SlideShare uma empresa Scribd logo
PRIMEIRASPRIMEIRAS
CIVILIZAÇÕECIVILIZAÇÕE
S –S –
SOCIEDADESSOCIEDADES
AFRICANASAFRICANAS
CIVILIZAÇÃO.
• Seu surgimento é o ponto de partida da análise histórica.
• São agrupamentos humanos que possuíam uma
organização social e cultural mais complexa.
– Abandonaram a vida nômade, a caça e a coleta.
• Tornaram-se Sedentários:
– Características econômicas definidas:
• Criadores e agricultores.
– Capazes de produzir para sua própria sobrevivência.
REVOLUÇÃO AGRÍCOLA.
• Nossos ancestrais deixaram de ser caçadores-pescadores-coletores
e passaram a praticar a agricultura.
– Sedentarização.
• Importância da mulher:
– Foi ela que tinha a tarefa de coleta que manejou o bastão de cavar e a
enxada passando a cultivar as espécies que até então aram apenas
coletadas.
• A quantidade de alimentos produzidos definia a quantidade de
pessoas no grupo.
• Paralelamente ao desenvolvimento da agricultura, também se
desenvolveu a domesticação de animais.
Primeiras civilizações   sociedades africanas da antiguidade
PRIMEIRAS CIVILIZAÇÕES:
Mesopotâmia.
Crescente Fértil.
De acordo com os vestígios arqueológicos e registros históricos as primeiras
civilizações ocupavam as terras que abrangiam partes do Oriente médio e do
nordeste da África.
Primeiras civilizações   sociedades africanas da antiguidade
Mesopotâmia
(de origem grega = entre rios).
• Região da Ásia Ocidental onde surgiram as mais
antigas civilizações (atualmente corresponde ao
Iraque).
• Passou a ser ocupada há 5 mil anos.
• Os agrupamentos humanos se fixaram às
margens dos rios Tigre e Eufrates e aproveitaram
as enchentes.
• Com o tempo implantaram um organizado
sistema de barragens para:
– Conter a força das águas.
– Tirar (mais) proveito dos recursos naturais.
Primeiras civilizações   sociedades africanas da antiguidade
Economia.
• Agrária e pastoril.
– Cultivavam principalmente Cereais (trigo e cevada).
• Comércio.
– Região escassa de recursos naturais (madeira e minérios).
– Estabelecido com outros povos como os egípcios e fenícios.
• Meios de produção estavam sob o controle do Estado e
dos templos.
SOCIEDADE.
• ESTADO: possuía grande parte das
propriedades.
• Produção realizada por camponeses livres ou
escravos.
Elite agrária: camada dominante,
junto com militares, sacerdotes, e o
rei (teocrático).
Camada intermediária: Artesãos,
comerciantes e agricultores livres.
Base da sociedade: escravos,
maioria prisioneiros de guerra.
RELIGIÃO:
• A prática religiosa era politeísta
(acreditavam em vários
deuses);
• Até mesmo as cidades
possuíam deuses particulares,
por isso, construíam grandiosos
templos que serviam também
de bibliotecas, armazéns de
cereais, observatórios
astronômicos, etc.
Pazuzu,demônio assírio da febre, estatueta de bronze do século VII a.C. Dessas figuras
assírio-babilônicas provêm as representações judaico-cristãs do diabo.
Política:
 Dentre os povos que dominaram a Mesopotâmia,
podemos destacar:
 Os Sumérios;
 Os Acádios;
 Os Babilônicos;
 Os Assírios.
• Mesmo dominado por vários povos a organização social
baseava-se geralmente na figura do Rei (considerado um
Deus).
Primeiras civilizações   sociedades africanas da antiguidade
Sumérios
• Primeira civilização da Mesopotâmia
• Cidades Importantes: Uruk, Lagash, Eridu e Nipur
• As cidades tinham autonomia Religiosa, política e
econômica.
• Não existia propriedade privada da terra.
• O Chefe Político denominava-se Patesi.
• Os Sumérios são responsáveis pela forma de escrita
mais antiga que se tem conhecimento (Escrita
Cuneiforme).
Escrita Cuneiforme
Ciência e Legado:
• Desenvolveram a
Matemática: dividiram o
círculo em 360°, utilizavam
equações do 2° grau.
• Foram os pais da Astrologia e
serviram de base para a
Astronomia.
• Foram os responsáveis pela
divisão do ano em 12 meses,
da semana em 7 dias, da hora
em 60 minutos e do minuto
em 60 segundos.
A África é considerada o
grande berço da
humanidade, já que de lá
têm origem nossos
ancestrais mais remotos.
Civilizações da África Antiga
A África possui maisA África possui mais
de 50 países ede 50 países e
centenas de etnias. Acentenas de etnias. A
diversidade culturaldiversidade cultural
é a marca desseé a marca desse
continente.continente.
África subsaariana – Angola, Congo,
Quênia, África do Sul e demais
países do continente.
África do norte – Formado por
Marrocos, Tunísia, Argélia,
Líbia e Egito.
África do norte
Deserto do
Saara
África subsaariana
Deserto do Saara – Maior
deserto do mundo, com mais
de 7 milhões de quilômetros
quadrados). Atravessa dez
países e divide o continente
em duas partes distintas.
As “Duas Áfricas”
A comunicação entre as duas Áfricas só foi possível
porque alguns seres humanos se adaptaram ao
deserto: vida nômade, uso do camelo e localização
dos oásis.
A grande motivação foi o
comércio, mas também
proporcionou grande
intercâmbio cultural.
Tuaregue de grupo nômade da região sudeste da Líbia, no oásis do
lago Umm al Maa.
Os tuaregues são um grupo nômade que mantém suas tradições
nos dias atuais.
As “Duas Áfricas”
O norte da África foi o berço
da civilização egípcia e sua
ocupação ocorreu de
