SlideShare uma empresa Scribd logo
U 
F 
P 
R 
LAI-DI –DESIGN -UFPR –MatheusCezarotto, Marcia Alves e André Battaiola 
104 / 1 
Animação –Truques 
Animação II –Visão Geral
U 
F 
P 
R 
LAI-DI –DESIGN -UFPR –MatheusCezarotto, Marcia Alves e André Battaiola 
104 / 2 
Animação –Truques 
Truques e dicas de animação 
•Princípios de Animação; 
•Linha de ação do personagem; 
•Reaproveitamento de quadros; 
•Cenário em movimento; 
•Montagem com acetatos.
U 
F 
P 
R 
LAI-DI –DESIGN -UFPR –MatheusCezarotto, Marcia Alves e André Battaiola 
104 / 3 
Animação –Truques 
Princípios da Animação 
Personagem 
1. Carisma 
Movimentação 
2. Continuidade e Sobreposição de Ação 
3. Ação Secundária 
4. Arco 
5. Temporização 
6. Aceleração e Desaceleração 
Semiótica da Animação 
7. Enquadramento 
8. Exagero 
9. Esticar e Encolher 
10. Antecipação 
Técnicas de animação 
11. Animação Direta 
12. Pose a Pose
U 
F 
P 
R 
LAI-DI –DESIGN -UFPR –MatheusCezarotto, Marcia Alves e André Battaiola 
104 / 4 
Animação –Truques 
Princípios da Animação 
Personagem 
1. Carisma 
Movimentação 
2. Continuidade e Sobreposição de Ação 
3. Ação Secundária 
4. Arco 
5. Temporização 
6. Aceleração e Desaceleração 
Semiótica da Animação 
7. Enquadramento 
8. Exagero 
9. Esticar e Encolher 
10. Antecipação 
Técnicas de animação 
11. Animação Direta 
12. Pose a Pose
U 
F 
P 
R 
LAI-DI –DESIGN -UFPR –MatheusCezarotto, Marcia Alves e André Battaiola 
104 / 5 
Animação –Truques 
Umpersonagemdeanimaçãocativaopúblicoporsuascaracterísticasreaisehumanas.Esteéoapelodeumpersonagem,suacapacidadedeatingiroespectadoredeserelacionarcomele. 
Formação de Personalidade: 
1.Identidade 
2.Perfil psicológico. 
3.Realidade. 
4.Linha de raciocínio, 
5.Conduta e ação. 
1. Carisma 
(Appeal)
U 
F 
P 
R 
LAI-DI –DESIGN -UFPR –MatheusCezarotto, Marcia Alves e André Battaiola 
104 / 6 
Animação –Truques 
1. Carisma 
Qualidades e valores humanos inseridos em personagens animados. 
Se o Wall-e fosse humano...
U 
F 
P 
R 
LAI-DI –DESIGN -UFPR –MatheusCezarotto, Marcia Alves e André Battaiola 
104 / 7 
Animação –Truques 
Uma personagem de animação cativa ao público por suas características reaise humanas. 
Este é o apelo de um personagem, sua capacidade de atingir o espectador e de se relacionar com ele. 
1. Carisma
U 
F 
P 
R 
LAI-DI –DESIGN -UFPR –MatheusCezarotto, Marcia Alves e André Battaiola 
104 / 8 
Animação –Truques 
(appeal) 
Umpersonagemdeanimaçãocativaopúblicoporsuascaracterísticasreaisehumanas.Esteéoapelodeumpersonagem,suacapacidadedeatingiroespectadoredeserelacionarcomele. 
1. Carisma 
Apeloé aquilo que torna um determinado personagem interessante para o espectador, aquilo que o atraie mantém sua atenção. 
Não é necessariamente “beleza”, mas “carisma”.
U 
F 
P 
R 
LAI-DI –DESIGN -UFPR –MatheusCezarotto, Marcia Alves e André Battaiola 
104 / 9 
Animação –Truques 
Umpersonagemdeanimaçãocativaopúblicoporsuascaracterísticasreaisehumanas.Esteéoapelodeumpersonagem,suacapacidadedeatingiroespectadoredeserelacionarcomele. 
O Apeloe o carisma podem ser alcançados também por aspectos técnicos: 
•Desenhos expressivos, 
•Simplicidade; 
•Organização do personagem; 
•Composição de sua forma; 
•Texturas; 
•Cores. 
1. Carisma
U 
F 
P 
R 
LAI-DI –DESIGN -UFPR –MatheusCezarotto, Marcia Alves e André Battaiola 
104 / 10 
Animação –Truques 
1. Carisma 
Aspectos físicos como componentes da personalidade.
U 
F 
P 
R 
LAI-DI –DESIGN -UFPR –MatheusCezarotto, Marcia Alves e André Battaiola 
104 / 11 
Animação –Truques 
1. Carisma 
Personagens PIXAR 
2000 
http://www.youtube.com/watch?v=yJzQiemCIuY
U 
F 
P 
R 
LAI-DI –DESIGN -UFPR –MatheusCezarotto, Marcia Alves e André Battaiola 
104 / 12 
Animação –Truques 
1. Carisma 
Personagens The Simpsons
U 
F 
P 
R 
LAI-DI –DESIGN -UFPR –MatheusCezarotto, Marcia Alves e André Battaiola 
104 / 13 
Animação –Truques 
1. Carisma 
Personagens SouthPark
U 
F 
P 
R 
LAI-DI –DESIGN -UFPR –MatheusCezarotto, Marcia Alves e André Battaiola 
104 / 14 
Animação –Truques 
Como você incluiu carismae apeloem seu personagem ? 
1. Carisma
U 
F 
P 
R 
LAI-DI –DESIGN -UFPR –MatheusCezarotto, Marcia Alves e André Battaiola 
104 / 15 
Animação –Truques 
Princípios da Animação 
Personagem 
1. Carisma 
Movimentação 
2. Continuidade e Sobreposição de Ação 
3. Ação Secundária 
4. Arco 
5. Temporização 
6. Aceleração e Desaceleração 
Semiótica da Animação 
7. Enquadramento 
8. Exagero 
9. Esticar e Encolher 
10. Antecipação 
Técnicas de animação 
11. Animação Direta 
12. Pose a Pose
U 
F 
P 
R 
LAI-DI –DESIGN -UFPR –MatheusCezarotto, Marcia Alves e André Battaiola 
104 / 16 
Animação –Truques 
Devido as leis físicas, objetos em movimento nunca param subitamente ou se movem continuadamente. 
Há sempre uma reação para uma ação, portanto, nenhum movimento é isolado e não deve terminar abruptamente. 
(Follow through and overlapping action) 
2. Continuidade e Sobreposição de Ação
U 
F 
P 
R 
LAI-DI –DESIGN -UFPR –MatheusCezarotto, Marcia Alves e André Battaiola 
104 / 17 
Animação –Truques 
Os princípios físicos em uma animação conferem autenticidade ao filme e mantêm o espectador identificado com as personagens. 
Uma das 
recomendações é 
manter a ação 
fluída, 
sem interrupções 
abruptas de 
movimento. 
2. Continuidade e Sobreposição de Ação
U 
F 
P 
R 
LAI-DI –DESIGN -UFPR –MatheusCezarotto, Marcia Alves e André Battaiola 
104 / 18 
Animação –Truques 
Quando o corpo da personagem pára todas as outras partes continuam em movimento, de acordo com a inércia. 
Partes como braços, pernas, cabelo longo, roupas, vestidos, orelhas ou rabos grandes seguem um caminho de ação próprio. Nada pára de uma única vez. 
(Follow through and overlapping action) 
2. Continuidade e Sobreposição de Ação
U 
F 
P 
R 
LAI-DI –DESIGN -UFPR –MatheusCezarotto, Marcia Alves e André Battaiola 
104 / 19 
Animação –Truques 
2. Continuidade e Sobreposição de Ação
U 
F 
P 
R 
LAI-DI –DESIGN -UFPR –MatheusCezarotto, Marcia Alves e André Battaiola 
104 / 20 
Animação –Truques 
(Follow through and overlapping action) 
2. Continuidade e Sobreposição de Ação 
http://www.youtube.com/watch?v=lgcw2d4wFQw&feature=related
U 
F 
P 
R 
LAI-DI –DESIGN -UFPR –MatheusCezarotto, Marcia Alves e André Battaiola 
104 / 21 
Animação –Truques 
(Follow through and overlapping action) 
2. Continuidade e Sobreposição de Ação
U 
F 
P 
R 
LAI-DI –DESIGN -UFPR –MatheusCezarotto, Marcia Alves e André Battaiola 
104 / 22 
Animação –Truques 
(Follow through and overlapping action) 
2. Continuidade e Sobreposição de Ação
U 
F 
P 
R 
LAI-DI –DESIGN -UFPR –MatheusCezarotto, Marcia Alves e André Battaiola 
104 / 23 
Animação –Truques 
Como as açõessãosobrepostasem seu animatic? 
2. Continuidade e Sobreposição de Ação
U 
F 
P 
R 
LAI-DI –DESIGN -UFPR –MatheusCezarotto, Marcia Alves e André Battaiola 
104 / 24 
Animação –Truques 
Em um cenário nada é completamente fixo, mas sim repleto de ações e movimentos de personagens secundários que dão autenticidade a cena. 
Esse princípio abrange a questão da ação/reação e da interligação das coisas em um cenário; 
(Secondary action) 
3. Ação Secundária
U 
F 
P 
R 
LAI-DI –DESIGN -UFPR –MatheusCezarotto, Marcia Alves e André Battaiola 
104 / 25 
Animação –Truques 
Semelhante ao princípio de continuidade e sobreposição da ação, a ação secundária diz respeito ao movimento de objetos, dependentes do movimento de outros de forma atrasada. 
Essa ação acrescenta e enriquece a ação principal. Não traz resultados diretos, mas contribui indiretamente para a realização da primeira ação. 
(Secondary action) 
3. Ação Secundária
U 
F 
P 
R 
LAI-DI –DESIGN -UFPR –MatheusCezarotto, Marcia Alves e André Battaiola 
104 / 26 
Animação –Truques 
(Secondary action) 
3. Ação Secundária
U 
F 
P 
R 
LAI-DI –DESIGN -UFPR –MatheusCezarotto, Marcia Alves e André Battaiola 
104 / 27 
Animação –Truques 
3. Ação Secundária
U 
F 
P 
R 
LAI-DI –DESIGN -UFPR –MatheusCezarotto, Marcia Alves e André Battaiola 
104 / 28 
Animação –Truques 
Quais serão as ações secundárias e como você vai aplicá-las em sua animação? 
3. Ação Secundária
U 
F 
P 
R 
LAI-DI –DESIGN -UFPR –MatheusCezarotto, Marcia Alves e André Battaiola 
104 / 29 
Animação –Truques 
(arc) 
No mundo real, quase todas as ações são feitas através de linhas precisas e harmoniosas que permitem uma suavização dos movimentos. 
Quando criamos animações, construímos movimentos que percorrem uma trajetória, usualmente, estes caminhos são curvosao invés de lineares. 
4. Arco 
http://www.youtube.com/watch?v=6ZEdOx2J_Fg&feature=related
U 
F 
P 
R 
LAI-DI –DESIGN -UFPR –MatheusCezarotto, Marcia Alves e André Battaiola 
104 / 30 
Animação –Truques 
(arc) 
Ocaminho visual da ação de um extremo ao outro é sempre descrito por um arco. 
Na natureza, arcos são os caminhos mais comuns pelos quais uma forma pode mover-se de uma posição à outra. 
Utilizar arcos nas animações é uma forma de tornar o movimento de personagens mais suave e, por isso, bem mais realístico. 
4. Arco
U 
F 
P 
R 
LAI-DI –DESIGN -UFPR –MatheusCezarotto, Marcia Alves e André Battaiola 
104 / 31 
Animação –Truques 
Muito raramente um personagem ou parte de um personagem movimenta-se em linhas retas. 
O movimento tende a não seguir caminhos lineares. 
Quando um braço tenta alcançar algo, seu movimento tende a mudar-se para um arco. 
(arc) 
4. Arco
U 
F 
P 
R 
