SlideShare uma empresa Scribd logo
Indice
Conteúdo Páginas
Introdução ......................................................................................................................... 1
Objectivo Geral................................................................................................................. 2
Objectivos Específicos...................................................................................................... 2
Metodologia...................................................................................................................... 3
1. Escolas do pensamento Antropológico ..................................................................... 4
1.1. Noções Gerais........................................................................................................ 4
1.2. Principais Escolas do Pensamento Antropológico ................................................ 4
1.2.1. Escola Evolucionista.......................................................................................... 5
1.2.2. Escola Funcionalista .......................................................................................... 5
1.2.3. Escola Difusionalista.......................................................................................... 6
1.2.4. Escola Estruturalista........................................................................................... 7
1.2.4.1. Relações familiares......................................................................................... 7
1.3. Outras Escolas do Pensamento Antropológico ...................................................... 8
1.3.1. Escola Sociológica Francesa.............................................................................. 8
1.3.2. Escola Americana ou Culturalismo Norte-Americano ...................................... 9
1.3.3. Antropologia Interpretativa................................................................................ 9
1.3.4. Antropologia Pós-Moderna ou Crítica............................................................... 9
1.4. Ideais dos representantes das correntes Antropológicas...................................... 10
1.4.1. Antropólogos evolucionistas: ......................................................................... 10
1.4.2. Antropólogos Funcionalistas ........................................................................... 11
2. Conclusão ................................................................................................................ 13
3. Bibliografia.............................................................................................................. 14
Escolas do pensamento Antropológico Página 1
Introdução
O presente trabalho versa sobre as escolas de pensamento antropologico e portanto visa
Estudar as principais correntes da Antropologia para melhor compreender a diversidade
cultural e posicionar-se diante da alteridade presente.
A Antropologia, sendo a ciência da humanidade e da cultura, tem um campo de
investigação extremamente vasto: abrange, no espaço, toda a terra habitada; no tempo,
pelo menos dois milhões de anos e todas as populações socialmente e devidamente
organizadas. Divide-se em duas grandes áreas de estudo, com objectivos definidos e
interesses teóricos próprios: a Antropologia Física (ou Biológica) e a Antropologia
Cultural, para alguns autores, sinónimo de antropologia social, que focaliza, talvez, o
principal conceito desta ciência, a cultura.
As teorias antropológicas ganharam força a partir da segunda metade do século XIX, e
ainda têm grande força no período pós-moderno. Através do ensino a distância você
poderá fazer o curso de Teorias Antropológicas, que abrirá novos horizontes profissionais
para quem deseja adquirir uma análise crítica das principais linhas de reflexão das teorias
científicas e epistemológica, além de abordar a suas influências na atualidade.
Escolas do pensamento Antropológico Página 2
Objectivo Geral
Compreender de forma clara e objectiva as abordagens das Escolas do pensamento
Antropológico
Objectivos Específicos
 Identificar as escolas do pensamento antropologico;
 Descrever as caracteristicas das escolas do pensamento antropógico;
 Descrever de forma sumária os ideais dos principais representantes das escolas do
pensamento antropológico.
Escolas do pensamento Antropológico Página 3
Metodologia
No que se refere à metodologia utilizada no presente estudo, foi empregada a pesquisa
bibliográfica .
Para SEVERINO (2007), a pesquisa bibliográfica é aquela que se realiza a partir do
registo disponível, decorrente de pesquisas anteriores, em documentos impressos, como
livros, artigos, teses etc. Utiliza-se de dados ou de categorias teóricas já trabalhados por
outros pesquisadores e devidamente registados
Escolas do pensamento Antropológico Página 4
1. Escolas do pensamento Antropológico
1.1.Noções Gerais
A Antropologia é o estudo do homem como ser biológico, social e cultural. Sendo cada uma
destas dimensões por si só muito ampla, o conhecimento antropológico geralmente é
organizado em áreas que indicam uma escolha prévia de certos aspectos a serem
privilegiados como a “Antropologia Física ou Biológica” (aspectos genéticos e biológicos
do homem), “Antropologia Social” (organização social e política, parentesco, instituições
sociais), “Antropologia Cultural” (sistemas simbólicos, religião, comportamento) e
“Arqueologia” (condições de existência dos grupos humanos desaparecidos).
Além disso podemos utilizar termos como Antropologia, Etnologia e Etnografia para
distinguir diferentes níveis de análise ou tradições acadêmicas. Para o antropólogo Claude
Lévi-Strauss, a etnografia corresponde “aos primeiros estágios da pesquisa: observação e
descrição, trabalho de campo. A etnologia, com relação à etnografia, seria “um primeiro
passo em direção à síntese” e a antropologia “uma segunda e última etapa da síntese,
tomando por base as conclusões da etnografia e da etnologia”.
Qualquer que seja a definição adotada é possível entender a antropologia como uma forma
de conhecimento sobre a diversidade cultural, isto é, a busca de respostas para entendermos
o que somos a partir do espelho fornecido pelo “Outro”; uma maneira de se situar na fronteira
de vários mundos sociais e culturais, abrindo janelas entre eles, através das quais podemos
alargar nossas possibilidades de sentir, agir e reflectir sobre o que, afinal de contas, nos torna
seres singulares, humanos.
1.2.Principais Escolas do Pensamento Antropológico
Ao longo da sua existência, a Antropologia tem, como toda ciência, mudado seus
paradigmas e construído formas diversas de investigação. A essas formas diferenciadas de
investigação e análise dos fenômenos culturais dá-se o nome de “escola antropológica”.
Constituem os principais paradigmas e escolas de pensamento antropológico:
1. Evolucionismo
2. Funcionalismo
3. Difusionismo
Escolas do pensamento Antropológico Página 5
4. Estruturalismo
1.2.1. Escola Evolucionista
Evolucionismo social ( século XIX) - Seus principais paradigmas foram: a sistematização
do conhecimento acumulado sobre os “povos primitivos” e o predomínio do trabalho de
gabinete, a análise era feita a partir dos relatos de viajantes e colonizadores que chegavam
às mãos dos antropólogos. Entre os temas e conceitos trabalhados por essa escola, destacam-
se: a unidade psíquica do homem; a evolução das sociedades das mais “primitivas” para as
mais “civilizadas”; a substituição conceito de raça pelo de cultura. Seus principais
representantes foram: Maine (“Ancient Law” – 1861); Herbert Spencer (“Princípios de
Biologia” - 1864); E. Tylor (“A Cultura Primitiva” - 1871); L. Morgan (“A Sociedade
Antiga” - 1877); James Frazer (“O Ramo de Ouro” - 1890).
A Escola Evolucionista dominou até o inicio do século XX, e é possível afirmar que esta
usava métodos comparativos, onde o individuo era comparado e classificado, essas
comparações variavam e poderiam ser de acordo com religião, parentesco etc. Seu histórico
afirma que as sociedades estariam em constante evolução, partindo daprerrogativa em que
os indígenas primitivos seriam os antecessores do homem civilizado. Ainda sobre a Escola
Evolucionista é possível destacar que a antropologia buscava explicar a diferença nas
evoluçõesdas sociedades, e acreditava que se um indivíduo possuísse nível de sabedoria
elevado, este seria capaz de viver em qualquer outra sociedade, pois se tratava de um
individuo extremamente evoluído.
1.2.2. Escola Funcionalista
Funcionalismo – (século XX, anos 20) - Seus principais paradigmas foram: a criação
de um modelo de etnografia clássica; a ênfase no trabalho de campo (observação
participante); a sistematização do conhecimento acumulado sobre uma cultura. Os principais
temas e conceitos desenvolvidos por essa escola foram: a cultura como totalidade e o
interesse pelas instituições e suas funções para a manutenção da totalidade cultural. Entre
seus representantes e suas obras de referência podemos citar: Bronislaw Malinowski
(“Argonautas do Pacífico Ocidental” -1922); Radcliffe Brown (“Estrutura e função na
sociedade primitiva” - 1952-; e “Sistemas Políticos Africanos de Parentesco e Casamento”,
org. c/ Daryll Forde - 1950.;
Escolas do pensamento Antropológico Página 6
Evans-Pritchard (“Bruxaria, oráculos e magia entre os Azande” - 1937; “Os Nuer” - 1940);
