SlideShare uma empresa Scribd logo
PROPOSTAS PARA O EDUCADOR
TRABALHAR DANÇA NA ESCOLA
COMO FORMA DE EXPRESSÃO
CORPORAL E ARTÍSTICA.
ARTE EDUCADORA: Marleila Oliveira Barros
pedagoga,especialista em metodologia do ensino
de artes e Licencianda em Dança pelo PARFOR –
UFPA/ ICA/ ETDUFPA. Professora da rede municipal
de Ensino de Belterra-PA. E-mail:
oliveirabarros.marleila5@gmail.com
DANÇA E SUA ORIGEM
A dança é uma das três principais
artes cênicas da Antigüidade, ao
lado do teatro e da música.
Caracteriza-se pelo uso do corpo
seguindo movimentos previamente
estabelecidos (coreografia), ou
improvisados (dança livre). Na maior
parte dos casos, a dança, com
passos cadenciados é
acompanhada ao som e compasso
de música e envolve a expressão de
sentimentos potenciados por ela.
Na construção histórica do
esporte e da Educação Física,
a dança ocupa um lugar
central, pois dela se origina a
arte do movimento. E esta
manifestação artística
acompanha a vida humana na
Terra desde seus primórdios.
A dança no Brasil
A dança no brasil se originou
dos mais variados lugares,
recebendo muitas influências
de outros países. Com as
danças, há uma mistura de
ritmo e som, que fazem as
pessoas criarem cada vez
mais passos e modos
diferentes para dançar.
No Brasil, as danças
sofreram influências das
tradições dos estados, dos
povos africanos e europeus.
Dessa forma, dependendo do
estado, as danças podem ser
mais influenciadas pelos
africanos, indígenas ou
europeus. Além disso, a
Igreja Católica também
ajudou no surgimento de
personagens e contos
da história brasileira. Uma
das principais características
das danças do país são as
músicas simples e os
personagens chamativos.
DANÇA EDUCATIVA
A dança no espaço escolar surge na
década de 1920 a partir das aulas de
Educação Física agregados à
movimentos ginásticos em suas bases
elementares.  Atualmente, a dança na
perspectiva corporal é promotora de
desenvolvimento e autonomia corporal
que segundo os Parâmetros
Curriculares Nacionais (BRASIL, 1998)
– PCNs de Educação Física, a dança se
classifica como um de seus
conteúdos, possibilitando o
desenvolvimento da cultura corporal
na comunidade escolar.
A escola é uma
instituição voltada à
educação formal que tem
como objetivo
sistematizar
conhecimentos, assim
como o legado cultural
produzido pelo homem
ao longo do tempo,
visando à formação
humana e crítica dos
cidadãos.
Para que o professor contribua efetivamente na formação de
estruturas corporais mais complexas, ele poderá se utilizar
da dança, tanto no aspecto biológico que é sua
especificidade, mas também na questão da formação
humana.
A dança pode propiciar o autoconhecimento, estimular
vivência da corporeidade na escola, proporcionar aos
educando relacionamentos estéticos com as outras pessoas
e com o mundo, incentivar a expressividade dos indivíduos,
possibilitar a comunicação não verbal e os diálogos
corporais na escola, sensibilizar as pessoas contribuindo
para que elas tenham uma educação estética, promovendo
relações mais equilibradas e harmoniosas diante do mundo
desenvolvendo a apreciação e a fruição da dança.
(BARRETO, 2008, p.66)
A dança é uma atividade de integração que
se adapta muito bem a qualquer currículo
escolar. Recentemente muito tem se

discutido sobre a dança e sua
introspecção no espaço escolar, a melhor
forma desta disciplina ser ensinada e
desenvolvida, bem como os benefícios e
as qualidades que a mesma proporciona
no ambiente da escola.
 Ao vivenciarmos a dança, seja em expressão

artística, recreativa, expressão humana, de
sentimentos, entre outras, podemos dizer que tais
concepções podem enriquecer muito o trabalho do
professor conjunto à educação física, considerando
que ambas as áreas são complementares.
A dança pode contribuir para a área da educação
física na medida em que, através da experiência
artística e da apreciação, estimula no individuo os
exercícios da imaginação e da criação de formas
expressivas despertando a consciência estética,
como um conjunto de atitudes mais equilibradas
diante do mundo. (BARRETO, 2004, p.117)
A importância da Dança na
Educação
Em seu aspecto interdisciplinar é possibilitar o
processo criativo a autonomia e liberdade do
indivíduo, possibilitando ao educando articular
uma relação mais próxima entre o homem e a
natureza, através da observação, sensibilização e
experiências que estabelecem uma íntima relação
entre os mesmos. Assim, o educando ao
vivenciar corporalmente através do movimento, o
tamanho, o ritmo, os movimentos dos objetos
pelos fatores físicos como o espaço-temporal,
peso e fluência, desenvolverá seus potenciais
físico, mental, emocional e ficando mais sensível
ao mundo que o cerca.
Os Parâmetros Curriculares Nacionais
(PCNs) publicados no de 1996, os quais
padronizam e oferecem uma diretriz
para o ensino brasileiro estabeleceu a
dança como algo obrigatório no
currículo escolar, estando inclusa na
disciplina de Ar te. Os Parâmetros
Curriculares , estabelecem quatro
grandes áreas do Ensino da Ar te: ar tes
visuais, dança, teatro e música .
Ainda de acordo com PCNs, os
principais objetivos da dança seriam:
valorizar diversas escolhas de
interpretação e criação, em sala de aula
e na sociedade, situar e compreender
as relações entre corpo, dança e
sociedade e buscar informações sobre
dança em livros e revistas e ou em
conversas com profissionais.
Mesmo com essa obrigatoriedade legal,
é fácil observar que nas poucas escolas
em que há dança, esta é desenvolvida
como atividade extracurricular.
 O coreógrafo e
pesquisador da
linguagem Rudolf
Laban (1879-1958),
é uma das grandes
referências na
área. Categorizou
os movimentos em
dois tipos:
Os funcionais - escovar os dentes, subir
escadas ou escrever na lousa, por
exemplo.
E os expressivos- Nesse o objetivo é
transmitir uma ideia ou sensação, como o
estranhamento, a curiosidade, a beleza
ou o humor.
Como se vê no balé clássico.
O professor, porém, deve
considerar (e explorar!) uma
característica das crianças
que permite enriquecer as
atividades em sala: elas não
distinguem necessariamente
os movimentos funcionais
dos expressivos.
Entre os pequenos
gestos, as atividades
cotidianas mais
simples devem ser
carregadas de
brincadeiras, de
exploração de
movimento, de
dança.Não se pode
criar barreiras entre
os dois tipos de
gestos." 
Um bom caminho para explorar a
linguagem na escola é justamente
investir no rompimento de
qualquer distinção entre os movimentos
cotidianos e aqueles considerados
"bonitos" pelo senso comum.
os professores devem
desenvolver estratégias
lúdicas para fazer as
crianças se mexerem.
Antes, deve-se recorrer às
brincadeiras infantis e à
contação de
histórias,depois possibilitar
movimentos. "Não adianta
trazer a coreografia pronta".
"Os alunos querem
participar da criação e
precisam descobrir,
primeiro, que movimentos
já sabem fazer." 
Passos e gestos se transformam em
instrumentos de comunicação e expressão
Durante as aulas, o professor deve
possibilitar movimentos que soltem a
imaginação como por exemplo:derretem-se
no chão como um sorvete, flutuam
imitando um floco de algodão, correm
como um rio e até voam feito uma
borboleta. Isso porque, todos os anos,
devem se envolver em atividades de
expressão corporal baseado no uso
intencional de movimentos inspirados em
brincadeiras e histórias recorrentes na vida
dos pequenos.
Para despertar nos alunos
o interesse pela dança, é
preciso levar em
consideração o repertório
artístico que eles têm,
deixar bem claro que todos
nós dançamos com o corpo
que temos! que homem
também dança e, claro,
convidar a turma toda para
participar.  
 Nessas

