SlideShare uma empresa Scribd logo
3 / 1	
	
INFORMAÇÕES DO NÚCLEO DE ESTÁGIO DA UFPR
Informe 1 - 23/11/2011
Lilian Deisy Franzoni
Coordenadora da Coordenação Geral de Estágios – CGE - UFPR/PROGRAD
P01) Podemos considerar um contrato de estágio não-obrigatório como válido
para a disciplina de estágio? (alguns alunos dizem que a empresa prefere
trabalhar com estágio não-obrigatório)
R01) Sim é possível reconhecer, desde que previamente acertado como
obrigatório, devendo o aluno estar matriculado na disciplina, e acima de
tudo, que as atividades propostas no plano do estágio possam atingir os
objetivos propostas na disciplina de estágio obrigatório, além disso é
fundamental ter o acompanhamento de um professor orientador (q. é o
professor da disciplina) - o Colegiado de Curso e a COE-Comissão
Orientadora de Estágio tem a competência para deliberar sobre a
questão.
P02) Um contrato pode ser firmado retroativamente? Isto é: o aluno começa a
trabalhar e depois firma contrato de estágio considerando as horas passadas de
trabalho.
R02) Não é possível em função das cobranças impostas na legislação de
estágio vigentes. Não podemos retroagir a data de reconhecimento do
estágio, pois quando assinamos o contrato do aluno , a instituição de
ensino está assumindo juridicamente as suas atribuições perante o
estágio e estagiário, no que diz respeito a controle de seguro e
acompanhamento e assim não podemos nos responsabilizar pelo que
ficou no passado; - no nosso modelo padronizado de termo de
compromisso, existe uma clásula que proíbe retroagir.
P03) Como agir no caso de aluno que começa a estagiar e, antes de completar
as 360 horas exigidas pela disciplina, é contratado (carteira assinada) ?
R03) É preciso que o aluno notifique ao Curso e CGE a nova condição,
fazendo a rescisão do contrato de estágio e em substituição, preencha o
formulário de "Estágio de Estudante Funcionário" que pode ser acessado
no sítio da CGE, www.estágios.ufpr.br/formularios.
3 / 2	
	
P04) E no caso de o aluno já estar contratado (carteira assinada) por uma
empresa antes de começar a disciplina de estágio?
R04) Regulamentar o estágio mediante o mesmo formulário da pergunta
anterior.
P05) Como agir no caso de um aluno que tem a sua própria empresa ou então é
sócio de uma empresa ou então trabalha em empresa da família?
R05) Quando o aluno é proprietário ou sócio da empresa, é feito o
convênio entre a UFPR e a empresa, e somente o plano de estágio do
aluno, devidamente aprovado pela COE do Curso e professor orientador -
essa documentação também esta disponível no sítio acima mencionado;
quando a empresa for de parente e não conste o nome dele como sócio
ou proprietário, o procedimento é o mesmo da P03.
P06) O aluno viaja para o exterior em esquema de convênio inter-institucional e
acaba por realizar um estágio no exterior. Qual o procedimento neste caso?
R06) No caso de estágio no exterior, mesmo que ele esteja fazendo
intercâmbio oficial, é preciso cumprir o que determina a Instrução
Normativa nº 01/93-CEPE que regulamenta essa matéria e o estágio
deve ser autorizado pela CGE - a IN está disponível no síto
www.estágios.ufpr.br/normatização interna (cabe informar que essa IN
está em processo de revisão pelo Colegiado da PROGRAD e futuramente
pelo CEPE).
P07) O aluno começa a trabalhar em uma empresa onde desenvolve um
trabalho na área de Design (Programação Visual), mas o seu supervisor não é
designer. O supervisor é válido neste caso?Note-se que, muitas vezes, eles são
administradores, profissionais da área de informática, publicitários, arquitetos,
etc.
R07) Pela legislação não pode, deve ser na área de formação ou área
afim; mas se o supervisor é administrador, p.ex. e tiver uma pós na área,
nesse caso pode.
P08) O aluno começa um estágio obrigatório em uma empresa, mas desiste no
caminho e muda para outra empresa, onde estagia em regime também de
estagio obrigatório. Como agir neste caso se o aluno completar as 360 hs em 2
ou 3 empresas?
R08) Sempre o que deve contar é a questão do desempenho do aluno e
aproveitamento desses estágio no "olhar pedagógico" - se os objetivos
foram atingidos e as experiências dos estágios trouxerem contribuição
3 / 3	
	
efetiva na formação profissional desse aluno e ele cumprir as 360 hs. , é
válido.
Informe 2 - 19/03/2012
Walter Dilay
Membro da Equipe da Coordenação Geral de Estágios – CGE - UFPR/PROGRAD
P09) Qual o número máximo e mínimo de horas que um aluno pode realizar em seu
estágio?
R09) Pela LEI Nº 11.788, DE 25 DE SETEMBRO DE 2008, a Lei Geral de
Estágio, Art. 10, § 1o, o aluno pode trabalhar no máximo 40 hs semanais (8
horas diárias) em regime de estágio obrigatório. Não existe uma norma para
definir o mínimo de horas a ser trabalhado por dia em regime de estágio
obrigatório. Note que se o aluno trabalhar 1 (uma) hora por dia, 5 dias por
semana, ele perfaz 5 horas semanais e 20 horas por mês. Neste caso, termina o
estágio em 18 meses, o que é inviável por ultrapassar o período da disciplina
que é de 1 (um) ano. Fazendo 2 (duas) horas por dia, o estágio é completado
em 9 meses, o que é viável. Assim, o número mínimo de horas passível de ser
cumprido é de 2 (duas) horas por dia.
P10) É possível realizar um estágio obrigatório trabalhando em algum órgão da UFPR?
R10) Sim, é possível, mas a ORIENTAÇÃO NORMATIVA Nº 7, DE 30 DE
OUTUBRO DE 2008 do MINISTÉRIO DO PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E
GESTÃO, estabelece em seu Art. 3º que o estágio obrigatório somente será
realizado sem ônus para os órgãos e entidades, ou seja, o aluno não poderá ser
remunerado realizando estágio obrigatório na UFPR, mas pode ser remunerado
em regime de estágio não-obrigatório.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

aba autismo 07.04.15 (2)
 aba autismo 07.04.15 (2) aba autismo 07.04.15 (2)
aba autismo 07.04.15 (2)
Deco Moraes
 
