SlideShare uma empresa Scribd logo
U 
F 
P 
R 
LAI-DI –DESIGN -UFPR –MatheusCezarotto, Marcia Alves e André Battaiola 
65 / 1 
Animação –Conceitos 
Animação II
U 
F 
P 
R 
LAI-DI –DESIGN -UFPR –MatheusCezarotto, Marcia Alves e André Battaiola 
65 / 2 
Animação –Conceitos 
Animação II
U 
F 
P 
R 
LAI-DI –DESIGN -UFPR –MatheusCezarotto, Marcia Alves e André Battaiola 
65 / 3 
Animação –Conceitos 
Objetivos: 
A disciplina visa a produção da animação que foi planejada em Animação I através da produção de um ANIMATIC. 
Conhecer e aplicar as etapas de produção, ferramentas e técnicas de animação. 
Animação II –visão geral
U 
F 
P 
R 
LAI-DI –DESIGN -UFPR –MatheusCezarotto, Marcia Alves e André Battaiola 
65 / 4 
Animação –Conceitos 
Animação II –visão geral
U 
F 
P 
R 
LAI-DI –DESIGN -UFPR –MatheusCezarotto, Marcia Alves e André Battaiola 
65 / 5 
Animação –Conceitos 
Animação II –visão geral
U 
F 
P 
R 
LAI-DI –DESIGN -UFPR –MatheusCezarotto, Marcia Alves e André Battaiola 
65 / 6 
Animação –Conceitos 
Conceitos de Animação 
O conceito de animação é amplo e suas fronteiras ainda estão indefinidas. 
A palavra animaçãovem do verbo animar, conforme o dicionário Houaiss, significa dar “alma”, dar vida, imprimir ação, movimento ou aceleração, ou seja, dar aparência de vida.
U 
F 
P 
R 
LAI-DI –DESIGN -UFPR –MatheusCezarotto, Marcia Alves e André Battaiola 
65 / 7 
Animação –Conceitos 
O termo deriva do verbo latino animare(dar vida a) e só veio a ser utilizado para descrever imagens em movimento no século XX. 
(BARBOSA JÚNIOR, 2005. p. 28). 
Conceitos de Animação
U 
F 
P 
R 
LAI-DI –DESIGN -UFPR –MatheusCezarotto, Marcia Alves e André Battaiola 
65 / 8 
Animação –Conceitos 
Uma definição técnica de animação a considera como a ilusão de ótica gerada por uma série de imagens (não filmadas), que ocasiona a impressão de movimento devido ao fenômeno da retenção retiniana, no qual os olhos retêm qualquer imagem no intervalo de tempo que vai de 1/10 a 1/17 segundos. 
(WEBSTER, 2005). 
Conceitos de Animação
U 
F 
P 
R 
LAI-DI –DESIGN -UFPR –MatheusCezarotto, Marcia Alves e André Battaiola 
65 / 9 
Animação –Conceitos 
Conceitos de Animação
U 
F 
P 
R 
LAI-DI –DESIGN -UFPR –MatheusCezarotto, Marcia Alves e André Battaiola 
65 / 10 
Animação –Conceitos 
Para Bétrancourt e Tvesrky, (2000, p. 313apudAINSWORTH, 2008), a animação se configura como uma série de frames(quadros que contêm representações estáticas), alinhados, que só se mostram temporariamente e são logo substituídos pelos seus subseqüentes. 
Conceitos de Animação
U 
F 
P 
R 
LAI-DI –DESIGN -UFPR –MatheusCezarotto, Marcia Alves e André Battaiola 
65 / 11 
Animação –Conceitos 
Conceitos de Animação
U 
F 
P 
R 
LAI-DI –DESIGN -UFPR –MatheusCezarotto, Marcia Alves e André Battaiola 
65 / 12 
Animação –Conceitos 
Cada framesó aparece ou se mostra, por um pequeno período de tempo sendo substituído por outro, isso gera a sensação de movimento. 
Essa definição utiliza-se do princípio de Rogetda persistência retiniana para representar a dimensão de tempo e movimento. 
Conceitos de Animação
U 
F 
P 
R 
LAI-DI –DESIGN -UFPR –MatheusCezarotto, Marcia Alves e André Battaiola 
65 / 13 
Animação –Conceitos 
Conforme Mayer e Moreno (2002, apudAINSWORTH, 2008) o vídeo e as imagens filmadas com movimentos reais captados, não podem ser considerados uma animação. 
Para esses autores, o vídeoé utilizado para mostrar o movimento real de objetos reais, enquanto a animação representaria o movimento simulado de objetos também simulados. 
Conceitos de Animação
U 
F 
P 
R 
LAI-DI –DESIGN -UFPR –MatheusCezarotto, Marcia Alves e André Battaiola 
65 / 14 
Animação –Conceitos 
Um conceito mais amplo de animação foi proposto por Lowe e Schnotz (inLOWE e SCHNOTZ, 2008), que define animação como sendo representações pictóricas que modificam sua estrutura, ou propriedades, no decorrer de um período de tempo, apresentando uma série de ações perceptíveis e mutantes. 
Conceitos de Animação
U 
F 
P 
R 
LAI-DI –DESIGN -UFPR –MatheusCezarotto, Marcia Alves e André Battaiola 
65 / 15 
Animação –Conceitos 
Lowe e Schnotz (2008), também incluem o vídeo como animação, englobando animações como o curta premiado Tyger de Guilherme Marcondes. 
Conceitos de Animação
U 
F 
P 
R 
LAI-DI –DESIGN -UFPR –MatheusCezarotto, Marcia Alves e André Battaiola 
65 / 16 
Animação –Conceitos 
Conceitos de Animação
U 
F 
P 
R 
LAI-DI –DESIGN -UFPR –MatheusCezarotto, Marcia Alves e André Battaiola 
65 / 17 
Animação –Conceitos 
Conforme Thomaz e Johnston (1995, p. 15-18) pioneiros do desenho animado com as indústrias de Walt Disney, a animação é a junção de processos de representações visuais de tempo e espaço, para transportar emoções. 
O transporte de “emoções e sentimentos”a essência desta comunicação se transformou em uma forma de arte. 
Conceitos de Animação
U 
F 
P 
R 
LAI-DI –DESIGN -UFPR –MatheusCezarotto, Marcia Alves e André Battaiola 
65 / 18 
Animação –Conceitos 
“Uma mágica habilidade de proporcionar ao público uma comunicaçãode maneira mais fácil que a verbal, quebrando barreiras de linguagem”. 
(Thomaz e Johnston, 1995) 
Conceitos de Animação
U 
F 
P 
R 
LAI-DI –DESIGN -UFPR –MatheusCezarotto, Marcia Alves e André Battaiola 
65 / 19 
Animação –Conceitos 
Como se pode perceber o conceito de animação engloba dois posicionamentos: 
como técnica de representação e como arte expressiva. 
Portanto, sua percepção depende não somente da retina e da persistência da visão, mas depende também do cérebro e de seus mecanismos de percepção para interpretar e compreender e decodificar as mensagens animadas. 
Conceitos de Animação
U 
F 
P 
R 
LAI-DI –DESIGN -UFPR –MatheusCezarotto, Marcia Alves e André Battaiola 
65 / 20 
Animação –Conceitos 
Peter Mark Roget escreveu um artigo intitulado “The persistence of vision with regard to moving objects”. 
Neste artigo ele propõe por meio de testes empíricos que o olho humano retémuma imagem por uma fração de segundos enquanto outra imagem vai sendo percebida. 
E assim, da combinação das imagens vistas sobrepostasem sequência e em determinada velocidade, o cérebro humano as perceberia como se fossem uma única imagem realizando um movimento. 
(BARBOSA JÚNIOR, 2005). 
Conceitos de Animação
U 
F 
P 
R 
LAI-DI –DESIGN -UFPR –MatheusCezarotto, Marcia Alves e André Battaiola 
65 / 21 
Animação –Conceitos 
Pinna (inFABIARZ et al, 2008, p. 321-322) discute a persistência da visão colocando alguns problemas para a teoria. 
Para esse autor o fenômeno não funcionaria com qualquer desenho em sequência, se ao invés de imagens iguais fossem utilizadas figuras diferentes a ilusão de movimento se perderia. 
Os estudos do psicólogo Hugo Münsterber (1916) inclui nesse processo não somente a persistência da imagem na retina, mas também, a ação da mente do espectador no processo que gera a ilusão do movimento. 
Conceitos de Animação
U 
F 
P 
R 
LAI-DI –DESIGN -UFPR –MatheusCezarotto, Marcia Alves e André Battaiola 
65 / 22 
Animação –Conceitos 
Conceitos de Animação 
Segundo Pinna, Münsterber propõe que “para haver a ilusão do movimento aparente faz-se necessário, obrigatoriamente, um investimento por parte de espectador(em termos de atenção, memória, emoção, imaginação, etc.) sem o qual o filme nada mais é do que um encadeamento de imagens sem vida”. 
(inFABIARZ et al, 2008, p. 321-322). 
A partir de Roget, surgiram várias invenções inicialmente chamadas de brinquedos ópticos tais como o Taumatroscópio, o Fenacistocópio, o Estroboscópio, o Zootroscópio, o Praxinoscópio.
U 
F 
P 
R 
LAI-DI –DESIGN -UFPR –MatheusCezarotto, Marcia Alves e André Battaiola 
65 / 23 
Animação –Conceitos 
Conceitos de Animação
U 
F 
P 
R 
LAI-DI –DESIGN -UFPR –MatheusCezarotto, Marcia Alves e André Battaiola 
65 / 24 
Animação –Conceitos 
Conceitos de Animação 
“A persistência retinianaexiste de fato mas, se desempenhasse uma função no cinema, apenas produziria uma confusão de imagens remanescentes. A percepção do filme só é possível, de fato, graças ao efeito-phi, e também ao mascaramento visual que nos libera da persistência retiniana.” 
(Jacques Aumont -A imagem p.52) 
O efeito-phié um intervalo negro entre a projeção de um fotograma e outro que permite atenuar a imagem persistente que fica retida pelosolhos. 
O Efeito-Phi -psicólogo Max Wertheimer 1912
U 
F 
P 
R 
LAI-DI –DESIGN -UFPR –MatheusCezarotto, Marcia Alves e André Battaiola 
65 / 25 
Animação –Conceitos 
Percepção e Animação 
O que é percepção? 
•A percepção sensível ou sensação (em grego, aísthesis) é um modo de contato e de conhecimento da realidade por meio dos cinco sentidos: visão, audição, olfato, paladar e tato. 
•Assim, perceber é acolher e assimilara forma sensível dos objetos. 
(Saes, 2010)
U 
F 
P 
R 
LAI-DI –DESIGN -UFPR –MatheusCezarotto, Marcia Alves e André Battaiola 
65 / 26 
Animação –Conceitos 
Percepção e Animação 
Mas como funciona a nossa visão?
U 
F 
P 
R 
LAI-DI –DESIGN -UFPR –MatheusCezarotto, Marcia Alves e André Battaiola 
65 / 27 
Animação –Conceitos 
Percepção e Animação 
Nervo óptico 
Retina 
Fotorreceptores 
Pupila
U 
F 
P 
R 
LAI-DI –DESIGN -UFPR –MatheusCezarotto, Marcia Alves e André Battaiola 
65 / 28 
Animação –Conceitos 
Percepção e Animação 
Como visualizamos as cores? 
Cones: 
•Vermelho 
•Verde 
•Azul (RBG) 
how we see color -Colm Kelleher -TED-Ed
U 
F 
P 
R 
LAI-DI –DESIGN -UFPR –MatheusCezarotto, Marcia Alves e André Battaiola 
65 / 29 
Animação –Conceitos 
Percepção e Animação 
Bastonetes 
•preto e branco (pouca luz) 
Como visualizamos as cores? 
