SlideShare uma empresa Scribd logo
A aplicação dos impostos brasileiros na comercial da SIMI
Nuno Couceiro – 3 / 1 /2013
Tópicos a Abordar
1. Breve descrição da temática
2. Enumeração dos impostos relevantes
3. ISS, ICMS e IPI
4. PIS e COFINS
5. IRPJ e CSLL
6. INSS
7. Retenções de Impostos em vez de Impostos Pagos
- Regimes de Tributação
8. Exemplo Prático
9. Faturamento da SIMI P a entidades Brasileiras
- Formas de Faturamento
- Impostos Incidentes
- Gross Up
10. Custos da M-O Brasileira
- FGTS e Multa Rescisórias
- Custo Hora
11. Notas Finais
IVA apurado
a entregar ao
Estado
Breve descrição da temática
Num país normal que não o Brasil
Compras
M - O
Vendas / Faturação
IVA
Compras
IVA
Vendas
- =
=-
LUCRO BRUTO
+ +
Pagamento do
IVA ao Estado
PagamentoRecebimento --
= =
IRC
-
= LUCRO LÍQUIDO
= LUCRO BRUTO
No pagamento dos custos
de M-O, abater as
retenções
Breve descrição da temática
No BRASIL
Compras
M - O
Vendas / Faturação
Preço inclui todos
os impostos
Taxa de
PIS, COFINS, ISS,
ICMS
- = LUCRO BRUTO
X
=
Apuramento
Imposto a pagar
IRPJ
-
= LUCRO LÍQUIDO
Recebimento
=
Faturação Pagamento ao fornecedores e
de M-O com a totalidade do
impostos incluídos
-
Crédito de imposto
=
Taxas de imposto
X
Compras
- Impostos
Retidos = Impostos a
Pagar
Retenções
-
Retenções (PIS, COFINS, IR,
CSLL, INSS)
- Caixa
=
Enumeração dos Impostos Relevantes
IMPOSTOS
ISS – Imposto sobre Serviços
DESCRIÇÃO
Incide sobre todas as prestações de serviço
ICMS – Imposto Circulação
de Mercadorias e Serviços
Incide sobre o comércio de produtos
PIS e COFINS
Incide sobre os serviços prestados e as vendas de
produtos, mas tem regime de créditos
IPI – Imposto sobre Produtos
Industrializados
Incide na produção/industrialização de bens
INSS - Instituto Nacional do
Seguro Social
Instituto Nacional do Seguro Social
IRPJ – Imposto Renda
Pessoas Jurídicas
Imposto sobre o rendimento de empresas
CSLL – Contribuição Social
sobre o Lucro Líquido
Adicional de imposto sobre o rendimento
IOF – Imposto sobre
Operações Financeiras
Imposto Incidente sobre operações financeiras
ISS, ICMS e IPI
ISS – Imposto sobre Serviços
Base de
Incidência
Incide sobre o valor final da fatura de serviço, sendo que os mesmos
podem conter materiais (insumos) e equipamentos
Nota: A lei prevê a redução da base de incidência sobre os materiais e
equipamentos, mas na prática tal não acontece
Taxa
Varia entre 0% e 5%. Depende do município.
Nota: É importante questionar o cliente sobre a taxa de imposto a aplicar,
quando se tiver a fazer o orçamento
Retenções
Pagamento
A forma de pagamento deste imposto, é a retenção por parte do cliente
aquando do pagamento e entrega ao município em nessa data
Créditos Não existem
Notas
Adicionais
Em todos os serviços que forem cotados na estrutura de custos, contêm
ISS, pelo que há uma duplicação de impostos ao subcontratar um serviço e
facturá-lo ao cliente final
Nota: Saber qual a taxa de ISS que o fornecedor considerou
𝑃𝑟𝑒ç𝑜 𝑎𝑛𝑡𝑒𝑠 𝑑𝑒 𝐼𝑆𝑆
(1 − 𝑇𝑥 𝐼𝑆𝑆) = 𝑃𝑟𝑒ç𝑜 𝑐𝑜𝑚 𝐼𝑆𝑆
Formula de
eliminar do
preço
ISS, ICMS e IPI
ICMS – Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços
Base de
Incidência
Incide sobre o valor final da fatura de mercadoria
Taxa Varia entre 7% e 19%. Depende do Estado
Este imposto não está sujeito a retenções por parte do cliente.
O pagamento é feito entre o diferencial do que foi faturado e dos créditos
em momento diferido no tempo.
Créditos Existem nas compras
Notas
Adicionais
Nas compras o preço apresentado é o preço já com ICMS. Na maioria dos
casos as compras irão ser feitas para insumo, pelo que indicar que iremos
