SlideShare uma empresa Scribd logo
429
José Affonso Dallegrave Neto
Espécies de responsabilidades
no contrato de trabalho
A responsabilidade civil encerra requisitos de configuração que variam
quando decorrentes da teoria subjetiva ou da teoria objetiva. Assim, em se
tratando de responsabilidade com arrimo na culpa, temos os seguintes ele-
mentos:
dano;
ato ou omissão ilícita;
nexo causal.
Entretanto, quando a responsabilidade se deve ao risco da atividade,
temos:
dano;
atividade de risco;
nexo causal.
A chamada assunção do risco da atividade econômica pela empresa, apli-
cável ao contrato de trabalho, é sucedânea do próprio poder de comando do
empregador, que ao traçar as suas linhas de atuação acaba se responsabili-
zando pelos desígnios da atividade: seus bônus e ônus; lucros e prejuízos (ubi
emolumentum, ibi onus).
Em se tratando de responsabilidade civil contratual, o dever jurídico vio-
lado resulta da inexecução de uma obrigação contratual preexistente, a qual
decorre da autonomia privada (o contrato). Ao contrário, na responsabilidade
extracontratual é a violação da lei ou da ordem jurídica que dará ensejo à re-
lação jurídica obrigacional entre agente e vítima (dever de indenizar).
Elementos
da responsabilidade civil
Este material é parte integrante do acervo do IESDE BRASIL S.A.,
mais informações www.iesde.com.br
430
Elementos da responsabilidade civil
A obrigação de trabalhar é de meio, enquanto a obrigação de remunerar é de
resultado. Dessa forma, o empregador assume o resultado da atividade desempe-
nhada pelo empregado.Vale dizer: em troca da energia despendida, o empregado
receberá, sem qualquer risco, o salário ajustado e os direitos assegurados em lei.
Inexecução contratual
Tanto o inadimplemento quanto a mora são formas de inexecução contratual.
Nesse sentido prescrevem os artigos 389 e 394 do Código Civil (CC). Ambos confi-
guram-se quando passíveis de serem imputados ao devedor. Logo, a força maior
ou a culpa exclusiva do credor descaracterizam o inadimplemento e a mora.
O inadimplemento é a inexecução absoluta, enquanto a mora implica inexecu-
ção relativa. O inadimplemento se caracteriza pela impossibilidade da prestação
ou mesmo quando o devedor se nega a cumpri-la. Já a mora pode ser purgada,
se assim desejar o devedor e desde que a prestação ainda seja possível de ser
realizada.
A mora pode ser ex re ou ex persona. A primeira se opera de pleno direito a
contar da data de seu vencimento, enquanto que a mora expersona caracteriza-se
com a notificação do devedor, nos casos em que não há dia certo para o cumpri-
mento da prestação.
Não se confunde mora solvendi – imputável ao devedor quando a prestação
ainda é possível – com mora accipiendi, assinalada pela injusta recusa do credor
em aceitar o cumprimento da obrigação na forma, lugar e tempo devidos.
O artigo 407 do CC prevê a incidência de juros pela mora do devedor, indepen-
dente de alegação do prejuízo do credor, quando da fixação do valor pecuniário
por sentença judicial, arbitramento ou acordo entre as partes. Tais juros morató-
rios são uma espécie de indenização mínima, legalmente presumida, pelo retar-
damento do cumprimento da obrigação, pelo que são sempre devidos.
Numa visão moderna, a inexecução contratual importa não só a inadimplência
da obrigação principal, mas também o não cumprimento da obrigação secundá-
ria ou de algum dever anexo de conduta.
Obrigações principais são aquelas que constituem o próprio núcleo definidor
do contrato. Na esfera trabalhista, a obrigação principal do empregado é de meio
e se traduz em trabalhar de maneira subordinada e de acordo com as diretivas da
Este material é parte integrante do acervo do IESDE BRASIL S.A.,
mais informações www.iesde.com.br
Elementos da responsabilidade civil
431
empresa-empregadora. Já a obrigação principal da empresa é de resultado e con-
siste em remunerar o trabalho prestado, de acordo com o valor pactuado e nos
termos das normas legais e coletivas que incidem sobre o contrato.
Obrigações secundárias podem ser subdivididas em duas: aquelas meramente
acessórias às obrigações principais, as quais preparam o seu regular cumprimen-
to e as obrigações secundárias com prestação autônoma, que revelam verdadei-
ros sucedâneos da obrigação principal, como dever de indenizar resultante da
impossibilidade culposa da prestação.
Por derradeiro, deveres anexos de conduta são aqueles que têm sua origem e
são informados pela boa-fé. Não apenas a boa-fé crença, que vincula a declara-
ção firmada, mas, antes, a boa-fé objetiva representada pela lealdade que orienta
o comportamento reto dos sujeitos da relação obrigacional, sobretudo, aquela
duradoura e complexa, como é o caso do contrato de trabalho. São espécies os
seguintes deveres:
de proteção;
de esclarecimento;
de lealdade.
Os primeiros visam elidir danos mútuos nas pessoas e nos patrimônios dos
contratantes. Os segundos obrigam as partes a informarem-se mutuamente de
todos os aspectos do vínculo, bem como os efeitos que da execução contratual
possam advir. Os últimos impõem aos contratantes absterem-se de comporta-
mentos que possam falsear o objetivo do contrato ou causar desequilíbrio acerca
da comutatividade das prestações.
Ato ilícito e culpa
O elemento culpa é relevante nas hipóteses de responsabilidade subjetiva,
sendo desprezado nas responsabilidades objetivas, as quais requerem apenas a
comprovação do dano e do nexo causal em relação à atividade de risco.
A culpa integra o conceito de ato ilícito que, por sua vez, caracteriza-se como
todo ato voluntário do homem que contraria a ordem jurídica. Assim, ato ilícito
é a antijuridicidade oriunda de ação voluntária com culpa do agente. Essa noção
é necessária para diferenciar culpa de dolo, ambas pertencentes à “culpa lato
Este material é parte integrante do acervo do IESDE BRASIL S.A.,
mais informações www.iesde.com.br
432
Elementos da responsabilidade civil
sensu”. No dolo há uma tríplice coincidência entre vontade manifestada, intenção
desejada e resultado obtido; na culpa o agente decide pela conduta praticada,
sem desejar o resultado maléfico, o qual é, todavia, previsível devido à negligên-
cia, imprudência e imperícia praticadas.
Nessa esteira taxionômica, a negligência ocorre pela ausência de cautela ade-
quada do agente, configurada por uma atitude omissiva. A imprudência caracte-
riza-se pela falta de cuidado caracterizada numa atitude comissiva. Finalmente, a
imperícia traduz-se pela falta de habilidade no exercício de atividade profissional
ou técnica.
A imputabilidade é, pois, elemento indissociável da culpa, podendo ser con-
ceituada como o conjunto de condições pessoais que dão ao agente capacidade
para poder responder pelas consequências de uma conduta contrária ao dever.
Mencionem-se ainda os casos em que o agente atua em legítima defesa ou
no exercício regular de um direito reconhecido. A rigor, nessas situações não há
responsabilidade, porque sequer existe ato ilícito (CC/2002, art. 188, I).
