SlideShare uma empresa Scribd logo
Dança
OS ELEMENTOS DA DANÇA
Sem movimento não existe dança, por isso, o corpo é fundamental para que
exista a dança. Para dançar precisamos de um lugar, ou seja, um espaço. Para
que a dança aconteça é preciso que existam três elementos básicos:
1º) O movimento corporal – É o corpo que se movimenta, não existe dança
sem um corpo em movimento, tem de expor seus sentimentos e pensamentos,
usando apenas movimentos. Na dança, na ginástica, nas lutas marciais, em
fim, de diversas maneiras, usamos o nosso corpo para manifestar, expandir
nossas emoções.
2º) O Espaço – O corpo em movimento utiliza o espaço de forma expressiva e
o espaço influencia no movimento. O espaço é onde a dança está acontecendo
3º) O Tempo – Todo movimento expressivo tem um ritmo e se dá de acordo
com organizações temporais.
Assim como na música, a dança é uma Arte que ocorre em determinado
tempo. Por exemplo, a necessidade de coordenação e sincronia num casal de
dançarinos é fundamental para a dança ser bem-sucedida o mesmo ocorre na
sincronia de apresentações com vários dançarinos, e essa sincronia é
determinada pelo tempo que duram os movimentos.
ALGUNS DOS ASPECTOS A SEREM PENSADOS NA CRIAÇÃO EM DANÇA
SÃO:
Elementos Formais
Formação inicial: toda dança tem uma posição inicial que os dançarinos devem
assumir antes de começar a dançar.
Níveis altos, médios e baixos: de modo geral são movimentos possíveis do
corpo utilizando os espaços acima da cabeça, na altura da cintura ou abaixo
dela.
Salto e queda: o salto ou pulo é usado em muitas danças.
Direção: o movimento pode ser feito para diversas direções no espaço: frente,
trás, diagonal, esquerda, direita,
Rotação: é o giro, pode ser feito pelo corpo todo, por uma parte do corpo, em
duplas, etc.
Deslocamento: pode ser feito saltando, andando, correndo, sendo carregado,
se arrastando, girando, entre outras.
A - ELEMENTOS da DANÇA
Movimento Corporal
Tempo
Espaço
B - COMPOSIÇÃO
Gênero: Folclórica, popular, étnica
Ponto de Apoio
Formação
Coreografia
Salto e queda
Técnica: Improvisação
C - MOVIMENTOS E PERIODOS
Dança Popular Brasileira
Indígena
Africana
Arte Popular (folclore)

Danças Regionais
SUDESTE
BATE-CAIXA - É uma dança coletiva, é dançado por ocasião das festas do
Divino Espírito Santo. O tambor (caixa surda) destaca-se dos demais
instrumentos.
BATE-PÉ -é uma dança sapateada, simples e de fácil execução,
CAIAPÓS - era muito dançado pelos indígenas. Com o avanço da civilização.
Os instrumentos musicais são corneta (de chifre de boi), chocalhos, pandeiros,
reco-recos, zabumba, os participantes marcham pelas ruas,saltam e gritam ao
som da música.
CALANGO - É uma dança profana,composta de cantos e bailes. Os pares
dançam enlaçados, em estilo de samba.
CATERETÊ- é uma das danças mais genuinamente brasileira. É de origem
indígena. É uma espécie de sapateado,executado com "bate-pé" ao som de
palmas e violas.
CHIBA - É uma dança sapateada em que os pares dançam separados. É
animada apenas por uma viola.
CARNAVAL - Festa popular, coletiva, realizada anualmente nos três dias que
antecedem a Quarta-feira de cinzas. Chamada também folia (folia de
Momo, dias de folia).
FESTAS JUNINAS - Nas cidades, nas paróquias e escolas são montadas as
quermesses, com barraquinhas de comidas típicas (canjica, arroz-doce, pé-demoleque, pipoca, quentão); jogos. Nas comunidades rurais, além do
"casamento da roça" e da quadrilha, também acedem fogueiras. Foi
introduzidas pelos portugueses
LUNDU OU LUNDUM - Dança popular em Portugal, "dança licenciosa e
indecente",homens e mulheres formam um circulo. Uma moça entra na roda e
dança, evoluindo em graciosos volteios, arregaçando a saia em movimentos
rápidos. Depois de longas voltas, suspende a saia e a faz descer sobre a
cabeça de um dos homens. Com isto põe fim a dança.
MANA-CHICA - É uma variante da quadrilha, os pares iniciam a dança girando
em balancê, Os cavaleiros sapateiam frente
MOÇAMBIQUE- é dança de origem africana. Estas festas são batizadas com
nomes de santos. Atualmente é dançado entre os caboclos.

