SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 33
Baixar para ler offline
PANORAMA DOS
BIOCOMBUSTÍVEIS NO BRASIL


   Ricardo França Nunes da Rocha –Coordenador Técnico de Combustíveis
                   da Cia Brasileira de Petróleo Ipiranga
O QUE SÃO OS BIOCOMBUSTÍVEIS?

Os Bicombustíveis são fontes de energias
renováveis, derivados de produtos agrícolas
como a cana-de-açúcar, plantas oleaginosas,
biomassa e ácidos graxos de origem animal.
SÓLIDOS.


BIOCOMBUSTÍVEIS   LÍQUIDOS.


                  GASOSOS.
Biodiesel

BIOCOMBUSTÍVEIS
 RELEVANTES

                    Etanol
BIODIESEL
      O QUE É?
É um combustível biodegradável derivado de fontes renováveis, que
pode ser obtido por diferentes processos, sendo o mais largamente
usado devido ao custo relativamente baixo em relação aos demais
processos, a TRANSESTERIFICAÇÃO.


Pode ser produzido a partir de gorduras animais ou de óleos vegetais,
existindo dezenas de espécies vegetais no Brasil que podem ser
utilizadas, tais como mamona, dendê (palma), girassol, babaçu,
amendoim, pinhão manso e soja, dentre outras.
Transesterificação
Localização das unidades
 produtoras do Biodiesel
O QUE É B100?
É o Biodiesel 100%. A mistura do B100 com o
Petrodiesel pode ser assim interpretada:

•B2 – 98% de petrodiesel + 2% de B100
•B3 – 97% de petrodiesel + 3% de B100
•B5 – 95% de petrodiesel + 5% de B100
MOTIVAÇÕES DE USO
  DO BIODIESEL
PNPB
O Programa Nacional de Produção e Uso de Biodiesel (PNPB) é um
programa interministerial do Governo Federal que objetiva a implementação
de forma sustentável, tanto técnica, como economicamente, a produção e
uso do Biodiesel, com enfoque na inclusão social e no desenvolvimento
regional, via geração de emprego e renda .
PRODUTIVIDADE POR HECTARE
    DAS OLEAGINOSAS
BASES LEGAIS
•LEI Nº 11.097, DE 13 DE JANEIRO DE 2005 – Introduz
 o Biodiesel na Matriz Energética brasileira.

•Resolução ANP n° 15, de 19 de julho de 2006 –
 Determina as especificações técnicas do Diesel.


•Resolução nº 5 do Conselho Nacional de Política
 Energética (CNPE), de 8 de outubro de 2007. –
 Estabelece regras para o uso do B2.


•Resolução ANP Nº 7, de 19.3.2008. – Especificações
 técnicas do Biodiesel.
IMPACTOS POSITIVOS
• O PNPB será atendido inicialmente pela oferta atual de óleos
 vegetais, que é composta principalmente por óleo de soja
• O país exporta atualmente 27 milhões de toneladas de soja em
 grão, suficientes para produzir mais de 5 milhões de toneladas
 de óleo de soja
• Para cada tonelada de óleo de soja gerada para atender ao
 programa, geram-se 4 toneladas de farelo e 8 toneladas de
 carnes
• O vetor de expansão da produção é o farelo de soja,
 responsável por 61% das receitas. Portanto, o PNPB não levará
 ao aumento da produção de soja.
• Aumento do preço do óleo deve incentivar a produção de
 culturas com teor de óleo mais elevado.
IMPACTOS POSITIVOS


•Redução de particulados.
•Redução significativa da emissão de
compostos de enxofre.
•Redução da emissão de CO e CO2.
•Fator de Inserção social.
DESVANTAGENS OBSERVADAS EM
    TESTES DE CAMPO COM B100


•Aumento NOX.
•Redução da potência dos motores de 3 a 4%, em
relação ao petrodiesel.
•Aumento do consumo em 10% em relação ao
petrodiesel.
DESVANTAGEM CONSTATADA NO B2


•Uso do sebo prejudica o CFPP nas regiões mais
 frias do país, no B2.
ETANOL
      O QUE É?
Conhecido como ÁLCOOL ETÍLICO, o etanol é uma substância incolor
com sabor e odor agradável com ponto de ebulição de 78°C, podendo
ser produzido por vários processos, sendo o mais viável
economicamente o processo da fermentação



 Sua fórmula estrutural simples é
Principais insumos do Etanol
           por país

 Brasil        Cana-de-açúcar.
 França        Beterraba.
 USA           Milho.
APRESENTAÇÃO COMERCIAL DO
ETANOL COMBUSTÍVEL NO BRASIL


AEHC          Combustível automotivo.

