SlideShare uma empresa Scribd logo
Prof. MSc. Vanessa Carneiro Leite
[object Object],[object Object],[object Object],[object Object]
Evitou emissões de gás carbônico da ordem de 110 milhões de toneladas de carbono (contido no CO 2 ), a importação de aproximadamente  550 milhões de barris de petróleo e, ainda, proporcionou uma economia de divisas da ordem de 11,5 bilhões de dólares.
[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object]
[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object]
[object Object],[object Object],[object Object],[object Object]
 
[object Object],[object Object],[object Object]
[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object]
[object Object],[object Object],[object Object]
"O motor Diesel pode ser alimentado com óleos vegetais e poderá ajudar consideravelmente o desenvolvimento da agricultura nos países onde ele funcionar. Isto parece um sonho do futuro, mas eu posso predizer com inteira convicção que esse modo de emprego do motor Diesel pode, num dado tempo, adquirir uma grande importância“ Dr. Rudolph Diesel (1911 )
Matéria-Prima para Produção de Biodiesel Óleos Vegetais
Matéria-Prima para Produção de Biodiesel Óleos Animais
Produção  do Biodiesel
Transesterificação Catalisador Reação de  Transesterificação Óleo Vegetal Metanol ou  Etanol Biodiesel Glicerina Ácido Básico Enzimático
Aspectos Positivos  Aspectos Negativos
[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],Aspectos Positivos e Negativos
Biodiesel no Brasil Diminuir a dependência dos derivados do Petróleo Incrementar o setor agrícola Gerar empregos Melhoria da qualidade dos  grandes centros Provável LÍDER da produção  mundial
Potencialidade Brasileira
Metanol X Etanol 15/21 Metanol Etanol Álcool Tóxico Cana-de-açúcar Venenoso 100% Renovável Derivado de Petróleo Maior Segurança na Manipulação Mais Barato Maior Disponibilidade
Programa Brasileiro de Desenvolvimento Tecnológico de Biodiesel  (ProBiodiesel) 30 de Outubro de 2002 O PROBIODIESEL visa “ promover o desenvolvimento científico e tecnológico de biodiesel, a partir de ésteres etílicos de óleos vegetais puros e/ou residuais.”  Sua meta é a  “viabilidade técnica, sócio-ambiental e econômica do biodiesel de éster etílico (soja e etanol) e metílico, (...)”   16/21 Portaria 702 do Ministério de Ciência e Tecnologia
Programa Brasileiro de Desenvolvimento Tecnológico de Biodiesel  (ProBiodiesel) Objetivos: Plano de Produção de Biodiesel Incentivo ao Plantio de Diversas Oleaginosas Adição de 2% de Biodiesel no Diesel (B2)  2006 2008  Obrigatório 17/21
Referência Bibliográfica 1. COSTA NETO, P.R. Obtenção de Ésteres Alquílicos (Biodiesel) por Via Enzimática a  partir de Óleo de Soja. Tese de Doutorado; Curso de Pós-Graduação em  Química da Universidade Federal de Santa Catarina, 2002. 2. OBREGÓN, C.L. Obtenção de Biodiesel através da Transesterificação Enzimática:  Energia Alternativa para Auto-desenvolvimento,  Prêmio Mercosul de Ciência  e Tecnologia , 2004. 3. OLIVEIRA D., OLIVEIRA J.V., FACCIO C., MENONCIN S., AMROGINSKI C.,  Influência das Variáveis de Processo na Alcoólise Enzimática de Óleo de  Mamona,  Cient. Tecnol. Aliment. , 2004; 4. PASSEY R. , Biodiesel: A Fuel for the Future.  Disponível em:  http:/www.suitnability.doc.wa.gov.au/CaseStudies/biodiesel/biodiesel.htm Último acesso em: Novembro/2005. 5. PINHEIRO S. , Biodiesel: A Inteligência Nativa e a Ingenuidade Britânica. Disponível  em:  http://www.biodieselecooleo.com.br/noticias/modules.php . Último  acesso em: Novembro/2005. 6. Programa Nacional de Produção e Uso de Biodiesel. Disponível em:  http://www.biodiesel.gov.br/informacoes.html . Último acesso em:  Novembro/2005. 7. http:// www.eca.usp.br/.../ voxscientiae/william15.html . Último acesso em:  Novembro/2005 20/21

