SlideShare uma empresa Scribd logo
Evolução em Dois Mundos
Pelo espírito de André Luiz
Psicografia de Chico Xavier e Waldo Vieira
Federação Espírita do Estado de Goiás – FEEGO
Goiânia (GO)
Primeira Parte - Capítulo XI
Existência da Alma
19/06/2017
Federação Espírita do Estado de Goiás – FEEGO
Goiânia (GO)
FOTOSSÍNTESE
Antes da nossa
atmosfera rica em O2,
os seres já respiravam,
mas de forma
anaeróbica, ou seja, em
ambientes
caracterizados pela
ausência do gás O2.
Contudo, foi com o
advento da
fotossíntese que o
ar tornou-se
respirável para
seres como nós....
E assim foram surgindo os seres da criação, uns chegando
pra ficar, outros apenas cumprindo suas tarefas e
desaparecendo...
... E de degrau em degrau, novas formas físicas foram sendo
aprimoradas para que se cumprisse o projeto mais
audacioso da criação: o ser humano!
“O homem, perdido na vastidão do paleolítico, aprendeu a
chorar, [...] ajustando-se às Leis Divinas a se lhe esculpirem
na face imortal e invisível da própria consciência.”
“Foi então que se reconheceu
ínfimo e frágil diante da vida,
compreendeu que, perante
Deus, seu Criador e seu Pai,
estava entregue a si mesmo.”
“O princípio da
responsabilidade havia
nascido!”
Na idade da pedra lascada...
EVOLUÇÃO MORFOLÓGICA E MORAL
“A evolução
morfológica
prosseguiu,
emparelhando-se
com a evolução
moral.”
Ao mesmo tempo, o progresso intelectual do
homem primitivo foi acontecendo, como pano de
fundo, lentamente, gerando possibilidades para
novas aquisições e habilidades pelo ser pensante.
O crânio avançou com vagar
rumo ao aprimoramento
maior;
Os braços refinavam-se;
As mãos adquiriram
experiência táctil;
Os sentidos progrediram em aperfeiçoamento e
percepção.
E ele começou a questionar-se quem era, porque
estaria aqui e para onde iria depois... Ele já temia a
morte...
Questionamentos filosóficos
“Todavia, com o advento
da responsabilidade que o
separou da orientação
direta dos Benfeitores da
Vida Maior, entregou-se o
homem a múltiplos
tentames de progresso no
campo do espírito.”
“E quanto mais indagava,
mais se acentuava o poder
de imaginar, facilitando-
lhe a mentalização e o
desprendimento do corpo
espiritual, cujas células
em conexão com o corpo
físico, se automatizavam
assim, na emancipação
parcial através do sono,
para acesso da alma a
ensinamentos de estrutura
superior.”
Lentamente, a criatura humana começa a sentir-se inclinada
a conviver com a vizinhança, com instinto absoluto ainda
dominando sem restrições...
...no entanto, com a evolução irreversível, o amor despertou-
lhe no ser, sugerindo novas disposições à própria
existência.
A NOÇÃO DO DIRETO
Ou seja, descobre a noção de
propriedade e, ao mesmo
tempo, vai reconhecendo seus
limites...
“Em razão do apego que foi desenvolvendo pela
sua prole, foi se apropriando da faixa de solo que
habitava e, ainda atendendo a esse sentimento de
afetividade que despontava sutilmente, começa a
traçar determinadas regras de conduta, de formas
a não impor aos outros
ofensas e juízos que não
desejaria receber...”
Acontece, assim, o inesperado...
“O homem selvático, que não pretende abandonar os
apetites e os prazeres da experiência animal, fabrica para
si mesmo os freios que lhe controlarão a liberdade, a fim
de que se lhe enobreça o caráter iniciante.”
Foi sofrendo na
própria carne as
ações da imutável
lei de causa e efeito,
que entendeu que a
liberdade dele
terminava onde
começava a do
outro
“Nasce, desse modo, para ele, a noção do
Direito, sobre o alicerce das obrigações
respeitadas”
também o Espírito,
saindo de seu
primitivismo, de sua
infância espiritual, vai
se transformando e
tendo consciência da
importância de sua
presença na Terra.
CONSCIÊNCIA DESPERTA
Da mesma forma que nós, ao sairmos da infância,
vamos tendo noção das nossas crescentes
reponsabilidades sobre a vida adulta,
“Incorporando a responsabilidade, a consciência
vibra desperta e, pela consciência desperta, os
princípios de ação e reação funcionam exatos
dentro do próprio ser, assegurando-lhe a liberdade
de escolha e impondo-lhe, mecanicamente, os
resultados respectivos, tanto na esfera física como
no Mundo Espiritual.”
A LARVA E A CRIANÇA
BORBOLETA - HOLOMETÁBOLO
BARATA - HEMIMETÁBOLO
Vejamos porque André Luiz nos compara ao inseto,
para que entendamos, do ponto de vista espiritual, o
que se passa conosco durante o nascimento, o
crescimento, a morte física e o desencarne.
Ele começa o ensinamento, comparando a larva e a
criança, destacando a similitude com que a vida
assinala as alterações da existência para a alma humana
e para os insetos, durante a metamorfose integral.
O feto, no útero materno, ainda não respira, porque,
os pulmões ainda não estão ativos; ele recebe o
sangue oxigenado e os nutrientes que precisa, por
meio do cordão umbilical...
que possui duas
artérias que
levam o fluxo
sanguíneo do
feto para a
placenta e uma
veia que traz de
volta o sangue
oxigenado.
A partir do nascimento, a criança vai se
metamorfoseando, desenvolvendo-se, tornando-se mais
autônoma com relação a esses processos, “passando a
realizar, por si própria, ao comando da própria mente, a
renovação celular dos tecidos e órgãos que lhe formam
o corpo de maneira que se lhe ajuste a forma física aos
moldes do corpo espiritual”.
O mesmo acontece com a larva: já existe um programa
traçado para a sua existência e ela vai crescendo e
recorrendo às matérias nutritivas que lhe garantam o
aumento do corpo; dependendo da espécie, ao crescer,
torna-se necessário a mudança de pele para acomodar seu
próprio volume, o que ela mesma promove.
Assim, a larva dos insetos de transformação
completa, experimenta vários períodos de
renovação para chegar à fase adulta, embora
permaneça com o mesmo aspecto...
... e somente após
atingir a derradeira
mudança de pele, atinja
a fase de pupa, quando
vai diminuindo
gradativamente sua
atividade, até parar de
se alimentar.
Após completar o estado larval, o indivíduo
protege-se, no solo ou na planta, preparando a
própria liberação. Esvaziam-se-lhe os intestinos
paralisam-se-lhe os movimentos,
permanecendo assim,
fisiologicamente imóvel e
envolvendo-se, segundo
a espécie, em fios de
seda por ela própria
produzidos. Forma-se
assim o casulo em que
repousa a pupa por
tempo determinado (dias
e até meses).
Na fase de pupa (ninfa), como morto, é quando o inseto
sofre as maiores modificações no seu organismo, um
verdadeiro aniquilamento (histólise), ao mesmo tempo em
que entra em um processo de histogênese, para fazer
órgãos novos.
A histólise, que se efetua por ação dos fermentos, verifica-
se notadamente nos músculos, no sistema digestivo e no
sistema excretor, não afetando o sistema nervoso e o
circulatório.
Ao mesmo tempo em que se aniquila, durante o estádio
de ninfa, o inseto realiza a histogênese, aproveitando os
músculos remanescentes da histólise que se desfazem
das características que lhe são próprias, perdendo
gradativamente sua estriação, até que se convertam,
como se obedecessem a um processo involutivo, em
células embrionárias, tornando-se aptos a formar novos
órgãos.
Somente depois de atingir a
completa transformação, é
que o inseto, integralmente
renovado, emerge do
casulo. No caso das
borboletas, a ninfa,
aparece, na forma adulta,
com o aparelho bucal
modificado (de mastigador,
na lagarta, para sugador, na
borboleta): a maxila se
alonga, convertendo-se
numa trompa, enquanto o
lábio superior e a
mandíbula se atrofiam.
Somente depois de passar por todo esse processo e toda a
transformação estar completa é que o inseto, integralmente
renovado, emerge do casulo. No caso das borboletas, a
ninfa (ou pupa), já na forma adulta, aparece com o aparelho
bucal modificado (de mastigador, na lagarta, para sugador,
na borboleta): a maxila se alonga, convertendo-se numa
trompa, enquanto o lábio superior e a mandíbula se atrofiam.
Entretanto, embora tornando-se magnífica e bela, a
borboleta alada e multicor é o mesmo indivíduo...
...somando em si, as experiências dos três aspectos
fundamentais de sua existência:
larva – ninfa – inseto adulto.
A metamorfose dos insetos, evidencia a histogênese e a
histólise ocorrendo, simultaneamente, nos tecidos materiais.
Já na criatura humana, André Luiz nos convida a
observarmos a histólise acontecendo durante a deterioração
do corpo físico, pela morte, e a histogênese acontecendo em
nível do espírito que se desencarna, ou seja, a histogênese
espiritual. Vejamos:
Depois de completada a infância, o ser humano
atravessa etapas expressivas de renovação interior até
alcançar a maturidade corpórea, mantendo a forma
exterior sem grandes modificações. Somente pela ação
de doenças ou de senectude é exposto à
transformações mais profundas.
Como no inseto, numa determinada fase de seu ciclo de vida, a
criatura humana enfrenta uma gradativa diminuição de atividade, não
mais tolerando a alimentação.
Pouco a pouco declinam suas atividades fisiológicas e a inércia vai lhe
substituindo os movimentos. Nesse período, procura o repouso, quase
sempre no leito, preparando o trabalho liberatório.
“Chega assim o momento em que se imobiliza na
cadaverização, mumificando-se à feição de crisálida,
envolvendo-se no imo do ser com os fios dos próprios
pensamentos, conservando-se nesse casulo de forças
mentais, tecido com as suas próprias ideias reflexas
dominantes ou secreções de sua própria mente, durante um
período que pode variar entre minutos, horas, dias, meses
ou decênios.”
“No ciclo de cadaverização da forma somática, sob o governo
dinâmico da mente, o corpo espiritual padece extremas alterações
que, na essência, correspondem à histólise das células físicas, ao
mesmo tempo que elabora órgãos novos pelo fenômeno que
chamamos de histogênese espiritual, aproveitando os elementos
vivos, desagregados do tecido citoplasmático, e que se mantinham
até então, ligados à colmeia fisiológica entregue ao desequilíbrio ou
à decomposição.”
“Pela histogênese espiritual o citoplasma das células somáticas
se desvencilha de alguns característicos que lhe são próprios,
voltando temporariamente, qual atendessem a um processo
involutivo, à condição de células embrionárias multiformes que
se dividem por meio de cariocinese, plasmando, em novas
condições [vibratórias], a forma do corpo espiritual segundo o tipo
imposto pela mente.”
“Apenas aí, quando os acontecimentos da morte se
realizam, é que a criatura humana desencarnada,
plenamente renovada em si mesma, abandona o
veículo carnal a que se jungia; contudo...”
DESENCARNAÇÃO DO ESPÍRITO
“...muitas vezes intimamente
aprisionada ao casulo dos
seus pensamentos
dominantes, [...] passa a
revelar-se segundo à
densidade da vida mental
em que se gradua, dispondo
de novos elementos com que
atender à própria
alimentação, equivalentes às
trompas fluídico-magnéticas
de sucção, embora sem
perder de modo algum o
aparelho bucal que nos é
característico.”
“Semelhantes trompas ou
antenas de matéria sutil
estão patentes nas criaturas
encarnadas, a se lhes
expressarem na aura comum,
como radículas alongadas de
essência dinâmica,
exteriorizando-lhes as
radiações específicas,
trompas essas pelas quais
assimilamos ou repelimos as
emanações das coisas e dos
seres que nos cercam, tanto
quanto as irradiações de nós
mesmos, uns para com os
outros.”
“Metamorfoseada, pois, não obstante o fenômeno da
desencarnação, a personalidade humana continua, além-
túmulo, o estágio educativo que iniciou no berço, sem perder
a própria identidade, somando consigo as experiências da
vida carnal, da desencarnação e da metamorfose no plano
extrafísico.”
CONTINUAÇÃO DA EXISTÊNCIA
“Perceberemos, desse modo, que a existência da criatura,
na reencarnação, substancializa-se não apenas na Terra,
onde atende à plantação dos sentimentos, palavras,
atitudes e ações com que se caracteriza, mas também no
Mundo Espiritual, onde incorpora a si mesma a colheita da
sementeira.”
“A alma, dissemos,
vem de Deus; é, em
nós, o princípio da
inteligência e da
vida. Essência
misteriosa, escapa à
análise, como tudo
quanto dimana do
Absoluto.”
O Problema do Ser, do Destino e da Dor – Léon Denis – capítulo IX
BICHO DA SEDA
1. Kardec, A. O Livro dos Espíritos. Parte 1ª. Capítulo IV. A Vida e a Morte. Questões
68-70
2. ________. O Livro dos Espíritos. Parte 2ª. Capítulo III. Perturbação Espiritual.
Questões 163-165.
3. ________. A Gênese. Capítulos X e XI . A Gênese Orgânica e A Gênese Espiritual.
4. Denis, L. O Problema do Ser, do destino e da Dor. Primeira parte: O problema do
Ser.
5. ______. O Problema do Ser, do Destino e da Dor. Terceira parte. As Potências da
Alma.
SUGESTÕES DE LEITURA