danças estão presentes
histórias, costumes, cultura de povos
que não podem ser deixadas para
trás, mas sim cultivadas.Nas danças
populares não se objetivam a
representação e nem a existência de
platéia, nelas todos se inserem de
alguma forma, mesmo aqueles que
estão em volta das formações, não se
objetivam também formar coreografias
perfeitas, movimentos idênticos, o
objetivo maior destas danças é
manifestar a cultura e modo de pensar
de povos, além de trazer alegria para
quem participa das danças e também
para quem as observam.
A dança no espaço escolar jamais deve
ser trabalhada de modo a formar
dançarinos, o objetivo que se deve ter é
fazer, como esta citado acima, que aluno
possa através da dança conhecer a si
mesmo, a seus colegas, as limitações que
aparecem, o modo como podem usufruir
de seu corpo, a maneira de expressar
sentimentos, o poder criar coisas novas e
não apenas se prender a um conceito
onde os alunos tem de copiar de maneira
idêntica o que é realizado pelo
professor,além é claro da obtenção dos
valores já citados, enfim como sugerido no
inicio do artigo,na escola seria ideal
trabalhar não só com dança, mas com
atividades rítmicas,e nesse contexto há
muitas formas de se ensinar.
As fontes de inspiração para as
aulas podem variar, de acordo
com o projeto da escola e os
interesses da turma o
comportamento dos animais e os
fenômenos da natureza, por
exemplo, rendem boas atividades.
A sala não precisa nem ter
espelhos, como as dos grandes
centros de dança: basta ser limpa,
bem iluminada e ventilada
Os Temas Transversais no que diz
respeito aos aspectos que abordem
diretamente a dança, podemos retratá-los
através de: improvisações; composições
coreográficas contextualizadas a partir da
história, das ciências sociais e da
estética.
A Dança enquanto Educação
para a saúde promove
oportunidade para que os
alunos identifiquem
problemas, levantem
hipóteses, reúnam dados e
reflitam sobre situações
relacionadas ao fazer e ao
pensar essa arte na escola
associada a ma vida saudável.
Centrada no corpo, as aulas
de dança podem traçar
relações diretas com
situações de dor e prazer,
alimentação, uso de drogas e
prevenção e cura de lesões,
sem que se afaste de seus
conteúdos específicos.
A criança é corpo e
movimento em tudo o
que faz – seu corpo é
ativo no espaço que
ocupa, comunica-se com
os corpos ao seu redor,
interage com eles.
Necessita estar, ser,
sentir, expressar-se.
Chora, ri, grita, corre,
brinca. A dança, além de
mobilizar o potencial
expressivo, torna a
criança consciente de
suas ações e atitudes
Um gesto do dia-a-dia
trazido para o contexto de
uma coreografia - em uma
repetição dele, por
exemplo - ganha um
sentido expressivo",
explica. "É só lembrar da
cena de Charles Chaplin no
filme Tempos Modernos,
em que ele transforma o
ato de apertar parafusos
em uma expressão de
crítica e humor."
A vivência das possibilidades do
corpo por meio desta linguagem
contribui de inúmeras formas para o
desenvolvimento saudável da
criança: desenvolve habilidades
psicomotoras, favorece a formação
de conceitos e solução de
problemas, estimula a interação
social, organiza o gesto e
movimentação cotidianos,
desenvolve a orientação tempoespaço, preserva e estimula o
potencial criativo-imaginário. Enfim, a
dança é tida como forma de
manifestação artística que contribui
para formação intelectual, física e
sócio-emocional do ser humano.
Outra coisa que se evita é focar
no ensino fundamental é um
estudo sistematizado de uma
técnica de dança específica.
"Isso até pode acontecer com
alunos que já passaram dos 7
anos". "O mais importante, ao
longo do calendário de
atividades, é a sala virar um
laboratório de experimentos e
que o corpo das crianças se
transforme de fato num
instrumento de comunicação e
expressão",
Para que a Dança Escolar seja
realmente uma ferramenta
significativa no processo de
aprendizagem e construção do
conhecimento do aluno é
necessário que o professor
esteja atento as seguintes
questões
Planejamento: é a preparação antecipada
do que vai ser realizado na aula; isto
implica preparar o material, a música e os
procedimentos que serão tomados no
decorrer de cada aulas.
Capacitação: é a qualidade
do professor ,e é relativa
ao conhecimento do “ o que
se ensina”, do “como se
ensina” e do “para que se
ensina”; o professor tem
que estar comprometido
com o educar e com o
poder de comunicação,
além de ter bom-senso e
autocrítica para saber se
está preparado ou não para
aplicar a Dança Escolar .
Metodologia: é a maneira de aplicar e
de transmitir didaticamente um
conteúdo ou conhecimento; isto implica
obser vação sistemática do aluno e
atenção aos seus gestos, atitudes,
compor tamentos individuais e interrelacionais a fim de inter vir, se
necessário.
Assim, na Dança Escolar, devem-se levar
em consideração os aspectos de
conhecimento, habilidades e atitudes,
além das condutas sociais do aluno nas
suas diversas manifestações e no
desenvolvimento das atividades, de uma
maneira geral.