how we see color -Colm Kelleher -TED-Ed
U 
F 
P 
R 
LAI-DI –DESIGN -UFPR –MatheusCezarotto, Marcia Alves e André Battaiola 
65 / 30 
Animação –Conceitos 
Percepção e Animação 
O que influencia a percepção? 
•Fatores cognitivos; 
•Fisiológicos; 
•Subjetivos; 
•Sócio-culturais.
U 
F 
P 
R 
LAI-DI –DESIGN -UFPR –MatheusCezarotto, Marcia Alves e André Battaiola 
65 / 31 
Animação –Conceitos 
Animação como ilusão de ótica 
(Macknik e Martinez-Conte, 2011) 
As ilusões de ótica são percepções visuais subjetivas que não correspondem à realidade do mundo que nos cerca. Ocorrem quando a realidade física não corresponde à percepção. 
Percepção e Animação
U 
F 
P 
R 
LAI-DI –DESIGN -UFPR –MatheusCezarotto, Marcia Alves e André Battaiola 
65 / 32 
Animação –Conceitos 
•Ao vivenciar uma ilusão de ótica, pode-se ver algo que não existe, deixar de ver algo que existe ou ver algo diferente do que existe. As percepções contradizem as propriedades físicas daquilo para que se olha. 
Os olhos nos dizem apenas parte daquilo que podemos ver. O resto é feito pelo cérebro, em um labirinto de etapas. 
Percepção e Animação
U 
F 
P 
R 
LAI-DI –DESIGN -UFPR –MatheusCezarotto, Marcia Alves e André Battaiola 
65 / 33 
Animação –Conceitos 
Percepção e Animação 
•Cores 
•Contraste 
•Movimento 
•Perspectiva
U 
F 
P 
R 
LAI-DI –DESIGN -UFPR –MatheusCezarotto, Marcia Alves e André Battaiola 
65 / 34 
Animação –Conceitos 
Percepção e Animação 
•Cores
U 
F 
P 
R 
LAI-DI –DESIGN -UFPR –MatheusCezarotto, Marcia Alves e André Battaiola 
65 / 35 
Animação –Conceitos 
Percepção e Animação
U 
F 
P 
R 
LAI-DI –DESIGN -UFPR –MatheusCezarotto, Marcia Alves e André Battaiola 
65 / 36 
Animação –Conceitos 
Percepção e Animação 
•O cérebro constrói a realidade, tanto visualquanto de outra natureza. O que você vê, ouve, sente e pensa se baseia no que espera ver, ouvir, sentir e pensar. As expectativas estão baseadas em todas as suas experiências e lembranças anteriores.
U 
F 
P 
R 
LAI-DI –DESIGN -UFPR –MatheusCezarotto, Marcia Alves e André Battaiola 
65 / 37 
Animação –Conceitos 
Percepção e Animação
U 
F 
P 
R 
LAI-DI –DESIGN -UFPR –MatheusCezarotto, Marcia Alves e André Battaiola 
65 / 38 
Animação –Conceitos 
Percepção e Animação 
A única diferença entre esses dois rostos é seu grau de contraste 
Richard Russell -neurocientista de Harvard 
•Contraste
U 
F 
P 
R 
LAI-DI –DESIGN -UFPR –MatheusCezarotto, Marcia Alves e André Battaiola 
65 / 39 
Animação –Conceitos 
Percepção e Animação 
•Contraste -Figura X Fundo
U 
F 
P 
R 
LAI-DI –DESIGN -UFPR –MatheusCezarotto, Marcia Alves e André Battaiola 
65 / 40 
Animação –Conceitos 
Percepção e Animação 
Você conhece esta pessoa?
U 
F 
P 
R 
LAI-DI –DESIGN -UFPR –MatheusCezarotto, Marcia Alves e André Battaiola 
65 / 41 
Animação –Conceitos 
Percepção e Animação
U 
F 
P 
R 
LAI-DI –DESIGN -UFPR –MatheusCezarotto, Marcia Alves e André Battaiola 
65 / 42 
Animação –Conceitos 
Percepção e Animação 
A percepção do movimentonão precisa surgir de uma ação real no mundo. Ela ocorre quando dedicados neurônios que processam o movimento no cérebro são ativados por padrões específicos de mudanças. 
•Movimento
U 
F 
P 
R 
LAI-DI –DESIGN -UFPR –MatheusCezarotto, Marcia Alves e André Battaiola 
65 / 43 
Animação –Conceitos 
Percepção e Animação 
Cobras giratórias 
-Akiyoshi Kitaoka-
U 
F 
P 
R 
LAI-DI –DESIGN -UFPR –MatheusCezarotto, Marcia Alves e André Battaiola 
65 / 44 
Animação –Conceitos 
Percepção e Animação 
•A Trompe-l’oeil é um termo francês que significa “enganar o olho” 
•Século XVII pintores holandeses, Cornelius N. Gysbrechts 
•Perspectiva
U 
F 
P 
R 
LAI-DI –DESIGN -UFPR –MatheusCezarotto, Marcia Alves e André Battaiola 
65 / 45 
Animação –Conceitos 
Percepção e Animação
U 
F 
P 
R 
LAI-DI –DESIGN -UFPR –MatheusCezarotto, Marcia Alves e André Battaiola 
65 / 46 
Animação –Conceitos 
Percepção e Animação 
•Perspectiva 
Qual bola é a maior?
U 
F 
P 
R 
LAI-DI –DESIGN -UFPR –MatheusCezarotto, Marcia Alves e André Battaiola 
65 / 47 
Animação –Conceitos 
Percepção e Animação 
video bola de futebol e golf 
(ausente pelo tamanho para envio por email)
U 
F 
P 
R 
LAI-DI –DESIGN -UFPR –MatheusCezarotto, Marcia Alves e André Battaiola 
65 / 48 
Animação –Conceitos 
Percepção e Animação 
Eyetrack -Alfred Yarbus- 
•Segundo Macknik e Martinez-Conte (2011) possuímos um mecanismo denominado atenção conjuntapelo qual compartilhamos a experiência do outro, acompanhando a direção de seu olhar e dos gesto com que ela aponta.
U 
F 
P 
R 
LAI-DI –DESIGN -UFPR –MatheusCezarotto, Marcia Alves e André Battaiola 
65 / 49 
Animação –Conceitos 
Percepção e Animação 
•A maioria das pessoas volta a olhar e atenção para os rostos das pessoas.
U 
F 
P 
R 
LAI-DI –DESIGN -UFPR –MatheusCezarotto, Marcia Alves e André Battaiola 
65 / 50 
Animação –Conceitos 
Percepção e Animação 
•A maioria das pessoas volta a olhar e atenção para os rostos das pessoas. 
•Você notou alguma coisa estranha nesta foto?
U 
F 
P 
R 
LAI-DI –DESIGN -UFPR –MatheusCezarotto, Marcia Alves e André Battaiola 
65 / 51 
Animação –Conceitos 
Percepção e Animação 
•A maioria das pessoas volta a olhar e atenção para os rostos das pessoas. 
•Você notou alguma coisa estranha nesta foto?
U 
F 
P 
R 
LAI-DI –DESIGN -UFPR –MatheusCezarotto, Marcia Alves e André Battaiola 
65 / 52 
Animação –Conceitos 
A percepção está ligada a forma e a questões subjetivas.
U 
F 
P 
R 
LAI-DI –DESIGN -UFPR –MatheusCezarotto, Marcia Alves e André Battaiola 
65 / 53 
Animação –Conceitos 
•Teoria da forma -Gestalt 
A psicologia da Gestalt, também conhecida como psicologia da forma ou psicologia da percepção, surge como escola no início do século XX, na Alemanha, devido aos trabalhos de três principais estudiosos: 
•Max Wertheimer (1880-1943) 
•Wolfgang Köhler(1887-1967) 
•Kurt Koffka(1886-1941)
U 
F 
P 
R 
LAI-DI –DESIGN -UFPR –MatheusCezarotto, Marcia Alves e André Battaiola 
65 / 54 
Animação –Conceitos 
A percepção não é o resultado da soma de sensações de pontos luminosos individuais, mas uma apreensão imediata e unificada do todo, devido a uma necessidade interna de organização. 
O olho humano tende a agrupar as várias unidades de um campo visual para formar um todo, sendo a visão um ato criativo. 
Tudo é visto por meio de relações. 
Princípios: pregnância, semelhança, proximidade, boa continuidade, fechamento e figura-fundo 
•Gestalt -conceito
U 
F 
P 
R 
LAI-DI –DESIGN -UFPR –MatheusCezarotto, Marcia Alves e André Battaiola 
65 / 55 
Animação –Conceitos 
É chamada também de lei da simplicidade. 
Objetos em um ambiente são vistos da forma mais simples possíveis. Quanto mais simples, mais facilmente é assimilado. 
•Gestalt -Pregnância
U 
F 
P 
R 
LAI-DI –DESIGN -UFPR –MatheusCezarotto, Marcia Alves e André Battaiola 
65 / 56 
Animação –Conceitos 
Os objetos tendem a se agrupar por similaridade de forma, cor, textura, dimensão e etc. 
•Gestalt -semelhança/similaridade
U 
F 
P 
R 
LAI-DI –DESIGN -UFPR –MatheusCezarotto, Marcia Alves e André Battaiola 
65 / 57 
Animação –Conceitos 
Elementos que estão próximos tendem a ser percebidos como um grupo. 
•Gestalt -proximidade
U 
F 
P 
R 
LAI-DI –DESIGN -UFPR –MatheusCezarotto, Marcia Alves e André Battaiola 
65 / 58 
Animação –Conceitos 
Toda unidade linear, seja reta ou curva, tende a se prolongar na mesma direção, com o mesmo movimento. 
Esse fator também influi na percepção da tridimensionalidade das figuras e na identificação de planos diferentes. 
•Gestalt -boa continuidade
U 
F 
P 
R 
LAI-DI –DESIGN -UFPR –MatheusCezarotto, Marcia Alves e André Battaiola 
65 / 59 
Animação –Conceitos 
Elementos são agrupados de tal modo que parecem se completar. Nossa mente vê um objeto completo mesmo quando ele não está presente. O cérebro tende a completar os elementos, formando uma figura delimitada. 
•Gestalt -fechamento
U 
F 
P 
R 
LAI-DI –DESIGN -UFPR –MatheusCezarotto, Marcia Alves e André Battaiola 
65 / 60 
Animação –Conceitos 
Por segregação, vemos a unidade menor como figura e a maior como fundo. A dependência entre figura e fundo, estabelece que uma forma não se constitui isoladamente, mas em relação à moldura. 
•Gestalt -segregação unidade/ figura fundo
U 
F 
P 
R 
LAI-DI –DESIGN -UFPR –MatheusCezarotto, Marcia Alves e André Battaiola 
65 / 61 
Animação –Conceitos 
Percepção e Animação 
•O cérebro inconsciente documentário.
U 
F 
P 
R 
LAI-DI –DESIGN -UFPR –MatheusCezarotto, Marcia Alves e André Battaiola 
65 / 62 
Animação –Conceitos 
Percepção e Animação 
•As ilusões não são exceções e não são necessariamente erros. São parteintegrante da percepçãoe representam aspectos fundamentais do processamento visual e cognitivo. 
•Elas atuam como atalhos adaptativoscriados pelo cérebro para acelerar esse processamentoou para reduzir a quantidade de processamento necessária para nos dar as informações de que precisamos para sobreviver, ainda que não sejam tecnicamente exatas. 
(Macknik e Martinez-Conte, 2011)
U 
F 
P 
R 
LAI-DI –DESIGN -UFPR –MatheusCezarotto, Marcia Alves e André Battaiola 
65 / 63 
Animação –Conceitos 
Percepção e Animação 
Discussão 
•Animação 
•Percepção 
•Ilusão de ótica
U 
F 
P 
R 
LAI-DI –DESIGN -UFPR –MatheusCezarotto, Marcia Alves e André Battaiola 
65 / 64 
Animação –Conceitos 
Conceitos -Referências 
(Willians, 2009) 
(Halas et al, 2011)
U 
F 
P 
R 
LAI-DI –DESIGN -UFPR –MatheusCezarotto, Marcia Alves e André Battaiola 
65 / 65 
Animação –Conceitos 
Conceitos -Referências 
(Barbosa Junior, 2005) 
(Macknik e Martinez-Conte, 2011)

