SlideShare uma empresa Scribd logo
O QUE ESTÁ SENDO FEITO NO CENTRO SUL
PARA MELHORAR A PRODUTIVIDADE E
REDUZIR O CUSTO DE PRODUÇÃO DE
CANA DE AÇÚCAR
Eng.Agr. Dib Nunes Jr.
Grupo IDEA
0
100
200
300
400
500
600
700
00/01 01/02 02/03 03/04 04/05 05/06 06/07 07/08 08/09 09/10 10/11 11/12 12/13*
Milhõesdetoneladasdecanadeaçúcar
Estagnação
PRODUÇÃO DE CANA DE AÇÚCAR NO BRASIL
Source: UNICA, ALCOPAR, BIOSUL, SIAMIG, SINDALCOOL, SIFAEG, SINDAAF, SUDES e MAPA.
1. World financial crisis → acquisitions involving affected companies
2. Weather problems in three consecutive harvests
3. Perda de competitividade doméstica etanol comparado à gasolina
EVOLUÇÃO DO NÚMERO DE NOVAS USINAS NO
CENTRO-SUL BRASIL
9
19
25
30
21
9
3 2
0
5
10
15
20
25
30
35
2005/6 2006/7 2007/8 2008/9 2009/10 2010/11 2011/12 2012/13*
In recent years, 65 distilleries also installed sugar factories
Source: Brasilian Ministry for Agriculture (MAPA) and ÚNICA. Note:2012/13* estimate
PRODUTIVIDADE AGRÍCOLA EM T/HA NO PERÍODO
DE 1988 A 2011
ANO TCH
1988 82
1989 78
1990 80
1991 82
1992 82
1993 82
1994 78
1995 75
1996 80
1997 83
1998 95
1999 82
MÉDIA 81,5
ANO TCH
2000 70
2001 82
2002 78
2003 83
2004 86
2005 82
2006 83
2007 82
2008 86
2009 88
2010 82
2011 70
MÉDIA 81,0
MÉDIA GERAL
81,3
FONTE:MAPA/CTC ELABORADO POR DEMATTÊ
PRODUTIVIDADE DE CANA DE AÇÚCAR EM REGIÕES
SIGNIFICATIVAS EM 2012/13
REGÕES
PRODUTIVIDADE CANA (TCH)
2012 2011 2010
São Paulo 76 70 85
Araçatuba 67 65 84
Assis / Presidente Prudente 73 70 78
Jaú 75 71 81
Piracicaba 77 ’74 81
Ribeirão Preto 77 75 95
São José do Rio Preto 72 69 86
Goiás 67 66 79
Minas Gerais 67 66 80
Mato Grosso do Sul 69 73 87
Mato Grosso 58 54 61
Paraná 68 62 79
Centro-Sul 71 68 81
Fonte: CTC / IDEA
Evolução da produção de cana de açúcar, açúcar
e etanol no Brasil
Açúcar(Milhõestoneladas)
Etanol(bilhõesdelitros)
Canadeaçúcar(milhõesdetoneladas)
Balanço de oferta e demanda de etanol projetada
para safra de 2012/2013 (abril-março)
PRODUTOS (bilhões de litros)
2011/12 2012/13
VARIAÇÃO
Vol. %
DEMANDA CICLO OTTO (exceto GNV)
Combustíveis 44,66 46,92 2,26 5,1%
CONSUMO ETANOL
Anhydrous ethanol 8,38 7,84 -0,54 -6,4%
Hydrous ethanol 11,26 11,55 0,30 2,6%
Total 19,64 19,40 -0,24 -1,2%
CONSUMO GASOLINA
Gasoline C 36,80 38,33 2,03 5,5%
Source: UNICA
REGISTRO DE VEÍCULOS (Passageiros e comerciais leves)
POR TIPO DE COMBUSTÍVEL
Unidades ANO (%)
2011
Gasolina 376.998 11,0
Etanol 51 0,0
Flex fuel 2.848.071 83,1
Diesel 200.619 5,9
2012
Gasolina 274.030 7,5
Etanol 52 0,0
Flex fuel 3.162.822 87,0
Diesel 197.211 5,4 Source: Renavam/ Denatran
“ JÁ PRODUZIMOS A CANA E O AÇUCAR MAIS BARATOS DO
MUNDO, PORÉM GRADATIVAMENTE PERDEMOS A
COMPETITIVIDADE PARA A AUSTRÁLIA, TAILÂNDIA E ATÉ
ARGENTINA”
Glencore
“ A GRANDE MAIORIA DAS USINAS ENCONTRA-SE ALTAMENTE
ENDIVIDADA E EM CONTÍNUO PROCESSO “EXTRATIVISTA” COM
BAIXOS INVESTIMENTOS NA PRODUÇÃO CANAVIEIRA E NA
MELHORIA DE SEUS PROCESSOS INDUSTRIAIS”
QUANDO A CRISE SE INSTALOU EM 2008
AS PRIMEIRAS ATITUDES FORAM:
Corte nos orçamentos: reforma de canaviais, tratos culturais,
expansão, quadro de funcionários e investimentos em melhorias
tecnológicas, tanto na lavoura como na indústria.
Terceirização das operações agrícolas, repassando aos “incautos”
terceiros, as atividades mais onerosas como a colheita,
por exemplo.
Atraso no pagamento de fornecedores de cana,
arrendamentos de terras e fornecedores de produtos
e serviços.
QUANDO A CRISE SE AGRAVOU EM 2008
AS PRIMEIRAS ATITUDES FORAM:
Atraso nas compras dos suprimentos.
Choque de gestão, tirando o foco da produção com qualidade
e colocando-o em cortes e reduções, muitas vezes sem
critérios.
Busca por novos financiamentos (mais endividamento) e
novos investidores.
Tudo para dar fôlego ao caixa, porém estas atitudes sem a
recuperação de preços, não adiantou nada.
Todas as atitudes citadas acima só agravaram o problema
CUSTO DE PRODUÇÃO DE CANA
NO ESTADO DE SÃO PAULO
Descrição Unidade
Custos
C/ Depreciação
Formação do canavial R$/ha 5.274,24
- Preparo do solo R$/ha 1.247,04
- Plantio R$/ha 3.536,00
- Tratos culturais da cana planta R$/ha 491,20
Tratos culturais da cana soca R$/ha 1.301,29
Colheita R$/t 25,03
Administração R$/ha 164,39
Frota de apoio R$/ha 1.083,99
CUSTO DA TONELADA DE CANA R$/t 73,93
CUSTO DO kg DO ATR R$/kg ATR 0,5422
Produtividade t cana/ha 75,95
ART Recuperado kg/t 126,39
Raio médio km 27,81
Fonte: Grupo IDEA ( base outubro 2012)
Evolução dos Custos de produção
68,85
53,96
54,76
69,10
77,50
49,25
48,65
40,00
30,00
58,78
64,71
76,35
69,18
10,00
Fonte: Sucrotec
0,00
20,00
50,00
60,00
70,00
80,00
R$ / tonelada Custo da Cana de Fornecedores
Histórico
Corrigido (out/12)
Exclusive Depreciações e Despesas financeiras
Fonte: Sucrotec
Evolução dos Custos de produção – Média x Proj. 2012/13
Evolução dos Custos de produção – Média x Proj. 2012/13
Evolução dos Custos de produção
Fonte: Sucrotec
Custo de Produção de Cana
no Estado de São Paulo
R$ 50
R$ 60
R$ 70
R$ 80
R$ 90
R$ 100
R$ 110
R$ 120
R$ 130
40,0 50,0 60,0 70,0 80,0 90,0 100,0
TCH
Fonte: IDEA
Custo do Kg do ATR – São Paulo
R$ 0,4000
R$ 0,4500
R$ 0,5000
R$ 0,5500
R$ 0,6000
R$ 0,6500
120,00 121,97 130,00 140,00 150,00 160,00
A T R
Fonte: idea
A IMPORTANCIA DO TEOR DE SACAROSE
Açúcar
Recuperado
Rend.
Etanol
Faturam.
Bruto
Diferença
Rend. Faturam
Bruto
Diferença
Fat. Bruto
Açúcar
(kg/t) (litros/t) (R$ / t) (R$ / t) (sc/ t) (R$ / t) R$ / t)
120 77,78 86,53 0,00 2,01 101,81 0,00
130 84,18 93,65 7,12 2,16 109,40 7,59
140 90,65 100,85 14,36 2,47 125,11 23,3
150 97,12 108,05 21,52 2,64 133,72 31,91
160 103,6 115,26 28,73 2,81 142,33 40,52
1. INCLUSOS IMPOSTOS
2. Saindo de 120 para 130 kg a mais por tonelada, numa moagem de um milhão
de toneladas, representaria um faturamento adicional de R$ 7,6 milhões numa
usina de 2mt
MERCADO POTENCIAL
WHATS COMES NEXT ?
SUGAR: BRASIL REMAINS THE MAIN GLOBAL SUPPLIER
Para abastecer o mercado
interno e manter sua
participação de 50% do
mercado mundial, a
produção brasileira de
açúcar terá que expandir
por 15,7 milhões
toneladas
Sources: F.O.Licht, LMC, Secex and ÚNICA estimate. Note : The amount of sugar consumed in the domestic market includes the sugar contained in processed products for
export.
EVOLUÇÃO DA PRODUÇÃO DE COMBUSTÍVEIS NO BRASIL
Consumo ciclo de Otto
Capacidade da Produção de gasolina e o consumo de GNV
Etanol
48
75
Déficit de
combustível
Produção de gasolina
e o consumo de GNV:
estável
Capacidade de produção
de etanol
(> 30 bilhões litros)
2012 2021
Necessidade de ampliar
a produção
de etanol e/ou gasolina
Source: UNICA
Evolution of the sugarcane area
EVOLUÇÃO DA ÁREA DE CANA (milhões ha)
CENTRO-SUL 2013/14 2014/15 2015/16 2016/17 2017/18 2018/19 2019/20 2020/21
C-South (2,5% a.a.) 7,6 7,8 7,9 8,1 8,4 8,6 8,8 9,0
C-South (5% a.a.) 7,6 7,9 8,3 8,8 9,2 9,7 10,1 10,6
C-South (7,5% a.a.) 7,6 8,1 8,7 9,4 10,1 10,9 11,7 12,6
7,8
7,9
8,1
8,4
8,6
8,8
9,0
7,9
8,3
8,8
9,2
9,7
10,1
10,6
7,6
8,1
8,7
9,4
10,1
10,9
11,7
12,6
7,0
8,0
9,0
10,0
11,0
12,0
13,0
14,0
2013/14 2014/15 2015/16 2016/17 2017/18 2018/19 2019/20 2020/21
Million/ha
C-SUL (2,5% a.a.) C-SUL (5% a.a.) C-SUL (7,5% a.a.)
Source: IDEA
Sourde: ÚNICA. Note: The hydrous ethanol is pure sold at the pumps and used without modification by the flex-fuel vehicles, then it competes
directly with gasoline by the preference of consumers. The anhydrous ethanol is blended with gasoline in proportions ranging from 18% a 25%.
Evolution of sugarcane production
612,4
635,8
660,0
684,5
701,6
719,2
737,1
627,4
667,2
709,5
753,8
791,5
831,0
872,6
590,2
642,3
699,4
761,4
828,2
890,3
957,1
1.028,8
500,0
600,0
700,0
800,0
900,0
1.000,0
1.100,0
2013/14 2014/15 2015/16 2016/17 2017/18 2018/19 2019/20 2020/21
Million/t
C-SUL (2,5% a.a.) C-SUL (5% a.a.) C-SUL (7,5% a.a.)
EVOLUÇÃO DA PRODUÇÃO DE CANA (milhões/t)
2013/14 2014/15 2015/16 2016/17 2017/18 2018/19 2019/20 2020/21
C-South (2,5% a.a.) 590,2 612,4 635,8 660,0 684,5 701,6 719,2 737,1
C-South (5% a.a.) 590,2 627,4 667,2 709,5 753,8 791,5 831,0 872,6
C-South (7,5% a.a.) 590,2 642,3 699,4 761,4 828,2 890,3 957,1 1.028,8
Source: IDEA
O Etanol de cana de açúcar
é um combustível
renovável com redução de
61% de GHG.
BilhõesdeGalões
LEI DOS COMBUSTÍVEIS RENOVÁVEIS (RFS-2)- EUA
IMPORTAÇÃO DE GASOLINA ATUAL
Mês
Gasolina importada pelo Brasil
Preço líquido
na refinaria -
R$/litro (b)
Prejuízo
(b) – (a)Volume
(m3)
Valor
(mil US$
FOB)
US$/
liters
R$/ liters
(a)
Ago/11 95.366 74.250 0,78 1,24 1,06 -0,19
Set/11 332.865 253.544 0,76 1,33 1,06 -0,28
Out/11 508.549 387.668 0,76 1,35 1,06 -0,29
Nov/11 289.270 214.005 0,74 1,32 1,16 -0,16
Dez/11 547.512 384.481 0,70 1,29 1,16 -0,13
Jan/12 314.592 229.827 0,73 1,31 1,16 -0,15
Fev/12 429.404 330.744 0,77 1,32 1,16 -0,16
Mar/12 482.543 397.666 0,82 1,48 1,16 -0,32
Abr/12 292.553 251.978 0,82 1,60 1,17 -0,43
Mai/12 196.299 170.257 0,87 1,72 1,17 -0,56
Jun/12 227.592 188.390 0,83 1,70 1,26 -0,44
Jul/12 194.729 140.240 0,72 1,46 1,26 -0,20
Ago/12 143.528 108.032 0,75 1,53 1,26 -0,27
Entretanto.....
“... É EXATAMENTE NOS PERÍODOS DE GRANDE DIFICULDADE
QUE SE ENCONTRAM AS ALTERNATIVAS PARA A
SOBREVIVÊNCIA”
“ O SETOR CANAVIEIRO ESTÁ SENDO FORÇADO A FAZER
PROFUNDAS MUDANÇAS EM SEUS PROCESSOS
PRODUTIVOS PARA VOLTAR A SER COMPETITIVO”
Leis e Atos Geradores de Mudanças
NR 31 Segurança e Saúde no Trabalho na
Agricultura, Pecuária, Silvicultura,
Exploração Florestal e Aquicultura
NR 12 Segurança no trabalho
em maquinas
e equipamentos
LEI DE ELIMINAÇÃO DAS QUEIMADAS E AÇÕES JUDICIAIS
Evolução da Colheita da Cana de Açúcar
Centro Sul
34,5% 34,7%
34,4%
36,1%
42%
53,3%
61%
73%
65,5,% 65,3%
65,6%
63,9%
58%
46,7%
39%
27%
0
1.000
2.000
3.000
4.000
5.000
6.000
7.000
8.000
9.000
2003 2006 2007 2008 2009 2010 2011 2012
mil/ha