Culpa in eligendo é aquela que procede de má escolha do representante ou
preposto da empresa. Culpa in vigilando provém da ausência de correta fiscali-
zação ou vigilância do empregador em relação aos atos dos empregados que se
encontram sob sua subordinação. Tais espécies são relevantes, principalmente,
para fundamentar a responsabilidade do empregador por ato danoso praticado
por seu empregado contra terceiro.
Dano material e moral
O dano constitui a essência da responsabilidade civil. Sem dano pode até exis-
tir responsabilidade penal, mas jamais civil. A indenização quando dissociada do
dano é locupletamento.
Quando o dano repercute sobre o patrimônio da vítima, entendido como
aquele suscetível de aferição em dinheiro, denominar-se-á dano patrimonial. Ao
revés, quando a implicação do dano violar direito geral de personalidade, atingin-
do interesse sem expressão econômica, dir-se-á, então, dano extrapatrimonial.
O dano material encerra perdas e danos que alcança os danos emergentes e
Este material é parte integrante do acervo do IESDE BRASIL S.A.,
mais informações www.iesde.com.br
Elementos da responsabilidade civil
433
os lucros cessantes (CC, art. 402), exigindo-se assim a prova concreta do prejuízo
sofrido pela vítima. Enquanto o dano emergente retrata o prejuízo atual, o lucro
cessante envolve o prejuízo futuro, o qual pode se manifestar sob dupla forma:
como continuação do dano atual ou como dano futuro propriamente dito.
No dano moral, o valor é arbitrado pelo juiz que visa a uma compensação fi-
nanceira para a vítima, sendo desnecessária a prova do prejuízo moral, o qual é
presumido da própria violação à personalidade da vítima.
O dano moral objetivo atinge a dimensão moral da pessoa em seu meio social,
envolvendo o prejuízo de sua imagem, enquanto o dano moral subjetivo está rela-
cionado com o mal sofrido pela pessoa em sua subjetividade, em sua intimidade
psíquica, sujeita à dor ou sofrimento próprios.
A pessoa jurídica pode sofrer dano moral, conforme prevê a Súmula 227 do
Superior Tribunal de Justiça (STJ) e desde que atinja a honra objetiva (difamação),
sendo impróprio falar em honra subjetiva (calúnia ou injúria) da empresa.
Atualmente é indiscutível a admissão do dano extrapatrimonial em matéria
contratual, o qual pode se manifestar pelo:
não cumprimento de uma obrigação;
cumprimento defeituoso; ou
quebra de deveres secundários derivados da boa-fé.
Das três formas já vistas, a de maior incidência é o dano moral oriundo do
descumprimento de dever anexo de conduta, que se subdivide em dever de pro-
teção, informação e lealdade. Se de um lado é comum o empregador cumprir de
forma regular sua obrigação principal, de outro, todavia, verifica-se, amiúde, seu
total desrespeito em relação aos direitos de personalidade do trabalhador.
No campo da responsabilidade civil, o solidarismo constitucional manifesta-
-se na postura dos julgadores em buscar a reparação efetiva do dano infligido
ao trabalhador, enxergando-o em sua essência, não apenas como um sujeito de
direito de uma relação jurídica, mas antes como gente em sua essência humana
e digna.
Este material é parte integrante do acervo do IESDE BRASIL S.A.,
mais informações www.iesde.com.br
434
Elementos da responsabilidade civil
Nexo causal e excludentes
da responsabilidade
Não há indenização sem a presença do dano, bem assim quando ausente o
nexo causal entre o dano e a culpa (ou atividade de risco) do agente. Ambos os
elementos (dano e causalidade) são imprescindíveis tanto na responsabilidade
civil contratual e aquiliana, quanto na responsabilidade subjetiva e objetiva.
Em relação ao contrato de trabalho, o nexo causal aplica-se nas duas espécies
de responsabilidade civil, tendo relevo especial naquela em que o dano provém
do simples cumprimento regular do contrato, independentemente da culpa
do empregador. Apesar de, nessa responsabilidade, o empregado não precisar
comprovar a ocorrência de ato ilícito do empregador, para fazer jus à reparação,
deverá provar que o dano sofrido teve como causa o mero cumprimento regular
do contrato de trabalho.
A expressão efeitodiretoeimediato contida no artigo 403 do CC exprime a ideia
de que nem todas as causas têm relevância na imputação do dano, mas apenas
aquela que for mais direta, a mais determinante, não bastando que o ato ilícito se
erija em causa indireta ou remota do dano.
O dever de reparar o dano pode ser elidido, a rigor, em quatro situações:
culpa exclusiva da vítima;
fato de terceiro;
força maior; e
cláusula de não indenizar.
É preciso distinguir o dano que tenha sido motivado por culpa exclusiva da
vítima do dano em que tenha havido culpa concorrente da vítima. O primeiro
caso afigura-se como fator excludente de indenização, posto que o aparente
agente atua apenas como um instrumento do acidente, não se podendo falar em
liame de causalidade entre seu ato e o prejuízo experimentado pelo ofendido. Na
segunda situação, a culpa concorrente da vítima terá o condão de apenas abran-
dar a indenização, conforme previsão do artigo 945 do CC.
Quanto ao fato de terceiro, tido como pessoa diversa do agente e do ofendido,
resta saber se foi ele o causador único ou concorrente do dano sofrido pela vítima
Este material é parte integrante do acervo do IESDE BRASIL S.A.,
mais informações www.iesde.com.br
Elementos da responsabilidade civil
435
ou ainda se o terceiro não é um preposto da empresa ou mesmo colega de traba-
lho da vítima. Do contrário, por força do que dispõe a lei, a responsabilidade civil
recairá solidariamente ao agente direto e ao empregador.
Por intermédio da aplicação analógica do parágrafo 2.º, do artigo 501 combi-
nado com o artigo 502, ambos da Consolidação das Leis doTrabalho (CLT), a força
maior não elide o direito à indenização pelo empregado, sendo, contudo, devida
pela metade quando ela for capaz de afetar substancialmente a empresa ou sua
situação econômica.
Por fim, consigne-se como fato excludente da responsabilidade as chamadas
cláusulas de não indenizar. Fruto da autonomia privada, tal avença não encontra
margem de aplicação em nosso sistema jurídico marcado pelo solidarismo cons-
titucional (art. 1.º, III e art. 3.º, I), senão em situações especialíssimas. Sua aplicação
é inviável perante os contratos individuais de trabalho, seja porque se trata de um
contrato de adesão, seja porque um dos contratantes é considerado hipossufi-
ciente, seja porque tal ajuste fere frontalmente o conceito legal de empregador,
previsto no caput do artigo 2.º, da CLT, e a função social da empresa, conforme
enuncia o artigo 170, III, da Constituição Federal (CF).
Ampliando seus conhecimentos
Recomenda-se a leitura dos livros:
Curso de Direito Civil, de Silvio Rodrigues, editora Saraiva.
Curso de Direito Civil, de Maria Helena Diniz, editora Saraiva.
Este material é parte integrante do acervo do IESDE BRASIL S.A.,
mais informações www.iesde.com.br
Este material é parte integrante do acervo do IESDE BRASIL S.A.,
mais informações www.iesde.com.br

