SlideShare uma empresa Scribd logo
Grécia
Localização Limita-se ao norte com a República da Macedônia, com a Bulgária, e com a Albânia, a leste com a Turquia, quer em fronteira terrestre, quer com fronteira marítima no mar Egeu, a sul com o mar Mediterrâneo e a oeste com o mar Jônico, através do qual tem ligação a Itália.
Grécia A civilização grega surgiu por volta de 2000 a. C. Formou-se após a migração de tribos nômades de origem indo-européia, como, por exemplo, aqueus, jônios, eólios e dórios. As pólis (cidades-estado), forma que caracteriza a vida política dos gregos, surgiram por volta do século VIII a.C. As duas pólis mais importantes da Grécia foram: Esparta e Atenas.
cidades-Estado    A Grécia antiga não era um país, mas uma série de cidades-estado autogovernadas.  Surgem a partir do estabelecimento de famílias reunidas em torno do seu chefe.    Conj. de famílias com ancestral comum     Genos    Ao conj. de clãs se dava o nome de  Fratria    Nos casos de guerra, as Fratrias se reuniam formando uma tribo, cujo nome é  Filo    O chefe do filo denominava-se  Filobasileu    À formação de uma cidade fortificada localizada no alto, deu-se o nome de Acrópole.    Ao crescimento das famílias em torno da Acrópole deu-se o nome de  Demos  e ao seu conjunto de  Pólis    A Pólis se tornou a principal unidade político-administrativa da Grécia Antiga.
cidades-Estado Sociedade Espartana A  sociedade era estamental e estava composta da seguinte forma: Esparciatas : eram os cidadãos de Esparta. Filhos de mães e pais espartanos, haviam recebido a educação espartana. Esta camada social era composta por políticos, integrantes do exército e ricos proprietários de terras. Apenas eles tinham direitos políticos. Periecos : eram pequenos comerciantes e artesãos. Moravam na periferia da cidade e não possuíam direitos políticos. Não recebiam educação, porém tinham que combater no exército, quando convocados. Eram obrigados a pagar impostos. Hilotas : eram servos. Pagavam pelo uso da terra. Não tinham direitos políticos e, segundo as leis espartanas podiam ser alvos de humilhações, maltratos e massacres. Chegaram a organizar várias revoltas sociais em Esparta, combatidas com extrema violência pelo exército.
cidades-Estado Educação Espartana O princípio da educação espartana era formar bons soldados para abastecer o exército da polis.  Ao nascer era apresentado a um representante do Estado para verificação da condição física do recém-nascido. Se reprovado, era abandonado a morte. Muito exercício, muita luta entre as crianças e pouca roupa mesmo no inverno para que aprendessem a suportar as mudanças climáticas. Pouca alimentação. Assim, com autorização do Estado, poderiam furtar comida para complementar sua dieta diária, mas se fosse pego era punido. Leitura e escrita era minimamente ensinada.  Aos 30 anos entravam para política e só aos 60 encerravam sua vida militar. Para as mulheres, o mesmo padrão de vida, mas com o objetivo de as tornarem forte fisicamente para dar a luz a filhos fortes e sadios completando o ciclo.
cidades-Estado Política Espartana Apelá (Assembleia do povo):  reunião mensal de todos os cidadãos com 30 anos completos. Escolhem os éforos e anciãos. Reis:  a cidade era governada por dois reis que possuíam funções militares e religiosas. Tinham vários privilégios. Gerúsia:  formada por vinte e oito gerontes (cidadãos com mais de 60 anos) e os dois reis. Elaboram as leis da cidade que eram votadas pela Assembléia.  Éforos:  formado por cinco cidadãos, tinham diversos poderes administrativos, militares, judiciais e políticos. Atuavam na política como se fossem verdadeiros chefes de governo.
Atenas “ Em Atenas, todos os cidadãos tinham direitos políticos, mas nem todos habitantes eram cidadãos”.  
Atenas
Educação Ateniense Por volta dos sete anos de idade, o menino ateniense era orientado por um pedagogo. Na escola, os jovens estudavam música, artes plásticas, Filosofia, etc. As atividades físicas também faziam parte da vida escolar, pois os atenienses consideravam de grande importância a manutenção da saúde corporal.  As meninas de Atenas não freqüentavam escolas, pois ficavam aos cuidados da mãe até o casamento.
leis  O governo dos nobres era opressor e indiferente à sorte do povo. Com o tempo, formou-se uma nova classe social: a dos comerciantes que desejavam participar dos atos de governo. Uniram-se, por isso, aos demais e deram começo a uma série de lutas, visando a melhores condições de vida de toda a população.  No século VII a.C., surgiram as primeiras leis escritas, atribuídas a Drácon e que se tornaram famosas pela severidade e rigor. era um passo à frente na conquista dos direitos humanos, embora a maior parte das coisas se mantivessem praticamente no mesmo estado anterior. 
Atenas Em 594 a.C., os atenienses elegeram para o Arcontado* um dos "sete sábios da Grécia", Sólon, homem de grande inteligência, que realizou importante reforma no sentido democrático, inspirado no desejo de favorecer os direitos do povo. Arconte    Representante da Assembleia com poderes administrativos, militares e religiosos.
tirania As reformas de Sólon originaram descontentamento: os eupátridas se viram prejudicados e o povo achou que devia ter mais direitos.  Das lutas aproveitou Pisístrato, jovem endinheirado que, apoiado no partido popular, apoderou-se do governo.  Tirano, designava os que se elevavam ao poder por meios irregulares e uso da força.  Acabou por ser um período de transição entre a Aristocracia e a Democracia. Sucederam-lhe os filhos Hiparco e Hípias: o primeiro foi morto numa conjuração e o segundo foi obrigado a fugir, por força de uma sublevação de nobres atenienses (510 a.C.).
Definições   Tirania    é uma forma de governo usada em situações excepcionais na Grécia em alternativa à democracia. Nela o chefe governava com poder ilimitado, embora sem perder de vista que devia representar a vontade do povo. Hoje, entre sociedades democráticas ocidentais, o termo tirania tem conotação negativa. Algumas raízes históricas disto, entretanto, podem estar no fato de os filhos do grande tirano grego Pisístrato (que era adorado pelo povo pois fez a reforma agrária e dava subsídio) terem usufruído do espaço público como se fosse privado, sendo assim, banidos e mortos.
Definições Aristocracia    significa, literalmente,  poder dos melhores , dos sábios, Família nobre de sangue superior, enfim, daqueles que apresentam superioridade não só intelectual, mas também moral.
Definições Democracia    é um regime de governo onde o poder de tomar importantes decisões políticas está com os cidadãos (Povo), direta ou indiretamente, por meio de representantes eleitos — forma mais usual. Uma democracia pode existir num sistema presidencialista ou parlamentarista, republicano ou monárquico.
Clístenes  (Pai da democracia) Coube, a Clístenes, homem de origem aristocrática, mas de tendências populares a sequência da política de Sólon.  Nomeado arconde realizou reformas políticas de grande importância, aboliu a divisão de classes e permitiu que todos os domiciliados em Atenas fossem considerados cidadãos.  Para evitar influências de indivíduos que pudessem atentar contra a liberdade instituiu o ostracismo    Voto pessoal e escrito que indicava o nome do cidadão que seria banido. A partir de 503 a.C., data em que tivessem aplicação as reformas de Clístenes, o Estado ateniense passou a ser uma democracia, embora estivesse longe se assemelhar-se as democracias de nosso tempo (havia ainda muita desigualdade, mais do que a existente hoje).     
Democracia em atenas  Igualdade perante a lei; Meritocracia; “ Democracia Direta”, ou seja, os cidadãos se reuniam e decidiam as questões do governo; Estavam excluídos os Metecos (estrangeiros), escravos e ex-escravos e mulheres!
Guerras médicas (492-479 a.c.) Persas = Medas Motivo    expansão grega na ilhas do mar Egeu e na Ásia Menor Dário, Rei dos persas, cobra pesados tributos às colônias; Insatisfeitos, os colonos se revoltam contra os persas; Atenas apóia os colonos Dário declara guerra à Atenas A guerra termina em 479 a. C. com a vitória grega na batalha de Plateia.  Historiadores como Heródoto e Tucídides falam que foi a vitória da inteligência sobre a força bruta.
Guerras do peloponeso Liga de Delos (Atenas) x Liga do Peloponeso (Esparta) Riqueza x Exércitos Profissionais (431-421 a.C.) 50 Anos de Paz Após 8 anos mais Guerra! 413 a.C derrota Ateniense... 404 a.C Egos-pótamos batalha final e perda definitiva de Atenas. Batalhas    desgaste  Economia em cacos Filipe II da Macedônia    batalha de  Queronéia  (338 a. C) 336 a.C Filipe II é assassinado Assume Alexandre III (O grande?!?!?!?)