maneira fácil em razão da
proximidade com o mar
Mediterrâneo.
Já a África subsaariana, com
áreas de mata fechada,
pouca fertilidade nos solos e
grande número de doenças
transmitidas por insetos,
teve uma ocupação mais
difícil.
Reinos da África – Séculos VII a.C. - XV d.C
Mercadorias como ouro, prata, ferro e
marfim entravam e saíam de Cartago
através de um grande porto em formato
circular, com espaço para mais de
duzentas embarcações de guerra.
Cidade-Estado fundada
pelos fenícios no século
VIII a.C. na atual região da
Tunísia, foi uma das
maiores potências
militares e comerciais do
Mediterrâneo.
Cartago
No século III a.C., os romanos passaram a disputar a
hegemonia do Mediterrâneo com os cartagineses, o que
culminou em diversos conflitos travados entre 246 a.C. e 146
a.C., as Guerras Púnicas. Com a vitória de Roma, Cartago foi
destruída, anexada ao Império Romano e os sobreviventes
tornaram-se escravos.
Cartago
Os noks cultivavam produtos como
inhame, abóbora, dendê e sorgo;
dominavam a metalurgia do ferro, que
usavam para produzir utensílios e
adornos; e confeccionavam esculturas
em terracota.
Por volta do século IX a.C. a civilização
nok começou a se formar, ocupando
áreas onde atualmente se encontram
países como Nigéria, Níger, Mali e Costa
do Marfim.
A Civilização Nok
A civilização nok desapareceu por volta de 200 d.C., e alguns
historiadores acreditam que ela tenha sido a precursora da
cultura iorubá, que se desenvolveu na mesma região séculos
A Civilização Nok
A Núbia era uma região desértica cortada pelo Rio
Nilo, localizada entre a 1ª e a 6ª catarata desse rio,
ao sul do Egito e a norte do atual Sudão.
Na Antiguidade, foi onde floresceu a mais antiga
civilização negra da África.
Por volta do século IX a.C., se instalou na região
um Estado centralizado, o Reino de Kush, que
recebia influências do Egito, desde a escrita
hieroglífica à organização social e política. Napata
e Meroé foram as principais cidades núbias.
O Reino de Kush
Por volta de 770 a.C., os cuxitas
dominaram o Egito, fundando a dinastia
dos faraós negros.
O Reino de Kush
Os faraós cuxitas tinham o costume de usar uma coroa com duas
serpentes, que simbolizava o poder sobre dois reinos: Egito e Kush.
Quando, em 657 a.C., o Egito foi
invadido pelos assírios, os cuxitas
foram obrigados a retornar para
Napata que, por sua vez, foi invadida
também pelos assírios, em 591 a.C.,
o que obrigou o Reino de Kush a se
concentrar em Meroé, construindo
uma nova fase da história cuxita,
mais isolados do Egito, o período
meroítico.
O Reino de Kush
Meroé também era um importante centro comercial e, em pouco tempo, se tornou
um grande centro produtor de objetos de ferro do continente africano.
Nesse período, os cuxitas desenvolveram escrita própria, a meroíta, formada de 23
caracteres, escritos da esquerda para a direita, com as palavras separadas entre si
por dois ou três pontos.
O Reino de Kush começou a entrar em decadência nos primeiros séculos da Era Cristã,
segundo os historiadores, por problemas causados pelo corte indiscriminado de árvores para
alimentar os fornos de fundição de ferro.
No século IV a.C., o território de Kush foi invadido e conquistado pelo Reino de Axum.
O Reino de Kush
O intenso comércio na região possibilitou que a população local entrasse em contato
com a escrita e que suas aldeias se desenvolvessem e se tornassem cidades, dentre
as quais podemos destacar Axum e Adúlis.
Os primeiros habitantes que chegaram à
região (hoje ocupada por países como
Somália, Etiópia, Eritreia e Djibuti)
vieram do sul da península Arábica, por
volta do século VII a.C.
A Civilização de Axum
A rica atividade comercial axumita possibilitou que sua
civilização se expandisse, dominando territórios da península
Arábica e do Reino de Kush, além de outras áreas vizinhas.
No século II a.C., Adúlis tinha um dos portos mais movimentados
do mar Vermelho, enquanto Axum, localizada no interior, se
consolidava como um importante centro comercial.
A Civilização de Axum
Até a metade do século IV, a população axumita era politeísta,
porém, com a conversão do rei Ezana ao cristianismo, o Reino
de Axum se tornou o primeiro reino cristão do continente
africano – ainda hoje a Etiópia é um país cristão.
O território de Axum foi
invadido e dominado pelos
muçulmanos no século VII.
Campo de estelas, monumentos religiosos ou
funerários, na cidade de Axum, atual Etiópia. Na
entrada do campo está a estela do rei Ezana
(centro), primeiro rei a se converter ao
cristianismo (cerca do ano 300 da Era Cristã).
A Civilização de Axum
Diz a lenda que ela teria ouvido
falar na sabedoria de Salomão,
rei de Judá, e feito uma viagem
até Jerusalém para conhecê-lo.
Da união dos dois teria nascido
Menelik e tido início uma
dinastia de reis etíopes que
governou até o século XX.
O Reino de Axum guarda uma das mais ricas histórias do continente
africano: a de Makeda, a rainha de Sabá. Famosa por sua beleza, a
rainha teria sido uma das governantes dos axumitas.
Afresco (pintura mural) etíope representando a viagem da
rainha de Sabá para encontrar o rei Salomão em Jerusalém.
A Rainha de Sabá

