SlideShare uma empresa Scribd logo
O
construtivismo
na sala de aula
César Coll
Um pouco sobre o autor:
César Cool é catedrático de psicologia da
educação no Departamento de psicologia
evolutiva e da educação na Universidade de
Barcelona. Consultor do MEC na elaboração dos
Parâmetros Curriculares Nacionais. Inspirado em
Jean Piaget, Coll orienta todo seu pensamento
numa concepção construtivista de ensino-
aprendizagem. Autor de Ensino Aprendizagem e
Discurso em Sala de Aula, Psicologia e Currículo
“É assim, Ó, eu fui fazendo, fazendo,
          Eu fui tentando e aí eu consegui. (...)
        Tem que ir ajeitando na minha cabeça,
           Misturando com as outras coisas.”

As implícitas referências ao ensino e à aprendizagem, na
frase acima, são portadoras dos conceitos
fundamentais de Piaget :
“inteligência como adaptação, comportando
mecanismos de assimilação (ajuste do objeto aos
esquemas de compreensão do sujeito) e acomodação
(ajuste do sujeito, transformação dos seus
esquemas de compreensão em função do objeto) e
conhecimento como resultado do ato cognitivo”. T. R.
FORTUNA, op. cit., p. 22.
A questão é relacionar o que se ensina e o
 que se aprende, para Coll é uma questão
 de prioridade. A prioridade é o que o aluno
 aprende, não o que o professor ensina.

 ParaCésar Coll, devem estar interligadas
 as propostas do professor, o conhecimento
 prévio, as aulas e a atividade. Considera
 que a comunidade através de seus
 representantes, bem como as famílias
 precisam ser mais ativas, participativas.
Existe uma preocupação quanto as
habilidades a serem adquiridas, "que tipos
de habilidades e de comportamento serão
necessários para a criança tornar-se um
adulto ativo e interagir com os demais
membros da sociedade”.
"Para que a criança atinja os objetivos finais
de cada unidade didática, temos antes de
identificar os fatos, conceitos e princípios
que serão propostos; os procedimentos a
considerar e os valores, normas e atitudes
indispensáveis".
Quando na investigação do que se aprende e o
que se ensina observa-se uma imensa lacuna, e
percebe-se a necessidade de um trabalho
conjunto, porém "não adianta apenas propor
trabalhar em equipe, é necessário uma
coordenação pedagógica voltada exclusivamente
para os temas transversais e dar ênfase a sua
funcionalidade, criando mais flexibilidade entre as
disciplinas" .
O inventário e a seleção das intenções possíveis, a
formulação de objetivos educacionais para guiar e
planejar a ação pedagógica, a organização e
sequenciação temporal das intenções, a
avaliação, que consiste em verificar se a ação
pedagógica corresponde às intenções, são itens
que integram seu projeto.
Algumas características levadas em consideração:
- as características individuais dos alunos
- as características individuais estão sujeitas a
evolução
- o que o aluno é capaz de aprender depende,
sobretudo, da ajuda pedagógica.
- a verdadeira individualização consiste em ajustar o
tipo de ajuda pedagógica às características e
necessidades dos alunos.
- o Projeto Curricular deve incluir critérios gerais e
exemplificá-los, mas não deve recomendar um
método de ensino determinado.
construtivismo não é uma teoria
Os professores a e concepção construtivista (Isabel Solé e
César Coll)O construtivismo não é uma teoria, e sim uma
referência explicativa, composta por diversas contribuições
teóricas, que auxilia os professores nas tomadas de
decisões durante o planejamento, aplicação e a avaliação
do ensino. Ou seja, o construtivismo não é uma receita, um
manual que deve ser seguido à risca sem se levar em conta
as necessidades de cada situação particular. Ao contrário,
os profissionais da educação devem utilizá-lo como auxílio
na reflexão sobre a prática pedagógica; sobre o como se
aprende e se ensina, considerando-se o contexto em que
os agentes educativos estão inseridos. Essas afirmações
demonstram a necessidade de se compreender os
conteúdos da aprendizagem como produtos sociais e
culturais, o professor como agente mediador entre
indivíduo e sociedade, e o aluno como aprendiz social.
Tendo em vista uma educação de qualidade,
entendida como aquela que atende a
diversidade, o processo educativo não é
responsabilidade do professor somente. Desse
modo, o trabalho coletivo dos professores,
normas e finalidades compartilhadas, uma
direção que tome decisões de forma colegiada,
materiais didáticos preparados em conjunto, a
formação continuada e a participação dos pais
são pontos essenciais para a construção da
escola de qualidade.
A instituição escolar é identificada pelo seu caráter
social e socializador. É por meio da escola que os
seres humanos entram em contato com uma cultura
determinada.      Nesse    sentido,    a    concepção
construtivista compreende um espaço importante à
construção do conhecimento individual e interação
social,     não   contrapondo       aprendizagem    e
desenvolvimento. Aprender não é copiar ou
reproduzir, mas elaborar uma representação pessoal
da realidade a partir de experimentações e
conhecimentos      prévios.    É    preciso   aprender
significativamente, ou seja, não apenas acumular
conhecimentos, mas construir significados próprios a
partir do relacionamento entre a experiência pessoal
e a realidade. A pré-existência de conteúdos confere
certa peculiaridade à construção do conhecimento,
que deve ser entendida como a atribuição de
significado pessoal aos conteúdos concretos,
produzidos culturalmente.
Pensando especificamente o trabalho do
professor,  o construtivismo      é    uma
concepção útil à tomada de decisões
compartilhadas, que pressupõe o trabalho
em equipe na construção de projetos
didáticos e rotinas de trabalho. Por fim, é
importante ressaltar que o construtivismo
não é um referencial acabado, fechado a
novas contribuições; sua construção
acontece no âmbito da situação de
ensino/aprendizagem e a ela deve servir.
Disponibilidade para a aprendizagem e sentido da
aprendizagem (Isabel Solé)A aprendizagem é motivada
por um interesse, uma necessidade de saber. Mas o que
determina esse interesse, essa necessidade? Não é
possível elaborar uma única resposta a essa questão. No
entanto, um bom caminho a seguir é compreender que
além dos aspectos cognitivos, a aprendizagem envolve
aspectos afetivo-relacionais. Ao construir os significados
pessoais sobre a realidade, constrói-se também o
conceito que se tem de você mesmo (autoconceito) e
a estima que se professa (autoestima), características
relacionadas ao equilíbrio pessoal. O autoconceito e a
autoestima influenciam a forma como o aluno constrói
sua relação com os outros e com o conhecimento;
reconhecer essa dimensão afetivo-relacional é
imprescindível ao processo educativo.
Em relação à motivação para conhecer, é necessário
compreender a maneira como alunos encaram a tarefa de
estudar, que pode ser dividida em dois enfoques: o enfoque
profundo e o enfoque superficial. No enfoque profundo, o
aluno se interessa por compreender o significado do que
estuda e relaciona os conteúdos aos conhecimentos prévios
e experiências. Já no enfoque superficial, a intenção do
aluno limita-se a realizar atarefas de forma satisfatória,
limitando-se ao que o professor considera como relevante,
uma resposta desejável e não a real compreensão do
conteúdo. Importante ressaltar que o enfoque com que o
aluno aborda a tarefa pode variar; dessa forma, o enfoque
profundo pode ser a abordagem de uma relação a uma
tarefa e o enforque superficial em relação a outras pelo
mesmo aluno. A inclinação dos alunos para um enfoque ou
outro vai depender, dentre outros fatores, da situação de
ensino da qual esse aluno participa. Entretanto, o enfoque
profundo pode ser trabalhado com os alunos de maneira
intencional. Para isso, é preciso conhecer as características
da tarefa trabalhada, o que se pretende com determinado
conteúdo e a sua necessidade.
Tudo isso demanda tempo, esforço e envolvimento pessoal.
Outro ponto importante a ser ressaltado é que o professor, ao
entrar numa sala de aula, carrega consigo certa visão de
mundo e imagem de si mesmo, que influenciam seu trabalho
e sua relação com os alunos. Da mesma forma, os alunos
constroem      representações    sobre    seus    professores.
Reconhecer esses aspectos afetivos e relacionais é
fundamental para motivação e interesse pela construção de
conhecimento, tendo em vista que o autoconceito e a
autoestima, ligados às representações e expectativas sobre o
processo educativo, possuem um papel mediador na
aprendizagem escolar.
As interações, no processo de construção de conhecimento,
devem ser caracterizadas pelo respeito mútuo e o sentimento
de confiança. É a partir dessas interações, das relações que
se estabelecem no contexto escolar, que as pessoas se
educam. Levar isto em consideração é compreender o papel
essencial dos aspectos afetivo-relacionais no processo de
construção pessoal do conhecimento sobre a realidade.
Um ponto de partida para a aprendizagem de novos
conteúdos: os conhecimentos prévios (Mariana Miras)
Quando se inicia um processo educativo, as mentes dos
alunos não estão vazias de conteúdo como lousas em
branco. Ao contrário, quando chegam à sala de aula os
alunos já possuem conhecimentos prévios advindos da
experiência pessoal. Na concepção construtivista é a
partir desses conhecimentos que o aluno constrói e
reconstrói novos significados. Identificam-se alguns
aspectos globais como elementos básicos que auxiliam
na determinação do estado inicial dos alunos: a
disposição do aluno para realizar a tarefa proposta, que
conta com elementos pessoais e interpessoais com sua
autoimagem,       autoestima,    a   representação     e
expectativas em relação à tarefa a ser realizada, seus
professores e colegas; capacidades, instrumentos,
estratégias e habilidades compreendidas em certos
níveis de inteligência, raciocínio e memória que
possibilitam a realização da tarefa.
Os conhecimentos prévios podem ser compreendidos como
esquemas de conhecimento, ou seja, a representação que
cada pessoa possui sobre a realidade. É importante ressaltar que
esses esquemas de conhecimento são sempre visões parciais e
particulares da realidade, determinadas pelo contexto e
experiências de cada pessoa. Os esquemas de conhecimento
contêm, ainda, diferentes tipos de conhecimentos, que podem
ser, por exemplo, de ordem conceitual (saber que o coletivo de
lobos é alcateia), normativa (saber que não se deve roubar),
procedimental (saber como se planta uma árvore). Esses
conhecimentos são diferentes, porém não devem ser
considerados melhores ou piores que outros.
Para o ensino coerente, é preciso considerar o estado inicial dos
alunos, seus conhecimentos prévios e esquemas de
conhecimentos construídos. Esse deve ser o início do processo
educativo: conhecer o que se tem para que se possa, sobre essa
base, construir o novo.
O que faz com que o aluno e a aluna aprendam os conteúdos
escolares? A natureza ativa e construtiva do conhecimento
(Teresa Mauri)
Entre as concepções de ensino e aprendizagem sustentadas
pelos professores, destacam-se três, cada uma considerando
que aprender é:
1) Conhecer as respostas corretas: Nessa
concepção entende-se que aprender
significa responder satisfatoriamente as
perguntas formuladas pelos professores.
Reforçam-se positivamente as respostas
corretas, sancionando-as. Os alunos são
considerados    receptores    passivos  dos
reforços dispensados pelos professores.
2) Adquirir os conhecimentos relevantes:
Nessa concepção, entende-se que o aluno
aprende quando apreende informações
necessárias. A principal atividade do
professor é possuir essas informações e
oferecer múltiplas situações (explicações,
leituras, vídeos, conferências, visitas a
museus) nas quais os alunos possam
processar essas informações.
O conhecimento é produto da cópia e não
processo de significação pessoal.
3) Construir conhecimentos: Os conteúdos
escolares são aprendidos a partir do
processo de construção pessoal do mesmo.
O centro do processo educativo é o aluno,
considerado como ser ativo que aprende a
aprender. Auxiliar a construção dessa
competência é o papel do professor.
A primeira concepção está ligada às concepções
tradicionais, diferenciada em relação às duas restantes
por enfatizar o papel supremo do professor na
elaboração das perguntas. As outras duas concepções,
pelo contrário, ocupam-se de como os alunos adquirem
conhecimentos; no entanto, entendem de formas
diferentes esse processo. Compreendendo-se que
aprender é construir conhecimentos, identifica-se a
natureza ativa dessa construção e a necessidade de
conteúdos ligados ao ato de aprender conceitos,
procedimentos e atitudes. Nesse sentido, é preciso
organizar e planejar intencionalmente as atividades
didáticas tendo em vista os conteúdos das diferentes
dimensões do saber: procedimental (como a observação
de plantas); conceitual (tipos e parte das plantas); e
atitudinal (de curiosidade, rigor, formalidade, entre
outras). O trabalho com esses conteúdos demonstra a
atividade complexa que caracteriza o processo
educativo, trabalho que demanda o envolvimento
coletivo na escola.
Ensinar: criar zonas de desenvolvimento
proximal e nelas intervir (Javier Onrubia). O
ensino na concepção construtivista deve ser
entendido como uma ajuda ao processo de
ensino-aprendizagem, sem a qual o aluno
não poderá compreender a realidade e
atuar nela. Porém, deve ser apenas ajuda
porque não pode substituir a atividade
construtiva do conhecimento pelo aluno.
A análise aprofundada do ensino enquanto ajuda leva ao conceito de
“ajuda ajustada” e de zona de desenvolvimento proximal (ZDP). No
conceito de “ajuda ajustada” observa-se que o ensino, enquanto ajuda o
processo de construção do conhecimento, deve ajustar-se a esse
processo de construção.
Para tanto, conjuga duas grandes características:

