SlideShare uma empresa Scribd logo
Prof. Dr. Julio Cesar de Sá da RochaDireitoInternacionalAmbiental
1. IntroduçãoO Direito Ambiental é disciplina autônoma compreendida entre os novos direitos contemporâneos, surge como resultado da crise ambientalA origem do direito ambiental é associada à legislação de proteção dos ecossistemas a partir da década de 60 e 70 do século XX, da sociedade de consumo e dos acidentes ambientais
Para José-Luis Serrano (1998: 39) “’normativa propiamente ambiental o ecológica: expedida para La tutela de relaciones sistema/entorno y com consciência de La crisis ecológica”.
A questão ambiental é elemento central das políticas públicas e do desenvolvimento de sistemas legais lidam com os temas ambientais atuais que explicitam um dramático ponto-limite. mudanças climáticas;desmatamento e desertificação;drama urbano;extinção de espécies e biodiversidade;produção de resíduos;delicada situação da água;questão nuclear;acidentes ambientais 
O direito ambiental possui influência dos movimentos de defesa do meio ambiente e da formação de uma ética ambientalista: proposta de uma relação harmoniosa com o planeta e com seus seres, direito dos seres não humanos e da necessidade de uma postura ética diante da vida.  No dizer de Ricardo Luis Lorenzetti a primeira etapa foi retórica, o “movimento ambientalista semeou as primeiras palavras novas, símbolos e utopias, pouco conhecidos até então” (2010: 16).
O direito ambiental recebe influência de concepções ecocentristas (que colocam os ecossistemas e os seres vivos no centro das políticas ambientais) e humanistas ou socioambientais (que inserem o ser humano na centralidade das políticas ambientais)Há quem defenda que existe um processo de “ecologização do direito” (esverdear da legislação), com incorporação das demandas ambientais nos sistemas jurídicos nacionais ressaltando a existência de um paradigma ambiental no direito.
 O direito ambiental pode ser entendido como sistema de regras e princípios, instituições e ideologias (concepções) que regulam as relações entre condutas humanas e o meio ambiente, determinando através do comando e controle posturas preventivas, precaucionárias, ressarcitórias.
Princípios do Direito Ambiental  O Direito Ambiental se fundamenta em princípios próprios e revela indiscutivelmente seu grau de autonomia. Necessário registrar que os princípios são proposições básicas que condicionam todas as estruturas subsequentes. Os princípios possuem como característica serem fundamento de regras “natureza normogenética” (Canotilho, 1998).
Caso emblemático: Nauru – exemplo de violação de princípios do direito ambiental O caso Nauru vs. Austrália (1989) que foi conciliado na Corte Internacional de Justiça (CIJ, Tribunal de Haia), em 1993, constitui um das mais graves experiências conhecidas de impacto ambiental. Nauru, pequena ilha-nação no Oceano Pacífico, rica em fosfato, com uma população de 7.500 habitantes, foi dominada pelos alemães de 1888, e posteriormente, pelos australianos, tornando-se independente em 1968. Durante esse período, acumulou um histórico bastante amargo: com o início da utilização econômica do fosfato (1907), em pouco menos de um século, 4/5 do território foi destruído, a população passou a consumir alimentos importados (por conta da diminuição de áreas plantáveis), aumentaram os casos de hipertensão, obesidade e diabetes (pelo alto teor de gordura da alimentação) e toda cultural nauruense foi perdida. Diante dessa difícil situação, e após o acordo de U$75 milhões de dólares com a Austrália, o governo de Nauru considera a possibilidade de compra de outro território e  mudança de toda população para uma nova ilha. In: Philip SHENON. A Pacific island nation is stripped of everything, p. 03.
Direito Internacional Ambiental A expressão Direito Internacional Ambiental vem sendo mais utilizada. Há quem preferira Direito Internacional do Meio Ambiente (José Juste Ruiz). De acordo com significativa parte da doutrina (Kiss, Shelton, Handl, Teclaff e Utton) não indica a existência de uma nova disciplina baseada exclusivamente na perspectiva ambiental. Caracteriza-se pela existência de uma parte do Direito Internacional que dedica-se aos temas ambientais
Os primeiros tratados bilaterais de proteção de determinados recursos naturais: Convenção entre França e Grã-Bretanha proibindo a pesca de ostras em determinados períodos (11.11.1867); a Convenção destinada à conservação das espécies de animais na África que são úteis ao homem ou inofensivos (19.05.1900); a Convenção concernente a exploração e conservação de pescados na fronteira do Rio Danúbio (15.01.1902); Convenção para proteção de aves (19.03.1902).
Com a criação das Nações Unidas (1945) intensifica-se a adoção de instrumentos legais na área ambiental. Contudo, somente com a Conferência das Nações Unidas sobre o Meio Ambiente Humano, em Estocolmo (1972) e com a Conferência das Nações Unidas para o Meio Ambiente e Desenvolvimento, no Rio de Janeiro (1992) – estabelece-se sistema de coordenação da temática ambiental de forma global e articulada (mundialização dos problemas ambientais)
FontesAs fontes do Direito Internacional Ambiental são as do Direito Internacional, tal como enumeradas pelo art. 38 do Estatuto da Corte Internacional de Justiça: tratados, o costume internacional, os princípios gerais do direito, as decisões judiciárias e a doutrina dos autores mais qualificados.
O Direito Internacional ambiental apresenta peculiaridades: a) utilização de tratados de cunho genérico, tratados-quadro, umbrella conventions (p. ex. Convenção do Clima) e de certo de número de textos não obrigatórios (soft law). Atualmente os tratados multilaterais passam de 300 e existem cerca de 900 tratados bilaterais. O Costume como prática geral aceita como sendo direito não pode ser ignorada na área ambiental. Por exemplo, a Corte Internacional de Justiça reconheceu o desenvolvimento de direito costumeiro diante do princípio 21 da Declaração de Estocolmo e do princípio 3 da Declaração do Rio. No campo das decisões judiciárias a Corte Internacional de Justiça (CIJ) criou em sua estrutura Câmara competente para apreciar matéria ambiental (1993).
De outra forma, importante registrar que as resoluções, declarações, programas de ação exercem profunda influência na área ambiental, p. ex. Resolução 37/7 das Nações Unidas de 28.10.1982 – aprova a Carta Mundial da Natureza;  Declaração do Rio sobre Meio Ambiente e Desenvolvimento – Carta de Princípios; Agenda 21 – programa de ação
Alicerces da ordem internacional ambiental Não existe um organismo que trate das questões ambientais, mais um programa, o PNUMA (UNEP) – Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente, criado com a Conferência de Estocolmo (1972) com sede em Nairóbi (Quênia). O PNUMA possui a seguinte estrutura:Conselho Executivo do Programa: composto de representantes de cinqüenta Estados eleitos pela Assembléia Geral – encarregado de elaborar a política do meio ambienteSecretariado do Meio Ambiente – centraliza a ação do Programa e assegura a coordenação entre os organismos das Nações Unidas em matéria de meio ambienteFundo do Meio Ambiente – fornece assistência financeira aos programas ambientais
Após a Conferência Rio 92 foi criada pela Assembléia Geral da ONU a Comissão de Desenvolvimento Sustentável (CDS), com composição de 53 Estados Membros, com mandato de 03 anos, possuindo o papel de examinar a implementação da Agenda 21, nos níveis nacional, regional e internacional.
Outros organismos internacionais com conexão ambiental como a UNESCO que trata do meio ambiente cultural e natural (programa reserva da biosfera e política das águas); a OIT – Organização Internacional do Trabalho, que trata do tema do meio ambiente do trabalho; a Agência Internacional de Energia Atômica, que controla o uso da energia nuclear; a Comissão Internacional sobre a Pesca da Baleia, quen ; FAO – Organização das Nações Unidas para a Alimentação e a Agricultura, que trata das relações da agricultura com o meio ambiente; a OMS – Organização Mundial de Saúde, que trata das relações entre saúde e meio ambiente; OMM – Organização Meteorológica Mundial, que trata do clima e das alterações climáticas e influenciaram o surgimento da IPCC Painel Intergovernamental das Mudanças Climáticas; a OMI – Organização Marítima Internacional, que trata do direito do mar.
Blocos Econômicos e meio ambienteEuropa. O Ato Único Europeu (1987) introduziu expressamente o meio ambiente no Tratado de Roma, considerando a proteção ambiental como integrante da política comunitária (art. 174, ex art. 130R) e o Tratado de Maastricht (Tratado da União Européia, 1992) estabelecendo o princípio do desenvolvimento sustentável (preâmbulo). Necessário registrar que na EuropaoTratado de Roma (1957), que  instituiu a Comunidade Econômica Européia (CEE) não indicava qualquer referência ao meio ambiente (“adoção de medidas com incidência direta no mercado comum” – art. 100). A Diretiva 79/409 estabeleceu a proteção de aves selvagens e dos seus habitats.  
Posteriormente a Corte Européia  (1982)  decidiu que “a perspectiva do meio ambiente como um dos objetivos essenciais da Comunidade”. Claro que mesmo antes a Declaração de Paris (1972) – formulada pelos Chefes de Estado e de Governo com preocupação pela proteção do meio ambiente, assumindo um compromisso de elaboração de um programa de ação em matéria ambiental. São objetivos: preservar, proteger e melhorar a qualidade do ambiente; contribuir para a proteção da saúde das pessoas; assegurar uma utilização prudente e racional dos recursos naturais.
MERCOSUL. Mercosul: Argentina, Brasil, Paraguai e Uruguai - o processo de integração leva à harmonização das legislações dos países integrantes (art. 25, Protocolo de Ouro Preto/1994 – aperfeiçoa o Tratado de Assunção de 1991). O Mercosul tem como antecedentes imediatos a integração argentino-brasileira.  North American Free Trade Agreement (NAFTA: Canadá, México e EUA 1992) possui um Acordo Lateral de Meio Ambiente (Environmental Side Agreement), embora seja uma área bantante incipiente diante das diferenças no patamar de proteção ambiental entre os Estados.
Tendências atuaisNo âmbito ambiental observa-se uma expansão subjetiva: a atuação crescente de ONGs internacionais (WWF, Greenpeace); e uma expansão normativa e institucional com assimetria convencional: diversidade de obrigações e direitos das partes; compromissos graduais em matéria ambiental: progressividade e continuidade do processo normativo através dos tratados-quadro, completados por sucessivos protocolos. Por fim, verificam-se novos aportes, como o direito da “ingerência ecológica”, exceção ao princípio da jurisdição exclusiva do Estado 
Comércio e meio ambiente: a Organização Mundial do Comércio e a questão ambiental, necessário registrar que a OMC pode considerar legais restrições feitas por Estado-membro para conservação dos recursos naturais, desde que tais recursos estejam sendo dizimados e as medidas externas sejam realizadas concomitantemente com ações de restrição de produção e consumo domésticos (GATT, art. XX, g). São casos emblemáticos: Tuna-Dolphin (1991)  e Tuna-Dolphin II  (1994) – embargo dos Estados unidos à importação de atum; e Shrimp/turtle – embargo dos EUA à importação de camarão: foram consideradas violações às regras de livre comércio a atuação dos EUA.
Muito obrigado!rochajulio@hotmail.com e julior@ufba.br