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Slide reinos africanos
Slide reinos africanosSlide reinos africanos
Slide reinos africanos
Isabel Aguiar
 
Crescente fértil
Crescente fértilCrescente fértil
Crescente fértil
Murilo Benevides
 
A Escravidão no Brasil colonial
A Escravidão no Brasil colonialA Escravidão no Brasil colonial
A Escravidão no Brasil colonial
Alex Ferreira dos Santos
 
Egito Antigo
Egito AntigoEgito Antigo
Egito Antigo
Douglas Barraqui
 
1° ano - E.M. - Primeiras civilizações
1° ano - E.M. - Primeiras civilizações1° ano - E.M. - Primeiras civilizações
1° ano - E.M. - Primeiras civilizações
Daniel Alves Bronstrup
 
Astecas, maias e incas
Astecas, maias e incasAstecas, maias e incas
Astecas, maias e incas
Maria Gomes
 
A origem do homem
A origem do homemA origem do homem
A origem do homem
Janayna Lira
 
África Medieval - 7º Ano (2017)
África Medieval - 7º Ano (2017)África Medieval - 7º Ano (2017)
África Medieval - 7º Ano (2017)
Nefer19
 
1° ano E.M. - Antigo Egito
1° ano E.M. -  Antigo Egito1° ano E.M. -  Antigo Egito
1° ano E.M. - Antigo Egito
Daniel Alves Bronstrup
 
Aula períodos da pré história
Aula períodos da pré históriaAula períodos da pré história
Aula períodos da pré história
Bruno Machado
 
Povos pré colombianos
Povos pré colombianosPovos pré colombianos
Povos pré colombianos
Nila Michele Bastos Santos
 
História Cultural dos Povos Africanos
História Cultural dos Povos AfricanosHistória Cultural dos Povos Africanos
História Cultural dos Povos Africanos
Isaquel Silva
 
Aula 3 primeiros habitantes do brasil
Aula 3 primeiros habitantes do brasilAula 3 primeiros habitantes do brasil
Aula 3 primeiros habitantes do brasil
Dalton Lopes Reis Jr.
 
Origem do homem americano
Origem do homem americanoOrigem do homem americano
Origem do homem americano
Fabiana Tonsis
 
Conquista e colonização da América
Conquista e colonização da AméricaConquista e colonização da América
Conquista e colonização da América
Elton Zanoni
 
Pré História - Ensino Médio
Pré História - Ensino MédioPré História - Ensino Médio
Pré História - Ensino Médio
Diego Bian Filo Moreira
 
Egito slide
Egito slideEgito slide
Egito slide
Isabel Aguiar
 
Resumo china e índia
Resumo   china e índiaResumo   china e índia
Resumo china e índia
Claudenilson da Silva
 
O ser humano chega a america
O ser humano chega a america O ser humano chega a america
O ser humano chega a america
edna2
 
Civilizações da África Antiga
Civilizações da África AntigaCivilizações da África Antiga
Civilizações da África Antiga
Fábio Paiva
 

Mais procurados (20)

Slide reinos africanos
Slide reinos africanosSlide reinos africanos
Slide reinos africanos
 
Crescente fértil
Crescente fértilCrescente fértil
Crescente fértil
 
A Escravidão no Brasil colonial
A Escravidão no Brasil colonialA Escravidão no Brasil colonial
A Escravidão no Brasil colonial
 
Egito Antigo
Egito AntigoEgito Antigo
Egito Antigo
 
1° ano - E.M. - Primeiras civilizações
1° ano - E.M. - Primeiras civilizações1° ano - E.M. - Primeiras civilizações
1° ano - E.M. - Primeiras civilizações
 
Astecas, maias e incas
Astecas, maias e incasAstecas, maias e incas
Astecas, maias e incas
 
A origem do homem
A origem do homemA origem do homem
A origem do homem
 
África Medieval - 7º Ano (2017)
África Medieval - 7º Ano (2017)África Medieval - 7º Ano (2017)
África Medieval - 7º Ano (2017)
 
1° ano E.M. - Antigo Egito
1° ano E.M. -  Antigo Egito1° ano E.M. -  Antigo Egito
1° ano E.M. - Antigo Egito
 
Aula períodos da pré história
Aula períodos da pré históriaAula períodos da pré história
Aula períodos da pré história
 
Povos pré colombianos
Povos pré colombianosPovos pré colombianos
Povos pré colombianos
 
História Cultural dos Povos Africanos
História Cultural dos Povos AfricanosHistória Cultural dos Povos Africanos
História Cultural dos Povos Africanos
 
Aula 3 primeiros habitantes do brasil
Aula 3 primeiros habitantes do brasilAula 3 primeiros habitantes do brasil
Aula 3 primeiros habitantes do brasil
 
Origem do homem americano
Origem do homem americanoOrigem do homem americano
Origem do homem americano
 
Conquista e colonização da América
Conquista e colonização da AméricaConquista e colonização da América
Conquista e colonização da América
 
Pré História - Ensino Médio
Pré História - Ensino MédioPré História - Ensino Médio
Pré História - Ensino Médio
 
Egito slide
Egito slideEgito slide
Egito slide
 
Resumo china e índia
Resumo   china e índiaResumo   china e índia
Resumo china e índia
 
O ser humano chega a america
O ser humano chega a america O ser humano chega a america
O ser humano chega a america
 
Civilizações da África Antiga
Civilizações da África AntigaCivilizações da África Antiga
Civilizações da África Antiga
 

Semelhante a Primeiras civilizações sociedades africanas da antiguidade

civilizaçõesdafricaantiga-140727073641-phpapp01.ppt
civilizaçõesdafricaantiga-140727073641-phpapp01.pptcivilizaçõesdafricaantiga-140727073641-phpapp01.ppt
civilizaçõesdafricaantiga-140727073641-phpapp01.ppt
EDNEIDEMARCIASILVA
 
áFrica contexto histórico-social e aspectos gerais da atualidade
áFrica   contexto histórico-social e aspectos gerais da atualidadeáFrica   contexto histórico-social e aspectos gerais da atualidade
áFrica contexto histórico-social e aspectos gerais da atualidade
Uiles Martins
 
Africa antiga
Africa antigaAfrica antiga
Africa antiga
Alexandre Heleno
 
6º Aula Africa_Antiga os primeiros grupos
6º Aula Africa_Antiga os primeiros grupos6º Aula Africa_Antiga os primeiros grupos
6º Aula Africa_Antiga os primeiros grupos
andresycosta
 
