SlideShare uma empresa Scribd logo
DIREITO GREGO
Grécia Antiga
 O termo Grécia antiga se refere ao período histórico
grego que compreende dos tempos de
Homero ao helenismo.
 Nome oficial: República Helênica ( Hellenike
Demokratía ).
 O país está estrategicamente localizado ao sul da
Península Balcânica, no cruzamento entre a Europa,
a Ásia, o Oriente Médio e a África.
 A Grécia antiga foi dividida em vários períodos:
Direito grego.apresentacao
Período Pré-Homérico
entre 2000 á 1200 a.C
 Época de ocupação do território da Grécia
 Desenvolvimento das civilizações Micênica e
Cretense.
 Invasão dos Dórios no final deste período, provocando
a dispersão dos povos da região e ruralização.
Tempos Homéricos
De 1200 a 800 a.C
 Têm esse denominação
devido às principais fontes
que retratam o período,
atribuídas a Homero:
ilíada( guerra de Tróia) e
odisseia( narra as
aventuras de Ulisses, herói
grego).
Contexto Histórico
 Têm início com a invasão dos dórios.
 Cidades foram abandonadas e o comércio
intenso desapareceu
 Houve uma ruralização da vida
 Ausência de escrita
 Organização dos povos em genos.
Período Arcaico
de 800 a 500 a.C
 Iniciou a ascensão da civilização grega
 Surgem as cidades-estados gregas
 Desenvolvimento do comércio marítimo
 Evolução política semelhante das cidades-estados.
 Começaram sua história como monarquias. Durante o
século VIII transformaram-se em oligarquias.
 Nos séculos VI e V, estabeleceram-se as democracias
ou, em alguns casos, timocracias.
Evolução das Cidades-estados
 Os clãs ( genos), que se aglomeravam formando as
fratrias, que unidas geravam as tribos. Com a união das
tribos surgiram as cidades-estados.
 Ocorre a evolução política grega, baseada no
humanismo e na liberdade.
 A cidade-estado é a mais famosa unidade de sociedade
política desenvolvida pelos gregos.
 Surgem as cidades: Atenas, Tebas, Mégara, Corinto e
Mileto.
Período Clássico
de 500 a 338 a.C
 Civilização grega conheceu seu apogeu.
 Revezamento de soberania entre Atenas e Esparta
 Desenvolvimento cultural
 Destaque para os filósofos: Sócrates, Platão e
Aristóteles
 Guerras Médicas
 Criação da Liga de Delos e da Liga do Peloponeso
 Fim do período Clássico, surge a cultura Helenística
Período Helenístico
 Marco entre o domínio da cultura grega e
o advento da civilização romana
 Ascensão da ciência e do conhecimento
 Morte de Alexandre Magno, em 323 a.C
 Surge a cultura helenística
Direito grego.apresentacao
Direito Grego
 Constitui-se na primeira fonte formadora da tradição
jurídica ocidental.
 Transmitiram aos romanos os direitos cuneiformes
 Os Gregos foram grandes pensadores políticos e
filosóficos
 Existiam inúmeros direitos gregos
 Cada “pólis” possuía seu próprio sistema político
 As leis não eram aplicadas a todos os gregos, existiam
apenas alguns costumes comuns.
Fontes do Direito
 Fontes históricas (ilíada “guerra de Tróia” e odisseia
“narra as aventuras de Ulisses, herói grego”)
 Fontes reais ( Filosofia)
 Não se conhece fontes formais do Direito na Grécia,
mas aspectos do mesmo em razão das passagens
literárias e filosóficas.
 O Direito Grego deriva de uma noção difusa de
Justiça.
 Documentos jurídicos que vêm sendo descobertos: Lei de
Gortina e Lei de Dura.
Lei de Gortina
 Descoberta em 1884.
 Por Federico Halbherr.
 É o mais antigo e o mais
completo código legal grego
conhecido.
Detalhe da 11ª coluna do Código de Gortina,
inscrição alfabética em calcáreo de Gortina,
Creta
Lei de Gortina
 Inscrição que faz parte de um edifício
 Gravação em uma parede côncava com cerca de 8 m de
comprimento e 175 cm de altura.
 Possuí doze colunas agrupadas com um tipo de escrita
gradualmente da esquerda para a direita, escrita ao
contrário.
 Não seria um verdadeiro "código de leis", mas sim, um
conjunto de leis que são atualizações das leis anteriores
mais antigas e as novas leis em um assunto específico.
 No Código de Gortina, as leis são principalmente sobre os
direitos da família, economia e comércio.
Aspectos Sociais
 Civilização que se caracteriza pelo secularismo
 O Estado, agora, está acima da Igreja e o poder dos sacerdotes na
direção das diretrizes da evolução cultural foi totalmente
destruído.
 Dois modelos mais importantes de Pólis: Esparta e Atenas
 Classes Sociais distintas
 Sistemas políticos diferentes e individuais
 Surgimento do comércio  poder aristocrático
 Tirania x Democracia  Pólis com evolução política, social,
econômica, cultural, religiosa e jurídica distintas entre si.
 Padrões culturais distintos
Pólis ( Cidades-estados)
 A pólis grega era formada, basicamente, por
uma Acrópole que correspondia à parte mais elevada
da pólis, onde existiam templos dedicados aos deuses.
Uma Ágora, que era a parte mais pública da
comunidade, lá existiam os mercados e as assembleias
do povo. E uma Khora que correspondia à parte
agrícola, onde moravam os camponeses e onde eram
cultivados alimentos
 Cada cidade era governada por um rei, o basileu.
Pólis
Acrópole
Ágora
Khora
Atenas
 Povos de origem: jônios.
Pacifícos, adotaram a
monarquia.
 Criou conselhos políticos
(Aerópago). Teve grandes
juristas Sólon e Clístenes.
 Surge a Democracia e Filosofia.
A igualdade social e econômica
prevalecia entre seus habitantes.
 Ausência de confortos e luxos.
 Atitude predominante de
indiferença para com a riqueza.
Classes sociais
Cidadãos ou
Eupátridas
Metecos
Escravos
Os cidadãos ou Eupátridas eram somente
aqueles nascidos de pais cidadãos, exceção
feita de alguns introduzidos acidentalmente
na classe, graças a leis especiais
Os Metecos eram moradores estrangeiros,
sobretudo gregos não atenienses, embora
houvesse também fenícios e judeus
No conjunto os escravos eram muito bem
tratados e muitas vezes recompensados com
a alforria pela prestação de serviços fiéis.
Esparta
 Esparta - povos de origem:
dórios.
 De origem militar, com
severa disciplina e
completa subordinação
do indivíduo ao Estado.
 Utilizavam a disciplina a
serviço do Estado.
Classes Sociais
Esparciatas
ou Elite
Periecos
Hilotas
Os Esparciatas controlavam a religião, a
política e os assuntos militares
Os Periecos eram os homens livres que se
dedicavam ao comércio e ao artesanato
Os Hilotas eram os prisioneiros de Guerra
Esparta
 Não conseguiu progredir no sentido de uma ordem
democrática.
 O governo degenerou rapidamente numa forma mais
próxima do absolutismo oriental
 Estagnação cultural
Aspectos econômicos Atenas
 A base da economia consistia na agricultura e pecuária,
criação de cabras e ovelhas.
 A vinha, a oliveira, os cereais eram as suas principais
produções.
 Artesanato: móveis, joias, sapatos objetos de cerâmica,
ferramentas e armas
 Atenas, desenvolveu uma intensa economia
monetária, comercial e marítima
Aspectos econômicos Esparta
 A principal atividade econômica de Esparta era a
agricultura fundamentada na exploração dos hilotas
 Baseava-se no cultivo de cereais, vinha e oliveiras e na
extração de minerais como o manganês.
 A prática de comércio esteve bastante restrita em
virtude do difícil acesso ao mar. Além do que a própria
fertilidade do solo espartano, que parece mais
produtiva do que outras regiões do território gregas,
permitiram que seus habitantes garantissem seu
sustento sem a necessidade de realizarem importações.
 Moeda
Com o passar do tempo, os povos evoluíram, e
aparece a necessidade de criar um sistema mais
aperfeiçoado de troca. Foi o inicio da moeda, séculos VII
e VIII a.C. na cidades de Atenas e Egina.
Eram feitas com a técnica de cunhagem em metal.
Produzidas com, o ouro, o cobre e o ferro.
Aspectos políticos
 As instituições políticas eram muito primitivas.
 Não concebiam o governo como uma força
indispensável à preservação da ordem social.
 Cada pequena comunidade de aldeias era
independente de controle externo.
 O rei não podia fazer ou mandar executar leis, nem
administrar justiça
 Suas únicas funções eram militares e sacerdotais.
Evolução política de Atenas
 Monarquia – poder do rei, transmitido
hereditariamente
 Aristocracia – poder dos nobres
 Oligarquia – poder de uma minoria rica
 Tirania – poder de um só homem, imposto pela força
 Democracia – poder de governar pertence ao povo
 A democracia foi instituída por Clístenes, que
reconheceu a igualdade de direitos de todos os
cidadãos.
Atenas
 Em termos políticos, a cidade de Atenas conheceu a evolução
política: de governo aristocrático passou para democrático.
 Foi uma monarquia denominada pelo Basileus. Contudo, os
eupátridas passaram, a partir do século VII a.C a controlar o
poder por meio do Areópago e do arcontado.
 O areópago era exercido por juízes oriundo da aristocracia.
 O arcontado era constituído por nove governantes que dividiam a
responsabilidade de tomar algumas decisões importantes.
 Dentre os arcontes podemos destacar:
 O arconte-epônimo que eram os responsáveis pela administração
(prefeitura)
 O arconte—polemarco era chefe militar.
 O arconte-basileu era uma espécie de supremo sacerdote.
 Havia também a Eclésia que votava, aprovava e rejeitava as leis.
Democracia
 Se desenvolveu em Atenas por volta de 500 a.C.
 Assembleia dos cidadãos
 Conselho dos 500 ou Bulé
 O regime democrático solidificava-se em três grandes
princípios:
Isonomia: Igualdade de todos os cidadãos perante a lei;
Isegoria: Igualdade de todos no falar, liberdade de
expressão:
Isocracia: Igualdade de todos ao poder.
Estrutura política de Esparta
 Diarquia – dois reis, que tinham funções religiosas e
militares.
 Gerúsia – composta pelos 2 reis e mais 28 anciões,
exerciam funções legislativas.
 Ápela – Assembleia dos esparciatas, tinha funções
eleitorais.
 Éforos – composto por 5 cidadãos, tinham funções
fiscalizadoras e executivas
Esparta
 A vida política estava limitada a aristocracia militar.
 A Ápela escolhia cinco homens saídos dessa
assembleia para governar as pólis. O governo era
definido pelos Éforos, juntamente com a Gerúsia e a
Diarquia.
 Essa era uma divisão ancestral de grupo dos dórios, de
linhagens distintas que se uniram para controlar
Peloponeso. Existiam dois reis: Um era chefe guerreiro,
conduzindo os homens a batalha. O outro era tinha
função religiosa, sendo uma espécie de supremo
sacerdote
Aspectos políticos
 Os gregos foram os inventores da ciência politica, a
ciência do governo das polis.
 Hesíodo, Heródoto, Platão, Aristóteles.
 A República, A política e as leis
 Aristóteles distinguia três atividades: o poder
deliberativo, o poder executivo (para recrutar as
funções públicas) e o poder judiciário.
 Aristóteles é um dos primeiros a admitir a relatividade
humana: uma forma de governo pode ser boa ou má
conforme o grupo social ao qual se destina.
Aspectos Culturais
 A Grécia Antiga é considerada pelos historiadores
como uma civilização de grande esplendor cultural.
 Os gregos, inicialmente eram um conjunto de tribos
relativamente autônomas que apresentavam fatores
culturais comuns, como a língua e a religião.
 Desenvolveram a filosofia, as artes, a tecnologia, os
esportes e muito mais.
A arte e arquitetura grega
 A principal manifestação da arquitetura foram os
templos gregos.
 A utilização de colunas de pedra é uma das
características marcantes da arquitetura grega, sendo
responsável pelo aspecto monumental das
construções.
 O uso intenso de mármore nas obras, o
desenvolvimento das sensibilidades e da estética e uma
arquitetura harmoniosa foram características das artes
gregas.
Megaron micênico (sala central do palácio de Micenas).
Arquitetura
 Na arquitetura grega foram
desenvolvidos três estilos ou ordens: a
ordem dórica, a jônica e a coríntia.
 A ordem dórica era a mais simples,
sem ornamentos, dando à edificação
um aspecto de grande solidez.
 A jônica, mais elegante, tinha
um capitel decorado por duas volutas.
 A ordem coríntia, que surgiu somente
na época clássica, era ainda mais
esbelta e ornamentada.
Arquitetura
 Durante o período arcaico a pedra
tornou-se o material mais utilizado,
comum nas simples estátuas de rapazes (
Kouros) e de moças (Korés) .
 A arte grega è antropocentrica,
preocupada com o realismo, procurou
exaltar a beleza humana, destacando a
perfeição de suas formas, è ainda
racionalista, refletindo em suas
manifestações as observações concretas
dos elementos que envolvem o homem
Filosofia
 A ascensão do homem médio, o desenvolvimento do
individualismo e a necessidade de solução para os
problemas práticos ocasionaram uma reação contra os
antigos hábitos de pensamento.
 Os filósofos abandonaram o estudo do universo físico e
dirigiram suas cogitações para assuntos mais
intimamente relacionados com o próprio homem.
 Novo movimento filosófico, baseado na teoria de que a
verdade é real e de que existem padrões absolutos.
Filosofia
 Os filósofos gregos pensavam e criavam teorias para
explicar a complexa existência humana, os
comportamentos e sentimentos.
 Podemos destacar como principais filósofos gregos
Sócrates, Platão e Aristoteles. Podemos citar também
Tales de Mileto, importante filósofo, matemático e
astrônomo da Grécia Antiga.
Aspectos Culturais
 A arte compreende as
manifestações das artes
visuais, artes cênicas,
literatura, música, teatro e
arquitetura