Mais conteúdo relacionado

Destaque

Anim2 Aula06 Sincronia
Anim2 Aula06 SincroniaAnim2 Aula06 Sincronia
Anim2 Aula06 Sincronia
profealbattaiola
 
Anim2 Aula07 Temporizacao
Anim2 Aula07 TemporizacaoAnim2 Aula07 Temporizacao
Anim2 Aula07 Temporizacao
profealbattaiola
 
Anim2 aula0809 Cores_Background
Anim2 aula0809 Cores_BackgroundAnim2 aula0809 Cores_Background
Anim2 aula0809 Cores_Background
profealbattaiola
 
Anim2 Aula11 Preço_Custo
Anim2 Aula11 Preço_CustoAnim2 Aula11 Preço_Custo
Anim2 Aula11 Preço_Custo
profealbattaiola
 
AULA 2: História da Animação
AULA 2: História da AnimaçãoAULA 2: História da Animação
AULA 2: História da Animação
Dra. Camila Hamdan
 
Animação 1 - Storyboard
Animação 1 - StoryboardAnimação 1 - Storyboard
Animação 1 - Storyboard
profealbattaiola
 
Conceitos Básicos da Animação (p.2/3)
Conceitos Básicos da Animação (p.2/3)Conceitos Básicos da Animação (p.2/3)
Conceitos Básicos da Animação (p.2/3)
Mauricio Mallet Duprat
 
Animação 1 - Roteiro (4) Decupagem e Formatacao do Roteiro
Animação 1 - Roteiro (4) Decupagem e Formatacao do RoteiroAnimação 1 - Roteiro (4) Decupagem e Formatacao do Roteiro
Animação 1 - Roteiro (4) Decupagem e Formatacao do Roteiro
profealbattaiola
 
Grafite etnografismo
Grafite etnografismoGrafite etnografismo
Grafite etnografismo
Nancihorta
 
Tapetes trabalhados
Tapetes trabalhadosTapetes trabalhados
Tapetes trabalhados
vipdnh
 
Trabalho de estatística
Trabalho de estatísticaTrabalho de estatística
Trabalho de estatística
Gabriel0908
 
Marpa e Budismo
Marpa e BudismoMarpa e Budismo
Marpa e Budismo
Romeu da Silveira
 
Warren Buffett: The sage of omaha
Warren Buffett: The sage of omahaWarren Buffett: The sage of omaha
Warren Buffett: The sage of omaha
Gabriel Umbelino
 
Vida de um_bilionário Warren Buffet
Vida de um_bilionário Warren BuffetVida de um_bilionário Warren Buffet
Vida de um_bilionário Warren Buffet
MARYNÊS FREIXO PEREIRA
 
Como configurar o Google Apps para o seu MercadoShops
Como configurar o Google Apps para o seu MercadoShopsComo configurar o Google Apps para o seu MercadoShops
Como configurar o Google Apps para o seu MercadoShops
MercadoShops de MercadoLibre
 
Primitivas que Pulsam (Animação Interativa com Processing) by Helber Neiva e ...
Primitivas que Pulsam (Animação Interativa com Processing) by Helber Neiva e ...Primitivas que Pulsam (Animação Interativa com Processing) by Helber Neiva e ...
Primitivas que Pulsam (Animação Interativa com Processing) by Helber Neiva e ...
Dra. Camila Hamdan
 
Trabalhos Sortidos (montagem) by Vinícius Carvalho
Trabalhos Sortidos (montagem) by Vinícius Carvalho Trabalhos Sortidos (montagem) by Vinícius Carvalho
Trabalhos Sortidos (montagem) by Vinícius Carvalho
Dra. Camila Hamdan
 
Modelo para Apresentação (Avaliacao 1): Modelagem 3D_1o. semestre 2015
Modelo para Apresentação (Avaliacao 1): Modelagem 3D_1o. semestre 2015Modelo para Apresentação (Avaliacao 1): Modelagem 3D_1o. semestre 2015
Modelo para Apresentação (Avaliacao 1): Modelagem 3D_1o. semestre 2015
Dra. Camila Hamdan
 
Modelos artisticos
Modelos artisticosModelos artisticos
Modelos artisticos
fmusarra
 
NormasLegis - (3) Fotografia - Caso Putz e Irmã Zuleide
NormasLegis - (3) Fotografia - Caso Putz e Irmã ZuleideNormasLegis - (3) Fotografia - Caso Putz e Irmã Zuleide
NormasLegis - (3) Fotografia - Caso Putz e Irmã Zuleide
profealbattaiola
 

Destaque (20)

Anim2 Aula06 Sincronia
Anim2 Aula06 SincroniaAnim2 Aula06 Sincronia
Anim2 Aula06 Sincronia
 
Anim2 Aula07 Temporizacao
Anim2 Aula07 TemporizacaoAnim2 Aula07 Temporizacao
Anim2 Aula07 Temporizacao
 
