SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 12
o que são memórias literárias ?
Memórias são textos produzidos para rememorar o passado, vivido ou
imaginado. para isso devem-se escolher cuidadosamente as palavras,
orientados por critérios estéticos que atribuem ao texto ritmo e conduzem o
leitor por cenários e situações reais ou imaginárias. essas narrativas têm
como ponto de partida experiências vividas pelo autor no passado, contadas
como são lembradas no presente. há situações em que a memória se
apresenta por meio de perguntas que fazemos ou que fazem para nós. em
outras, a memória é despertada por uma imagem, um cheiro, um som.
Esse tipo de narrativa aproxima os ausentes,
compreende o passado, conhece outros modos de viver,
outros jeitos de falar, outras formas de se comportar e
representa possibilidades de entrelaçar novas vidas com
as heranças deixadas pelas gerações anteriores. as
histórias passadas podem unir moradores de um mesmo
lugar e fazer que cada um sinta-se parte de uma mesma
comunidade. isso porque a história de cada indivíduo
traz em si a memória do grupo social ao qual pertence.
esse encontro é uma experiência humanizadora.
um tempo do passado: pretérito perfeito e pretérito
imperfeito. eles indicam ações e têm a propriedade de
localizar o fato no tempo, em relação ao momento em que
se fala.
O narrador em primeira pessoa é o narrador-personagem ou
narrador-testemunha. No caso de memórias teremos,
geralmente, o narrador-personagem, que tem por
característica se apresentar e se manifestar como eu e fala
a respeito daquilo que viveu. Conta a história dele sempre
de forma parcial, considerando um único ponto de vista: o
dele.
(Geraldo Canuto)
Características do gênero:
Há comparações entre o presente e o
passado;
Há palavras e expressões que indicam uma
época, situando o leitor no tempo passado;
Usa adequadamente os verbos no pretérito
perfeito e imperfeito;
Refere-se a objetos, lugares e modos de vida que
já não existem ou se transformam;
Evidencia sentimentos, emoções e impressões
sobre os acontecimentos, fatos, etc;
Descreve, quando necessário, o que querem
dizer certas expressões antigas ou o significado
de certas palavras em desuso.
VALORES PERDIDOS
Minha infância foi em
Corumbá-MS, onde nasci
e vivi, era repleta de
brincadeiras como
“pega-pega”,
“amarelinha”, “passa
anel” “peteca”, “roda” e
várias outras que
cercavam as crianças da
época. Lembro-me que
havia uma inocência no
brincar em que a
amizade e o respeito
eram valorizados.
Esse respeito estava presente,
também, na minha relação com meus pais
que era muito boa. Brincávamos,
conversávamos, mas quando chegava visita,
não podíamos entrar no meio da conversa,
entrar na sala jamais era permitido, caso
desobedecêssemos, éramos colocados de
castigo, além de levarmos algumas
palmadas.
Na minha época, a sociedade era
tranquila, não havia brigas, rebeldias. A
sociedade vivia em harmonia. Isso devido
aos cuidados dos pais ou responsáveis, pois
se quiséssemos sair, só podíamos
acompanhados da mãe ou do pai. Andar
Lembro-me de algo que marcou bastante minha vida, foi o dia em
que minha mãe morreu. Fiquei muito triste, senti-me mal e cheguei
a pensar: “o que seria de mim?”, mas com o passar do tempo superei
e hoje ficaram as boas lembranças de quem amo muito.
Diante desses fatos, para mim a vida de antigamente era bem
melhor, pois não existia tanta desgraça como hoje, não tinha tanta
droga, vândalos, gangues e o estresse da sociedade atual.
Outra diferença está na tecnologia, naquela época era composta por
Discos de músicas (os chamados LP’S) e rádios, lembro-me que em
casa tínhamos fogão à lenha, o ferro de passar a roupa era aquecido
com brasas feitas de carvão. Não tínhamos televisão, geladeira e
várias outras mordomias de hoje.
Comparando a sociedade atual e a de antigamente muitas coisas se
perderam as pessoas ficaram mais violentas além de fofocas
caluniosas. Sou Gilma Flores, tenho 60 anos, nasci em 23 de maio de
1952 e esse é o meu sentimento ligado ao aprendizado dos anos que
apesar de às vezes lamentar, alegro-me em ver tudo que posso
ensinar e continuar aprendendo.
Aluna:Annie Caroline
Turma: 7 ano B (2012)
Escola: EM Profº Gonçalina Faustina de Oliveira.
Profº Wagner G Lucas
O romance de Manuel
Antônio de Almeida,
escrito no período do
romantismo, retrata a
vida do Rio de Janeiro
no início do século XIX e
desenvolve pela primeira
vez na literatura
nacional a figura do
malandro.
Ao criar um narrador que
resolve contar sua vida
depois de morto, Machado
de Assis muda radicalmente
o panorama da literatura
brasileira, além de expor de
forma irônica os privilégios
da elite da época.
REFERÊNCIAS:
guiadoestudante.abril.com
profwagnerlucas.blogspot.com.br
www.slideshare.net