1. A CONQUISTA DA TURMA
Um bom projeto de expressão
corporal começa com estratégias que
atraiam todos os alunos, inclusive os
meninos, que algumas vezes demoram
mais para se envolver. O professor
deve explicar para a garotada sobre os
benefícios da dança.
Com a turma informada,convide todos a
executar movimentos livres e depois
fazer um desenho que mostre a relação
entre o tamanho do corpo e o da sala de
aula. Alguns se imaginam bem pequenos
nela, mas depois descobrem que o corpo
ocupa um grande espaço.
Para mostrar formas diversas
de dançar à garotada, O
professor deve exibir obras de
arte, fotografias e vídeos de
balé clássico e contemporâneo,
danças de rua como o break e o
street dance, variações do hip
hop, e promover pequenas
discussões sobre as maneiras
de o corpo se expressar. Todos
são convidados a falar sobre as
principais características de
cada tipo de dança.
É importante sistematizar as
atividades. As aulas sempre devem
começar com alongamento, passam
para o aquecimento e terminam com a
realização de passos que expressem
determinada mensagem, previamente
combinada entre a professora e a
garotada. É nesse momento que entra
em cena a imaginação. Voar, derreter,
correr e balançar são imagens que se
concretizam em frente ao espelho.
Alguns movimentos são feitos com o
auxílio de cordas e bolinhas que são
jogadas por cima da cabeça dos
colegas.
 
O ritmo é dado pela música e
por marcas coloridas feitas no
chão. Algumas coreografias
surgem da imitação de
desenhos animados,
como Barbie, o Quebra-Nozes,
em que a personagem se
imagina dançando o famoso
balé,ou de acordo com a
imaginação da criança.
 

O professor deve avaliar os
erros e os acertos e fazer
os alunos perceberem o
que eles aprenderam: a
capacidade de falar com o
corpo. Somente depois
disso é feita a apresentação
para os colegas, para os
pais e comunidade em geral
FRASES SOBRE DANÇA
"A dança é a linguagem escondida da alma."
(Mar tha Graham)
"A dança é uma tentativa muito rude de penetrar
no ritmo da vida."
(George Bernard Shaw)
"Dançar é sentir, sentir é sofrer, sofrer é amar... Tu
amas, sofres e sentes. Dança!" (Isadora Duncan)
Soubéssemos nós adultos
preservar o brilho e o frescor da
brincadeira infantil, teríamos
uma humanidade plena de amor e
fraternidade. Resta-nos, então,
aprender com as crianças."
(Monique Deheinzelin).
COM TODO ESSES CONTEXTOS SOBRE
DANÇA,BASTA APENAS O EDUCADOR
DEIXAR SER LEVADO PELA DANÇA E
COLOCAR SEUS PRÓPRIOS MOVIMENTOS
EM PRÁTICA.DESTE MODO DESPERTARÁ
TAMBÉM A DANÇA ESCONDIDA EM SEU
ALUNO.
OBRIGADO POR SUA ATENÇÃO MUITA
DANÇA PRA VOCÊ!!!!!

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Dança
DançaDança
Dança
Joel Barbosa
 
O que é arte?
O que é arte?O que é arte?
O que é arte?
IF - Baiano
 
Dança
DançaDança
Corpo, cultura e movimento
Corpo, cultura e movimentoCorpo, cultura e movimento
Corpo, cultura e movimento
Silvia Arrelaro
 
Aula patrimônio cultural
Aula patrimônio culturalAula patrimônio cultural
Aula patrimônio cultural
Curso Letrados
 
Danças brasileiras
Danças brasileirasDanças brasileiras
Danças brasileiras
VALDIR CONCEICAO
 
Corpo, Cultura e Sociedade
Corpo, Cultura e SociedadeCorpo, Cultura e Sociedade
Corpo, Cultura e Sociedade
Luís Fernando Tófoli
 
Lutas
LutasLutas
O ensino de arte e educação
O ensino de arte e educaçãoO ensino de arte e educação
O ensino de arte e educação
Fladia
 
A origem da dança circular e de roda
A origem da dança circular e de rodaA origem da dança circular e de roda
A origem da dança circular e de roda
Elisangela Prismit
 
Trabalho de artes danças
Trabalho de artes dançasTrabalho de artes danças
Trabalho de artes danças
ingrid limah
 
Dança de salão.
Dança de salão.Dança de salão.
Dança de salão.
Ajudar Pessoas
 
Slide história da educação - pdf
Slide   história da educação - pdfSlide   história da educação - pdf
Slide história da educação - pdf
Prof. Antônio Martins de Almeida Filho
 
Artes Visuais
Artes VisuaisArtes Visuais
Artes Visuais
Júnior Maciel
 
Corporeidade aula 1
Corporeidade   aula 1 Corporeidade   aula 1
Corporeidade aula 1
laiscarlini
 
DANÇA - CONCEITOS E DANÇA CONTEMPORÂNEA
DANÇA - CONCEITOS E DANÇA CONTEMPORÂNEADANÇA - CONCEITOS E DANÇA CONTEMPORÂNEA
DANÇA - CONCEITOS E DANÇA CONTEMPORÂNEA
VIVIAN TROMBINI
 
História do circo
História do circoHistória do circo
História do circo
maria.2008
 
As linguagens da arte
As linguagens da arteAs linguagens da arte
As linguagens da arte
dpport
 
Igualdade e respeito as diferenças
Igualdade e respeito as diferençasIgualdade e respeito as diferenças
Igualdade e respeito as diferenças
Paulo Raimundo Garcia de Oliveira
 
Ed fisica escolar
Ed fisica escolarEd fisica escolar
Ed fisica escolar
Educação Fisica
 

Mais procurados (20)

Dança
DançaDança
Dança
 
O que é arte?
O que é arte?O que é arte?
O que é arte?
 
Dança
DançaDança
Dança
 
Corpo, cultura e movimento
Corpo, cultura e movimentoCorpo, cultura e movimento
Corpo, cultura e movimento
 
Aula patrimônio cultural
Aula patrimônio culturalAula patrimônio cultural
Aula patrimônio cultural
 
Danças brasileiras
Danças brasileirasDanças brasileiras
Danças brasileiras
 
Corpo, Cultura e Sociedade
Corpo, Cultura e SociedadeCorpo, Cultura e Sociedade
Corpo, Cultura e Sociedade
 
Lutas
LutasLutas
Lutas
 
O ensino de arte e educação
O ensino de arte e educaçãoO ensino de arte e educação
O ensino de arte e educação
 
A origem da dança circular e de roda
A origem da dança circular e de rodaA origem da dança circular e de roda
A origem da dança circular e de roda
 
Trabalho de artes danças
Trabalho de artes dançasTrabalho de artes danças
Trabalho de artes danças
 
Dança de salão.
Dança de salão.Dança de salão.
Dança de salão.
 