Raymond Firth (“Nós, os Tikopia” - 1936; “Elementos de organização social - 1951); Max
Glukman (“Ordem e rebelião na África tribal”- 1963); Victor Turner (“Ruptura e
continuidade em uma sociedade africana”-1957; “O processo ritual”- 1969); Edmund Leach
- (“Sistemas políticos da Alta Birmânia” - 1954).
Diferentemente da escola evolucionista, a escola funcionalista nãoacreditava que uma
sociedade poderia ser mais avança que outra, uma vez que cada sociedade tem a sua
determinada função, e essas funções relacionam-se de maneira a formar um
sistema. Partindo desteprincipio, é necessário que observemos e possamos entender cada
função presente em um grupo social, para que assim seja possível entender o
desenvolvimento dele. Cada sociedade é entendida como diferente, masnunca como inferior
ou superior. Esta escola surgiu como uma alternativa à teoria evolucionista.
1.2.3. Escola Difusionalista
Teve Iníciom a partir do séc. XX e continua a expansão colonial e destroem-se algumas
culturas índias. Industrialização Surge como reacção ao evolucionismo, atingindo a
orientação teórica e metodológica (trouxe desta feita rigorosidade nos métodos da
Antropologia Cultural).
Esta corrente busca uma base histórica para explicar as semelhanças entre culturas
particulares (Explicava o presente pelo passado), Defendeu que as diferenças e semelhanças
culturais eram causa da tendência humana para imitar e a absorver traços culturais.
A diversidade cultural explica-se pelas relações de empréstimo e não pela invenção
independente. A principal crítica reside no facto dela salientar demasiado a forma
(unicamente uma dimensão das características culturais), em detrimento do significado que
cada característica tem para os membros de cada cultura em particular. Ignorou também as
relações com outras características.
Os principais representates foram:
 G.E. Smith (1871-1937)
 W.J. Perry (1887-1950)
 W.H. Rivers (1864-1922
 Ratzel (1844-1904)
Escolas do pensamento Antropológico Página 7
 Graebner (1877-1934)
 Frobenius (1873-1938
 Franz Boas (1858-1942)
 Carl Wissler (1870-1947)
 Alfred Kroeber (1876-1960)
 Robert Lowie (1883-1957
1.2.4. Escola Estruturalista
Estruturalismo (século XX, anos 40) – Seus principais paradigmas foram: a busca das regras
estruturantes das culturas presentes na mente humana; a teoria do parentesco; a lógica do
mito e as formas primitivas de classificação. Os principais temas e conceitos desenvolvidos
por essa escola foram: os princípios de organização da mente humana; o princípio da
reciprocidade.
O termo estruturalismo procura nomear um conjunto de elementos solidários entre sí, onde
cada parte são funções de outras parte, e seguindo esse elo de componentes chega-se a
relação das demais com sua totalidade, daí pode-se dizer que uma estrutura se compõe mais
propriamente de membros do que de partes. Foi uma corrente de pensamento nas ciências
humanas que se inspirou nos modelos da linguística e que prende a realidade social como
um conjunto formal de relações, sendo visto como uma abordagem geral com muitas
variações diferentes; tornando-se um dos métodos mais utilizados para analisar o idioma,
cultura e filosofias da comunidade a ser estudada, porém este não se refere como uma escola,
mas sim, como local de trabalho.
1.2.4.1.Relações familiares
O estruturalismo procura explorar as inter-relações através dos quais o significado é
produzido dentro de uma cultura, baseada na linguagemdos signos, da análise de seus
componentes e das funções cumpridas dentro de um todo. Essas estruturas assumem um
caráter modificador nas relações do conjunto, pois seguem a linha de pensamento contra o
existencialismo e todos os pensamentos historicistas.
Nos trabalhos pesquisados, os grupos familiares eran encontrados em pares, ou grupos
emparelhados onde eles brigavam entre si e ao mesmo tempo não conseguiam viver
separados.
Escolas do pensamento Antropológico Página 8
Tinha como objetivo a descrição empírica dos elementos e a crença dos fenômenos da vida
em sociedade não seria inteligíveis se não vivessem em suas interrelações, estruturando-se
nas variações locais dos fenômenos de superfície. Com isso, ganhavam suas identidades por
meio das relações, sendo influenciados pelos seus fonemas e sons da natureza, juntamente
com a semântica, mostrando as variabilidades das práticas no modo de pensar. O
estruturalismo propos transcender as organizações prímarias dos fatos,observando nas
pesquisas para depois elaborar os estudos dos elementos em cada nível, para depois se chegar
a um modelo teórico do objeto. Foi também entendido como corpo teórico e marcou o início
das ideologias das ciências sociais, abordando a estrutura que excluiria a praxis de Marx,
estabelecendo critério supremo da verdade.
Os pensadores notórios do estruturalismo foram:
Ferdinand de Saussure: lançou paralelamente ao trabalho teórico mais tarde reunido na obra
Curso Geral de Linguística, Saussure realizou, entre 1906 e 1909, um outro estudo que é
comumente chamado de Os Anagramas de Saussure.
Leonard Bloomfield: publicou em 1933 seu principal trabalho - Linguagem é considerada
por muitos como o texto clássico de lingüística estrutural, também tida com o próprio
estruturalismo.
Claude Lévi-Strauss: sua principal obra foi Tristes Trópicos de 1955
Jean Piaget: em 1967 lança o que foi considerada sua obra mais madura: Biologia e
Conhecimento
Franz Boas: publicou A Mente do Homem Primitivo: 1938
1.3. Outras Escolas do Pensamento Antropológico
1.3.1. Escola Sociológica Francesa
Escola Sociológica Francesa, (século XIX) – Seus principais paradigmas foram: a definição
dos fenómenos sociais como objetos de investigação sócio-antropológica e a definição das
regras do método sociológico. Os principais temas e conceitos desenvolvidos por essa escola
foram: as representações coletivas; as formas primitivas de classificação (totemismo) e a
teoria do conhecimento. O fato social total; a troca e a reciprocidade como fundamento da
vida social (dar, receber, retribuir).
Escolas do pensamento Antropológico Página 9
Seus principais representantes foram: Émile Durkheim (Regras do método sociológico”-
1895; “Algumas formas primitivas de classificação” - c/ Marcel Mauss - 1901; “As formas
elementares da vida religiosa” – 1912); Marcel Mauss (Esboço de uma teoria geral da magia”
- c/ Henri Hubert - 1902-1903; “Ensaio sobre a dádiva” - 1923-1924; “Uma categoria do
espírito humano: a noção de pessoa, a noção de eu”- 1938).
1.3.2. Escola Americana ou Culturalismo Norte-Americano
Culturalismo Norte-Americano, (século XX, anos 30) – Seus principais paradigmas foram:
o método comparativo, a busca de leis no desenvolvimento das culturas e a relação entre
cultura e personalidade. Os principais temas e conceitos desenvolvidos por essa escola
foram: a ênfase na construção e identificação de padrões culturais ou estilos de cultura
(ethos). Seus principais representantes foram: Franz Boas (Raça, Língua e Cultura - 1940),
Margaret Mead (Sexo e temperamento em três sociedades primitivas - 1935), Ruth Benedict
(Padrões de cultura- 1934; O Crisântemo e a espada- 1946).
1.3.3. Antropologia Interpretativa
Antropologia Interpretativa (século XX, anos 60) – Seus principais paradigmas foram: a
cultura como hierarquia de significados; a busca da descrição densa. A interpretação sob
inspiração hermenêutica. Os principais temas e conceitos desenvolvidos por essa escola
foram: a interpretação antropológica; a leitura da leitura que os nativos fazem de sua própria
cultura. Seu principal representante é: Clifford Geertz (A interpretação das culturas – 1973;
Saber local – 1983);
1.3.4. Antropologia Pós-Moderna ou Crítica
Antropologia Pós-Moderna ou Crítica (século XX, anos 80) – Seus principais paradigmas
foram: a preocupação com os recursos retóricos presentes no modelo textual das etnografias
clássicas e contemporâneas; a politização da relação observador-observado na pesquisa
antropológica; a crítica dos paradigmas teóricos e da autoridade etnográfica do antropólogo.
Os principais temas e conceitos desenvolvidos por essa escola foram: a cultura como
processo polissêmico; a etnografia como representação polifônica da polissemia cultural; a
antropologia como experimentação da crítica cultural. Seus principais representantes foram:
James Clifford e Georges Marcus (Writing culture - The poetics and politics of ethnography-
1986); George Marcus e Michel Fischer (Anthropoly as cultural critique - 1986); Michel
Taussig (Xamanismo, colonialismo e o homem selvagem- 1987); James Clifford (The
predicament of culture - 1988).
Escolas do pensamento Antropológico Página 10
1.4. Ideais dos representantes das correntes Antropológicas
1.4.1. Antropólogos evolucionistas:
J.J. Bachofen (1815-1887), um jurista suíço, foi o primeiro a chamar a atenção para
sociedades que seguem a linha de descendência através da mulher (culturas materlinhares).
Imaginou que nessas sociedades não se reconhecia a paternidade; "construiu" um mundo
greco-latino matriarcal.
J.F.McLennan (1827-1881) (escocês) escreveu "Studies in Ancient History" e “Primitive
Marriage” (1865). Nesta última obra, afirmou que a forma mais antiga de família era
caracterizada pelo matriarcado. Observou a simulação do rapto da noiva pelo noivo, para
logo atingir o casamento. A si se devem os termos “exogamia” (matrimónio fora do próprio
grupo) e “endogamia” (matrimónio dentro do próprio grupo).