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

A Crise da República Romana.pptx
A Crise da República Romana.pptxA Crise da República Romana.pptx
A Crise da República Romana.pptx
DANILOARAUJOSANTANA
 
Republica Romana - Prof.Altair Aguilar
Republica Romana -  Prof.Altair AguilarRepublica Romana -  Prof.Altair Aguilar
Republica Romana - Prof.Altair Aguilar
Altair Moisés Aguilar
 
Antiguidade Clássica: Grécia e Roma
Antiguidade Clássica: Grécia e RomaAntiguidade Clássica: Grécia e Roma
Antiguidade Clássica: Grécia e Roma
Marilia Pimentel
 
GRÉCIA ANTIGA
GRÉCIA ANTIGAGRÉCIA ANTIGA
GRÉCIA ANTIGA
Jackeline Póvoas
 
A grécia antiga
A grécia antigaA grécia antiga
A grécia antiga
Cleide Professora
 
O egito antigo
O egito antigoO egito antigo
O egito antigo
Espanhol Puríssimo
 
Persas
PersasPersas
Imperialismo - Neocolonialismo - Partilha da África e da Ásia
Imperialismo - Neocolonialismo - Partilha da África e da ÁsiaImperialismo - Neocolonialismo - Partilha da África e da Ásia
Imperialismo - Neocolonialismo - Partilha da África e da Ásia
Portal do Vestibulando
 
Grécia Antiga - 6ºAno
Grécia Antiga - 6ºAnoGrécia Antiga - 6ºAno
Grécia Antiga - 6ºAno
Sant´Anna International School
 
Império bizantino
Império bizantinoImpério bizantino
Império bizantino
alinemaiahistoria
 
O Estado Moderno
O Estado ModernoO Estado Moderno
O Estado Moderno
Aulas de História
 
Grecia antiga
Grecia antigaGrecia antiga
Primeiro reinado
Primeiro reinadoPrimeiro reinado
Primeiro reinado
Ramiro Bicca
 
Independência do Brasil - Aula 1,2 e 3
Independência do Brasil - Aula 1,2 e 3Independência do Brasil - Aula 1,2 e 3
Independência do Brasil - Aula 1,2 e 3
Escola Modelo de Iguatu
 
Roma-Antiga (1).pptx
Roma-Antiga (1).pptxRoma-Antiga (1).pptx
Roma-Antiga (1).pptx
FelipeSgotiPadoves
 
Império Romano
Império RomanoImpério Romano
Império Romano
Carlos Vieira
 
Grécia Antiga
Grécia AntigaGrécia Antiga
Grécia Antiga
Alessandro Ferreira
 
1° ano - Mesopotâmia
1° ano - Mesopotâmia1° ano - Mesopotâmia
1° ano - Mesopotâmia
Daniel Alves Bronstrup
 
Estados Unidos Século XIX
Estados Unidos Século XIXEstados Unidos Século XIX
Estados Unidos Século XIX
brenosassarao
 