 A arte grega simbolizava o
humanismo. A glorificação do
homem como a mais
importante criatura do
universo.
Escultura
 No período arcaico a decoração
escultórica arquitetônica se
tornou mais comum.
 Período clássico: formulação
de um novo estilo de
representação que unia o
idealismo e naturalismo.
 A escultura do período
helenístico é cosmopolita,
muito mais variada do que a
clássica, e em termos técnicos
é mais refinada e virtuosística.
O Doríforo, de Policleto,
período clássico
Laocoonte e seus filhos,
período helenista
Kouros de Anavissos,
530 a.C., período arcaico
Laocoonte e seus filhos
Hermafrodita
Orestes o vingador
ESCULTURA GREGA
A estatuária grega representa os mais altos padrões já
atingidos pelo homem. Na escultura, o antropomorfismo
- esculturas de formas humanas - foi insuperável. As
estátuas adquiriram, além do equilíbrio e perfeição das
formas, o movimento.
Vénus de Milo
Vénus
Direito grego.apresentacao
Os principais mestres da
escultura clássica grega são:
- Praxíteles, celebrado pela graça das suas esculturas, pela lânguida pose
em “S” (Hermes com Dionísio menino), foi o primeiro artista que
esculpiu o nu feminino.
Fídias, talvez o mais famoso de todos, autor de Zeus Olímpico, a sua
obra-prima e Atenéia. Realizou toda a decoração em baixos-relevos
do templo Partenon:
Míron, autor do Discóbolo
Discóbolo de Míron
Vitória de
Samotrácia
Estátua de Atena do Partenon Estátua de Zeus, do Templo de
Olímpia
PINTURA / CERÂMICA
A pintura grega encontra-se na arte cerâmica. Os
vasos gregos são também conhecidos, não só pelo
equilíbrio de sua forma, mas também pela harmonia
entre o desenho, as cores e o espaço utilizado para a
decoração. Além de servir para rituais religiosos, os
vasos eram usados para armazenar, entre outras
coisas, água, vinho, azeite e mantimentos.
O Partenon, o mais belo exemplar da arquitetura grega, é
uma construção de fundo dórico, mas reflete a graça e a
sutileza da influência jônica.
Aspectos Culturais
Pintura Música
 Da pintura grega antiga não
resta hoje mais do que reduzidos
vestígios, e dela pouco se sabe
com segurança. Mas isso não
significa que não houve
produção, ou que tenha sido
elementar, ao contrário, fontes
literárias da época atestam
extenso e refinado cultivo de
pintura em várias técnicas
 A música era onipresente na
sociedade grega, decorava os
festivais públicos, acompanhava
os guerreiros nas batalhas e os
pastores nas lides do campo, e
entretinha as famílias no recesso
do lar. Era além disso parte da
educação regular de todo
membro da elite.
Mitologia
 Os gregos formavam sociedades relativamente
alfabetizadas, e esta mitologia era escrita na forma de
poemas épicos (como a Ilíada e Odisseia de Homero, a
Argonáutica e as Odes de Píndaro e a Argonáutica) A
Teogonia e Os Trabalhos e os Dias, de Hesíodo, são
consideradas como textos sagrados para os antigos
gregos, bem como diversas outras obras da
Antiguidade Clássica; estes eram os textos centrais a
toda a literatura do período, e eram considerados
inspirados.
Aspectos Culturais
Literatura Teatro
 Era uma atividade engajada e
ideologicamente orientada,
fazendo parte integral da vida
da pólis e objetivando suscitar
debate e reflexão socialmente
significativos.
 Foi no período clássico que a
poesia dramática chegou à
sua fase dourada, quando sua
apresentação passou a se dar
em grandes anfiteatros,
estruturas concebidas
especificamente para este
fim.
Teatro
 Os gregos eram apaixonados pelo teatro. As peças
eram apresentadas em anfiteatros ao ar livre e os atores
representavam usando máscaras. As comédias, dramas
e sátiras retravam, principalmente, o comportamento e
os conflitos do ser humano. Ésquilo e Sófocles foram
os dois mais importantes escritores de peças de teatro
da Grécia Antiga.
Encenação de uma peça teatral grega
Jogos Olímpicos
 A data tradicional atribuída à primeira edição dos Jogos
Olímpicos é 776 a.C.
 Os Jogos Olímpicos da Antiguidade eram um festival
religioso e atlético.
 Eram realizados de quatro em quatro anos no santuário
de Olímpia, em honra de Zeus.
 Os gregos buscavam através dos jogos olímpicos a paz e a
harmonia entre as cidades que compunham a civilização
grega.
Aspectos religiosos
 Políteista
 Para os gregos o homem era a mais importante criatura do
universo
 Atitude laica e racionalista.
 A Religião não absorve mais os interesses do homem
 Conhecimento acima da fé
 O homem era livre para acreditar no seu deus, sem temer sua ira.
 Não compreendia mandamentos, dogmas, rituais ou
sacramentos. O homem era livre para acreditar no seu
deus, sem temer sua ira.
 Essa libertação do dogmatismo e do medo do sobrenatural
foi um dos fatores que mais contribuíram para o progresso
intelectual e artístico dos gregos.
Aspectos Religiosos
 A religião era um sistema para:
 1 º explicar o mundo físico de maneira que afastasse os
seus mistérios inquietantes
 2º explicar as paixões tempestuosas que se apoderam
dos homens
 3º obter benefícios concretos como a boa sorte, uma
vida longa, a habilidade no seu ofício e colheitas
abundantes.
Aspectos Religiosos
 As divindades da religião homérica eram simples seres
humanos ampliados.
 Diferiam dos homens somente por se alimentarem de
ambrósia e néctar, o que lhes conferia imortalidade.
 O culto a religião consistia principalmente em sacrifícios.
 A prática religiosa era externa e mecânica e não estava
muito distante da magia.
 A religião não incluía cultos ou relíquias sagradas, dias
santificados ou qualquer sistema de adoração em templos.
 Os templos eram santuários que os deuses podiam
ocasionalmente visitar e usar como morada temporária.
Aspectos Religiosos
 Os gregos se dedicavam também a oratório. Falar em
público era muito importante na sociedade grega. Um dos
oradores mais célebres foi Péricles. Outro foi Demóstenes,
gago até a adolescência. Corrigiu seu problema falando
com a boca cheia de sementes ou pedrinhas tentando
discursar mais alto do que o barulho das ondas do mar.
 Os gregos costumavam consultar os deuses por meio dos
oráculos e os deuses se manifestavam através de uma
pitonisa que era interpretada pelos sacerdotes, que
transmitiam as mensagens aos interessados. Existia o
oráculo de Delfos, Olímpia, Epidauro e Delos.
A única representação da sacerdotisa, ou pitonisa, de delfos, da época em que o
oráculo estava ativo.
Principais Deuses Gregos
 Zeus – o sábio, governava os deuses no Olimpo e protegia a
Grécia, controlava os trovões e os céus.
 Hera – terceira mulher de Zeus. Protegia as mulheres e as
mães.
 Atena – era a deusa da sabedoria.
 Apolo – era o deus da luz, saúde e da morte repentina.
 Ártemis – irmã gêmea de Apolo, era deusa da luz.
 Hermes – era o mensageiro dos deuses.
 Ares – era odiado pelos deuses, era o deus da guerra.
 Hades- deus do mundo subterrâneo (inferno);
 Afrodite – a mais bela das deusas, deusa do amor.
 Posêidon– deus dos mares
 Héstia– era a tranqüila deusa do fogo
 Deméter – era a deusa da fertilidade da terra
Direito grego.apresentacao
Aspectos religiosos
 O culto a religião consistia principalmente em
sacrifícios.
 A prática religiosa era externa e mecânica e não estava
muito distante da magia.
 A religião não incluía cultos ou relíquias sagradas, dias
santificados ou qualquer sistema de adoração em
templos.
 Os templos eram santuários que os deuses podiam
ocasionalmente visitar e usar como morada
temporária.
Aspectos Religiosos
 Tomada em bloco, a religião grega, que jamais teve um
livro sagrado, também não comportava dogmas,
porque nunca possuiu um sacerdócio.
 Diversos templos eram erguidos em homenagem aos
deuses. Alguns dos mais imponentes e conhecidos
eram o Templo de Zeus, em Olímpia, e o Partenon,
dedicado à deusa Atena, localizado sobre a Acrópole,
em Atenas.
Aspectos Religiosos
 Normalmente, as cerimônias públicas, mesmo de
cunho político, eram antecedidas por práticas
religiosas, o que reflete a importância da religião entre
os gregos antigos. Mas essa religião foi superada pela
Filosofia.
 Uma cerimônia célebre era o pharmakos, ritual que
envolvia a expulsão de um bode expiatório simbólico,
como um animal ou escravo, de uma cidade ou aldeia
durante um período de dificuldades. Esperava-se que
assim, ao expulsar esta criatura, os problemas também
estariam sendo levados do local.
Santuário de Apolo (Delfos)
Templo de Hefesto
Divindades menores
 Os antigos gregos acreditavam num submundo para
onde os espíritos dos mortos iam após a morte.
 Uma das principais áreas deste mundo inferior era
conhecido como Hades, e era governado por um Deus,
também chamado de Hades. Outro reino, chamado
Tártaro, era o local para onde acreditava-se que iam os
amaldiçoados, um local repleto de tormentos. Um
terceiro reino, o Elísio, era um local agradável onde os
mortos virtuosos e os iniciados nos cultos de mistério
habitavam.
Aspectos jurídicos
 Cada pequeno grupo de aldeias tinha seu conselho de
nobres e sua assembleia de guerreiros.
 Função do conselho de nobres: aconselhar e assistir o
rei.
 Função das assembleias de guerreiros: consistiam em
ratificar as declarações de guerra e aprovar os tratados
de paz.
 Porém nenhum dos dois orgãos tinha organização
definida ou o caráter jurídico de um de governo.
Aspectos jurídicos Atenas
 Foi onde a democracia melhor se desenvolveu e o
direito atingiu sua mais perfeita forma quanto a
legislação e o processo.
 As leis eram estabelecidas livremente pelos cidadãos (
democracia), nas assembleias “ Eclésia”
 Através da escrita codificavam e divulgavam as leis
através de inscrições nos muros
 Principais legisladores: Drácon, Sólon e Clístenes.
Drácon
 Drácon dedicou-se a elaboração do primeiro conjunto de
leis escritas de Atenas.
 O código de Drácon ficou muito conhecido devido sua
rigidez quase sobre-humana.
 Quase todos os crimes sérios eram apenados com a pena de
morte.
 Furto e o assassinato recebiam a mesma pena: morte
 Deve-se a Drácon a introdução do principio de Direito
Penal ( distinção entre tipos de homicídio diferenciado)
 O código de Drácon, não era uma constituição pois não
contemplava os problemas econômicos e sociais.
 O código ficou vigente por 7 anos.
Sólon
 Sólon promoveu reformas institucionais, econômicas e
sociais.
 Sua lei trouxe várias inovações
 Eliminou a escravidão por dívidas.
 Criou a Bulé com representantes de todas as regiões
da pólis.
 Criou a Eclésia que era a Assembléia popular que
aprovava as leis da Bulé.
 Criou o Helieu que era o Tribunal de Justiça.
 Antes de morrer obteve o juramento do povo que
durante o prazo de 10 anos, suas leis não seriam
revogadas e nem modificadas
Clístenes
 Chegou ao poder e implantou a democracia.
 Realizou uma verdadeira reforma política que
proporcionou aos cidadãos, independentemente do critério
de renda, o direito de voto e ocupação dos mais diversos
cargos.
 Ampliou o Conselho dos 400, criado por Sólon, que,
ampliado, transformou-se em Conselho dos 500. Tornando
o principal órgão do governo.
 Mas foi a assembleia dos cidadãos, a Eclésia, que se tomou
o órgão central da democracia ateniense.
 Instituiu o ostracismo, por meio do qual todo cidadão
suspeito de atentar contra a segurança do Estado era
desterrado, por decisão da Eclésia, durante dez anos.
Os tribunais
 O Aéropago era o supremo tribunal de justiça de
Atenas, conhecido pelo senso de justiça e pela
integridade. Julgava os crimes religiosos, os homícidios
etc.
 Heliastes julgava tanto ações privadas como públicas.
Direito Espartano
 Os dórios atribuiram a criação de sua constituição ao legislador
Licurgo.
 Licurgo impôs a Constituição que passou a vigorar em Esparta.
 O sistema político implantado por Licurgo em Esparta é
conhecido como “Aristocracia” (de Aristoi = Os Melhores e cratos
= governo; “governo dos melhores”) em contraposição à
“Democracia” ateniense (de Demo = povo e cratos = governo;
“governo do povo”)
 A lei de Licurgo determinava a educação dos jovens a partir dos 7
anos de idade e também a educação rígida para esses garotos que
ficavam nesse "acampamento" até completarem 18 anos e
servirem mais 10 anos no exército de Esparta.
 As leis da cidade autorizavam o rechaço paterno às crianças
portadoras de deficiências. O pai poderia lançar o bebê de
qualquer penhasco se imaginasse que a compleição física do
mesmo fosse um eventual empecilho à carreira militar.
Contribuição do Direito Grego
 Regulamentação da propriedade privada
 Criação de alguns tipos básicos de contratos
 Criaram a democracia
 Valorização do direito público
 Rigidez das penas no direito penal
 Criação de figuras jurídicas como a hipoteca
 Segundo Gilissen os Gregos não foram grandes
juristas, pois não souberam estruturar a ciência do
direito. Apenas continuaram com as tradições dos
direitos cuneiformes.
 Porém o direito Grego serviu de base para o Direito
Romano.
 Foi na Grécia que ocorreu a revolução intelectual que
gerou o conceito de um direito que valia de forma igual
para todos os cidadãos.
 Era objeto de alcance de todos, sem a menor
interferência dos aristocratas ou sacerdotes. As leis
eram democraticamente estabelecidas pelo povo nas
Assembleias.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