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Gênero - Memória Literária
Gênero - Memória LiteráriaGênero - Memória Literária
Gênero - Memória LiteráriaKetheley Freire
 
AULA 01 - TEXTO DISSERTATIVO-ARGUMENTATIVO - ESTRUTURA
AULA 01 - TEXTO DISSERTATIVO-ARGUMENTATIVO - ESTRUTURAAULA 01 - TEXTO DISSERTATIVO-ARGUMENTATIVO - ESTRUTURA
AULA 01 - TEXTO DISSERTATIVO-ARGUMENTATIVO - ESTRUTURAMarcelo Cordeiro Souza
 
Coerência e coesão textual
Coerência e coesão textualCoerência e coesão textual
Coerência e coesão textualISJ
 
Cronicas
CronicasCronicas
Cronicaskadjaxh
 
Gêneros e tipos textuais
Gêneros e tipos textuaisGêneros e tipos textuais
Gêneros e tipos textuaismarlospg
 
AULA 03 - Introdução - Diversas formas de iniciar uma redação - PRONTO
AULA 03 - Introdução - Diversas formas de iniciar uma redação  - PRONTOAULA 03 - Introdução - Diversas formas de iniciar uma redação  - PRONTO
AULA 03 - Introdução - Diversas formas de iniciar uma redação - PRONTOMarcelo Cordeiro Souza
 
Generos e tipos textuais ppt
Generos e tipos textuais pptGeneros e tipos textuais ppt
Generos e tipos textuais pptpnaicdertsis
 
LÍNGUA PORTUGUESA | 2ª SÉRIE | HABILIDADE DA BNCC - (EM13LGG201)/ (GO-EMLGG201A)
LÍNGUA PORTUGUESA | 2ª SÉRIE | HABILIDADE DA BNCC - (EM13LGG201)/ (GO-EMLGG201A)LÍNGUA PORTUGUESA | 2ª SÉRIE | HABILIDADE DA BNCC - (EM13LGG201)/ (GO-EMLGG201A)
LÍNGUA PORTUGUESA | 2ª SÉRIE | HABILIDADE DA BNCC - (EM13LGG201)/ (GO-EMLGG201A)GernciadeProduodeMat
 
Gênero Textual: Conto
Gênero Textual: ContoGênero Textual: Conto
Gênero Textual: ContoMyllenne Abreu
 
VariaçãO LinguíStica
VariaçãO LinguíSticaVariaçãO LinguíStica
VariaçãO LinguíSticaElza Silveira
 
LÍNGUA PORTUGUESA | 2ª SÉRIE | HABILIDADE DA BNCC - (EM13LP06)
LÍNGUA PORTUGUESA | 2ª SÉRIE | HABILIDADE DA BNCC - (EM13LP06)LÍNGUA PORTUGUESA | 2ª SÉRIE | HABILIDADE DA BNCC - (EM13LP06)
LÍNGUA PORTUGUESA | 2ª SÉRIE | HABILIDADE DA BNCC - (EM13LP06)GernciadeProduodeMat
 
MEMES EM AULAS DE PORTUGUÊS NO ENSINO MÉDIO: linguagem, produção e replicação...
MEMES EM AULAS DE PORTUGUÊS NO ENSINO MÉDIO: linguagem, produção e replicação...MEMES EM AULAS DE PORTUGUÊS NO ENSINO MÉDIO: linguagem, produção e replicação...
MEMES EM AULAS DE PORTUGUÊS NO ENSINO MÉDIO: linguagem, produção e replicação...Carlos Fabiano de Souza
 
Coesão e coerencia
Coesão e coerenciaCoesão e coerencia
Coesão e coerenciasilnog
 
Conotacao e denotacao
Conotacao e denotacaoConotacao e denotacao
Conotacao e denotacaobubble13
 

Mais procurados (20)

Gênero - Memória Literária
Gênero - Memória LiteráriaGênero - Memória Literária
Gênero - Memória Literária
 
Notícia gênero textual
Notícia gênero textualNotícia gênero textual
Notícia gênero textual
 
AULA 01 - TEXTO DISSERTATIVO-ARGUMENTATIVO - ESTRUTURA
AULA 01 - TEXTO DISSERTATIVO-ARGUMENTATIVO - ESTRUTURAAULA 01 - TEXTO DISSERTATIVO-ARGUMENTATIVO - ESTRUTURA
AULA 01 - TEXTO DISSERTATIVO-ARGUMENTATIVO - ESTRUTURA
 
Variedades linguísticas
Variedades linguísticasVariedades linguísticas
Variedades linguísticas
 
SLIDES – PARÓDIA.
SLIDES – PARÓDIA.SLIDES – PARÓDIA.
SLIDES – PARÓDIA.
 
