A
Tronicline Automatismos
 
Workshop Gerdau 2023 - Soluções em Aço - Resumo.pptx
Workshop Gerdau 2023 - Soluções em Aço - Resumo.pptxWorkshop Gerdau 2023 - Soluções em Aço - Resumo.pptx
Workshop Gerdau 2023 - Soluções em Aço - Resumo.pptx
marcosmpereira
 
AE02 - FORMAÇÃO SOCIOCULTURAL E ÉTICA II UNICESUMAR 52/2024
AE02 - FORMAÇÃO SOCIOCULTURAL E ÉTICA II UNICESUMAR 52/2024AE02 - FORMAÇÃO SOCIOCULTURAL E ÉTICA II UNICESUMAR 52/2024
AE02 - FORMAÇÃO SOCIOCULTURAL E ÉTICA II UNICESUMAR 52/2024
Consultoria Acadêmica
 

Último (7)

Grau TÉCNICO EM SEGURANÇA DO TRABALHO I - LEGISLAÇÃO APLICADA À SAÚDE E SEGUR...
Grau TÉCNICO EM SEGURANÇA DO TRABALHO I - LEGISLAÇÃO APLICADA À SAÚDE E SEGUR...Grau TÉCNICO EM SEGURANÇA DO TRABALHO I - LEGISLAÇÃO APLICADA À SAÚDE E SEGUR...
Grau TÉCNICO EM SEGURANÇA DO TRABALHO I - LEGISLAÇÃO APLICADA À SAÚDE E SEGUR...
 
AE03 - ESTUDO CONTEMPORÂNEO E TRANSVERSAL ENGENHARIA DA SUSTENTABILIDADE UNIC...
AE03 - ESTUDO CONTEMPORÂNEO E TRANSVERSAL ENGENHARIA DA SUSTENTABILIDADE UNIC...AE03 - ESTUDO CONTEMPORÂNEO E TRANSVERSAL ENGENHARIA DA SUSTENTABILIDADE UNIC...
AE03 - ESTUDO CONTEMPORÂNEO E TRANSVERSAL ENGENHARIA DA SUSTENTABILIDADE UNIC...
 
MAQUINAS-EQUIPAMENTOS-E-FERRAMENTAS.pptx
MAQUINAS-EQUIPAMENTOS-E-FERRAMENTAS.pptxMAQUINAS-EQUIPAMENTOS-E-FERRAMENTAS.pptx
MAQUINAS-EQUIPAMENTOS-E-FERRAMENTAS.pptx
 
AE03 - ESTUDO CONTEMPORÂNEO E TRANSVERSAL INDÚSTRIA E TRANSFORMAÇÃO DIGITAL ...
AE03 - ESTUDO CONTEMPORÂNEO E TRANSVERSAL  INDÚSTRIA E TRANSFORMAÇÃO DIGITAL ...AE03 - ESTUDO CONTEMPORÂNEO E TRANSVERSAL  INDÚSTRIA E TRANSFORMAÇÃO DIGITAL ...
AE03 - ESTUDO CONTEMPORÂNEO E TRANSVERSAL INDÚSTRIA E TRANSFORMAÇÃO DIGITAL ...
 
Manual de Instalação para Placa Proteco Q60A
Manual de Instalação para Placa Proteco Q60AManual de Instalação para Placa Proteco Q60A
Manual de Instalação para Placa Proteco Q60A
 
Workshop Gerdau 2023 - Soluções em Aço - Resumo.pptx
Workshop Gerdau 2023 - Soluções em Aço - Resumo.pptxWorkshop Gerdau 2023 - Soluções em Aço - Resumo.pptx
Workshop Gerdau 2023 - Soluções em Aço - Resumo.pptx
 
AE02 - FORMAÇÃO SOCIOCULTURAL E ÉTICA II UNICESUMAR 52/2024
AE02 - FORMAÇÃO SOCIOCULTURAL E ÉTICA II UNICESUMAR 52/2024AE02 - FORMAÇÃO SOCIOCULTURAL E ÉTICA II UNICESUMAR 52/2024
AE02 - FORMAÇÃO SOCIOCULTURAL E ÉTICA II UNICESUMAR 52/2024
 

Exercicios resolvidos de resmat mecsol

  • 1. Exercícios do item 1.5: 1) Calcule a força de tração nas duas barras da estrutura abaixo. 0 111 87,36)75,0(tanarc 4 3 tan =θ→=θ→=θ 0 222 13,53)333,1(tanarc 3 4 tan =θ→=θ→=θ 0)13,53(cosF)87,36(cosF:0F o 2 o 1x =+−=∑ 21 2 121 F75,0F 8,0 F6,0 F06,0F8,0F =→=→=+− 0000.12)13,53(senF)87,36(senF:0F o 2 o 1y =−++=∑ 000.128,0F6,0F 21 =+ Colocando-se a força F1 na expressão acima, tem-se: N600.9 25,1 000.12 F000.128,0F6,0F75,0 222 ==→=+⋅ N200.7F9600x75,0F 11 =→= 2) Calcule a força de tração nos dois cabos da figura.
  • 2. 000.6FF0F000.5000.1F:0F 2121y =+→=+−−=∑ N8,730.3F06,2xF8,1x000.57,0x000.1:0M 221 =→=−+=∑ N2,269.2F08,0x000.59,1x000.16,2xF:0M 112 =→=−−=∑ Exercícios do item 1.6: 1) Calcule as reações nos apoios da viga abaixo. 0H:0F Ax ==∑ 000.14VV0V000.14V:0F BABAy =+→=+−=∑ N000.8V05,3xV0,2x000.14:0M BBA =→=−=∑ N000.6V05,1x000.145,3xV:0M AAB =→=−=∑ 2) Calcule as reações no apoio da viga em balanço (ou viga cantilever). 0H:0F bx ==∑ 000.1V0000.1V:0F bby =→=−=∑ m.N000.3M0M0,3x000.1:0M bbO =→=−=∑
  • 3. Exercícios do item 1.9: 1) Calcule as reações de apoio da viga de aço abaixo. Dado: γs = 77 kN/m3 A carga q (N/m) é obtida multiplicando-se o peso específico pela área da seção transversal: 2 mm000.3300x62x100x6A =+= Ou: 2326 m10x0,3m)10(000.3A −− == m/N231)m(10x0,3x)m/N(77000A.q 233 ==γ= − 0H0F Ax =→=∑ L.qVV0F BAy =+→=∑ Então: N20790,9x231VV BA ==+
  • 4. 0 2 L .L.qL.V0M AB =−→=∑ 2 Lq V 2 Lq V BA =→= N5,1039 2 0,9x231 VV BA === 2) Calcule as reações de apoio da viga de aço abaixo. Dado: γs = 77 kN/m 3 0H0F Bx =→=∑ N20790,9x231L.qV0F By ===→=∑ m.N5,9355 2 qL M0M 2 L .L.q0M 2 BBo ==→=+−→=∑ Observação muito importante: A substituição de uma carga distribuída pela força resultante somente pode usada para calcularem-se as reações de apoio. Não deve ser usada para mais nada.
  • 5. Exercícios do item 2.1: 1) Calcule a tensão normal nos dois cabos da figura. Dados: φ1 = φ2 = 25,4 mm Área dos cabos 1 e 2: 2 21 2 21 mm7,506AA)7,12(AA ==→π== Tensão normal nos cabos 1 e 2: 2 2 1 1 1 mm/N48,4 )mm(7,506 )N(2,269.2 A F ===σ 2 2 2 2 2 mm/N36,7 )mm(7,506 )N(8,730.3 A F ===σ 2) Calcule a tensão normal nas duas barras da treliça abaixo. Dados: φ1 = 12,5 mm ; φ2 = 20,0 mm
  • 6. 21 o 2 o 1x FF0)45cos(F)45(cosF:0F =→=+−=∑ 0000.5)45(senF)45(senF:0F o 2 o 1y =−+=∑ N1,3536FF000.5707,0F2 211 ==→= Cálculo da tensão normal nas barras 1 e 2: 2 2 1 1 1 mm/N8,28 )25,6( 1,3536 A F = π ==σ 2 2 2 2 2 mm/N3,11 )10( 1,3536 A F = π ==σ 3) Calcule a tensão normal nas duas barras da treliça abaixo. As duas barras têm seção transversal circular. Dados: φBarra tracionada = 15 mm ; φBarra comprimida = 20 mm 866,0FF0)30cos(FF:0F 21 o 21x ⋅−=→=+=∑ N000.50F0000.52)30(senF:0F 2 o 2y −=→=+=∑ N300.43F866,0.)000.50(F 11 =→−−= Tensão normal nas barras 1 e 2: 2 2 1 1 1 mm/N0,245 )5,7( 300.43 A F = π ==σ 2 2 2 2 2 mm/N2,159 )10( 000.50 A F −= π − ==σ
  • 7. 4) Uma barra, de seção transversal retangular, tem altura variável (como indicado) e largura b constante igual a 12 mm. Calcule a tensão normal no ponto de aplicação da força F e no engaste. Dado: F = 8.000 N 2 mm/N44,44 15x12 000.8 A F ===σ 2 Engaste mm/N67,26 25x12 000.8 A F ===σ 5) Uma barra prismática está pendurada por uma de suas extremidades. Construa os diagramas de força normal e de tensão normal. Dados: γ: peso específico; A: área da seção transversal Fazendo-se um corte imaginário à distância x os esforços que eram internos passam a ser externos. A parte recortada também tem que estar em equilíbrio, pois qualquer parte (ou ponto) de uma estrutura em equilíbrio também está em equilíbrio. N(x): representa a ação da parte de cima sobre a parte de baixo.