LAI-DI –DESIGN -UFPR –MatheusCezarotto, Marcia Alves e André Battaiola 
104 / 32 
Animação –Truques 
(arc) 
4. Arco 
http://www.youtube.com/watch?v=6ZEdOx2J_Fg&feature=related
U 
F 
P 
R 
LAI-DI –DESIGN -UFPR –MatheusCezarotto, Marcia Alves e André Battaiola 
104 / 33 
Animação –Truques 
(arc) 
Numa animação, o movimento é freqüentemente representado na timelineusando arcos. 
Os arcos representam os valores de parâmetros de objetos num momento específico no tempo. 
O método usado para calcular a interpolação dos valores entre os quadros-chaves determina as características do arco. 
4. Arco –Relevância em CG
U 
F 
P 
R 
LAI-DI –DESIGN -UFPR –MatheusCezarotto, Marcia Alves e André Battaiola 
104 / 34 
Animação –Truques 
A movimentaçãode seu personagem será em arco? Justifique. 
4. Arco
U 
F 
P 
R 
LAI-DI –DESIGN -UFPR –MatheusCezarotto, Marcia Alves e André Battaiola 
104 / 35 
Animação –Truques 
(timing) 
A relação de tempo é a essência de uma animação. Através da temporização é que o público percebe se o objeto ou personagem em questão é pesado, leve, triste, feliz ou agitado. A temporização confere veracidade à animação. 
5. Temporização
U 
F 
P 
R 
LAI-DI –DESIGN -UFPR –MatheusCezarotto, Marcia Alves e André Battaiola 
104 / 36 
Animação –Truques 
(timing) 
A velocidadea qual algo se movimenta dá um senso do que o objeto é e por que está se movimentando. 
Algo como um piscar de olho, pode ser rápido ou lento. 
Se for rápido, o personagem parecerá alertae desperto. 
Se for lento, poderá parecer cansado e letárgico. 
5. Temporização
U 
F 
P 
R 
LAI-DI –DESIGN -UFPR –MatheusCezarotto, Marcia Alves e André Battaiola 
104 / 37 
Animação –Truques 
(timing) 
Os personagens utilizados em desenhos animados são, normalmente, caracterizados por cronometragens rápidas entre uma pose e outra. 
As animações reais tendem a ter suas cronometragens mais lentas. 
Assim, manter a concatenação dos eventos e sua coerência temporal são fundamentais para a autenticidade da narrativa. 
5. Temporização 
http://www.youtube.com/watch?v=1rpcRBIybX0&NR=1
U 
F 
P 
R 
LAI-DI –DESIGN -UFPR –MatheusCezarotto, Marcia Alves e André Battaiola 
104 / 38 
Animação –Truques 
(timing) 
5. Temporização
U 
F 
P 
R 
LAI-DI –DESIGN -UFPR –MatheusCezarotto, Marcia Alves e André Battaiola 
104 / 39 
Animação –Truques 
(timing) 
5. Temporização
U 
F 
P 
R 
LAI-DI –DESIGN -UFPR –MatheusCezarotto, Marcia Alves e André Battaiola 
104 / 40 
Animação –Truques 
O princípio das seqüências e seu término devem ter sua construção cadenciada, permitindo ao espectador se ajustar às mudanças de cada cena nova. 
Por exemplo, uma bola saltando tende a ter uma velocidade maior quando está caindo do que quando está subindo, isso deve-se a fato de que temos uma força de gravidade atuando sobre a mesma. 
(slow-in and slow-out) -Aceleração e Desaceleração 
6. Aceleração e Desaceleração
U 
F 
P 
R 
LAI-DI –DESIGN -UFPR –MatheusCezarotto, Marcia Alves e André Battaiola 
104 / 41 
Animação –Truques 
(slow-in and slow-out) -Aceleração e Desaceleração 
6. Aceleração e Desaceleração
U 
F 
P 
R 
LAI-DI –DESIGN -UFPR –MatheusCezarotto, Marcia Alves e André Battaiola 
104 / 42 
Animação –Truques 
(slow-in and slow-out) -Aceleração e Desaceleração 
Ligado ao princípio físico da inércia, esse princípio ilustra que no mundo praticamente nada pára ou começa a se movimentar abruptamente. 
6. Aceleração e Desaceleração
U 
F 
P 
R 
LAI-DI –DESIGN -UFPR –MatheusCezarotto, Marcia Alves e André Battaiola 
104 / 43 
Animação –Truques 
Sua animação será aceleradaou desacelerada? Como o tempo será utilizado? 
5 e 6. Temporização: acelerada/desacelerada
U 
F 
P 
R 
LAI-DI –DESIGN -UFPR –MatheusCezarotto, Marcia Alves e André Battaiola 
104 / 44 
Animação –Truques 
Princípios da Animação 
Personagem 
1. Carisma 
Movimentação 
2. Continuidade e Sobreposição de Ação 
3. Ação Secundária 
4. Arco 
5. Temporização 
6. Aceleração e Desaceleração 
Semiótica da Animação 
7. Enquadramento 
8. Exagero 
9. Esticar e Encolher 
10. Antecipação 
Técnicas de animação 
11. Animação Direta 
12. Pose a Pose
U 
F 
P 
R 
LAI-DI –DESIGN -UFPR –MatheusCezarotto, Marcia Alves e André Battaiola 
104 / 45 
Animação –Truques 
(staging) 
O universo da animação não apresenta restrições para a posição ou para o ângulo em que uma tomada é realizada. 
Entretanto, é necessário atentar para a capacidade do espectador de entender o ambiente exposto. 
Desta forma, devem-se evitar mudanças de enquadramento que não sejam somadas às tomadas anteriores ao processo de construção da cena. 
O principal é dar ênfase a ação. 
7. Enquadramento
U 
F 
P 
R 
LAI-DI –DESIGN -UFPR –MatheusCezarotto, Marcia Alves e André Battaiola 
104 / 46 
Animação –Truques 
7. Enquadramento 
Apostila do PROF. ELISEU DE SOUZA LOPES FILHO
U 
F 
P 
R 
LAI-DI –DESIGN -UFPR –MatheusCezarotto, Marcia Alves e André Battaiola 
104 / 47 
Animação –Truques 
7. Enquadramento 
Apostila do PROF. ELISEU DE SOUZA LOPES FILHO
U 
F 
P 
R 
LAI-DI –DESIGN -UFPR –MatheusCezarotto, Marcia Alves e André Battaiola 
104 / 48 
Animação –Truques 
(staging) 
-Apresentaraideiadaformamaisclarapossível; 
-Direcionaraatençãodoespectadorparaolugarcerto; 
-Adequarapose,oualinguagemcorporal,comsuaexpressãofacial,deformaànãocausarerrosdeinterpretação. 
7. Enquadramento
U 
F 
P 
R 
LAI-DI –DESIGN -UFPR –MatheusCezarotto, Marcia Alves e André Battaiola 
104 / 49 
Animação –Truques 
(staging) 
-Staging(Enquadramento),Antecipation(Antecipação)eTiming(Temporalização)devemestarintegrados; 
-Oobjetodeinteressedevecontrastarcomorestoparanãoconfundiroobjetivodaação,apenasumaideiaporvezdevesertransmitida; 
-Esteprincípiodeveserusado,principalmente,paramostraraexpressãocorporaldopersonagem,suapersonalidadeousentimento. 
7. Enquadramento
U 
F 
P 
R 
LAI-DI –DESIGN -UFPR –MatheusCezarotto, Marcia Alves e André Battaiola 
104 / 50 
Animação –Truques 
(staging) 
Diferentes poses, caracterizando cada personagem e cada ação. 
7. Enquadramento
U 
F 
P 
R 
LAI-DI –DESIGN -UFPR –MatheusCezarotto, Marcia Alves e André Battaiola 
104 / 51 
Animação –Truques 
(staging) 
Enquadramento ruim – 
pela silhueta não é possível entender a ação 
Enquadramento bom – 
pela silhueta é possível entender a ação 
7. Enquadramento
U 
F 
P 
R 
LAI-DI –DESIGN -UFPR –MatheusCezarotto, Marcia Alves e André Battaiola 
104 / 52 
Animação –Truques 
(staging) 
Enquadramento ruim –não é possível entender a ação 
7. Enquadramento
U 
F 
P 
R 
LAI-DI –DESIGN -UFPR –MatheusCezarotto, Marcia Alves e André Battaiola 
104 / 53 
Animação –Truques 
(staging) 
Enquadramento bom –a ação é bem compreendida 
7. Enquadramento
U 
F 
P 
R 
LAI-DI –DESIGN -UFPR –MatheusCezarotto, Marcia Alves e André Battaiola 
104 / 54 
Animação –Truques 
(staging) 
7. Enquadramento
U 
F 
P 
R 
LAI-DI –DESIGN -UFPR –MatheusCezarotto, Marcia Alves e André Battaiola 
104 / 55 
Animação –Truques 
(staging) 
Numa cena cheia de ação o olhar do espectador será guiado para o objeto em repouso. 
7. Enquadramento
U 
F 
P 
R 
LAI-DI –DESIGN -UFPR –MatheusCezarotto, Marcia Alves e André Battaiola 
104 / 56 
Animação –Truques 
Numa cena parada o olhar do expectador será guiado para o objeto em movimento. 
(staging) 
7. Enquadramento
U 
F 
P 
R 
LAI-DI –DESIGN -UFPR –MatheusCezarotto, Marcia Alves e André Battaiola 
104 / 57 
Animação –Truques 
Enquadramento do Background: Assimetria, ângulos e profundidade 
Sherm Cohen, 2006 
7. Enquadramento
U 
F 
P 
R 
LAI-DI –DESIGN -UFPR –MatheusCezarotto, Marcia Alves e André Battaiola 
104 / 58 
Animação –Truques 
Enquadramento Background: assimetria, ângulos e profundidade 
7. Enquadramento 
Sherm Cohen, 2006
U 
F 
P 
R 
LAI-DI –DESIGN -UFPR –MatheusCezarotto, Marcia Alves e André Battaiola 
104 / 59 
Animação –Truques 
Como será o enquadramentode sua animação? 
7. Enquadramento
U 
F 
P 
R 
LAI-DI –DESIGN -UFPR –MatheusCezarotto, Marcia Alves e André Battaiola 
104 / 60 
Animação –Truques 
(exaggeration) 
O exagero é usado para acentuar uma ação ou ideia fazendo com que determinada cena não passe desapercebida ao público. 
O princípio do exagero parece óbvio, contudo, não significa distorcer objetos e preenchimentos arbitrariamente ou fazer uma ação mais violenta ou irreal. 
8. Exagero
U 
F 
P 
R 
LAI-DI –DESIGN -UFPR –MatheusCezarotto, Marcia Alves e André Battaiola 
104 / 61 
Animação –Truques 
(exaggeration) 
O animador deve ir ao fundo da ideia e desenvolver sua essência e, assim, entender a razão do uso do exagero na cena. Se uma cena é triste é a chance de torná-la tristíssima. 
8. Exagero
U 
F 
P 
R 
LAI-DI –DESIGN -UFPR –MatheusCezarotto, Marcia Alves e André Battaiola 
104 / 62 
Animação –Truques 
(exaggeration) 
Uma cena tem muitos componentes em seu design como som, cor, emoção, preenchimento dos objetos, etc. 
O exagero deve trabalhar com cada um desse componentes, mas nunca isolado. 
O Exagero de vários elementos deve ser equilibrado, pois se estes estão muito acentuados, ou se apenas um deles está, a cena pode-se tornar demasiadamente artificial. 
8. Exagero
U 
F 
P 
R 
LAI-DI –DESIGN -UFPR –MatheusCezarotto, Marcia Alves e André Battaiola 
104 / 63 
Animação –Truques 
(exaggeration) 
O segredo é saber equilibrar, deixando alguns elementos com movimentação natural e outros exagerados para que a ação flua e o público perceba a mensagem com espontaneidade. 
8. Exagero 
http://www.youtube.com/watch?v=G7H3hw14VXs 