Coerência e coesão textual
Coerência e coesão textualCoerência e coesão textual
Coerência e coesão textual
 
Cronicas
CronicasCronicas
Cronicas
 
Variação linguística
Variação linguísticaVariação linguística
Variação linguística
 
Gêneros e tipos textuais
Gêneros e tipos textuaisGêneros e tipos textuais
Gêneros e tipos textuais
 
Poema 6º ano
Poema 6º anoPoema 6º ano
Poema 6º ano
 
AULA 03 - Introdução - Diversas formas de iniciar uma redação - PRONTO
AULA 03 - Introdução - Diversas formas de iniciar uma redação  - PRONTOAULA 03 - Introdução - Diversas formas de iniciar uma redação  - PRONTO
AULA 03 - Introdução - Diversas formas de iniciar uma redação - PRONTO
 
Relato
RelatoRelato
Relato
 
Generos e tipos textuais ppt
Generos e tipos textuais pptGeneros e tipos textuais ppt
Generos e tipos textuais ppt
 
LÍNGUA PORTUGUESA | 2ª SÉRIE | HABILIDADE DA BNCC - (EM13LGG201)/ (GO-EMLGG201A)
LÍNGUA PORTUGUESA | 2ª SÉRIE | HABILIDADE DA BNCC - (EM13LGG201)/ (GO-EMLGG201A)LÍNGUA PORTUGUESA | 2ª SÉRIE | HABILIDADE DA BNCC - (EM13LGG201)/ (GO-EMLGG201A)
LÍNGUA PORTUGUESA | 2ª SÉRIE | HABILIDADE DA BNCC - (EM13LGG201)/ (GO-EMLGG201A)
 
Gênero Textual: Conto
Gênero Textual: ContoGênero Textual: Conto
Gênero Textual: Conto
 
VariaçãO LinguíStica
VariaçãO LinguíSticaVariaçãO LinguíStica
VariaçãO LinguíStica
 
LÍNGUA PORTUGUESA | 2ª SÉRIE | HABILIDADE DA BNCC - (EM13LP06)
LÍNGUA PORTUGUESA | 2ª SÉRIE | HABILIDADE DA BNCC - (EM13LP06)LÍNGUA PORTUGUESA | 2ª SÉRIE | HABILIDADE DA BNCC - (EM13LP06)
LÍNGUA PORTUGUESA | 2ª SÉRIE | HABILIDADE DA BNCC - (EM13LP06)
 
MEMES EM AULAS DE PORTUGUÊS NO ENSINO MÉDIO: linguagem, produção e replicação...
MEMES EM AULAS DE PORTUGUÊS NO ENSINO MÉDIO: linguagem, produção e replicação...MEMES EM AULAS DE PORTUGUÊS NO ENSINO MÉDIO: linguagem, produção e replicação...
MEMES EM AULAS DE PORTUGUÊS NO ENSINO MÉDIO: linguagem, produção e replicação...
 
Coesão e coerencia
Coesão e coerenciaCoesão e coerencia
Coesão e coerencia
 
Conotacao e denotacao
Conotacao e denotacaoConotacao e denotacao
Conotacao e denotacao
 

Semelhante a O que são memórias literárias

O que são memórias literárias
O que são memórias literáriasO que são memórias literárias
O que são memórias literáriasEloy Souza
 
O que são memórias literárias
O que são memórias literáriasO que são memórias literárias
O que são memórias literáriasEloy Souza
 
O desenvolvimento narrativo na infância
O desenvolvimento narrativo na infânciaO desenvolvimento narrativo na infância
O desenvolvimento narrativo na infânciaA Mor
 
Jornal online - 2
Jornal   online - 2Jornal   online - 2
Jornal online - 2Fabio Rossi
 
Cyro na feira do livro de itapé
Cyro na feira do livro de itapéCyro na feira do livro de itapé
Cyro na feira do livro de itapéRoberto Rabat Chame
 
Discurso Paraninfo Antônio Terra para a turma de Publicidade e Propaganda 201...
Discurso Paraninfo Antônio Terra para a turma de Publicidade e Propaganda 201...Discurso Paraninfo Antônio Terra para a turma de Publicidade e Propaganda 201...
Discurso Paraninfo Antônio Terra para a turma de Publicidade e Propaganda 201...G30 Gestão de Marcas
 
Folhetim do Estudante - Ano II - Núm. XXIX
Folhetim do Estudante - Ano II - Núm. XXIXFolhetim do Estudante - Ano II - Núm. XXIX
Folhetim do Estudante - Ano II - Núm. XXIXValter Gomes
 
A ARTE DE CONTAR HISTÓRIAS E SUA IMPORTÂNCIA NO DESENVOLVIMENTO INFANTIL
A ARTE DE CONTAR HISTÓRIAS E SUA IMPORTÂNCIA NO  DESENVOLVIMENTO INFANTILA ARTE DE CONTAR HISTÓRIAS E SUA IMPORTÂNCIA NO  DESENVOLVIMENTO INFANTIL
A ARTE DE CONTAR HISTÓRIAS E SUA IMPORTÂNCIA NO DESENVOLVIMENTO INFANTILRossita Figueira
 