Colheita mecanizada Colheita manual
Fonte: Luiz Antônio Paes- CTC - elaboração IDEA
EVOLUÇÃO COLHEITA CANA CRUA
Centro-Sul
78,4%
77,5%
77,2%
72,8%
68,3%
61,3%
55,10%
46,1%
21,6%
22,5%
22,8,%
27,2%
31,7%
38,7%
44,9%
53,9%
0
1.000
2.000
3.000
4.000
5.000
6.000
7.000
8.000
9.000
2005 2006 2007 2008 2009 2010 2011 2012
MIL/ha
Colheita queimada Colheita crua
Fonte: Luiz Antônio Paes- CTC - elaboração IDEA
IMPACTOS GERADOS PELA COLHEITA
MECANIZADA CRUA
1. REDUÇÃO DO TEMPO DE ENTREGA
DE CANA NA INDUSTRIA
2. REDUÇÃO DA CONTAMINAÇÃO
MICROBIANA
3. REDUÇÃO DA INVERSÃO DE
SACAROSE
4. MATERIAL ORGANICO DEVOLVIDO
PARA A LAVOURA – Aproveitamento da
palha
POSITIVOS1
1. AUMENTO DE IMPUREZASVEGETAIS
(Mais amido, compostos, fenóficos, ácidos
orgânicos e AR)
2. REDUÇÃO DA DENSIDADE DE CARGA
3. REDUÇÃO DA EXTRAÇÃO DO CALDO
4. AUMENTO DA UMIDADE DO BAGAÇO
5. REDUÇÃO DA CAPACIDADE DE
MOAGEM
6. INCRUSTAÇÃO DOS EVAPORADORE
7. PIORA NA COR DO AÇÚCAR
NEGATIVOS2
IMPACTOS DA COLHEITA MECANIZADA DE
CANA “CRUA”
Histórico de Impurezas
Centro-Sul
Fonte: Luiz Antônio Paes- CTC - elaboração IDEA
0
1
2
3
4
5
6
7
8
9
2003 2004 2005 2006 2007 2008 2009 2010 2011 2012
Porcentagem(%)
Impureza Vegetal Impureza Mineral
LIMPEZA À SECO
SPHENOPHORUS
SPHENOPHORUS
OUTROS PROBLEMAS CAUSADOS PELA RAPIDA
MECANIZAÇÃO DA CANA DE AÇUCAR
FALTA DE MÃO DE OBRA QUALIFICADA
AUMENTO DAS PERDAS DE CANA NA LAVOURA(>4t/ha)
QUEDA DE MAIS DE 7 KG NOS TEORES DE SACAROSE
AUMENTO DA COMPACTAÇÃO DE SOLOS
AUMENTO DO ARRANQUIO DE SOQUEIRAS E FALHAS
DESCARTE DE AREAS PRODUTIVAS COM DECLIVIDADE >12%
PERDA DE PRODUTIVIDADE
CANAVIAL DEPAUPERADO POR COLHEITA
MECANIZADA
PISOTEIO, ARRANQUIO E PERDAS
EM LAVOURAS NÃO SISTEMATIZADAS
MUDANÇAS NA TECNOLOGIA
DE PREPARO DO SOLO E
PLANTIO
SISTEMATIZAÇÃO DA ÁREA
NIVELAMENTO DO TERRENO
Plantio Direto sobre soca de cana
SÓCA ELIMINADA POR GLIFOSATO
Utilização de GPS
Piloto automático guiado por GPS
Plantio Mecanizado Utilizando GPS
PREPARO PROFUNDO E
CANTEIRIZADO
DO SOLO
FILME DA NEW HOLLAND E MAFES
APRESENTAÇÃO DO PENTA
PENTA
Fonte: J.C.S. Rodrigues
Mudança no uso de insumos
Fonte: J.C.S. Rodrigues
Canteirização e
Sistematização
Sistema
radicular
profundo
com uso do
Penta
Fonte: João Crisóstomo
Redução consumo diesel
Fazenda Riachuelo
TIPO horas/ha litros diesel / ha
Preparo convencional* 2,5 100,7
Penta** 1,4 39,3
* Foi considerado duas gradagens, uma subsolagem e uma grade niveladora
** Apenas o Penta
Fonte: Roberto Sako
PLANTIO POR ESPARRAMAÇÃO
PLANTIO POR ESPARRAMAÇÃO
MONTES DE CANA PRONTOS PARA SEREM DISTRIBUIDOS
NOS SULCOS
RETIRADA DE MUDAS COM KIT EMBORRACHADO
SULCA, ADUBA, DISTRIBUI OS TOLETES,
APLICA DEFENSIVO E COBRE A MUDA
~30% DO PLANTIO DE 2012
PLANTADORA DISTRIBUIDORA
ESPAÇAMENTO DUPLO
ALTERNADO
Fonte: Lourival C. Monaco.Jr.
Fonte: Lourival C.Monaco.Jr.
PLANTIO MECANIZADO
Fonte: Lourival C.M.Jr.
Fonte: Raizen
Cultivo e Adubação
Fonte: Raizen
NOVIDADES
NA COLHEITA MECANIZADA
JOHN DEERE,CASE E SANTAL
Fonte: Lourival C. Monaco.Jr.
Avaliação do Desempenho Operacional
das Colhedoras em Espaçamento Duplo
Produtividade
do canavial
(t/ha)
Produção (t)
/metro linear
Distância para
encher transbordo
(m)
Quantidade de
giros cabeceira
Tempo de
colheita (min)
Tempo Total
(min)
Produção
Diária (t)
Litros / t
3520 3522 3520 3522 3520 3522 3520 3522 3520 3522 3520 3522 3520 3522
60 0,0084 0,0150 1.428,6 800,0 3 2 17,14 12,00 20,14 14,00 471,8 678,9 1,50 1,05
65 0,0091 0,0163 1.318,7 738,5 3 2 15,82 11,08 18,82 13,08 504,9 726,8 1,40 0,98
70 0,0098 0,0175 1.224,5 685,7 3 2 14,69 10,29 17,69 12,29 537,1 773,6 1,31 0,91
75 0,0105 0,0188 1.142,9 640,0 2 2 13,71 9,60 15,71 11,60 604,8 819,3 1,18 0,86
80 0,0112 0,0200 1.071,4 600,0 2 2 12,86 9,00 14,86 11,00 639,7 864,0 1,12 0,81
85 0,0119 0,0213 1.008,4 564,7 2 1 12,10 8,47 14,10 9,47 674,0 1.003,5 1,06 0,72
90 0,0126 0,0225 952,4 533,3 2 1 11,43 8,00 13,43 9,00 707,7 1.056,0 1,00 0,68
95 0,0133 0,0238 903,4 505,3 2 1 10,83 7,58 12,83 8,58 740,9 1.107,8 0,96 0,65
100 0,0140 0,0250 857,1 480,0 2 1 10,29 7,20 12,29 8,20 773,6 1.159,0 0,91 0,62
105 0,0147 0,0263 816,3 457,1 2 1 9,80 6,86 11,80 7,86 805,7 1.209,6 0,87 0,59
110 0,0154 0,0275 779,2 436,4 2 1 9,35 6,55 11,35 7,55 837,3 1.259,6 0,84 0,57
115 0,0161 0,0288 745,3 417,4 2 1 8,94 6,26 10,94 7,26 868,4 1.308,9 0,81 0,55
120 0,0168 0,0300 713,3 400,0 2 1 8,57 6,00 10,57 7,00 899,0 1.357,7 0,78 0,52
NOVAS VARIEDADES
AS VARIEDADES ESTÃO DEVENDO?
CTC, CV, IAC e RB
Mais de 50 novas
variedades em 6
anos
Fonte: Equipe CTC
E a RB86 7515 ?
ESTÁGIO
TCH ATR
RB86 7515
Média
geral
RB86 7515
Média
geral
12 meses 80,0 85,8 122,73 133,0
2º corte 97,8 107,7 147,26 141,13
3º corte 73,7 81,1 133,23 129,29
4º corte 62,7 64,3 135,39 134,70
5º corte 58,6 62,0 139,93 136,30
6º corte 57,4 63,1 137,05 131,56
MÉDIA 71,7 77,3 135,92 134,33
Fonte: usina assistida pelo IDEA
Fonte: CTC
INTEGRAÇÃO DO MANEJO VARIETAL
COM LOGISTICA DE TRANSPORTE
Projeto Grupo IDEA
Divisão da Lavoura em Módulos de Produção
Classificação de Ambientes dentro dos Módulos
PRODUTOS DE ÚLTIMA GERAÇÃO
BIOESTIMULANTES E DE PROTEÇÃO DA CULTURA
• REGENT
• ACTARA
• COMET
• PRIORI-XTRA
MATURADORES
• MODDUS
HERBICIDA SELETIVOS E PARA SECA
• CALLISTO
• DUAL GOLD
• PLATEAU
• CONTAIN
NOVAS TECNOLOGIAS
NOS TRATOS CULTURAIS
CONCENTRADOR DE VINHAÇA
FONTE : ADECOAGRO-MS
PARA SUBSTITUIR A MÃO DE OBRA NA CATAÇÃO
WEED SEEKER
VEICULO AEREO NÃO
TRIPULADO
COMPARAÇÃO VISUAL ENTRE TALHÕES – ANÁLISE QUALITATIVA
TALHÃO 1 TALHÃO 2
COMPARAÇÃO VISUAL ENTRE TALHÕES
TALHÃO 1 TALHÃO 2
FALHAS FALHAS
PRODUÇÃO DE
MUDAS
A PARTIR DE
MERISTEMAS
MUDAS DE MERISTEMAS
SYNGENTA
ETANOL DE
SEGUNDA GERAÇÃO
HIDRÓLISE ENZIMÁTICA
C E L U L O S E C E L U L O S E
HEXOSES PENTOSES
PRODUÇÃO
ÁLCOOL
COMPOSTOS NÃO
FERMENTÁVEIS
HIDRÓLISE ENZIMÁTICA
Fonte: GraalBio
BIOTECNOLOGIA
CTC, CANAVIALIS, SYNGENTA E BAYER
Histórico Biotecnologia no CTC
1. Resistência a herbicidas
2. Cana BT
3. Resistência Mosaico
4. Resistência Amarelinho
TEOR DE SACAROSE
E
STRESS HÍDRICO
IRRIGAÇÃO POR
GOTEJAMENTO
O EXEMPLO DA AGRO
PASTORIL PASCHOAL
CAMPANELLI
O sistema de produção mudou !!!
Fonte: Agro Pastoril Campanelli
O Porque do investimento em tecnologia
Fonte: Agro Pastoril Campanelli
Conceito de Insanidade !!!
"Insanidade é continuar fazendo sempre
a mesma coisa e esperar resultados
diferentes."
Albert Einstein
Fonte: Agro Pastoril Campanelli
Aplicação de calcário
• Sistema de cocho
• Aplicação de alta qualidade e baixo rendimento
• Maior custo de aplicação quando comparado com sistema a lanço
• Trimble FMX + Field I
Fonte: Agro Pastoril Campanelli
Sistematização - Erosão
• Antigo dilema
▫ Rendimento Operacional x Manejo da Erosão
Fonte: Agro Pastoril Campanelli
antes depois
Terraço não é garantia de não ter erosão !!
Fonte: Agro Pastoril Campanelli
PLANTIO DIRETO –milho sobre palhada de cana de açúcar
Fonte: Agro Pastoril Campanelli
Subsolagem com barreira química sobre palhada de Milho
Fonte: Agro Pastoril Campanelli
Uso de piloto automático na subsolagem
reduz perdas ou sobreposição de produto,
além de evitar falhas na operação.
PLANTIO MECANIZADO DE ALTA QUALIDADE
Fonte: Agro Pastoril Campanelli
Antes Depois
Plantio
Linhas
de
cana
Comprimento
médio (mts)
Metros
lineares
Manobras
Tempo de
1 min./ manobra
Plantio Antigo
1,40 mts
1.728 369,54 638.565,1 1.728 1,728
Plantio novo
1,50 mts
626 1.080,32
676.280,3
(+5,9%)
626 626 (-19 horas)
PLANTIO MECANIZADO DE ALTA QUALIDADE
Fonte: Agro Pastoril Campanelli
Sistematização: Plantio sem “ruas mortas”
Planejamento de Novos Traçados
Fonte: Agro Pastoril Campanelli
PLANTIO MECANIZADO DE ALTA QUALIDADE
Fonte: Agro Pastoril Campanelli
Adubação em Taxa Variável com Fósforo e Potássio
Mapa do Fósforo
Mapa do Potássio
PLANTIO MECANIZADO DE ALTA QUALIDADE
Fonte: Agro Pastoril Campanelli
Adubação em Taxa Variável com Fósforo e Potássio
P K
PLANTIO MECANIZADO DE ALTA QUALIDADE
Fonte: Agro Pastoril Campanelli
Vantagens
Piloto automático – operador livre para monitorar plantio
Monitoramento com 4 câmeras (alteração)
Plantio noturno com alta qualidade
Vantagens
Boa distribuição de mudas
Redução das falhas (equipe de qualidade)
Paralelismo
PLANTIO MECANIZADO DE ALTA QUALIDADE
Fonte: Agro Pastoril Campanelli
CONTROLE DE QUALIDADE DA MUDA
PLANTIO MECANIZADO DE ALTA QUALIDADE
Fonte: Agro Pastoril Campanelli
COBRIÇÃO SEM PISOTEIO NA MUDA
Trator MXM 180
Trator do transbordo
Bitola 3 metros
Eixo traseiro reforçado
Redimensionamento do tanque de produto (300 p/ 600 litros)
PLANTIO MECANIZADO DE ALTA QUALIDADE
Fonte: Agro Pastoril Campanelli
SULCO LARGO EM FORMA DE “U”
SISTEMATIZAÇÃO + CONTROLE DE TRÁFEGO
Fonte:AgroPastorilCampanelli
Tráfego controlado e sistematização
Fonte: Agro Pastoril Campanelli
Linha de
cana
Entrelinhas -
Tráfego
Quebra-lombo
Green Seeker para adubação Nitrogenada
Fonte: Agro Pastoril Campanelli
VANT –AGX Tiriba – Mapa de Nitrogênio
Fonte: Agro Pastoril Campanelli
Fonte: Agro Pastoril Campanelli
Adubação Nitrogenada de Cobertura
Uniport 3000 NPK
Fonte: Agro Pastoril Campanelli
VANT –AGX Tiriba – Id de falhas do plantio
Fonte: Agro Pastoril Campanelli
ORGANOMINERAL : Mistura de um fertilizante orgânico com um fertilizante mineral
ORGANOMINERAL
Fonte: Agro Pastoril Campanelli
ORGANOMINERAL : Mistura de um fertilizante orgânico com um fertilizante mineral
ORGANOMINERAL
Fonte: Agro Pastoril Campanelli
ORGANOMINERAL : Mistura de um fertilizante orgânico com um fertilizante mineral
ORGANOMINERAL
Fonte: Agro Pastoril Campanelli
Modelo de sustentabilidade
Área de Soqueira de Cana de Açúcar
da Agropastoril Campanelli
Fonte: Agro Pastoril Campanelli
IDADEMÉDIADOCANAVIALxINDICEDERENOVAÇÃO
* Valores estimados
PRODUTIVIDADE HISTÓRICA
SEMPRE QUE OLHAR PARA O
FUTURO... SEJA OUSADO
Dib Nunes Jr.
(16) 8144 7810
dib@ideaonline.com.br