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Responsabilidade civil do Estado
Responsabilidade civil do EstadoResponsabilidade civil do Estado
Responsabilidade civil do Estado
Gesiel Oliveira
 
Aula n ¦. 05 - Responsabilidade Civil,
Aula n ¦. 05 - Responsabilidade Civil,Aula n ¦. 05 - Responsabilidade Civil,
Aula n ¦. 05 - Responsabilidade Civil,
Dimensson Costa Santos
 
Dir Adm Ponto Marcelo Alexandrino ExercíCios 07
Dir Adm   Ponto   Marcelo Alexandrino   ExercíCios 07Dir Adm   Ponto   Marcelo Alexandrino   ExercíCios 07
Dir Adm Ponto Marcelo Alexandrino ExercíCios 07
DEUS É FIEL ASSOCIAÇÃO BENEFICENTE CRISTÃ
 
Responsabilidade Civil Extracontratual
Responsabilidade Civil ExtracontratualResponsabilidade Civil Extracontratual
Responsabilidade Civil Extracontratual
Junior Ozono
 
Aula n ¦. 04 - excludentes de responsabilidade.
Aula n ¦. 04 - excludentes de responsabilidade.Aula n ¦. 04 - excludentes de responsabilidade.
Aula n ¦. 04 - excludentes de responsabilidade.
Dimensson Costa Santos
 
114622775 legislacao-imobiliaria-pag-9-14-e-26-31
114622775 legislacao-imobiliaria-pag-9-14-e-26-31114622775 legislacao-imobiliaria-pag-9-14-e-26-31
114622775 legislacao-imobiliaria-pag-9-14-e-26-31
Lucio Marcos
 
A responsabilidade civil do corretor de imóveis
A responsabilidade civil do corretor de imóveisA responsabilidade civil do corretor de imóveis
A responsabilidade civil do corretor de imóveis
Jornal Imóveis Curitiba
 
2012.1 semana 15 responsabilidade civil
2012.1 semana 15  responsabilidade civil2012.1 semana 15  responsabilidade civil
2012.1 semana 15 responsabilidade civil
jacsf_direito
 
Oab coordenadoria de processo civil - responsabilidade civil 101009
Oab   coordenadoria de processo civil - responsabilidade civil 101009Oab   coordenadoria de processo civil - responsabilidade civil 101009
Oab coordenadoria de processo civil - responsabilidade civil 101009
Pedro Kurbhi
 
Direito civil 4
Direito civil 4Direito civil 4
Direito civil 4
Elder Leite
 
Responsabilidade Civil x Responsabilidade Penal
Responsabilidade Civil x Responsabilidade PenalResponsabilidade Civil x Responsabilidade Penal
Responsabilidade Civil x Responsabilidade Penal
meuadvogado
 
Ato Jurídico e Fato Jurídico / Questão de Fato e Questão de Direito
Ato Jurídico e Fato Jurídico / Questão de Fato e Questão de DireitoAto Jurídico e Fato Jurídico / Questão de Fato e Questão de Direito
Ato Jurídico e Fato Jurídico / Questão de Fato e Questão de Direito
Alisson Soares
 
Trabalho defeitos-negócio-pub
Trabalho defeitos-negócio-pubTrabalho defeitos-negócio-pub
Trabalho defeitos-negócio-pub
João Silva
 
