SlideShare uma empresa Scribd logo
Histórico e atualidades
ANTUNES, Paulo de Bessa. Direito
ambiental. 7ª ed. rev. amp. e atual. Rio de
Janeiro: Lumen Juris, 2005. (cap. 2)
SOARES, Guido Fernando Silva. Direito
internacional do meio ambiente: emergência,
obrigações e responsabilidades. São Paulo:
Atlas, 2001. (caps. 1 a 4)
MILARÉ, Édis. Direito do ambiente: doutrina,
jurisprudência, glossário. 5ª ed. rev. amp. e
atual. São Paulo: RT, 2007.(Título XIV)
 No século XIX
• Inexistia uma precaução sistemática com o ambiente,
mesmo aquele que cercava as indústrias.
• Acreditava-se que a natureza seria capaz de absorver os
materiais tóxicos lançados e, assim, o equilíbrio seria
automaticamente mantido.
 Primeiras legislações visando à proteção de um
ambiente sadio
• Surgiram antes da 1ª Grande Guerra.
• Tinham cunho eminentemente utilitário e versavam acerca
do comércio mundial de certas espécies animais,
tencionando primordialmente, fins de exploração
econômica.
 Ex: Paris (1911): proteção das aves úteis à agricultura (aves de
rapina noturnas).
1941
• A sentença arbitral no caso da Fundição Trail (Trail
Smelter Company)
 Decidiu uma reclamação dos EUA contra o Canadá
(empresa canadense que poluía o ambiente mediante
fumaça tóxica trazida por correntes de ar e esta poluição
era suportada por pessoas, animais e bens, nos EUA).
 “Nenhum Estado tem o direito de usar ou de permitir o uso de seu
território de tal modo, que cause dano em razão do lançamento de
emanações no, ou até o território de outro”.
 1960
• Início de uma conscientização sobre os problemas ambientais no
âmbito internacional, passando-se a considerar o ambiente com um
valor complexo, extremamente frágil e que necessita de proteção
contra seu maior predador e beneficiário: o homem.
 Relatório The Limits of Growth (os limites do crescimento) de cientistas do
MIT, que traçava prognósticos graves para o futuro.
• 4 fatores que propiciaram esta mudança de visão
 A abertura das discussões nos foros diplomáticos internacionais à opinião
pública e a valorização de teses científicas na proteção jurídica do
ambiente;
 Democratização das relações internacionais com a atuação dos
parlamentos na diplomacia dos Estados;
 Possibilidade de destruição maciça de grandes partes da Terra com a
utilização militar de energia nuclear (Guerra Fria);
 Ocorrência de catástrofes ambientais.
Conferência das Nações Unidas sobre o Meio
Ambiente Humano (Estocolmo – 1972)
• Nas reuniões preparatórias à Conferência de
Estocolmo podem-se ver 2 posições:
 Países desenvolvidos: o desenvolvimento seria a causa dos
problemas ambientais.
 Países subdesenvolvidos: a melhoria na qualidade
ambiental dependeria do alcance de um desenvolvimento
global. E a política preservacionista seria apenas uma
desculpa para intromissão nos assuntos internos dos
países.
Conferência das Nações Unidas sobre o Meio
Ambiente Humano (Estocolmo – 1972)
• Participação de 113 países;
• 250 organizações não-governamentais e organismos
da ONU;
• A Declaração de Estocolmo estabeleceu parâmetros
mínimos que devem figurar nas legislações
domésticas dos Estados e nos grandes textos
internacionais sobre o ambiente.
 Conferência das Nações Unidas sobre o Meio
Ambiente Humano (Estocolmo – 1972)
• Decisões relevantes de Estocolmo
 Declaração sobre o Meio Ambiente Humano (26 princípios);
 Cooperação internacional para proteção do ambiente como princípio geral
do Direito Internacional, com ênfase no livre intercâmbio de experiências
científicas e na tecnologia ambiental (princípio 20);
 Previsão de tutela do dano ambiental transfronteiriço (princípio 21).
 Plano de ação para o ambiente (109 recomendações);
 Resolução sobre aspectos financeiros e organizacionais no âmbito
da ONU;
 Instituição do programa das Nações Unidas sobre o meio ambiente
(PNUMA), com sede em Nairóbi, Quênia.
• No Brasil, gerou a criação da Secretaria Especial do Meio
Ambiente – SEMA (janeiro de 1974).
 Conferência da ONU sobre o meio ambiente e desenvolvimento
(CNUMAD)
• Histórico
 Comissão mundial sobre meio ambiente e desenvolvimento
 Relatório “Brundtland” ou “Nosso Futuro Comum”
• “Cúpula da Terra” ou “Rio 92”
 Oficializou a expressão desenvolvimento sustentável;
 Objetivos (entre outros)
 Examinar a situação ambiental mundial desde 1972 e sua relação com o modelo de
desenvolvimento vigente;
 Estabelecer mecanismos de transferência de tecnologias não-poluentes aos países
subdesenvolvidos;
 Examinar estratégias nacionais e internacionais para incorporação de critérios ambientais ao
processo de desenvolvimento;
 Estabelecer um sistema de cooperação internacional para prever ameaças ambientais e prestar
socorro em casos emergenciais;
 Documentos gerados
 Declaração do Rio sobre meio ambiente e desenvolvimento
 Agenda 21 (“cartilha do desenvolvimento sustentável para o século XXI).
 Declaração de princípios para o desenvolvimento sustentável das florestas
 Convenção sobre diversidade biológica
 Convenção-quadro sobre mudança do clima
Convenção-Quadro sobre Mudança do Clima
• Histórico
 Painel Intergovernamental sobre Mudanças do Clima
(IPCC)
 Criado pelo Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente
(PNUMA) e a Organização Meteorológica Mundial (OMM), em
1988.
 Em 1990 publicou o seu primeiro relatório, que resultou em uma
decisão da Assembléia Geral da ONU de instituir o Comitê
Intergovernamental de Negociação para a Convenção-Quadro
sobre Mudança do Clima (encarregado de redigir a convenção-
quadro).
 Entrou em vigor em 1994.
Convenção-Quadro sobre Mudança do Clima
• Objetivos
 Estabilização das emissões de gases causadores do efeito
estufa.
 Aplicação do princípio da “responsabilidade comum, porém
diferenciada” (desenvolvidos e em desenvolvimento).
• É uma convenção-quadro
 Limita-se a estabelecer objetivos, deixando sob a
responsabilidade das Partes o modo de implementá-la em
seu território.
 Convenção-Quadro sobre Mudança do Clima
• Organização
 Terminologia básica
 Mudança do clima, emissões, gases do efeito estufa, reservatórios,
sumidouro, etc.
 Ações para alcançar os objetivos e implementar as disposições da
Convenção (cooperação entre as Partes)