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Evolução em Dois Mundos - Primeira Parte - Capítulo VIII - Evolução e Metabol...
Evolução em Dois Mundos - Primeira Parte - Capítulo VIII - Evolução e Metabol...Evolução em Dois Mundos - Primeira Parte - Capítulo VIII - Evolução e Metabol...
Evolução em Dois Mundos - Primeira Parte - Capítulo VIII - Evolução e Metabol...
Cynthia Castro
 
Ondas e Percepções
Ondas e PercepçõesOndas e Percepções
Ondas e Percepções
hamletcrs
 
Estados de emancipação da alma-1,5hs
Estados de emancipação da alma-1,5hsEstados de emancipação da alma-1,5hs
Estados de emancipação da alma-1,5hs
home
 
Evolução Em Dois Mundos - Debate - Capítulos I ao XV - 24072017
Evolução Em Dois Mundos - Debate - Capítulos I ao XV - 24072017Evolução Em Dois Mundos - Debate - Capítulos I ao XV - 24072017
Evolução Em Dois Mundos - Debate - Capítulos I ao XV - 24072017
Cynthia Castro
 
Evangeliza - Mediunidade com Jesus
Evangeliza - Mediunidade com JesusEvangeliza - Mediunidade com Jesus
Evangeliza - Mediunidade com Jesus
Antonino Silva
 
Aula 2 - Umbral e Colônias Espirituais
Aula 2 -  Umbral e Colônias EspirituaisAula 2 -  Umbral e Colônias Espirituais
Aula 2 - Umbral e Colônias Espirituais
Breno Ortiz Tavares Costa
 
Evolução Em Dois Mundos - Primeira Parte - Capítulo III - Evolução do Corpo E...
Evolução Em Dois Mundos - Primeira Parte - Capítulo III - Evolução do Corpo E...Evolução Em Dois Mundos - Primeira Parte - Capítulo III - Evolução do Corpo E...
Evolução Em Dois Mundos - Primeira Parte - Capítulo III - Evolução do Corpo E...
Cynthia Castro
 
Evolução Em Dois Mundos - Primeira Parte - Capítulo IV - Automatismo e Corpo ...
Evolução Em Dois Mundos - Primeira Parte - Capítulo IV - Automatismo e Corpo ...Evolução Em Dois Mundos - Primeira Parte - Capítulo IV - Automatismo e Corpo ...
Evolução Em Dois Mundos - Primeira Parte - Capítulo IV - Automatismo e Corpo ...
Cynthia Castro
 
Evolução Em Dois Mundos - Primeira Parte - Capítulo VI - Evolução e Sexo - 15...
Evolução Em Dois Mundos - Primeira Parte - Capítulo VI - Evolução e Sexo - 15...Evolução Em Dois Mundos - Primeira Parte - Capítulo VI - Evolução e Sexo - 15...
Evolução Em Dois Mundos - Primeira Parte - Capítulo VI - Evolução e Sexo - 15...
Cynthia Castro
 
Evolução em Dois Mundos - Primeira Parte - Capítulo XII - Alma e Desencarnaçã...
Evolução em Dois Mundos - Primeira Parte - Capítulo XII - Alma e Desencarnaçã...Evolução em Dois Mundos - Primeira Parte - Capítulo XII - Alma e Desencarnaçã...
Evolução em Dois Mundos - Primeira Parte - Capítulo XII - Alma e Desencarnaçã...
Cynthia Castro
 
