SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 3
Baixar para ler offline
Curso Técnico em Gerencia Empresarial
                                12 – Impostos _ IPI - ICMS - IR - IRRF - ISSQN - INSS - DAS
                            Disciplina: Contabilidade Gerencial                    Professor: William T. Silveira
                                                       e-mail/msn: uniwill@pop.com.br

12 - IMPOSTOS
                                       Imposto é uma fatia da riqueza da sociedade que é dada ao Estado para custear
                                suas obrigações.

                           Mesmo antes do surgimento da moeda, os homens já realizavam trocas de bens e serviços, ou
                           seja, o preço de algo era o que você podia oferecer em troca. Na sociedade em que vivemos
                           então, nem se fala, tudo tem um preço: o salário do trabalhador é o preço de seu serviço, por
                           exemplo. Sabemos que o Estado possui uma série de obrigações, como saúde, educação,
                           segurança, etc. Obviamente, tudo isso também possui um custo – e alto. Então, como o
Estado faz para custear suas atividades?

Para poder garantir a prestação de serviços e cumprir suas obrigações perante a sociedade, o governo retira da mesma,
de forma coercitiva, uma parcela de sua riqueza: os impostos. Essa coerção significa que os indivíduos não têm o direito
de escolha: ou pagam ou sofrem as conseqüências (multas, sanções legais e administrativas, etc.). Em alguns países, o
não-pagamento dos impostos é uma coisa tão séria que pode resultar até mesmo na prisão do indivíduo.

Em tese, os cidadãos deveriam receber de volta o dinheiro que foi pago através da prestação de serviços. No entanto,
sabemos que na maioria das vezes isso não ocorre, visto que certos serviços são prestados de forma ineficiente e até
precária, por vezes.

Segundo a teoria econômica, quanto maior o preço, menor a demanda. O que isso tem a ver? Bem, os inúmeros
impostos que incidem diretamente sobre os produtos fazem com que os preços subam grandemente. Para se ter uma
idéia, segundo relatório elaborado pelo Instituto Brasileiro de Planejamento Tributário (IBPT), sem impostos, os preços
de certos produtos cairiam até 83,07%. Assim, com o aumento dos preços causados pela tributação, o consumo cai,
inibindo o desenvolvimento econômico.

Mesmo assim, todos nós sabemos que os impostos são fundamentais para custear as atividades do Estado. No entanto, a
grande questão é a aplicação do dinheiro arrecadado e se o mesmo está sendo empregado de forma eficaz e eficiente
para proporcionar o bem-estar social.

Texto de Tiago Dantas - Equipe Brasil Escola – Disponível em http://www.brasilescola.com/economia/o-que-e-imposto.htm, 09/03/2008.

12.1 – IPI (IMPOSTO SOBRE PRODUTOS INDUSTRIALIZADOS)

    São duas as principais hipóteses de ocorrência do fato gerador do IPI:
           1) Na importação: o desembaraço aduaneiro de produtos de procedência estrangeira;
           2) Na operação interna: a saída de produto de estabelecimento industrial, ou equiparado a industrial.

    São obrigados ao pagamento do imposto como contribuinte:
           1) O importador, em relação ao fato gerador decorrente do desembaraço aduaneiro de produto de
           procedência estrangeira;
           2) O industrial, em relação ao fato gerador decorrente da saída de produto que industrializar em seu
           estabelecimento, bem assim quanto aos demais fatos geradores decorrentes de atos que praticar;
           3) O estabelecimento equiparado a industrial, quanto ao fato gerador relativo aos produtos que dele
           saírem, bem assim quanto aos demais fatos geradores decorrentes de atos que praticar;
           4) Os que consumirem ou utilizarem em outra finalidade, ou remeterem a pessoas que não sejam
           empresas jornalísticas ou editoras, o papel destinado à impressão de livros, jornais e periódicos, quando
           alcançado pela imunidade prevista na Constituição Federal.

    Atenção: considera-se contribuinte autônomo qualquer estabelecimento de importador, industrial ou comerciante, em
    relação a cada fato gerador que decorra de ato que praticar.

Base De Cálculo: Na operação interna: O valor total da operação de que decorrer a saída do estabelecimento
industrial ou equiparado a industrial; Na importação: O valor que servir ou que serviria de base para o cálculo dos
tributos aduaneiros, por ocasião do despacho de importação, acrescido do montante desses tributos e dos encargos
cambiais efetivamente pagos pelo importador ou deste exigíveis.

Alíquota: São várias e estão presentes na Tabela de Incidência do Imposto sobre Produtos Industrializados (TIPI).




Fontes: RIBEIRO, Osni Moura. Contabilidade básica fácil. 24 ed. reform. São Paulo: Saraiva, 2003. e Site: http://www.receita.fazenda.gov.br
Curso Técnico em Gerencia Empresarial
                               12 – Impostos _ IPI - ICMS - IR - IRRF - ISSQN - INSS - DAS
                           Disciplina: Contabilidade Gerencial                    Professor: William T. Silveira
                                                      e-mail/msn: uniwill@pop.com.br

12.2 – ICMS (IMPOSTO SOBRE CIRCULAÇÃO DE MERCADORIAS E PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS)

        O ICMS é um imposto de competência estadual. Ele incide (base de cálculo) sobre a circulação de mercadorias,
prestações de serviços de transporte interestadual, ou intermunicipal, de comunicações, de energia elétrica. Também
sobre a entrada de mercadorias importadas e serviços prestados no exterior.
        O fato gerador é a saída da mercadoria do estabelecimento do contribuinte, fornecimento de refeições, prestação
de serviços de transporte, entre outros.
        Cada Estado da Federação tem liberdade para adotar regras próprias relativas à cobrança desse imposto,
respeitados os requisitos mínimos fixados na Constituição Federal e pelo Código Tributário Nacional. Veja na tabela
abaixo algumas alíquotas vigentes para estados destinatários:
        As alíquotas do ICMS variam conforme a maior ou menor essencialidade das mercadorias ou serviços, sendo
que, no Estado do Rio Grande do Sul, existem 7 alíquotas diferentes determinadas pela legislação: 4%; 7%; 12%;
17%; 18%; 20%; e 25%.