CENTRO OESTE
MARIMBONDO - é uma dança de composição fácil. O bailarino revela sua
habilidade de dançarino-equilibrista, enquanto os circunstantes acompanham
seus movimentos com algazarra. Após o malabarismo, ajoelha-se diante de um
dos assistentes, para que o substitua. Caso o escolhido não aceite será
obrigado a pagar uma rodada de bebidas para a turma.
PALMINHA- Palminha é uma modalidade de quadrilha rural. É um
divertimento, no qual os participantes se entretêm com cordialidade e alegria.
RECORTADO -É uma dançacaipira. Nesta dança os cavalheiros dançam
sapateando e dando umbigada ora para a direita, ora para a esquerda. Trocam
de lugares.
SERRA MORENINHA- É uma espécie de bailado. Enquanto dançam, ao som
da orquestra, os pares imitam os movimentos de serradores que puxam a
serra.
VOLTA SENHORA- é quadrilha. Os dançadores são ligados entre si por lenços
ou paus apropriados. Executam piruetas eformam com os paus uma grade, em
cima da qual sobe o violeiro que é levado em triunfo.
CAVALHADA- A Cavalhada teve origem nos torneios medievais, faz uso de
fitas como prêmio, que são oferecidas pelo ganhador a uma mulher ou outra
pessoa que deseje homenagear. Os Cavaleiros reúnem-se ao som de um
tambor, juntos, dirigem-se marcialmente para o campo. É uma competição real
de desfecho imprevisto com possibilidades de vitória para qualquer grupo.
CURURU - é uma dança sagrada dos índios brasileiros, de origem tupi-guarani.
Anteriormente era dançada nos templos. Mais tarde foi transportada para o
domicilio do festeiro, onde se coloca um altar com o Santo Padroeiro. É
dançada exclusivamente por homens. Os dançarinos bebem cachaça
NORTE
MARAMBIRÉ - Simbolizava a esperança dos negros na construção de uma
sociedade justa e livre. O bailado constitui-se numa simples marcha.
RETUMBÃO - recebeu esse nome devido ao entusiasmo dos portugueses que,
ao ouvirem a musica diziam que tudo “retumbava”.
SAMBA DO CACETE- foi criada para mostrar toda a sensualidade da região.
O nome se origina do instrumento que é usado para dar ritmo e marcação à
música: os cacetes, dois pedaços de pau que são batidos no Curimbó.
DANÇA DO SÍRIA- expressa gratidão dos índios e escravos africanos por um
milagre. Depois do trabalho, os escravos eram liberados para conseguir algo
para comer. Certo dia, foram à praia e encontraram grandes quantidades de
siris. Em agradecimento dançaram e deram o nome á dança de SIRIÁ.
BATUQUE AMAZÔNICO- trata-se de uma homenagem à "cabocla Jurema",
entidade dos terreiros da Umbanda e demais cultos afro-brasileiros
BANGUÊ - A palavra "Banguê" significa "engenho de açúcar", em um dialeto
africano, por isso a dança também é conhecida como "dança dos engenhos".
CARIMBÓ- O nome vem dos índios Tupinambá - CURI (PAU OCO)
(FURADO). Na tradução seria "pau que propaga o som". A influência africana
deixou o ritmo do carimbó mais agitado e alegre.
CIRANDA DO NORTE - De origem portuguesa, a dança, se desenvolve
formando uma grande roda.
CHULA MARAJOARA- ritual afro-brasileira. É uma variante das congadas. É
devocional em louvor a São Benedito e Nossa Sr.ª. do Rosário.
LUNDÚ- De origem africana e a mais sensual dança folclórica. O tema está
centrado no convite do homem à mulher para um encontro sexual. A dança
desenvolve-se, a princípio, com a recusa da mulher, mas diante da insistência
do companheiro ela termina por ceder. O "ato sexual" acontece quando o
casais realiza a UMBIGADA - movimentos sensuais de requebro.
MARAMBIRÉ- Dança africana, tipicamente religiosa (mistura de elementos
religiosos e profanos).
OBALUAIÊ - é de origem africana, manifestação que se ramificou do
candomblé africano. Se inicia com uma invocação ao orixá
DESFEITEIRA- É uma manifestação folclórica. Conta-se que os escravos
africanos e os índios Boraris, reuniam-se no barracão ao final do dia para
momentos de descontração, dançavam e cantavam músicas compostas de
improviso onde, em geral, faziam críticas bem humoradas a seus senhores,
para “desfeiteá-los”.
PRETINHA D’ANGOLA- é uma dança africana, de Angola, os temas
ressaltados são as mágoas do período de escravidão
XOTE BRAGANTINO- de raiz européia, da Escócia. A dança era praticada por
membros das famílias dos senhores dos engenhos
DANÇA DA LENDA DO AÇAÍ numa época em quea falta de comida assolava,
o cacique decidiu que qualquer criança que nascesse seria morta, pois não
haveria alimento para elas. A sua filha IAÇÁ engravidou e deu à luz uma
menina, que foi morta . Sua filha chorou durante muito tempo, quando numa
noite ela avistou uma palmeira com frutos escuros, e no pé desta palmeira sua
filha a esperava de braços abertos. Ela correu para lhe abraçar, e o fez com
tanta vontade e felicidade que acabou morrendo abraçada aos pés da
palmeira. Seu pai a encontrou morta e percebeu em seu rosto um olhar de
felicidade que mirava as frutas. As frutas foram usadas para saciar a fome de
toda a tribo. A sentença de morte foi extinta e em agradecimento a TUPÃ e
homenagem à sua Filha IAÇÁ, deu o nome de AÇAÍ àquela fruta. Esta Dança
foi criada em homenagem a fruta típica de dessa região. Sua coreografia é de
pares soltos em circulo.
FESTA DO BOI - FESTIVAL FOLCLÓRICO DE PARINTINS - Boi-bumbá. As
pessoasassistem à disputa entre os dois bois, representados pelos grupos
Vermelho, ou Garantido, e Azul, ou Caprichoso. É uma dança regional, de
criação do povo indígena
MARABAIXO-. É dançado a partir do sábado de Aleluia até o domingo do
Divino. Homens, mulheres e até crianças tomam parte nos folguedos. No último
domingo, o festeiro faz erguer, como marco simbólico, um mastro adornado.
MARUJADA- Faz parte do ciclo das festas jesuínas. É dançada por homens e
mulheres, coletivamente. Tomam parte na marujada: o capitão do navio, o
piloto, o mar-e-guerra e o embaixador. Tem dois movimentos a marujada: como
o samba, e outro caindo lento para o lado como se fosse emconseqüência do
jogo
de
um
navio
em
alto
mar.
TIRANA- originário da Espanha, é baile de rapazes e raparigas, bem animado
e cheio de movimento.
NORDESTE
FESTAS JUNINAS- Introduzidas pelos portugueses, onde o culto a São João é
um dos mais antigos e populares, as festas juninas (de junho) ou joaninas (de
João) iniciam-se no dia 12 do mês, e terminam no dia 29 (São Pedro)
AFOXÊ- É uma dançado bloco negro característico do Carnaval da Bahia.
BANGULÊ-A dança bangulê é tipicamente dos negros. É dançada ao som de
puíta, acompanhada de palmas e sapateados.
BATE-BAÚ- é dança em ritmo de samba.
BATUCAJÉ, uma dança sacra, afro-brasileira. Sua coreografia é mais ou
menos livre, ao sabor das improvisações dos dançarinos.
BUMBA-MEU-BOI- A origem do auto do bumba-meu-boi remonta ao Ciclo do
Gado, resulta das relações desiguais que existem entre os escravos e os
senhores
CABINDA é uma dança de origem africana, muito comum nos desfiles de
negros do Recife, quando se preparam para o Maracatu. É uma dança cheia de
mímicas.
CINZAS- A dança da procissão de Cinzas teve origem em Olinda . A cidade
dorme. Subitamente ouvem-se gemidos coletivos. Aparece um grande número
de meninos de 9 a 16 anos, descobertos e descalços, vestidos de saco, com
aspecto tenebroso, formam duas filas, dentre as quais marcham figuras
alegóricas simbolizando a Morte, o Diabo, o Anjo, etc. Dançam freneticamente
um Lundu, com movimentos provocantes e sensuais em completa exaltação
dos sentidos e confundem-se num pandemônio de emoções e em completa
mistura de classes, idade, sexos e raças.
FREVO- Significa ferver - Temorigem nos movimentos da Capoeira. Dançam
com uso de sombrinha.
MEIA-CANHA- faz parte dos bailes rurais A roda desloca-se para um lado.
MINEIRO-PAU- Mineiro-pau é uma dança singela, de origem indígena. É mais
um divertimento dos jovens. Moças e rapazes formam um circulo, e sapateiam
PUNGA - É uma dança simples,classificada entre as danças de natureza
lasciva, principalmente pela umbigada que faz marcação entre os pares.
QUILOMBOS- A dança dos quilombos é uma epopéia histórica da Guerra dos
Palmares, que durou 70 anos no Estado de Alagoas. É uma dança coletiva de
negros e índios, eles divide-se em duas partes. Na primeira, os negros
comemoram o saque efetuado na noite anterior, e vendem as mercadorias nele
obtidas. Na segunda parte, trava-se um combate entre negros e índios. Estes
saem vencedores.
ROJÃO- O Rojão é uma dança de ritmo acelerado. Às vezes, toma forma de
desafio entre os participantes, os quais disputam a primazia de “cabra valente”,
durando horas a fio.
MARACATU - Nasceu da tradição do Rei do Congo, implantada pelos
portugueses, é uma dança caracterizada pela percussão forte, em ritmo
frenético, que teve origem nas congadas, cerimônias de coroação dos reis e
rainhas da Nação negra Caboclos e Guias fazem muitas acrobacias, que
parecem com os passos dos frevos.
SUL
BAMBAQUERÊ - É uma espécie de baile (fandango), de origem africana
CHULA- Dança folclórica executada por homenscom muitas sapateadas
CIELITO- é uma dança com canto e versos, muito popular. É tipicamente
gaúcha, dançada coletivamente.
FANDANGO- Essas dançasforam trazidas pelos portugueses dos Açores.
Estão intimamente ligadas ao canto e seu principal instrumento é a viola.
DANÇA PAU-DE-FITAS- é uma tradição milenar, originária do meio rural que
aparece em alguns países latino-americanos. Em tribos pagãs essa coreografia
tinha o significado de dança da fertilidade. Era executada em torno de um
totem na forma de um membro viril, em que as mulheres estéreis realizavam
um culto, fazendo evoluções e invocando a proteção dos deuses para por fim à
esterilidade.
ATIVIDADES
Responda:
1- Quais são os elementos da dança?

2- Quais são os elementos formais da dança?