http://www.youtube.com/watch?v=o9GlMGAWOnw&feature=related
U 
F 
P 
R 
LAI-DI –DESIGN -UFPR –MatheusCezarotto, Marcia Alves e André Battaiola 
104 / 64 
Animação –Truques 
Você usará este princípio? Como e onde? 
8. Exagero
U 
F 
P 
R 
LAI-DI –DESIGN -UFPR –MatheusCezarotto, Marcia Alves e André Battaiola 
104 / 65 
Animação –Truques 
(squash & stretch) 
No princípio de esticar e encolher não importa o quanto um objeto se deforme, seu volume deve se manter constante. 
Serve para demonstrar quão rígido um objeto é, pois, todos os objetos reais, a menos que sejam extremamente duros, apresentam um pouco deste tipo de deformação. 
9. Esticar e Encolher 
http://www.youtube.com/watch?v=VaLESWaRMjU
U 
F 
P 
R 
LAI-DI –DESIGN -UFPR –MatheusCezarotto, Marcia Alves e André Battaiola 
104 / 66 
Animação –Truques 
(squash & stretch) 
9. Esticar e Encolher 
http://www.youtube.com/watch?v=E9TmyzsYoEk
U 
F 
P 
R 
LAI-DI –DESIGN -UFPR –MatheusCezarotto, Marcia Alves e André Battaiola 
104 / 67 
Animação –Truques 
Este princípio é muito importante em expressões faciais tanto para demonstrar a movimentação dos músculos da face, quanto as expressões do personagem. 
(squash & stretch) 
9. Esticar e Encolher
U 
F 
P 
R 
LAI-DI –DESIGN -UFPR –MatheusCezarotto, Marcia Alves e André Battaiola 
104 / 68 
Animação –Truques 
9. Esticar e Encolher 
Você usará este princípio? Como e onde?
U 
F 
P 
R 
LAI-DI –DESIGN -UFPR –MatheusCezarotto, Marcia Alves e André Battaiola 
104 / 69 
Animação –Truques 
(anticipation) 
10. Antecipação
U 
F 
P 
R 
LAI-DI –DESIGN -UFPR –MatheusCezarotto, Marcia Alves e André Battaiola 
104 / 70 
Animação –Truques 
As ações em uma animação geralmente acontecem em 3 seções: 
1.a organização do movimento, 
2.a ação atual e 
3.o prosseguimento da ação. 
A primeira parte é conhecida como antecipação. 
(anticipation) 
10. Antecipação 
http://www.youtube.com/watch?v=y6QFBgOiKQM&feature=related
U 
F 
P 
R 
LAI-DI –DESIGN -UFPR –MatheusCezarotto, Marcia Alves e André Battaiola 
104 / 71 
Animação –Truques 
A antecipação pode ser entendida como a tomada de energia para se realizar uma ação. 
Quanto mais energia demanda uma ação, maior será a duração da tomada de energia, para realizá-la. 
(anticipation) 
10. Antecipação
U 
F 
P 
R 
LAI-DI –DESIGN -UFPR –MatheusCezarotto, Marcia Alves e André Battaiola 
104 / 72 
Animação –Truques 
Em certos casos, a antecipação é essencial fisicamente. 
Por exemplo: antes de se lançar uma bola é necessário balançar o braço para trás, essa ação do braço é a antecipação, enquanto que o lançamento é o próprio movimento. 
(anticipation) 
10. Antecipação
U 
F 
P 
R 
LAI-DI –DESIGN -UFPR –MatheusCezarotto, Marcia Alves e André Battaiola 
104 / 73 
Animação –Truques 
A antecipação é usada para chamar a atenção do espectador, preparando-o para a ação que se segue. 
Um período mais longo de antecipação geralmente é necessário para ações mais rápidas. 
Geralmente em animações mais realistas, o espectador tem que imaginar o que vai acontecer(a antecipação é mais sutil). 
(anticipation) 
10. Antecipação
U 
F 
P 
R 
LAI-DI –DESIGN -UFPR –MatheusCezarotto, Marcia Alves e André Battaiola 
104 / 74 
Animação –Truques 
10. Antecipação 
Você usará este princípio? Como e onde?
U 
F 
P 
R 
LAI-DI –DESIGN -UFPR –MatheusCezarotto, Marcia Alves e André Battaiola 
104 / 75 
Animação –Truques 
Princípios da Animação 
Personagem 
1. Carisma 
Movimentação 
2. Continuidade e Sobreposição de Ação 
3. Ação Secundária 
4. Arco 
5. Temporização 
6. Aceleração e Desaceleração 
Semiótica da Animação 
7. Enquadramento 
8. Exagero 
9. Esticar e Encolher 
10. Antecipação 
Técnicas de animação 
11. Animação Direta 
12. Pose a Pose
U 
F 
P 
R 
LAI-DI –DESIGN -UFPR –MatheusCezarotto, Marcia Alves e André Battaiola 
104 / 76 
Animação –Truques 
Na animação direta, o animador segue desenhando cronologicamente quadro-a-quadro. 
(straght ahead action) 
11. Animação Direta
U 
F 
P 
R 
LAI-DI –DESIGN -UFPR –MatheusCezarotto, Marcia Alves e André Battaiola 
104 / 77 
Animação –Truques 
Motion Capture 
(straght ahead action) 
11. Animação Direta
U 
F 
P 
R 
LAI-DI –DESIGN -UFPR –MatheusCezarotto, Marcia Alves e André Battaiola 
104 / 78 
Animação –Truques 
Rotoscoping 
(straght ahead action) 
11. Animação Direta 
http://www.youtube.com/watch?v=X77r2vLl8lQ&feature=related 
http://www.youtube.com/watch?v=6uAo94PaehY
U 
F 
P 
R 
LAI-DI –DESIGN -UFPR –MatheusCezarotto, Marcia Alves e André Battaiola 
104 / 79 
Animação –Truques 
(pose-to-pose action) 
Na animação pose-a-pose, o animador desenha o quadro inicial, o final e alguns quadros da ação, para depois completar todos os outros intermediários. 
12. Animação Pose-a-Pose
U 
F 
P 
R 
LAI-DI –DESIGN -UFPR –MatheusCezarotto, Marcia Alves e André Battaiola 
104 / 80 
Animação –Truques 
(pose-to-pose action) 
12. Animação Pose-a-Pose
U 
F 
P 
R 
LAI-DI –DESIGN -UFPR –MatheusCezarotto, Marcia Alves e André Battaiola 
104 / 81 
Animação –Truques 
(pose-to-pose action) 
12. Animação Pose-a-Pose
U 
F 
P 
R 
LAI-DI –DESIGN -UFPR –MatheusCezarotto, Marcia Alves e André Battaiola 
104 / 82 
Animação –Truques 
Linha de ação do personagem 
É a base para o ritmo, ao mesmo tempo em que aumenta a eficiência dramática de uma ação permite posturas mais claras, convincentes e naturais. 
Apostila do PROF. ELISEU DE SOUZA LOPES FILHO
U 
F 
P 
R 
LAI-DI –DESIGN -UFPR –MatheusCezarotto, Marcia Alves e André Battaiola 
104 / 83 
Animação –Truques 
Linha de ação do personagem
U 
F 
P 
R 
LAI-DI –DESIGN -UFPR –MatheusCezarotto, Marcia Alves e André Battaiola 
104 / 84 
Animação –Truques 
Linha de ação do personagem
U 
F 
P 
R 
LAI-DI –DESIGN -UFPR –MatheusCezarotto, Marcia Alves e André Battaiola 
104 / 85 
Animação –Truques 
Linha de ação do personagem
U 
F 
P 
R 
LAI-DI –DESIGN -UFPR –MatheusCezarotto, Marcia Alves e André Battaiola 
104 / 86 
Animação –Truques 
Linha de ação do personagem
U 
F 
P 
R 
LAI-DI –DESIGN -UFPR –MatheusCezarotto, Marcia Alves e André Battaiola 
104 / 87 
Animação –Truques 
Verifique em seus personagens a linha de ação que eles seguem. 
Linha de ação do personagem
U 
F 
P 
R 
LAI-DI –DESIGN -UFPR –MatheusCezarotto, Marcia Alves e André Battaiola 
104 / 88 
Animação –Truques 
Reaproveitamento de quadros 
Reaproveitamento de ações para personagens semelhantes 
Branca de Neve e Hobin Hood
U 
F 
P 
R 
LAI-DI –DESIGN -UFPR –MatheusCezarotto, Marcia Alves e André Battaiola 
104 / 89 
Animação –Truques 
Reaproveitamento de quadros 
Mógli e Pooh
U 
F 
P 
R 
LAI-DI –DESIGN -UFPR –MatheusCezarotto, Marcia Alves e André Battaiola 
104 / 90 
Animação –Truques 
Reaproveitamento de quadros 
Mogli e 
Arthur de 
A espada era a lei
U 
F 
P 
R 
LAI-DI –DESIGN -UFPR –MatheusCezarotto, Marcia Alves e André Battaiola 
104 / 91 
Animação –Truques 
Reaproveitamento de quadros 
Reaproveitamento de ações e 
cenários. 
Mogli e 
Pooh
U 
F 
P 
R 
LAI-DI –DESIGN -UFPR –MatheusCezarotto, Marcia Alves e André Battaiola 
104 / 92 
Animação –Truques 
Reaproveitamento de quadros 
Reaproveitamento de movimento –espelhamento horizontal 
Morto The Magician
U 
F 
P 
R 
LAI-DI –DESIGN -UFPR –MatheusCezarotto, Marcia Alves e André Battaiola 
104 / 93 
Animação –Truques 
Reaproveitamento de quadros 
Reaproveitamento de expressão do rosto 
Morto The Magician
U 
F 
P 
R 
LAI-DI –DESIGN -UFPR –MatheusCezarotto, Marcia Alves e André Battaiola 
104 / 94 
Animação –Truques 
Reaproveitamento de quadros 
Reaproveitamento de cenário –cenário fixo 
Morto The Magician
U 
F 
P 
R 
LAI-DI –DESIGN -UFPR –MatheusCezarotto, Marcia Alves e André Battaiola 
104 / 95 
Animação –Truques 
Reaproveitamento de quadros 
O que pode ser reaproveitadoem seu animatic? 
Quais as cenasque você pode reaproveitar e que elementosserão reaproveitados?
U 
F 
P 
R 
LAI-DI –DESIGN -UFPR –MatheusCezarotto, Marcia Alves e André Battaiola 
104 / 96 
Animação –Truques 
Cenário em movimento
U 
F 
P 
R 
LAI-DI –DESIGN -UFPR –MatheusCezarotto, Marcia Alves e André Battaiola 
104 / 97 
Animação –Truques 
Cenário em movimento
U 
F 
P 
R 
LAI-DI –DESIGN -UFPR –MatheusCezarotto, Marcia Alves e André Battaiola 
104 / 98 
Animação –Truques 
Montagem com acetatos
U 
F 
P 
R 
LAI-DI –DESIGN -UFPR –MatheusCezarotto, Marcia Alves e André Battaiola 
104 / 99 
Animação –Truques 
Montagem com acetatos
U 
F 
P 
R 
LAI-DI –DESIGN -UFPR –MatheusCezarotto, Marcia Alves e André Battaiola 
104 / 100 
Animação –Truques 
Cenário em movimento 
O cenário de sua animatic pode ser movimentado? 
Sua animação pode ser convertida em layers?
U 
F 
P 
R 
LAI-DI –DESIGN -UFPR –MatheusCezarotto, Marcia Alves e André Battaiola 
104 / 101 
Animação –Truques 
Pr. Animação -Referências 
Disney Animation: The Illusion of Life 
Ollie Johnston 
Frank Thomas 
Abbeville Press; Collectors edition (June 1981)
U 
F 
P 
R 
LAI-DI –DESIGN -UFPR –MatheusCezarotto, Marcia Alves e André Battaiola 
104 / 102 
Animação –Truques 
Pr. Animação -Referências 
(Williams, 2009) 
(Blair, 1995)
U 
F 
P 
R 
LAI-DI –DESIGN -UFPR –MatheusCezarotto, Marcia Alves e André Battaiola 
104 / 103 
Animação –Truques 
Pr. Animação -Referências 
(Barbosa Júnior, 2005) 
(Halas et al, 2011)
U 
F 
P 
R 
LAI-DI –DESIGN -UFPR –MatheusCezarotto, Marcia Alves e André Battaiola 
104 / 104 
Animação –Truques 
Pr. Animação -Referências 
(Furniss, 2008) 
(Taylor, 2004)

