SlideShare uma empresa Scribd logo
ENEM-2014 resolvido e comentado
Questões de Literatura
Manoel Neves
Eu,	
  filho	
  do	
  carbono	
  e	
  do	
  amoníaco,	
  
Monstro	
  de	
  escuridão	
  e	
  ru7lância,	
  
Sofro,	
  desde	
  a	
  epigênesis	
  da	
  infância,	
  
A	
  influência	
  má	
  dos	
  signos	
  do	
  zodíaco.	
  
Profundissimamente	
  hipocondríaco,	
  
Este	
  ambiente	
  me	
  causa	
  repugnância...	
  
Sobe-­‐me	
  à	
  boca	
  uma	
  ânsia	
  análoga	
  à	
  ânsia	
  
Que	
  se	
  escapa	
  da	
  boca	
  de	
  um	
  cardíaco.	
  
Já	
  o	
  verme	
  –	
  este	
  operário	
  das	
  ruínas	
  –	
  
Que	
  o	
  sangue	
  podre	
  das	
  carnificinas	
  
Come,	
  e	
  à	
  vida	
  em	
  geral	
  declara	
  guerra,	
  
Anda	
  a	
  espreitar	
  meus	
  olhos	
  para	
  roê-­‐los,	
  
E	
  há	
  de	
  deixar-­‐me	
  apenas	
  os	
  cabelos,	
  
Na	
  frialdade	
  inorgânica	
  da	
  terra!	
  
ANJOS,	
  A.	
  Obra	
  completa.	
  Rio	
  de	
  Janeiro:	
  Nova	
  Aguilar,	
  1994.	
  
PSICOLOGIA	
  DE	
  UM	
  VENCIDO	
  
QUESTÃO 01
primeira aplicação do ENEM-2014
A	
  poesia	
  de	
  Augusto	
  dos	
  Anjos	
  revela	
  aspectros	
  de	
  uma	
  literatura	
  de	
  transição	
  
denominada	
   pré-­‐modernista.	
   Com	
   relação	
   à	
   poé7ca	
   e	
   à	
   abordagem	
   temá7ca	
  
presentes	
  no	
  soneto,	
  iden7ficam-­‐se	
  marcas	
  dessa	
  literatura	
  de	
  transição,	
  como	
  
a)	
  a	
  forma	
  do	
  soneto,	
  os	
  versos	
  metrificados,	
  a	
  presença	
  de	
  rimas	
  e	
  o	
  vocabulário	
  
requintado,	
   além	
   do	
   ce7cismo,	
   que	
   antecipam	
   conceitos	
   esté7cos	
   vigentes	
   no	
  
Modernismo	
  
b)	
   o	
   empenho	
   do	
   eu	
   lírico	
   pelo	
   resgate	
   da	
   poesia	
   simbolista,	
   manifesta	
   em	
  
metáforas	
  como	
  “Monstro	
  de	
  escuridão	
  e	
  ru7lância”	
  e	
  “influência	
  má	
  dos	
  signos	
  
do	
  zodíaco”.	
  
c)	
   a	
   seleção	
   lexical	
   emprestada	
   ao	
   cien7ficismo,	
   como	
   se	
   lê	
   em	
   “carbono	
   e	
  
amoníaco”,	
  “epigênesis	
  da	
  infância”	
  e	
  “frialdade	
  inorgânica”,	
  que	
  res7tui	
  a	
  visão	
  
naturalista	
  do	
  homem.	
  
d)	
  a	
  manutenção	
  de	
  elementos	
  formais	
  vinculados	
  à	
  esté7ca	
  do	
  Parnasianismo	
  e	
  
do	
   Simbolismo,	
   dimensionada	
   pela	
   inovação	
   na	
   expressividade	
   poé7ca,	
   e	
   o	
  
desconcerto	
  existencial.	
  
e)	
   a	
   ênfase	
   no	
   processo	
   de	
   construção	
   de	
   uma	
   poesia	
   descri7va	
   e	
   ao	
   mesmo	
  
tempo	
  filosófica,	
  que	
  incorpora	
  valores	
  morais	
  e	
  cienficos	
  mais	
  tarde	
  renovados	
  
pelos	
  modernistas.	
  
SOLUÇÃO COMENTADA
primeira aplicação do ENEM-2014
O	
  pré-­‐modernismo	
  é	
  considerado	
  pelos	
  estudiosos	
  como	
  uma	
  fase	
  de	
  transição.	
  
Os	
  autores	
  ainda	
  não	
  são	
  modernos,	
  em	
  geral,	
  porque	
  adotam	
  um	
  es7lo	
  ainda	
  
preso	
  aos	
  cânones	
  da	
  literatura	
  do	
  século	
  XIX;	
  por	
  outro	
  lado,	
  já	
  são	
  modernos,	
  
pois	
  antecipam	
  o	
  posicionamento	
  crí7co	
  da	
  literatura	
  que	
  será	
  produzida	
  ao	
  longo	
  
do	
  século	
  XIX.	
  
A	
  dualidade	
  referida	
  acima	
  manifesta-­‐se	
  no	
  poema	
  de	
  Augusto	
  dos	
  Anjos,	
  pois,	
  de	
  
um	
   lado,	
   nota-­‐se	
   o	
   culto	
   da	
   forma	
   tradicional	
   –	
   soneto	
   decassílabo	
   crivado	
   de	
  
vocábulo	
   rebuscado,	
   de	
   matriz	
   naturalista	
   e	
   cien7ficista	
   –,	
   mas,	
   por	
   outro,	
  
percebe-­‐se	
   uma	
   visão	
   profundamente	
   nega7va	
   da	
   existência	
   –	
   materialismo,	
  
ce7cismo	
  e	
  niilismo.	
  Marque-­‐se,	
  pois,	
  a	
  letra	
  “d”.	
  
temas abordados na questão
pré-­‐modernismo	
  
Grande	
  sorriso	
  do	
  canino	
  de	
  ouro,	
  o	
  velho	
  Abílio	
  propõe	
  às	
  donas	
  de	
  casa	
  que	
  se	
  
abastecem	
  de	
  pão	
  e	
  banana:	
  
–	
  Como	
  é	
  o	
  negócio?	
  
De	
  cada	
  três	
  dá	
  certo	
  com	
  uma.	
  Ela	
  sorri,	
  não	
  responde	
  ou	
  é	
  uma	
  promessa	
  a	
  
recusa:	
  
–	
  Deus	
  me	
  livre,	
  não!	
  Hoje	
  não...	
  
O	
  NEGÓCIO	
  
Abílio	
  interpelou	
  a	
  velha:	
  
–	
  Como	
  é	
  o	
  negócio?	
  
Ela	
  concordou	
  e,	
  o	
  que	
  foi	
  melhor,	
  a	
  filha	
  também	
  aceitou	
  o	
  trato.	
  Com	
  a	
  dona	
  
Julie7nha	
  foi	
  assim.	
  Ele	
  se	
  chegou:	
  
–	
  Como	
  é	
  o	
  negócio?	
  
Ela	
  sorriu,	
  olhinho	
  baixo.	
  Abílio	
  espreitou	
  o	
  cometa	
  par7r.	
  Manhã	
  cedinho	
  saltou	
  a	
  
cerca.	
   Sinal	
   combinado,	
   duas	
   ba7das	
   na	
   porta	
   da	
   cozinha.	
   A	
   dona	
   saiu	
   para	
   o	
  
quintal,	
  cuidadosa	
  de	
  não	
  acordar	
  os	
  filhos.	
  Ele	
  trazia	
  a	
  capa	
  da	
  viagem,	
  estendida	
  
na	
  grama	
  orvalhada.	
  
O	
   vizinho	
   espionou	
   os	
   dois,	
   aprendeu	
   o	
   sinal.	
   Decidiu	
   imitar	
   a	
   proeza.	
   No	
  
crepúsculo,	
  pum-­‐pum,	
  duas	
  pancadas	
  fortes	
  na	
  porta.	
  O	
  marido	
  em	
  viagem,	
  mas	
  
não	
  era	
  dia	
  do	
  Abílio.	
  Desconfiada,	
  a	
  moça	
  surgiu	
  à	
  janela	
  e	
  o	
  vizinho	
  repe7u:	
  
–	
  Como	
  é	
  o	
  negócio?	
  
Diante	
  da	
  recusa,	
  ele	
  ameaçou:	
  
–	
  Então	
  você	
  quer	
  o	
  velho	
  e	
  não	
  quer	
  o	
  moço?	
  Olhe	
  que	
  eu	
  conto.	
  
TREVISAN,	
  D.	
  Mistérios	
  de	
  CuriBba.	
  Rio	
  de	
  Janeiro:	
  Record,	
  1979.	
  Fragmento.	
  
QUESTÃO 02
primeira aplicação do ENEM-2014
Quanto	
  à	
  abordagem	
  do	
  tema	
  e	
  aos	
  recursos	
  expressivos,	
  essa	
  crônica	
  tem	
  um	
  
caráter:	
  
a)	
  filosófico,	
  pois	
  reflete	
  sobre	
  as	
  mazelas	
  sofridas	
  pelos	
  vizinhos.	
  
b)	
  lírico,	
  pois	
  relata	
  com	
  nostalgia	
  o	
  relacionamento	
  da	
  vizinhança.	
  
c)	
  irônico,	
  pois	
  apresenta	
  com	
  malícia	
  a	
  convivência	
  entre	
  vizinhos.	
  
d)	
  crí7co,	
  pois	
  deprecia	
  o	
  que	
  acontece	
  nas	
  relações	
  de	
  vizinhança.	
  
e)	
  didá7co,	
  pois	
  expõe	
  uma	
  conduta	
  a	
  ser	
  evitada	
  na	
  relação	
  entre	
  vizinhos.	
  
SOLUÇÃO COMENTADA
primeira aplicação do ENEM-2014
O	
  texto	
  em	
  análise	
  faz	
  uma	
  reflexão	
  acerca	
  das	
  relações	
  sociais,	
  do	
  adultério	
  e	
  da	
  
troca	
   de	
   favores	
   sexuais.	
   Trata-­‐se	
   de	
   uma	
   crônica,	
   na	
   medida	
   em	
   que	
   se	
  
apresentam	
  cri7camente	
  situações	
  co7dianas.	
  Marque-­‐se,	
  portanto,	
  a	
  letra	
  “c”.	
  
temas abordados na questão
espécies	
  literárias:	
  crônica	
  
Ninguém	
  sen7u	
  o	
  teu	
  espasmo	
  obscuro,	
  
ó	
  ser	
  humilde	
  entre	
  os	
  humildes	
  seres,	
  	
  
embriagado,	
  tonto	
  de	
  prazeres,	
  
o	
  mundo	
  para	
  7	
  foi	
  negro	
  e	
  duro.	
  
Atravessaste	
  no	
  silêncio	
  escuro	
  
a	
  vida	
  presa	
  a	
  trágicos	
  deveres	
  
e	
  chegaste	
  ao	
  saber	
  de	
  altos	
  saberes	
  
tornando-­‐te	
  mais	
  simples	
  e	
  mais	
  puro.	
  
Ninguém	
  te	
  viu	
  o	
  sen7mento	
  inquieto,	
  
magoado,	
  oculto	
  e	
  aterrador,	
  secreto,	
  
que	
  o	
  coração	
  te	
  apunhalou	
  no	
  mundo,	
  
Mas	
  eu	
  que	
  sempre	
  te	
  segui	
  os	
  passos	
  
sei	
  que	
  cruz	
  infernal	
  prendeu-­‐te	
  os	
  braços	
  
e	
  o	
  teu	
  suspiro	
  como	
  foi	
  profundo!	
  
SOUSA,	
  C.	
  Obra	
  completa.	
  Rio	
  de	
  Janeiro:	
  Nova	
  Aguilar,	
  1961.	
  
VIDA	
  OBSCURA	
  
QUESTÃO 03
primeira aplicação do ENEM-2014
Com	
  uma	
  obra	
  densa	
  e	
  expressiva	
  no	
  Simbolismo	
  brasileiro,	
  Cruz	
  e	
  Sousa	
  transpôs	
  
para	
   seu	
   lirismo	
   uma	
   sensibilidade	
   em	
   conflito	
   com	
   a	
   realidade	
   vivenciada.	
   No	
  
soneto,	
  essa	
  percepção	
  traduz-­‐se	
  em	
  
a)	
  sofrimento	
  tácito	
  diante	
  dos	
  limites	
  impostos	
  pela	
  discriminação.	
  
b)	
  tendência	
  latente	
  ao	
  vício	
  como	
  resposta	
  ao	
  isolamento	
  social.	
  
c)	
  extenuação	
  condicionada	
  a	
  uma	
  ro7na	
  de	
  tarefas	
  degradantes.	
  
d)	
  frustração	
  amorosa	
  canalizada	
  para	
  as	
  a7vidades	
  intelectuais.	
  
e)	
  vocação	
  religiosa	
  manifesta	
  na	
  aproximação	
  com	
  a	
  fé	
  cristã.	
  
SOLUÇÃO COMENTADA
primeira aplicação do ENEM-2014
No	
  soneto	
  em	
  análise,	
  o	
  sujeito	
  poé7co	
  fala	
  de	
  sofrimento	
  [O	
  mundo	
  foi	
  para	
  -	
  
negro	
   e	
   duro,	
   trágicos	
   deveres,	
   apunhalou,	
   cruz	
   infernal].	
   Nota-­‐se,	
   ainda,	
   a	
  
referência	
  ao	
  tom	
  de	
  sua	
  pele	
  [obscura,	
  obscuro,	
  negro,	
  escuro]	
  como	
  indicador	
  de	
  
situações	
  adversas,	
  que	
  culminam	
  no	
  fechamento	
  [trágico,	
  triste	
  e	
  confessional]	
  
do	
  soneto:	
  sei	
  que	
  cruz	
  infernal	
  prendeu-­‐te	
  os	
  braços/	
  e	
  o	
  teu	
  suspiro	
  como	
  foi	
  
profundo.	
  Posto	
  isso	
  e	
  considerando	
  os	
  aspectos	
  da	
  vida	
  do	
  poeta	
  que	
  escreveu	
  
poemas	
   em	
   que	
   denuncia	
   de	
   forma	
   explícita	
   o	
   preconceito	
   racial	
   [caso	
   do	
  
“Emparedado”],	
  pode-­‐se	
  assinalar	
  a	
  alterna7va	
  “a”.	
  
temas abordados na questão
literatura	
  negra,	
  simbolismo	
  
Negócio	
  seguinte.	
  Três	
  reis	
  magrinhos	
  ouviram	
  um	
  piá	
  de	
  que	
  7nha	
  nascido	
  um	
  
Guri.	
  viram	
  o	
  cometo	
  no	
  Oriente	
  e	
  tal	
  e	
  se	
  flagraram	
  que	
  o	
  Guri	
  7nha	
  pintado	
  por	
  
lá.	
  Os	
  profetas,	
  que	
  não	
  eram	
  de	
  dar	
  cascata,	
  já	
  7nham	
  dicado	
  o	
  troço:	
  em	
  Belém,	
  
da	
  Judeia,	
  vai	
  nascer	
  o	
  Salvador,	
  e	
  tá	
  falado.	
  Os	
  três	
  magrinhos	
  se	
  mandaram.	
  Mas	
  
deram	
  o	
  maior	
  fora.	
  Em	
  vez	
  de	
  irem	
  direto	
  para	
  Belém,	
  como	
  mandava	
  o	
  catálogo,	
  
resolveram	
  dar	
  uma	
  inverta	
  no	
  velho	
  Herodes,	
  em	
  Jerusalém.	
  Pra	
  quê!	
  Chegaram	
  
lá	
  de	
  boca	
  aberta	
  e	
  entregaram	
  toda	
  a	
  trama.	
  Perguntaram:	
  Onde	
  está	
  o	
  rei	
  que	
  
acaba	
   de	
   nascer?	
   Vimos	
   sua	
   estrela	
   no	
   Oriente	
   e	
   viemos	
   adorá-­‐lo.	
   Quer	
   dizer,	
  
pegou	
  mal.	
  Muito	
  mal.	
  O	
  velho	
  Herodes,	
  que	
  era	
  um	
  oligão,	
  ficou	
  grilado.	
  Que	
  rei	
  
era	
  aquele?	
  Ele	
  é	
  que	
  era	
  o	
  dono	
  da	
  praça.	
  Mas	
  comeu	
  em	
  boca	
  e	
  disse:	
  Joia.	
  