1° ano - Grécia Antiga
1° ano -  Grécia Antiga1° ano -  Grécia Antiga
1° ano - Grécia Antiga
Daniel Alves Bronstrup
 

Mais procurados (20)

A Crise da República Romana.pptx
A Crise da República Romana.pptxA Crise da República Romana.pptx
A Crise da República Romana.pptx
 
Republica Romana - Prof.Altair Aguilar
Republica Romana -  Prof.Altair AguilarRepublica Romana -  Prof.Altair Aguilar
Republica Romana - Prof.Altair Aguilar
 
Antiguidade Clássica: Grécia e Roma
Antiguidade Clássica: Grécia e RomaAntiguidade Clássica: Grécia e Roma
Antiguidade Clássica: Grécia e Roma
 
GRÉCIA ANTIGA
GRÉCIA ANTIGAGRÉCIA ANTIGA
GRÉCIA ANTIGA
 
A grécia antiga
A grécia antigaA grécia antiga
A grécia antiga
 
O egito antigo
O egito antigoO egito antigo
O egito antigo
 
Persas
PersasPersas
Persas
 
Imperialismo - Neocolonialismo - Partilha da África e da Ásia
Imperialismo - Neocolonialismo - Partilha da África e da ÁsiaImperialismo - Neocolonialismo - Partilha da África e da Ásia
Imperialismo - Neocolonialismo - Partilha da África e da Ásia
 
Grécia Antiga - 6ºAno
Grécia Antiga - 6ºAnoGrécia Antiga - 6ºAno
Grécia Antiga - 6ºAno
 
Império bizantino
Império bizantinoImpério bizantino
Império bizantino
 
O Estado Moderno
O Estado ModernoO Estado Moderno
O Estado Moderno
 
Grecia antiga
Grecia antigaGrecia antiga
Grecia antiga
 
Primeiro reinado
Primeiro reinadoPrimeiro reinado
Primeiro reinado
 
Independência do Brasil - Aula 1,2 e 3
Independência do Brasil - Aula 1,2 e 3Independência do Brasil - Aula 1,2 e 3
Independência do Brasil - Aula 1,2 e 3
 
Roma-Antiga (1).pptx
Roma-Antiga (1).pptxRoma-Antiga (1).pptx
Roma-Antiga (1).pptx
 
Império Romano
Império RomanoImpério Romano
Império Romano
 
Grécia Antiga
Grécia AntigaGrécia Antiga
Grécia Antiga
 
1° ano - Mesopotâmia
1° ano - Mesopotâmia1° ano - Mesopotâmia
1° ano - Mesopotâmia
 
Estados Unidos Século XIX
Estados Unidos Século XIXEstados Unidos Século XIX
Estados Unidos Século XIX
 
1° ano - Grécia Antiga
1° ano -  Grécia Antiga1° ano -  Grécia Antiga
1° ano - Grécia Antiga
 

Destaque

Deuses da grécia antiga
Deuses da grécia antigaDeuses da grécia antiga
Deuses da grécia antiga
Escola Luis de Freitas Branco
 
Grécia Antiga
Grécia AntigaGrécia Antiga
Grécia Antiga
ricardup
 
Atividades Herois da Religião Grega I
Atividades Herois da Religião Grega IAtividades Herois da Religião Grega I
Atividades Herois da Religião Grega I
Doug Caesar
 
Trabalho História Grécia
Trabalho História GréciaTrabalho História Grécia
Trabalho História Grécia
TurmaN10C
 
A civilização grega
A civilização gregaA civilização grega
A civilização grega
Lucilia Fonseca
 
Grécia
GréciaGrécia
Grécia
Luan Furtado
 
Grécia.17
Grécia.17Grécia.17
Atividades Herois da Religião Grega II
Atividades Herois da Religião Grega IIAtividades Herois da Religião Grega II
Atividades Herois da Religião Grega II
Doug Caesar
 
A caixa de pandora
A caixa de pandoraA caixa de pandora
A caixa de pandora
davidjpereira
 
Trabalho de história 7º ano - Religião da grécia antiga - slideshare
Trabalho de história 7º ano - Religião da grécia antiga - slideshareTrabalho de história 7º ano - Religião da grécia antiga - slideshare
Trabalho de história 7º ano - Religião da grécia antiga - slideshare
Sebastiao Barata
 
Koneski Grécia antiga
Koneski Grécia antigaKoneski Grécia antiga
Koneski Grécia antiga
Tavinho Koneski Westphal
 
Grecia Antiga
Grecia AntigaGrecia Antiga
Grecia Antiga
Raquel Israel Silva
 
A grécia antiga período pré-homérico
A grécia antiga   período pré-homéricoA grécia antiga   período pré-homérico
A grécia antiga período pré-homérico
Nelia Salles Nantes
 
Mito de pandora roteiro - versão para alunos
Mito de pandora   roteiro - versão para alunosMito de pandora   roteiro - versão para alunos
Mito de pandora roteiro - versão para alunos
Vilmar Vilaça
 
Teste 7º ano Fenícia e Grecia 2º 2012
Teste 7º ano Fenícia e Grecia 2º 2012Teste 7º ano Fenícia e Grecia 2º 2012
Teste 7º ano Fenícia e Grecia 2º 2012
João Couto
 
Prova arte grega
Prova arte gregaProva arte grega
Prova arte grega
Veridiana Rengel
 
Grécia
GréciaGrécia
Grécia
GréciaGrécia
Grécia
Mayjö .
 