3- Coloque o nome das danças abaixo, diga quais são contemporâneas(as
mais atuais) e diga o que você sabe sobre duas.
12
13
2
17
3
24
4
15
9
20
10
6
5
7
18
32
8
16
11
29
14
33
27
26
25
22
30
31
28
21
23
19

A
T
I
V
I
D
A
D
E
S
S
O
B
R
E
D
A
N
Ç
A
S
R
E
G
I
O
N
A
I
S

1- A maioria das danças brasileiras tem origem portuguesa, africana ou...
2- Muitas danças do norte, de origem africana, tem como tema a... e o
sofrimento.
3- A dança do Siriá expressa o... por um milagre.
4- A maioria das danças de origem africana são em homenagem aos...da
Umbanda e candomblé.
5- Dança conhecida como Dança dos Engenhos...
6- Dança que tem significado indígena para seu nome de “pau que propaga
som...
7- As cirandas são dançadas em...
8- O Lundu é uma dança sensual, porque nela se realiza a...
9-As danças regionais são manifestações culturais, por isso, são chamadas
danças...
10- A dança típica do Festival de Parintins é a...
11- É uma dança em homenagem a Tupã, em agradecimento ao fim da fome...
12- A festa junina foi introduzida no Brasil, pelos...
13- O afoxé é uma dança da...
14- O Batucajé é uma dança..., afro-brasileira.
15 - Bumba-meu-boi resulta das relações desiguais entre os escravos e os
seu...
16-Cabinda é comum nos desfiles de negros do Recife, quando se preparam
para o...
17- Dançam freneticamente com figuras alegóricas simbolizando a Morte, o
Diabo, o Anjo, etc...
18- Tem origem nos movimentos da Capoeira e usam sombrinhas...
19- Essa dança é uma epopéia histórica da Guerra dos Palmares...
20- O Maracatu Nasceu da tradição do Rei do...
21- É dançada apenas por homens...
22- O Cielito é uma dança tipicamente...
23- Tem tradição milenar e é chamada de dança da fertilidade...
24- É uma dança profana, parecida com o samba...
25- Dança genuinamente brasileira, de origem indígena...
26- É também chamada de Folia de Momo e antecede a quarta feira de
cinzas...
27- Tem quermesse, quadrilha e comida típica...
28- Dança indecente, a moça suspende a saia e a faz descer sobre a cabeça
de um dos homens.
29- Dança de origem africana, dançada entre os caboclos...
30- Depois da dança o dançarino escolhe um substituto. Caso o escolhido não
aceite será obrigado a pagar uma rodada de bebidas para a turma...
31- essa dança os pares imitam os movimentos de serradores que puxam a
serra.
32- Os dançarinos são os cavalheiros e usam fitas como prêmio.
33- Dança sagrada dos índios Tupi Guaranis.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

AVALIAÇÃO DE ARTES: 5º ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL I - 2º CICLO
AVALIAÇÃO DE ARTES: 5º ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL I - 2º CICLOAVALIAÇÃO DE ARTES: 5º ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL I - 2º CICLO
AVALIAÇÃO DE ARTES: 5º ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL I - 2º CICLO
Secretaria de Estado de Educação e Qualidade do Ensino
 
Avaliação diagnóstica arte 8 ano 2013
Avaliação diagnóstica arte 8 ano 2013Avaliação diagnóstica arte 8 ano 2013
Avaliação diagnóstica arte 8 ano 2013
Fabiola Oliveira
 
Simulado 6º ano arte
Simulado 6º ano arteSimulado 6º ano arte
Simulado 6º ano arte
Josycrissantos
 
Avaliação diagnóstica arte 6 e 7 anos 2013
Avaliação diagnóstica arte 6 e 7 anos 2013Avaliação diagnóstica arte 6 e 7 anos 2013
Avaliação diagnóstica arte 6 e 7 anos 2013
Fabiola Oliveira
 
Historia da musica atividades
Historia da musica atividadesHistoria da musica atividades
Historia da musica atividades
Atividades Diversas Cláudia
 
Avaliação para o 7º ano
Avaliação para o 7º anoAvaliação para o 7º ano
Avaliação para o 7º ano
Andreza Andrade
 
AVALIAÇÃO DE ARTES: EJA - 6° AO 9º ANO
AVALIAÇÃO DE ARTES: EJA - 6°  AO  9º ANOAVALIAÇÃO DE ARTES: EJA - 6°  AO  9º ANO
AVALIAÇÃO DE ARTES: EJA - 6° AO 9º ANO
Secretaria de Estado de Educação e Qualidade do Ensino
 
AVALIAÇÃO DE ENSINO RELIGIOSO: 5º ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL 1 - II CICLO
AVALIAÇÃO DE ENSINO RELIGIOSO: 5º ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL 1 - II CICLOAVALIAÇÃO DE ENSINO RELIGIOSO: 5º ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL 1 - II CICLO
AVALIAÇÃO DE ENSINO RELIGIOSO: 5º ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL 1 - II CICLO
Secretaria de Estado de Educação e Qualidade do Ensino
 
Apostila arte 9 ano.pdf (1) (1)
Apostila arte 9 ano.pdf (1) (1)Apostila arte 9 ano.pdf (1) (1)
Apostila arte 9 ano.pdf (1) (1)
Doane Castro
 
Produção textual
Produção textual Produção textual
Produção textual
Mary Alvarenga
 
Prova de arte 6ano 3b pronta 1
Prova de arte 6ano 3b pronta 1Prova de arte 6ano 3b pronta 1
Prova de arte 6ano 3b pronta 1
Atividades Diversas Cláudia
 
Plano de Aula Tarsila do Amaral
Plano de Aula Tarsila  do AmaralPlano de Aula Tarsila  do Amaral
Plano de Aula Tarsila do Amaral
ANA MARIA DE PAULA E SILVA
 
Instrumentos musicais africanos
Instrumentos musicais africanosInstrumentos musicais africanos
Instrumentos musicais africanos
Mary Alvarenga
 
PROVA DE ARTE INDIGENA
PROVA DE ARTE INDIGENAPROVA DE ARTE INDIGENA
PROVA DE ARTE INDIGENA
Francisco Antonio Machado Araujo
 
Linguagens da artes (conteudos )
Linguagens da artes (conteudos )Linguagens da artes (conteudos )
Linguagens da artes (conteudos )
graduartes
 
Prova Artes 6° ano
Prova Artes 6° anoProva Artes 6° ano
Prova Artes 6° ano
Geo Honório
 
Entenda a arte (atividades)
Entenda a arte (atividades)Entenda a arte (atividades)
Entenda a arte (atividades)
graduartes
 
Avaliações artes-primeiro-bimestre-.
Avaliações artes-primeiro-bimestre-.Avaliações artes-primeiro-bimestre-.
Avaliações artes-primeiro-bimestre-.
Andreza Andrade
 
Caça palavras sobre teatro atividade
Caça palavras sobre teatro atividadeCaça palavras sobre teatro atividade
Caça palavras sobre teatro atividade
josenmd
 
Prova de arte 4b 8 ano
Prova de arte 4b 8 anoProva de arte 4b 8 ano
Prova de arte 4b 8 ano
Atividades Diversas Cláudia
 

Mais procurados (20)

AVALIAÇÃO DE ARTES: 5º ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL I - 2º CICLO
AVALIAÇÃO DE ARTES: 5º ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL I - 2º CICLOAVALIAÇÃO DE ARTES: 5º ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL I - 2º CICLO
AVALIAÇÃO DE ARTES: 5º ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL I - 2º CICLO
 
Avaliação diagnóstica arte 8 ano 2013
Avaliação diagnóstica arte 8 ano 2013Avaliação diagnóstica arte 8 ano 2013
Avaliação diagnóstica arte 8 ano 2013
 
Simulado 6º ano arte
Simulado 6º ano arteSimulado 6º ano arte
Simulado 6º ano arte
 
Avaliação diagnóstica arte 6 e 7 anos 2013
Avaliação diagnóstica arte 6 e 7 anos 2013Avaliação diagnóstica arte 6 e 7 anos 2013
Avaliação diagnóstica arte 6 e 7 anos 2013
 
Historia da musica atividades
Historia da musica atividadesHistoria da musica atividades
Historia da musica atividades
 
Avaliação para o 7º ano
Avaliação para o 7º anoAvaliação para o 7º ano
Avaliação para o 7º ano
 
AVALIAÇÃO DE ARTES: EJA - 6° AO 9º ANO
AVALIAÇÃO DE ARTES: EJA - 6°  AO  9º ANOAVALIAÇÃO DE ARTES: EJA - 6°  AO  9º ANO
AVALIAÇÃO DE ARTES: EJA - 6° AO 9º ANO
 
AVALIAÇÃO DE ENSINO RELIGIOSO: 5º ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL 1 - II CICLO
AVALIAÇÃO DE ENSINO RELIGIOSO: 5º ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL 1 - II CICLOAVALIAÇÃO DE ENSINO RELIGIOSO: 5º ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL 1 - II CICLO
AVALIAÇÃO DE ENSINO RELIGIOSO: 5º ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL 1 - II CICLO
 