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Mais procurados (20)

Industrialização
IndustrializaçãoIndustrialização
Industrialização
 
Geopolítica dos conflitos AFRICA
Geopolítica dos conflitos AFRICAGeopolítica dos conflitos AFRICA
Geopolítica dos conflitos AFRICA
 
Problemas globais do meio ambiente
Problemas globais do meio ambienteProblemas globais do meio ambiente
Problemas globais do meio ambiente
 
Aquecimento Global
Aquecimento  GlobalAquecimento  Global
Aquecimento Global
 
Sistemas Agrícolas
Sistemas AgrícolasSistemas Agrícolas
Sistemas Agrícolas
 
Industrialização+brasileira 1
Industrialização+brasileira 1Industrialização+brasileira 1
Industrialização+brasileira 1
 
Região Sudeste
Região SudesteRegião Sudeste
Região Sudeste
 
Problemas ambientais urbanos
Problemas ambientais urbanosProblemas ambientais urbanos
Problemas ambientais urbanos
 
Mudanças climáticas e aquecimento global compressed
Mudanças climáticas e aquecimento global compressedMudanças climáticas e aquecimento global compressed
Mudanças climáticas e aquecimento global compressed
 
Petróleo no brasil
Petróleo no brasilPetróleo no brasil
Petróleo no brasil
 
Geopolitica do petroleo
Geopolitica do petroleo Geopolitica do petroleo
Geopolitica do petroleo
 
Introdução ao Agronegocio
Introdução ao AgronegocioIntrodução ao Agronegocio
Introdução ao Agronegocio
 
Ásia
ÁsiaÁsia
Ásia
 
Agricultura mundial
Agricultura mundialAgricultura mundial
Agricultura mundial
 
áFrica população, regionalização e economia
áFrica população, regionalização e economiaáFrica população, regionalização e economia
áFrica população, regionalização e economia
 
As revoluções industriais
As revoluções industriaisAs revoluções industriais
As revoluções industriais
 
Energia 6ano
Energia 6anoEnergia 6ano
Energia 6ano
 
Agricultura no Brasil
Agricultura no BrasilAgricultura no Brasil
Agricultura no Brasil
 
Blocos econômicos
Blocos econômicosBlocos econômicos
Blocos econômicos
 
Agronegocio.pptx
Agronegocio.pptxAgronegocio.pptx
Agronegocio.pptx
 

Destaque

Estabilidade oxidativa do Biodiesel e óleos Vegetais, via Rancimat
Estabilidade oxidativa do Biodiesel e óleos Vegetais, via RancimatEstabilidade oxidativa do Biodiesel e óleos Vegetais, via Rancimat
Estabilidade oxidativa do Biodiesel e óleos Vegetais, via RancimatCarlos Kramer
 
Slides da aula de Biologia (Renato) sobre Semente e Fruto
Slides da aula de Biologia (Renato) sobre Semente e FrutoSlides da aula de Biologia (Renato) sobre Semente e Fruto
Slides da aula de Biologia (Renato) sobre Semente e FrutoTurma Olímpica
 
Carac. físico-quimica de óleos vegetais
Carac. físico-quimica de óleos vegetaisCarac. físico-quimica de óleos vegetais
Carac. físico-quimica de óleos vegetaisÁdina Santana
 
Aula1. introdução e importância das sementes
Aula1. introdução e  importância das sementesAula1. introdução e  importância das sementes
Aula1. introdução e importância das sementesArnaldo Nonato
 