ser cliente final, para se faturar com alíquota cheia
Os clientes só irão solicitar a faturação com ICMS se o crédito de ICMS com
a compra for significativo, pois a taxa é menos convidativa que a de ISS.
Pode haver interesse em que o cliente compre diretamente os materiais
e a SIMI apenas faça o serviço
Formula de
eliminar do
preço
(𝑃𝑟𝑒ç𝑜 𝑎𝑛𝑡𝑒𝑠 𝑑𝑒 𝐼𝐶𝑀𝑆 − 𝐶𝑟é𝑑𝑖𝑡𝑜𝑠 𝑑𝑒 𝐼𝐶𝑀𝑆)
(1 − 𝑇𝑥 𝐼𝐶𝑀𝑆 𝑛𝑜 𝐸𝑠𝑡𝑎𝑑𝑜 𝑑𝑒 𝐷𝑒𝑠𝑡𝑖𝑛𝑜)
= 𝑃𝑟𝑒ç𝑜 𝑐𝑜𝑚 𝐼𝐶𝑀𝑆
Retenções
Pagamento
ISS, ICMS e IPI
IPI – Imposto sobre Produtos Industrializados
Base de
Incidência
Incide sobre a industrialização/fabricação de um produto. É calculado
sobre o valor final da fatura, mas não faz parte do preço final.
Taxa Variável. Depende do material a fabricar
Este imposto não está sujeito a retenções por parte do cliente.
O pagamento é feito entre o diferencial do que foi destacado na fatura
emitida
Créditos
Existem os créditos nas faturas de compras que estão separados do valor da
fatura
Notas
Adicionais
Tal como no ICMS, a maioria dos casos as compras irão ser feitas para
insumo, pelo que a existir cobrança de IPI nas compras elas serão custo da
compra
Nota: Como a génese da SIMI é fazer a montagem, nunca interessa
fazermos a produção descrita como tal, pelo que separando-se o
fornecimento do material em bruto e o serviço, elimina-se a incidência do
IPI
Formula de
eliminar do
preço
Retenções
Pagamento
Aqui não existe uma fórmula, pois o valor do IPI é separado do valor final
das faturas e cálculado em cima desse.
PIS e COFINS
Base de
Incidência
Incide sobre todas as faturas de serviços e de materiais e é calculado sobre
o valor final da fatura
Taxa 9,25% (1,65% PIS e 7,6% de COFINS)
O cliente poderá reter em todos os pagamentos 3,65%
O pagamento é feito entre o diferencial do valor calculado sobre todas as
vendas, retirando os créditos e deduzido as retenções.
Créditos Todas as compras dão direito a crédito de PIS e COFINS
Notas
Adicionais
Há sempre uma grande confusão entre a taxa de retenção e o valor efetivo
de imposto a pagar pela SIMI
Nota: A apresentação de uma proposta com exclusão de impostos, obriga
a descriminar os créditos que iremos considerar na proposta
Nota 2: Há interpretações diversas sobre a necessidade de retenção de PIS
e COFINS nos nossos serviços, mas como a SIMI será sempre pagadora
destes impostos, não há problema na existência da retenção.
Formula de
eliminar do
preço
Retenções
Pagamento
(𝑃𝑟𝑒ç𝑜 𝑎𝑛𝑡𝑒𝑠 𝑑𝑒 𝑃𝐼𝑆 𝑒 𝐶𝑂𝐹𝐼𝑁𝑆 − 𝐶𝑟é𝑑𝑖𝑡𝑜𝑠 𝑑𝑒 𝑃𝐼𝑆 𝑒 𝐶𝑂𝐹𝐼𝑁𝑆)
(1 − 9,25%)
= 𝑃𝑟𝑒ç𝑜 𝑐𝑜𝑚 𝑃𝐼𝑆 𝑒 𝐶𝑂𝐹𝐼𝑁𝑆
Juntando o PIS e COFINS ao ISS
O PIS, COFINS e ISS incidem sobre o preço final e não
sobre o preço antes de impostos.
A Fórmula a usar para calcular o preço final a
apresentar ao cliente, contendo todos os impostos, é
a seguinte:
𝑃𝑟𝑒ç𝑜 𝑎𝑝ó𝑠 𝐵𝐷𝐼 𝑒 𝑎𝑛𝑡𝑒𝑠 𝑑𝑒 𝐼𝑚𝑝𝑜𝑠𝑡𝑜𝑠 − 𝐶𝑟é𝑑𝑖𝑡𝑜𝑠 𝑑𝑒 𝑃𝐼𝑆 𝑒 𝐶𝑂𝐹𝐼𝑁𝑆
(1 − 𝑇𝑥 𝐼𝑆𝑆 − 9,25%)
Assim, no Brasil só há um preço que deve ser
apresentado, que é o preço final, o qual já deve incluir
todos os impostos que terão de ser pagos.
Sendo, os créditos de PIS e COFINS a taxa de imposto (9,25%) vezes os insumos sujeitos a créditos
IRPJ e CSLL
Base de
Incidência
Lucro da Empresa (no caso do Lucro Real, que é o caso da SIMI Brasil)
Taxa 34% (25% IRPJ e 9% de CSLL)
O cliente poderá reter em todos os pagamentos 1,5% de IRPJ e 1% de CSLL
O pagamento é feito trimestralmente após apuramento do lucro da
empresa, retirando o valor retido.
Créditos Não se aplica
Notas
Adicionais
Como há taxas de retenção destes impostos, por vezes, surge estes
impostos como destacados no preço, mas são taxas de retenção e não
taxas finais.
Formula de
eliminar do