1) a de levar em conta os esquemas de conhecimento dos alunos, seus
conhecimentos prévios em relação aos conteúdos a serem trabalhados;

2) e, ao mesmo tempo, propor desafios que levem os alunos a
questionarem esses conhecimentos prévios. Ou seja, não se ignora aquilo
que os alunos já sabem, porém aponta-se para aquilo que eles não
conhecem, não realizam ou não dominam suficientemente,
incrementando a capacidade de compreensão e atuação autônoma
dos alunos. O conceito de zona de desenvolvimento proximal (ZDP) foi
proposto pelo psicólogo soviético L. S. Vygotsky, partindo do
entendimento de que as interações e relações com outras pessoas são a
origem dos processos de aprendizagem e desenvolvimento humano.
Nesse sentido, a ZDP pode ser identificada como o espaço no qual, com
a ajuda dos outros, uma pessoa realiza tarefas que não seria capaz de
realizar individualmente. A contribuição do conceito de ZDP está
relacionada à possibilidade de se especificar as formas em aula,
ajudando os alunos no processo de significação pessoal e social da
realidade.
Para o trabalho com os conceitos arrolados, indicam-se os
seguintes pontos:
1) Inserir atividades significativas na aula;
2) Possibilitar a participação de todos os alunos nas diferentes
atividades, mesmo que os níveis de competência,
conhecimento e interesses forem diferenciados;
3) Trabalhar com as relações afetivas e emocionais;
4) Introduzir modificações e ajustes ao logo da realização das
atividades;
5) Promover a utilização e o aprofundamento autônomo dos
conhecimentos que os alunos estão aprendendo;
6) Estabelecer relações entre os novos conteúdos e os
conhecimentos prévios dos alunos;
7) Utilizar linguagem clara e objetiva evitando mal-entendidos
ou incompreensões;
8) Recontextualizar e reconceitualizar a experiência.
Trabalhar a partir dessas concepções caracteriza desafios à
prática educativa que não está isenta de problemas e
limitações. No entanto, entende-se que esse esforço, mesmo
que acompanhado de lentos avanços, é decisivo para a
aprendizagem e o desenvolvimento das escolas e das aulas.
6. Os enfoques didáticos (Antoni Zabala)
Conclusão final:
O livro traz à tona um ponto de identificação de uma
característica importante da instituição de ensino, que
é o seu caráter social e socializador, pois por meio da
escola é que se entra em contato com a cultura social.
Por isso, a concepção construtivista abrange um
aspecto importante para a construção do
conhecimento individual e interação social, afinal ela
não contrapõe aprendizagem e desenvolvimento, visto
que, de acordo com a visão construtivista, aprender
não é copiar ou reproduzir, e sim elaborar uma
representação pessoal da realidade a partir das
experimentações e conhecimentos prévios do
educando. Para o Construtivismo, a aprendizagem
deve necessariamente ser significativa, e não um
acúmulo de conhecimentos. O importante, portanto, é
construir significados próprios a partir da experiência...