 Obrigações assumidas com a Convenção
 Inventários nacionais de emissões de gases de efeito estufa, promoção de
conscientização pública em relação à mudança do clima, etc.
 Cooperação entre as partes para o estabelecimento e a promoção
de pesquisa
 Conferência das Partes (COP) como órgão supremo da Convenção
 Mecanismos Financeiros
 Solução de controvérsias
Convenção-Quadro sobre Mudança do Clima
• No Brasil
 Decreto Legislativo nº 1/94;
 Decreto nº 2.652/98
 Comissão Interministerial de Mudança do Clima (Decreto
de 07.07.1999)
 Formada pelos Ministérios das Relações Exteriores, da Agricultura
e do Abastecimento, dos Transportes, de Minas e Energia, do
Orçamento e Gestão, do Meio Ambiente, da Ciência e Tecnologia,
do Desenvolvimento e da Indústria e Comércio, pela Casa Civil e
pelo Gabinete do Ministro de Estado Extraordinário de Projetos
Especiais.
 Protocolo de Kyoto (1997)
• Resultado da 3ª Conferência das Partes da Convenção-
Quadro sobre a Mudança do Clima, realizada em Kyoto,
Japão.
• Estabelece metas rígidas para a redução da emissão dos
gases que provocam o “efeito estufa”.
• Os países desenvolvidos (Anexo I da Convenção-Quadro)
comprometeram-se a reduzir suas emissões totais de 6
gases que causam o efeito-estufa (GEEs) em 5% abaixo
dos níveis de 1990, no período entre 2008-2012, com
metas diferenciadas para a maioria desses Estados.
• Os países em desenvolvimento não possuem metas no
período 2008-2012. (entre eles China, Índia e Brasil).
Protocolo de Kyoto (1997)
• Aberto para assinatura em 1998.
• Entrou em vigor em 16 de fevereiro de 2005, 90 dias
após a Rússia formalizar sua adesão.
 Art. 25, I: o início do vigor do Protocolo só se daria com a
aceitação definitiva de pelo menos 55 Estados-parte que
correspondentes a, no mínimo, 55% das emissões globais
de dióxido de carbono em 1990;
 Atualmente o Protocolo conta com 180 Estados-parte, os
quais correspondem a 63,7% das emissões globais de
gases do efeito-estufa (em abril de 2008).
Protocolo de Kyoto (1997)
• Obrigações das Partes (arts. 1º, 2º e 10)
 Aumento da eficiência energética;
 Proteção de sumidouros e reservatórios;
 Promoção de formas sustentáveis de agricultura e energia;
 Políticas fiscais que tenham por finalidade a redução das
emissões dos gases de efeito estufa;
 Formulação de programas nacionais de transporte, energia
agricultura, etc, a fim de diminuir o nível de emissões,
cooperando com o desenvolvimento e a difusão de
tecnologias ambientalmente seguras.
Protocolo de Kyoto (1997)
• Foram previstos três mecanismos para o
cumprimento das metas de emissões de gases do
“efeito-estufa”:
 Comércio de Emissões (Emissions Trade)
 Implementação Conjunta (Joint Implementation)
 Mecanismo de Desenvolvimento Limpo (Clean Develop
Mechanism).
 Protocolo de Kyoto (1997)
• Mecanismo de Desenvolvimento Limpo (MDL)
 Fruto de uma proposta brasileira e está definido no artigo 12 do Protocolo;
 Única modalidade de mecanismo aplicável aos países em desenvolvimento;
 Conceito: sistema que envolve
 Por um lado, a assistência às partes não Anexo I no alcance de um
desenvolvimento sustentável, mediante fornecimento de capital para financiamento
de projetos que visem à redução de GEEs;
 Em contra-partida as partes Anexo I, podem utilizar-se das “reduções certificadas
de emissões” (RCE’s) resultantes destes projetos para alcançar o cumprimento de
seus compromissos no Protocolo.
 Cada tonelada de CO2 que deixar de ser emitida ou for retirada da
atmosfera por um país em desenvolvimento gerará uma RCE (Crédito de
Carbono) que poderá ser negociada em um mercado mundial, daí criando-
se o denominado “Mercado de Créditos de Carbono”.
 Protocolo de Kyoto (1997)
• Mecanismo de Desenvolvimento Limpo (MDL)
 Como a quantidade de RCEs formados com base nos demais GEEs
diversos do CO2 será correspondente ao número de vezes de seu
“Potencial de Aquecimento Global” do ambiente, observe-se a tabela
abaixo para uma visualização do potencial de poluição dos GEEs e,
conseqüentemente, de geração de RCEs.
Gases do Efeito Estufa
(GEEs)
Potencial de Aquecimento Global
(Global Warming Potential)
“Créditos de Carbono” gerados
por tonelada retirada ou não
emitida na atmosfera (RCEs)
CO2 1 1
CH4 23 23
N2O 310 310
HFCs Entre 140 até 11.700 Entre 140 até 11.700
PFCs Entre 6.500 até 9.200 Entre 6.500 até 9.200
SF6 23.900 23.900
Protocolo de Kyoto
• No Brasil
 Decreto Legislativo nº 144, de 20 de junho de 2002
 Ratificação internacional deu-se em 23 de agosto de 2002.
 Decreto nº 5.445, de 12 de maio de 2005, introduziu o
Protocolo de Kyoto no ordenamento jurídico brasileiro.
 Cúpula Mundial sobre Desenvolvimento Sustentável (RIO +
10)
• Ocorrida em Joanesburgo (2002)
• Discutiu os desafios ambientais do planeta demonstrados no
Relatório “Desafios Globais, oportunidades globais” da ONU.
 Em 2002, 40% da população mundial sofria com a escassez de água;
 90 milhões de ha de florestas foram destruídos na década de 90;
 A cada ano, 3 milhões de pessoas morrem de doenças causadas pela
poluição;
 A falta de saneamento básico vitima 2,2 milhões de pessoas por ano;
 Embora os países ricos tenham se comprometido em Estocolmo a destinar
0,7% de seu PIB, anualmente, para que os países pobres enfrentassem a
miséria e a degradação ambiental, a ajuda concreta caiu de 0,33% (1992)
para 0,22% em 2002.
 Cúpula Mundial sobre Desenvolvimento Sustentável
(RIO + 10)
• Produziu dois documentos oficiais (sem força coercitiva)
 Declaração Política
 Intitulada oficialmente de “O compromisso de Joanesburgo sobre
desenvolvimento sustentável”
 Reafirma os princípios e acordos adotados na Conferência de Estocolmo e
na Rio 92.
 Admite que as metas previstas na Rio 92 não foram alcançadas.
 Plano de Implementação
 Trata temas antigos de forma atualizada, inclusive considerando a
globalização.
 Tenciona abranger três objetivos:
 a erradicação da pobreza;
 a mudança nos padrões insustentáveis de produção e consumo;
 a proteção dos recursos naturais.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Cp12 conferencias ambientais
Cp12 conferencias ambientaisCp12 conferencias ambientais
Cp12 conferencias ambientais
Tiago Tomazi
 