Anim2 aula0809 Cores_Background
Anim2 aula0809 Cores_BackgroundAnim2 aula0809 Cores_Background
Anim2 aula0809 Cores_Background
 
Anim2 Aula11 Preço_Custo
Anim2 Aula11 Preço_CustoAnim2 Aula11 Preço_Custo
Anim2 Aula11 Preço_Custo
 
AULA 2: História da Animação
AULA 2: História da AnimaçãoAULA 2: História da Animação
AULA 2: História da Animação
 
Animação 1 - Storyboard
Animação 1 - StoryboardAnimação 1 - Storyboard
Animação 1 - Storyboard
 
Conceitos Básicos da Animação (p.2/3)
Conceitos Básicos da Animação (p.2/3)Conceitos Básicos da Animação (p.2/3)
Conceitos Básicos da Animação (p.2/3)
 
Animação 1 - Roteiro (4) Decupagem e Formatacao do Roteiro
Animação 1 - Roteiro (4) Decupagem e Formatacao do RoteiroAnimação 1 - Roteiro (4) Decupagem e Formatacao do Roteiro
Animação 1 - Roteiro (4) Decupagem e Formatacao do Roteiro
 
Grafite etnografismo
Grafite etnografismoGrafite etnografismo
Grafite etnografismo
 
Tapetes trabalhados
Tapetes trabalhadosTapetes trabalhados
Tapetes trabalhados
 
Trabalho de estatística
Trabalho de estatísticaTrabalho de estatística
Trabalho de estatística
 
Marpa e Budismo
Marpa e BudismoMarpa e Budismo
Marpa e Budismo
 
Warren Buffett: The sage of omaha
Warren Buffett: The sage of omahaWarren Buffett: The sage of omaha
Warren Buffett: The sage of omaha
 
Vida de um_bilionário Warren Buffet
Vida de um_bilionário Warren BuffetVida de um_bilionário Warren Buffet
Vida de um_bilionário Warren Buffet
 
Como configurar o Google Apps para o seu MercadoShops
Como configurar o Google Apps para o seu MercadoShopsComo configurar o Google Apps para o seu MercadoShops
Como configurar o Google Apps para o seu MercadoShops
 
Primitivas que Pulsam (Animação Interativa com Processing) by Helber Neiva e ...
Primitivas que Pulsam (Animação Interativa com Processing) by Helber Neiva e ...Primitivas que Pulsam (Animação Interativa com Processing) by Helber Neiva e ...
Primitivas que Pulsam (Animação Interativa com Processing) by Helber Neiva e ...
 
Trabalhos Sortidos (montagem) by Vinícius Carvalho
Trabalhos Sortidos (montagem) by Vinícius Carvalho Trabalhos Sortidos (montagem) by Vinícius Carvalho
Trabalhos Sortidos (montagem) by Vinícius Carvalho
 
Modelo para Apresentação (Avaliacao 1): Modelagem 3D_1o. semestre 2015
Modelo para Apresentação (Avaliacao 1): Modelagem 3D_1o. semestre 2015Modelo para Apresentação (Avaliacao 1): Modelagem 3D_1o. semestre 2015
Modelo para Apresentação (Avaliacao 1): Modelagem 3D_1o. semestre 2015
 
Modelos artisticos
Modelos artisticosModelos artisticos
Modelos artisticos
 
NormasLegis - (3) Fotografia - Caso Putz e Irmã Zuleide
NormasLegis - (3) Fotografia - Caso Putz e Irmã ZuleideNormasLegis - (3) Fotografia - Caso Putz e Irmã Zuleide
NormasLegis - (3) Fotografia - Caso Putz e Irmã Zuleide
 

Semelhante a Anim2 Aula01 Percepcao

Arte audio visual.pptx
Arte audio visual.pptxArte audio visual.pptx
Arte audio visual.pptx
PatrciaSenna2
 
Animação no ensino fundamental
Animação no ensino fundamentalAnimação no ensino fundamental
Animação no ensino fundamental
Mauro Sousa
 
Linguagem Visual
Linguagem VisualLinguagem Visual
Linguagem Visual
Pedro Magalhaes
 
Guia de como elaborar um projeto para documentario
Guia de como elaborar um projeto para documentarioGuia de como elaborar um projeto para documentario
Guia de como elaborar um projeto para documentario
Tihee
 
Aula ilusões de óptica
Aula  ilusões de ópticaAula  ilusões de óptica
Aula ilusões de óptica
Anamariamotta
 
T12 fotografia como forma de arte movimento
T12   fotografia como forma de arte movimentoT12   fotografia como forma de arte movimento
T12 fotografia como forma de arte movimento
Professor Leonardo Pereira
 
pesquisa antropologica
pesquisa antropologicapesquisa antropologica
pesquisa antropologica
Chefyto Cavalcante
 
A arte vídeo patricia silveirinha
A arte vídeo patricia silveirinhaA arte vídeo patricia silveirinha
A arte vídeo patricia silveirinha
Venise Melo
 
EAV aula 1 [ Olhar, cinema e video game]
EAV aula 1 [ Olhar, cinema e video game]EAV aula 1 [ Olhar, cinema e video game]
EAV aula 1 [ Olhar, cinema e video game]
UNIP. Universidade Paulista
 
Teoria Da Imagem
Teoria Da ImagemTeoria Da Imagem
Teoria Da Imagem
martha
 
O Uso Pedagógico do Editor de Apresentações
O Uso Pedagógico do Editor de ApresentaçõesO Uso Pedagógico do Editor de Apresentações
O Uso Pedagógico do Editor de Apresentações
ntmcftutor03
 
O cinema em_sala_de_aula_ii
O cinema em_sala_de_aula_iiO cinema em_sala_de_aula_ii
O cinema em_sala_de_aula_ii
Juliette Vasconcelos
 
Projetando interfaces imersivas
Projetando interfaces imersivasProjetando interfaces imersivas
Projetando interfaces imersivas
Bruno Castro
 
Apresentação AE Tondela (mod 1 ed bitmap)
Apresentação AE Tondela (mod 1 ed bitmap)Apresentação AE Tondela (mod 1 ed bitmap)
Apresentação AE Tondela (mod 1 ed bitmap)
João Leal
 
Videolearning
VideolearningVideolearning
Videolearning
betokampos
 
A animação
A animaçãoA animação
A animação
Chickenciv
 
Edição de vídeos
Edição de vídeosEdição de vídeos
Edição de vídeos
Lilianedersv
 
PRODUÇÃO AUDIOVISUAL Processos de produção audiovisual pdf
PRODUÇÃO AUDIOVISUAL Processos de produção audiovisual pdfPRODUÇÃO AUDIOVISUAL Processos de produção audiovisual pdf
PRODUÇÃO AUDIOVISUAL Processos de produção audiovisual pdf
UNIP. Universidade Paulista
 
O VíDeo Na Sala De Aula
O VíDeo Na Sala De AulaO VíDeo Na Sala De Aula
O VíDeo Na Sala De Aula
adrianacarrazoni
 
DO DESENHO ANIMADO À COMPUTAÇÃO GRÁFICA a estética da animação.pdf
DO DESENHO ANIMADO À COMPUTAÇÃO GRÁFICA a estética da animação.pdfDO DESENHO ANIMADO À COMPUTAÇÃO GRÁFICA a estética da animação.pdf
DO DESENHO ANIMADO À COMPUTAÇÃO GRÁFICA a estética da animação.pdf
ssuser084d8e
 

Semelhante a Anim2 Aula01 Percepcao (20)

Arte audio visual.pptx
Arte audio visual.pptxArte audio visual.pptx
Arte audio visual.pptx
 
Animação no ensino fundamental
Animação no ensino fundamentalAnimação no ensino fundamental
Animação no ensino fundamental
 
Linguagem Visual
Linguagem VisualLinguagem Visual
Linguagem Visual
 
Guia de como elaborar um projeto para documentario
Guia de como elaborar um projeto para documentarioGuia de como elaborar um projeto para documentario
Guia de como elaborar um projeto para documentario
 
Aula ilusões de óptica
Aula  ilusões de ópticaAula  ilusões de óptica
Aula ilusões de óptica
 
T12 fotografia como forma de arte movimento
T12   fotografia como forma de arte movimentoT12   fotografia como forma de arte movimento
T12 fotografia como forma de arte movimento
 
pesquisa antropologica
pesquisa antropologicapesquisa antropologica
pesquisa antropologica
 
A arte vídeo patricia silveirinha
A arte vídeo patricia silveirinhaA arte vídeo patricia silveirinha
A arte vídeo patricia silveirinha
 
EAV aula 1 [ Olhar, cinema e video game]
EAV aula 1 [ Olhar, cinema e video game]EAV aula 1 [ Olhar, cinema e video game]
EAV aula 1 [ Olhar, cinema e video game]
 
Teoria Da Imagem
Teoria Da ImagemTeoria Da Imagem
Teoria Da Imagem
 
O Uso Pedagógico do Editor de Apresentações
O Uso Pedagógico do Editor de ApresentaçõesO Uso Pedagógico do Editor de Apresentações
O Uso Pedagógico do Editor de Apresentações
 
O cinema em_sala_de_aula_ii
O cinema em_sala_de_aula_iiO cinema em_sala_de_aula_ii
O cinema em_sala_de_aula_ii
 
Projetando interfaces imersivas
Projetando interfaces imersivasProjetando interfaces imersivas
Projetando interfaces imersivas
 
Apresentação AE Tondela (mod 1 ed bitmap)
Apresentação AE Tondela (mod 1 ed bitmap)Apresentação AE Tondela (mod 1 ed bitmap)
Apresentação AE Tondela (mod 1 ed bitmap)
 