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Tipos de avaliacao
Tipos de avaliacaoTipos de avaliacao
Tipos de avaliacao
Kajdy Ejdy
 
CONTRERAS, José. A autonomia de professores. São Paulo: Cortez, 2002.
CONTRERAS, José. A autonomia de professores. São Paulo: Cortez, 2002. CONTRERAS, José. A autonomia de professores. São Paulo: Cortez, 2002.
CONTRERAS, José. A autonomia de professores. São Paulo: Cortez, 2002.
Soares Junior
 
Avaliação mediadora -_jussara_hoffmann
Avaliação mediadora -_jussara_hoffmannAvaliação mediadora -_jussara_hoffmann
Avaliação mediadora -_jussara_hoffmann
Docência "in loco"
 
A crianca em desenvolvimento helen bee
A crianca em desenvolvimento   helen beeA crianca em desenvolvimento   helen bee
A crianca em desenvolvimento helen bee
Karina Regy
 
BNCC na prática
BNCC na práticaBNCC na prática
BNCC na prática
Grasiela Dourado
 
Prática educativa, pedagogia e didática
Prática educativa, pedagogia e didáticaPrática educativa, pedagogia e didática
Prática educativa, pedagogia e didática
Victor Nilu Fabiana Barros
 
Avaliação Formativa Como Instrumento De Aprendizagem
Avaliação Formativa Como Instrumento De AprendizagemAvaliação Formativa Como Instrumento De Aprendizagem
Avaliação Formativa Como Instrumento De Aprendizagem
Neide Bittencourt
 
Planejamento de Ensino
Planejamento de EnsinoPlanejamento de Ensino
Planejamento de Ensino
Lene Reis
 
Tendência crítico social dos conteúdos
Tendência crítico social dos conteúdosTendência crítico social dos conteúdos
Tendência crítico social dos conteúdos
Colégio Estadual Padre Fernando Gomes de Melo
 
resumo-de-avaliação-mediadora-jussara-hoffmann
 resumo-de-avaliação-mediadora-jussara-hoffmann resumo-de-avaliação-mediadora-jussara-hoffmann
resumo-de-avaliação-mediadora-jussara-hoffmann
Ivanylde Santos
 
EDUCAÇÃO INFANTIL
EDUCAÇÃO INFANTILEDUCAÇÃO INFANTIL
EDUCAÇÃO INFANTIL
Roshelly Milanez
 
4. avaliação
4. avaliação4. avaliação
4. avaliação
Lilian Moreira
 
Avaliação da aprendizagem
Avaliação da aprendizagemAvaliação da aprendizagem
Avaliação da aprendizagem
Gerdian Teixeira
 
O diálogo entre o ensino e aprendizagem
O diálogo entre o ensino e aprendizagemO diálogo entre o ensino e aprendizagem
O diálogo entre o ensino e aprendizagem
Celi Jandy Moraes Gomes
 
Gestão Escolar: enfrentando os desafios cotidianos
Gestão Escolar: enfrentando os desafios cotidianosGestão Escolar: enfrentando os desafios cotidianos
Gestão Escolar: enfrentando os desafios cotidianos
Ulisses Vakirtzis
 
DIDATICA Didática i aula
DIDATICA Didática i   aulaDIDATICA Didática i   aula
DIDATICA Didática i aula
Leandro Pereira
 
Emilia ferreiro
Emilia ferreiroEmilia ferreiro
Conhecendo a didática
Conhecendo a didáticaConhecendo a didática
Educação de jovens e adultos.pptx
Educação de jovens e adultos.pptxEducação de jovens e adultos.pptx
Educação de jovens e adultos.pptx
Glacemi Loch
 
AlfabetizaçãO E Letramento
AlfabetizaçãO E LetramentoAlfabetizaçãO E Letramento
AlfabetizaçãO E Letramento
henriqueocarvalho
 

Mais procurados (20)

Tipos de avaliacao
Tipos de avaliacaoTipos de avaliacao
Tipos de avaliacao
 
CONTRERAS, José. A autonomia de professores. São Paulo: Cortez, 2002.
CONTRERAS, José. A autonomia de professores. São Paulo: Cortez, 2002. CONTRERAS, José. A autonomia de professores. São Paulo: Cortez, 2002.
CONTRERAS, José. A autonomia de professores. São Paulo: Cortez, 2002.
 
Avaliação mediadora -_jussara_hoffmann
Avaliação mediadora -_jussara_hoffmannAvaliação mediadora -_jussara_hoffmann
Avaliação mediadora -_jussara_hoffmann
 
A crianca em desenvolvimento helen bee
A crianca em desenvolvimento   helen beeA crianca em desenvolvimento   helen bee
A crianca em desenvolvimento helen bee
 
BNCC na prática
BNCC na práticaBNCC na prática
BNCC na prática
 
Prática educativa, pedagogia e didática
Prática educativa, pedagogia e didáticaPrática educativa, pedagogia e didática
Prática educativa, pedagogia e didática
 
Avaliação Formativa Como Instrumento De Aprendizagem
Avaliação Formativa Como Instrumento De AprendizagemAvaliação Formativa Como Instrumento De Aprendizagem
Avaliação Formativa Como Instrumento De Aprendizagem
 
Planejamento de Ensino
Planejamento de EnsinoPlanejamento de Ensino
Planejamento de Ensino
 
Tendência crítico social dos conteúdos
Tendência crítico social dos conteúdosTendência crítico social dos conteúdos
Tendência crítico social dos conteúdos
 
resumo-de-avaliação-mediadora-jussara-hoffmann
 resumo-de-avaliação-mediadora-jussara-hoffmann resumo-de-avaliação-mediadora-jussara-hoffmann
resumo-de-avaliação-mediadora-jussara-hoffmann
 
EDUCAÇÃO INFANTIL
EDUCAÇÃO INFANTILEDUCAÇÃO INFANTIL
EDUCAÇÃO INFANTIL
 
4. avaliação
4. avaliação4. avaliação
4. avaliação
 
Avaliação da aprendizagem
Avaliação da aprendizagemAvaliação da aprendizagem
Avaliação da aprendizagem
 
O diálogo entre o ensino e aprendizagem
O diálogo entre o ensino e aprendizagemO diálogo entre o ensino e aprendizagem
O diálogo entre o ensino e aprendizagem
 
Gestão Escolar: enfrentando os desafios cotidianos
Gestão Escolar: enfrentando os desafios cotidianosGestão Escolar: enfrentando os desafios cotidianos
Gestão Escolar: enfrentando os desafios cotidianos
 
DIDATICA Didática i aula
DIDATICA Didática i   aulaDIDATICA Didática i   aula
DIDATICA Didática i aula
 
Emilia ferreiro
Emilia ferreiroEmilia ferreiro
Emilia ferreiro
 
Conhecendo a didática
Conhecendo a didáticaConhecendo a didática
Conhecendo a didática
 
Educação de jovens e adultos.pptx
Educação de jovens e adultos.pptxEducação de jovens e adultos.pptx
Educação de jovens e adultos.pptx
 
AlfabetizaçãO E Letramento
AlfabetizaçãO E LetramentoAlfabetizaçãO E Letramento
AlfabetizaçãO E Letramento
 

Semelhante a O construtivismo na sala de aula

Resumo pensadores concurso itapevi 2
Resumo pensadores concurso  itapevi 2Resumo pensadores concurso  itapevi 2
Resumo pensadores concurso itapevi 2
Adail Silva
 
Coll, césar e outros. o construtivismo na sala de aula.
Coll, césar e outros. o construtivismo na sala de aula.Coll, césar e outros. o construtivismo na sala de aula.
Coll, césar e outros. o construtivismo na sala de aula.
Manoela_93
 
Dez importantes-questoes-rosaura-soligo
Dez importantes-questoes-rosaura-soligoDez importantes-questoes-rosaura-soligo
Dez importantes-questoes-rosaura-soligo
Naysa Taboada
 
PROFESSOR INICIANTE: O SER E ESTAR NA PROFISSÃO DOCENTE
PROFESSOR INICIANTE: O SER E ESTAR NA PROFISSÃO DOCENTEPROFESSOR INICIANTE: O SER E ESTAR NA PROFISSÃO DOCENTE
PROFESSOR INICIANTE: O SER E ESTAR NA PROFISSÃO DOCENTE
ProfessorPrincipiante
 
Estudo dirigido didatica
Estudo dirigido didaticaEstudo dirigido didatica
Estudo dirigido didatica
Josenilza Paiva
 