Conferências internacionais sobre meio ambiente
Conferências internacionais sobre meio ambienteConferências internacionais sobre meio ambiente
Conferências internacionais sobre meio ambiente
Delamare De Oliveira Filho
 
Como defender o meio ambiente dos impactos provocados pelos setores produtivo...
Como defender o meio ambiente dos impactos provocados pelos setores produtivo...Como defender o meio ambiente dos impactos provocados pelos setores produtivo...
Como defender o meio ambiente dos impactos provocados pelos setores produtivo...
Fernando Alcoforado
 
Meio ambiente
Meio ambienteMeio ambiente
Meio ambiente
tsocio
 
Questões ambientais contemporâneas
Questões ambientais contemporâneasQuestões ambientais contemporâneas
Questões ambientais contemporâneas
Léo Miranda
 
Eco rio 92
Eco rio 92Eco rio 92
Eco rio 92
Mariany Moura
 
conferências
conferênciasconferências
conferências
Dilan Hugo
 
As Conferências Internacionais sobre Questões Ambientais
As Conferências Internacionais sobre Questões AmbientaisAs Conferências Internacionais sobre Questões Ambientais
As Conferências Internacionais sobre Questões Ambientais
professordelamare
 
NOVA ORDEM AMBIENTAL
NOVA ORDEM AMBIENTAL NOVA ORDEM AMBIENTAL
NOVA ORDEM AMBIENTAL
Marcelo Dores
 
Conferências internacionais
Conferências internacionaisConferências internacionais
Conferências internacionais
iracemap
 
Eco 92
Eco 92Eco 92
Eco 92
EliseuEaD
 
TCC_2010_REDD+
TCC_2010_REDD+TCC_2010_REDD+
TCC_2010_REDD+
isabelcatarinas
 
Sequestro de carbono
Sequestro de carbonoSequestro de carbono
Sequestro de carbono
Araguaci Andrade
 
Protocolo De Quioto
Protocolo De QuiotoProtocolo De Quioto
Protocolo De Quioto
cordeiro18
 
Questão ambiental
Questão ambientalQuestão ambiental
Questão ambiental
PrismaTocantins
 
Eco 92 - A Conferência Mundial
Eco 92 - A Conferência MundialEco 92 - A Conferência Mundial
Eco 92 - A Conferência Mundial
Shayenne J. Potter
 
Tratados internacionais sobre ambiente.
Tratados internacionais sobre ambiente.Tratados internacionais sobre ambiente.
Tratados internacionais sobre ambiente.
UNIVERSIDADE METODISTA DE ANGOLA, LUANDA
 
Luís Costantino - Alterações Climáticas em Angola, DW Debate 11/07/2014
Luís Costantino - Alterações Climáticas em Angola, DW Debate 11/07/2014Luís Costantino - Alterações Climáticas em Angola, DW Debate 11/07/2014
Luís Costantino - Alterações Climáticas em Angola, DW Debate 11/07/2014
Development Workshop Angola
 
Economia e meio ambiente apa do pratigi
Economia e meio ambiente   apa do pratigiEconomia e meio ambiente   apa do pratigi
Economia e meio ambiente apa do pratigi
Roque Fraga
 
Questão ambiental.
Questão ambiental.Questão ambiental.
Questão ambiental.
Douglas Gregorio
 

Mais procurados (20)

Cp12 conferencias ambientais
Cp12 conferencias ambientaisCp12 conferencias ambientais
Cp12 conferencias ambientais
 
Conferências internacionais sobre meio ambiente
Conferências internacionais sobre meio ambienteConferências internacionais sobre meio ambiente
Conferências internacionais sobre meio ambiente
 
Como defender o meio ambiente dos impactos provocados pelos setores produtivo...
Como defender o meio ambiente dos impactos provocados pelos setores produtivo...Como defender o meio ambiente dos impactos provocados pelos setores produtivo...
Como defender o meio ambiente dos impactos provocados pelos setores produtivo...
 
Meio ambiente
Meio ambienteMeio ambiente
Meio ambiente
 
Questões ambientais contemporâneas
Questões ambientais contemporâneasQuestões ambientais contemporâneas
Questões ambientais contemporâneas
 
Eco rio 92
Eco rio 92Eco rio 92
Eco rio 92
 
conferências
conferênciasconferências
conferências
 
As Conferências Internacionais sobre Questões Ambientais
As Conferências Internacionais sobre Questões AmbientaisAs Conferências Internacionais sobre Questões Ambientais
As Conferências Internacionais sobre Questões Ambientais
 
NOVA ORDEM AMBIENTAL
NOVA ORDEM AMBIENTAL NOVA ORDEM AMBIENTAL
NOVA ORDEM AMBIENTAL
 
Conferências internacionais
Conferências internacionaisConferências internacionais
Conferências internacionais
 
Eco 92
Eco 92Eco 92
Eco 92
 
TCC_2010_REDD+
TCC_2010_REDD+TCC_2010_REDD+
TCC_2010_REDD+
 
Sequestro de carbono
Sequestro de carbonoSequestro de carbono
Sequestro de carbono
 
Protocolo De Quioto
Protocolo De QuiotoProtocolo De Quioto
Protocolo De Quioto
 
Questão ambiental
Questão ambientalQuestão ambiental
Questão ambiental
 
Eco 92 - A Conferência Mundial
Eco 92 - A Conferência MundialEco 92 - A Conferência Mundial
Eco 92 - A Conferência Mundial
 
Tratados internacionais sobre ambiente.
Tratados internacionais sobre ambiente.Tratados internacionais sobre ambiente.
Tratados internacionais sobre ambiente.
 