Caderno de apoio a pratica pedagogica contos classicos mitologicos e modernos
Caderno de apoio a pratica pedagogica contos classicos mitologicos e modernosCaderno de apoio a pratica pedagogica contos classicos mitologicos e modernos
Caderno de apoio a pratica pedagogica contos classicos mitologicos e modernosvaldirnicioli1
 
Multiculturalismo - Prof. Cristina
Multiculturalismo - Prof. CristinaMulticulturalismo - Prof. Cristina
Multiculturalismo - Prof. CristinaAlexandre da Rosa
 
Folhetim do Estudante - Ano IV - Núm. 44
Folhetim do Estudante - Ano IV - Núm. 44Folhetim do Estudante - Ano IV - Núm. 44
Folhetim do Estudante - Ano IV - Núm. 44Valter Gomes
 
DissertaçãoRosirene Bento da Rocha.pdf
DissertaçãoRosirene Bento da Rocha.pdfDissertaçãoRosirene Bento da Rocha.pdf
DissertaçãoRosirene Bento da Rocha.pdfRosireneBentodaRocha
 
A importância de contar histórias
A importância de contar históriasA importância de contar histórias
A importância de contar históriasMargarete Tesch
 
DES|CONFINAR - Joaquim Colôa
DES|CONFINAR - Joaquim ColôaDES|CONFINAR - Joaquim Colôa
DES|CONFINAR - Joaquim ColôaJoaquim Colôa
 

Semelhante a O que são memórias literárias (20)

O que são memórias literárias
O que são memórias literáriasO que são memórias literárias
O que são memórias literárias
 
O que são memórias literárias
O que são memórias literáriasO que são memórias literárias
O que são memórias literárias
 
10
1010
10
 
O desenvolvimento narrativo na infância
O desenvolvimento narrativo na infânciaO desenvolvimento narrativo na infância
O desenvolvimento narrativo na infância
 
Jornal online - 2
Jornal   online - 2Jornal   online - 2
Jornal online - 2
 
5844 18542-1-pb
5844 18542-1-pb5844 18542-1-pb
5844 18542-1-pb
 
Cyro na feira do livro de itapé
Cyro na feira do livro de itapéCyro na feira do livro de itapé
Cyro na feira do livro de itapé
 
Atos de Leitura
Atos de Leitura Atos de Leitura
Atos de Leitura
 
Discurso Paraninfo Antônio Terra para a turma de Publicidade e Propaganda 201...
Discurso Paraninfo Antônio Terra para a turma de Publicidade e Propaganda 201...Discurso Paraninfo Antônio Terra para a turma de Publicidade e Propaganda 201...
Discurso Paraninfo Antônio Terra para a turma de Publicidade e Propaganda 201...
 
Folhetim do Estudante - Ano II - Núm. XXIX
Folhetim do Estudante - Ano II - Núm. XXIXFolhetim do Estudante - Ano II - Núm. XXIX
Folhetim do Estudante - Ano II - Núm. XXIX
 
A ARTE DE CONTAR HISTÓRIAS E SUA IMPORTÂNCIA NO DESENVOLVIMENTO INFANTIL
A ARTE DE CONTAR HISTÓRIAS E SUA IMPORTÂNCIA NO  DESENVOLVIMENTO INFANTILA ARTE DE CONTAR HISTÓRIAS E SUA IMPORTÂNCIA NO  DESENVOLVIMENTO INFANTIL
A ARTE DE CONTAR HISTÓRIAS E SUA IMPORTÂNCIA NO DESENVOLVIMENTO INFANTIL
 
Leitura e leitor
Leitura e leitorLeitura e leitor
Leitura e leitor
 
Caderno de apoio a pratica pedagogica contos classicos mitologicos e modernos
Caderno de apoio a pratica pedagogica contos classicos mitologicos e modernosCaderno de apoio a pratica pedagogica contos classicos mitologicos e modernos
Caderno de apoio a pratica pedagogica contos classicos mitologicos e modernos
 
Multiculturalismo - Prof. Cristina
Multiculturalismo - Prof. CristinaMulticulturalismo - Prof. Cristina
Multiculturalismo - Prof. Cristina
 
Folhetim do Estudante - Ano IV - Núm. 44
Folhetim do Estudante - Ano IV - Núm. 44Folhetim do Estudante - Ano IV - Núm. 44
Folhetim do Estudante - Ano IV - Núm. 44
 
A literatura enquanto catalisadora da mudança social
A literatura enquanto catalisadora da mudança socialA literatura enquanto catalisadora da mudança social
A literatura enquanto catalisadora da mudança social
 
Cartilha de Causos
Cartilha de CausosCartilha de Causos
Cartilha de Causos
 
DissertaçãoRosirene Bento da Rocha.pdf
DissertaçãoRosirene Bento da Rocha.pdfDissertaçãoRosirene Bento da Rocha.pdf
DissertaçãoRosirene Bento da Rocha.pdf
 
A importância de contar histórias
A importância de contar históriasA importância de contar histórias
A importância de contar histórias
 