2012.1 semana 10 defeitos do negócio jurídico i
2012.1 semana 10  defeitos do negócio jurídico i2012.1 semana 10  defeitos do negócio jurídico i
2012.1 semana 10 defeitos do negócio jurídico i
jacsf_direito
 
2012.1 semana 9 negocio juridico
2012.1 semana 9   negocio juridico2012.1 semana 9   negocio juridico
2012.1 semana 9 negocio juridico
Nilo Tavares
 
2012.1 semana 13_-_prescri_o_e_decad_ncia
2012.1 semana 13_-_prescri_o_e_decad_ncia2012.1 semana 13_-_prescri_o_e_decad_ncia
2012.1 semana 13_-_prescri_o_e_decad_ncia
jacsf_direito
 
Aula3 fatos, atos e negócios jurídicos 06.08.2012
Aula3  fatos, atos e negócios jurídicos 06.08.2012Aula3  fatos, atos e negócios jurídicos 06.08.2012
Aato fato, negocio juridico
Aato fato, negocio juridicoAato fato, negocio juridico
Aato fato, negocio juridico
Alzira Dias
 
Direito civil obrigações
Direito civil obrigaçõesDireito civil obrigações
Direito civil obrigações
Junior Xavier
 
Faculdade de filosofia e ciências humanas de goiatuba
Faculdade de filosofia e ciências humanas de goiatubaFaculdade de filosofia e ciências humanas de goiatuba
Faculdade de filosofia e ciências humanas de goiatuba
Mireile Clarinda
 

Mais procurados (20)

Responsabilidade civil do Estado
Responsabilidade civil do EstadoResponsabilidade civil do Estado
Responsabilidade civil do Estado
 
Aula n ¦. 05 - Responsabilidade Civil,
Aula n ¦. 05 - Responsabilidade Civil,Aula n ¦. 05 - Responsabilidade Civil,
Aula n ¦. 05 - Responsabilidade Civil,
 
Dir Adm Ponto Marcelo Alexandrino ExercíCios 07
Dir Adm   Ponto   Marcelo Alexandrino   ExercíCios 07Dir Adm   Ponto   Marcelo Alexandrino   ExercíCios 07
Dir Adm Ponto Marcelo Alexandrino ExercíCios 07
 
Responsabilidade Civil Extracontratual
Responsabilidade Civil ExtracontratualResponsabilidade Civil Extracontratual
Responsabilidade Civil Extracontratual
 
Aula n ¦. 04 - excludentes de responsabilidade.
Aula n ¦. 04 - excludentes de responsabilidade.Aula n ¦. 04 - excludentes de responsabilidade.
Aula n ¦. 04 - excludentes de responsabilidade.
 
114622775 legislacao-imobiliaria-pag-9-14-e-26-31
114622775 legislacao-imobiliaria-pag-9-14-e-26-31114622775 legislacao-imobiliaria-pag-9-14-e-26-31
114622775 legislacao-imobiliaria-pag-9-14-e-26-31
 
A responsabilidade civil do corretor de imóveis
A responsabilidade civil do corretor de imóveisA responsabilidade civil do corretor de imóveis
A responsabilidade civil do corretor de imóveis
 
2012.1 semana 15 responsabilidade civil
2012.1 semana 15  responsabilidade civil2012.1 semana 15  responsabilidade civil
2012.1 semana 15 responsabilidade civil
 
Oab coordenadoria de processo civil - responsabilidade civil 101009
Oab   coordenadoria de processo civil - responsabilidade civil 101009Oab   coordenadoria de processo civil - responsabilidade civil 101009
Oab coordenadoria de processo civil - responsabilidade civil 101009
 
Direito civil 4
Direito civil 4Direito civil 4
Direito civil 4
 
Responsabilidade Civil x Responsabilidade Penal
Responsabilidade Civil x Responsabilidade PenalResponsabilidade Civil x Responsabilidade Penal
Responsabilidade Civil x Responsabilidade Penal
 
Ato Jurídico e Fato Jurídico / Questão de Fato e Questão de Direito
Ato Jurídico e Fato Jurídico / Questão de Fato e Questão de DireitoAto Jurídico e Fato Jurídico / Questão de Fato e Questão de Direito
Ato Jurídico e Fato Jurídico / Questão de Fato e Questão de Direito
 
Trabalho defeitos-negócio-pub
Trabalho defeitos-negócio-pubTrabalho defeitos-negócio-pub
Trabalho defeitos-negócio-pub
 
2012.1 semana 10 defeitos do negócio jurídico i
2012.1 semana 10  defeitos do negócio jurídico i2012.1 semana 10  defeitos do negócio jurídico i
2012.1 semana 10 defeitos do negócio jurídico i
 
2012.1 semana 9 negocio juridico
2012.1 semana 9   negocio juridico2012.1 semana 9   negocio juridico
2012.1 semana 9 negocio juridico
 
2012.1 semana 13_-_prescri_o_e_decad_ncia
2012.1 semana 13_-_prescri_o_e_decad_ncia2012.1 semana 13_-_prescri_o_e_decad_ncia
2012.1 semana 13_-_prescri_o_e_decad_ncia
 
Aula3 fatos, atos e negócios jurídicos 06.08.2012
Aula3  fatos, atos e negócios jurídicos 06.08.2012Aula3  fatos, atos e negócios jurídicos 06.08.2012
Aula3 fatos, atos e negócios jurídicos 06.08.2012
 
Aato fato, negocio juridico
Aato fato, negocio juridicoAato fato, negocio juridico
Aato fato, negocio juridico
 
Direito civil obrigações
Direito civil obrigaçõesDireito civil obrigações
Direito civil obrigações
 
Faculdade de filosofia e ciências humanas de goiatuba
Faculdade de filosofia e ciências humanas de goiatubaFaculdade de filosofia e ciências humanas de goiatuba
Faculdade de filosofia e ciências humanas de goiatuba
 