AEAC          Aumentador da QAD ( máx. 25%)

              da gasolina.
ETANOL

Ano/safra                             1975/76 2007/08
Cana (milhões de tons)                 91.52   491.37
Açúcar (milhões de tons)                6.02    30.64
Etanol (bilhões de litros)              0.56    22.40
% sacarose para álcool                 13.7%   54.6%
% sacarose pa ra açúcar exportação     19.7%   28.3%
% sacarose para álcool exportação      0.0%      8.5%



 Fonte: Datagro
ETANOL

INFORMAÇÕES IMPORTANTES:

•A demanda de etanol ficou estagnada de
 1986 a 2006 apesar do aumento na oferta
 de sacarose.

•Crescimento da exportação de açúcar.
PRODUÇÃO DE ETANOL NO BRASIL




Fonte: Datagro
CONSUMO DE AEAC NO BRASIL
CONSUMO DE AEHC NO BRASIL
PRODUÇÃO DE AUTOMÓVEIS NO BRASIL




Fonte: Datagro
BIOCOMBUSTÍVEIS X ALIMENTOS
     MITOS E VERDADES
AONDE ESTÁ O AÇÚCAR E O ETANOL NO BRASIL?
USO DA TERRA NO BRASIL
TERRITÓRIO NACIONAL: 8,51 MILHÕES DE KM²

Em milhões de hectares
FLORESTA AMAZONICA------------------------------------------------- 350
PASTAGENS ---------------------------------------------------------------- 210
ÁREAS DE PROTEÇÃO ------------------------------------------------- 55
CULTURAS ANUAIS ------------------------------------------------------ 47
CULTURAS PERMANENTES------------------------------------------- 14
CIDADES, LAGOS, RODOVIAS E PÂNTANOS ------------------- 20
FLORESTAS CULTIVADAS----------------------------------------------           5
                                                                           701
OUTROS USOS------------------------------------------------------------- 60
ÁREAS FÉRTEIS E VIRGENS DA FRONTEIRA AGRÍCOLA - 90
                                                                   TOTAL 851
RAZÕES PARA O AUMENTO DO CUSTO DOS
        ALIMENTOS NO MUNDO
• 1. Seca em importantes países produtores de grãos.
• 2. Forte crescimento da demanda por alimentos em
  países em desenvolvimento.
• 3. Aumento da especulação financeira nas
  commodities Agrícolas.
• 4. Elevação dos custos de produção (sementes,
  fertilizantes, defensivos, preço da terra, mãode-
  obra).
• 5. Mais terra usada para produção ineficiente de
  biocombustíveis (EUA, Europa).
INFORMAÇÕES DISTORCIDAS




FONTE: Articulação Soja Holanda “Um outro olhar sobre a
soja”.
OBRIGADO PELA
  ATENÇÃO!

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Aula 1 introdução à tecnologia de alimentos
Aula 1 introdução à tecnologia de alimentosAula 1 introdução à tecnologia de alimentos
Aula 1 introdução à tecnologia de alimentos
Alvaro Galdos
 
Planejamento, gestão ambiental e agronegócio
Planejamento, gestão ambiental e agronegócioPlanejamento, gestão ambiental e agronegócio
Planejamento, gestão ambiental e agronegócio
Silene Barreto
 
Níveis de organização dos seres vivos
Níveis de organização dos seres vivosNíveis de organização dos seres vivos
Níveis de organização dos seres vivos
Fatima Comiotto
 
Biotecnologia
Biotecnologia Biotecnologia
Exploração e conservação de recursos naturais
Exploração e conservação de recursos naturaisExploração e conservação de recursos naturais
Exploração e conservação de recursos naturais
Prof. Francesco Torres
 

Mais procurados (20)

Origem da agricultura e revolução verde
Origem da agricultura e revolução verdeOrigem da agricultura e revolução verde
Origem da agricultura e revolução verde
 
Aula 1 introdução à tecnologia de alimentos
Aula 1 introdução à tecnologia de alimentosAula 1 introdução à tecnologia de alimentos
Aula 1 introdução à tecnologia de alimentos
 
Cadeia e teias alimentares
Cadeia e teias alimentaresCadeia e teias alimentares
Cadeia e teias alimentares
 