Onde	
  é	
  que	
  esse	
  guri	
  vai	
  se	
  apresentar?	
  Em	
  que	
  canal?	
  Quem	
  é	
  o	
  empresário?	
  Tem	
  
baixo	
  elétrico?	
  Quero	
  saber	
  tudo.	
  Os	
  magrinhos	
  disseram	
  que	
  iam	
  flagrar	
  o	
  Guri	
  e	
  
na	
  volta	
  dicavam	
  tudo	
  para	
  o	
  coroa.	
  
A	
  HISTÓRIA,	
  MAIS	
  OU	
  MENOS	
  
VERISSIMO,	
  L.	
  F.	
  O	
  nariz	
  e	
  outras	
  crônicas.	
  São	
  Paulo:	
  Á7ca,	
  1994.	
  
QUESTÃO 04
primeira aplicação do ENEM-2014
Na	
  crônica	
  de	
  Verissimo,	
  a	
  estratégia	
  para	
  gerar	
  o	
  efeito	
  de	
  humor	
  decorre	
  do(a)	
  
a)	
  linguagem	
  rebuscada	
  u7lizada	
  pelo	
  narrador	
  no	
  tratamento	
  do	
  assunto.	
  
b)	
  inserção	
  de	
  perguntas	
  diretas	
  acerca	
  do	
  acontecimento	
  narrado.	
  
c)	
  caracterização	
  dos	
  lugares	
  onde	
  se	
  passa	
  a	
  história.	
  
d)	
  emprego	
  de	
  termos	
  bíblicos	
  de	
  forma	
  descontextualizada.	
  
e)	
  contraste	
  entre	
  o	
  tema	
  abordado	
  e	
  a	
  linguagem	
  u7lizada.	
  
SOLUÇÃO COMENTADA
primeira aplicação do ENEM-2014
Na	
   crônica	
   em	
   análise,	
   nota-­‐se	
   ni7damente	
   uma	
   intertextualidade	
   com	
   o	
   texto	
  
bíblico	
  que	
  trata	
  do	
  nascimento	
  de	
  Jesus.	
  
temas abordados na questão
espécies	
  literárias:	
  crônica,	
  intertextualidade,	
  padrões	
  linguísBcos,	
  efeitos	
  irônicos	
  
Nela,	
  o	
  cronista	
  reconstrói	
  a	
  história	
  sagrada	
  valendo-­‐se	
  de	
  gíria	
  e	
  de	
  inúmeros	
  
traços	
  da	
  linguagem	
  informal.	
  
Ao	
  verter	
  um	
  acontecimento	
  solene	
  para	
  uma	
  linguagem	
  tão	
  simplória,	
  entrevê-­‐se	
  
uma	
  postura	
  irreverente,	
  irônica.	
  Posto	
  isso,	
  deve-­‐se	
  assinalar	
  a	
  alterna7va	
  “e”.	
  
FABIANA,	
  arrepelando-­‐se	
  de	
  raiva	
  –	
  Hum!	
  Ora,	
  eis	
  aí	
  está	
  para	
  que	
  se	
  casou	
  meu	
  
filho,	
   e	
   trouxe	
   a	
   mulher	
   para	
   minha	
   casa.	
   É	
   isto	
   constantemente.	
   Não	
   sabe	
   o	
  
senhor	
  meu	
  filho	
  que	
  quem	
  casa	
  quer	
  casa...	
  Já	
  não	
  posso,	
  não	
  posso,	
  não	
  posso!	
  
(Batendo	
  com	
  o	
  pé)	
  Um	
  dia	
  arrebento,	
  e	
  então	
  veremos!	
  
PENA,	
  M.	
  Quem	
  casa	
  quer	
  casa.	
  htp://www.dominiopublico.com.br.	
  Acesso	
  em:	
  7	
  dez.	
  2012.	
  
QUESTÃO 05
primeira aplicação do ENEM-2014
As	
   rubricas,	
   em	
   itálico,	
   como	
   as	
   trazidas	
   no	
   trecho	
   de	
   Mar7ns	
   Pena,	
   em	
   uma	
  
atuação	
  teatral,	
  cons7tuem	
  
a)	
  necessidade,	
  porque	
  as	
  encenações	
  precisam	
  ser	
  fieis	
  às	
  diretrizes	
  do	
  autor.	
  
b)	
  possibilidade,	
  porque	
  o	
  texto	
  pode	
  ser	
  mudado,	
  assim	
  como	
  outros	
  elementos.	
  
c)	
  preciosismo,	
  porque	
  são	
  irrelevantes	
  para	
  o	
  texto	
  ou	
  para	
  a	
  encenação.	
  
d)	
  exigência,	
  porque	
  elas	
  determinam	
  as	
  caracterís7cas	
  do	
  texto	
  teatral.	
  
e)	
  imposição,	
  porque	
  elas	
  anulam	
  a	
  autonomia	
  do	
  diretor.	
  
SOLUÇÃO COMENTADA
primeira aplicação do ENEM-2014
As	
  rubricas	
  fazem	
  parte	
  do	
  texto	
  teatral.	
  Na	
  contemporaneidade,	
  entretanto,	
  os	
  
diretores	
  teatrais	
  não	
  se	
  preocupam	
  tanto	
  em	
  ser	
  fieis	
  às	
  indicações	
  do	
  autor	
  da	
  
peça.	
  Posto	
  isso,	
  deve-­‐se	
  assinalar	
  a	
  alterna7va	
  “b”.	
  
temas abordados na questão
gêneros	
  literários:	
  dramáBco	
  ou	
  teatral	
  
Escrever	
  prosa	
  é	
  uma	
  arte	
  ingrata.	
  Eu	
  digo	
  prosa	
  fiada,	
  como	
  faz	
  um	
  cronista;	
  não	
  
a	
  prosa	
  de	
  um	
  ficcionista,	
  na	
  qual	
  este	
  é	
  levado	
  meio	
  a	
  tapas	
  pelas	
  personagens	
  e	
  
situações	
   que,	
   azar	
   dele,	
   criou	
   porque	
   quis.	
   Com	
   um	
   prosador	
   do	
   co7diano,	
   a	
  
coisa	
  fia	
  mais	
  fino.	
  Senta-­‐se	
  ele	
  diante	
  de	
  sua	
  máquina,	
  olha	
  através	
  da	
  janela	
  e	
  
busca	
   fundo	
   em	
   sua	
   imaginação	
   um	
   fato	
   qualquer,	
   de	
   preferência	
   colhido	
   no	
  
no7ciário	
   matu7no,	
   ou	
   da	
   vésper,	
   em	
   que,	
   com	
   as	
   suas	
   ar7manhas	
   peculiares,	
  
possa	
  injetar	
  um	
  sangue	
  novo.	
  Se	
  nada	
  houver,	
  resta-­‐lhe	
  o	
  recurso	
  de	
  olhar	
  em	
  
torno	
  e	
  esperar	
  que,	
  através	
  de	
  um	
  processo	
  associa7vo,	
  surja-­‐lhe	
  de	
  repente	
  a	
  
crônica,	
  provinda	
  dos	
  fatos	
  e	
  feitos	
  de	
  sua	
  vida	
  emocionalmente	
  despertados	
  pela	
  
concentração.	
   Ou	
   então,	
   em	
   úl7ma	
   instância,	
   recorrer	
   ao	
   assunto	
   da	
   falta	
   de	
  
assunto,	
   já	
   bastante	
   gasto,	
   mas	
   do	
   qual,	
   no	
   ato	
   de	
   escrever,	
   pode	
   surgir	
   o	
  
inesperado.	
  
O	
  EXERCÍCIO	
  DA	
  CRÔNICA	
  
MORAES,	
  V.	
  Para	
  viver	
  um	
  grande	
  amor:	
  crônicas	
  e	
  poemas.	
  São	
  Paulo:	
  	
  
QUESTÃO 06
primeira aplicação do ENEM-2014
Predomina	
  nesse	
  texto	
  a	
  função	
  da	
  linguagem	
  que	
  se	
  cons7tui	
  
a)	
  nas	
  diferenças	
  entre	
  o	
  cronista	
  e	
  o	
  ficcionista.	
  
b)	
  nos	
  elementos	
  que	
  servem	
  de	
  inspiração	
  ao	
  cronista.	
  
c)	
  nos	
  elementos	
  que	
  podem	
  ser	
  tratados	
  em	
  uma	
  crônica.	
  
d)	
  nos	
  assuntos	
  da	
  vida	
  do	
  cronista	
  no	
  processo	
  de	
  escrita	
  da	
  crônica.	
  
e)	
  nas	
  dificuldades	
  de	
  se	
  escrever	
  uma	
  crônica	
  por	
  meio	
  de	
  uma	
  crônica.	
  
SOLUÇÃO COMENTADA
primeira aplicação do ENEM-2014
A	
  peça	
  textual	
  em	
  análise,	
  essencialmente	
  metalinguís7ca,	
  fala	
  exclusivamente	
  da	
  
dificuldade	
  em	
  se	
  fazer	
  uma	
  crônica.	
  Isso	
  pode	
  ser	
  facilmente	
  percebido	
  nas	
  duas	
  
primeiras	
  frases	
  do	
  texto.	
  Marque-­‐se,	
  portanto,	
  a	
  letra	
  “e”.	
  
temas abordados na questão
funções	
  da	
  linguagem,	
  metalinguagem	
  
Quando	
  Deus	
  redimiu	
  da	
  7rania	
  
Da	
  mão	
  do	
  Faraó	
  endurecido	
  
O	
  Povo	
  Hebreu	
  amado,	
  e	
  esclarecido,	
  
Páscoa	
  ficou	
  da	
  redenção	
  o	
  dia.	
  
Páscoa	
  de	
  flores,	
  dia	
  de	
  alegria	
  
Àquele	
  povo	
  foi	
  tão	
  afligido	
  
O	
  dia,	
  em	
  que	
  por	
  Deus	
  foi	
  redimido;	
  
Ergo	
  sois	
  vós,	
  Senhor,	
  Deus	
  da	
  Bahia.	
  
Pois	
  mandado	
  pela	
  alta	
  Majestade	
  
Nos	
  remiu	
  de	
  tão	
  triste	
  ca7veiro,	
  
Nos	
  livrou	
  de	
  tão	
  vil	
  calamidade.	
  
Quem	
  pode	
  ser	
  senão	
  um	
  verdadeiro	
  
Deus,	
  que	
  veio	
  ex7rpar	
  desta	
  cidade	
  
O	
  Faraó	
  do	
  povo	
  brasileiro.	
  
DAMASCENO.	
  D.	
  (Org.)	
  Melhores	
  poemas:	
  Gregório	
  de	
  Matos.	
  São	
  Paulo:	
  Globo,	
  2006.	
  
QUESTÃO 07
primeira aplicação do ENEM-2014
Com	
   uma	
   elaboração	
   de	
   linguagem	
   e	
   uma	
   visão	
   de	
   mundo	
   que	
   apresentam	
  
princípios	
  barrocos,	
  o	
  soneto	
  de	
  Gregório	
  de	
  Matos	
  apresenta	
  temá7ca	
  expressa	
  
por	
  
a)	
  visão	
  cé7ca	
  sobre	
  as	
  relações	
  sociais.	
  
b)	
  preocupação	
  com	
  a	
  iden7dade	
  brasileira.	
  
c)	
  crí7ca	
  velada	
  à	
  forma	
  de	
  governo	
  vigente.	
  
d)	
  reflexão	
  sobre	
  os	
  dogmas	
  do	
  cris7anismo.	
  
e)	
  ques7onamento	
  das	
  prá7cas	
  pagãs	
  da	
  Bahia.	
  
SOLUÇÃO COMENTADA
primeira aplicação do ENEM-2014
No	
  soneto	
  em	
  análise,	
  o	
  sujeito	
  poé7co	
  constrói	
  um	
  paralelo	
  [alegórico]	
  entre	
  a	
  
situação	
  do	
  povo	
  “hebreu”	
  [apresentada	
  na	
  Bíblia	
  Sagrada]	
  e	
  a	
  do	
  povo	
  baiano	
  
[da	
  segunda	
  metade	
  do	
  século	
  XVII].	
  Sofrem	
  ambos	
  com	
  um	
  mau	
  governante	
  [o	
  
Faraó].	
  Nos	
  dois	
  tercetos,	
  nota-­‐se	
  um	
  desejo	
  de	
  libertação.	
  Marque-­‐se,	
  portanto,	
  a	
  
letra	
  “c”.	
  
temas abordados na questão
figuras	
  de	
  linguagem,	
  barroco	
  
Ditado	
   popular	
   é	
   uma	
   frase	
   sentenciosa,	
   concisa,	
   de	
   verdade	
   comprovada,	
  
baseada	
  na	
  secular	
  experiência	
  do	
  povo,	
  exposta	
  de	
  forma	
  o	
  é7ca,	
  contendo	
  uma	
  
norma	
  de	
  conduta	
  ou	
  qualquer	
  outro	
  ensinamento.	
  
WEITZEL,	
  A.	
  H.	
  Folclore	
  literário	
  e	
  linguísBco.	
  Juiz	
  de	
  Fora:	
  Esdeva,	
  1984.	
  Fragmento.	
  
Rindo	
   brincalhona,	
   dando-­‐lhe	
   tapinhas	
   nas	
   costas,	
   prima	
   Constança	
   disse	
   isto,	
  
dorme	
  no	
  assunto,	
  ouça	
  o	
  travesseiro,	
  não	
  tem	
  melhor	
  conselheiro.	
  