Unidade 01 importância das sementes para a agricultura
Unidade 01 importância das sementes para a agriculturaUnidade 01 importância das sementes para a agricultura
Unidade 01 importância das sementes para a agriculturaBruno Rodrigues
 
Trabalho Plantas
Trabalho PlantasTrabalho Plantas
Trabalho Plantastejinha
 
Sementes germinacao
Sementes germinacaoSementes germinacao
Sementes germinacaoAna Picão
 
Aula sobre Germinação - 4° Ano
Aula sobre Germinação - 4° AnoAula sobre Germinação - 4° Ano
Aula sobre Germinação - 4° Anojumachareth
 

Destaque (10)

Estabilidade oxidativa do Biodiesel e óleos Vegetais, via Rancimat
Estabilidade oxidativa do Biodiesel e óleos Vegetais, via RancimatEstabilidade oxidativa do Biodiesel e óleos Vegetais, via Rancimat
Estabilidade oxidativa do Biodiesel e óleos Vegetais, via Rancimat
 
Slides da aula de Biologia (Renato) sobre Semente e Fruto
Slides da aula de Biologia (Renato) sobre Semente e FrutoSlides da aula de Biologia (Renato) sobre Semente e Fruto
Slides da aula de Biologia (Renato) sobre Semente e Fruto
 
Carac. físico-quimica de óleos vegetais
Carac. físico-quimica de óleos vegetaisCarac. físico-quimica de óleos vegetais
Carac. físico-quimica de óleos vegetais
 
Semente historico e importância
Semente historico e importânciaSemente historico e importância
Semente historico e importância
 
Aula1. introdução e importância das sementes
Aula1. introdução e  importância das sementesAula1. introdução e  importância das sementes
Aula1. introdução e importância das sementes
 
Importancia Sementes
Importancia SementesImportancia Sementes
Importancia Sementes
 
Unidade 01 importância das sementes para a agricultura
Unidade 01 importância das sementes para a agriculturaUnidade 01 importância das sementes para a agricultura
Unidade 01 importância das sementes para a agricultura
 
Trabalho Plantas
Trabalho PlantasTrabalho Plantas
Trabalho Plantas
 
Sementes germinacao
Sementes germinacaoSementes germinacao
Sementes germinacao
 
Aula sobre Germinação - 4° Ano
Aula sobre Germinação - 4° AnoAula sobre Germinação - 4° Ano
Aula sobre Germinação - 4° Ano
 

Semelhante a Pró álcool e-pró-óleo

Evolucao do uso do etanol como combustivel veicular alfred
Evolucao do uso do etanol como combustivel veicular   alfredEvolucao do uso do etanol como combustivel veicular   alfred
Evolucao do uso do etanol como combustivel veicular alfredGeraldo Sebastian
 
Biodiesel perspectivas no brasil e no mundo pdf
Biodiesel perspectivas no brasil e no mundo pdfBiodiesel perspectivas no brasil e no mundo pdf
Biodiesel perspectivas no brasil e no mundo pdfRede Jatropha
 
Biodiesel apertir do oleo de cozinha
Biodiesel apertir do oleo de cozinhaBiodiesel apertir do oleo de cozinha
Biodiesel apertir do oleo de cozinhagustavo augusto
 
o-etanol-como-um-novo-combustivel-universal-conab.pdf
o-etanol-como-um-novo-combustivel-universal-conab.pdfo-etanol-como-um-novo-combustivel-universal-conab.pdf
o-etanol-como-um-novo-combustivel-universal-conab.pdfSpinemaxPeas
 
etanol3_000g7gq2cz702wx5ok0wtedt3xdrmftk.pdf
etanol3_000g7gq2cz702wx5ok0wtedt3xdrmftk.pdfetanol3_000g7gq2cz702wx5ok0wtedt3xdrmftk.pdf
etanol3_000g7gq2cz702wx5ok0wtedt3xdrmftk.pdfSpinemaxPeas
 
Rodrigo Rodrigues 2
Rodrigo Rodrigues 2Rodrigo Rodrigues 2
Rodrigo Rodrigues 2biodieselbr
 