Slide história da educação - pdf
Slide   história da educação - pdfSlide   história da educação - pdf
Slide história da educação - pdf
 
Artes Visuais
Artes VisuaisArtes Visuais
Artes Visuais
 
Corporeidade aula 1
Corporeidade   aula 1 Corporeidade   aula 1
Corporeidade aula 1
 
DANÇA - CONCEITOS E DANÇA CONTEMPORÂNEA
DANÇA - CONCEITOS E DANÇA CONTEMPORÂNEADANÇA - CONCEITOS E DANÇA CONTEMPORÂNEA
DANÇA - CONCEITOS E DANÇA CONTEMPORÂNEA
 
História do circo
História do circoHistória do circo
História do circo
 
As linguagens da arte
As linguagens da arteAs linguagens da arte
As linguagens da arte
 
Igualdade e respeito as diferenças
Igualdade e respeito as diferençasIgualdade e respeito as diferenças
Igualdade e respeito as diferenças
 
Ed fisica escolar
Ed fisica escolarEd fisica escolar
Ed fisica escolar
 

Destaque

Caderno resumos iv_seminario_danca
Caderno resumos iv_seminario_dancaCaderno resumos iv_seminario_danca
Caderno resumos iv_seminario_danca
Daniela Amoroso
 
Dança
DançaDança
Apostila ensino médio danca
Apostila ensino médio dancaApostila ensino médio danca
Apostila ensino médio danca
Reginaldo Pazinatto
 
Planejamento dança
Planejamento dançaPlanejamento dança
Planejamento dança
SimoneHelenDrumond
 
Slide dança
Slide dançaSlide dança
Slide dança
danmetallord
 
A Origem Da DançA
A Origem Da DançAA Origem Da DançA
A Origem Da DançA
martinsramon
 
Artes Dança/ Danças Regionais e Atividades
Artes Dança/ Danças Regionais e AtividadesArtes Dança/ Danças Regionais e Atividades
Artes Dança/ Danças Regionais e Atividades
Geo Honório
 

Destaque (7)

Caderno resumos iv_seminario_danca
Caderno resumos iv_seminario_dancaCaderno resumos iv_seminario_danca
Caderno resumos iv_seminario_danca
 
Dança
DançaDança
Dança
 
Apostila ensino médio danca
Apostila ensino médio dancaApostila ensino médio danca
Apostila ensino médio danca
 
Planejamento dança
Planejamento dançaPlanejamento dança
Planejamento dança
 
Slide dança
Slide dançaSlide dança
Slide dança
 
A Origem Da DançA
A Origem Da DançAA Origem Da DançA
A Origem Da DançA
 
Artes Dança/ Danças Regionais e Atividades
Artes Dança/ Danças Regionais e AtividadesArtes Dança/ Danças Regionais e Atividades
Artes Dança/ Danças Regionais e Atividades
 

Semelhante a Dança na escola expressão pelo movimento

DANÇA DE SALÃO: UMA PROPOSTA PARA A ESCOLA Carlyle Rosemond Freire Santos
DANÇA DE SALÃO: UMA PROPOSTA PARA A ESCOLA  Carlyle Rosemond Freire SantosDANÇA DE SALÃO: UMA PROPOSTA PARA A ESCOLA  Carlyle Rosemond Freire Santos
DANÇA DE SALÃO: UMA PROPOSTA PARA A ESCOLA Carlyle Rosemond Freire Santos
christianceapcursos
 
SLIDE1.pdf
SLIDE1.pdfSLIDE1.pdf
SLIDE1.pdf
ssusereba86a
 
A criança e a dança na educaçao infantil
A criança e a dança na educaçao infantilA criança e a dança na educaçao infantil
A criança e a dança na educaçao infantil
Maria Teixeira
 
Projeto de Dança de Salão
Projeto de Dança de SalãoProjeto de Dança de Salão
Projeto de Dança de Salão
EMEF JOÃO DA SILVA
 
Projeto nos passos da dança 6º, 7º, 8º e 9º ano cest
Projeto nos passos da dança   6º, 7º, 8º e 9º ano  cestProjeto nos passos da dança   6º, 7º, 8º e 9º ano  cest
Projeto nos passos da dança 6º, 7º, 8º e 9º ano cest
SimoneHelenDrumond
 
Apresentação TCC I
Apresentação TCC IApresentação TCC I
Apresentação TCC I
RODRIGO COSTA DE LIMA
 
Danca escola
Danca escolaDanca escola
Danca escola
Genival Carlos
 
Poesia em movimento. Aula prática de Dança
Poesia em movimento. Aula prática de DançaPoesia em movimento. Aula prática de Dança
Poesia em movimento. Aula prática de Dança
Seduc MT
 
Dança
DançaDança
Spe 2013 novo_ef71_arte_programacao
Spe 2013 novo_ef71_arte_programacaoSpe 2013 novo_ef71_arte_programacao
Spe 2013 novo_ef71_arte_programacao
Simoni Santos
 
A importancia de ensinar brincando,cantando e dançando na
A importancia de ensinar brincando,cantando e dançando naA importancia de ensinar brincando,cantando e dançando na
A importancia de ensinar brincando,cantando e dançando na
Marleila Barros
 
Comunicação corporal
Comunicação corporalComunicação corporal
Comunicação corporal
Cris Akemi
 
Pcn Arte
Pcn ArtePcn Arte
Pcn Arte
Beatriz
 
Projeto de apresentacao do TATÁ para as escolas 2012
Projeto de apresentacao do TATÁ para as escolas  2012Projeto de apresentacao do TATÁ para as escolas  2012
Projeto de apresentacao do TATÁ para as escolas 2012
Monique Carvalho
 
O corpo na educação
O corpo na educaçãoO corpo na educação
O corpo na educação
Luciane Chumber
 
Concepção estetica da dança
Concepção estetica da dançaConcepção estetica da dança
Concepção estetica da dança
daniele siqueira
 
Educação musical e pne
Educação musical e pneEducação musical e pne
Educação musical e pne
Patricia Bampi
 
A dança na educação infantil
A dança na educação infantilA dança na educação infantil
A dança na educação infantil
Marleila Barros
 
5º Módulo: A dança como noção corporal.pdf
5º Módulo: A dança como noção corporal.pdf5º Módulo: A dança como noção corporal.pdf
5º Módulo: A dança como noção corporal.pdf
EsojSavan
 
dançar dançar dançar dançar dançar dançar
dançar dançar dançar dançar dançar dançardançar dançar dançar dançar dançar dançar
dançar dançar dançar dançar dançar dançar
EversonLucena1
 

Semelhante a Dança na escola expressão pelo movimento (20)

DANÇA DE SALÃO: UMA PROPOSTA PARA A ESCOLA Carlyle Rosemond Freire Santos
DANÇA DE SALÃO: UMA PROPOSTA PARA A ESCOLA  Carlyle Rosemond Freire SantosDANÇA DE SALÃO: UMA PROPOSTA PARA A ESCOLA  Carlyle Rosemond Freire Santos
DANÇA DE SALÃO: UMA PROPOSTA PARA A ESCOLA Carlyle Rosemond Freire Santos
 