Semelhante a direito civil Download 01

Noções Introdutórias de Responsabilidade Civil
Noções Introdutórias de Responsabilidade CivilNoções Introdutórias de Responsabilidade Civil
Noções Introdutórias de Responsabilidade Civil
Junior Ozono
 
Responsabilidade civil e penal
Responsabilidade civil e penalResponsabilidade civil e penal
Responsabilidade civil e penal
qbonaza
 
Resumo livro - Noronha
Resumo livro -  NoronhaResumo livro -  Noronha
Resumo livro - Noronha
Pedro Cechet
 
Responsabilidade Civil
Responsabilidade CivilResponsabilidade Civil
Responsabilidade Civil
João Paulo Costa Melo
 
Sistema de responsabilidade civil vigente no Brasil
Sistema de responsabilidade civil vigente no BrasilSistema de responsabilidade civil vigente no Brasil
Sistema de responsabilidade civil vigente no Brasil
Wagson Filho
 
Responsabilidade Civil Extracontratual
Responsabilidade Civil ExtracontratualResponsabilidade Civil Extracontratual
Responsabilidade Civil Extracontratual
Junior Ozono
 
AULA 1.pptx
AULA 1.pptxAULA 1.pptx
AULA 1.pptx
LeticiaJonck
 
Direito Civil (Obrigações) - Inadimplemento das Obrigações
Direito Civil (Obrigações) - Inadimplemento das ObrigaçõesDireito Civil (Obrigações) - Inadimplemento das Obrigações
Direito Civil (Obrigações) - Inadimplemento das Obrigações
Dayane Barros
 
Legislação turismo 03
Legislação turismo 03Legislação turismo 03
Legislação turismo 03
Ivan Furmann
 
Civil obrigacoes vol_1
Civil obrigacoes vol_1Civil obrigacoes vol_1
Civil obrigacoes vol_1
Stênio Leão
 
Civil civil
Civil civilCivil civil
Apostila direito das obrigações
Apostila direito das obrigaçõesApostila direito das obrigações
Apostila direito das obrigações
Direito Faclions
 
apostila-direito-das-obrigacoes
apostila-direito-das-obrigacoesapostila-direito-das-obrigacoes
apostila-direito-das-obrigacoes
Francisco E Elisangela Biolchi
 
Direito civil iii
Direito civil iiiDireito civil iii
Direito civil iii
Pri Scylla
 
Resumo de Direito das Obrigações - Menezes Leitão.pdf
Resumo de Direito das Obrigações - Menezes Leitão.pdfResumo de Direito das Obrigações - Menezes Leitão.pdf
Resumo de Direito das Obrigações - Menezes Leitão.pdf
BrunoMindo
 
Resumo de Direito das Obrigações - Menezes Leitão.pdf
Resumo de Direito das Obrigações - Menezes Leitão.pdfResumo de Direito das Obrigações - Menezes Leitão.pdf
Resumo de Direito das Obrigações - Menezes Leitão.pdf
BrunoMindo
 
O arbitramento em parcela única de pensão indenizatória decorrente de acident...
O arbitramento em parcela única de pensão indenizatória decorrente de acident...O arbitramento em parcela única de pensão indenizatória decorrente de acident...
O arbitramento em parcela única de pensão indenizatória decorrente de acident...
Fabiano Desidério
 
Apostila-de-direito-das-obrigacoes-30-10
Apostila-de-direito-das-obrigacoes-30-10Apostila-de-direito-das-obrigacoes-30-10
Apostila-de-direito-das-obrigacoes-30-10
Henrique Araújo
 
Direito consumidor
Direito consumidorDireito consumidor
Direito consumidor
Evani Vieira Carneiro
 
Abuso de Direito
Abuso de DireitoAbuso de Direito
Abuso de Direito
Junior Ozono
 

Semelhante a direito civil Download 01 (20)

Noções Introdutórias de Responsabilidade Civil
Noções Introdutórias de Responsabilidade CivilNoções Introdutórias de Responsabilidade Civil
Noções Introdutórias de Responsabilidade Civil
 
Responsabilidade civil e penal
Responsabilidade civil e penalResponsabilidade civil e penal
Responsabilidade civil e penal
 
Resumo livro - Noronha
Resumo livro -  NoronhaResumo livro -  Noronha
Resumo livro - Noronha
 
Responsabilidade Civil
Responsabilidade CivilResponsabilidade Civil
Responsabilidade Civil
 
Sistema de responsabilidade civil vigente no Brasil
Sistema de responsabilidade civil vigente no BrasilSistema de responsabilidade civil vigente no Brasil
Sistema de responsabilidade civil vigente no Brasil
 
Responsabilidade Civil Extracontratual
Responsabilidade Civil ExtracontratualResponsabilidade Civil Extracontratual
Responsabilidade Civil Extracontratual
 
AULA 1.pptx
AULA 1.pptxAULA 1.pptx
AULA 1.pptx
 
Direito Civil (Obrigações) - Inadimplemento das Obrigações
Direito Civil (Obrigações) - Inadimplemento das ObrigaçõesDireito Civil (Obrigações) - Inadimplemento das Obrigações
Direito Civil (Obrigações) - Inadimplemento das Obrigações
 
Legislação turismo 03
Legislação turismo 03Legislação turismo 03
Legislação turismo 03
 
Civil obrigacoes vol_1
Civil obrigacoes vol_1Civil obrigacoes vol_1
Civil obrigacoes vol_1
 
Civil civil
Civil civilCivil civil
Civil civil
 
Apostila direito das obrigações
Apostila direito das obrigaçõesApostila direito das obrigações
Apostila direito das obrigações
 
apostila-direito-das-obrigacoes
apostila-direito-das-obrigacoesapostila-direito-das-obrigacoes
apostila-direito-das-obrigacoes
 
Direito civil iii
Direito civil iiiDireito civil iii
Direito civil iii
 
Resumo de Direito das Obrigações - Menezes Leitão.pdf
Resumo de Direito das Obrigações - Menezes Leitão.pdfResumo de Direito das Obrigações - Menezes Leitão.pdf
Resumo de Direito das Obrigações - Menezes Leitão.pdf
 
Resumo de Direito das Obrigações - Menezes Leitão.pdf
Resumo de Direito das Obrigações - Menezes Leitão.pdfResumo de Direito das Obrigações - Menezes Leitão.pdf
Resumo de Direito das Obrigações - Menezes Leitão.pdf
 
O arbitramento em parcela única de pensão indenizatória decorrente de acident...
O arbitramento em parcela única de pensão indenizatória decorrente de acident...O arbitramento em parcela única de pensão indenizatória decorrente de acident...
O arbitramento em parcela única de pensão indenizatória decorrente de acident...
 