A avaliação da aprendizagem como principio da autoria
A avaliação da aprendizagem como principio da autoriaA avaliação da aprendizagem como principio da autoria
A avaliação da aprendizagem como principio da autoria
claudiakarinalara
 
Arq idvol 28-1391209402
Arq idvol 28-1391209402Arq idvol 28-1391209402
Arq idvol 28-1391209402
maria152302
 
Sugestões de como trabalhar (ensinar) a turma toda
Sugestões de como trabalhar (ensinar) a turma todaSugestões de como trabalhar (ensinar) a turma toda
Sugestões de como trabalhar (ensinar) a turma toda
Profª Fabi Sobrenome
 
A formação do professor refelxivo
A formação do professor refelxivoA formação do professor refelxivo
A formação do professor refelxivo
Marga Fadanelli Simionato
 
Pedagogiade projetos
Pedagogiade projetosPedagogiade projetos
Pedagogiade projetos
afermartins
 
Pedagogia de projetos
Pedagogia de projetosPedagogia de projetos
Pedagogia de projetos
cinthyamoita
 
PROJETO PEDAGOGICO
PROJETO PEDAGOGICOPROJETO PEDAGOGICO
PROJETO PEDAGOGICO
guest04f18b
 
Pedagogiade projetos
Pedagogiade projetosPedagogiade projetos
Pedagogiade projetos
afermartins
 
Como formar os grupos áulicos (1)
Como formar os grupos áulicos (1)Como formar os grupos áulicos (1)
Como formar os grupos áulicos (1)
Carla Fernanda Matté Marengo
 
Pedagogiadeprojetos Ppt
Pedagogiadeprojetos PptPedagogiadeprojetos Ppt
Pedagogiadeprojetos Ppt
roquematoso
 
Pedagogiadeprojetos Ppt
Pedagogiadeprojetos PptPedagogiadeprojetos Ppt
Pedagogiadeprojetos Ppt
roquematoso
 
Pedagogia de Projetos
Pedagogia de ProjetosPedagogia de Projetos
Pedagogia de Projetos
Clezinha
 
Pedagogiade Projetos Ppt
Pedagogiade Projetos PptPedagogiade Projetos Ppt
Pedagogiade Projetos Ppt
roquematoso
 
Zabala
ZabalaZabala
Zabala
Maria Maria
 
Zabala
ZabalaZabala

Semelhante a O construtivismo na sala de aula (20)

Resumo pensadores concurso itapevi 2
Resumo pensadores concurso  itapevi 2Resumo pensadores concurso  itapevi 2
Resumo pensadores concurso itapevi 2
 
Coll, césar e outros. o construtivismo na sala de aula.
Coll, césar e outros. o construtivismo na sala de aula.Coll, césar e outros. o construtivismo na sala de aula.
Coll, césar e outros. o construtivismo na sala de aula.
 
Dez importantes-questoes-rosaura-soligo
Dez importantes-questoes-rosaura-soligoDez importantes-questoes-rosaura-soligo
Dez importantes-questoes-rosaura-soligo
 
PROFESSOR INICIANTE: O SER E ESTAR NA PROFISSÃO DOCENTE
PROFESSOR INICIANTE: O SER E ESTAR NA PROFISSÃO DOCENTEPROFESSOR INICIANTE: O SER E ESTAR NA PROFISSÃO DOCENTE
PROFESSOR INICIANTE: O SER E ESTAR NA PROFISSÃO DOCENTE
 
Estudo dirigido didatica
Estudo dirigido didaticaEstudo dirigido didatica
Estudo dirigido didatica
 
A avaliação da aprendizagem como principio da autoria
A avaliação da aprendizagem como principio da autoriaA avaliação da aprendizagem como principio da autoria
A avaliação da aprendizagem como principio da autoria
 
Arq idvol 28-1391209402
Arq idvol 28-1391209402Arq idvol 28-1391209402
Arq idvol 28-1391209402
 
Sugestões de como trabalhar (ensinar) a turma toda
Sugestões de como trabalhar (ensinar) a turma todaSugestões de como trabalhar (ensinar) a turma toda
Sugestões de como trabalhar (ensinar) a turma toda
 
A formação do professor refelxivo
A formação do professor refelxivoA formação do professor refelxivo
A formação do professor refelxivo
 
Pedagogiade projetos
Pedagogiade projetosPedagogiade projetos
Pedagogiade projetos
 
Pedagogia de projetos
Pedagogia de projetosPedagogia de projetos
Pedagogia de projetos
 
PROJETO PEDAGOGICO
PROJETO PEDAGOGICOPROJETO PEDAGOGICO
PROJETO PEDAGOGICO
 
Pedagogiade projetos
Pedagogiade projetosPedagogiade projetos
Pedagogiade projetos
 
Como formar os grupos áulicos (1)
Como formar os grupos áulicos (1)Como formar os grupos áulicos (1)
Como formar os grupos áulicos (1)
 
Pedagogiadeprojetos Ppt
Pedagogiadeprojetos PptPedagogiadeprojetos Ppt
Pedagogiadeprojetos Ppt
 
Pedagogiadeprojetos Ppt
Pedagogiadeprojetos PptPedagogiadeprojetos Ppt
Pedagogiadeprojetos Ppt
 
Pedagogia de Projetos
Pedagogia de ProjetosPedagogia de Projetos
Pedagogia de Projetos
 
Pedagogiade Projetos Ppt
Pedagogiade Projetos PptPedagogiade Projetos Ppt
Pedagogiade Projetos Ppt
 
Zabala
ZabalaZabala
Zabala
 
Zabala
ZabalaZabala
Zabala
 

Mais de Maristela Couto

RELACIONAMENTO INTERPESSOAL DOS GESTORES NA ESCOLA
RELACIONAMENTO INTERPESSOAL DOS GESTORES NA ESCOLARELACIONAMENTO INTERPESSOAL DOS GESTORES NA ESCOLA
RELACIONAMENTO INTERPESSOAL DOS GESTORES NA ESCOLA
Maristela Couto
 
Aap -matematica_-_2a_serie_do_ensino_medio
Aap  -matematica_-_2a_serie_do_ensino_medioAap  -matematica_-_2a_serie_do_ensino_medio
Aap -matematica_-_2a_serie_do_ensino_medio
Maristela Couto
 
Aap -matematica_-_1a_serie_do_ensino_medio
Aap  -matematica_-_1a_serie_do_ensino_medioAap  -matematica_-_1a_serie_do_ensino_medio
Aap -matematica_-_1a_serie_do_ensino_medio
Maristela Couto
 
Aap -matematica_-_8o_ano_do_ensino_fundamental
Aap  -matematica_-_8o_ano_do_ensino_fundamentalAap  -matematica_-_8o_ano_do_ensino_fundamental
Aap -matematica_-_8o_ano_do_ensino_fundamental
Maristela Couto
 
Aap -matematica_-_3a_serie_do_ensino_medio
Aap  -matematica_-_3a_serie_do_ensino_medioAap  -matematica_-_3a_serie_do_ensino_medio
Aap -matematica_-_3a_serie_do_ensino_medio
Maristela Couto
 
Aap -matematica_-_6o_ano_do_ensino_fundamental
Aap  -matematica_-_6o_ano_do_ensino_fundamentalAap  -matematica_-_6o_ano_do_ensino_fundamental
Aap -matematica_-_6o_ano_do_ensino_fundamental
Maristela Couto
 
Aap -matematica_-_9o_ano_do_ensino_fundamental
Aap  -matematica_-_9o_ano_do_ensino_fundamentalAap  -matematica_-_9o_ano_do_ensino_fundamental
Aap -matematica_-_9o_ano_do_ensino_fundamental
Maristela Couto
 
Aap -matematica_-_7o_ano_do_ensino_fundamental
Aap  -matematica_-_7o_ano_do_ensino_fundamentalAap  -matematica_-_7o_ano_do_ensino_fundamental
Aap -matematica_-_7o_ano_do_ensino_fundamental
Maristela Couto
 
Aap -lingua_portuguesa_-_2a_serie_do_ensino_medio
Aap  -lingua_portuguesa_-_2a_serie_do_ensino_medioAap  -lingua_portuguesa_-_2a_serie_do_ensino_medio
Aap -lingua_portuguesa_-_2a_serie_do_ensino_medio
Maristela Couto
 