1. noções básicas de estrutura
1. noções básicas de estrutura1. noções básicas de estrutura
1. noções básicas de estrutura
Willian De Sá
 
Fundamentos da psicopedagogia
Fundamentos da psicopedagogiaFundamentos da psicopedagogia
Fundamentos da psicopedagogia
UNICEP
 
Slides deficiencia mental
Slides deficiencia mentalSlides deficiencia mental
Slides deficiencia mental
Adriana Lopes Villalva
 
Construtivismo na educação
Construtivismo na educaçãoConstrutivismo na educação
Construtivismo na educação
Julie Christie Do Brasil
 
Teoria Sócio-interacionista
Teoria Sócio-interacionistaTeoria Sócio-interacionista
Teoria Sócio-interacionista
Marcelo Ramos
 
1 apresentação - amélia rosa jatiuca maceió al - cesmac e sempla
1   apresentação - amélia rosa jatiuca maceió al - cesmac e sempla1   apresentação - amélia rosa jatiuca maceió al - cesmac e sempla
1 apresentação - amélia rosa jatiuca maceió al - cesmac e sempla
Marcela Jambo
 
Jean Piaget
Jean PiagetJean Piaget
Jean Piaget
Joemille Leal
 
Análise de dependência espacial em R
Análise de dependência espacial em RAnálise de dependência espacial em R
Análise de dependência espacial em R
Vitor Vieira Vasconcelos
 
Aula Amostragem Contábeis
Aula Amostragem ContábeisAula Amostragem Contábeis
Aula Amostragem Contábeis
PatriciaBarros20
 
Métodos e Técnicas de Análise da Informação para Planejamento
Métodos e Técnicas de Análise da Informação para PlanejamentoMétodos e Técnicas de Análise da Informação para Planejamento
Métodos e Técnicas de Análise da Informação para Planejamento
Vitor Vieira Vasconcelos
 
Trabalhos em solos aula 02
Trabalhos em solos aula 02  Trabalhos em solos aula 02
Trabalhos em solos aula 02
Sérgio Peixoto
 
TCC MARIA REGINA
TCC MARIA REGINATCC MARIA REGINA
TCC MARIA REGINA
Maria Regina Veloso
 
Calculo de rumos e azimutes2
Calculo de rumos e azimutes2Calculo de rumos e azimutes2
Calculo de rumos e azimutes2
botelho_19
 
Metodologia da educação infantil
Metodologia da educação infantilMetodologia da educação infantil
Metodologia da educação infantil
Marília Bogéa
 
Slides a teoria de jean piaget 2011
Slides   a teoria de jean piaget 2011Slides   a teoria de jean piaget 2011
Slides a teoria de jean piaget 2011
MariaJoseBelemCordeiro
 
Aula azimute e rumo7
Aula azimute e rumo7Aula azimute e rumo7
Aula azimute e rumo7
Haythalles Sarmento
 
1. teorias do desenvolvimento
1. teorias do desenvolvimento1. teorias do desenvolvimento
1. teorias do desenvolvimento
Claudinéia da Silva de Oliveira
 
A linguagem e o Pensamento da Criança
A linguagem e o Pensamento da Criança   A linguagem e o Pensamento da Criança
A linguagem e o Pensamento da Criança
Coach Jean Carlos Souza
 
Arquitetura Escolar - Prancha TCC Arquitetura - Temas para TCC
Arquitetura Escolar - Prancha TCC Arquitetura - Temas para TCCArquitetura Escolar - Prancha TCC Arquitetura - Temas para TCC
Arquitetura Escolar - Prancha TCC Arquitetura - Temas para TCC
Temas para TCC
 

Mais procurados (20)

aba autismo 07.04.15 (2)
 aba autismo 07.04.15 (2) aba autismo 07.04.15 (2)
aba autismo 07.04.15 (2)
 
1. noções básicas de estrutura
1. noções básicas de estrutura1. noções básicas de estrutura
1. noções básicas de estrutura
 
Fundamentos da psicopedagogia
Fundamentos da psicopedagogiaFundamentos da psicopedagogia
Fundamentos da psicopedagogia
 
Slides deficiencia mental
Slides deficiencia mentalSlides deficiencia mental
Slides deficiencia mental
 
Construtivismo na educação
Construtivismo na educaçãoConstrutivismo na educação
Construtivismo na educação
 
Teoria Sócio-interacionista
Teoria Sócio-interacionistaTeoria Sócio-interacionista
Teoria Sócio-interacionista
 
1 apresentação - amélia rosa jatiuca maceió al - cesmac e sempla
1   apresentação - amélia rosa jatiuca maceió al - cesmac e sempla1   apresentação - amélia rosa jatiuca maceió al - cesmac e sempla
1 apresentação - amélia rosa jatiuca maceió al - cesmac e sempla
 
