SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 24
Baixar para ler offline
ÁLCOOL COMBUSTÍVEL: VISÃO
INDUSTRIAL E DE COMÉRCIO EXTERIOR




                09 DE MAIO DE 2007– BRASÍLIA
                        JULHO DE 2007
      SECRETARIA DO DESENVOLVIMENTO DA PRODUÇÃO
               MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO,
MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR
                INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR
PROGRAMA NACIONAL DO ÁLCOOL

▪ Lançado pelo governo brasileiro em 1975 para reduzir
  a importação de petróleo (“choques” do petróleo)
▪ Duas aplicações veiculares: inicialmente mistura de
  álcool anidro na gasolina e a partir de 1979 também
  usado em veículos movidos exclusivamente a álcool
  hidratado
PROGRAMA NACIONAL DO ÁLCOOL
             ALGUNS BENEFÍCIOS
▪ Desenvolvimento de novas variedades de cana –
    maiores produtividade e resistência a pragas e doenças
▪   Desenvolvimento agrícola - otimização das operações de
    preparo do solo e plantio da cana
▪   Desenvolvimento de máquinas e equipamentos e do
    processo produtivo
▪   Desenvolvimento da cogeração de energia elétrica
▪   Desenvolvimento da logística – mistura e distribuição
▪ Desenvolvimento da indústria automotiva (componentes
  e veículos)
ÁLCOOL – BALANÇO ENERGÉTICO


 Matéria-Prima   Energia no álcool / Energia fóssil investida
     Trigo                           1,2
     Milho                       1,3 - 1,8
  Beterraba                          1,9
Cana-de-açúcar                       8,3
Fonte: F.O. Licht e UNICAMP
A EXPERIÊNCIA BRASILEIRA

 Otimização do processo industrial do álcool
 Máquinas para o plantio, cultivo, colheita e
transbordo da cana-de-açúcar e implementos
rodoviários para o transporte da cana-de-açúcar.
A EXPERIÊNCIA BRASILEIRA

Máquinas para usinas de açúçar e álcool
Cogeração de energia elétrica
A EXPERIÊNCIA BRASILEIRA

Os veículos Flex Fuel foram lançados no mercado brasileiro
 em 2003 e são produzidos por 9 empresas (VW, Chevrolet,
 Fiat, Ford, Renault, Peugeot Citroën, Honda, Toyota e
 Mitsubishi) produzem estes veículos – Frota: 3,5 milhões
A EXPERIÊNCIA BRASILEIRA


                         A NEIVA       (subsidiária da
                         EMBRAER) produz o avião
                         agrícola Ipanema movido a
                         álcool hidratado



Fonte    para    gerar
Hidrogênio – célula a    ÁLCOOL

combustível (pesquisas
em desenvolvimento)
INTERESSE GLOBAL PELOS
    BIOCOMBUSTÍVEIS

▪ Mudanças climáticas

▪ Meio ambiente

▪ Segurança energética

▪ Desenvolvimento sustentável

▪ Geração de emprego e renda
PAINEL INTERGOVERNAMENTAL SOBRE
     MUDANÇA CLIMÁTICA (IPCC) - ONU

Plano para conter o aumento da temperatura global e
realizar cortes significativos nas emissões de Gases
Geradores do Efeito Estufa (GEE)

Algumas formas de redução de GEE:

  Melhoria da eficiência dos automóveis e das
 instalações consumidoras de energia.
  Substituição parcial de combustíveis fósseis por
 biocombustíveis.
ÁLCOOL NO MUNDO

Alguns países que utilizam o álcool combustível:
 • EUA (E-10 e E-85)
 • CANADÁ (E-10 e E-85)
 • SUÉCIA (E-5 e E-85)
 • FRANÇA (E-85)
 • ALEMANHA (E-3,6 e E-85)
 • ÍNDIA (E-5)
 • JAPÃO (E-3)
 • AUSTRÁLIA (E-10)
 • TAILÂNDIA (E-10)
 • CHINA (E-10)
 • COLÔMBIA (E-10)
 • PERU (E-10)
 • PARAGUAI (E-18)
 • BRASIL (E-25)
DIFUSÃO INTERNACIONAL


Missões conjuntas do Governo Brasileiro e do
setor produtivo a vários países para divulgar os
benefícios da produção e do uso do álcool
combustível

• Seminários nos países com autoridades dos Governos
  locais e empresários
• Encontros de negócios
• Realização de contatos institucionais
• Visitas técnicas
• Estrutura de apoio
BRASIL: PRODUÇÃO E EXPORTAÇÃO DE
                                       ÁLCOOL
                     18,0
                                                                                      16,8     17,8
                     16,0
                                                                14,8      15,2
                     14,0
                                                      12,6
                                         11,5
                     12,0
                            10,6
(Bilhão de litros)