Planejamento, gestão ambiental e agronegócio
Planejamento, gestão ambiental e agronegócioPlanejamento, gestão ambiental e agronegócio
Planejamento, gestão ambiental e agronegócio
 
Matriz energética
Matriz energéticaMatriz energética
Matriz energética
 
AGROECOLOGIA
AGROECOLOGIAAGROECOLOGIA
AGROECOLOGIA
 
Como Implantar e Conduzir uma Horta de Pequeno Porte
Como Implantar e Conduzir uma Horta de Pequeno PorteComo Implantar e Conduzir uma Horta de Pequeno Porte
Como Implantar e Conduzir uma Horta de Pequeno Porte
 
2016 - SATVeg - Sistema de Análise Temporal da Vegetação
2016 - SATVeg - Sistema de Análise Temporal da Vegetação2016 - SATVeg - Sistema de Análise Temporal da Vegetação
2016 - SATVeg - Sistema de Análise Temporal da Vegetação
 
Gado leite
Gado leiteGado leite
Gado leite
 
Energia renovável e não renovável
Energia renovável e não renovávelEnergia renovável e não renovável
Energia renovável e não renovável
 
SEMANA 02 - BIOLOGIA - 2ª SÉRIE - PERTURBAÇÃO AMBIENTAL
SEMANA 02 - BIOLOGIA - 2ª SÉRIE - PERTURBAÇÃO AMBIENTALSEMANA 02 - BIOLOGIA - 2ª SÉRIE - PERTURBAÇÃO AMBIENTAL
SEMANA 02 - BIOLOGIA - 2ª SÉRIE - PERTURBAÇÃO AMBIENTAL
 
Aula de Gestão Ambiental - UMC
Aula de Gestão Ambiental - UMCAula de Gestão Ambiental - UMC
Aula de Gestão Ambiental - UMC
 
Níveis de organização dos seres vivos
Níveis de organização dos seres vivosNíveis de organização dos seres vivos
Níveis de organização dos seres vivos
 
Biotecnologia
Biotecnologia Biotecnologia
Biotecnologia
 
III. 1 Histórico Biotecnologia
III. 1 Histórico BiotecnologiaIII. 1 Histórico Biotecnologia
III. 1 Histórico Biotecnologia
 
O Agronegócio Brasileiro
O Agronegócio BrasileiroO Agronegócio Brasileiro
O Agronegócio Brasileiro
 
Aula 13 - AGRONEGÓCIO BRASILEIRO
Aula  13 - AGRONEGÓCIO BRASILEIROAula  13 - AGRONEGÓCIO BRASILEIRO
Aula 13 - AGRONEGÓCIO BRASILEIRO
 
Exploração e conservação de recursos naturais
Exploração e conservação de recursos naturaisExploração e conservação de recursos naturais
Exploração e conservação de recursos naturais
 
Aula SENAR - cadeias produtiva.pdf
Aula SENAR - cadeias produtiva.pdfAula SENAR - cadeias produtiva.pdf
Aula SENAR - cadeias produtiva.pdf
 
Avicultura
AviculturaAvicultura
Avicultura
 

Destaque

Equipamentos observa sol calil
Equipamentos observa sol calilEquipamentos observa sol calil
Equipamentos observa sol calil
Instituto Iprodesc
 

Destaque (20)

Rochas e solos
Rochas e solosRochas e solos
Rochas e solos
 
História da Astronomia - Copérnico e Tycho Brahe - Parte 4 de 7
História da Astronomia - Copérnico e Tycho Brahe - Parte 4 de 7História da Astronomia - Copérnico e Tycho Brahe - Parte 4 de 7
História da Astronomia - Copérnico e Tycho Brahe - Parte 4 de 7
 
Os Fenícios - 6º Ano (2017)
Os Fenícios - 6º Ano (2017)Os Fenícios - 6º Ano (2017)
Os Fenícios - 6º Ano (2017)
 
As Bacias Hidrográficas - 6º Ano (2017)
As Bacias Hidrográficas - 6º Ano (2017)As Bacias Hidrográficas - 6º Ano (2017)
As Bacias Hidrográficas - 6º Ano (2017)
 
História da Astronomia - Egito e Grécia - Parte 2 de 7
História da Astronomia - Egito e Grécia - Parte 2 de 7História da Astronomia - Egito e Grécia - Parte 2 de 7
História da Astronomia - Egito e Grécia - Parte 2 de 7
 
História e filosofia da ciência e ensino
História e filosofia da ciência e ensinoHistória e filosofia da ciência e ensino
História e filosofia da ciência e ensino
 
Curso: O céu das 4 Estações - Aula 3 de 3.
Curso: O céu das 4 Estações - Aula 3 de 3.Curso: O céu das 4 Estações - Aula 3 de 3.
Curso: O céu das 4 Estações - Aula 3 de 3.
 