DES|CONFINAR - Joaquim Colôa
DES|CONFINAR - Joaquim ColôaDES|CONFINAR - Joaquim Colôa
DES|CONFINAR - Joaquim Colôa
 

Mais de Eloy Souza

Apresentação territórios e governos hist. nicinho 7º c-d
Apresentação territórios e governos hist. nicinho 7º c-dApresentação territórios e governos hist. nicinho 7º c-d
Apresentação territórios e governos hist. nicinho 7º c-dEloy Souza
 
Patativa do Assaré
Patativa do AssaréPatativa do Assaré
Patativa do AssaréEloy Souza
 
Apresentação2
Apresentação2Apresentação2
Apresentação2Eloy Souza
 
Redendimento 2015
Redendimento 2015Redendimento 2015
Redendimento 2015Eloy Souza
 
Realizações e Perspectivas da Escola Municipal Dr. Eloy de Souza - Primeiro S...
Realizações e Perspectivas da Escola Municipal Dr. Eloy de Souza - Primeiro S...Realizações e Perspectivas da Escola Municipal Dr. Eloy de Souza - Primeiro S...
Realizações e Perspectivas da Escola Municipal Dr. Eloy de Souza - Primeiro S...Eloy Souza
 
Geografia8 grandes regioes_do_sul_africa_e_oriente_medio- publicar
Geografia8 grandes regioes_do_sul_africa_e_oriente_medio- publicarGeografia8 grandes regioes_do_sul_africa_e_oriente_medio- publicar
Geografia8 grandes regioes_do_sul_africa_e_oriente_medio- publicarEloy Souza
 
Geografia9 europa e_cei-publicar
Geografia9 europa e_cei-publicarGeografia9 europa e_cei-publicar
Geografia9 europa e_cei-publicarEloy Souza
 
Geografia8 grandes regioes_do_sul_africa_e_oriente_medio- ´publicar
Geografia8 grandes regioes_do_sul_africa_e_oriente_medio- ´publicarGeografia8 grandes regioes_do_sul_africa_e_oriente_medio- ´publicar
Geografia8 grandes regioes_do_sul_africa_e_oriente_medio- ´publicarEloy Souza
 
Geografia7 brasil utilizacao_do_espaco- publicar
Geografia7 brasil utilizacao_do_espaco- publicarGeografia7 brasil utilizacao_do_espaco- publicar
Geografia7 brasil utilizacao_do_espaco- publicarEloy Souza
 
Geografia6 litosfera atmosfera_hidrosfera- 6ºs - publicar
Geografia6 litosfera atmosfera_hidrosfera- 6ºs - publicarGeografia6 litosfera atmosfera_hidrosfera- 6ºs - publicar
Geografia6 litosfera atmosfera_hidrosfera- 6ºs - publicarEloy Souza
 
Geo 9º - nicinho
Geo  9º - nicinhoGeo  9º - nicinho
Geo 9º - nicinhoEloy Souza
 
Geo 8º - nicinho
Geo  8º - nicinhoGeo  8º - nicinho
Geo 8º - nicinhoEloy Souza
 
Geo 7º - nicinho
Geo  7º - nicinhoGeo  7º - nicinho
Geo 7º - nicinhoEloy Souza
 
Geo 6º - nicinho
Geo  6º - nicinhoGeo  6º - nicinho
Geo 6º - nicinhoEloy Souza
 
Slides dissertação
Slides dissertaçãoSlides dissertação
Slides dissertaçãoEloy Souza
 
Quem foi fernando sabino
Quem foi fernando sabinoQuem foi fernando sabino
Quem foi fernando sabinoEloy Souza
 
Quem foi fernando sabino
Quem foi fernando sabinoQuem foi fernando sabino
Quem foi fernando sabinoEloy Souza
 
Apresentação do projeto leitura
Apresentação do projeto leituraApresentação do projeto leitura
Apresentação do projeto leituraEloy Souza
 

Mais de Eloy Souza (20)

Apresentação territórios e governos hist. nicinho 7º c-d
Apresentação territórios e governos hist. nicinho 7º c-dApresentação territórios e governos hist. nicinho 7º c-d
Apresentação territórios e governos hist. nicinho 7º c-d
 
Patativa do Assaré
Patativa do AssaréPatativa do Assaré
Patativa do Assaré
 
Apresentação2
Apresentação2Apresentação2
Apresentação2
 
Redendimento 2015
Redendimento 2015Redendimento 2015
Redendimento 2015
 
Realizações e Perspectivas da Escola Municipal Dr. Eloy de Souza - Primeiro S...
Realizações e Perspectivas da Escola Municipal Dr. Eloy de Souza - Primeiro S...Realizações e Perspectivas da Escola Municipal Dr. Eloy de Souza - Primeiro S...
Realizações e Perspectivas da Escola Municipal Dr. Eloy de Souza - Primeiro S...
 