Henry Sumner Maine (1822-1888) foi um etnólogo jurídico, membro do conselho britânico
do vice-rei da Índia. Encontrou semelhanças entre as antigas leis de Roma, da Índia e da
Irlanda (sociedades patrilinhares). O seu livro mais famoso é “Ancient Law” (1861), no qual
defendeu que a mais antiga forma de família era a família patriarcal dos indo-europeus.
Robertson-Smith (1846-1894) foi um erudito que interpretou o Antigo Testamento (um dos
primeiros, no seu contexto histórico). No seu livro "The Religion of the Semites" (1889), diz
que, nas religiões tradicionais não reveladas, o rito é mais importante que o dogma.
James G. Frazer (1854-1941) foi o primeiro a consciencializar o público da importância da
antropologia. No seu livro "Golden Bough", (“O ramo dourado”: um estudo sobre a magia e
a religião, 12 vols.) mostra interesse pela religião e elabora a teoria da "magia simpática" –
homeopática – (o simbolismo através do qual os ritos mágicos imitam o efeito que tentam
produzir) e da “magia por contacto” (por relação de contacto, ex.: Vudú, nas Caraíbas). Estas
teorias foram criticadas por Frazer como sendo pensamentos erróneos e ciência bastarda.
-Etapas evolutivas da humanidade: MAGIARELIGIÃOCIÊNCIA
Lewis Henry Morgan (1818-1881), Influenciado pelo evolucionismo biológico de Darwin,
defende a teoria de que, no desenvolvimento histórico das culturas, acontecem as seguintes
mudanças: Selvagismo (caça e recoleção) Barbárie (cerâmica, agricultura) Civilização
(escrita)
Escolas do pensamento Antropológico Página 11
Edward Burnett Tylor (1832-1937) Defendeu uma reforma moral. Sublinhou que os
aborígenes australianos eram sobreviventes da pré-história. Os “survivals” deviam ser
identificados, através de um estudo histórico-cultural. Interessou-se, particularmente, pela
religião e pelo animismo.
Antropólogos Difusionistas
Ratzel (1844-1904), oposto às teorias de Bastian, interessou-se mais pelos utensílios do que
pelas ideias: utensílios inventados em lugares concretos e que se difundiam, para outros
lugares, através das migrações. Procurou semelhanças entre objectos;
Fr. Wilhelm Schmidt (1868-1959), fundador da revista Anthropos, que inverteu as séries
evolutivas dos evolucionistas, pois tentou demonstrar que a religião tinha origem no
monoteísmo – ex.: pigmeus caçadores e recolectores. Os alemães postularam a formação de
diversas culturas, a partir de poucos “círculos culturais”. Essas culturas estender-se-iam a
outras culturas sob forma de traços, através da migração de populações e da melhoria dos
meios de transporte.
Franz Boas (1858-1942), Para Boas, a tarefa do antropólogo era investigar as tribos
primitivas que careciam de história escrita, descobrir restos pré-históricos, estudar tipos
humanos e a linguagem. Cada cultura teria a sua própria história. Para compreender a cultura
teríamos que reconstruir a história de cada cultura. Defendeu que não há culturas superiores
nem inferiores (relativismo cultural). Os sistemas de valores devem compreender-se dentro
do contexto de cada cultura e não de acordo com os padrões da cultura do antropólogo.
Grafton Elliot Smith (1871-1937, antropólogo físico), estudou o cérebro das múmias no
Egipto, o que lhe levou a defender a difusão como principal motor da dinâmica cultural.
1.4.2. Antropólogos Funcionalistas
Émile Durkheim (1858-1917) foi um grande inspirador dos estudos antropológicos. Na sua
revista "L´Année Sociologique"(1898-...), seguiu o sociólogo britânico Herbert Spencer,
afirmando a independência dos factos sociais (regras de comportamento, normas, critérios
de valor, expectativas dos membros) relativamente à consciência dos indivíduos que formam
a sociedade. Relaciona o facto social com as necessidades que cumpre e satisfaz – função
(exemplo: o castigo do delito, a divisão do trabalho). O social só poderia explicar-se pelo
social e não por constituição biológica ou por psicologia individual.
Escolas do pensamento Antropológico Página 12
B. Malinowski (1884-1942) criou a autodenominada “Escola Funcionalista”. Parte de
Durkheim (os costumes inúteis e sem significado deixam de existir). Um fenómeno social
serve o povo que o pratica. Relacionou a organização social com as necessidades biológicas
(alimento, abrigo, reprodução). Essas necessidades são, porém, diferentes das necessidades
dos animais, as necessidades humanas são satisfeitas através da cooperação numa sociedade
organizada que fala, pensa, transmite experiência, conhecimentos, valores e regras de
conduta. São também diferentes das necessidades dos animais porque requerem educação
(dispositivo para transmitir a herança de conhecimentos e valores morais) e uma fonte de
confiança na rectitude das suas normas e da continuidade da sua existência. Esta confiança
deriva da religião.
A R. Radcliffe-Brown (1881-1955) insistirá no facto de que a função não deve ser usada no
sentido de "intenção", "finalidade" ou "significado". A proposição "todo uso social tem uma
função" pode converter-se facilmente em "todo uso social é bom". Para Radcliffe-Brown, a
função é o que sustenta a estrutura social, ou seja, a coesão dentro de um sistema de relações
sociais. Por exemplo, a magia tem a função de actuar como um mecanismo de solidariedade
social.
Escolas do pensamento Antropológico Página 13
2. Conclusão
Feito o nosso trabalho de pesquisa, o grupo chegou ao consenso que a Escola Evolucionista,
dominou até o início do século XX, e é possível afirmar que esta, usava métodos
comparativos, onde o indivíduo era comparado e classificado, essas comparações variavam
e poderiam ser de acordo com religião, parentesco etc. Seu histórico afirma que as
sociedades estariam em constante evolução, partindo da prerrogativa em que os indígena
primitivo seria o antecessor do homem civilizado.
Esta escola acreditava principalmente que as semelhanças eram passadas através da imitação
e na capacidade das pessoas em absorver os traços culturais entre os povos, sendo através da
negociação, conquista entre outras maneiras.
Observando a Escola Funcionalista, podemos destacar que esta escola estuda as funções das
sociedades e as entende como mecanismos de um sistema.
Diferentemente da escola evolucionista, a escola funcionalista não acreditava que uma
sociedade poderia ser mais avança que outra, uma vez que cada sociedade tem a sua
determinada função, e essas funções relacionam-se de maneira a formar um sistema.
Partindo deste principio, é necessário que observemos e possamos entender cada função
presente em um grupo social, para que assim seja possível entender o desenvolvimento dele.
Cada sociedade é entendida como diferente, mas nunca como inferior ou superior. Esta
escola surgiu como uma alternativa à teoria evolucionista. Os principais autores que
apoiavam essa teoria foram: Bronislaw Kasper Malinowski e Alfred Radcliffe Brown.
A escola Estruturalista sucede a escola funcionalista, e Pose ser considerada como
ramificada para a Escola Estruturalista Marxista. Primeiramente é importante observar que
a Escola Estruturalista resgata o sentido dos sonhos, onde acredita-se que o inconsciente se
manifesta. Essa corrente, finda-se na cultura presente na mente humana, usando a teoria do
parentesco da lógica. A escola estuda aspectos subjetivos, que estavam ligados
principalmente à linguagem e ao imaginário dos indivíduos, assim como de cada grupo
social.
Escolas do pensamento Antropológico Página 14
3. Bibliografia
BENEDICT, Ruth. O Crisântemo e a Espada. São Paulo: Editora Perspectiva, 1972.
BERNADI, Bernardo. Introdução aos Estudos Etno-Antropológicos. Lisboa: Edições
70: 1988.
CARVALHO, Alix. Colectando com Margaret Mead pelo Pacífico Sul. Episteme,
Porto Alegre, Nº. 20, suplemento especial, p.81- 91, jan./jun. 2005. 81.
CASTRO, Celso. (ORG.) Evolucionismo Cultural: textos de Morgan, Tylor e Frazer.
Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 2005.
FREUD, Sigmund. O mal – estar na civilização. Rio de Janeiro: Imago Ed., 1997.
LABURTE – TOLRA & WARNIER, P. Etnologia – Antropologia. Petrópolis, RJ:
Vozes, 1997.
KUPER, Adam. A visão das ciências sociais: Talcott Parsons e os antropólogos
americanos in Cultura: a visão dos antropólogos. Bauru, SP: EDUSC, 2002. LINTON,
Ralph. O homem: Uma introdução à antropologia. São Paulo: Martins Fontes, 2000.
_____________. Cultura e Personalidade. São Paulo: Mestre Jou, 1979.
MEAD, Margaret. Sexo e Temperamento. São Paulo: Editora Perspectiva, 1979.
MELO, Luís Gonzaga de. Antropologia Cultural: Iniciação, teorias e Temas.
Petrópolis, RJ: Vozes, 1986.
PEIRANO, Mariza. Só para iniciados. Estudos Históricos, Rio de Janeiro, vol. 3, n. 5,
1990, p.93-102.
ROCHA, Everardo. O que é etnocentrismo? Coleção Primeiros Passos, Nº. 124. São
Paulo: Editora Brasiliense, 1984.
SEGATO, Rita Laura. Os percursos do gênero na antropologia e para além dela. Série
antropologia: Brasília: UNB, 1998.
STOCKING, JR George W. Franz Boas: A formação da antropologia Americana
1883 - 1911. Rio de Janeiro, RJ: contraponto: Editora UFRJ, 2004.
SEVERINO, António Joaquim. Metodologia do Trabalho Científico. 23ª ed. rev. e atual.
São Paulo: Cortez, 2007.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Plano Bimestral de Filosofia 1º, 2º e 3º ano
Plano   Bimestral de Filosofia 1º, 2º e 3º ano Plano   Bimestral de Filosofia 1º, 2º e 3º ano
Plano Bimestral de Filosofia 1º, 2º e 3º ano
Mary Alvarenga
 