Como a arte começou 2014
Como a arte começou 2014Como a arte começou 2014
Como a arte começou 2014
 
Os Municípios e as Regiões Metropolitanas - 7º Ano (2017)
Os Municípios e as Regiões Metropolitanas - 7º Ano (2017)Os Municípios e as Regiões Metropolitanas - 7º Ano (2017)
Os Municípios e as Regiões Metropolitanas - 7º Ano (2017)
 
As Regiões do Brasil (7º ANO - 2015)
As Regiões do Brasil (7º ANO - 2015)As Regiões do Brasil (7º ANO - 2015)
As Regiões do Brasil (7º ANO - 2015)
 
A paisagem e as relações entre seus elementos (Módulo 3) - 6º Ano (2016)
A paisagem e as relações entre seus elementos (Módulo 3) -  6º Ano  (2016)A paisagem e as relações entre seus elementos (Módulo 3) -  6º Ano  (2016)
A paisagem e as relações entre seus elementos (Módulo 3) - 6º Ano (2016)
 
Apostila bioquimica
Apostila bioquimicaApostila bioquimica
Apostila bioquimica
 
Os Fenícios (6º Ano - 2016)
Os Fenícios (6º Ano - 2016)Os Fenícios (6º Ano - 2016)
Os Fenícios (6º Ano - 2016)
 
Introdução à filosofia
Introdução à filosofiaIntrodução à filosofia
Introdução à filosofia
 
4.2015 2.observação de objetos celestes noturnos
4.2015 2.observação de objetos celestes noturnos4.2015 2.observação de objetos celestes noturnos
4.2015 2.observação de objetos celestes noturnos
 
Evoluçao 1.2
Evoluçao 1.2Evoluçao 1.2
Evoluçao 1.2
 
www.CentroApoio.com - Biologia - Bioquímica
www.CentroApoio.com - Biologia - Bioquímicawww.CentroApoio.com - Biologia - Bioquímica
www.CentroApoio.com - Biologia - Bioquímica
 
Relogio solares marcos_calil
Relogio solares marcos_calilRelogio solares marcos_calil
Relogio solares marcos_calil
 
Equipamentos observa sol calil
Equipamentos observa sol calilEquipamentos observa sol calil
Equipamentos observa sol calil
 
O espaço rural no Brasil (Reforma Agrária) -7º ANO (2016)
O espaço rural no Brasil (Reforma Agrária) -7º ANO (2016)O espaço rural no Brasil (Reforma Agrária) -7º ANO (2016)
O espaço rural no Brasil (Reforma Agrária) -7º ANO (2016)
 

Semelhante a Panorama Dos Biocombustiveis no BrasilNo Brasil

Ayrton souza biocombustíveis e energia no es 19 05-09
Ayrton souza   biocombustíveis e energia no es 19 05-09Ayrton souza   biocombustíveis e energia no es 19 05-09
Ayrton souza biocombustíveis e energia no es 19 05-09
LCA promo
 
Perspectivas e tendências os biocombustíveis no Brasil e no mundo
Perspectivas e tendências os biocombustíveis no Brasil e no mundoPerspectivas e tendências os biocombustíveis no Brasil e no mundo
Perspectivas e tendências os biocombustíveis no Brasil e no mundo
Sydney Dias
 
A política brasileira de biocombustíveis
A política brasileira de biocombustíveisA política brasileira de biocombustíveis
A política brasileira de biocombustíveis
ProjetoBr
 
Rodrigo Rodrigues 2
Rodrigo Rodrigues 2Rodrigo Rodrigues 2
Rodrigo Rodrigues 2
biodieselbr
 
Pró álcool e-pró-óleo
Pró álcool e-pró-óleoPró álcool e-pró-óleo
Pró álcool e-pró-óleo
makemx
 
SojaPlus workshop4 - Bioenergia_FAO
SojaPlus workshop4 - Bioenergia_FAOSojaPlus workshop4 - Bioenergia_FAO
SojaPlus workshop4 - Bioenergia_FAO
equipeagroplus
 