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Carlos Henrique Jorge Brando O Aumento da Produção de Robusta, A Crise Do Ará...
Carlos Henrique Jorge Brando O Aumento da Produção de Robusta, A Crise Do Ará...Carlos Henrique Jorge Brando O Aumento da Produção de Robusta, A Crise Do Ará...
Carlos Henrique Jorge Brando O Aumento da Produção de Robusta, A Crise Do Ará...
Revista Cafeicultura
 
Webcast sobre Resultados do 1T14
Webcast sobre Resultados do 1T14Webcast sobre Resultados do 1T14
Webcast sobre Resultados do 1T14
Petrobras
 
Webcast 4 t11 português final
Webcast 4 t11 português finalWebcast 4 t11 português final
Webcast 4 t11 português final
Petrobras
 
Webcast 1T10
Webcast 1T10Webcast 1T10
Webcast 1T10
Petrobras
 
O Aumento da Produção de Robusta - Carlos Henrique Jorge Brando
O Aumento da Produção de Robusta - Carlos Henrique Jorge BrandoO Aumento da Produção de Robusta - Carlos Henrique Jorge Brando
O Aumento da Produção de Robusta - Carlos Henrique Jorge Brando
Revista Cafeicultura
 
Apêndices - Gestão de riscos com controles internos - André Melo, dez/12
Apêndices - Gestão de riscos com controles internos - André Melo, dez/12Apêndices - Gestão de riscos com controles internos - André Melo, dez/12
Apêndices - Gestão de riscos com controles internos - André Melo, dez/12
AgroTalento
 
Divulgação de Resultados do 2° trimestre de 2011 - IFRS
Divulgação de Resultados do 2° trimestre de 2011 - IFRSDivulgação de Resultados do 2° trimestre de 2011 - IFRS
Divulgação de Resultados do 2° trimestre de 2011 - IFRS
Petrobras
 
Webcast 4T09
Webcast 4T09Webcast 4T09
Webcast 4T09
Petrobras
 
Divulgação de Resultados do 1o. trimestre de 2011 - IFRS
Divulgação de Resultados do 1o. trimestre de 2011 - IFRSDivulgação de Resultados do 1o. trimestre de 2011 - IFRS
Divulgação de Resultados do 1o. trimestre de 2011 - IFRS
Petrobras
 
Compra da Refinaria de Pasadena pela Petrobras
Compra da Refinaria de Pasadena pela PetrobrasCompra da Refinaria de Pasadena pela Petrobras
Compra da Refinaria de Pasadena pela Petrobras
encontrocomgabrielli
 
Apresentação petrobras port 01 03-11
Apresentação petrobras port 01 03-11Apresentação petrobras port 01 03-11
Apresentação petrobras port 01 03-11
Petrobras
 
Webcast sobre os Resultados do 2º trimestre de 2014
Webcast sobre os Resultados do 2º trimestre de 2014Webcast sobre os Resultados do 2º trimestre de 2014
Webcast sobre os Resultados do 2º trimestre de 2014
Petrobras
 
Situacao dos bio combustiveis no brasil cristiane z. de an
Situacao dos bio combustiveis no brasil   cristiane z. de anSituacao dos bio combustiveis no brasil   cristiane z. de an
Situacao dos bio combustiveis no brasil cristiane z. de an
Geraldo Sebastian
 
Atlas eólico sdpi agdi
Atlas eólico sdpi   agdiAtlas eólico sdpi   agdi
Atlas eólico sdpi agdi
Rudney Santos
 
Webcast: Resultados do 2º trimestre de 2008
Webcast: Resultados do 2º trimestre de 2008Webcast: Resultados do 2º trimestre de 2008
Webcast: Resultados do 2º trimestre de 2008
Petrobras
 
Divulgação de Resultados do 3o. trimestre de 2011 - IFRS
Divulgação de Resultados do 3o. trimestre de 2011 - IFRSDivulgação de Resultados do 3o. trimestre de 2011 - IFRS
Divulgação de Resultados do 3o. trimestre de 2011 - IFRS
Petrobras
 
NT_Combustiveis_renovaveis_em_ motores_ciclo_Diesel.pdf
NT_Combustiveis_renovaveis_em_ motores_ciclo_Diesel.pdfNT_Combustiveis_renovaveis_em_ motores_ciclo_Diesel.pdf
NT_Combustiveis_renovaveis_em_ motores_ciclo_Diesel.pdf
SpinemaxPeas
 
Recria Sítio Santo Antônio
Recria Sítio Santo AntônioRecria Sítio Santo Antônio
Recria Sítio Santo Antônio
Marco Coghi
 

Mais procurados (18)

Carlos Henrique Jorge Brando O Aumento da Produção de Robusta, A Crise Do Ará...
Carlos Henrique Jorge Brando O Aumento da Produção de Robusta, A Crise Do Ará...Carlos Henrique Jorge Brando O Aumento da Produção de Robusta, A Crise Do Ará...
Carlos Henrique Jorge Brando O Aumento da Produção de Robusta, A Crise Do Ará...
 
Webcast sobre Resultados do 1T14
Webcast sobre Resultados do 1T14Webcast sobre Resultados do 1T14
Webcast sobre Resultados do 1T14
 
Webcast 4 t11 português final
Webcast 4 t11 português finalWebcast 4 t11 português final
Webcast 4 t11 português final
 
Webcast 1T10
Webcast 1T10Webcast 1T10
Webcast 1T10
 
O Aumento da Produção de Robusta - Carlos Henrique Jorge Brando
O Aumento da Produção de Robusta - Carlos Henrique Jorge BrandoO Aumento da Produção de Robusta - Carlos Henrique Jorge Brando
O Aumento da Produção de Robusta - Carlos Henrique Jorge Brando
 
Apêndices - Gestão de riscos com controles internos - André Melo, dez/12
Apêndices - Gestão de riscos com controles internos - André Melo, dez/12Apêndices - Gestão de riscos com controles internos - André Melo, dez/12
Apêndices - Gestão de riscos com controles internos - André Melo, dez/12
 
Divulgação de Resultados do 2° trimestre de 2011 - IFRS
Divulgação de Resultados do 2° trimestre de 2011 - IFRSDivulgação de Resultados do 2° trimestre de 2011 - IFRS
Divulgação de Resultados do 2° trimestre de 2011 - IFRS
 
Webcast 4T09
Webcast 4T09Webcast 4T09
Webcast 4T09
 
Divulgação de Resultados do 1o. trimestre de 2011 - IFRS
Divulgação de Resultados do 1o. trimestre de 2011 - IFRSDivulgação de Resultados do 1o. trimestre de 2011 - IFRS
Divulgação de Resultados do 1o. trimestre de 2011 - IFRS
 
Compra da Refinaria de Pasadena pela Petrobras
Compra da Refinaria de Pasadena pela PetrobrasCompra da Refinaria de Pasadena pela Petrobras
Compra da Refinaria de Pasadena pela Petrobras
 
Apresentação petrobras port 01 03-11
Apresentação petrobras port 01 03-11Apresentação petrobras port 01 03-11
Apresentação petrobras port 01 03-11
 
Webcast sobre os Resultados do 2º trimestre de 2014
Webcast sobre os Resultados do 2º trimestre de 2014Webcast sobre os Resultados do 2º trimestre de 2014
Webcast sobre os Resultados do 2º trimestre de 2014
 
Situacao dos bio combustiveis no brasil cristiane z. de an
Situacao dos bio combustiveis no brasil   cristiane z. de anSituacao dos bio combustiveis no brasil   cristiane z. de an
Situacao dos bio combustiveis no brasil cristiane z. de an
 