Perspectivas e tendências os biocombustíveis no Brasil e no mundo
Perspectivas e tendências os biocombustíveis no Brasil e no mundoPerspectivas e tendências os biocombustíveis no Brasil e no mundo
Perspectivas e tendências os biocombustíveis no Brasil e no mundoSydney Dias
 
Apresentação Eng. Pedro Sampaio Nunes
Apresentação Eng. Pedro Sampaio NunesApresentação Eng. Pedro Sampaio Nunes
Apresentação Eng. Pedro Sampaio Nunescideias
 
Ayrton souza biocombustíveis e energia no es 19 05-09
Ayrton souza   biocombustíveis e energia no es 19 05-09Ayrton souza   biocombustíveis e energia no es 19 05-09
Ayrton souza biocombustíveis e energia no es 19 05-09LCA promo
 
Desafios e oportunidades para as energias renováveis no Brasil - Giovani Mach...
Desafios e oportunidades para as energias renováveis no Brasil - Giovani Mach...Desafios e oportunidades para as energias renováveis no Brasil - Giovani Mach...
Desafios e oportunidades para as energias renováveis no Brasil - Giovani Mach...Fundação Fernando Henrique Cardoso
 
Panorama Dos Biocombustiveis no BrasilNo Brasil
Panorama Dos Biocombustiveis no BrasilNo BrasilPanorama Dos Biocombustiveis no BrasilNo Brasil
Panorama Dos Biocombustiveis no BrasilNo BrasilSydney Dias
 
Geografia trabalho (1)
Geografia trabalho (1)Geografia trabalho (1)
Geografia trabalho (1)Mayjö .
 
Perspectivas para o setor de petróleo e gás numa economia de baixo carbono
Perspectivas para o setor de petróleo e gás numa economia de baixo carbonoPerspectivas para o setor de petróleo e gás numa economia de baixo carbono
Perspectivas para o setor de petróleo e gás numa economia de baixo carbonoSustentaí
 
Programa Nacional de Produção e Uso do Biodiesel
Programa Nacional de Produção e Uso do BiodieselPrograma Nacional de Produção e Uso do Biodiesel
Programa Nacional de Produção e Uso do Biodieselcalberto1001
 
2 palestra pimenta_eficiencia_energetica
2 palestra pimenta_eficiencia_energetica2 palestra pimenta_eficiencia_energetica
2 palestra pimenta_eficiencia_energeticaFabricio Lopez
 

Semelhante a Pró álcool e-pró-óleo (20)

Evolucao do uso do etanol como combustivel veicular alfred
Evolucao do uso do etanol como combustivel veicular   alfredEvolucao do uso do etanol como combustivel veicular   alfred
Evolucao do uso do etanol como combustivel veicular alfred
 
Biodiesel perspectivas no brasil e no mundo pdf
Biodiesel perspectivas no brasil e no mundo pdfBiodiesel perspectivas no brasil e no mundo pdf
Biodiesel perspectivas no brasil e no mundo pdf
 
Etanol
EtanolEtanol
Etanol
 
Biodiesel apertir do oleo de cozinha
Biodiesel apertir do oleo de cozinhaBiodiesel apertir do oleo de cozinha
Biodiesel apertir do oleo de cozinha
 
o-etanol-como-um-novo-combustivel-universal-conab.pdf
o-etanol-como-um-novo-combustivel-universal-conab.pdfo-etanol-como-um-novo-combustivel-universal-conab.pdf
o-etanol-como-um-novo-combustivel-universal-conab.pdf
 
etanol3_000g7gq2cz702wx5ok0wtedt3xdrmftk.pdf
etanol3_000g7gq2cz702wx5ok0wtedt3xdrmftk.pdfetanol3_000g7gq2cz702wx5ok0wtedt3xdrmftk.pdf
etanol3_000g7gq2cz702wx5ok0wtedt3xdrmftk.pdf
 