SLIDE1.pdf
SLIDE1.pdfSLIDE1.pdf
SLIDE1.pdf
 
A criança e a dança na educaçao infantil
A criança e a dança na educaçao infantilA criança e a dança na educaçao infantil
A criança e a dança na educaçao infantil
 
Projeto de Dança de Salão
Projeto de Dança de SalãoProjeto de Dança de Salão
Projeto de Dança de Salão
 
Projeto nos passos da dança 6º, 7º, 8º e 9º ano cest
Projeto nos passos da dança   6º, 7º, 8º e 9º ano  cestProjeto nos passos da dança   6º, 7º, 8º e 9º ano  cest
Projeto nos passos da dança 6º, 7º, 8º e 9º ano cest
 
Apresentação TCC I
Apresentação TCC IApresentação TCC I
Apresentação TCC I
 
Danca escola
Danca escolaDanca escola
Danca escola
 
Poesia em movimento. Aula prática de Dança
Poesia em movimento. Aula prática de DançaPoesia em movimento. Aula prática de Dança
Poesia em movimento. Aula prática de Dança
 
Dança
DançaDança
Dança
 
Spe 2013 novo_ef71_arte_programacao
Spe 2013 novo_ef71_arte_programacaoSpe 2013 novo_ef71_arte_programacao
Spe 2013 novo_ef71_arte_programacao
 
A importancia de ensinar brincando,cantando e dançando na
A importancia de ensinar brincando,cantando e dançando naA importancia de ensinar brincando,cantando e dançando na
A importancia de ensinar brincando,cantando e dançando na
 
Comunicação corporal
Comunicação corporalComunicação corporal
Comunicação corporal
 
Pcn Arte
Pcn ArtePcn Arte
Pcn Arte
 
Projeto de apresentacao do TATÁ para as escolas 2012
Projeto de apresentacao do TATÁ para as escolas  2012Projeto de apresentacao do TATÁ para as escolas  2012
Projeto de apresentacao do TATÁ para as escolas 2012
 
O corpo na educação
O corpo na educaçãoO corpo na educação
O corpo na educação
 
Concepção estetica da dança
Concepção estetica da dançaConcepção estetica da dança
Concepção estetica da dança
 
Educação musical e pne
Educação musical e pneEducação musical e pne
Educação musical e pne
 
A dança na educação infantil
A dança na educação infantilA dança na educação infantil
A dança na educação infantil
 
5º Módulo: A dança como noção corporal.pdf
5º Módulo: A dança como noção corporal.pdf5º Módulo: A dança como noção corporal.pdf
5º Módulo: A dança como noção corporal.pdf
 
dançar dançar dançar dançar dançar dançar
dançar dançar dançar dançar dançar dançardançar dançar dançar dançar dançar dançar
dançar dançar dançar dançar dançar dançar
 

Último

PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptxPP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Atpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptx
Atpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptxAtpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptx
Atpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptx
joaresmonte3
 
AUTISMO LEGAL - DIREITOS DOS AUTISTAS- LEGISLAÇÃO
AUTISMO LEGAL - DIREITOS DOS AUTISTAS- LEGISLAÇÃOAUTISMO LEGAL - DIREITOS DOS AUTISTAS- LEGISLAÇÃO
AUTISMO LEGAL - DIREITOS DOS AUTISTAS- LEGISLAÇÃO
FernandaOliveira758273
 
TREINAMENTO DE BRIGADA DE INCENDIO BRIGADA CCB 2023.pptx
TREINAMENTO DE BRIGADA DE INCENDIO BRIGADA CCB 2023.pptxTREINAMENTO DE BRIGADA DE INCENDIO BRIGADA CCB 2023.pptx
TREINAMENTO DE BRIGADA DE INCENDIO BRIGADA CCB 2023.pptx
erssstcontato
 
planejamento maternal 2 atualizado.pdf e
planejamento maternal 2 atualizado.pdf eplanejamento maternal 2 atualizado.pdf e
planejamento maternal 2 atualizado.pdf e
HelenStefany
 
Aula04A-Potencia em CA eletricidade USP.pdf
Aula04A-Potencia em CA eletricidade USP.pdfAula04A-Potencia em CA eletricidade USP.pdf
Aula04A-Potencia em CA eletricidade USP.pdf
vitorreissouzasilva
 
Aula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdf
Aula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdfAula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdf
Aula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdf
AntonioAngeloNeves
 
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptxSlides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
MAPAS MENTAIS Conhecimentos Pedagógicos - ATUALIZADO 2024 PROF. Fernanda.pdf
MAPAS MENTAIS Conhecimentos Pedagógicos - ATUALIZADO 2024 PROF. Fernanda.pdfMAPAS MENTAIS Conhecimentos Pedagógicos - ATUALIZADO 2024 PROF. Fernanda.pdf
MAPAS MENTAIS Conhecimentos Pedagógicos - ATUALIZADO 2024 PROF. Fernanda.pdf
GracinhaSantos6
 
As sequências didáticas: práticas educativas
As sequências didáticas: práticas educativasAs sequências didáticas: práticas educativas
As sequências didáticas: práticas educativas
rloureiro1
 
Gênero Textual sobre Crônicas, 8º e 9º
Gênero Textual sobre Crônicas,  8º e  9ºGênero Textual sobre Crônicas,  8º e  9º
Gênero Textual sobre Crônicas, 8º e 9º
sjcelsorocha
 
Como montar o mapa conceitual editado.pdf
Como montar o mapa conceitual editado.pdfComo montar o mapa conceitual editado.pdf
Como montar o mapa conceitual editado.pdf
AlineOliveira625820
 
ATIVIDADES de alfabetização do mês de junho
ATIVIDADES de alfabetização do mês de junhoATIVIDADES de alfabetização do mês de junho
ATIVIDADES de alfabetização do mês de junho
Crisnaiara
 
Concurso FEMAR Resultado Final Etapa1-EmpregoscomEtapaII.pdf
Concurso FEMAR Resultado Final Etapa1-EmpregoscomEtapaII.pdfConcurso FEMAR Resultado Final Etapa1-EmpregoscomEtapaII.pdf
Concurso FEMAR Resultado Final Etapa1-EmpregoscomEtapaII.pdf
TathyLopes1
 
TUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGG
TUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGTUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGG
TUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGG
ProfessoraTatianaT
 
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 02.pptx
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 02.pptxVivendo a Arquitetura Salesforce - 02.pptx
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 02.pptx
Mauricio Alexandre Silva
 
PALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇO
PALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇOPALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇO
PALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇO
ARIADNEMARTINSDACRUZ
 
FUNCAO EQUAÇÃO DO 2° GRAU SLIDES AULA 1.ppt
FUNCAO EQUAÇÃO DO 2° GRAU SLIDES AULA 1.pptFUNCAO EQUAÇÃO DO 2° GRAU SLIDES AULA 1.ppt
FUNCAO EQUAÇÃO DO 2° GRAU SLIDES AULA 1.ppt
MarceloMonteiro213738
 
UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...
UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...
UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...
Manuais Formação
 
Tabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasn
Tabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasnTabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasn
Tabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasn
CarlosJean21
 

Último (20)

PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptxPP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
 
Atpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptx
Atpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptxAtpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptx
Atpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptx
 
AUTISMO LEGAL - DIREITOS DOS AUTISTAS- LEGISLAÇÃO
AUTISMO LEGAL - DIREITOS DOS AUTISTAS- LEGISLAÇÃOAUTISMO LEGAL - DIREITOS DOS AUTISTAS- LEGISLAÇÃO
AUTISMO LEGAL - DIREITOS DOS AUTISTAS- LEGISLAÇÃO
 
TREINAMENTO DE BRIGADA DE INCENDIO BRIGADA CCB 2023.pptx
TREINAMENTO DE BRIGADA DE INCENDIO BRIGADA CCB 2023.pptxTREINAMENTO DE BRIGADA DE INCENDIO BRIGADA CCB 2023.pptx
TREINAMENTO DE BRIGADA DE INCENDIO BRIGADA CCB 2023.pptx
 
planejamento maternal 2 atualizado.pdf e
planejamento maternal 2 atualizado.pdf eplanejamento maternal 2 atualizado.pdf e
planejamento maternal 2 atualizado.pdf e
 
Aula04A-Potencia em CA eletricidade USP.pdf
Aula04A-Potencia em CA eletricidade USP.pdfAula04A-Potencia em CA eletricidade USP.pdf
Aula04A-Potencia em CA eletricidade USP.pdf
 
Aula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdf
Aula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdfAula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdf
Aula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdf
 
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptxSlides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
 
MAPAS MENTAIS Conhecimentos Pedagógicos - ATUALIZADO 2024 PROF. Fernanda.pdf
MAPAS MENTAIS Conhecimentos Pedagógicos - ATUALIZADO 2024 PROF. Fernanda.pdfMAPAS MENTAIS Conhecimentos Pedagógicos - ATUALIZADO 2024 PROF. Fernanda.pdf
MAPAS MENTAIS Conhecimentos Pedagógicos - ATUALIZADO 2024 PROF. Fernanda.pdf
 
As sequências didáticas: práticas educativas
As sequências didáticas: práticas educativasAs sequências didáticas: práticas educativas
As sequências didáticas: práticas educativas
 
Gênero Textual sobre Crônicas, 8º e 9º
Gênero Textual sobre Crônicas,  8º e  9ºGênero Textual sobre Crônicas,  8º e  9º
Gênero Textual sobre Crônicas, 8º e 9º
 
Como montar o mapa conceitual editado.pdf
Como montar o mapa conceitual editado.pdfComo montar o mapa conceitual editado.pdf
Como montar o mapa conceitual editado.pdf
 
ATIVIDADES de alfabetização do mês de junho
ATIVIDADES de alfabetização do mês de junhoATIVIDADES de alfabetização do mês de junho
ATIVIDADES de alfabetização do mês de junho
 
Concurso FEMAR Resultado Final Etapa1-EmpregoscomEtapaII.pdf
Concurso FEMAR Resultado Final Etapa1-EmpregoscomEtapaII.pdfConcurso FEMAR Resultado Final Etapa1-EmpregoscomEtapaII.pdf
Concurso FEMAR Resultado Final Etapa1-EmpregoscomEtapaII.pdf
 
TUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGG
TUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGTUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGG
TUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGG
 
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 02.pptx
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 02.pptxVivendo a Arquitetura Salesforce - 02.pptx
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 02.pptx
 
PALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇO
PALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇOPALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇO
PALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇO
 
FUNCAO EQUAÇÃO DO 2° GRAU SLIDES AULA 1.ppt
FUNCAO EQUAÇÃO DO 2° GRAU SLIDES AULA 1.pptFUNCAO EQUAÇÃO DO 2° GRAU SLIDES AULA 1.ppt
FUNCAO EQUAÇÃO DO 2° GRAU SLIDES AULA 1.ppt
 
UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...
UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...
UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...
 
Tabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasn
Tabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasnTabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasn
Tabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasn
 