Atlas eólico sdpi agdi
Atlas eólico sdpi   agdiAtlas eólico sdpi   agdi
Atlas eólico sdpi agdi
 
Webcast: Resultados do 2º trimestre de 2008
Webcast: Resultados do 2º trimestre de 2008Webcast: Resultados do 2º trimestre de 2008
Webcast: Resultados do 2º trimestre de 2008
 
Divulgação de Resultados do 3o. trimestre de 2011 - IFRS
Divulgação de Resultados do 3o. trimestre de 2011 - IFRSDivulgação de Resultados do 3o. trimestre de 2011 - IFRS
Divulgação de Resultados do 3o. trimestre de 2011 - IFRS
 
NT_Combustiveis_renovaveis_em_ motores_ciclo_Diesel.pdf
NT_Combustiveis_renovaveis_em_ motores_ciclo_Diesel.pdfNT_Combustiveis_renovaveis_em_ motores_ciclo_Diesel.pdf
NT_Combustiveis_renovaveis_em_ motores_ciclo_Diesel.pdf
 
Recria Sítio Santo Antônio
Recria Sítio Santo AntônioRecria Sítio Santo Antônio
Recria Sítio Santo Antônio
 

Destaque

Seminário stab 2013 agrícola - 05. biofábrica- ferramenta para viveiros e q...
Seminário stab 2013   agrícola - 05. biofábrica- ferramenta para viveiros e q...Seminário stab 2013   agrícola - 05. biofábrica- ferramenta para viveiros e q...
Seminário stab 2013 agrícola - 05. biofábrica- ferramenta para viveiros e q...
STAB Setentrional
 
Seminário stab 2013 agrícola - 16. colheita mecânica com uso do ancinho - r...
Seminário stab 2013   agrícola - 16. colheita mecânica com uso do ancinho - r...Seminário stab 2013   agrícola - 16. colheita mecânica com uso do ancinho - r...
Seminário stab 2013 agrícola - 16. colheita mecânica com uso do ancinho - r...
STAB Setentrional
 
Trabalho de cana_de_açucar
Trabalho de cana_de_açucarTrabalho de cana_de_açucar
Trabalho de cana_de_açucar
Cynthia Candida
 
6 o plantio da cana
6 o plantio da cana6 o plantio da cana
6 o plantio da cana
Cristóvão Lopes
 
Plantio da Cana-de-açúcar em Áreas Tradicionais: Nordeste brasileiro
Plantio da Cana-de-açúcar em Áreas Tradicionais: Nordeste brasileiroPlantio da Cana-de-açúcar em Áreas Tradicionais: Nordeste brasileiro
Plantio da Cana-de-açúcar em Áreas Tradicionais: Nordeste brasileiro
CTBE - Brazilian Bioethanol Sci&Tech Laboratory
 
Prof. Dr. Edgar Gomes Ferreira de Beauclair – ESALQ/USP – “Panorama Geral.”
Prof. Dr. Edgar Gomes Ferreira de Beauclair – ESALQ/USP – “Panorama Geral.”Prof. Dr. Edgar Gomes Ferreira de Beauclair – ESALQ/USP – “Panorama Geral.”
Prof. Dr. Edgar Gomes Ferreira de Beauclair – ESALQ/USP – “Panorama Geral.”
Grupo de Estudos em Cana-de-Açúcar (GECA)
 
Fogo Morto - Apresentação
Fogo Morto - ApresentaçãoFogo Morto - Apresentação
Fogo Morto - Apresentação
Antonio Minharro
 
Resumo cana de açucar
Resumo cana de açucarResumo cana de açucar
Resumo cana de açucar
Carlos Agro
 
Cana-de-açúcar no Brasil: pesquisa, desenvolvimento, produção & sustentabilidade
Cana-de-açúcar no Brasil: pesquisa, desenvolvimento, produção & sustentabilidadeCana-de-açúcar no Brasil: pesquisa, desenvolvimento, produção & sustentabilidade
Cana-de-açúcar no Brasil: pesquisa, desenvolvimento, produção & sustentabilidade
CTBE - Brazilian Bioethanol Sci&Tech Laboratory
 
Presentation on Sugarcane and History
Presentation on Sugarcane and HistoryPresentation on Sugarcane and History
Presentation on Sugarcane and History
Major S M Nuruzzaman (Retd)
 
Aplicação da telemática na agricultura moderna cana-de-açucar
Aplicação da telemática na agricultura moderna   cana-de-açucarAplicação da telemática na agricultura moderna   cana-de-açucar
Aplicação da telemática na agricultura moderna cana-de-açucar
Andrei Sampedro
 
Webquest O ciclo da cana-de-açúcar no Brasil Colonial
Webquest O ciclo da cana-de-açúcar no Brasil ColonialWebquest O ciclo da cana-de-açúcar no Brasil Colonial
Webquest O ciclo da cana-de-açúcar no Brasil Colonial
EMEFEzequiel
 
AP na Colheita
AP na ColheitaAP na Colheita
Breve histórico da cana-de-açúcar
Breve histórico da cana-de-açúcarBreve histórico da cana-de-açúcar
Breve histórico da cana-de-açúcar
Clauber Dalmas Rodrigues
 
Processo de produção do Etanol-Da Matéria Prima ao produto Final
Processo de produção do Etanol-Da Matéria Prima ao produto FinalProcesso de produção do Etanol-Da Matéria Prima ao produto Final
Processo de produção do Etanol-Da Matéria Prima ao produto Final
Janielson Lima
 
Açúcar: Produção e Comercialização
Açúcar: Produção e ComercializaçãoAçúcar: Produção e Comercialização
Açúcar: Produção e Comercialização
Felipe Weizenmann
 
Produção e Utilização dos Produtos de Cana-de-Açucar
Produção e Utilização dos Produtos de Cana-de-AçucarProdução e Utilização dos Produtos de Cana-de-Açucar
Produção e Utilização dos Produtos de Cana-de-Açucar
Ítalo Arrais
 
Produção Agroindustrial
Produção AgroindustrialProdução Agroindustrial
Produção Agroindustrial
Murilo Muniz
 
O ciclo da cana de-açúcar
O ciclo da cana de-açúcarO ciclo da cana de-açúcar
O ciclo da cana de-açúcar
Cristina Soares
 
O brasil açucareiro
O brasil açucareiroO brasil açucareiro
O brasil açucareiro
Camila Silva Fernandes
 

Destaque (20)

Seminário stab 2013 agrícola - 05. biofábrica- ferramenta para viveiros e q...
Seminário stab 2013   agrícola - 05. biofábrica- ferramenta para viveiros e q...Seminário stab 2013   agrícola - 05. biofábrica- ferramenta para viveiros e q...
Seminário stab 2013 agrícola - 05. biofábrica- ferramenta para viveiros e q...
 
Seminário stab 2013 agrícola - 16. colheita mecânica com uso do ancinho - r...
Seminário stab 2013   agrícola - 16. colheita mecânica com uso do ancinho - r...Seminário stab 2013   agrícola - 16. colheita mecânica com uso do ancinho - r...
Seminário stab 2013 agrícola - 16. colheita mecânica com uso do ancinho - r...
 
Trabalho de cana_de_açucar
Trabalho de cana_de_açucarTrabalho de cana_de_açucar
Trabalho de cana_de_açucar
 
6 o plantio da cana
6 o plantio da cana6 o plantio da cana
6 o plantio da cana
 
Plantio da Cana-de-açúcar em Áreas Tradicionais: Nordeste brasileiro
Plantio da Cana-de-açúcar em Áreas Tradicionais: Nordeste brasileiroPlantio da Cana-de-açúcar em Áreas Tradicionais: Nordeste brasileiro
Plantio da Cana-de-açúcar em Áreas Tradicionais: Nordeste brasileiro
 
Prof. Dr. Edgar Gomes Ferreira de Beauclair – ESALQ/USP – “Panorama Geral.”
Prof. Dr. Edgar Gomes Ferreira de Beauclair – ESALQ/USP – “Panorama Geral.”Prof. Dr. Edgar Gomes Ferreira de Beauclair – ESALQ/USP – “Panorama Geral.”
Prof. Dr. Edgar Gomes Ferreira de Beauclair – ESALQ/USP – “Panorama Geral.”
 
Fogo Morto - Apresentação
Fogo Morto - ApresentaçãoFogo Morto - Apresentação
Fogo Morto - Apresentação
 
Resumo cana de açucar
Resumo cana de açucarResumo cana de açucar
Resumo cana de açucar
 
Cana-de-açúcar no Brasil: pesquisa, desenvolvimento, produção & sustentabilidade
Cana-de-açúcar no Brasil: pesquisa, desenvolvimento, produção & sustentabilidadeCana-de-açúcar no Brasil: pesquisa, desenvolvimento, produção & sustentabilidade
Cana-de-açúcar no Brasil: pesquisa, desenvolvimento, produção & sustentabilidade
 
Presentation on Sugarcane and History
Presentation on Sugarcane and HistoryPresentation on Sugarcane and History
Presentation on Sugarcane and History
 
Aplicação da telemática na agricultura moderna cana-de-açucar
Aplicação da telemática na agricultura moderna   cana-de-açucarAplicação da telemática na agricultura moderna   cana-de-açucar
Aplicação da telemática na agricultura moderna cana-de-açucar
 
Webquest O ciclo da cana-de-açúcar no Brasil Colonial
Webquest O ciclo da cana-de-açúcar no Brasil ColonialWebquest O ciclo da cana-de-açúcar no Brasil Colonial
Webquest O ciclo da cana-de-açúcar no Brasil Colonial
 
AP na Colheita
AP na ColheitaAP na Colheita
AP na Colheita
 
Breve histórico da cana-de-açúcar
Breve histórico da cana-de-açúcarBreve histórico da cana-de-açúcar
Breve histórico da cana-de-açúcar
 
Processo de produção do Etanol-Da Matéria Prima ao produto Final
Processo de produção do Etanol-Da Matéria Prima ao produto FinalProcesso de produção do Etanol-Da Matéria Prima ao produto Final
Processo de produção do Etanol-Da Matéria Prima ao produto Final
 
Açúcar: Produção e Comercialização
Açúcar: Produção e ComercializaçãoAçúcar: Produção e Comercialização
Açúcar: Produção e Comercialização
 
Produção e Utilização dos Produtos de Cana-de-Açucar
Produção e Utilização dos Produtos de Cana-de-AçucarProdução e Utilização dos Produtos de Cana-de-Açucar
Produção e Utilização dos Produtos de Cana-de-Açucar
 
Produção Agroindustrial
Produção AgroindustrialProdução Agroindustrial
Produção Agroindustrial
 
O ciclo da cana de-açúcar
O ciclo da cana de-açúcarO ciclo da cana de-açúcar
O ciclo da cana de-açúcar
 
O brasil açucareiro
O brasil açucareiroO brasil açucareiro
O brasil açucareiro
 

Semelhante a Seminário stab 2013 agrícola - 17. o que está sendo feito no centro sul para reduzir o custo da produção e melhorar a produtividade dos canaviais - dib nunes (grupo idea)

Etanol
EtanolEtanol
Etanol
segundocol
 
Etanol
EtanolEtanol
Etanol
segundocol
 
Relatório de Análise Setorial da Indústria Baiana | Março 2013
Relatório de Análise Setorial da Indústria Baiana | Março 2013Relatório de Análise Setorial da Indústria Baiana | Março 2013
Relatório de Análise Setorial da Indústria Baiana | Março 2013
Sistema FIEB
 
Seminário stab 2013 agrícola - 11. manejo de irrigação safra 2012-2013 - co...
Seminário stab 2013   agrícola - 11. manejo de irrigação safra 2012-2013 - co...Seminário stab 2013   agrícola - 11. manejo de irrigação safra 2012-2013 - co...
Seminário stab 2013 agrícola - 11. manejo de irrigação safra 2012-2013 - co...
STAB Setentrional
 
Palestra Crie Agronegocio
Palestra Crie AgronegocioPalestra Crie Agronegocio
Palestra Crie Agronegocio
SEBRAE MS
 
Relatório de Análise Setorial da Indústria Baiana - Edição 6 de 2012
Relatório de Análise Setorial da Indústria Baiana - Edição 6 de 2012Relatório de Análise Setorial da Indústria Baiana - Edição 6 de 2012
Relatório de Análise Setorial da Indústria Baiana - Edição 6 de 2012
Sistema FIEB
 
Tereos apresentacao 3_t13_port
Tereos apresentacao 3_t13_portTereos apresentacao 3_t13_port
Tereos apresentacao 3_t13_port
Tereosri
 