Videolearning
VideolearningVideolearning
Videolearning
 
A animação
A animaçãoA animação
A animação
 
Edição de vídeos
Edição de vídeosEdição de vídeos
Edição de vídeos
 
PRODUÇÃO AUDIOVISUAL Processos de produção audiovisual pdf
PRODUÇÃO AUDIOVISUAL Processos de produção audiovisual pdfPRODUÇÃO AUDIOVISUAL Processos de produção audiovisual pdf
PRODUÇÃO AUDIOVISUAL Processos de produção audiovisual pdf
 
O VíDeo Na Sala De Aula
O VíDeo Na Sala De AulaO VíDeo Na Sala De Aula
O VíDeo Na Sala De Aula
 
DO DESENHO ANIMADO À COMPUTAÇÃO GRÁFICA a estética da animação.pdf
DO DESENHO ANIMADO À COMPUTAÇÃO GRÁFICA a estética da animação.pdfDO DESENHO ANIMADO À COMPUTAÇÃO GRÁFICA a estética da animação.pdf
DO DESENHO ANIMADO À COMPUTAÇÃO GRÁFICA a estética da animação.pdf
 

Mais de profealbattaiola

Anim2 Aula05 Planejamento
Anim2 Aula05 PlanejamentoAnim2 Aula05 Planejamento
Anim2 Aula05 Planejamento
profealbattaiola
 
NormasLegis - (4) Música - Plágio
NormasLegis - (4) Música - PlágioNormasLegis - (4) Música - Plágio
NormasLegis - (4) Música - Plágio
profealbattaiola
 
NormasLegis - (2) Direito de Autor
NormasLegis - (2) Direito de AutorNormasLegis - (2) Direito de Autor
NormasLegis - (2) Direito de Autor
profealbattaiola
 
NormasLegis - (1) Criações Intelectuais
NormasLegis - (1) Criações IntelectuaisNormasLegis - (1) Criações Intelectuais
NormasLegis - (1) Criações Intelectuais
profealbattaiola
 
Ementa hd714 2013
Ementa hd714 2013Ementa hd714 2013
Ementa hd714 2013
profealbattaiola
 
NormasLegis - (6) Contrato
NormasLegis - (6) ContratoNormasLegis - (6) Contrato
NormasLegis - (6) Contrato
profealbattaiola
 
NormasLegis - (5) Questoes Juridicas
NormasLegis - (5) Questoes JuridicasNormasLegis - (5) Questoes Juridicas
NormasLegis - (5) Questoes Juridicas
profealbattaiola
 
Animação 1 - Roteiro (3) Documento de Criação de Narrativa / Personagem
Animação 1 - Roteiro (3) Documento de Criação de Narrativa / PersonagemAnimação 1 - Roteiro (3) Documento de Criação de Narrativa / Personagem
Animação 1 - Roteiro (3) Documento de Criação de Narrativa / Personagem
profealbattaiola
 
Animação 1 - Roteiro (2) Roteiro Literário
Animação 1 - Roteiro (2) Roteiro LiterárioAnimação 1 - Roteiro (2) Roteiro Literário
Animação 1 - Roteiro (2) Roteiro Literário
profealbattaiola
 
Animação 1 - Roteiro (1) Narrativa
Animação 1 - Roteiro (1) NarrativaAnimação 1 - Roteiro (1) Narrativa
Animação 1 - Roteiro (1) Narrativa
profealbattaiola
 
Animação 1 - Linguagem Cinematografica
Animação 1 - Linguagem CinematograficaAnimação 1 - Linguagem Cinematografica
Animação 1 - Linguagem Cinematografica
profealbattaiola
 
Animação 1 - Arquetipos
Animação 1 - ArquetiposAnimação 1 - Arquetipos
Animação 1 - Arquetipos
profealbattaiola
 
Estágio - Regras de Apresentacao
Estágio - Regras de ApresentacaoEstágio - Regras de Apresentacao
Estágio - Regras de Apresentacao
profealbattaiola
 
Estágio – regulamentos e leis
Estágio – regulamentos e leisEstágio – regulamentos e leis
Estágio – regulamentos e leis
profealbattaiola
 
Estágio - Informações Núcleo de Estágios da UFPR
Estágio - Informações Núcleo de Estágios da UFPREstágio - Informações Núcleo de Estágios da UFPR
Estágio - Informações Núcleo de Estágios da UFPR
profealbattaiola
 
HQ - Resumo Conceitos
HQ - Resumo ConceitosHQ - Resumo Conceitos
HQ - Resumo Conceitos
profealbattaiola
 

Mais de profealbattaiola (16)

Anim2 Aula05 Planejamento
Anim2 Aula05 PlanejamentoAnim2 Aula05 Planejamento
Anim2 Aula05 Planejamento
 
NormasLegis - (4) Música - Plágio
NormasLegis - (4) Música - PlágioNormasLegis - (4) Música - Plágio
NormasLegis - (4) Música - Plágio
 
NormasLegis - (2) Direito de Autor
NormasLegis - (2) Direito de AutorNormasLegis - (2) Direito de Autor
NormasLegis - (2) Direito de Autor
 
NormasLegis - (1) Criações Intelectuais
NormasLegis - (1) Criações IntelectuaisNormasLegis - (1) Criações Intelectuais
NormasLegis - (1) Criações Intelectuais
 
Ementa hd714 2013
Ementa hd714 2013Ementa hd714 2013
Ementa hd714 2013
 
NormasLegis - (6) Contrato
NormasLegis - (6) ContratoNormasLegis - (6) Contrato
NormasLegis - (6) Contrato
 
NormasLegis - (5) Questoes Juridicas
NormasLegis - (5) Questoes JuridicasNormasLegis - (5) Questoes Juridicas
NormasLegis - (5) Questoes Juridicas
 
Animação 1 - Roteiro (3) Documento de Criação de Narrativa / Personagem
Animação 1 - Roteiro (3) Documento de Criação de Narrativa / PersonagemAnimação 1 - Roteiro (3) Documento de Criação de Narrativa / Personagem
Animação 1 - Roteiro (3) Documento de Criação de Narrativa / Personagem
 
Animação 1 - Roteiro (2) Roteiro Literário
Animação 1 - Roteiro (2) Roteiro LiterárioAnimação 1 - Roteiro (2) Roteiro Literário
Animação 1 - Roteiro (2) Roteiro Literário
 
Animação 1 - Roteiro (1) Narrativa
Animação 1 - Roteiro (1) NarrativaAnimação 1 - Roteiro (1) Narrativa
Animação 1 - Roteiro (1) Narrativa
 
Animação 1 - Linguagem Cinematografica
Animação 1 - Linguagem CinematograficaAnimação 1 - Linguagem Cinematografica
Animação 1 - Linguagem Cinematografica
 
Animação 1 - Arquetipos
Animação 1 - ArquetiposAnimação 1 - Arquetipos
Animação 1 - Arquetipos
 
Estágio - Regras de Apresentacao
Estágio - Regras de ApresentacaoEstágio - Regras de Apresentacao
Estágio - Regras de Apresentacao
 
Estágio – regulamentos e leis
Estágio – regulamentos e leisEstágio – regulamentos e leis
Estágio – regulamentos e leis
 
Estágio - Informações Núcleo de Estágios da UFPR
Estágio - Informações Núcleo de Estágios da UFPREstágio - Informações Núcleo de Estágios da UFPR
Estágio - Informações Núcleo de Estágios da UFPR
 
HQ - Resumo Conceitos
HQ - Resumo ConceitosHQ - Resumo Conceitos
HQ - Resumo Conceitos
 

Último

O século XVII e o nascimento da pedagogia.pptx
O século XVII e o nascimento da pedagogia.pptxO século XVII e o nascimento da pedagogia.pptx
O século XVII e o nascimento da pedagogia.pptx
geiseortiz1
 
Como montar o mapa conceitual editado.pdf
Como montar o mapa conceitual editado.pdfComo montar o mapa conceitual editado.pdf
Como montar o mapa conceitual editado.pdf
AlineOliveira625820
 
Aula de filosofia sobre Sexo, Gênero e sexualidade
Aula de filosofia sobre Sexo, Gênero e sexualidadeAula de filosofia sobre Sexo, Gênero e sexualidade
Aula de filosofia sobre Sexo, Gênero e sexualidade
AlessandraRibas7
 
Atpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptx
Atpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptxAtpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptx
Atpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptx
joaresmonte3
 
Concurso FEMAR Resultado Final Etapa1-EmpregoscomEtapaII.pdf
Concurso FEMAR Resultado Final Etapa1-EmpregoscomEtapaII.pdfConcurso FEMAR Resultado Final Etapa1-EmpregoscomEtapaII.pdf
Concurso FEMAR Resultado Final Etapa1-EmpregoscomEtapaII.pdf
TathyLopes1
 
Roteiro para análise do Livro Didático.pptx
Roteiro para análise do Livro Didático.pptxRoteiro para análise do Livro Didático.pptx
Roteiro para análise do Livro Didático.pptx
pamellaaraujo10
 
A importância das conjunções- Ensino Médio
A importância das conjunções- Ensino MédioA importância das conjunções- Ensino Médio
A importância das conjunções- Ensino Médio
nunesly
 
Loteria - Adição, subtração, multiplicação e divisão.
Loteria - Adição,  subtração,  multiplicação e divisão.Loteria - Adição,  subtração,  multiplicação e divisão.
Loteria - Adição, subtração, multiplicação e divisão.
Mary Alvarenga
 
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
DouglasMoraes54
 
Pedagogia universitária em ciência e tecnologia
Pedagogia universitária em ciência e tecnologiaPedagogia universitária em ciência e tecnologia
Pedagogia universitária em ciência e tecnologia
Nertan Dias
 