  • 8. xA)x(N0xA)x(N:0Fy γ=→=γ−=∑ x A Ax A )x(N γ= γ ==σ Exercícios do item 2.2: 1) Uma barra prismática de seção transversal circular (φ = 25 mm) e de comprimento L = 800 mm fica solicitada por uma força axial de tração F = 30.000 N. Calcule a tensão normal e a deformação linear específica sabendo que o alongamento da barra é de 2,0 mm. 2 2 mm/N1,61 )5,12( 000.30 A F = π ==σ 3 10x5,2 )mm(800 )mm(0,2 L L − == ∆ =ε 2) Um elástico tem comprimento não esticado igual a 30,0 cm. Calcule a deformação linear específica do elástico quando for esticado ao redor de um poste com diâmetro externo igual a 16 cm. P: Perímetro externo do poste: cm27,508.2R2P =π=π= 68,0 30 3027,50 L LL L L i if i = − = − = ∆ =ε
  • 9. Exercícios do item 2.3: 1) Uma barra prismática de seção transversal circular (d = 20 mm) fica solicitada por uma força axial de tração F = 6.000 N. Experimentalmente, determinou-se a deformação linear específica longitudinal oo o L /3=ε . Calcule a tensão normal, a variação do comprimento e do diâmetro da barra. Dado: ν = 0,25. 2 2x mm/N1,19 )10( 000.6 A F = π ==σ 003,0 1000 3 /3 oo o xL ===ε=ε mm5,4L1500.10x0,3LL L L x 3 xxx x x x =∆→=ε=∆→ ∆ =ε − yyy y y y LL L L ε=∆→ ∆ =ε ddL yy ε=∆=∆ 43 xy x y 10x5,710x0,3x25,0 −− −=−=εν−=ε→ ε ε −=ν mm015,020x10x5,7d 4 −=−=∆ − 2) Calcule o volume final da barra do problema anterior. Vi : volume inicial da barra; Vf: volume final da barra 32 iii mm9,238.471500.1x)10(LAV =π== 3 2 fff mm9,943.471)5,41500(x 4 )015,020( LAV =+ −π == 3 if mm7059,238.4719,943.471VVV =−=−=∆
  • 10. Exercício do item 2.4: A figura abaixo mostra um diagrama Força-Alongamento de um ensaio de tração simples. A barra tem seção transversal circular (d = 30 mm) e comprimento inicial (referência) igual a 800 mm. Calcule: a) a tensão (ou limite) de proporcionalidade (σP); b) a tensão (ou limite) de escoamento (σY); c) a tensão última (σU); 4 30. 4 D R.A 22 2 π = π =π= = 2 mm86,706 a) MPa15,14mm/N15,14 86,706 000.10 P 2 P =σ→==σ b) MPa98,16mm/N98,16 86,706 000.12 Y 2 Y =σ→==σ c) MPa29,28mm/N29,28 86,706 000.20 U 2 U =σ→==σ Exercícios do item 2.5: 1) Calcule o módulo de Young (Ε) da barra do problema anterior. εΕ=σ . 3 10x75,3 mm800 mm3 L L − =ε→= ∆ =ε 3 2 10x75,3 mm/N15,14 − = ε σ =Ε 2 mm/N3,773.3=Ε→ MPa3,773.3:Ou =Ε GPa77,3=
  • 11. 2) Uma circunferência de raio R = 300 mm é desenhada em uma placa. Calcule ao aplicar-se a tensão normal σx = 81,0 MPa os valores dos diâmetros ab e cd. Dados da placa: Ε = 120 GPa; ν = 0,36 Lei de Hooke: σ=Εε xx σ=Εε→ 9 6 x x 10x120 10x81 = Ε σ =ε → 4 x 10x75,6 − =ε mm405,0600x10x75,6L L L 4 x x x x ==∆→ ∆ =ε − mm405,600405,0600LFab =+= Coeficiente de Poisson (ν): x y ε ε −=ν → xy εν−=ε = 4 10x75,6x36,0 − − = 4 10x43,2 − − mm1458,0600x10x43,2L L L 4 y y y y −=−=∆→ ∆ =ε − mm8542,5991458,0600LFcd =−= 3) Um bloco de massa m = 1.500 kg é sustentado por dois cabos de seção transversal circular. Sendo dados d1 = 8,0 mm; d2 = 12,0 mm; Ε1 = 70 GPa e Ε2 = 120 GPa, calcule: a) o valor do ângulo θ sabendo σ1 = σ2 ; b) valor da tensão normal nas duas barras; c) a deformação linear específica das duas barras.
  • 12. θ =→=−θ→=∑ sen P F0PsenF0F 22y θ θ =→=θ−→=∑ cos sen P F0cosFF0F 121x a) 2 2 1 1 21 A F A F =→σ=σ 36 1 16 cos )6( sen P )4( sen cosP 22 = θ → π θ= π θ θ o 61,63 36 16 cosarc =θ→      =θ b) 2 o o 1 1 1 )4( )61,63(sen )61,63(cosP A F π ==σ = 2 mm/N2,145496,0 16 81,91500 =⋅ ⋅π ⋅ = ⋅π ⋅ = π ==σ 36 8958,0 81,91500 )6( )61,63(sen P A F 2 o 2 2 2 2 mm/N2,145 c) Lei de Hooke: σ=Εε 3 123 2 1111 10x074,2 )mm/N(10x70 )mm/N(2,145 − =ε→=ε→σ=Εε 3 223 2 2222 10x21,1 )mm/N(10x120 )mm/N(2,145 − =ε→=ε→σ=Εε
  • 13. Exercícios do item 3.1: 1) Uma barra prismática de aço, com seção transversal circular, tem 6,0 metros de comprimento e está solicitada por uma força axial de tração F = 104 N. Sabendo-se que o alongamento da barra é de 2,5 mm e que Ε = 205 GPa, calcule: a) o diâmetro da barra; b) a tensão normal. a) mm1,6R R10x205 6000x10 5,2 AE LF L 23 4 =→ π⋅ =→=∆ Então: d = 12,2 mm b) 2 2 4 mm/N5,85 )1,6( 10 A F = π ==σ 2) Calcule o alongamento dos dois cabos da estrutura abaixo. Dados: φ1 = φ2 = 25,4 mm; L1 = L2 = 3,5 m; Ε1 = Ε2 = 70 GPa mm22,0 7,50610x70 3500x2,2269 L AE LF L 31 11 11 1 = ⋅ =∆→=∆ mm37,0 7,50610x70 3500x8,3730 L AE LF L 31 22 22 2 = ⋅ =∆→=∆ 3) Calcule o alongamento das duas barras da treliça abaixo.
  • 14. Dados: φ1 = 12,5 mm ; φ2 = 20 mm; L1 = 1,0 m; L2 = 2,0 m; Ε1 = 205 GPa; Ε2 = 120 GPa mm14,0 7,12210x205 1000x1,3536 L AE LF L 31 11 11 1 = ⋅ =∆→=∆ mm19,0 2,31410x120 2000x1,3536 L AE LF L 31 22 22 2 = ⋅ =∆→=∆ Exercícios do item 3.2: 1) Calcule o deslocamento horizontal do ponto de aplicação da força de 200 kN. Dados: A = 800 mm2 ; Ε = 70 GPa mm18,22 80010x70 1800x000.250 80010x70 3600x000.80 80010x70 5400x000.200 AE LF H 333 n 1i ii ii = ⋅ + ⋅ − ⋅ ==∆ ∑ = 2) Duas barras de seção transversal circular são soldadas como mostra a figura. Sendo dados: φ1= 14 mm; φ2 = 8 mm; Ε1= Ε2 = 70 GPa, calcule: a) a tensão normal nas duas barras; b) o alongamento da barra.