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Gestão Ambiental
Gestão AmbientalGestão Ambiental
Gestão Ambiental
Cadernos PPT
 
Aula 3 gestao ambiental
Aula 3 gestao ambiental Aula 3 gestao ambiental
Aula 3 gestao ambiental
sionara14
 
Mercosul
MercosulMercosul
Gestão ambiental e administração
Gestão ambiental e administraçãoGestão ambiental e administração
Gestão ambiental e administração
e-Tec
 
DIREITO DO MAR E RECURSOS HÍDRICOS.pdf
DIREITO DO MAR E RECURSOS HÍDRICOS.pdfDIREITO DO MAR E RECURSOS HÍDRICOS.pdf
DIREITO DO MAR E RECURSOS HÍDRICOS.pdf
Anjo Conselheiro
 
Meio ambiente
Meio ambienteMeio ambiente
Meio ambiente
Rodrigo Carvalho
 
Competência em matéria ambiental
Competência em matéria ambientalCompetência em matéria ambiental
Competência em matéria ambiental
João Alfredo Telles Melo
 
Aula lei pnma e sisnama
Aula lei pnma e sisnamaAula lei pnma e sisnama
Aula lei pnma e sisnama
João Alfredo Telles Melo
 
Aula 2 leg. ambiental_claudia do valle
Aula 2 leg. ambiental_claudia do valleAula 2 leg. ambiental_claudia do valle
Aula 2 leg. ambiental_claudia do valle
Lxa Alx
 
Gestao Ambiental.pdf
Gestao Ambiental.pdfGestao Ambiental.pdf
Gestao Ambiental.pdf
JosAndr30
 
Aula 1 leg. ambiental_claudia do valle
Aula 1 leg. ambiental_claudia do valleAula 1 leg. ambiental_claudia do valle
Aula 1 leg. ambiental_claudia do valle
Lxa Alx
 
EDUCAÇÂO AMBIENTAL
EDUCAÇÂO AMBIENTALEDUCAÇÂO AMBIENTAL
Ética e responsabilidade ambiental - Fundamentos de meio ambiente e saúde
Ética e responsabilidade ambiental - Fundamentos de meio ambiente e saúdeÉtica e responsabilidade ambiental - Fundamentos de meio ambiente e saúde
Ética e responsabilidade ambiental - Fundamentos de meio ambiente e saúde
Marília Gomes
 
Gestão Ambiental 01 - Introdução a Gestão Ambiental e Sustentabilidade
Gestão Ambiental 01 - Introdução a Gestão Ambiental e SustentabilidadeGestão Ambiental 01 - Introdução a Gestão Ambiental e Sustentabilidade
Gestão Ambiental 01 - Introdução a Gestão Ambiental e Sustentabilidade
Milton Henrique do Couto Neto
 
Sebenta de direito comercial e titulos de crédito, das aulas do Prof. Doutor ...
Sebenta de direito comercial e titulos de crédito, das aulas do Prof. Doutor ...Sebenta de direito comercial e titulos de crédito, das aulas do Prof. Doutor ...
Sebenta de direito comercial e titulos de crédito, das aulas do Prof. Doutor ...
A. Rui Teixeira Santos
 