África organização dos povos.pptx
África organização dos povos.pptxÁfrica organização dos povos.pptx
África organização dos povos.pptx
MaraMagana2
 
Apostila de-historia-antiga-oriental
Apostila de-historia-antiga-orientalApostila de-historia-antiga-oriental
Apostila de-historia-antiga-oriental
Jemuel Araújo da Silva
 
Povos mesopotamico
Povos mesopotamicoPovos mesopotamico
Povos mesopotamico
victor medeiros
 
Cidades, passado e presente
Cidades, passado e presenteCidades, passado e presente
Cidades, passado e presente
Juliana Zalamena
 
Povos da mesopotâmia
Povos da mesopotâmiaPovos da mesopotâmia
Povos da mesopotâmia
Lucas Reis
 
História de portugal2
História de portugal2História de portugal2
História de portugal2
JWM V.
 
O reino de kush
O reino de kushO reino de kush
O reino de kush
Nelia Salles Nantes
 
Pré-História, História Antiga
Pré-História, História AntigaPré-História, História Antiga
Pré-História, História Antiga
Marinete Santos
 
1ano-mesopotmia-140310223340-phpapp02.pptx
1ano-mesopotmia-140310223340-phpapp02.pptx1ano-mesopotmia-140310223340-phpapp02.pptx
1ano-mesopotmia-140310223340-phpapp02.pptx
RobsonCamposdeAbreu
 
A áfrica dos grandes reinos e impérios
A áfrica dos grandes reinos e impériosA áfrica dos grandes reinos e impérios
A áfrica dos grandes reinos e impérios
escola estadual de ensino fundamental e médio pedro poti
 
Mesopotmiaslideshare 110316160606-phpapp02
Mesopotmiaslideshare 110316160606-phpapp02Mesopotmiaslideshare 110316160606-phpapp02
Mesopotmiaslideshare 110316160606-phpapp02
Soraya Gomes
 
1. Pre-Historia - Invasoes Barbaras
1. Pre-Historia - Invasoes Barbaras1. Pre-Historia - Invasoes Barbaras
1. Pre-Historia - Invasoes Barbaras
Alexandre Protásio
 
A mesopotâmia
A mesopotâmiaA mesopotâmia
A mesopotâmia
historiando
 
Antiguidade oriental em
Antiguidade oriental  emAntiguidade oriental  em
Antiguidade oriental em
Adriana Gomes Messias
 
As civilizações da mesopotâmia
As civilizações da mesopotâmiaAs civilizações da mesopotâmia
As civilizações da mesopotâmia
Junior Silva
 

Semelhante a Primeiras civilizações sociedades africanas da antiguidade (20)

civilizaçõesdafricaantiga-140727073641-phpapp01.ppt
civilizaçõesdafricaantiga-140727073641-phpapp01.pptcivilizaçõesdafricaantiga-140727073641-phpapp01.ppt
civilizaçõesdafricaantiga-140727073641-phpapp01.ppt
 
áFrica contexto histórico-social e aspectos gerais da atualidade
áFrica   contexto histórico-social e aspectos gerais da atualidadeáFrica   contexto histórico-social e aspectos gerais da atualidade
áFrica contexto histórico-social e aspectos gerais da atualidade
 
Africa antiga
Africa antigaAfrica antiga
Africa antiga
 
6º Aula Africa_Antiga os primeiros grupos
6º Aula Africa_Antiga os primeiros grupos6º Aula Africa_Antiga os primeiros grupos
6º Aula Africa_Antiga os primeiros grupos
 
África organização dos povos.pptx
África organização dos povos.pptxÁfrica organização dos povos.pptx
África organização dos povos.pptx
 
Apostila de-historia-antiga-oriental
Apostila de-historia-antiga-orientalApostila de-historia-antiga-oriental
Apostila de-historia-antiga-oriental
 
Povos mesopotamico
Povos mesopotamicoPovos mesopotamico
Povos mesopotamico
 
Cidades, passado e presente
Cidades, passado e presenteCidades, passado e presente
Cidades, passado e presente
 
Povos da mesopotâmia
Povos da mesopotâmiaPovos da mesopotâmia
Povos da mesopotâmia
 
História de portugal2
História de portugal2História de portugal2
História de portugal2
 
O reino de kush
O reino de kushO reino de kush
O reino de kush
 
Pré-História, História Antiga
Pré-História, História AntigaPré-História, História Antiga
Pré-História, História Antiga
 
1ano-mesopotmia-140310223340-phpapp02.pptx
1ano-mesopotmia-140310223340-phpapp02.pptx1ano-mesopotmia-140310223340-phpapp02.pptx
1ano-mesopotmia-140310223340-phpapp02.pptx
 
A áfrica dos grandes reinos e impérios
A áfrica dos grandes reinos e impériosA áfrica dos grandes reinos e impérios
A áfrica dos grandes reinos e impérios
 
Antiguidade oriental
Antiguidade orientalAntiguidade oriental
Antiguidade oriental
 
Mesopotmiaslideshare 110316160606-phpapp02
Mesopotmiaslideshare 110316160606-phpapp02Mesopotmiaslideshare 110316160606-phpapp02
Mesopotmiaslideshare 110316160606-phpapp02
 
1. Pre-Historia - Invasoes Barbaras
1. Pre-Historia - Invasoes Barbaras1. Pre-Historia - Invasoes Barbaras
1. Pre-Historia - Invasoes Barbaras
 
A mesopotâmia
A mesopotâmiaA mesopotâmia
A mesopotâmia
 
Antiguidade oriental em
Antiguidade oriental  emAntiguidade oriental  em
Antiguidade oriental em
 
As civilizações da mesopotâmia
As civilizações da mesopotâmiaAs civilizações da mesopotâmia
As civilizações da mesopotâmia
 