Apostila-de-direito-das-obrigacoes-30-10
Apostila-de-direito-das-obrigacoes-30-10Apostila-de-direito-das-obrigacoes-30-10
Apostila-de-direito-das-obrigacoes-30-10
 
Direito consumidor
Direito consumidorDireito consumidor
Direito consumidor
 
Abuso de Direito
Abuso de DireitoAbuso de Direito
Abuso de Direito
 

Último

PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptxPP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdfTestes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
lveiga112
 
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdfUFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
Manuais Formação
 
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
fagnerlopes11
 
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdfO Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
silvamelosilva300
 
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantilVogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
mamaeieby
 
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdfcronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
todorokillmepls
 
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionaisResumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
beatrizsilva525654
 
497417426-conheca-os-principais-graficos-da-radiestesia-e-da-radionica.pdf
497417426-conheca-os-principais-graficos-da-radiestesia-e-da-radionica.pdf497417426-conheca-os-principais-graficos-da-radiestesia-e-da-radionica.pdf
497417426-conheca-os-principais-graficos-da-radiestesia-e-da-radionica.pdf
JoanaFigueira11
 
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdfOS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
AmiltonAparecido1
 
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
LeticiaRochaCupaiol
 
karl marx biografia resumida com suas obras e história de vida
karl marx biografia resumida com suas obras e história de vidakarl marx biografia resumida com suas obras e história de vida
karl marx biografia resumida com suas obras e história de vida
KleginaldoPaz2
 
Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
Educação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideiaEducação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideia
Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
joseanesouza36
 
D20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
D20 - Descritores SAEB de Língua PortuguesaD20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
D20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
eaiprofpolly
 
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptxTreinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
MarcosPaulo777883
 
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdfUFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
Manuais Formação
 
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escolaIntrodução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
Professor Belinaso
 
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
fran0410
 
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptxRedação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
DECIOMAURINARAMOS
 
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptxAula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
LILIANPRESTESSCUDELE
 

Último (20)

PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptxPP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
 
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdfTestes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
 
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdfUFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
 
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
 
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdfO Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
 
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantilVogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
 
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdfcronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
 
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionaisResumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
 
497417426-conheca-os-principais-graficos-da-radiestesia-e-da-radionica.pdf
497417426-conheca-os-principais-graficos-da-radiestesia-e-da-radionica.pdf497417426-conheca-os-principais-graficos-da-radiestesia-e-da-radionica.pdf
497417426-conheca-os-principais-graficos-da-radiestesia-e-da-radionica.pdf
 
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdfOS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
 
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
 
karl marx biografia resumida com suas obras e história de vida
karl marx biografia resumida com suas obras e história de vidakarl marx biografia resumida com suas obras e história de vida
karl marx biografia resumida com suas obras e história de vida
 
Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
Educação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideiaEducação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideia
Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
 
D20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
D20 - Descritores SAEB de Língua PortuguesaD20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
D20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
 
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptxTreinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
 
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdfUFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
 
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escolaIntrodução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
 
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
 
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptxRedação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
 
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptxAula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
 