Resumo dos Pontos Principais Doutrina Espírita
Resumo dos Pontos Principais Doutrina EspíritaResumo dos Pontos Principais Doutrina Espírita
Resumo dos Pontos Principais Doutrina Espírita
Graça Maciel
 
2.3.1 - A alma depois da morte
2.3.1 - A alma depois da morte2.3.1 - A alma depois da morte
2.3.1 - A alma depois da morte
Marta Gomes
 
Aula - Fluido Cósmico Universal - Rosana De Rosa
Aula - Fluido Cósmico Universal - Rosana De RosaAula - Fluido Cósmico Universal - Rosana De Rosa
Aula - Fluido Cósmico Universal - Rosana De Rosa
Rosana De Rosa
 
Desencarne
DesencarneDesencarne
Desencarne
Fatoze
 
AFINIDADE E SINTONIA ESPIRITUAL na visão Espírita
AFINIDADE E SINTONIA ESPIRITUAL na visão EspíritaAFINIDADE E SINTONIA ESPIRITUAL na visão Espírita
AFINIDADE E SINTONIA ESPIRITUAL na visão Espírita
ARMAZÉM DE ARTES TANIA PAUPITZ
 
Palestra Sobre Sono E Sonho
Palestra Sobre Sono E SonhoPalestra Sobre Sono E Sonho
Palestra Sobre Sono E Sonho
Grupo Espírita Cristão
 
Espírito E Matéria
Espírito E MatériaEspírito E Matéria
Espírito E Matéria
Grupo Espírita Cristão
 
Evolução em Dois Mundos - Primeira Parte - Capítulo XIV - Simbiose Espiritual...
Evolução em Dois Mundos - Primeira Parte - Capítulo XIV - Simbiose Espiritual...Evolução em Dois Mundos - Primeira Parte - Capítulo XIV - Simbiose Espiritual...
Evolução em Dois Mundos - Primeira Parte - Capítulo XIV - Simbiose Espiritual...
Cynthia Castro
 
Aula 1 - Classificação Mediúnica - Mediunidade de Efeitos Físicos
Aula 1 - Classificação Mediúnica - Mediunidade de Efeitos FísicosAula 1 - Classificação Mediúnica - Mediunidade de Efeitos Físicos
Aula 1 - Classificação Mediúnica - Mediunidade de Efeitos Físicos
Sergio Lima Dias Junior
 
Ensaio teórico das sensações e percepções dos Espíritos.
Ensaio teórico das sensações e percepções dos Espíritos.Ensaio teórico das sensações e percepções dos Espíritos.
Ensaio teórico das sensações e percepções dos Espíritos.
Denise Aguiar
 

Mais procurados (20)

Evolução em Dois Mundos - Primeira Parte - Capítulo VIII - Evolução e Metabol...
Evolução em Dois Mundos - Primeira Parte - Capítulo VIII - Evolução e Metabol...Evolução em Dois Mundos - Primeira Parte - Capítulo VIII - Evolução e Metabol...
Evolução em Dois Mundos - Primeira Parte - Capítulo VIII - Evolução e Metabol...
 
Ondas e Percepções
Ondas e PercepçõesOndas e Percepções
Ondas e Percepções
 
Estados de emancipação da alma-1,5hs
Estados de emancipação da alma-1,5hsEstados de emancipação da alma-1,5hs
Estados de emancipação da alma-1,5hs
 
Evolução Em Dois Mundos - Debate - Capítulos I ao XV - 24072017
Evolução Em Dois Mundos - Debate - Capítulos I ao XV - 24072017Evolução Em Dois Mundos - Debate - Capítulos I ao XV - 24072017
Evolução Em Dois Mundos - Debate - Capítulos I ao XV - 24072017
 
Evangeliza - Mediunidade com Jesus
Evangeliza - Mediunidade com JesusEvangeliza - Mediunidade com Jesus
Evangeliza - Mediunidade com Jesus
 
Aula 2 - Umbral e Colônias Espirituais
Aula 2 -  Umbral e Colônias EspirituaisAula 2 -  Umbral e Colônias Espirituais
Aula 2 - Umbral e Colônias Espirituais
 
Evolução Em Dois Mundos - Primeira Parte - Capítulo III - Evolução do Corpo E...
Evolução Em Dois Mundos - Primeira Parte - Capítulo III - Evolução do Corpo E...Evolução Em Dois Mundos - Primeira Parte - Capítulo III - Evolução do Corpo E...
Evolução Em Dois Mundos - Primeira Parte - Capítulo III - Evolução do Corpo E...
 
Evolução Em Dois Mundos - Primeira Parte - Capítulo IV - Automatismo e Corpo ...
Evolução Em Dois Mundos - Primeira Parte - Capítulo IV - Automatismo e Corpo ...Evolução Em Dois Mundos - Primeira Parte - Capítulo IV - Automatismo e Corpo ...
Evolução Em Dois Mundos - Primeira Parte - Capítulo IV - Automatismo e Corpo ...
 
Evolução Em Dois Mundos - Primeira Parte - Capítulo VI - Evolução e Sexo - 15...
Evolução Em Dois Mundos - Primeira Parte - Capítulo VI - Evolução e Sexo - 15...Evolução Em Dois Mundos - Primeira Parte - Capítulo VI - Evolução e Sexo - 15...
Evolução Em Dois Mundos - Primeira Parte - Capítulo VI - Evolução e Sexo - 15...
 
Evolução em Dois Mundos - Primeira Parte - Capítulo XII - Alma e Desencarnaçã...
Evolução em Dois Mundos - Primeira Parte - Capítulo XII - Alma e Desencarnaçã...Evolução em Dois Mundos - Primeira Parte - Capítulo XII - Alma e Desencarnaçã...
Evolução em Dois Mundos - Primeira Parte - Capítulo XII - Alma e Desencarnaçã...
 
Resumo dos Pontos Principais Doutrina Espírita
Resumo dos Pontos Principais Doutrina EspíritaResumo dos Pontos Principais Doutrina Espírita
Resumo dos Pontos Principais Doutrina Espírita
 
2.3.1 - A alma depois da morte
2.3.1 - A alma depois da morte2.3.1 - A alma depois da morte
2.3.1 - A alma depois da morte
 
Aula - Fluido Cósmico Universal - Rosana De Rosa
Aula - Fluido Cósmico Universal - Rosana De RosaAula - Fluido Cósmico Universal - Rosana De Rosa
Aula - Fluido Cósmico Universal - Rosana De Rosa
 
Desencarne
DesencarneDesencarne
Desencarne
 
AFINIDADE E SINTONIA ESPIRITUAL na visão Espírita
AFINIDADE E SINTONIA ESPIRITUAL na visão EspíritaAFINIDADE E SINTONIA ESPIRITUAL na visão Espírita
AFINIDADE E SINTONIA ESPIRITUAL na visão Espírita
 
Palestra Sobre Sono E Sonho
Palestra Sobre Sono E SonhoPalestra Sobre Sono E Sonho
Palestra Sobre Sono E Sonho
 
Espírito E Matéria
Espírito E MatériaEspírito E Matéria
Espírito E Matéria
 
Evolução em Dois Mundos - Primeira Parte - Capítulo XIV - Simbiose Espiritual...
Evolução em Dois Mundos - Primeira Parte - Capítulo XIV - Simbiose Espiritual...Evolução em Dois Mundos - Primeira Parte - Capítulo XIV - Simbiose Espiritual...
Evolução em Dois Mundos - Primeira Parte - Capítulo XIV - Simbiose Espiritual...
 
Aula 1 - Classificação Mediúnica - Mediunidade de Efeitos Físicos
Aula 1 - Classificação Mediúnica - Mediunidade de Efeitos FísicosAula 1 - Classificação Mediúnica - Mediunidade de Efeitos Físicos
Aula 1 - Classificação Mediúnica - Mediunidade de Efeitos Físicos
 
Ensaio teórico das sensações e percepções dos Espíritos.
Ensaio teórico das sensações e percepções dos Espíritos.Ensaio teórico das sensações e percepções dos Espíritos.
Ensaio teórico das sensações e percepções dos Espíritos.
 