Aap -lingua_portuguesa_-_3a_serie_do_ensino_medio
Aap  -lingua_portuguesa_-_3a_serie_do_ensino_medioAap  -lingua_portuguesa_-_3a_serie_do_ensino_medio
Aap -lingua_portuguesa_-_3a_serie_do_ensino_medio
Maristela Couto
 
Aap -lingua_portuguesa_-_1a_serie_do_ensino_medio
Aap  -lingua_portuguesa_-_1a_serie_do_ensino_medioAap  -lingua_portuguesa_-_1a_serie_do_ensino_medio
Aap -lingua_portuguesa_-_1a_serie_do_ensino_medio
Maristela Couto
 
Aap -lingua_portuguesa_-_6o_ano_do_ensino_fundamental
Aap  -lingua_portuguesa_-_6o_ano_do_ensino_fundamentalAap  -lingua_portuguesa_-_6o_ano_do_ensino_fundamental
Aap -lingua_portuguesa_-_6o_ano_do_ensino_fundamental
Maristela Couto
 
AAP -lingua_portuguesa_-_9o_ano_do_ensino_fundamental
AAP  -lingua_portuguesa_-_9o_ano_do_ensino_fundamentalAAP  -lingua_portuguesa_-_9o_ano_do_ensino_fundamental
AAP -lingua_portuguesa_-_9o_ano_do_ensino_fundamental
Maristela Couto
 
AAP -lingua_portuguesa_-_7o_ano_do_ensino_fundamental
AAP -lingua_portuguesa_-_7o_ano_do_ensino_fundamentalAAP -lingua_portuguesa_-_7o_ano_do_ensino_fundamental
AAP -lingua_portuguesa_-_7o_ano_do_ensino_fundamental
Maristela Couto
 
AAP -lingua_portuguesa_-_8o_ano_do_ensino_fundamental
AAP -lingua_portuguesa_-_8o_ano_do_ensino_fundamentalAAP -lingua_portuguesa_-_8o_ano_do_ensino_fundamental
AAP -lingua_portuguesa_-_8o_ano_do_ensino_fundamental
Maristela Couto
 
Traços característicos de textos narrativos
Traços característicos de textos narrativosTraços característicos de textos narrativos
Traços característicos de textos narrativos
Maristela Couto
 
Cargas cognitivas
Cargas cognitivasCargas cognitivas
Cargas cognitivas
Maristela Couto
 
PLANEJAR E PORTFÓLIOS
PLANEJAR E PORTFÓLIOSPLANEJAR E PORTFÓLIOS
PLANEJAR E PORTFÓLIOS
Maristela Couto
 
Merenda
MerendaMerenda
Ensinar Matemática nas séries iniciais
Ensinar Matemática nas séries iniciaisEnsinar Matemática nas séries iniciais
Ensinar Matemática nas séries iniciais
Maristela Couto
 

Mais de Maristela Couto (20)

RELACIONAMENTO INTERPESSOAL DOS GESTORES NA ESCOLA
RELACIONAMENTO INTERPESSOAL DOS GESTORES NA ESCOLARELACIONAMENTO INTERPESSOAL DOS GESTORES NA ESCOLA
RELACIONAMENTO INTERPESSOAL DOS GESTORES NA ESCOLA
 
Aap -matematica_-_2a_serie_do_ensino_medio
Aap  -matematica_-_2a_serie_do_ensino_medioAap  -matematica_-_2a_serie_do_ensino_medio
Aap -matematica_-_2a_serie_do_ensino_medio
 
Aap -matematica_-_1a_serie_do_ensino_medio
Aap  -matematica_-_1a_serie_do_ensino_medioAap  -matematica_-_1a_serie_do_ensino_medio
Aap -matematica_-_1a_serie_do_ensino_medio
 
Aap -matematica_-_8o_ano_do_ensino_fundamental
Aap  -matematica_-_8o_ano_do_ensino_fundamentalAap  -matematica_-_8o_ano_do_ensino_fundamental
Aap -matematica_-_8o_ano_do_ensino_fundamental
 
Aap -matematica_-_3a_serie_do_ensino_medio
Aap  -matematica_-_3a_serie_do_ensino_medioAap  -matematica_-_3a_serie_do_ensino_medio
Aap -matematica_-_3a_serie_do_ensino_medio
 
Aap -matematica_-_6o_ano_do_ensino_fundamental
Aap  -matematica_-_6o_ano_do_ensino_fundamentalAap  -matematica_-_6o_ano_do_ensino_fundamental
Aap -matematica_-_6o_ano_do_ensino_fundamental
 
Aap -matematica_-_9o_ano_do_ensino_fundamental
Aap  -matematica_-_9o_ano_do_ensino_fundamentalAap  -matematica_-_9o_ano_do_ensino_fundamental
Aap -matematica_-_9o_ano_do_ensino_fundamental
 
Aap -matematica_-_7o_ano_do_ensino_fundamental
Aap  -matematica_-_7o_ano_do_ensino_fundamentalAap  -matematica_-_7o_ano_do_ensino_fundamental
Aap -matematica_-_7o_ano_do_ensino_fundamental
 
Aap -lingua_portuguesa_-_2a_serie_do_ensino_medio
Aap  -lingua_portuguesa_-_2a_serie_do_ensino_medioAap  -lingua_portuguesa_-_2a_serie_do_ensino_medio
Aap -lingua_portuguesa_-_2a_serie_do_ensino_medio
 
Aap -lingua_portuguesa_-_3a_serie_do_ensino_medio
Aap  -lingua_portuguesa_-_3a_serie_do_ensino_medioAap  -lingua_portuguesa_-_3a_serie_do_ensino_medio
Aap -lingua_portuguesa_-_3a_serie_do_ensino_medio
 
Aap -lingua_portuguesa_-_1a_serie_do_ensino_medio
Aap  -lingua_portuguesa_-_1a_serie_do_ensino_medioAap  -lingua_portuguesa_-_1a_serie_do_ensino_medio
Aap -lingua_portuguesa_-_1a_serie_do_ensino_medio
 
Aap -lingua_portuguesa_-_6o_ano_do_ensino_fundamental
Aap  -lingua_portuguesa_-_6o_ano_do_ensino_fundamentalAap  -lingua_portuguesa_-_6o_ano_do_ensino_fundamental
Aap -lingua_portuguesa_-_6o_ano_do_ensino_fundamental
 
AAP -lingua_portuguesa_-_9o_ano_do_ensino_fundamental
AAP  -lingua_portuguesa_-_9o_ano_do_ensino_fundamentalAAP  -lingua_portuguesa_-_9o_ano_do_ensino_fundamental
AAP -lingua_portuguesa_-_9o_ano_do_ensino_fundamental
 
AAP -lingua_portuguesa_-_7o_ano_do_ensino_fundamental
AAP -lingua_portuguesa_-_7o_ano_do_ensino_fundamentalAAP -lingua_portuguesa_-_7o_ano_do_ensino_fundamental
AAP -lingua_portuguesa_-_7o_ano_do_ensino_fundamental
 
AAP -lingua_portuguesa_-_8o_ano_do_ensino_fundamental
AAP -lingua_portuguesa_-_8o_ano_do_ensino_fundamentalAAP -lingua_portuguesa_-_8o_ano_do_ensino_fundamental
AAP -lingua_portuguesa_-_8o_ano_do_ensino_fundamental
 
Traços característicos de textos narrativos
Traços característicos de textos narrativosTraços característicos de textos narrativos
Traços característicos de textos narrativos
 
Cargas cognitivas
Cargas cognitivasCargas cognitivas
Cargas cognitivas
 
PLANEJAR E PORTFÓLIOS
PLANEJAR E PORTFÓLIOSPLANEJAR E PORTFÓLIOS
PLANEJAR E PORTFÓLIOS
 
Merenda
MerendaMerenda
Merenda
 
Ensinar Matemática nas séries iniciais
Ensinar Matemática nas séries iniciaisEnsinar Matemática nas séries iniciais
Ensinar Matemática nas séries iniciais
 

Último

MAPAS MENTAIS Conhecimentos Pedagógicos - ATUALIZADO 2024 PROF. Fernanda.pdf
MAPAS MENTAIS Conhecimentos Pedagógicos - ATUALIZADO 2024 PROF. Fernanda.pdfMAPAS MENTAIS Conhecimentos Pedagógicos - ATUALIZADO 2024 PROF. Fernanda.pdf
MAPAS MENTAIS Conhecimentos Pedagógicos - ATUALIZADO 2024 PROF. Fernanda.pdf
GracinhaSantos6
 