                     10,0

                               AUM ENTO DAS EXPORTAÇÕES (2000-2006): 1.409%
                      8,0


                      6,0


                      4,0
                                                                                                  3,4
                                                                                2,3      2,6
                      2,0
                                                0,3       0,8       0,8
                                   0,2
                      -
                              2000         2001         2002      2003        2004     2005     2006

                                                  PRODUÇÃO      EXPORT AÇÃO
BRASIL – EXPORTAÇÃO DE ÁLCOOL 2006
 País                US$ (milhões)   Litros (milhões)

 EUA                     882               1.767
 Holanda                 151               346
 Japão                    95               225
 Suécia                   79               202
 El Salvador              80               181
 Jamaica                  57               131
 Venezuela                65               104
 Coréia do Sul            34               92
 Costa Rica               35               91
 Trinidad & Tobago        33               72
 México                   17               50
 Nigéria                  19                42
 Turquia                   5                13
 Outros                   52               110
 TOTAL                  1.604             3.428
 Fonte: SECEX
VETORES DA EXPANSÃO DA DEMANDA

▪ Mercado interno: desafio de produzir 5 milhões de
  veículos/ano – previsão de novos investimentos no
  setor automotivo de US$ 35 bilhões até 2012 -
  aumento significativo no consumo de álcool hidratado
  em veículos Flex Fuel
▪ Mercado externo: motivações ambientais, climáticas,
  econômicas e geopolíticas
  ▫ 200 bilhões de litros para misturar 10% de álcool a toda a
  gasolina consumida no mundo, em 2025.
  ▫ EUA: 132 bilhões de litros em 2017
  ▫ Europa, Japão, China, Coréia ...
DESAFIO: PRODUÇÃO SUSTENTÁVEL
   (critérios sociais e ambientais)
BNDES – FINANCIAMENTOS
                                       (mil reais)

                         Desembolsos em Etanol e Biodiesel


2.500.000

                                                                              2.099.329

2.000.000




1.500.000

                                                                  1.087.502

1.000.000
                       688.683          729.142
                                                      586.407

 500.000     365.427



       0
            2001       2002            2003          2004         2005        2006


                              Etanol                        Biodiesel
BNDES – FINANCIAMENTOS
                                (mil reais)

                    Desembolsos em cogeração de energia

300.000                                                           272.373
                                                        250.937

250.000



200.000               173.271
                                156.600

150.000



100.000
                                               38.839

 50.000
           13.580

     0
          2001        2002      2003          2004      2005      2006
BNDES – CARTEIRA DE PROJETOS

• 21 projetos de cogeração à biomassa,
  gerando 788 MW novos, com investimentos de
  R$ 1,9 bilhão e          R$ 1,4 bilhão de
  financiamento;
• 65 projetos de etanol, com investimentos de
  R$ 14,2 bilhões e R$ 8,4 bilhões de
  financiamento.
• 9 projetos de biodiesel, com investimentos de
  R$ 535 milhões e R$ 454 milhões de
  financiamento.
DESAFIO: CONSOLIDAR O MERCADO MUNDIAL
              DE ÁLCOOL



Maiores benefícios aos consumidores

Menor volatilidade de preços

Fluxos crescentes de comércio

 Maior segurança de suprimentos pela ampliação da
diversidade de fontes produtoras.
OPORTUNIDADE: COOPERAÇÃO BRASIL-EUA

Discurso anual ("O Estado da União") do Presidente Bush ao
Congresso dos EUA:

- Meta de reduzir em 20% o consumo de gasolina nos EUA até
2017 (diminuir a dependência por petróleo importado que hoje
representa 65% do consumo naquele país).

- Os EUA deverão aumentar o uso de combustíveis alternativos
para 35 bilhões de galões (132,5 bilhões de litros) em 2017.

- Estimular pesquisas para desenvolver novos métodos para obter
o álcool de outras fontes além do milho, notadamente a partir de
celulose.

Oferta norte-americana de etanol eventualmente insuficiente para
atender a demanda futura
OPORTUNIDADE: MOU BRASIL-EUA SOBRE
         BIOCOMBUSTÍVEIS

 Cooperação para fomentar a produção e o uso de
 biocombustíveis em terceiros países

 Cooperação para o estabelecimento de padrões
 uniformes e normas. Parceria INMETRO (Brasil) –
 NIST (EUA)

 Cooperação na área de pesquisa e desenvolvimento
 de tecnologia para biocombustíveis de nova geração
OPORTUNIDADE: FÓRUM
INTERNACIONAL DE BIOCOMBUSTÍVEIS

 Participação dos governos do Brasil, EUA, China,
 Índia, União Européia e África do Sul

 Entendimento entre grandes produtores          e
 consumidores de biocombustíveis

 Objetivo principal: promover a consolidação de
 um     mercado       internacional   para   os
 biocombustíveis
 Conferência Internacional de Biocombustíveis
 que deverá ser realizada no Brasil em 2008.
OPORTUNIDADE: EXPORTAÇÃO