Semelhante a Evolução Em Dois Mundos - Primeira Parte - Capítulo XI - Existência da Alma -19/06/2017

Problema do ser e da dor, uma obra de l
Problema do ser e da dor, uma obra de  lProblema do ser e da dor, uma obra de  l
Problema do ser e da dor, uma obra de l
marcoscubaoficial
 
Evolução em Dois Mundos - Segunda Parte - Capítulos III e IV - Corpo Espiritu...
Evolução em Dois Mundos - Segunda Parte - Capítulos III e IV - Corpo Espiritu...Evolução em Dois Mundos - Segunda Parte - Capítulos III e IV - Corpo Espiritu...
Evolução em Dois Mundos - Segunda Parte - Capítulos III e IV - Corpo Espiritu...
Cynthia Castro
 
Estudo Sistematizado da Mediunidade
Estudo Sistematizado da Mediunidade Estudo Sistematizado da Mediunidade
Estudo Sistematizado da Mediunidade
Leonardo Pereira
 
Corpos ovóides na obsessão e nas psicopatologias
Corpos ovóides na obsessão e nas psicopatologiasCorpos ovóides na obsessão e nas psicopatologias
Corpos ovóides na obsessão e nas psicopatologias
Fernando Vieira Filho
 
Estudo Sistematizado da Mediunidade
Estudo Sistematizado da Mediunidade Estudo Sistematizado da Mediunidade
Estudo Sistematizado da Mediunidade
Leonardo Pereira
 
Transplante de Órgãos e suas Repercussões Espirituais
Transplante de Órgãos e suas Repercussões EspirituaisTransplante de Órgãos e suas Repercussões Espirituais
Transplante de Órgãos e suas Repercussões Espirituais
Eduardo Henrique Marçal
 
Transplante de órgãos e suas repercussões espirituais
Transplante de órgãos   e suas repercussões espirituaisTransplante de órgãos   e suas repercussões espirituais
Transplante de órgãos e suas repercussões espirituais
Eduardo Henrique Marçal
 
Aprofundando a transição: evolução, fases do desenlace e sensações inê...
Aprofundando a transição: evolução, fases do desenlace e sensações inê...Aprofundando a transição: evolução, fases do desenlace e sensações inê...
Aprofundando a transição: evolução, fases do desenlace e sensações inê...
Ponte de Luz ASEC
 
Emancipação Parcial da Alma 2
Emancipação Parcial da Alma 2Emancipação Parcial da Alma 2
Emancipação Parcial da Alma 2
Graça Maciel
 
Uma visão incomum do ser humano
Uma visão incomum do ser humanoUma visão incomum do ser humano
Uma visão incomum do ser humano
guest424ff9
 
A religiao interior
A religiao interiorA religiao interior
A religiao interior
Ivan Andrade
 
A reencarnação fortalece os laços de familia
A reencarnação fortalece os laços de familiaA reencarnação fortalece os laços de familia
A reencarnação fortalece os laços de familia
Henrique Vieira
 
29297663 curso-de-apometria-nucleo-ramatis
29297663 curso-de-apometria-nucleo-ramatis29297663 curso-de-apometria-nucleo-ramatis
29297663 curso-de-apometria-nucleo-ramatis
Instituto de Psicobiofísica Rama Schain
 
O Perispírito
O PerispíritoO Perispírito
O Perispírito
hamletcrs
 
Emancipação parcial da alma 1
Emancipação parcial da alma 1Emancipação parcial da alma 1
Emancipação parcial da alma 1
Graça Maciel
 
Primeiro Módulo - Aula 5 - Principio vital
Primeiro Módulo - Aula 5 - Principio vitalPrimeiro Módulo - Aula 5 - Principio vital
Primeiro Módulo - Aula 5 - Principio vital
CeiClarencio
 
Corpo e perisp+ìrito
Corpo e perisp+ìritoCorpo e perisp+ìrito
Corpo e perisp+ìrito
osmabel
 
Uma visão incomum do ser humano
Uma visão incomum do ser humanoUma visão incomum do ser humano
Uma visão incomum do ser humano
fflorion
 
Desencarne
DesencarneDesencarne
Espírito, perispírito e corpo físico - IEE - CEM
Espírito, perispírito e corpo físico - IEE - CEMEspírito, perispírito e corpo físico - IEE - CEM
Espírito, perispírito e corpo físico - IEE - CEM
Wilma Badan C.G.
 

Semelhante a Evolução Em Dois Mundos - Primeira Parte - Capítulo XI - Existência da Alma -19/06/2017 (20)

Problema do ser e da dor, uma obra de l
Problema do ser e da dor, uma obra de  lProblema do ser e da dor, uma obra de  l
Problema do ser e da dor, uma obra de l
 
Evolução em Dois Mundos - Segunda Parte - Capítulos III e IV - Corpo Espiritu...
Evolução em Dois Mundos - Segunda Parte - Capítulos III e IV - Corpo Espiritu...Evolução em Dois Mundos - Segunda Parte - Capítulos III e IV - Corpo Espiritu...
Evolução em Dois Mundos - Segunda Parte - Capítulos III e IV - Corpo Espiritu...
 
Estudo Sistematizado da Mediunidade
Estudo Sistematizado da Mediunidade Estudo Sistematizado da Mediunidade
Estudo Sistematizado da Mediunidade
 
Corpos ovóides na obsessão e nas psicopatologias
Corpos ovóides na obsessão e nas psicopatologiasCorpos ovóides na obsessão e nas psicopatologias
Corpos ovóides na obsessão e nas psicopatologias
 
Estudo Sistematizado da Mediunidade
Estudo Sistematizado da Mediunidade Estudo Sistematizado da Mediunidade
Estudo Sistematizado da Mediunidade
 
Transplante de Órgãos e suas Repercussões Espirituais
Transplante de Órgãos e suas Repercussões EspirituaisTransplante de Órgãos e suas Repercussões Espirituais
Transplante de Órgãos e suas Repercussões Espirituais
 
Transplante de órgãos e suas repercussões espirituais
Transplante de órgãos   e suas repercussões espirituaisTransplante de órgãos   e suas repercussões espirituais
Transplante de órgãos e suas repercussões espirituais
 
Aprofundando a transição: evolução, fases do desenlace e sensações inê...
Aprofundando a transição: evolução, fases do desenlace e sensações inê...Aprofundando a transição: evolução, fases do desenlace e sensações inê...
Aprofundando a transição: evolução, fases do desenlace e sensações inê...
 
Emancipação Parcial da Alma 2
Emancipação Parcial da Alma 2Emancipação Parcial da Alma 2
Emancipação Parcial da Alma 2
 
Uma visão incomum do ser humano
Uma visão incomum do ser humanoUma visão incomum do ser humano
Uma visão incomum do ser humano
 
A religiao interior
A religiao interiorA religiao interior
A religiao interior
 
A reencarnação fortalece os laços de familia
A reencarnação fortalece os laços de familiaA reencarnação fortalece os laços de familia
A reencarnação fortalece os laços de familia
 
29297663 curso-de-apometria-nucleo-ramatis
29297663 curso-de-apometria-nucleo-ramatis29297663 curso-de-apometria-nucleo-ramatis
29297663 curso-de-apometria-nucleo-ramatis
 
O Perispírito
O PerispíritoO Perispírito
O Perispírito
 
Emancipação parcial da alma 1
Emancipação parcial da alma 1Emancipação parcial da alma 1
Emancipação parcial da alma 1
 
Primeiro Módulo - Aula 5 - Principio vital
Primeiro Módulo - Aula 5 - Principio vitalPrimeiro Módulo - Aula 5 - Principio vital
Primeiro Módulo - Aula 5 - Principio vital
 
Corpo e perisp+ìrito
Corpo e perisp+ìritoCorpo e perisp+ìrito
Corpo e perisp+ìrito
 
Uma visão incomum do ser humano
Uma visão incomum do ser humanoUma visão incomum do ser humano
Uma visão incomum do ser humano
 
Desencarne
DesencarneDesencarne
Desencarne
 
Espírito, perispírito e corpo físico - IEE - CEM
Espírito, perispírito e corpo físico - IEE - CEMEspírito, perispírito e corpo físico - IEE - CEM
Espírito, perispírito e corpo físico - IEE - CEM
 

Mais de Cynthia Castro

Evolução em Dois Mundos - Segunda Parte - Capítulos XIX e XX - Predisposições...
Evolução em Dois Mundos - Segunda Parte - Capítulos XIX e XX - Predisposições...Evolução em Dois Mundos - Segunda Parte - Capítulos XIX e XX - Predisposições...
Evolução em Dois Mundos - Segunda Parte - Capítulos XIX e XX - Predisposições...
Cynthia Castro
 