Rodrigo Rodrigues 2
Rodrigo Rodrigues 2Rodrigo Rodrigues 2
Rodrigo Rodrigues 2
 
Perspectivas e tendências os biocombustíveis no Brasil e no mundo
Perspectivas e tendências os biocombustíveis no Brasil e no mundoPerspectivas e tendências os biocombustíveis no Brasil e no mundo
Perspectivas e tendências os biocombustíveis no Brasil e no mundo
 
Apresentação Eng. Pedro Sampaio Nunes
Apresentação Eng. Pedro Sampaio NunesApresentação Eng. Pedro Sampaio Nunes
Apresentação Eng. Pedro Sampaio Nunes
 
Minicurso biodiesel - Profª Drª Claudia Cardoso Bejan
Minicurso biodiesel - Profª Drª Claudia Cardoso BejanMinicurso biodiesel - Profª Drª Claudia Cardoso Bejan
Minicurso biodiesel - Profª Drª Claudia Cardoso Bejan
 
PMI 2008 - Sherman
PMI 2008 - ShermanPMI 2008 - Sherman
PMI 2008 - Sherman
 
Ayrton souza biocombustíveis e energia no es 19 05-09
Ayrton souza   biocombustíveis e energia no es 19 05-09Ayrton souza   biocombustíveis e energia no es 19 05-09
Ayrton souza biocombustíveis e energia no es 19 05-09
 
Desafios e oportunidades para as energias renováveis no Brasil - Giovani Mach...
Desafios e oportunidades para as energias renováveis no Brasil - Giovani Mach...Desafios e oportunidades para as energias renováveis no Brasil - Giovani Mach...
Desafios e oportunidades para as energias renováveis no Brasil - Giovani Mach...
 
Panorama Dos Biocombustiveis no BrasilNo Brasil
Panorama Dos Biocombustiveis no BrasilNo BrasilPanorama Dos Biocombustiveis no BrasilNo Brasil
Panorama Dos Biocombustiveis no BrasilNo Brasil
 
Geografia trabalho (1)
Geografia trabalho (1)Geografia trabalho (1)
Geografia trabalho (1)
 
Perspectivas para o setor de petróleo e gás numa economia de baixo carbono
Perspectivas para o setor de petróleo e gás numa economia de baixo carbonoPerspectivas para o setor de petróleo e gás numa economia de baixo carbono
Perspectivas para o setor de petróleo e gás numa economia de baixo carbono
 
Programa Nacional de Produção e Uso do Biodiesel
Programa Nacional de Produção e Uso do BiodieselPrograma Nacional de Produção e Uso do Biodiesel
Programa Nacional de Produção e Uso do Biodiesel
 
Biodiesel novo
Biodiesel novoBiodiesel novo
Biodiesel novo
 
2 palestra pimenta_eficiencia_energetica
2 palestra pimenta_eficiencia_energetica2 palestra pimenta_eficiencia_energetica
2 palestra pimenta_eficiencia_energetica
 
Thales manfrin
Thales manfrinThales manfrin
Thales manfrin
 

Último

Atividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdf
Atividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdfAtividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdf
Atividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdfmaria794949
 
Apresentação de vocabulário fundamental em contexto de atendimento
Apresentação de vocabulário fundamental em contexto de atendimentoApresentação de vocabulário fundamental em contexto de atendimento
Apresentação de vocabulário fundamental em contexto de atendimentoPedroFerreira53928
 
"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"
"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã""Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"
"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"Ilda Bicacro
 
Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024
Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024
Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024Rosana Andrea Miranda
 
PPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 final
PPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 finalPPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 final
PPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 finalcarlaOliveira438
 
O que é uma Revolução Solar. tecnica preditiva
O que é uma Revolução Solar. tecnica preditivaO que é uma Revolução Solar. tecnica preditiva
O que é uma Revolução Solar. tecnica preditivaCludiaRodrigues693635
 