Jean Piaget
Jean PiagetJean Piaget
Jean Piaget
 
Análise de dependência espacial em R
Análise de dependência espacial em RAnálise de dependência espacial em R
Análise de dependência espacial em R
 
Aula Amostragem Contábeis
Aula Amostragem ContábeisAula Amostragem Contábeis
Aula Amostragem Contábeis
 
Métodos e Técnicas de Análise da Informação para Planejamento
Métodos e Técnicas de Análise da Informação para PlanejamentoMétodos e Técnicas de Análise da Informação para Planejamento
Métodos e Técnicas de Análise da Informação para Planejamento
 
Trabalhos em solos aula 02
Trabalhos em solos aula 02  Trabalhos em solos aula 02
Trabalhos em solos aula 02
 
TCC MARIA REGINA
TCC MARIA REGINATCC MARIA REGINA
TCC MARIA REGINA
 
Calculo de rumos e azimutes2
Calculo de rumos e azimutes2Calculo de rumos e azimutes2
Calculo de rumos e azimutes2
 
Metodologia da educação infantil
Metodologia da educação infantilMetodologia da educação infantil
Metodologia da educação infantil
 
Slides a teoria de jean piaget 2011
Slides   a teoria de jean piaget 2011Slides   a teoria de jean piaget 2011
Slides a teoria de jean piaget 2011
 
Aula azimute e rumo7
Aula azimute e rumo7Aula azimute e rumo7
Aula azimute e rumo7
 
1. teorias do desenvolvimento
1. teorias do desenvolvimento1. teorias do desenvolvimento
1. teorias do desenvolvimento
 
A linguagem e o Pensamento da Criança
A linguagem e o Pensamento da Criança   A linguagem e o Pensamento da Criança
A linguagem e o Pensamento da Criança
 
Arquitetura Escolar - Prancha TCC Arquitetura - Temas para TCC
Arquitetura Escolar - Prancha TCC Arquitetura - Temas para TCCArquitetura Escolar - Prancha TCC Arquitetura - Temas para TCC
Arquitetura Escolar - Prancha TCC Arquitetura - Temas para TCC
 

Destaque

Relatório de atividades do estágio estagiário
Relatório de atividades do estágio   estagiárioRelatório de atividades do estágio   estagiário
Relatório de atividades do estágio estagiário
waniaguiar
 
Projeto de lei de criação da secretaria municipal de cultura, esporte, lazer ...
Projeto de lei de criação da secretaria municipal de cultura, esporte, lazer ...Projeto de lei de criação da secretaria municipal de cultura, esporte, lazer ...
Projeto de lei de criação da secretaria municipal de cultura, esporte, lazer ...
Antonio Rocha de Sousa
 
Relatorio2013 da Secretaria de Cultura, Turismo e Esportes de Tuparetama-PE
Relatorio2013 da Secretaria de Cultura, Turismo e Esportes de Tuparetama-PERelatorio2013 da Secretaria de Cultura, Turismo e Esportes de Tuparetama-PE
Relatorio2013 da Secretaria de Cultura, Turismo e Esportes de Tuparetama-PE
Tarcio Oliveira
 
Relatório de segurança do trabalho
Relatório de segurança do trabalhoRelatório de segurança do trabalho
Relatório de segurança do trabalho
ACS AULAS PARTICULARES
 
Relatório de Estágio - Técnico em Segurança do Trabalho - Modelo
Relatório de Estágio - Técnico em Segurança do Trabalho - ModeloRelatório de Estágio - Técnico em Segurança do Trabalho - Modelo
Relatório de Estágio - Técnico em Segurança do Trabalho - Modelo
Pedro Lisboa
 
Relatórios Educação Infantil
Relatórios Educação InfantilRelatórios Educação Infantil
Relatórios Educação Infantil
Melissa Oliveira
 
Relatório de atividades projeto alimentação saudável na escola
Relatório de atividades projeto alimentação saudável na escolaRelatório de atividades projeto alimentação saudável na escola
Relatório de atividades projeto alimentação saudável na escola
Decilene
 
Relatório estágio
Relatório  estágioRelatório  estágio
Relatório estágio
Maria da C.A.Versiani
 
Modelo relatório individual
Modelo relatório individualModelo relatório individual
Modelo relatório individual
straraposa
 
Relatório final de estágio
Relatório final de estágio Relatório final de estágio
Relatório final de estágio
Monique Elen Rodrigues de Araújo Oliveira
 
Relatorio final pronto!
Relatorio final pronto!Relatorio final pronto!
Relatorio final pronto!
Silvio Medeiros
 
Modelo relatorio
Modelo relatorioModelo relatorio
Modelo relatorio
rsaloes
 

Destaque (12)

Relatório de atividades do estágio estagiário
Relatório de atividades do estágio   estagiárioRelatório de atividades do estágio   estagiário
Relatório de atividades do estágio estagiário
 
Projeto de lei de criação da secretaria municipal de cultura, esporte, lazer ...
Projeto de lei de criação da secretaria municipal de cultura, esporte, lazer ...Projeto de lei de criação da secretaria municipal de cultura, esporte, lazer ...
Projeto de lei de criação da secretaria municipal de cultura, esporte, lazer ...
 