Mais conteúdo relacionado

Destaque

Anim2 aula10 softwares
Anim2 aula10 softwaresAnim2 aula10 softwares
Anim2 aula10 softwares
profealbattaiola
 
Anim2 Aula07 Temporizacao
Anim2 Aula07 TemporizacaoAnim2 Aula07 Temporizacao
Anim2 Aula07 Temporizacao
profealbattaiola
 
Anim2 aula0809 Cores_Background
Anim2 aula0809 Cores_BackgroundAnim2 aula0809 Cores_Background
Anim2 aula0809 Cores_Background
profealbattaiola
 
Anim2 Aula11 Preço_Custo
Anim2 Aula11 Preço_CustoAnim2 Aula11 Preço_Custo
Anim2 Aula11 Preço_Custo
profealbattaiola
 
Anim2 Aula05 Planejamento
Anim2 Aula05 PlanejamentoAnim2 Aula05 Planejamento
Anim2 Aula05 Planejamento
profealbattaiola
 
Apostila animação
Apostila animaçãoApostila animação
Apostila animação
Erickson Galdino
 
30561
3056130561
AULA 2: História da Animação
AULA 2: História da AnimaçãoAULA 2: História da Animação
AULA 2: História da Animação
Dra. Camila Hamdan
 
Animação 1 - Storyboard
Animação 1 - StoryboardAnimação 1 - Storyboard
Animação 1 - Storyboard
profealbattaiola
 
Conceitos Básicos da Animação (p.2/3)
Conceitos Básicos da Animação (p.2/3)Conceitos Básicos da Animação (p.2/3)
Conceitos Básicos da Animação (p.2/3)
Mauricio Mallet Duprat
 
Animação 1 - Roteiro (4) Decupagem e Formatacao do Roteiro
Animação 1 - Roteiro (4) Decupagem e Formatacao do RoteiroAnimação 1 - Roteiro (4) Decupagem e Formatacao do Roteiro
Animação 1 - Roteiro (4) Decupagem e Formatacao do Roteiro
profealbattaiola
 
Descoberta da Técnica da Animação
Descoberta da Técnica da AnimaçãoDescoberta da Técnica da Animação
Descoberta da Técnica da Animação
fmusarra
 
NormasLegis - (3) Fotografia - Caso Putz e Irmã Zuleide
NormasLegis - (3) Fotografia - Caso Putz e Irmã ZuleideNormasLegis - (3) Fotografia - Caso Putz e Irmã Zuleide
NormasLegis - (3) Fotografia - Caso Putz e Irmã Zuleide
profealbattaiola
 
Modelos artisticos
Modelos artisticosModelos artisticos
Modelos artisticos
fmusarra
 
Modelo para Apresentação (Avaliacao 1): Modelagem 3D_1o. semestre 2015
Modelo para Apresentação (Avaliacao 1): Modelagem 3D_1o. semestre 2015Modelo para Apresentação (Avaliacao 1): Modelagem 3D_1o. semestre 2015
Modelo para Apresentação (Avaliacao 1): Modelagem 3D_1o. semestre 2015
Dra. Camila Hamdan
 
Trabalhos Sortidos (montagem) by Vinícius Carvalho
Trabalhos Sortidos (montagem) by Vinícius Carvalho Trabalhos Sortidos (montagem) by Vinícius Carvalho
Trabalhos Sortidos (montagem) by Vinícius Carvalho
Dra. Camila Hamdan
 
Primitivas que Pulsam (Animação Interativa com Processing) by Helber Neiva e ...
Primitivas que Pulsam (Animação Interativa com Processing) by Helber Neiva e ...Primitivas que Pulsam (Animação Interativa com Processing) by Helber Neiva e ...
Primitivas que Pulsam (Animação Interativa com Processing) by Helber Neiva e ...
Dra. Camila Hamdan
 
Movimentos de Luta (Animação 3D) by Victor Kallahan
Movimentos de Luta (Animação 3D) by  Victor Kallahan Movimentos de Luta (Animação 3D) by  Victor Kallahan
Movimentos de Luta (Animação 3D) by Victor Kallahan
Dra. Camila Hamdan
 
GTA Lego (Animação em Stop Motion) by Icaro Souza Bagano
GTA Lego (Animação em Stop Motion) by Icaro Souza BaganoGTA Lego (Animação em Stop Motion) by Icaro Souza Bagano
GTA Lego (Animação em Stop Motion) by Icaro Souza Bagano
Dra. Camila Hamdan
 
NormasLegis - (2) Direito de Autor
NormasLegis - (2) Direito de AutorNormasLegis - (2) Direito de Autor
NormasLegis - (2) Direito de Autor
profealbattaiola
 

Destaque (20)

Anim2 aula10 softwares
Anim2 aula10 softwaresAnim2 aula10 softwares
Anim2 aula10 softwares
 
Anim2 Aula07 Temporizacao
Anim2 Aula07 TemporizacaoAnim2 Aula07 Temporizacao
Anim2 Aula07 Temporizacao
 
Anim2 aula0809 Cores_Background
Anim2 aula0809 Cores_BackgroundAnim2 aula0809 Cores_Background
Anim2 aula0809 Cores_Background
 
Anim2 Aula11 Preço_Custo
Anim2 Aula11 Preço_CustoAnim2 Aula11 Preço_Custo
Anim2 Aula11 Preço_Custo
 
Anim2 Aula05 Planejamento
Anim2 Aula05 PlanejamentoAnim2 Aula05 Planejamento
Anim2 Aula05 Planejamento
 
Apostila animação
Apostila animaçãoApostila animação
Apostila animação
 
30561
3056130561
30561
 
AULA 2: História da Animação
AULA 2: História da AnimaçãoAULA 2: História da Animação
AULA 2: História da Animação
 
Animação 1 - Storyboard
Animação 1 - StoryboardAnimação 1 - Storyboard
Animação 1 - Storyboard
 
Conceitos Básicos da Animação (p.2/3)
Conceitos Básicos da Animação (p.2/3)Conceitos Básicos da Animação (p.2/3)
Conceitos Básicos da Animação (p.2/3)
 
Animação 1 - Roteiro (4) Decupagem e Formatacao do Roteiro
Animação 1 - Roteiro (4) Decupagem e Formatacao do RoteiroAnimação 1 - Roteiro (4) Decupagem e Formatacao do Roteiro
Animação 1 - Roteiro (4) Decupagem e Formatacao do Roteiro
 
Descoberta da Técnica da Animação
Descoberta da Técnica da AnimaçãoDescoberta da Técnica da Animação
Descoberta da Técnica da Animação
 
NormasLegis - (3) Fotografia - Caso Putz e Irmã Zuleide
NormasLegis - (3) Fotografia - Caso Putz e Irmã ZuleideNormasLegis - (3) Fotografia - Caso Putz e Irmã Zuleide
NormasLegis - (3) Fotografia - Caso Putz e Irmã Zuleide
 
Modelos artisticos
Modelos artisticosModelos artisticos
Modelos artisticos
 
Modelo para Apresentação (Avaliacao 1): Modelagem 3D_1o. semestre 2015
Modelo para Apresentação (Avaliacao 1): Modelagem 3D_1o. semestre 2015Modelo para Apresentação (Avaliacao 1): Modelagem 3D_1o. semestre 2015
Modelo para Apresentação (Avaliacao 1): Modelagem 3D_1o. semestre 2015
 
Trabalhos Sortidos (montagem) by Vinícius Carvalho
Trabalhos Sortidos (montagem) by Vinícius Carvalho Trabalhos Sortidos (montagem) by Vinícius Carvalho
Trabalhos Sortidos (montagem) by Vinícius Carvalho
 
Primitivas que Pulsam (Animação Interativa com Processing) by Helber Neiva e ...
Primitivas que Pulsam (Animação Interativa com Processing) by Helber Neiva e ...Primitivas que Pulsam (Animação Interativa com Processing) by Helber Neiva e ...
Primitivas que Pulsam (Animação Interativa com Processing) by Helber Neiva e ...
 
Movimentos de Luta (Animação 3D) by Victor Kallahan
Movimentos de Luta (Animação 3D) by  Victor Kallahan Movimentos de Luta (Animação 3D) by  Victor Kallahan
Movimentos de Luta (Animação 3D) by Victor Kallahan
 
GTA Lego (Animação em Stop Motion) by Icaro Souza Bagano
GTA Lego (Animação em Stop Motion) by Icaro Souza BaganoGTA Lego (Animação em Stop Motion) by Icaro Souza Bagano
GTA Lego (Animação em Stop Motion) by Icaro Souza Bagano
 
NormasLegis - (2) Direito de Autor
NormasLegis - (2) Direito de AutorNormasLegis - (2) Direito de Autor
NormasLegis - (2) Direito de Autor
 

Mais de profealbattaiola

NormasLegis - (4) Música - Plágio
NormasLegis - (4) Música - PlágioNormasLegis - (4) Música - Plágio
NormasLegis - (4) Música - Plágio
profealbattaiola
 
NormasLegis - (1) Criações Intelectuais
NormasLegis - (1) Criações IntelectuaisNormasLegis - (1) Criações Intelectuais
NormasLegis - (1) Criações Intelectuais
profealbattaiola
 
Ementa hd714 2013
Ementa hd714 2013Ementa hd714 2013
Ementa hd714 2013
profealbattaiola
 
NormasLegis - (6) Contrato
NormasLegis - (6) ContratoNormasLegis - (6) Contrato
NormasLegis - (6) Contrato
profealbattaiola
 
NormasLegis - (5) Questoes Juridicas
NormasLegis - (5) Questoes JuridicasNormasLegis - (5) Questoes Juridicas
NormasLegis - (5) Questoes Juridicas
profealbattaiola
 
Animação 1 - Roteiro (3) Documento de Criação de Narrativa / Personagem
Animação 1 - Roteiro (3) Documento de Criação de Narrativa / PersonagemAnimação 1 - Roteiro (3) Documento de Criação de Narrativa / Personagem
Animação 1 - Roteiro (3) Documento de Criação de Narrativa / Personagem
profealbattaiola
 