direito civil Download 01

  • 1. 429 José Affonso Dallegrave Neto Espécies de responsabilidades no contrato de trabalho A responsabilidade civil encerra requisitos de configuração que variam quando decorrentes da teoria subjetiva ou da teoria objetiva. Assim, em se tratando de responsabilidade com arrimo na culpa, temos os seguintes ele- mentos: dano; ato ou omissão ilícita; nexo causal. Entretanto, quando a responsabilidade se deve ao risco da atividade, temos: dano; atividade de risco; nexo causal. A chamada assunção do risco da atividade econômica pela empresa, apli- cável ao contrato de trabalho, é sucedânea do próprio poder de comando do empregador, que ao traçar as suas linhas de atuação acaba se responsabili- zando pelos desígnios da atividade: seus bônus e ônus; lucros e prejuízos (ubi emolumentum, ibi onus). Em se tratando de responsabilidade civil contratual, o dever jurídico vio- lado resulta da inexecução de uma obrigação contratual preexistente, a qual decorre da autonomia privada (o contrato). Ao contrário, na responsabilidade extracontratual é a violação da lei ou da ordem jurídica que dará ensejo à re- lação jurídica obrigacional entre agente e vítima (dever de indenizar). Elementos da responsabilidade civil Este material é parte integrante do acervo do IESDE BRASIL S.A., mais informações www.iesde.com.br
  • 2. 430 Elementos da responsabilidade civil A obrigação de trabalhar é de meio, enquanto a obrigação de remunerar é de resultado. Dessa forma, o empregador assume o resultado da atividade desempe- nhada pelo empregado.Vale dizer: em troca da energia despendida, o empregado receberá, sem qualquer risco, o salário ajustado e os direitos assegurados em lei. Inexecução contratual Tanto o inadimplemento quanto a mora são formas de inexecução contratual. Nesse sentido prescrevem os artigos 389 e 394 do Código Civil (CC). Ambos confi- guram-se quando passíveis de serem imputados ao devedor. Logo, a força maior ou a culpa exclusiva do credor descaracterizam o inadimplemento e a mora. O inadimplemento é a inexecução absoluta, enquanto a mora implica inexecu- ção relativa. O inadimplemento se caracteriza pela impossibilidade da prestação ou mesmo quando o devedor se nega a cumpri-la. Já a mora pode ser purgada, se assim desejar o devedor e desde que a prestação ainda seja possível de ser realizada. A mora pode ser ex re ou ex persona. A primeira se opera de pleno direito a contar da data de seu vencimento, enquanto que a mora expersona caracteriza-se com a notificação do devedor, nos casos em que não há dia certo para o cumpri- mento da prestação. Não se confunde mora solvendi – imputável ao devedor quando a prestação ainda é possível – com mora accipiendi, assinalada pela injusta recusa do credor em aceitar o cumprimento da obrigação na forma, lugar e tempo devidos. O artigo 407 do CC prevê a incidência de juros pela mora do devedor, indepen- dente de alegação do prejuízo do credor, quando da fixação do valor pecuniário por sentença judicial, arbitramento ou acordo entre as partes. Tais juros morató- rios são uma espécie de indenização mínima, legalmente presumida, pelo retar- damento do cumprimento da obrigação, pelo que são sempre devidos. Numa visão moderna, a inexecução contratual importa não só a inadimplência da obrigação principal, mas também o não cumprimento da obrigação secundá- ria ou de algum dever anexo de conduta. Obrigações principais são aquelas que constituem o próprio núcleo definidor do contrato. Na esfera trabalhista, a obrigação principal do empregado é de meio e se traduz em trabalhar de maneira subordinada e de acordo com as diretivas da Este material é parte integrante do acervo do IESDE BRASIL S.A., mais informações www.iesde.com.br
  • 3. Elementos da responsabilidade civil 431 empresa-empregadora. Já a obrigação principal da empresa é de resultado e con- siste em remunerar o trabalho prestado, de acordo com o valor pactuado e nos termos das normas legais e coletivas que incidem sobre o contrato. Obrigações secundárias podem ser subdivididas em duas: aquelas meramente acessórias às obrigações principais, as quais preparam o seu regular cumprimen- to e as obrigações secundárias com prestação autônoma, que revelam verdadei- ros sucedâneos da obrigação principal, como dever de indenizar resultante da impossibilidade culposa da prestação. Por derradeiro, deveres anexos de conduta são aqueles que têm sua origem e são informados pela boa-fé. Não apenas a boa-fé crença, que vincula a declara- ção firmada, mas, antes, a boa-fé objetiva representada pela lealdade que orienta o comportamento reto dos sujeitos da relação obrigacional, sobretudo, aquela duradoura e complexa, como é o caso do contrato de trabalho. São espécies os seguintes deveres: de proteção; de esclarecimento; de lealdade. Os primeiros visam elidir danos mútuos nas pessoas e nos patrimônios dos contratantes. Os segundos obrigam as partes a informarem-se mutuamente de todos os aspectos do vínculo, bem como os efeitos que da execução contratual possam advir. Os últimos impõem aos contratantes absterem-se de comporta- mentos que possam falsear o objetivo do contrato ou causar desequilíbrio acerca da comutatividade das prestações. Ato ilícito e culpa O elemento culpa é relevante nas hipóteses de responsabilidade subjetiva, sendo desprezado nas responsabilidades objetivas, as quais requerem apenas a comprovação do dano e do nexo causal em relação à atividade de risco. A culpa integra o conceito de ato ilícito que, por sua vez, caracteriza-se como todo ato voluntário do homem que contraria a ordem jurídica. Assim, ato ilícito é a antijuridicidade oriunda de ação voluntária com culpa do agente. Essa noção é necessária para diferenciar culpa de dolo, ambas pertencentes à “culpa lato Este material é parte integrante do acervo do IESDE BRASIL S.A., mais informações www.iesde.com.br
  • 4. 432 Elementos da responsabilidade civil sensu”. No dolo há uma tríplice coincidência entre vontade manifestada, intenção desejada e resultado obtido; na culpa o agente decide pela conduta praticada, sem desejar o resultado maléfico, o qual é, todavia, previsível devido à negligên- cia, imprudência e imperícia praticadas. Nessa esteira taxionômica, a negligência ocorre pela ausência de cautela ade- quada do agente, configurada por uma atitude omissiva. A imprudência caracte- riza-se pela falta de cuidado caracterizada numa atitude comissiva. Finalmente, a imperícia traduz-se pela falta de habilidade no exercício de atividade profissional ou técnica. A imputabilidade é, pois, elemento indissociável da culpa, podendo ser con- ceituada como o conjunto de condições pessoais que dão ao agente capacidade para poder responder pelas consequências de uma conduta contrária ao dever. Mencionem-se ainda os casos em que o agente atua em legítima defesa ou no exercício regular de um direito reconhecido. A rigor, nessas situações não há responsabilidade, porque sequer existe ato ilícito (CC/2002, art. 188, I). Culpa in