DIREITO AMBIENTAL AULA 04
DIREITO AMBIENTAL AULA 04DIREITO AMBIENTAL AULA 04
DIREITO AMBIENTAL AULA 04
Esdras Arthur Lopes Pessoa
 
Direitos Humanos - Sistema Interamericano - OEA (Organização dos Estados Amer...
Direitos Humanos - Sistema Interamericano - OEA (Organização dos Estados Amer...Direitos Humanos - Sistema Interamericano - OEA (Organização dos Estados Amer...
Direitos Humanos - Sistema Interamericano - OEA (Organização dos Estados Amer...
Jordano Santos Cerqueira
 
Direitos humanos direito humanitário
Direitos humanos   direito humanitárioDireitos humanos   direito humanitário
Direitos humanos direito humanitário
Urbano Felix Pugliese
 
DIREITOS HUMANOS E MEIO AMBIENTE
DIREITOS HUMANOS E MEIO AMBIENTEDIREITOS HUMANOS E MEIO AMBIENTE
DIREITOS HUMANOS E MEIO AMBIENTE
Isabela Espíndola
 
gestão ambiental
gestão ambientalgestão ambiental
gestão ambiental
Gisele Fernandes
 

Mais procurados (20)

Gestão Ambiental
Gestão AmbientalGestão Ambiental
Gestão Ambiental
 
Aula 3 gestao ambiental
Aula 3 gestao ambiental Aula 3 gestao ambiental
Aula 3 gestao ambiental
 
Mercosul
MercosulMercosul
Mercosul
 
Gestão ambiental e administração
Gestão ambiental e administraçãoGestão ambiental e administração
Gestão ambiental e administração
 
DIREITO DO MAR E RECURSOS HÍDRICOS.pdf
DIREITO DO MAR E RECURSOS HÍDRICOS.pdfDIREITO DO MAR E RECURSOS HÍDRICOS.pdf
DIREITO DO MAR E RECURSOS HÍDRICOS.pdf
 
Meio ambiente
Meio ambienteMeio ambiente
Meio ambiente
 
Competência em matéria ambiental
Competência em matéria ambientalCompetência em matéria ambiental
Competência em matéria ambiental
 
Aula lei pnma e sisnama
Aula lei pnma e sisnamaAula lei pnma e sisnama
Aula lei pnma e sisnama
 
Aula 2 leg. ambiental_claudia do valle
Aula 2 leg. ambiental_claudia do valleAula 2 leg. ambiental_claudia do valle
Aula 2 leg. ambiental_claudia do valle
 
Gestao Ambiental.pdf
Gestao Ambiental.pdfGestao Ambiental.pdf
Gestao Ambiental.pdf
 
Aula 1 leg. ambiental_claudia do valle
Aula 1 leg. ambiental_claudia do valleAula 1 leg. ambiental_claudia do valle
Aula 1 leg. ambiental_claudia do valle
 
EDUCAÇÂO AMBIENTAL
EDUCAÇÂO AMBIENTALEDUCAÇÂO AMBIENTAL
EDUCAÇÂO AMBIENTAL
 
Ética e responsabilidade ambiental - Fundamentos de meio ambiente e saúde
Ética e responsabilidade ambiental - Fundamentos de meio ambiente e saúdeÉtica e responsabilidade ambiental - Fundamentos de meio ambiente e saúde
Ética e responsabilidade ambiental - Fundamentos de meio ambiente e saúde
 
Gestão Ambiental 01 - Introdução a Gestão Ambiental e Sustentabilidade
Gestão Ambiental 01 - Introdução a Gestão Ambiental e SustentabilidadeGestão Ambiental 01 - Introdução a Gestão Ambiental e Sustentabilidade
Gestão Ambiental 01 - Introdução a Gestão Ambiental e Sustentabilidade
 
Sebenta de direito comercial e titulos de crédito, das aulas do Prof. Doutor ...
Sebenta de direito comercial e titulos de crédito, das aulas do Prof. Doutor ...Sebenta de direito comercial e titulos de crédito, das aulas do Prof. Doutor ...
Sebenta de direito comercial e titulos de crédito, das aulas do Prof. Doutor ...
 
DIREITO AMBIENTAL AULA 04
DIREITO AMBIENTAL AULA 04DIREITO AMBIENTAL AULA 04
DIREITO AMBIENTAL AULA 04
 
Direitos Humanos - Sistema Interamericano - OEA (Organização dos Estados Amer...
Direitos Humanos - Sistema Interamericano - OEA (Organização dos Estados Amer...Direitos Humanos - Sistema Interamericano - OEA (Organização dos Estados Amer...
Direitos Humanos - Sistema Interamericano - OEA (Organização dos Estados Amer...
 
Direitos humanos direito humanitário
Direitos humanos   direito humanitárioDireitos humanos   direito humanitário
Direitos humanos direito humanitário
 
DIREITOS HUMANOS E MEIO AMBIENTE
DIREITOS HUMANOS E MEIO AMBIENTEDIREITOS HUMANOS E MEIO AMBIENTE
DIREITOS HUMANOS E MEIO AMBIENTE
 
gestão ambiental
gestão ambientalgestão ambiental
gestão ambiental
 

Destaque

Direito ambiental _aula_2__slides
Direito ambiental _aula_2__slidesDireito ambiental _aula_2__slides
Direito ambiental _aula_2__slides
Luis Olavo
 
Direito e os povos e comunidades tradicionais
Direito e os povos e comunidades tradicionaisDireito e os povos e comunidades tradicionais
Direito e os povos e comunidades tradicionais
UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA Faculdade de Direito
 
Projeto recicla ime - gestão de resíduos na universidade
Projeto recicla ime  - gestão de resíduos na universidadeProjeto recicla ime  - gestão de resíduos na universidade
Projeto recicla ime - gestão de resíduos na universidade
Vanessa Barreto
 
Constituição do campo da educação ambiental
Constituição do campo da educação ambientalConstituição do campo da educação ambiental
Constituição do campo da educação ambiental
waldileia do socorro pereira
 
Regulamento centro convivio
Regulamento centro convivioRegulamento centro convivio
Regulamento centro convivio
socialcvpcb
 
www.AulasParticularesApoio.Com - Geografia – Alternativas Sustentáveis
www.AulasParticularesApoio.Com - Geografia – Alternativas Sustentáveiswww.AulasParticularesApoio.Com - Geografia – Alternativas Sustentáveis
www.AulasParticularesApoio.Com - Geografia – Alternativas Sustentáveis
ApoioAulas ParticularesCom
 
O controle de residuos perigosos
O controle de residuos perigososO controle de residuos perigosos
O controle de residuos perigosos
Leandro Tomé
 
Cidades sustentáveis - Resíduos Sólidos e Perigosos, e Urbanismo Sustentável
Cidades sustentáveis - Resíduos Sólidos e Perigosos, e Urbanismo SustentávelCidades sustentáveis - Resíduos Sólidos e Perigosos, e Urbanismo Sustentável
Cidades sustentáveis - Resíduos Sólidos e Perigosos, e Urbanismo Sustentável
Brenda Grazielle
 
Resíduos - um mal necessário.O que fazer?
Resíduos - um mal necessário.O que fazer?Resíduos - um mal necessário.O que fazer?
Resíduos - um mal necessário.O que fazer?
Helena Marques
 