Animação 1 - Roteiro (2) Roteiro Literário
Animação 1 - Roteiro (2) Roteiro LiterárioAnimação 1 - Roteiro (2) Roteiro Literário
Animação 1 - Roteiro (2) Roteiro Literário
profealbattaiola
 
Animação 1 - Roteiro (1) Narrativa
Animação 1 - Roteiro (1) NarrativaAnimação 1 - Roteiro (1) Narrativa
Animação 1 - Roteiro (1) Narrativa
profealbattaiola
 
Animação 1 - Linguagem Cinematografica
Animação 1 - Linguagem CinematograficaAnimação 1 - Linguagem Cinematografica
Animação 1 - Linguagem Cinematografica
profealbattaiola
 
Animação 1 - Arquetipos
Animação 1 - ArquetiposAnimação 1 - Arquetipos
Animação 1 - Arquetipos
profealbattaiola
 
Estágio - Regras de Apresentacao
Estágio - Regras de ApresentacaoEstágio - Regras de Apresentacao
Estágio - Regras de Apresentacao
profealbattaiola
 
Estágio – regulamentos e leis
Estágio – regulamentos e leisEstágio – regulamentos e leis
Estágio – regulamentos e leis
profealbattaiola
 
Estágio - Informações Núcleo de Estágios da UFPR
Estágio - Informações Núcleo de Estágios da UFPREstágio - Informações Núcleo de Estágios da UFPR
Estágio - Informações Núcleo de Estágios da UFPR
profealbattaiola
 
HQ - Resumo Conceitos
HQ - Resumo ConceitosHQ - Resumo Conceitos
HQ - Resumo Conceitos
profealbattaiola
 

Mais de profealbattaiola (14)

NormasLegis - (4) Música - Plágio
NormasLegis - (4) Música - PlágioNormasLegis - (4) Música - Plágio
NormasLegis - (4) Música - Plágio
 
NormasLegis - (1) Criações Intelectuais
NormasLegis - (1) Criações IntelectuaisNormasLegis - (1) Criações Intelectuais
NormasLegis - (1) Criações Intelectuais
 
Ementa hd714 2013
Ementa hd714 2013Ementa hd714 2013
Ementa hd714 2013
 
NormasLegis - (6) Contrato
NormasLegis - (6) ContratoNormasLegis - (6) Contrato
NormasLegis - (6) Contrato
 
NormasLegis - (5) Questoes Juridicas
NormasLegis - (5) Questoes JuridicasNormasLegis - (5) Questoes Juridicas
NormasLegis - (5) Questoes Juridicas
 
Animação 1 - Roteiro (3) Documento de Criação de Narrativa / Personagem
Animação 1 - Roteiro (3) Documento de Criação de Narrativa / PersonagemAnimação 1 - Roteiro (3) Documento de Criação de Narrativa / Personagem
Animação 1 - Roteiro (3) Documento de Criação de Narrativa / Personagem
 
Animação 1 - Roteiro (2) Roteiro Literário
Animação 1 - Roteiro (2) Roteiro LiterárioAnimação 1 - Roteiro (2) Roteiro Literário
Animação 1 - Roteiro (2) Roteiro Literário
 
Animação 1 - Roteiro (1) Narrativa
Animação 1 - Roteiro (1) NarrativaAnimação 1 - Roteiro (1) Narrativa
Animação 1 - Roteiro (1) Narrativa
 
Animação 1 - Linguagem Cinematografica
Animação 1 - Linguagem CinematograficaAnimação 1 - Linguagem Cinematografica
Animação 1 - Linguagem Cinematografica
 
Animação 1 - Arquetipos
Animação 1 - ArquetiposAnimação 1 - Arquetipos
Animação 1 - Arquetipos
 
Estágio - Regras de Apresentacao
Estágio - Regras de ApresentacaoEstágio - Regras de Apresentacao
Estágio - Regras de Apresentacao
 
Estágio – regulamentos e leis
Estágio – regulamentos e leisEstágio – regulamentos e leis
Estágio – regulamentos e leis
 
Estágio - Informações Núcleo de Estágios da UFPR
Estágio - Informações Núcleo de Estágios da UFPREstágio - Informações Núcleo de Estágios da UFPR
Estágio - Informações Núcleo de Estágios da UFPR
 
HQ - Resumo Conceitos
HQ - Resumo ConceitosHQ - Resumo Conceitos
HQ - Resumo Conceitos
 

Último

2009_Apresentação-ufscar- TCC - AILTON.ppt
2009_Apresentação-ufscar- TCC - AILTON.ppt2009_Apresentação-ufscar- TCC - AILTON.ppt
2009_Apresentação-ufscar- TCC - AILTON.ppt
Ailton Barcelos
 
PALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇO
PALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇOPALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇO
PALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇO
ARIADNEMARTINSDACRUZ
 
UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...
UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...
UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...
Manuais Formação
 
Slides Lição 12, Betel, Ordenança para amar o próximo, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, Betel, Ordenança para amar o próximo, 2Tr24.pptxSlides Lição 12, Betel, Ordenança para amar o próximo, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, Betel, Ordenança para amar o próximo, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
O século XVII e o nascimento da pedagogia.pptx
O século XVII e o nascimento da pedagogia.pptxO século XVII e o nascimento da pedagogia.pptx
O século XVII e o nascimento da pedagogia.pptx
geiseortiz1
 
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
DouglasMoraes54
 
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptxSlides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Primeira fase do modernismo Mapa Mental.pdf
Primeira fase do modernismo Mapa Mental.pdfPrimeira fase do modernismo Mapa Mental.pdf
Primeira fase do modernismo Mapa Mental.pdf
Maurício Bratz
 
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionaisResumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
beatrizsilva525654
 
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 02.pptx
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 02.pptxVivendo a Arquitetura Salesforce - 02.pptx
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 02.pptx
Mauricio Alexandre Silva
 
(44-ESTUDO - LUCAS) A ESPIRITUALIDADE EM CRISE NO VALE
(44-ESTUDO - LUCAS) A ESPIRITUALIDADE EM CRISE NO VALE(44-ESTUDO - LUCAS) A ESPIRITUALIDADE EM CRISE NO VALE
(44-ESTUDO - LUCAS) A ESPIRITUALIDADE EM CRISE NO VALE
Pr Davi Passos - Estudos Bíblicos
 
Atividade Bio evolução e especiação .docx
Atividade Bio evolução e especiação .docxAtividade Bio evolução e especiação .docx
Atividade Bio evolução e especiação .docx
MARCELARUBIAGAVA
 
Aula de filosofia sobre Sexo, Gênero e sexualidade
Aula de filosofia sobre Sexo, Gênero e sexualidadeAula de filosofia sobre Sexo, Gênero e sexualidade
Aula de filosofia sobre Sexo, Gênero e sexualidade
AlessandraRibas7
 
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptxCartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Zenir Carmen Bez Trombeta
 
Eurodeputados Portugueses 2024-2029 | Parlamento Europeu
Eurodeputados Portugueses 2024-2029 | Parlamento EuropeuEurodeputados Portugueses 2024-2029 | Parlamento Europeu
Eurodeputados Portugueses 2024-2029 | Parlamento Europeu
Centro Jacques Delors
 
3ª série HIS - PROVA PAULISTA DIA 1 - 1º BIM-24.pdf
3ª série HIS - PROVA PAULISTA DIA 1 - 1º BIM-24.pdf3ª série HIS - PROVA PAULISTA DIA 1 - 1º BIM-24.pdf
3ª série HIS - PROVA PAULISTA DIA 1 - 1º BIM-24.pdf
AdrianoMontagna1
 
Como montar o mapa conceitual editado.pdf
Como montar o mapa conceitual editado.pdfComo montar o mapa conceitual editado.pdf
Como montar o mapa conceitual editado.pdf
AlineOliveira625820
 
Pedagogia universitária em ciência e tecnologia
Pedagogia universitária em ciência e tecnologiaPedagogia universitária em ciência e tecnologia
Pedagogia universitária em ciência e tecnologia
Nertan Dias
 
MAPAS MENTAIS Conhecimentos Pedagógicos - ATUALIZADO 2024 PROF. Fernanda.pdf
MAPAS MENTAIS Conhecimentos Pedagógicos - ATUALIZADO 2024 PROF. Fernanda.pdfMAPAS MENTAIS Conhecimentos Pedagógicos - ATUALIZADO 2024 PROF. Fernanda.pdf
MAPAS MENTAIS Conhecimentos Pedagógicos - ATUALIZADO 2024 PROF. Fernanda.pdf
GracinhaSantos6
 
DNA e RNA - Estrutura dos Ácidos nucleicos
DNA e RNA - Estrutura dos Ácidos nucleicosDNA e RNA - Estrutura dos Ácidos nucleicos
DNA e RNA - Estrutura dos Ácidos nucleicos
jonny615148
 

Último (20)

2009_Apresentação-ufscar- TCC - AILTON.ppt
2009_Apresentação-ufscar- TCC - AILTON.ppt2009_Apresentação-ufscar- TCC - AILTON.ppt
2009_Apresentação-ufscar- TCC - AILTON.ppt
 
PALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇO
PALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇOPALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇO
PALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇO
 
UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...
UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...
UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...
 
Slides Lição 12, Betel, Ordenança para amar o próximo, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, Betel, Ordenança para amar o próximo, 2Tr24.pptxSlides Lição 12, Betel, Ordenança para amar o próximo, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, Betel, Ordenança para amar o próximo, 2Tr24.pptx
 
O século XVII e o nascimento da pedagogia.pptx
O século XVII e o nascimento da pedagogia.pptxO século XVII e o nascimento da pedagogia.pptx
O século XVII e o nascimento da pedagogia.pptx
 
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
 
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptxSlides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
 
Primeira fase do modernismo Mapa Mental.pdf
Primeira fase do modernismo Mapa Mental.pdfPrimeira fase do modernismo Mapa Mental.pdf
Primeira fase do modernismo Mapa Mental.pdf
 
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionaisResumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
 
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 02.pptx
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 02.pptxVivendo a Arquitetura Salesforce - 02.pptx
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 02.pptx
 
(44-ESTUDO - LUCAS) A ESPIRITUALIDADE EM CRISE NO VALE
(44-ESTUDO - LUCAS) A ESPIRITUALIDADE EM CRISE NO VALE(44-ESTUDO - LUCAS) A ESPIRITUALIDADE EM CRISE NO VALE
(44-ESTUDO - LUCAS) A ESPIRITUALIDADE EM CRISE NO VALE
 
Atividade Bio evolução e especiação .docx
Atividade Bio evolução e especiação .docxAtividade Bio evolução e especiação .docx
Atividade Bio evolução e especiação .docx
 
Aula de filosofia sobre Sexo, Gênero e sexualidade
Aula de filosofia sobre Sexo, Gênero e sexualidadeAula de filosofia sobre Sexo, Gênero e sexualidade
Aula de filosofia sobre Sexo, Gênero e sexualidade
 
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptxCartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
 
Eurodeputados Portugueses 2024-2029 | Parlamento Europeu
Eurodeputados Portugueses 2024-2029 | Parlamento EuropeuEurodeputados Portugueses 2024-2029 | Parlamento Europeu
Eurodeputados Portugueses 2024-2029 | Parlamento Europeu
 
3ª série HIS - PROVA PAULISTA DIA 1 - 1º BIM-24.pdf
3ª série HIS - PROVA PAULISTA DIA 1 - 1º BIM-24.pdf3ª série HIS - PROVA PAULISTA DIA 1 - 1º BIM-24.pdf
3ª série HIS - PROVA PAULISTA DIA 1 - 1º BIM-24.pdf
 