Relatorio2013 da Secretaria de Cultura, Turismo e Esportes de Tuparetama-PE
Relatorio2013 da Secretaria de Cultura, Turismo e Esportes de Tuparetama-PERelatorio2013 da Secretaria de Cultura, Turismo e Esportes de Tuparetama-PE
Relatorio2013 da Secretaria de Cultura, Turismo e Esportes de Tuparetama-PE
 
Relatório de segurança do trabalho
Relatório de segurança do trabalhoRelatório de segurança do trabalho
Relatório de segurança do trabalho
 
Relatório de Estágio - Técnico em Segurança do Trabalho - Modelo
Relatório de Estágio - Técnico em Segurança do Trabalho - ModeloRelatório de Estágio - Técnico em Segurança do Trabalho - Modelo
Relatório de Estágio - Técnico em Segurança do Trabalho - Modelo
 
Relatórios Educação Infantil
Relatórios Educação InfantilRelatórios Educação Infantil
Relatórios Educação Infantil
 
Relatório de atividades projeto alimentação saudável na escola
Relatório de atividades projeto alimentação saudável na escolaRelatório de atividades projeto alimentação saudável na escola
Relatório de atividades projeto alimentação saudável na escola
 
Relatório estágio
Relatório  estágioRelatório  estágio
Relatório estágio
 
Modelo relatório individual
Modelo relatório individualModelo relatório individual
Modelo relatório individual
 
Relatório final de estágio
Relatório final de estágio Relatório final de estágio
Relatório final de estágio
 
Relatorio final pronto!
Relatorio final pronto!Relatorio final pronto!
Relatorio final pronto!
 
Modelo relatorio
Modelo relatorioModelo relatorio
Modelo relatorio
 

Semelhante a Estágio - Informações Núcleo de Estágios da UFPR

PPT Live esclarecimentos- definitivo.pptx
PPT Live esclarecimentos- definitivo.pptxPPT Live esclarecimentos- definitivo.pptx
PPT Live esclarecimentos- definitivo.pptx
Sheila Prado
 
Manual TCE - passo a passo - Aluno!..pdf
Manual TCE - passo a passo - Aluno!..pdfManual TCE - passo a passo - Aluno!..pdf
Manual TCE - passo a passo - Aluno!..pdf
RonilsonAlmeida3
 
Cartilha do Estágio.pdf
Cartilha do Estágio.pdfCartilha do Estágio.pdf
Cartilha do Estágio.pdf
CristianaRodrigues67
 
Procedimentos para estágio EAD
Procedimentos para estágio EADProcedimentos para estágio EAD
Procedimentos para estágio EAD
celaotur
 
Opet Placement
Opet PlacementOpet Placement
Opet Placement
alvaropsy
 
Programa aprendiz paulista
Programa aprendiz paulistaPrograma aprendiz paulista
Programa aprendiz paulista
José Luiz Graunna
 
Cartilha_estagio.pdf
Cartilha_estagio.pdfCartilha_estagio.pdf
Cartilha_estagio.pdf
ProfessorRodrigoSilv
 
Lei do estagiário
Lei do estagiárioLei do estagiário
Lei do estagiário
Portal_Ecaderno
 
Apresentação Palestra Jovem Aprendiz
Apresentação Palestra Jovem AprendizApresentação Palestra Jovem Aprendiz
Apresentação Palestra Jovem Aprendiz
Universidade Corporativa do Transporte
 
Cartilha agropecuaria1
Cartilha agropecuaria1Cartilha agropecuaria1
Cartilha agropecuaria1
Miguel Alves de Santana
 
Documento elaborado pela secretaria de legislação e defesa dos associados
Documento elaborado pela secretaria de legislação e defesa dos associadosDocumento elaborado pela secretaria de legislação e defesa dos associados
Documento elaborado pela secretaria de legislação e defesa dos associados
Apeoesp Vale Do Ribeira
 
Orientações jurídicas 2º caderno
Orientações jurídicas   2º cadernoOrientações jurídicas   2º caderno
Orientações jurídicas 2º caderno
Armazém Do Educador
 
Novo modelo de trilhas
Novo modelo de trilhasNovo modelo de trilhas
Novo modelo de trilhas
Renan Fineto
 
Guia prexi 2016-02
Guia prexi 2016-02Guia prexi 2016-02
Guia prexi 2016-02
pablonaba
 
Guia prexi 2015
Guia prexi 2015Guia prexi 2015
Guia prexi 2015
Uninove - Santo Amaro
 
Guia prexi 2015
Guia prexi 2015Guia prexi 2015
Guia prexi 2015
pablonaba
 
Resumo -aula_26_08_2011
Resumo  -aula_26_08_2011Resumo  -aula_26_08_2011
Resumo -aula_26_08_2011
Servacfb
 
Resumo -aula_26_08_2011
Resumo  -aula_26_08_2011Resumo  -aula_26_08_2011
Resumo -aula_26_08_2011
Servacfb
 
Aula 180411
Aula 180411Aula 180411
Aula 180411
AndreaPfeiffer
 
Estágio – regulamentos e leis
Estágio – regulamentos e leisEstágio – regulamentos e leis
Estágio – regulamentos e leis
profealbattaiola
 

Semelhante a Estágio - Informações Núcleo de Estágios da UFPR (20)

PPT Live esclarecimentos- definitivo.pptx
PPT Live esclarecimentos- definitivo.pptxPPT Live esclarecimentos- definitivo.pptx
PPT Live esclarecimentos- definitivo.pptx
 
Manual TCE - passo a passo - Aluno!..pdf
Manual TCE - passo a passo - Aluno!..pdfManual TCE - passo a passo - Aluno!..pdf
Manual TCE - passo a passo - Aluno!..pdf
 
Cartilha do Estágio.pdf
Cartilha do Estágio.pdfCartilha do Estágio.pdf
Cartilha do Estágio.pdf
 
Procedimentos para estágio EAD
Procedimentos para estágio EADProcedimentos para estágio EAD
Procedimentos para estágio EAD
 
Opet Placement
Opet PlacementOpet Placement
Opet Placement
 
Programa aprendiz paulista
Programa aprendiz paulistaPrograma aprendiz paulista
Programa aprendiz paulista
 