Relatorio diario cogo inteligencia em agronegocio 22 10-2020
Relatorio diario cogo inteligencia em agronegocio 22 10-2020Relatorio diario cogo inteligencia em agronegocio 22 10-2020
Relatorio diario cogo inteligencia em agronegocio 22 10-2020
VivianeZukurov
 
Tereos apresentacao 4_t12_2013_port
Tereos apresentacao 4_t12_2013_portTereos apresentacao 4_t12_2013_port
Tereos apresentacao 4_t12_2013_port
Tereosri
 
Tereos apresentacao 4_t12_2013_port
Tereos apresentacao 4_t12_2013_portTereos apresentacao 4_t12_2013_port
Tereos apresentacao 4_t12_2013_port
Tereosri
 
Apresentação teleconferência resultados
Apresentação teleconferência resultadosApresentação teleconferência resultados
Apresentação teleconferência resultados
Tereosri
 
Perspectivas e tendências os biocombustíveis no Brasil e no mundo
Perspectivas e tendências os biocombustíveis no Brasil e no mundoPerspectivas e tendências os biocombustíveis no Brasil e no mundo
Perspectivas e tendências os biocombustíveis no Brasil e no mundo
Sydney Dias
 
Apresentação 15082011
Apresentação 15082011Apresentação 15082011
Apresentação 15082011
BrasilEcodiesel
 
Relatorio diario cogo inteligencia em agronegocio 28 09-2020
Relatorio diario cogo inteligencia em agronegocio 28 09-2020Relatorio diario cogo inteligencia em agronegocio 28 09-2020
Relatorio diario cogo inteligencia em agronegocio 28 09-2020
PauloSantos1104
 
Tereos apresentacao 3_t12_port
Tereos apresentacao 3_t12_portTereos apresentacao 3_t12_port
Tereos apresentacao 3_t12_port
Tereosri
 
Apresentação teleconferência resultados 3 t 1112
Apresentação teleconferência resultados 3 t 1112Apresentação teleconferência resultados 3 t 1112
Apresentação teleconferência resultados 3 t 1112
Tereosri
 
A Cafeicultura no Paraná por Francisco Carlos Simioni - Agrocafé 2010
A Cafeicultura no Paraná  por Francisco Carlos Simioni - Agrocafé 2010A Cafeicultura no Paraná  por Francisco Carlos Simioni - Agrocafé 2010
A Cafeicultura no Paraná por Francisco Carlos Simioni - Agrocafé 2010
Revista Cafeicultura
 
Seminário stab 2013 industrial - 02. evolução do modelo consecana no estado...
Seminário stab 2013   industrial - 02. evolução do modelo consecana no estado...Seminário stab 2013   industrial - 02. evolução do modelo consecana no estado...
Seminário stab 2013 industrial - 02. evolução do modelo consecana no estado...
STAB Setentrional
 
Estrategia, Crescimento e Resultados - Petrobras - Ativa
Estrategia, Crescimento e Resultados - Petrobras - AtivaEstrategia, Crescimento e Resultados - Petrobras - Ativa
Estrategia, Crescimento e Resultados - Petrobras - Ativa
Ativa Corretora
 
Clipping cnc 15022011 versão de impressão
Clipping cnc 15022011   versão de impressãoClipping cnc 15022011   versão de impressão
Clipping cnc 15022011 versão de impressão
Paulo André Colucci Kawasaki
 

Semelhante a Seminário stab 2013 agrícola - 17. o que está sendo feito no centro sul para reduzir o custo da produção e melhorar a produtividade dos canaviais - dib nunes (grupo idea) (20)

Etanol
EtanolEtanol
Etanol
 
Etanol
EtanolEtanol
Etanol
 
Relatório de Análise Setorial da Indústria Baiana | Março 2013
Relatório de Análise Setorial da Indústria Baiana | Março 2013Relatório de Análise Setorial da Indústria Baiana | Março 2013
Relatório de Análise Setorial da Indústria Baiana | Março 2013
 
Seminário stab 2013 agrícola - 11. manejo de irrigação safra 2012-2013 - co...
Seminário stab 2013   agrícola - 11. manejo de irrigação safra 2012-2013 - co...Seminário stab 2013   agrícola - 11. manejo de irrigação safra 2012-2013 - co...
Seminário stab 2013 agrícola - 11. manejo de irrigação safra 2012-2013 - co...
 
Palestra Crie Agronegocio
Palestra Crie AgronegocioPalestra Crie Agronegocio
Palestra Crie Agronegocio
 
Relatório de Análise Setorial da Indústria Baiana - Edição 6 de 2012
Relatório de Análise Setorial da Indústria Baiana - Edição 6 de 2012Relatório de Análise Setorial da Indústria Baiana - Edição 6 de 2012
Relatório de Análise Setorial da Indústria Baiana - Edição 6 de 2012
 
Tereos apresentacao 3_t13_port
Tereos apresentacao 3_t13_portTereos apresentacao 3_t13_port
Tereos apresentacao 3_t13_port
 
Relatorio diario cogo inteligencia em agronegocio 22 10-2020
Relatorio diario cogo inteligencia em agronegocio 22 10-2020Relatorio diario cogo inteligencia em agronegocio 22 10-2020
Relatorio diario cogo inteligencia em agronegocio 22 10-2020
 
Tereos apresentacao 4_t12_2013_port
Tereos apresentacao 4_t12_2013_portTereos apresentacao 4_t12_2013_port
Tereos apresentacao 4_t12_2013_port
 
Tereos apresentacao 4_t12_2013_port
Tereos apresentacao 4_t12_2013_portTereos apresentacao 4_t12_2013_port
Tereos apresentacao 4_t12_2013_port
 
Apresentação teleconferência resultados
Apresentação teleconferência resultadosApresentação teleconferência resultados
Apresentação teleconferência resultados
 
Perspectivas e tendências os biocombustíveis no Brasil e no mundo
Perspectivas e tendências os biocombustíveis no Brasil e no mundoPerspectivas e tendências os biocombustíveis no Brasil e no mundo
Perspectivas e tendências os biocombustíveis no Brasil e no mundo
 
Apresentação 15082011
Apresentação 15082011Apresentação 15082011
Apresentação 15082011
 
Relatorio diario cogo inteligencia em agronegocio 28 09-2020
Relatorio diario cogo inteligencia em agronegocio 28 09-2020Relatorio diario cogo inteligencia em agronegocio 28 09-2020
Relatorio diario cogo inteligencia em agronegocio 28 09-2020
 
Tereos apresentacao 3_t12_port
Tereos apresentacao 3_t12_portTereos apresentacao 3_t12_port
Tereos apresentacao 3_t12_port
 
Apresentação teleconferência resultados 3 t 1112
Apresentação teleconferência resultados 3 t 1112Apresentação teleconferência resultados 3 t 1112
Apresentação teleconferência resultados 3 t 1112
 
A Cafeicultura no Paraná por Francisco Carlos Simioni - Agrocafé 2010
A Cafeicultura no Paraná  por Francisco Carlos Simioni - Agrocafé 2010A Cafeicultura no Paraná  por Francisco Carlos Simioni - Agrocafé 2010
A Cafeicultura no Paraná por Francisco Carlos Simioni - Agrocafé 2010
 
Seminário stab 2013 industrial - 02. evolução do modelo consecana no estado...
Seminário stab 2013   industrial - 02. evolução do modelo consecana no estado...Seminário stab 2013   industrial - 02. evolução do modelo consecana no estado...
Seminário stab 2013 industrial - 02. evolução do modelo consecana no estado...
 
Estrategia, Crescimento e Resultados - Petrobras - Ativa
Estrategia, Crescimento e Resultados - Petrobras - AtivaEstrategia, Crescimento e Resultados - Petrobras - Ativa
Estrategia, Crescimento e Resultados - Petrobras - Ativa
 
Clipping cnc 15022011 versão de impressão
Clipping cnc 15022011   versão de impressãoClipping cnc 15022011   versão de impressão
Clipping cnc 15022011 versão de impressão
 

Mais de STAB Setentrional

Programação 19º seminário 2015
Programação 19º seminário 2015Programação 19º seminário 2015
Programação 19º seminário 2015
STAB Setentrional
 
Congresso ATALAC 2014 - STAB Setentrional
Congresso ATALAC 2014 - STAB SetentrionalCongresso ATALAC 2014 - STAB Setentrional
Congresso ATALAC 2014 - STAB Setentrional
STAB Setentrional
 
Seminário stab 2013 industrial - 08. novos conceitos na clarificação de cal...
Seminário stab 2013   industrial - 08. novos conceitos na clarificação de cal...Seminário stab 2013   industrial - 08. novos conceitos na clarificação de cal...
Seminário stab 2013 industrial - 08. novos conceitos na clarificação de cal...
STAB Setentrional
 
Seminário stab 2013 industrial - 14. açúcar - perfil de identidade, qualida...
Seminário stab 2013   industrial - 14. açúcar - perfil de identidade, qualida...Seminário stab 2013   industrial - 14. açúcar - perfil de identidade, qualida...
Seminário stab 2013 industrial - 14. açúcar - perfil de identidade, qualida...
STAB Setentrional
 
Seminário stab 2013 industrial - 13. comparativo da qualidade de cana usand...
Seminário stab 2013   industrial - 13. comparativo da qualidade de cana usand...Seminário stab 2013   industrial - 13. comparativo da qualidade de cana usand...
Seminário stab 2013 industrial - 13. comparativo da qualidade de cana usand...
STAB Setentrional
 
Seminário stab 2013 industrial - 12. cromatografia líquida para medição de ...
Seminário stab 2013   industrial - 12. cromatografia líquida para medição de ...Seminário stab 2013   industrial - 12. cromatografia líquida para medição de ...
Seminário stab 2013 industrial - 12. cromatografia líquida para medição de ...
STAB Setentrional
 
Seminário stab 2013 industrial - 11. quantificação das perdas de açúcares n...
Seminário stab 2013   industrial - 11. quantificação das perdas de açúcares n...Seminário stab 2013   industrial - 11. quantificação das perdas de açúcares n...
Seminário stab 2013 industrial - 11. quantificação das perdas de açúcares n...
STAB Setentrional
 
Seminário stab 2013 industrial - 10. alicerce para produzir açúcar de quali...
Seminário stab 2013   industrial - 10. alicerce para produzir açúcar de quali...Seminário stab 2013   industrial - 10. alicerce para produzir açúcar de quali...
Seminário stab 2013 industrial - 10. alicerce para produzir açúcar de quali...
STAB Setentrional
 
Seminário stab 2013 industrial - 09. resultados obtidos na usina união e in...
Seminário stab 2013   industrial - 09. resultados obtidos na usina união e in...Seminário stab 2013   industrial - 09. resultados obtidos na usina união e in...
Seminário stab 2013 industrial - 09. resultados obtidos na usina união e in...
STAB Setentrional
 
Seminário stab 2013 industrial - 07. implicações na caldeira com a utilizaç...
Seminário stab 2013   industrial - 07. implicações na caldeira com a utilizaç...Seminário stab 2013   industrial - 07. implicações na caldeira com a utilizaç...
Seminário stab 2013 industrial - 07. implicações na caldeira com a utilizaç...
STAB Setentrional
 
Seminário stab 2013 industrial - 05. processo de fabricação de levedura sec...
Seminário stab 2013   industrial - 05. processo de fabricação de levedura sec...Seminário stab 2013   industrial - 05. processo de fabricação de levedura sec...
Seminário stab 2013 industrial - 05. processo de fabricação de levedura sec...
STAB Setentrional
 
Seminário stab 2013 industrial - 03. maior eficiência energética da planta ...
Seminário stab 2013   industrial - 03. maior eficiência energética da planta ...Seminário stab 2013   industrial - 03. maior eficiência energética da planta ...
Seminário stab 2013 industrial - 03. maior eficiência energética da planta ...
STAB Setentrional
 
Seminário stab 2013 industrial - 01. nr20 - segurança e saúde no trabalho c...
Seminário stab 2013   industrial - 01. nr20 - segurança e saúde no trabalho c...Seminário stab 2013   industrial - 01. nr20 - segurança e saúde no trabalho c...
Seminário stab 2013 industrial - 01. nr20 - segurança e saúde no trabalho c...
STAB Setentrional
 
Seminário stab 2013 comum - 06. os impactos da nr12 e nr31 no setor sucroen...
Seminário stab 2013   comum - 06. os impactos da nr12 e nr31 no setor sucroen...Seminário stab 2013   comum - 06. os impactos da nr12 e nr31 no setor sucroen...
Seminário stab 2013 comum - 06. os impactos da nr12 e nr31 no setor sucroen...
STAB Setentrional
 