  • 15. a) 22 1 mm9,153)7(A =π= 22 2 mm3,50)4(A =π= 2 1 mm/N98,51 9,153 8000 ==σ 2 2 mm/N64,59 3,50 3000 ==σ b) mm91,1 9,15310x70 2000x000.5 9,15310x70 2000x000.3 3,5010x70 500x000.3 L 333 = ⋅ + ⋅ + ⋅ =∆ 3) Calcule a tensão normal máxima e o alongamento da barra prismática abaixo. Dados: A = 7,1 x 10− 4 m2 ; Ε = 120 GPa; γ = 44.300 N/m3 • A tensão normal máxima ocorre no apoio: 266 4máx m/N10x22,010x63,55x300.44 10x1,7 000.4 L A F +=+=γ+=σ − MPa85,5m/N10x85,5 26 máx ==σ • Cálculo do alongamento:
  • 16. E2 L AE LF L 2 γ +=∆ O alongamento máximo ocorre na extremidade livre: m10x61,410x41,1 10x120x2 544300 10x1,710x120 0,3x000.4 L 64 9 2 49máx −− − += ⋅ + ⋅ =∆ mm146,0m10x46,1L 4 máx ==∆ − Exercícios do item 3.3: 1) Calcule a tensão normal nas três barras da treliça abaixo e o deslocamento vertical do ponto de aplicação da força P. Dados: P = 15.000 N; Ε1 = Ε2 = 205 GPa; Α1 = Α2 = 2 x 10 − 4 m 2 Diagrama de corpo livre: 055cosF55cosF0F o 1 o 1x =+−→=∑ 0PF55senF.20F 2 o 1y =−+→=∑ De onde: 1,64 F1 + F2 = P (1) Temos uma equação e duas incógnitas, o problema é uma vez hiperestático. A outra equação virá da “compatibilidade dos deslocamentos”.
  • 17. 11 o 22 11 11o 22 22 LF35cosLF AE LF 35cos AE LF =→= Cálculo do comprimento da barra 1: L1 cos35o = L2 m44,2L 35cos 0,2 L 1o1 =→= Da equação de compatibilidade: 121 o 2 F49,1F44,2F35cos0,2xF =→= (2) Colocando-se a equação (2) na equação (1), tem-se: 1,64 F1 + 1,49 F1 = P N4792F000.15F13,3 11 =→= F2 = 7.140 N Cálculo da tensão normal nas barras 1 e 2:: MPa96,23 10x2 4792 A F 14 1 1 1 =σ→==σ − MPa70,35 10x2 7140 A F 24 2 2 2 =σ→==σ − Cálculo do deslocamento vertical do ponto de aplicação da força P: mm35,0V 10x2x10x205 000.2x7140 AE LF LV 49 22 22 2 =∆→==∆=∆ −
  • 18. Exercício 2): A barra rígida (indeformável) AB, de peso desprezível, é rotulada em A, suspensa por dois cabos e suporta uma força P = 58.000 N. Calcule a tensão normal nos cabos 1 e 2 e a reação vertical no apoio A. Dados: L1 = L2; Ε1 = 70 GPa; Ε2 = 205 GPa; Α1 = Α2 = 5 x 10 − 4 m 2 0PFFV0F 21Ay =−++→=∑ (1) 0d4xFd3xPd2xF0M 21A =+−→=∑ De onde: Px3Fx4Fx2 21 =+ (2) Temos duas equações independentes da estática e três incógnitas. O Problema é uma vez hiperestático e a outra equação virá da compatibilidade dos deslocamentos. 21 21 LL2 d4 L d2 L ∆=∆→ ∆ = ∆
  • 19. 9 2 9 1 22 22 11 11 10x205 F 10x70 F 2 AE LF AE LF 2 =→= De onde: F2 = 5,86 F1 (3) Colocando-se a equação (3) na equação (2), tem-se: Px3F86,5x4Fx2 11 =+ 25,44 F1 = 3 x 58.000 → F1 = 6.839,6 N F2 = 40.080,1 N Cálculo da tensão normal nos cabos: MPa68,13 10x5 6,6839 A F 14 1 1 1 =σ→==σ − MPa16,80 10x5 6,080.40 A F 24 2 2 2 =σ→==σ − Cálculo da reação vertical no apoio A (equação (1): N3,080.11000.581,080.406,839.6PFFV 21A =+−−=+−−= Exercício 3): A barra prismática abaixo está presa em dois apoios indeformáveis e solicitada por uma força axial F. Determine as reações nos apoios A e B. 0HFH0F BAx =+−→=∑ (1)
  • 20. O problema é uma vez hiperestático. Vamos retirar um dos apoios e determinar o deslocamento que o apoio retirado está impedindo. Colocando-se o apoio retirado, tem-se: Compatibilidade dos deslocamentos: L a.F H EA L.H EA a.F LL B B 21 =→=→∆=∆ L b.F H)aL( L F L a.F L L F L a.F FHHFH AABA =→−=−=−=→−= Exercício 4): A barra prismática abaixo está carregada axialmente por duas forças F1 e F2. Calcule: a) as reações nos apoios indeformáveis A e B; b) a tensão normal no meio da barra. Dados: F1 = 2.000 N; F2 = 3.500; Aseção transversal = 200 mm 2 Superposição dos efeitos:
  • 21. N6,384.1 6,2 8,1x000.2 L b.F H 11 A === N4,615 6,2 8,0x000.2 L a.F H 11 B === N7,807 6,2 6,0x500.3 L b.F H 22 A === N3,692.2 6,2 0,2x500.3 L a.F H 22 B === N9,5767,8076,384.1HHH 2 A 1 AA =−=+= N9,076.23,692.24,615HHH 2 B 1 BB =+−=+= Cálculo da tensão normal no meio da barra: F = força normal axial no meio da barra F = − HÁ + F1 = − 576,9 + 2.000 = 1.423,1 N Ou: F = − HB + F2 = − 2.076,9 + 3.500 = 1.423,1 N Então: MPa1,7:oumm/N1,7 200 1,423.1 A F 2 =σ===σ Exercício 5): A barra prismática está na posição indicada quando a força F = 0. Calcule as reações nos apoios rígidos A e B quando for aplicada a força F = 18.000 N. Dados: Ε = 1,5 GPa; Α = 5 x 10 − 3 m2
  • 22. OBS.: Se a barra não encostar no apoio B as reações são dadas por: HÁ = 18.000 N e HB = 0.0 Vamos retirar o apoio B: mm8,4 10x5x10x5,1 000.2x000.18 EA 000.2xF L 391 ===∆ − Colocando-se o apoio B, a reação HB deverá diminuir (encurtar) a barra de ∆L1 – 2 mm. N5,562.6H0,28,4 10x5x10x5,1 200.3xH B39 B =→−= − N5,437.115,562.6000.18HFHH ABA =−=→=+
  • 23. Exercícios Capítulo Três, item 3.4: 1) A barra prismática abaixo está livre de tensão quando a temperatura é igual a 20ºC. Sabendo que os engastes são indeformáveis calcule a tensão normal na barra quando a temperatura subir para 50ºC. Dados: Ε = 205 GPa; α = 11,7 x 10 − 6 /o C Retirando-se o apoio B, tem-se: Compatibilidade dos deslocamentos TF LL ∆=∆ TL EA FL ∆α= TE ∆α=σ 30x10x7,11x10x205 69 − =σ 26 m/N10x95,71=σ Ou: σcompressão = 71,95 MPa
  • 24. 2) A barra prismática abaixo está livre de tensão quando a temperatura é igual a 25º C. Sabendo que os engastes A e B são indeformáveis calcule a tensão normal na barra quando a temperatura descer para − 60ºC. Dados: Ε = 70 GPa; α = 21,6 x 10 − 6 /o C; L = 4,0 m Compatibilidade dos deslocamentos TF LL ∆=∆ TL EA FL ∆α= TE ∆α=σ 85x10x6,21x10x70 69 − =σ 26 m/N10x52,128=σ
  • 25. Ou: σtração = 128,52 MPa 3) Resolva o problema anterior considerando que à temperatura t = − 60º C o apoio B se desloca de 3 mm e o apoio A continua indeformável. Dados: Ε = 70 GPa; α = 21,6 x 10 − 6 / o C; L = 4,0 m T 3 F L10x3L ∆=+∆ − TL10x3 EA FL 3 ∆α=+ − TL10x3 E L 3 ∆α=+ σ − 85x4x10x6,2110x3 10x70 4x 63 9 −− =+ σ