eligendo é aquela que procede de má escolha do representante ou preposto da empresa. Culpa in vigilando provém da ausência de correta fiscali- zação ou vigilância do empregador em relação aos atos dos empregados que se encontram sob sua subordinação. Tais espécies são relevantes, principalmente, para fundamentar a responsabilidade do empregador por ato danoso praticado por seu empregado contra terceiro. Dano material e moral O dano constitui a essência da responsabilidade civil. Sem dano pode até exis- tir responsabilidade penal, mas jamais civil. A indenização quando dissociada do dano é locupletamento. Quando o dano repercute sobre o patrimônio da vítima, entendido como aquele suscetível de aferição em dinheiro, denominar-se-á dano patrimonial. Ao revés, quando a implicação do dano violar direito geral de personalidade, atingin- do interesse sem expressão econômica, dir-se-á, então, dano extrapatrimonial. O dano material encerra perdas e danos que alcança os danos emergentes e Este material é parte integrante do acervo do IESDE BRASIL S.A., mais informações www.iesde.com.br
  • 5. Elementos da responsabilidade civil 433 os lucros cessantes (CC, art. 402), exigindo-se assim a prova concreta do prejuízo sofrido pela vítima. Enquanto o dano emergente retrata o prejuízo atual, o lucro cessante envolve o prejuízo futuro, o qual pode se manifestar sob dupla forma: como continuação do dano atual ou como dano futuro propriamente dito. No dano moral, o valor é arbitrado pelo juiz que visa a uma compensação fi- nanceira para a vítima, sendo desnecessária a prova do prejuízo moral, o qual é presumido da própria violação à personalidade da vítima. O dano moral objetivo atinge a dimensão moral da pessoa em seu meio social, envolvendo o prejuízo de sua imagem, enquanto o dano moral subjetivo está rela- cionado com o mal sofrido pela pessoa em sua subjetividade, em sua intimidade psíquica, sujeita à dor ou sofrimento próprios. A pessoa jurídica pode sofrer dano moral, conforme prevê a Súmula 227 do Superior Tribunal de Justiça (STJ) e desde que atinja a honra objetiva (difamação), sendo impróprio falar em honra subjetiva (calúnia ou injúria) da empresa. Atualmente é indiscutível a admissão do dano extrapatrimonial em matéria contratual, o qual pode se manifestar pelo: não cumprimento de uma obrigação; cumprimento defeituoso; ou quebra de deveres secundários derivados da boa-fé. Das três formas já vistas, a de maior incidência é o dano moral oriundo do descumprimento de dever anexo de conduta, que se subdivide em dever de pro- teção, informação e lealdade. Se de um lado é comum o empregador cumprir de forma regular sua obrigação principal, de outro, todavia, verifica-se, amiúde, seu total desrespeito em relação aos direitos de personalidade do trabalhador. No campo da responsabilidade civil, o solidarismo constitucional manifesta- -se na postura dos julgadores em buscar a reparação efetiva do dano infligido ao trabalhador, enxergando-o em sua essência, não apenas como um sujeito de direito de uma relação jurídica, mas antes como gente em sua essência humana e digna. Este material é parte integrante do acervo do IESDE BRASIL S.A., mais informações www.iesde.com.br
  • 6. 434 Elementos da responsabilidade civil Nexo causal e excludentes da responsabilidade Não há indenização sem a presença do dano, bem assim quando ausente o nexo causal entre o dano e a culpa (ou atividade de risco) do agente. Ambos os elementos (dano e causalidade) são imprescindíveis tanto na responsabilidade civil contratual e aquiliana, quanto na responsabilidade subjetiva e objetiva. Em relação ao contrato de trabalho, o nexo causal aplica-se nas duas espécies de responsabilidade civil, tendo relevo especial naquela em que o dano provém do simples cumprimento regular do contrato, independentemente da culpa do empregador. Apesar de, nessa responsabilidade, o empregado não precisar comprovar a ocorrência de ato ilícito do empregador, para fazer jus à reparação, deverá provar que o dano sofrido teve como causa o mero cumprimento regular do contrato de trabalho. A expressão efeitodiretoeimediato contida no artigo 403 do CC exprime a ideia de que nem todas as causas têm relevância na imputação do dano, mas apenas aquela que for mais direta, a mais determinante, não bastando que o ato ilícito se erija em causa indireta ou remota do dano. O dever de reparar o dano pode ser elidido, a rigor, em quatro situações: culpa exclusiva da vítima; fato de terceiro; força maior; e cláusula de não indenizar. É preciso distinguir o dano que tenha sido motivado por culpa exclusiva da vítima do dano em que tenha havido culpa concorrente da vítima. O primeiro caso afigura-se como fator excludente de indenização, posto que o aparente agente atua apenas como um instrumento do acidente, não se podendo falar em liame de causalidade entre seu ato e o prejuízo experimentado pelo ofendido. Na segunda situação, a culpa concorrente da vítima terá o condão de apenas abran- dar a indenização, conforme previsão do artigo 945 do CC. Quanto ao fato de terceiro, tido como pessoa diversa do agente e do ofendido, resta saber se foi ele o causador único ou concorrente do dano sofrido pela vítima Este material é parte integrante do acervo do IESDE BRASIL S.A., mais informações www.iesde.com.br
  • 7. Elementos da responsabilidade civil 435 ou ainda se o terceiro não é um preposto da empresa ou mesmo colega de traba- lho da vítima. Do contrário, por força do que dispõe a lei, a responsabilidade civil recairá solidariamente ao agente direto e ao empregador. Por intermédio da aplicação analógica do parágrafo 2.º, do artigo 501 combi- nado com o artigo 502, ambos da Consolidação das Leis doTrabalho (CLT), a força maior não elide o direito à indenização pelo empregado, sendo, contudo, devida pela metade quando ela for capaz de afetar substancialmente a empresa ou sua situação econômica. Por fim, consigne-se como fato excludente da responsabilidade as chamadas cláusulas de não indenizar. Fruto da autonomia privada, tal avença não encontra margem de aplicação em nosso sistema jurídico marcado pelo solidarismo cons- titucional (art. 1.º, III e art. 3.º, I), senão em situações especialíssimas. Sua aplicação é inviável perante os contratos individuais de trabalho, seja porque se trata de um contrato de adesão, seja porque um dos contratantes é considerado hipossufi- ciente, seja porque tal ajuste fere frontalmente o conceito legal de empregador, previsto no caput do artigo 2.º, da CLT, e a função social da empresa, conforme enuncia o artigo 170, III, da Constituição Federal (CF). Ampliando seus conhecimentos Recomenda-se a leitura dos livros: Curso de Direito Civil, de Silvio Rodrigues, editora Saraiva. Curso de Direito Civil, de Maria Helena Diniz, editora Saraiva. Este material é parte integrante do acervo do IESDE BRASIL S.A., mais informações www.iesde.com.br
  • 8. Este material é parte integrante do acervo do IESDE BRASIL S.A., mais informações www.iesde.com.br