Enquanto	
  prima	
  Biela	
  dormia	
  no	
  assunto,	
  toda	
  a	
  casa	
  se	
  alvoroçava.	
  
[Prima	
  Constança]	
  ia	
  rezar,	
  pedir	
  a	
  Deus	
  para	
  iluminar	
  a	
  cabeça	
  de	
  Biela.	
  Mas	
  ia	
  
também	
  tomar	
  suas	
  providências.	
  Casamento	
  e	
  mortalha	
  no	
  seu	
  se	
  talha.	
  Deus	
  
escreve	
   direito	
   por	
   linhas	
   tortas.	
   O	
   que	
   for	
   soará.	
   Dizia	
   os	
   ditados	
   todos,	
  
procurando	
   interpretar	
   os	
   desígnios	
   de	
   Deus,	
   transformar	
   os	
   seus	
   desejos	
   nos	
  
desígnios	
  de	
  Deus.	
  Se	
  achava	
  um	
  instrumento	
  de	
  Deus.	
  
DOURADO,	
  A.	
  Uma	
  vida	
  em	
  segredo.	
  Rio	
  de	
  Janeiro:	
  Francisco	
  Alves,	
  1990.	
  Fragmento.	
  
QUESTÃO 08
primeira aplicação do ENEM-2014
O	
  uso	
  que	
  prima	
  Constança	
  faz	
  dos	
  ditados	
  populares,	
  no	
  texto	
  II,	
  cons7tui	
  uma	
  
maneira	
  de	
  u7lizar	
  o	
  saber	
  definido	
  no	
  texto	
  I,	
  porque	
  
a)	
  cita-­‐os	
  pela	
  força	
  do	
  hábito.	
  
b)	
  aceita-­‐os	
  como	
  verdade	
  absoluta.	
  
c)	
  aciona-­‐os	
  para	
  jus7ficar	
  suas	
  ações.	
  
d)	
  toma-­‐os	
  para	
  solucionar	
  um	
  problema.	
  
e)	
  considera-­‐os	
  como	
  uma	
  orientação	
  divina.	
  
SOLUÇÃO COMENTADA
primeira aplicação do ENEM-2014
Na	
   penúl7ma	
   frase,	
   entrevê-­‐se	
   que	
   Constança,	
   ao	
   usar	
   os	
   ditados,	
   procurava	
  
adaptar	
  as	
  ditas	
  vontades	
  de	
  Deus	
  [na	
  verdade,	
  o	
  senso	
  comum]	
  aos	
  seus	
  desejos.	
  
Por	
  isso	
  mesmo,	
  deve-­‐se	
  assinalar	
  a	
  alterna7va	
  “c”.	
  
temas abordados na questão
quarta	
  geração	
  do	
  modernismo:	
  narraBva	
  regional	
  
João	
  Guedes,	
  um	
  dos	
  assíduos	
  frequentadores	
  do	
  boliche	
  do	
  capitão,	
  mudara-­‐se	
  
de	
  campanha	
  havia	
  três	
  anos.	
  Três	
  anos	
  de	
  pobreza	
  na	
  cidade	
  bastaram	
  para	
  o	
  
desagradar.	
  Ao	
  morrer,	
  não	
  7nha	
  um	
  vintém	
  nos	
  bolsos	
  e	
  fazia	
  dois	
  meses	
  que	
  
saíra	
  da	
  cadeia,	
  onde	
  es7vera	
  preso	
  por	
  roubo	
  de	
  ovelha.	
  
A	
  história	
  de	
  sua	
  desgraça	
  se	
  confunde	
  com	
  a	
  da	
  maioria	
  dos	
  que	
  povoam	
  a	
  aldeia	
  
de	
   Boa	
   Ventura,	
   uma	
   cidadezinha	
   distante,	
   triste	
   e	
   precocemente	
   envelhecida,	
  
situadas	
  nos	
  confins	
  da	
  fronteira	
  do	
  Brasil	
  com	
  o	
  Uruguai.	
  
MARTINS,	
  C.	
  Porteira	
  fechada.	
  Porto	
  Alegre:	
  Movimento,	
  2001.	
  Fragmento.	
  
Comecei	
   a	
   procurar	
   emprego,	
   já	
   topando	
   o	
   que	
   desse	
   e	
   viesse,	
   menos	
  
complicação	
  com	
  os	
  homens,	
  mas	
  não	
  tava	
  fácil.	
  Fui	
  na	
  feira,	
  fui	
  nos	
  bancos	
  de	
  
sangue,	
  fui	
  nesses	
  lugares	
  que	
  sempre	
  davam	
  para	
  descolar	
  algum,	
  fui	
  de	
  porta	
  
em	
  porta	
  me	
  oferecendo	
  de	
  faxineiro,	
  mas	
  tava	
  todo	
  mundo	
  escabreado	
  pedindo	
  
referências,	
  e	
  referências	
  eu	
  só	
  7nha	
  do	
  diretor	
  do	
  presídio.	
  
FONSECA,	
  R.	
  Feliz	
  ano	
  novo.	
  São	
  Paulo:	
  Companhia	
  das	
  Letras,	
  1989.	
  Fragmento.	
  
QUESTÃO 09
primeira aplicação do ENEM-2014
A	
   oposição	
   entre	
   campo	
   e	
   cidade	
   esteve	
   entre	
   as	
   temá7cas	
   tradicionais	
   da	
  
literatura	
   brasileira.	
   Nos	
   fragmentos	
   dos	
   dois	
   autores	
   contemporâneos,	
   esse	
  
embate	
  incorpora	
  um	
  elemento	
  novo:	
  a	
  questão	
  da	
  violência	
  e	
  do	
  desemprego.	
  As	
  
narra7vas	
  apresentam	
  confluência,	
  pois	
  neles	
  o(a)	
  
a)	
   criminalidade	
   é	
   algo	
   inerente	
   ao	
   ser	
   humano,	
   que	
   sucumbe	
   a	
   suas	
  
manifestações.	
  
b)	
   meio	
   urbano,	
   especialmente	
   o	
   das	
   grandes	
   cidades,	
   es7mula	
   uma	
   vida	
   mais	
  
violenta.	
  
c)	
   falta	
   de	
   oportunidades	
   na	
   cidade	
   dialoga	
   com	
   a	
   pobreza	
   do	
   campo	
   rumo	
   à	
  
criminalidade.	
  
d)	
   êxodo	
   rural	
   e	
   a	
   falta	
   de	
   escolaridade	
   são	
   causas	
   da	
   violência	
   nas	
   grandes	
  
cidades.	
  
e)	
   complacência	
   das	
   leia	
   e	
   a	
   inércia	
   das	
   personagens	
   são	
   esmulos	
   à	
   prá7ca	
  
criminosa.	
  
SOLUÇÃO COMENTADA
primeira aplicação do ENEM-2014
Uma	
  das	
  tendências	
  mais	
  relevantes	
  da	
  literatura	
  produzida	
  depois	
  dos	
  anos	
  1970	
  
no	
   Brasil	
   é	
   a	
   expressividade	
   da	
   violência	
   [denominada	
   de	
   ultrarrealista	
   ou	
  
hiperrealista],	
   manifesta	
   tanto	
   nos	
   recursos	
   técnicos	
   quanto	
   na	
   temá7ca	
   das	
  
narra7vas.	
   Em	
   tais	
   obras,	
   nota-­‐se	
   uma	
   denúncia	
   explícita,	
   transparente	
   e	
  
documental	
   das	
   situações	
   de	
   exclusão	
   vivenciadas	
   principalmente	
   pelo	
   homem	
  
dos	
  grandes	
  centros	
  urbanos.	
  É	
  o	
  que	
  se	
  encontra	
  na	
  obra	
  de	
  ficcionistas	
  como	
  
Paulo	
  Lins,	
  Sérgio	
  Sant’Anna,	
  Rubem	
  Fonseca,	
  Ferréz	
  e	
  André	
  Sant’Anna.	
  
temas abordados na questão
quarta	
  geração	
  do	
  modernismo:	
  narraBva	
  hiperrealista	
  ou	
  ultrarrealista	
  
A	
   convergência	
   temá7ca	
   existente	
   entre	
   os	
   dois	
   fragmentos	
   transcritos	
   nesta	
  
questão	
   passa	
   pela	
   exclusão	
   social	
   [vivenciada	
   tanto	
   pelo	
   homem	
   do	
   interior	
  
quanto	
  pelo	
  da	
  cidade	
  grande]	
  que	
  acaba	
  levando	
  à	
  criminalidade	
  [no	
  primeiro	
  
fragmento,	
   o	
   protagonista	
   vai	
   preso	
   por	
   roubar	
   uma	
   ovelha;	
   no	
   segundo,	
   tem	
  
dificuldades	
   em	
   conseguir	
   emprego	
   devido	
   ao	
   fato	
   de	
   ter	
   sido	
   preso].	
   O	
   que	
  
importa	
   em	
   narra7vas	
   como	
   essas	
   é	
   a	
   denúncia	
   explícita	
   das	
   situações	
   de	
  
violência	
   e	
   de	
   exclusão	
   oriundas	
   pelo	
   modelo	
   social	
   vigente	
   no	
   país	
   após	
   o	
  
advento	
  da	
  Ditadura	
  Militar.	
  Marque-­‐se,	
  pois,	
  a	
  letra	
  “c”.	
  
Morder	
  o	
  fruto	
  amargo	
  e	
  não	
  cuspir	
  
Mas	
  avisar	
  aos	
  outros	
  quanto	
  é	
  amargo	
  
Cumprir	
  o	
  trato	
  injusto	
  e	
  não	
  falhar	
  
Mas	
  avisar	
  aos	
  outros	
  quanto	
  é	
  injusto	
  
Sofrer	
  o	
  esquema	
  falso	
  e	
  não	
  ceder	
  
Mas	
  avisar	
  aos	
  outros	
  quanto	
  é	
  falso	
  
Dizer	
  também	
  que	
  são	
  coisas	
  mutáveis...	
  
E	
  quando	
  em	
  muitos	
  a	
  não	
  pulsar	
  
–	
  do	
  amargo	
  e	
  injusto	
  e	
  falso	
  por	
  mudar	
  –	
  
então	
  confiar	
  à	
  gente	
  exausta	
  o	
  plano	
  
de	
  um	
  mundo	
  novo	
  e	
  muito	
  mais	
  humano.	
  
CAMPOS,	
  G.	
  Tarefa.	
  Rio	
  de	
  Janeiro:	
  Civilização	
  Brasileira,	
  1981.	
  
TAREFA	
  
QUESTÃO 10
primeira aplicação do ENEM-2014
Na	
  organização	
  do	
  poema,	
  os	
  empregos	
  da	
  conjunção	
  “mas”	
  ar7culam,	
  para	
  além	
  
de	
  sua	
  função	
  sintá7ca,	
  
a)	
  a	
  ligação	
  entre	
  verbos	
  seman7camente	
  semelhantes.	
  
b)	
  a	
  oposição	
  entre	
  ações	
  aparentemente	
  inconciliáveis.	
  
c)	
  a	
  introdução	
  do	
  argumento	
  mais	
  forte	
  de	
  uma	
  sequência.	
  
d)	
  o	
  reforço	
  da	
  causa	
  apresentada	
  no	
  enunciado	
  introdutório.	
  
e)	
  a	
  intensidade	
  dos	
  problemas	
  sociais	
  presentes	
  no	
  mundo.	
  
SOLUÇÃO COMENTADA
primeira aplicação do ENEM-2014
O	
  poema	
  em	
  análise,	
  de	
  intensa	
  conotação	
  social,	
  fala	
  sobre	
  um	
  “mundo	
  novo”,	
  
“muito	
  mais	
  humano”,	
  que	
  seria	
  construído,	
  de	
  acordo	
  com	
  o	
  sujeito	
  poé7co,	
  por	
  
intermédio	
   da	
   cooperação	
   [principalmente]	
   daqueles	
   “mais	
   experientes”,	
   “mais	
  
vividos”,	
  que	
  teriam	
  a	
  função	
  de	
  instruir,	
  de	
  avisar,	
  de	
  delinear,	
  por	
  meio	
  de	
  sua	
  
vivência,	
  como	
  chegar	
  a	
  essa	
  nova	
  civilização.	
  
temas abordados na questão
terceira	
  geração	
  do	
  modernismo:	
  poesia	
  social,	
  valor	
  dos	
  arBculadores	
  
Quanto	
  à	
  estrutura,	
  o	
  texto	
  ar7cula-­‐se	
  por	
  intermédio	
  de	
  anteses	
  [ligadas,	
  no	
  
caso,	
  pelo	
  ar7culador	
  “mas”,	
  destacado	
  no	
  comando	
  desta	
  questão],	
  por	
  meio	
  das	
  
quais	
   se	
   apresenta,	
   em	
   um	
   primeiro	
   momento,	
   a	
   situação	
   problemá7ca,	
   e,	
   em	
  
seguida,	
   sua	
   u7lidade/função	
   [ou,	
   se	
   quiserem,	
   o	
   “argumento	
   mais	
   forte”]	
   na	
  
construção	
  da	
  utopia	
  proposta	
  pelo	
  sujeito	
  poé7co.	
  Posto	
  isso,	
  deve-­‐se	
  assinalar	
  a	
  
alterna7va	
  “c”.	
  
O	
   correr	
   da	
   vida	
   embrulha	
   tudo.	
   A	
   vida	
   é	
   assim:	
   esquenta	
   ou	
   esfria,	
   aperta	
   ou	
  
afrouxa,	
  sossega	
  e	
  depois	
  desinquieta.	
  O	
  que	
  ela	
  quer	
  da	
  gente	
  é	
  coragem.	
  
ROSA,	
  J.	
  G.	
  Grande	
  sertão:	
  veredas.	
  Rio	
  de	
  Janeiro:	
  Nova	
  Fronteira,	
  1956.	
  
QUESTÃO 11
primeira aplicação do ENEM-2014
No	
  romance	
  Grande	
  sertão:	
  veredas,	
  o	
  protagonista	
  Riobaldo	
  narra	
  sua	
  trajetória	
  
de	
  jagunço.	
  A	
  leitura	
  do	
  trecho	
  permite	
  iden7ficar	
  que	
  o	
  desabafo	
  de	
  Riobaldo	
  se	
  
aproxima	
  de	
  um(a)	
  
a)	
  diário,	
  por	
  trazer	
  lembranças	
  pessoais.	
  
b)	
  fábula,	
  por	
  apresentar	
  uma	
  lição	
  de	
  moral.	
  
c)	
  nocia,	
  por	
  informar	
  sobre	
  um	
  acontecimento.	
  
d)	
  aforismo,	
  por	
  expor	
  uma	
  máxima	
  em	
  poucas	
  palavras.	
  
e)	
  crônica,	
  por	
  tratar	
  de	
  fatos	
  do	
  co7diano.	
  