Resíduos Perigoso Apresentação Senac
Resíduos Perigoso Apresentação SenacResíduos Perigoso Apresentação Senac
Resíduos Perigoso Apresentação Senac
Jefferson F. Oliveira
 
Apresentação rio + 20
Apresentação rio + 20   Apresentação rio + 20
Linha de tempo sobre educação ambiental
Linha de tempo sobre educação ambientalLinha de tempo sobre educação ambiental
Linha de tempo sobre educação ambiental
Suzi DE Paula
 
Aula a sustentabilidade nas ri
Aula    a sustentabilidade nas riAula    a sustentabilidade nas ri
Aula a sustentabilidade nas ri
Isabela Espíndola
 
Política Nacional de Resíduos Sólidos
Política Nacional de Resíduos SólidosPolítica Nacional de Resíduos Sólidos
Apresentação da política nacional de resíduos sólidos mma atualizada
Apresentação da política nacional de resíduos sólidos mma  atualizadaApresentação da política nacional de resíduos sólidos mma  atualizada
Apresentação da política nacional de resíduos sólidos mma atualizada
Portal Alarde - Informação Sem Maquiagem
 
Gerenciamento de resíduos sólidos
Gerenciamento de resíduos sólidosGerenciamento de resíduos sólidos
Gerenciamento de resíduos sólidos
Templum Consultoria Online
 
10 1001 questoes comentadas direito internacional publico cespe
10   1001 questoes comentadas direito internacional publico cespe10   1001 questoes comentadas direito internacional publico cespe
10 1001 questoes comentadas direito internacional publico cespe
Henrique Araújo
 
Curso Direito Empresarial p/ Concurso PGFN
Curso Direito Empresarial p/ Concurso PGFNCurso Direito Empresarial p/ Concurso PGFN
Curso Direito Empresarial p/ Concurso PGFN
Estratégia Concursos
 

Destaque (19)

Direito ambiental _aula_2__slides
Direito ambiental _aula_2__slidesDireito ambiental _aula_2__slides
Direito ambiental _aula_2__slides
 
Direito e os povos e comunidades tradicionais
Direito e os povos e comunidades tradicionaisDireito e os povos e comunidades tradicionais
Direito e os povos e comunidades tradicionais
 
Projeto recicla ime - gestão de resíduos na universidade
Projeto recicla ime  - gestão de resíduos na universidadeProjeto recicla ime  - gestão de resíduos na universidade
Projeto recicla ime - gestão de resíduos na universidade
 
Constituição do campo da educação ambiental
Constituição do campo da educação ambientalConstituição do campo da educação ambiental
Constituição do campo da educação ambiental
 
Regulamento centro convivio
Regulamento centro convivioRegulamento centro convivio
Regulamento centro convivio
 
www.AulasParticularesApoio.Com - Geografia – Alternativas Sustentáveis
www.AulasParticularesApoio.Com - Geografia – Alternativas Sustentáveiswww.AulasParticularesApoio.Com - Geografia – Alternativas Sustentáveis
www.AulasParticularesApoio.Com - Geografia – Alternativas Sustentáveis
 
O controle de residuos perigosos
O controle de residuos perigososO controle de residuos perigosos
O controle de residuos perigosos
 
Cidades sustentáveis - Resíduos Sólidos e Perigosos, e Urbanismo Sustentável
Cidades sustentáveis - Resíduos Sólidos e Perigosos, e Urbanismo SustentávelCidades sustentáveis - Resíduos Sólidos e Perigosos, e Urbanismo Sustentável
Cidades sustentáveis - Resíduos Sólidos e Perigosos, e Urbanismo Sustentável
 
Resíduos - um mal necessário.O que fazer?
Resíduos - um mal necessário.O que fazer?Resíduos - um mal necessário.O que fazer?
Resíduos - um mal necessário.O que fazer?
 
Resíduos Perigoso Apresentação Senac
Resíduos Perigoso Apresentação SenacResíduos Perigoso Apresentação Senac
Resíduos Perigoso Apresentação Senac
 
Apresentação rio + 20
Apresentação rio + 20   Apresentação rio + 20
Apresentação rio + 20
 
Linha de tempo sobre educação ambiental
Linha de tempo sobre educação ambientalLinha de tempo sobre educação ambiental
Linha de tempo sobre educação ambiental
 
Aula a sustentabilidade nas ri
Aula    a sustentabilidade nas riAula    a sustentabilidade nas ri
Aula a sustentabilidade nas ri
 
Política Nacional de Resíduos Sólidos
Política Nacional de Resíduos SólidosPolítica Nacional de Resíduos Sólidos
Política Nacional de Resíduos Sólidos
 
Apresentação da política nacional de resíduos sólidos mma atualizada
Apresentação da política nacional de resíduos sólidos mma  atualizadaApresentação da política nacional de resíduos sólidos mma  atualizada
Apresentação da política nacional de resíduos sólidos mma atualizada
 
Gerenciamento de resíduos sólidos
Gerenciamento de resíduos sólidosGerenciamento de resíduos sólidos
Gerenciamento de resíduos sólidos
 
10 1001 questoes comentadas direito internacional publico cespe
10   1001 questoes comentadas direito internacional publico cespe10   1001 questoes comentadas direito internacional publico cespe
10 1001 questoes comentadas direito internacional publico cespe
 
Apresentaçãohistdir6
Apresentaçãohistdir6Apresentaçãohistdir6
Apresentaçãohistdir6
 
Curso Direito Empresarial p/ Concurso PGFN
Curso Direito Empresarial p/ Concurso PGFNCurso Direito Empresarial p/ Concurso PGFN
Curso Direito Empresarial p/ Concurso PGFN
 

Semelhante a Direito Internacional Ambiental

LegislaçãO Ambiental
LegislaçãO AmbientalLegislaçãO Ambiental
LegislaçãO Ambiental
Licenciamento
 
MEIO AMBIENTE E GESTAO AMBIENTAL.TST.PDF
MEIO AMBIENTE E GESTAO AMBIENTAL.TST.PDFMEIO AMBIENTE E GESTAO AMBIENTAL.TST.PDF
MEIO AMBIENTE E GESTAO AMBIENTAL.TST.PDF
dreamacedo
 
principios do direito ambiental
principios do direito ambiental principios do direito ambiental
principios do direito ambiental
Gênia Darc
 
Programa Direito do Ambiente
Programa Direito do AmbientePrograma Direito do Ambiente
Programa Direito do Ambiente
eduardosimba
 
Resumo do texto princípios direito ambiental marina
Resumo do texto princípios direito ambiental marinaResumo do texto princípios direito ambiental marina
Resumo do texto princípios direito ambiental marina
Marina Lopes
 
Conferências internacionais
Conferências internacionaisConferências internacionais
Conferências internacionais
iracemap
 
Conferências internacionais
Conferências internacionaisConferências internacionais
Conferências internacionais
iracemap
 
Aula de Legislação Ambiental no Brasil e nas empresas
Aula de Legislação Ambiental no Brasil e nas empresasAula de Legislação Ambiental no Brasil e nas empresas
Aula de Legislação Ambiental no Brasil e nas empresas
Isabela Espíndola
 