Cap 2 antropologia
Cap 2 antropologiaCap 2 antropologia
Cap 2 antropologia
Joao Balbi
 
Violência simbólica e lutas políticas
Violência simbólica e lutas políticasViolência simbólica e lutas políticas
Violência simbólica e lutas políticas
Arare Carvalho Júnior
 
Pesquisa Bibliografica
Pesquisa BibliograficaPesquisa Bibliografica
Pesquisa Bibliografica
Leticia Strehl
 
ESCOLA DE FRANKFURT
ESCOLA DE FRANKFURTESCOLA DE FRANKFURT
ESCOLA DE FRANKFURT
Marcioveras
 
Avaliação de Sociologia (P1 - Primeiro Bimestre CNDL 2012)
Avaliação de Sociologia (P1 - Primeiro Bimestre CNDL 2012)Avaliação de Sociologia (P1 - Primeiro Bimestre CNDL 2012)
Avaliação de Sociologia (P1 - Primeiro Bimestre CNDL 2012)
Edenilson Morais
 
As origens e os principais teóricos da sociologia
As origens e os principais teóricos  da sociologiaAs origens e os principais teóricos  da sociologia
As origens e os principais teóricos da sociologia
Lucio Oliveira
 
Cap 4 antropologia cultural
Cap 4 antropologia culturalCap 4 antropologia cultural
Cap 4 antropologia cultural
Joao Balbi
 
A escola dos annales
A escola dos annalesA escola dos annales
A escola dos annales
Carol Pires
 
Moral e ética
Moral e éticaMoral e ética
Moral e ética
Over Lane
 
Clássicos da sociologia
Clássicos da sociologiaClássicos da sociologia
Clássicos da sociologia
Luciano Carvalho
 
Antropologia CONCEITOS BÁSICOS
Antropologia CONCEITOS BÁSICOSAntropologia CONCEITOS BÁSICOS
Antropologia CONCEITOS BÁSICOS
Uniceuma
 
Métodos e tipos de pesquisa
Métodos e tipos de pesquisaMétodos e tipos de pesquisa
Métodos e tipos de pesquisa
Isabella Marra
 
Introdução à filosofia
Introdução à filosofiaIntrodução à filosofia
Introdução à filosofia
PriscillaTomazi2015
 
O que é antropologia
O que é antropologiaO que é antropologia
O que é antropologia
Aldenei Barros
 
Conceito e origem da antropologia
Conceito e origem da antropologiaConceito e origem da antropologia
Conceito e origem da antropologia
Arare Carvalho Júnior
 
Aula 3 revisão de literatura e metodologia
Aula 3 revisão de literatura e metodologiaAula 3 revisão de literatura e metodologia
Aula 3 revisão de literatura e metodologia
bioalvarenga
 
Modelo de artigo cientifico
Modelo de artigo cientificoModelo de artigo cientifico
Aula 01 filosofia mito, natureza e razão
Aula 01   filosofia mito, natureza e razãoAula 01   filosofia mito, natureza e razão
Aula 01 filosofia mito, natureza e razão
Elizeu Nascimento Silva
 
Diário de campo
Diário de campoDiário de campo
Diário de campo
pibidsociais
 

Mais procurados (20)

Plano Bimestral de Filosofia 1º, 2º e 3º ano
Plano   Bimestral de Filosofia 1º, 2º e 3º ano Plano   Bimestral de Filosofia 1º, 2º e 3º ano
Plano Bimestral de Filosofia 1º, 2º e 3º ano
 
Cap 2 antropologia
Cap 2 antropologiaCap 2 antropologia
Cap 2 antropologia
 
Violência simbólica e lutas políticas
Violência simbólica e lutas políticasViolência simbólica e lutas políticas
Violência simbólica e lutas políticas
 
Pesquisa Bibliografica
Pesquisa BibliograficaPesquisa Bibliografica
Pesquisa Bibliografica
 
ESCOLA DE FRANKFURT
ESCOLA DE FRANKFURTESCOLA DE FRANKFURT
ESCOLA DE FRANKFURT
 
Avaliação de Sociologia (P1 - Primeiro Bimestre CNDL 2012)
Avaliação de Sociologia (P1 - Primeiro Bimestre CNDL 2012)Avaliação de Sociologia (P1 - Primeiro Bimestre CNDL 2012)
Avaliação de Sociologia (P1 - Primeiro Bimestre CNDL 2012)
 
As origens e os principais teóricos da sociologia
As origens e os principais teóricos  da sociologiaAs origens e os principais teóricos  da sociologia
As origens e os principais teóricos da sociologia
 
Cap 4 antropologia cultural
Cap 4 antropologia culturalCap 4 antropologia cultural
Cap 4 antropologia cultural
 
A escola dos annales
A escola dos annalesA escola dos annales
A escola dos annales
 
Moral e ética
Moral e éticaMoral e ética
Moral e ética
 
Clássicos da sociologia
Clássicos da sociologiaClássicos da sociologia
Clássicos da sociologia
 
Antropologia CONCEITOS BÁSICOS
Antropologia CONCEITOS BÁSICOSAntropologia CONCEITOS BÁSICOS
Antropologia CONCEITOS BÁSICOS
 
Métodos e tipos de pesquisa
Métodos e tipos de pesquisaMétodos e tipos de pesquisa
Métodos e tipos de pesquisa
 
Introdução à filosofia
Introdução à filosofiaIntrodução à filosofia
Introdução à filosofia
 
O que é antropologia
O que é antropologiaO que é antropologia
O que é antropologia
 
Conceito e origem da antropologia
Conceito e origem da antropologiaConceito e origem da antropologia
Conceito e origem da antropologia
 
Aula 3 revisão de literatura e metodologia
Aula 3 revisão de literatura e metodologiaAula 3 revisão de literatura e metodologia
Aula 3 revisão de literatura e metodologia
 
Modelo de artigo cientifico
Modelo de artigo cientificoModelo de artigo cientifico
Modelo de artigo cientifico
 
Aula 01 filosofia mito, natureza e razão
Aula 01   filosofia mito, natureza e razãoAula 01   filosofia mito, natureza e razão
Aula 01 filosofia mito, natureza e razão
 
Diário de campo
Diário de campoDiário de campo
Diário de campo
 

Semelhante a Escolas do pensamento antropologico

ANTROPOLOGIA-2.pdf
ANTROPOLOGIA-2.pdfANTROPOLOGIA-2.pdf
ANTROPOLOGIA-2.pdf
JailmaLima8
 
CiênciasSociais_Antropologia1.pdf
CiênciasSociais_Antropologia1.pdfCiênciasSociais_Antropologia1.pdf
CiênciasSociais_Antropologia1.pdf
Gustavo612928
 
Apostila de antropologia
Apostila de antropologiaApostila de antropologia
Apostila de antropologia
Sirlene Santana
 
Antropologia
Antropologia Antropologia
Antropologia
Susana Felix
 
Aprender antropologia
Aprender antropologiaAprender antropologia
Aprender antropologia
Rodrigo Augusto
 
Aprender Antropologia - François Laplantine
Aprender Antropologia - François LaplantineAprender Antropologia - François Laplantine
Aprender Antropologia - François Laplantine
Jéssika Pereira
 
Laplantine.françoise. aprender antropologia
Laplantine.françoise. aprender antropologiaLaplantine.françoise. aprender antropologia
Laplantine.françoise. aprender antropologia
FelipeMiguel12
 
Aprender antropologia
Aprender antropologiaAprender antropologia
Aprender antropologia
Katiuscia Morgause
 
Aprender antropologia
Aprender antropologiaAprender antropologia
Aprender antropologia
Eduardo Reis
 
Aprender antropologia
Aprender antropologiaAprender antropologia
Aprender antropologia
Luiz Vieira
 
Aprender antropologia (françois laplantine) (1)
Aprender antropologia (françois laplantine) (1)Aprender antropologia (françois laplantine) (1)
Aprender antropologia (françois laplantine) (1)
Psicologia_2015
 
Aprender antropologia (françois laplantine)
Aprender antropologia (françois laplantine)Aprender antropologia (françois laplantine)
Aprender antropologia (françois laplantine)
Geani Pedrosa
 
Aprender antropologia
Aprender antropologiaAprender antropologia
Aprender antropologia
José Benedito Leandro
 
Apresentação o que é sociologia
Apresentação o que é sociologia   Apresentação o que é sociologia
Apresentação o que é sociologia
Cámala Menezes Moreno
 
Antro cult lucas
Antro cult lucasAntro cult lucas
Antro cult lucas
Lucas Manuel
 
Atropologia e cultura pricila farfan barroso
Atropologia e cultura   pricila farfan barrosoAtropologia e cultura   pricila farfan barroso
Atropologia e cultura pricila farfan barroso
Salomao Lucio Dos Santos
 
Introdução antropologia cultural
Introdução antropologia culturalIntrodução antropologia cultural
Introdução antropologia cultural
MNTB / Instituto Antropos
 
Visao cienc
Visao ciencVisao cienc
Met. Cientifica
Met. CientificaMet. Cientifica
Met. Cientifica
Alan Ciriaco
 
Introdução às Ciencias Sociais e Humanas
Introdução às Ciencias Sociais e HumanasIntrodução às Ciencias Sociais e Humanas
Introdução às Ciencias Sociais e Humanas
Augusto Ambrósio
 

Semelhante a Escolas do pensamento antropologico (20)

ANTROPOLOGIA-2.pdf
ANTROPOLOGIA-2.pdfANTROPOLOGIA-2.pdf
ANTROPOLOGIA-2.pdf
 
CiênciasSociais_Antropologia1.pdf
CiênciasSociais_Antropologia1.pdfCiênciasSociais_Antropologia1.pdf
CiênciasSociais_Antropologia1.pdf
 
Apostila de antropologia
Apostila de antropologiaApostila de antropologia
Apostila de antropologia
 
Antropologia
Antropologia Antropologia
Antropologia
 
Aprender antropologia
Aprender antropologiaAprender antropologia
Aprender antropologia
 