Semelhante a Panorama Dos Biocombustiveis no BrasilNo Brasil (20)

'ATUALIDADES GEOGRAFIA BRASIL BIOCOMBUSTÍVEIS Prof Marco Aurelio Gondim [www....
'ATUALIDADES GEOGRAFIA BRASIL BIOCOMBUSTÍVEIS Prof Marco Aurelio Gondim [www....'ATUALIDADES GEOGRAFIA BRASIL BIOCOMBUSTÍVEIS Prof Marco Aurelio Gondim [www....
'ATUALIDADES GEOGRAFIA BRASIL BIOCOMBUSTÍVEIS Prof Marco Aurelio Gondim [www....
 
Atualidades Biocombustiveis Prof. Marco Aurelio Gondim [www.mgondim.blogspot....
Atualidades Biocombustiveis Prof. Marco Aurelio Gondim [www.mgondim.blogspot....Atualidades Biocombustiveis Prof. Marco Aurelio Gondim [www.mgondim.blogspot....
Atualidades Biocombustiveis Prof. Marco Aurelio Gondim [www.mgondim.blogspot....
 
Biodiesel novo
Biodiesel novoBiodiesel novo
Biodiesel novo
 
ARTIGO RESUMO
ARTIGO RESUMOARTIGO RESUMO
ARTIGO RESUMO
 
Ayrton souza biocombustíveis e energia no es 19 05-09
Ayrton souza   biocombustíveis e energia no es 19 05-09Ayrton souza   biocombustíveis e energia no es 19 05-09
Ayrton souza biocombustíveis e energia no es 19 05-09
 
Perspectivas e tendências os biocombustíveis no Brasil e no mundo
Perspectivas e tendências os biocombustíveis no Brasil e no mundoPerspectivas e tendências os biocombustíveis no Brasil e no mundo
Perspectivas e tendências os biocombustíveis no Brasil e no mundo
 
A política brasileira de biocombustíveis
A política brasileira de biocombustíveisA política brasileira de biocombustíveis
A política brasileira de biocombustíveis
 
Rodrigo Rodrigues 2
Rodrigo Rodrigues 2Rodrigo Rodrigues 2
Rodrigo Rodrigues 2
 
PMI 2008 - Sherman
PMI 2008 - ShermanPMI 2008 - Sherman
PMI 2008 - Sherman
 
Programa Nacional de Produção e Uso do Biodiesel
Programa Nacional de Produção e Uso do BiodieselPrograma Nacional de Produção e Uso do Biodiesel
Programa Nacional de Produção e Uso do Biodiesel
 
Minicurso biodiesel - Profª Drª Claudia Cardoso Bejan
Minicurso biodiesel - Profª Drª Claudia Cardoso BejanMinicurso biodiesel - Profª Drª Claudia Cardoso Bejan
Minicurso biodiesel - Profª Drª Claudia Cardoso Bejan
 
Estratégia da Embrapa para o Programa de Agroenergia
Estratégia da Embrapa para o Programa de AgroenergiaEstratégia da Embrapa para o Programa de Agroenergia
Estratégia da Embrapa para o Programa de Agroenergia
 
Pró álcool e-pró-óleo
Pró álcool e-pró-óleoPró álcool e-pró-óleo
Pró álcool e-pró-óleo
 
Relatorio diario cogo inteligencia em agronegocio 02 09-2020
Relatorio diario cogo inteligencia em agronegocio 02 09-2020Relatorio diario cogo inteligencia em agronegocio 02 09-2020
Relatorio diario cogo inteligencia em agronegocio 02 09-2020
 
Bioenergy and Biofuels - Oportunities and sustainability - Fliporto - GEugeni...
Bioenergy and Biofuels - Oportunities and sustainability - Fliporto - GEugeni...Bioenergy and Biofuels - Oportunities and sustainability - Fliporto - GEugeni...
Bioenergy and Biofuels - Oportunities and sustainability - Fliporto - GEugeni...
 