DIREITO AMBIENTAL ESTRATÉGIA XX AULA 02
DIREITO AMBIENTAL ESTRATÉGIA XX AULA 02DIREITO AMBIENTAL ESTRATÉGIA XX AULA 02
DIREITO AMBIENTAL ESTRATÉGIA XX AULA 02
Esdras Arthur Lopes Pessoa
 
A Proteção Ambiental do Municipio
A Proteção Ambiental do MunicipioA Proteção Ambiental do Municipio
A Proteção Ambiental do Municipio
Ministério Público de Santa Catarina
 
O papel da medicina veterinária na conservação da biodiversidade
O papel da medicina veterinária na conservação da biodiversidadeO papel da medicina veterinária na conservação da biodiversidade
O papel da medicina veterinária na conservação da biodiversidade
Tamires Coelho
 
Manual de Direito Ambiental (2014) - 4a ed.: Revista, ampliada e atualizada
Manual de Direito Ambiental (2014) - 4a ed.: Revista, ampliada e atualizadaManual de Direito Ambiental (2014) - 4a ed.: Revista, ampliada e atualizada
Manual de Direito Ambiental (2014) - 4a ed.: Revista, ampliada e atualizada
Editora Juspodivm
 
evolucao_historica_ambiental.pdf
evolucao_historica_ambiental.pdfevolucao_historica_ambiental.pdf
evolucao_historica_ambiental.pdf
OlgaPortodaSilvaGald
 
Direito ambiental aula - movimento ambientalista - atual
Direito ambiental   aula - movimento ambientalista - atualDireito ambiental   aula - movimento ambientalista - atual
Direito ambiental aula - movimento ambientalista - atual
João Alfredo Telles Melo
 
SOPHIA / A CNUDM e os Instrumentos Internacionais Conexos.
SOPHIA / A CNUDM e os Instrumentos Internacionais Conexos.SOPHIA / A CNUDM e os Instrumentos Internacionais Conexos.
SOPHIA / A CNUDM e os Instrumentos Internacionais Conexos.
DGRM
 
Políticas publicas-em-biodiversidade-agenda-21-2
Políticas publicas-em-biodiversidade-agenda-21-2Políticas publicas-em-biodiversidade-agenda-21-2
Políticas publicas-em-biodiversidade-agenda-21-2
Atividades Diversas Cláudia
 
A importância da auditoria ambiental
A importância da auditoria ambientalA importância da auditoria ambiental
A importância da auditoria ambiental
Universidade Federal Fluminense
 
Aula movimento ambientalista - atual
Aula   movimento ambientalista - atualAula   movimento ambientalista - atual
Aula movimento ambientalista - atual
João Alfredo Telles Melo
 
O meio ambiente
O meio ambienteO meio ambiente
O meio ambiente
tytta
 
Apostila i dir_amb__historia_e_nocoes_introdutorias
Apostila i dir_amb__historia_e_nocoes_introdutoriasApostila i dir_amb__historia_e_nocoes_introdutorias
Apostila i dir_amb__historia_e_nocoes_introdutorias
Neimar Albuquerque
 

Semelhante a Direito Internacional Ambiental (20)

LegislaçãO Ambiental
LegislaçãO AmbientalLegislaçãO Ambiental
LegislaçãO Ambiental
 
MEIO AMBIENTE E GESTAO AMBIENTAL.TST.PDF
MEIO AMBIENTE E GESTAO AMBIENTAL.TST.PDFMEIO AMBIENTE E GESTAO AMBIENTAL.TST.PDF
MEIO AMBIENTE E GESTAO AMBIENTAL.TST.PDF
 
principios do direito ambiental
principios do direito ambiental principios do direito ambiental
principios do direito ambiental
 
Programa Direito do Ambiente
Programa Direito do AmbientePrograma Direito do Ambiente
Programa Direito do Ambiente
 
Resumo do texto princípios direito ambiental marina
Resumo do texto princípios direito ambiental marinaResumo do texto princípios direito ambiental marina
Resumo do texto princípios direito ambiental marina
 
Conferências internacionais
Conferências internacionaisConferências internacionais
Conferências internacionais
 
Conferências internacionais
Conferências internacionaisConferências internacionais
Conferências internacionais
 
Aula de Legislação Ambiental no Brasil e nas empresas
Aula de Legislação Ambiental no Brasil e nas empresasAula de Legislação Ambiental no Brasil e nas empresas
Aula de Legislação Ambiental no Brasil e nas empresas
 
DIREITO AMBIENTAL ESTRATÉGIA XX AULA 02
DIREITO AMBIENTAL ESTRATÉGIA XX AULA 02DIREITO AMBIENTAL ESTRATÉGIA XX AULA 02
DIREITO AMBIENTAL ESTRATÉGIA XX AULA 02
 
A Proteção Ambiental do Municipio
A Proteção Ambiental do MunicipioA Proteção Ambiental do Municipio
A Proteção Ambiental do Municipio
 
O papel da medicina veterinária na conservação da biodiversidade
O papel da medicina veterinária na conservação da biodiversidadeO papel da medicina veterinária na conservação da biodiversidade
O papel da medicina veterinária na conservação da biodiversidade
 
Manual de Direito Ambiental (2014) - 4a ed.: Revista, ampliada e atualizada
Manual de Direito Ambiental (2014) - 4a ed.: Revista, ampliada e atualizadaManual de Direito Ambiental (2014) - 4a ed.: Revista, ampliada e atualizada
Manual de Direito Ambiental (2014) - 4a ed.: Revista, ampliada e atualizada
 
evolucao_historica_ambiental.pdf
evolucao_historica_ambiental.pdfevolucao_historica_ambiental.pdf
evolucao_historica_ambiental.pdf
 
Direito ambiental aula - movimento ambientalista - atual
Direito ambiental   aula - movimento ambientalista - atualDireito ambiental   aula - movimento ambientalista - atual
Direito ambiental aula - movimento ambientalista - atual
 
SOPHIA / A CNUDM e os Instrumentos Internacionais Conexos.
SOPHIA / A CNUDM e os Instrumentos Internacionais Conexos.SOPHIA / A CNUDM e os Instrumentos Internacionais Conexos.
SOPHIA / A CNUDM e os Instrumentos Internacionais Conexos.
 