Seminário stab 2013 comum - 05. variabilidade climática e perspectivas para...
Seminário stab 2013   comum - 05. variabilidade climática e perspectivas para...Seminário stab 2013   comum - 05. variabilidade climática e perspectivas para...
Seminário stab 2013 comum - 05. variabilidade climática e perspectivas para...
STAB Setentrional
 
Seminário stab 2013 comum - 04. variabilidade climática e perspectivas para...
Seminário stab 2013   comum - 04. variabilidade climática e perspectivas para...Seminário stab 2013   comum - 04. variabilidade climática e perspectivas para...
Seminário stab 2013 comum - 04. variabilidade climática e perspectivas para...
STAB Setentrional
 
Seminário stab 2013 comum - 03. requisitos para certificação bonsucro, etap...
Seminário stab 2013   comum - 03. requisitos para certificação bonsucro, etap...Seminário stab 2013   comum - 03. requisitos para certificação bonsucro, etap...
Seminário stab 2013 comum - 03. requisitos para certificação bonsucro, etap...
STAB Setentrional
 
Seminário stab 2013 comum - 02. bonsucro - padrão internacional de sustenta...
Seminário stab 2013   comum - 02. bonsucro - padrão internacional de sustenta...Seminário stab 2013   comum - 02. bonsucro - padrão internacional de sustenta...
Seminário stab 2013 comum - 02. bonsucro - padrão internacional de sustenta...
STAB Setentrional
 
Seminário stab 2013 comum - 01. a cana de açúcar e o meio ambiente - alfred...
Seminário stab 2013   comum - 01. a cana de açúcar e o meio ambiente - alfred...Seminário stab 2013   comum - 01. a cana de açúcar e o meio ambiente - alfred...
Seminário stab 2013 comum - 01. a cana de açúcar e o meio ambiente - alfred...
STAB Setentrional
 
Seminário stab 2013 agrícola - 18. atividades do fundo de tecnologia sindaç...
Seminário stab 2013   agrícola - 18. atividades do fundo de tecnologia sindaç...Seminário stab 2013   agrícola - 18. atividades do fundo de tecnologia sindaç...
Seminário stab 2013 agrícola - 18. atividades do fundo de tecnologia sindaç...
STAB Setentrional
 

Mais de STAB Setentrional (20)

Programação 19º seminário 2015
Programação 19º seminário 2015Programação 19º seminário 2015
Programação 19º seminário 2015
 
Congresso ATALAC 2014 - STAB Setentrional
Congresso ATALAC 2014 - STAB SetentrionalCongresso ATALAC 2014 - STAB Setentrional
Congresso ATALAC 2014 - STAB Setentrional
 
Seminário stab 2013 industrial - 08. novos conceitos na clarificação de cal...
Seminário stab 2013   industrial - 08. novos conceitos na clarificação de cal...Seminário stab 2013   industrial - 08. novos conceitos na clarificação de cal...
Seminário stab 2013 industrial - 08. novos conceitos na clarificação de cal...
 
Seminário stab 2013 industrial - 14. açúcar - perfil de identidade, qualida...
Seminário stab 2013   industrial - 14. açúcar - perfil de identidade, qualida...Seminário stab 2013   industrial - 14. açúcar - perfil de identidade, qualida...
Seminário stab 2013 industrial - 14. açúcar - perfil de identidade, qualida...
 
Seminário stab 2013 industrial - 13. comparativo da qualidade de cana usand...
Seminário stab 2013   industrial - 13. comparativo da qualidade de cana usand...Seminário stab 2013   industrial - 13. comparativo da qualidade de cana usand...
Seminário stab 2013 industrial - 13. comparativo da qualidade de cana usand...
 
Seminário stab 2013 industrial - 12. cromatografia líquida para medição de ...
Seminário stab 2013   industrial - 12. cromatografia líquida para medição de ...Seminário stab 2013   industrial - 12. cromatografia líquida para medição de ...
Seminário stab 2013 industrial - 12. cromatografia líquida para medição de ...
 
Seminário stab 2013 industrial - 11. quantificação das perdas de açúcares n...
Seminário stab 2013   industrial - 11. quantificação das perdas de açúcares n...Seminário stab 2013   industrial - 11. quantificação das perdas de açúcares n...
Seminário stab 2013 industrial - 11. quantificação das perdas de açúcares n...
 
Seminário stab 2013 industrial - 10. alicerce para produzir açúcar de quali...
Seminário stab 2013   industrial - 10. alicerce para produzir açúcar de quali...Seminário stab 2013   industrial - 10. alicerce para produzir açúcar de quali...
Seminário stab 2013 industrial - 10. alicerce para produzir açúcar de quali...
 
Seminário stab 2013 industrial - 09. resultados obtidos na usina união e in...
Seminário stab 2013   industrial - 09. resultados obtidos na usina união e in...Seminário stab 2013   industrial - 09. resultados obtidos na usina união e in...
Seminário stab 2013 industrial - 09. resultados obtidos na usina união e in...
 
Seminário stab 2013 industrial - 07. implicações na caldeira com a utilizaç...
Seminário stab 2013   industrial - 07. implicações na caldeira com a utilizaç...Seminário stab 2013   industrial - 07. implicações na caldeira com a utilizaç...
Seminário stab 2013 industrial - 07. implicações na caldeira com a utilizaç...
 
Seminário stab 2013 industrial - 05. processo de fabricação de levedura sec...
Seminário stab 2013   industrial - 05. processo de fabricação de levedura sec...Seminário stab 2013   industrial - 05. processo de fabricação de levedura sec...
Seminário stab 2013 industrial - 05. processo de fabricação de levedura sec...
 
Seminário stab 2013 industrial - 03. maior eficiência energética da planta ...
Seminário stab 2013   industrial - 03. maior eficiência energética da planta ...Seminário stab 2013   industrial - 03. maior eficiência energética da planta ...
Seminário stab 2013 industrial - 03. maior eficiência energética da planta ...
 
Seminário stab 2013 industrial - 01. nr20 - segurança e saúde no trabalho c...
Seminário stab 2013   industrial - 01. nr20 - segurança e saúde no trabalho c...Seminário stab 2013   industrial - 01. nr20 - segurança e saúde no trabalho c...
Seminário stab 2013 industrial - 01. nr20 - segurança e saúde no trabalho c...
 
Seminário stab 2013 comum - 06. os impactos da nr12 e nr31 no setor sucroen...
Seminário stab 2013   comum - 06. os impactos da nr12 e nr31 no setor sucroen...Seminário stab 2013   comum - 06. os impactos da nr12 e nr31 no setor sucroen...
Seminário stab 2013 comum - 06. os impactos da nr12 e nr31 no setor sucroen...
 
Seminário stab 2013 comum - 05. variabilidade climática e perspectivas para...
Seminário stab 2013   comum - 05. variabilidade climática e perspectivas para...Seminário stab 2013   comum - 05. variabilidade climática e perspectivas para...
Seminário stab 2013 comum - 05. variabilidade climática e perspectivas para...
 
Seminário stab 2013 comum - 04. variabilidade climática e perspectivas para...
Seminário stab 2013   comum - 04. variabilidade climática e perspectivas para...Seminário stab 2013   comum - 04. variabilidade climática e perspectivas para...
Seminário stab 2013 comum - 04. variabilidade climática e perspectivas para...
 
Seminário stab 2013 comum - 03. requisitos para certificação bonsucro, etap...
Seminário stab 2013   comum - 03. requisitos para certificação bonsucro, etap...Seminário stab 2013   comum - 03. requisitos para certificação bonsucro, etap...
Seminário stab 2013 comum - 03. requisitos para certificação bonsucro, etap...
 
Seminário stab 2013 comum - 02. bonsucro - padrão internacional de sustenta...
Seminário stab 2013   comum - 02. bonsucro - padrão internacional de sustenta...Seminário stab 2013   comum - 02. bonsucro - padrão internacional de sustenta...
Seminário stab 2013 comum - 02. bonsucro - padrão internacional de sustenta...
 
Seminário stab 2013 comum - 01. a cana de açúcar e o meio ambiente - alfred...
Seminário stab 2013   comum - 01. a cana de açúcar e o meio ambiente - alfred...Seminário stab 2013   comum - 01. a cana de açúcar e o meio ambiente - alfred...
Seminário stab 2013 comum - 01. a cana de açúcar e o meio ambiente - alfred...
 
Seminário stab 2013 agrícola - 18. atividades do fundo de tecnologia sindaç...
Seminário stab 2013   agrícola - 18. atividades do fundo de tecnologia sindaç...Seminário stab 2013   agrícola - 18. atividades do fundo de tecnologia sindaç...
Seminário stab 2013 agrícola - 18. atividades do fundo de tecnologia sindaç...
 

Seminário stab 2013 agrícola - 17. o que está sendo feito no centro sul para reduzir o custo da produção e melhorar a produtividade dos canaviais - dib nunes (grupo idea)