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
fagnerlopes11
 
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de cursoDicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Simone399395
 
FUNCAO EQUAÇÃO DO 2° GRAU SLIDES AULA 1.ppt
FUNCAO EQUAÇÃO DO 2° GRAU SLIDES AULA 1.pptFUNCAO EQUAÇÃO DO 2° GRAU SLIDES AULA 1.ppt
FUNCAO EQUAÇÃO DO 2° GRAU SLIDES AULA 1.ppt
MarceloMonteiro213738
 
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
fran0410
 
MAPAS MENTAIS Conhecimentos Pedagógicos - ATUALIZADO 2024 PROF. Fernanda.pdf
MAPAS MENTAIS Conhecimentos Pedagógicos - ATUALIZADO 2024 PROF. Fernanda.pdfMAPAS MENTAIS Conhecimentos Pedagógicos - ATUALIZADO 2024 PROF. Fernanda.pdf
MAPAS MENTAIS Conhecimentos Pedagógicos - ATUALIZADO 2024 PROF. Fernanda.pdf
GracinhaSantos6
 
3ª série HIS - PROVA PAULISTA DIA 1 - 1º BIM-24.pdf
3ª série HIS - PROVA PAULISTA DIA 1 - 1º BIM-24.pdf3ª série HIS - PROVA PAULISTA DIA 1 - 1º BIM-24.pdf
3ª série HIS - PROVA PAULISTA DIA 1 - 1º BIM-24.pdf
AdrianoMontagna1
 
AUTISMO LEGAL - DIREITOS DOS AUTISTAS- LEGISLAÇÃO
AUTISMO LEGAL - DIREITOS DOS AUTISTAS- LEGISLAÇÃOAUTISMO LEGAL - DIREITOS DOS AUTISTAS- LEGISLAÇÃO
AUTISMO LEGAL - DIREITOS DOS AUTISTAS- LEGISLAÇÃO
FernandaOliveira758273
 
PALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇO
PALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇOPALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇO
PALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇO
ARIADNEMARTINSDACRUZ
 
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdfO Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
silvamelosilva300
 
Aula Aberta_Avaliação Digital no ensino basico e secundário.pdf
Aula Aberta_Avaliação Digital no ensino basico e secundário.pdfAula Aberta_Avaliação Digital no ensino basico e secundário.pdf
Aula Aberta_Avaliação Digital no ensino basico e secundário.pdf
Marília Pacheco
 

Último (20)

O século XVII e o nascimento da pedagogia.pptx
O século XVII e o nascimento da pedagogia.pptxO século XVII e o nascimento da pedagogia.pptx
O século XVII e o nascimento da pedagogia.pptx
 
Como montar o mapa conceitual editado.pdf
Como montar o mapa conceitual editado.pdfComo montar o mapa conceitual editado.pdf
Como montar o mapa conceitual editado.pdf
 
Aula de filosofia sobre Sexo, Gênero e sexualidade
Aula de filosofia sobre Sexo, Gênero e sexualidadeAula de filosofia sobre Sexo, Gênero e sexualidade
Aula de filosofia sobre Sexo, Gênero e sexualidade
 
Atpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptx
Atpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptxAtpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptx
Atpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptx
 
Concurso FEMAR Resultado Final Etapa1-EmpregoscomEtapaII.pdf
Concurso FEMAR Resultado Final Etapa1-EmpregoscomEtapaII.pdfConcurso FEMAR Resultado Final Etapa1-EmpregoscomEtapaII.pdf
Concurso FEMAR Resultado Final Etapa1-EmpregoscomEtapaII.pdf
 
Roteiro para análise do Livro Didático.pptx
Roteiro para análise do Livro Didático.pptxRoteiro para análise do Livro Didático.pptx
Roteiro para análise do Livro Didático.pptx
 
A importância das conjunções- Ensino Médio
A importância das conjunções- Ensino MédioA importância das conjunções- Ensino Médio
A importância das conjunções- Ensino Médio
 
Loteria - Adição, subtração, multiplicação e divisão.
Loteria - Adição,  subtração,  multiplicação e divisão.Loteria - Adição,  subtração,  multiplicação e divisão.
Loteria - Adição, subtração, multiplicação e divisão.
 
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
 
Pedagogia universitária em ciência e tecnologia
Pedagogia universitária em ciência e tecnologiaPedagogia universitária em ciência e tecnologia
Pedagogia universitária em ciência e tecnologia
 
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
 
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de cursoDicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
 
FUNCAO EQUAÇÃO DO 2° GRAU SLIDES AULA 1.ppt
FUNCAO EQUAÇÃO DO 2° GRAU SLIDES AULA 1.pptFUNCAO EQUAÇÃO DO 2° GRAU SLIDES AULA 1.ppt
FUNCAO EQUAÇÃO DO 2° GRAU SLIDES AULA 1.ppt
 
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
 
MAPAS MENTAIS Conhecimentos Pedagógicos - ATUALIZADO 2024 PROF. Fernanda.pdf
MAPAS MENTAIS Conhecimentos Pedagógicos - ATUALIZADO 2024 PROF. Fernanda.pdfMAPAS MENTAIS Conhecimentos Pedagógicos - ATUALIZADO 2024 PROF. Fernanda.pdf
MAPAS MENTAIS Conhecimentos Pedagógicos - ATUALIZADO 2024 PROF. Fernanda.pdf
 
3ª série HIS - PROVA PAULISTA DIA 1 - 1º BIM-24.pdf
3ª série HIS - PROVA PAULISTA DIA 1 - 1º BIM-24.pdf3ª série HIS - PROVA PAULISTA DIA 1 - 1º BIM-24.pdf
3ª série HIS - PROVA PAULISTA DIA 1 - 1º BIM-24.pdf
 
AUTISMO LEGAL - DIREITOS DOS AUTISTAS- LEGISLAÇÃO
AUTISMO LEGAL - DIREITOS DOS AUTISTAS- LEGISLAÇÃOAUTISMO LEGAL - DIREITOS DOS AUTISTAS- LEGISLAÇÃO
AUTISMO LEGAL - DIREITOS DOS AUTISTAS- LEGISLAÇÃO
 
PALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇO
PALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇOPALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇO
PALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇO
 
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdfO Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
 
Aula Aberta_Avaliação Digital no ensino basico e secundário.pdf
Aula Aberta_Avaliação Digital no ensino basico e secundário.pdfAula Aberta_Avaliação Digital no ensino basico e secundário.pdf
Aula Aberta_Avaliação Digital no ensino basico e secundário.pdf
 