Evolução em Dois Mundos - Segunda Parte - Capítulos XVI, XVII e XVIII - Deter...
Evolução em Dois Mundos - Segunda Parte - Capítulos XVI, XVII e XVIII - Deter...Evolução em Dois Mundos - Segunda Parte - Capítulos XVI, XVII e XVIII - Deter...
Evolução em Dois Mundos - Segunda Parte - Capítulos XVI, XVII e XVIII - Deter...
Cynthia Castro
 
Evolução em Dois Mundos - Segunda Parte - Capítulo XV - Passe Magnético - 02/...
Evolução em Dois Mundos - Segunda Parte - Capítulo XV - Passe Magnético - 02/...Evolução em Dois Mundos - Segunda Parte - Capítulo XV - Passe Magnético - 02/...
Evolução em Dois Mundos - Segunda Parte - Capítulo XV - Passe Magnético - 02/...
Cynthia Castro
 
Evolução em Dois Mundos - Segunda Parte - Capítulos XII, XIII e XIV - Diferen...
Evolução em Dois Mundos - Segunda Parte - Capítulos XII, XIII e XIV - Diferen...Evolução em Dois Mundos - Segunda Parte - Capítulos XII, XIII e XIV - Diferen...
Evolução em Dois Mundos - Segunda Parte - Capítulos XII, XIII e XIV - Diferen...
Cynthia Castro
 
Evolução em Dois Mundos - Segunda Parte - Capítulos VIII, IX, X e XI - Matrim...
Evolução em Dois Mundos - Segunda Parte - Capítulos VIII, IX, X e XI - Matrim...Evolução em Dois Mundos - Segunda Parte - Capítulos VIII, IX, X e XI - Matrim...
Evolução em Dois Mundos - Segunda Parte - Capítulos VIII, IX, X e XI - Matrim...
Cynthia Castro
 
Evolução Em Dois Mundos - Segunda Parte - Capítulos V_VI_VII - Apresentação d...
Evolução Em Dois Mundos - Segunda Parte - Capítulos V_VI_VII - Apresentação d...Evolução Em Dois Mundos - Segunda Parte - Capítulos V_VI_VII - Apresentação d...
Evolução Em Dois Mundos - Segunda Parte - Capítulos V_VI_VII - Apresentação d...
Cynthia Castro
 
Evolução em Dois Mundos - Segunda Parte - Capítulos I e II - Alimentação e Li...
Evolução em Dois Mundos - Segunda Parte - Capítulos I e II - Alimentação e Li...Evolução em Dois Mundos - Segunda Parte - Capítulos I e II - Alimentação e Li...
Evolução em Dois Mundos - Segunda Parte - Capítulos I e II - Alimentação e Li...
Cynthia Castro
 
Evolução em Dois Mundos - Primeira Parte - Capítulo XX - Corpo e Espiritual e...
Evolução em Dois Mundos - Primeira Parte - Capítulo XX - Corpo e Espiritual e...Evolução em Dois Mundos - Primeira Parte - Capítulo XX - Corpo e Espiritual e...
Evolução em Dois Mundos - Primeira Parte - Capítulo XX - Corpo e Espiritual e...
Cynthia Castro
 
Evolução em Dois Mundos - Primeira Parte - Capítulo XVIII - Sexo e Corpo Espi...
Evolução em Dois Mundos - Primeira Parte - Capítulo XVIII - Sexo e Corpo Espi...Evolução em Dois Mundos - Primeira Parte - Capítulo XVIII - Sexo e Corpo Espi...
Evolução em Dois Mundos - Primeira Parte - Capítulo XVIII - Sexo e Corpo Espi...
Cynthia Castro
 
Evolução em Dois Mundos - Primeira Parte - Capítulo IX - Evolução e Cérebro -...
Evolução em Dois Mundos - Primeira Parte - Capítulo IX - Evolução e Cérebro -...Evolução em Dois Mundos - Primeira Parte - Capítulo IX - Evolução e Cérebro -...
Evolução em Dois Mundos - Primeira Parte - Capítulo IX - Evolução e Cérebro -...
Cynthia Castro
 
Evolução Em Dois Mundos - Primeira Parte - Capítulo II - Corpo Espiritual - 1...
Evolução Em Dois Mundos - Primeira Parte - Capítulo II - Corpo Espiritual - 1...Evolução Em Dois Mundos - Primeira Parte - Capítulo II - Corpo Espiritual - 1...
Evolução Em Dois Mundos - Primeira Parte - Capítulo II - Corpo Espiritual - 1...
Cynthia Castro
 
Evolução Em Dois Mundos - Primeira Parte - Capítulo I - Fluido Cósmico - 0304...
Evolução Em Dois Mundos - Primeira Parte - Capítulo I - Fluido Cósmico - 0304...Evolução Em Dois Mundos - Primeira Parte - Capítulo I - Fluido Cósmico - 0304...
Evolução Em Dois Mundos - Primeira Parte - Capítulo I - Fluido Cósmico - 0304...
Cynthia Castro
 
Evolução Em Dois Mundos - Metodologia - Objetivos - Apresentação - 27032017
Evolução Em Dois Mundos - Metodologia - Objetivos - Apresentação - 27032017Evolução Em Dois Mundos - Metodologia - Objetivos - Apresentação - 27032017
Evolução Em Dois Mundos - Metodologia - Objetivos - Apresentação - 27032017
Cynthia Castro
 
Seminário Memórias de Um Suicida - Última Apresentação - Projeto Espiritual -...
Seminário Memórias de Um Suicida - Última Apresentação - Projeto Espiritual -...Seminário Memórias de Um Suicida - Última Apresentação - Projeto Espiritual -...
Seminário Memórias de Um Suicida - Última Apresentação - Projeto Espiritual -...
Cynthia Castro
 
Seminário Memórias de Um Suicida - Terceira Parte - Capítulo VII - Últimos tr...
Seminário Memórias de Um Suicida - Terceira Parte - Capítulo VII - Últimos tr...Seminário Memórias de Um Suicida - Terceira Parte - Capítulo VII - Últimos tr...
Seminário Memórias de Um Suicida - Terceira Parte - Capítulo VII - Últimos tr...
Cynthia Castro
 

Mais de Cynthia Castro (15)

Evolução em Dois Mundos - Segunda Parte - Capítulos XIX e XX - Predisposições...
Evolução em Dois Mundos - Segunda Parte - Capítulos XIX e XX - Predisposições...Evolução em Dois Mundos - Segunda Parte - Capítulos XIX e XX - Predisposições...
Evolução em Dois Mundos - Segunda Parte - Capítulos XIX e XX - Predisposições...
 
Evolução em Dois Mundos - Segunda Parte - Capítulos XVI, XVII e XVIII - Deter...
Evolução em Dois Mundos - Segunda Parte - Capítulos XVI, XVII e XVIII - Deter...Evolução em Dois Mundos - Segunda Parte - Capítulos XVI, XVII e XVIII - Deter...
Evolução em Dois Mundos - Segunda Parte - Capítulos XVI, XVII e XVIII - Deter...
 
Evolução em Dois Mundos - Segunda Parte - Capítulo XV - Passe Magnético - 02/...
Evolução em Dois Mundos - Segunda Parte - Capítulo XV - Passe Magnético - 02/...Evolução em Dois Mundos - Segunda Parte - Capítulo XV - Passe Magnético - 02/...
Evolução em Dois Mundos - Segunda Parte - Capítulo XV - Passe Magnético - 02/...
 
Evolução em Dois Mundos - Segunda Parte - Capítulos XII, XIII e XIV - Diferen...
Evolução em Dois Mundos - Segunda Parte - Capítulos XII, XIII e XIV - Diferen...Evolução em Dois Mundos - Segunda Parte - Capítulos XII, XIII e XIV - Diferen...
Evolução em Dois Mundos - Segunda Parte - Capítulos XII, XIII e XIV - Diferen...
 
Evolução em Dois Mundos - Segunda Parte - Capítulos VIII, IX, X e XI - Matrim...
Evolução em Dois Mundos - Segunda Parte - Capítulos VIII, IX, X e XI - Matrim...Evolução em Dois Mundos - Segunda Parte - Capítulos VIII, IX, X e XI - Matrim...
Evolução em Dois Mundos - Segunda Parte - Capítulos VIII, IX, X e XI - Matrim...
 