1° ano - Grécia Antiga
1° ano -  Grécia Antiga1° ano -  Grécia Antiga
1° ano - Grécia Antiga
Daniel Alves Bronstrup
 
09 civilização grega
09   civilização grega09   civilização grega
09 civilização grega
Carla Freitas
 
Democracia
DemocraciaDemocracia
Democracia
Killer Max
 
Introdução aos estudos históricos
Introdução aos estudos históricosIntrodução aos estudos históricos
Introdução aos estudos históricos
Paulo Alexandre
 
Democracia ateniense
Democracia atenienseDemocracia ateniense
Democracia ateniense
Aline Souza
 
[nitro] Mapa Mental - Direito e Humanidades - História.pdf
[nitro] Mapa Mental -  Direito e Humanidades - História.pdf[nitro] Mapa Mental -  Direito e Humanidades - História.pdf
[nitro] Mapa Mental - Direito e Humanidades - História.pdf
BrunoCosta364836
 
A formação da Pólis Grega e a invenção da democracia
A formação da Pólis Grega e a invenção da democraciaA formação da Pólis Grega e a invenção da democracia
A formação da Pólis Grega e a invenção da democracia
Aninha Morais
 
Cidadania e Política
Cidadania e PolíticaCidadania e Política
Cidadania e Política
Brenda Grazielle
 
Introdução à filosofia
Introdução à filosofiaIntrodução à filosofia
Introdução à filosofia
Professor Marcelo
 
O que é Filosofia?
O que é Filosofia?O que é Filosofia?
O que é Filosofia?
Claudio Henrique Ramos Sales
 
Feudalismo
FeudalismoFeudalismo
Feudalismo
Aulas de História
 
Atenas - Grécia
Atenas - GréciaAtenas - Grécia
Atenas - Grécia
João França
 
O QUE É HISTÓRIA
O QUE É HISTÓRIAO QUE É HISTÓRIA
O QUE É HISTÓRIA
Nila Michele Bastos Santos
 
Grecia Antiga
Grecia Antiga Grecia Antiga
Grecia Antiga
Carlos Zaranza
 
1° ano - Mesopotâmia
1° ano - Mesopotâmia1° ano - Mesopotâmia
1° ano - Mesopotâmia
Daniel Alves Bronstrup
 
Cultura grega
Cultura gregaCultura grega
Cultura grega
Fatima Freitas
 
A Grécia Antiga - Parte 1
A Grécia Antiga - Parte 1A Grécia Antiga - Parte 1
A Grécia Antiga - Parte 1
Henrique Tobal Jr.
 