Arte grega texto para atividade
Arte grega texto para atividadeArte grega texto para atividade
Arte grega texto para atividade
Casiris Crescencio
 
Grécia
GréciaGrécia
Grécia
becrejovim
 

Destaque (20)

Deuses da grécia antiga
Deuses da grécia antigaDeuses da grécia antiga
Deuses da grécia antiga
 
Grécia Antiga
Grécia AntigaGrécia Antiga
Grécia Antiga
 
Atividades Herois da Religião Grega I
Atividades Herois da Religião Grega IAtividades Herois da Religião Grega I
Atividades Herois da Religião Grega I
 
Trabalho História Grécia
Trabalho História GréciaTrabalho História Grécia
Trabalho História Grécia
 
A civilização grega
A civilização gregaA civilização grega
A civilização grega
 
Grécia
GréciaGrécia
Grécia
 
Grécia.17
Grécia.17Grécia.17
Grécia.17
 
Atividades Herois da Religião Grega II
Atividades Herois da Religião Grega IIAtividades Herois da Religião Grega II
Atividades Herois da Religião Grega II
 
A caixa de pandora
A caixa de pandoraA caixa de pandora
A caixa de pandora
 
Trabalho de história 7º ano - Religião da grécia antiga - slideshare
Trabalho de história 7º ano - Religião da grécia antiga - slideshareTrabalho de história 7º ano - Religião da grécia antiga - slideshare
Trabalho de história 7º ano - Religião da grécia antiga - slideshare
 
Koneski Grécia antiga
Koneski Grécia antigaKoneski Grécia antiga
Koneski Grécia antiga
 
Grecia Antiga
Grecia AntigaGrecia Antiga
Grecia Antiga
 
A grécia antiga período pré-homérico
A grécia antiga   período pré-homéricoA grécia antiga   período pré-homérico
A grécia antiga período pré-homérico
 
Mito de pandora roteiro - versão para alunos
Mito de pandora   roteiro - versão para alunosMito de pandora   roteiro - versão para alunos
Mito de pandora roteiro - versão para alunos
 
Teste 7º ano Fenícia e Grecia 2º 2012
Teste 7º ano Fenícia e Grecia 2º 2012Teste 7º ano Fenícia e Grecia 2º 2012
Teste 7º ano Fenícia e Grecia 2º 2012
 
Prova arte grega
Prova arte gregaProva arte grega
Prova arte grega
 
Grécia
GréciaGrécia
Grécia
 
Grécia
GréciaGrécia
Grécia
 
Arte grega texto para atividade
Arte grega texto para atividadeArte grega texto para atividade
Arte grega texto para atividade
 
Grécia
GréciaGrécia
Grécia
 

Semelhante a Grecia Antiga

Resumo
ResumoResumo
Resumo
Sandra Costa
 
Trabalho de historia periodo arcaico
Trabalho de historia   periodo arcaicoTrabalho de historia   periodo arcaico
Trabalho de historia periodo arcaico
Jhorlando
 
Grécia antiga completa com todo o conteudo dos cinco periodos
Grécia antiga completa com todo o conteudo dos cinco periodosGrécia antiga completa com todo o conteudo dos cinco periodos
Grécia antiga completa com todo o conteudo dos cinco periodos
GislidaNunez
 
A grécia das cidades
A grécia das cidadesA grécia das cidades
A grécia das cidades
Patrícia Costa Grigório
 
GRÉCIA ANTIGA.pptx
GRÉCIA ANTIGA.pptxGRÉCIA ANTIGA.pptx
GRÉCIA ANTIGA.pptx
VanessaSilva460656
 
Direito grego.apresentacao
Direito grego.apresentacaoDireito grego.apresentacao
Direito grego.apresentacao
Tânia Araújo
 
Slide sobre direito grego
Slide sobre direito gregoSlide sobre direito grego
Slide sobre direito grego
ArthurSilva272154
 
Grecia geral
Grecia geralGrecia geral
Grecia geral
HCA_10I
 
GRÉCIA DEMOCRACIA ATENIENSE E PERÍODO CLÁSSICO
GRÉCIA DEMOCRACIA ATENIENSE E PERÍODO CLÁSSICOGRÉCIA DEMOCRACIA ATENIENSE E PERÍODO CLÁSSICO
GRÉCIA DEMOCRACIA ATENIENSE E PERÍODO CLÁSSICO
Jorge Miklos
 
Mundo Grego
Mundo GregoMundo Grego
Mundo Grego
Camila Brito
 
GRÉCIA ANTIGA - CIVILIZAÇÃO CLASSICA.pptx
GRÉCIA ANTIGA - CIVILIZAÇÃO CLASSICA.pptxGRÉCIA ANTIGA - CIVILIZAÇÃO CLASSICA.pptx
GRÉCIA ANTIGA - CIVILIZAÇÃO CLASSICA.pptx
VivianeSimoes7
 
A Grécia das cidades
A Grécia das cidadesA Grécia das cidades
A Grécia das cidades
Patrícia Costa Grigório
 
M1.1 o modelo ateniense
M1.1 o modelo atenienseM1.1 o modelo ateniense
M1.1 o modelo ateniense
João Neves
 
A civilização grega pdf
A civilização grega pdfA civilização grega pdf
A civilização grega pdf
Ócio do Ofício
 
A civilização grega
A civilização gregaA civilização grega
A civilização grega
Darlene Celestina
 
Historia volume-1
Historia volume-1Historia volume-1
Historia volume-1
Josil Setenta
 
Apresentaçãohistdir9
Apresentaçãohistdir9Apresentaçãohistdir9
PPT - Civilização Grega
PPT - Civilização GregaPPT - Civilização Grega
PPT - Civilização Grega
josafaslima
 
Modelo grego parte 1
Modelo grego parte 1Modelo grego parte 1
Modelo grego parte 1
cattonia
 
Grecia antiga
Grecia antigaGrecia antiga
Grecia antiga
Isabel Aguiar
 

Semelhante a Grecia Antiga (20)

Resumo
ResumoResumo
Resumo
 
Trabalho de historia periodo arcaico
Trabalho de historia   periodo arcaicoTrabalho de historia   periodo arcaico
Trabalho de historia periodo arcaico
 