Cartilha_estagio.pdf
Cartilha_estagio.pdfCartilha_estagio.pdf
Cartilha_estagio.pdf
 
Lei do estagiário
Lei do estagiárioLei do estagiário
Lei do estagiário
 
Apresentação Palestra Jovem Aprendiz
Apresentação Palestra Jovem AprendizApresentação Palestra Jovem Aprendiz
Apresentação Palestra Jovem Aprendiz
 
Cartilha agropecuaria1
Cartilha agropecuaria1Cartilha agropecuaria1
Cartilha agropecuaria1
 
Documento elaborado pela secretaria de legislação e defesa dos associados
Documento elaborado pela secretaria de legislação e defesa dos associadosDocumento elaborado pela secretaria de legislação e defesa dos associados
Documento elaborado pela secretaria de legislação e defesa dos associados
 
Orientações jurídicas 2º caderno
Orientações jurídicas   2º cadernoOrientações jurídicas   2º caderno
Orientações jurídicas 2º caderno
 
Novo modelo de trilhas
Novo modelo de trilhasNovo modelo de trilhas
Novo modelo de trilhas
 
Guia prexi 2016-02
Guia prexi 2016-02Guia prexi 2016-02
Guia prexi 2016-02
 
Guia prexi 2015
Guia prexi 2015Guia prexi 2015
Guia prexi 2015
 
Guia prexi 2015
Guia prexi 2015Guia prexi 2015
Guia prexi 2015
 
Resumo -aula_26_08_2011
Resumo  -aula_26_08_2011Resumo  -aula_26_08_2011
Resumo -aula_26_08_2011
 
Resumo -aula_26_08_2011
Resumo  -aula_26_08_2011Resumo  -aula_26_08_2011
Resumo -aula_26_08_2011
 
Aula 180411
Aula 180411Aula 180411
Aula 180411
 
Estágio – regulamentos e leis
Estágio – regulamentos e leisEstágio – regulamentos e leis
Estágio – regulamentos e leis
 

Mais de profealbattaiola

Anim2 Aula11 Preço_Custo
Anim2 Aula11 Preço_CustoAnim2 Aula11 Preço_Custo
Anim2 Aula11 Preço_Custo
profealbattaiola
 
Anim2 aula10 softwares
Anim2 aula10 softwaresAnim2 aula10 softwares
Anim2 aula10 softwares
profealbattaiola
 
Anim2 aula0809 Cores_Background
Anim2 aula0809 Cores_BackgroundAnim2 aula0809 Cores_Background
Anim2 aula0809 Cores_Background
profealbattaiola
 
Anim2 Aula07 Temporizacao
Anim2 Aula07 TemporizacaoAnim2 Aula07 Temporizacao
Anim2 Aula07 Temporizacao
profealbattaiola
 
Anim2 Aula06 Sincronia
Anim2 Aula06 SincroniaAnim2 Aula06 Sincronia
Anim2 Aula06 Sincronia
profealbattaiola
 
Anim2 Aula05 Planejamento
Anim2 Aula05 PlanejamentoAnim2 Aula05 Planejamento
Anim2 Aula05 Planejamento
profealbattaiola
 
Anim2 Aula04 Ciclo de Caminhada
Anim2 Aula04 Ciclo de CaminhadaAnim2 Aula04 Ciclo de Caminhada
Anim2 Aula04 Ciclo de Caminhada
profealbattaiola
 
Anim2 Aula03 truques
Anim2 Aula03 truquesAnim2 Aula03 truques
Anim2 Aula03 truques
profealbattaiola
 
Anim2 aula02 tecnicas2
Anim2 aula02 tecnicas2Anim2 aula02 tecnicas2
Anim2 aula02 tecnicas2
profealbattaiola
 
Anim2 Aula01 Percepcao
Anim2 Aula01 PercepcaoAnim2 Aula01 Percepcao
Anim2 Aula01 Percepcao
profealbattaiola
 
Animação 1 - Personagens - Expressões e Posturas
Animação 1 - Personagens - Expressões e PosturasAnimação 1 - Personagens - Expressões e Posturas
Animação 1 - Personagens - Expressões e Posturas
profealbattaiola
 
NormasLegis - (4) Música - Plágio
NormasLegis - (4) Música - PlágioNormasLegis - (4) Música - Plágio
NormasLegis - (4) Música - Plágio
profealbattaiola
 
NormasLegis - (3) Fotografia - Caso Putz e Irmã Zuleide
NormasLegis - (3) Fotografia - Caso Putz e Irmã ZuleideNormasLegis - (3) Fotografia - Caso Putz e Irmã Zuleide
NormasLegis - (3) Fotografia - Caso Putz e Irmã Zuleide
profealbattaiola
 
NormasLegis - (2) Direito de Autor
NormasLegis - (2) Direito de AutorNormasLegis - (2) Direito de Autor
NormasLegis - (2) Direito de Autor
profealbattaiola
 
NormasLegis - (1) Criações Intelectuais
NormasLegis - (1) Criações IntelectuaisNormasLegis - (1) Criações Intelectuais
NormasLegis - (1) Criações Intelectuais
profealbattaiola
 
Animação 2 - Princípios de Animação
Animação 2 - Princípios de AnimaçãoAnimação 2 - Princípios de Animação
Animação 2 - Princípios de Animação
profealbattaiola
 
Animação 2 - Ciclo de Caminhada
Animação 2 - Ciclo de CaminhadaAnimação 2 - Ciclo de Caminhada
Animação 2 - Ciclo de Caminhada
profealbattaiola
 