Aula 1 o que é antropologia
Aula 1   o que é antropologiaAula 1   o que é antropologia
Aula 1 o que é antropologia
Fábio Nogueira, PhD
 
Oque é o estado
Oque é o estadoOque é o estado
Oque é o estado
Filazambuja
 
grécia - antiguidade clássica - 6ºAno
 grécia - antiguidade clássica -  6ºAno grécia - antiguidade clássica -  6ºAno
grécia - antiguidade clássica - 6ºAno
Colégio Basic e Colégio Imperatrice
 

Mais procurados (20)

1° ano - Grécia Antiga
1° ano -  Grécia Antiga1° ano -  Grécia Antiga
1° ano - Grécia Antiga
 
09 civilização grega
09   civilização grega09   civilização grega
09 civilização grega
 
Democracia
DemocraciaDemocracia
Democracia
 
Introdução aos estudos históricos
Introdução aos estudos históricosIntrodução aos estudos históricos
Introdução aos estudos históricos
 
Democracia ateniense
Democracia atenienseDemocracia ateniense
Democracia ateniense
 
[nitro] Mapa Mental - Direito e Humanidades - História.pdf
[nitro] Mapa Mental -  Direito e Humanidades - História.pdf[nitro] Mapa Mental -  Direito e Humanidades - História.pdf
[nitro] Mapa Mental - Direito e Humanidades - História.pdf
 
A formação da Pólis Grega e a invenção da democracia
A formação da Pólis Grega e a invenção da democraciaA formação da Pólis Grega e a invenção da democracia
A formação da Pólis Grega e a invenção da democracia
 
Cidadania e Política
Cidadania e PolíticaCidadania e Política
Cidadania e Política
 
Introdução à filosofia
Introdução à filosofiaIntrodução à filosofia
Introdução à filosofia
 
O que é Filosofia?
O que é Filosofia?O que é Filosofia?
O que é Filosofia?
 
Feudalismo
FeudalismoFeudalismo
Feudalismo
 
Atenas - Grécia
Atenas - GréciaAtenas - Grécia
Atenas - Grécia
 
O QUE É HISTÓRIA
O QUE É HISTÓRIAO QUE É HISTÓRIA
O QUE É HISTÓRIA
 
Grecia Antiga
Grecia Antiga Grecia Antiga
Grecia Antiga
 
1° ano - Mesopotâmia
1° ano - Mesopotâmia1° ano - Mesopotâmia
1° ano - Mesopotâmia
 
Cultura grega
Cultura gregaCultura grega
Cultura grega
 
A Grécia Antiga - Parte 1
A Grécia Antiga - Parte 1A Grécia Antiga - Parte 1
A Grécia Antiga - Parte 1
 
Aula 1 o que é antropologia
Aula 1   o que é antropologiaAula 1   o que é antropologia
Aula 1 o que é antropologia
 
Oque é o estado
Oque é o estadoOque é o estado
Oque é o estado
 
grécia - antiguidade clássica - 6ºAno
 grécia - antiguidade clássica -  6ºAno grécia - antiguidade clássica -  6ºAno
grécia - antiguidade clássica - 6ºAno
 

Destaque

Historia do Direito
Historia do DireitoHistoria do Direito
Historia do Direito
Gabrielsanches455
 
Grecia Antiga
Grecia AntigaGrecia Antiga
Grecia Antiga
Sara Silva
 
Grécia Antiga
Grécia AntigaGrécia Antiga
Grécia Antiga
Refresh G0D
 
Grecia antiga - Profº Mauricio
Grecia antiga - Profº MauricioGrecia antiga - Profº Mauricio
Grecia antiga - Profº Mauricio
Mauricio da Silva
 
Pré- Histiria
Pré- HistiriaPré- Histiria
Pré- Histiria
REYSDS
 
Iluminismos
IluminismosIluminismos
Iluminismos
REYSDS
 
005.HIST.ANT.AUG
005.HIST.ANT.AUG005.HIST.ANT.AUG
005.HIST.ANT.AUG
Fabrício Carlos Zanin
 
Direito romano segundo_gilissen
Direito romano segundo_gilissenDireito romano segundo_gilissen
Direito romano segundo_gilissen
Daniele Moura
 
Povos Bárbaros e Feudalismo
Povos Bárbaros e FeudalismoPovos Bárbaros e Feudalismo
Povos Bárbaros e Feudalismo
REYSDS
 
Apostila de historia direito do brasil
Apostila de historia direito do brasilApostila de historia direito do brasil
Apostila de historia direito do brasil
Direito2012sl08
 
A lei das doze tábuas história e direito
A lei das doze tábuas    história e direitoA lei das doze tábuas    história e direito
A lei das doze tábuas história e direito
Antônio José Assis Castro
 
O que é historia?
O que é historia? O que é historia?
O que é historia?
REYSDS
 
A CodificaçãO Do Direito Romano
A CodificaçãO Do Direito RomanoA CodificaçãO Do Direito Romano
A CodificaçãO Do Direito Romano
António Luís Catarino
 
Questões sobre História do Direito
Questões sobre História do DireitoQuestões sobre História do Direito
Questões sobre História do Direito
Advogadassqn
 
Grécia antiga
Grécia antigaGrécia antiga
Direito e Economia
Direito e EconomiaDireito e Economia
Direito e Economia
Matheus Albergaria
 
Direito romano
Direito romanoDireito romano
Direito romano
Daniele Moura
 
Primeiras civilizações sociedades africanas da antiguidade
Primeiras civilizações   sociedades africanas da antiguidadePrimeiras civilizações   sociedades africanas da antiguidade
Primeiras civilizações sociedades africanas da antiguidade
seixasmarianas
 
Arquitectura Grega Antiga
Arquitectura Grega AntigaArquitectura Grega Antiga
Arquitectura Grega Antiga
duartcr
 
Karl marx e o direito
Karl marx e o direitoKarl marx e o direito
Karl marx e o direito
Lyssa Martins
 

Destaque (20)

Historia do Direito
Historia do DireitoHistoria do Direito
Historia do Direito
 
Grecia Antiga
Grecia AntigaGrecia Antiga
Grecia Antiga
 
Grécia Antiga
Grécia AntigaGrécia Antiga
Grécia Antiga
 
Grecia antiga - Profº Mauricio
Grecia antiga - Profº MauricioGrecia antiga - Profº Mauricio
Grecia antiga - Profº Mauricio
 
Pré- Histiria
Pré- HistiriaPré- Histiria
Pré- Histiria
 
Iluminismos
IluminismosIluminismos
Iluminismos
 
005.HIST.ANT.AUG
005.HIST.ANT.AUG005.HIST.ANT.AUG
005.HIST.ANT.AUG
 
Direito romano segundo_gilissen
Direito romano segundo_gilissenDireito romano segundo_gilissen
Direito romano segundo_gilissen
 
Povos Bárbaros e Feudalismo
Povos Bárbaros e FeudalismoPovos Bárbaros e Feudalismo
Povos Bárbaros e Feudalismo
 
Apostila de historia direito do brasil
Apostila de historia direito do brasilApostila de historia direito do brasil
Apostila de historia direito do brasil
 
A lei das doze tábuas história e direito
A lei das doze tábuas    história e direitoA lei das doze tábuas    história e direito
A lei das doze tábuas história e direito
 
O que é historia?
O que é historia? O que é historia?
O que é historia?
 
A CodificaçãO Do Direito Romano
A CodificaçãO Do Direito RomanoA CodificaçãO Do Direito Romano
A CodificaçãO Do Direito Romano
 
Questões sobre História do Direito
Questões sobre História do DireitoQuestões sobre História do Direito
Questões sobre História do Direito
 
Grécia antiga
Grécia antigaGrécia antiga
Grécia antiga
 
Direito e Economia
Direito e EconomiaDireito e Economia
Direito e Economia
 
Direito romano
Direito romanoDireito romano
Direito romano
 
Primeiras civilizações sociedades africanas da antiguidade
Primeiras civilizações   sociedades africanas da antiguidadePrimeiras civilizações   sociedades africanas da antiguidade
Primeiras civilizações sociedades africanas da antiguidade
 
Arquitectura Grega Antiga
Arquitectura Grega AntigaArquitectura Grega Antiga
Arquitectura Grega Antiga
 
Karl marx e o direito
Karl marx e o direitoKarl marx e o direito
Karl marx e o direito
 

Semelhante a Direito grego.apresentacao

Capítulos 7-8 - Grécia Antiga
Capítulos 7-8 - Grécia AntigaCapítulos 7-8 - Grécia Antiga
Capítulos 7-8 - Grécia Antiga
Marcos Antonio Grigorio de Figueiredo
 
Grécia antiga.
Grécia antiga.Grécia antiga.
Grécia antiga.
Lara Lídia
 
A civilização grega
A civilização gregaA civilização grega
A civilização grega
Darlene Celestina
 
GRÉCIA ANTIGA.pptx
GRÉCIA ANTIGA.pptxGRÉCIA ANTIGA.pptx
GRÉCIA ANTIGA.pptx
VanessaSilva460656
 
M1.1 o modelo ateniense
M1.1 o modelo atenienseM1.1 o modelo ateniense
M1.1 o modelo ateniense
João Neves
 
Trabalho
TrabalhoTrabalho
Grecia antiga
Grecia antigaGrecia antiga
Grecia antiga
Isabel Aguiar
 