preço
Retenções
Pagamento
A SIMI não considera o imposto sobre o rendimento nas suas propostas,
mas atendendo a que existe um diferencial de taxas de imposto entre
Portugal e Brasil, do meu ponto de vista, dever-se-ia incluir um valor no
BDI
INSS
Base de
Incidência
Custos com a Mão de Obra Brasileira
Taxa 20% sobre os salário e horas extras
Por lei, o cliente deverá reter em todos os pagamentos 11% do total do
pagamento. Porém, a lei permite reduzir a base de retenção no caso da
aplicação de materiais e equipamentos (não manuais), limitado até 50%
do valor total da Nota.
O pagamento é feito mensalmente entre o valor apurado a pagar e as
retenções efetuadas pelos clientes
Créditos Não existem
Notas
Adicionais
É crucial reduzir a base de retenção no pagamento, devendo esta situação
ficar clara desde o início da apresentação da proposta, por forma a não
evitar dúvidas.
A retenção não é um custo, mas tem como consequência a criação de um
crédito que é quase impossível recuperar.
A mão de obra expatriada tem de ser vendida como mão de obra, sujeita a
retenção de INSS, sendo que essa retenção só é possível ser aproveitado
em mão-de-obra brasileira
Retenções
Pagamento
Retenções de Impostos em vez de Impostos Pagos
Regimes Tributários
Regime de Lucro Real Trimestral
• Faturação ilimitada
• Taxa de Impostos sobre o Rendimento (IRPJ e CSLL) - 34% - calculada sobre o Lucro Efetivo
• Possibilidade de dedução dos prejuízos fiscais em períodos subsquentes
• PIS e COFINS à taxa de 9,25% entre a diferença entre os Proveitos e os custos
Regime de Lucro Presumido
• Faturação Anual até R$ 48.000.000,00/ano ( ≈ €17.750.000,00)
• Taxa de Impostos sobre o Rendimento (IRPJ e CSLL) - 34% - calculada sobre 32% do
valor da Faturação, o que dá uma taxa de imposto efetiva de 10,88% sobre a Faturação
• PIS e COFINS à taxa de 3,65% sem direito a créditos
Regime Simples Nacional
• Faturação Anual até R$ 3.600.000,00/ano ( ≈ €2.100.000,00)
• Agregação de todos os impostos (IRPJ, CSLL, COFINS, PIS, ISS e ICMS) numa única taxa
que pode variar entre 4,5% e 16,85% sobre a faturação
Retenções de Impostos em vez de Impostos Pagos
No Lucro Real
Impostos Taxa Real Retenção Notas
ISS Depende do Município Igual à Taxa Real
Sempre aplicável, a não ser
que exista isenção
PIS e COFINS
9,25% da diferença
entre as vendas e as
compras
3,65% da Faturação
Não é líquido que sobre a
atividade da SIMI a
retenção seja obrigatória *
IRPJ 25% sobre o Lucro Real 1,5% da Faturação
Não é líquido que sobre a
atividade da SIMI a
retenção seja obrigatória *
CSLL
9% sobre o Lucro Real
1% da Faturação
Não é líquido que sobre a
atividade da SIMI a
retenção seja obrigatória *
INSS
20% do Salário Base
mais Horas Extras
11% da Faturação sobre
a percentagem de M-O,
com um limite de 50%
Retenção Obrigatória
Compensáveisentresi
* Apesar de não ser líquido que a atividade da SIMI poderá não estar sujeita a estas
retenções, como a empresa irá ser contribuinte líquida destes impostos e os mesmos são
compensáveis entre si, não há problema na sua retenção.
Exemplo Numérico
M-O Expatriada 100.000,00
M-O Local 300.000,00
Equipamentos manuais 50.000,00
Equipamentos não manuais 200.000,00
Consumíveis Consumíveis 50.000,00
Outros Seguros 10.000,00
Garantias Bancárias 15.000,00
Total de Custos 725.000,00
Valor de Venda após BDI e antes Impostos 1.000.000,00
Taxa de ISS 5%
M-O
Equipamentos
Custos
Faturamento da SIMI P a entidades Brasileiras
TIPOS de FATURAMENTO
Serviços Prestados – Destacamento de Pessoal
Atividade normal da SIMI através da contratação de um serviço a ser executado por mão-de-obra.