Aula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdf
Aula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdfAula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdf
Aula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdf
AntonioAngeloNeves
 
Como montar o mapa conceitual editado.pdf
Como montar o mapa conceitual editado.pdfComo montar o mapa conceitual editado.pdf
Como montar o mapa conceitual editado.pdf
AlineOliveira625820
 
DEUS CURA TODAS AS FERIDAS ESCONDIDAS DA NOSSA.pptx
DEUS CURA TODAS AS FERIDAS ESCONDIDAS DA NOSSA.pptxDEUS CURA TODAS AS FERIDAS ESCONDIDAS DA NOSSA.pptx
DEUS CURA TODAS AS FERIDAS ESCONDIDAS DA NOSSA.pptx
ConservoConstrues
 
AVALIAÇÃO PRESENCIAL 8º período pedagogia
AVALIAÇÃO PRESENCIAL 8º período  pedagogiaAVALIAÇÃO PRESENCIAL 8º período  pedagogia
AVALIAÇÃO PRESENCIAL 8º período pedagogia
KarollayneRodriguesV1
 
UFCD_10789_Metodologias de desenvolvimento de software_índice.pdf
UFCD_10789_Metodologias de desenvolvimento de software_índice.pdfUFCD_10789_Metodologias de desenvolvimento de software_índice.pdf
UFCD_10789_Metodologias de desenvolvimento de software_índice.pdf
Manuais Formação
 
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptxSlides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Primeira fase do modernismo Mapa Mental.pdf
Primeira fase do modernismo Mapa Mental.pdfPrimeira fase do modernismo Mapa Mental.pdf
Primeira fase do modernismo Mapa Mental.pdf
Maurício Bratz
 
Atividade Bio evolução e especiação .docx
Atividade Bio evolução e especiação .docxAtividade Bio evolução e especiação .docx
Atividade Bio evolução e especiação .docx
MARCELARUBIAGAVA
 
filosofia e Direito- É a teoria que explica como a sociedade se organizou co...
filosofia e Direito- É a teoria que explica como a sociedade se organizou  co...filosofia e Direito- É a teoria que explica como a sociedade se organizou  co...
filosofia e Direito- É a teoria que explica como a sociedade se organizou co...
SidneySilva523387
 
ATIVIDADES de alfabetização do mês de junho
ATIVIDADES de alfabetização do mês de junhoATIVIDADES de alfabetização do mês de junho
ATIVIDADES de alfabetização do mês de junho
Crisnaiara
 
Apostila-Microbiologia-e-Parasitologia-doc.pdf
Apostila-Microbiologia-e-Parasitologia-doc.pdfApostila-Microbiologia-e-Parasitologia-doc.pdf
Apostila-Microbiologia-e-Parasitologia-doc.pdf
bmgrama
 
(44-ESTUDO - LUCAS) A ESPIRITUALIDADE EM CRISE NO VALE
(44-ESTUDO - LUCAS) A ESPIRITUALIDADE EM CRISE NO VALE(44-ESTUDO - LUCAS) A ESPIRITUALIDADE EM CRISE NO VALE
(44-ESTUDO - LUCAS) A ESPIRITUALIDADE EM CRISE NO VALE
Pr Davi Passos - Estudos Bíblicos
 
Caça-palavaras e cruzadinha - Dígrafos.
Caça-palavaras  e cruzadinha  - Dígrafos.Caça-palavaras  e cruzadinha  - Dígrafos.
Caça-palavaras e cruzadinha - Dígrafos.
Mary Alvarenga
 
Aula de filosofia sobre Sexo, Gênero e sexualidade
Aula de filosofia sobre Sexo, Gênero e sexualidadeAula de filosofia sobre Sexo, Gênero e sexualidade
Aula de filosofia sobre Sexo, Gênero e sexualidade
AlessandraRibas7
 
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 02.pptx
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 02.pptxVivendo a Arquitetura Salesforce - 02.pptx
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 02.pptx
Mauricio Alexandre Silva
 
formação - 2º ano São José da Tapera ...
formação - 2º ano São José da Tapera ...formação - 2º ano São José da Tapera ...
formação - 2º ano São José da Tapera ...
JakiraCosta
 
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
fran0410
 
Infografia | Resultados das Eleições Europeias 2024-2029
Infografia | Resultados das Eleições Europeias 2024-2029Infografia | Resultados das Eleições Europeias 2024-2029
Infografia | Resultados das Eleições Europeias 2024-2029
Centro Jacques Delors
 
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptxSlides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 

Último (20)

MAPAS MENTAIS Conhecimentos Pedagógicos - ATUALIZADO 2024 PROF. Fernanda.pdf
MAPAS MENTAIS Conhecimentos Pedagógicos - ATUALIZADO 2024 PROF. Fernanda.pdfMAPAS MENTAIS Conhecimentos Pedagógicos - ATUALIZADO 2024 PROF. Fernanda.pdf
MAPAS MENTAIS Conhecimentos Pedagógicos - ATUALIZADO 2024 PROF. Fernanda.pdf
 
Aula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdf
Aula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdfAula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdf
Aula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdf
 
Como montar o mapa conceitual editado.pdf
Como montar o mapa conceitual editado.pdfComo montar o mapa conceitual editado.pdf
Como montar o mapa conceitual editado.pdf
 
DEUS CURA TODAS AS FERIDAS ESCONDIDAS DA NOSSA.pptx
DEUS CURA TODAS AS FERIDAS ESCONDIDAS DA NOSSA.pptxDEUS CURA TODAS AS FERIDAS ESCONDIDAS DA NOSSA.pptx
DEUS CURA TODAS AS FERIDAS ESCONDIDAS DA NOSSA.pptx
 
AVALIAÇÃO PRESENCIAL 8º período pedagogia
AVALIAÇÃO PRESENCIAL 8º período  pedagogiaAVALIAÇÃO PRESENCIAL 8º período  pedagogia
AVALIAÇÃO PRESENCIAL 8º período pedagogia
 
UFCD_10789_Metodologias de desenvolvimento de software_índice.pdf
UFCD_10789_Metodologias de desenvolvimento de software_índice.pdfUFCD_10789_Metodologias de desenvolvimento de software_índice.pdf
UFCD_10789_Metodologias de desenvolvimento de software_índice.pdf
 
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptxSlides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
 
Primeira fase do modernismo Mapa Mental.pdf
Primeira fase do modernismo Mapa Mental.pdfPrimeira fase do modernismo Mapa Mental.pdf
Primeira fase do modernismo Mapa Mental.pdf
 
Atividade Bio evolução e especiação .docx
Atividade Bio evolução e especiação .docxAtividade Bio evolução e especiação .docx
Atividade Bio evolução e especiação .docx
 
filosofia e Direito- É a teoria que explica como a sociedade se organizou co...
filosofia e Direito- É a teoria que explica como a sociedade se organizou  co...filosofia e Direito- É a teoria que explica como a sociedade se organizou  co...
filosofia e Direito- É a teoria que explica como a sociedade se organizou co...
 
ATIVIDADES de alfabetização do mês de junho
ATIVIDADES de alfabetização do mês de junhoATIVIDADES de alfabetização do mês de junho
ATIVIDADES de alfabetização do mês de junho
 
Apostila-Microbiologia-e-Parasitologia-doc.pdf
Apostila-Microbiologia-e-Parasitologia-doc.pdfApostila-Microbiologia-e-Parasitologia-doc.pdf
Apostila-Microbiologia-e-Parasitologia-doc.pdf
 
(44-ESTUDO - LUCAS) A ESPIRITUALIDADE EM CRISE NO VALE
(44-ESTUDO - LUCAS) A ESPIRITUALIDADE EM CRISE NO VALE(44-ESTUDO - LUCAS) A ESPIRITUALIDADE EM CRISE NO VALE
(44-ESTUDO - LUCAS) A ESPIRITUALIDADE EM CRISE NO VALE
 
Caça-palavaras e cruzadinha - Dígrafos.
Caça-palavaras  e cruzadinha  - Dígrafos.Caça-palavaras  e cruzadinha  - Dígrafos.
Caça-palavaras e cruzadinha - Dígrafos.
 