AULA Saúde e tradição-3º Bimestre tscqv.pptx
AULA Saúde e tradição-3º Bimestre tscqv.pptxAULA Saúde e tradição-3º Bimestre tscqv.pptx
AULA Saúde e tradição-3º Bimestre tscqv.pptxGraycyelleCavalcanti
 
AS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdf
AS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdfAS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdf
AS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdfssuserbb4ac2
 
São Filipe Neri, fundador da a Congregação do Oratório 1515-1595.pptx
São Filipe Neri, fundador da a Congregação do Oratório 1515-1595.pptxSão Filipe Neri, fundador da a Congregação do Oratório 1515-1595.pptx
São Filipe Neri, fundador da a Congregação do Oratório 1515-1595.pptxMartin M Flynn
 
Recurso da Casa das Ciências: Bateria/Acumulador
Recurso da Casa das Ciências: Bateria/AcumuladorRecurso da Casa das Ciências: Bateria/Acumulador
Recurso da Casa das Ciências: Bateria/AcumuladorCasa Ciências
 
Labor e Trabalho em A Condição Humana de Hannah Arendt .pdf
Labor e Trabalho em A Condição Humana de Hannah Arendt .pdfLabor e Trabalho em A Condição Humana de Hannah Arendt .pdf
Labor e Trabalho em A Condição Humana de Hannah Arendt .pdfemeio123
 
Os Tempos Verbais em Inglês-tempos -dos-
Os Tempos Verbais em Inglês-tempos -dos-Os Tempos Verbais em Inglês-tempos -dos-
Os Tempos Verbais em Inglês-tempos -dos-carloseduardogonalve36
 
O carteiro chegou - Janet & Allan Ahlberg
O carteiro chegou - Janet & Allan AhlbergO carteiro chegou - Janet & Allan Ahlberg
O carteiro chegou - Janet & Allan AhlbergBrenda Fritz
 
Apresentação sobre as etapas do desenvolvimento infantil
Apresentação sobre as etapas do desenvolvimento infantilApresentação sobre as etapas do desenvolvimento infantil
Apresentação sobre as etapas do desenvolvimento infantilMariaHelena293800
 
Atividade com a música Xote da Alegria - Falamansa
Atividade com a música Xote  da  Alegria    -   FalamansaAtividade com a música Xote  da  Alegria    -   Falamansa
Atividade com a música Xote da Alegria - FalamansaMary Alvarenga
 
04_GuiaDoCurso_Neurociência, Psicologia Positiva e Mindfulness.pdf
04_GuiaDoCurso_Neurociência, Psicologia Positiva e Mindfulness.pdf04_GuiaDoCurso_Neurociência, Psicologia Positiva e Mindfulness.pdf
04_GuiaDoCurso_Neurociência, Psicologia Positiva e Mindfulness.pdfARIANAMENDES11
 
Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...
Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...
Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...LuizHenriquedeAlmeid6
 
Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....
Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....
Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....LuizHenriquedeAlmeid6
 
livro para educação infantil conceitos sensorial
livro para educação infantil conceitos sensoriallivro para educação infantil conceitos sensorial
livro para educação infantil conceitos sensorialNeuroppIsnayaLciaMar
 
CONTO-3º-4º-E-5ºANO-A-PRINCESA-E-A-ERVILHA[1] (1).docx
CONTO-3º-4º-E-5ºANO-A-PRINCESA-E-A-ERVILHA[1] (1).docxCONTO-3º-4º-E-5ºANO-A-PRINCESA-E-A-ERVILHA[1] (1).docx
CONTO-3º-4º-E-5ºANO-A-PRINCESA-E-A-ERVILHA[1] (1).docxEduardaMedeiros18
 

Último (20)

Atividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdf
Atividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdfAtividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdf
Atividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdf
 
Apresentação de vocabulário fundamental em contexto de atendimento
Apresentação de vocabulário fundamental em contexto de atendimentoApresentação de vocabulário fundamental em contexto de atendimento
Apresentação de vocabulário fundamental em contexto de atendimento
 
"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"
"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã""Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"
"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"
 
Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024
Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024
Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024
 
PPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 final
PPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 finalPPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 final
PPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 final
 
O que é uma Revolução Solar. tecnica preditiva
O que é uma Revolução Solar. tecnica preditivaO que é uma Revolução Solar. tecnica preditiva
O que é uma Revolução Solar. tecnica preditiva
 
AULA Saúde e tradição-3º Bimestre tscqv.pptx
AULA Saúde e tradição-3º Bimestre tscqv.pptxAULA Saúde e tradição-3º Bimestre tscqv.pptx
AULA Saúde e tradição-3º Bimestre tscqv.pptx
 
AS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdf
AS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdfAS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdf
AS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdf
 
São Filipe Neri, fundador da a Congregação do Oratório 1515-1595.pptx
São Filipe Neri, fundador da a Congregação do Oratório 1515-1595.pptxSão Filipe Neri, fundador da a Congregação do Oratório 1515-1595.pptx
São Filipe Neri, fundador da a Congregação do Oratório 1515-1595.pptx
 
Recurso da Casa das Ciências: Bateria/Acumulador
Recurso da Casa das Ciências: Bateria/AcumuladorRecurso da Casa das Ciências: Bateria/Acumulador
Recurso da Casa das Ciências: Bateria/Acumulador
 
Labor e Trabalho em A Condição Humana de Hannah Arendt .pdf
Labor e Trabalho em A Condição Humana de Hannah Arendt .pdfLabor e Trabalho em A Condição Humana de Hannah Arendt .pdf
Labor e Trabalho em A Condição Humana de Hannah Arendt .pdf
 
Os Tempos Verbais em Inglês-tempos -dos-
Os Tempos Verbais em Inglês-tempos -dos-Os Tempos Verbais em Inglês-tempos -dos-
Os Tempos Verbais em Inglês-tempos -dos-
 
O carteiro chegou - Janet & Allan Ahlberg
O carteiro chegou - Janet & Allan AhlbergO carteiro chegou - Janet & Allan Ahlberg
O carteiro chegou - Janet & Allan Ahlberg
 
Apresentação sobre as etapas do desenvolvimento infantil
Apresentação sobre as etapas do desenvolvimento infantilApresentação sobre as etapas do desenvolvimento infantil
Apresentação sobre as etapas do desenvolvimento infantil
 
Atividade com a música Xote da Alegria - Falamansa
Atividade com a música Xote  da  Alegria    -   FalamansaAtividade com a música Xote  da  Alegria    -   Falamansa
Atividade com a música Xote da Alegria - Falamansa
 
04_GuiaDoCurso_Neurociência, Psicologia Positiva e Mindfulness.pdf
04_GuiaDoCurso_Neurociência, Psicologia Positiva e Mindfulness.pdf04_GuiaDoCurso_Neurociência, Psicologia Positiva e Mindfulness.pdf
04_GuiaDoCurso_Neurociência, Psicologia Positiva e Mindfulness.pdf
 
Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...
Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...
Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...
 
Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....
Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....
Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....
 
livro para educação infantil conceitos sensorial
livro para educação infantil conceitos sensoriallivro para educação infantil conceitos sensorial
livro para educação infantil conceitos sensorial
 
CONTO-3º-4º-E-5ºANO-A-PRINCESA-E-A-ERVILHA[1] (1).docx
CONTO-3º-4º-E-5ºANO-A-PRINCESA-E-A-ERVILHA[1] (1).docxCONTO-3º-4º-E-5ºANO-A-PRINCESA-E-A-ERVILHA[1] (1).docx
CONTO-3º-4º-E-5ºANO-A-PRINCESA-E-A-ERVILHA[1] (1).docx
 