12.3 – IR (IMPOSTO SOBRE A RENDA E PROVENTOS DE QUALQUER NATUREZA)

        O Imposto sobre a Renda e Proventos de Qualquer Natureza (IR, ou Imposto de Renda) é um imposto brasileiro,
com similares na maior parte do mundo. Cobrado desde a década de 20, durante muitos anos adotou a forma cedular
inspirada no modelo francês, considerada por muitos especialistas como mais justa. Mas a partir da década de 70,
muitas alterações foram feitas com o objetivo de se aumentar a arrecadação.
         O Imposto de Renda é cobrado pela modalidade de homologação: o contribuinte prepara uma declaração anual
de quanto deve do imposto, sendo que esses valores deverão ser homologados pelas autoridades tributárias.
        É um imposto federal e o fato gerador do Imposto de Renda, conforme o Código Tributário Nacional (CTN), é a
aquisição da disponibilidade econômica ou jurídica de renda. De Renda, assim entendido o produto do Capital, do
trabalho ou da combinação de ambos; de proventos de qualquer natureza, assim entendidos os acréscimos patrimoniais.
        O contribuinte do imposto é: Pessoa física (IRPF) e Pessoa Jurídica (IRPJ).


12.4 – IRRF (IMPOSTO DE RENDA RETIDO NA FONTE)

       Possui o conceito descrito no item 12.3, com a particularidade de ser retida na fonte pagadora, ou seja, quando
se recebe algum valor já, o mesmo, já sofre o desconto do IR. Neste caso a fonte pagadora é responsável pelo repasse
no imposto ao governo federal. (Ex. Prêmios de Loterias)


12.5 – ISSQN (IMPOSTO SOBRE SERVIÇO DE QUALQUER NATUREZA)

         O ISSQN é um municipal, ou seja, somente os municípios têm competência para instituí-lo. A única exceção é o
Distrito Federal, unidade da federação que tem as mesmas atribuições dos Estados e dos municípios. O ISSQN tem
como fato gerador a prestação (por empresa ou profissional autônomo) de serviços descritos na lista de serviços da Lei
Complementar nº 116 (de 31 de julho de 2003).
         Como regra geral, o ISSQN é recolhido ao município em que se encontra o estabelecimento do prestador. O
recolhimento somente é feito ao município no qual o serviço foi prestado no caso de serviços caracterizados por sua
realização no estabelecimento do cliente (tomador), por exemplo: limpeza de imóveis, segurança, construção civil,
fornecimento de mão-de-obra. Os contribuintes do imposto são as empresas ou profissionais autônomos que prestam o
serviço tributável, mas os municípios e o Distrito Federal podem atribuir às empresas ou indivíduos que tomam os
serviços a responsabilidade pelo recolhimento do imposto.
         A alíquota utilizada é variável de um município para outro. A União, através da lei complementar citada, fixou
alíquota máxima de 5% (cinco por cento) para todos os serviços. A alíquota mínima é de 2% (dois por cento), conforme o
artigo 88, do Ato das Disposições Constitucionais Transitórias, da Constituição Federal.
         A base de cálculo é o preço do serviço prestado.

12.6 – INSS (INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL)

        A Previdência Social é um seguro para todos. É só contribuir para a Previdência Social e o segurado tem direito
aos benefícios oferecidos pela instituição por meio do INSS – Instituto Nacional do Seguro Social.
        A única coisa que muda são as categorias da contribuição. Assim, quem trabalha com carteira assinada
automaticamente está filiado à Previdência Social. Autônomos em geral e os que prestam serviços temporários podem
se inscrever e pagar como contribuinte individual. E aqueles que não têm renda própria como estudantes, donas-de-casa
e desempregados podem ser segurados e pagar como contribuinte facultativo.

Fontes: RIBEIRO, Osni Moura. Contabilidade básica fácil. 24 ed. reform. São Paulo: Saraiva, 2003. e Site: http://www.receita.fazenda.gov.br
Curso Técnico em Gerencia Empresarial
                               12 – Impostos _ IPI - ICMS - IR - IRRF - ISSQN - INSS - DAS
                           Disciplina: Contabilidade Gerencial                    Professor: William T. Silveira
                                                      e-mail/msn: uniwill@pop.com.br

       A Previdência Social oferece 10 modalidades de benefícios além da aposentadoria. Conheça agora as formas de
seguro com que o cidadão pode contar, quando se torna um segurado do INSS. A finalidade da Previdência Social é
proteger e oferecer segurança aos trabalhadores nos momentos cruciais de sua vida: Aposentadoria por idade /
Aposentadoria por invalidez / Aposentadoria por tempo de contribuição / Aposentadoria especial / Auxílio-
doença / Auxílio-acidente / Auxílio-reclusão Pensão por morte / Salário-maternidade / Salário-família.


12.7 – SIMPLES NACIONAL

         A Lei Complementar n.º 123, de 15 de dezembro de 2006, foi editada com o objetivo de, num só diploma legal,
concentrar os mais diversos assuntos pertinentes à micro e à pequena empresa, no sentido de lhes facilitar a
operacionalidade.
         O principal aspecto da lei que é Regime Especial Unificado de Arrecadação de Tributos e Contribuições devidos
pelas Microempresas e Empresas de Pequeno Porte – Simples Nacional, conhecido como “Supersimples”, que, na
prática, é uma ampliação do Simples Federal, instituído pela Lei 9.317, de 5 dezembro de 1996, com a inclusão do ICMS
e ISS.
         Para facilitar a compreensão, abaixo algumas perguntas e respostas, contemplando as principais dúvidas já
apresentadas por empresários, contadores e auditores fiscais.