Aprender Antropologia - François Laplantine
Aprender Antropologia - François LaplantineAprender Antropologia - François Laplantine
Aprender Antropologia - François Laplantine
 
Laplantine.françoise. aprender antropologia
Laplantine.françoise. aprender antropologiaLaplantine.françoise. aprender antropologia
Laplantine.françoise. aprender antropologia
 
Aprender antropologia
Aprender antropologiaAprender antropologia
Aprender antropologia
 
Aprender antropologia
Aprender antropologiaAprender antropologia
Aprender antropologia
 
Aprender antropologia
Aprender antropologiaAprender antropologia
Aprender antropologia
 
Aprender antropologia (françois laplantine) (1)
Aprender antropologia (françois laplantine) (1)Aprender antropologia (françois laplantine) (1)
Aprender antropologia (françois laplantine) (1)
 
Aprender antropologia (françois laplantine)
Aprender antropologia (françois laplantine)Aprender antropologia (françois laplantine)
Aprender antropologia (françois laplantine)
 
Aprender antropologia
Aprender antropologiaAprender antropologia
Aprender antropologia
 
Apresentação o que é sociologia
Apresentação o que é sociologia   Apresentação o que é sociologia
Apresentação o que é sociologia
 
Antro cult lucas
Antro cult lucasAntro cult lucas
Antro cult lucas
 
Atropologia e cultura pricila farfan barroso
Atropologia e cultura   pricila farfan barrosoAtropologia e cultura   pricila farfan barroso
Atropologia e cultura pricila farfan barroso
 
Introdução antropologia cultural
Introdução antropologia culturalIntrodução antropologia cultural
Introdução antropologia cultural
 
Visao cienc
Visao ciencVisao cienc
Visao cienc
 
Met. Cientifica
Met. CientificaMet. Cientifica
Met. Cientifica
 
Introdução às Ciencias Sociais e Humanas
Introdução às Ciencias Sociais e HumanasIntrodução às Ciencias Sociais e Humanas
Introdução às Ciencias Sociais e Humanas
 

Último

Caderno 1 - Módulo Água JMS 2024 (1).pdf
Caderno 1 -  Módulo Água JMS 2024 (1).pdfCaderno 1 -  Módulo Água JMS 2024 (1).pdf
Caderno 1 - Módulo Água JMS 2024 (1).pdf
SupervisoEMAC
 
Slides Lição 2, CPAD, O Livro de Rute, 3Tr24.pptx
Slides Lição 2, CPAD, O Livro de Rute, 3Tr24.pptxSlides Lição 2, CPAD, O Livro de Rute, 3Tr24.pptx
Slides Lição 2, CPAD, O Livro de Rute, 3Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
Espanhol Online
 
farmacologia-segura-em-mapas-mentais-reduzindo-os-riscos-da-terapeutica-24040...
farmacologia-segura-em-mapas-mentais-reduzindo-os-riscos-da-terapeutica-24040...farmacologia-segura-em-mapas-mentais-reduzindo-os-riscos-da-terapeutica-24040...
farmacologia-segura-em-mapas-mentais-reduzindo-os-riscos-da-terapeutica-24040...
AngelicaCostaMeirele2
 
escrita criativa utilizada na arteterapia
escrita criativa   utilizada na arteterapiaescrita criativa   utilizada na arteterapia
escrita criativa utilizada na arteterapia
shirleisousa9166
 
Aprendizagem Imersiva: Conceitos e Caminhos
Aprendizagem Imersiva: Conceitos e CaminhosAprendizagem Imersiva: Conceitos e Caminhos
Aprendizagem Imersiva: Conceitos e Caminhos
Leonel Morgado
 
Relatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdf
Falcão Brasil
 
Temática – Projeto para Empreendedores Locais
Temática – Projeto para Empreendedores LocaisTemática – Projeto para Empreendedores Locais
Temática – Projeto para Empreendedores Locais
Colaborar Educacional
 
As Ideias Têm Consequências - Richard M. Weaver
As Ideias Têm Consequências - Richard M. WeaverAs Ideias Têm Consequências - Richard M. Weaver
As Ideias Têm Consequências - Richard M. Weaver
C4io99
 
Slide para aplicação da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
Slide para aplicação  da AVAL. FLUÊNCIA.pptxSlide para aplicação  da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
Slide para aplicação da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
LeilaVilasboas
 
Atividade Dias dos Pais - Meu Pai, Razão da Minha História.
Atividade Dias dos Pais -  Meu Pai, Razão da Minha História.Atividade Dias dos Pais -  Meu Pai, Razão da Minha História.
Atividade Dias dos Pais - Meu Pai, Razão da Minha História.
Mary Alvarenga
 
Texto e atividade - O que fazemos com a água que usamos.
Texto e atividade -  O que fazemos com a água que usamos.Texto e atividade -  O que fazemos com a água que usamos.
Texto e atividade - O que fazemos com a água que usamos.
Mary Alvarenga
 
Guerra de reconquista da Península ibérica
Guerra de reconquista da Península ibéricaGuerra de reconquista da Península ibérica
Guerra de reconquista da Península ibérica
felipescherner
 
Ideais do Ministério jovem Adventista pdf
Ideais do Ministério jovem Adventista pdfIdeais do Ministério jovem Adventista pdf
Ideais do Ministério jovem Adventista pdf
Anesio2
 
Relatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdf
Falcão Brasil
 
Mini livro sanfona - Minha Escola Tem História.
Mini livro  sanfona - Minha Escola Tem História. Mini livro  sanfona - Minha Escola Tem História.
Mini livro sanfona - Minha Escola Tem História.
Mary Alvarenga
 
1°ao5°ano_HISTÓRIA_ORGANIZADOR CURRICULAR BIMESTRAL (1) educação infantil fu...
1°ao5°ano_HISTÓRIA_ORGANIZADOR CURRICULAR BIMESTRAL (1)  educação infantil fu...1°ao5°ano_HISTÓRIA_ORGANIZADOR CURRICULAR BIMESTRAL (1)  educação infantil fu...
1°ao5°ano_HISTÓRIA_ORGANIZADOR CURRICULAR BIMESTRAL (1) educação infantil fu...
antonio carlos
 
Licao de adultos Topico 1 CPAD edit.pptx
Licao de adultos Topico 1 CPAD edit.pptxLicao de adultos Topico 1 CPAD edit.pptx
Licao de adultos Topico 1 CPAD edit.pptx
jetroescola
 

Último (20)

Caderno 1 - Módulo Água JMS 2024 (1).pdf
Caderno 1 -  Módulo Água JMS 2024 (1).pdfCaderno 1 -  Módulo Água JMS 2024 (1).pdf
Caderno 1 - Módulo Água JMS 2024 (1).pdf
 
Slides Lição 2, CPAD, O Livro de Rute, 3Tr24.pptx
Slides Lição 2, CPAD, O Livro de Rute, 3Tr24.pptxSlides Lição 2, CPAD, O Livro de Rute, 3Tr24.pptx
Slides Lição 2, CPAD, O Livro de Rute, 3Tr24.pptx
 
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
 
farmacologia-segura-em-mapas-mentais-reduzindo-os-riscos-da-terapeutica-24040...
farmacologia-segura-em-mapas-mentais-reduzindo-os-riscos-da-terapeutica-24040...farmacologia-segura-em-mapas-mentais-reduzindo-os-riscos-da-terapeutica-24040...
farmacologia-segura-em-mapas-mentais-reduzindo-os-riscos-da-terapeutica-24040...
 
escrita criativa utilizada na arteterapia
escrita criativa   utilizada na arteterapiaescrita criativa   utilizada na arteterapia
escrita criativa utilizada na arteterapia
 
Aprendizagem Imersiva: Conceitos e Caminhos
Aprendizagem Imersiva: Conceitos e CaminhosAprendizagem Imersiva: Conceitos e Caminhos
Aprendizagem Imersiva: Conceitos e Caminhos
 
Relatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdf
 
Temática – Projeto para Empreendedores Locais
Temática – Projeto para Empreendedores LocaisTemática – Projeto para Empreendedores Locais
Temática – Projeto para Empreendedores Locais
 
As Ideias Têm Consequências - Richard M. Weaver
As Ideias Têm Consequências - Richard M. WeaverAs Ideias Têm Consequências - Richard M. Weaver
As Ideias Têm Consequências - Richard M. Weaver
 
Slide para aplicação da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
Slide para aplicação  da AVAL. FLUÊNCIA.pptxSlide para aplicação  da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
Slide para aplicação da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
 
Atividade Dias dos Pais - Meu Pai, Razão da Minha História.
Atividade Dias dos Pais -  Meu Pai, Razão da Minha História.Atividade Dias dos Pais -  Meu Pai, Razão da Minha História.
Atividade Dias dos Pais - Meu Pai, Razão da Minha História.
 
Texto e atividade - O que fazemos com a água que usamos.
Texto e atividade -  O que fazemos com a água que usamos.Texto e atividade -  O que fazemos com a água que usamos.
Texto e atividade - O que fazemos com a água que usamos.
 
Guerra de reconquista da Península ibérica
Guerra de reconquista da Península ibéricaGuerra de reconquista da Península ibérica
Guerra de reconquista da Península ibérica
 
Ideais do Ministério jovem Adventista pdf
Ideais do Ministério jovem Adventista pdfIdeais do Ministério jovem Adventista pdf
Ideais do Ministério jovem Adventista pdf
 
Relatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdf
 
Mini livro sanfona - Minha Escola Tem História.
Mini livro  sanfona - Minha Escola Tem História. Mini livro  sanfona - Minha Escola Tem História.
Mini livro sanfona - Minha Escola Tem História.
 