Pró álcool e-pró-óleo

  • 1. Prof. MSc. Vanessa Carneiro Leite
  • 2.
  • 3. Evitou emissões de gás carbônico da ordem de 110 milhões de toneladas de carbono (contido no CO 2 ), a importação de aproximadamente 550 milhões de barris de petróleo e, ainda, proporcionou uma economia de divisas da ordem de 11,5 bilhões de dólares.
  • 4.
  • 5.
  • 6.
  • 7.  
  • 8.
  • 9.
  • 10.
  • 11. "O motor Diesel pode ser alimentado com óleos vegetais e poderá ajudar consideravelmente o desenvolvimento da agricultura nos países onde ele funcionar. Isto parece um sonho do futuro, mas eu posso predizer com inteira convicção que esse modo de emprego do motor Diesel pode, num dado tempo, adquirir uma grande importância“ Dr. Rudolph Diesel (1911 )
  • 12. Matéria-Prima para Produção de Biodiesel Óleos Vegetais
  • 13. Matéria-Prima para Produção de Biodiesel Óleos Animais
  • 14. Produção do Biodiesel
  • 15. Transesterificação Catalisador Reação de Transesterificação Óleo Vegetal Metanol ou Etanol Biodiesel Glicerina Ácido Básico Enzimático
  • 16. Aspectos Positivos Aspectos Negativos
  • 17.
  • 18. Biodiesel no Brasil Diminuir a dependência dos derivados do Petróleo Incrementar o setor agrícola Gerar empregos Melhoria da qualidade dos grandes centros Provável LÍDER da produção mundial
  • 20. Metanol X Etanol 15/21 Metanol Etanol Álcool Tóxico Cana-de-açúcar Venenoso 100% Renovável Derivado de Petróleo Maior Segurança na Manipulação Mais Barato Maior Disponibilidade
  • 21. Programa Brasileiro de Desenvolvimento Tecnológico de Biodiesel (ProBiodiesel) 30 de Outubro de 2002 O PROBIODIESEL visa “ promover o desenvolvimento científico e tecnológico de biodiesel, a partir de ésteres etílicos de óleos vegetais puros e/ou residuais.” Sua meta é a “viabilidade técnica, sócio-ambiental e econômica do biodiesel de éster etílico (soja e etanol) e metílico, (...)” 16/21 Portaria 702 do Ministério de Ciência e Tecnologia
  • 22. Programa Brasileiro de Desenvolvimento Tecnológico de Biodiesel (ProBiodiesel) Objetivos: Plano de Produção de Biodiesel Incentivo ao Plantio de Diversas Oleaginosas Adição de 2% de Biodiesel no Diesel (B2) 2006 2008 Obrigatório 17/21
  • 23. Referência Bibliográfica 1. COSTA NETO, P.R. Obtenção de Ésteres Alquílicos (Biodiesel) por Via Enzimática a partir de Óleo de Soja. Tese de Doutorado; Curso de Pós-Graduação em Química da Universidade Federal de Santa Catarina, 2002. 2. OBREGÓN, C.L. Obtenção de Biodiesel através da Transesterificação Enzimática: Energia Alternativa para Auto-desenvolvimento, Prêmio Mercosul de Ciência e Tecnologia , 2004. 3. OLIVEIRA D., OLIVEIRA J.V., FACCIO C., MENONCIN S., AMROGINSKI C., Influência das Variáveis de Processo na Alcoólise Enzimática de Óleo de Mamona, Cient. Tecnol. Aliment. , 2004; 4. PASSEY R. , Biodiesel: A Fuel for the Future. Disponível em: http:/www.suitnability.doc.wa.gov.au/CaseStudies/biodiesel/biodiesel.htm Último acesso em: Novembro/2005. 5. PINHEIRO S. , Biodiesel: A Inteligência Nativa e a Ingenuidade Britânica. Disponível em: http://www.biodieselecooleo.com.br/noticias/modules.php . Último acesso em: Novembro/2005. 6. Programa Nacional de Produção e Uso de Biodiesel. Disponível em: http://www.biodiesel.gov.br/informacoes.html . Último acesso em: Novembro/2005. 7. http:// www.eca.usp.br/.../ voxscientiae/william15.html . Último acesso em: Novembro/2005 20/21