Evolução Em Dois Mundos - Segunda Parte - Capítulos V_VI_VII - Apresentação d...
Evolução Em Dois Mundos - Segunda Parte - Capítulos V_VI_VII - Apresentação d...Evolução Em Dois Mundos - Segunda Parte - Capítulos V_VI_VII - Apresentação d...
Evolução Em Dois Mundos - Segunda Parte - Capítulos V_VI_VII - Apresentação d...
 
Evolução em Dois Mundos - Segunda Parte - Capítulos I e II - Alimentação e Li...
Evolução em Dois Mundos - Segunda Parte - Capítulos I e II - Alimentação e Li...Evolução em Dois Mundos - Segunda Parte - Capítulos I e II - Alimentação e Li...
Evolução em Dois Mundos - Segunda Parte - Capítulos I e II - Alimentação e Li...
 
Evolução em Dois Mundos - Primeira Parte - Capítulo XX - Corpo e Espiritual e...
Evolução em Dois Mundos - Primeira Parte - Capítulo XX - Corpo e Espiritual e...Evolução em Dois Mundos - Primeira Parte - Capítulo XX - Corpo e Espiritual e...
Evolução em Dois Mundos - Primeira Parte - Capítulo XX - Corpo e Espiritual e...
 
Evolução em Dois Mundos - Primeira Parte - Capítulo XVIII - Sexo e Corpo Espi...
Evolução em Dois Mundos - Primeira Parte - Capítulo XVIII - Sexo e Corpo Espi...Evolução em Dois Mundos - Primeira Parte - Capítulo XVIII - Sexo e Corpo Espi...
Evolução em Dois Mundos - Primeira Parte - Capítulo XVIII - Sexo e Corpo Espi...
 
Evolução em Dois Mundos - Primeira Parte - Capítulo IX - Evolução e Cérebro -...
Evolução em Dois Mundos - Primeira Parte - Capítulo IX - Evolução e Cérebro -...Evolução em Dois Mundos - Primeira Parte - Capítulo IX - Evolução e Cérebro -...
Evolução em Dois Mundos - Primeira Parte - Capítulo IX - Evolução e Cérebro -...
 
Evolução Em Dois Mundos - Primeira Parte - Capítulo II - Corpo Espiritual - 1...
Evolução Em Dois Mundos - Primeira Parte - Capítulo II - Corpo Espiritual - 1...Evolução Em Dois Mundos - Primeira Parte - Capítulo II - Corpo Espiritual - 1...
Evolução Em Dois Mundos - Primeira Parte - Capítulo II - Corpo Espiritual - 1...
 
Evolução Em Dois Mundos - Primeira Parte - Capítulo I - Fluido Cósmico - 0304...
Evolução Em Dois Mundos - Primeira Parte - Capítulo I - Fluido Cósmico - 0304...Evolução Em Dois Mundos - Primeira Parte - Capítulo I - Fluido Cósmico - 0304...
Evolução Em Dois Mundos - Primeira Parte - Capítulo I - Fluido Cósmico - 0304...
 
Evolução Em Dois Mundos - Metodologia - Objetivos - Apresentação - 27032017
Evolução Em Dois Mundos - Metodologia - Objetivos - Apresentação - 27032017Evolução Em Dois Mundos - Metodologia - Objetivos - Apresentação - 27032017
Evolução Em Dois Mundos - Metodologia - Objetivos - Apresentação - 27032017
 
Seminário Memórias de Um Suicida - Última Apresentação - Projeto Espiritual -...
Seminário Memórias de Um Suicida - Última Apresentação - Projeto Espiritual -...Seminário Memórias de Um Suicida - Última Apresentação - Projeto Espiritual -...
Seminário Memórias de Um Suicida - Última Apresentação - Projeto Espiritual -...
 
Seminário Memórias de Um Suicida - Terceira Parte - Capítulo VII - Últimos tr...
Seminário Memórias de Um Suicida - Terceira Parte - Capítulo VII - Últimos tr...Seminário Memórias de Um Suicida - Terceira Parte - Capítulo VII - Últimos tr...
Seminário Memórias de Um Suicida - Terceira Parte - Capítulo VII - Últimos tr...
 

Último

Lição 13 – A Cidade Celestial - CPAD.pptx
Lição 13 – A Cidade Celestial - CPAD.pptxLição 13 – A Cidade Celestial - CPAD.pptx
Lição 13 – A Cidade Celestial - CPAD.pptx
Celso Napoleon
 
O que está oculto na Maçonaria? Livro cristão.
O que está oculto na Maçonaria? Livro cristão.O que está oculto na Maçonaria? Livro cristão.
O que está oculto na Maçonaria? Livro cristão.
REFORMADOR PROTESTANTE
 
a futura religião da nova ordem mundial.
a  futura religião da nova ordem mundial.a  futura religião da nova ordem mundial.
a futura religião da nova ordem mundial.
REFORMADOR PROTESTANTE
 
Festa das Primícias - Igreja Adventista do Sétimo Dia
Festa das Primícias - Igreja Adventista do Sétimo DiaFesta das Primícias - Igreja Adventista do Sétimo Dia
Festa das Primícias - Igreja Adventista do Sétimo Dia
André Luiz Marques
 
SEGREDOS DO APOCALIPSE - o apocalipse através de olhos hebraicos
SEGREDOS DO APOCALIPSE - o apocalipse através de olhos hebraicosSEGREDOS DO APOCALIPSE - o apocalipse através de olhos hebraicos
SEGREDOS DO APOCALIPSE - o apocalipse através de olhos hebraicos
REFORMADOR PROTESTANTE
 
A Abóbada Celeste No Rito Adonhiramita.pdf
A Abóbada Celeste No Rito Adonhiramita.pdfA Abóbada Celeste No Rito Adonhiramita.pdf
A Abóbada Celeste No Rito Adonhiramita.pdf
claudiovieira83
 
Salmo 91
Salmo 91Salmo 91
Salmo 91
Nilson Almeida
 
Lição 13 Estudo Biblico para alimento da alma.pptx
Lição 13 Estudo Biblico para alimento da alma.pptxLição 13 Estudo Biblico para alimento da alma.pptx
Lição 13 Estudo Biblico para alimento da alma.pptx
JaquelineSantosBasto
 
Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (3)
Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (3)Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (3)
Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (3)
Nilson Almeida
 
Teresa Gerhardinger - corajosa mulher de fé e de visão mundial (1989)
Teresa Gerhardinger - corajosa mulher de fé e de visão mundial (1989)Teresa Gerhardinger - corajosa mulher de fé e de visão mundial (1989)
Teresa Gerhardinger - corajosa mulher de fé e de visão mundial (1989)
Elton Zanoni
 
A VOZ DO SILÊNCIO - Helena Blavatsky livro
A VOZ DO SILÊNCIO - Helena Blavatsky livroA VOZ DO SILÊNCIO - Helena Blavatsky livro
A VOZ DO SILÊNCIO - Helena Blavatsky livro
GABRIELADIASDUTRA1
 
Jesuítas Os Terroristas Secretos. Livro pdf pdf
Jesuítas Os Terroristas Secretos. Livro pdf pdfJesuítas Os Terroristas Secretos. Livro pdf pdf
Jesuítas Os Terroristas Secretos. Livro pdf pdf
REFORMADOR PROTESTANTE
 
Lição 12 - A Bendita Esperança: A Marca do Cristão.pptx
Lição 12 - A Bendita Esperança: A Marca do Cristão.pptxLição 12 - A Bendita Esperança: A Marca do Cristão.pptx
Lição 12 - A Bendita Esperança: A Marca do Cristão.pptx
Celso Napoleon
 
Estudo Biblico deuteronomio PowerPoint.pdf
Estudo Biblico deuteronomio PowerPoint.pdfEstudo Biblico deuteronomio PowerPoint.pdf
Estudo Biblico deuteronomio PowerPoint.pdf
JaquelineSantosBasto
 
ORGANIZAÇÃO ABERTURA EBF 2024.pdf-1.doc
ORGANIZAÇÃO ABERTURA EBF 2024.pdf-1.docORGANIZAÇÃO ABERTURA EBF 2024.pdf-1.doc
ORGANIZAÇÃO ABERTURA EBF 2024.pdf-1.doc
Oziete SS
 

Último (15)

Lição 13 – A Cidade Celestial - CPAD.pptx
Lição 13 – A Cidade Celestial - CPAD.pptxLição 13 – A Cidade Celestial - CPAD.pptx
Lição 13 – A Cidade Celestial - CPAD.pptx
 
O que está oculto na Maçonaria? Livro cristão.
O que está oculto na Maçonaria? Livro cristão.O que está oculto na Maçonaria? Livro cristão.
O que está oculto na Maçonaria? Livro cristão.
 
a futura religião da nova ordem mundial.
a  futura religião da nova ordem mundial.a  futura religião da nova ordem mundial.
a futura religião da nova ordem mundial.
 