Álcool combustível
Variedades de cana-de-açúcar
Máquinas para plantio, colheita e transbordo da
cana
Implementos rodoviários (reboques canavieiros)
Máquinas e equipamentos para produção de álcool
e para co-geração de energia
Tecnologia e veículos Flex Fuel
Serviços: assistência técnica, projetos de
engenharia, logística
Créditos de Carbono e consultorias em projetos
MDL

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados (20)

Etanol apresentacao
Etanol apresentacaoEtanol apresentacao
Etanol apresentacao
 
Biogás
BiogásBiogás
Biogás
 
Energias Renováveis - Biomassa
Energias Renováveis - BiomassaEnergias Renováveis - Biomassa
Energias Renováveis - Biomassa
 
Equilíbrio químico
Equilíbrio químicoEquilíbrio químico
Equilíbrio químico
 
Produção e Utilização dos Produtos de Cana-de-Açucar
Produção e Utilização dos Produtos de Cana-de-AçucarProdução e Utilização dos Produtos de Cana-de-Açucar
Produção e Utilização dos Produtos de Cana-de-Açucar
 
Biodiesel slide
Biodiesel slideBiodiesel slide
Biodiesel slide
 
Biomassa
BiomassaBiomassa
Biomassa
 
Geração Biomassa
Geração BiomassaGeração Biomassa
Geração Biomassa
 
Sustentabilidade e Preservação Ambiental no Setor Sucroenergético
Sustentabilidade e Preservação Ambiental no Setor SucroenergéticoSustentabilidade e Preservação Ambiental no Setor Sucroenergético
Sustentabilidade e Preservação Ambiental no Setor Sucroenergético
 
Carvão
CarvãoCarvão
Carvão
 
Genética 2 e
Genética 2 eGenética 2 e
Genética 2 e
 
Banco de sementes.. apresentaçao
Banco de sementes.. apresentaçaoBanco de sementes.. apresentaçao
Banco de sementes.. apresentaçao
 
Energia no Brasil
Energia no BrasilEnergia no Brasil
Energia no Brasil
 
Engenharia genética
Engenharia genéticaEngenharia genética
Engenharia genética
 
Minicurso biogás
Minicurso biogásMinicurso biogás
Minicurso biogás
 
Biocombustíveis
BiocombustíveisBiocombustíveis
Biocombustíveis
 
Energia meio ambiente
Energia meio ambienteEnergia meio ambiente
Energia meio ambiente
 
Energia Renovável
Energia RenovávelEnergia Renovável
Energia Renovável
 
Transgênicos
TransgênicosTransgênicos
Transgênicos
 
Aula respiração celular
Aula respiração celularAula respiração celular
Aula respiração celular
 

Destaque

Etanol: energia limpa
Etanol: energia limpaEtanol: energia limpa
Etanol: energia limpaRibeirocan
 
Processo de produção do Etanol-Da Matéria Prima ao produto Final
Processo de produção do Etanol-Da Matéria Prima ao produto FinalProcesso de produção do Etanol-Da Matéria Prima ao produto Final
Processo de produção do Etanol-Da Matéria Prima ao produto FinalJanielson Lima
 
Apresentação - Etanol, commodity do futuro
Apresentação - Etanol, commodity do futuroApresentação - Etanol, commodity do futuro
Apresentação - Etanol, commodity do futuroProjetoBr
 
Etanol produção
Etanol produçãoEtanol produção
Etanol produçãosegundocol
 
Channukà La Festa Delle Luci
Channukà La Festa Delle LuciChannukà La Festa Delle Luci
Channukà La Festa Delle Lucialbecar
 
áLcool CombustíVel
áLcool CombustíVeláLcool CombustíVel
áLcool CombustíVelXimenes
 
Plano de Gestão Integrada dos Resíduos Sólidos da Cidade de São Paulo por Sil...
Plano de Gestão Integrada dos Resíduos Sólidos da Cidade de São Paulo por Sil...Plano de Gestão Integrada dos Resíduos Sólidos da Cidade de São Paulo por Sil...
Plano de Gestão Integrada dos Resíduos Sólidos da Cidade de São Paulo por Sil...REDERESÍDUO
 
Plano de Gestão: avaliação
Plano de Gestão: avaliaçãoPlano de Gestão: avaliação
Plano de Gestão: avaliaçãoproplan
 
Álcool
ÁlcoolÁlcool
ÁlcoolPedui
 
Evolucao do uso do etanol como combustivel veicular alfred
Evolucao do uso do etanol como combustivel veicular   alfredEvolucao do uso do etanol como combustivel veicular   alfred
Evolucao do uso do etanol como combustivel veicular alfredGeraldo Sebastian
 
Apresentação - Projeto de Lei 1991/2007 - Resíduos
Apresentação - Projeto de Lei 1991/2007 - ResíduosApresentação - Projeto de Lei 1991/2007 - Resíduos
Apresentação - Projeto de Lei 1991/2007 - ResíduosProjetoBr
 

Destaque (20)