1 – Em que consiste o Simples Nacional ou “Supersimples”?
O regime tributário simplificado consiste no recolhimento de 8 tributos federais (IRPJ, IPI, CSLL, PIS/PASEP, COFINS),
do ICMS estadual e do ISS municipal e Seguridade Social, a cargo da pessoa jurídica, incidente sobre a folha de
salários) em documento único de arrecadação criado pelo Comitê Gestor e administrado pela Secretaria da Receita
Federal - SRF.

2 - Quais tributos estão fora do regime simplificado?
      a) os tributos federais: IOF, II, IE, ITR, IR de aplicação financeira e ganho de capital CPMF, FGTS, CSS – PF,
PIS/COFINS e IPI na Importação;
      b) os impostos estaduais: IPVA e ITCMD;
      c) os impostos municipais: ITBI e IPTU;
      d) as taxas e contribuições de melhorias nas três esferas.

3 – O regime do Supersimples é obrigatório?
Não, é opcional. O micro ou pequeno empresário tem a faculdade de aderir ou não ao regime. Entretanto, uma vez
optando (sempre no mês de janeiro), terá que permanecer por todo o ano-calendário.

4 – Quem pode ser considerada micro ou pequena empresa?
O empresário ou a sociedade empresária que aufira no ano-calendário, receita bruta anual até R$ 240.000,00 (duzentos
e quarenta mil reais).

5 – Quem pode ser considerada empresa de pequeno porte?
O empresário ou a sociedade empresária que aufira no ano-calendário, receita bruta anual acima R$ 240.000,00
(duzentos e quarenta mil reais) e até R$ 2.400.000,00 (dois milhões e quatrocentos mil reais).



EXERCÍCIOS

Dinâmica de Grupo com Perguntas e Respostas




Fontes: RIBEIRO, Osni Moura. Contabilidade básica fácil. 24 ed. reform. São Paulo: Saraiva, 2003. e Site: http://www.receita.fazenda.gov.br

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Função social dos tributos
Função social dos tributosFunção social dos tributos
Função social dos tributosLoregrando
 
Impostos e cidadania
Impostos e cidadaniaImpostos e cidadania
Impostos e cidadaniaJamyle Braga
 
Taxas, impostos e tributos brasileiros
Taxas, impostos e tributos brasileirosTaxas, impostos e tributos brasileiros
Taxas, impostos e tributos brasileirosFormigascommegafone
 
Fluxograma Ilustrado TRIBUTOS
Fluxograma Ilustrado TRIBUTOSFluxograma Ilustrado TRIBUTOS
Fluxograma Ilustrado TRIBUTOSMa Rina
 
Análise do cenário da política tributária nacional
Análise do cenário da política tributária nacionalAnálise do cenário da política tributária nacional
Análise do cenário da política tributária nacionalCIRINEU COSTA
 
Introdução Tributos e Taxas Custos Logisticos
Introdução Tributos e Taxas Custos LogisticosIntrodução Tributos e Taxas Custos Logisticos
Introdução Tributos e Taxas Custos LogisticosWillian dos Santos Abreu
 
Sistema Tributário Nacional
Sistema Tributário NacionalSistema Tributário Nacional
Sistema Tributário NacionalAntonio Pereira
 
Material aula contabilidade e planj triburtario 2014_2
Material aula contabilidade e planj triburtario 2014_2Material aula contabilidade e planj triburtario 2014_2
Material aula contabilidade e planj triburtario 2014_2Rafhael Sena
 
Tributos - Rosaura Vargas
Tributos - Rosaura Vargas  Tributos - Rosaura Vargas
Tributos - Rosaura Vargas EUROsociAL II
 
Aula introdução tributos federais
Aula introdução tributos federaisAula introdução tributos federais
Aula introdução tributos federaisFernandinhaparisi
 
Ta Original
Ta OriginalTa Original
Ta Originalm.jardim
 
Apresentação sobre impostos Jan 2013 2
Apresentação sobre impostos Jan 2013 2Apresentação sobre impostos Jan 2013 2
Apresentação sobre impostos Jan 2013 2Nuno Couceiro
 
Noções Fiscais para Construção Civil com foco no ICMS
Noções Fiscais para Construção Civil com foco no ICMSNoções Fiscais para Construção Civil com foco no ICMS
Noções Fiscais para Construção Civil com foco no ICMSStyllusConsultoria
 

Mais procurados (20)

Função social dos tributos
Função social dos tributosFunção social dos tributos
Função social dos tributos
 
Impostos e cidadania
Impostos e cidadaniaImpostos e cidadania
Impostos e cidadania
 
Taxas, impostos e tributos brasileiros
Taxas, impostos e tributos brasileirosTaxas, impostos e tributos brasileiros
Taxas, impostos e tributos brasileiros
 
Slides curso online unieducar legislação tributária
Slides curso online unieducar legislação tributáriaSlides curso online unieducar legislação tributária
Slides curso online unieducar legislação tributária
 
Fluxograma Ilustrado TRIBUTOS
Fluxograma Ilustrado TRIBUTOSFluxograma Ilustrado TRIBUTOS
Fluxograma Ilustrado TRIBUTOS
 
Análise do cenário da política tributária nacional
Análise do cenário da política tributária nacionalAnálise do cenário da política tributária nacional
Análise do cenário da política tributária nacional
 
Introdução Tributos e Taxas Custos Logisticos
Introdução Tributos e Taxas Custos LogisticosIntrodução Tributos e Taxas Custos Logisticos
Introdução Tributos e Taxas Custos Logisticos
 