Anim2 Aula01 Percepcao

  • 1. U F P R LAI-DI –DESIGN -UFPR –MatheusCezarotto, Marcia Alves e André Battaiola 65 / 1 Animação –Conceitos Animação II
  • 2. U F P R LAI-DI –DESIGN -UFPR –MatheusCezarotto, Marcia Alves e André Battaiola 65 / 2 Animação –Conceitos Animação II
  • 3. U F P R LAI-DI –DESIGN -UFPR –MatheusCezarotto, Marcia Alves e André Battaiola 65 / 3 Animação –Conceitos Objetivos: A disciplina visa a produção da animação que foi planejada em Animação I através da produção de um ANIMATIC. Conhecer e aplicar as etapas de produção, ferramentas e técnicas de animação. Animação II –visão geral
  • 4. U F P R LAI-DI –DESIGN -UFPR –MatheusCezarotto, Marcia Alves e André Battaiola 65 / 4 Animação –Conceitos Animação II –visão geral
  • 5. U F P R LAI-DI –DESIGN -UFPR –MatheusCezarotto, Marcia Alves e André Battaiola 65 / 5 Animação –Conceitos Animação II –visão geral
  • 6. U F P R LAI-DI –DESIGN -UFPR –MatheusCezarotto, Marcia Alves e André Battaiola 65 / 6 Animação –Conceitos Conceitos de Animação O conceito de animação é amplo e suas fronteiras ainda estão indefinidas. A palavra animaçãovem do verbo animar, conforme o dicionário Houaiss, significa dar “alma”, dar vida, imprimir ação, movimento ou aceleração, ou seja, dar aparência de vida.
  • 7. U F P R LAI-DI –DESIGN -UFPR –MatheusCezarotto, Marcia Alves e André Battaiola 65 / 7 Animação –Conceitos O termo deriva do verbo latino animare(dar vida a) e só veio a ser utilizado para descrever imagens em movimento no século XX. (BARBOSA JÚNIOR, 2005. p. 28). Conceitos de Animação
  • 8. U F P R LAI-DI –DESIGN -UFPR –MatheusCezarotto, Marcia Alves e André Battaiola 65 / 8 Animação –Conceitos Uma definição técnica de animação a considera como a ilusão de ótica gerada por uma série de imagens (não filmadas), que ocasiona a impressão de movimento devido ao fenômeno da retenção retiniana, no qual os olhos retêm qualquer imagem no intervalo de tempo que vai de 1/10 a 1/17 segundos. (WEBSTER, 2005). Conceitos de Animação
  • 9. U F P R LAI-DI –DESIGN -UFPR –MatheusCezarotto, Marcia Alves e André Battaiola 65 / 9 Animação –Conceitos Conceitos de Animação
  • 10. U F P R LAI-DI –DESIGN -UFPR –MatheusCezarotto, Marcia Alves e André Battaiola 65 / 10 Animação –Conceitos Para Bétrancourt e Tvesrky, (2000, p. 313apudAINSWORTH, 2008), a animação se configura como uma série de frames(quadros que contêm representações estáticas), alinhados, que só se mostram temporariamente e são logo substituídos pelos seus subseqüentes. Conceitos de Animação
  • 11. U F P R LAI-DI –DESIGN -UFPR –MatheusCezarotto, Marcia Alves e André Battaiola 65 / 11 Animação –Conceitos Conceitos de Animação
  • 12. U F P R LAI-DI –DESIGN -UFPR –MatheusCezarotto, Marcia Alves e André Battaiola 65 / 12 Animação –Conceitos Cada framesó aparece ou se mostra, por um pequeno período de tempo sendo substituído por outro, isso gera a sensação de movimento. Essa definição utiliza-se do princípio de Rogetda persistência retiniana para representar a dimensão de tempo e movimento. Conceitos de Animação
  • 13. U F P R LAI-DI –DESIGN -UFPR –MatheusCezarotto, Marcia Alves e André Battaiola 65 / 13 Animação –Conceitos Conforme Mayer e Moreno (2002, apudAINSWORTH, 2008) o vídeo e as imagens filmadas com movimentos reais captados, não podem ser considerados uma animação. Para esses autores, o vídeoé utilizado para mostrar o movimento real de objetos reais, enquanto a animação representaria o movimento simulado de objetos também simulados. Conceitos de Animação
  • 14. U F P R LAI-DI –DESIGN -UFPR –MatheusCezarotto, Marcia Alves e André Battaiola 65 / 14 Animação –Conceitos Um conceito mais amplo de animação foi proposto por Lowe e Schnotz (inLOWE e SCHNOTZ, 2008), que define animação como sendo representações pictóricas que modificam sua estrutura, ou propriedades, no decorrer de um período de tempo, apresentando uma série de ações perceptíveis e mutantes. Conceitos de Animação
  • 15. U F P R LAI-DI –DESIGN -UFPR –MatheusCezarotto, Marcia Alves e André Battaiola 65 / 15 Animação –Conceitos Lowe e Schnotz (2008), também incluem o vídeo como animação, englobando animações como o curta premiado Tyger de Guilherme Marcondes. Conceitos de Animação
  • 16. U F P R LAI-DI –DESIGN -UFPR –MatheusCezarotto, Marcia Alves e André Battaiola 65 / 16 Animação –Conceitos Conceitos de Animação
  • 17. U F P R LAI-DI –DESIGN -UFPR –MatheusCezarotto, Marcia Alves e André Battaiola 65 / 17 Animação –Conceitos Conforme Thomaz e Johnston (1995, p. 15-18) pioneiros do desenho animado com as indústrias de Walt Disney, a animação é a junção de processos de representações visuais de tempo e espaço, para transportar emoções. O transporte de “emoções e sentimentos”a essência desta comunicação se transformou em uma forma de arte. Conceitos de Animação
  • 18. U F P R LAI-DI –DESIGN -UFPR –MatheusCezarotto, Marcia Alves e André Battaiola 65 / 18 Animação –Conceitos “Uma mágica habilidade de proporcionar ao público uma comunicaçãode maneira mais fácil que a verbal, quebrando barreiras de linguagem”. (Thomaz e Johnston, 1995) Conceitos de Animação
  • 19. U F P R LAI-DI –DESIGN -UFPR –MatheusCezarotto, Marcia Alves e André Battaiola 65 / 19 Animação –Conceitos Como se pode perceber o conceito de animação engloba dois posicionamentos: como técnica de representação e como arte expressiva. Portanto, sua percepção depende não somente da retina e da persistência da visão, mas depende também do cérebro e de seus mecanismos de percepção para interpretar e compreender e decodificar as mensagens animadas. Conceitos de Animação
  • 20. U F P R LAI-DI –DESIGN -UFPR –MatheusCezarotto, Marcia Alves e André Battaiola 65 / 20 Animação –Conceitos Peter Mark Roget escreveu um artigo intitulado “The persistence of vision with regard to moving objects”. Neste artigo ele propõe por meio de testes empíricos que o olho humano retémuma imagem por uma fração de segundos enquanto outra imagem vai sendo percebida. E assim, da combinação das imagens vistas sobrepostasem sequência e em determinada velocidade, o cérebro humano as perceberia como se fossem uma única imagem realizando um movimento. (BARBOSA JÚNIOR, 2005). Conceitos de Animação
  • 21. U F P R LAI-DI –DESIGN -UFPR –MatheusCezarotto, Marcia Alves e André Battaiola 65 / 21 Animação –Conceitos Pinna (inFABIARZ et al, 2008, p. 321-322) discute a persistência da visão colocando alguns problemas para a teoria. Para esse autor o fenômeno não funcionaria com qualquer desenho em sequência, se ao invés de imagens iguais fossem utilizadas figuras diferentes a ilusão de movimento se perderia. Os estudos do psicólogo Hugo Münsterber (1916) inclui nesse processo não somente a persistência da imagem na retina, mas também, a ação da mente do espectador no processo que gera a ilusão do movimento. Conceitos de Animação
  • 22. U F P R LAI-DI –DESIGN -UFPR –MatheusCezarotto, Marcia Alves e André Battaiola 65 / 22 Animação –Conceitos Conceitos de Animação Segundo Pinna, Münsterber propõe que “para haver a ilusão do movimento aparente faz-se necessário, obrigatoriamente, um investimento por parte de espectador(em termos de atenção, memória, emoção, imaginação, etc.) sem o qual o filme nada mais é do que um encadeamento de imagens sem vida”. (inFABIARZ et al, 2008, p. 321-322). A partir de Roget, surgiram várias invenções inicialmente chamadas de brinquedos ópticos tais como o Taumatroscópio, o Fenacistocópio, o Estroboscópio, o Zootroscópio, o Praxinoscópio.
  • 23. U F P R LAI-DI –DESIGN -UFPR –MatheusCezarotto, Marcia Alves e André Battaiola 65 / 23 Animação –Conceitos Conceitos de Animação
  • 24. U F P R LAI-DI –DESIGN -UFPR –MatheusCezarotto, Marcia Alves e André Battaiola 65 / 24 Animação –Conceitos Conceitos de Animação “A persistência retinianaexiste de fato mas, se desempenhasse uma função no cinema, apenas produziria uma confusão de imagens remanescentes. A percepção do filme só é possível, de fato, graças ao efeito-phi, e também ao mascaramento visual que nos libera da persistência retiniana.” (Jacques Aumont -A imagem p.52) O efeito-phié um intervalo negro entre a projeção de um fotograma e outro que permite atenuar a imagem persistente que fica retida pelosolhos. O Efeito-Phi -psicólogo Max Wertheimer 1912
  • 25. U F P R LAI-DI –DESIGN -UFPR –MatheusCezarotto, Marcia Alves e André Battaiola 65 / 25 Animação –Conceitos Percepção e Animação O que é percepção? •A percepção sensível ou sensação (em grego, aísthesis) é um modo de contato e de conhecimento da realidade por meio dos cinco sentidos: visão, audição, olfato, paladar e tato. •Assim, perceber é acolher e assimilara forma sensível dos objetos. (Saes, 2010)
  • 26. U F P R LAI-DI –DESIGN -UFPR –MatheusCezarotto, Marcia Alves e André Battaiola 65 / 26 Animação –Conceitos Percepção e Animação Mas como funciona a nossa visão?
  • 27. U F P R LAI-DI –DESIGN -UFPR –MatheusCezarotto, Marcia Alves e André Battaiola 65 / 27 Animação –Conceitos Percepção e Animação Nervo óptico Retina Fotorreceptores Pupila
  • 28. U F P R LAI-DI –DESIGN -UFPR –MatheusCezarotto, Marcia Alves e André Battaiola 65 / 28 Animação –Conceitos Percepção e Animação Como visualizamos as cores? Cones: •Vermelho •Verde •Azul (RBG) how we see color -Colm Kelleher -TED-Ed
  • 29. U F P R LAI-DI –DESIGN -UFPR –MatheusCezarotto, Marcia Alves e André Battaiola 65 / 29 Animação –Conceitos Percepção e Animação Bastonetes •preto e branco (pouca luz) Como visualizamos as cores? how we see color -Colm Kelleher -TED-Ed