Ementa hd714 2013
Ementa hd714 2013Ementa hd714 2013
Ementa hd714 2013
profealbattaiola
 
Animação 1 - Roteiro (4) Decupagem e Formatacao do Roteiro
Animação 1 - Roteiro (4) Decupagem e Formatacao do RoteiroAnimação 1 - Roteiro (4) Decupagem e Formatacao do Roteiro
Animação 1 - Roteiro (4) Decupagem e Formatacao do Roteiro
profealbattaiola
 
Animação 1 - Storyboard
Animação 1 - StoryboardAnimação 1 - Storyboard
Animação 1 - Storyboard
profealbattaiola
 

Mais de profealbattaiola (20)

Anim2 Aula11 Preço_Custo
Anim2 Aula11 Preço_CustoAnim2 Aula11 Preço_Custo
Anim2 Aula11 Preço_Custo
 
Anim2 aula10 softwares
Anim2 aula10 softwaresAnim2 aula10 softwares
Anim2 aula10 softwares
 
Anim2 aula0809 Cores_Background
Anim2 aula0809 Cores_BackgroundAnim2 aula0809 Cores_Background
Anim2 aula0809 Cores_Background
 
Anim2 Aula07 Temporizacao
Anim2 Aula07 TemporizacaoAnim2 Aula07 Temporizacao
Anim2 Aula07 Temporizacao
 
Anim2 Aula06 Sincronia
Anim2 Aula06 SincroniaAnim2 Aula06 Sincronia
Anim2 Aula06 Sincronia
 
Anim2 Aula05 Planejamento
Anim2 Aula05 PlanejamentoAnim2 Aula05 Planejamento
Anim2 Aula05 Planejamento
 
Anim2 Aula04 Ciclo de Caminhada
Anim2 Aula04 Ciclo de CaminhadaAnim2 Aula04 Ciclo de Caminhada
Anim2 Aula04 Ciclo de Caminhada
 
Anim2 Aula03 truques
Anim2 Aula03 truquesAnim2 Aula03 truques
Anim2 Aula03 truques
 
Anim2 aula02 tecnicas2
Anim2 aula02 tecnicas2Anim2 aula02 tecnicas2
Anim2 aula02 tecnicas2
 
Anim2 Aula01 Percepcao
Anim2 Aula01 PercepcaoAnim2 Aula01 Percepcao
Anim2 Aula01 Percepcao
 
Animação 1 - Personagens - Expressões e Posturas
Animação 1 - Personagens - Expressões e PosturasAnimação 1 - Personagens - Expressões e Posturas
Animação 1 - Personagens - Expressões e Posturas
 
NormasLegis - (4) Música - Plágio
NormasLegis - (4) Música - PlágioNormasLegis - (4) Música - Plágio
NormasLegis - (4) Música - Plágio
 
NormasLegis - (3) Fotografia - Caso Putz e Irmã Zuleide
NormasLegis - (3) Fotografia - Caso Putz e Irmã ZuleideNormasLegis - (3) Fotografia - Caso Putz e Irmã Zuleide
NormasLegis - (3) Fotografia - Caso Putz e Irmã Zuleide
 
NormasLegis - (2) Direito de Autor
NormasLegis - (2) Direito de AutorNormasLegis - (2) Direito de Autor
NormasLegis - (2) Direito de Autor
 
NormasLegis - (1) Criações Intelectuais
NormasLegis - (1) Criações IntelectuaisNormasLegis - (1) Criações Intelectuais
NormasLegis - (1) Criações Intelectuais
 
Animação 2 - Princípios de Animação
Animação 2 - Princípios de AnimaçãoAnimação 2 - Princípios de Animação
Animação 2 - Princípios de Animação
 
Animação 2 - Ciclo de Caminhada
Animação 2 - Ciclo de CaminhadaAnimação 2 - Ciclo de Caminhada
Animação 2 - Ciclo de Caminhada
 
Ementa hd714 2013
Ementa hd714 2013Ementa hd714 2013
Ementa hd714 2013
 
Animação 1 - Roteiro (4) Decupagem e Formatacao do Roteiro
Animação 1 - Roteiro (4) Decupagem e Formatacao do RoteiroAnimação 1 - Roteiro (4) Decupagem e Formatacao do Roteiro
Animação 1 - Roteiro (4) Decupagem e Formatacao do Roteiro
 
Animação 1 - Storyboard
Animação 1 - StoryboardAnimação 1 - Storyboard
Animação 1 - Storyboard
 

Último

Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
Educação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideiaEducação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideia
Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
joseanesouza36
 
Slides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptx
Slides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptxSlides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptx
Slides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
educação inclusiva na atualidade como ela se estabelece atualmente
educação inclusiva na atualidade como ela se estabelece atualmenteeducação inclusiva na atualidade como ela se estabelece atualmente
educação inclusiva na atualidade como ela se estabelece atualmente
DeuzinhaAzevedo
 
CADERNO DE CONCEITOS E ORIENTAÇÕES DO CENSO ESCOLAR 2024.pdf
CADERNO DE CONCEITOS E ORIENTAÇÕES DO CENSO ESCOLAR 2024.pdfCADERNO DE CONCEITOS E ORIENTAÇÕES DO CENSO ESCOLAR 2024.pdf
CADERNO DE CONCEITOS E ORIENTAÇÕES DO CENSO ESCOLAR 2024.pdf
NatySousa3
 
0002_matematica_6ano livro de matemática
0002_matematica_6ano livro de matemática0002_matematica_6ano livro de matemática
0002_matematica_6ano livro de matemática
Giovana Gomes da Silva
 
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo FreireLivro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
WelberMerlinCardoso
 