Sistema Tributário Nacional
Sistema Tributário NacionalSistema Tributário Nacional
Sistema Tributário Nacional
 
Tributos
TributosTributos
Tributos
 
Manual de escrita fiscal pdf
Manual de escrita fiscal pdfManual de escrita fiscal pdf
Manual de escrita fiscal pdf
 
Material aula contabilidade e planj triburtario 2014_2
Material aula contabilidade e planj triburtario 2014_2Material aula contabilidade e planj triburtario 2014_2
Material aula contabilidade e planj triburtario 2014_2
 
Tributos
TributosTributos
Tributos
 
Tributos - Rosaura Vargas
Tributos - Rosaura Vargas  Tributos - Rosaura Vargas
Tributos - Rosaura Vargas
 
Aula introdução tributos federais
Aula introdução tributos federaisAula introdução tributos federais
Aula introdução tributos federais
 
Tributos
TributosTributos
Tributos
 
Tributario definicoes
Tributario definicoesTributario definicoes
Tributario definicoes
 
Ta Original
Ta OriginalTa Original
Ta Original
 
Apresentação sobre impostos Jan 2013 2
Apresentação sobre impostos Jan 2013 2Apresentação sobre impostos Jan 2013 2
Apresentação sobre impostos Jan 2013 2
 
Noções Fiscais para Construção Civil com foco no ICMS
Noções Fiscais para Construção Civil com foco no ICMSNoções Fiscais para Construção Civil com foco no ICMS
Noções Fiscais para Construção Civil com foco no ICMS
 
Direito tributário
Direito tributárioDireito tributário
Direito tributário
 

Semelhante a Contabilidade curso de noã§ãµes de contabilidade 12 impostos ipi - icms - ir - irrf - issqn - inss - das

Raio x dos tributos
Raio x dos tributosRaio x dos tributos
Raio x dos tributosKassya Dias
 
Trabalho final individual hosana fritschy
Trabalho final individual hosana fritschyTrabalho final individual hosana fritschy
Trabalho final individual hosana fritschyHosanaFritschy
 
Tarefa final individual hosana fritschy
Tarefa final individual hosana fritschyTarefa final individual hosana fritschy
Tarefa final individual hosana fritschyHosanaFritschy
 
Trabalho Final Individual Hosana Fritschy
Trabalho Final Individual Hosana FritschyTrabalho Final Individual Hosana Fritschy
Trabalho Final Individual Hosana FritschyHosanaFritschy
 
PLANEJ. CONTABIL TRIBUTARIO
PLANEJ. CONTABIL TRIBUTARIOPLANEJ. CONTABIL TRIBUTARIO
PLANEJ. CONTABIL TRIBUTARIOMichelle Moraes
 
Sistema tributario nacional prof roberto e luiz gustavo decac
Sistema tributario nacional prof roberto e luiz gustavo decacSistema tributario nacional prof roberto e luiz gustavo decac
Sistema tributario nacional prof roberto e luiz gustavo decacRossandro Nogueira Rodrigues
 
Apesentação 1ª Sessão 1.pdf
Apesentação 1ª Sessão 1.pdfApesentação 1ª Sessão 1.pdf
Apesentação 1ª Sessão 1.pdfOldegar Simoes
 
Atps de contabilidade tributaria
Atps de contabilidade tributariaAtps de contabilidade tributaria
Atps de contabilidade tributariardamaso
 
Básico de escrituração fiscal modulo 1
Básico de escrituração fiscal modulo 1Básico de escrituração fiscal modulo 1
Básico de escrituração fiscal modulo 1Thiago Aguiar
 
Modulo feito por mim
Modulo feito por mimModulo feito por mim
Modulo feito por mimluciardeus
 
0577 - PPT FINAL.pptx
0577 - PPT FINAL.pptx0577 - PPT FINAL.pptx
0577 - PPT FINAL.pptxCarinaReis24
 
Slide simples nacional
Slide simples nacionalSlide simples nacional
Slide simples nacionallidianedidi
 
Gestão de departamento fiscal
Gestão de departamento fiscalGestão de departamento fiscal
Gestão de departamento fiscalD S Correia Silva
 
Direito nas organizações
Direito nas organizaçõesDireito nas organizações
Direito nas organizaçõesEudes Silva
 
Retencoes de tributos_ir_inss_iss_andre_felipe_carmo_vilarindo
Retencoes de tributos_ir_inss_iss_andre_felipe_carmo_vilarindoRetencoes de tributos_ir_inss_iss_andre_felipe_carmo_vilarindo
Retencoes de tributos_ir_inss_iss_andre_felipe_carmo_vilarindoNetinho Mota
 

Semelhante a Contabilidade curso de noã§ãµes de contabilidade 12 impostos ipi - icms - ir - irrf - issqn - inss - das (20)

Raio x dos tributos
Raio x dos tributosRaio x dos tributos
Raio x dos tributos
 
Trabalho final individual hosana fritschy
Trabalho final individual hosana fritschyTrabalho final individual hosana fritschy
Trabalho final individual hosana fritschy
 
Tarefa final individual hosana fritschy
Tarefa final individual hosana fritschyTarefa final individual hosana fritschy
Tarefa final individual hosana fritschy
 
Trabalho Final Individual Hosana Fritschy
Trabalho Final Individual Hosana FritschyTrabalho Final Individual Hosana Fritschy
Trabalho Final Individual Hosana Fritschy
 
PLANEJ. CONTABIL TRIBUTARIO
PLANEJ. CONTABIL TRIBUTARIOPLANEJ. CONTABIL TRIBUTARIO
PLANEJ. CONTABIL TRIBUTARIO
 
Sistema tributario nacional prof roberto e luiz gustavo decac
Sistema tributario nacional prof roberto e luiz gustavo decacSistema tributario nacional prof roberto e luiz gustavo decac
Sistema tributario nacional prof roberto e luiz gustavo decac
 