Luís Costantino - Alterações Climáticas em Angola, DW Debate 11/07/2014
Luís Costantino - Alterações Climáticas em Angola, DW Debate 11/07/2014Luís Costantino - Alterações Climáticas em Angola, DW Debate 11/07/2014
Luís Costantino - Alterações Climáticas em Angola, DW Debate 11/07/2014
 
Economia e meio ambiente apa do pratigi
Economia e meio ambiente   apa do pratigiEconomia e meio ambiente   apa do pratigi
Economia e meio ambiente apa do pratigi
 
Questão ambiental.
Questão ambiental.Questão ambiental.
Questão ambiental.
 

Semelhante a Cenario internacional do_meio_ambiente_resumido_

Meio ambiente
Meio ambienteMeio ambiente
Meio ambiente
pirscila
 
Eco 92
Eco   92Eco   92
Eco 92
lvclvcl
 
Conferencias ambientais-e-cops.
Conferencias ambientais-e-cops.Conferencias ambientais-e-cops.
Conferencias ambientais-e-cops.
Jakson Raphael Pereira Barbosa
 
Conferências Internacionais sobre Mudanças Climáticas
Conferências Internacionais sobre Mudanças ClimáticasConferências Internacionais sobre Mudanças Climáticas
Conferências Internacionais sobre Mudanças Climáticas
dela28
 
Ecologia e relações internacionais
Ecologia e relações internacionaisEcologia e relações internacionais
Ecologia e relações internacionais
Almir
 
Conferência das nações unidas sobre o meio ambiente
Conferência das nações unidas sobre o meio ambienteConferência das nações unidas sobre o meio ambiente
Conferência das nações unidas sobre o meio ambiente
Colégio Planeta Educacional
 
Mudanças - Acordos internacionais 20230517.pptx
Mudanças - Acordos internacionais 20230517.pptxMudanças - Acordos internacionais 20230517.pptx
Mudanças - Acordos internacionais 20230517.pptx
Erica Dos Anjos
 
Seminário A Sustentabilidade no Jornalismo Brasileiro - Programa RSE na Mídia...
Seminário A Sustentabilidade no Jornalismo Brasileiro - Programa RSE na Mídia...Seminário A Sustentabilidade no Jornalismo Brasileiro - Programa RSE na Mídia...
Seminário A Sustentabilidade no Jornalismo Brasileiro - Programa RSE na Mídia...
institutoethos
 
Efeito_Estufa - Mudanças Climáticas - Aquecimento Global
Efeito_Estufa - Mudanças Climáticas - Aquecimento GlobalEfeito_Estufa - Mudanças Climáticas - Aquecimento Global
Efeito_Estufa - Mudanças Climáticas - Aquecimento Global
DboraAlvim1
 
Cop
CopCop
Cop
judi78
 
Rio 20 com chegamos ate aqui nf
Rio 20 com chegamos ate aqui nfRio 20 com chegamos ate aqui nf
Rio 20 com chegamos ate aqui nf
InstitutoEquipav
 
Histórico da Rio+20
Histórico da Rio+20Histórico da Rio+20
Histórico da Rio+20
rio20amazonia
 
Rio 20 com chegamos ate aqui nf
Rio 20 com chegamos ate aqui nfRio 20 com chegamos ate aqui nf
Rio 20 com chegamos ate aqui nf
Cinthia Soares Silva
 
Rio 20 com chegamos ate aqui nf
Rio 20 com chegamos ate aqui nfRio 20 com chegamos ate aqui nf
Rio 20 com chegamos ate aqui nf
Cinthia Soares Silva
 
Rio 20 com chegamos ate aqui.
Rio 20 com chegamos ate aqui.Rio 20 com chegamos ate aqui.
Rio 20 com chegamos ate aqui.
PopAraujo
 
Rio 20 Com Chegamos Ate Aqui Parceiros
Rio 20 Com Chegamos Ate Aqui ParceirosRio 20 Com Chegamos Ate Aqui Parceiros
Rio 20 Com Chegamos Ate Aqui Parceiros
EMERGING MARKETS RESEARCH & CONSULTING
 
Café & gestão - gestão ambiental e sustentabilidade
Café & gestão -  gestão ambiental e sustentabilidadeCafé & gestão -  gestão ambiental e sustentabilidade
Café & gestão - gestão ambiental e sustentabilidade
Cra-es Conselho
 
Protocolo
ProtocoloProtocolo
Protocolo
ProtocoloProtocolo
As conferencias em defesa do meio ambiente
As conferencias em defesa do meio ambienteAs conferencias em defesa do meio ambiente
As conferencias em defesa do meio ambiente
Ana Paula Bezerra
 

Semelhante a Cenario internacional do_meio_ambiente_resumido_ (20)

Meio ambiente
Meio ambienteMeio ambiente
Meio ambiente
 
Eco 92
Eco   92Eco   92
Eco 92
 
Conferencias ambientais-e-cops.
Conferencias ambientais-e-cops.Conferencias ambientais-e-cops.
Conferencias ambientais-e-cops.
 