SOLUÇÃO COMENTADA
primeira aplicação do ENEM-2014
Na	
   escrita	
   de	
   Guimarães	
   Rosa,	
   frequentemente	
   o	
   narrador	
   tece	
   considerações	
  
filosóficas	
   [máximas]	
   e	
   as	
   manifesta	
   por	
   meio	
   de	
   frases	
   curtas,	
   denominadas	
  
aforismos.	
  Assinale-­‐se	
  a	
  letra	
  “d”.	
  
temas abordados na questão
terceira	
  geração	
  do	
  modernismo:	
  regionalismo	
  universalista	
  
Abençoado	
  seja	
  o	
  camelô	
  dos	
  brinquedos	
  de	
  tostão:	
  
O	
  que	
  vende	
  balõezinhos	
  de	
  cor	
  
O	
  macaquinho	
  que	
  trepa	
  no	
  coqueiro	
  
O	
  cachorrinho	
  que	
  bate	
  com	
  o	
  rabo	
  
Os	
  homenzinhos	
  que	
  jogam	
  boxe	
  
A	
  perereca	
  verde	
  que	
  de	
  repente	
  dá	
  um	
  pulo	
  que	
  engraçado	
  
E	
  as	
  cane7nhas-­‐7nteiro	
  que	
  jamais	
  escreverão	
  coisa	
  alguma.	
  
CAMELÔS	
  
Alegria	
  das	
  calçadas	
  
Uns	
  falam	
  pelos	
  cotovelos:	
  
–	
  “O	
  cavalheiro	
  chega	
  em	
  casa	
  e	
  diz:	
  Meu	
  filho	
  vai	
  buscar	
  
um	
  pedaço	
  de	
  banana	
  para	
  eu	
  acender	
  o	
  charuto.	
  
Naturalmente	
  o	
  menino	
  pensará:	
  Papai	
  está	
  malu...”	
  
Outros,	
  coitados,	
  têm	
  a	
  língua	
  atada.	
  
Todos	
  porém	
  sabem	
  mexer	
  nos	
  cordéis	
  com	
  o	
  7no	
  ingênuo	
  de	
  
demiurgos	
  de	
  inu7lidades.	
  
E	
  ensinam	
  no	
  tumulto	
  das	
  ruas	
  os	
  mitos	
  heroicos	
  da	
  
meninice...	
  
E	
  dão	
  aos	
  homens	
  que	
  passam	
  preocupados	
  ou	
  tristes	
  
uma	
  lição	
  de	
  infância.	
  
BANDEIRA,	
  M.	
  Estrela	
  da	
  vida	
  inteira.	
  Rio	
  de	
  Janeiro:	
  Nova	
  Fronteira,	
  2007.	
  
QUESTÃO 12
primeira aplicação do ENEM-2014
Uma	
   das	
   diretrizes	
   do	
   Modernismo	
   foi	
   a	
   percepção	
   de	
   elementos	
   do	
   co7diano	
  
como	
   matéria	
   de	
   inspiração	
   poé7ca.	
   O	
   poema	
   de	
   Manuel	
   Bandeira	
   exemplifica	
  
essa	
  tendência	
  e	
  alcança	
  expressividade	
  porque	
  
a)	
  realiza	
  um	
  inventário	
  dos	
  elementos	
  lúdicos	
  tradicionais	
  da	
  criança	
  brasileira.	
  
b)	
  promove	
  uma	
  reflexão	
  sobre	
  a	
  realidade	
  de	
  pobreza	
  dos	
  centros	
  urbanos.	
  
c)	
  traduz	
  em	
  linguagem	
  lírica	
  o	
  mosaico	
  de	
  elementos	
  de	
  significação	
  corriqueira.	
  
d)	
  introduz	
  a	
  interlocução	
  como	
  mecanismos	
  de	
  construção	
  de	
  uma	
  poé7ca	
  nova.	
  
e)	
  constata	
  a	
  condição	
  melancólica	
  dos	
  homens	
  distantes	
  da	
  simplicidade	
  infan7l.	
  
SOLUÇÃO COMENTADA
primeira aplicação do ENEM-2014
O	
   poema	
   de	
   Manuel	
   Bandeira	
   faz	
   uma	
   leitura	
   lírica	
   do	
   co7diano.	
   Associa	
   os	
  
brinquedos	
  vendidos	
  pelos	
  camelôs	
  à	
  alegria	
  e	
  à	
  poesia	
  da	
  infância.	
  Nesse	
  sen7do,	
  
o	
  sujeito	
  poé7co	
  chega	
  a	
  chamar	
  os	
  camelos	
  de	
  deuses	
  da	
  inu7lidade.	
  Marque-­‐se,	
  
portanto,	
  a	
  letra	
  “c”.	
  
temas abordados na questão
primeira	
  geração	
  do	
  modernismo	
  
Talvez	
   pareça	
   excessivo	
   o	
   escrúpulo	
   do	
   Cotrim,	
   a	
   quem	
   não	
   souber	
   que	
   ele	
  	
  
possuía	
  um	
  caráter	
  ferozmente	
  honrado.	
  Eu	
  mesmo	
  fui	
  injusto	
  com	
  ele	
  durante	
  os	
  
anos	
  que	
  se	
  seguiram	
  ao	
  inventário	
  de	
  meu	
  pai.	
  Reconheço	
  que	
  era	
  um	
  modelo.	
  
Arguíam-­‐no	
   de	
   avareza,	
   e	
   cuido	
   que	
   7nham	
   razão;	
   mas	
   a	
   avareza	
   é	
   apenas	
   a	
  
exageração	
  de	
  uma	
  virtude,	
  e	
  as	
  virtudes	
  devem	
  ser	
  como	
  os	
  orçamentos:	
  melhor	
  
é	
   o	
   saldo	
   que	
   o	
   déficit.	
   Como	
   era	
   muito	
   seco	
   de	
   maneiras,	
   7nha	
   inimigos	
   que	
  
chegavam	
  a	
  acusá-­‐lo	
  de	
  bárbaro.	
  O	
  único	
  fato	
  alegado	
  neste	
  par7cular	
  era	
  o	
  de	
  
mandar	
   com	
   frequência	
   escravos	
   ao	
   calabouço,	
   donde	
   eles	
   desciam	
   a	
   escorrer	
  
sangue;	
  mas,	
  além	
  de	
  que	
  ele	
  só	
  mandava	
  os	
  perversos	
  e	
  os	
  fujões,	
  ocorre	
  que,	
  
tendo	
  longamente	
  contrabandeado	
  em	
  escravos,	
  habituara-­‐se	
  de	
  certo	
  modo	
  ao	
  
trato	
  um	
  pouco	
  mais	
  duro	
  que	
  esse	
  gênero	
  de	
  negócio	
  requeria,	
  e	
  não	
  se	
  pode	
  
honestamente	
   atribuir	
   à	
   índole	
   original	
   de	
   um	
   homem	
   o	
   que	
   é	
   puro	
   efeito	
   de	
  
relações	
  sociais.	
  A	
  prova	
  de	
  que	
  o	
  Cotrim	
  7nha	
  sen7mentos	
  pios	
  encontrava-­‐se	
  no	
  
seu	
   amor	
   aos	
   filhos,	
   e	
   na	
   dor	
   que	
   padeceu	
   quando	
   morreu	
   Sara,	
   dali	
   a	
   alguns	
  
meses;	
  prova	
  irrefutável,	
  acho	
  eu,	
  e	
  não	
  única.	
  Era	
  tesoureiro	
  de	
  uma	
  confraria,	
  e	
  
irmão	
   de	
   várias	
   irmandades,	
   e	
   até	
   irmão	
   remido	
   de	
   uma	
   destas,	
   o	
   que	
   não	
   se	
  
coaduna	
  muito	
  com	
  a	
  reputação	
  da	
  avareza;	
  verdade	
  é	
  que	
  o	
  bene•cio	
  não	
  caíra	
  
do	
  chão:	
  a	
  irmandade	
  (de	
  que	
  ele	
  fora	
  juiz)	
  mandara-­‐lhe	
  7rar	
  o	
  retrato	
  a	
  óleo.	
  
ASSIS,	
  M.	
  Memórias	
  póstumas	
  de	
  Brás	
  Cubas.	
  Rio	
  de	
  Janeiro:	
  Nova	
  Aguilar,	
  1992.	
  
QUESTÃO 13
primeira aplicação do ENEM-2014
Obra	
   que	
   inaugura	
   o	
   Realismo	
   na	
   Literatura	
   Brasileira,	
   Memórias	
   póstumas	
   de	
  
Brás	
  Cubas	
  condensa	
  uma	
  expressividade	
  que	
  caracterizaria	
  o	
  es7lo	
  machadiano:	
  
a	
  ironia.	
  Descrevendo	
  a	
  moral	
  de	
  seu	
  cunhado,	
  Cotrim,	
  o	
  narrador-­‐personagem	
  
Brás	
  Cubas	
  refina	
  a	
  percepção	
  irônica	
  ao	
  
a)	
  acusar	
  o	
  cunhado	
  de	
  ser	
  avarento	
  para	
  se	
  confessar	
  injus7çado	
  na	
  divisão	
  da	
  
herança	
  paterna.	
  
b)	
  atribuir	
  a	
  “efeito	
  de	
  relações	
  sociais”	
  a	
  naturalidade	
  com	
  que	
  Cotrim	
  prendia	
  e	
  
torturava	
  os	
  escravos.	
  
c)	
  considerar	
  os	
  “sen7mentos	
  pios”	
  demonstrados	
  pelo	
  personagem	
  quando	
  da	
  
perda	
  da	
  filha	
  Sara.	
  
d)	
  menosprezar	
  Cotrim	
  por	
  ser	
  tesoureiro	
  de	
  uma	
  confraria	
  e	
  membro	
  remido	
  de	
  
várias	
  irmandades.	
  
e)	
  insinuar	
  que	
  o	
  cunhado	
  era	
  homem	
  vaidoso	
  e	
  egocêntrico,	
  contemplado	
  com	
  
um	
  retrato	
  a	
  óleo.	
  
SOLUÇÃO COMENTADA
primeira aplicação do ENEM-2014
No	
  fragmento	
  em	
  análise,	
  o	
  narrador	
  protagonista	
  tenta	
  defender	
  a	
  tese	
  segundo	
  
a	
   qual	
   Cotrim	
   é	
   um	
   homem	
   honrado.	
   Ao	
   falar,	
   entretanto,	
   que	
   o	
   cunhado	
  
mandava	
  açoitar	
  escravos	
  puramente	
  por	
  convenção	
  social,	
  há	
  uma	
  crí7ca	
  velada	
  
à	
   desumanidade	
   e	
   à	
   selvageria	
   dessa	
   ação,	
   na	
   medida	
   em	
   que	
   os	
   negros	
   eram	
  
agredidos	
  a	
  ponto	
  de	
  sangrarem.	
  Marque-­‐se,	
  pois,	
  a	
  letra	
  “b”.	
  
temas abordados na questão
realismo,	
  ironia	
  

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Machado de assis
Machado de assisMachado de assis
Machado de assis
Seduc/AM
 
Como estudar artes para o ENEM
Como estudar artes para o ENEMComo estudar artes para o ENEM
Como estudar artes para o ENEM
ma.no.el.ne.ves
 
A [re]construção da identidade indígena pela literatura
A [re]construção da identidade indígena pela literatura A [re]construção da identidade indígena pela literatura
A [re]construção da identidade indígena pela literatura
Instituto Uka
 
Terceira aplicação do enem 2016, compreensão textxual
Terceira aplicação do enem 2016, compreensão textxualTerceira aplicação do enem 2016, compreensão textxual
Terceira aplicação do enem 2016, compreensão textxual
ma.no.el.ne.ves
 
Toda a Literatura
Toda a LiteraturaToda a Literatura
Toda a Literatura
Hildalene Pinheiro
 
Segunda geração do modernismo no ENEM
Segunda geração do modernismo no ENEMSegunda geração do modernismo no ENEM
Segunda geração do modernismo no ENEM
ma.no.el.ne.ves
 
O manifesto
O manifestoO manifesto
O manifesto
ma.no.el.ne.ves
 
Revisional de vanguardas europeias e de modernismo
Revisional de vanguardas europeias e de modernismoRevisional de vanguardas europeias e de modernismo
Revisional de vanguardas europeias e de modernismo
ma.no.el.ne.ves
 
Primeira geração do modernismo no ENEM
Primeira geração do modernismo no ENEMPrimeira geração do modernismo no ENEM
Primeira geração do modernismo no ENEM
ma.no.el.ne.ves
 
Aula sobre o arcadismo
Aula sobre o arcadismoAula sobre o arcadismo
Aula sobre o arcadismo
Elizabeth Vicente da Silva
 
Portfólio do projeto poesias 1º ano2 º trimestre 2010
Portfólio do projeto poesias 1º ano2 º trimestre 2010Portfólio do projeto poesias 1º ano2 º trimestre 2010
Portfólio do projeto poesias 1º ano2 º trimestre 2010
Colégio Degraus
 
Análise da obra cinco minutos
Análise da obra cinco minutosAnálise da obra cinco minutos
Análise da obra cinco minutos
mariliagaspar09
 
ENEM-2015 resolvido e comentado: Artes
ENEM-2015 resolvido e comentado: ArtesENEM-2015 resolvido e comentado: Artes
ENEM-2015 resolvido e comentado: Artes
ma.no.el.ne.ves
 
Movimentos literários
Movimentos literáriosMovimentos literários
Movimentos literários
Ronaldo Assis
 
Revisional de literatura moderna no enem
Revisional de literatura moderna no enemRevisional de literatura moderna no enem
Revisional de literatura moderna no enem
ma.no.el.ne.ves
 
Pre modernismo e modernismo
Pre modernismo e modernismoPre modernismo e modernismo
Pre modernismo e modernismo
Ivana Mayrink
 
ENEM-2017 resolvido e comentado: Artes
ENEM-2017 resolvido e comentado: ArtesENEM-2017 resolvido e comentado: Artes
ENEM-2017 resolvido e comentado: Artes
ma.no.el.ne.ves
 
Algumas reflexoes sobre Rosa de Hiroshima
Algumas reflexoes sobre Rosa de HiroshimaAlgumas reflexoes sobre Rosa de Hiroshima
Algumas reflexoes sobre Rosa de Hiroshima
Maércio Barroso
 
Lista de exercícios de Literatura (Vanguardas Europeias e Modernismo no Brasil)
Lista de exercícios de Literatura (Vanguardas Europeias e Modernismo no Brasil)Lista de exercícios de Literatura (Vanguardas Europeias e Modernismo no Brasil)
Lista de exercícios de Literatura (Vanguardas Europeias e Modernismo no Brasil)
Paula Meyer Piagentini
 
Modernismo
Modernismo Modernismo
Modernismo
Cláudia Heloísa
 

Mais procurados (20)

Machado de assis
Machado de assisMachado de assis
Machado de assis
 
Como estudar artes para o ENEM
Como estudar artes para o ENEMComo estudar artes para o ENEM
Como estudar artes para o ENEM
 