Como montar o mapa conceitual editado.pdf
Como montar o mapa conceitual editado.pdfComo montar o mapa conceitual editado.pdf
Como montar o mapa conceitual editado.pdf
 
Pedagogia universitária em ciência e tecnologia
Pedagogia universitária em ciência e tecnologiaPedagogia universitária em ciência e tecnologia
Pedagogia universitária em ciência e tecnologia
 
MAPAS MENTAIS Conhecimentos Pedagógicos - ATUALIZADO 2024 PROF. Fernanda.pdf
MAPAS MENTAIS Conhecimentos Pedagógicos - ATUALIZADO 2024 PROF. Fernanda.pdfMAPAS MENTAIS Conhecimentos Pedagógicos - ATUALIZADO 2024 PROF. Fernanda.pdf
MAPAS MENTAIS Conhecimentos Pedagógicos - ATUALIZADO 2024 PROF. Fernanda.pdf
 
DNA e RNA - Estrutura dos Ácidos nucleicos
DNA e RNA - Estrutura dos Ácidos nucleicosDNA e RNA - Estrutura dos Ácidos nucleicos
DNA e RNA - Estrutura dos Ácidos nucleicos
 

Anim2 Aula03 truques

  • 1. U F P R LAI-DI –DESIGN -UFPR –MatheusCezarotto, Marcia Alves e André Battaiola 104 / 1 Animação –Truques Animação II –Visão Geral
  • 2. U F P R LAI-DI –DESIGN -UFPR –MatheusCezarotto, Marcia Alves e André Battaiola 104 / 2 Animação –Truques Truques e dicas de animação •Princípios de Animação; •Linha de ação do personagem; •Reaproveitamento de quadros; •Cenário em movimento; •Montagem com acetatos.
  • 3. U F P R LAI-DI –DESIGN -UFPR –MatheusCezarotto, Marcia Alves e André Battaiola 104 / 3 Animação –Truques Princípios da Animação Personagem 1. Carisma Movimentação 2. Continuidade e Sobreposição de Ação 3. Ação Secundária 4. Arco 5. Temporização 6. Aceleração e Desaceleração Semiótica da Animação 7. Enquadramento 8. Exagero 9. Esticar e Encolher 10. Antecipação Técnicas de animação 11. Animação Direta 12. Pose a Pose
  • 4. U F P R LAI-DI –DESIGN -UFPR –MatheusCezarotto, Marcia Alves e André Battaiola 104 / 4 Animação –Truques Princípios da Animação Personagem 1. Carisma Movimentação 2. Continuidade e Sobreposição de Ação 3. Ação Secundária 4. Arco 5. Temporização 6. Aceleração e Desaceleração Semiótica da Animação 7. Enquadramento 8. Exagero 9. Esticar e Encolher 10. Antecipação Técnicas de animação 11. Animação Direta 12. Pose a Pose
  • 5. U F P R LAI-DI –DESIGN -UFPR –MatheusCezarotto, Marcia Alves e André Battaiola 104 / 5 Animação –Truques Umpersonagemdeanimaçãocativaopúblicoporsuascaracterísticasreaisehumanas.Esteéoapelodeumpersonagem,suacapacidadedeatingiroespectadoredeserelacionarcomele. Formação de Personalidade: 1.Identidade 2.Perfil psicológico. 3.Realidade. 4.Linha de raciocínio, 5.Conduta e ação. 1. Carisma (Appeal)
  • 6. U F P R LAI-DI –DESIGN -UFPR –MatheusCezarotto, Marcia Alves e André Battaiola 104 / 6 Animação –Truques 1. Carisma Qualidades e valores humanos inseridos em personagens animados. Se o Wall-e fosse humano...
  • 7. U F P R LAI-DI –DESIGN -UFPR –MatheusCezarotto, Marcia Alves e André Battaiola 104 / 7 Animação –Truques Uma personagem de animação cativa ao público por suas características reaise humanas. Este é o apelo de um personagem, sua capacidade de atingir o espectador e de se relacionar com ele. 1. Carisma
  • 8. U F P R LAI-DI –DESIGN -UFPR –MatheusCezarotto, Marcia Alves e André Battaiola 104 / 8 Animação –Truques (appeal) Umpersonagemdeanimaçãocativaopúblicoporsuascaracterísticasreaisehumanas.Esteéoapelodeumpersonagem,suacapacidadedeatingiroespectadoredeserelacionarcomele. 1. Carisma Apeloé aquilo que torna um determinado personagem interessante para o espectador, aquilo que o atraie mantém sua atenção. Não é necessariamente “beleza”, mas “carisma”.
  • 9. U F P R LAI-DI –DESIGN -UFPR –MatheusCezarotto, Marcia Alves e André Battaiola 104 / 9 Animação –Truques Umpersonagemdeanimaçãocativaopúblicoporsuascaracterísticasreaisehumanas.Esteéoapelodeumpersonagem,suacapacidadedeatingiroespectadoredeserelacionarcomele. O Apeloe o carisma podem ser alcançados também por aspectos técnicos: •Desenhos expressivos, •Simplicidade; •Organização do personagem; •Composição de sua forma; •Texturas; •Cores. 1. Carisma
  • 10. U F P R LAI-DI –DESIGN -UFPR –MatheusCezarotto, Marcia Alves e André Battaiola 104 / 10 Animação –Truques 1. Carisma Aspectos físicos como componentes da personalidade.
  • 11. U F P R LAI-DI –DESIGN -UFPR –MatheusCezarotto, Marcia Alves e André Battaiola 104 / 11 Animação –Truques 1. Carisma Personagens PIXAR 2000 http://www.youtube.com/watch?v=yJzQiemCIuY
  • 12. U F P R LAI-DI –DESIGN -UFPR –MatheusCezarotto, Marcia Alves e André Battaiola 104 / 12 Animação –Truques 1. Carisma Personagens The Simpsons
  • 13. U F P R LAI-DI –DESIGN -UFPR –MatheusCezarotto, Marcia Alves e André Battaiola 104 / 13 Animação –Truques 1. Carisma Personagens SouthPark
  • 14. U F P R LAI-DI –DESIGN -UFPR –MatheusCezarotto, Marcia Alves e André Battaiola 104 / 14 Animação –Truques Como você incluiu carismae apeloem seu personagem ? 1. Carisma
  • 15. U F P R LAI-DI –DESIGN -UFPR –MatheusCezarotto, Marcia Alves e André Battaiola 104 / 15 Animação –Truques Princípios da Animação Personagem 1. Carisma Movimentação 2. Continuidade e Sobreposição de Ação 3. Ação Secundária 4. Arco 5. Temporização 6. Aceleração e Desaceleração Semiótica da Animação 7. Enquadramento 8. Exagero 9. Esticar e Encolher 10. Antecipação Técnicas de animação 11. Animação Direta 12. Pose a Pose
  • 16. U F P R LAI-DI –DESIGN -UFPR –MatheusCezarotto, Marcia Alves e André Battaiola 104 / 16 Animação –Truques Devido as leis físicas, objetos em movimento nunca param subitamente ou se movem continuadamente. Há sempre uma reação para uma ação, portanto, nenhum movimento é isolado e não deve terminar abruptamente. (Follow through and overlapping action) 2. Continuidade e Sobreposição de Ação
  • 17. U F P R LAI-DI –DESIGN -UFPR –MatheusCezarotto, Marcia Alves e André Battaiola 104 / 17 Animação –Truques Os princípios físicos em uma animação conferem autenticidade ao filme e mantêm o espectador identificado com as personagens. Uma das recomendações é manter a ação fluída, sem interrupções abruptas de movimento. 2. Continuidade e Sobreposição de Ação
  • 18. U F P R LAI-DI –DESIGN -UFPR –MatheusCezarotto, Marcia Alves e André Battaiola 104 / 18 Animação –Truques Quando o corpo da personagem pára todas as outras partes continuam em movimento, de acordo com a inércia. Partes como braços, pernas, cabelo longo, roupas, vestidos, orelhas ou rabos grandes seguem um caminho de ação próprio. Nada pára de uma única vez. (Follow through and overlapping action) 2. Continuidade e Sobreposição de Ação
  • 19. U F P R LAI-DI –DESIGN -UFPR –MatheusCezarotto, Marcia Alves e André Battaiola 104 / 19 Animação –Truques 2. Continuidade e Sobreposição de Ação
  • 20. U F P R LAI-DI –DESIGN -UFPR –MatheusCezarotto, Marcia Alves e André Battaiola 104 / 20 Animação –Truques (Follow through and overlapping action) 2. Continuidade e Sobreposição de Ação http://www.youtube.com/watch?v=lgcw2d4wFQw&feature=related
  • 21. U F P R LAI-DI –DESIGN -UFPR –MatheusCezarotto, Marcia Alves e André Battaiola 104 / 21 Animação –Truques (Follow through and overlapping action) 2. Continuidade e Sobreposição de Ação
  • 22. U F P R LAI-DI –DESIGN -UFPR –MatheusCezarotto, Marcia Alves e André Battaiola 104 / 22 Animação –Truques (Follow through and overlapping action) 2. Continuidade e Sobreposição de Ação
  • 23. U F P R LAI-DI –DESIGN -UFPR –MatheusCezarotto, Marcia Alves e André Battaiola 104 / 23 Animação –Truques Como as açõessãosobrepostasem seu animatic? 2. Continuidade e Sobreposição de Ação
  • 24. U F P R LAI-DI –DESIGN -UFPR –MatheusCezarotto, Marcia Alves e André Battaiola 104 / 24 Animação –Truques Em um cenário nada é completamente fixo, mas sim repleto de ações e movimentos de personagens secundários que dão autenticidade a cena. Esse princípio abrange a questão da ação/reação e da interligação das coisas em um cenário; (Secondary action) 3. Ação Secundária
  • 25. U F P R LAI-DI –DESIGN -UFPR –MatheusCezarotto, Marcia Alves e André Battaiola 104 / 25 Animação –Truques Semelhante ao princípio de continuidade e sobreposição da ação, a ação secundária diz respeito ao movimento de objetos, dependentes do movimento de outros de forma atrasada. Essa ação acrescenta e enriquece a ação principal. Não traz resultados diretos, mas contribui indiretamente para a realização da primeira ação. (Secondary action) 3. Ação Secundária
  • 26. U F P R LAI-DI –DESIGN -UFPR –MatheusCezarotto, Marcia Alves e André Battaiola 104 / 26 Animação –Truques (Secondary action) 3. Ação Secundária
  • 27. U F P R LAI-DI –DESIGN -UFPR –MatheusCezarotto, Marcia Alves e André Battaiola 104 / 27 Animação –Truques 3. Ação Secundária
  • 28. U F P R LAI-DI –DESIGN -UFPR –MatheusCezarotto, Marcia Alves e André Battaiola 104 / 28 Animação –Truques Quais serão as ações secundárias e como você vai aplicá-las em sua animação? 3. Ação Secundária
  • 29. U F P R LAI-DI –DESIGN -UFPR –MatheusCezarotto, Marcia Alves e André Battaiola 104 / 29 Animação –Truques (arc) No mundo real, quase todas as ações são feitas através de linhas precisas e harmoniosas que permitem uma suavização dos movimentos. Quando criamos animações, construímos movimentos que percorrem uma trajetória, usualmente, estes caminhos são curvosao invés de lineares. 4. Arco http://www.youtube.com/watch?v=6ZEdOx2J_Fg&feature=related
  • 30. U F P R LAI-DI –DESIGN -UFPR –MatheusCezarotto, Marcia Alves e André Battaiola 104 / 30 Animação –Truques (arc) Ocaminho visual da ação de um extremo ao outro é sempre descrito por um arco. Na natureza, arcos são os caminhos mais comuns pelos quais uma forma pode mover-se de uma posição à outra. Utilizar arcos nas animações é uma forma de tornar o movimento de personagens mais suave e, por isso, bem mais realístico. 4. Arco