  • 30. U F P R LAI-DI –DESIGN -UFPR –MatheusCezarotto, Marcia Alves e André Battaiola 65 / 30 Animação –Conceitos Percepção e Animação O que influencia a percepção? •Fatores cognitivos; •Fisiológicos; •Subjetivos; •Sócio-culturais.
  • 31. U F P R LAI-DI –DESIGN -UFPR –MatheusCezarotto, Marcia Alves e André Battaiola 65 / 31 Animação –Conceitos Animação como ilusão de ótica (Macknik e Martinez-Conte, 2011) As ilusões de ótica são percepções visuais subjetivas que não correspondem à realidade do mundo que nos cerca. Ocorrem quando a realidade física não corresponde à percepção. Percepção e Animação
  • 32. U F P R LAI-DI –DESIGN -UFPR –MatheusCezarotto, Marcia Alves e André Battaiola 65 / 32 Animação –Conceitos •Ao vivenciar uma ilusão de ótica, pode-se ver algo que não existe, deixar de ver algo que existe ou ver algo diferente do que existe. As percepções contradizem as propriedades físicas daquilo para que se olha. Os olhos nos dizem apenas parte daquilo que podemos ver. O resto é feito pelo cérebro, em um labirinto de etapas. Percepção e Animação
  • 33. U F P R LAI-DI –DESIGN -UFPR –MatheusCezarotto, Marcia Alves e André Battaiola 65 / 33 Animação –Conceitos Percepção e Animação •Cores •Contraste •Movimento •Perspectiva
  • 34. U F P R LAI-DI –DESIGN -UFPR –MatheusCezarotto, Marcia Alves e André Battaiola 65 / 34 Animação –Conceitos Percepção e Animação •Cores
  • 35. U F P R LAI-DI –DESIGN -UFPR –MatheusCezarotto, Marcia Alves e André Battaiola 65 / 35 Animação –Conceitos Percepção e Animação
  • 36. U F P R LAI-DI –DESIGN -UFPR –MatheusCezarotto, Marcia Alves e André Battaiola 65 / 36 Animação –Conceitos Percepção e Animação •O cérebro constrói a realidade, tanto visualquanto de outra natureza. O que você vê, ouve, sente e pensa se baseia no que espera ver, ouvir, sentir e pensar. As expectativas estão baseadas em todas as suas experiências e lembranças anteriores.
  • 37. U F P R LAI-DI –DESIGN -UFPR –MatheusCezarotto, Marcia Alves e André Battaiola 65 / 37 Animação –Conceitos Percepção e Animação
  • 38. U F P R LAI-DI –DESIGN -UFPR –MatheusCezarotto, Marcia Alves e André Battaiola 65 / 38 Animação –Conceitos Percepção e Animação A única diferença entre esses dois rostos é seu grau de contraste Richard Russell -neurocientista de Harvard •Contraste
  • 39. U F P R LAI-DI –DESIGN -UFPR –MatheusCezarotto, Marcia Alves e André Battaiola 65 / 39 Animação –Conceitos Percepção e Animação •Contraste -Figura X Fundo
  • 40. U F P R LAI-DI –DESIGN -UFPR –MatheusCezarotto, Marcia Alves e André Battaiola 65 / 40 Animação –Conceitos Percepção e Animação Você conhece esta pessoa?
  • 41. U F P R LAI-DI –DESIGN -UFPR –MatheusCezarotto, Marcia Alves e André Battaiola 65 / 41 Animação –Conceitos Percepção e Animação
  • 42. U F P R LAI-DI –DESIGN -UFPR –MatheusCezarotto, Marcia Alves e André Battaiola 65 / 42 Animação –Conceitos Percepção e Animação A percepção do movimentonão precisa surgir de uma ação real no mundo. Ela ocorre quando dedicados neurônios que processam o movimento no cérebro são ativados por padrões específicos de mudanças. •Movimento
  • 43. U F P R LAI-DI –DESIGN -UFPR –MatheusCezarotto, Marcia Alves e André Battaiola 65 / 43 Animação –Conceitos Percepção e Animação Cobras giratórias -Akiyoshi Kitaoka-
  • 44. U F P R LAI-DI –DESIGN -UFPR –MatheusCezarotto, Marcia Alves e André Battaiola 65 / 44 Animação –Conceitos Percepção e Animação •A Trompe-l’oeil é um termo francês que significa “enganar o olho” •Século XVII pintores holandeses, Cornelius N. Gysbrechts •Perspectiva
  • 45. U F P R LAI-DI –DESIGN -UFPR –MatheusCezarotto, Marcia Alves e André Battaiola 65 / 45 Animação –Conceitos Percepção e Animação
  • 46. U F P R LAI-DI –DESIGN -UFPR –MatheusCezarotto, Marcia Alves e André Battaiola 65 / 46 Animação –Conceitos Percepção e Animação •Perspectiva Qual bola é a maior?
  • 47. U F P R LAI-DI –DESIGN -UFPR –MatheusCezarotto, Marcia Alves e André Battaiola 65 / 47 Animação –Conceitos Percepção e Animação video bola de futebol e golf (ausente pelo tamanho para envio por email)
  • 48. U F P R LAI-DI –DESIGN -UFPR –MatheusCezarotto, Marcia Alves e André Battaiola 65 / 48 Animação –Conceitos Percepção e Animação Eyetrack -Alfred Yarbus- •Segundo Macknik e Martinez-Conte (2011) possuímos um mecanismo denominado atenção conjuntapelo qual compartilhamos a experiência do outro, acompanhando a direção de seu olhar e dos gesto com que ela aponta.
  • 49. U F P R LAI-DI –DESIGN -UFPR –MatheusCezarotto, Marcia Alves e André Battaiola 65 / 49 Animação –Conceitos Percepção e Animação •A maioria das pessoas volta a olhar e atenção para os rostos das pessoas.
  • 50. U F P R LAI-DI –DESIGN -UFPR –MatheusCezarotto, Marcia Alves e André Battaiola 65 / 50 Animação –Conceitos Percepção e Animação •A maioria das pessoas volta a olhar e atenção para os rostos das pessoas. •Você notou alguma coisa estranha nesta foto?
  • 51. U F P R LAI-DI –DESIGN -UFPR –MatheusCezarotto, Marcia Alves e André Battaiola 65 / 51 Animação –Conceitos Percepção e Animação •A maioria das pessoas volta a olhar e atenção para os rostos das pessoas. •Você notou alguma coisa estranha nesta foto?
  • 52. U F P R LAI-DI –DESIGN -UFPR –MatheusCezarotto, Marcia Alves e André Battaiola 65 / 52 Animação –Conceitos A percepção está ligada a forma e a questões subjetivas.
  • 53. U F P R LAI-DI –DESIGN -UFPR –MatheusCezarotto, Marcia Alves e André Battaiola 65 / 53 Animação –Conceitos •Teoria da forma -Gestalt A psicologia da Gestalt, também conhecida como psicologia da forma ou psicologia da percepção, surge como escola no início do século XX, na Alemanha, devido aos trabalhos de três principais estudiosos: •Max Wertheimer (1880-1943) •Wolfgang Köhler(1887-1967) •Kurt Koffka(1886-1941)
  • 54. U F P R LAI-DI –DESIGN -UFPR –MatheusCezarotto, Marcia Alves e André Battaiola 65 / 54 Animação –Conceitos A percepção não é o resultado da soma de sensações de pontos luminosos individuais, mas uma apreensão imediata e unificada do todo, devido a uma necessidade interna de organização. O olho humano tende a agrupar as várias unidades de um campo visual para formar um todo, sendo a visão um ato criativo. Tudo é visto por meio de relações. Princípios: pregnância, semelhança, proximidade, boa continuidade, fechamento e figura-fundo •Gestalt -conceito
  • 55. U F P R LAI-DI –DESIGN -UFPR –MatheusCezarotto, Marcia Alves e André Battaiola 65 / 55 Animação –Conceitos É chamada também de lei da simplicidade. Objetos em um ambiente são vistos da forma mais simples possíveis. Quanto mais simples, mais facilmente é assimilado. •Gestalt -Pregnância
  • 56. U F P R LAI-DI –DESIGN -UFPR –MatheusCezarotto, Marcia Alves e André Battaiola 65 / 56 Animação –Conceitos Os objetos tendem a se agrupar por similaridade de forma, cor, textura, dimensão e etc. •Gestalt -semelhança/similaridade
  • 57. U F P R LAI-DI –DESIGN -UFPR –MatheusCezarotto, Marcia Alves e André Battaiola 65 / 57 Animação –Conceitos Elementos que estão próximos tendem a ser percebidos como um grupo. •Gestalt -proximidade
  • 58. U F P R LAI-DI –DESIGN -UFPR –MatheusCezarotto, Marcia Alves e André Battaiola 65 / 58 Animação –Conceitos Toda unidade linear, seja reta ou curva, tende a se prolongar na mesma direção, com o mesmo movimento. Esse fator também influi na percepção da tridimensionalidade das figuras e na identificação de planos diferentes. •Gestalt -boa continuidade
  • 59. U F P R LAI-DI –DESIGN -UFPR –MatheusCezarotto, Marcia Alves e André Battaiola 65 / 59 Animação –Conceitos Elementos são agrupados de tal modo que parecem se completar. Nossa mente vê um objeto completo mesmo quando ele não está presente. O cérebro tende a completar os elementos, formando uma figura delimitada. •Gestalt -fechamento
  • 60. U F P R LAI-DI –DESIGN -UFPR –MatheusCezarotto, Marcia Alves e André Battaiola 65 / 60 Animação –Conceitos Por segregação, vemos a unidade menor como figura e a maior como fundo. A dependência entre figura e fundo, estabelece que uma forma não se constitui isoladamente, mas em relação à moldura. •Gestalt -segregação unidade/ figura fundo
  • 61. U F P R LAI-DI –DESIGN -UFPR –MatheusCezarotto, Marcia Alves e André Battaiola 65 / 61 Animação –Conceitos Percepção e Animação •O cérebro inconsciente documentário.
  • 62. U F P R LAI-DI –DESIGN -UFPR –MatheusCezarotto, Marcia Alves e André Battaiola 65 / 62 Animação –Conceitos Percepção e Animação •As ilusões não são exceções e não são necessariamente erros. São parteintegrante da percepçãoe representam aspectos fundamentais do processamento visual e cognitivo. •Elas atuam como atalhos adaptativoscriados pelo cérebro para acelerar esse processamentoou para reduzir a quantidade de processamento necessária para nos dar as informações de que precisamos para sobreviver, ainda que não sejam tecnicamente exatas. (Macknik e Martinez-Conte, 2011)
  • 63. U F P R LAI-DI –DESIGN -UFPR –MatheusCezarotto, Marcia Alves e André Battaiola 65 / 63 Animação –Conceitos Percepção e Animação Discussão •Animação •Percepção •Ilusão de ótica
  • 64. U F P R LAI-DI –DESIGN -UFPR –MatheusCezarotto, Marcia Alves e André Battaiola 65 / 64 Animação –Conceitos Conceitos -Referências (Willians, 2009) (Halas et al, 2011)
  • 65. U F P R LAI-DI –DESIGN -UFPR –MatheusCezarotto, Marcia Alves e André Battaiola 65 / 65 Animação –Conceitos Conceitos -Referências (Barbosa Junior, 2005) (Macknik e Martinez-Conte, 2011)