Dança na escola expressão pelo movimento

  • 1. PROPOSTAS PARA O EDUCADOR TRABALHAR DANÇA NA ESCOLA COMO FORMA DE EXPRESSÃO CORPORAL E ARTÍSTICA. ARTE EDUCADORA: Marleila Oliveira Barros pedagoga,especialista em metodologia do ensino de artes e Licencianda em Dança pelo PARFOR – UFPA/ ICA/ ETDUFPA. Professora da rede municipal de Ensino de Belterra-PA. E-mail: oliveirabarros.marleila5@gmail.com
  • 2.
  • 3. DANÇA E SUA ORIGEM A dança é uma das três principais artes cênicas da Antigüidade, ao lado do teatro e da música. Caracteriza-se pelo uso do corpo seguindo movimentos previamente estabelecidos (coreografia), ou improvisados (dança livre). Na maior parte dos casos, a dança, com passos cadenciados é acompanhada ao som e compasso de música e envolve a expressão de sentimentos potenciados por ela.
  • 4. Na construção histórica do esporte e da Educação Física, a dança ocupa um lugar central, pois dela se origina a arte do movimento. E esta manifestação artística acompanha a vida humana na Terra desde seus primórdios.
  • 5. A dança no Brasil A dança no brasil se originou dos mais variados lugares, recebendo muitas influências de outros países. Com as danças, há uma mistura de ritmo e som, que fazem as pessoas criarem cada vez mais passos e modos diferentes para dançar.
  • 6. No Brasil, as danças sofreram influências das tradições dos estados, dos povos africanos e europeus. Dessa forma, dependendo do estado, as danças podem ser mais influenciadas pelos africanos, indígenas ou europeus. Além disso, a Igreja Católica também ajudou no surgimento de personagens e contos da história brasileira. Uma das principais características das danças do país são as músicas simples e os personagens chamativos.
  • 7. DANÇA EDUCATIVA A dança no espaço escolar surge na década de 1920 a partir das aulas de Educação Física agregados à movimentos ginásticos em suas bases elementares.  Atualmente, a dança na perspectiva corporal é promotora de desenvolvimento e autonomia corporal que segundo os Parâmetros Curriculares Nacionais (BRASIL, 1998) – PCNs de Educação Física, a dança se classifica como um de seus conteúdos, possibilitando o desenvolvimento da cultura corporal na comunidade escolar.
  • 8. A escola é uma instituição voltada à educação formal que tem como objetivo sistematizar conhecimentos, assim como o legado cultural produzido pelo homem ao longo do tempo, visando à formação humana e crítica dos cidadãos.
  • 9. Para que o professor contribua efetivamente na formação de estruturas corporais mais complexas, ele poderá se utilizar da dança, tanto no aspecto biológico que é sua especificidade, mas também na questão da formação humana. A dança pode propiciar o autoconhecimento, estimular vivência da corporeidade na escola, proporcionar aos educando relacionamentos estéticos com as outras pessoas e com o mundo, incentivar a expressividade dos indivíduos, possibilitar a comunicação não verbal e os diálogos corporais na escola, sensibilizar as pessoas contribuindo para que elas tenham uma educação estética, promovendo relações mais equilibradas e harmoniosas diante do mundo desenvolvendo a apreciação e a fruição da dança. (BARRETO, 2008, p.66)
  • 10. A dança é uma atividade de integração que se adapta muito bem a qualquer currículo escolar. Recentemente muito tem se discutido sobre a dança e sua introspecção no espaço escolar, a melhor forma desta disciplina ser ensinada e desenvolvida, bem como os benefícios e as qualidades que a mesma proporciona no ambiente da escola.
  • 11.  Ao vivenciarmos a dança, seja em expressão artística, recreativa, expressão humana, de sentimentos, entre outras, podemos dizer que tais concepções podem enriquecer muito o trabalho do professor conjunto à educação física, considerando que ambas as áreas são complementares. A dança pode contribuir para a área da educação física na medida em que, através da experiência artística e da apreciação, estimula no individuo os exercícios da imaginação e da criação de formas expressivas despertando a consciência estética, como um conjunto de atitudes mais equilibradas diante do mundo. (BARRETO, 2004, p.117)
  • 12. A importância da Dança na Educação Em seu aspecto interdisciplinar é possibilitar o processo criativo a autonomia e liberdade do indivíduo, possibilitando ao educando articular uma relação mais próxima entre o homem e a natureza, através da observação, sensibilização e experiências que estabelecem uma íntima relação entre os mesmos. Assim, o educando ao vivenciar corporalmente através do movimento, o tamanho, o ritmo, os movimentos dos objetos pelos fatores físicos como o espaço-temporal, peso e fluência, desenvolverá seus potenciais físico, mental, emocional e ficando mais sensível ao mundo que o cerca.
  • 13. Os Parâmetros Curriculares Nacionais (PCNs) publicados no de 1996, os quais padronizam e oferecem uma diretriz para o ensino brasileiro estabeleceu a dança como algo obrigatório no currículo escolar, estando inclusa na disciplina de Ar te. Os Parâmetros Curriculares , estabelecem quatro grandes áreas do Ensino da Ar te: ar tes visuais, dança, teatro e música .
  • 14. Ainda de acordo com PCNs, os principais objetivos da dança seriam: valorizar diversas escolhas de interpretação e criação, em sala de aula e na sociedade, situar e compreender as relações entre corpo, dança e sociedade e buscar informações sobre dança em livros e revistas e ou em conversas com profissionais. Mesmo com essa obrigatoriedade legal, é fácil observar que nas poucas escolas em que há dança, esta é desenvolvida como atividade extracurricular.
  • 15.  O coreógrafo e pesquisador da linguagem Rudolf Laban (1879-1958), é uma das grandes referências na área. Categorizou os movimentos em dois tipos:
  • 16. Os funcionais - escovar os dentes, subir escadas ou escrever na lousa, por exemplo. E os expressivos- Nesse o objetivo é transmitir uma ideia ou sensação, como o estranhamento, a curiosidade, a beleza ou o humor.
  • 17. Como se vê no balé clássico. O professor, porém, deve considerar (e explorar!) uma característica das crianças que permite enriquecer as atividades em sala: elas não distinguem necessariamente os movimentos funcionais dos expressivos.
  • 18. Entre os pequenos gestos, as atividades cotidianas mais simples devem ser carregadas de brincadeiras, de exploração de movimento, de dança.Não se pode criar barreiras entre os dois tipos de gestos." 
  • 19. Um bom caminho para explorar a linguagem na escola é justamente investir no rompimento de qualquer distinção entre os movimentos cotidianos e aqueles considerados "bonitos" pelo senso comum.
  • 20. os professores devem desenvolver estratégias lúdicas para fazer as crianças se mexerem. Antes, deve-se recorrer às brincadeiras infantis e à contação de histórias,depois possibilitar movimentos. "Não adianta trazer a coreografia pronta". "Os alunos querem participar da criação e precisam descobrir, primeiro, que movimentos já sabem fazer." 
  • 21. Passos e gestos se transformam em instrumentos de comunicação e expressão Durante as aulas, o professor deve possibilitar movimentos que soltem a imaginação como por exemplo:derretem-se no chão como um sorvete, flutuam imitando um floco de algodão, correm como um rio e até voam feito uma borboleta. Isso porque, todos os anos, devem se envolver em atividades de expressão corporal baseado no uso intencional de movimentos inspirados em brincadeiras e histórias recorrentes na vida dos pequenos.
  • 22. Para despertar nos alunos o interesse pela dança, é preciso levar em consideração o repertório artístico que eles têm, deixar bem claro que todos nós dançamos com o corpo que temos! que homem também dança e, claro, convidar a turma toda para participar.  