Grécia antiga completa com todo o conteudo dos cinco periodos
Grécia antiga completa com todo o conteudo dos cinco periodosGrécia antiga completa com todo o conteudo dos cinco periodos
Grécia antiga completa com todo o conteudo dos cinco periodos
GislidaNunez
 
Módulo 1
Módulo 1Módulo 1
Módulo 1
cattonia
 
material para ajudar na compreensão sobre as realidades sociais pptx
material para ajudar na compreensão sobre as realidades sociais pptxmaterial para ajudar na compreensão sobre as realidades sociais pptx
material para ajudar na compreensão sobre as realidades sociais pptx
jeandias52
 
Civilizacaogrega
CivilizacaogregaCivilizacaogrega
Civilizacaogrega
Nuno Pinto
 
Grecia Antiga
Grecia AntigaGrecia Antiga
História - Antiguidade Ocidental ou Clássica
História - Antiguidade Ocidental ou ClássicaHistória - Antiguidade Ocidental ou Clássica
História - Antiguidade Ocidental ou Clássica
Carson Souza
 
Semi extensivo - frente 2 módulos 1 e 2- esparta e atenas
Semi extensivo - frente 2 módulos 1 e  2- esparta e atenasSemi extensivo - frente 2 módulos 1 e  2- esparta e atenas
Semi extensivo - frente 2 módulos 1 e 2- esparta e atenas
Lú Carvalho
 
Grécia Antiga
Grécia AntigaGrécia Antiga
Grécia Antiga
Viviane Jordão Moro
 
História (Grécia)
História (Grécia)História (Grécia)
História (Grécia)
Giorgia Marrone
 
Trabalho de historia periodo arcaico
Trabalho de historia   periodo arcaicoTrabalho de historia   periodo arcaico
Trabalho de historia periodo arcaico
Jhorlando
 
Civilização grega
Civilização gregaCivilização grega
Civilização grega
mundica broda
 
Modelo grego parte 1
Modelo grego parte 1Modelo grego parte 1
Modelo grego parte 1
cattonia
 
PPT - Civilização Grega
PPT - Civilização GregaPPT - Civilização Grega
PPT - Civilização Grega
josafaslima
 

Semelhante a Direito grego.apresentacao (20)

Capítulos 7-8 - Grécia Antiga
Capítulos 7-8 - Grécia AntigaCapítulos 7-8 - Grécia Antiga
Capítulos 7-8 - Grécia Antiga
 
Grécia antiga.
Grécia antiga.Grécia antiga.
Grécia antiga.
 
A civilização grega
A civilização gregaA civilização grega
A civilização grega
 
GRÉCIA ANTIGA.pptx
GRÉCIA ANTIGA.pptxGRÉCIA ANTIGA.pptx
GRÉCIA ANTIGA.pptx
 
M1.1 o modelo ateniense
M1.1 o modelo atenienseM1.1 o modelo ateniense
M1.1 o modelo ateniense
 
Trabalho
TrabalhoTrabalho
Trabalho
 
Grecia antiga
Grecia antigaGrecia antiga
Grecia antiga
 
Grécia antiga completa com todo o conteudo dos cinco periodos
Grécia antiga completa com todo o conteudo dos cinco periodosGrécia antiga completa com todo o conteudo dos cinco periodos
Grécia antiga completa com todo o conteudo dos cinco periodos
 
Módulo 1
Módulo 1Módulo 1
Módulo 1
 
material para ajudar na compreensão sobre as realidades sociais pptx
material para ajudar na compreensão sobre as realidades sociais pptxmaterial para ajudar na compreensão sobre as realidades sociais pptx
material para ajudar na compreensão sobre as realidades sociais pptx
 
Civilizacaogrega
CivilizacaogregaCivilizacaogrega
Civilizacaogrega
 
Grecia Antiga
Grecia AntigaGrecia Antiga
Grecia Antiga
 
História - Antiguidade Ocidental ou Clássica
História - Antiguidade Ocidental ou ClássicaHistória - Antiguidade Ocidental ou Clássica
História - Antiguidade Ocidental ou Clássica
 
Semi extensivo - frente 2 módulos 1 e 2- esparta e atenas
Semi extensivo - frente 2 módulos 1 e  2- esparta e atenasSemi extensivo - frente 2 módulos 1 e  2- esparta e atenas
Semi extensivo - frente 2 módulos 1 e 2- esparta e atenas
 
Grécia Antiga
Grécia AntigaGrécia Antiga
Grécia Antiga
 
História (Grécia)
História (Grécia)História (Grécia)
História (Grécia)
 
Trabalho de historia periodo arcaico
Trabalho de historia   periodo arcaicoTrabalho de historia   periodo arcaico
Trabalho de historia periodo arcaico
 
Civilização grega
Civilização gregaCivilização grega
Civilização grega
 
Modelo grego parte 1
Modelo grego parte 1Modelo grego parte 1
Modelo grego parte 1
 
PPT - Civilização Grega
PPT - Civilização GregaPPT - Civilização Grega
PPT - Civilização Grega
 

Último

Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da TerraUma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Luiz C. da Silva
 
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptxSlides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdfAviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
Falcão Brasil
 
UFCD_7224_Prevenção de acidentes em contexto domiciliário e institucional_índ...
UFCD_7224_Prevenção de acidentes em contexto domiciliário e institucional_índ...UFCD_7224_Prevenção de acidentes em contexto domiciliário e institucional_índ...
UFCD_7224_Prevenção de acidentes em contexto domiciliário e institucional_índ...
Manuais Formação
 
28 - Agente de Endemias (40 mapas mentais) - Amostra.pdf
28 - Agente de Endemias (40 mapas mentais) - Amostra.pdf28 - Agente de Endemias (40 mapas mentais) - Amostra.pdf
28 - Agente de Endemias (40 mapas mentais) - Amostra.pdf
SheylaAlves6
 
Portfólio Estratégico da Força Aérea Brasileira (FAB).pdf
Portfólio Estratégico da Força Aérea Brasileira (FAB).pdfPortfólio Estratégico da Força Aérea Brasileira (FAB).pdf
Portfólio Estratégico da Força Aérea Brasileira (FAB).pdf
Falcão Brasil
 
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Falcão Brasil
 
Boletim informativo - Contacto - julho de 2024
Boletim informativo - Contacto - julho de 2024Boletim informativo - Contacto - julho de 2024
Boletim informativo - Contacto - julho de 2024
Bibliotecas Escolares AEIDH
 
Intendência da Aeronáutica. Somos um, sou você Intendência!.pdf
Intendência da Aeronáutica. Somos um, sou você Intendência!.pdfIntendência da Aeronáutica. Somos um, sou você Intendência!.pdf
Intendência da Aeronáutica. Somos um, sou você Intendência!.pdf
Falcão Brasil
 
Administração Em Enfermagem.pptx caala - Cópia-1.pptx
Administração Em Enfermagem.pptx caala - Cópia-1.pptxAdministração Em Enfermagem.pptx caala - Cópia-1.pptx
Administração Em Enfermagem.pptx caala - Cópia-1.pptx
helenawaya9
 
A GEOPOLÍTICA ATUAL E A INTEGRAÇÃO ECONÔMICA E SOCIAL
A GEOPOLÍTICA ATUAL E A INTEGRAÇÃO ECONÔMICA E SOCIALA GEOPOLÍTICA ATUAL E A INTEGRAÇÃO ECONÔMICA E SOCIAL
A GEOPOLÍTICA ATUAL E A INTEGRAÇÃO ECONÔMICA E SOCIAL
ArapiracaNoticiasFat
 
Escola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdf
Escola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdfEscola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdf
Escola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdf
Falcão Brasil
 
Caça-palavras - multiplicação
Caça-palavras  -  multiplicaçãoCaça-palavras  -  multiplicação
Caça-palavras - multiplicação
Mary Alvarenga
 
gestão_de_conflitos_no_ambiente_escolar.pdf
gestão_de_conflitos_no_ambiente_escolar.pdfgestão_de_conflitos_no_ambiente_escolar.pdf
gestão_de_conflitos_no_ambiente_escolar.pdf
Maria das Graças Machado Rodrigues
 
Plano_Aula_01_Introdução_com_Circuito_Piscar_LED
Plano_Aula_01_Introdução_com_Circuito_Piscar_LEDPlano_Aula_01_Introdução_com_Circuito_Piscar_LED
Plano_Aula_01_Introdução_com_Circuito_Piscar_LED
luggio9854
 
Introdução ao filme Divertida Mente 2 em pdf
Introdução ao filme Divertida Mente 2 em pdfIntrodução ao filme Divertida Mente 2 em pdf
Introdução ao filme Divertida Mente 2 em pdf
valdeci17
 
Boletim informativo - Contacto - julho de 2024
Boletim informativo - Contacto - julho de 2024Boletim informativo - Contacto - julho de 2024
Boletim informativo - Contacto - julho de 2024
Bibliotecas Escolares AEIDH
 
Portfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdf
Portfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdfPortfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdf
Portfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdf
Falcão Brasil
 
Endereços — Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia - ...
Endereços — Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia - ...Endereços — Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia - ...
Endereços — Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia - ...
Falcão Brasil
 

Último (20)

Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da TerraUma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
 
VIAGEM AO PASSADO -
VIAGEM AO PASSADO                        -VIAGEM AO PASSADO                        -
VIAGEM AO PASSADO -
 
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptxSlides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
 
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdfAviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
 
UFCD_7224_Prevenção de acidentes em contexto domiciliário e institucional_índ...
UFCD_7224_Prevenção de acidentes em contexto domiciliário e institucional_índ...UFCD_7224_Prevenção de acidentes em contexto domiciliário e institucional_índ...
UFCD_7224_Prevenção de acidentes em contexto domiciliário e institucional_índ...
 