Álcool Etanol 2
Álcool Etanol 2Álcool Etanol 2
Álcool Etanol 2
 
Álcool
ÁlcoolÁlcool
Álcool
 
Etanol: energia limpa
Etanol: energia limpaEtanol: energia limpa
Etanol: energia limpa
 
Processo de produção do Etanol-Da Matéria Prima ao produto Final
Processo de produção do Etanol-Da Matéria Prima ao produto FinalProcesso de produção do Etanol-Da Matéria Prima ao produto Final
Processo de produção do Etanol-Da Matéria Prima ao produto Final
 
Apresentação - Etanol, commodity do futuro
Apresentação - Etanol, commodity do futuroApresentação - Etanol, commodity do futuro
Apresentação - Etanol, commodity do futuro
 
Etanol produção
Etanol produçãoEtanol produção
Etanol produção
 
Channukà La Festa Delle Luci
Channukà La Festa Delle LuciChannukà La Festa Delle Luci
Channukà La Festa Delle Luci
 
áLcool CombustíVel
áLcool CombustíVeláLcool CombustíVel
áLcool CombustíVel
 
Power point Factta G.P.N Gestão de Plano de Negócio
Power point Factta G.P.N Gestão de Plano de NegócioPower point Factta G.P.N Gestão de Plano de Negócio
Power point Factta G.P.N Gestão de Plano de Negócio
 
Manual Resíduos
Manual ResíduosManual Resíduos
Manual Resíduos
 
Plano de Gestão Integrada dos Resíduos Sólidos da Cidade de São Paulo por Sil...
Plano de Gestão Integrada dos Resíduos Sólidos da Cidade de São Paulo por Sil...Plano de Gestão Integrada dos Resíduos Sólidos da Cidade de São Paulo por Sil...
Plano de Gestão Integrada dos Resíduos Sólidos da Cidade de São Paulo por Sil...
 
Plano de Gestão: avaliação
Plano de Gestão: avaliaçãoPlano de Gestão: avaliação
Plano de Gestão: avaliação
 
Ebah etanol alcoolquímica
Ebah etanol alcoolquímicaEbah etanol alcoolquímica
Ebah etanol alcoolquímica
 
Álcool
ÁlcoolÁlcool
Álcool
 
Relatório pibid everton
Relatório pibid evertonRelatório pibid everton
Relatório pibid everton
 
Aulas 11 e 12 propriedades do metanol e do etanol
Aulas 11 e 12   propriedades do metanol e do etanolAulas 11 e 12   propriedades do metanol e do etanol
Aulas 11 e 12 propriedades do metanol e do etanol
 
Evolucao do uso do etanol como combustivel veicular alfred
Evolucao do uso do etanol como combustivel veicular   alfredEvolucao do uso do etanol como combustivel veicular   alfred
Evolucao do uso do etanol como combustivel veicular alfred
 
Apresentação - Projeto de Lei 1991/2007 - Resíduos
Apresentação - Projeto de Lei 1991/2007 - ResíduosApresentação - Projeto de Lei 1991/2007 - Resíduos
Apresentação - Projeto de Lei 1991/2007 - Resíduos
 
Etanol
EtanolEtanol
Etanol
 
Fabricação do alcool
Fabricação do alcoolFabricação do alcool
Fabricação do alcool
 

Semelhante a Etanol

Seminário stab 2013 agrícola - 17. o que está sendo feito no centro sul par...
Seminário stab 2013   agrícola - 17. o que está sendo feito no centro sul par...Seminário stab 2013   agrícola - 17. o que está sendo feito no centro sul par...
Seminário stab 2013 agrícola - 17. o que está sendo feito no centro sul par...STAB Setentrional
 
Pró álcool e-pró-óleo
Pró álcool e-pró-óleoPró álcool e-pró-óleo
Pró álcool e-pró-óleomakemx
 
Setor florestal programa_abc_final
Setor florestal programa_abc_finalSetor florestal programa_abc_final
Setor florestal programa_abc_finalMoacir Medrado
 
Situacao dos bio combustiveis no brasil cristiane z. de an
Situacao dos bio combustiveis no brasil   cristiane z. de anSituacao dos bio combustiveis no brasil   cristiane z. de an
Situacao dos bio combustiveis no brasil cristiane z. de anGeraldo Sebastian
 
Desafios e oportunidades para as energias renováveis no Brasil - Giovani Mach...
Desafios e oportunidades para as energias renováveis no Brasil - Giovani Mach...Desafios e oportunidades para as energias renováveis no Brasil - Giovani Mach...
Desafios e oportunidades para as energias renováveis no Brasil - Giovani Mach...Fundação Fernando Henrique Cardoso
 
Apresentação no Instituto Ethos sobre o pré sal
Apresentação no Instituto Ethos sobre o pré salApresentação no Instituto Ethos sobre o pré sal
Apresentação no Instituto Ethos sobre o pré salFatoseDados
 