RECORDANDO BONS MOMENTOS! _
RECORDANDO BONS MOMENTOS!               _RECORDANDO BONS MOMENTOS!               _
RECORDANDO BONS MOMENTOS! _
 
1°ao5°ano_HISTÓRIA_ORGANIZADOR CURRICULAR BIMESTRAL (1) educação infantil fu...
1°ao5°ano_HISTÓRIA_ORGANIZADOR CURRICULAR BIMESTRAL (1)  educação infantil fu...1°ao5°ano_HISTÓRIA_ORGANIZADOR CURRICULAR BIMESTRAL (1)  educação infantil fu...
1°ao5°ano_HISTÓRIA_ORGANIZADOR CURRICULAR BIMESTRAL (1) educação infantil fu...
 
Licao de adultos Topico 1 CPAD edit.pptx
Licao de adultos Topico 1 CPAD edit.pptxLicao de adultos Topico 1 CPAD edit.pptx
Licao de adultos Topico 1 CPAD edit.pptx
 
TALENTOS DA NOSSA ESCOLA .
TALENTOS DA NOSSA ESCOLA                .TALENTOS DA NOSSA ESCOLA                .
TALENTOS DA NOSSA ESCOLA .
 

Escolas do pensamento antropologico

  • 1. Indice Conteúdo Páginas Introdução ......................................................................................................................... 1 Objectivo Geral................................................................................................................. 2 Objectivos Específicos...................................................................................................... 2 Metodologia...................................................................................................................... 3 1. Escolas do pensamento Antropológico ..................................................................... 4 1.1. Noções Gerais........................................................................................................ 4 1.2. Principais Escolas do Pensamento Antropológico ................................................ 4 1.2.1. Escola Evolucionista.......................................................................................... 5 1.2.2. Escola Funcionalista .......................................................................................... 5 1.2.3. Escola Difusionalista.......................................................................................... 6 1.2.4. Escola Estruturalista........................................................................................... 7 1.2.4.1. Relações familiares......................................................................................... 7 1.3. Outras Escolas do Pensamento Antropológico ...................................................... 8 1.3.1. Escola Sociológica Francesa.............................................................................. 8 1.3.2. Escola Americana ou Culturalismo Norte-Americano ...................................... 9 1.3.3. Antropologia Interpretativa................................................................................ 9 1.3.4. Antropologia Pós-Moderna ou Crítica............................................................... 9 1.4. Ideais dos representantes das correntes Antropológicas...................................... 10 1.4.1. Antropólogos evolucionistas: ......................................................................... 10 1.4.2. Antropólogos Funcionalistas ........................................................................... 11 2. Conclusão ................................................................................................................ 13 3. Bibliografia.............................................................................................................. 14
  • 2. Escolas do pensamento Antropológico Página 1 Introdução O presente trabalho versa sobre as escolas de pensamento antropologico e portanto visa Estudar as principais correntes da Antropologia para melhor compreender a diversidade cultural e posicionar-se diante da alteridade presente. A Antropologia, sendo a ciência da humanidade e da cultura, tem um campo de investigação extremamente vasto: abrange, no espaço, toda a terra habitada; no tempo, pelo menos dois milhões de anos e todas as populações socialmente e devidamente organizadas. Divide-se em duas grandes áreas de estudo, com objectivos definidos e interesses teóricos próprios: a Antropologia Física (ou Biológica) e a Antropologia Cultural, para alguns autores, sinónimo de antropologia social, que focaliza, talvez, o principal conceito desta ciência, a cultura. As teorias antropológicas ganharam força a partir da segunda metade do século XIX, e ainda têm grande força no período pós-moderno. Através do ensino a distância você poderá fazer o curso de Teorias Antropológicas, que abrirá novos horizontes profissionais para quem deseja adquirir uma análise crítica das principais linhas de reflexão das teorias científicas e epistemológica, além de abordar a suas influências na atualidade.
  • 3. Escolas do pensamento Antropológico Página 2 Objectivo Geral Compreender de forma clara e objectiva as abordagens das Escolas do pensamento Antropológico Objectivos Específicos  Identificar as escolas do pensamento antropologico;  Descrever as caracteristicas das escolas do pensamento antropógico;  Descrever de forma sumária os ideais dos principais representantes das escolas do pensamento antropológico.
  • 4. Escolas do pensamento Antropológico Página 3 Metodologia No que se refere à metodologia utilizada no presente estudo, foi empregada a pesquisa bibliográfica . Para SEVERINO (2007), a pesquisa bibliográfica é aquela que se realiza a partir do registo disponível, decorrente de pesquisas anteriores, em documentos impressos, como livros, artigos, teses etc. Utiliza-se de dados ou de categorias teóricas já trabalhados por outros pesquisadores e devidamente registados
  • 5. Escolas do pensamento Antropológico Página 4 1. Escolas do pensamento Antropológico 1.1.Noções Gerais A Antropologia é o estudo do homem como ser biológico, social e cultural. Sendo cada uma destas dimensões por si só muito ampla, o conhecimento antropológico geralmente é organizado em áreas que indicam uma escolha prévia de certos aspectos a serem privilegiados como a “Antropologia Física ou Biológica” (aspectos genéticos e biológicos do homem), “Antropologia Social” (organização social e política, parentesco, instituições sociais), “Antropologia Cultural” (sistemas simbólicos, religião, comportamento) e “Arqueologia” (condições de existência dos grupos humanos desaparecidos). Além disso podemos utilizar termos como Antropologia, Etnologia e Etnografia para distinguir diferentes níveis de análise ou tradições acadêmicas. Para o antropólogo Claude Lévi-Strauss, a etnografia corresponde “aos primeiros estágios da pesquisa: observação e descrição, trabalho de campo. A etnologia, com relação à etnografia, seria “um primeiro passo em direção à síntese” e a antropologia “uma segunda e última etapa da síntese, tomando por base as conclusões da etnografia e da etnologia”. Qualquer que seja a definição adotada é possível entender a antropologia como uma forma de conhecimento sobre a diversidade cultural, isto é, a busca de respostas para entendermos o que somos a partir do espelho fornecido pelo “Outro”; uma maneira de se situar na fronteira de vários mundos sociais e culturais, abrindo janelas entre eles, através das quais podemos alargar nossas possibilidades de sentir, agir e reflectir sobre o que, afinal de contas, nos torna seres singulares, humanos. 1.2.Principais Escolas do Pensamento Antropológico Ao longo da sua existência, a Antropologia tem, como toda ciência, mudado seus paradigmas e construído formas diversas de investigação. A essas formas diferenciadas de investigação e análise dos fenômenos culturais dá-se o nome de “escola antropológica”. Constituem os principais paradigmas e escolas de pensamento antropológico: 1. Evolucionismo 2. Funcionalismo 3. Difusionismo
  • 6. Escolas do pensamento Antropológico Página 5 4. Estruturalismo 1.2.1. Escola Evolucionista Evolucionismo social ( século XIX) - Seus principais paradigmas foram: a sistematização do conhecimento acumulado sobre os “povos primitivos” e o predomínio do trabalho de gabinete, a análise era feita a partir dos relatos de viajantes e colonizadores que chegavam às mãos dos antropólogos. Entre os temas e conceitos trabalhados por essa escola, destacam- se: a unidade psíquica do homem; a evolução das sociedades das mais “primitivas” para as mais “civilizadas”; a substituição conceito de raça pelo de cultura. Seus principais representantes foram: Maine (“Ancient Law” – 1861); Herbert Spencer (“Princípios de Biologia” - 1864); E. Tylor (“A Cultura Primitiva” - 1871); L. Morgan (“A Sociedade Antiga” - 1877); James Frazer (“O Ramo de Ouro” - 1890). A Escola Evolucionista dominou até o inicio do século XX, e é possível afirmar que esta usava métodos comparativos, onde o individuo era comparado e classificado, essas comparações variavam e poderiam ser de acordo com religião, parentesco etc. Seu histórico afirma que as sociedades estariam em constante evolução, partindo daprerrogativa em que os indígenas primitivos seriam os antecessores do homem civilizado. Ainda sobre a Escola Evolucionista é possível destacar que a antropologia buscava explicar a diferença nas evoluçõesdas sociedades, e acreditava que se um indivíduo possuísse nível de sabedoria elevado, este seria capaz de viver em qualquer outra sociedade, pois se tratava de um individuo extremamente evoluído. 1.2.2. Escola Funcionalista Funcionalismo – (século XX, anos 20) - Seus principais paradigmas foram: a criação de um modelo de etnografia clássica; a ênfase no trabalho de campo (observação participante); a sistematização do conhecimento acumulado sobre uma cultura. Os principais temas e conceitos desenvolvidos por essa escola foram: a cultura como totalidade e o interesse pelas instituições e suas funções para a manutenção da totalidade cultural. Entre seus representantes e suas obras de referência podemos citar: Bronislaw Malinowski (“Argonautas do Pacífico Ocidental” -1922); Radcliffe Brown (“Estrutura e função na sociedade primitiva” - 1952-; e “Sistemas Políticos Africanos de Parentesco e Casamento”, org. c/ Daryll Forde - 1950.;