  • 31. U F P R LAI-DI –DESIGN -UFPR –MatheusCezarotto, Marcia Alves e André Battaiola 104 / 31 Animação –Truques Muito raramente um personagem ou parte de um personagem movimenta-se em linhas retas. O movimento tende a não seguir caminhos lineares. Quando um braço tenta alcançar algo, seu movimento tende a mudar-se para um arco. (arc) 4. Arco
  • 32. U F P R LAI-DI –DESIGN -UFPR –MatheusCezarotto, Marcia Alves e André Battaiola 104 / 32 Animação –Truques (arc) 4. Arco http://www.youtube.com/watch?v=6ZEdOx2J_Fg&feature=related
  • 33. U F P R LAI-DI –DESIGN -UFPR –MatheusCezarotto, Marcia Alves e André Battaiola 104 / 33 Animação –Truques (arc) Numa animação, o movimento é freqüentemente representado na timelineusando arcos. Os arcos representam os valores de parâmetros de objetos num momento específico no tempo. O método usado para calcular a interpolação dos valores entre os quadros-chaves determina as características do arco. 4. Arco –Relevância em CG
  • 34. U F P R LAI-DI –DESIGN -UFPR –MatheusCezarotto, Marcia Alves e André Battaiola 104 / 34 Animação –Truques A movimentaçãode seu personagem será em arco? Justifique. 4. Arco
  • 35. U F P R LAI-DI –DESIGN -UFPR –MatheusCezarotto, Marcia Alves e André Battaiola 104 / 35 Animação –Truques (timing) A relação de tempo é a essência de uma animação. Através da temporização é que o público percebe se o objeto ou personagem em questão é pesado, leve, triste, feliz ou agitado. A temporização confere veracidade à animação. 5. Temporização
  • 36. U F P R LAI-DI –DESIGN -UFPR –MatheusCezarotto, Marcia Alves e André Battaiola 104 / 36 Animação –Truques (timing) A velocidadea qual algo se movimenta dá um senso do que o objeto é e por que está se movimentando. Algo como um piscar de olho, pode ser rápido ou lento. Se for rápido, o personagem parecerá alertae desperto. Se for lento, poderá parecer cansado e letárgico. 5. Temporização
  • 37. U F P R LAI-DI –DESIGN -UFPR –MatheusCezarotto, Marcia Alves e André Battaiola 104 / 37 Animação –Truques (timing) Os personagens utilizados em desenhos animados são, normalmente, caracterizados por cronometragens rápidas entre uma pose e outra. As animações reais tendem a ter suas cronometragens mais lentas. Assim, manter a concatenação dos eventos e sua coerência temporal são fundamentais para a autenticidade da narrativa. 5. Temporização http://www.youtube.com/watch?v=1rpcRBIybX0&NR=1
  • 38. U F P R LAI-DI –DESIGN -UFPR –MatheusCezarotto, Marcia Alves e André Battaiola 104 / 38 Animação –Truques (timing) 5. Temporização
  • 39. U F P R LAI-DI –DESIGN -UFPR –MatheusCezarotto, Marcia Alves e André Battaiola 104 / 39 Animação –Truques (timing) 5. Temporização
  • 40. U F P R LAI-DI –DESIGN -UFPR –MatheusCezarotto, Marcia Alves e André Battaiola 104 / 40 Animação –Truques O princípio das seqüências e seu término devem ter sua construção cadenciada, permitindo ao espectador se ajustar às mudanças de cada cena nova. Por exemplo, uma bola saltando tende a ter uma velocidade maior quando está caindo do que quando está subindo, isso deve-se a fato de que temos uma força de gravidade atuando sobre a mesma. (slow-in and slow-out) -Aceleração e Desaceleração 6. Aceleração e Desaceleração
  • 41. U F P R LAI-DI –DESIGN -UFPR –MatheusCezarotto, Marcia Alves e André Battaiola 104 / 41 Animação –Truques (slow-in and slow-out) -Aceleração e Desaceleração 6. Aceleração e Desaceleração
  • 42. U F P R LAI-DI –DESIGN -UFPR –MatheusCezarotto, Marcia Alves e André Battaiola 104 / 42 Animação –Truques (slow-in and slow-out) -Aceleração e Desaceleração Ligado ao princípio físico da inércia, esse princípio ilustra que no mundo praticamente nada pára ou começa a se movimentar abruptamente. 6. Aceleração e Desaceleração
  • 43. U F P R LAI-DI –DESIGN -UFPR –MatheusCezarotto, Marcia Alves e André Battaiola 104 / 43 Animação –Truques Sua animação será aceleradaou desacelerada? Como o tempo será utilizado? 5 e 6. Temporização: acelerada/desacelerada
  • 44. U F P R LAI-DI –DESIGN -UFPR –MatheusCezarotto, Marcia Alves e André Battaiola 104 / 44 Animação –Truques Princípios da Animação Personagem 1. Carisma Movimentação 2. Continuidade e Sobreposição de Ação 3. Ação Secundária 4. Arco 5. Temporização 6. Aceleração e Desaceleração Semiótica da Animação 7. Enquadramento 8. Exagero 9. Esticar e Encolher 10. Antecipação Técnicas de animação 11. Animação Direta 12. Pose a Pose
  • 45. U F P R LAI-DI –DESIGN -UFPR –MatheusCezarotto, Marcia Alves e André Battaiola 104 / 45 Animação –Truques (staging) O universo da animação não apresenta restrições para a posição ou para o ângulo em que uma tomada é realizada. Entretanto, é necessário atentar para a capacidade do espectador de entender o ambiente exposto. Desta forma, devem-se evitar mudanças de enquadramento que não sejam somadas às tomadas anteriores ao processo de construção da cena. O principal é dar ênfase a ação. 7. Enquadramento
  • 46. U F P R LAI-DI –DESIGN -UFPR –MatheusCezarotto, Marcia Alves e André Battaiola 104 / 46 Animação –Truques 7. Enquadramento Apostila do PROF. ELISEU DE SOUZA LOPES FILHO
  • 47. U F P R LAI-DI –DESIGN -UFPR –MatheusCezarotto, Marcia Alves e André Battaiola 104 / 47 Animação –Truques 7. Enquadramento Apostila do PROF. ELISEU DE SOUZA LOPES FILHO
  • 48. U F P R LAI-DI –DESIGN -UFPR –MatheusCezarotto, Marcia Alves e André Battaiola 104 / 48 Animação –Truques (staging) -Apresentaraideiadaformamaisclarapossível; -Direcionaraatençãodoespectadorparaolugarcerto; -Adequarapose,oualinguagemcorporal,comsuaexpressãofacial,deformaànãocausarerrosdeinterpretação. 7. Enquadramento
  • 49. U F P R LAI-DI –DESIGN -UFPR –MatheusCezarotto, Marcia Alves e André Battaiola 104 / 49 Animação –Truques (staging) -Staging(Enquadramento),Antecipation(Antecipação)eTiming(Temporalização)devemestarintegrados; -Oobjetodeinteressedevecontrastarcomorestoparanãoconfundiroobjetivodaação,apenasumaideiaporvezdevesertransmitida; -Esteprincípiodeveserusado,principalmente,paramostraraexpressãocorporaldopersonagem,suapersonalidadeousentimento. 7. Enquadramento
  • 50. U F P R LAI-DI –DESIGN -UFPR –MatheusCezarotto, Marcia Alves e André Battaiola 104 / 50 Animação –Truques (staging) Diferentes poses, caracterizando cada personagem e cada ação. 7. Enquadramento
  • 51. U F P R LAI-DI –DESIGN -UFPR –MatheusCezarotto, Marcia Alves e André Battaiola 104 / 51 Animação –Truques (staging) Enquadramento ruim – pela silhueta não é possível entender a ação Enquadramento bom – pela silhueta é possível entender a ação 7. Enquadramento
  • 52. U F P R LAI-DI –DESIGN -UFPR –MatheusCezarotto, Marcia Alves e André Battaiola 104 / 52 Animação –Truques (staging) Enquadramento ruim –não é possível entender a ação 7. Enquadramento
  • 53. U F P R LAI-DI –DESIGN -UFPR –MatheusCezarotto, Marcia Alves e André Battaiola 104 / 53 Animação –Truques (staging) Enquadramento bom –a ação é bem compreendida 7. Enquadramento
  • 54. U F P R LAI-DI –DESIGN -UFPR –MatheusCezarotto, Marcia Alves e André Battaiola 104 / 54 Animação –Truques (staging) 7. Enquadramento
  • 55. U F P R LAI-DI –DESIGN -UFPR –MatheusCezarotto, Marcia Alves e André Battaiola 104 / 55 Animação –Truques (staging) Numa cena cheia de ação o olhar do espectador será guiado para o objeto em repouso. 7. Enquadramento
  • 56. U F P R LAI-DI –DESIGN -UFPR –MatheusCezarotto, Marcia Alves e André Battaiola 104 / 56 Animação –Truques Numa cena parada o olhar do expectador será guiado para o objeto em movimento. (staging) 7. Enquadramento
  • 57. U F P R LAI-DI –DESIGN -UFPR –MatheusCezarotto, Marcia Alves e André Battaiola 104 / 57 Animação –Truques Enquadramento do Background: Assimetria, ângulos e profundidade Sherm Cohen, 2006 7. Enquadramento
  • 58. U F P R LAI-DI –DESIGN -UFPR –MatheusCezarotto, Marcia Alves e André Battaiola 104 / 58 Animação –Truques Enquadramento Background: assimetria, ângulos e profundidade 7. Enquadramento Sherm Cohen, 2006
  • 59. U F P R LAI-DI –DESIGN -UFPR –MatheusCezarotto, Marcia Alves e André Battaiola 104 / 59 Animação –Truques Como será o enquadramentode sua animação? 7. Enquadramento
  • 60. U F P R LAI-DI –DESIGN -UFPR –MatheusCezarotto, Marcia Alves e André Battaiola 104 / 60 Animação –Truques (exaggeration) O exagero é usado para acentuar uma ação ou ideia fazendo com que determinada cena não passe desapercebida ao público. O princípio do exagero parece óbvio, contudo, não significa distorcer objetos e preenchimentos arbitrariamente ou fazer uma ação mais violenta ou irreal. 8. Exagero
  • 61. U F P R LAI-DI –DESIGN -UFPR –MatheusCezarotto, Marcia Alves e André Battaiola 104 / 61 Animação –Truques (exaggeration) O animador deve ir ao fundo da ideia e desenvolver sua essência e, assim, entender a razão do uso do exagero na cena. Se uma cena é triste é a chance de torná-la tristíssima. 8. Exagero
  • 62. U F P R LAI-DI –DESIGN -UFPR –MatheusCezarotto, Marcia Alves e André Battaiola 104 / 62 Animação –Truques (exaggeration) Uma cena tem muitos componentes em seu design como som, cor, emoção, preenchimento dos objetos, etc. O exagero deve trabalhar com cada um desse componentes, mas nunca isolado. O Exagero de vários elementos deve ser equilibrado, pois se estes estão muito acentuados, ou se apenas um deles está, a cena pode-se tornar demasiadamente artificial. 8. Exagero