Mais de seixasmarianas

Aula regimes totalitários
Aula regimes totalitáriosAula regimes totalitários
Aula regimes totalitários
seixasmarianas
 
Discussão Iconográfica da Independência do Brasil
Discussão Iconográfica da Independência do BrasilDiscussão Iconográfica da Independência do Brasil
Discussão Iconográfica da Independência do Brasil
seixasmarianas
 
Aula Revolução Francesa 2
Aula Revolução Francesa   2Aula Revolução Francesa   2
Aula Revolução Francesa 2
seixasmarianas
 
Origens do homo sapiens e primeiras civilizações
Origens do homo sapiens e primeiras civilizaçõesOrigens do homo sapiens e primeiras civilizações
Origens do homo sapiens e primeiras civilizações
seixasmarianas
 
Reforma Protestante
Reforma ProtestanteReforma Protestante
Reforma Protestante
seixasmarianas
 
Grécia e Roma - Informações Básicas
Grécia e Roma - Informações BásicasGrécia e Roma - Informações Básicas
Grécia e Roma - Informações Básicas
seixasmarianas
 
Aula II Guerra Mundial
Aula II Guerra MundialAula II Guerra Mundial
Aula II Guerra Mundial
seixasmarianas
 
Formação das Cidades Coloniais
Formação das Cidades ColoniaisFormação das Cidades Coloniais
Formação das Cidades Coloniais
seixasmarianas
 
Independência e Independências
Independência e IndependênciasIndependência e Independências
Independência e Independências
seixasmarianas
 
A Era Vargas (1930 1945)
A Era Vargas (1930 1945)A Era Vargas (1930 1945)
A Era Vargas (1930 1945)
seixasmarianas
 
Aula família real portuguesa no brasil
Aula família real portuguesa no brasilAula família real portuguesa no brasil
Aula família real portuguesa no brasil
seixasmarianas
 
A Crise da República Velha
A Crise da República VelhaA Crise da República Velha
A Crise da República Velha
seixasmarianas
 
Semana de arte moderna 1922
Semana de arte moderna 1922Semana de arte moderna 1922
Semana de arte moderna 1922
seixasmarianas
 
I Guerra Mundial - aula 1
I Guerra Mundial -  aula 1I Guerra Mundial -  aula 1
I Guerra Mundial - aula 1
seixasmarianas
 
Crise do Feudalismo - Séc. XIV
Crise do Feudalismo - Séc. XIVCrise do Feudalismo - Séc. XIV
Crise do Feudalismo - Séc. XIV
seixasmarianas
 
Era Napoleônica e Congresso de Viena
Era Napoleônica e Congresso de VienaEra Napoleônica e Congresso de Viena
Era Napoleônica e Congresso de Viena
seixasmarianas
 
Revolução Industrial
Revolução IndustrialRevolução Industrial
Revolução Industrial
seixasmarianas
 
A Formação do Islamismo e do Mundo Árabe
A Formação do Islamismo e do Mundo ÁrabeA Formação do Islamismo e do Mundo Árabe
A Formação do Islamismo e do Mundo Árabe
seixasmarianas
 
Aula Revolta da Chibata
Aula Revolta da ChibataAula Revolta da Chibata
Aula Revolta da Chibata
seixasmarianas
 
Revolta da Vacina
Revolta da VacinaRevolta da Vacina
Revolta da Vacina
seixasmarianas
 

Mais de seixasmarianas (20)

Aula regimes totalitários
Aula regimes totalitáriosAula regimes totalitários
Aula regimes totalitários
 
Discussão Iconográfica da Independência do Brasil
Discussão Iconográfica da Independência do BrasilDiscussão Iconográfica da Independência do Brasil
Discussão Iconográfica da Independência do Brasil
 
Aula Revolução Francesa 2
Aula Revolução Francesa   2Aula Revolução Francesa   2
Aula Revolução Francesa 2
 
Origens do homo sapiens e primeiras civilizações
Origens do homo sapiens e primeiras civilizaçõesOrigens do homo sapiens e primeiras civilizações
Origens do homo sapiens e primeiras civilizações
 
Reforma Protestante
Reforma ProtestanteReforma Protestante
Reforma Protestante
 
Grécia e Roma - Informações Básicas
Grécia e Roma - Informações BásicasGrécia e Roma - Informações Básicas
Grécia e Roma - Informações Básicas
 
Aula II Guerra Mundial
Aula II Guerra MundialAula II Guerra Mundial
Aula II Guerra Mundial
 
Formação das Cidades Coloniais
Formação das Cidades ColoniaisFormação das Cidades Coloniais
Formação das Cidades Coloniais
 
Independência e Independências
Independência e IndependênciasIndependência e Independências
Independência e Independências
 
A Era Vargas (1930 1945)
A Era Vargas (1930 1945)A Era Vargas (1930 1945)
A Era Vargas (1930 1945)
 
Aula família real portuguesa no brasil
Aula família real portuguesa no brasilAula família real portuguesa no brasil
Aula família real portuguesa no brasil
 
A Crise da República Velha
A Crise da República VelhaA Crise da República Velha
A Crise da República Velha
 
Semana de arte moderna 1922
Semana de arte moderna 1922Semana de arte moderna 1922
Semana de arte moderna 1922
 
I Guerra Mundial - aula 1
I Guerra Mundial -  aula 1I Guerra Mundial -  aula 1
I Guerra Mundial - aula 1
 
Crise do Feudalismo - Séc. XIV
Crise do Feudalismo - Séc. XIVCrise do Feudalismo - Séc. XIV
Crise do Feudalismo - Séc. XIV
 
Era Napoleônica e Congresso de Viena
Era Napoleônica e Congresso de VienaEra Napoleônica e Congresso de Viena
Era Napoleônica e Congresso de Viena
 
Revolução Industrial
Revolução IndustrialRevolução Industrial
Revolução Industrial
 