  • 7. Escolas do pensamento Antropológico Página 6 Evans-Pritchard (“Bruxaria, oráculos e magia entre os Azande” - 1937; “Os Nuer” - 1940); Raymond Firth (“Nós, os Tikopia” - 1936; “Elementos de organização social - 1951); Max Glukman (“Ordem e rebelião na África tribal”- 1963); Victor Turner (“Ruptura e continuidade em uma sociedade africana”-1957; “O processo ritual”- 1969); Edmund Leach - (“Sistemas políticos da Alta Birmânia” - 1954). Diferentemente da escola evolucionista, a escola funcionalista nãoacreditava que uma sociedade poderia ser mais avança que outra, uma vez que cada sociedade tem a sua determinada função, e essas funções relacionam-se de maneira a formar um sistema. Partindo desteprincipio, é necessário que observemos e possamos entender cada função presente em um grupo social, para que assim seja possível entender o desenvolvimento dele. Cada sociedade é entendida como diferente, masnunca como inferior ou superior. Esta escola surgiu como uma alternativa à teoria evolucionista. 1.2.3. Escola Difusionalista Teve Iníciom a partir do séc. XX e continua a expansão colonial e destroem-se algumas culturas índias. Industrialização Surge como reacção ao evolucionismo, atingindo a orientação teórica e metodológica (trouxe desta feita rigorosidade nos métodos da Antropologia Cultural). Esta corrente busca uma base histórica para explicar as semelhanças entre culturas particulares (Explicava o presente pelo passado), Defendeu que as diferenças e semelhanças culturais eram causa da tendência humana para imitar e a absorver traços culturais. A diversidade cultural explica-se pelas relações de empréstimo e não pela invenção independente. A principal crítica reside no facto dela salientar demasiado a forma (unicamente uma dimensão das características culturais), em detrimento do significado que cada característica tem para os membros de cada cultura em particular. Ignorou também as relações com outras características. Os principais representates foram:  G.E. Smith (1871-1937)  W.J. Perry (1887-1950)  W.H. Rivers (1864-1922  Ratzel (1844-1904)
  • 8. Escolas do pensamento Antropológico Página 7  Graebner (1877-1934)  Frobenius (1873-1938  Franz Boas (1858-1942)  Carl Wissler (1870-1947)  Alfred Kroeber (1876-1960)  Robert Lowie (1883-1957 1.2.4. Escola Estruturalista Estruturalismo (século XX, anos 40) – Seus principais paradigmas foram: a busca das regras estruturantes das culturas presentes na mente humana; a teoria do parentesco; a lógica do mito e as formas primitivas de classificação. Os principais temas e conceitos desenvolvidos por essa escola foram: os princípios de organização da mente humana; o princípio da reciprocidade. O termo estruturalismo procura nomear um conjunto de elementos solidários entre sí, onde cada parte são funções de outras parte, e seguindo esse elo de componentes chega-se a relação das demais com sua totalidade, daí pode-se dizer que uma estrutura se compõe mais propriamente de membros do que de partes. Foi uma corrente de pensamento nas ciências humanas que se inspirou nos modelos da linguística e que prende a realidade social como um conjunto formal de relações, sendo visto como uma abordagem geral com muitas variações diferentes; tornando-se um dos métodos mais utilizados para analisar o idioma, cultura e filosofias da comunidade a ser estudada, porém este não se refere como uma escola, mas sim, como local de trabalho. 1.2.4.1.Relações familiares O estruturalismo procura explorar as inter-relações através dos quais o significado é produzido dentro de uma cultura, baseada na linguagemdos signos, da análise de seus componentes e das funções cumpridas dentro de um todo. Essas estruturas assumem um caráter modificador nas relações do conjunto, pois seguem a linha de pensamento contra o existencialismo e todos os pensamentos historicistas. Nos trabalhos pesquisados, os grupos familiares eran encontrados em pares, ou grupos emparelhados onde eles brigavam entre si e ao mesmo tempo não conseguiam viver separados.
  • 9. Escolas do pensamento Antropológico Página 8 Tinha como objetivo a descrição empírica dos elementos e a crença dos fenômenos da vida em sociedade não seria inteligíveis se não vivessem em suas interrelações, estruturando-se nas variações locais dos fenômenos de superfície. Com isso, ganhavam suas identidades por meio das relações, sendo influenciados pelos seus fonemas e sons da natureza, juntamente com a semântica, mostrando as variabilidades das práticas no modo de pensar. O estruturalismo propos transcender as organizações prímarias dos fatos,observando nas pesquisas para depois elaborar os estudos dos elementos em cada nível, para depois se chegar a um modelo teórico do objeto. Foi também entendido como corpo teórico e marcou o início das ideologias das ciências sociais, abordando a estrutura que excluiria a praxis de Marx, estabelecendo critério supremo da verdade. Os pensadores notórios do estruturalismo foram: Ferdinand de Saussure: lançou paralelamente ao trabalho teórico mais tarde reunido na obra Curso Geral de Linguística, Saussure realizou, entre 1906 e 1909, um outro estudo que é comumente chamado de Os Anagramas de Saussure. Leonard Bloomfield: publicou em 1933 seu principal trabalho - Linguagem é considerada por muitos como o texto clássico de lingüística estrutural, também tida com o próprio estruturalismo. Claude Lévi-Strauss: sua principal obra foi Tristes Trópicos de 1955 Jean Piaget: em 1967 lança o que foi considerada sua obra mais madura: Biologia e Conhecimento Franz Boas: publicou A Mente do Homem Primitivo: 1938 1.3. Outras Escolas do Pensamento Antropológico 1.3.1. Escola Sociológica Francesa Escola Sociológica Francesa, (século XIX) – Seus principais paradigmas foram: a definição dos fenómenos sociais como objetos de investigação sócio-antropológica e a definição das regras do método sociológico. Os principais temas e conceitos desenvolvidos por essa escola foram: as representações coletivas; as formas primitivas de classificação (totemismo) e a teoria do conhecimento. O fato social total; a troca e a reciprocidade como fundamento da vida social (dar, receber, retribuir).
  • 10. Escolas do pensamento Antropológico Página 9 Seus principais representantes foram: Émile Durkheim (Regras do método sociológico”- 1895; “Algumas formas primitivas de classificação” - c/ Marcel Mauss - 1901; “As formas elementares da vida religiosa” – 1912); Marcel Mauss (Esboço de uma teoria geral da magia” - c/ Henri Hubert - 1902-1903; “Ensaio sobre a dádiva” - 1923-1924; “Uma categoria do espírito humano: a noção de pessoa, a noção de eu”- 1938). 1.3.2. Escola Americana ou Culturalismo Norte-Americano Culturalismo Norte-Americano, (século XX, anos 30) – Seus principais paradigmas foram: o método comparativo, a busca de leis no desenvolvimento das culturas e a relação entre cultura e personalidade. Os principais temas e conceitos desenvolvidos por essa escola foram: a ênfase na construção e identificação de padrões culturais ou estilos de cultura (ethos). Seus principais representantes foram: Franz Boas (Raça, Língua e Cultura - 1940), Margaret Mead (Sexo e temperamento em três sociedades primitivas - 1935), Ruth Benedict (Padrões de cultura- 1934; O Crisântemo e a espada- 1946). 1.3.3. Antropologia Interpretativa Antropologia Interpretativa (século XX, anos 60) – Seus principais paradigmas foram: a cultura como hierarquia de significados; a busca da descrição densa. A interpretação sob inspiração hermenêutica. Os principais temas e conceitos desenvolvidos por essa escola foram: a interpretação antropológica; a leitura da leitura que os nativos fazem de sua própria cultura. Seu principal representante é: Clifford Geertz (A interpretação das culturas – 1973; Saber local – 1983); 1.3.4. Antropologia Pós-Moderna ou Crítica Antropologia Pós-Moderna ou Crítica (século XX, anos 80) – Seus principais paradigmas foram: a preocupação com os recursos retóricos presentes no modelo textual das etnografias clássicas e contemporâneas; a politização da relação observador-observado na pesquisa antropológica; a crítica dos paradigmas teóricos e da autoridade etnográfica do antropólogo. Os principais temas e conceitos desenvolvidos por essa escola foram: a cultura como processo polissêmico; a etnografia como representação polifônica da polissemia cultural; a antropologia como experimentação da crítica cultural. Seus principais representantes foram: James Clifford e Georges Marcus (Writing culture - The poetics and politics of ethnography- 1986); George Marcus e Michel Fischer (Anthropoly as cultural critique - 1986); Michel Taussig (Xamanismo, colonialismo e o homem selvagem- 1987); James Clifford (The predicament of culture - 1988).