  • 63. U F P R LAI-DI –DESIGN -UFPR –MatheusCezarotto, Marcia Alves e André Battaiola 104 / 63 Animação –Truques (exaggeration) O segredo é saber equilibrar, deixando alguns elementos com movimentação natural e outros exagerados para que a ação flua e o público perceba a mensagem com espontaneidade. 8. Exagero http://www.youtube.com/watch?v=G7H3hw14VXs http://www.youtube.com/watch?v=o9GlMGAWOnw&feature=related
  • 64. U F P R LAI-DI –DESIGN -UFPR –MatheusCezarotto, Marcia Alves e André Battaiola 104 / 64 Animação –Truques Você usará este princípio? Como e onde? 8. Exagero
  • 65. U F P R LAI-DI –DESIGN -UFPR –MatheusCezarotto, Marcia Alves e André Battaiola 104 / 65 Animação –Truques (squash & stretch) No princípio de esticar e encolher não importa o quanto um objeto se deforme, seu volume deve se manter constante. Serve para demonstrar quão rígido um objeto é, pois, todos os objetos reais, a menos que sejam extremamente duros, apresentam um pouco deste tipo de deformação. 9. Esticar e Encolher http://www.youtube.com/watch?v=VaLESWaRMjU
  • 66. U F P R LAI-DI –DESIGN -UFPR –MatheusCezarotto, Marcia Alves e André Battaiola 104 / 66 Animação –Truques (squash & stretch) 9. Esticar e Encolher http://www.youtube.com/watch?v=E9TmyzsYoEk
  • 67. U F P R LAI-DI –DESIGN -UFPR –MatheusCezarotto, Marcia Alves e André Battaiola 104 / 67 Animação –Truques Este princípio é muito importante em expressões faciais tanto para demonstrar a movimentação dos músculos da face, quanto as expressões do personagem. (squash & stretch) 9. Esticar e Encolher
  • 68. U F P R LAI-DI –DESIGN -UFPR –MatheusCezarotto, Marcia Alves e André Battaiola 104 / 68 Animação –Truques 9. Esticar e Encolher Você usará este princípio? Como e onde?
  • 69. U F P R LAI-DI –DESIGN -UFPR –MatheusCezarotto, Marcia Alves e André Battaiola 104 / 69 Animação –Truques (anticipation) 10. Antecipação
  • 70. U F P R LAI-DI –DESIGN -UFPR –MatheusCezarotto, Marcia Alves e André Battaiola 104 / 70 Animação –Truques As ações em uma animação geralmente acontecem em 3 seções: 1.a organização do movimento, 2.a ação atual e 3.o prosseguimento da ação. A primeira parte é conhecida como antecipação. (anticipation) 10. Antecipação http://www.youtube.com/watch?v=y6QFBgOiKQM&feature=related
  • 71. U F P R LAI-DI –DESIGN -UFPR –MatheusCezarotto, Marcia Alves e André Battaiola 104 / 71 Animação –Truques A antecipação pode ser entendida como a tomada de energia para se realizar uma ação. Quanto mais energia demanda uma ação, maior será a duração da tomada de energia, para realizá-la. (anticipation) 10. Antecipação
  • 72. U F P R LAI-DI –DESIGN -UFPR –MatheusCezarotto, Marcia Alves e André Battaiola 104 / 72 Animação –Truques Em certos casos, a antecipação é essencial fisicamente. Por exemplo: antes de se lançar uma bola é necessário balançar o braço para trás, essa ação do braço é a antecipação, enquanto que o lançamento é o próprio movimento. (anticipation) 10. Antecipação
  • 73. U F P R LAI-DI –DESIGN -UFPR –MatheusCezarotto, Marcia Alves e André Battaiola 104 / 73 Animação –Truques A antecipação é usada para chamar a atenção do espectador, preparando-o para a ação que se segue. Um período mais longo de antecipação geralmente é necessário para ações mais rápidas. Geralmente em animações mais realistas, o espectador tem que imaginar o que vai acontecer(a antecipação é mais sutil). (anticipation) 10. Antecipação
  • 74. U F P R LAI-DI –DESIGN -UFPR –MatheusCezarotto, Marcia Alves e André Battaiola 104 / 74 Animação –Truques 10. Antecipação Você usará este princípio? Como e onde?
  • 75. U F P R LAI-DI –DESIGN -UFPR –MatheusCezarotto, Marcia Alves e André Battaiola 104 / 75 Animação –Truques Princípios da Animação Personagem 1. Carisma Movimentação 2. Continuidade e Sobreposição de Ação 3. Ação Secundária 4. Arco 5. Temporização 6. Aceleração e Desaceleração Semiótica da Animação 7. Enquadramento 8. Exagero 9. Esticar e Encolher 10. Antecipação Técnicas de animação 11. Animação Direta 12. Pose a Pose
  • 76. U F P R LAI-DI –DESIGN -UFPR –MatheusCezarotto, Marcia Alves e André Battaiola 104 / 76 Animação –Truques Na animação direta, o animador segue desenhando cronologicamente quadro-a-quadro. (straght ahead action) 11. Animação Direta
  • 77. U F P R LAI-DI –DESIGN -UFPR –MatheusCezarotto, Marcia Alves e André Battaiola 104 / 77 Animação –Truques Motion Capture (straght ahead action) 11. Animação Direta
  • 78. U F P R LAI-DI –DESIGN -UFPR –MatheusCezarotto, Marcia Alves e André Battaiola 104 / 78 Animação –Truques Rotoscoping (straght ahead action) 11. Animação Direta http://www.youtube.com/watch?v=X77r2vLl8lQ&feature=related http://www.youtube.com/watch?v=6uAo94PaehY
  • 79. U F P R LAI-DI –DESIGN -UFPR –MatheusCezarotto, Marcia Alves e André Battaiola 104 / 79 Animação –Truques (pose-to-pose action) Na animação pose-a-pose, o animador desenha o quadro inicial, o final e alguns quadros da ação, para depois completar todos os outros intermediários. 12. Animação Pose-a-Pose
  • 80. U F P R LAI-DI –DESIGN -UFPR –MatheusCezarotto, Marcia Alves e André Battaiola 104 / 80 Animação –Truques (pose-to-pose action) 12. Animação Pose-a-Pose
  • 81. U F P R LAI-DI –DESIGN -UFPR –MatheusCezarotto, Marcia Alves e André Battaiola 104 / 81 Animação –Truques (pose-to-pose action) 12. Animação Pose-a-Pose
  • 82. U F P R LAI-DI –DESIGN -UFPR –MatheusCezarotto, Marcia Alves e André Battaiola 104 / 82 Animação –Truques Linha de ação do personagem É a base para o ritmo, ao mesmo tempo em que aumenta a eficiência dramática de uma ação permite posturas mais claras, convincentes e naturais. Apostila do PROF. ELISEU DE SOUZA LOPES FILHO
  • 83. U F P R LAI-DI –DESIGN -UFPR –MatheusCezarotto, Marcia Alves e André Battaiola 104 / 83 Animação –Truques Linha de ação do personagem
  • 84. U F P R LAI-DI –DESIGN -UFPR –MatheusCezarotto, Marcia Alves e André Battaiola 104 / 84 Animação –Truques Linha de ação do personagem
  • 85. U F P R LAI-DI –DESIGN -UFPR –MatheusCezarotto, Marcia Alves e André Battaiola 104 / 85 Animação –Truques Linha de ação do personagem
  • 86. U F P R LAI-DI –DESIGN -UFPR –MatheusCezarotto, Marcia Alves e André Battaiola 104 / 86 Animação –Truques Linha de ação do personagem
  • 87. U F P R LAI-DI –DESIGN -UFPR –MatheusCezarotto, Marcia Alves e André Battaiola 104 / 87 Animação –Truques Verifique em seus personagens a linha de ação que eles seguem. Linha de ação do personagem
  • 88. U F P R LAI-DI –DESIGN -UFPR –MatheusCezarotto, Marcia Alves e André Battaiola 104 / 88 Animação –Truques Reaproveitamento de quadros Reaproveitamento de ações para personagens semelhantes Branca de Neve e Hobin Hood
  • 89. U F P R LAI-DI –DESIGN -UFPR –MatheusCezarotto, Marcia Alves e André Battaiola 104 / 89 Animação –Truques Reaproveitamento de quadros Mógli e Pooh
  • 90. U F P R LAI-DI –DESIGN -UFPR –MatheusCezarotto, Marcia Alves e André Battaiola 104 / 90 Animação –Truques Reaproveitamento de quadros Mogli e Arthur de A espada era a lei
  • 91. U F P R LAI-DI –DESIGN -UFPR –MatheusCezarotto, Marcia Alves e André Battaiola 104 / 91 Animação –Truques Reaproveitamento de quadros Reaproveitamento de ações e cenários. Mogli e Pooh
  • 92. U F P R LAI-DI –DESIGN -UFPR –MatheusCezarotto, Marcia Alves e André Battaiola 104 / 92 Animação –Truques Reaproveitamento de quadros Reaproveitamento de movimento –espelhamento horizontal Morto The Magician
  • 93. U F P R LAI-DI –DESIGN -UFPR –MatheusCezarotto, Marcia Alves e André Battaiola 104 / 93 Animação –Truques Reaproveitamento de quadros Reaproveitamento de expressão do rosto Morto The Magician
  • 94. U F P R LAI-DI –DESIGN -UFPR –MatheusCezarotto, Marcia Alves e André Battaiola 104 / 94 Animação –Truques Reaproveitamento de quadros Reaproveitamento de cenário –cenário fixo Morto The Magician
  • 95. U F P R LAI-DI –DESIGN -UFPR –MatheusCezarotto, Marcia Alves e André Battaiola 104 / 95 Animação –Truques Reaproveitamento de quadros O que pode ser reaproveitadoem seu animatic? Quais as cenasque você pode reaproveitar e que elementosserão reaproveitados?
  • 96. U F P R LAI-DI –DESIGN -UFPR –MatheusCezarotto, Marcia Alves e André Battaiola 104 / 96 Animação –Truques Cenário em movimento
  • 97. U F P R LAI-DI –DESIGN -UFPR –MatheusCezarotto, Marcia Alves e André Battaiola 104 / 97 Animação –Truques Cenário em movimento
  • 98. U F P R LAI-DI –DESIGN -UFPR –MatheusCezarotto, Marcia Alves e André Battaiola 104 / 98 Animação –Truques Montagem com acetatos
  • 99. U F P R LAI-DI –DESIGN -UFPR –MatheusCezarotto, Marcia Alves e André Battaiola 104 / 99 Animação –Truques Montagem com acetatos
  • 100. U F P R LAI-DI –DESIGN -UFPR –MatheusCezarotto, Marcia Alves e André Battaiola 104 / 100 Animação –Truques Cenário em movimento O cenário de sua animatic pode ser movimentado? Sua animação pode ser convertida em layers?
  • 101. U F P R LAI-DI –DESIGN -UFPR –MatheusCezarotto, Marcia Alves e André Battaiola 104 / 101 Animação –Truques Pr. Animação -Referências Disney Animation: The Illusion of Life Ollie Johnston Frank Thomas Abbeville Press; Collectors edition (June 1981)
  • 102. U F P R LAI-DI –DESIGN -UFPR –MatheusCezarotto, Marcia Alves e André Battaiola 104 / 102 Animação –Truques Pr. Animação -Referências (Williams, 2009) (Blair, 1995)
  • 103. U F P R LAI-DI –DESIGN -UFPR –MatheusCezarotto, Marcia Alves e André Battaiola 104 / 103 Animação –Truques Pr. Animação -Referências (Barbosa Júnior, 2005) (Halas et al, 2011)
  • 104. U F P R LAI-DI –DESIGN -UFPR –MatheusCezarotto, Marcia Alves e André Battaiola 104 / 104 Animação –Truques Pr. Animação -Referências (Furniss, 2008) (Taylor, 2004)