  • 26. 33 9 10x310x344,7 10x70 4x −− −= σ 26 m/N10x02,76=σ Ou: σtração = 76,02 MPa 4) A estrutura abaixo é perfeitamente ajustada aos engastes rígidos A e B quando a temperatura é igual a 18º C. Calcule a tensão normal nas barras 1 e 2 quando a temperatura subir para 100º C. Dados: Ε1 = Ε2 = 205 GPa; α1 = α2 = 12 x 10 − 6 /o C; Α1 = 600 mm2 ; Α2 = 300 mm 2 TLTLL 2211T ∆α+∆α=∆ 82x400x10x1282x500x10x12L 66 T −− +=∆ = 0,8856 mm
  • 27. 22 2 11 1 F AE FL AE FL L +=∆ 300x10x205 400xF 600x10x205 500xF L 33F +=∆ = 1,0569 x 10 – 5 . F ∆LF = ∆LT então: 1,0569 x 10 – 5 . F = 0,8856 F = 83.791,4 N Cálculo da tensão normal: 2 1 1 mm/N7,139 600 4,791.83 A F ===σ Ou: σ1 = 139,7 MPa 2 2 2 mm/N3,279 300 4,791.83 A F ===σ Ou: σ2 = 279,3 MPa 5) A barra prismática está na posição indicada na figura abaixo quando a temperatura é igual a 25º C. Sabendo que apoios A e B são indeformáveis calcule a tensão normal na barra quando a temperatura for igual a: a) 10º C; b) 70º C; c) 105º C; Dados: Ε = 70 GPa; que α = 20 x 10 − 6 / o C
  • 28. a) σ = 0,0 b) mm5,2mm25,245x500.2x10x20L 6 T <==∆ − Portanto, a barra não vai encostar no apoio B, então: σ = 0,0 c) mm5,2mm0,480x500.2x10x20L 6 T >==∆ − 2 compressão33F mm/N42 10x70 500.2x 5,1 A10x70 500.2xF L =σ→ σ =→=∆ 6) As barras estão na posição indicada na figura abaixo quando a temperatura é igual a − 5º C. Determine a distância “d” que o ponto a se desloca quando a temperatura subir para 40º C. Considere que a barra ab tenha coeficiente de dilatação térmica insignificante. Dados: α1 = 23 x 10 − 6 / o C; α2 = 12 x 10 − 6 / o C
  • 29. mm93,045x900x10x23TLLT 6 111 ==∆α=∆ − mm49,045x900x10x12TLLT 6 222 ==∆α=∆ −
  • 30. 290 x 30 49,093,0 290 x 30 LTLT 21 = − →= ∆−∆ mm25,4290. 30 44,0 x 30 44,0 290 x ==→= mm74,425,449,0d =+= 7) Um tubo de alumínio mede 35 m à temperatura de 22º C. Um tubo de aço, à mesma temperatura, é 5 mm mais longo. Calcule em qual temperatura estes tubos terão o mesmo comprimento. Dados: αAlumínio = 21,6 x 10 − 6 / o C; αS = 11,7 x 10 − 6 / o C SAL LT005.35LT000.35 ∆+=∆+ TL005.35TL000.35 SSALAL ∆α+=∆α+ Tx005.35x10x7,11005.35T000.35x10x6,21000.35 66 ∆+=∆+ −− T410,0005.35T756,0000.35 ∆+=∆+ 000.35005.35T410,0T756,0 −=∆−∆ C45,14T5T346,0 o =∆→=∆ C45,36T45,1422T o =→+= Observação: à temperatura t = 36,45ºC têm-se os seguintes comprimentos: mm92,010.3545,14x000.35x10x6,21000.35L 6 AL =+= − mm92,010.3545,14x005.35x10x7,11005.35L 6 S =+= −
  • 31. Exercícios do Capítulo Quatro: Exercício: 1) Calcule a tensão de cisalhamento média que ocorre na cola. MPa5,2m/N10x5,2 10,0x04,0x2 000.20 A F 26 mm ==τ→==τ Ou: MPa5,2mm/N5,2 100x40x2 000.20 A F 2 mm ==τ→==τ 2) Um bloco está solicitado por uma força F = 112 kN. Calcule: a) A tensão cisalhante média; b) O deslocamento do ponto d considerando-se que a face inferior não se desloca. Dados: Ε = 87,5 GPa; ν = 0,25 a) →==τ 50x160 000.112 A F m 2 m mm/N14=τ
  • 32. b) γ=∆→ ∆ =γ≅γ 80 80 tg Lei de Hooke no cisalhamento: γ=τ G GPa35G )25,01(2 5,87 )1(2 E G =→ + = ν+ = .rad10x4 )mm/N(10x35 )mm/N(14 G 4 23 2 − =γ→= τ =γ mm032,010x4x80 4 =∆→=∆ − 3) Calcule a tensão de cisalhamento média no pino e a tensão normal de tração média no cabo da estrutura abaixo.
  • 33. 2 méd2méd mm/N7,71 10x14,3 500.22 A F =τ→==τ 2 méd2méd mm/N5,292 7x14,3 000.45 A F =σ→==σ 4) Calcule a tensão de cisalhamento nos parafusos da ligação abaixo. Dados: F = 35.000 N; d = 19,05 mm Neste caso n = 4 e nA = 1 (corte simples) 2 méd2méd mm/N7,30 )525,9(x14,3x1x4 000.35 A F =τ→==τ 5) Calcule o diâmetro dos parafusos da ligação abaixo. Dados: F = 200.000 N; 2 __ mm/N95=τ Para este problema: n = 8 e nA = 1 (corte simples)
  • 34. mm15,9R )R(x14,3x1x8 000.200 95 A F 2méd =→=→=τ Portanto: d = 18,3 mm 6) Calcule a tensão de cisalhamento nos parafusos da ligação abaixo e a tensão normal nas chapas. Dado: d = 12 mm 1ª opção: F = 15.000 N; n = 6; An = 1 2 méd2méd mm/N1,22 )6(x14,3x1x6 000.15 A F =τ→==τ 2 mm/N50 100x3 000.15 A F =σ→==σ 2ª opção: F = 30.000 N; n = 6; An = 2 2 méd2méd mm/N1,22 )6(x14,3x2x6 000.30 A F =τ→==τ 2 mm/N50 100x6 000.30 A F =σ→==σ
  • 35. 7) Um suporte para televisão é sustentado por um pino de 8 mm de diâmetro. Calcule a tensão de cisalhamento média no pino sabendo que a massa da televisão é igual a 25 kg. Observação: a força cisalhante no pino é provocada pelo binário exigido para o equilíbrio de momentos fletores. 050xF800xP0MA =−→=∑ N924.3F50xF800x81,9x25 =→= Cálculo da tensão cisalhante média no pino: 2 m2m mm/N1,78 4x14,3 924.3 A F =τ→==τ
  • 36. Exercícios do Capítulo 5: 1) Para o eixo abaixo calcule: a) a tensão de cisalhamento máxima; b) o giro relativo da seção transversal B em relação ao engaste indeformável A; c) o deslocamento horizontal do ponto c. Dados: =T 4.600 N.mm; G = 60 GPa. a) J r.T =τ ( ) ( ) 4444 i 4 e mm2,270.8J1218 32 DD 32 J =→− π =− π = MPa01,5:oumm/N01,5 2,270.8 9x600.4 máx 2 máx =τ==τ b) .rad10x42,7 2,270.8x10x60 800x600.4 GJ TL 3 3 − ===θ c) mm067,010x42,7x9x9 9 tg 3 ==θ=∆→ ∆ =θ≅θ −
  • 37. 2) Um eixo de seção transversal circular fica solicitado pelos momentos de torção indicados na figura abaixo. Calcule a tensão de cisalhamento máxima e o giro relativo da seção transversal B em relação ao engaste indeformável A. Dado: G = 25 GPa. J r.T =τ onde: 444 mm3,592.613J50 32 D 32 J =→ π = π = MPa67,1:oumm/N67,1 3,592.613 25x000.41 máx 2 máx =τ==τ GJ TL =θ .rad10x194,3 3,592.613x10x25 000.2x000.63 3,592.613x10x25 500.3x000.22 3 33B − −=−=θ Resposta: .rad10x194,3 3 B − =θ (no sentido de 63.000 N.mm) 3) A tensão de cisalhamento máxima que solicita o eixo abaixo é igual a 32,5 MPa. Sabendo que o eixo tem seção transversal circular (Φ = 12 mm) e L = 500 mm calcule o valor da força F. Para este valor de F calcule o giro relativo da seção transversal onde está aplicado o binário em relação ao engaste rígido. Dado: G = 42 GPa.