Apostila arte 9 ano.pdf (1) (1)
Apostila arte 9 ano.pdf (1) (1)Apostila arte 9 ano.pdf (1) (1)
Apostila arte 9 ano.pdf (1) (1)
 
Produção textual
Produção textual Produção textual
Produção textual
 
Prova de arte 6ano 3b pronta 1
Prova de arte 6ano 3b pronta 1Prova de arte 6ano 3b pronta 1
Prova de arte 6ano 3b pronta 1
 
Plano de Aula Tarsila do Amaral
Plano de Aula Tarsila  do AmaralPlano de Aula Tarsila  do Amaral
Plano de Aula Tarsila do Amaral
 
Instrumentos musicais africanos
Instrumentos musicais africanosInstrumentos musicais africanos
Instrumentos musicais africanos
 
PROVA DE ARTE INDIGENA
PROVA DE ARTE INDIGENAPROVA DE ARTE INDIGENA
PROVA DE ARTE INDIGENA
 
Linguagens da artes (conteudos )
Linguagens da artes (conteudos )Linguagens da artes (conteudos )
Linguagens da artes (conteudos )
 
Prova Artes 6° ano
Prova Artes 6° anoProva Artes 6° ano
Prova Artes 6° ano
 
Entenda a arte (atividades)
Entenda a arte (atividades)Entenda a arte (atividades)
Entenda a arte (atividades)
 
Avaliações artes-primeiro-bimestre-.
Avaliações artes-primeiro-bimestre-.Avaliações artes-primeiro-bimestre-.
Avaliações artes-primeiro-bimestre-.
 
Caça palavras sobre teatro atividade
Caça palavras sobre teatro atividadeCaça palavras sobre teatro atividade
Caça palavras sobre teatro atividade
 
Prova de arte 4b 8 ano
Prova de arte 4b 8 anoProva de arte 4b 8 ano
Prova de arte 4b 8 ano
 

Destaque

Projeto dança
Projeto   dançaProjeto   dança
Projeto dança
Patricia Aguirre
 
Planejamento dança
Planejamento dançaPlanejamento dança
Planejamento dança
SimoneHelenDrumond
 
Arte conceitual
Arte conceitualArte conceitual
Arte conceitual
Cristiano Acosta
 
Projeto nos passos da dança 6º, 7º, 8º e 9º ano cest
Projeto nos passos da dança   6º, 7º, 8º e 9º ano  cestProjeto nos passos da dança   6º, 7º, 8º e 9º ano  cest
Projeto nos passos da dança 6º, 7º, 8º e 9º ano cest
SimoneHelenDrumond
 
Plano de curso oitavo ano artes (1)
Plano de curso oitavo ano artes (1)Plano de curso oitavo ano artes (1)
Plano de curso oitavo ano artes (1)
Atividades Diversas Cláudia
 
Projeto Dança e Saúde
Projeto Dança e SaúdeProjeto Dança e Saúde
Projeto Dança e Saúde
Leandro Martins
 
PLANO DE AULA
PLANO DE AULA PLANO DE AULA
PLANO DE AULA
anabeatrizsa
 
Oficina de dança e expressão
Oficina de dança e expressãoOficina de dança e expressão
Oficina de dança e expressão
Jeyce R. Sousa Pires
 
AVALIAÇÃO DE CIÊNCIAS - 6º OU 7º ANO - ÁGUA, LIXO, SANEAMENTO BÁSICO E POLUIÇÃO
AVALIAÇÃO DE CIÊNCIAS - 6º OU 7º ANO - ÁGUA, LIXO, SANEAMENTO BÁSICO E POLUIÇÃOAVALIAÇÃO DE CIÊNCIAS - 6º OU 7º ANO - ÁGUA, LIXO, SANEAMENTO BÁSICO E POLUIÇÃO
AVALIAÇÃO DE CIÊNCIAS - 6º OU 7º ANO - ÁGUA, LIXO, SANEAMENTO BÁSICO E POLUIÇÃO
Secretaria de Estado de Educação e Qualidade do Ensino
 
Apostila de estudo dança
Apostila de estudo dança Apostila de estudo dança
Apostila de estudo dança
Sheila Faria
 
Projeto Música na escola
Projeto Música na escolaProjeto Música na escola
Projeto Música na escola
Venicio Borges
 
Retrato e auto retrato
Retrato e auto retratoRetrato e auto retrato
Retrato e auto retrato
luciliapereira
 
Plano de aula musica
Plano de aula musicaPlano de aula musica
Plano de aula musica
Leticia Miura
 
Projeto música
Projeto músicaProjeto música
Atividade ensino religioso carinho
Atividade ensino religioso carinhoAtividade ensino religioso carinho
Atividade ensino religioso carinho
Atividades Diversas Cláudia
 
Planejamento educação infantil
Planejamento educação infantilPlanejamento educação infantil
Planejamento educação infantil
Claudia Ramos
 
Avaliação 9 ano grafite
Avaliação 9 ano grafiteAvaliação 9 ano grafite
Avaliação 9 ano grafite
Casiris Crescencio
 

Destaque (17)

Projeto dança
Projeto   dançaProjeto   dança
Projeto dança
 
Planejamento dança
Planejamento dançaPlanejamento dança
Planejamento dança
 
Arte conceitual
Arte conceitualArte conceitual
Arte conceitual
 
Projeto nos passos da dança 6º, 7º, 8º e 9º ano cest
Projeto nos passos da dança   6º, 7º, 8º e 9º ano  cestProjeto nos passos da dança   6º, 7º, 8º e 9º ano  cest
Projeto nos passos da dança 6º, 7º, 8º e 9º ano cest
 
Plano de curso oitavo ano artes (1)
Plano de curso oitavo ano artes (1)Plano de curso oitavo ano artes (1)
Plano de curso oitavo ano artes (1)
 
Projeto Dança e Saúde
Projeto Dança e SaúdeProjeto Dança e Saúde
Projeto Dança e Saúde
 
PLANO DE AULA
PLANO DE AULA PLANO DE AULA
PLANO DE AULA
 
Oficina de dança e expressão
Oficina de dança e expressãoOficina de dança e expressão
Oficina de dança e expressão
 
AVALIAÇÃO DE CIÊNCIAS - 6º OU 7º ANO - ÁGUA, LIXO, SANEAMENTO BÁSICO E POLUIÇÃO
AVALIAÇÃO DE CIÊNCIAS - 6º OU 7º ANO - ÁGUA, LIXO, SANEAMENTO BÁSICO E POLUIÇÃOAVALIAÇÃO DE CIÊNCIAS - 6º OU 7º ANO - ÁGUA, LIXO, SANEAMENTO BÁSICO E POLUIÇÃO
AVALIAÇÃO DE CIÊNCIAS - 6º OU 7º ANO - ÁGUA, LIXO, SANEAMENTO BÁSICO E POLUIÇÃO
 
Apostila de estudo dança
Apostila de estudo dança Apostila de estudo dança
Apostila de estudo dança
 
Projeto Música na escola
Projeto Música na escolaProjeto Música na escola
Projeto Música na escola
 
Retrato e auto retrato
Retrato e auto retratoRetrato e auto retrato
Retrato e auto retrato
 
Plano de aula musica
Plano de aula musicaPlano de aula musica
Plano de aula musica
 
Projeto música
Projeto músicaProjeto música
Projeto música
 
Atividade ensino religioso carinho
Atividade ensino religioso carinhoAtividade ensino religioso carinho
Atividade ensino religioso carinho
 
Planejamento educação infantil
Planejamento educação infantilPlanejamento educação infantil
Planejamento educação infantil
 
Avaliação 9 ano grafite
Avaliação 9 ano grafiteAvaliação 9 ano grafite
Avaliação 9 ano grafite
 

Semelhante a Artes Dança/ Danças Regionais e Atividades

danasbrasileiras0-170415153903.pdf
danasbrasileiras0-170415153903.pdfdanasbrasileiras0-170415153903.pdf
danasbrasileiras0-170415153903.pdf
WeslleyDias8
 
Danças brasileiras
Danças brasileirasDanças brasileiras
Danças brasileiras
VALDIR CONCEICAO
 