  • 11. Escolas do pensamento Antropológico Página 10 1.4. Ideais dos representantes das correntes Antropológicas 1.4.1. Antropólogos evolucionistas: J.J. Bachofen (1815-1887), um jurista suíço, foi o primeiro a chamar a atenção para sociedades que seguem a linha de descendência através da mulher (culturas materlinhares). Imaginou que nessas sociedades não se reconhecia a paternidade; "construiu" um mundo greco-latino matriarcal. J.F.McLennan (1827-1881) (escocês) escreveu "Studies in Ancient History" e “Primitive Marriage” (1865). Nesta última obra, afirmou que a forma mais antiga de família era caracterizada pelo matriarcado. Observou a simulação do rapto da noiva pelo noivo, para logo atingir o casamento. A si se devem os termos “exogamia” (matrimónio fora do próprio grupo) e “endogamia” (matrimónio dentro do próprio grupo). Henry Sumner Maine (1822-1888) foi um etnólogo jurídico, membro do conselho britânico do vice-rei da Índia. Encontrou semelhanças entre as antigas leis de Roma, da Índia e da Irlanda (sociedades patrilinhares). O seu livro mais famoso é “Ancient Law” (1861), no qual defendeu que a mais antiga forma de família era a família patriarcal dos indo-europeus. Robertson-Smith (1846-1894) foi um erudito que interpretou o Antigo Testamento (um dos primeiros, no seu contexto histórico). No seu livro "The Religion of the Semites" (1889), diz que, nas religiões tradicionais não reveladas, o rito é mais importante que o dogma. James G. Frazer (1854-1941) foi o primeiro a consciencializar o público da importância da antropologia. No seu livro "Golden Bough", (“O ramo dourado”: um estudo sobre a magia e a religião, 12 vols.) mostra interesse pela religião e elabora a teoria da "magia simpática" – homeopática – (o simbolismo através do qual os ritos mágicos imitam o efeito que tentam produzir) e da “magia por contacto” (por relação de contacto, ex.: Vudú, nas Caraíbas). Estas teorias foram criticadas por Frazer como sendo pensamentos erróneos e ciência bastarda. -Etapas evolutivas da humanidade: MAGIARELIGIÃOCIÊNCIA Lewis Henry Morgan (1818-1881), Influenciado pelo evolucionismo biológico de Darwin, defende a teoria de que, no desenvolvimento histórico das culturas, acontecem as seguintes mudanças: Selvagismo (caça e recoleção) Barbárie (cerâmica, agricultura) Civilização (escrita)
  • 12. Escolas do pensamento Antropológico Página 11 Edward Burnett Tylor (1832-1937) Defendeu uma reforma moral. Sublinhou que os aborígenes australianos eram sobreviventes da pré-história. Os “survivals” deviam ser identificados, através de um estudo histórico-cultural. Interessou-se, particularmente, pela religião e pelo animismo. Antropólogos Difusionistas Ratzel (1844-1904), oposto às teorias de Bastian, interessou-se mais pelos utensílios do que pelas ideias: utensílios inventados em lugares concretos e que se difundiam, para outros lugares, através das migrações. Procurou semelhanças entre objectos; Fr. Wilhelm Schmidt (1868-1959), fundador da revista Anthropos, que inverteu as séries evolutivas dos evolucionistas, pois tentou demonstrar que a religião tinha origem no monoteísmo – ex.: pigmeus caçadores e recolectores. Os alemães postularam a formação de diversas culturas, a partir de poucos “círculos culturais”. Essas culturas estender-se-iam a outras culturas sob forma de traços, através da migração de populações e da melhoria dos meios de transporte. Franz Boas (1858-1942), Para Boas, a tarefa do antropólogo era investigar as tribos primitivas que careciam de história escrita, descobrir restos pré-históricos, estudar tipos humanos e a linguagem. Cada cultura teria a sua própria história. Para compreender a cultura teríamos que reconstruir a história de cada cultura. Defendeu que não há culturas superiores nem inferiores (relativismo cultural). Os sistemas de valores devem compreender-se dentro do contexto de cada cultura e não de acordo com os padrões da cultura do antropólogo. Grafton Elliot Smith (1871-1937, antropólogo físico), estudou o cérebro das múmias no Egipto, o que lhe levou a defender a difusão como principal motor da dinâmica cultural. 1.4.2. Antropólogos Funcionalistas Émile Durkheim (1858-1917) foi um grande inspirador dos estudos antropológicos. Na sua revista "L´Année Sociologique"(1898-...), seguiu o sociólogo britânico Herbert Spencer, afirmando a independência dos factos sociais (regras de comportamento, normas, critérios de valor, expectativas dos membros) relativamente à consciência dos indivíduos que formam a sociedade. Relaciona o facto social com as necessidades que cumpre e satisfaz – função (exemplo: o castigo do delito, a divisão do trabalho). O social só poderia explicar-se pelo social e não por constituição biológica ou por psicologia individual.
  • 13. Escolas do pensamento Antropológico Página 12 B. Malinowski (1884-1942) criou a autodenominada “Escola Funcionalista”. Parte de Durkheim (os costumes inúteis e sem significado deixam de existir). Um fenómeno social serve o povo que o pratica. Relacionou a organização social com as necessidades biológicas (alimento, abrigo, reprodução). Essas necessidades são, porém, diferentes das necessidades dos animais, as necessidades humanas são satisfeitas através da cooperação numa sociedade organizada que fala, pensa, transmite experiência, conhecimentos, valores e regras de conduta. São também diferentes das necessidades dos animais porque requerem educação (dispositivo para transmitir a herança de conhecimentos e valores morais) e uma fonte de confiança na rectitude das suas normas e da continuidade da sua existência. Esta confiança deriva da religião. A R. Radcliffe-Brown (1881-1955) insistirá no facto de que a função não deve ser usada no sentido de "intenção", "finalidade" ou "significado". A proposição "todo uso social tem uma função" pode converter-se facilmente em "todo uso social é bom". Para Radcliffe-Brown, a função é o que sustenta a estrutura social, ou seja, a coesão dentro de um sistema de relações sociais. Por exemplo, a magia tem a função de actuar como um mecanismo de solidariedade social.
  • 14. Escolas do pensamento Antropológico Página 13 2. Conclusão Feito o nosso trabalho de pesquisa, o grupo chegou ao consenso que a Escola Evolucionista, dominou até o início do século XX, e é possível afirmar que esta, usava métodos comparativos, onde o indivíduo era comparado e classificado, essas comparações variavam e poderiam ser de acordo com religião, parentesco etc. Seu histórico afirma que as sociedades estariam em constante evolução, partindo da prerrogativa em que os indígena primitivo seria o antecessor do homem civilizado. Esta escola acreditava principalmente que as semelhanças eram passadas através da imitação e na capacidade das pessoas em absorver os traços culturais entre os povos, sendo através da negociação, conquista entre outras maneiras. Observando a Escola Funcionalista, podemos destacar que esta escola estuda as funções das sociedades e as entende como mecanismos de um sistema. Diferentemente da escola evolucionista, a escola funcionalista não acreditava que uma sociedade poderia ser mais avança que outra, uma vez que cada sociedade tem a sua determinada função, e essas funções relacionam-se de maneira a formar um sistema. Partindo deste principio, é necessário que observemos e possamos entender cada função presente em um grupo social, para que assim seja possível entender o desenvolvimento dele. Cada sociedade é entendida como diferente, mas nunca como inferior ou superior. Esta escola surgiu como uma alternativa à teoria evolucionista. Os principais autores que apoiavam essa teoria foram: Bronislaw Kasper Malinowski e Alfred Radcliffe Brown. A escola Estruturalista sucede a escola funcionalista, e Pose ser considerada como ramificada para a Escola Estruturalista Marxista. Primeiramente é importante observar que a Escola Estruturalista resgata o sentido dos sonhos, onde acredita-se que o inconsciente se manifesta. Essa corrente, finda-se na cultura presente na mente humana, usando a teoria do parentesco da lógica. A escola estuda aspectos subjetivos, que estavam ligados principalmente à linguagem e ao imaginário dos indivíduos, assim como de cada grupo social.
  • 15. Escolas do pensamento Antropológico Página 14 3. Bibliografia BENEDICT, Ruth. O Crisântemo e a Espada. São Paulo: Editora Perspectiva, 1972. BERNADI, Bernardo. Introdução aos Estudos Etno-Antropológicos. Lisboa: Edições 70: 1988. CARVALHO, Alix. Colectando com Margaret Mead pelo Pacífico Sul. Episteme, Porto Alegre, Nº. 20, suplemento especial, p.81- 91, jan./jun. 2005. 81. CASTRO, Celso. (ORG.) Evolucionismo Cultural: textos de Morgan, Tylor e Frazer. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 2005. FREUD, Sigmund. O mal – estar na civilização. Rio de Janeiro: Imago Ed., 1997. LABURTE – TOLRA & WARNIER, P. Etnologia – Antropologia. Petrópolis, RJ: Vozes, 1997. KUPER, Adam. A visão das ciências sociais: Talcott Parsons e os antropólogos americanos in Cultura: a visão dos antropólogos. Bauru, SP: EDUSC, 2002. LINTON, Ralph. O homem: Uma introdução à antropologia. São Paulo: Martins Fontes, 2000. _____________. Cultura e Personalidade. São Paulo: Mestre Jou, 1979. MEAD, Margaret. Sexo e Temperamento. São Paulo: Editora Perspectiva, 1979. MELO, Luís Gonzaga de. Antropologia Cultural: Iniciação, teorias e Temas. Petrópolis, RJ: Vozes, 1986. PEIRANO, Mariza. Só para iniciados. Estudos Históricos, Rio de Janeiro, vol. 3, n. 5, 1990, p.93-102. ROCHA, Everardo. O que é etnocentrismo? Coleção Primeiros Passos, Nº. 124. São Paulo: Editora Brasiliense, 1984. SEGATO, Rita Laura. Os percursos do gênero na antropologia e para além dela. Série antropologia: Brasília: UNB, 1998. STOCKING, JR George W. Franz Boas: A formação da antropologia Americana 1883 - 1911. Rio de Janeiro, RJ: contraponto: Editora UFRJ, 2004. SEVERINO, António Joaquim. Metodologia do Trabalho Científico. 23ª ed. rev. e atual. São Paulo: Cortez, 2007.