A [re]construção da identidade indígena pela literatura
A [re]construção da identidade indígena pela literatura A [re]construção da identidade indígena pela literatura
A [re]construção da identidade indígena pela literatura
 
Terceira aplicação do enem 2016, compreensão textxual
Terceira aplicação do enem 2016, compreensão textxualTerceira aplicação do enem 2016, compreensão textxual
Terceira aplicação do enem 2016, compreensão textxual
 
Toda a Literatura
Toda a LiteraturaToda a Literatura
Toda a Literatura
 
Segunda geração do modernismo no ENEM
Segunda geração do modernismo no ENEMSegunda geração do modernismo no ENEM
Segunda geração do modernismo no ENEM
 
O manifesto
O manifestoO manifesto
O manifesto
 
Revisional de vanguardas europeias e de modernismo
Revisional de vanguardas europeias e de modernismoRevisional de vanguardas europeias e de modernismo
Revisional de vanguardas europeias e de modernismo
 
Primeira geração do modernismo no ENEM
Primeira geração do modernismo no ENEMPrimeira geração do modernismo no ENEM
Primeira geração do modernismo no ENEM
 
Aula sobre o arcadismo
Aula sobre o arcadismoAula sobre o arcadismo
Aula sobre o arcadismo
 
Portfólio do projeto poesias 1º ano2 º trimestre 2010
Portfólio do projeto poesias 1º ano2 º trimestre 2010Portfólio do projeto poesias 1º ano2 º trimestre 2010
Portfólio do projeto poesias 1º ano2 º trimestre 2010
 
Análise da obra cinco minutos
Análise da obra cinco minutosAnálise da obra cinco minutos
Análise da obra cinco minutos
 
ENEM-2015 resolvido e comentado: Artes
ENEM-2015 resolvido e comentado: ArtesENEM-2015 resolvido e comentado: Artes
ENEM-2015 resolvido e comentado: Artes
 
Movimentos literários
Movimentos literáriosMovimentos literários
Movimentos literários
 
Revisional de literatura moderna no enem
Revisional de literatura moderna no enemRevisional de literatura moderna no enem
Revisional de literatura moderna no enem
 
Pre modernismo e modernismo
Pre modernismo e modernismoPre modernismo e modernismo
Pre modernismo e modernismo
 
ENEM-2017 resolvido e comentado: Artes
ENEM-2017 resolvido e comentado: ArtesENEM-2017 resolvido e comentado: Artes
ENEM-2017 resolvido e comentado: Artes
 
Algumas reflexoes sobre Rosa de Hiroshima
Algumas reflexoes sobre Rosa de HiroshimaAlgumas reflexoes sobre Rosa de Hiroshima
Algumas reflexoes sobre Rosa de Hiroshima
 
Lista de exercícios de Literatura (Vanguardas Europeias e Modernismo no Brasil)
Lista de exercícios de Literatura (Vanguardas Europeias e Modernismo no Brasil)Lista de exercícios de Literatura (Vanguardas Europeias e Modernismo no Brasil)
Lista de exercícios de Literatura (Vanguardas Europeias e Modernismo no Brasil)
 
Modernismo
Modernismo Modernismo
Modernismo
 

Semelhante a Enem 2014, literatura

20 questões de literatura segundo trimestre
20 questões de literatura segundo trimestre20 questões de literatura segundo trimestre
20 questões de literatura segundo trimestre
Paulo Klein
 
Literatura no enem 2010
Literatura no enem 2010Literatura no enem 2010
Literatura no enem 2010
ma.no.el.ne.ves
 
Questoes literatura prof. carlos alexandre(reformado por aluno felipe)‏
Questoes literatura   prof. carlos alexandre(reformado por aluno felipe)‏Questoes literatura   prof. carlos alexandre(reformado por aluno felipe)‏
Questoes literatura prof. carlos alexandre(reformado por aluno felipe)‏
tamandarealfamanha
 
Simulado lit-prise 3 ok
Simulado lit-prise 3 okSimulado lit-prise 3 ok
Simulado lit-prise 3 ok
Shislaine Mary Carvalho
 
ANÁLISE ALGUMA POESIA KDABRA.pptx
ANÁLISE ALGUMA POESIA KDABRA.pptxANÁLISE ALGUMA POESIA KDABRA.pptx
ANÁLISE ALGUMA POESIA KDABRA.pptx
PabloGabrielKdabra
 
ANÁLISE ALGUMA POESIA KDABRA.pptx
ANÁLISE ALGUMA POESIA KDABRA.pptxANÁLISE ALGUMA POESIA KDABRA.pptx
ANÁLISE ALGUMA POESIA KDABRA.pptx
PabloGabrielKdabra
 
Revisional de estilos de época 13, segunda geração do modernismo brasileiro
Revisional de estilos de época 13, segunda geração do modernismo brasileiroRevisional de estilos de época 13, segunda geração do modernismo brasileiro
Revisional de estilos de época 13, segunda geração do modernismo brasileiro
ma.no.el.ne.ves
 
Carlos Drummond de andrade
Carlos Drummond de andradeCarlos Drummond de andrade
Carlos Drummond de andrade
Aline Almeida
 
Análise de transpaixão, de waldo motta
Análise de transpaixão, de waldo mottaAnálise de transpaixão, de waldo motta
Análise de transpaixão, de waldo motta
ma.no.el.ne.ves
 
RecuperaçãO Final 2 Em
RecuperaçãO Final 2 EmRecuperaçãO Final 2 Em
RecuperaçãO Final 2 Em
Brenda Tacchelli
 
Exercício literatura professor alexandre
 Exercício literatura   professor alexandre Exercício literatura   professor alexandre
Exercício literatura professor alexandre
tamandarealfamanha
 
Augusto dos anjos aluno
Augusto dos anjos alunoAugusto dos anjos aluno
Augusto dos anjos aluno
Kathia Canizares
 
Avaliaçãoii unidade
Avaliaçãoii unidadeAvaliaçãoii unidade
Avaliaçãoii unidade
Manu Dias
 
Augusto dos Anjos
Augusto dos AnjosAugusto dos Anjos
Augusto dos Anjos
Kathia Canizares
 
eletiva 25_09 (1).pdf
eletiva 25_09 (1).pdfeletiva 25_09 (1).pdf
eletiva 25_09 (1).pdf
ProfessoraTiciana
 
Exrcícios de t rovadorismo e humanismo II
Exrcícios de t rovadorismo e humanismo IIExrcícios de t rovadorismo e humanismo II
Exrcícios de t rovadorismo e humanismo II
Raquel Dos Santos
 
Análise de textos poéticos
Análise de textos poéticosAnálise de textos poéticos
Análise de textos poéticos
José Alexandre Dos Santos
 
Análise de textos poéticos
Análise de textos poéticosAnálise de textos poéticos
Análise de textos poéticos
José Alexandre Dos Santos
 
Exrcícios de t rovadorismo e humanismo
Exrcícios de t rovadorismo e humanismoExrcícios de t rovadorismo e humanismo
Exrcícios de t rovadorismo e humanismo
Raquel Dos Santos
 
Avaliação de Português 2unid 1o ano com gabarito
Avaliação de Português 2unid 1o ano com gabaritoAvaliação de Português 2unid 1o ano com gabarito
Avaliação de Português 2unid 1o ano com gabarito
Val Valença
 

Semelhante a Enem 2014, literatura (20)

20 questões de literatura segundo trimestre
20 questões de literatura segundo trimestre20 questões de literatura segundo trimestre
20 questões de literatura segundo trimestre
 
Literatura no enem 2010
Literatura no enem 2010Literatura no enem 2010
Literatura no enem 2010
 
Questoes literatura prof. carlos alexandre(reformado por aluno felipe)‏
Questoes literatura   prof. carlos alexandre(reformado por aluno felipe)‏Questoes literatura   prof. carlos alexandre(reformado por aluno felipe)‏
Questoes literatura prof. carlos alexandre(reformado por aluno felipe)‏
 
Simulado lit-prise 3 ok
Simulado lit-prise 3 okSimulado lit-prise 3 ok
Simulado lit-prise 3 ok
 
ANÁLISE ALGUMA POESIA KDABRA.pptx
ANÁLISE ALGUMA POESIA KDABRA.pptxANÁLISE ALGUMA POESIA KDABRA.pptx
ANÁLISE ALGUMA POESIA KDABRA.pptx
 
ANÁLISE ALGUMA POESIA KDABRA.pptx
ANÁLISE ALGUMA POESIA KDABRA.pptxANÁLISE ALGUMA POESIA KDABRA.pptx
ANÁLISE ALGUMA POESIA KDABRA.pptx
 
Revisional de estilos de época 13, segunda geração do modernismo brasileiro
Revisional de estilos de época 13, segunda geração do modernismo brasileiroRevisional de estilos de época 13, segunda geração do modernismo brasileiro
Revisional de estilos de época 13, segunda geração do modernismo brasileiro
 
Carlos Drummond de andrade
Carlos Drummond de andradeCarlos Drummond de andrade
Carlos Drummond de andrade
 
Análise de transpaixão, de waldo motta
Análise de transpaixão, de waldo mottaAnálise de transpaixão, de waldo motta
Análise de transpaixão, de waldo motta
 
RecuperaçãO Final 2 Em
RecuperaçãO Final 2 EmRecuperaçãO Final 2 Em
RecuperaçãO Final 2 Em
 
Exercício literatura professor alexandre
 Exercício literatura   professor alexandre Exercício literatura   professor alexandre
Exercício literatura professor alexandre
 
Augusto dos anjos aluno
Augusto dos anjos alunoAugusto dos anjos aluno
Augusto dos anjos aluno
 
Avaliaçãoii unidade
Avaliaçãoii unidadeAvaliaçãoii unidade
Avaliaçãoii unidade
 
Augusto dos Anjos
Augusto dos AnjosAugusto dos Anjos
Augusto dos Anjos
 
eletiva 25_09 (1).pdf
eletiva 25_09 (1).pdfeletiva 25_09 (1).pdf
eletiva 25_09 (1).pdf
 
Exrcícios de t rovadorismo e humanismo II
Exrcícios de t rovadorismo e humanismo IIExrcícios de t rovadorismo e humanismo II
Exrcícios de t rovadorismo e humanismo II
 
Análise de textos poéticos
Análise de textos poéticosAnálise de textos poéticos
Análise de textos poéticos
 
Análise de textos poéticos
Análise de textos poéticosAnálise de textos poéticos
Análise de textos poéticos
 
Exrcícios de t rovadorismo e humanismo
Exrcícios de t rovadorismo e humanismoExrcícios de t rovadorismo e humanismo
Exrcícios de t rovadorismo e humanismo
 
Avaliação de Português 2unid 1o ano com gabarito
Avaliação de Português 2unid 1o ano com gabaritoAvaliação de Português 2unid 1o ano com gabarito
Avaliação de Português 2unid 1o ano com gabarito
 

Mais de ma.no.el.ne.ves

Segunda aplicação do ENEM-2019: Literatura
Segunda aplicação do ENEM-2019: LiteraturaSegunda aplicação do ENEM-2019: Literatura
Segunda aplicação do ENEM-2019: Literatura
ma.no.el.ne.ves
 
Segunda aplicação do ENEM-2019: Internet e tecnologias
Segunda aplicação do ENEM-2019: Internet e tecnologiasSegunda aplicação do ENEM-2019: Internet e tecnologias
Segunda aplicação do ENEM-2019: Internet e tecnologias
ma.no.el.ne.ves
 
Segunda aplicação do ENEM-2019: Identidades brasileiras
Segunda aplicação do ENEM-2019: Identidades brasileirasSegunda aplicação do ENEM-2019: Identidades brasileiras
Segunda aplicação do ENEM-2019: Identidades brasileiras
ma.no.el.ne.ves
 
Segunda aplicação do ENEM-2019: Educação Física
Segunda aplicação do ENEM-2019: Educação FísicaSegunda aplicação do ENEM-2019: Educação Física
Segunda aplicação do ENEM-2019: Educação Física
ma.no.el.ne.ves
 
Segunda aplicação do ENEM-2019: Compreensão textual
Segunda aplicação do ENEM-2019: Compreensão textualSegunda aplicação do ENEM-2019: Compreensão textual
Segunda aplicação do ENEM-2019: Compreensão textual
ma.no.el.ne.ves
 
Segunda aplicação do ENEM-2019: Aspectos gramaticais
Segunda aplicação do ENEM-2019: Aspectos gramaticaisSegunda aplicação do ENEM-2019: Aspectos gramaticais
Segunda aplicação do ENEM-2019: Aspectos gramaticais
ma.no.el.ne.ves
 
Segunda aplicação do ENEM-2019: Artes
Segunda aplicação do ENEM-2019: ArtesSegunda aplicação do ENEM-2019: Artes
Segunda aplicação do ENEM-2019: Artes
ma.no.el.ne.ves
 
ENEM-2019: Literatura
ENEM-2019: LiteraturaENEM-2019: Literatura
ENEM-2019: Literatura
ma.no.el.ne.ves
 
ENEM-2019: Internet e Tecnologias
ENEM-2019: Internet e TecnologiasENEM-2019: Internet e Tecnologias
ENEM-2019: Internet e Tecnologias
ma.no.el.ne.ves
 
ENEM-2019: Identidades brasileiras
ENEM-2019: Identidades brasileirasENEM-2019: Identidades brasileiras
ENEM-2019: Identidades brasileiras
ma.no.el.ne.ves
 
ENEM-2019: Aspectos Gramaticais
ENEM-2019: Aspectos GramaticaisENEM-2019: Aspectos Gramaticais
ENEM-2019: Aspectos Gramaticais
ma.no.el.ne.ves
 
ENEM-2019: Educação Física
ENEM-2019: Educação FísicaENEM-2019: Educação Física
ENEM-2019: Educação Física
ma.no.el.ne.ves
 
ENEM-2019: Compreensão Textual
ENEM-2019: Compreensão TextualENEM-2019: Compreensão Textual
ENEM-2019: Compreensão Textual
ma.no.el.ne.ves
 
ENEM-2019: Artes
ENEM-2019: ArtesENEM-2019: Artes
ENEM-2019: Artes
ma.no.el.ne.ves
 
Terceira aplicação do ENEM-2017: Tecnologias e Internet
Terceira aplicação do ENEM-2017: Tecnologias e InternetTerceira aplicação do ENEM-2017: Tecnologias e Internet
Terceira aplicação do ENEM-2017: Tecnologias e Internet
ma.no.el.ne.ves
 
Terceira aplicação do ENEM-2017: Literatura
Terceira aplicação do ENEM-2017: LiteraturaTerceira aplicação do ENEM-2017: Literatura
Terceira aplicação do ENEM-2017: Literatura
ma.no.el.ne.ves
 
Terceira aplicação do ENEM-2017: Educação Física
Terceira aplicação do ENEM-2017: Educação FísicaTerceira aplicação do ENEM-2017: Educação Física
Terceira aplicação do ENEM-2017: Educação Física
ma.no.el.ne.ves
 