Conferências Internacionais sobre Mudanças Climáticas
Conferências Internacionais sobre Mudanças ClimáticasConferências Internacionais sobre Mudanças Climáticas
Conferências Internacionais sobre Mudanças Climáticas
 
Ecologia e relações internacionais
Ecologia e relações internacionaisEcologia e relações internacionais
Ecologia e relações internacionais
 
Conferência das nações unidas sobre o meio ambiente
Conferência das nações unidas sobre o meio ambienteConferência das nações unidas sobre o meio ambiente
Conferência das nações unidas sobre o meio ambiente
 
Mudanças - Acordos internacionais 20230517.pptx
Mudanças - Acordos internacionais 20230517.pptxMudanças - Acordos internacionais 20230517.pptx
Mudanças - Acordos internacionais 20230517.pptx
 
Seminário A Sustentabilidade no Jornalismo Brasileiro - Programa RSE na Mídia...
Seminário A Sustentabilidade no Jornalismo Brasileiro - Programa RSE na Mídia...Seminário A Sustentabilidade no Jornalismo Brasileiro - Programa RSE na Mídia...
Seminário A Sustentabilidade no Jornalismo Brasileiro - Programa RSE na Mídia...
 
Efeito_Estufa - Mudanças Climáticas - Aquecimento Global
Efeito_Estufa - Mudanças Climáticas - Aquecimento GlobalEfeito_Estufa - Mudanças Climáticas - Aquecimento Global
Efeito_Estufa - Mudanças Climáticas - Aquecimento Global
 
Cop
CopCop
Cop
 
Rio 20 com chegamos ate aqui nf
Rio 20 com chegamos ate aqui nfRio 20 com chegamos ate aqui nf
Rio 20 com chegamos ate aqui nf
 
Histórico da Rio+20
Histórico da Rio+20Histórico da Rio+20
Histórico da Rio+20
 
Rio 20 com chegamos ate aqui nf
Rio 20 com chegamos ate aqui nfRio 20 com chegamos ate aqui nf
Rio 20 com chegamos ate aqui nf
 
Rio 20 com chegamos ate aqui nf
Rio 20 com chegamos ate aqui nfRio 20 com chegamos ate aqui nf
Rio 20 com chegamos ate aqui nf
 
Rio 20 com chegamos ate aqui.
Rio 20 com chegamos ate aqui.Rio 20 com chegamos ate aqui.
Rio 20 com chegamos ate aqui.
 
Rio 20 Com Chegamos Ate Aqui Parceiros
Rio 20 Com Chegamos Ate Aqui ParceirosRio 20 Com Chegamos Ate Aqui Parceiros
Rio 20 Com Chegamos Ate Aqui Parceiros
 
Café & gestão - gestão ambiental e sustentabilidade
Café & gestão -  gestão ambiental e sustentabilidadeCafé & gestão -  gestão ambiental e sustentabilidade
Café & gestão - gestão ambiental e sustentabilidade
 
Protocolo
ProtocoloProtocolo
Protocolo
 
Protocolo
ProtocoloProtocolo
Protocolo
 
As conferencias em defesa do meio ambiente
As conferencias em defesa do meio ambienteAs conferencias em defesa do meio ambiente
As conferencias em defesa do meio ambiente
 

Mais de Danilo De Albuquerque Sousa

Oab. 2ª f ase. iv exame. questoes
Oab. 2ª f ase. iv exame. questoesOab. 2ª f ase. iv exame. questoes
Oab. 2ª f ase. iv exame. questoes
Danilo De Albuquerque Sousa
 
Oab. 2ª f ase. iv exame. espelho
Oab. 2ª f ase. iv exame. espelhoOab. 2ª f ase. iv exame. espelho
Oab. 2ª f ase. iv exame. espelho
Danilo De Albuquerque Sousa
 
Oab. 2ª f ase. v exame. espelho
Oab. 2ª f ase. v exame. espelhoOab. 2ª f ase. v exame. espelho
Oab. 2ª f ase. v exame. espelho
Danilo De Albuquerque Sousa
 
OAB. 2ª FAse. V Exame. Questões
OAB. 2ª FAse. V Exame. QuestõesOAB. 2ª FAse. V Exame. Questões
OAB. 2ª FAse. V Exame. Questões
Danilo De Albuquerque Sousa
 
OAB. 2ª Fase. VI Exame. Espelho
OAB. 2ª Fase. VI Exame. EspelhoOAB. 2ª Fase. VI Exame. Espelho
OAB. 2ª Fase. VI Exame. Espelho
Danilo De Albuquerque Sousa
 
OAB. 2ª Fase. VI Exame. Questões
OAB. 2ª Fase. VI Exame. QuestõesOAB. 2ª Fase. VI Exame. Questões
OAB. 2ª Fase. VI Exame. Questões
Danilo De Albuquerque Sousa
 
Taxa e contribuição de melhoria
Taxa e contribuição de melhoriaTaxa e contribuição de melhoria
Taxa e contribuição de melhoria
Danilo De Albuquerque Sousa
 
Emprestimo compulsório
Emprestimo compulsório Emprestimo compulsório
Emprestimo compulsório
Danilo De Albuquerque Sousa
 
Competência tributária
Competência tributáriaCompetência tributária
Competência tributária
Danilo De Albuquerque Sousa
 
Carga Tributária
Carga TributáriaCarga Tributária
Carga Tributária
Danilo De Albuquerque Sousa
 
Proposta Fenafisco
Proposta FenafiscoProposta Fenafisco
Proposta Fenafisco
Danilo De Albuquerque Sousa
 
Apostila competencia tributária
Apostila competencia tributáriaApostila competencia tributária
Apostila competencia tributária
Danilo De Albuquerque Sousa
 
Aptrib
AptribAptrib
AÇÃO PENAL COMO INSTRUMENTO DE COAÇÃO NOS CRIMES TRIBUTÁRIOS
AÇÃO PENAL COMO INSTRUMENTO DE COAÇÃO NOS CRIMES TRIBUTÁRIOSAÇÃO PENAL COMO INSTRUMENTO DE COAÇÃO NOS CRIMES TRIBUTÁRIOS
AÇÃO PENAL COMO INSTRUMENTO DE COAÇÃO NOS CRIMES TRIBUTÁRIOS
Danilo De Albuquerque Sousa
 

Mais de Danilo De Albuquerque Sousa (15)

Oab. 2ª f ase. iv exame. questoes
Oab. 2ª f ase. iv exame. questoesOab. 2ª f ase. iv exame. questoes
Oab. 2ª f ase. iv exame. questoes
 
Oab. 2ª f ase. iv exame. espelho
Oab. 2ª f ase. iv exame. espelhoOab. 2ª f ase. iv exame. espelho
Oab. 2ª f ase. iv exame. espelho
 