Perspectivas e tendências os biocombustíveis no Brasil e no mundo
Perspectivas e tendências os biocombustíveis no Brasil e no mundoPerspectivas e tendências os biocombustíveis no Brasil e no mundo
Perspectivas e tendências os biocombustíveis no Brasil e no mundoSydney Dias
 
2 palestra pimenta_eficiencia_energetica
2 palestra pimenta_eficiencia_energetica2 palestra pimenta_eficiencia_energetica
2 palestra pimenta_eficiencia_energeticaFabricio Lopez
 
Panorama Dos Biocombustiveis no BrasilNo Brasil
Panorama Dos Biocombustiveis no BrasilNo BrasilPanorama Dos Biocombustiveis no BrasilNo Brasil
Panorama Dos Biocombustiveis no BrasilNo BrasilSydney Dias
 
Tendências da Indústria Brasileira e o Programa Atuação Responsável
Tendências da Indústria Brasileira e o Programa Atuação ResponsávelTendências da Indústria Brasileira e o Programa Atuação Responsável
Tendências da Indústria Brasileira e o Programa Atuação ResponsávelSimposioMineirodeQuimica
 
Grendene - Brazil 2008 - 9th Annual CEO Conference - UBS Pactual
Grendene - Brazil 2008 - 9th Annual CEO Conference - UBS PactualGrendene - Brazil 2008 - 9th Annual CEO Conference - UBS Pactual
Grendene - Brazil 2008 - 9th Annual CEO Conference - UBS PactualGrendene
 
Rodrigo Rodrigues 2
Rodrigo Rodrigues 2Rodrigo Rodrigues 2
Rodrigo Rodrigues 2biodieselbr
 
Etanol - Pesquisa de Marketing
Etanol - Pesquisa de MarketingEtanol - Pesquisa de Marketing
Etanol - Pesquisa de MarketingEduardo Silva
 
Apresentação de Marcos Jank - Única
Apresentação de Marcos Jank  - ÚnicaApresentação de Marcos Jank  - Única
Apresentação de Marcos Jank - ÚnicaCartaCapital
 

Semelhante a Etanol (20)

Seminário stab 2013 agrícola - 17. o que está sendo feito no centro sul par...
Seminário stab 2013   agrícola - 17. o que está sendo feito no centro sul par...Seminário stab 2013   agrícola - 17. o que está sendo feito no centro sul par...
Seminário stab 2013 agrícola - 17. o que está sendo feito no centro sul par...
 
Pró álcool e-pró-óleo
Pró álcool e-pró-óleoPró álcool e-pró-óleo
Pró álcool e-pró-óleo
 
Setor florestal programa_abc_final
Setor florestal programa_abc_finalSetor florestal programa_abc_final
Setor florestal programa_abc_final
 
Situacao dos bio combustiveis no brasil cristiane z. de an
Situacao dos bio combustiveis no brasil   cristiane z. de anSituacao dos bio combustiveis no brasil   cristiane z. de an
Situacao dos bio combustiveis no brasil cristiane z. de an
 
Desafios e oportunidades para as energias renováveis no Brasil - Giovani Mach...
Desafios e oportunidades para as energias renováveis no Brasil - Giovani Mach...Desafios e oportunidades para as energias renováveis no Brasil - Giovani Mach...
Desafios e oportunidades para as energias renováveis no Brasil - Giovani Mach...
 
Apresentação no Instituto Ethos sobre o pré sal
Apresentação no Instituto Ethos sobre o pré salApresentação no Instituto Ethos sobre o pré sal
Apresentação no Instituto Ethos sobre o pré sal
 
Perspectivas e tendências os biocombustíveis no Brasil e no mundo
Perspectivas e tendências os biocombustíveis no Brasil e no mundoPerspectivas e tendências os biocombustíveis no Brasil e no mundo
Perspectivas e tendências os biocombustíveis no Brasil e no mundo
 
2 palestra pimenta_eficiencia_energetica
2 palestra pimenta_eficiencia_energetica2 palestra pimenta_eficiencia_energetica
2 palestra pimenta_eficiencia_energetica
 
Panorama Dos Biocombustiveis no BrasilNo Brasil
Panorama Dos Biocombustiveis no BrasilNo BrasilPanorama Dos Biocombustiveis no BrasilNo Brasil
Panorama Dos Biocombustiveis no BrasilNo Brasil
 
Tendências da Indústria Brasileira e o Programa Atuação Responsável
Tendências da Indústria Brasileira e o Programa Atuação ResponsávelTendências da Indústria Brasileira e o Programa Atuação Responsável
Tendências da Indústria Brasileira e o Programa Atuação Responsável
 
Grendene - Brazil 2008 - 9th Annual CEO Conference - UBS Pactual
Grendene - Brazil 2008 - 9th Annual CEO Conference - UBS PactualGrendene - Brazil 2008 - 9th Annual CEO Conference - UBS Pactual
Grendene - Brazil 2008 - 9th Annual CEO Conference - UBS Pactual
 