Serviços Prestados – Assistência Técnica e Cedência de Tecnologia
O Acordo de Eliminação de Dupla Tributação entre o Portugal e Brasil, não elimina a dupla tributação
dos rendimentos, fazendo com que o imposto pago pela entidade Brasileira, não seja aproveitada pela
entidade Portuguesa, existindo assim uma perca de eficiência fiscal grande.
Execução de um contrato específico entre a entidade Brasileira e a Portuguesa para prestação de serviços
de assistência técnica ou de cedência de tecnologia.
Neste caso, o Acordo de Eliminação de Dupla Tributação entre o Portugal e Brasil, elimina a dupla
tributação dos rendimentos, fazendo com que o imposto sobre o Rendimento pago pela entidade
Brasileira, seja utilizado na redução do imposto a pagar em Portugal, desde que a obra em questão tenha
resultado.
Pode obrigar ao registo do contrato no INPI – Instituto Nacional de Propriedade Industrial.
Entre a SIMI P e a SIMI Brasil foi celebrado um contrato de assistência técnica para estarmos neste regime.
Impostos Incidentes
Faturamento da SIMI P a entidades Brasileiras
Imposto Descrição Taxas Notas
ISS
Tecnicamente este valor é devido por conta
da prestadora do serviço e deveria ser
deduzido no pagamento.
Depende do
Município, varia
entre 0% e 5%
Num cenário de Gross Up que irá ser
descrito de seguida, o valor pode ser
eliminado. Em tese, deveria ser retirado
ao pagamento a Portugal
PIS e Cofins
Importação
Este valor irá pago pela entidade Brasileira
no momento da remessa das divisas, mas a
empresa recupera no seu apuramento de
PIS e COFINS
9,25%
Este imposto é inócuo para a contratante,
tendo apenas dispêndio financeiro
IRRF
Imposto sobre o rendimento retido pela
Receita Federal, aquando da remessa das
divisas por parte da contratante
15% no caso de
assistência técnica e
25% no caso de
serviços prestados
Os 15% de assistência técnica poderão ser
aproveitados pela entidade Portuguesa no
IRC.
Se forem os 25% não poderão ser
aproveitados.
CIDE
10% do valor faturado à entidade brasileira a
título de assistência técnica, terá de ser
pago pela entidade brasileira
0% ou 10%, depende
da taxa de IRRF
Se houver cobrança de IRRF a 15%, a
entidade contratante terá um custo de
10% em cima do valor da transferência
INSS
Não sendo custo, a entidade brasileira
poderá retida pelo valor a título de INSS
Não se aplica
No caso da SIMI Brasil, poderá ser retida
por estar a vender M-O estrangeira que
será de difícil recuperação
IOF Imposto sobre Operações Financeiras
0,38% do contrato de
câmbio
A cargo da ordenante
Impostos Incidentes nos diferentes tipos de Faturamento
Faturamento da SIMI P a entidades Brasileiras
Imposto Destacamento de Pessoal Assistência Técnica
ISS Depende do Município, varia entre
0% e 5%. Em tese, deveria ser
retirado ao pagamento a Portugal
Depende do Município, varia entre
0% e 5%. Em tese, deveria ser
retirado ao pagamento a Portugal
PIS e COFINS
Importação
9,25%. A pagar pelo contratante no
pagamento, mas recuperável
9,25%. A pagar pelo contratante no
pagamento, mas recuperável
IRRF 25% (não recuperáveis) 15% (recuperáveis)
CIDE 0% 10%
INSS Isento Isento
IOF 0,38% do valor do câmbio 0,38% do valor do câmbio
Faturamento da SIMI P a entidades Brasileiras
GROSS UP
Definição
Quando é estabelecido pela SIMI P que o valor que fatura é o valor
líquido que se quer receber, sendo a totalidade dos impostos
suportada pela entidade Brasileira. Convém ficar escrito.
CUSTOS MÃO DE OBRA BRASILEIRA
FGTS – Fundo de Garantia Tempo Serviço
O que é e quanto é?