  • 1. O QUE ESTÁ SENDO FEITO NO CENTRO SUL PARA MELHORAR A PRODUTIVIDADE E REDUZIR O CUSTO DE PRODUÇÃO DE CANA DE AÇÚCAR Eng.Agr. Dib Nunes Jr. Grupo IDEA
  • 2. 0 100 200 300 400 500 600 700 00/01 01/02 02/03 03/04 04/05 05/06 06/07 07/08 08/09 09/10 10/11 11/12 12/13* Milhõesdetoneladasdecanadeaçúcar Estagnação PRODUÇÃO DE CANA DE AÇÚCAR NO BRASIL Source: UNICA, ALCOPAR, BIOSUL, SIAMIG, SINDALCOOL, SIFAEG, SINDAAF, SUDES e MAPA. 1. World financial crisis → acquisitions involving affected companies 2. Weather problems in three consecutive harvests 3. Perda de competitividade doméstica etanol comparado à gasolina
  • 3. EVOLUÇÃO DO NÚMERO DE NOVAS USINAS NO CENTRO-SUL BRASIL 9 19 25 30 21 9 3 2 0 5 10 15 20 25 30 35 2005/6 2006/7 2007/8 2008/9 2009/10 2010/11 2011/12 2012/13* In recent years, 65 distilleries also installed sugar factories Source: Brasilian Ministry for Agriculture (MAPA) and ÚNICA. Note:2012/13* estimate
  • 4. PRODUTIVIDADE AGRÍCOLA EM T/HA NO PERÍODO DE 1988 A 2011 ANO TCH 1988 82 1989 78 1990 80 1991 82 1992 82 1993 82 1994 78 1995 75 1996 80 1997 83 1998 95 1999 82 MÉDIA 81,5 ANO TCH 2000 70 2001 82 2002 78 2003 83 2004 86 2005 82 2006 83 2007 82 2008 86 2009 88 2010 82 2011 70 MÉDIA 81,0 MÉDIA GERAL 81,3 FONTE:MAPA/CTC ELABORADO POR DEMATTÊ
  • 5. PRODUTIVIDADE DE CANA DE AÇÚCAR EM REGIÕES SIGNIFICATIVAS EM 2012/13 REGÕES PRODUTIVIDADE CANA (TCH) 2012 2011 2010 São Paulo 76 70 85 Araçatuba 67 65 84 Assis / Presidente Prudente 73 70 78 Jaú 75 71 81 Piracicaba 77 ’74 81 Ribeirão Preto 77 75 95 São José do Rio Preto 72 69 86 Goiás 67 66 79 Minas Gerais 67 66 80 Mato Grosso do Sul 69 73 87 Mato Grosso 58 54 61 Paraná 68 62 79 Centro-Sul 71 68 81 Fonte: CTC / IDEA
  • 6. Evolução da produção de cana de açúcar, açúcar e etanol no Brasil Açúcar(Milhõestoneladas) Etanol(bilhõesdelitros) Canadeaçúcar(milhõesdetoneladas)
  • 7. Balanço de oferta e demanda de etanol projetada para safra de 2012/2013 (abril-março) PRODUTOS (bilhões de litros) 2011/12 2012/13 VARIAÇÃO Vol. % DEMANDA CICLO OTTO (exceto GNV) Combustíveis 44,66 46,92 2,26 5,1% CONSUMO ETANOL Anhydrous ethanol 8,38 7,84 -0,54 -6,4% Hydrous ethanol 11,26 11,55 0,30 2,6% Total 19,64 19,40 -0,24 -1,2% CONSUMO GASOLINA Gasoline C 36,80 38,33 2,03 5,5% Source: UNICA
  • 8. REGISTRO DE VEÍCULOS (Passageiros e comerciais leves) POR TIPO DE COMBUSTÍVEL Unidades ANO (%) 2011 Gasolina 376.998 11,0 Etanol 51 0,0 Flex fuel 2.848.071 83,1 Diesel 200.619 5,9 2012 Gasolina 274.030 7,5 Etanol 52 0,0 Flex fuel 3.162.822 87,0 Diesel 197.211 5,4 Source: Renavam/ Denatran
  • 9. “ JÁ PRODUZIMOS A CANA E O AÇUCAR MAIS BARATOS DO MUNDO, PORÉM GRADATIVAMENTE PERDEMOS A COMPETITIVIDADE PARA A AUSTRÁLIA, TAILÂNDIA E ATÉ ARGENTINA” Glencore
  • 10. “ A GRANDE MAIORIA DAS USINAS ENCONTRA-SE ALTAMENTE ENDIVIDADA E EM CONTÍNUO PROCESSO “EXTRATIVISTA” COM BAIXOS INVESTIMENTOS NA PRODUÇÃO CANAVIEIRA E NA MELHORIA DE SEUS PROCESSOS INDUSTRIAIS”
  • 11. QUANDO A CRISE SE INSTALOU EM 2008 AS PRIMEIRAS ATITUDES FORAM: Corte nos orçamentos: reforma de canaviais, tratos culturais, expansão, quadro de funcionários e investimentos em melhorias tecnológicas, tanto na lavoura como na indústria. Terceirização das operações agrícolas, repassando aos “incautos” terceiros, as atividades mais onerosas como a colheita, por exemplo. Atraso no pagamento de fornecedores de cana, arrendamentos de terras e fornecedores de produtos e serviços.
  • 12. QUANDO A CRISE SE AGRAVOU EM 2008 AS PRIMEIRAS ATITUDES FORAM: Atraso nas compras dos suprimentos. Choque de gestão, tirando o foco da produção com qualidade e colocando-o em cortes e reduções, muitas vezes sem critérios. Busca por novos financiamentos (mais endividamento) e novos investidores. Tudo para dar fôlego ao caixa, porém estas atitudes sem a recuperação de preços, não adiantou nada. Todas as atitudes citadas acima só agravaram o problema
  • 13. CUSTO DE PRODUÇÃO DE CANA NO ESTADO DE SÃO PAULO Descrição Unidade Custos C/ Depreciação Formação do canavial R$/ha 5.274,24 - Preparo do solo R$/ha 1.247,04 - Plantio R$/ha 3.536,00 - Tratos culturais da cana planta R$/ha 491,20 Tratos culturais da cana soca R$/ha 1.301,29 Colheita R$/t 25,03 Administração R$/ha 164,39 Frota de apoio R$/ha 1.083,99 CUSTO DA TONELADA DE CANA R$/t 73,93 CUSTO DO kg DO ATR R$/kg ATR 0,5422 Produtividade t cana/ha 75,95 ART Recuperado kg/t 126,39 Raio médio km 27,81 Fonte: Grupo IDEA ( base outubro 2012)
  • 14. Evolução dos Custos de produção 68,85 53,96 54,76 69,10 77,50 49,25 48,65 40,00 30,00 58,78 64,71 76,35 69,18 10,00 Fonte: Sucrotec 0,00 20,00 50,00 60,00 70,00 80,00 R$ / tonelada Custo da Cana de Fornecedores Histórico Corrigido (out/12) Exclusive Depreciações e Despesas financeiras Fonte: Sucrotec
  • 15. Evolução dos Custos de produção – Média x Proj. 2012/13
  • 16. Evolução dos Custos de produção – Média x Proj. 2012/13
  • 17. Evolução dos Custos de produção Fonte: Sucrotec
  • 18. Custo de Produção de Cana no Estado de São Paulo R$ 50 R$ 60 R$ 70 R$ 80 R$ 90 R$ 100 R$ 110 R$ 120 R$ 130 40,0 50,0 60,0 70,0 80,0 90,0 100,0 TCH Fonte: IDEA
  • 19. Custo do Kg do ATR – São Paulo R$ 0,4000 R$ 0,4500 R$ 0,5000 R$ 0,5500 R$ 0,6000 R$ 0,6500 120,00 121,97 130,00 140,00 150,00 160,00 A T R Fonte: idea
  • 20. A IMPORTANCIA DO TEOR DE SACAROSE Açúcar Recuperado Rend. Etanol Faturam. Bruto Diferença Rend. Faturam Bruto Diferença Fat. Bruto Açúcar (kg/t) (litros/t) (R$ / t) (R$ / t) (sc/ t) (R$ / t) R$ / t) 120 77,78 86,53 0,00 2,01 101,81 0,00 130 84,18 93,65 7,12 2,16 109,40 7,59 140 90,65 100,85 14,36 2,47 125,11 23,3 150 97,12 108,05 21,52 2,64 133,72 31,91 160 103,6 115,26 28,73 2,81 142,33 40,52 1. INCLUSOS IMPOSTOS 2. Saindo de 120 para 130 kg a mais por tonelada, numa moagem de um milhão de toneladas, representaria um faturamento adicional de R$ 7,6 milhões numa usina de 2mt
  • 22. WHATS COMES NEXT ? SUGAR: BRASIL REMAINS THE MAIN GLOBAL SUPPLIER Para abastecer o mercado interno e manter sua participação de 50% do mercado mundial, a produção brasileira de açúcar terá que expandir por 15,7 milhões toneladas Sources: F.O.Licht, LMC, Secex and ÚNICA estimate. Note : The amount of sugar consumed in the domestic market includes the sugar contained in processed products for export.
  • 23. EVOLUÇÃO DA PRODUÇÃO DE COMBUSTÍVEIS NO BRASIL Consumo ciclo de Otto Capacidade da Produção de gasolina e o consumo de GNV Etanol 48 75 Déficit de combustível Produção de gasolina e o consumo de GNV: estável Capacidade de produção de etanol (> 30 bilhões litros) 2012 2021 Necessidade de ampliar a produção de etanol e/ou gasolina Source: UNICA
  • 24. Evolution of the sugarcane area EVOLUÇÃO DA ÁREA DE CANA (milhões ha) CENTRO-SUL 2013/14 2014/15 2015/16 2016/17 2017/18 2018/19 2019/20 2020/21 C-South (2,5% a.a.) 7,6 7,8 7,9 8,1 8,4 8,6 8,8 9,0 C-South (5% a.a.) 7,6 7,9 8,3 8,8 9,2 9,7 10,1 10,6 C-South (7,5% a.a.) 7,6 8,1 8,7 9,4 10,1 10,9 11,7 12,6 7,8 7,9 8,1 8,4 8,6 8,8 9,0 7,9 8,3 8,8 9,2 9,7 10,1 10,6 7,6 8,1 8,7 9,4 10,1 10,9 11,7 12,6 7,0 8,0 9,0 10,0 11,0 12,0 13,0 14,0 2013/14 2014/15 2015/16 2016/17 2017/18 2018/19 2019/20 2020/21 Million/ha C-SUL (2,5% a.a.) C-SUL (5% a.a.) C-SUL (7,5% a.a.) Source: IDEA
  • 25. Sourde: ÚNICA. Note: The hydrous ethanol is pure sold at the pumps and used without modification by the flex-fuel vehicles, then it competes directly with gasoline by the preference of consumers. The anhydrous ethanol is blended with gasoline in proportions ranging from 18% a 25%.
  • 26. Evolution of sugarcane production 612,4 635,8 660,0 684,5 701,6 719,2 737,1 627,4 667,2 709,5 753,8 791,5 831,0 872,6 590,2 642,3 699,4 761,4 828,2 890,3 957,1 1.028,8 500,0 600,0 700,0 800,0 900,0 1.000,0 1.100,0 2013/14 2014/15 2015/16 2016/17 2017/18 2018/19 2019/20 2020/21 Million/t C-SUL (2,5% a.a.) C-SUL (5% a.a.) C-SUL (7,5% a.a.) EVOLUÇÃO DA PRODUÇÃO DE CANA (milhões/t) 2013/14 2014/15 2015/16 2016/17 2017/18 2018/19 2019/20 2020/21 C-South (2,5% a.a.) 590,2 612,4 635,8 660,0 684,5 701,6 719,2 737,1 C-South (5% a.a.) 590,2 627,4 667,2 709,5 753,8 791,5 831,0 872,6 C-South (7,5% a.a.) 590,2 642,3 699,4 761,4 828,2 890,3 957,1 1.028,8 Source: IDEA
  • 27. O Etanol de cana de açúcar é um combustível renovável com redução de 61% de GHG. BilhõesdeGalões LEI DOS COMBUSTÍVEIS RENOVÁVEIS (RFS-2)- EUA
  • 28. IMPORTAÇÃO DE GASOLINA ATUAL Mês Gasolina importada pelo Brasil Preço líquido na refinaria - R$/litro (b) Prejuízo (b) – (a)Volume (m3) Valor (mil US$ FOB) US$/ liters R$/ liters (a) Ago/11 95.366 74.250 0,78 1,24 1,06 -0,19 Set/11 332.865 253.544 0,76 1,33 1,06 -0,28 Out/11 508.549 387.668 0,76 1,35 1,06 -0,29 Nov/11 289.270 214.005 0,74 1,32 1,16 -0,16 Dez/11 547.512 384.481 0,70 1,29 1,16 -0,13 Jan/12 314.592 229.827 0,73 1,31 1,16 -0,15 Fev/12 429.404 330.744 0,77 1,32 1,16 -0,16 Mar/12 482.543 397.666 0,82 1,48 1,16 -0,32 Abr/12 292.553 251.978 0,82 1,60 1,17 -0,43 Mai/12 196.299 170.257 0,87 1,72 1,17 -0,56 Jun/12 227.592 188.390 0,83 1,70 1,26 -0,44 Jul/12 194.729 140.240 0,72 1,46 1,26 -0,20 Ago/12 143.528 108.032 0,75 1,53 1,26 -0,27
  • 29. Entretanto..... “... É EXATAMENTE NOS PERÍODOS DE GRANDE DIFICULDADE QUE SE ENCONTRAM AS ALTERNATIVAS PARA A SOBREVIVÊNCIA” “ O SETOR CANAVIEIRO ESTÁ SENDO FORÇADO A FAZER PROFUNDAS MUDANÇAS EM SEUS PROCESSOS PRODUTIVOS PARA VOLTAR A SER COMPETITIVO”
  • 30. Leis e Atos Geradores de Mudanças NR 31 Segurança e Saúde no Trabalho na Agricultura, Pecuária, Silvicultura, Exploração Florestal e Aquicultura NR 12 Segurança no trabalho em maquinas e equipamentos LEI DE ELIMINAÇÃO DAS QUEIMADAS E AÇÕES JUDICIAIS