Apesentação 1ª Sessão 1.pdf
Apesentação 1ª Sessão 1.pdfApesentação 1ª Sessão 1.pdf
Apesentação 1ª Sessão 1.pdf
 
Atps de contabilidade tributaria
Atps de contabilidade tributariaAtps de contabilidade tributaria
Atps de contabilidade tributaria
 
Básico de escrituração fiscal modulo 1
Básico de escrituração fiscal modulo 1Básico de escrituração fiscal modulo 1
Básico de escrituração fiscal modulo 1
 
Retenções na Fonte
Retenções na FonteRetenções na Fonte
Retenções na Fonte
 
Carga Tributária
Carga TributáriaCarga Tributária
Carga Tributária
 
Escritafiscal2011
Escritafiscal2011Escritafiscal2011
Escritafiscal2011
 
DireitoTributário – Imunidades e Isenções – 3º setor - Cebas
DireitoTributário – Imunidades e Isenções – 3º setor - CebasDireitoTributário – Imunidades e Isenções – 3º setor - Cebas
DireitoTributário – Imunidades e Isenções – 3º setor - Cebas
 
Modulo feito por mim
Modulo feito por mimModulo feito por mim
Modulo feito por mim
 
0577 - PPT FINAL.pptx
0577 - PPT FINAL.pptx0577 - PPT FINAL.pptx
0577 - PPT FINAL.pptx
 
escrita fiscal
escrita fiscalescrita fiscal
escrita fiscal
 
Slide simples nacional
Slide simples nacionalSlide simples nacional
Slide simples nacional
 
Gestão de departamento fiscal
Gestão de departamento fiscalGestão de departamento fiscal
Gestão de departamento fiscal
 
Direito nas organizações
Direito nas organizaçõesDireito nas organizações
Direito nas organizações
 
Retencoes de tributos_ir_inss_iss_andre_felipe_carmo_vilarindo
Retencoes de tributos_ir_inss_iss_andre_felipe_carmo_vilarindoRetencoes de tributos_ir_inss_iss_andre_felipe_carmo_vilarindo
Retencoes de tributos_ir_inss_iss_andre_felipe_carmo_vilarindo
 

Último

HISTORIA DA XILOGRAVURA A SUA IMPORTANCIA
HISTORIA DA XILOGRAVURA A SUA IMPORTANCIAHISTORIA DA XILOGRAVURA A SUA IMPORTANCIA
HISTORIA DA XILOGRAVURA A SUA IMPORTANCIAElianeAlves383563
 
análise obra Nós matamos o cão Tinhoso.pdf
análise obra Nós matamos o cão Tinhoso.pdfanálise obra Nós matamos o cão Tinhoso.pdf
análise obra Nós matamos o cão Tinhoso.pdfMaiteFerreira4
 
Livro infantil: A onda da raiva. pdf-crianças
Livro infantil: A onda da raiva. pdf-criançasLivro infantil: A onda da raiva. pdf-crianças
Livro infantil: A onda da raiva. pdf-criançasMonizeEvellin2
 
Atividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdf
Atividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdfAtividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdf
Atividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdfmaria794949
 
As Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdf
As Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdfAs Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdf
As Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdfcarloseduardogonalve36
 
Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024
Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024
Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024Rosana Andrea Miranda
 
PPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 final
PPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 finalPPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 final
PPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 finalcarlaOliveira438
 
Nós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º ano
Nós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º anoNós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º ano
Nós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º anoIlda Bicacro
 
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdfufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdfManuais Formação
 
Conteúdo sobre a formação e expansão persa
Conteúdo sobre a formação e expansão persaConteúdo sobre a formação e expansão persa
Conteúdo sobre a formação e expansão persafelipescherner
 
Apresentação sobre Robots e processos educativos
Apresentação sobre Robots e processos educativosApresentação sobre Robots e processos educativos
Apresentação sobre Robots e processos educativosFernanda Ledesma
 
O que é, de facto, a Educação de Infância
O que é, de facto, a Educação de InfânciaO que é, de facto, a Educação de Infância
O que é, de facto, a Educação de InfânciaHenrique Santos
 
Historia-em-cartaz-Lucas-o-menino-que-aprendeu-a-comer-saudavel- (1).pdf
Historia-em-cartaz-Lucas-o-menino-que-aprendeu-a-comer-saudavel- (1).pdfHistoria-em-cartaz-Lucas-o-menino-que-aprendeu-a-comer-saudavel- (1).pdf
Historia-em-cartaz-Lucas-o-menino-que-aprendeu-a-comer-saudavel- (1).pdfandreaLisboa7
 
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamente
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamenteDescrever e planear atividades imersivas estruturadamente
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamenteLeonel Morgado
 
o-homem-que-calculava-malba-tahan-1_123516.pdf
o-homem-que-calculava-malba-tahan-1_123516.pdfo-homem-que-calculava-malba-tahan-1_123516.pdf
o-homem-que-calculava-malba-tahan-1_123516.pdfCarolineNunes80
 
bem estar animal em proteção integrada componente animal
bem estar animal em proteção integrada componente animalbem estar animal em proteção integrada componente animal
bem estar animal em proteção integrada componente animalcarlamgalves5
 
Planejamento 2024 - 1º ano - Matemática 38 a 62.pdf
Planejamento 2024 - 1º ano - Matemática  38 a 62.pdfPlanejamento 2024 - 1º ano - Matemática  38 a 62.pdf
Planejamento 2024 - 1º ano - Matemática 38 a 62.pdfdanielagracia9
 
Movimento Negro Unificado , slide completo.pptx
Movimento Negro Unificado , slide completo.pptxMovimento Negro Unificado , slide completo.pptx
Movimento Negro Unificado , slide completo.pptxmariiiaaa1290
 
livro para educação infantil conceitos sensorial
livro para educação infantil conceitos sensoriallivro para educação infantil conceitos sensorial
livro para educação infantil conceitos sensorialNeuroppIsnayaLciaMar
 