Festa das Primícias - Igreja Adventista do Sétimo Dia
Festa das Primícias - Igreja Adventista do Sétimo DiaFesta das Primícias - Igreja Adventista do Sétimo Dia
Festa das Primícias - Igreja Adventista do Sétimo Dia
 
SEGREDOS DO APOCALIPSE - o apocalipse através de olhos hebraicos
SEGREDOS DO APOCALIPSE - o apocalipse através de olhos hebraicosSEGREDOS DO APOCALIPSE - o apocalipse através de olhos hebraicos
SEGREDOS DO APOCALIPSE - o apocalipse através de olhos hebraicos
 
A Abóbada Celeste No Rito Adonhiramita.pdf
A Abóbada Celeste No Rito Adonhiramita.pdfA Abóbada Celeste No Rito Adonhiramita.pdf
A Abóbada Celeste No Rito Adonhiramita.pdf
 
Salmo 91
Salmo 91Salmo 91
Salmo 91
 
Lição 13 Estudo Biblico para alimento da alma.pptx
Lição 13 Estudo Biblico para alimento da alma.pptxLição 13 Estudo Biblico para alimento da alma.pptx
Lição 13 Estudo Biblico para alimento da alma.pptx
 
Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (3)
Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (3)Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (3)
Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (3)
 
Teresa Gerhardinger - corajosa mulher de fé e de visão mundial (1989)
Teresa Gerhardinger - corajosa mulher de fé e de visão mundial (1989)Teresa Gerhardinger - corajosa mulher de fé e de visão mundial (1989)
Teresa Gerhardinger - corajosa mulher de fé e de visão mundial (1989)
 
A VOZ DO SILÊNCIO - Helena Blavatsky livro
A VOZ DO SILÊNCIO - Helena Blavatsky livroA VOZ DO SILÊNCIO - Helena Blavatsky livro
A VOZ DO SILÊNCIO - Helena Blavatsky livro
 
Jesuítas Os Terroristas Secretos. Livro pdf pdf
Jesuítas Os Terroristas Secretos. Livro pdf pdfJesuítas Os Terroristas Secretos. Livro pdf pdf
Jesuítas Os Terroristas Secretos. Livro pdf pdf
 
Lição 12 - A Bendita Esperança: A Marca do Cristão.pptx
Lição 12 - A Bendita Esperança: A Marca do Cristão.pptxLição 12 - A Bendita Esperança: A Marca do Cristão.pptx
Lição 12 - A Bendita Esperança: A Marca do Cristão.pptx
 
Estudo Biblico deuteronomio PowerPoint.pdf
Estudo Biblico deuteronomio PowerPoint.pdfEstudo Biblico deuteronomio PowerPoint.pdf
Estudo Biblico deuteronomio PowerPoint.pdf
 
ORGANIZAÇÃO ABERTURA EBF 2024.pdf-1.doc
ORGANIZAÇÃO ABERTURA EBF 2024.pdf-1.docORGANIZAÇÃO ABERTURA EBF 2024.pdf-1.doc
ORGANIZAÇÃO ABERTURA EBF 2024.pdf-1.doc
 

Evolução Em Dois Mundos - Primeira Parte - Capítulo XI - Existência da Alma -19/06/2017