Reunião apimec 2007
Reunião apimec 2007Reunião apimec 2007
Reunião apimec 2007
 
Rodrigo Rodrigues 2
Rodrigo Rodrigues 2Rodrigo Rodrigues 2
Rodrigo Rodrigues 2
 
PMI 2008 - Sherman
PMI 2008 - ShermanPMI 2008 - Sherman
PMI 2008 - Sherman
 
Etanol - Pesquisa de Marketing
Etanol - Pesquisa de MarketingEtanol - Pesquisa de Marketing
Etanol - Pesquisa de Marketing
 
Apresentação de Marcos Jank - Única
Apresentação de Marcos Jank  - ÚnicaApresentação de Marcos Jank  - Única
Apresentação de Marcos Jank - Única
 
A comin
A cominA comin
A comin
 
Alexandre 14 30
Alexandre 14 30Alexandre 14 30
Alexandre 14 30
 
Alexandre 14 30
Alexandre 14 30Alexandre 14 30
Alexandre 14 30
 
MPI 2010 - Paulo Okamotto, SEBRAE Nacional
MPI 2010 - Paulo Okamotto, SEBRAE Nacional MPI 2010 - Paulo Okamotto, SEBRAE Nacional
MPI 2010 - Paulo Okamotto, SEBRAE Nacional
 

Mais de segundocol

Quim. org. introdução
Quim. org. introduçãoQuim. org. introdução
Quim. org. introduçãosegundocol
 
Exercs. reações org. revisão
Exercs. reações org. revisãoExercs. reações org. revisão
Exercs. reações org. revisãosegundocol
 
Módulo 22 – histologia vegetal
Módulo 22 – histologia vegetalMódulo 22 – histologia vegetal
Módulo 22 – histologia vegetalsegundocol
 
Apostila quimica organica_2009
Apostila quimica organica_2009Apostila quimica organica_2009
Apostila quimica organica_2009segundocol
 
Petroleo aula ppt.
Petroleo   aula ppt.Petroleo   aula ppt.
Petroleo aula ppt.segundocol
 
Apostila quimica organica_2009
Apostila quimica organica_2009Apostila quimica organica_2009
Apostila quimica organica_2009segundocol
 
Funções.org.oxig.
Funções.org.oxig.Funções.org.oxig.
Funções.org.oxig.segundocol
 
Solventes org.
Solventes org.Solventes org.
Solventes org.segundocol
 
Radicais quím.org.
Radicais quím.org.Radicais quím.org.
Radicais quím.org.segundocol
 
A era napoleônica
A era napoleônicaA era napoleônica
A era napoleônicasegundocol
 
A revolução francesa de 1789
A revolução francesa de 1789A revolução francesa de 1789
A revolução francesa de 1789segundocol
 
A revolução americana de 1776
A revolução americana de 1776A revolução americana de 1776
A revolução americana de 1776segundocol
 
A revolução industrial
A revolução industrialA revolução industrial
A revolução industrialsegundocol
 
Rad.org.(simpsons)
Rad.org.(simpsons)Rad.org.(simpsons)
Rad.org.(simpsons)segundocol
 
Quimica1.(simpsons)
Quimica1.(simpsons)Quimica1.(simpsons)
Quimica1.(simpsons)segundocol
 
Quimica org.(aula 01)
Quimica org.(aula 01)Quimica org.(aula 01)
Quimica org.(aula 01)segundocol
 

Mais de segundocol (18)

Quim. org. introdução
Quim. org. introduçãoQuim. org. introdução
Quim. org. introdução
 
Exercs. reações org. revisão
Exercs. reações org. revisãoExercs. reações org. revisão
Exercs. reações org. revisão
 
Etanol
EtanolEtanol
Etanol
 
Benzeno
BenzenoBenzeno
Benzeno
 
Módulo 22 – histologia vegetal
Módulo 22 – histologia vegetalMódulo 22 – histologia vegetal
Módulo 22 – histologia vegetal
 
Apostila quimica organica_2009
Apostila quimica organica_2009Apostila quimica organica_2009
Apostila quimica organica_2009
 
Petroleo aula ppt.
Petroleo   aula ppt.Petroleo   aula ppt.
Petroleo aula ppt.
 
Apostila quimica organica_2009
Apostila quimica organica_2009Apostila quimica organica_2009
Apostila quimica organica_2009
 
Funções.org.oxig.
Funções.org.oxig.Funções.org.oxig.
Funções.org.oxig.
 
Solventes org.
Solventes org.Solventes org.
Solventes org.
 
Radicais quím.org.
Radicais quím.org.Radicais quím.org.
Radicais quím.org.
 