Último (20)

HISTORIA DA XILOGRAVURA A SUA IMPORTANCIA
HISTORIA DA XILOGRAVURA A SUA IMPORTANCIAHISTORIA DA XILOGRAVURA A SUA IMPORTANCIA
HISTORIA DA XILOGRAVURA A SUA IMPORTANCIA
 
análise obra Nós matamos o cão Tinhoso.pdf
análise obra Nós matamos o cão Tinhoso.pdfanálise obra Nós matamos o cão Tinhoso.pdf
análise obra Nós matamos o cão Tinhoso.pdf
 
Livro infantil: A onda da raiva. pdf-crianças
Livro infantil: A onda da raiva. pdf-criançasLivro infantil: A onda da raiva. pdf-crianças
Livro infantil: A onda da raiva. pdf-crianças
 
Atividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdf
Atividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdfAtividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdf
Atividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdf
 
As Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdf
As Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdfAs Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdf
As Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdf
 
Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024
Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024
Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024
 
PPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 final
PPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 finalPPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 final
PPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 final
 
Nós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º ano
Nós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º anoNós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º ano
Nós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º ano
 
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdfufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
 
Conteúdo sobre a formação e expansão persa
Conteúdo sobre a formação e expansão persaConteúdo sobre a formação e expansão persa
Conteúdo sobre a formação e expansão persa
 
Apresentação sobre Robots e processos educativos
Apresentação sobre Robots e processos educativosApresentação sobre Robots e processos educativos
Apresentação sobre Robots e processos educativos
 
O que é, de facto, a Educação de Infância
O que é, de facto, a Educação de InfânciaO que é, de facto, a Educação de Infância
O que é, de facto, a Educação de Infância
 
Historia-em-cartaz-Lucas-o-menino-que-aprendeu-a-comer-saudavel- (1).pdf
Historia-em-cartaz-Lucas-o-menino-que-aprendeu-a-comer-saudavel- (1).pdfHistoria-em-cartaz-Lucas-o-menino-que-aprendeu-a-comer-saudavel- (1).pdf
Historia-em-cartaz-Lucas-o-menino-que-aprendeu-a-comer-saudavel- (1).pdf
 
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamente
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamenteDescrever e planear atividades imersivas estruturadamente
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamente
 
Enunciado_da_Avaliacao_1__Sistemas_de_Informacoes_Gerenciais_(IL60106).pdf
Enunciado_da_Avaliacao_1__Sistemas_de_Informacoes_Gerenciais_(IL60106).pdfEnunciado_da_Avaliacao_1__Sistemas_de_Informacoes_Gerenciais_(IL60106).pdf
Enunciado_da_Avaliacao_1__Sistemas_de_Informacoes_Gerenciais_(IL60106).pdf
 
o-homem-que-calculava-malba-tahan-1_123516.pdf
o-homem-que-calculava-malba-tahan-1_123516.pdfo-homem-que-calculava-malba-tahan-1_123516.pdf
o-homem-que-calculava-malba-tahan-1_123516.pdf
 
bem estar animal em proteção integrada componente animal
bem estar animal em proteção integrada componente animalbem estar animal em proteção integrada componente animal
bem estar animal em proteção integrada componente animal
 
Planejamento 2024 - 1º ano - Matemática 38 a 62.pdf
Planejamento 2024 - 1º ano - Matemática  38 a 62.pdfPlanejamento 2024 - 1º ano - Matemática  38 a 62.pdf
Planejamento 2024 - 1º ano - Matemática 38 a 62.pdf
 
Movimento Negro Unificado , slide completo.pptx
Movimento Negro Unificado , slide completo.pptxMovimento Negro Unificado , slide completo.pptx
Movimento Negro Unificado , slide completo.pptx
 
livro para educação infantil conceitos sensorial
livro para educação infantil conceitos sensoriallivro para educação infantil conceitos sensorial
livro para educação infantil conceitos sensorial
 

Contabilidade curso de noã§ãµes de contabilidade 12 impostos ipi - icms - ir - irrf - issqn - inss - das