Geografia8 grandes regioes_do_sul_africa_e_oriente_medio- publicar
Geografia8 grandes regioes_do_sul_africa_e_oriente_medio- publicarGeografia8 grandes regioes_do_sul_africa_e_oriente_medio- publicar
Geografia8 grandes regioes_do_sul_africa_e_oriente_medio- publicar
 
Geografia9 europa e_cei-publicar
Geografia9 europa e_cei-publicarGeografia9 europa e_cei-publicar
Geografia9 europa e_cei-publicar
 
Geografia8 grandes regioes_do_sul_africa_e_oriente_medio- ´publicar
Geografia8 grandes regioes_do_sul_africa_e_oriente_medio- ´publicarGeografia8 grandes regioes_do_sul_africa_e_oriente_medio- ´publicar
Geografia8 grandes regioes_do_sul_africa_e_oriente_medio- ´publicar
 
Geografia7 brasil utilizacao_do_espaco- publicar
Geografia7 brasil utilizacao_do_espaco- publicarGeografia7 brasil utilizacao_do_espaco- publicar
Geografia7 brasil utilizacao_do_espaco- publicar
 
Geografia6 litosfera atmosfera_hidrosfera- 6ºs - publicar
Geografia6 litosfera atmosfera_hidrosfera- 6ºs - publicarGeografia6 litosfera atmosfera_hidrosfera- 6ºs - publicar
Geografia6 litosfera atmosfera_hidrosfera- 6ºs - publicar
 
Geo 9º - nicinho
Geo  9º - nicinhoGeo  9º - nicinho
Geo 9º - nicinho
 
Geo 8º - nicinho
Geo  8º - nicinhoGeo  8º - nicinho
Geo 8º - nicinho
 
Geo 7º - nicinho
Geo  7º - nicinhoGeo  7º - nicinho
Geo 7º - nicinho
 
Geo 6º - nicinho
Geo  6º - nicinhoGeo  6º - nicinho
Geo 6º - nicinho
 
Slides dissertação
Slides dissertaçãoSlides dissertação
Slides dissertação
 
Quem foi fernando sabino
Quem foi fernando sabinoQuem foi fernando sabino
Quem foi fernando sabino
 
Quem foi fernando sabino
Quem foi fernando sabinoQuem foi fernando sabino
Quem foi fernando sabino
 
História
HistóriaHistória
História
 
História
HistóriaHistória
História
 
Apresentação do projeto leitura
Apresentação do projeto leituraApresentação do projeto leitura
Apresentação do projeto leitura
 

Último

geografia 7 ano - relevo, altitude, topos do mundo
geografia 7 ano - relevo, altitude, topos do mundogeografia 7 ano - relevo, altitude, topos do mundo
geografia 7 ano - relevo, altitude, topos do mundonialb
 
HABILIDADES ESSENCIAIS - MATEMÁTICA 4º ANO.pdf
HABILIDADES ESSENCIAIS  - MATEMÁTICA 4º ANO.pdfHABILIDADES ESSENCIAIS  - MATEMÁTICA 4º ANO.pdf
HABILIDADES ESSENCIAIS - MATEMÁTICA 4º ANO.pdfdio7ff
 
VALORES HUMANOS NA DISCIPLINA DE ENSINO RELIGIOSO
VALORES HUMANOS NA DISCIPLINA DE ENSINO RELIGIOSOVALORES HUMANOS NA DISCIPLINA DE ENSINO RELIGIOSO
VALORES HUMANOS NA DISCIPLINA DE ENSINO RELIGIOSOBiatrizGomes1
 
Currículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdf
Currículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdfCurrículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdf
Currículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdfIedaGoethe
 
19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros
19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros
19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileirosMary Alvarenga
 
Guia completo da Previdênci a - Reforma .pdf
Guia completo da Previdênci a - Reforma .pdfGuia completo da Previdênci a - Reforma .pdf
Guia completo da Previdênci a - Reforma .pdfEyshilaKelly1
 
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão Linguística
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão LinguísticaA Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão Linguística
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão LinguísticaFernanda Ledesma
 
DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...
DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...
DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...Martin M Flynn
 
Recurso Casa das Ciências: Sistemas de Partículas
Recurso Casa das Ciências: Sistemas de PartículasRecurso Casa das Ciências: Sistemas de Partículas
Recurso Casa das Ciências: Sistemas de PartículasCasa Ciências
 
Educação São Paulo centro de mídias da SP
Educação São Paulo centro de mídias da SPEducação São Paulo centro de mídias da SP
Educação São Paulo centro de mídias da SPanandatss1
 
PLANEJAMENTO anual do 3ANO fundamental 1 MG.pdf
PLANEJAMENTO anual do  3ANO fundamental 1 MG.pdfPLANEJAMENTO anual do  3ANO fundamental 1 MG.pdf
PLANEJAMENTO anual do 3ANO fundamental 1 MG.pdfProfGleide
 
Slides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptxSlides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
FCEE - Diretrizes - Autismo.pdf para imprimir
FCEE - Diretrizes - Autismo.pdf para imprimirFCEE - Diretrizes - Autismo.pdf para imprimir
FCEE - Diretrizes - Autismo.pdf para imprimirIedaGoethe
 