Terceira aplicação do ENEM-2017: Compreensão Textual
Terceira aplicação do ENEM-2017: Compreensão TextualTerceira aplicação do ENEM-2017: Compreensão Textual
Terceira aplicação do ENEM-2017: Compreensão Textual
ma.no.el.ne.ves
 
Terceira aplicação do ENEM-2017: Artes
Terceira aplicação do ENEM-2017: ArtesTerceira aplicação do ENEM-2017: Artes
Terceira aplicação do ENEM-2017: Artes
ma.no.el.ne.ves
 
Análise da Prova de Redação da UERJ-2010
Análise da Prova de Redação da UERJ-2010Análise da Prova de Redação da UERJ-2010
Análise da Prova de Redação da UERJ-2010
ma.no.el.ne.ves
 

Mais de ma.no.el.ne.ves (20)

Segunda aplicação do ENEM-2019: Literatura
Segunda aplicação do ENEM-2019: LiteraturaSegunda aplicação do ENEM-2019: Literatura
Segunda aplicação do ENEM-2019: Literatura
 
Segunda aplicação do ENEM-2019: Internet e tecnologias
Segunda aplicação do ENEM-2019: Internet e tecnologiasSegunda aplicação do ENEM-2019: Internet e tecnologias
Segunda aplicação do ENEM-2019: Internet e tecnologias
 
Segunda aplicação do ENEM-2019: Identidades brasileiras
Segunda aplicação do ENEM-2019: Identidades brasileirasSegunda aplicação do ENEM-2019: Identidades brasileiras
Segunda aplicação do ENEM-2019: Identidades brasileiras
 
Segunda aplicação do ENEM-2019: Educação Física
Segunda aplicação do ENEM-2019: Educação FísicaSegunda aplicação do ENEM-2019: Educação Física
Segunda aplicação do ENEM-2019: Educação Física
 
Segunda aplicação do ENEM-2019: Compreensão textual
Segunda aplicação do ENEM-2019: Compreensão textualSegunda aplicação do ENEM-2019: Compreensão textual
Segunda aplicação do ENEM-2019: Compreensão textual
 
Segunda aplicação do ENEM-2019: Aspectos gramaticais
Segunda aplicação do ENEM-2019: Aspectos gramaticaisSegunda aplicação do ENEM-2019: Aspectos gramaticais
Segunda aplicação do ENEM-2019: Aspectos gramaticais
 
Segunda aplicação do ENEM-2019: Artes
Segunda aplicação do ENEM-2019: ArtesSegunda aplicação do ENEM-2019: Artes
Segunda aplicação do ENEM-2019: Artes
 
ENEM-2019: Literatura
ENEM-2019: LiteraturaENEM-2019: Literatura
ENEM-2019: Literatura
 
ENEM-2019: Internet e Tecnologias
ENEM-2019: Internet e TecnologiasENEM-2019: Internet e Tecnologias
ENEM-2019: Internet e Tecnologias
 
ENEM-2019: Identidades brasileiras
ENEM-2019: Identidades brasileirasENEM-2019: Identidades brasileiras
ENEM-2019: Identidades brasileiras
 
ENEM-2019: Aspectos Gramaticais
ENEM-2019: Aspectos GramaticaisENEM-2019: Aspectos Gramaticais
ENEM-2019: Aspectos Gramaticais
 
ENEM-2019: Educação Física
ENEM-2019: Educação FísicaENEM-2019: Educação Física
ENEM-2019: Educação Física
 
ENEM-2019: Compreensão Textual
ENEM-2019: Compreensão TextualENEM-2019: Compreensão Textual
ENEM-2019: Compreensão Textual
 
ENEM-2019: Artes
ENEM-2019: ArtesENEM-2019: Artes
ENEM-2019: Artes
 
Terceira aplicação do ENEM-2017: Tecnologias e Internet
Terceira aplicação do ENEM-2017: Tecnologias e InternetTerceira aplicação do ENEM-2017: Tecnologias e Internet
Terceira aplicação do ENEM-2017: Tecnologias e Internet
 
Terceira aplicação do ENEM-2017: Literatura
Terceira aplicação do ENEM-2017: LiteraturaTerceira aplicação do ENEM-2017: Literatura
Terceira aplicação do ENEM-2017: Literatura
 
Terceira aplicação do ENEM-2017: Educação Física
Terceira aplicação do ENEM-2017: Educação FísicaTerceira aplicação do ENEM-2017: Educação Física
Terceira aplicação do ENEM-2017: Educação Física
 
Terceira aplicação do ENEM-2017: Compreensão Textual
Terceira aplicação do ENEM-2017: Compreensão TextualTerceira aplicação do ENEM-2017: Compreensão Textual
Terceira aplicação do ENEM-2017: Compreensão Textual
 
Terceira aplicação do ENEM-2017: Artes
Terceira aplicação do ENEM-2017: ArtesTerceira aplicação do ENEM-2017: Artes
Terceira aplicação do ENEM-2017: Artes
 
Análise da Prova de Redação da UERJ-2010
Análise da Prova de Redação da UERJ-2010Análise da Prova de Redação da UERJ-2010
Análise da Prova de Redação da UERJ-2010
 

Último

Pintura Romana .pptx
Pintura Romana                     .pptxPintura Romana                     .pptx
Pintura Romana .pptx
TomasSousa7
 
Fernão Lopes. pptx
Fernão Lopes.                       pptxFernão Lopes.                       pptx
Fernão Lopes. pptx
TomasSousa7
 
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - AlfabetinhoAtividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
MateusTavares54
 
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdfOS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
AmiltonAparecido1
 
759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf
759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf
759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf
MessiasMarianoG
 
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
AntnioManuelAgdoma
 
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptxSlides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdfUFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
Manuais Formação
 
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
LucianaCristina58
 
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptxSlides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdfUFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
Manuais Formação
 
Reino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptx
Reino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptxReino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptx
Reino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptx
CarinaSantos916505
 
D20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
D20 - Descritores SAEB de Língua PortuguesaD20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
D20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
eaiprofpolly
 
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
LeticiaRochaCupaiol
 
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
Biblioteca UCS
 
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo FreireLivro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
WelberMerlinCardoso
 
Aula história , caracteristicas e esteriótipos em relação a DANÇA DE SALAO.pptx
Aula história , caracteristicas e esteriótipos em relação a DANÇA DE SALAO.pptxAula história , caracteristicas e esteriótipos em relação a DANÇA DE SALAO.pptx
Aula história , caracteristicas e esteriótipos em relação a DANÇA DE SALAO.pptx
edivirgesribeiro1
 
slides de Didática 2.pdf para apresentar
slides de Didática 2.pdf para apresentarslides de Didática 2.pdf para apresentar
slides de Didática 2.pdf para apresentar
JoeteCarvalho
 
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escolaIntrodução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
Professor Belinaso
 
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdfO que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
Pastor Robson Colaço
 

Último (20)

Pintura Romana .pptx
Pintura Romana                     .pptxPintura Romana                     .pptx
Pintura Romana .pptx
 
Fernão Lopes. pptx
Fernão Lopes.                       pptxFernão Lopes.                       pptx
Fernão Lopes. pptx
 
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - AlfabetinhoAtividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
 
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdfOS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
 
759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf
759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf
759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf
 
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
 
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptxSlides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
 
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdfUFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
 
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
 
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptxSlides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
 
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdfUFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
 
Reino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptx
Reino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptxReino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptx
Reino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptx
 
D20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
D20 - Descritores SAEB de Língua PortuguesaD20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
D20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
 
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
 
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
 
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo FreireLivro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
 
Aula história , caracteristicas e esteriótipos em relação a DANÇA DE SALAO.pptx
Aula história , caracteristicas e esteriótipos em relação a DANÇA DE SALAO.pptxAula história , caracteristicas e esteriótipos em relação a DANÇA DE SALAO.pptx
Aula história , caracteristicas e esteriótipos em relação a DANÇA DE SALAO.pptx
 
slides de Didática 2.pdf para apresentar
slides de Didática 2.pdf para apresentarslides de Didática 2.pdf para apresentar
slides de Didática 2.pdf para apresentar
 
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escolaIntrodução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
 
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdfO que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
 