28 - Agente de Endemias (40 mapas mentais) - Amostra.pdf
28 - Agente de Endemias (40 mapas mentais) - Amostra.pdf28 - Agente de Endemias (40 mapas mentais) - Amostra.pdf
28 - Agente de Endemias (40 mapas mentais) - Amostra.pdf
 
Portfólio Estratégico da Força Aérea Brasileira (FAB).pdf
Portfólio Estratégico da Força Aérea Brasileira (FAB).pdfPortfólio Estratégico da Força Aérea Brasileira (FAB).pdf
Portfólio Estratégico da Força Aérea Brasileira (FAB).pdf
 
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
 
Boletim informativo - Contacto - julho de 2024
Boletim informativo - Contacto - julho de 2024Boletim informativo - Contacto - julho de 2024
Boletim informativo - Contacto - julho de 2024
 
Intendência da Aeronáutica. Somos um, sou você Intendência!.pdf
Intendência da Aeronáutica. Somos um, sou você Intendência!.pdfIntendência da Aeronáutica. Somos um, sou você Intendência!.pdf
Intendência da Aeronáutica. Somos um, sou você Intendência!.pdf
 
Administração Em Enfermagem.pptx caala - Cópia-1.pptx
Administração Em Enfermagem.pptx caala - Cópia-1.pptxAdministração Em Enfermagem.pptx caala - Cópia-1.pptx
Administração Em Enfermagem.pptx caala - Cópia-1.pptx
 
A GEOPOLÍTICA ATUAL E A INTEGRAÇÃO ECONÔMICA E SOCIAL
A GEOPOLÍTICA ATUAL E A INTEGRAÇÃO ECONÔMICA E SOCIALA GEOPOLÍTICA ATUAL E A INTEGRAÇÃO ECONÔMICA E SOCIAL
A GEOPOLÍTICA ATUAL E A INTEGRAÇÃO ECONÔMICA E SOCIAL
 
Escola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdf
Escola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdfEscola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdf
Escola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdf
 
Caça-palavras - multiplicação
Caça-palavras  -  multiplicaçãoCaça-palavras  -  multiplicação
Caça-palavras - multiplicação
 
gestão_de_conflitos_no_ambiente_escolar.pdf
gestão_de_conflitos_no_ambiente_escolar.pdfgestão_de_conflitos_no_ambiente_escolar.pdf
gestão_de_conflitos_no_ambiente_escolar.pdf
 
Plano_Aula_01_Introdução_com_Circuito_Piscar_LED
Plano_Aula_01_Introdução_com_Circuito_Piscar_LEDPlano_Aula_01_Introdução_com_Circuito_Piscar_LED
Plano_Aula_01_Introdução_com_Circuito_Piscar_LED
 
Introdução ao filme Divertida Mente 2 em pdf
Introdução ao filme Divertida Mente 2 em pdfIntrodução ao filme Divertida Mente 2 em pdf
Introdução ao filme Divertida Mente 2 em pdf
 
Boletim informativo - Contacto - julho de 2024
Boletim informativo - Contacto - julho de 2024Boletim informativo - Contacto - julho de 2024
Boletim informativo - Contacto - julho de 2024
 
Portfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdf
Portfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdfPortfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdf
Portfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdf
 
Endereços — Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia - ...
Endereços — Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia - ...Endereços — Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia - ...
Endereços — Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia - ...
 