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdf
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdfDIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdf
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdfIedaGoethe
 
Prática de interpretação de imagens de satélite no QGIS
Prática de interpretação de imagens de satélite no QGISPrática de interpretação de imagens de satélite no QGIS
Prática de interpretação de imagens de satélite no QGISVitor Vieira Vasconcelos
 
Cultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdf
Cultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdfCultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdf
Cultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdfaulasgege
 
Bingo da potenciação e radiciação de números inteiros
Bingo da potenciação e radiciação de números inteirosBingo da potenciação e radiciação de números inteiros
Bingo da potenciação e radiciação de números inteirosAntnyoAllysson
 
Mesoamérica.Astecas,inca,maias , olmecas
Mesoamérica.Astecas,inca,maias , olmecasMesoamérica.Astecas,inca,maias , olmecas
Mesoamérica.Astecas,inca,maias , olmecasRicardo Diniz campos
 
Slides criatividade 01042024 finalpdf Portugues.pdf
Slides criatividade 01042024 finalpdf Portugues.pdfSlides criatividade 01042024 finalpdf Portugues.pdf
Slides criatividade 01042024 finalpdf Portugues.pdfpaulafernandes540558
 
Empreendedorismo: O que é ser empreendedor?
Empreendedorismo: O que é ser empreendedor?Empreendedorismo: O que é ser empreendedor?
Empreendedorismo: O que é ser empreendedor?MrciaRocha48
 

Último (20)

geografia 7 ano - relevo, altitude, topos do mundo
geografia 7 ano - relevo, altitude, topos do mundogeografia 7 ano - relevo, altitude, topos do mundo
geografia 7 ano - relevo, altitude, topos do mundo
 
HABILIDADES ESSENCIAIS - MATEMÁTICA 4º ANO.pdf
HABILIDADES ESSENCIAIS  - MATEMÁTICA 4º ANO.pdfHABILIDADES ESSENCIAIS  - MATEMÁTICA 4º ANO.pdf
HABILIDADES ESSENCIAIS - MATEMÁTICA 4º ANO.pdf
 
VALORES HUMANOS NA DISCIPLINA DE ENSINO RELIGIOSO
VALORES HUMANOS NA DISCIPLINA DE ENSINO RELIGIOSOVALORES HUMANOS NA DISCIPLINA DE ENSINO RELIGIOSO
VALORES HUMANOS NA DISCIPLINA DE ENSINO RELIGIOSO
 
Currículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdf
Currículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdfCurrículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdf
Currículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdf
 
19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros
19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros
19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros
 
Guia completo da Previdênci a - Reforma .pdf
Guia completo da Previdênci a - Reforma .pdfGuia completo da Previdênci a - Reforma .pdf
Guia completo da Previdênci a - Reforma .pdf
 
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão Linguística
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão LinguísticaA Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão Linguística
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão Linguística
 
DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...
DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...
DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...
 
Recurso Casa das Ciências: Sistemas de Partículas
Recurso Casa das Ciências: Sistemas de PartículasRecurso Casa das Ciências: Sistemas de Partículas
Recurso Casa das Ciências: Sistemas de Partículas
 
Educação São Paulo centro de mídias da SP
Educação São Paulo centro de mídias da SPEducação São Paulo centro de mídias da SP
Educação São Paulo centro de mídias da SP
 
PLANEJAMENTO anual do 3ANO fundamental 1 MG.pdf
PLANEJAMENTO anual do  3ANO fundamental 1 MG.pdfPLANEJAMENTO anual do  3ANO fundamental 1 MG.pdf
PLANEJAMENTO anual do 3ANO fundamental 1 MG.pdf
 
Slides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptxSlides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptx
 
FCEE - Diretrizes - Autismo.pdf para imprimir
FCEE - Diretrizes - Autismo.pdf para imprimirFCEE - Diretrizes - Autismo.pdf para imprimir
FCEE - Diretrizes - Autismo.pdf para imprimir
 
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdf
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdfDIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdf
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdf
 
Prática de interpretação de imagens de satélite no QGIS
Prática de interpretação de imagens de satélite no QGISPrática de interpretação de imagens de satélite no QGIS
Prática de interpretação de imagens de satélite no QGIS
 
Cultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdf
Cultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdfCultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdf
Cultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdf
 
Bingo da potenciação e radiciação de números inteiros
Bingo da potenciação e radiciação de números inteirosBingo da potenciação e radiciação de números inteiros
Bingo da potenciação e radiciação de números inteiros
 
Mesoamérica.Astecas,inca,maias , olmecas
Mesoamérica.Astecas,inca,maias , olmecasMesoamérica.Astecas,inca,maias , olmecas
Mesoamérica.Astecas,inca,maias , olmecas
 
Slides criatividade 01042024 finalpdf Portugues.pdf
Slides criatividade 01042024 finalpdf Portugues.pdfSlides criatividade 01042024 finalpdf Portugues.pdf
Slides criatividade 01042024 finalpdf Portugues.pdf
 
Empreendedorismo: O que é ser empreendedor?
Empreendedorismo: O que é ser empreendedor?Empreendedorismo: O que é ser empreendedor?
Empreendedorismo: O que é ser empreendedor?
 