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptxTreinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
MarcosPaulo777883
 
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
SILVIAREGINANAZARECA
 
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
Biblioteca UCS
 
PowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdf
PowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdfPowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdf
PowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdf
1000a
 
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdfA QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
AurelianoFerreirades2
 
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.pptEstrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
livrosjovert
 
Slides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptx
Slides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptxSlides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptx
Slides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
“A classe operária vai ao paraíso os modos de produzir e trabalhar ao longo ...
“A classe operária vai ao paraíso  os modos de produzir e trabalhar ao longo ...“A classe operária vai ao paraíso  os modos de produzir e trabalhar ao longo ...
“A classe operária vai ao paraíso os modos de produzir e trabalhar ao longo ...
AdrianoMontagna1
 
Funções e Progressões - Livro completo prisma
Funções e Progressões - Livro completo prismaFunções e Progressões - Livro completo prisma
Funções e Progressões - Livro completo prisma
djincognito
 
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
LucianaCristina58
 
Aula história , caracteristicas e esteriótipos em relação a DANÇA DE SALAO.pptx
Aula história , caracteristicas e esteriótipos em relação a DANÇA DE SALAO.pptxAula história , caracteristicas e esteriótipos em relação a DANÇA DE SALAO.pptx
Aula história , caracteristicas e esteriótipos em relação a DANÇA DE SALAO.pptx
edivirgesribeiro1
 
O sentimento nacional brasiliero, segundo o historiador Jose Murlo de Carvalho
O sentimento nacional brasiliero, segundo o historiador Jose Murlo de CarvalhoO sentimento nacional brasiliero, segundo o historiador Jose Murlo de Carvalho
O sentimento nacional brasiliero, segundo o historiador Jose Murlo de Carvalho
analuisasesso
 
Egito antigo resumo - aula de história.pdf
Egito antigo resumo - aula de história.pdfEgito antigo resumo - aula de história.pdf
Egito antigo resumo - aula de história.pdf
sthefanydesr
 
apresentação sobre Clarice Lispector .pptx
apresentação sobre Clarice Lispector .pptxapresentação sobre Clarice Lispector .pptx
apresentação sobre Clarice Lispector .pptx
JuliaMachado73
 

Último (20)

Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
Educação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideiaEducação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideia
Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
 
Slides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptx
Slides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptxSlides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptx
Slides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptx
 
educação inclusiva na atualidade como ela se estabelece atualmente
educação inclusiva na atualidade como ela se estabelece atualmenteeducação inclusiva na atualidade como ela se estabelece atualmente
educação inclusiva na atualidade como ela se estabelece atualmente
 
CADERNO DE CONCEITOS E ORIENTAÇÕES DO CENSO ESCOLAR 2024.pdf
CADERNO DE CONCEITOS E ORIENTAÇÕES DO CENSO ESCOLAR 2024.pdfCADERNO DE CONCEITOS E ORIENTAÇÕES DO CENSO ESCOLAR 2024.pdf
CADERNO DE CONCEITOS E ORIENTAÇÕES DO CENSO ESCOLAR 2024.pdf
 
0002_matematica_6ano livro de matemática
0002_matematica_6ano livro de matemática0002_matematica_6ano livro de matemática
0002_matematica_6ano livro de matemática
 
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo FreireLivro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
 
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptxTreinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
 
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
 
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
 
PowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdf
PowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdfPowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdf
PowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdf
 
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdfA QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
 
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.pptEstrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
 
Slides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptx
Slides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptxSlides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptx
Slides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptx
 
“A classe operária vai ao paraíso os modos de produzir e trabalhar ao longo ...
“A classe operária vai ao paraíso  os modos de produzir e trabalhar ao longo ...“A classe operária vai ao paraíso  os modos de produzir e trabalhar ao longo ...
“A classe operária vai ao paraíso os modos de produzir e trabalhar ao longo ...
 
Funções e Progressões - Livro completo prisma
Funções e Progressões - Livro completo prismaFunções e Progressões - Livro completo prisma
Funções e Progressões - Livro completo prisma
 
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
 
Aula história , caracteristicas e esteriótipos em relação a DANÇA DE SALAO.pptx
Aula história , caracteristicas e esteriótipos em relação a DANÇA DE SALAO.pptxAula história , caracteristicas e esteriótipos em relação a DANÇA DE SALAO.pptx
Aula história , caracteristicas e esteriótipos em relação a DANÇA DE SALAO.pptx
 
O sentimento nacional brasiliero, segundo o historiador Jose Murlo de Carvalho
O sentimento nacional brasiliero, segundo o historiador Jose Murlo de CarvalhoO sentimento nacional brasiliero, segundo o historiador Jose Murlo de Carvalho
O sentimento nacional brasiliero, segundo o historiador Jose Murlo de Carvalho
 
Egito antigo resumo - aula de história.pdf
Egito antigo resumo - aula de história.pdfEgito antigo resumo - aula de história.pdf
Egito antigo resumo - aula de história.pdf
 
apresentação sobre Clarice Lispector .pptx
apresentação sobre Clarice Lispector .pptxapresentação sobre Clarice Lispector .pptx
apresentação sobre Clarice Lispector .pptx
 