Oab. 2ª f ase. v exame. espelho
Oab. 2ª f ase. v exame. espelhoOab. 2ª f ase. v exame. espelho
Oab. 2ª f ase. v exame. espelho
 
OAB. 2ª FAse. V Exame. Questões
OAB. 2ª FAse. V Exame. QuestõesOAB. 2ª FAse. V Exame. Questões
OAB. 2ª FAse. V Exame. Questões
 
OAB. 2ª Fase. VI Exame. Espelho
OAB. 2ª Fase. VI Exame. EspelhoOAB. 2ª Fase. VI Exame. Espelho
OAB. 2ª Fase. VI Exame. Espelho
 
OAB. 2ª Fase. VI Exame. Questões
OAB. 2ª Fase. VI Exame. QuestõesOAB. 2ª Fase. VI Exame. Questões
OAB. 2ª Fase. VI Exame. Questões
 
Taxa e contribuição de melhoria
Taxa e contribuição de melhoriaTaxa e contribuição de melhoria
Taxa e contribuição de melhoria
 
Emprestimo compulsório
Emprestimo compulsório Emprestimo compulsório
Emprestimo compulsório
 
Competência tributária
Competência tributáriaCompetência tributária
Competência tributária
 
Reforma - RELATÓRIO
Reforma - RELATÓRIOReforma - RELATÓRIO
Reforma - RELATÓRIO
 
Carga Tributária
Carga TributáriaCarga Tributária
Carga Tributária
 
Proposta Fenafisco
Proposta FenafiscoProposta Fenafisco
Proposta Fenafisco
 
Apostila competencia tributária
Apostila competencia tributáriaApostila competencia tributária
Apostila competencia tributária
 
Aptrib
AptribAptrib
Aptrib
 
AÇÃO PENAL COMO INSTRUMENTO DE COAÇÃO NOS CRIMES TRIBUTÁRIOS
AÇÃO PENAL COMO INSTRUMENTO DE COAÇÃO NOS CRIMES TRIBUTÁRIOSAÇÃO PENAL COMO INSTRUMENTO DE COAÇÃO NOS CRIMES TRIBUTÁRIOS
AÇÃO PENAL COMO INSTRUMENTO DE COAÇÃO NOS CRIMES TRIBUTÁRIOS
 

Último

As sequências didáticas: práticas educativas
As sequências didáticas: práticas educativasAs sequências didáticas: práticas educativas
As sequências didáticas: práticas educativas
rloureiro1
 
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdfO Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
silvamelosilva300
 
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdfUFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
Manuais Formação
 
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdfUFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
Manuais Formação
 
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo FreireLivro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
WelberMerlinCardoso
 
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIASA SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
HisrelBlog
 
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptxTreinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
MarcosPaulo777883
 
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdfUFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
Manuais Formação
 
2020_09_17 - Biomas Mundiais [Salvo automaticamente].pptx
2020_09_17 - Biomas Mundiais [Salvo automaticamente].pptx2020_09_17 - Biomas Mundiais [Salvo automaticamente].pptx
2020_09_17 - Biomas Mundiais [Salvo automaticamente].pptx
PatriciaZanoli
 
slides de Didática 2.pdf para apresentar
slides de Didática 2.pdf para apresentarslides de Didática 2.pdf para apresentar
slides de Didática 2.pdf para apresentar
JoeteCarvalho
 
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdfA QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
AurelianoFerreirades2
 
Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
Educação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideiaEducação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideia
Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
joseanesouza36
 
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - AlfabetinhoAtividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
MateusTavares54
 
Atividade de reforço de matemática 2º ano
Atividade de reforço de matemática 2º anoAtividade de reforço de matemática 2º ano
Atividade de reforço de matemática 2º ano
fernandacosta37763
 
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptxAula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
LILIANPRESTESSCUDELE
 
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdfcronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
todorokillmepls
 
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantilVogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
mamaeieby
 
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptxSlides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).pptepidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
MarceloMonteiro213738
 
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de cursoDicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Simone399395
 

Último (20)

As sequências didáticas: práticas educativas
As sequências didáticas: práticas educativasAs sequências didáticas: práticas educativas
As sequências didáticas: práticas educativas
 
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdfO Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
 
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdfUFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
 
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdfUFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
 
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo FreireLivro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
 
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIASA SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
 
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptxTreinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
 
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdfUFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
 
2020_09_17 - Biomas Mundiais [Salvo automaticamente].pptx
2020_09_17 - Biomas Mundiais [Salvo automaticamente].pptx2020_09_17 - Biomas Mundiais [Salvo automaticamente].pptx
2020_09_17 - Biomas Mundiais [Salvo automaticamente].pptx
 
slides de Didática 2.pdf para apresentar
slides de Didática 2.pdf para apresentarslides de Didática 2.pdf para apresentar
slides de Didática 2.pdf para apresentar
 
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdfA QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
 
Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
Educação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideiaEducação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideia
Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
 
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - AlfabetinhoAtividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
 
Atividade de reforço de matemática 2º ano
Atividade de reforço de matemática 2º anoAtividade de reforço de matemática 2º ano
Atividade de reforço de matemática 2º ano
 
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptxAula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
 
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdfcronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
 
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantilVogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
 
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptxSlides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
 
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).pptepidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
 
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de cursoDicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
 