O que são memórias literárias

  • 1. o que são memórias literárias ?
  • 2. Memórias são textos produzidos para rememorar o passado, vivido ou imaginado. para isso devem-se escolher cuidadosamente as palavras, orientados por critérios estéticos que atribuem ao texto ritmo e conduzem o leitor por cenários e situações reais ou imaginárias. essas narrativas têm como ponto de partida experiências vividas pelo autor no passado, contadas como são lembradas no presente. há situações em que a memória se apresenta por meio de perguntas que fazemos ou que fazem para nós. em outras, a memória é despertada por uma imagem, um cheiro, um som.
  • 3. Esse tipo de narrativa aproxima os ausentes, compreende o passado, conhece outros modos de viver, outros jeitos de falar, outras formas de se comportar e representa possibilidades de entrelaçar novas vidas com as heranças deixadas pelas gerações anteriores. as histórias passadas podem unir moradores de um mesmo lugar e fazer que cada um sinta-se parte de uma mesma comunidade. isso porque a história de cada indivíduo traz em si a memória do grupo social ao qual pertence. esse encontro é uma experiência humanizadora.
  • 4. um tempo do passado: pretérito perfeito e pretérito imperfeito. eles indicam ações e têm a propriedade de localizar o fato no tempo, em relação ao momento em que se fala. O narrador em primeira pessoa é o narrador-personagem ou narrador-testemunha. No caso de memórias teremos, geralmente, o narrador-personagem, que tem por característica se apresentar e se manifestar como eu e fala a respeito daquilo que viveu. Conta a história dele sempre de forma parcial, considerando um único ponto de vista: o dele. (Geraldo Canuto)
  • 5. Características do gênero: Há comparações entre o presente e o passado;
  • 6. Há palavras e expressões que indicam uma época, situando o leitor no tempo passado; Usa adequadamente os verbos no pretérito perfeito e imperfeito; Refere-se a objetos, lugares e modos de vida que já não existem ou se transformam; Evidencia sentimentos, emoções e impressões sobre os acontecimentos, fatos, etc; Descreve, quando necessário, o que querem dizer certas expressões antigas ou o significado de certas palavras em desuso.
  • 7. VALORES PERDIDOS Minha infância foi em Corumbá-MS, onde nasci e vivi, era repleta de brincadeiras como “pega-pega”, “amarelinha”, “passa anel” “peteca”, “roda” e várias outras que cercavam as crianças da época. Lembro-me que havia uma inocência no brincar em que a amizade e o respeito eram valorizados.
  • 8. Esse respeito estava presente, também, na minha relação com meus pais que era muito boa. Brincávamos, conversávamos, mas quando chegava visita, não podíamos entrar no meio da conversa, entrar na sala jamais era permitido, caso desobedecêssemos, éramos colocados de castigo, além de levarmos algumas palmadas. Na minha época, a sociedade era tranquila, não havia brigas, rebeldias. A sociedade vivia em harmonia. Isso devido aos cuidados dos pais ou responsáveis, pois se quiséssemos sair, só podíamos acompanhados da mãe ou do pai. Andar
  • 9. Lembro-me de algo que marcou bastante minha vida, foi o dia em que minha mãe morreu. Fiquei muito triste, senti-me mal e cheguei a pensar: “o que seria de mim?”, mas com o passar do tempo superei e hoje ficaram as boas lembranças de quem amo muito. Diante desses fatos, para mim a vida de antigamente era bem melhor, pois não existia tanta desgraça como hoje, não tinha tanta droga, vândalos, gangues e o estresse da sociedade atual. Outra diferença está na tecnologia, naquela época era composta por Discos de músicas (os chamados LP’S) e rádios, lembro-me que em casa tínhamos fogão à lenha, o ferro de passar a roupa era aquecido com brasas feitas de carvão. Não tínhamos televisão, geladeira e várias outras mordomias de hoje. Comparando a sociedade atual e a de antigamente muitas coisas se perderam as pessoas ficaram mais violentas além de fofocas caluniosas. Sou Gilma Flores, tenho 60 anos, nasci em 23 de maio de 1952 e esse é o meu sentimento ligado ao aprendizado dos anos que apesar de às vezes lamentar, alegro-me em ver tudo que posso ensinar e continuar aprendendo. Aluna:Annie Caroline Turma: 7 ano B (2012) Escola: EM Profº Gonçalina Faustina de Oliveira. Profº Wagner G Lucas
  • 10. O romance de Manuel Antônio de Almeida, escrito no período do romantismo, retrata a vida do Rio de Janeiro no início do século XIX e desenvolve pela primeira vez na literatura nacional a figura do malandro.
  • 11. Ao criar um narrador que resolve contar sua vida depois de morto, Machado de Assis muda radicalmente o panorama da literatura brasileira, além de expor de forma irônica os privilégios da elite da época.