8% calculado sobre o salário Base de cada trabalhador brasileiro e pago pela entidade contratante para
a conta de FGTS de cada trabalhador brasileiro. Esse valor é irrevogavelmente de cada trabalhador,
pelo que deverá ser considerado custo da empresa.
Quando o trabalhador tem acesso ao valor?
- No caso do trabalhador ser despedido, a empresa emite um documento que permite ao trabalhador
ir receber o valor que está depositado em seu nome de FGTS.
- No caso do trabalhador se reformar.
- No caso do trabalhador comprar casa.
No caso do trabalhador apresentar demissão?
O trabalhador não pode levantar o valor depositado de FGTS, apesar do valor ser seu.
O que é a multa rescisória?
Se a contratante decidir demitir o trabalhador, tem de pagar uma multa rescisória correspondente a
50% do valor já pago a título de FGTS, o que na prática dá um acrescento ao calor mensal de 4%,
fazendo com que o custo final mensal de FGTS seja de 12%.
Dos 50% do valor, 40% são para o trabalhador, o qual poderá levantar o valor em conjunto com o
restante já depositado pela contratante e 10% é um valor que vai para o estado.
CUSTOS MÃO DE OBRA BRASILEIRA
DURAÇÃO DE CONTRATO 11 MESES 12 MESES 23 MESES
ENCARGOS Custo Mensal Custo Total Custo Mensal Custo Total Custo Mensal Custo Total
SALÁRIO 672,00R$ 7.392,00R$ 672,00R$ 8.064,00R$ 672,00R$ 15.456,00R$
ALIMENTAÇÃO NA FOLHA -R$ -R$ -R$
TRANSPORTE NA FOLHA -R$ -R$ -R$
PERICULOSIDADE 30% -R$ -R$ -R$
INSALUBRIDADE 10%, 20%, 40% -R$ -R$ -R$
ADICIONAL NOTURNO 40% -R$ -R$ -R$
Total de Proventos Diretos 672,00R$ 7.392,00R$ 672,00R$ 8.064,00R$ 672,00R$ 15.456,00R$
FÉRIAS 56,00R$ 616,00R$ 56,00R$ 672,00R$ 56,00R$ 1.288,00R$
1/3 DAS FÉRIAS 18,67R$ 205,33R$ 18,67R$ 224,00R$ 18,67R$ 429,33R$
13 SALARIO 56,00R$ 616,00R$ 56,00R$ 672,00R$ 56,00R$ 1.288,00R$
INSS E OUTROS P/ CONTA EMPRESA 231,17R$ 2.542,85R$ 231,17R$ 2.774,02R$ 231,17R$ 5.316,86R$
FGTS 64,21R$ 706,35R$ 64,21R$ 770,56R$ 64,21R$ 1.476,91R$
MULTA RESCISÓRIA 32,11R$ 353,17R$ 32,11R$ 385,28R$ 32,11R$ 738,45R$
1.130,15R$ 12.431,70R$ 1.130,15R$ 13.561,86R$ 1.130,15R$ 25.993,56R$
Férias trabalhas (após 12 meses) -R$ -R$ 78,85R$ 946,18R$ 41,14R$ 946,18R$
Custo Básico Hora Custo Real Hora Custo Básico Hora Custo Real Hora Custo Básico Hora Custo Real Hora
3,53R$ 5,93R$ 3,53R$ 6,35R$ 3,53R$ 6,15R$
Multiplicador 68% Multiplicador 80% Multiplicador 74%
Aviso prévio indemnizado 86,02R$ 946,18R$ 78,85R$ 946,18R$ 41,14R$ 946,18R$
Custo Total com pagamento do aviso prévio 13.377,88R$ 15.454,21R$ 27.885,91R$
Custo Real Hora 6,38R$ Custo Real Hora 7,17R$ Custo Real Hora 6,58R$
Multiplicador 81% Multiplicador 103% Multiplicador 87%
60% 6,88R$ 60% 6,88R$ 60% 6,88R$
100% 8,60R$ 100% 8,60R$ 100% 8,60R$
PROVENTOSDIRETOS
PROVENTOS
PROPORCIONAIS
ADICIONAIS
Valor Hora Extra
Notas Finais
1. Apresentar sempre os preços com impostos
2. Sempre que possível evitar a inclusão de materiais na prestação de serviço, para não haver
duplicação de ISS/ICMS, quando tal for significativo
3. Desde o início do contato comercial reduzir a incidência de INSS
4. Saber a Taxa de ISS aplicável em cada projeto, para se apresentar o preço em conformidade
5. Dominar a diferença entre impostos retidos e impostos finais nas discussões comerciais
6. Não abusar da Mão de Obra Expatriada, para não criação de créditos de INSS de difícil
recuperação
7. Sugestão Criar um diferencial no BDI referente à diferença de impostos sobre o rendimento
8. Atenção às variações do câmbio
9. Atenção à forma de faturação direta ao cliente de Portugal, para se ter a moldura correta de
impostos
FIM
BOAS VENDAS e EXCELENTES ORÇAMENTOS