Enem 2014, literatura

  • 1. ENEM-2014 resolvido e comentado Questões de Literatura Manoel Neves
  • 2. Eu,  filho  do  carbono  e  do  amoníaco,   Monstro  de  escuridão  e  ru7lância,   Sofro,  desde  a  epigênesis  da  infância,   A  influência  má  dos  signos  do  zodíaco.   Profundissimamente  hipocondríaco,   Este  ambiente  me  causa  repugnância...   Sobe-­‐me  à  boca  uma  ânsia  análoga  à  ânsia   Que  se  escapa  da  boca  de  um  cardíaco.   Já  o  verme  –  este  operário  das  ruínas  –   Que  o  sangue  podre  das  carnificinas   Come,  e  à  vida  em  geral  declara  guerra,   Anda  a  espreitar  meus  olhos  para  roê-­‐los,   E  há  de  deixar-­‐me  apenas  os  cabelos,   Na  frialdade  inorgânica  da  terra!   ANJOS,  A.  Obra  completa.  Rio  de  Janeiro:  Nova  Aguilar,  1994.   PSICOLOGIA  DE  UM  VENCIDO  
  • 3. QUESTÃO 01 primeira aplicação do ENEM-2014 A  poesia  de  Augusto  dos  Anjos  revela  aspectros  de  uma  literatura  de  transição   denominada   pré-­‐modernista.   Com   relação   à   poé7ca   e   à   abordagem   temá7ca   presentes  no  soneto,  iden7ficam-­‐se  marcas  dessa  literatura  de  transição,  como   a)  a  forma  do  soneto,  os  versos  metrificados,  a  presença  de  rimas  e  o  vocabulário   requintado,   além   do   ce7cismo,   que   antecipam   conceitos   esté7cos   vigentes   no   Modernismo   b)   o   empenho   do   eu   lírico   pelo   resgate   da   poesia   simbolista,   manifesta   em   metáforas  como  “Monstro  de  escuridão  e  ru7lância”  e  “influência  má  dos  signos   do  zodíaco”.   c)   a   seleção   lexical   emprestada   ao   cien7ficismo,   como   se   lê   em   “carbono   e   amoníaco”,  “epigênesis  da  infância”  e  “frialdade  inorgânica”,  que  res7tui  a  visão   naturalista  do  homem.   d)  a  manutenção  de  elementos  formais  vinculados  à  esté7ca  do  Parnasianismo  e   do   Simbolismo,   dimensionada   pela   inovação   na   expressividade   poé7ca,   e   o   desconcerto  existencial.   e)   a   ênfase   no   processo   de   construção   de   uma   poesia   descri7va   e   ao   mesmo   tempo  filosófica,  que  incorpora  valores  morais  e  cienficos  mais  tarde  renovados   pelos  modernistas.  
  • 4. SOLUÇÃO COMENTADA primeira aplicação do ENEM-2014 O  pré-­‐modernismo  é  considerado  pelos  estudiosos  como  uma  fase  de  transição.   Os  autores  ainda  não  são  modernos,  em  geral,  porque  adotam  um  es7lo  ainda   preso  aos  cânones  da  literatura  do  século  XIX;  por  outro  lado,  já  são  modernos,   pois  antecipam  o  posicionamento  crí7co  da  literatura  que  será  produzida  ao  longo   do  século  XIX.   A  dualidade  referida  acima  manifesta-­‐se  no  poema  de  Augusto  dos  Anjos,  pois,  de   um   lado,   nota-­‐se   o   culto   da   forma   tradicional   –   soneto   decassílabo   crivado   de   vocábulo   rebuscado,   de   matriz   naturalista   e   cien7ficista   –,   mas,   por   outro,   percebe-­‐se   uma   visão   profundamente   nega7va   da   existência   –   materialismo,   ce7cismo  e  niilismo.  Marque-­‐se,  pois,  a  letra  “d”.   temas abordados na questão pré-­‐modernismo  
  • 5. Grande  sorriso  do  canino  de  ouro,  o  velho  Abílio  propõe  às  donas  de  casa  que  se   abastecem  de  pão  e  banana:   –  Como  é  o  negócio?   De  cada  três  dá  certo  com  uma.  Ela  sorri,  não  responde  ou  é  uma  promessa  a   recusa:   –  Deus  me  livre,  não!  Hoje  não...   O  NEGÓCIO   Abílio  interpelou  a  velha:   –  Como  é  o  negócio?   Ela  concordou  e,  o  que  foi  melhor,  a  filha  também  aceitou  o  trato.  Com  a  dona   Julie7nha  foi  assim.  Ele  se  chegou:   –  Como  é  o  negócio?   Ela  sorriu,  olhinho  baixo.  Abílio  espreitou  o  cometa  par7r.  Manhã  cedinho  saltou  a   cerca.   Sinal   combinado,   duas   ba7das   na   porta   da   cozinha.   A   dona   saiu   para   o   quintal,  cuidadosa  de  não  acordar  os  filhos.  Ele  trazia  a  capa  da  viagem,  estendida   na  grama  orvalhada.  
  • 6. O   vizinho   espionou   os   dois,   aprendeu   o   sinal.   Decidiu   imitar   a   proeza.   No   crepúsculo,  pum-­‐pum,  duas  pancadas  fortes  na  porta.  O  marido  em  viagem,  mas   não  era  dia  do  Abílio.  Desconfiada,  a  moça  surgiu  à  janela  e  o  vizinho  repe7u:   –  Como  é  o  negócio?   Diante  da  recusa,  ele  ameaçou:   –  Então  você  quer  o  velho  e  não  quer  o  moço?  Olhe  que  eu  conto.   TREVISAN,  D.  Mistérios  de  CuriBba.  Rio  de  Janeiro:  Record,  1979.  Fragmento.  
  • 7. QUESTÃO 02 primeira aplicação do ENEM-2014 Quanto  à  abordagem  do  tema  e  aos  recursos  expressivos,  essa  crônica  tem  um   caráter:   a)  filosófico,  pois  reflete  sobre  as  mazelas  sofridas  pelos  vizinhos.   b)  lírico,  pois  relata  com  nostalgia  o  relacionamento  da  vizinhança.   c)  irônico,  pois  apresenta  com  malícia  a  convivência  entre  vizinhos.   d)  crí7co,  pois  deprecia  o  que  acontece  nas  relações  de  vizinhança.   e)  didá7co,  pois  expõe  uma  conduta  a  ser  evitada  na  relação  entre  vizinhos.  
  • 8. SOLUÇÃO COMENTADA primeira aplicação do ENEM-2014 O  texto  em  análise  faz  uma  reflexão  acerca  das  relações  sociais,  do  adultério  e  da   troca   de   favores   sexuais.   Trata-­‐se   de   uma   crônica,   na   medida   em   que   se   apresentam  cri7camente  situações  co7dianas.  Marque-­‐se,  portanto,  a  letra  “c”.   temas abordados na questão espécies  literárias:  crônica  
  • 9. Ninguém  sen7u  o  teu  espasmo  obscuro,   ó  ser  humilde  entre  os  humildes  seres,     embriagado,  tonto  de  prazeres,   o  mundo  para  7  foi  negro  e  duro.   Atravessaste  no  silêncio  escuro   a  vida  presa  a  trágicos  deveres   e  chegaste  ao  saber  de  altos  saberes   tornando-­‐te  mais  simples  e  mais  puro.   Ninguém  te  viu  o  sen7mento  inquieto,   magoado,  oculto  e  aterrador,  secreto,   que  o  coração  te  apunhalou  no  mundo,   Mas  eu  que  sempre  te  segui  os  passos   sei  que  cruz  infernal  prendeu-­‐te  os  braços   e  o  teu  suspiro  como  foi  profundo!   SOUSA,  C.  Obra  completa.  Rio  de  Janeiro:  Nova  Aguilar,  1961.   VIDA  OBSCURA  
  • 10. QUESTÃO 03 primeira aplicação do ENEM-2014 Com  uma  obra  densa  e  expressiva  no  Simbolismo  brasileiro,  Cruz  e  Sousa  transpôs   para   seu   lirismo   uma   sensibilidade   em   conflito   com   a   realidade   vivenciada.   No   soneto,  essa  percepção  traduz-­‐se  em   a)  sofrimento  tácito  diante  dos  limites  impostos  pela  discriminação.   b)  tendência  latente  ao  vício  como  resposta  ao  isolamento  social.   c)  extenuação  condicionada  a  uma  ro7na  de  tarefas  degradantes.   d)  frustração  amorosa  canalizada  para  as  a7vidades  intelectuais.   e)  vocação  religiosa  manifesta  na  aproximação  com  a  fé  cristã.  
  • 11. SOLUÇÃO COMENTADA primeira aplicação do ENEM-2014 No  soneto  em  análise,  o  sujeito  poé7co  fala  de  sofrimento  [O  mundo  foi  para  -   negro   e   duro,   trágicos   deveres,   apunhalou,   cruz   infernal].   Nota-­‐se,   ainda,   a   referência  ao  tom  de  sua  pele  [obscura,  obscuro,  negro,  escuro]  como  indicador  de   situações  adversas,  que  culminam  no  fechamento  [trágico,  triste  e  confessional]   do  soneto:  sei  que  cruz  infernal  prendeu-­‐te  os  braços/  e  o  teu  suspiro  como  foi   profundo.  Posto  isso  e  considerando  os  aspectos  da  vida  do  poeta  que  escreveu   poemas   em   que   denuncia   de   forma   explícita   o   preconceito   racial   [caso   do   “Emparedado”],  pode-­‐se  assinalar  a  alterna7va  “a”.   temas abordados na questão literatura  negra,  simbolismo  
  • 12. Negócio  seguinte.  Três  reis  magrinhos  ouviram  um  piá  de  que  7nha  nascido  um   Guri.  viram  o  cometo  no  Oriente  e  tal  e  se  flagraram  que  o  Guri  7nha  pintado  por   lá.  Os  profetas,  que  não  eram  de  dar  cascata,  já  7nham  dicado  o  troço:  em  Belém,   da  Judeia,  vai  nascer  o  Salvador,  e  tá  falado.  Os  três  magrinhos  se  mandaram.  Mas   deram  o  maior  fora.  Em  vez  de  irem  direto  para  Belém,  como  mandava  o  catálogo,   resolveram  dar  uma  inverta  no  velho  Herodes,  em  Jerusalém.  Pra  quê!  Chegaram   lá  de  boca  aberta  e  entregaram  toda  a  trama.  Perguntaram:  Onde  está  o  rei  que   acaba   de   nascer?   Vimos   sua   estrela   no   Oriente   e   viemos   adorá-­‐lo.   Quer   dizer,   pegou  mal.  Muito  mal.  O  velho  Herodes,  que  era  um  oligão,  ficou  grilado.  Que  rei   era  aquele?  Ele  é  que  era  o  dono  da  praça.  Mas  comeu  em  boca  e  disse:  Joia.   Onde  é  que  esse  guri  vai  se  apresentar?  Em  que  canal?  Quem  é  o  empresário?  Tem   baixo  elétrico?  Quero  saber  tudo.  Os  magrinhos  disseram  que  iam  flagrar  o  Guri  e   na  volta  dicavam  tudo  para  o  coroa.   A  HISTÓRIA,  MAIS  OU  MENOS   VERISSIMO,  L.  F.  O  nariz  e  outras  crônicas.  São  Paulo:  Á7ca,  1994.  
  • 13. QUESTÃO 04 primeira aplicação do ENEM-2014 Na  crônica  de  Verissimo,  a  estratégia  para  gerar  o  efeito  de  humor  decorre  do(a)   a)  linguagem  rebuscada  u7lizada  pelo  narrador  no  tratamento  do  assunto.   b)  inserção  de  perguntas  diretas  acerca  do  acontecimento  narrado.   c)  caracterização  dos  lugares  onde  se  passa  a  história.   d)  emprego  de  termos  bíblicos  de  forma  descontextualizada.   e)  contraste  entre  o  tema  abordado  e  a  linguagem  u7lizada.  
  • 14. SOLUÇÃO COMENTADA primeira aplicação do ENEM-2014 Na   crônica   em   análise,   nota-­‐se   ni7damente   uma   intertextualidade   com   o   texto   bíblico  que  trata  do  nascimento  de  Jesus.   temas abordados na questão espécies  literárias:  crônica,  intertextualidade,  padrões  linguísBcos,  efeitos  irônicos   Nela,  o  cronista  reconstrói  a  história  sagrada  valendo-­‐se  de  gíria  e  de  inúmeros   traços  da  linguagem  informal.   Ao  verter  um  acontecimento  solene  para  uma  linguagem  tão  simplória,  entrevê-­‐se   uma  postura  irreverente,  irônica.  Posto  isso,  deve-­‐se  assinalar  a  alterna7va  “e”.  
  • 15. FABIANA,  arrepelando-­‐se  de  raiva  –  Hum!  Ora,  eis  aí  está  para  que  se  casou  meu   filho,   e   trouxe   a   mulher   para   minha   casa.   É   isto   constantemente.   Não   sabe   o   senhor  meu  filho  que  quem  casa  quer  casa...  Já  não  posso,  não  posso,  não  posso!   (Batendo  com  o  pé)  Um  dia  arrebento,  e  então  veremos!   PENA,  M.  Quem  casa  quer  casa.  htp://www.dominiopublico.com.br.  Acesso  em:  7  dez.  2012.  
  • 16. QUESTÃO 05 primeira aplicação do ENEM-2014 As   rubricas,   em   itálico,   como   as   trazidas   no   trecho   de   Mar7ns   Pena,   em   uma   atuação  teatral,  cons7tuem   a)  necessidade,  porque  as  encenações  precisam  ser  fieis  às  diretrizes  do  autor.   b)  possibilidade,  porque  o  texto  pode  ser  mudado,  assim  como  outros  elementos.   c)  preciosismo,  porque  são  irrelevantes  para  o  texto  ou  para  a  encenação.   d)  exigência,  porque  elas  determinam  as  caracterís7cas  do  texto  teatral.   e)  imposição,  porque  elas  anulam  a  autonomia  do  diretor.  
  • 17. SOLUÇÃO COMENTADA primeira aplicação do ENEM-2014 As  rubricas  fazem  parte  do  texto  teatral.  Na  contemporaneidade,  entretanto,  os   diretores  teatrais  não  se  preocupam  tanto  em  ser  fieis  às  indicações  do  autor  da   peça.  Posto  isso,  deve-­‐se  assinalar  a  alterna7va  “b”.   temas abordados na questão gêneros  literários:  dramáBco  ou  teatral  
  • 18. Escrever  prosa  é  uma  arte  ingrata.  Eu  digo  prosa  fiada,  como  faz  um  cronista;  não   a  prosa  de  um  ficcionista,  na  qual  este  é  levado  meio  a  tapas  pelas  personagens  e   situações   que,   azar   dele,   criou   porque   quis.   Com   um   prosador   do   co7diano,   a   coisa  fia  mais  fino.  Senta-­‐se  ele  diante  de  sua  máquina,  olha  através  da  janela  e   busca   fundo   em   sua   imaginação   um   fato   qualquer,   de   preferência   colhido   no   no7ciário   matu7no,   ou   da   vésper,   em   que,   com   as   suas   ar7manhas   peculiares,   possa  injetar  um  sangue  novo.  Se  nada  houver,  resta-­‐lhe  o  recurso  de  olhar  em   torno  e  esperar  que,  através  de  um  processo  associa7vo,  surja-­‐lhe  de  repente  a   crônica,  provinda  dos  fatos  e  feitos  de  sua  vida  emocionalmente  despertados  pela   concentração.   Ou   então,   em   úl7ma   instância,   recorrer   ao   assunto   da   falta   de   assunto,   já   bastante   gasto,   mas   do   qual,   no   ato   de   escrever,   pode   surgir   o   inesperado.   O  EXERCÍCIO  DA  CRÔNICA   MORAES,  V.  Para  viver  um  grande  amor:  crônicas  e  poemas.  São  Paulo:    
  • 19. QUESTÃO 06 primeira aplicação do ENEM-2014 Predomina  nesse  texto  a  função  da  linguagem  que  se  cons7tui   a)  nas  diferenças  entre  o  cronista  e  o  ficcionista.   b)  nos  elementos  que  servem  de  inspiração  ao  cronista.   c)  nos  elementos  que  podem  ser  tratados  em  uma  crônica.   d)  nos  assuntos  da  vida  do  cronista  no  processo  de  escrita  da  crônica.   e)  nas  dificuldades  de  se  escrever  uma  crônica  por  meio  de  uma  crônica.  
  • 20. SOLUÇÃO COMENTADA primeira aplicação do ENEM-2014 A  peça  textual  em  análise,  essencialmente  metalinguís7ca,  fala  exclusivamente  da   dificuldade  em  se  fazer  uma  crônica.  Isso  pode  ser  facilmente  percebido  nas  duas   primeiras  frases  do  texto.  Marque-­‐se,  portanto,  a  letra  “e”.   temas abordados na questão funções  da  linguagem,  metalinguagem  
  • 21. Quando  Deus  redimiu  da  7rania   Da  mão  do  Faraó  endurecido   O  Povo  Hebreu  amado,  e  esclarecido,   Páscoa  ficou  da  redenção  o  dia.   Páscoa  de  flores,  dia  de  alegria   Àquele  povo  foi  tão  afligido   O  dia,  em  que  por  Deus  foi  redimido;   Ergo  sois  vós,  Senhor,  Deus  da  Bahia.   Pois  mandado  pela  alta  Majestade   Nos  remiu  de  tão  triste  ca7veiro,   Nos  livrou  de  tão  vil  calamidade.   Quem  pode  ser  senão  um  verdadeiro   Deus,  que  veio  ex7rpar  desta  cidade   O  Faraó  do  povo  brasileiro.   DAMASCENO.  D.  (Org.)  Melhores  poemas:  Gregório  de  Matos.  São  Paulo:  Globo,  2006.  
  • 22. QUESTÃO 07 primeira aplicação do ENEM-2014 Com   uma   elaboração   de   linguagem   e   uma   visão   de   mundo   que   apresentam   princípios  barrocos,  o  soneto  de  Gregório  de  Matos  apresenta  temá7ca  expressa   por   a)  visão  cé7ca  sobre  as  relações  sociais.   b)  preocupação  com  a  iden7dade  brasileira.   c)  crí7ca  velada  à  forma  de  governo  vigente.   d)  reflexão  sobre  os  dogmas  do  cris7anismo.   e)  ques7onamento  das  prá7cas  pagãs  da  Bahia.  