  • 38. F12T = 44 mm75,2035J12 32 J =→ π = N9,918F 75,2035 6F12 5,32 J r.T máx =→ ⋅ ==τ→=τ Cálculo do ângulo de torção: 75,2035x10x42 5009,91812 GJ TL 3 ⋅⋅ ==θ .rad064,0=θ (ou: 3,7º) 4) Determine as reações nos engastes indeformáveis. O eixo é prismático e tem seção transversal circular. TTT0M BA =+→=∑ O Problema é uma vez hiperestático. Precisamos de mais uma equação que virá da “compatibilidade dos deslocamentos”. Retirando-se o apoio B tem-se o giro relativo θB:
  • 39. JG a.T GJ TL B ==θ Colocando-se o engaste B, tem-se o giro relativo :| Bθ JG L.TB| B =θ Compatibilidade dos deslocamentos: JG L.TB B | B →θ=θ JG a.T = L a.T TB = Da equação de equilíbrio: =−=−= L a.T TTTT BA T L L L a.T − L b.T T)aL( L T T AA =→−=
  • 40. Exercício do item 5.5: Calcule a tensão de cisalhamento média da barra com seção vazada de parede fina com espessura t constante. tA2 T méd =τ Onde: A é a área limitada pela linha do esqueleto 2 médméd mm/N21,10 3x204.2x2 000.135 =τ→=τ
  • 41. Exercícios do item 6.4: 1) Calcule a tensão normal e a tensão cisalhante nos pontos KeJ,I . Esforços internos na seção transversal que contém os três pontos: M = − 15.000 N.m e V = − 5.000 N 44 3 Z m10x8,1 12 30,0x08,0 I − == Cálculo da tensão normal (σ): ZI y.M =σ MPa5,12m/N10x5,12 10x8,1 )15,0(x000.15 26 I4I ==σ→ −− =σ − 0 10x8,1 )0(x000.15 J4J =σ→ − =σ − MPa5,12m/N10x5,12 10x8,1 )15,0(x000.15 26 K4K −=−=σ→ − =σ −
  • 42. Cálculo da tensão cisalhante (τ): ZI.b Q.V =τ 0 10x8,1x08,0 0x000.5 4I ==τ − MPa3125,0m/N10x125,3 10x8,1x08,0 075,0x15,0x08,0x000.5 25 4J ===τ − 0 10x8,1x08,0 0x000.5 4K ==τ − Exercício 2) Uma viga em balanço tem largura b constante em todo o comprimento igual a 10 cm e altura variável, como mostra a figura abaixo. Calcule máxcmáxtmáx e, τσσ no meio da viga e no engaste. Dado; P = 30.000 N
  • 43. • No meio da viga tem-se: M = − 30.000 (N) x 2,5 (m) = − 75.000 N.m V = − 30.000 N 45 3 Z m10x8125,2 12 15,0x10,0 I − == MPa200m/N10x200 10x8125,2 )075,0(x000.75 26 5tmáx == −− =σ − MPa200m/N10x200 10x8125,2 )075,0(x000.75 26 5cmáx −=−= − =σ − MPa3m/N10x3 10x8125,2x10,0 )0375,0x075,0x10,0(x000.30 26 5máx ===τ − • No engaste da viga tem-se: M = − 30.000 (N) x 5,0 (m) = − 150.000 N.m V = − 30.000 N 44 3 Z m10x3021,1 12 25,0x10,0 I − == MPa144m/N10x144 10x3021,1 )125,0(x000.150 26 4tmáx == −− =σ − MPa144m/N10x144 10x3021,1 )125,0(x000.150 26 4cmáx −=−= − =σ − MPa8,1m/N10x8,1 10x3021,1x10,0 )0625,0x125,0x10,0(x000.30 26 4máx ===τ − Exercício 3: Para a viga abaixo calcule as tensões normais extremas (σmáx T e σmáx C ) e a maior tensão cisalhante.
  • 44. N000.27VV0F BAY =+→=∑ 09,3xV7,2x000.152,1x000.120M BA =−+→=∑ N9,076.14VB = 02,1x000.157,2x000.129,3xV0M AB =−−→=∑ N1,923.12VA = 44 3 Z m10x998,6 12 36,0x18,0 I − == MPa34,4m/N10x34,4 10x998,6 18,0x3,892.16 26 4tmáx ===σ − MPa34,4m/N10x34,4 10x998,6 )18,0(x3,892.16 26 4cmáx −=−= − =σ − MPa326,0m/N2,854.325 10x998,6x18,0 09,0x18,0x18,0x9,076.14 2 4máx ===τ − Exercício 4: A viga abaixo está solicitada por três forças atuando no plano de simetria vertical. Calcule as tensões normais extremas (σmáx T e σmáx C ) e a maior tensão cisalhante.
  • 45. N500.12VV0F BAY =+→=∑ 09x000.20,6xV0,4x500.40,2x000.60M BA =+−+→=∑ N000.8VB = 00,3x000.20,2x500.40,4x000.6Vx60M AB =+−−→=∑ N500.4VA = Cálculo do momento de inércia IZ: 44 33 Z m10x25,2 12 30,0x10,0 12 h.b I − === Cálculo das tensões normais extremas: 26 4 Z Tmáx m/N10x0,6 10x25,2 15,0x000.9 I y.M ===σ − = 6,0 MPa 26 4 Z Cmáx m/N10x0,6 10x25,2 )15,0(x000.9 I y.M −= − ==σ − = − 6,0 MPa Cálculo de τmáx: ZIb Q.V =τ 25 4máx m/N10x0,3 1025,2x10,0 )075,0x15,0x10,0(x000.6 ==τ −
  • 46. Exercícios do item 6.7: 1) Sendo Ε Ι = constante, determine: a) a equação da tangente à linha elástica; b) a equação da linha elástica; c) a deflexão do ponto A; d) a deflexão do ponto d. Colocando-se o sistema de referência no ponto A: )x(M)x(vIE || −= )Lx0(x.P)x(M ≤≤−= x.P)x(vIE || += 1 2 | C 2 xP )x(vIE += Os engastes impedem rotações, então: 0)L(v | = 2 PL C0C 2 LP )L(vIE 2 11 2 | −=→=+= a) 2 PL 2 xP )x(vIE 22 | −= Integrando a equação acima tem-se a expressão de v(x): 2 23 C 2 xPL 6 xP )x(vIE +−=
  • 47. Os engastes impedem deslocamentos, então: 0)L(v = 3 PL 2 PL 6 PL C0C 2 LPL 6 LP )L(vIE 333 22 23 =+−=→=+−= b) 3 PL 2 xPL 6 xP )x(vIE 323 +−= c) 3 PL 2 0PL 6 0P )0(vIE 323 +−= IE3 PL v)0(v 3 A == d) ( ) 3 PL 2 )2L(PL 6 2LP )2L(vIE 323 +−= 3 333 PL 48 )16121( 3 PL 4 PL 48 PL )2/L(EIv +− =+−= EI48 PL5 v)2/L(v 3 d == 2) Sendo Ε Ι = constante, determine: a) a equação da tangente à linha elástica; b) a equação da linha elástica; c) a deflexão do ponto A; d) a deflexão do ponto d. )Lx0( 2 qx )x(M 2 ≤≤−= 2 qx )x(vIE 2 || +=
  • 48. 1 3 | C 6 qx )x(vIE += Os engastes impedem rotações, então: 0)L(v | = 6 qL C0C 6 Lq )L(vIE 3 11 3 | −=→=+= a) 6 qL 6 xq )x(vIE 33 | −= Integrando a equação acima tem-se a expressão de v(x): 2 34 C 6 xqL 24 xq )x(vIE +−= Os engastes impedem deslocamentos, então: 0)L(v = 8 qL 6 qL 24 qL C0C 6 LqL 24 Lq )L(vIE 444 22 34 =+−=→=+−= b) 8 qL 6 xqL 24 xq )x(vIE 434 +−= c) 8 qL 6 0qL 24 0q )0(vIE 434 +−= IE8 qL v)0(v 4 A == d) 8 qL 6 )3/L(qL 24 )3/L(q )3/L(vIE 434 +−= 4 444 qL 1944 )2431081( 8 qL 18 qL 1944 qL )3/L(EIv +− =+−= EI243 qL17 EI1944 qL136 v)3/L(v 44 d === 3) Sendo Ε Ι = constante, determine: a) a equação da tangente à linha elástica; b) a equação da linha elástica; c) a deflexão máxima; d) a rotação nos apoios.
  • 49. )Lx0( 2 qx x 2 qL 2 qx xV)x(M 22 A ≤≤−=−= 2 qx x 2 qL )x(vIE 2 || +−= 1 3 2| C 6 qx x 4 qL )x(vIE ++−= 21 4 3 CxC 24 qx x 12 qL )x(vIE +++−= Condições de contorno (ou condições de extremidades): 0)0(v = e 0)L(v = 0C0C0C 24 0q 0 12 qL )0(vIE 221 4 3 =→=+++−= 0LC 24 qL L 12 qL )L(vIE 1 4 3 =++−= 24 qL C 24 qL 12 qL LC 3 1 44 1 =→−= a) 24 qL 6 qx x 4 qL )x(vIE 33 2| ++−= b) x 24 qL 24 qx x 12 qL )x(vIE 34 3 ++−= c) A deflexão máxima ocorre no meio da viga: )2/L( 24 qL 24 )2/L(q )2/L( 12 qL )2/L(vIE 34 3 ++−= 4 444 qL 384 )814( 48 qL 384 qL 96 qL )2/L(vIE ++− =++−=
  • 50. IE384 qL5 )2/L(vv 4 máx == Observação: Para vigas bi-apoiadas a deflexão máxima ocorre onde 0)x(v| = 0 24 qL 6 qx x 4 qL )x(vIE 33 2| =++−= De onde: 0LxL6x40 24 L x 4 L 6 x 323 3 2 3 =+−→=+− A equação do terceiro grau acima fornece três raízes reais que são: X1 = 1,366L X2 = 0,5L X3 = − 0,366L d) Rotação nos apoios: )x()x(v| θ≅ IE24 qL )0(v 24 qL 6 0q 0 4 qL )0(vIE 3 A | 33 2| =θ≅→++−= IE24 qL )L(v 24 qL 6 qL L 4 qL )L(vIE 3 B | 33 2| −=θ≅→++−=
  • 51. 4) Determine a deflexão no meio da viga. IE = constante. Trecho 1: )2/Lx0(x 2 P )x(M ≤≤= x 2 P )x(vIE || −= 1 2| Cx 4 P )x(vIE +−= Para x = L/2: v| (L/2) = 0 16 PL C0C)2/L( 4 P )2/L(vIE 2 11 2| =→=+−= 2 2 3 Cx 16 PL x 12 P )x(vIE ++−= Para x = 0: v(0) = 0 0C0C0 16 PL 0 12 P )0(vIE 22 2 3 =→=++−= Cálculo da deflexão no meio do vão: 3 332 3 PL 96 )31( 32 PL 96 PL )2/L( 16 PL )2/L( 12 P )2/L(vIE +− =+−=+−= IE48 PL v)2/L(v 3 máx == 5) Sabendo que a deflexão máxima da viga abaixo é igual a 0,6 cm calcule o valor do módulo de elasticidade da viga abaixo. IE = constante.