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Incidência tributária no setor de mineração no brasil
Incidência tributária no setor de mineração no brasilIncidência tributária no setor de mineração no brasil
Incidência tributária no setor de mineração no brasil
Rinaldo Maciel de Freitas
 
Básico de escrituração fiscal modulo 1
Básico de escrituração fiscal modulo 1Básico de escrituração fiscal modulo 1
Básico de escrituração fiscal modulo 1
Thiago Aguiar
 
Caderno - Planejamento Tributário
Caderno - Planejamento TributárioCaderno - Planejamento Tributário
Caderno - Planejamento Tributário
Cadernos PPT
 
Introdução Tributos e Taxas Custos Logisticos
Introdução Tributos e Taxas Custos LogisticosIntrodução Tributos e Taxas Custos Logisticos
Introdução Tributos e Taxas Custos Logisticos
Willian dos Santos Abreu
 
Impostos e cidadania
Impostos e cidadaniaImpostos e cidadania
Impostos e cidadania
Jamyle Braga
 
Práticas Tributárias - Aulas 1 e 2
Práticas Tributárias - Aulas 1 e 2Práticas Tributárias - Aulas 1 e 2
Práticas Tributárias - Aulas 1 e 2
Wandick Rocha de Aquino
 
Sistema tributario nacional prof roberto e luiz gustavo decac
Sistema tributario nacional prof roberto e luiz gustavo decacSistema tributario nacional prof roberto e luiz gustavo decac
Sistema tributario nacional prof roberto e luiz gustavo decac
Rossandro Nogueira Rodrigues
 
Aula introdução tributos federais
Aula introdução tributos federaisAula introdução tributos federais
Aula introdução tributos federais
Fernandinhaparisi
 
Nsl02 impostos e tributos
Nsl02   impostos e tributosNsl02   impostos e tributos
Nsl02 impostos e tributos
Viviane Danieleski
 
Tributação na siderurgia brasileira
Tributação na siderurgia brasileiraTributação na siderurgia brasileira
Tributação na siderurgia brasileira
Rinaldo Maciel de Freitas
 
Tributação na siderurgia brasileira
Tributação na siderurgia brasileiraTributação na siderurgia brasileira
Tributação na siderurgia brasileira
Rinaldo Maciel de Freitas
 
PIS e COFINS - Novidades, riscos e oportunidades
PIS e COFINS - Novidades, riscos e oportunidadesPIS e COFINS - Novidades, riscos e oportunidades
PIS e COFINS - Novidades, riscos e oportunidades
Fabio Rodrigues de Oliveira
 
Manual de escrita fiscal pdf
Manual de escrita fiscal pdfManual de escrita fiscal pdf
Manual de escrita fiscal pdf
Elizabeth Mendes de Andrade
 
Análise financeira das receitas de américo brasiliense
Análise financeira das receitas de américo brasilienseAnálise financeira das receitas de américo brasiliense
Análise financeira das receitas de américo brasiliense
americotomweb
 
Icms contribuintes, não contribuintes e aliquotas
Icms   contribuintes, não contribuintes e aliquotasIcms   contribuintes, não contribuintes e aliquotas
Icms contribuintes, não contribuintes e aliquotas
Antonio Vitolano
 
PIS e COFINS Lei nº 12.973/14, Riscos, Benefícios e Impactos da EFD-Contribui...
PIS e COFINS Lei nº 12.973/14, Riscos, Benefícios e Impactos da EFD-Contribui...PIS e COFINS Lei nº 12.973/14, Riscos, Benefícios e Impactos da EFD-Contribui...
PIS e COFINS Lei nº 12.973/14, Riscos, Benefícios e Impactos da EFD-Contribui...
Fabio Rodrigues de Oliveira
 
Práticas Tributárias - Aulas 3 e 4
Práticas Tributárias - Aulas 3 e 4Práticas Tributárias - Aulas 3 e 4
Práticas Tributárias - Aulas 3 e 4
Wandick Rocha de Aquino
 
Aula 5
Aula 5Aula 5
Questões Polêmicas de PIS e COFINS e seus reflexos na EFD-Contribuições
Questões Polêmicas de PIS e COFINS e seus reflexos na EFD-ContribuiçõesQuestões Polêmicas de PIS e COFINS e seus reflexos na EFD-Contribuições
Questões Polêmicas de PIS e COFINS e seus reflexos na EFD-Contribuições
Fabio Rodrigues de Oliveira
 
Como funciona o sistema tributário no brasil
Como funciona o sistema tributário no brasilComo funciona o sistema tributário no brasil
Como funciona o sistema tributário no brasil
Valéria Lins
 

Mais procurados (20)

Incidência tributária no setor de mineração no brasil
Incidência tributária no setor de mineração no brasilIncidência tributária no setor de mineração no brasil
Incidência tributária no setor de mineração no brasil
 
Básico de escrituração fiscal modulo 1
Básico de escrituração fiscal modulo 1Básico de escrituração fiscal modulo 1
Básico de escrituração fiscal modulo 1
 