  • 23. SOLUÇÃO COMENTADA primeira aplicação do ENEM-2014 No  soneto  em  análise,  o  sujeito  poé7co  constrói  um  paralelo  [alegórico]  entre  a   situação  do  povo  “hebreu”  [apresentada  na  Bíblia  Sagrada]  e  a  do  povo  baiano   [da  segunda  metade  do  século  XVII].  Sofrem  ambos  com  um  mau  governante  [o   Faraó].  Nos  dois  tercetos,  nota-­‐se  um  desejo  de  libertação.  Marque-­‐se,  portanto,  a   letra  “c”.   temas abordados na questão figuras  de  linguagem,  barroco  
  • 24. Ditado   popular   é   uma   frase   sentenciosa,   concisa,   de   verdade   comprovada,   baseada  na  secular  experiência  do  povo,  exposta  de  forma  o  é7ca,  contendo  uma   norma  de  conduta  ou  qualquer  outro  ensinamento.   WEITZEL,  A.  H.  Folclore  literário  e  linguísBco.  Juiz  de  Fora:  Esdeva,  1984.  Fragmento.  
  • 25. Rindo   brincalhona,   dando-­‐lhe   tapinhas   nas   costas,   prima   Constança   disse   isto,   dorme  no  assunto,  ouça  o  travesseiro,  não  tem  melhor  conselheiro.   Enquanto  prima  Biela  dormia  no  assunto,  toda  a  casa  se  alvoroçava.   [Prima  Constança]  ia  rezar,  pedir  a  Deus  para  iluminar  a  cabeça  de  Biela.  Mas  ia   também  tomar  suas  providências.  Casamento  e  mortalha  no  seu  se  talha.  Deus   escreve   direito   por   linhas   tortas.   O   que   for   soará.   Dizia   os   ditados   todos,   procurando   interpretar   os   desígnios   de   Deus,   transformar   os   seus   desejos   nos   desígnios  de  Deus.  Se  achava  um  instrumento  de  Deus.   DOURADO,  A.  Uma  vida  em  segredo.  Rio  de  Janeiro:  Francisco  Alves,  1990.  Fragmento.  
  • 26. QUESTÃO 08 primeira aplicação do ENEM-2014 O  uso  que  prima  Constança  faz  dos  ditados  populares,  no  texto  II,  cons7tui  uma   maneira  de  u7lizar  o  saber  definido  no  texto  I,  porque   a)  cita-­‐os  pela  força  do  hábito.   b)  aceita-­‐os  como  verdade  absoluta.   c)  aciona-­‐os  para  jus7ficar  suas  ações.   d)  toma-­‐os  para  solucionar  um  problema.   e)  considera-­‐os  como  uma  orientação  divina.  
  • 27. SOLUÇÃO COMENTADA primeira aplicação do ENEM-2014 Na   penúl7ma   frase,   entrevê-­‐se   que   Constança,   ao   usar   os   ditados,   procurava   adaptar  as  ditas  vontades  de  Deus  [na  verdade,  o  senso  comum]  aos  seus  desejos.   Por  isso  mesmo,  deve-­‐se  assinalar  a  alterna7va  “c”.   temas abordados na questão quarta  geração  do  modernismo:  narraBva  regional  
  • 28. João  Guedes,  um  dos  assíduos  frequentadores  do  boliche  do  capitão,  mudara-­‐se   de  campanha  havia  três  anos.  Três  anos  de  pobreza  na  cidade  bastaram  para  o   desagradar.  Ao  morrer,  não  7nha  um  vintém  nos  bolsos  e  fazia  dois  meses  que   saíra  da  cadeia,  onde  es7vera  preso  por  roubo  de  ovelha.   A  história  de  sua  desgraça  se  confunde  com  a  da  maioria  dos  que  povoam  a  aldeia   de   Boa   Ventura,   uma   cidadezinha   distante,   triste   e   precocemente   envelhecida,   situadas  nos  confins  da  fronteira  do  Brasil  com  o  Uruguai.   MARTINS,  C.  Porteira  fechada.  Porto  Alegre:  Movimento,  2001.  Fragmento.  
  • 29. Comecei   a   procurar   emprego,   já   topando   o   que   desse   e   viesse,   menos   complicação  com  os  homens,  mas  não  tava  fácil.  Fui  na  feira,  fui  nos  bancos  de   sangue,  fui  nesses  lugares  que  sempre  davam  para  descolar  algum,  fui  de  porta   em  porta  me  oferecendo  de  faxineiro,  mas  tava  todo  mundo  escabreado  pedindo   referências,  e  referências  eu  só  7nha  do  diretor  do  presídio.   FONSECA,  R.  Feliz  ano  novo.  São  Paulo:  Companhia  das  Letras,  1989.  Fragmento.  
  • 30. QUESTÃO 09 primeira aplicação do ENEM-2014 A   oposição   entre   campo   e   cidade   esteve   entre   as   temá7cas   tradicionais   da   literatura   brasileira.   Nos   fragmentos   dos   dois   autores   contemporâneos,   esse   embate  incorpora  um  elemento  novo:  a  questão  da  violência  e  do  desemprego.  As   narra7vas  apresentam  confluência,  pois  neles  o(a)   a)   criminalidade   é   algo   inerente   ao   ser   humano,   que   sucumbe   a   suas   manifestações.   b)   meio   urbano,   especialmente   o   das   grandes   cidades,   es7mula   uma   vida   mais   violenta.   c)   falta   de   oportunidades   na   cidade   dialoga   com   a   pobreza   do   campo   rumo   à   criminalidade.   d)   êxodo   rural   e   a   falta   de   escolaridade   são   causas   da   violência   nas   grandes   cidades.   e)   complacência   das   leia   e   a   inércia   das   personagens   são   esmulos   à   prá7ca   criminosa.  
  • 31. SOLUÇÃO COMENTADA primeira aplicação do ENEM-2014 Uma  das  tendências  mais  relevantes  da  literatura  produzida  depois  dos  anos  1970   no   Brasil   é   a   expressividade   da   violência   [denominada   de   ultrarrealista   ou   hiperrealista],   manifesta   tanto   nos   recursos   técnicos   quanto   na   temá7ca   das   narra7vas.   Em   tais   obras,   nota-­‐se   uma   denúncia   explícita,   transparente   e   documental   das   situações   de   exclusão   vivenciadas   principalmente   pelo   homem   dos  grandes  centros  urbanos.  É  o  que  se  encontra  na  obra  de  ficcionistas  como   Paulo  Lins,  Sérgio  Sant’Anna,  Rubem  Fonseca,  Ferréz  e  André  Sant’Anna.   temas abordados na questão quarta  geração  do  modernismo:  narraBva  hiperrealista  ou  ultrarrealista   A   convergência   temá7ca   existente   entre   os   dois   fragmentos   transcritos   nesta   questão   passa   pela   exclusão   social   [vivenciada   tanto   pelo   homem   do   interior   quanto  pelo  da  cidade  grande]  que  acaba  levando  à  criminalidade  [no  primeiro   fragmento,   o   protagonista   vai   preso   por   roubar   uma   ovelha;   no   segundo,   tem   dificuldades   em   conseguir   emprego   devido   ao   fato   de   ter   sido   preso].   O   que   importa   em   narra7vas   como   essas   é   a   denúncia   explícita   das   situações   de   violência   e   de   exclusão   oriundas   pelo   modelo   social   vigente   no   país   após   o   advento  da  Ditadura  Militar.  Marque-­‐se,  pois,  a  letra  “c”.  
  • 32. Morder  o  fruto  amargo  e  não  cuspir   Mas  avisar  aos  outros  quanto  é  amargo   Cumprir  o  trato  injusto  e  não  falhar   Mas  avisar  aos  outros  quanto  é  injusto   Sofrer  o  esquema  falso  e  não  ceder   Mas  avisar  aos  outros  quanto  é  falso   Dizer  também  que  são  coisas  mutáveis...   E  quando  em  muitos  a  não  pulsar   –  do  amargo  e  injusto  e  falso  por  mudar  –   então  confiar  à  gente  exausta  o  plano   de  um  mundo  novo  e  muito  mais  humano.   CAMPOS,  G.  Tarefa.  Rio  de  Janeiro:  Civilização  Brasileira,  1981.   TAREFA  
  • 33. QUESTÃO 10 primeira aplicação do ENEM-2014 Na  organização  do  poema,  os  empregos  da  conjunção  “mas”  ar7culam,  para  além   de  sua  função  sintá7ca,   a)  a  ligação  entre  verbos  seman7camente  semelhantes.   b)  a  oposição  entre  ações  aparentemente  inconciliáveis.   c)  a  introdução  do  argumento  mais  forte  de  uma  sequência.   d)  o  reforço  da  causa  apresentada  no  enunciado  introdutório.   e)  a  intensidade  dos  problemas  sociais  presentes  no  mundo.  
  • 34. SOLUÇÃO COMENTADA primeira aplicação do ENEM-2014 O  poema  em  análise,  de  intensa  conotação  social,  fala  sobre  um  “mundo  novo”,   “muito  mais  humano”,  que  seria  construído,  de  acordo  com  o  sujeito  poé7co,  por   intermédio   da   cooperação   [principalmente]   daqueles   “mais   experientes”,   “mais   vividos”,  que  teriam  a  função  de  instruir,  de  avisar,  de  delinear,  por  meio  de  sua   vivência,  como  chegar  a  essa  nova  civilização.   temas abordados na questão terceira  geração  do  modernismo:  poesia  social,  valor  dos  arBculadores   Quanto  à  estrutura,  o  texto  ar7cula-­‐se  por  intermédio  de  anteses  [ligadas,  no   caso,  pelo  ar7culador  “mas”,  destacado  no  comando  desta  questão],  por  meio  das   quais   se   apresenta,   em   um   primeiro   momento,   a   situação   problemá7ca,   e,   em   seguida,   sua   u7lidade/função   [ou,   se   quiserem,   o   “argumento   mais   forte”]   na   construção  da  utopia  proposta  pelo  sujeito  poé7co.  Posto  isso,  deve-­‐se  assinalar  a   alterna7va  “c”.  
  • 35. O   correr   da   vida   embrulha   tudo.   A   vida   é   assim:   esquenta   ou   esfria,   aperta   ou   afrouxa,  sossega  e  depois  desinquieta.  O  que  ela  quer  da  gente  é  coragem.   ROSA,  J.  G.  Grande  sertão:  veredas.  Rio  de  Janeiro:  Nova  Fronteira,  1956.  
  • 36. QUESTÃO 11 primeira aplicação do ENEM-2014 No  romance  Grande  sertão:  veredas,  o  protagonista  Riobaldo  narra  sua  trajetória   de  jagunço.  A  leitura  do  trecho  permite  iden7ficar  que  o  desabafo  de  Riobaldo  se   aproxima  de  um(a)   a)  diário,  por  trazer  lembranças  pessoais.   b)  fábula,  por  apresentar  uma  lição  de  moral.   c)  nocia,  por  informar  sobre  um  acontecimento.   d)  aforismo,  por  expor  uma  máxima  em  poucas  palavras.   e)  crônica,  por  tratar  de  fatos  do  co7diano.  
  • 37. SOLUÇÃO COMENTADA primeira aplicação do ENEM-2014 Na   escrita   de   Guimarães   Rosa,   frequentemente   o   narrador   tece   considerações   filosóficas   [máximas]   e   as   manifesta   por   meio   de   frases   curtas,   denominadas   aforismos.  Assinale-­‐se  a  letra  “d”.   temas abordados na questão terceira  geração  do  modernismo:  regionalismo  universalista  
  • 38. Abençoado  seja  o  camelô  dos  brinquedos  de  tostão:   O  que  vende  balõezinhos  de  cor   O  macaquinho  que  trepa  no  coqueiro   O  cachorrinho  que  bate  com  o  rabo   Os  homenzinhos  que  jogam  boxe   A  perereca  verde  que  de  repente  dá  um  pulo  que  engraçado   E  as  cane7nhas-­‐7nteiro  que  jamais  escreverão  coisa  alguma.   CAMELÔS   Alegria  das  calçadas   Uns  falam  pelos  cotovelos:   –  “O  cavalheiro  chega  em  casa  e  diz:  Meu  filho  vai  buscar   um  pedaço  de  banana  para  eu  acender  o  charuto.   Naturalmente  o  menino  pensará:  Papai  está  malu...”   Outros,  coitados,  têm  a  língua  atada.  
  • 39. Todos  porém  sabem  mexer  nos  cordéis  com  o  7no  ingênuo  de   demiurgos  de  inu7lidades.   E  ensinam  no  tumulto  das  ruas  os  mitos  heroicos  da   meninice...   E  dão  aos  homens  que  passam  preocupados  ou  tristes   uma  lição  de  infância.   BANDEIRA,  M.  Estrela  da  vida  inteira.  Rio  de  Janeiro:  Nova  Fronteira,  2007.  
  • 40. QUESTÃO 12 primeira aplicação do ENEM-2014 Uma   das   diretrizes   do   Modernismo   foi   a   percepção   de   elementos   do   co7diano   como   matéria   de   inspiração   poé7ca.   O   poema   de   Manuel   Bandeira   exemplifica   essa  tendência  e  alcança  expressividade  porque   a)  realiza  um  inventário  dos  elementos  lúdicos  tradicionais  da  criança  brasileira.   b)  promove  uma  reflexão  sobre  a  realidade  de  pobreza  dos  centros  urbanos.   c)  traduz  em  linguagem  lírica  o  mosaico  de  elementos  de  significação  corriqueira.   d)  introduz  a  interlocução  como  mecanismos  de  construção  de  uma  poé7ca  nova.   e)  constata  a  condição  melancólica  dos  homens  distantes  da  simplicidade  infan7l.  
  • 41. SOLUÇÃO COMENTADA primeira aplicação do ENEM-2014 O   poema   de   Manuel   Bandeira   faz   uma   leitura   lírica   do   co7diano.   Associa   os   brinquedos  vendidos  pelos  camelôs  à  alegria  e  à  poesia  da  infância.  Nesse  sen7do,   o  sujeito  poé7co  chega  a  chamar  os  camelos  de  deuses  da  inu7lidade.  Marque-­‐se,   portanto,  a  letra  “c”.   temas abordados na questão primeira  geração  do  modernismo  
  • 42. Talvez   pareça   excessivo   o   escrúpulo   do   Cotrim,   a   quem   não   souber   que   ele     possuía  um  caráter  ferozmente  honrado.  Eu  mesmo  fui  injusto  com  ele  durante  os   anos  que  se  seguiram  ao  inventário  de  meu  pai.  Reconheço  que  era  um  modelo.   Arguíam-­‐no   de   avareza,   e   cuido   que   7nham   razão;   mas   a   avareza   é   apenas   a   exageração  de  uma  virtude,  e  as  virtudes  devem  ser  como  os  orçamentos:  melhor   é   o   saldo   que   o   déficit.   Como   era   muito   seco   de   maneiras,   7nha   inimigos   que   chegavam  a  acusá-­‐lo  de  bárbaro.  O  único  fato  alegado  neste  par7cular  era  o  de   mandar   com   frequência   escravos   ao   calabouço,   donde   eles   desciam   a   escorrer   sangue;  mas,  além  de  que  ele  só  mandava  os  perversos  e  os  fujões,  ocorre  que,   tendo  longamente  contrabandeado  em  escravos,  habituara-­‐se  de  certo  modo  ao   trato  um  pouco  mais  duro  que  esse  gênero  de  negócio  requeria,  e  não  se  pode   honestamente   atribuir   à   índole   original   de   um   homem   o   que   é   puro   efeito   de   relações  sociais.  A  prova  de  que  o  Cotrim  7nha  sen7mentos  pios  encontrava-­‐se  no   seu   amor   aos   filhos,   e   na   dor   que   padeceu   quando   morreu   Sara,   dali   a   alguns   meses;  prova  irrefutável,  acho  eu,  e  não  única.  Era  tesoureiro  de  uma  confraria,  e   irmão   de   várias   irmandades,   e   até   irmão   remido   de   uma   destas,   o   que   não   se   coaduna  muito  com  a  reputação  da  avareza;  verdade  é  que  o  bene•cio  não  caíra   do  chão:  a  irmandade  (de  que  ele  fora  juiz)  mandara-­‐lhe  7rar  o  retrato  a  óleo.   ASSIS,  M.  Memórias  póstumas  de  Brás  Cubas.  Rio  de  Janeiro:  Nova  Aguilar,  1992.  
  • 43. QUESTÃO 13 primeira aplicação do ENEM-2014 Obra   que   inaugura   o   Realismo   na   Literatura   Brasileira,   Memórias   póstumas   de   Brás  Cubas  condensa  uma  expressividade  que  caracterizaria  o  es7lo  machadiano:   a  ironia.  Descrevendo  a  moral  de  seu  cunhado,  Cotrim,  o  narrador-­‐personagem   Brás  Cubas  refina  a  percepção  irônica  ao   a)  acusar  o  cunhado  de  ser  avarento  para  se  confessar  injus7çado  na  divisão  da   herança  paterna.   b)  atribuir  a  “efeito  de  relações  sociais”  a  naturalidade  com  que  Cotrim  prendia  e   torturava  os  escravos.   c)  considerar  os  “sen7mentos  pios”  demonstrados  pelo  personagem  quando  da   perda  da  filha  Sara.   d)  menosprezar  Cotrim  por  ser  tesoureiro  de  uma  confraria  e  membro  remido  de   várias  irmandades.   e)  insinuar  que  o  cunhado  era  homem  vaidoso  e  egocêntrico,  contemplado  com   um  retrato  a  óleo.  
  • 44. SOLUÇÃO COMENTADA primeira aplicação do ENEM-2014 No  fragmento  em  análise,  o  narrador  protagonista  tenta  defender  a  tese  segundo   a   qual   Cotrim   é   um   homem   honrado.   Ao   falar,   entretanto,   que   o   cunhado   mandava  açoitar  escravos  puramente  por  convenção  social,  há  uma  crí7ca  velada   à   desumanidade   e   à   selvageria   dessa   ação,   na   medida   em   que   os   negros   eram   agredidos  a  ponto  de  sangrarem.  Marque-­‐se,  pois,  a  letra  “b”.   temas abordados na questão realismo,  ironia