  • 52. IE48 PL v 3 máx = 44 3 z m10x375,3 12 30,015,0 I − = ⋅ = 4 3 10x375,3E48 )4,6(26000 006,0 − ⋅⋅ = 29 m/N10x12,70E = ou: GPa12,70E = 6) Calcule a deflexão (flecha) máxima da viga abaixo. IE = constante. Dados: Ε = 120 GPa; q = 80.000 N/m 43 33 m10x083,2I 12 )5,0(20,0 12 hb I − =→ ⋅ == EI qL00652,0 v)L52,0(v 4 máx == m10x3,1 10x083,2x10x120 )5(x000.80x00652,0 v 3 39 4 máx − − ==
  • 53. Exercícios do item 7.1: 1) Para a estrutura abaixo calcule as tensões normais extremas e a posição da linha neutra. Dado: F = 100.000 N Reduzindo a força F ao centróide tem-se: MZ = 100.000 (N) x 100 (mm) = 1,0 x 10 7 N.mm z z I yM A F ⋅ +=σ
  • 54. 12 400x200 y10x0,1 400x200 100.000 3 7 ⋅ −−=σ y10x375,91,25 3 ⋅−−=σ − Cálculo das tensões normais extremas: 23 Tmáx mm/N625,0)200(10x375,91,25 =−−−=σ − 23 Cmáx mm/N125,3)200(10x375,91,25 −=−−=σ − Equação da linha neutra: σ = 0 y10x375,91,250 3 ⋅−−= − mm133,33 10x375,9 1,25 y 3 −= − = − Exercício 2) Calcule a tensão normal nos pontos f e g e a posição da linha neutra no engaste. Calcule também a tensão de cisalhamento máxima. Seção transversal do engaste:
  • 55. Mz = – 3000 x 3,7 – 5.000 x 2,5 = – 23.600 N.m z z I yM A F ⋅ +=σ 12 5,0x25,0 y23600 5,0x0,25 150.000 3 ⋅ −−=σ y10x06,910x1,2 66 ⋅−−=σ Cálculo das tensões normais: MPa06,1)25,0(10x06,910x1,2 66 f =−⋅−−=σ MPa46,3)25,0(10x06,910x1,2 66 g −=⋅−−=σ Equação da linha neutra: σ = 0 y10x06,910x1,20 66 ⋅−−= m13,0 10x06,9 10x1,2 y 6 6 −= − = Cálculo de τmáx: ZIb QV ⋅ ⋅ =τ 2 3máx m/N000.96 10x604,2x25,0 0,125x0,25x0,25x8.000 ==τ −
  • 56. Exercícios do item 8.4: 1) Investigue se vai ocorrer flambagem do pilar BC. Dados: ΕBC = 120 GPa; LBC = 4,0 m. Cálculo da carga crítica do pilar BC: ( )2 fl min 2 CR L IE P π = 4 3 min mm500.112 12 30x50 I == mm40004000x0,1LKLfl ==⋅= ( ) N5,327.8 4000 112500x10x120 P 2 32 CR = ⋅π = A força de compressão que atua no pilar BC é maior do que a carga crítica ( CRP ) do pilar. Portanto, vai ocorre flambagem do pilar BC.
  • 57. 2) Resolva o problema anterior considerando-se que o pilar BC está engastado no ponto C. Cálculo da carga crítica do pilar BC: ( )2 fl min 2 CR L IE P π = mm28004000x7,0LKLfl ==⋅= ( ) N9,994.16 2800 112500x10x120 P 2 32 CR = ⋅π = CRBC PF < , neste caso não vai ocorrer flambagem do pilar. 3) Calcule o valor crítico da força P. As duas barras têm seção transversal circular com diâmetro φ = 15mm e módulo de elasticidade Ε = 205 GPa.
  • 58. o 60)5,0(cosarc 69,0 345,0 cos =θ→=θ→=θ P155,1 60sen P F0senFP0F o22Y −=−=→=θ+→=∑ θ−=→=θ+→=∑ cosFF0cosFF0F 2121X P5775,060cos)P155,1(F o 1 =−−= Cálculo da carga crítica da barra 2: ( )2 fl min 2 CR L IE P π = 49 44 min m10x485,2 64 )015,0( 64 D I − = π = π = m69,069,0x0,1LKLfl ==⋅= ( ) N560.10 69,0 10x485,2x10x205 P 2 992 CR = ⋅π = − Para que ocorra flambagem da barra 2: F2 = Pcr, então: N9,142.9P560.10P155,1 =→=
  • 59. Exercício do item 9.2: Calcule a tensão normal e a tensão cisalhante nas direções θ = 60º e θ = 150º. MPa32 25x15 000.12 A F xx −=σ→ − ==σ Para θ = 60º tem-se as tensões: MPa2460sen.32sen. 022 x −=−=θσ=σθ MPa86,1360cos.60sen)32(cos.sen. oo x =−−=θθσ−=τθ Para θ = 150º tem-se as tensões: MPa8150sen.32sen. 022 x −=−=θσ=σθ MPa86,13150cos.150sen)32(cos.sen. oo x −=−−=θθσ−=τθ Exercício do item 9.3: Duas peças de madeira são coladas como mostra a figura abaixo. A cola não pode ser tracionada e a tensão admissível ao cisalhamento é igual a 4,0 MPa. Investigue se a solicitação na cola é admissível.
  • 60. θθτ+θσ+θσ=σθ sencos2cossen xy 2 y 2 x ( ) ( )θ−θτ+θθσ−σ=τθ 22 xyxy cossencossen Neste problema: σx = 2,0 MPa ; σy = − 5,0 MPa ; τxy = 0,0 Para θ = 45º tem-se as tensões: MPa5,1045cos0,545sen0,2 o2o2 −=σ→+−=σ θθ ( ) MPa5,3045cos45sen0,20,5 oo −=τ→+−−=τ θθ Conclusão: A solicitação na cola é admissível. Exercício do item 9.5: 1) Um elemento estrutural fica solicitado pelas tensões indicadas na figura abaixo. Calcule: a) as tensões e as direções principais (mostre os resultados em um elemento orientado); b) as tensões que atuam nos planos que formam ângulos de 10 0 ; c) a maior tensão de cisalhamento do plano xOy e a direção θ3. a) 2 xy 2 yxyx 2 1 22 τ+        σ−σ ± σ+σ =σ ( )2 2 2 1 25 2 8535 2 8535 −+      − ± + =σ então: MPa36,951 =σ e MPa64,242 =σ 0 1 x1 xy 1 5,22 3536,95 25 tg −=θ→ − − = σ−σ τ =θ
  • 61. 0 2 2x xy 2 5,67 64,2435 25 tg =θ→      − − −=        σ−σ τ −=θ b) Para 0 10=θ , tem-se as tensões: 000202 10sen10cos)25(210cos8510sen35 −++=σθ MPa94,74= ( ) )10cos10sen(2510cos10sen3585 020200 −−−=τθ MPa04,32= c) τmáx= 2 xy 2 yx 2 τ+        σ−σ τmáx= 2 2 )25( 2 8535 −+      − = 35,36 MPa ( ) 0 33 yx xymáx 3 51,22)4144,0(tanarc 5,0)8535( 2536,35 5,0 tg =θ→=θ ⋅− − −=         ⋅σ−σ τ+τ −=θ 2) Para um ponto da barra abaixo calcule: a) as tensões principais e as direções principais (mostre os resultados em um elemento orientado): b) τmáx do plano xoy e a direção θ3 .