SojaPlus workshop4 - Bioenergia_FAO
SojaPlus workshop4 - Bioenergia_FAOSojaPlus workshop4 - Bioenergia_FAO
SojaPlus workshop4 - Bioenergia_FAO
 
Fad álcool aula 1
Fad álcool aula 1Fad álcool aula 1
Fad álcool aula 1
 
1. seminário de pesquisa (july)
1. seminário de pesquisa (july)1. seminário de pesquisa (july)
1. seminário de pesquisa (july)
 
Etanol
EtanolEtanol
Etanol
 
Etanol
EtanolEtanol
Etanol
 

Mais de Sydney Dias

Trabalho prático #1 (regime de concessão -henrique santana 74278)
Trabalho prático   #1 (regime de concessão -henrique santana 74278)Trabalho prático   #1 (regime de concessão -henrique santana 74278)
Trabalho prático #1 (regime de concessão -henrique santana 74278)
Sydney Dias
 
Trabalho prático #5 sondas de perfuração e completação (henrique santana 74...
Trabalho prático #5   sondas de perfuração e completação (henrique santana 74...Trabalho prático #5   sondas de perfuração e completação (henrique santana 74...
Trabalho prático #5 sondas de perfuração e completação (henrique santana 74...
Sydney Dias
 
Trabalho prático #4 brocas (henrique santana 74278)
Trabalho prático #4   brocas (henrique santana 74278)Trabalho prático #4   brocas (henrique santana 74278)
Trabalho prático #4 brocas (henrique santana 74278)
Sydney Dias
 
Trabalho prático #2 (marco regulatório - henrique santana 74278)
Trabalho prático   #2 (marco regulatório - henrique santana 74278)Trabalho prático   #2 (marco regulatório - henrique santana 74278)
Trabalho prático #2 (marco regulatório - henrique santana 74278)
Sydney Dias
 
Trabalho prático #3 gom (henrique santana 74278)
Trabalho prático #3   gom (henrique santana 74278)Trabalho prático #3   gom (henrique santana 74278)
Trabalho prático #3 gom (henrique santana 74278)
Sydney Dias
 
Trabalho prático #1 (regime de concessão -henrique santana 74278)
Trabalho prático   #1 (regime de concessão -henrique santana 74278)Trabalho prático   #1 (regime de concessão -henrique santana 74278)
Trabalho prático #1 (regime de concessão -henrique santana 74278)
Sydney Dias
 
1 programacao final-iii-semacit-26-08-2010
1   programacao final-iii-semacit-26-08-20101   programacao final-iii-semacit-26-08-2010
1 programacao final-iii-semacit-26-08-2010
Sydney Dias
 
2 descricao-iii semacit
2   descricao-iii semacit2   descricao-iii semacit
2 descricao-iii semacit
Sydney Dias
 
E mail do-sidney_e_a_resposta
E mail do-sidney_e_a_respostaE mail do-sidney_e_a_resposta
E mail do-sidney_e_a_resposta
Sydney Dias
 
Perspectivas mundiais dos biocombustíveis petrobras
Perspectivas mundiais dos biocombustíveis petrobrasPerspectivas mundiais dos biocombustíveis petrobras
Perspectivas mundiais dos biocombustíveis petrobras
Sydney Dias
 

Mais de Sydney Dias (20)

Tn+76 flip novo
Tn+76 flip novoTn+76 flip novo
Tn+76 flip novo
 
Unipeg
UnipegUnipeg
Unipeg
 
Coluna eco oil
Coluna eco oilColuna eco oil
Coluna eco oil
 
Revista164
Revista164Revista164
Revista164
 
Unipeg
UnipegUnipeg
Unipeg
 
Unipeg
UnipegUnipeg
Unipeg
 
Unipeg
UnipegUnipeg
Unipeg
 
Trabalho prático #1 (regime de concessão -henrique santana 74278)
Trabalho prático   #1 (regime de concessão -henrique santana 74278)Trabalho prático   #1 (regime de concessão -henrique santana 74278)
Trabalho prático #1 (regime de concessão -henrique santana 74278)
 
Trabalho prático #5 sondas de perfuração e completação (henrique santana 74...
Trabalho prático #5   sondas de perfuração e completação (henrique santana 74...Trabalho prático #5   sondas de perfuração e completação (henrique santana 74...
Trabalho prático #5 sondas de perfuração e completação (henrique santana 74...
 