Cenario internacional do_meio_ambiente_resumido_

  • 2. ANTUNES, Paulo de Bessa. Direito ambiental. 7ª ed. rev. amp. e atual. Rio de Janeiro: Lumen Juris, 2005. (cap. 2) SOARES, Guido Fernando Silva. Direito internacional do meio ambiente: emergência, obrigações e responsabilidades. São Paulo: Atlas, 2001. (caps. 1 a 4) MILARÉ, Édis. Direito do ambiente: doutrina, jurisprudência, glossário. 5ª ed. rev. amp. e atual. São Paulo: RT, 2007.(Título XIV)
  • 3.  No século XIX • Inexistia uma precaução sistemática com o ambiente, mesmo aquele que cercava as indústrias. • Acreditava-se que a natureza seria capaz de absorver os materiais tóxicos lançados e, assim, o equilíbrio seria automaticamente mantido.  Primeiras legislações visando à proteção de um ambiente sadio • Surgiram antes da 1ª Grande Guerra. • Tinham cunho eminentemente utilitário e versavam acerca do comércio mundial de certas espécies animais, tencionando primordialmente, fins de exploração econômica.  Ex: Paris (1911): proteção das aves úteis à agricultura (aves de rapina noturnas).
  • 4. 1941 • A sentença arbitral no caso da Fundição Trail (Trail Smelter Company)  Decidiu uma reclamação dos EUA contra o Canadá (empresa canadense que poluía o ambiente mediante fumaça tóxica trazida por correntes de ar e esta poluição era suportada por pessoas, animais e bens, nos EUA).  “Nenhum Estado tem o direito de usar ou de permitir o uso de seu território de tal modo, que cause dano em razão do lançamento de emanações no, ou até o território de outro”.
  • 5.  1960 • Início de uma conscientização sobre os problemas ambientais no âmbito internacional, passando-se a considerar o ambiente com um valor complexo, extremamente frágil e que necessita de proteção contra seu maior predador e beneficiário: o homem.  Relatório The Limits of Growth (os limites do crescimento) de cientistas do MIT, que traçava prognósticos graves para o futuro. • 4 fatores que propiciaram esta mudança de visão  A abertura das discussões nos foros diplomáticos internacionais à opinião pública e a valorização de teses científicas na proteção jurídica do ambiente;  Democratização das relações internacionais com a atuação dos parlamentos na diplomacia dos Estados;  Possibilidade de destruição maciça de grandes partes da Terra com a utilização militar de energia nuclear (Guerra Fria);  Ocorrência de catástrofes ambientais.
  • 6. Conferência das Nações Unidas sobre o Meio Ambiente Humano (Estocolmo – 1972) • Nas reuniões preparatórias à Conferência de Estocolmo podem-se ver 2 posições:  Países desenvolvidos: o desenvolvimento seria a causa dos problemas ambientais.  Países subdesenvolvidos: a melhoria na qualidade ambiental dependeria do alcance de um desenvolvimento global. E a política preservacionista seria apenas uma desculpa para intromissão nos assuntos internos dos países.
  • 7. Conferência das Nações Unidas sobre o Meio Ambiente Humano (Estocolmo – 1972) • Participação de 113 países; • 250 organizações não-governamentais e organismos da ONU; • A Declaração de Estocolmo estabeleceu parâmetros mínimos que devem figurar nas legislações domésticas dos Estados e nos grandes textos internacionais sobre o ambiente.
  • 8.  Conferência das Nações Unidas sobre o Meio Ambiente Humano (Estocolmo – 1972) • Decisões relevantes de Estocolmo  Declaração sobre o Meio Ambiente Humano (26 princípios);  Cooperação internacional para proteção do ambiente como princípio geral do Direito Internacional, com ênfase no livre intercâmbio de experiências científicas e na tecnologia ambiental (princípio 20);  Previsão de tutela do dano ambiental transfronteiriço (princípio 21).  Plano de ação para o ambiente (109 recomendações);  Resolução sobre aspectos financeiros e organizacionais no âmbito da ONU;  Instituição do programa das Nações Unidas sobre o meio ambiente (PNUMA), com sede em Nairóbi, Quênia. • No Brasil, gerou a criação da Secretaria Especial do Meio Ambiente – SEMA (janeiro de 1974).
  • 9.  Conferência da ONU sobre o meio ambiente e desenvolvimento (CNUMAD) • Histórico  Comissão mundial sobre meio ambiente e desenvolvimento  Relatório “Brundtland” ou “Nosso Futuro Comum” • “Cúpula da Terra” ou “Rio 92”  Oficializou a expressão desenvolvimento sustentável;  Objetivos (entre outros)  Examinar a situação ambiental mundial desde 1972 e sua relação com o modelo de desenvolvimento vigente;  Estabelecer mecanismos de transferência de tecnologias não-poluentes aos países subdesenvolvidos;  Examinar estratégias nacionais e internacionais para incorporação de critérios ambientais ao processo de desenvolvimento;  Estabelecer um sistema de cooperação internacional para prever ameaças ambientais e prestar socorro em casos emergenciais;  Documentos gerados  Declaração do Rio sobre meio ambiente e desenvolvimento  Agenda 21 (“cartilha do desenvolvimento sustentável para o século XXI).  Declaração de princípios para o desenvolvimento sustentável das florestas  Convenção sobre diversidade biológica  Convenção-quadro sobre mudança do clima
  • 10. Convenção-Quadro sobre Mudança do Clima • Histórico  Painel Intergovernamental sobre Mudanças do Clima (IPCC)  Criado pelo Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente (PNUMA) e a Organização Meteorológica Mundial (OMM), em 1988.  Em 1990 publicou o seu primeiro relatório, que resultou em uma decisão da Assembléia Geral da ONU de instituir o Comitê Intergovernamental de Negociação para a Convenção-Quadro sobre Mudança do Clima (encarregado de redigir a convenção- quadro).  Entrou em vigor em 1994.
  • 11. Convenção-Quadro sobre Mudança do Clima • Objetivos  Estabilização das emissões de gases causadores do efeito estufa.  Aplicação do princípio da “responsabilidade comum, porém diferenciada” (desenvolvidos e em desenvolvimento). • É uma convenção-quadro  Limita-se a estabelecer objetivos, deixando sob a responsabilidade das Partes o modo de implementá-la em seu território.