Grécia antiga completa com todo o conteudo dos cinco periodos
Grécia antiga completa com todo o conteudo dos cinco periodosGrécia antiga completa com todo o conteudo dos cinco periodos
Grécia antiga completa com todo o conteudo dos cinco periodos
 
A grécia das cidades
A grécia das cidadesA grécia das cidades
A grécia das cidades
 
GRÉCIA ANTIGA.pptx
GRÉCIA ANTIGA.pptxGRÉCIA ANTIGA.pptx
GRÉCIA ANTIGA.pptx
 
Direito grego.apresentacao
Direito grego.apresentacaoDireito grego.apresentacao
Direito grego.apresentacao
 
Slide sobre direito grego
Slide sobre direito gregoSlide sobre direito grego
Slide sobre direito grego
 
Grecia geral
Grecia geralGrecia geral
Grecia geral
 
GRÉCIA DEMOCRACIA ATENIENSE E PERÍODO CLÁSSICO
GRÉCIA DEMOCRACIA ATENIENSE E PERÍODO CLÁSSICOGRÉCIA DEMOCRACIA ATENIENSE E PERÍODO CLÁSSICO
GRÉCIA DEMOCRACIA ATENIENSE E PERÍODO CLÁSSICO
 
Mundo Grego
Mundo GregoMundo Grego
Mundo Grego
 
GRÉCIA ANTIGA - CIVILIZAÇÃO CLASSICA.pptx
GRÉCIA ANTIGA - CIVILIZAÇÃO CLASSICA.pptxGRÉCIA ANTIGA - CIVILIZAÇÃO CLASSICA.pptx
GRÉCIA ANTIGA - CIVILIZAÇÃO CLASSICA.pptx
 
A Grécia das cidades
A Grécia das cidadesA Grécia das cidades
A Grécia das cidades
 
M1.1 o modelo ateniense
M1.1 o modelo atenienseM1.1 o modelo ateniense
M1.1 o modelo ateniense
 
A civilização grega pdf
A civilização grega pdfA civilização grega pdf
A civilização grega pdf
 
A civilização grega
A civilização gregaA civilização grega
A civilização grega
 
Historia volume-1
Historia volume-1Historia volume-1
Historia volume-1
 
Apresentaçãohistdir9
Apresentaçãohistdir9Apresentaçãohistdir9
Apresentaçãohistdir9
 
PPT - Civilização Grega
PPT - Civilização GregaPPT - Civilização Grega
PPT - Civilização Grega
 
Modelo grego parte 1
Modelo grego parte 1Modelo grego parte 1
Modelo grego parte 1
 
Grecia antiga
Grecia antigaGrecia antiga
Grecia antiga
 

Mais de Dênis Valério Martins

Instituições sociais
Instituições sociaisInstituições sociais
Instituições sociais
Dênis Valério Martins
 
Enem 2011
Enem 2011Enem 2011
República do Brasil
República do BrasilRepública do Brasil
República do Brasil
Dênis Valério Martins
 
Congresso de viena
Congresso de vienaCongresso de viena
Congresso de viena
Dênis Valério Martins
 
Guerra fria
Guerra friaGuerra fria
Origem do conflito - Israel x Palestina
Origem do conflito - Israel x PalestinaOrigem do conflito - Israel x Palestina
Origem do conflito - Israel x Palestina
Dênis Valério Martins
 
2ª guerra mundial
2ª guerra mundial2ª guerra mundial
2ª guerra mundial
Dênis Valério Martins
 
Condições Pós Secessão (EUA)
Condições Pós Secessão (EUA)Condições Pós Secessão (EUA)
Condições Pós Secessão (EUA)
Dênis Valério Martins
 
Reforma Protestante
Reforma ProtestanteReforma Protestante
Reforma Protestante
Dênis Valério Martins
 
Estratificação social
Estratificação socialEstratificação social
Estratificação social
Dênis Valério Martins
 
Classes Sociais (Surgimento)
Classes Sociais (Surgimento)Classes Sociais (Surgimento)
Classes Sociais (Surgimento)
Dênis Valério Martins
 
Renascimento
RenascimentoRenascimento
Rev russa
Rev russaRev russa
Agua
AguaAgua
Entreguerras
EntreguerrasEntreguerras
Monarquias
MonarquiasMonarquias
A igreja medieval
A igreja medievalA igreja medieval
A igreja medieval
Dênis Valério Martins
 
Arabia
ArabiaArabia
1ª guerra mundial
1ª guerra mundial1ª guerra mundial
1ª guerra mundial
Dênis Valério Martins
 

Mais de Dênis Valério Martins (20)

Instituições sociais
Instituições sociaisInstituições sociais
Instituições sociais
 
Guerra de secessão
Guerra de secessão Guerra de secessão
Guerra de secessão
 
Enem 2011
Enem 2011Enem 2011
Enem 2011
 
República do Brasil
República do BrasilRepública do Brasil
República do Brasil
 
Congresso de viena
Congresso de vienaCongresso de viena
Congresso de viena
 
Guerra fria
Guerra friaGuerra fria
Guerra fria
 
Origem do conflito - Israel x Palestina
Origem do conflito - Israel x PalestinaOrigem do conflito - Israel x Palestina
Origem do conflito - Israel x Palestina
 
2ª guerra mundial
2ª guerra mundial2ª guerra mundial
2ª guerra mundial
 
Condições Pós Secessão (EUA)
Condições Pós Secessão (EUA)Condições Pós Secessão (EUA)
Condições Pós Secessão (EUA)
 
Reforma Protestante
Reforma ProtestanteReforma Protestante
Reforma Protestante
 
Estratificação social
Estratificação socialEstratificação social
Estratificação social
 
Classes Sociais (Surgimento)
Classes Sociais (Surgimento)Classes Sociais (Surgimento)
Classes Sociais (Surgimento)
 