Dança
DançaDança
Dança
DançaDança
Apresentação1 aula danças
Apresentação1   aula dançasApresentação1   aula danças
Apresentação1 aula danças
Annete Melo
 
Danças da região norte
Danças da região norteDanças da região norte
Danças da região norte
lalinhaw
 
Danças folclóricas - África
Danças folclóricas - África Danças folclóricas - África
Danças folclóricas - África
StefhanyCrizTna
 
Dancas folcloricas do brasil
Dancas folcloricas do brasilDancas folcloricas do brasil
Dancas folcloricas do brasil
RaiRosa1
 
Regiao norte 172 5
Regiao norte 172 5Regiao norte 172 5
Regiao norte 172 5
Luciane Ferro da Silva
 
Dancas brasileiras de_matriz_africana
Dancas brasileiras de_matriz_africanaDancas brasileiras de_matriz_africana
Dancas brasileiras de_matriz_africana
Mara Virginia
 
Herança cultural de Mato Grosso do Sul
Herança cultural de Mato Grosso do SulHerança cultural de Mato Grosso do Sul
Herança cultural de Mato Grosso do Sul
Marcia Marafigo
 
Herança cultural de ms
Herança cultural de msHerança cultural de ms
Herança cultural de ms
Marcia Marafigo
 
Carimbó
CarimbóCarimbó
Danca anos finais2
Danca anos finais2Danca anos finais2
Danca anos finais2
Lismara de Oliveira
 
21182.pptx
21182.pptx21182.pptx
21182.pptx
Simone0224
 
AULA DE ARTE DANÇA.pptx
AULA DE ARTE DANÇA.pptxAULA DE ARTE DANÇA.pptx
AULA DE ARTE DANÇA.pptx
ALLYSONALVESCARVALHO
 
DANCAS
DANCASDANCAS
DANCAS
adantezana
 
Danças tradicionalistas do sul
Danças tradicionalistas do sulDanças tradicionalistas do sul
Danças tradicionalistas do sul
Kamila Assink de Liz
 
DANCA DO CATERETE.pptx
DANCA DO CATERETE.pptxDANCA DO CATERETE.pptx
DANCA DO CATERETE.pptx
Swuigão 2011
 
Africanidades Brasil
Africanidades BrasilAfricanidades Brasil
Africanidades Brasil
izoldaferreira
 

Semelhante a Artes Dança/ Danças Regionais e Atividades (20)

danasbrasileiras0-170415153903.pdf
danasbrasileiras0-170415153903.pdfdanasbrasileiras0-170415153903.pdf
danasbrasileiras0-170415153903.pdf
 
Danças brasileiras
Danças brasileirasDanças brasileiras
Danças brasileiras
 
Dança
DançaDança
Dança
 
Dança
DançaDança
Dança
 
Apresentação1 aula danças
Apresentação1   aula dançasApresentação1   aula danças
Apresentação1 aula danças
 
Danças da região norte
Danças da região norteDanças da região norte
Danças da região norte
 
Danças folclóricas - África
Danças folclóricas - África Danças folclóricas - África
Danças folclóricas - África
 
Dancas folcloricas do brasil
Dancas folcloricas do brasilDancas folcloricas do brasil
Dancas folcloricas do brasil
 
Regiao norte 172 5
Regiao norte 172 5Regiao norte 172 5
Regiao norte 172 5
 
Dancas brasileiras de_matriz_africana
Dancas brasileiras de_matriz_africanaDancas brasileiras de_matriz_africana
Dancas brasileiras de_matriz_africana
 
Herança cultural de Mato Grosso do Sul
Herança cultural de Mato Grosso do SulHerança cultural de Mato Grosso do Sul
Herança cultural de Mato Grosso do Sul
 
Herança cultural de ms
Herança cultural de msHerança cultural de ms
Herança cultural de ms
 
Carimbó
CarimbóCarimbó
Carimbó
 
Danca anos finais2
Danca anos finais2Danca anos finais2
Danca anos finais2
 
21182.pptx
21182.pptx21182.pptx
21182.pptx
 
AULA DE ARTE DANÇA.pptx
AULA DE ARTE DANÇA.pptxAULA DE ARTE DANÇA.pptx
AULA DE ARTE DANÇA.pptx
 
DANCAS
DANCASDANCAS
DANCAS
 
Danças tradicionalistas do sul
Danças tradicionalistas do sulDanças tradicionalistas do sul
Danças tradicionalistas do sul
 
DANCA DO CATERETE.pptx
DANCA DO CATERETE.pptxDANCA DO CATERETE.pptx
DANCA DO CATERETE.pptx
 
Africanidades Brasil
Africanidades BrasilAfricanidades Brasil
Africanidades Brasil
 

Mais de Geo Honório

Atividade com cuca de Tarsila do Amaral
Atividade com cuca de Tarsila do AmaralAtividade com cuca de Tarsila do Amaral
Atividade com cuca de Tarsila do Amaral
Geo Honório
 
Avaliação ou atividade artes
Avaliação ou atividade artesAvaliação ou atividade artes
Avaliação ou atividade artes
Geo Honório
 
Atividade artes 6° ou 7° ano
Atividade artes 6° ou 7° anoAtividade artes 6° ou 7° ano
Atividade artes 6° ou 7° ano
Geo Honório
 
Arte Abstrata Visita ao Museu
Arte Abstrata   Visita ao MuseuArte Abstrata   Visita ao Museu
Arte Abstrata Visita ao Museu
Geo Honório
 
Artes Alfredo Volpi
Artes Alfredo VolpiArtes Alfredo Volpi
Artes Alfredo Volpi
Geo Honório
 
Os problemas da Família Gorgonzola
Os problemas da Família GorgonzolaOs problemas da Família Gorgonzola
Os problemas da Família Gorgonzola
Geo Honório
 
Prova literatura 2° ano médio
Prova literatura 2° ano médioProva literatura 2° ano médio
Prova literatura 2° ano médio
Geo Honório
 
Prova literatura 1° ano médio
Prova literatura 1° ano médioProva literatura 1° ano médio
Prova literatura 1° ano médio
Geo Honório
 
Atividade Períodos e Linguagem não verbal
Atividade Períodos e Linguagem não verbalAtividade Períodos e Linguagem não verbal
Atividade Períodos e Linguagem não verbal
Geo Honório
 
Atividades Sujeitos e Predicados
Atividades Sujeitos e PredicadosAtividades Sujeitos e Predicados
Atividades Sujeitos e Predicados
Geo Honório
 
Atividades Viagens de Gulliver
Atividades Viagens de GulliverAtividades Viagens de Gulliver
Atividades Viagens de Gulliver
Geo Honório
 
Prova Artes 1 ano médio
Prova Artes 1 ano médioProva Artes 1 ano médio
Prova Artes 1 ano médio
Geo Honório
 
Prova Português 7 ano II
Prova Português 7 ano IIProva Português 7 ano II
Prova Português 7 ano II
Geo Honório
 
Prova Português 7 ano
Prova Português 7 anoProva Português 7 ano
Prova Português 7 ano
Geo Honório
 
Prova Inglês 5 ano
Prova Inglês 5 anoProva Inglês 5 ano
Prova Inglês 5 ano
Geo Honório
 
1° prova artes 9 ano
1° prova artes 9 ano1° prova artes 9 ano
1° prova artes 9 ano
Geo Honório
 
1° prova artes 8 ano
1° prova artes 8 ano1° prova artes 8 ano
1° prova artes 8 ano
Geo Honório
 
1° prova artes 7 ano
1° prova artes 7 ano1° prova artes 7 ano
1° prova artes 7 ano
Geo Honório
 
1° prova artes 6 ano
1° prova artes 6 ano1° prova artes 6 ano
1° prova artes 6 ano
Geo Honório
 

Mais de Geo Honório (19)

Atividade com cuca de Tarsila do Amaral
Atividade com cuca de Tarsila do AmaralAtividade com cuca de Tarsila do Amaral
Atividade com cuca de Tarsila do Amaral
 
Avaliação ou atividade artes
Avaliação ou atividade artesAvaliação ou atividade artes
Avaliação ou atividade artes
 
Atividade artes 6° ou 7° ano
Atividade artes 6° ou 7° anoAtividade artes 6° ou 7° ano
Atividade artes 6° ou 7° ano
 