Estágio - Informações Núcleo de Estágios da UFPR

  • 1. 3 / 1 INFORMAÇÕES DO NÚCLEO DE ESTÁGIO DA UFPR Informe 1 - 23/11/2011 Lilian Deisy Franzoni Coordenadora da Coordenação Geral de Estágios – CGE - UFPR/PROGRAD P01) Podemos considerar um contrato de estágio não-obrigatório como válido para a disciplina de estágio? (alguns alunos dizem que a empresa prefere trabalhar com estágio não-obrigatório) R01) Sim é possível reconhecer, desde que previamente acertado como obrigatório, devendo o aluno estar matriculado na disciplina, e acima de tudo, que as atividades propostas no plano do estágio possam atingir os objetivos propostas na disciplina de estágio obrigatório, além disso é fundamental ter o acompanhamento de um professor orientador (q. é o professor da disciplina) - o Colegiado de Curso e a COE-Comissão Orientadora de Estágio tem a competência para deliberar sobre a questão. P02) Um contrato pode ser firmado retroativamente? Isto é: o aluno começa a trabalhar e depois firma contrato de estágio considerando as horas passadas de trabalho. R02) Não é possível em função das cobranças impostas na legislação de estágio vigentes. Não podemos retroagir a data de reconhecimento do estágio, pois quando assinamos o contrato do aluno , a instituição de ensino está assumindo juridicamente as suas atribuições perante o estágio e estagiário, no que diz respeito a controle de seguro e acompanhamento e assim não podemos nos responsabilizar pelo que ficou no passado; - no nosso modelo padronizado de termo de compromisso, existe uma clásula que proíbe retroagir. P03) Como agir no caso de aluno que começa a estagiar e, antes de completar as 360 horas exigidas pela disciplina, é contratado (carteira assinada) ? R03) É preciso que o aluno notifique ao Curso e CGE a nova condição, fazendo a rescisão do contrato de estágio e em substituição, preencha o formulário de "Estágio de Estudante Funcionário" que pode ser acessado no sítio da CGE, www.estágios.ufpr.br/formularios.
  • 2. 3 / 2 P04) E no caso de o aluno já estar contratado (carteira assinada) por uma empresa antes de começar a disciplina de estágio? R04) Regulamentar o estágio mediante o mesmo formulário da pergunta anterior. P05) Como agir no caso de um aluno que tem a sua própria empresa ou então é sócio de uma empresa ou então trabalha em empresa da família? R05) Quando o aluno é proprietário ou sócio da empresa, é feito o convênio entre a UFPR e a empresa, e somente o plano de estágio do aluno, devidamente aprovado pela COE do Curso e professor orientador - essa documentação também esta disponível no sítio acima mencionado; quando a empresa for de parente e não conste o nome dele como sócio ou proprietário, o procedimento é o mesmo da P03. P06) O aluno viaja para o exterior em esquema de convênio inter-institucional e acaba por realizar um estágio no exterior. Qual o procedimento neste caso? R06) No caso de estágio no exterior, mesmo que ele esteja fazendo intercâmbio oficial, é preciso cumprir o que determina a Instrução Normativa nº 01/93-CEPE que regulamenta essa matéria e o estágio deve ser autorizado pela CGE - a IN está disponível no síto www.estágios.ufpr.br/normatização interna (cabe informar que essa IN está em processo de revisão pelo Colegiado da PROGRAD e futuramente pelo CEPE). P07) O aluno começa a trabalhar em uma empresa onde desenvolve um trabalho na área de Design (Programação Visual), mas o seu supervisor não é designer. O supervisor é válido neste caso?Note-se que, muitas vezes, eles são administradores, profissionais da área de informática, publicitários, arquitetos, etc. R07) Pela legislação não pode, deve ser na área de formação ou área afim; mas se o supervisor é administrador, p.ex. e tiver uma pós na área, nesse caso pode. P08) O aluno começa um estágio obrigatório em uma empresa, mas desiste no caminho e muda para outra empresa, onde estagia em regime também de estagio obrigatório. Como agir neste caso se o aluno completar as 360 hs em 2 ou 3 empresas? R08) Sempre o que deve contar é a questão do desempenho do aluno e aproveitamento desses estágio no "olhar pedagógico" - se os objetivos foram atingidos e as experiências dos estágios trouxerem contribuição
  • 3. 3 / 3 efetiva na formação profissional desse aluno e ele cumprir as 360 hs. , é válido. Informe 2 - 19/03/2012 Walter Dilay Membro da Equipe da Coordenação Geral de Estágios – CGE - UFPR/PROGRAD P09) Qual o número máximo e mínimo de horas que um aluno pode realizar em seu estágio? R09) Pela LEI Nº 11.788, DE 25 DE SETEMBRO DE 2008, a Lei Geral de Estágio, Art. 10, § 1o, o aluno pode trabalhar no máximo 40 hs semanais (8 horas diárias) em regime de estágio obrigatório. Não existe uma norma para definir o mínimo de horas a ser trabalhado por dia em regime de estágio obrigatório. Note que se o aluno trabalhar 1 (uma) hora por dia, 5 dias por semana, ele perfaz 5 horas semanais e 20 horas por mês. Neste caso, termina o estágio em 18 meses, o que é inviável por ultrapassar o período da disciplina que é de 1 (um) ano. Fazendo 2 (duas) horas por dia, o estágio é completado em 9 meses, o que é viável. Assim, o número mínimo de horas passível de ser cumprido é de 2 (duas) horas por dia. P10) É possível realizar um estágio obrigatório trabalhando em algum órgão da UFPR? R10) Sim, é possível, mas a ORIENTAÇÃO NORMATIVA Nº 7, DE 30 DE OUTUBRO DE 2008 do MINISTÉRIO DO PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E GESTÃO, estabelece em seu Art. 3º que o estágio obrigatório somente será realizado sem ônus para os órgãos e entidades, ou seja, o aluno não poderá ser remunerado realizando estágio obrigatório na UFPR, mas pode ser remunerado em regime de estágio não-obrigatório.