Renascimento
RenascimentoRenascimento
Renascimento
 
Rev russa
Rev russaRev russa
Rev russa
 
Agua
AguaAgua
Agua
 
Entreguerras
EntreguerrasEntreguerras
Entreguerras
 
Monarquias
MonarquiasMonarquias
Monarquias
 
A igreja medieval
A igreja medievalA igreja medieval
A igreja medieval
 
Arabia
ArabiaArabia
Arabia
 
1ª guerra mundial
1ª guerra mundial1ª guerra mundial
1ª guerra mundial
 

Último

Relatório de Atividades 2011 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2011 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2011 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2011 CENSIPAM.pdf
Falcão Brasil
 
Caça-palavras e cruzadinha - Encontros consonantais.
Caça-palavras e cruzadinha -  Encontros consonantais.Caça-palavras e cruzadinha -  Encontros consonantais.
Caça-palavras e cruzadinha - Encontros consonantais.
Mary Alvarenga
 
Guia referencial de Apoio - Planejamento Escolar 2024.pdf
Guia referencial de Apoio - Planejamento Escolar 2024.pdfGuia referencial de Apoio - Planejamento Escolar 2024.pdf
Guia referencial de Apoio - Planejamento Escolar 2024.pdf
FLAVIOROBERTOGOUVEA
 
Atividade Dias dos Pais - Meu Pai, Razão da Minha História.
Atividade Dias dos Pais -  Meu Pai, Razão da Minha História.Atividade Dias dos Pais -  Meu Pai, Razão da Minha História.
Atividade Dias dos Pais - Meu Pai, Razão da Minha História.
Mary Alvarenga
 
Relatório de Atividades 2015 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2015 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2015 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2015 CENSIPAM.pdf
Falcão Brasil
 
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdfoficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
marcos oliveira
 
Temática – Projeto para Empreendedores Locais
Temática – Projeto para Empreendedores LocaisTemática – Projeto para Empreendedores Locais
Temática – Projeto para Empreendedores Locais
Colaborar Educacional
 
Licao de adultos Topico 1 CPAD edit.pptx
Licao de adultos Topico 1 CPAD edit.pptxLicao de adultos Topico 1 CPAD edit.pptx
Licao de adultos Topico 1 CPAD edit.pptx
jetroescola
 
Aprendizagem Imersiva: Conceitos e Caminhos
Aprendizagem Imersiva: Conceitos e CaminhosAprendizagem Imersiva: Conceitos e Caminhos
Aprendizagem Imersiva: Conceitos e Caminhos
Leonel Morgado
 
Texto e atividade - O que fazemos com a água que usamos.
Texto e atividade -  O que fazemos com a água que usamos.Texto e atividade -  O que fazemos com a água que usamos.
Texto e atividade - O que fazemos com a água que usamos.
Mary Alvarenga
 
Painel para comemerorar odia dos avós grátis.pdf
Painel  para comemerorar odia dos avós grátis.pdfPainel  para comemerorar odia dos avós grátis.pdf
Painel para comemerorar odia dos avós grátis.pdf
marcos oliveira
 
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UEInfografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Centro Jacques Delors
 
Alfabetização de adultos.pdf
Alfabetização de             adultos.pdfAlfabetização de             adultos.pdf
Alfabetização de adultos.pdf
arodatos81
 
Oficina de bases de dados - Dimensions.pdf
Oficina de bases de dados - Dimensions.pdfOficina de bases de dados - Dimensions.pdf
Oficina de bases de dados - Dimensions.pdf
beathrizalves131
 
Slides Lição 2, CPAD, O Livro de Rute, 3Tr24.pptx
Slides Lição 2, CPAD, O Livro de Rute, 3Tr24.pptxSlides Lição 2, CPAD, O Livro de Rute, 3Tr24.pptx
Slides Lição 2, CPAD, O Livro de Rute, 3Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
A perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptx
A perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptxA perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptx
A perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptx
marcos oliveira
 
TEORIAS UECE.pdf química geral nome de cientistas famosos da química
TEORIAS UECE.pdf química geral nome de cientistas famosos da químicaTEORIAS UECE.pdf química geral nome de cientistas famosos da química
TEORIAS UECE.pdf química geral nome de cientistas famosos da química
VictorEmanoel37
 
Registros da 8ª edição da FECINTEC - AFV
Registros da 8ª edição da FECINTEC - AFVRegistros da 8ª edição da FECINTEC - AFV
Registros da 8ª edição da FECINTEC - AFV
Yan Kayk da Cruz Ferreira
 
Trabalho Colaborativo na educação especial.pdf
Trabalho Colaborativo na educação especial.pdfTrabalho Colaborativo na educação especial.pdf
Trabalho Colaborativo na educação especial.pdf
marcos oliveira
 

Último (20)

Relatório de Atividades 2011 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2011 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2011 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2011 CENSIPAM.pdf
 
RECORDANDO BONS MOMENTOS! _
RECORDANDO BONS MOMENTOS!               _RECORDANDO BONS MOMENTOS!               _
RECORDANDO BONS MOMENTOS! _
 
Caça-palavras e cruzadinha - Encontros consonantais.
Caça-palavras e cruzadinha -  Encontros consonantais.Caça-palavras e cruzadinha -  Encontros consonantais.
Caça-palavras e cruzadinha - Encontros consonantais.
 
Guia referencial de Apoio - Planejamento Escolar 2024.pdf
Guia referencial de Apoio - Planejamento Escolar 2024.pdfGuia referencial de Apoio - Planejamento Escolar 2024.pdf
Guia referencial de Apoio - Planejamento Escolar 2024.pdf
 
Atividade Dias dos Pais - Meu Pai, Razão da Minha História.
Atividade Dias dos Pais -  Meu Pai, Razão da Minha História.Atividade Dias dos Pais -  Meu Pai, Razão da Minha História.
Atividade Dias dos Pais - Meu Pai, Razão da Minha História.
 