Caderno - Planejamento Tributário
Caderno - Planejamento TributárioCaderno - Planejamento Tributário
Caderno - Planejamento Tributário
 
Introdução Tributos e Taxas Custos Logisticos
Introdução Tributos e Taxas Custos LogisticosIntrodução Tributos e Taxas Custos Logisticos
Introdução Tributos e Taxas Custos Logisticos
 
Impostos e cidadania
Impostos e cidadaniaImpostos e cidadania
Impostos e cidadania
 
Práticas Tributárias - Aulas 1 e 2
Práticas Tributárias - Aulas 1 e 2Práticas Tributárias - Aulas 1 e 2
Práticas Tributárias - Aulas 1 e 2
 
Sistema tributario nacional prof roberto e luiz gustavo decac
Sistema tributario nacional prof roberto e luiz gustavo decacSistema tributario nacional prof roberto e luiz gustavo decac
Sistema tributario nacional prof roberto e luiz gustavo decac
 
Aula introdução tributos federais
Aula introdução tributos federaisAula introdução tributos federais
Aula introdução tributos federais
 
Nsl02 impostos e tributos
Nsl02   impostos e tributosNsl02   impostos e tributos
Nsl02 impostos e tributos
 
Tributação na siderurgia brasileira
Tributação na siderurgia brasileiraTributação na siderurgia brasileira
Tributação na siderurgia brasileira
 
Tributação na siderurgia brasileira
Tributação na siderurgia brasileiraTributação na siderurgia brasileira
Tributação na siderurgia brasileira
 
PIS e COFINS - Novidades, riscos e oportunidades
PIS e COFINS - Novidades, riscos e oportunidadesPIS e COFINS - Novidades, riscos e oportunidades
PIS e COFINS - Novidades, riscos e oportunidades
 
Manual de escrita fiscal pdf
Manual de escrita fiscal pdfManual de escrita fiscal pdf
Manual de escrita fiscal pdf
 
Análise financeira das receitas de américo brasiliense
Análise financeira das receitas de américo brasilienseAnálise financeira das receitas de américo brasiliense
Análise financeira das receitas de américo brasiliense
 
Icms contribuintes, não contribuintes e aliquotas
Icms   contribuintes, não contribuintes e aliquotasIcms   contribuintes, não contribuintes e aliquotas
Icms contribuintes, não contribuintes e aliquotas
 
PIS e COFINS Lei nº 12.973/14, Riscos, Benefícios e Impactos da EFD-Contribui...
PIS e COFINS Lei nº 12.973/14, Riscos, Benefícios e Impactos da EFD-Contribui...PIS e COFINS Lei nº 12.973/14, Riscos, Benefícios e Impactos da EFD-Contribui...
PIS e COFINS Lei nº 12.973/14, Riscos, Benefícios e Impactos da EFD-Contribui...
 
Práticas Tributárias - Aulas 3 e 4
Práticas Tributárias - Aulas 3 e 4Práticas Tributárias - Aulas 3 e 4
Práticas Tributárias - Aulas 3 e 4
 
Aula 5
Aula 5Aula 5
Aula 5
 
Questões Polêmicas de PIS e COFINS e seus reflexos na EFD-Contribuições
Questões Polêmicas de PIS e COFINS e seus reflexos na EFD-ContribuiçõesQuestões Polêmicas de PIS e COFINS e seus reflexos na EFD-Contribuições
Questões Polêmicas de PIS e COFINS e seus reflexos na EFD-Contribuições
 
Como funciona o sistema tributário no brasil
Como funciona o sistema tributário no brasilComo funciona o sistema tributário no brasil
Como funciona o sistema tributário no brasil
 

Destaque

BDI - TCU
BDI - TCUBDI - TCU
BDI - TCU
Mauricio Almeida
 
NFe 2G (Segunda Geração)
NFe 2G (Segunda Geração) NFe 2G (Segunda Geração)
NFe 2G (Segunda Geração)
Vemartin IT Consulting
 
Acorda Brasil 2
Acorda Brasil 2Acorda Brasil 2
Acorda Brasil 2
Leonardo Michel
 
Hp12 c aplicada_a_gestao
Hp12 c aplicada_a_gestaoHp12 c aplicada_a_gestao
Hp12 c aplicada_a_gestao
Adriano Bruni
 
Brasil, país de impostos?
Brasil, país de impostos?Brasil, país de impostos?
Brasil, país de impostos?
Nataniel da Silva
 
Avalinvest extras respostas
Avalinvest extras respostasAvalinvest extras respostas
Avalinvest extras respostas
Adriano Bruni
 