  • 23.  Nessas danças estão presentes histórias, costumes, cultura de povos que não podem ser deixadas para trás, mas sim cultivadas.Nas danças populares não se objetivam a representação e nem a existência de platéia, nelas todos se inserem de alguma forma, mesmo aqueles que estão em volta das formações, não se objetivam também formar coreografias perfeitas, movimentos idênticos, o objetivo maior destas danças é manifestar a cultura e modo de pensar de povos, além de trazer alegria para quem participa das danças e também para quem as observam.
  • 24. A dança no espaço escolar jamais deve ser trabalhada de modo a formar dançarinos, o objetivo que se deve ter é fazer, como esta citado acima, que aluno possa através da dança conhecer a si mesmo, a seus colegas, as limitações que aparecem, o modo como podem usufruir de seu corpo, a maneira de expressar sentimentos, o poder criar coisas novas e não apenas se prender a um conceito onde os alunos tem de copiar de maneira idêntica o que é realizado pelo professor,além é claro da obtenção dos valores já citados, enfim como sugerido no inicio do artigo,na escola seria ideal trabalhar não só com dança, mas com atividades rítmicas,e nesse contexto há muitas formas de se ensinar.
  • 25. As fontes de inspiração para as aulas podem variar, de acordo com o projeto da escola e os interesses da turma o comportamento dos animais e os fenômenos da natureza, por exemplo, rendem boas atividades. A sala não precisa nem ter espelhos, como as dos grandes centros de dança: basta ser limpa, bem iluminada e ventilada
  • 26. Os Temas Transversais no que diz respeito aos aspectos que abordem diretamente a dança, podemos retratá-los através de: improvisações; composições coreográficas contextualizadas a partir da história, das ciências sociais e da estética.
  • 27. A Dança enquanto Educação para a saúde promove oportunidade para que os alunos identifiquem problemas, levantem hipóteses, reúnam dados e reflitam sobre situações relacionadas ao fazer e ao pensar essa arte na escola associada a ma vida saudável. Centrada no corpo, as aulas de dança podem traçar relações diretas com situações de dor e prazer, alimentação, uso de drogas e prevenção e cura de lesões, sem que se afaste de seus conteúdos específicos.
  • 28. A criança é corpo e movimento em tudo o que faz – seu corpo é ativo no espaço que ocupa, comunica-se com os corpos ao seu redor, interage com eles. Necessita estar, ser, sentir, expressar-se. Chora, ri, grita, corre, brinca. A dança, além de mobilizar o potencial expressivo, torna a criança consciente de suas ações e atitudes
  • 29. Um gesto do dia-a-dia trazido para o contexto de uma coreografia - em uma repetição dele, por exemplo - ganha um sentido expressivo", explica. "É só lembrar da cena de Charles Chaplin no filme Tempos Modernos, em que ele transforma o ato de apertar parafusos em uma expressão de crítica e humor."
  • 30. A vivência das possibilidades do corpo por meio desta linguagem contribui de inúmeras formas para o desenvolvimento saudável da criança: desenvolve habilidades psicomotoras, favorece a formação de conceitos e solução de problemas, estimula a interação social, organiza o gesto e movimentação cotidianos, desenvolve a orientação tempoespaço, preserva e estimula o potencial criativo-imaginário. Enfim, a dança é tida como forma de manifestação artística que contribui para formação intelectual, física e sócio-emocional do ser humano.
  • 31. Outra coisa que se evita é focar no ensino fundamental é um estudo sistematizado de uma técnica de dança específica. "Isso até pode acontecer com alunos que já passaram dos 7 anos". "O mais importante, ao longo do calendário de atividades, é a sala virar um laboratório de experimentos e que o corpo das crianças se transforme de fato num instrumento de comunicação e expressão",
  • 32. Para que a Dança Escolar seja realmente uma ferramenta significativa no processo de aprendizagem e construção do conhecimento do aluno é necessário que o professor esteja atento as seguintes questões
  • 33. Planejamento: é a preparação antecipada do que vai ser realizado na aula; isto implica preparar o material, a música e os procedimentos que serão tomados no decorrer de cada aulas.
  • 34. Capacitação: é a qualidade do professor ,e é relativa ao conhecimento do “ o que se ensina”, do “como se ensina” e do “para que se ensina”; o professor tem que estar comprometido com o educar e com o poder de comunicação, além de ter bom-senso e autocrítica para saber se está preparado ou não para aplicar a Dança Escolar .
  • 35. Metodologia: é a maneira de aplicar e de transmitir didaticamente um conteúdo ou conhecimento; isto implica obser vação sistemática do aluno e atenção aos seus gestos, atitudes, compor tamentos individuais e interrelacionais a fim de inter vir, se necessário.
  • 36. Assim, na Dança Escolar, devem-se levar em consideração os aspectos de conhecimento, habilidades e atitudes, além das condutas sociais do aluno nas suas diversas manifestações e no desenvolvimento das atividades, de uma maneira geral. 
  • 37. 1. A CONQUISTA DA TURMA Um bom projeto de expressão corporal começa com estratégias que atraiam todos os alunos, inclusive os meninos, que algumas vezes demoram mais para se envolver. O professor deve explicar para a garotada sobre os benefícios da dança.
  • 38. Com a turma informada,convide todos a executar movimentos livres e depois fazer um desenho que mostre a relação entre o tamanho do corpo e o da sala de aula. Alguns se imaginam bem pequenos nela, mas depois descobrem que o corpo ocupa um grande espaço.
  • 39. Para mostrar formas diversas de dançar à garotada, O professor deve exibir obras de arte, fotografias e vídeos de balé clássico e contemporâneo, danças de rua como o break e o street dance, variações do hip hop, e promover pequenas discussões sobre as maneiras de o corpo se expressar. Todos são convidados a falar sobre as principais características de cada tipo de dança.
  • 40. É importante sistematizar as atividades. As aulas sempre devem começar com alongamento, passam para o aquecimento e terminam com a realização de passos que expressem determinada mensagem, previamente combinada entre a professora e a garotada. É nesse momento que entra em cena a imaginação. Voar, derreter, correr e balançar são imagens que se concretizam em frente ao espelho. Alguns movimentos são feitos com o auxílio de cordas e bolinhas que são jogadas por cima da cabeça dos colegas.  
  • 41. O ritmo é dado pela música e por marcas coloridas feitas no chão. Algumas coreografias surgem da imitação de desenhos animados, como Barbie, o Quebra-Nozes, em que a personagem se imagina dançando o famoso balé,ou de acordo com a imaginação da criança.
  • 42.   O professor deve avaliar os erros e os acertos e fazer os alunos perceberem o que eles aprenderam: a capacidade de falar com o corpo. Somente depois disso é feita a apresentação para os colegas, para os pais e comunidade em geral
  • 44. "A dança é a linguagem escondida da alma." (Mar tha Graham) "A dança é uma tentativa muito rude de penetrar no ritmo da vida." (George Bernard Shaw) "Dançar é sentir, sentir é sofrer, sofrer é amar... Tu amas, sofres e sentes. Dança!" (Isadora Duncan)
  • 45. Soubéssemos nós adultos preservar o brilho e o frescor da brincadeira infantil, teríamos uma humanidade plena de amor e fraternidade. Resta-nos, então, aprender com as crianças." (Monique Deheinzelin).
  • 46. COM TODO ESSES CONTEXTOS SOBRE DANÇA,BASTA APENAS O EDUCADOR DEIXAR SER LEVADO PELA DANÇA E COLOCAR SEUS PRÓPRIOS MOVIMENTOS EM PRÁTICA.DESTE MODO DESPERTARÁ TAMBÉM A DANÇA ESCONDIDA EM SEU ALUNO. OBRIGADO POR SUA ATENÇÃO MUITA DANÇA PRA VOCÊ!!!!!