Políticas publicas-em-biodiversidade-agenda-21-2
Políticas publicas-em-biodiversidade-agenda-21-2Políticas publicas-em-biodiversidade-agenda-21-2
Políticas publicas-em-biodiversidade-agenda-21-2
 
A importância da auditoria ambiental
A importância da auditoria ambientalA importância da auditoria ambiental
A importância da auditoria ambiental
 
Aula movimento ambientalista - atual
Aula   movimento ambientalista - atualAula   movimento ambientalista - atual
Aula movimento ambientalista - atual
 
O meio ambiente
O meio ambienteO meio ambiente
O meio ambiente
 
Apostila i dir_amb__historia_e_nocoes_introdutorias
Apostila i dir_amb__historia_e_nocoes_introdutoriasApostila i dir_amb__historia_e_nocoes_introdutorias
Apostila i dir_amb__historia_e_nocoes_introdutorias
 

Mais de UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA Faculdade de Direito

Apresentaçãohistdir17
Apresentaçãohistdir17Apresentaçãohistdir17
Ciência política6
Ciência política6Ciência política6
Apresentaçãosocdir14
Apresentaçãosocdir14Apresentaçãosocdir14
Apresentaçãosocdir13
Apresentaçãosocdir13Apresentaçãosocdir13
Ciência política5
Ciência política5Ciência política5
Ciência política4
Ciência política4Ciência política4
Cronograhistdir
CronograhistdirCronograhistdir
Ciência política3
Ciência política3Ciência política3
ética5
ética5ética5
Apresentaçãosocdir12
Apresentaçãosocdir12Apresentaçãosocdir12
Apresentaçãosocdir11
Apresentaçãosocdir11Apresentaçãosocdir11
Ciência política2
Ciência política2Ciência política2
Ciência política1
Ciência política1Ciência política1
ética 4
ética 4ética 4
ètica3
ètica3ètica3
ètica2
ètica2ètica2
Introdução ética
Introdução éticaIntrodução ética
Apresentaçãohistdir5
Apresentaçãohistdir5Apresentaçãohistdir5
Apresentaçãohistdir2
Apresentaçãohistdir2Apresentaçãohistdir2
Apresentaçãosocdir10
Apresentaçãosocdir10Apresentaçãosocdir10

Mais de UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA Faculdade de Direito (20)

Apresentaçãohistdir17
Apresentaçãohistdir17Apresentaçãohistdir17
Apresentaçãohistdir17
 
Ciência política6
Ciência política6Ciência política6
Ciência política6
 
Apresentaçãosocdir14
Apresentaçãosocdir14Apresentaçãosocdir14
Apresentaçãosocdir14
 
Apresentaçãosocdir13
Apresentaçãosocdir13Apresentaçãosocdir13
Apresentaçãosocdir13
 
Ciência política5
Ciência política5Ciência política5
Ciência política5
 
Ciência política4
Ciência política4Ciência política4
Ciência política4
 
Cronograhistdir
CronograhistdirCronograhistdir
Cronograhistdir
 
Ciência política3
Ciência política3Ciência política3
Ciência política3
 
ética5
ética5ética5
ética5
 
Apresentaçãosocdir12
Apresentaçãosocdir12Apresentaçãosocdir12
Apresentaçãosocdir12
 
Apresentaçãosocdir11
Apresentaçãosocdir11Apresentaçãosocdir11
Apresentaçãosocdir11
 
Ciência política2
Ciência política2Ciência política2
Ciência política2
 
Ciência política1
Ciência política1Ciência política1
Ciência política1
 
ética 4
ética 4ética 4
ética 4
 
ètica3
ètica3ètica3
ètica3
 
ètica2
ètica2ètica2
ètica2
 
Introdução ética
Introdução éticaIntrodução ética
Introdução ética
 
Apresentaçãohistdir5
Apresentaçãohistdir5Apresentaçãohistdir5
Apresentaçãohistdir5
 
Apresentaçãohistdir2
Apresentaçãohistdir2Apresentaçãohistdir2
Apresentaçãohistdir2
 
Apresentaçãosocdir10
Apresentaçãosocdir10Apresentaçãosocdir10
Apresentaçãosocdir10
 

Último

1°ao5°ano_HISTÓRIA_ORGANIZADOR CURRICULAR BIMESTRAL (1) educação infantil fu...
1°ao5°ano_HISTÓRIA_ORGANIZADOR CURRICULAR BIMESTRAL (1)  educação infantil fu...1°ao5°ano_HISTÓRIA_ORGANIZADOR CURRICULAR BIMESTRAL (1)  educação infantil fu...
1°ao5°ano_HISTÓRIA_ORGANIZADOR CURRICULAR BIMESTRAL (1) educação infantil fu...
antonio carlos
 
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
Espanhol Online
 
Licao de adultos Topico 1 CPAD edit.pptx
Licao de adultos Topico 1 CPAD edit.pptxLicao de adultos Topico 1 CPAD edit.pptx
Licao de adultos Topico 1 CPAD edit.pptx
jetroescola
 
Ideais do Ministério jovem Adventista pdf
Ideais do Ministério jovem Adventista pdfIdeais do Ministério jovem Adventista pdf
Ideais do Ministério jovem Adventista pdf
Anesio2
 
Slides Lição 2, CPAD, O Livro de Rute, 3Tr24.pptx
Slides Lição 2, CPAD, O Livro de Rute, 3Tr24.pptxSlides Lição 2, CPAD, O Livro de Rute, 3Tr24.pptx
Slides Lição 2, CPAD, O Livro de Rute, 3Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Relatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdf
Falcão Brasil
 
Caça-palavras e cruzadinha - Encontros consonantais.
Caça-palavras e cruzadinha -  Encontros consonantais.Caça-palavras e cruzadinha -  Encontros consonantais.
Caça-palavras e cruzadinha - Encontros consonantais.
Mary Alvarenga
 
Auxiliar Adolescente 2024 3 trimestre 24
Auxiliar Adolescente 2024 3 trimestre 24Auxiliar Adolescente 2024 3 trimestre 24
Auxiliar Adolescente 2024 3 trimestre 24
DirceuSilva26
 
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
Sandra Pratas
 
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsxOceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Luzia Gabriele
 
Slide para aplicação da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
Slide para aplicação  da AVAL. FLUÊNCIA.pptxSlide para aplicação  da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
Slide para aplicação da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
LeilaVilasboas
 
reconquista sobre a guerra de ibérica.docx
reconquista sobre a guerra de ibérica.docxreconquista sobre a guerra de ibérica.docx
reconquista sobre a guerra de ibérica.docx
felipescherner
 
Caça - palavras e cruzadinha com dígrafos
Caça - palavras  e cruzadinha   com  dígrafosCaça - palavras  e cruzadinha   com  dígrafos
Caça - palavras e cruzadinha com dígrafos
Mary Alvarenga
 
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
marcos oliveira
 
farmacologia-segura-em-mapas-mentais-reduzindo-os-riscos-da-terapeutica-24040...
farmacologia-segura-em-mapas-mentais-reduzindo-os-riscos-da-terapeutica-24040...farmacologia-segura-em-mapas-mentais-reduzindo-os-riscos-da-terapeutica-24040...
farmacologia-segura-em-mapas-mentais-reduzindo-os-riscos-da-terapeutica-24040...
AngelicaCostaMeirele2
 
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdfCaderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
shirleisousa9166
 
Caderno 1 - Módulo Água JMS 2024 (1).pdf
Caderno 1 -  Módulo Água JMS 2024 (1).pdfCaderno 1 -  Módulo Água JMS 2024 (1).pdf
Caderno 1 - Módulo Água JMS 2024 (1).pdf
SupervisoEMAC
 
Relatório de Atividades 2020 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2020 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2020 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2020 CENSIPAM.pdf
Falcão Brasil
 
Relatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdf
Falcão Brasil
 
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsxNoite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Luzia Gabriele
 

Último (20)

1°ao5°ano_HISTÓRIA_ORGANIZADOR CURRICULAR BIMESTRAL (1) educação infantil fu...
1°ao5°ano_HISTÓRIA_ORGANIZADOR CURRICULAR BIMESTRAL (1)  educação infantil fu...1°ao5°ano_HISTÓRIA_ORGANIZADOR CURRICULAR BIMESTRAL (1)  educação infantil fu...
1°ao5°ano_HISTÓRIA_ORGANIZADOR CURRICULAR BIMESTRAL (1) educação infantil fu...
 