Relatório de Atividades 2015 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2015 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2015 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2015 CENSIPAM.pdf
 
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdfoficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
 
Temática – Projeto para Empreendedores Locais
Temática – Projeto para Empreendedores LocaisTemática – Projeto para Empreendedores Locais
Temática – Projeto para Empreendedores Locais
 
Licao de adultos Topico 1 CPAD edit.pptx
Licao de adultos Topico 1 CPAD edit.pptxLicao de adultos Topico 1 CPAD edit.pptx
Licao de adultos Topico 1 CPAD edit.pptx
 
Aprendizagem Imersiva: Conceitos e Caminhos
Aprendizagem Imersiva: Conceitos e CaminhosAprendizagem Imersiva: Conceitos e Caminhos
Aprendizagem Imersiva: Conceitos e Caminhos
 
Texto e atividade - O que fazemos com a água que usamos.
Texto e atividade -  O que fazemos com a água que usamos.Texto e atividade -  O que fazemos com a água que usamos.
Texto e atividade - O que fazemos com a água que usamos.
 
Painel para comemerorar odia dos avós grátis.pdf
Painel  para comemerorar odia dos avós grátis.pdfPainel  para comemerorar odia dos avós grátis.pdf
Painel para comemerorar odia dos avós grátis.pdf
 
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UEInfografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UE
 
Alfabetização de adultos.pdf
Alfabetização de             adultos.pdfAlfabetização de             adultos.pdf
Alfabetização de adultos.pdf
 
Oficina de bases de dados - Dimensions.pdf
Oficina de bases de dados - Dimensions.pdfOficina de bases de dados - Dimensions.pdf
Oficina de bases de dados - Dimensions.pdf
 
Slides Lição 2, CPAD, O Livro de Rute, 3Tr24.pptx
Slides Lição 2, CPAD, O Livro de Rute, 3Tr24.pptxSlides Lição 2, CPAD, O Livro de Rute, 3Tr24.pptx
Slides Lição 2, CPAD, O Livro de Rute, 3Tr24.pptx
 
A perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptx
A perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptxA perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptx
A perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptx
 
TEORIAS UECE.pdf química geral nome de cientistas famosos da química
TEORIAS UECE.pdf química geral nome de cientistas famosos da químicaTEORIAS UECE.pdf química geral nome de cientistas famosos da química
TEORIAS UECE.pdf química geral nome de cientistas famosos da química
 
Registros da 8ª edição da FECINTEC - AFV
Registros da 8ª edição da FECINTEC - AFVRegistros da 8ª edição da FECINTEC - AFV
Registros da 8ª edição da FECINTEC - AFV
 
Trabalho Colaborativo na educação especial.pdf
Trabalho Colaborativo na educação especial.pdfTrabalho Colaborativo na educação especial.pdf
Trabalho Colaborativo na educação especial.pdf
 