  • 1. Evolução em Dois Mundos Pelo espírito de André Luiz Psicografia de Chico Xavier e Waldo Vieira Federação Espírita do Estado de Goiás – FEEGO Goiânia (GO)
  • 2. Primeira Parte - Capítulo XI Existência da Alma 19/06/2017 Federação Espírita do Estado de Goiás – FEEGO Goiânia (GO)
  • 3.
  • 4. FOTOSSÍNTESE Antes da nossa atmosfera rica em O2, os seres já respiravam, mas de forma anaeróbica, ou seja, em ambientes caracterizados pela ausência do gás O2. Contudo, foi com o advento da fotossíntese que o ar tornou-se respirável para seres como nós....
  • 5.
  • 6. E assim foram surgindo os seres da criação, uns chegando pra ficar, outros apenas cumprindo suas tarefas e desaparecendo... ... E de degrau em degrau, novas formas físicas foram sendo aprimoradas para que se cumprisse o projeto mais audacioso da criação: o ser humano!
  • 7. “O homem, perdido na vastidão do paleolítico, aprendeu a chorar, [...] ajustando-se às Leis Divinas a se lhe esculpirem na face imortal e invisível da própria consciência.” “Foi então que se reconheceu ínfimo e frágil diante da vida, compreendeu que, perante Deus, seu Criador e seu Pai, estava entregue a si mesmo.” “O princípio da responsabilidade havia nascido!” Na idade da pedra lascada...
  • 8. EVOLUÇÃO MORFOLÓGICA E MORAL “A evolução morfológica prosseguiu, emparelhando-se com a evolução moral.” Ao mesmo tempo, o progresso intelectual do homem primitivo foi acontecendo, como pano de fundo, lentamente, gerando possibilidades para novas aquisições e habilidades pelo ser pensante.
  • 9. O crânio avançou com vagar rumo ao aprimoramento maior; Os braços refinavam-se; As mãos adquiriram experiência táctil; Os sentidos progrediram em aperfeiçoamento e percepção.
  • 10. E ele começou a questionar-se quem era, porque estaria aqui e para onde iria depois... Ele já temia a morte... Questionamentos filosóficos “Todavia, com o advento da responsabilidade que o separou da orientação direta dos Benfeitores da Vida Maior, entregou-se o homem a múltiplos tentames de progresso no campo do espírito.”
  • 11. “E quanto mais indagava, mais se acentuava o poder de imaginar, facilitando- lhe a mentalização e o desprendimento do corpo espiritual, cujas células em conexão com o corpo físico, se automatizavam assim, na emancipação parcial através do sono, para acesso da alma a ensinamentos de estrutura superior.”
  • 12. Lentamente, a criatura humana começa a sentir-se inclinada a conviver com a vizinhança, com instinto absoluto ainda dominando sem restrições... ...no entanto, com a evolução irreversível, o amor despertou- lhe no ser, sugerindo novas disposições à própria existência.
  • 13. A NOÇÃO DO DIRETO Ou seja, descobre a noção de propriedade e, ao mesmo tempo, vai reconhecendo seus limites... “Em razão do apego que foi desenvolvendo pela sua prole, foi se apropriando da faixa de solo que habitava e, ainda atendendo a esse sentimento de afetividade que despontava sutilmente, começa a traçar determinadas regras de conduta, de formas a não impor aos outros ofensas e juízos que não desejaria receber...”
  • 14. Acontece, assim, o inesperado... “O homem selvático, que não pretende abandonar os apetites e os prazeres da experiência animal, fabrica para si mesmo os freios que lhe controlarão a liberdade, a fim de que se lhe enobreça o caráter iniciante.” Foi sofrendo na própria carne as ações da imutável lei de causa e efeito, que entendeu que a liberdade dele terminava onde começava a do outro
  • 15. “Nasce, desse modo, para ele, a noção do Direito, sobre o alicerce das obrigações respeitadas”
  • 16. também o Espírito, saindo de seu primitivismo, de sua infância espiritual, vai se transformando e tendo consciência da importância de sua presença na Terra. CONSCIÊNCIA DESPERTA Da mesma forma que nós, ao sairmos da infância, vamos tendo noção das nossas crescentes reponsabilidades sobre a vida adulta,
  • 17. “Incorporando a responsabilidade, a consciência vibra desperta e, pela consciência desperta, os princípios de ação e reação funcionam exatos dentro do próprio ser, assegurando-lhe a liberdade de escolha e impondo-lhe, mecanicamente, os resultados respectivos, tanto na esfera física como no Mundo Espiritual.”
  • 18. A LARVA E A CRIANÇA
  • 20. Vejamos porque André Luiz nos compara ao inseto, para que entendamos, do ponto de vista espiritual, o que se passa conosco durante o nascimento, o crescimento, a morte física e o desencarne.
  • 21. Ele começa o ensinamento, comparando a larva e a criança, destacando a similitude com que a vida assinala as alterações da existência para a alma humana e para os insetos, durante a metamorfose integral.
  • 22. O feto, no útero materno, ainda não respira, porque, os pulmões ainda não estão ativos; ele recebe o sangue oxigenado e os nutrientes que precisa, por meio do cordão umbilical... que possui duas artérias que levam o fluxo sanguíneo do feto para a placenta e uma veia que traz de volta o sangue oxigenado.
  • 23. A partir do nascimento, a criança vai se metamorfoseando, desenvolvendo-se, tornando-se mais autônoma com relação a esses processos, “passando a realizar, por si própria, ao comando da própria mente, a renovação celular dos tecidos e órgãos que lhe formam o corpo de maneira que se lhe ajuste a forma física aos moldes do corpo espiritual”.
  • 24. O mesmo acontece com a larva: já existe um programa traçado para a sua existência e ela vai crescendo e recorrendo às matérias nutritivas que lhe garantam o aumento do corpo; dependendo da espécie, ao crescer, torna-se necessário a mudança de pele para acomodar seu próprio volume, o que ela mesma promove.
  • 25. Assim, a larva dos insetos de transformação completa, experimenta vários períodos de renovação para chegar à fase adulta, embora permaneça com o mesmo aspecto... ... e somente após atingir a derradeira mudança de pele, atinja a fase de pupa, quando vai diminuindo gradativamente sua atividade, até parar de se alimentar.
  • 26. Após completar o estado larval, o indivíduo protege-se, no solo ou na planta, preparando a própria liberação. Esvaziam-se-lhe os intestinos paralisam-se-lhe os movimentos, permanecendo assim, fisiologicamente imóvel e envolvendo-se, segundo a espécie, em fios de seda por ela própria produzidos. Forma-se assim o casulo em que repousa a pupa por tempo determinado (dias e até meses).
  • 27. Na fase de pupa (ninfa), como morto, é quando o inseto sofre as maiores modificações no seu organismo, um verdadeiro aniquilamento (histólise), ao mesmo tempo em que entra em um processo de histogênese, para fazer órgãos novos. A histólise, que se efetua por ação dos fermentos, verifica- se notadamente nos músculos, no sistema digestivo e no sistema excretor, não afetando o sistema nervoso e o circulatório.
  • 28. Ao mesmo tempo em que se aniquila, durante o estádio de ninfa, o inseto realiza a histogênese, aproveitando os músculos remanescentes da histólise que se desfazem das características que lhe são próprias, perdendo gradativamente sua estriação, até que se convertam, como se obedecessem a um processo involutivo, em células embrionárias, tornando-se aptos a formar novos órgãos.
  • 29. Somente depois de atingir a completa transformação, é que o inseto, integralmente renovado, emerge do casulo. No caso das borboletas, a ninfa, aparece, na forma adulta, com o aparelho bucal modificado (de mastigador, na lagarta, para sugador, na borboleta): a maxila se alonga, convertendo-se numa trompa, enquanto o lábio superior e a mandíbula se atrofiam.
  • 30. Somente depois de passar por todo esse processo e toda a transformação estar completa é que o inseto, integralmente renovado, emerge do casulo. No caso das borboletas, a ninfa (ou pupa), já na forma adulta, aparece com o aparelho bucal modificado (de mastigador, na lagarta, para sugador, na borboleta): a maxila se alonga, convertendo-se numa trompa, enquanto o lábio superior e a mandíbula se atrofiam. Entretanto, embora tornando-se magnífica e bela, a borboleta alada e multicor é o mesmo indivíduo... ...somando em si, as experiências dos três aspectos fundamentais de sua existência: larva – ninfa – inseto adulto.
  • 31. A metamorfose dos insetos, evidencia a histogênese e a histólise ocorrendo, simultaneamente, nos tecidos materiais. Já na criatura humana, André Luiz nos convida a observarmos a histólise acontecendo durante a deterioração do corpo físico, pela morte, e a histogênese acontecendo em nível do espírito que se desencarna, ou seja, a histogênese espiritual. Vejamos:
  • 32. Depois de completada a infância, o ser humano atravessa etapas expressivas de renovação interior até alcançar a maturidade corpórea, mantendo a forma exterior sem grandes modificações. Somente pela ação de doenças ou de senectude é exposto à transformações mais profundas.
  • 33. Como no inseto, numa determinada fase de seu ciclo de vida, a criatura humana enfrenta uma gradativa diminuição de atividade, não mais tolerando a alimentação. Pouco a pouco declinam suas atividades fisiológicas e a inércia vai lhe substituindo os movimentos. Nesse período, procura o repouso, quase sempre no leito, preparando o trabalho liberatório.
  • 34. “Chega assim o momento em que se imobiliza na cadaverização, mumificando-se à feição de crisálida, envolvendo-se no imo do ser com os fios dos próprios pensamentos, conservando-se nesse casulo de forças mentais, tecido com as suas próprias ideias reflexas dominantes ou secreções de sua própria mente, durante um período que pode variar entre minutos, horas, dias, meses ou decênios.”
  • 35. “No ciclo de cadaverização da forma somática, sob o governo dinâmico da mente, o corpo espiritual padece extremas alterações que, na essência, correspondem à histólise das células físicas, ao mesmo tempo que elabora órgãos novos pelo fenômeno que chamamos de histogênese espiritual, aproveitando os elementos vivos, desagregados do tecido citoplasmático, e que se mantinham até então, ligados à colmeia fisiológica entregue ao desequilíbrio ou à decomposição.”
  • 36. “Pela histogênese espiritual o citoplasma das células somáticas se desvencilha de alguns característicos que lhe são próprios, voltando temporariamente, qual atendessem a um processo involutivo, à condição de células embrionárias multiformes que se dividem por meio de cariocinese, plasmando, em novas condições [vibratórias], a forma do corpo espiritual segundo o tipo imposto pela mente.”
  • 37. “Apenas aí, quando os acontecimentos da morte se realizam, é que a criatura humana desencarnada, plenamente renovada em si mesma, abandona o veículo carnal a que se jungia; contudo...” DESENCARNAÇÃO DO ESPÍRITO
  • 38. “...muitas vezes intimamente aprisionada ao casulo dos seus pensamentos dominantes, [...] passa a revelar-se segundo à densidade da vida mental em que se gradua, dispondo de novos elementos com que atender à própria alimentação, equivalentes às trompas fluídico-magnéticas de sucção, embora sem perder de modo algum o aparelho bucal que nos é característico.”
  • 39. “Semelhantes trompas ou antenas de matéria sutil estão patentes nas criaturas encarnadas, a se lhes expressarem na aura comum, como radículas alongadas de essência dinâmica, exteriorizando-lhes as radiações específicas, trompas essas pelas quais assimilamos ou repelimos as emanações das coisas e dos seres que nos cercam, tanto quanto as irradiações de nós mesmos, uns para com os outros.”
  • 40. “Metamorfoseada, pois, não obstante o fenômeno da desencarnação, a personalidade humana continua, além- túmulo, o estágio educativo que iniciou no berço, sem perder a própria identidade, somando consigo as experiências da vida carnal, da desencarnação e da metamorfose no plano extrafísico.” CONTINUAÇÃO DA EXISTÊNCIA
  • 41. “Perceberemos, desse modo, que a existência da criatura, na reencarnação, substancializa-se não apenas na Terra, onde atende à plantação dos sentimentos, palavras, atitudes e ações com que se caracteriza, mas também no Mundo Espiritual, onde incorpora a si mesma a colheita da sementeira.”
  • 42. “A alma, dissemos, vem de Deus; é, em nós, o princípio da inteligência e da vida. Essência misteriosa, escapa à análise, como tudo quanto dimana do Absoluto.” O Problema do Ser, do Destino e da Dor – Léon Denis – capítulo IX
  • 44. 1. Kardec, A. O Livro dos Espíritos. Parte 1ª. Capítulo IV. A Vida e a Morte. Questões 68-70 2. ________. O Livro dos Espíritos. Parte 2ª. Capítulo III. Perturbação Espiritual. Questões 163-165. 3. ________. A Gênese. Capítulos X e XI . A Gênese Orgânica e A Gênese Espiritual. 4. Denis, L. O Problema do Ser, do destino e da Dor. Primeira parte: O problema do Ser. 5. ______. O Problema do Ser, do Destino e da Dor. Terceira parte. As Potências da Alma. SUGESTÕES DE LEITURA