Arte Abstrata Visita ao Museu
Arte Abstrata   Visita ao MuseuArte Abstrata   Visita ao Museu
Arte Abstrata Visita ao Museu
 
Artes Alfredo Volpi
Artes Alfredo VolpiArtes Alfredo Volpi
Artes Alfredo Volpi
 
Os problemas da Família Gorgonzola
Os problemas da Família GorgonzolaOs problemas da Família Gorgonzola
Os problemas da Família Gorgonzola
 
Prova literatura 2° ano médio
Prova literatura 2° ano médioProva literatura 2° ano médio
Prova literatura 2° ano médio
 
Prova literatura 1° ano médio
Prova literatura 1° ano médioProva literatura 1° ano médio
Prova literatura 1° ano médio
 
Atividade Períodos e Linguagem não verbal
Atividade Períodos e Linguagem não verbalAtividade Períodos e Linguagem não verbal
Atividade Períodos e Linguagem não verbal
 
Atividades Sujeitos e Predicados
Atividades Sujeitos e PredicadosAtividades Sujeitos e Predicados
Atividades Sujeitos e Predicados
 
Atividades Viagens de Gulliver
Atividades Viagens de GulliverAtividades Viagens de Gulliver
Atividades Viagens de Gulliver
 
Prova Artes 1 ano médio
Prova Artes 1 ano médioProva Artes 1 ano médio
Prova Artes 1 ano médio
 
Prova Português 7 ano II
Prova Português 7 ano IIProva Português 7 ano II
Prova Português 7 ano II
 
Prova Português 7 ano
Prova Português 7 anoProva Português 7 ano
Prova Português 7 ano
 
Prova Inglês 5 ano
Prova Inglês 5 anoProva Inglês 5 ano
Prova Inglês 5 ano
 
1° prova artes 9 ano
1° prova artes 9 ano1° prova artes 9 ano
1° prova artes 9 ano
 
1° prova artes 8 ano
1° prova artes 8 ano1° prova artes 8 ano
1° prova artes 8 ano
 
1° prova artes 7 ano
1° prova artes 7 ano1° prova artes 7 ano
1° prova artes 7 ano
 
1° prova artes 6 ano
1° prova artes 6 ano1° prova artes 6 ano
1° prova artes 6 ano
 

Último

Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdfTestes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
lveiga112
 
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
SILVIAREGINANAZARECA
 
Atividade de reforço de matemática 2º ano
Atividade de reforço de matemática 2º anoAtividade de reforço de matemática 2º ano
Atividade de reforço de matemática 2º ano
fernandacosta37763
 
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do AssaréFamílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
profesfrancleite
 
slides de Didática 2.pdf para apresentar
slides de Didática 2.pdf para apresentarslides de Didática 2.pdf para apresentar
slides de Didática 2.pdf para apresentar
JoeteCarvalho
 
D20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
D20 - Descritores SAEB de Língua PortuguesaD20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
D20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
eaiprofpolly
 
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
LeticiaRochaCupaiol
 
Pintura Romana .pptx
Pintura Romana                     .pptxPintura Romana                     .pptx
Pintura Romana .pptx
TomasSousa7
 
000. Para rezar o terço - Junho - mês do Sagrado Coração de Jesús.pdf
000. Para rezar o terço - Junho - mês do Sagrado Coração de Jesús.pdf000. Para rezar o terço - Junho - mês do Sagrado Coração de Jesús.pdf
000. Para rezar o terço - Junho - mês do Sagrado Coração de Jesús.pdf
YeniferGarcia36
 
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptxAula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
LILIANPRESTESSCUDELE
 
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantilVogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
mamaeieby
 
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sonsAula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Érika Rufo
 
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
Biblioteca UCS
 
Fernão Lopes. pptx
Fernão Lopes.                       pptxFernão Lopes.                       pptx
Fernão Lopes. pptx
TomasSousa7
 
Aula história , caracteristicas e esteriótipos em relação a DANÇA DE SALAO.pptx
Aula história , caracteristicas e esteriótipos em relação a DANÇA DE SALAO.pptxAula história , caracteristicas e esteriótipos em relação a DANÇA DE SALAO.pptx
Aula história , caracteristicas e esteriótipos em relação a DANÇA DE SALAO.pptx
edivirgesribeiro1
 
759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf
759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf
759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf
MessiasMarianoG
 
livro ciclo da agua educação infantil.pdf
livro ciclo da agua educação infantil.pdflivro ciclo da agua educação infantil.pdf
livro ciclo da agua educação infantil.pdf
cmeioctaciliabetesch
 
Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
Educação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideiaEducação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideia
Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
joseanesouza36
 
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptxSlides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Leonardo da Vinci .pptx
Leonardo da Vinci                  .pptxLeonardo da Vinci                  .pptx
Leonardo da Vinci .pptx
TomasSousa7
 

Último (20)

Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdfTestes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
 
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
 
Atividade de reforço de matemática 2º ano
Atividade de reforço de matemática 2º anoAtividade de reforço de matemática 2º ano
Atividade de reforço de matemática 2º ano
 
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do AssaréFamílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
 
slides de Didática 2.pdf para apresentar
slides de Didática 2.pdf para apresentarslides de Didática 2.pdf para apresentar
slides de Didática 2.pdf para apresentar
 
D20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
D20 - Descritores SAEB de Língua PortuguesaD20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
D20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
 
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
 
Pintura Romana .pptx
Pintura Romana                     .pptxPintura Romana                     .pptx
Pintura Romana .pptx
 
000. Para rezar o terço - Junho - mês do Sagrado Coração de Jesús.pdf
000. Para rezar o terço - Junho - mês do Sagrado Coração de Jesús.pdf000. Para rezar o terço - Junho - mês do Sagrado Coração de Jesús.pdf
000. Para rezar o terço - Junho - mês do Sagrado Coração de Jesús.pdf
 
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptxAula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
 
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantilVogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
 
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sonsAula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
 
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
 
Fernão Lopes. pptx
Fernão Lopes.                       pptxFernão Lopes.                       pptx
Fernão Lopes. pptx
 
Aula história , caracteristicas e esteriótipos em relação a DANÇA DE SALAO.pptx
Aula história , caracteristicas e esteriótipos em relação a DANÇA DE SALAO.pptxAula história , caracteristicas e esteriótipos em relação a DANÇA DE SALAO.pptx
Aula história , caracteristicas e esteriótipos em relação a DANÇA DE SALAO.pptx
 
759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf
759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf
759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf
 
livro ciclo da agua educação infantil.pdf
livro ciclo da agua educação infantil.pdflivro ciclo da agua educação infantil.pdf
livro ciclo da agua educação infantil.pdf
 
Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
Educação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideiaEducação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideia
Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
 
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptxSlides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
 
Leonardo da Vinci .pptx
Leonardo da Vinci                  .pptxLeonardo da Vinci                  .pptx
Leonardo da Vinci .pptx
 