  • 62. 22 mm68,126)35,6(A =π= 2 2x mm/N71 )mm(68,126 )N(000.9 A F ===σ a) ( )2 xy 2 yxyx 2 1 22 τ+        σ−σ ± σ+σ =σ ( )2 2 2 1 0 2 071 2 071 +      − ± + =σ 5,355,35 ±= De onde: MPa711 =σ e 02 =σ Cálculo das direções principais: 0 0 7171 0 tan x1 xy 1 = − = σ−σ τ =θ (indeterminado) Neste caso, a fórmula acima não pode ser usada. Nos planos principais a tensão cisalhante é nula. Então, σx e σy são tensões principais: o 11x 90;MPa71 =θ=σ=σ o 22y 0;0 =θ=σ=σ
  • 63. b) ( )2 xy 2 yx min máx 2 τ+        σ−σ ±=τ ( ) →+      − ±=τ 2 2 min máx 0 2 071 MPa5,35eMPa5,35 minmáx −=τ=τ ( ) 1 5,0)071( 05,35 5,0 tan yx xymáx 3 −=      ⋅− + −=         ⋅σ−σ τ+τ −=θ o 3 45)1(tanarc −=−=θ Observação: Em uma barra tracionada (ou comprimida) a tensão cisalhante máxima atua nos planos que formam 45º com o eixo x e seu valor é a metade da tensão normal máxima: 2 x máx σ =τ . No entanto, dependendo da resistência do material máxτ pode romper uma barra. 3) Um eixo maciço está solicitado por um torque Τ = 73.630 N.mm. Para um ponto localizado na superfície do eixo calcule usando o círculo de Mohr: a) as tensões principais e as direções principais (mostre os resultados em um elemento orientado):
  • 64. b) τmáx do plano xoy e a direção θ3. O momento de torção (ou torque) produz um estado de cisalhamento puro. J r.T =τ (Expressão válida para seção transversal circular) 4 44 mm3,592.613 32 )50( 32 D J = π = π = 2 xyxy mm/N3 3,613592 25x73630 =τ→=τ Círculo de Mohr:
  • 65. Elemento orientado da letra a: b) τmáx = 3,0 MPa θ3 = 90º
  • 66. Exercícios do item 9.8: 1)Uma circunferência de raio r = 600 mm é desenhada em uma placa quadrada de lado L = 1400 mm. Determine os comprimentos dos diâmetros ab e cd depois de aplicadas as tensões indicadas. Dados: σx = 150 MPa; σy = 80 MPa ; Ε = 70 GPa ; ν = 0,3 [ ])( E 1 zyxx σ+σν−σ=ε [ ] 366 9x 10x486,2)010x80(3,010x150 10x70 1 − =+−−=ε xxx LL L L ε=∆→ ∆ =ε mm98,2120010x486,21200L 3 xab =⋅=⋅ε=∆ − mm98,1202L98,21200L1200L abFababF =→+=∆+= [ ])( E 1 zxyy σ+σν−σ=ε [ ] 366 9y 10x786,1)010x150(3,010x80 10x70 1 − −=+−−=ε yyy LL L L ε=∆→ ∆ =ε
  • 67. mm14,2120010x786,11200L 3 ycd −=⋅−=⋅ε=∆ − mm86,1197L14,21200L1200L cdFcdcdF =→−=∆+= 2) Em uma chapa de liga de titânio desenhou-se uma linha inclinada. Calcule o valor em graus do ângulo β depois de aplicadas as tensões indicadas. Dados: σx = 90 MPa; σy = 70 MPa Εtitânio = 120 GPa ; νtitânio = 0,36 o 55,27)5217,0(tanarc mm230 mm120 tg =β→=β→=β [ ])( E 1 zyxx σ+σν−σ=ε [ ] 466 9x 10x06,9)010x70(36,010x90 10x120 1 − =+−−=ε xxx LL L L ε=∆→ ∆ =ε mm2208,023010x60,9230L 4 xx =⋅=⋅ε=∆ − mm2208,230L2208,0230L230L FxxFx =→+=∆+= [ ])( E 1 zxyy σ+σν−σ=ε [ ] 466 9y 10x53,8)010x90(36,010x70 10x120 1 − −=+−−=ε yyy LL L L ε=∆→ ∆ =ε mm102,012010x53,8120L 4 yy −=⋅−=⋅ε=∆ − mm898,119L102,0120L120L FyyFy =→−=∆+=
  • 68. o FFF 51,27)5208,0(tanarc mm2208,230 mm898,119 tg =β→=β→=β 3) Uma barra está solicitada pela tensão normal σx. Para este caso demonstre que: ν− ε+ε+ε =σ 21 E)( zyx x Lei de Hooke Generalizada: [ ])( E 1 zyxx σ+σν−σ=ε [ ])( E 1 zxyy σ+σν−σ=ε [ ])( E 1 yxzz σ+σν−σ=ε Para uma barra solicitada pela tensão normal σx tem-se: [ ] E )00( E 1 x xx σ =+ν−σ=ε [ ] E )0(0 E 1 x xy νσ −=+σν−=ε [ ] E )0(0 E 1 x xz νσ −=+σν−=ε Somando as deformações εx , εy e εz tem-se: EEE xxx zyx νσ − νσ − σ =ε+ε+ε )1( E x zyx ν−ν− σ =ε+ε+ε ν− ε+ε+ε =σ 21 E)( zyx x 4) Em muitas situações de carregamento a tensão normal em uma direção é igual a zero, como na chapa da figura abaixo onde σz = 0 (estado plano de tensão). Para este caso demonstre que:
  • 69. ν− ε+εν −=ε 1 )( yx z Para uma chapa solicitada por σx e σy tem-se: [ ] )( E 1 )0( E 1 yxyxx νσ−σ=+σν−σ=ε [ ] )( E 1 )0( E 1 xyxyy νσ−σ=+σν−σ=ε [ ] E )( )(0 E 1 yx yxz σ+σν −=σ+σν−=ε Somando as expressões de εx e εy , tem-se: )( E 1 yxyx νσ−σ=ε+ε + )( E 1 xy νσ−σ yxyx ( E 1 νσ−σ=ε+ε + )xy νσ−σ )1()1(E)( yxyx ν−σ+ν−σ=ε+ε )()1(E)( yxyx σ+σν−=ε+ε De onde: ν− ε+ε =σ+σ 1 E)( yx yx Colocando-se a expressão acima na expressão de εz, tem-se: E 1 )( EE )( yxyx z ν− ε+ε ⋅ ν −= σ+σν −=ε ν− ε+εν −=ε 1 )( yx z
  • 70. Exercícios sobre critério de resistência de von Mises (item 10.4) 2 Y 2 yz 2 xz 2 xyzyzxyx 2 z 2 y 2 x )(3 σ<τ+τ+τ+σσ−σσ−σσ−σ+σ+σ 1) Usando o critério de resistência de von Mises investigue se o eixo abaixo está em segurança. Dado: MPa100Y =σ 26 2x m/N10x96,79 )025,0( 157000 A F = π ==σ J rT⋅ =τ 26 4yx m/N10x06,25 32 )05,0( 025,0x615 = π =τ→ Critério de von Mises: 2 Y 2 xy 2 x )(3 σ<τ+σ 222 100)06,25(3)96,79( <+ 000.106,277.8 < Segundo o critério de von Mises o eixo está em segurança.
  • 71. 2) Sabendo que MPa240Y =σ calcule o valor do momento de torção que inicia o escoamento do eixo abaixo. J rT⋅ =τ T10x2595,3 32 )25( 5,12xT 4 4yx − = π =τ→ 2 Y 2 xy )(3 σ<τ 224 240)T10x5259,3(3 =− 57600T10x06243,1x3 27 =− mm.N109.425T 10x72918,3 57600 T 7 2 =→= − Observação: Usando o critério de Tresca: Y31 σ<σ−σ 2 xy 2 yxyx 2 1 22 τ+        σ−σ ± σ+σ =σ 2 xy 2 1 τ±=σ→ T10x2595,3 4 xy1 − =τ+=σ ; T10x2595,3 4 xy2 − −=τ−=σ
  • 72. As três tensões principais são: T10x2595,3 4 1 − =σ 02 =σ T10x2595,3 4 3 − −=σ Colocando as tensões principais extremas no critério de Tresca: −− T10x2595,3 4 240)T10x5259,3( 4 =− − De onde: Τ = 368.155 N.mm Comparação entre os critérios de von Mises e de Tresca: 1547,1 155.368 109.425 Tresca Misesvon == Portanto, o valor do momento de torção que inicia o escoamento do eixo segundo o critério de von Mises é 15,47% maior que o valor fornecido pelo critério de Tresca. Esta é a diferença máxima entre os dois critérios e ocorre na torção pura. 3) Sabendo que MPa400Y =σ calcule o valor da força P inicia o escoamento da viga abaixo. A F I yM Z +=σ P100,5xP2M −=−= 30,0x2,0 P15 12 3,0x2,0 yP10 3 − − =σ
  • 73. P250y.P22,222.22 −−=σ Tensão normal no ponto b: P250P33,333.3P250)15,0.(P22,222.22b −−=−−=σ P33,3583b −=σ Para que inicie o escoamento (critério de von Mises): 2622 Y 2 x )10x400()P33,3583( =−→σ=σ Ou: N9,627.111P10x400P33,3583 6 =→= Observação: Se tirar a força axial (N = 0): N000.120P10x400P33,3333 6 =→= 4) Usando o critério de von Mises investigue se o elemento abaixo está em segurança. Dado: MPa320Y =σ