Trabalho prático #4 brocas (henrique santana 74278)
Trabalho prático #4   brocas (henrique santana 74278)Trabalho prático #4   brocas (henrique santana 74278)
Trabalho prático #4 brocas (henrique santana 74278)
 
Trabalho prático #2 (marco regulatório - henrique santana 74278)
Trabalho prático   #2 (marco regulatório - henrique santana 74278)Trabalho prático   #2 (marco regulatório - henrique santana 74278)
Trabalho prático #2 (marco regulatório - henrique santana 74278)
 
Trabalho prático #3 gom (henrique santana 74278)
Trabalho prático #3   gom (henrique santana 74278)Trabalho prático #3   gom (henrique santana 74278)
Trabalho prático #3 gom (henrique santana 74278)
 
Trabalho prático #1 (regime de concessão -henrique santana 74278)
Trabalho prático   #1 (regime de concessão -henrique santana 74278)Trabalho prático   #1 (regime de concessão -henrique santana 74278)
Trabalho prático #1 (regime de concessão -henrique santana 74278)
 
Unipeg
UnipegUnipeg
Unipeg
 
161pdf final
161pdf final161pdf final
161pdf final
 
Revista gm
Revista gmRevista gm
Revista gm
 
1 programacao final-iii-semacit-26-08-2010
1   programacao final-iii-semacit-26-08-20101   programacao final-iii-semacit-26-08-2010
1 programacao final-iii-semacit-26-08-2010
 
2 descricao-iii semacit
2   descricao-iii semacit2   descricao-iii semacit
2 descricao-iii semacit
 
E mail do-sidney_e_a_resposta
E mail do-sidney_e_a_respostaE mail do-sidney_e_a_resposta
E mail do-sidney_e_a_resposta
 
Perspectivas mundiais dos biocombustíveis petrobras
Perspectivas mundiais dos biocombustíveis petrobrasPerspectivas mundiais dos biocombustíveis petrobras
Perspectivas mundiais dos biocombustíveis petrobras
 