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
 
Licao de adultos Topico 1 CPAD edit.pptx
Licao de adultos Topico 1 CPAD edit.pptxLicao de adultos Topico 1 CPAD edit.pptx
Licao de adultos Topico 1 CPAD edit.pptx
 
Ideais do Ministério jovem Adventista pdf
Ideais do Ministério jovem Adventista pdfIdeais do Ministério jovem Adventista pdf
Ideais do Ministério jovem Adventista pdf
 
Slides Lição 2, CPAD, O Livro de Rute, 3Tr24.pptx
Slides Lição 2, CPAD, O Livro de Rute, 3Tr24.pptxSlides Lição 2, CPAD, O Livro de Rute, 3Tr24.pptx
Slides Lição 2, CPAD, O Livro de Rute, 3Tr24.pptx
 
Relatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdf
 
Caça-palavras e cruzadinha - Encontros consonantais.
Caça-palavras e cruzadinha -  Encontros consonantais.Caça-palavras e cruzadinha -  Encontros consonantais.
Caça-palavras e cruzadinha - Encontros consonantais.
 
Auxiliar Adolescente 2024 3 trimestre 24
Auxiliar Adolescente 2024 3 trimestre 24Auxiliar Adolescente 2024 3 trimestre 24
Auxiliar Adolescente 2024 3 trimestre 24
 
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
 
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsxOceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
 
Slide para aplicação da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
Slide para aplicação  da AVAL. FLUÊNCIA.pptxSlide para aplicação  da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
Slide para aplicação da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
 
reconquista sobre a guerra de ibérica.docx
reconquista sobre a guerra de ibérica.docxreconquista sobre a guerra de ibérica.docx
reconquista sobre a guerra de ibérica.docx
 
Caça - palavras e cruzadinha com dígrafos
Caça - palavras  e cruzadinha   com  dígrafosCaça - palavras  e cruzadinha   com  dígrafos
Caça - palavras e cruzadinha com dígrafos
 
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
 
farmacologia-segura-em-mapas-mentais-reduzindo-os-riscos-da-terapeutica-24040...
farmacologia-segura-em-mapas-mentais-reduzindo-os-riscos-da-terapeutica-24040...farmacologia-segura-em-mapas-mentais-reduzindo-os-riscos-da-terapeutica-24040...
farmacologia-segura-em-mapas-mentais-reduzindo-os-riscos-da-terapeutica-24040...
 
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdfCaderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
 
Caderno 1 - Módulo Água JMS 2024 (1).pdf
Caderno 1 -  Módulo Água JMS 2024 (1).pdfCaderno 1 -  Módulo Água JMS 2024 (1).pdf
Caderno 1 - Módulo Água JMS 2024 (1).pdf
 
Relatório de Atividades 2020 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2020 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2020 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2020 CENSIPAM.pdf
 
Relatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdf
 
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsxNoite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
 