  • 1. Curso Técnico em Gerencia Empresarial 12 – Impostos _ IPI - ICMS - IR - IRRF - ISSQN - INSS - DAS Disciplina: Contabilidade Gerencial Professor: William T. Silveira e-mail/msn: uniwill@pop.com.br 12 - IMPOSTOS Imposto é uma fatia da riqueza da sociedade que é dada ao Estado para custear suas obrigações. Mesmo antes do surgimento da moeda, os homens já realizavam trocas de bens e serviços, ou seja, o preço de algo era o que você podia oferecer em troca. Na sociedade em que vivemos então, nem se fala, tudo tem um preço: o salário do trabalhador é o preço de seu serviço, por exemplo. Sabemos que o Estado possui uma série de obrigações, como saúde, educação, segurança, etc. Obviamente, tudo isso também possui um custo – e alto. Então, como o Estado faz para custear suas atividades? Para poder garantir a prestação de serviços e cumprir suas obrigações perante a sociedade, o governo retira da mesma, de forma coercitiva, uma parcela de sua riqueza: os impostos. Essa coerção significa que os indivíduos não têm o direito de escolha: ou pagam ou sofrem as conseqüências (multas, sanções legais e administrativas, etc.). Em alguns países, o não-pagamento dos impostos é uma coisa tão séria que pode resultar até mesmo na prisão do indivíduo. Em tese, os cidadãos deveriam receber de volta o dinheiro que foi pago através da prestação de serviços. No entanto, sabemos que na maioria das vezes isso não ocorre, visto que certos serviços são prestados de forma ineficiente e até precária, por vezes. Segundo a teoria econômica, quanto maior o preço, menor a demanda. O que isso tem a ver? Bem, os inúmeros impostos que incidem diretamente sobre os produtos fazem com que os preços subam grandemente. Para se ter uma idéia, segundo relatório elaborado pelo Instituto Brasileiro de Planejamento Tributário (IBPT), sem impostos, os preços de certos produtos cairiam até 83,07%. Assim, com o aumento dos preços causados pela tributação, o consumo cai, inibindo o desenvolvimento econômico. Mesmo assim, todos nós sabemos que os impostos são fundamentais para custear as atividades do Estado. No entanto, a grande questão é a aplicação do dinheiro arrecadado e se o mesmo está sendo empregado de forma eficaz e eficiente para proporcionar o bem-estar social. Texto de Tiago Dantas - Equipe Brasil Escola – Disponível em http://www.brasilescola.com/economia/o-que-e-imposto.htm, 09/03/2008. 12.1 – IPI (IMPOSTO SOBRE PRODUTOS INDUSTRIALIZADOS) São duas as principais hipóteses de ocorrência do fato gerador do IPI: 1) Na importação: o desembaraço aduaneiro de produtos de procedência estrangeira; 2) Na operação interna: a saída de produto de estabelecimento industrial, ou equiparado a industrial. São obrigados ao pagamento do imposto como contribuinte: 1) O importador, em relação ao fato gerador decorrente do desembaraço aduaneiro de produto de procedência estrangeira; 2) O industrial, em relação ao fato gerador decorrente da saída de produto que industrializar em seu estabelecimento, bem assim quanto aos demais fatos geradores decorrentes de atos que praticar; 3) O estabelecimento equiparado a industrial, quanto ao fato gerador relativo aos produtos que dele saírem, bem assim quanto aos demais fatos geradores decorrentes de atos que praticar; 4) Os que consumirem ou utilizarem em outra finalidade, ou remeterem a pessoas que não sejam empresas jornalísticas ou editoras, o papel destinado à impressão de livros, jornais e periódicos, quando alcançado pela imunidade prevista na Constituição Federal. Atenção: considera-se contribuinte autônomo qualquer estabelecimento de importador, industrial ou comerciante, em relação a cada fato gerador que decorra de ato que praticar. Base De Cálculo: Na operação interna: O valor total da operação de que decorrer a saída do estabelecimento industrial ou equiparado a industrial; Na importação: O valor que servir ou que serviria de base para o cálculo dos tributos aduaneiros, por ocasião do despacho de importação, acrescido do montante desses tributos e dos encargos cambiais efetivamente pagos pelo importador ou deste exigíveis. Alíquota: São várias e estão presentes na Tabela de Incidência do Imposto sobre Produtos Industrializados (TIPI). Fontes: RIBEIRO, Osni Moura. Contabilidade básica fácil. 24 ed. reform. São Paulo: Saraiva, 2003. e Site: http://www.receita.fazenda.gov.br
  • 2. Curso Técnico em Gerencia Empresarial 12 – Impostos _ IPI - ICMS - IR - IRRF - ISSQN - INSS - DAS Disciplina: Contabilidade Gerencial Professor: William T. Silveira e-mail/msn: uniwill@pop.com.br 12.2 – ICMS (IMPOSTO SOBRE CIRCULAÇÃO DE MERCADORIAS E PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS) O ICMS é um imposto de competência estadual. Ele incide (base de cálculo) sobre a circulação de mercadorias, prestações de serviços de transporte interestadual, ou intermunicipal, de comunicações, de energia elétrica. Também sobre a entrada de mercadorias importadas e serviços prestados no exterior. O fato gerador é a saída da mercadoria do estabelecimento do contribuinte, fornecimento de refeições, prestação de serviços de transporte, entre outros. Cada Estado da Federação tem liberdade para adotar regras próprias relativas à cobrança desse imposto, respeitados os requisitos mínimos fixados na Constituição Federal e pelo Código Tributário Nacional. Veja na tabela abaixo algumas alíquotas vigentes para estados destinatários: As alíquotas do ICMS variam conforme a maior ou menor essencialidade das mercadorias ou serviços, sendo que, no Estado do Rio Grande do Sul, existem 7 alíquotas diferentes determinadas pela legislação: 4%; 7%; 12%; 17%; 18%; 20%; e 25%. 12.3 – IR (IMPOSTO SOBRE A RENDA E PROVENTOS DE QUALQUER NATUREZA) O Imposto sobre a Renda e Proventos de Qualquer Natureza (IR, ou Imposto de Renda) é um imposto brasileiro, com similares na maior parte do mundo. Cobrado desde a década de 20, durante muitos anos adotou a forma cedular inspirada no modelo francês, considerada por muitos especialistas como mais justa. Mas a partir da década de 70, muitas alterações foram feitas com o objetivo de se aumentar a arrecadação. O Imposto de Renda é cobrado pela modalidade de homologação: o contribuinte prepara uma declaração anual de quanto deve do imposto, sendo que esses valores deverão ser homologados pelas autoridades tributárias. É um imposto federal e o fato gerador do Imposto de Renda, conforme o Código Tributário Nacional (CTN), é a aquisição da disponibilidade econômica ou jurídica de renda. De Renda, assim entendido o produto do Capital, do trabalho ou da combinação de ambos; de proventos de qualquer natureza, assim entendidos os acréscimos patrimoniais. O contribuinte do imposto é: Pessoa física (IRPF) e Pessoa Jurídica (IRPJ). 