A era napoleônica
A era napoleônicaA era napoleônica
A era napoleônica
 
A revolução francesa de 1789
A revolução francesa de 1789A revolução francesa de 1789
A revolução francesa de 1789
 
A revolução americana de 1776
A revolução americana de 1776A revolução americana de 1776
A revolução americana de 1776
 
A revolução industrial
A revolução industrialA revolução industrial
A revolução industrial
 
Rad.org.(simpsons)
Rad.org.(simpsons)Rad.org.(simpsons)
Rad.org.(simpsons)
 
Quimica1.(simpsons)
Quimica1.(simpsons)Quimica1.(simpsons)
Quimica1.(simpsons)
 
Quimica org.(aula 01)
Quimica org.(aula 01)Quimica org.(aula 01)
Quimica org.(aula 01)
 

Etanol

  • 1. ÁLCOOL COMBUSTÍVEL: VISÃO INDUSTRIAL E DE COMÉRCIO EXTERIOR 09 DE MAIO DE 2007– BRASÍLIA JULHO DE 2007 SECRETARIA DO DESENVOLVIMENTO DA PRODUÇÃO MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR
  • 2. PROGRAMA NACIONAL DO ÁLCOOL ▪ Lançado pelo governo brasileiro em 1975 para reduzir a importação de petróleo (“choques” do petróleo) ▪ Duas aplicações veiculares: inicialmente mistura de álcool anidro na gasolina e a partir de 1979 também usado em veículos movidos exclusivamente a álcool hidratado
  • 3. PROGRAMA NACIONAL DO ÁLCOOL ALGUNS BENEFÍCIOS ▪ Desenvolvimento de novas variedades de cana – maiores produtividade e resistência a pragas e doenças ▪ Desenvolvimento agrícola - otimização das operações de preparo do solo e plantio da cana ▪ Desenvolvimento de máquinas e equipamentos e do processo produtivo ▪ Desenvolvimento da cogeração de energia elétrica ▪ Desenvolvimento da logística – mistura e distribuição ▪ Desenvolvimento da indústria automotiva (componentes e veículos)
  • 4. ÁLCOOL – BALANÇO ENERGÉTICO Matéria-Prima Energia no álcool / Energia fóssil investida Trigo 1,2 Milho 1,3 - 1,8 Beterraba 1,9 Cana-de-açúcar 8,3 Fonte: F.O. Licht e UNICAMP
  • 5. A EXPERIÊNCIA BRASILEIRA Otimização do processo industrial do álcool Máquinas para o plantio, cultivo, colheita e transbordo da cana-de-açúcar e implementos rodoviários para o transporte da cana-de-açúcar.
  • 6. A EXPERIÊNCIA BRASILEIRA Máquinas para usinas de açúçar e álcool Cogeração de energia elétrica
  • 7. A EXPERIÊNCIA BRASILEIRA Os veículos Flex Fuel foram lançados no mercado brasileiro em 2003 e são produzidos por 9 empresas (VW, Chevrolet, Fiat, Ford, Renault, Peugeot Citroën, Honda, Toyota e Mitsubishi) produzem estes veículos – Frota: 3,5 milhões
  • 8. A EXPERIÊNCIA BRASILEIRA A NEIVA (subsidiária da EMBRAER) produz o avião agrícola Ipanema movido a álcool hidratado Fonte para gerar Hidrogênio – célula a ÁLCOOL combustível (pesquisas em desenvolvimento)
  • 9. INTERESSE GLOBAL PELOS BIOCOMBUSTÍVEIS ▪ Mudanças climáticas ▪ Meio ambiente ▪ Segurança energética ▪ Desenvolvimento sustentável ▪ Geração de emprego e renda
  • 10. PAINEL INTERGOVERNAMENTAL SOBRE MUDANÇA CLIMÁTICA (IPCC) - ONU Plano para conter o aumento da temperatura global e realizar cortes significativos nas emissões de Gases Geradores do Efeito Estufa (GEE) Algumas formas de redução de GEE: Melhoria da eficiência dos automóveis e das instalações consumidoras de energia. Substituição parcial de combustíveis fósseis por biocombustíveis.
  • 11. ÁLCOOL NO MUNDO Alguns países que utilizam o álcool combustível: • EUA (E-10 e E-85) • CANADÁ (E-10 e E-85) • SUÉCIA (E-5 e E-85) • FRANÇA (E-85) • ALEMANHA (E-3,6 e E-85) • ÍNDIA (E-5) • JAPÃO (E-3) • AUSTRÁLIA (E-10) • TAILÂNDIA (E-10) • CHINA (E-10) • COLÔMBIA (E-10) • PERU (E-10) • PARAGUAI (E-18) • BRASIL (E-25)
  • 12. DIFUSÃO INTERNACIONAL Missões conjuntas do Governo Brasileiro e do setor produtivo a vários países para divulgar os benefícios da produção e do uso do álcool combustível • Seminários nos países com autoridades dos Governos locais e empresários • Encontros de negócios • Realização de contatos institucionais • Visitas técnicas • Estrutura de apoio