Direito grego.apresentacao

  • 2. Grécia Antiga  O termo Grécia antiga se refere ao período histórico grego que compreende dos tempos de Homero ao helenismo.  Nome oficial: República Helênica ( Hellenike Demokratía ).  O país está estrategicamente localizado ao sul da Península Balcânica, no cruzamento entre a Europa, a Ásia, o Oriente Médio e a África.  A Grécia antiga foi dividida em vários períodos:
  • 4. Período Pré-Homérico entre 2000 á 1200 a.C  Época de ocupação do território da Grécia  Desenvolvimento das civilizações Micênica e Cretense.  Invasão dos Dórios no final deste período, provocando a dispersão dos povos da região e ruralização.
  • 5. Tempos Homéricos De 1200 a 800 a.C  Têm esse denominação devido às principais fontes que retratam o período, atribuídas a Homero: ilíada( guerra de Tróia) e odisseia( narra as aventuras de Ulisses, herói grego).
  • 6. Contexto Histórico  Têm início com a invasão dos dórios.  Cidades foram abandonadas e o comércio intenso desapareceu  Houve uma ruralização da vida  Ausência de escrita  Organização dos povos em genos.
  • 7. Período Arcaico de 800 a 500 a.C  Iniciou a ascensão da civilização grega  Surgem as cidades-estados gregas  Desenvolvimento do comércio marítimo  Evolução política semelhante das cidades-estados.  Começaram sua história como monarquias. Durante o século VIII transformaram-se em oligarquias.  Nos séculos VI e V, estabeleceram-se as democracias ou, em alguns casos, timocracias.
  • 8. Evolução das Cidades-estados  Os clãs ( genos), que se aglomeravam formando as fratrias, que unidas geravam as tribos. Com a união das tribos surgiram as cidades-estados.  Ocorre a evolução política grega, baseada no humanismo e na liberdade.  A cidade-estado é a mais famosa unidade de sociedade política desenvolvida pelos gregos.  Surgem as cidades: Atenas, Tebas, Mégara, Corinto e Mileto.
  • 9. Período Clássico de 500 a 338 a.C  Civilização grega conheceu seu apogeu.  Revezamento de soberania entre Atenas e Esparta  Desenvolvimento cultural  Destaque para os filósofos: Sócrates, Platão e Aristóteles  Guerras Médicas  Criação da Liga de Delos e da Liga do Peloponeso  Fim do período Clássico, surge a cultura Helenística
  • 10. Período Helenístico  Marco entre o domínio da cultura grega e o advento da civilização romana  Ascensão da ciência e do conhecimento  Morte de Alexandre Magno, em 323 a.C  Surge a cultura helenística
  • 12. Direito Grego  Constitui-se na primeira fonte formadora da tradição jurídica ocidental.  Transmitiram aos romanos os direitos cuneiformes  Os Gregos foram grandes pensadores políticos e filosóficos  Existiam inúmeros direitos gregos  Cada “pólis” possuía seu próprio sistema político  As leis não eram aplicadas a todos os gregos, existiam apenas alguns costumes comuns.
  • 13. Fontes do Direito  Fontes históricas (ilíada “guerra de Tróia” e odisseia “narra as aventuras de Ulisses, herói grego”)  Fontes reais ( Filosofia)  Não se conhece fontes formais do Direito na Grécia, mas aspectos do mesmo em razão das passagens literárias e filosóficas.  O Direito Grego deriva de uma noção difusa de Justiça.  Documentos jurídicos que vêm sendo descobertos: Lei de Gortina e Lei de Dura.
  • 14. Lei de Gortina  Descoberta em 1884.  Por Federico Halbherr.  É o mais antigo e o mais completo código legal grego conhecido. Detalhe da 11ª coluna do Código de Gortina, inscrição alfabética em calcáreo de Gortina, Creta
  • 15. Lei de Gortina  Inscrição que faz parte de um edifício  Gravação em uma parede côncava com cerca de 8 m de comprimento e 175 cm de altura.  Possuí doze colunas agrupadas com um tipo de escrita gradualmente da esquerda para a direita, escrita ao contrário.  Não seria um verdadeiro "código de leis", mas sim, um conjunto de leis que são atualizações das leis anteriores mais antigas e as novas leis em um assunto específico.  No Código de Gortina, as leis são principalmente sobre os direitos da família, economia e comércio.
  • 16. Aspectos Sociais  Civilização que se caracteriza pelo secularismo  O Estado, agora, está acima da Igreja e o poder dos sacerdotes na direção das diretrizes da evolução cultural foi totalmente destruído.  Dois modelos mais importantes de Pólis: Esparta e Atenas  Classes Sociais distintas  Sistemas políticos diferentes e individuais  Surgimento do comércio  poder aristocrático  Tirania x Democracia  Pólis com evolução política, social, econômica, cultural, religiosa e jurídica distintas entre si.  Padrões culturais distintos
  • 17. Pólis ( Cidades-estados)  A pólis grega era formada, basicamente, por uma Acrópole que correspondia à parte mais elevada da pólis, onde existiam templos dedicados aos deuses. Uma Ágora, que era a parte mais pública da comunidade, lá existiam os mercados e as assembleias do povo. E uma Khora que correspondia à parte agrícola, onde moravam os camponeses e onde eram cultivados alimentos  Cada cidade era governada por um rei, o basileu.
  • 19. Atenas  Povos de origem: jônios. Pacifícos, adotaram a monarquia.  Criou conselhos políticos (Aerópago). Teve grandes juristas Sólon e Clístenes.  Surge a Democracia e Filosofia. A igualdade social e econômica prevalecia entre seus habitantes.  Ausência de confortos e luxos.  Atitude predominante de indiferença para com a riqueza.
  • 20. Classes sociais Cidadãos ou Eupátridas Metecos Escravos Os cidadãos ou Eupátridas eram somente aqueles nascidos de pais cidadãos, exceção feita de alguns introduzidos acidentalmente na classe, graças a leis especiais Os Metecos eram moradores estrangeiros, sobretudo gregos não atenienses, embora houvesse também fenícios e judeus No conjunto os escravos eram muito bem tratados e muitas vezes recompensados com a alforria pela prestação de serviços fiéis.
  • 21. Esparta  Esparta - povos de origem: dórios.  De origem militar, com severa disciplina e completa subordinação do indivíduo ao Estado.  Utilizavam a disciplina a serviço do Estado.
  • 22. Classes Sociais Esparciatas ou Elite Periecos Hilotas Os Esparciatas controlavam a religião, a política e os assuntos militares Os Periecos eram os homens livres que se dedicavam ao comércio e ao artesanato Os Hilotas eram os prisioneiros de Guerra
  • 23. Esparta  Não conseguiu progredir no sentido de uma ordem democrática.  O governo degenerou rapidamente numa forma mais próxima do absolutismo oriental  Estagnação cultural
  • 24. Aspectos econômicos Atenas  A base da economia consistia na agricultura e pecuária, criação de cabras e ovelhas.  A vinha, a oliveira, os cereais eram as suas principais produções.  Artesanato: móveis, joias, sapatos objetos de cerâmica, ferramentas e armas  Atenas, desenvolveu uma intensa economia monetária, comercial e marítima
  • 25. Aspectos econômicos Esparta  A principal atividade econômica de Esparta era a agricultura fundamentada na exploração dos hilotas  Baseava-se no cultivo de cereais, vinha e oliveiras e na extração de minerais como o manganês.  A prática de comércio esteve bastante restrita em virtude do difícil acesso ao mar. Além do que a própria fertilidade do solo espartano, que parece mais produtiva do que outras regiões do território gregas, permitiram que seus habitantes garantissem seu sustento sem a necessidade de realizarem importações.
  • 26.  Moeda Com o passar do tempo, os povos evoluíram, e aparece a necessidade de criar um sistema mais aperfeiçoado de troca. Foi o inicio da moeda, séculos VII e VIII a.C. na cidades de Atenas e Egina. Eram feitas com a técnica de cunhagem em metal. Produzidas com, o ouro, o cobre e o ferro.
  • 27. Aspectos políticos  As instituições políticas eram muito primitivas.  Não concebiam o governo como uma força indispensável à preservação da ordem social.  Cada pequena comunidade de aldeias era independente de controle externo.  O rei não podia fazer ou mandar executar leis, nem administrar justiça  Suas únicas funções eram militares e sacerdotais.
  • 28. Evolução política de Atenas  Monarquia – poder do rei, transmitido hereditariamente  Aristocracia – poder dos nobres  Oligarquia – poder de uma minoria rica  Tirania – poder de um só homem, imposto pela força  Democracia – poder de governar pertence ao povo  A democracia foi instituída por Clístenes, que reconheceu a igualdade de direitos de todos os cidadãos.
  • 29. Atenas  Em termos políticos, a cidade de Atenas conheceu a evolução política: de governo aristocrático passou para democrático.  Foi uma monarquia denominada pelo Basileus. Contudo, os eupátridas passaram, a partir do século VII a.C a controlar o poder por meio do Areópago e do arcontado.  O areópago era exercido por juízes oriundo da aristocracia.  O arcontado era constituído por nove governantes que dividiam a responsabilidade de tomar algumas decisões importantes.  Dentre os arcontes podemos destacar:  O arconte-epônimo que eram os responsáveis pela administração (prefeitura)  O arconte—polemarco era chefe militar.  O arconte-basileu era uma espécie de supremo sacerdote.  Havia também a Eclésia que votava, aprovava e rejeitava as leis.
  • 30. Democracia  Se desenvolveu em Atenas por volta de 500 a.C.  Assembleia dos cidadãos  Conselho dos 500 ou Bulé  O regime democrático solidificava-se em três grandes princípios: Isonomia: Igualdade de todos os cidadãos perante a lei; Isegoria: Igualdade de todos no falar, liberdade de expressão: Isocracia: Igualdade de todos ao poder.
  • 31. Estrutura política de Esparta  Diarquia – dois reis, que tinham funções religiosas e militares.  Gerúsia – composta pelos 2 reis e mais 28 anciões, exerciam funções legislativas.  Ápela – Assembleia dos esparciatas, tinha funções eleitorais.  Éforos – composto por 5 cidadãos, tinham funções fiscalizadoras e executivas
  • 32. Esparta  A vida política estava limitada a aristocracia militar.  A Ápela escolhia cinco homens saídos dessa assembleia para governar as pólis. O governo era definido pelos Éforos, juntamente com a Gerúsia e a Diarquia.  Essa era uma divisão ancestral de grupo dos dórios, de linhagens distintas que se uniram para controlar Peloponeso. Existiam dois reis: Um era chefe guerreiro, conduzindo os homens a batalha. O outro era tinha função religiosa, sendo uma espécie de supremo sacerdote
  • 33. Aspectos políticos  Os gregos foram os inventores da ciência politica, a ciência do governo das polis.  Hesíodo, Heródoto, Platão, Aristóteles.  A República, A política e as leis  Aristóteles distinguia três atividades: o poder deliberativo, o poder executivo (para recrutar as funções públicas) e o poder judiciário.  Aristóteles é um dos primeiros a admitir a relatividade humana: uma forma de governo pode ser boa ou má conforme o grupo social ao qual se destina.
  • 34. Aspectos Culturais  A Grécia Antiga é considerada pelos historiadores como uma civilização de grande esplendor cultural.  Os gregos, inicialmente eram um conjunto de tribos relativamente autônomas que apresentavam fatores culturais comuns, como a língua e a religião.  Desenvolveram a filosofia, as artes, a tecnologia, os esportes e muito mais.
  • 35. A arte e arquitetura grega  A principal manifestação da arquitetura foram os templos gregos.  A utilização de colunas de pedra é uma das características marcantes da arquitetura grega, sendo responsável pelo aspecto monumental das construções.  O uso intenso de mármore nas obras, o desenvolvimento das sensibilidades e da estética e uma arquitetura harmoniosa foram características das artes gregas.
  • 36. Megaron micênico (sala central do palácio de Micenas).
  • 37. Arquitetura  Na arquitetura grega foram desenvolvidos três estilos ou ordens: a ordem dórica, a jônica e a coríntia.  A ordem dórica era a mais simples, sem ornamentos, dando à edificação um aspecto de grande solidez.  A jônica, mais elegante, tinha um capitel decorado por duas volutas.  A ordem coríntia, que surgiu somente na época clássica, era ainda mais esbelta e ornamentada.
  • 38. Arquitetura  Durante o período arcaico a pedra tornou-se o material mais utilizado, comum nas simples estátuas de rapazes ( Kouros) e de moças (Korés) .  A arte grega è antropocentrica, preocupada com o realismo, procurou exaltar a beleza humana, destacando a perfeição de suas formas, è ainda racionalista, refletindo em suas manifestações as observações concretas dos elementos que envolvem o homem
  • 39. Filosofia  A ascensão do homem médio, o desenvolvimento do individualismo e a necessidade de solução para os problemas práticos ocasionaram uma reação contra os antigos hábitos de pensamento.  Os filósofos abandonaram o estudo do universo físico e dirigiram suas cogitações para assuntos mais intimamente relacionados com o próprio homem.  Novo movimento filosófico, baseado na teoria de que a verdade é real e de que existem padrões absolutos.
  • 40. Filosofia  Os filósofos gregos pensavam e criavam teorias para explicar a complexa existência humana, os comportamentos e sentimentos.  Podemos destacar como principais filósofos gregos Sócrates, Platão e Aristoteles. Podemos citar também Tales de Mileto, importante filósofo, matemático e astrônomo da Grécia Antiga.