Aula de filosofia sobre Sexo, Gênero e sexualidade
Aula de filosofia sobre Sexo, Gênero e sexualidadeAula de filosofia sobre Sexo, Gênero e sexualidade
Aula de filosofia sobre Sexo, Gênero e sexualidade
 
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 02.pptx
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 02.pptxVivendo a Arquitetura Salesforce - 02.pptx
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 02.pptx
 
formação - 2º ano São José da Tapera ...
formação - 2º ano São José da Tapera ...formação - 2º ano São José da Tapera ...
formação - 2º ano São José da Tapera ...
 
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
 
Infografia | Resultados das Eleições Europeias 2024-2029
Infografia | Resultados das Eleições Europeias 2024-2029Infografia | Resultados das Eleições Europeias 2024-2029
Infografia | Resultados das Eleições Europeias 2024-2029
 
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptxSlides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
 

O construtivismo na sala de aula

  • 1. O construtivismo na sala de aula César Coll
  • 2. Um pouco sobre o autor: César Cool é catedrático de psicologia da educação no Departamento de psicologia evolutiva e da educação na Universidade de Barcelona. Consultor do MEC na elaboração dos Parâmetros Curriculares Nacionais. Inspirado em Jean Piaget, Coll orienta todo seu pensamento numa concepção construtivista de ensino- aprendizagem. Autor de Ensino Aprendizagem e Discurso em Sala de Aula, Psicologia e Currículo
  • 3. “É assim, Ó, eu fui fazendo, fazendo, Eu fui tentando e aí eu consegui. (...) Tem que ir ajeitando na minha cabeça, Misturando com as outras coisas.” As implícitas referências ao ensino e à aprendizagem, na frase acima, são portadoras dos conceitos fundamentais de Piaget : “inteligência como adaptação, comportando mecanismos de assimilação (ajuste do objeto aos esquemas de compreensão do sujeito) e acomodação (ajuste do sujeito, transformação dos seus esquemas de compreensão em função do objeto) e conhecimento como resultado do ato cognitivo”. T. R. FORTUNA, op. cit., p. 22.
  • 4. A questão é relacionar o que se ensina e o que se aprende, para Coll é uma questão de prioridade. A prioridade é o que o aluno aprende, não o que o professor ensina.  ParaCésar Coll, devem estar interligadas as propostas do professor, o conhecimento prévio, as aulas e a atividade. Considera que a comunidade através de seus representantes, bem como as famílias precisam ser mais ativas, participativas.
  • 5. Existe uma preocupação quanto as habilidades a serem adquiridas, "que tipos de habilidades e de comportamento serão necessários para a criança tornar-se um adulto ativo e interagir com os demais membros da sociedade”. "Para que a criança atinja os objetivos finais de cada unidade didática, temos antes de identificar os fatos, conceitos e princípios que serão propostos; os procedimentos a considerar e os valores, normas e atitudes indispensáveis".
  • 6. Quando na investigação do que se aprende e o que se ensina observa-se uma imensa lacuna, e percebe-se a necessidade de um trabalho conjunto, porém "não adianta apenas propor trabalhar em equipe, é necessário uma coordenação pedagógica voltada exclusivamente para os temas transversais e dar ênfase a sua funcionalidade, criando mais flexibilidade entre as disciplinas" . O inventário e a seleção das intenções possíveis, a formulação de objetivos educacionais para guiar e planejar a ação pedagógica, a organização e sequenciação temporal das intenções, a avaliação, que consiste em verificar se a ação pedagógica corresponde às intenções, são itens que integram seu projeto.
  • 7. Algumas características levadas em consideração: - as características individuais dos alunos - as características individuais estão sujeitas a evolução - o que o aluno é capaz de aprender depende, sobretudo, da ajuda pedagógica. - a verdadeira individualização consiste em ajustar o tipo de ajuda pedagógica às características e necessidades dos alunos. - o Projeto Curricular deve incluir critérios gerais e exemplificá-los, mas não deve recomendar um método de ensino determinado.
  • 8. construtivismo não é uma teoria Os professores a e concepção construtivista (Isabel Solé e César Coll)O construtivismo não é uma teoria, e sim uma referência explicativa, composta por diversas contribuições teóricas, que auxilia os professores nas tomadas de decisões durante o planejamento, aplicação e a avaliação do ensino. Ou seja, o construtivismo não é uma receita, um manual que deve ser seguido à risca sem se levar em conta as necessidades de cada situação particular. Ao contrário, os profissionais da educação devem utilizá-lo como auxílio na reflexão sobre a prática pedagógica; sobre o como se aprende e se ensina, considerando-se o contexto em que os agentes educativos estão inseridos. Essas afirmações demonstram a necessidade de se compreender os conteúdos da aprendizagem como produtos sociais e culturais, o professor como agente mediador entre indivíduo e sociedade, e o aluno como aprendiz social.
  • 9. Tendo em vista uma educação de qualidade, entendida como aquela que atende a diversidade, o processo educativo não é responsabilidade do professor somente. Desse modo, o trabalho coletivo dos professores, normas e finalidades compartilhadas, uma direção que tome decisões de forma colegiada, materiais didáticos preparados em conjunto, a formação continuada e a participação dos pais são pontos essenciais para a construção da escola de qualidade.
  • 10. A instituição escolar é identificada pelo seu caráter social e socializador. É por meio da escola que os seres humanos entram em contato com uma cultura determinada. Nesse sentido, a concepção construtivista compreende um espaço importante à construção do conhecimento individual e interação social, não contrapondo aprendizagem e desenvolvimento. Aprender não é copiar ou reproduzir, mas elaborar uma representação pessoal da realidade a partir de experimentações e conhecimentos prévios. É preciso aprender significativamente, ou seja, não apenas acumular conhecimentos, mas construir significados próprios a partir do relacionamento entre a experiência pessoal e a realidade. A pré-existência de conteúdos confere certa peculiaridade à construção do conhecimento, que deve ser entendida como a atribuição de significado pessoal aos conteúdos concretos, produzidos culturalmente.
  • 11. Pensando especificamente o trabalho do professor, o construtivismo é uma concepção útil à tomada de decisões compartilhadas, que pressupõe o trabalho em equipe na construção de projetos didáticos e rotinas de trabalho. Por fim, é importante ressaltar que o construtivismo não é um referencial acabado, fechado a novas contribuições; sua construção acontece no âmbito da situação de ensino/aprendizagem e a ela deve servir.
  • 12. Disponibilidade para a aprendizagem e sentido da aprendizagem (Isabel Solé)A aprendizagem é motivada por um interesse, uma necessidade de saber. Mas o que determina esse interesse, essa necessidade? Não é possível elaborar uma única resposta a essa questão. No entanto, um bom caminho a seguir é compreender que além dos aspectos cognitivos, a aprendizagem envolve aspectos afetivo-relacionais. Ao construir os significados pessoais sobre a realidade, constrói-se também o conceito que se tem de você mesmo (autoconceito) e a estima que se professa (autoestima), características relacionadas ao equilíbrio pessoal. O autoconceito e a autoestima influenciam a forma como o aluno constrói sua relação com os outros e com o conhecimento; reconhecer essa dimensão afetivo-relacional é imprescindível ao processo educativo.
  • 13. Em relação à motivação para conhecer, é necessário compreender a maneira como alunos encaram a tarefa de estudar, que pode ser dividida em dois enfoques: o enfoque profundo e o enfoque superficial. No enfoque profundo, o aluno se interessa por compreender o significado do que estuda e relaciona os conteúdos aos conhecimentos prévios e experiências. Já no enfoque superficial, a intenção do aluno limita-se a realizar atarefas de forma satisfatória, limitando-se ao que o professor considera como relevante, uma resposta desejável e não a real compreensão do conteúdo. Importante ressaltar que o enfoque com que o aluno aborda a tarefa pode variar; dessa forma, o enfoque profundo pode ser a abordagem de uma relação a uma tarefa e o enforque superficial em relação a outras pelo mesmo aluno. A inclinação dos alunos para um enfoque ou outro vai depender, dentre outros fatores, da situação de ensino da qual esse aluno participa. Entretanto, o enfoque profundo pode ser trabalhado com os alunos de maneira intencional. Para isso, é preciso conhecer as características da tarefa trabalhada, o que se pretende com determinado conteúdo e a sua necessidade.