  • 31. Evolução da Colheita da Cana de Açúcar Centro Sul 34,5% 34,7% 34,4% 36,1% 42% 53,3% 61% 73% 65,5,% 65,3% 65,6% 63,9% 58% 46,7% 39% 27% 0 1.000 2.000 3.000 4.000 5.000 6.000 7.000 8.000 9.000 2003 2006 2007 2008 2009 2010 2011 2012 mil/ha Colheita mecanizada Colheita manual Fonte: Luiz Antônio Paes- CTC - elaboração IDEA
  • 32. EVOLUÇÃO COLHEITA CANA CRUA Centro-Sul 78,4% 77,5% 77,2% 72,8% 68,3% 61,3% 55,10% 46,1% 21,6% 22,5% 22,8,% 27,2% 31,7% 38,7% 44,9% 53,9% 0 1.000 2.000 3.000 4.000 5.000 6.000 7.000 8.000 9.000 2005 2006 2007 2008 2009 2010 2011 2012 MIL/ha Colheita queimada Colheita crua Fonte: Luiz Antônio Paes- CTC - elaboração IDEA
  • 33. IMPACTOS GERADOS PELA COLHEITA MECANIZADA CRUA
  • 34.
  • 35. 1. REDUÇÃO DO TEMPO DE ENTREGA DE CANA NA INDUSTRIA 2. REDUÇÃO DA CONTAMINAÇÃO MICROBIANA 3. REDUÇÃO DA INVERSÃO DE SACAROSE 4. MATERIAL ORGANICO DEVOLVIDO PARA A LAVOURA – Aproveitamento da palha POSITIVOS1 1. AUMENTO DE IMPUREZASVEGETAIS (Mais amido, compostos, fenóficos, ácidos orgânicos e AR) 2. REDUÇÃO DA DENSIDADE DE CARGA 3. REDUÇÃO DA EXTRAÇÃO DO CALDO 4. AUMENTO DA UMIDADE DO BAGAÇO 5. REDUÇÃO DA CAPACIDADE DE MOAGEM 6. INCRUSTAÇÃO DOS EVAPORADORE 7. PIORA NA COR DO AÇÚCAR NEGATIVOS2 IMPACTOS DA COLHEITA MECANIZADA DE CANA “CRUA”
  • 36. Histórico de Impurezas Centro-Sul Fonte: Luiz Antônio Paes- CTC - elaboração IDEA 0 1 2 3 4 5 6 7 8 9 2003 2004 2005 2006 2007 2008 2009 2010 2011 2012 Porcentagem(%) Impureza Vegetal Impureza Mineral
  • 38.
  • 39.
  • 40.
  • 43. OUTROS PROBLEMAS CAUSADOS PELA RAPIDA MECANIZAÇÃO DA CANA DE AÇUCAR FALTA DE MÃO DE OBRA QUALIFICADA AUMENTO DAS PERDAS DE CANA NA LAVOURA(>4t/ha) QUEDA DE MAIS DE 7 KG NOS TEORES DE SACAROSE AUMENTO DA COMPACTAÇÃO DE SOLOS AUMENTO DO ARRANQUIO DE SOQUEIRAS E FALHAS DESCARTE DE AREAS PRODUTIVAS COM DECLIVIDADE >12% PERDA DE PRODUTIVIDADE
  • 44. CANAVIAL DEPAUPERADO POR COLHEITA MECANIZADA PISOTEIO, ARRANQUIO E PERDAS EM LAVOURAS NÃO SISTEMATIZADAS
  • 45. MUDANÇAS NA TECNOLOGIA DE PREPARO DO SOLO E PLANTIO
  • 48.
  • 49. Plantio Direto sobre soca de cana SÓCA ELIMINADA POR GLIFOSATO
  • 54. FILME DA NEW HOLLAND E MAFES APRESENTAÇÃO DO PENTA
  • 56. Mudança no uso de insumos
  • 59. Redução consumo diesel Fazenda Riachuelo TIPO horas/ha litros diesel / ha Preparo convencional* 2,5 100,7 Penta** 1,4 39,3 * Foi considerado duas gradagens, uma subsolagem e uma grade niveladora ** Apenas o Penta Fonte: Roberto Sako
  • 62. MONTES DE CANA PRONTOS PARA SEREM DISTRIBUIDOS NOS SULCOS
  • 63. RETIRADA DE MUDAS COM KIT EMBORRACHADO
  • 64. SULCA, ADUBA, DISTRIBUI OS TOLETES, APLICA DEFENSIVO E COBRE A MUDA ~30% DO PLANTIO DE 2012
  • 66.
  • 67.
  • 69. Fonte: Lourival C. Monaco.Jr.
  • 71. PLANTIO MECANIZADO Fonte: Lourival C.M.Jr. Fonte: Raizen
  • 74.
  • 75.
  • 76. Fonte: Lourival C. Monaco.Jr. Avaliação do Desempenho Operacional das Colhedoras em Espaçamento Duplo Produtividade do canavial (t/ha) Produção (t) /metro linear Distância para encher transbordo (m) Quantidade de giros cabeceira Tempo de colheita (min) Tempo Total (min) Produção Diária (t) Litros / t 3520 3522 3520 3522 3520 3522 3520 3522 3520 3522 3520 3522 3520 3522 60 0,0084 0,0150 1.428,6 800,0 3 2 17,14 12,00 20,14 14,00 471,8 678,9 1,50 1,05 65 0,0091 0,0163 1.318,7 738,5 3 2 15,82 11,08 18,82 13,08 504,9 726,8 1,40 0,98 70 0,0098 0,0175 1.224,5 685,7 3 2 14,69 10,29 17,69 12,29 537,1 773,6 1,31 0,91 75 0,0105 0,0188 1.142,9 640,0 2 2 13,71 9,60 15,71 11,60 604,8 819,3 1,18 0,86 80 0,0112 0,0200 1.071,4 600,0 2 2 12,86 9,00 14,86 11,00 639,7 864,0 1,12 0,81 85 0,0119 0,0213 1.008,4 564,7 2 1 12,10 8,47 14,10 9,47 674,0 1.003,5 1,06 0,72 90 0,0126 0,0225 952,4 533,3 2 1 11,43 8,00 13,43 9,00 707,7 1.056,0 1,00 0,68 95 0,0133 0,0238 903,4 505,3 2 1 10,83 7,58 12,83 8,58 740,9 1.107,8 0,96 0,65 100 0,0140 0,0250 857,1 480,0 2 1 10,29 7,20 12,29 8,20 773,6 1.159,0 0,91 0,62 105 0,0147 0,0263 816,3 457,1 2 1 9,80 6,86 11,80 7,86 805,7 1.209,6 0,87 0,59 110 0,0154 0,0275 779,2 436,4 2 1 9,35 6,55 11,35 7,55 837,3 1.259,6 0,84 0,57 115 0,0161 0,0288 745,3 417,4 2 1 8,94 6,26 10,94 7,26 868,4 1.308,9 0,81 0,55 120 0,0168 0,0300 713,3 400,0 2 1 8,57 6,00 10,57 7,00 899,0 1.357,7 0,78 0,52
  • 78. CTC, CV, IAC e RB Mais de 50 novas variedades em 6 anos Fonte: Equipe CTC
  • 79. E a RB86 7515 ? ESTÁGIO TCH ATR RB86 7515 Média geral RB86 7515 Média geral 12 meses 80,0 85,8 122,73 133,0 2º corte 97,8 107,7 147,26 141,13 3º corte 73,7 81,1 133,23 129,29 4º corte 62,7 64,3 135,39 134,70 5º corte 58,6 62,0 139,93 136,30 6º corte 57,4 63,1 137,05 131,56 MÉDIA 71,7 77,3 135,92 134,33 Fonte: usina assistida pelo IDEA
  • 81. INTEGRAÇÃO DO MANEJO VARIETAL COM LOGISTICA DE TRANSPORTE Projeto Grupo IDEA
  • 82. Divisão da Lavoura em Módulos de Produção
  • 83. Classificação de Ambientes dentro dos Módulos
  • 84. PRODUTOS DE ÚLTIMA GERAÇÃO BIOESTIMULANTES E DE PROTEÇÃO DA CULTURA • REGENT • ACTARA • COMET • PRIORI-XTRA MATURADORES • MODDUS HERBICIDA SELETIVOS E PARA SECA • CALLISTO • DUAL GOLD • PLATEAU • CONTAIN
  • 85.
  • 88.
  • 89.
  • 90.
  • 91. PARA SUBSTITUIR A MÃO DE OBRA NA CATAÇÃO WEED SEEKER
  • 92.
  • 94.
  • 95.
  • 96. COMPARAÇÃO VISUAL ENTRE TALHÕES – ANÁLISE QUALITATIVA TALHÃO 1 TALHÃO 2
  • 97. COMPARAÇÃO VISUAL ENTRE TALHÕES TALHÃO 1 TALHÃO 2 FALHAS FALHAS
  • 99.
  • 102. HIDRÓLISE ENZIMÁTICA C E L U L O S E C E L U L O S E HEXOSES PENTOSES PRODUÇÃO ÁLCOOL COMPOSTOS NÃO FERMENTÁVEIS
  • 105. Histórico Biotecnologia no CTC 1. Resistência a herbicidas 2. Cana BT 3. Resistência Mosaico 4. Resistência Amarelinho TEOR DE SACAROSE E STRESS HÍDRICO
  • 107.
  • 108.
  • 109.
  • 110.
  • 111. O EXEMPLO DA AGRO PASTORIL PASCHOAL CAMPANELLI
  • 112. O sistema de produção mudou !!! Fonte: Agro Pastoril Campanelli
  • 113. O Porque do investimento em tecnologia Fonte: Agro Pastoril Campanelli
  • 114. Conceito de Insanidade !!! "Insanidade é continuar fazendo sempre a mesma coisa e esperar resultados diferentes." Albert Einstein Fonte: Agro Pastoril Campanelli
  • 115. Aplicação de calcário • Sistema de cocho • Aplicação de alta qualidade e baixo rendimento • Maior custo de aplicação quando comparado com sistema a lanço • Trimble FMX + Field I Fonte: Agro Pastoril Campanelli
  • 116. Sistematização - Erosão • Antigo dilema ▫ Rendimento Operacional x Manejo da Erosão Fonte: Agro Pastoril Campanelli antes depois
  • 117. Terraço não é garantia de não ter erosão !! Fonte: Agro Pastoril Campanelli
  • 118. PLANTIO DIRETO –milho sobre palhada de cana de açúcar Fonte: Agro Pastoril Campanelli
  • 119. Subsolagem com barreira química sobre palhada de Milho Fonte: Agro Pastoril Campanelli Uso de piloto automático na subsolagem reduz perdas ou sobreposição de produto, além de evitar falhas na operação.
  • 120. PLANTIO MECANIZADO DE ALTA QUALIDADE Fonte: Agro Pastoril Campanelli Antes Depois Plantio Linhas de cana Comprimento médio (mts) Metros lineares Manobras Tempo de 1 min./ manobra Plantio Antigo 1,40 mts 1.728 369,54 638.565,1 1.728 1,728 Plantio novo 1,50 mts 626 1.080,32 676.280,3 (+5,9%) 626 626 (-19 horas)
  • 121. PLANTIO MECANIZADO DE ALTA QUALIDADE Fonte: Agro Pastoril Campanelli Sistematização: Plantio sem “ruas mortas” Planejamento de Novos Traçados
  • 122. Fonte: Agro Pastoril Campanelli
  • 123. PLANTIO MECANIZADO DE ALTA QUALIDADE Fonte: Agro Pastoril Campanelli Adubação em Taxa Variável com Fósforo e Potássio Mapa do Fósforo Mapa do Potássio
  • 124. PLANTIO MECANIZADO DE ALTA QUALIDADE Fonte: Agro Pastoril Campanelli Adubação em Taxa Variável com Fósforo e Potássio P K
  • 125. PLANTIO MECANIZADO DE ALTA QUALIDADE Fonte: Agro Pastoril Campanelli Vantagens Piloto automático – operador livre para monitorar plantio Monitoramento com 4 câmeras (alteração) Plantio noturno com alta qualidade Vantagens Boa distribuição de mudas Redução das falhas (equipe de qualidade) Paralelismo
  • 126. PLANTIO MECANIZADO DE ALTA QUALIDADE Fonte: Agro Pastoril Campanelli CONTROLE DE QUALIDADE DA MUDA
  • 127. PLANTIO MECANIZADO DE ALTA QUALIDADE Fonte: Agro Pastoril Campanelli COBRIÇÃO SEM PISOTEIO NA MUDA Trator MXM 180 Trator do transbordo Bitola 3 metros Eixo traseiro reforçado Redimensionamento do tanque de produto (300 p/ 600 litros)
  • 128. PLANTIO MECANIZADO DE ALTA QUALIDADE Fonte: Agro Pastoril Campanelli SULCO LARGO EM FORMA DE “U”
  • 129. SISTEMATIZAÇÃO + CONTROLE DE TRÁFEGO Fonte:AgroPastorilCampanelli
  • 130. Tráfego controlado e sistematização Fonte: Agro Pastoril Campanelli Linha de cana Entrelinhas - Tráfego
  • 131. Quebra-lombo Green Seeker para adubação Nitrogenada Fonte: Agro Pastoril Campanelli
  • 132. VANT –AGX Tiriba – Mapa de Nitrogênio Fonte: Agro Pastoril Campanelli
  • 133. Fonte: Agro Pastoril Campanelli Adubação Nitrogenada de Cobertura Uniport 3000 NPK
  • 134. Fonte: Agro Pastoril Campanelli VANT –AGX Tiriba – Id de falhas do plantio
  • 135. Fonte: Agro Pastoril Campanelli ORGANOMINERAL : Mistura de um fertilizante orgânico com um fertilizante mineral ORGANOMINERAL
  • 136. Fonte: Agro Pastoril Campanelli ORGANOMINERAL : Mistura de um fertilizante orgânico com um fertilizante mineral ORGANOMINERAL
  • 137. Fonte: Agro Pastoril Campanelli ORGANOMINERAL : Mistura de um fertilizante orgânico com um fertilizante mineral ORGANOMINERAL
  • 138. Fonte: Agro Pastoril Campanelli Modelo de sustentabilidade
  • 139. Área de Soqueira de Cana de Açúcar da Agropastoril Campanelli
  • 140. Fonte: Agro Pastoril Campanelli IDADEMÉDIADOCANAVIALxINDICEDERENOVAÇÃO
  • 142. SEMPRE QUE OLHAR PARA O FUTURO... SEJA OUSADO Dib Nunes Jr. (16) 8144 7810 dib@ideaonline.com.br