  • 13. BRASIL: PRODUÇÃO E EXPORTAÇÃO DE ÁLCOOL 18,0 16,8 17,8 16,0 14,8 15,2 14,0 12,6 11,5 12,0 10,6 (Bilhão de litros) 10,0 AUM ENTO DAS EXPORTAÇÕES (2000-2006): 1.409% 8,0 6,0 4,0 3,4 2,3 2,6 2,0 0,3 0,8 0,8 0,2 - 2000 2001 2002 2003 2004 2005 2006 PRODUÇÃO EXPORT AÇÃO
  • 14. BRASIL – EXPORTAÇÃO DE ÁLCOOL 2006 País US$ (milhões) Litros (milhões) EUA 882 1.767 Holanda 151 346 Japão 95 225 Suécia 79 202 El Salvador 80 181 Jamaica 57 131 Venezuela 65 104 Coréia do Sul 34 92 Costa Rica 35 91 Trinidad & Tobago 33 72 México 17 50 Nigéria 19 42 Turquia 5 13 Outros 52 110 TOTAL 1.604 3.428 Fonte: SECEX
  • 15. VETORES DA EXPANSÃO DA DEMANDA ▪ Mercado interno: desafio de produzir 5 milhões de veículos/ano – previsão de novos investimentos no setor automotivo de US$ 35 bilhões até 2012 - aumento significativo no consumo de álcool hidratado em veículos Flex Fuel ▪ Mercado externo: motivações ambientais, climáticas, econômicas e geopolíticas ▫ 200 bilhões de litros para misturar 10% de álcool a toda a gasolina consumida no mundo, em 2025. ▫ EUA: 132 bilhões de litros em 2017 ▫ Europa, Japão, China, Coréia ...
  • 16. DESAFIO: PRODUÇÃO SUSTENTÁVEL (critérios sociais e ambientais)
  • 17. BNDES – FINANCIAMENTOS (mil reais) Desembolsos em Etanol e Biodiesel 2.500.000 2.099.329 2.000.000 1.500.000 1.087.502 1.000.000 688.683 729.142 586.407 500.000 365.427 0 2001 2002 2003 2004 2005 2006 Etanol Biodiesel
  • 18. BNDES – FINANCIAMENTOS (mil reais) Desembolsos em cogeração de energia 300.000 272.373 250.937 250.000 200.000 173.271 156.600 150.000 100.000 38.839 50.000 13.580 0 2001 2002 2003 2004 2005 2006
  • 19. BNDES – CARTEIRA DE PROJETOS • 21 projetos de cogeração à biomassa, gerando 788 MW novos, com investimentos de R$ 1,9 bilhão e R$ 1,4 bilhão de financiamento; • 65 projetos de etanol, com investimentos de R$ 14,2 bilhões e R$ 8,4 bilhões de financiamento. • 9 projetos de biodiesel, com investimentos de R$ 535 milhões e R$ 454 milhões de financiamento.
  • 20. DESAFIO: CONSOLIDAR O MERCADO MUNDIAL DE ÁLCOOL Maiores benefícios aos consumidores Menor volatilidade de preços Fluxos crescentes de comércio Maior segurança de suprimentos pela ampliação da diversidade de fontes produtoras.
  • 21. OPORTUNIDADE: COOPERAÇÃO BRASIL-EUA Discurso anual ("O Estado da União") do Presidente Bush ao Congresso dos EUA: - Meta de reduzir em 20% o consumo de gasolina nos EUA até 2017 (diminuir a dependência por petróleo importado que hoje representa 65% do consumo naquele país). - Os EUA deverão aumentar o uso de combustíveis alternativos para 35 bilhões de galões (132,5 bilhões de litros) em 2017. - Estimular pesquisas para desenvolver novos métodos para obter o álcool de outras fontes além do milho, notadamente a partir de celulose. Oferta norte-americana de etanol eventualmente insuficiente para atender a demanda futura
  • 22. OPORTUNIDADE: MOU BRASIL-EUA SOBRE BIOCOMBUSTÍVEIS Cooperação para fomentar a produção e o uso de biocombustíveis em terceiros países Cooperação para o estabelecimento de padrões uniformes e normas. Parceria INMETRO (Brasil) – NIST (EUA) Cooperação na área de pesquisa e desenvolvimento de tecnologia para biocombustíveis de nova geração
  • 23. OPORTUNIDADE: FÓRUM INTERNACIONAL DE BIOCOMBUSTÍVEIS Participação dos governos do Brasil, EUA, China, Índia, União Européia e África do Sul Entendimento entre grandes produtores e consumidores de biocombustíveis Objetivo principal: promover a consolidação de um mercado internacional para os biocombustíveis Conferência Internacional de Biocombustíveis que deverá ser realizada no Brasil em 2008.
  • 24. OPORTUNIDADE: EXPORTAÇÃO Álcool combustível Variedades de cana-de-açúcar Máquinas para plantio, colheita e transbordo da cana Implementos rodoviários (reboques canavieiros) Máquinas e equipamentos para produção de álcool e para co-geração de energia Tecnologia e veículos Flex Fuel Serviços: assistência técnica, projetos de engenharia, logística Créditos de Carbono e consultorias em projetos MDL