A Formação do Islamismo e do Mundo Árabe
A Formação do Islamismo e do Mundo ÁrabeA Formação do Islamismo e do Mundo Árabe
A Formação do Islamismo e do Mundo Árabe
 
Aula Revolta da Chibata
Aula Revolta da ChibataAula Revolta da Chibata
Aula Revolta da Chibata
 
Revolta da Vacina
Revolta da VacinaRevolta da Vacina
Revolta da Vacina
 

Último

Apostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdf
Apostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdfApostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdf
Apostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdf
pattyhsilva271204
 
Relatório de Atividades 2011 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2011 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2011 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2011 CENSIPAM.pdf
Falcão Brasil
 
Slides Lição 2, CPAD, O Livro de Rute, 3Tr24.pptx
Slides Lição 2, CPAD, O Livro de Rute, 3Tr24.pptxSlides Lição 2, CPAD, O Livro de Rute, 3Tr24.pptx
Slides Lição 2, CPAD, O Livro de Rute, 3Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Licao de adultos Topico 1 CPAD edit.pptx
Licao de adultos Topico 1 CPAD edit.pptxLicao de adultos Topico 1 CPAD edit.pptx
Licao de adultos Topico 1 CPAD edit.pptx
jetroescola
 
CALENDÁRIO GRADUAÇÃO 2024-07ddddd-04 (1).pdf
CALENDÁRIO GRADUAÇÃO 2024-07ddddd-04 (1).pdfCALENDÁRIO GRADUAÇÃO 2024-07ddddd-04 (1).pdf
CALENDÁRIO GRADUAÇÃO 2024-07ddddd-04 (1).pdf
CristviaFerreira
 
Ideais do Ministério jovem Adventista pdf
Ideais do Ministério jovem Adventista pdfIdeais do Ministério jovem Adventista pdf
Ideais do Ministério jovem Adventista pdf
Anesio2
 
Oficina de bases de dados - Dimensions.pdf
Oficina de bases de dados - Dimensions.pdfOficina de bases de dados - Dimensions.pdf
Oficina de bases de dados - Dimensions.pdf
beathrizalves131
 
Relatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdf
Falcão Brasil
 
Relatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdf
Falcão Brasil
 
Temática – Projeto para Empreendedores Locais
Temática – Projeto para Empreendedores LocaisTemática – Projeto para Empreendedores Locais
Temática – Projeto para Empreendedores Locais
Colaborar Educacional
 
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
Sandra Pratas
 
NR-12-Treinamento-Maquinas-Rotativas.ppt
NR-12-Treinamento-Maquinas-Rotativas.pptNR-12-Treinamento-Maquinas-Rotativas.ppt
NR-12-Treinamento-Maquinas-Rotativas.ppt
Vanessa F. Rezende
 
escrita criativa utilizada na arteterapia
escrita criativa   utilizada na arteterapiaescrita criativa   utilizada na arteterapia
escrita criativa utilizada na arteterapia
shirleisousa9166
 
Painel para comemerorar odia dos avós grátis.pdf
Painel  para comemerorar odia dos avós grátis.pdfPainel  para comemerorar odia dos avós grátis.pdf
Painel para comemerorar odia dos avós grátis.pdf
marcos oliveira
 
Resolução do Exame de Biologia UEM - 2008.
Resolução do Exame de Biologia UEM - 2008.Resolução do Exame de Biologia UEM - 2008.
Resolução do Exame de Biologia UEM - 2008.
mozalgebrista
 
Caça - palavras e cruzadinha com dígrafos
Caça - palavras  e cruzadinha   com  dígrafosCaça - palavras  e cruzadinha   com  dígrafos
Caça - palavras e cruzadinha com dígrafos
Mary Alvarenga
 
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
Espanhol Online
 

Último (20)

Apostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdf
Apostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdfApostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdf
Apostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdf
 
Relatório de Atividades 2011 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2011 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2011 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2011 CENSIPAM.pdf
 
Slides Lição 2, CPAD, O Livro de Rute, 3Tr24.pptx
Slides Lição 2, CPAD, O Livro de Rute, 3Tr24.pptxSlides Lição 2, CPAD, O Livro de Rute, 3Tr24.pptx
Slides Lição 2, CPAD, O Livro de Rute, 3Tr24.pptx
 
Licao de adultos Topico 1 CPAD edit.pptx
Licao de adultos Topico 1 CPAD edit.pptxLicao de adultos Topico 1 CPAD edit.pptx
Licao de adultos Topico 1 CPAD edit.pptx
 
CALENDÁRIO GRADUAÇÃO 2024-07ddddd-04 (1).pdf
CALENDÁRIO GRADUAÇÃO 2024-07ddddd-04 (1).pdfCALENDÁRIO GRADUAÇÃO 2024-07ddddd-04 (1).pdf
CALENDÁRIO GRADUAÇÃO 2024-07ddddd-04 (1).pdf
 
Ideais do Ministério jovem Adventista pdf
Ideais do Ministério jovem Adventista pdfIdeais do Ministério jovem Adventista pdf
Ideais do Ministério jovem Adventista pdf
 
Oficina de bases de dados - Dimensions.pdf
Oficina de bases de dados - Dimensions.pdfOficina de bases de dados - Dimensions.pdf
Oficina de bases de dados - Dimensions.pdf
 
TALENTOS DA NOSSA ESCOLA .
TALENTOS DA NOSSA ESCOLA                .TALENTOS DA NOSSA ESCOLA                .
TALENTOS DA NOSSA ESCOLA .
 
Relatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdf
 
Relatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdf
 
RECORDANDO BONS MOMENTOS! _
RECORDANDO BONS MOMENTOS!               _RECORDANDO BONS MOMENTOS!               _
RECORDANDO BONS MOMENTOS! _
 
Temática – Projeto para Empreendedores Locais
Temática – Projeto para Empreendedores LocaisTemática – Projeto para Empreendedores Locais
Temática – Projeto para Empreendedores Locais
 
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
 
NR-12-Treinamento-Maquinas-Rotativas.ppt
NR-12-Treinamento-Maquinas-Rotativas.pptNR-12-Treinamento-Maquinas-Rotativas.ppt
NR-12-Treinamento-Maquinas-Rotativas.ppt
 
escrita criativa utilizada na arteterapia
escrita criativa   utilizada na arteterapiaescrita criativa   utilizada na arteterapia
escrita criativa utilizada na arteterapia
 
Painel para comemerorar odia dos avós grátis.pdf
Painel  para comemerorar odia dos avós grátis.pdfPainel  para comemerorar odia dos avós grátis.pdf
Painel para comemerorar odia dos avós grátis.pdf
 
Resolução do Exame de Biologia UEM - 2008.
Resolução do Exame de Biologia UEM - 2008.Resolução do Exame de Biologia UEM - 2008.
Resolução do Exame de Biologia UEM - 2008.
 
FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO .
FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO                .FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO                .
FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO .
 
Caça - palavras e cruzadinha com dígrafos
Caça - palavras  e cruzadinha   com  dígrafosCaça - palavras  e cruzadinha   com  dígrafos
Caça - palavras e cruzadinha com dígrafos
 