Grecia Antiga

  • 2. Localização Limita-se ao norte com a República da Macedônia, com a Bulgária, e com a Albânia, a leste com a Turquia, quer em fronteira terrestre, quer com fronteira marítima no mar Egeu, a sul com o mar Mediterrâneo e a oeste com o mar Jônico, através do qual tem ligação a Itália.
  • 3. Grécia A civilização grega surgiu por volta de 2000 a. C. Formou-se após a migração de tribos nômades de origem indo-européia, como, por exemplo, aqueus, jônios, eólios e dórios. As pólis (cidades-estado), forma que caracteriza a vida política dos gregos, surgiram por volta do século VIII a.C. As duas pólis mais importantes da Grécia foram: Esparta e Atenas.
  • 4. cidades-Estado  A Grécia antiga não era um país, mas uma série de cidades-estado autogovernadas.  Surgem a partir do estabelecimento de famílias reunidas em torno do seu chefe.  Conj. de famílias com ancestral comum  Genos  Ao conj. de clãs se dava o nome de Fratria  Nos casos de guerra, as Fratrias se reuniam formando uma tribo, cujo nome é Filo  O chefe do filo denominava-se Filobasileu  À formação de uma cidade fortificada localizada no alto, deu-se o nome de Acrópole.  Ao crescimento das famílias em torno da Acrópole deu-se o nome de Demos e ao seu conjunto de Pólis  A Pólis se tornou a principal unidade político-administrativa da Grécia Antiga.
  • 5. cidades-Estado Sociedade Espartana A sociedade era estamental e estava composta da seguinte forma: Esparciatas : eram os cidadãos de Esparta. Filhos de mães e pais espartanos, haviam recebido a educação espartana. Esta camada social era composta por políticos, integrantes do exército e ricos proprietários de terras. Apenas eles tinham direitos políticos. Periecos : eram pequenos comerciantes e artesãos. Moravam na periferia da cidade e não possuíam direitos políticos. Não recebiam educação, porém tinham que combater no exército, quando convocados. Eram obrigados a pagar impostos. Hilotas : eram servos. Pagavam pelo uso da terra. Não tinham direitos políticos e, segundo as leis espartanas podiam ser alvos de humilhações, maltratos e massacres. Chegaram a organizar várias revoltas sociais em Esparta, combatidas com extrema violência pelo exército.
  • 6. cidades-Estado Educação Espartana O princípio da educação espartana era formar bons soldados para abastecer o exército da polis. Ao nascer era apresentado a um representante do Estado para verificação da condição física do recém-nascido. Se reprovado, era abandonado a morte. Muito exercício, muita luta entre as crianças e pouca roupa mesmo no inverno para que aprendessem a suportar as mudanças climáticas. Pouca alimentação. Assim, com autorização do Estado, poderiam furtar comida para complementar sua dieta diária, mas se fosse pego era punido. Leitura e escrita era minimamente ensinada. Aos 30 anos entravam para política e só aos 60 encerravam sua vida militar. Para as mulheres, o mesmo padrão de vida, mas com o objetivo de as tornarem forte fisicamente para dar a luz a filhos fortes e sadios completando o ciclo.
  • 7. cidades-Estado Política Espartana Apelá (Assembleia do povo): reunião mensal de todos os cidadãos com 30 anos completos. Escolhem os éforos e anciãos. Reis: a cidade era governada por dois reis que possuíam funções militares e religiosas. Tinham vários privilégios. Gerúsia: formada por vinte e oito gerontes (cidadãos com mais de 60 anos) e os dois reis. Elaboram as leis da cidade que eram votadas pela Assembléia.  Éforos: formado por cinco cidadãos, tinham diversos poderes administrativos, militares, judiciais e políticos. Atuavam na política como se fossem verdadeiros chefes de governo.
  • 8. Atenas “ Em Atenas, todos os cidadãos tinham direitos políticos, mas nem todos habitantes eram cidadãos”.  
  • 10. Educação Ateniense Por volta dos sete anos de idade, o menino ateniense era orientado por um pedagogo. Na escola, os jovens estudavam música, artes plásticas, Filosofia, etc. As atividades físicas também faziam parte da vida escolar, pois os atenienses consideravam de grande importância a manutenção da saúde corporal.  As meninas de Atenas não freqüentavam escolas, pois ficavam aos cuidados da mãe até o casamento.
  • 11. leis O governo dos nobres era opressor e indiferente à sorte do povo. Com o tempo, formou-se uma nova classe social: a dos comerciantes que desejavam participar dos atos de governo. Uniram-se, por isso, aos demais e deram começo a uma série de lutas, visando a melhores condições de vida de toda a população. No século VII a.C., surgiram as primeiras leis escritas, atribuídas a Drácon e que se tornaram famosas pela severidade e rigor. era um passo à frente na conquista dos direitos humanos, embora a maior parte das coisas se mantivessem praticamente no mesmo estado anterior. 
  • 12. Atenas Em 594 a.C., os atenienses elegeram para o Arcontado* um dos "sete sábios da Grécia", Sólon, homem de grande inteligência, que realizou importante reforma no sentido democrático, inspirado no desejo de favorecer os direitos do povo. Arconte  Representante da Assembleia com poderes administrativos, militares e religiosos.
  • 13. tirania As reformas de Sólon originaram descontentamento: os eupátridas se viram prejudicados e o povo achou que devia ter mais direitos. Das lutas aproveitou Pisístrato, jovem endinheirado que, apoiado no partido popular, apoderou-se do governo. Tirano, designava os que se elevavam ao poder por meios irregulares e uso da força. Acabou por ser um período de transição entre a Aristocracia e a Democracia. Sucederam-lhe os filhos Hiparco e Hípias: o primeiro foi morto numa conjuração e o segundo foi obrigado a fugir, por força de uma sublevação de nobres atenienses (510 a.C.).
  • 14. Definições Tirania  é uma forma de governo usada em situações excepcionais na Grécia em alternativa à democracia. Nela o chefe governava com poder ilimitado, embora sem perder de vista que devia representar a vontade do povo. Hoje, entre sociedades democráticas ocidentais, o termo tirania tem conotação negativa. Algumas raízes históricas disto, entretanto, podem estar no fato de os filhos do grande tirano grego Pisístrato (que era adorado pelo povo pois fez a reforma agrária e dava subsídio) terem usufruído do espaço público como se fosse privado, sendo assim, banidos e mortos.
  • 15. Definições Aristocracia  significa, literalmente, poder dos melhores , dos sábios, Família nobre de sangue superior, enfim, daqueles que apresentam superioridade não só intelectual, mas também moral.
  • 16. Definições Democracia  é um regime de governo onde o poder de tomar importantes decisões políticas está com os cidadãos (Povo), direta ou indiretamente, por meio de representantes eleitos — forma mais usual. Uma democracia pode existir num sistema presidencialista ou parlamentarista, republicano ou monárquico.
  • 17. Clístenes (Pai da democracia) Coube, a Clístenes, homem de origem aristocrática, mas de tendências populares a sequência da política de Sólon. Nomeado arconde realizou reformas políticas de grande importância, aboliu a divisão de classes e permitiu que todos os domiciliados em Atenas fossem considerados cidadãos. Para evitar influências de indivíduos que pudessem atentar contra a liberdade instituiu o ostracismo  Voto pessoal e escrito que indicava o nome do cidadão que seria banido. A partir de 503 a.C., data em que tivessem aplicação as reformas de Clístenes, o Estado ateniense passou a ser uma democracia, embora estivesse longe se assemelhar-se as democracias de nosso tempo (havia ainda muita desigualdade, mais do que a existente hoje).     
  • 18. Democracia em atenas Igualdade perante a lei; Meritocracia; “ Democracia Direta”, ou seja, os cidadãos se reuniam e decidiam as questões do governo; Estavam excluídos os Metecos (estrangeiros), escravos e ex-escravos e mulheres!
  • 19. Guerras médicas (492-479 a.c.) Persas = Medas Motivo  expansão grega na ilhas do mar Egeu e na Ásia Menor Dário, Rei dos persas, cobra pesados tributos às colônias; Insatisfeitos, os colonos se revoltam contra os persas; Atenas apóia os colonos Dário declara guerra à Atenas A guerra termina em 479 a. C. com a vitória grega na batalha de Plateia. Historiadores como Heródoto e Tucídides falam que foi a vitória da inteligência sobre a força bruta.
  • 20. Guerras do peloponeso Liga de Delos (Atenas) x Liga do Peloponeso (Esparta) Riqueza x Exércitos Profissionais (431-421 a.C.) 50 Anos de Paz Após 8 anos mais Guerra! 413 a.C derrota Ateniense... 404 a.C Egos-pótamos batalha final e perda definitiva de Atenas. Batalhas  desgaste Economia em cacos Filipe II da Macedônia  batalha de Queronéia (338 a. C) 336 a.C Filipe II é assassinado Assume Alexandre III (O grande?!?!?!?)