  • 12.  Convenção-Quadro sobre Mudança do Clima • Organização  Terminologia básica  Mudança do clima, emissões, gases do efeito estufa, reservatórios, sumidouro, etc.  Ações para alcançar os objetivos e implementar as disposições da Convenção (cooperação entre as Partes)  Obrigações assumidas com a Convenção  Inventários nacionais de emissões de gases de efeito estufa, promoção de conscientização pública em relação à mudança do clima, etc.  Cooperação entre as partes para o estabelecimento e a promoção de pesquisa  Conferência das Partes (COP) como órgão supremo da Convenção  Mecanismos Financeiros  Solução de controvérsias
  • 13. Convenção-Quadro sobre Mudança do Clima • No Brasil  Decreto Legislativo nº 1/94;  Decreto nº 2.652/98  Comissão Interministerial de Mudança do Clima (Decreto de 07.07.1999)  Formada pelos Ministérios das Relações Exteriores, da Agricultura e do Abastecimento, dos Transportes, de Minas e Energia, do Orçamento e Gestão, do Meio Ambiente, da Ciência e Tecnologia, do Desenvolvimento e da Indústria e Comércio, pela Casa Civil e pelo Gabinete do Ministro de Estado Extraordinário de Projetos Especiais.
  • 14.  Protocolo de Kyoto (1997) • Resultado da 3ª Conferência das Partes da Convenção- Quadro sobre a Mudança do Clima, realizada em Kyoto, Japão. • Estabelece metas rígidas para a redução da emissão dos gases que provocam o “efeito estufa”. • Os países desenvolvidos (Anexo I da Convenção-Quadro) comprometeram-se a reduzir suas emissões totais de 6 gases que causam o efeito-estufa (GEEs) em 5% abaixo dos níveis de 1990, no período entre 2008-2012, com metas diferenciadas para a maioria desses Estados. • Os países em desenvolvimento não possuem metas no período 2008-2012. (entre eles China, Índia e Brasil).
  • 15. Protocolo de Kyoto (1997) • Aberto para assinatura em 1998. • Entrou em vigor em 16 de fevereiro de 2005, 90 dias após a Rússia formalizar sua adesão.  Art. 25, I: o início do vigor do Protocolo só se daria com a aceitação definitiva de pelo menos 55 Estados-parte que correspondentes a, no mínimo, 55% das emissões globais de dióxido de carbono em 1990;  Atualmente o Protocolo conta com 180 Estados-parte, os quais correspondem a 63,7% das emissões globais de gases do efeito-estufa (em abril de 2008).
  • 16. Protocolo de Kyoto (1997) • Obrigações das Partes (arts. 1º, 2º e 10)  Aumento da eficiência energética;  Proteção de sumidouros e reservatórios;  Promoção de formas sustentáveis de agricultura e energia;  Políticas fiscais que tenham por finalidade a redução das emissões dos gases de efeito estufa;  Formulação de programas nacionais de transporte, energia agricultura, etc, a fim de diminuir o nível de emissões, cooperando com o desenvolvimento e a difusão de tecnologias ambientalmente seguras.
  • 17. Protocolo de Kyoto (1997) • Foram previstos três mecanismos para o cumprimento das metas de emissões de gases do “efeito-estufa”:  Comércio de Emissões (Emissions Trade)  Implementação Conjunta (Joint Implementation)  Mecanismo de Desenvolvimento Limpo (Clean Develop Mechanism).
  • 18.  Protocolo de Kyoto (1997) • Mecanismo de Desenvolvimento Limpo (MDL)  Fruto de uma proposta brasileira e está definido no artigo 12 do Protocolo;  Única modalidade de mecanismo aplicável aos países em desenvolvimento;  Conceito: sistema que envolve  Por um lado, a assistência às partes não Anexo I no alcance de um desenvolvimento sustentável, mediante fornecimento de capital para financiamento de projetos que visem à redução de GEEs;  Em contra-partida as partes Anexo I, podem utilizar-se das “reduções certificadas de emissões” (RCE’s) resultantes destes projetos para alcançar o cumprimento de seus compromissos no Protocolo.  Cada tonelada de CO2 que deixar de ser emitida ou for retirada da atmosfera por um país em desenvolvimento gerará uma RCE (Crédito de Carbono) que poderá ser negociada em um mercado mundial, daí criando- se o denominado “Mercado de Créditos de Carbono”.
  • 19.  Protocolo de Kyoto (1997) • Mecanismo de Desenvolvimento Limpo (MDL)  Como a quantidade de RCEs formados com base nos demais GEEs diversos do CO2 será correspondente ao número de vezes de seu “Potencial de Aquecimento Global” do ambiente, observe-se a tabela abaixo para uma visualização do potencial de poluição dos GEEs e, conseqüentemente, de geração de RCEs. Gases do Efeito Estufa (GEEs) Potencial de Aquecimento Global (Global Warming Potential) “Créditos de Carbono” gerados por tonelada retirada ou não emitida na atmosfera (RCEs) CO2 1 1 CH4 23 23 N2O 310 310 HFCs Entre 140 até 11.700 Entre 140 até 11.700 PFCs Entre 6.500 até 9.200 Entre 6.500 até 9.200 SF6 23.900 23.900
  • 20. Protocolo de Kyoto • No Brasil  Decreto Legislativo nº 144, de 20 de junho de 2002  Ratificação internacional deu-se em 23 de agosto de 2002.  Decreto nº 5.445, de 12 de maio de 2005, introduziu o Protocolo de Kyoto no ordenamento jurídico brasileiro.
  • 21.  Cúpula Mundial sobre Desenvolvimento Sustentável (RIO + 10) • Ocorrida em Joanesburgo (2002) • Discutiu os desafios ambientais do planeta demonstrados no Relatório “Desafios Globais, oportunidades globais” da ONU.  Em 2002, 40% da população mundial sofria com a escassez de água;  90 milhões de ha de florestas foram destruídos na década de 90;  A cada ano, 3 milhões de pessoas morrem de doenças causadas pela poluição;  A falta de saneamento básico vitima 2,2 milhões de pessoas por ano;  Embora os países ricos tenham se comprometido em Estocolmo a destinar 0,7% de seu PIB, anualmente, para que os países pobres enfrentassem a miséria e a degradação ambiental, a ajuda concreta caiu de 0,33% (1992) para 0,22% em 2002.
  • 22.  Cúpula Mundial sobre Desenvolvimento Sustentável (RIO + 10) • Produziu dois documentos oficiais (sem força coercitiva)  Declaração Política  Intitulada oficialmente de “O compromisso de Joanesburgo sobre desenvolvimento sustentável”  Reafirma os princípios e acordos adotados na Conferência de Estocolmo e na Rio 92.  Admite que as metas previstas na Rio 92 não foram alcançadas.  Plano de Implementação  Trata temas antigos de forma atualizada, inclusive considerando a globalização.  Tenciona abranger três objetivos:  a erradicação da pobreza;  a mudança nos padrões insustentáveis de produção e consumo;  a proteção dos recursos naturais.