  • 74. 2 Y 2 yz 2 xz 2 xyzyzxyx 2 z 2 y 2 x )(3 σ<τ+τ+τ+σσ−σσ−σσ−σ+σ+σ 2222222 320)306045(3110x)80(110x50)80(x50110)80(50 <+++−−−−−+−+ 400.102875.47 < Segundo o critério de von Mises o elemento está em segurança. 5) Usando o critério de von Mises calcule o valor da tensão normal σX que inicia o escoamento do elemento abaixo. Dado: MPa720Y =σ 2 Y 2 yz 2 xz 2 xyzyzxyx 2 z 2 y 2 x )(3 σ<τ+τ+τ+σσ−σσ−σσ−σ+σ+σ 2222 xx 222 x 207)50400(3120801208012080 =+++⋅−⋅σ−⋅σ−++σ 849.42500.23200 x 2 x =+σ−σ
  • 75. 0349.19200 x 2 x =−σ−σ De onde: MPa3,71eMPa3,271 xx −=σ=σ 6) Usando o critério de von Mises calcule o valor da tensão cisalhante τXY que inicia o escoamento do elemento abaixo. Dado: MPa150Y =σ 2 Y 2 yz 2 xz 2 xyzyzxyx 2 z 2 y 2 x )(3 σ<τ+τ+τ+σσ−σσ−σσ−σ+σ+σ 2222 xy 222 150)5040(3120801200800120800 =++τ+⋅−⋅−⋅−++ 500.22)25001600(311200 2 xy =++τ+ 7500480011200225003 2 xy −−−=τ 10003 2 xy −=τ Portanto, para 0xy =τ o elemento já está escoando. 7) Usando o critério de von Mises calcule o valor da tensão cisalhante τXZ que inicia o escoamento do elemento abaixo. Dado: MPa150Y =σ
  • 76. 2 Y 2 yz 2 xz 2 xyzyzxyx 2 z 2 y 2 x )(3 σ<τ+τ+τ+σσ−σσ−σσ−σ+σ+σ 222 xz 2222 150)500(3120801200800120800 =+τ++⋅−⋅−⋅−++ 500.22)7500311200 2 xz =+τ+ 3 3800 38003 zx 2 zx =τ→=τ MPa59,35zx =τ 8) Usando o critério de von Mises investigue se o elemento abaixo está em segurança quando solicitado pelas tensões indicadas. Dado: MPa320Y =σ 2 Y 2 yz 2 xz 2 xyzyzxyx 2 z 2 y 2 x )(3 σ<τ+τ+τ+σσ−σσ−σσ−σ+σ+σ
  • 77. 9) Usando o critério de von Mises investigue se o elemento abaixo está em segurança quando solicitado pela tensão indicada. Dado: MPa320Y =σ 2 Y 2 yz 2 xz 2 xyzyzxyx 2 z 2 y 2 x )(3 σ<τ+τ+τ+σσ−σσ−σσ−σ+σ+σ Observação: “O escoamento ocorre sem variação de volume” (?????) Vamos supor que uma barra de aço doce tem tensão de escoamento .MPa400Y =σ Aplicando-se a F = 80.000 N, tem-se: Y 2 mm/N400 2010 80000 σ== ⋅ =σ Tensão esférica: 0 V V ≠ ∆ Tensões desvidadoras: 0 V V = ∆ A tensão de cisalhamento é igual a zero em todas as direções do estado de tensão esférico. O escoamento é provocado pela tensão cisalhante, portanto, as tensões desviadoras são as responsáveis pelo escoamento. Então, podemos afirmar que o escoamento ocorre sem variação de volume?
  • 78. Exercícios do Anexo à apostila: 1) Determine as coordenadas do centróide de uma área retangular. h.b dzdy.y A dA.y y h 0 b 0A _ ∫ ∫∫ == [ ] b. 2 h . h.b 1 z. 2 y h.b 1 2 b 0 h 0 2 =      = de onde: 2 h y _ = h.b dz.zdy A dA.z z h 0 b 0A _ ∫ ∫∫ == [ ] 2 b h h.b 1 2 z .y h.b 1 2b 0 2 h 0 ⋅⋅=      = de onde: 2 b z _ = O Sistema de referência pode ter origem em qualquer ponto do plano da área. Para o sistema de referência acima: mmxxz _ =
  • 79. →= 0y _ 0 A dA.y y A _ == ∫ 0dA.y:entãoA A =∞≠ ∫ 0dA.yQ AZ == ∫ O eixo z passa pelo centróide da área A, portanto, o momento estático de uma área finita em relação a qualquer eixo que passa pelo centróide é nulo. 2) Calcule o momento estático da área hachurada em relação ao eixo horizontal do centróide. 60 60 160 200 2 160 200 60 60AZ z 2 y dz.dy.ydA.yQ − − − − − − ⋅=== ∫ ∫∫ [ ] [ ] [ ] 120000.40600.25 2 1 )60(60)200()160( 2 1 Q 22 Z ⋅−=−−⋅−−−= 3 Z mm000.864Q −= Outra forma de calcular-se o momento estático: AyQ A Q y A dA.y y _ Z Z _ A _ ⋅=→=→= ∫ 3 Z mm000.86412040)180(Q −=⋅⋅−= Outra forma de calcular-se o momento estático: através da área abaixo
  • 80. 3 _ Z mm000.86436012020AyQ =⋅⋅=⋅= 3) Calcule o momento estático da área hachurada em relação ao eixo horizontal do centróide. 3 _ Z mm000.400.2120200100AyQ =⋅⋅=⋅= • Demonstração do teorema dos eixos paralelos 2 |ZZ a.AII += 2 |YY b.AII +=
  • 81. ∫= A 2| |Z dA)y(I [ ]∫∫ ++=+= A 2|2| A 2| Z dAaay2)y(dA)ay(I ∫ ∫ ∫++= A A A 2|2| Z dAadAya2dA)y(I O momento estático de uma área em relação a um eixo que passa pelo seu centróide é nulo, então: ∫ = A | 0dAy 2 |ZZ a.AII += 4) Para a área abaixo, determine: a) o momento de inércia IZ b) o momento de inércia IY a) ∫∫∫ −− ⋅== 2b 2b 2h 2h 2 A 2 Z dzdyydAyI ⋅= − 2h 2h 3 Z 3 y I 2b 2b z −       − −⋅        − −= 2 b 2 b 8 h 8 h 3 1 33 12 hb Ib 8 h 8 h 3 1 I 3 Z 33 Z =→⋅        +=
  • 82. b) ∫∫∫ −− ⋅== 2b 2b 22h 2hA 2 Y dzzdydAzI ⋅= − 2h 2hY yI 2b 2b 3 3 z − 12 bh 3 = 5) Determine o momento de inércia de uma área circular vazada em relação ao eixo Z. ∫= A 2 Z dAyI drrddA ⋅θ= θ=→=θ senry r y sen ∫ θθ= drrd)rsen(I 2 Z ∫ ∫ π θ= er ir 2 0 23 dsendrr ( ) π θθ−θ⋅= 2 0 er ir 4 Z cossen 2 1 4 r I ( ) ( )[ ])0cos0sen0(2cos2sen2 2 1 4 rr I 4 i 4 e Z −−ππ−π⋅ − =
  • 83. ( ) ( ) 4 rr I2 2 1 4 rr I 4 i 4 e Z 4 i 4 e Z −π =→π⋅ − = Ou colocando em função dos diâmetros externo e interno:               −     π = 4 i 4 e Z 2 D 2 D 4 I         − π = 16 D 16 D 4 4 i 4 e [ ]4 i 4 eZ DD 64 I − π = Particularizando para seção cheia (Di = 0): 64 D I 4 e Z π = Observações: 1ª ) Existem infinitos eixos de simetria que passam pelo centróide de uma área circular. Portanto, todos os momentos de inércia em relação aos eixos que passam pelo centróide são iguais. 2ª ) Não confundir momento de inércia (I) com momento de inércia à torção (J) I é usado na flexão J é usado na torção
  • 84. 64 D II 4 YZ π == (para seção circular cheia) 222 yzr += ∫ ∫ ∫∫ +=+== A A A 2222 A 2 dAydAzdA)yz(dArJ ZY IIJ += 32 D 64 D 64 D 444 π = π + π = 6) Calcule o momento de inércia de uma área em forma de “T” em relação ao eixo horizontal (Z) do centróide. Cálculo das coordenadas do centróide: 0z _ =
  • 85. 21 _ 22 _ 11A _ AA yAyA A ydA y + + == ∫ 10,0x80,020,0x50,0 55,0x10,0x80,025,0x50,0x20,0 + + = m383,0 18,0 069,0 y _ == Se o sistema de referência auxiliar for colocado na face superior, tem-se: = _ y m217,0 18,0 039,0 10,0x80,020,0x50,0 35,0x50,0x20,005,0x10,0x80,0 == + + Transladando-se o sistema de referência para o centróide da figura, tem-se: Cálculo de IZ usando-se o teorema dos eixos paralelos: 2 |ZZ a.AII += 2 3 2 3 Z )133,0(x5,0x2,0 12 5,0x2,0 )167,0(x1,0x8,0 12 1,0x8,0 I +++=
  • 86. 43 Z m10x15,6I − = 7) Para a área do exercício anterior calcule o momento de inércia em relação ao eixo y ( YI ). 43 33 Y m10x6,4 12 20,0x50,0 12 80,0x10,0 I − =+= 8) Para a área abaixo calcule os momentos de inércia em relação aos eixos Z e Y. 410 33 Z mm10x97,1 12 400x300 12 800x500 I =−= 49 33 Y mm10x43,7 12 300x400 12 500x800 I =−=