Artes Dança/ Danças Regionais e Atividades

  • 1. Dança OS ELEMENTOS DA DANÇA Sem movimento não existe dança, por isso, o corpo é fundamental para que exista a dança. Para dançar precisamos de um lugar, ou seja, um espaço. Para que a dança aconteça é preciso que existam três elementos básicos: 1º) O movimento corporal – É o corpo que se movimenta, não existe dança sem um corpo em movimento, tem de expor seus sentimentos e pensamentos, usando apenas movimentos. Na dança, na ginástica, nas lutas marciais, em fim, de diversas maneiras, usamos o nosso corpo para manifestar, expandir nossas emoções. 2º) O Espaço – O corpo em movimento utiliza o espaço de forma expressiva e o espaço influencia no movimento. O espaço é onde a dança está acontecendo 3º) O Tempo – Todo movimento expressivo tem um ritmo e se dá de acordo com organizações temporais. Assim como na música, a dança é uma Arte que ocorre em determinado tempo. Por exemplo, a necessidade de coordenação e sincronia num casal de dançarinos é fundamental para a dança ser bem-sucedida o mesmo ocorre na sincronia de apresentações com vários dançarinos, e essa sincronia é determinada pelo tempo que duram os movimentos. ALGUNS DOS ASPECTOS A SEREM PENSADOS NA CRIAÇÃO EM DANÇA SÃO: Elementos Formais Formação inicial: toda dança tem uma posição inicial que os dançarinos devem assumir antes de começar a dançar. Níveis altos, médios e baixos: de modo geral são movimentos possíveis do corpo utilizando os espaços acima da cabeça, na altura da cintura ou abaixo dela. Salto e queda: o salto ou pulo é usado em muitas danças. Direção: o movimento pode ser feito para diversas direções no espaço: frente, trás, diagonal, esquerda, direita, Rotação: é o giro, pode ser feito pelo corpo todo, por uma parte do corpo, em duplas, etc. Deslocamento: pode ser feito saltando, andando, correndo, sendo carregado, se arrastando, girando, entre outras.
  • 2. A - ELEMENTOS da DANÇA Movimento Corporal Tempo Espaço B - COMPOSIÇÃO Gênero: Folclórica, popular, étnica Ponto de Apoio Formação Coreografia Salto e queda Técnica: Improvisação C - MOVIMENTOS E PERIODOS Dança Popular Brasileira Indígena Africana Arte Popular (folclore) Danças Regionais SUDESTE BATE-CAIXA - É uma dança coletiva, é dançado por ocasião das festas do Divino Espírito Santo. O tambor (caixa surda) destaca-se dos demais instrumentos. BATE-PÉ -é uma dança sapateada, simples e de fácil execução, CAIAPÓS - era muito dançado pelos indígenas. Com o avanço da civilização. Os instrumentos musicais são corneta (de chifre de boi), chocalhos, pandeiros, reco-recos, zabumba, os participantes marcham pelas ruas,saltam e gritam ao som da música. CALANGO - É uma dança profana,composta de cantos e bailes. Os pares dançam enlaçados, em estilo de samba. CATERETÊ- é uma das danças mais genuinamente brasileira. É de origem indígena. É uma espécie de sapateado,executado com "bate-pé" ao som de palmas e violas.
  • 3. CHIBA - É uma dança sapateada em que os pares dançam separados. É animada apenas por uma viola. CARNAVAL - Festa popular, coletiva, realizada anualmente nos três dias que antecedem a Quarta-feira de cinzas. Chamada também folia (folia de Momo, dias de folia). FESTAS JUNINAS - Nas cidades, nas paróquias e escolas são montadas as quermesses, com barraquinhas de comidas típicas (canjica, arroz-doce, pé-demoleque, pipoca, quentão); jogos. Nas comunidades rurais, além do "casamento da roça" e da quadrilha, também acedem fogueiras. Foi introduzidas pelos portugueses LUNDU OU LUNDUM - Dança popular em Portugal, "dança licenciosa e indecente",homens e mulheres formam um circulo. Uma moça entra na roda e dança, evoluindo em graciosos volteios, arregaçando a saia em movimentos rápidos. Depois de longas voltas, suspende a saia e a faz descer sobre a cabeça de um dos homens. Com isto põe fim a dança. MANA-CHICA - É uma variante da quadrilha, os pares iniciam a dança girando em balancê, Os cavaleiros sapateiam frente MOÇAMBIQUE- é dança de origem africana. Estas festas são batizadas com nomes de santos. Atualmente é dançado entre os caboclos. CENTRO OESTE MARIMBONDO - é uma dança de composição fácil. O bailarino revela sua habilidade de dançarino-equilibrista, enquanto os circunstantes acompanham seus movimentos com algazarra. Após o malabarismo, ajoelha-se diante de um dos assistentes, para que o substitua. Caso o escolhido não aceite será obrigado a pagar uma rodada de bebidas para a turma. PALMINHA- Palminha é uma modalidade de quadrilha rural. É um divertimento, no qual os participantes se entretêm com cordialidade e alegria. RECORTADO -É uma dançacaipira. Nesta dança os cavalheiros dançam sapateando e dando umbigada ora para a direita, ora para a esquerda. Trocam de lugares. SERRA MORENINHA- É uma espécie de bailado. Enquanto dançam, ao som da orquestra, os pares imitam os movimentos de serradores que puxam a serra. VOLTA SENHORA- é quadrilha. Os dançadores são ligados entre si por lenços ou paus apropriados. Executam piruetas eformam com os paus uma grade, em cima da qual sobe o violeiro que é levado em triunfo. CAVALHADA- A Cavalhada teve origem nos torneios medievais, faz uso de fitas como prêmio, que são oferecidas pelo ganhador a uma mulher ou outra pessoa que deseje homenagear. Os Cavaleiros reúnem-se ao som de um tambor, juntos, dirigem-se marcialmente para o campo. É uma competição real de desfecho imprevisto com possibilidades de vitória para qualquer grupo. CURURU - é uma dança sagrada dos índios brasileiros, de origem tupi-guarani. Anteriormente era dançada nos templos. Mais tarde foi transportada para o domicilio do festeiro, onde se coloca um altar com o Santo Padroeiro. É dançada exclusivamente por homens. Os dançarinos bebem cachaça
  • 4. NORTE MARAMBIRÉ - Simbolizava a esperança dos negros na construção de uma sociedade justa e livre. O bailado constitui-se numa simples marcha. RETUMBÃO - recebeu esse nome devido ao entusiasmo dos portugueses que, ao ouvirem a musica diziam que tudo “retumbava”. SAMBA DO CACETE- foi criada para mostrar toda a sensualidade da região. O nome se origina do instrumento que é usado para dar ritmo e marcação à música: os cacetes, dois pedaços de pau que são batidos no Curimbó. DANÇA DO SÍRIA- expressa gratidão dos índios e escravos africanos por um milagre. Depois do trabalho, os escravos eram liberados para conseguir algo para comer. Certo dia, foram à praia e encontraram grandes quantidades de siris. Em agradecimento dançaram e deram o nome á dança de SIRIÁ. BATUQUE AMAZÔNICO- trata-se de uma homenagem à "cabocla Jurema", entidade dos terreiros da Umbanda e demais cultos afro-brasileiros BANGUÊ - A palavra "Banguê" significa "engenho de açúcar", em um dialeto africano, por isso a dança também é conhecida como "dança dos engenhos". CARIMBÓ- O nome vem dos índios Tupinambá - CURI (PAU OCO) (FURADO). Na tradução seria "pau que propaga o som". A influência africana deixou o ritmo do carimbó mais agitado e alegre. CIRANDA DO NORTE - De origem portuguesa, a dança, se desenvolve formando uma grande roda. CHULA MARAJOARA- ritual afro-brasileira. É uma variante das congadas. É devocional em louvor a São Benedito e Nossa Sr.ª. do Rosário. LUNDÚ- De origem africana e a mais sensual dança folclórica. O tema está centrado no convite do homem à mulher para um encontro sexual. A dança desenvolve-se, a princípio, com a recusa da mulher, mas diante da insistência do companheiro ela termina por ceder. O "ato sexual" acontece quando o casais realiza a UMBIGADA - movimentos sensuais de requebro. MARAMBIRÉ- Dança africana, tipicamente religiosa (mistura de elementos religiosos e profanos). OBALUAIÊ - é de origem africana, manifestação que se ramificou do candomblé africano. Se inicia com uma invocação ao orixá DESFEITEIRA- É uma manifestação folclórica. Conta-se que os escravos africanos e os índios Boraris, reuniam-se no barracão ao final do dia para momentos de descontração, dançavam e cantavam músicas compostas de improviso onde, em geral, faziam críticas bem humoradas a seus senhores, para “desfeiteá-los”. PRETINHA D’ANGOLA- é uma dança africana, de Angola, os temas ressaltados são as mágoas do período de escravidão XOTE BRAGANTINO- de raiz européia, da Escócia. A dança era praticada por membros das famílias dos senhores dos engenhos DANÇA DA LENDA DO AÇAÍ numa época em quea falta de comida assolava, o cacique decidiu que qualquer criança que nascesse seria morta, pois não haveria alimento para elas. A sua filha IAÇÁ engravidou e deu à luz uma menina, que foi morta . Sua filha chorou durante muito tempo, quando numa noite ela avistou uma palmeira com frutos escuros, e no pé desta palmeira sua filha a esperava de braços abertos. Ela correu para lhe abraçar, e o fez com tanta vontade e felicidade que acabou morrendo abraçada aos pés da palmeira. Seu pai a encontrou morta e percebeu em seu rosto um olhar de