  • 14. Tudo isso demanda tempo, esforço e envolvimento pessoal. Outro ponto importante a ser ressaltado é que o professor, ao entrar numa sala de aula, carrega consigo certa visão de mundo e imagem de si mesmo, que influenciam seu trabalho e sua relação com os alunos. Da mesma forma, os alunos constroem representações sobre seus professores. Reconhecer esses aspectos afetivos e relacionais é fundamental para motivação e interesse pela construção de conhecimento, tendo em vista que o autoconceito e a autoestima, ligados às representações e expectativas sobre o processo educativo, possuem um papel mediador na aprendizagem escolar. As interações, no processo de construção de conhecimento, devem ser caracterizadas pelo respeito mútuo e o sentimento de confiança. É a partir dessas interações, das relações que se estabelecem no contexto escolar, que as pessoas se educam. Levar isto em consideração é compreender o papel essencial dos aspectos afetivo-relacionais no processo de construção pessoal do conhecimento sobre a realidade.
  • 15. Um ponto de partida para a aprendizagem de novos conteúdos: os conhecimentos prévios (Mariana Miras) Quando se inicia um processo educativo, as mentes dos alunos não estão vazias de conteúdo como lousas em branco. Ao contrário, quando chegam à sala de aula os alunos já possuem conhecimentos prévios advindos da experiência pessoal. Na concepção construtivista é a partir desses conhecimentos que o aluno constrói e reconstrói novos significados. Identificam-se alguns aspectos globais como elementos básicos que auxiliam na determinação do estado inicial dos alunos: a disposição do aluno para realizar a tarefa proposta, que conta com elementos pessoais e interpessoais com sua autoimagem, autoestima, a representação e expectativas em relação à tarefa a ser realizada, seus professores e colegas; capacidades, instrumentos, estratégias e habilidades compreendidas em certos níveis de inteligência, raciocínio e memória que possibilitam a realização da tarefa.
  • 16. Os conhecimentos prévios podem ser compreendidos como esquemas de conhecimento, ou seja, a representação que cada pessoa possui sobre a realidade. É importante ressaltar que esses esquemas de conhecimento são sempre visões parciais e particulares da realidade, determinadas pelo contexto e experiências de cada pessoa. Os esquemas de conhecimento contêm, ainda, diferentes tipos de conhecimentos, que podem ser, por exemplo, de ordem conceitual (saber que o coletivo de lobos é alcateia), normativa (saber que não se deve roubar), procedimental (saber como se planta uma árvore). Esses conhecimentos são diferentes, porém não devem ser considerados melhores ou piores que outros. Para o ensino coerente, é preciso considerar o estado inicial dos alunos, seus conhecimentos prévios e esquemas de conhecimentos construídos. Esse deve ser o início do processo educativo: conhecer o que se tem para que se possa, sobre essa base, construir o novo. O que faz com que o aluno e a aluna aprendam os conteúdos escolares? A natureza ativa e construtiva do conhecimento (Teresa Mauri) Entre as concepções de ensino e aprendizagem sustentadas pelos professores, destacam-se três, cada uma considerando que aprender é:
  • 17. 1) Conhecer as respostas corretas: Nessa concepção entende-se que aprender significa responder satisfatoriamente as perguntas formuladas pelos professores. Reforçam-se positivamente as respostas corretas, sancionando-as. Os alunos são considerados receptores passivos dos reforços dispensados pelos professores.
  • 18. 2) Adquirir os conhecimentos relevantes: Nessa concepção, entende-se que o aluno aprende quando apreende informações necessárias. A principal atividade do professor é possuir essas informações e oferecer múltiplas situações (explicações, leituras, vídeos, conferências, visitas a museus) nas quais os alunos possam processar essas informações. O conhecimento é produto da cópia e não processo de significação pessoal.
  • 19. 3) Construir conhecimentos: Os conteúdos escolares são aprendidos a partir do processo de construção pessoal do mesmo. O centro do processo educativo é o aluno, considerado como ser ativo que aprende a aprender. Auxiliar a construção dessa competência é o papel do professor.
  • 20. A primeira concepção está ligada às concepções tradicionais, diferenciada em relação às duas restantes por enfatizar o papel supremo do professor na elaboração das perguntas. As outras duas concepções, pelo contrário, ocupam-se de como os alunos adquirem conhecimentos; no entanto, entendem de formas diferentes esse processo. Compreendendo-se que aprender é construir conhecimentos, identifica-se a natureza ativa dessa construção e a necessidade de conteúdos ligados ao ato de aprender conceitos, procedimentos e atitudes. Nesse sentido, é preciso organizar e planejar intencionalmente as atividades didáticas tendo em vista os conteúdos das diferentes dimensões do saber: procedimental (como a observação de plantas); conceitual (tipos e parte das plantas); e atitudinal (de curiosidade, rigor, formalidade, entre outras). O trabalho com esses conteúdos demonstra a atividade complexa que caracteriza o processo educativo, trabalho que demanda o envolvimento coletivo na escola.
  • 21. Ensinar: criar zonas de desenvolvimento proximal e nelas intervir (Javier Onrubia). O ensino na concepção construtivista deve ser entendido como uma ajuda ao processo de ensino-aprendizagem, sem a qual o aluno não poderá compreender a realidade e atuar nela. Porém, deve ser apenas ajuda porque não pode substituir a atividade construtiva do conhecimento pelo aluno.
  • 22.
  • 23. A análise aprofundada do ensino enquanto ajuda leva ao conceito de “ajuda ajustada” e de zona de desenvolvimento proximal (ZDP). No conceito de “ajuda ajustada” observa-se que o ensino, enquanto ajuda o processo de construção do conhecimento, deve ajustar-se a esse processo de construção. Para tanto, conjuga duas grandes características: 1) a de levar em conta os esquemas de conhecimento dos alunos, seus conhecimentos prévios em relação aos conteúdos a serem trabalhados; 2) e, ao mesmo tempo, propor desafios que levem os alunos a questionarem esses conhecimentos prévios. Ou seja, não se ignora aquilo que os alunos já sabem, porém aponta-se para aquilo que eles não conhecem, não realizam ou não dominam suficientemente, incrementando a capacidade de compreensão e atuação autônoma dos alunos. O conceito de zona de desenvolvimento proximal (ZDP) foi proposto pelo psicólogo soviético L. S. Vygotsky, partindo do entendimento de que as interações e relações com outras pessoas são a origem dos processos de aprendizagem e desenvolvimento humano. Nesse sentido, a ZDP pode ser identificada como o espaço no qual, com a ajuda dos outros, uma pessoa realiza tarefas que não seria capaz de realizar individualmente. A contribuição do conceito de ZDP está relacionada à possibilidade de se especificar as formas em aula, ajudando os alunos no processo de significação pessoal e social da realidade.
  • 24. Para o trabalho com os conceitos arrolados, indicam-se os seguintes pontos: 1) Inserir atividades significativas na aula; 2) Possibilitar a participação de todos os alunos nas diferentes atividades, mesmo que os níveis de competência, conhecimento e interesses forem diferenciados; 3) Trabalhar com as relações afetivas e emocionais; 4) Introduzir modificações e ajustes ao logo da realização das atividades; 5) Promover a utilização e o aprofundamento autônomo dos conhecimentos que os alunos estão aprendendo; 6) Estabelecer relações entre os novos conteúdos e os conhecimentos prévios dos alunos; 7) Utilizar linguagem clara e objetiva evitando mal-entendidos ou incompreensões; 8) Recontextualizar e reconceitualizar a experiência. Trabalhar a partir dessas concepções caracteriza desafios à prática educativa que não está isenta de problemas e limitações. No entanto, entende-se que esse esforço, mesmo que acompanhado de lentos avanços, é decisivo para a aprendizagem e o desenvolvimento das escolas e das aulas. 6. Os enfoques didáticos (Antoni Zabala)
  • 25. Conclusão final: O livro traz à tona um ponto de identificação de uma característica importante da instituição de ensino, que é o seu caráter social e socializador, pois por meio da escola é que se entra em contato com a cultura social. Por isso, a concepção construtivista abrange um aspecto importante para a construção do conhecimento individual e interação social, afinal ela não contrapõe aprendizagem e desenvolvimento, visto que, de acordo com a visão construtivista, aprender não é copiar ou reproduzir, e sim elaborar uma representação pessoal da realidade a partir das experimentações e conhecimentos prévios do educando. Para o Construtivismo, a aprendizagem deve necessariamente ser significativa, e não um acúmulo de conhecimentos. O importante, portanto, é construir significados próprios a partir da experiência...