  • 41. Aspectos Culturais  A arte compreende as manifestações das artes visuais, artes cênicas, literatura, música, teatro e arquitetura  A arte grega simbolizava o humanismo. A glorificação do homem como a mais importante criatura do universo.
  • 42. Escultura  No período arcaico a decoração escultórica arquitetônica se tornou mais comum.  Período clássico: formulação de um novo estilo de representação que unia o idealismo e naturalismo.  A escultura do período helenístico é cosmopolita, muito mais variada do que a clássica, e em termos técnicos é mais refinada e virtuosística. O Doríforo, de Policleto, período clássico Laocoonte e seus filhos, período helenista Kouros de Anavissos, 530 a.C., período arcaico
  • 43. Laocoonte e seus filhos Hermafrodita Orestes o vingador ESCULTURA GREGA A estatuária grega representa os mais altos padrões já atingidos pelo homem. Na escultura, o antropomorfismo - esculturas de formas humanas - foi insuperável. As estátuas adquiriram, além do equilíbrio e perfeição das formas, o movimento. Vénus de Milo Vénus
  • 45. Os principais mestres da escultura clássica grega são: - Praxíteles, celebrado pela graça das suas esculturas, pela lânguida pose em “S” (Hermes com Dionísio menino), foi o primeiro artista que esculpiu o nu feminino. Fídias, talvez o mais famoso de todos, autor de Zeus Olímpico, a sua obra-prima e Atenéia. Realizou toda a decoração em baixos-relevos do templo Partenon: Míron, autor do Discóbolo Discóbolo de Míron Vitória de Samotrácia
  • 46. Estátua de Atena do Partenon Estátua de Zeus, do Templo de Olímpia
  • 47. PINTURA / CERÂMICA A pintura grega encontra-se na arte cerâmica. Os vasos gregos são também conhecidos, não só pelo equilíbrio de sua forma, mas também pela harmonia entre o desenho, as cores e o espaço utilizado para a decoração. Além de servir para rituais religiosos, os vasos eram usados para armazenar, entre outras coisas, água, vinho, azeite e mantimentos.
  • 48. O Partenon, o mais belo exemplar da arquitetura grega, é uma construção de fundo dórico, mas reflete a graça e a sutileza da influência jônica.
  • 49. Aspectos Culturais Pintura Música  Da pintura grega antiga não resta hoje mais do que reduzidos vestígios, e dela pouco se sabe com segurança. Mas isso não significa que não houve produção, ou que tenha sido elementar, ao contrário, fontes literárias da época atestam extenso e refinado cultivo de pintura em várias técnicas  A música era onipresente na sociedade grega, decorava os festivais públicos, acompanhava os guerreiros nas batalhas e os pastores nas lides do campo, e entretinha as famílias no recesso do lar. Era além disso parte da educação regular de todo membro da elite.
  • 50. Mitologia  Os gregos formavam sociedades relativamente alfabetizadas, e esta mitologia era escrita na forma de poemas épicos (como a Ilíada e Odisseia de Homero, a Argonáutica e as Odes de Píndaro e a Argonáutica) A Teogonia e Os Trabalhos e os Dias, de Hesíodo, são consideradas como textos sagrados para os antigos gregos, bem como diversas outras obras da Antiguidade Clássica; estes eram os textos centrais a toda a literatura do período, e eram considerados inspirados.
  • 51. Aspectos Culturais Literatura Teatro  Era uma atividade engajada e ideologicamente orientada, fazendo parte integral da vida da pólis e objetivando suscitar debate e reflexão socialmente significativos.  Foi no período clássico que a poesia dramática chegou à sua fase dourada, quando sua apresentação passou a se dar em grandes anfiteatros, estruturas concebidas especificamente para este fim.
  • 52. Teatro  Os gregos eram apaixonados pelo teatro. As peças eram apresentadas em anfiteatros ao ar livre e os atores representavam usando máscaras. As comédias, dramas e sátiras retravam, principalmente, o comportamento e os conflitos do ser humano. Ésquilo e Sófocles foram os dois mais importantes escritores de peças de teatro da Grécia Antiga.
  • 53. Encenação de uma peça teatral grega
  • 54. Jogos Olímpicos  A data tradicional atribuída à primeira edição dos Jogos Olímpicos é 776 a.C.  Os Jogos Olímpicos da Antiguidade eram um festival religioso e atlético.  Eram realizados de quatro em quatro anos no santuário de Olímpia, em honra de Zeus.  Os gregos buscavam através dos jogos olímpicos a paz e a harmonia entre as cidades que compunham a civilização grega.
  • 55. Aspectos religiosos  Políteista  Para os gregos o homem era a mais importante criatura do universo  Atitude laica e racionalista.  A Religião não absorve mais os interesses do homem  Conhecimento acima da fé  O homem era livre para acreditar no seu deus, sem temer sua ira.  Não compreendia mandamentos, dogmas, rituais ou sacramentos. O homem era livre para acreditar no seu deus, sem temer sua ira.  Essa libertação do dogmatismo e do medo do sobrenatural foi um dos fatores que mais contribuíram para o progresso intelectual e artístico dos gregos.
  • 56. Aspectos Religiosos  A religião era um sistema para:  1 º explicar o mundo físico de maneira que afastasse os seus mistérios inquietantes  2º explicar as paixões tempestuosas que se apoderam dos homens  3º obter benefícios concretos como a boa sorte, uma vida longa, a habilidade no seu ofício e colheitas abundantes.
  • 57. Aspectos Religiosos  As divindades da religião homérica eram simples seres humanos ampliados.  Diferiam dos homens somente por se alimentarem de ambrósia e néctar, o que lhes conferia imortalidade.  O culto a religião consistia principalmente em sacrifícios.  A prática religiosa era externa e mecânica e não estava muito distante da magia.  A religião não incluía cultos ou relíquias sagradas, dias santificados ou qualquer sistema de adoração em templos.  Os templos eram santuários que os deuses podiam ocasionalmente visitar e usar como morada temporária.
  • 58. Aspectos Religiosos  Os gregos se dedicavam também a oratório. Falar em público era muito importante na sociedade grega. Um dos oradores mais célebres foi Péricles. Outro foi Demóstenes, gago até a adolescência. Corrigiu seu problema falando com a boca cheia de sementes ou pedrinhas tentando discursar mais alto do que o barulho das ondas do mar.  Os gregos costumavam consultar os deuses por meio dos oráculos e os deuses se manifestavam através de uma pitonisa que era interpretada pelos sacerdotes, que transmitiam as mensagens aos interessados. Existia o oráculo de Delfos, Olímpia, Epidauro e Delos.
  • 59. A única representação da sacerdotisa, ou pitonisa, de delfos, da época em que o oráculo estava ativo.
  • 60. Principais Deuses Gregos  Zeus – o sábio, governava os deuses no Olimpo e protegia a Grécia, controlava os trovões e os céus.  Hera – terceira mulher de Zeus. Protegia as mulheres e as mães.  Atena – era a deusa da sabedoria.  Apolo – era o deus da luz, saúde e da morte repentina.  Ártemis – irmã gêmea de Apolo, era deusa da luz.  Hermes – era o mensageiro dos deuses.  Ares – era odiado pelos deuses, era o deus da guerra.  Hades- deus do mundo subterrâneo (inferno);  Afrodite – a mais bela das deusas, deusa do amor.  Posêidon– deus dos mares  Héstia– era a tranqüila deusa do fogo  Deméter – era a deusa da fertilidade da terra
  • 62. Aspectos religiosos  O culto a religião consistia principalmente em sacrifícios.  A prática religiosa era externa e mecânica e não estava muito distante da magia.  A religião não incluía cultos ou relíquias sagradas, dias santificados ou qualquer sistema de adoração em templos.  Os templos eram santuários que os deuses podiam ocasionalmente visitar e usar como morada temporária.
  • 63. Aspectos Religiosos  Tomada em bloco, a religião grega, que jamais teve um livro sagrado, também não comportava dogmas, porque nunca possuiu um sacerdócio.  Diversos templos eram erguidos em homenagem aos deuses. Alguns dos mais imponentes e conhecidos eram o Templo de Zeus, em Olímpia, e o Partenon, dedicado à deusa Atena, localizado sobre a Acrópole, em Atenas.
  • 64. Aspectos Religiosos  Normalmente, as cerimônias públicas, mesmo de cunho político, eram antecedidas por práticas religiosas, o que reflete a importância da religião entre os gregos antigos. Mas essa religião foi superada pela Filosofia.  Uma cerimônia célebre era o pharmakos, ritual que envolvia a expulsão de um bode expiatório simbólico, como um animal ou escravo, de uma cidade ou aldeia durante um período de dificuldades. Esperava-se que assim, ao expulsar esta criatura, os problemas também estariam sendo levados do local.
  • 67. Divindades menores  Os antigos gregos acreditavam num submundo para onde os espíritos dos mortos iam após a morte.  Uma das principais áreas deste mundo inferior era conhecido como Hades, e era governado por um Deus, também chamado de Hades. Outro reino, chamado Tártaro, era o local para onde acreditava-se que iam os amaldiçoados, um local repleto de tormentos. Um terceiro reino, o Elísio, era um local agradável onde os mortos virtuosos e os iniciados nos cultos de mistério habitavam.
  • 68. Aspectos jurídicos  Cada pequeno grupo de aldeias tinha seu conselho de nobres e sua assembleia de guerreiros.  Função do conselho de nobres: aconselhar e assistir o rei.  Função das assembleias de guerreiros: consistiam em ratificar as declarações de guerra e aprovar os tratados de paz.  Porém nenhum dos dois orgãos tinha organização definida ou o caráter jurídico de um de governo.
  • 69. Aspectos jurídicos Atenas  Foi onde a democracia melhor se desenvolveu e o direito atingiu sua mais perfeita forma quanto a legislação e o processo.  As leis eram estabelecidas livremente pelos cidadãos ( democracia), nas assembleias “ Eclésia”  Através da escrita codificavam e divulgavam as leis através de inscrições nos muros  Principais legisladores: Drácon, Sólon e Clístenes.
  • 70. Drácon  Drácon dedicou-se a elaboração do primeiro conjunto de leis escritas de Atenas.  O código de Drácon ficou muito conhecido devido sua rigidez quase sobre-humana.  Quase todos os crimes sérios eram apenados com a pena de morte.  Furto e o assassinato recebiam a mesma pena: morte  Deve-se a Drácon a introdução do principio de Direito Penal ( distinção entre tipos de homicídio diferenciado)  O código de Drácon, não era uma constituição pois não contemplava os problemas econômicos e sociais.  O código ficou vigente por 7 anos.
  • 71. Sólon  Sólon promoveu reformas institucionais, econômicas e sociais.  Sua lei trouxe várias inovações  Eliminou a escravidão por dívidas.  Criou a Bulé com representantes de todas as regiões da pólis.  Criou a Eclésia que era a Assembléia popular que aprovava as leis da Bulé.  Criou o Helieu que era o Tribunal de Justiça.  Antes de morrer obteve o juramento do povo que durante o prazo de 10 anos, suas leis não seriam revogadas e nem modificadas
  • 72. Clístenes  Chegou ao poder e implantou a democracia.  Realizou uma verdadeira reforma política que proporcionou aos cidadãos, independentemente do critério de renda, o direito de voto e ocupação dos mais diversos cargos.  Ampliou o Conselho dos 400, criado por Sólon, que, ampliado, transformou-se em Conselho dos 500. Tornando o principal órgão do governo.  Mas foi a assembleia dos cidadãos, a Eclésia, que se tomou o órgão central da democracia ateniense.  Instituiu o ostracismo, por meio do qual todo cidadão suspeito de atentar contra a segurança do Estado era desterrado, por decisão da Eclésia, durante dez anos.
  • 73. Os tribunais  O Aéropago era o supremo tribunal de justiça de Atenas, conhecido pelo senso de justiça e pela integridade. Julgava os crimes religiosos, os homícidios etc.  Heliastes julgava tanto ações privadas como públicas.
  • 74. Direito Espartano  Os dórios atribuiram a criação de sua constituição ao legislador Licurgo.  Licurgo impôs a Constituição que passou a vigorar em Esparta.  O sistema político implantado por Licurgo em Esparta é conhecido como “Aristocracia” (de Aristoi = Os Melhores e cratos = governo; “governo dos melhores”) em contraposição à “Democracia” ateniense (de Demo = povo e cratos = governo; “governo do povo”)  A lei de Licurgo determinava a educação dos jovens a partir dos 7 anos de idade e também a educação rígida para esses garotos que ficavam nesse "acampamento" até completarem 18 anos e servirem mais 10 anos no exército de Esparta.  As leis da cidade autorizavam o rechaço paterno às crianças portadoras de deficiências. O pai poderia lançar o bebê de qualquer penhasco se imaginasse que a compleição física do mesmo fosse um eventual empecilho à carreira militar.
  • 75. Contribuição do Direito Grego  Regulamentação da propriedade privada  Criação de alguns tipos básicos de contratos  Criaram a democracia  Valorização do direito público  Rigidez das penas no direito penal  Criação de figuras jurídicas como a hipoteca
  • 76.  Segundo Gilissen os Gregos não foram grandes juristas, pois não souberam estruturar a ciência do direito. Apenas continuaram com as tradições dos direitos cuneiformes.  Porém o direito Grego serviu de base para o Direito Romano.  Foi na Grécia que ocorreu a revolução intelectual que gerou o conceito de um direito que valia de forma igual para todos os cidadãos.  Era objeto de alcance de todos, sem a menor interferência dos aristocratas ou sacerdotes. As leis eram democraticamente estabelecidas pelo povo nas Assembleias.