  • 5. felicidade que mirava as frutas. As frutas foram usadas para saciar a fome de toda a tribo. A sentença de morte foi extinta e em agradecimento a TUPÃ e homenagem à sua Filha IAÇÁ, deu o nome de AÇAÍ àquela fruta. Esta Dança foi criada em homenagem a fruta típica de dessa região. Sua coreografia é de pares soltos em circulo. FESTA DO BOI - FESTIVAL FOLCLÓRICO DE PARINTINS - Boi-bumbá. As pessoasassistem à disputa entre os dois bois, representados pelos grupos Vermelho, ou Garantido, e Azul, ou Caprichoso. É uma dança regional, de criação do povo indígena MARABAIXO-. É dançado a partir do sábado de Aleluia até o domingo do Divino. Homens, mulheres e até crianças tomam parte nos folguedos. No último domingo, o festeiro faz erguer, como marco simbólico, um mastro adornado. MARUJADA- Faz parte do ciclo das festas jesuínas. É dançada por homens e mulheres, coletivamente. Tomam parte na marujada: o capitão do navio, o piloto, o mar-e-guerra e o embaixador. Tem dois movimentos a marujada: como o samba, e outro caindo lento para o lado como se fosse emconseqüência do jogo de um navio em alto mar. TIRANA- originário da Espanha, é baile de rapazes e raparigas, bem animado e cheio de movimento. NORDESTE FESTAS JUNINAS- Introduzidas pelos portugueses, onde o culto a São João é um dos mais antigos e populares, as festas juninas (de junho) ou joaninas (de João) iniciam-se no dia 12 do mês, e terminam no dia 29 (São Pedro) AFOXÊ- É uma dançado bloco negro característico do Carnaval da Bahia. BANGULÊ-A dança bangulê é tipicamente dos negros. É dançada ao som de puíta, acompanhada de palmas e sapateados. BATE-BAÚ- é dança em ritmo de samba. BATUCAJÉ, uma dança sacra, afro-brasileira. Sua coreografia é mais ou menos livre, ao sabor das improvisações dos dançarinos. BUMBA-MEU-BOI- A origem do auto do bumba-meu-boi remonta ao Ciclo do Gado, resulta das relações desiguais que existem entre os escravos e os senhores CABINDA é uma dança de origem africana, muito comum nos desfiles de negros do Recife, quando se preparam para o Maracatu. É uma dança cheia de mímicas. CINZAS- A dança da procissão de Cinzas teve origem em Olinda . A cidade dorme. Subitamente ouvem-se gemidos coletivos. Aparece um grande número de meninos de 9 a 16 anos, descobertos e descalços, vestidos de saco, com aspecto tenebroso, formam duas filas, dentre as quais marcham figuras alegóricas simbolizando a Morte, o Diabo, o Anjo, etc. Dançam freneticamente um Lundu, com movimentos provocantes e sensuais em completa exaltação dos sentidos e confundem-se num pandemônio de emoções e em completa mistura de classes, idade, sexos e raças. FREVO- Significa ferver - Temorigem nos movimentos da Capoeira. Dançam com uso de sombrinha. MEIA-CANHA- faz parte dos bailes rurais A roda desloca-se para um lado. MINEIRO-PAU- Mineiro-pau é uma dança singela, de origem indígena. É mais um divertimento dos jovens. Moças e rapazes formam um circulo, e sapateiam
  • 6. PUNGA - É uma dança simples,classificada entre as danças de natureza lasciva, principalmente pela umbigada que faz marcação entre os pares. QUILOMBOS- A dança dos quilombos é uma epopéia histórica da Guerra dos Palmares, que durou 70 anos no Estado de Alagoas. É uma dança coletiva de negros e índios, eles divide-se em duas partes. Na primeira, os negros comemoram o saque efetuado na noite anterior, e vendem as mercadorias nele obtidas. Na segunda parte, trava-se um combate entre negros e índios. Estes saem vencedores. ROJÃO- O Rojão é uma dança de ritmo acelerado. Às vezes, toma forma de desafio entre os participantes, os quais disputam a primazia de “cabra valente”, durando horas a fio. MARACATU - Nasceu da tradição do Rei do Congo, implantada pelos portugueses, é uma dança caracterizada pela percussão forte, em ritmo frenético, que teve origem nas congadas, cerimônias de coroação dos reis e rainhas da Nação negra Caboclos e Guias fazem muitas acrobacias, que parecem com os passos dos frevos. SUL BAMBAQUERÊ - É uma espécie de baile (fandango), de origem africana CHULA- Dança folclórica executada por homenscom muitas sapateadas CIELITO- é uma dança com canto e versos, muito popular. É tipicamente gaúcha, dançada coletivamente. FANDANGO- Essas dançasforam trazidas pelos portugueses dos Açores. Estão intimamente ligadas ao canto e seu principal instrumento é a viola. DANÇA PAU-DE-FITAS- é uma tradição milenar, originária do meio rural que aparece em alguns países latino-americanos. Em tribos pagãs essa coreografia tinha o significado de dança da fertilidade. Era executada em torno de um totem na forma de um membro viril, em que as mulheres estéreis realizavam um culto, fazendo evoluções e invocando a proteção dos deuses para por fim à esterilidade.
  • 7. ATIVIDADES Responda: 1- Quais são os elementos da dança? 2- Quais são os elementos formais da dança? 3- Coloque o nome das danças abaixo, diga quais são contemporâneas(as mais atuais) e diga o que você sabe sobre duas.
  • 8. 12 13 2 17 3 24 4 15 9 20 10 6 5 7 18 32 8 16 11 29 14 33 27 26 25 22 30 31 28 21 23 19 A T I V I D A D E S S O B R E D A N Ç A S R E G I O N A I S 1- A maioria das danças brasileiras tem origem portuguesa, africana ou... 2- Muitas danças do norte, de origem africana, tem como tema a... e o sofrimento. 3- A dança do Siriá expressa o... por um milagre. 4- A maioria das danças de origem africana são em homenagem aos...da Umbanda e candomblé. 5- Dança conhecida como Dança dos Engenhos... 6- Dança que tem significado indígena para seu nome de “pau que propaga som... 7- As cirandas são dançadas em... 8- O Lundu é uma dança sensual, porque nela se realiza a...
  • 9. 9-As danças regionais são manifestações culturais, por isso, são chamadas danças... 10- A dança típica do Festival de Parintins é a... 11- É uma dança em homenagem a Tupã, em agradecimento ao fim da fome... 12- A festa junina foi introduzida no Brasil, pelos... 13- O afoxé é uma dança da... 14- O Batucajé é uma dança..., afro-brasileira. 15 - Bumba-meu-boi resulta das relações desiguais entre os escravos e os seu... 16-Cabinda é comum nos desfiles de negros do Recife, quando se preparam para o... 17- Dançam freneticamente com figuras alegóricas simbolizando a Morte, o Diabo, o Anjo, etc... 18- Tem origem nos movimentos da Capoeira e usam sombrinhas... 19- Essa dança é uma epopéia histórica da Guerra dos Palmares... 20- O Maracatu Nasceu da tradição do Rei do... 21- É dançada apenas por homens... 22- O Cielito é uma dança tipicamente... 23- Tem tradição milenar e é chamada de dança da fertilidade... 24- É uma dança profana, parecida com o samba... 25- Dança genuinamente brasileira, de origem indígena... 26- É também chamada de Folia de Momo e antecede a quarta feira de cinzas... 27- Tem quermesse, quadrilha e comida típica... 28- Dança indecente, a moça suspende a saia e a faz descer sobre a cabeça de um dos homens. 29- Dança de origem africana, dançada entre os caboclos... 30- Depois da dança o dançarino escolhe um substituto. Caso o escolhido não aceite será obrigado a pagar uma rodada de bebidas para a turma... 31- essa dança os pares imitam os movimentos de serradores que puxam a serra. 32- Os dançarinos são os cavalheiros e usam fitas como prêmio. 33- Dança sagrada dos índios Tupi Guaranis.