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
 

Primeiras civilizações sociedades africanas da antiguidade

  • 2. CIVILIZAÇÃO. • Seu surgimento é o ponto de partida da análise histórica. • São agrupamentos humanos que possuíam uma organização social e cultural mais complexa. – Abandonaram a vida nômade, a caça e a coleta. • Tornaram-se Sedentários: – Características econômicas definidas: • Criadores e agricultores. – Capazes de produzir para sua própria sobrevivência.
  • 3. REVOLUÇÃO AGRÍCOLA. • Nossos ancestrais deixaram de ser caçadores-pescadores-coletores e passaram a praticar a agricultura. – Sedentarização. • Importância da mulher: – Foi ela que tinha a tarefa de coleta que manejou o bastão de cavar e a enxada passando a cultivar as espécies que até então aram apenas coletadas. • A quantidade de alimentos produzidos definia a quantidade de pessoas no grupo. • Paralelamente ao desenvolvimento da agricultura, também se desenvolveu a domesticação de animais.
  • 6. Crescente Fértil. De acordo com os vestígios arqueológicos e registros históricos as primeiras civilizações ocupavam as terras que abrangiam partes do Oriente médio e do nordeste da África.
  • 8. Mesopotâmia (de origem grega = entre rios). • Região da Ásia Ocidental onde surgiram as mais antigas civilizações (atualmente corresponde ao Iraque). • Passou a ser ocupada há 5 mil anos. • Os agrupamentos humanos se fixaram às margens dos rios Tigre e Eufrates e aproveitaram as enchentes. • Com o tempo implantaram um organizado sistema de barragens para: – Conter a força das águas. – Tirar (mais) proveito dos recursos naturais.
  • 10. Economia. • Agrária e pastoril. – Cultivavam principalmente Cereais (trigo e cevada). • Comércio. – Região escassa de recursos naturais (madeira e minérios). – Estabelecido com outros povos como os egípcios e fenícios. • Meios de produção estavam sob o controle do Estado e dos templos.
  • 11. SOCIEDADE. • ESTADO: possuía grande parte das propriedades. • Produção realizada por camponeses livres ou escravos. Elite agrária: camada dominante, junto com militares, sacerdotes, e o rei (teocrático). Camada intermediária: Artesãos, comerciantes e agricultores livres. Base da sociedade: escravos, maioria prisioneiros de guerra.
  • 12. RELIGIÃO: • A prática religiosa era politeísta (acreditavam em vários deuses); • Até mesmo as cidades possuíam deuses particulares, por isso, construíam grandiosos templos que serviam também de bibliotecas, armazéns de cereais, observatórios astronômicos, etc. Pazuzu,demônio assírio da febre, estatueta de bronze do século VII a.C. Dessas figuras assírio-babilônicas provêm as representações judaico-cristãs do diabo.
  • 13. Política:  Dentre os povos que dominaram a Mesopotâmia, podemos destacar:  Os Sumérios;  Os Acádios;  Os Babilônicos;  Os Assírios. • Mesmo dominado por vários povos a organização social baseava-se geralmente na figura do Rei (considerado um Deus).
  • 15. Sumérios • Primeira civilização da Mesopotâmia • Cidades Importantes: Uruk, Lagash, Eridu e Nipur • As cidades tinham autonomia Religiosa, política e econômica. • Não existia propriedade privada da terra. • O Chefe Político denominava-se Patesi. • Os Sumérios são responsáveis pela forma de escrita mais antiga que se tem conhecimento (Escrita Cuneiforme).
  • 17. Ciência e Legado: • Desenvolveram a Matemática: dividiram o círculo em 360°, utilizavam equações do 2° grau. • Foram os pais da Astrologia e serviram de base para a Astronomia. • Foram os responsáveis pela divisão do ano em 12 meses, da semana em 7 dias, da hora em 60 minutos e do minuto em 60 segundos.
  • 18. A África é considerada o grande berço da humanidade, já que de lá têm origem nossos ancestrais mais remotos. Civilizações da África Antiga
  • 19. A África possui maisA África possui mais de 50 países ede 50 países e centenas de etnias. Acentenas de etnias. A diversidade culturaldiversidade cultural é a marca desseé a marca desse continente.continente.
  • 20. África subsaariana – Angola, Congo, Quênia, África do Sul e demais países do continente. África do norte – Formado por Marrocos, Tunísia, Argélia, Líbia e Egito. África do norte Deserto do Saara África subsaariana Deserto do Saara – Maior deserto do mundo, com mais de 7 milhões de quilômetros quadrados). Atravessa dez países e divide o continente em duas partes distintas. As “Duas Áfricas”
  • 21. A comunicação entre as duas Áfricas só foi possível porque alguns seres humanos se adaptaram ao deserto: vida nômade, uso do camelo e localização dos oásis. A grande motivação foi o comércio, mas também proporcionou grande intercâmbio cultural. Tuaregue de grupo nômade da região sudeste da Líbia, no oásis do lago Umm al Maa. Os tuaregues são um grupo nômade que mantém suas tradições nos dias atuais. As “Duas Áfricas”
  • 22. O norte da África foi o berço da civilização egípcia e sua ocupação ocorreu de maneira fácil em razão da proximidade com o mar Mediterrâneo. Já a África subsaariana, com áreas de mata fechada, pouca fertilidade nos solos e grande número de doenças transmitidas por insetos, teve uma ocupação mais difícil. Reinos da África – Séculos VII a.C. - XV d.C
  • 23. Mercadorias como ouro, prata, ferro e marfim entravam e saíam de Cartago através de um grande porto em formato circular, com espaço para mais de duzentas embarcações de guerra. Cidade-Estado fundada pelos fenícios no século VIII a.C. na atual região da Tunísia, foi uma das maiores potências militares e comerciais do Mediterrâneo. Cartago
  • 24. No século III a.C., os romanos passaram a disputar a hegemonia do Mediterrâneo com os cartagineses, o que culminou em diversos conflitos travados entre 246 a.C. e 146 a.C., as Guerras Púnicas. Com a vitória de Roma, Cartago foi destruída, anexada ao Império Romano e os sobreviventes tornaram-se escravos. Cartago
  • 25. Os noks cultivavam produtos como inhame, abóbora, dendê e sorgo; dominavam a metalurgia do ferro, que usavam para produzir utensílios e adornos; e confeccionavam esculturas em terracota. Por volta do século IX a.C. a civilização nok começou a se formar, ocupando áreas onde atualmente se encontram países como Nigéria, Níger, Mali e Costa do Marfim. A Civilização Nok
  • 26. A civilização nok desapareceu por volta de 200 d.C., e alguns historiadores acreditam que ela tenha sido a precursora da cultura iorubá, que se desenvolveu na mesma região séculos A Civilização Nok
  • 27. A Núbia era uma região desértica cortada pelo Rio Nilo, localizada entre a 1ª e a 6ª catarata desse rio, ao sul do Egito e a norte do atual Sudão. Na Antiguidade, foi onde floresceu a mais antiga civilização negra da África. Por volta do século IX a.C., se instalou na região um Estado centralizado, o Reino de Kush, que recebia influências do Egito, desde a escrita hieroglífica à organização social e política. Napata e Meroé foram as principais cidades núbias. O Reino de Kush
  • 28. Por volta de 770 a.C., os cuxitas dominaram o Egito, fundando a dinastia dos faraós negros. O Reino de Kush Os faraós cuxitas tinham o costume de usar uma coroa com duas serpentes, que simbolizava o poder sobre dois reinos: Egito e Kush.
  • 29. Quando, em 657 a.C., o Egito foi invadido pelos assírios, os cuxitas foram obrigados a retornar para Napata que, por sua vez, foi invadida também pelos assírios, em 591 a.C., o que obrigou o Reino de Kush a se concentrar em Meroé, construindo uma nova fase da história cuxita, mais isolados do Egito, o período meroítico. O Reino de Kush
  • 30. Meroé também era um importante centro comercial e, em pouco tempo, se tornou um grande centro produtor de objetos de ferro do continente africano. Nesse período, os cuxitas desenvolveram escrita própria, a meroíta, formada de 23 caracteres, escritos da esquerda para a direita, com as palavras separadas entre si por dois ou três pontos. O Reino de Kush começou a entrar em decadência nos primeiros séculos da Era Cristã, segundo os historiadores, por problemas causados pelo corte indiscriminado de árvores para alimentar os fornos de fundição de ferro. No século IV a.C., o território de Kush foi invadido e conquistado pelo Reino de Axum. O Reino de Kush
  • 31. O intenso comércio na região possibilitou que a população local entrasse em contato com a escrita e que suas aldeias se desenvolvessem e se tornassem cidades, dentre as quais podemos destacar Axum e Adúlis. Os primeiros habitantes que chegaram à região (hoje ocupada por países como Somália, Etiópia, Eritreia e Djibuti) vieram do sul da península Arábica, por volta do século VII a.C. A Civilização de Axum
  • 32. A rica atividade comercial axumita possibilitou que sua civilização se expandisse, dominando territórios da península Arábica e do Reino de Kush, além de outras áreas vizinhas. No século II a.C., Adúlis tinha um dos portos mais movimentados do mar Vermelho, enquanto Axum, localizada no interior, se consolidava como um importante centro comercial. A Civilização de Axum
  • 33. Até a metade do século IV, a população axumita era politeísta, porém, com a conversão do rei Ezana ao cristianismo, o Reino de Axum se tornou o primeiro reino cristão do continente africano – ainda hoje a Etiópia é um país cristão. O território de Axum foi invadido e dominado pelos muçulmanos no século VII. Campo de estelas, monumentos religiosos ou funerários, na cidade de Axum, atual Etiópia. Na entrada do campo está a estela do rei Ezana (centro), primeiro rei a se converter ao cristianismo (cerca do ano 300 da Era Cristã). A Civilização de Axum
  • 34. Diz a lenda que ela teria ouvido falar na sabedoria de Salomão, rei de Judá, e feito uma viagem até Jerusalém para conhecê-lo. Da união dos dois teria nascido Menelik e tido início uma dinastia de reis etíopes que governou até o século XX. O Reino de Axum guarda uma das mais ricas histórias do continente africano: a de Makeda, a rainha de Sabá. Famosa por sua beleza, a rainha teria sido uma das governantes dos axumitas. Afresco (pintura mural) etíope representando a viagem da rainha de Sabá para encontrar o rei Salomão em Jerusalém. A Rainha de Sabá