Panorama Dos Biocombustiveis no BrasilNo Brasil

  • 1. PANORAMA DOS BIOCOMBUSTÍVEIS NO BRASIL Ricardo França Nunes da Rocha –Coordenador Técnico de Combustíveis da Cia Brasileira de Petróleo Ipiranga
  • 2. O QUE SÃO OS BIOCOMBUSTÍVEIS? Os Bicombustíveis são fontes de energias renováveis, derivados de produtos agrícolas como a cana-de-açúcar, plantas oleaginosas, biomassa e ácidos graxos de origem animal.
  • 3.
  • 4. SÓLIDOS. BIOCOMBUSTÍVEIS LÍQUIDOS. GASOSOS.
  • 6. BIODIESEL O QUE É? É um combustível biodegradável derivado de fontes renováveis, que pode ser obtido por diferentes processos, sendo o mais largamente usado devido ao custo relativamente baixo em relação aos demais processos, a TRANSESTERIFICAÇÃO. Pode ser produzido a partir de gorduras animais ou de óleos vegetais, existindo dezenas de espécies vegetais no Brasil que podem ser utilizadas, tais como mamona, dendê (palma), girassol, babaçu, amendoim, pinhão manso e soja, dentre outras.
  • 8. Localização das unidades produtoras do Biodiesel
  • 9. O QUE É B100? É o Biodiesel 100%. A mistura do B100 com o Petrodiesel pode ser assim interpretada: •B2 – 98% de petrodiesel + 2% de B100 •B3 – 97% de petrodiesel + 3% de B100 •B5 – 95% de petrodiesel + 5% de B100
  • 10. MOTIVAÇÕES DE USO DO BIODIESEL
  • 11. PNPB O Programa Nacional de Produção e Uso de Biodiesel (PNPB) é um programa interministerial do Governo Federal que objetiva a implementação de forma sustentável, tanto técnica, como economicamente, a produção e uso do Biodiesel, com enfoque na inclusão social e no desenvolvimento regional, via geração de emprego e renda .
  • 12. PRODUTIVIDADE POR HECTARE DAS OLEAGINOSAS
  • 13.
  • 14. BASES LEGAIS •LEI Nº 11.097, DE 13 DE JANEIRO DE 2005 – Introduz o Biodiesel na Matriz Energética brasileira. •Resolução ANP n° 15, de 19 de julho de 2006 – Determina as especificações técnicas do Diesel. •Resolução nº 5 do Conselho Nacional de Política Energética (CNPE), de 8 de outubro de 2007. – Estabelece regras para o uso do B2. •Resolução ANP Nº 7, de 19.3.2008. – Especificações técnicas do Biodiesel.
  • 15. IMPACTOS POSITIVOS • O PNPB será atendido inicialmente pela oferta atual de óleos vegetais, que é composta principalmente por óleo de soja • O país exporta atualmente 27 milhões de toneladas de soja em grão, suficientes para produzir mais de 5 milhões de toneladas de óleo de soja • Para cada tonelada de óleo de soja gerada para atender ao programa, geram-se 4 toneladas de farelo e 8 toneladas de carnes • O vetor de expansão da produção é o farelo de soja, responsável por 61% das receitas. Portanto, o PNPB não levará ao aumento da produção de soja. • Aumento do preço do óleo deve incentivar a produção de culturas com teor de óleo mais elevado.
  • 16. IMPACTOS POSITIVOS •Redução de particulados. •Redução significativa da emissão de compostos de enxofre. •Redução da emissão de CO e CO2. •Fator de Inserção social.
  • 17. DESVANTAGENS OBSERVADAS EM TESTES DE CAMPO COM B100 •Aumento NOX. •Redução da potência dos motores de 3 a 4%, em relação ao petrodiesel. •Aumento do consumo em 10% em relação ao petrodiesel.
  • 18. DESVANTAGEM CONSTATADA NO B2 •Uso do sebo prejudica o CFPP nas regiões mais frias do país, no B2.
  • 19. ETANOL O QUE É? Conhecido como ÁLCOOL ETÍLICO, o etanol é uma substância incolor com sabor e odor agradável com ponto de ebulição de 78°C, podendo ser produzido por vários processos, sendo o mais viável economicamente o processo da fermentação Sua fórmula estrutural simples é
  • 20. Principais insumos do Etanol por país Brasil Cana-de-açúcar. França Beterraba. USA Milho.
  • 21. APRESENTAÇÃO COMERCIAL DO ETANOL COMBUSTÍVEL NO BRASIL AEHC Combustível automotivo. AEAC Aumentador da QAD ( máx. 25%) da gasolina.
  • 22. ETANOL Ano/safra 1975/76 2007/08 Cana (milhões de tons) 91.52 491.37 Açúcar (milhões de tons) 6.02 30.64 Etanol (bilhões de litros) 0.56 22.40 % sacarose para álcool 13.7% 54.6% % sacarose pa ra açúcar exportação 19.7% 28.3% % sacarose para álcool exportação 0.0% 8.5% Fonte: Datagro
  • 23. ETANOL INFORMAÇÕES IMPORTANTES: •A demanda de etanol ficou estagnada de 1986 a 2006 apesar do aumento na oferta de sacarose. •Crescimento da exportação de açúcar.
  • 24. PRODUÇÃO DE ETANOL NO BRASIL Fonte: Datagro
  • 25. CONSUMO DE AEAC NO BRASIL
  • 26. CONSUMO DE AEHC NO BRASIL
  • 27. PRODUÇÃO DE AUTOMÓVEIS NO BRASIL Fonte: Datagro
  • 28. BIOCOMBUSTÍVEIS X ALIMENTOS MITOS E VERDADES
  • 29. AONDE ESTÁ O AÇÚCAR E O ETANOL NO BRASIL?
  • 30. USO DA TERRA NO BRASIL TERRITÓRIO NACIONAL: 8,51 MILHÕES DE KM² Em milhões de hectares FLORESTA AMAZONICA------------------------------------------------- 350 PASTAGENS ---------------------------------------------------------------- 210 ÁREAS DE PROTEÇÃO ------------------------------------------------- 55 CULTURAS ANUAIS ------------------------------------------------------ 47 CULTURAS PERMANENTES------------------------------------------- 14 CIDADES, LAGOS, RODOVIAS E PÂNTANOS ------------------- 20 FLORESTAS CULTIVADAS---------------------------------------------- 5 701 OUTROS USOS------------------------------------------------------------- 60 ÁREAS FÉRTEIS E VIRGENS DA FRONTEIRA AGRÍCOLA - 90 TOTAL 851
  • 31. RAZÕES PARA O AUMENTO DO CUSTO DOS ALIMENTOS NO MUNDO • 1. Seca em importantes países produtores de grãos. • 2. Forte crescimento da demanda por alimentos em países em desenvolvimento. • 3. Aumento da especulação financeira nas commodities Agrícolas. • 4. Elevação dos custos de produção (sementes, fertilizantes, defensivos, preço da terra, mãode- obra). • 5. Mais terra usada para produção ineficiente de biocombustíveis (EUA, Europa).
  • 32. INFORMAÇÕES DISTORCIDAS FONTE: Articulação Soja Holanda “Um outro olhar sobre a soja”.
  • 33. OBRIGADO PELA ATENÇÃO!