Direito Internacional Ambiental

  • 1. Prof. Dr. Julio Cesar de Sá da RochaDireitoInternacionalAmbiental
  • 2. 1. IntroduçãoO Direito Ambiental é disciplina autônoma compreendida entre os novos direitos contemporâneos, surge como resultado da crise ambientalA origem do direito ambiental é associada à legislação de proteção dos ecossistemas a partir da década de 60 e 70 do século XX, da sociedade de consumo e dos acidentes ambientais
  • 3. Para José-Luis Serrano (1998: 39) “’normativa propiamente ambiental o ecológica: expedida para La tutela de relaciones sistema/entorno y com consciência de La crisis ecológica”.
  • 4. A questão ambiental é elemento central das políticas públicas e do desenvolvimento de sistemas legais lidam com os temas ambientais atuais que explicitam um dramático ponto-limite. mudanças climáticas;desmatamento e desertificação;drama urbano;extinção de espécies e biodiversidade;produção de resíduos;delicada situação da água;questão nuclear;acidentes ambientais 
  • 5. O direito ambiental possui influência dos movimentos de defesa do meio ambiente e da formação de uma ética ambientalista: proposta de uma relação harmoniosa com o planeta e com seus seres, direito dos seres não humanos e da necessidade de uma postura ética diante da vida. No dizer de Ricardo Luis Lorenzetti a primeira etapa foi retórica, o “movimento ambientalista semeou as primeiras palavras novas, símbolos e utopias, pouco conhecidos até então” (2010: 16).
  • 6. O direito ambiental recebe influência de concepções ecocentristas (que colocam os ecossistemas e os seres vivos no centro das políticas ambientais) e humanistas ou socioambientais (que inserem o ser humano na centralidade das políticas ambientais)Há quem defenda que existe um processo de “ecologização do direito” (esverdear da legislação), com incorporação das demandas ambientais nos sistemas jurídicos nacionais ressaltando a existência de um paradigma ambiental no direito.
  • 7. O direito ambiental pode ser entendido como sistema de regras e princípios, instituições e ideologias (concepções) que regulam as relações entre condutas humanas e o meio ambiente, determinando através do comando e controle posturas preventivas, precaucionárias, ressarcitórias.
  • 8. Princípios do Direito Ambiental  O Direito Ambiental se fundamenta em princípios próprios e revela indiscutivelmente seu grau de autonomia. Necessário registrar que os princípios são proposições básicas que condicionam todas as estruturas subsequentes. Os princípios possuem como característica serem fundamento de regras “natureza normogenética” (Canotilho, 1998).
  • 9. Caso emblemático: Nauru – exemplo de violação de princípios do direito ambiental O caso Nauru vs. Austrália (1989) que foi conciliado na Corte Internacional de Justiça (CIJ, Tribunal de Haia), em 1993, constitui um das mais graves experiências conhecidas de impacto ambiental. Nauru, pequena ilha-nação no Oceano Pacífico, rica em fosfato, com uma população de 7.500 habitantes, foi dominada pelos alemães de 1888, e posteriormente, pelos australianos, tornando-se independente em 1968. Durante esse período, acumulou um histórico bastante amargo: com o início da utilização econômica do fosfato (1907), em pouco menos de um século, 4/5 do território foi destruído, a população passou a consumir alimentos importados (por conta da diminuição de áreas plantáveis), aumentaram os casos de hipertensão, obesidade e diabetes (pelo alto teor de gordura da alimentação) e toda cultural nauruense foi perdida. Diante dessa difícil situação, e após o acordo de U$75 milhões de dólares com a Austrália, o governo de Nauru considera a possibilidade de compra de outro território e mudança de toda população para uma nova ilha. In: Philip SHENON. A Pacific island nation is stripped of everything, p. 03.
  • 10. Direito Internacional Ambiental A expressão Direito Internacional Ambiental vem sendo mais utilizada. Há quem preferira Direito Internacional do Meio Ambiente (José Juste Ruiz). De acordo com significativa parte da doutrina (Kiss, Shelton, Handl, Teclaff e Utton) não indica a existência de uma nova disciplina baseada exclusivamente na perspectiva ambiental. Caracteriza-se pela existência de uma parte do Direito Internacional que dedica-se aos temas ambientais
  • 11. Os primeiros tratados bilaterais de proteção de determinados recursos naturais: Convenção entre França e Grã-Bretanha proibindo a pesca de ostras em determinados períodos (11.11.1867); a Convenção destinada à conservação das espécies de animais na África que são úteis ao homem ou inofensivos (19.05.1900); a Convenção concernente a exploração e conservação de pescados na fronteira do Rio Danúbio (15.01.1902); Convenção para proteção de aves (19.03.1902).
  • 12. Com a criação das Nações Unidas (1945) intensifica-se a adoção de instrumentos legais na área ambiental. Contudo, somente com a Conferência das Nações Unidas sobre o Meio Ambiente Humano, em Estocolmo (1972) e com a Conferência das Nações Unidas para o Meio Ambiente e Desenvolvimento, no Rio de Janeiro (1992) – estabelece-se sistema de coordenação da temática ambiental de forma global e articulada (mundialização dos problemas ambientais)
  • 13. FontesAs fontes do Direito Internacional Ambiental são as do Direito Internacional, tal como enumeradas pelo art. 38 do Estatuto da Corte Internacional de Justiça: tratados, o costume internacional, os princípios gerais do direito, as decisões judiciárias e a doutrina dos autores mais qualificados.
  • 14. O Direito Internacional ambiental apresenta peculiaridades: a) utilização de tratados de cunho genérico, tratados-quadro, umbrella conventions (p. ex. Convenção do Clima) e de certo de número de textos não obrigatórios (soft law). Atualmente os tratados multilaterais passam de 300 e existem cerca de 900 tratados bilaterais. O Costume como prática geral aceita como sendo direito não pode ser ignorada na área ambiental. Por exemplo, a Corte Internacional de Justiça reconheceu o desenvolvimento de direito costumeiro diante do princípio 21 da Declaração de Estocolmo e do princípio 3 da Declaração do Rio. No campo das decisões judiciárias a Corte Internacional de Justiça (CIJ) criou em sua estrutura Câmara competente para apreciar matéria ambiental (1993).
  • 15. De outra forma, importante registrar que as resoluções, declarações, programas de ação exercem profunda influência na área ambiental, p. ex. Resolução 37/7 das Nações Unidas de 28.10.1982 – aprova a Carta Mundial da Natureza; Declaração do Rio sobre Meio Ambiente e Desenvolvimento – Carta de Princípios; Agenda 21 – programa de ação
  • 16. Alicerces da ordem internacional ambiental Não existe um organismo que trate das questões ambientais, mais um programa, o PNUMA (UNEP) – Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente, criado com a Conferência de Estocolmo (1972) com sede em Nairóbi (Quênia). O PNUMA possui a seguinte estrutura:Conselho Executivo do Programa: composto de representantes de cinqüenta Estados eleitos pela Assembléia Geral – encarregado de elaborar a política do meio ambienteSecretariado do Meio Ambiente – centraliza a ação do Programa e assegura a coordenação entre os organismos das Nações Unidas em matéria de meio ambienteFundo do Meio Ambiente – fornece assistência financeira aos programas ambientais
  • 17. Após a Conferência Rio 92 foi criada pela Assembléia Geral da ONU a Comissão de Desenvolvimento Sustentável (CDS), com composição de 53 Estados Membros, com mandato de 03 anos, possuindo o papel de examinar a implementação da Agenda 21, nos níveis nacional, regional e internacional.
  • 18. Outros organismos internacionais com conexão ambiental como a UNESCO que trata do meio ambiente cultural e natural (programa reserva da biosfera e política das águas); a OIT – Organização Internacional do Trabalho, que trata do tema do meio ambiente do trabalho; a Agência Internacional de Energia Atômica, que controla o uso da energia nuclear; a Comissão Internacional sobre a Pesca da Baleia, quen ; FAO – Organização das Nações Unidas para a Alimentação e a Agricultura, que trata das relações da agricultura com o meio ambiente; a OMS – Organização Mundial de Saúde, que trata das relações entre saúde e meio ambiente; OMM – Organização Meteorológica Mundial, que trata do clima e das alterações climáticas e influenciaram o surgimento da IPCC Painel Intergovernamental das Mudanças Climáticas; a OMI – Organização Marítima Internacional, que trata do direito do mar.
  • 19. Blocos Econômicos e meio ambienteEuropa. O Ato Único Europeu (1987) introduziu expressamente o meio ambiente no Tratado de Roma, considerando a proteção ambiental como integrante da política comunitária (art. 174, ex art. 130R) e o Tratado de Maastricht (Tratado da União Européia, 1992) estabelecendo o princípio do desenvolvimento sustentável (preâmbulo). Necessário registrar que na EuropaoTratado de Roma (1957), que instituiu a Comunidade Econômica Européia (CEE) não indicava qualquer referência ao meio ambiente (“adoção de medidas com incidência direta no mercado comum” – art. 100). A Diretiva 79/409 estabeleceu a proteção de aves selvagens e dos seus habitats.  
  • 20. Posteriormente a Corte Européia (1982) decidiu que “a perspectiva do meio ambiente como um dos objetivos essenciais da Comunidade”. Claro que mesmo antes a Declaração de Paris (1972) – formulada pelos Chefes de Estado e de Governo com preocupação pela proteção do meio ambiente, assumindo um compromisso de elaboração de um programa de ação em matéria ambiental. São objetivos: preservar, proteger e melhorar a qualidade do ambiente; contribuir para a proteção da saúde das pessoas; assegurar uma utilização prudente e racional dos recursos naturais.
  • 21. MERCOSUL. Mercosul: Argentina, Brasil, Paraguai e Uruguai - o processo de integração leva à harmonização das legislações dos países integrantes (art. 25, Protocolo de Ouro Preto/1994 – aperfeiçoa o Tratado de Assunção de 1991). O Mercosul tem como antecedentes imediatos a integração argentino-brasileira.  North American Free Trade Agreement (NAFTA: Canadá, México e EUA 1992) possui um Acordo Lateral de Meio Ambiente (Environmental Side Agreement), embora seja uma área bantante incipiente diante das diferenças no patamar de proteção ambiental entre os Estados.
  • 22. Tendências atuaisNo âmbito ambiental observa-se uma expansão subjetiva: a atuação crescente de ONGs internacionais (WWF, Greenpeace); e uma expansão normativa e institucional com assimetria convencional: diversidade de obrigações e direitos das partes; compromissos graduais em matéria ambiental: progressividade e continuidade do processo normativo através dos tratados-quadro, completados por sucessivos protocolos. Por fim, verificam-se novos aportes, como o direito da “ingerência ecológica”, exceção ao princípio da jurisdição exclusiva do Estado 
  • 23. Comércio e meio ambiente: a Organização Mundial do Comércio e a questão ambiental, necessário registrar que a OMC pode considerar legais restrições feitas por Estado-membro para conservação dos recursos naturais, desde que tais recursos estejam sendo dizimados e as medidas externas sejam realizadas concomitantemente com ações de restrição de produção e consumo domésticos (GATT, art. XX, g). São casos emblemáticos: Tuna-Dolphin (1991) e Tuna-Dolphin II (1994) – embargo dos Estados unidos à importação de atum; e Shrimp/turtle – embargo dos EUA à importação de camarão: foram consideradas violações às regras de livre comércio a atuação dos EUA.