12.4 – IRRF (IMPOSTO DE RENDA RETIDO NA FONTE) Possui o conceito descrito no item 12.3, com a particularidade de ser retida na fonte pagadora, ou seja, quando se recebe algum valor já, o mesmo, já sofre o desconto do IR. Neste caso a fonte pagadora é responsável pelo repasse no imposto ao governo federal. (Ex. Prêmios de Loterias) 12.5 – ISSQN (IMPOSTO SOBRE SERVIÇO DE QUALQUER NATUREZA) O ISSQN é um municipal, ou seja, somente os municípios têm competência para instituí-lo. A única exceção é o Distrito Federal, unidade da federação que tem as mesmas atribuições dos Estados e dos municípios. O ISSQN tem como fato gerador a prestação (por empresa ou profissional autônomo) de serviços descritos na lista de serviços da Lei Complementar nº 116 (de 31 de julho de 2003). Como regra geral, o ISSQN é recolhido ao município em que se encontra o estabelecimento do prestador. O recolhimento somente é feito ao município no qual o serviço foi prestado no caso de serviços caracterizados por sua realização no estabelecimento do cliente (tomador), por exemplo: limpeza de imóveis, segurança, construção civil, fornecimento de mão-de-obra. Os contribuintes do imposto são as empresas ou profissionais autônomos que prestam o serviço tributável, mas os municípios e o Distrito Federal podem atribuir às empresas ou indivíduos que tomam os serviços a responsabilidade pelo recolhimento do imposto. A alíquota utilizada é variável de um município para outro. A União, através da lei complementar citada, fixou alíquota máxima de 5% (cinco por cento) para todos os serviços. A alíquota mínima é de 2% (dois por cento), conforme o artigo 88, do Ato das Disposições Constitucionais Transitórias, da Constituição Federal. A base de cálculo é o preço do serviço prestado. 12.6 – INSS (INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL) A Previdência Social é um seguro para todos. É só contribuir para a Previdência Social e o segurado tem direito aos benefícios oferecidos pela instituição por meio do INSS – Instituto Nacional do Seguro Social. A única coisa que muda são as categorias da contribuição. Assim, quem trabalha com carteira assinada automaticamente está filiado à Previdência Social. Autônomos em geral e os que prestam serviços temporários podem se inscrever e pagar como contribuinte individual. E aqueles que não têm renda própria como estudantes, donas-de-casa e desempregados podem ser segurados e pagar como contribuinte facultativo. Fontes: RIBEIRO, Osni Moura. Contabilidade básica fácil. 24 ed. reform. São Paulo: Saraiva, 2003. e Site: http://www.receita.fazenda.gov.br
  • 3. Curso Técnico em Gerencia Empresarial 12 – Impostos _ IPI - ICMS - IR - IRRF - ISSQN - INSS - DAS Disciplina: Contabilidade Gerencial Professor: William T. Silveira e-mail/msn: uniwill@pop.com.br A Previdência Social oferece 10 modalidades de benefícios além da aposentadoria. Conheça agora as formas de seguro com que o cidadão pode contar, quando se torna um segurado do INSS. A finalidade da Previdência Social é proteger e oferecer segurança aos trabalhadores nos momentos cruciais de sua vida: Aposentadoria por idade / Aposentadoria por invalidez / Aposentadoria por tempo de contribuição / Aposentadoria especial / Auxílio- doença / Auxílio-acidente / Auxílio-reclusão Pensão por morte / Salário-maternidade / Salário-família. 12.7 – SIMPLES NACIONAL A Lei Complementar n.º 123, de 15 de dezembro de 2006, foi editada com o objetivo de, num só diploma legal, concentrar os mais diversos assuntos pertinentes à micro e à pequena empresa, no sentido de lhes facilitar a operacionalidade. O principal aspecto da lei que é Regime Especial Unificado de Arrecadação de Tributos e Contribuições devidos pelas Microempresas e Empresas de Pequeno Porte – Simples Nacional, conhecido como “Supersimples”, que, na prática, é uma ampliação do Simples Federal, instituído pela Lei 9.317, de 5 dezembro de 1996, com a inclusão do ICMS e ISS. Para facilitar a compreensão, abaixo algumas perguntas e respostas, contemplando as principais dúvidas já apresentadas por empresários, contadores e auditores fiscais. 1 – Em que consiste o Simples Nacional ou “Supersimples”? O regime tributário simplificado consiste no recolhimento de 8 tributos federais (IRPJ, IPI, CSLL, PIS/PASEP, COFINS), do ICMS estadual e do ISS municipal e Seguridade Social, a cargo da pessoa jurídica, incidente sobre a folha de salários) em documento único de arrecadação criado pelo Comitê Gestor e administrado pela Secretaria da Receita Federal - SRF. 2 - Quais tributos estão fora do regime simplificado? a) os tributos federais: IOF, II, IE, ITR, IR de aplicação financeira e ganho de capital CPMF, FGTS, CSS – PF, PIS/COFINS e IPI na Importação; b) os impostos estaduais: IPVA e ITCMD; c) os impostos municipais: ITBI e IPTU; d) as taxas e contribuições de melhorias nas três esferas. 3 – O regime do Supersimples é obrigatório? Não, é opcional. O micro ou pequeno empresário tem a faculdade de aderir ou não ao regime. Entretanto, uma vez optando (sempre no mês de janeiro), terá que permanecer por todo o ano-calendário. 4 – Quem pode ser considerada micro ou pequena empresa? O empresário ou a sociedade empresária que aufira no ano-calendário, receita bruta anual até R$ 240.000,00 (duzentos e quarenta mil reais). 5 – Quem pode ser considerada empresa de pequeno porte? O empresário ou a sociedade empresária que aufira no ano-calendário, receita bruta anual acima R$ 240.000,00 (duzentos e quarenta mil reais) e até R$ 2.400.000,00 (dois milhões e quatrocentos mil reais). EXERCÍCIOS Dinâmica de Grupo com Perguntas e Respostas Fontes: RIBEIRO, Osni Moura. Contabilidade básica fácil. 24 ed. reform. São Paulo: Saraiva, 2003. e Site: http://www.receita.fazenda.gov.br