Matematica financeiraconcursos cap9hp12cnovo
Matematica financeiraconcursos cap9hp12cnovoMatematica financeiraconcursos cap9hp12cnovo
Matematica financeiraconcursos cap9hp12cnovo
Adriano Bruni
 
impostos aplicados em portugal continental
impostos aplicados em portugal continentalimpostos aplicados em portugal continental
impostos aplicados em portugal continental
Thepatriciamartins12
 
Tarefa final individual hosana fritschy
Tarefa final individual hosana fritschyTarefa final individual hosana fritschy
Tarefa final individual hosana fritschy
HosanaFritschy
 
Menos Impostos - Energia Elétrica
Menos Impostos - Energia ElétricaMenos Impostos - Energia Elétrica
Menos Impostos - Energia Elétrica
Alberto Nairo @ BIZ DEVELOPER®
 
Legislação tributaria impostos e contriuições federais
Legislação tributaria impostos e contriuições federaisLegislação tributaria impostos e contriuições federais
Legislação tributaria impostos e contriuições federais
Bruno_fbrandao
 
Comparação EUA e Brasil
Comparação EUA e BrasilComparação EUA e Brasil
Comparação EUA e Brasil
Vitor De Carvalho Vecchi
 
Aulas de Custos (Impostos no Preco)
Aulas de Custos (Impostos no Preco)Aulas de Custos (Impostos no Preco)
Aulas de Custos (Impostos no Preco)
Adriano Bruni
 
Aplicativo AnaliseFacil.xls
Aplicativo AnaliseFacil.xlsAplicativo AnaliseFacil.xls
Aplicativo AnaliseFacil.xls
Adriano Bruni
 
Orientação Técnica Educação Fiscal
Orientação Técnica Educação FiscalOrientação Técnica Educação Fiscal
Orientação Técnica Educação Fiscal
Aydê Pereira Salla
 
Fluxograma Ilustrado TRIBUTOS
Fluxograma Ilustrado TRIBUTOSFluxograma Ilustrado TRIBUTOS
Fluxograma Ilustrado TRIBUTOS
Ma Rina
 
Aulas de Custos (Tributos e Impostos)
Aulas de Custos (Tributos e Impostos)Aulas de Custos (Tributos e Impostos)
Aulas de Custos (Tributos e Impostos)
Adriano Bruni
 
Sistema Tributário Nacional
Sistema Tributário NacionalSistema Tributário Nacional
Sistema Tributário Nacional
Antonio Pereira
 

Destaque (18)

BDI - TCU
BDI - TCUBDI - TCU
BDI - TCU
 
NFe 2G (Segunda Geração)
NFe 2G (Segunda Geração) NFe 2G (Segunda Geração)
NFe 2G (Segunda Geração)
 
Acorda Brasil 2
Acorda Brasil 2Acorda Brasil 2
Acorda Brasil 2
 
Hp12 c aplicada_a_gestao
Hp12 c aplicada_a_gestaoHp12 c aplicada_a_gestao
Hp12 c aplicada_a_gestao
 
Brasil, país de impostos?
Brasil, país de impostos?Brasil, país de impostos?
Brasil, país de impostos?
 
Avalinvest extras respostas
Avalinvest extras respostasAvalinvest extras respostas
Avalinvest extras respostas
 
Matematica financeiraconcursos cap9hp12cnovo
Matematica financeiraconcursos cap9hp12cnovoMatematica financeiraconcursos cap9hp12cnovo
Matematica financeiraconcursos cap9hp12cnovo
 
impostos aplicados em portugal continental
impostos aplicados em portugal continentalimpostos aplicados em portugal continental
impostos aplicados em portugal continental
 
Tarefa final individual hosana fritschy
Tarefa final individual hosana fritschyTarefa final individual hosana fritschy
Tarefa final individual hosana fritschy
 
Menos Impostos - Energia Elétrica
Menos Impostos - Energia ElétricaMenos Impostos - Energia Elétrica
Menos Impostos - Energia Elétrica
 
Legislação tributaria impostos e contriuições federais
Legislação tributaria impostos e contriuições federaisLegislação tributaria impostos e contriuições federais
Legislação tributaria impostos e contriuições federais
 
Comparação EUA e Brasil
Comparação EUA e BrasilComparação EUA e Brasil
Comparação EUA e Brasil
 
Aulas de Custos (Impostos no Preco)
Aulas de Custos (Impostos no Preco)Aulas de Custos (Impostos no Preco)
Aulas de Custos (Impostos no Preco)
 
Aplicativo AnaliseFacil.xls
Aplicativo AnaliseFacil.xlsAplicativo AnaliseFacil.xls
Aplicativo AnaliseFacil.xls
 
Orientação Técnica Educação Fiscal
Orientação Técnica Educação FiscalOrientação Técnica Educação Fiscal
Orientação Técnica Educação Fiscal
 
Fluxograma Ilustrado TRIBUTOS
Fluxograma Ilustrado TRIBUTOSFluxograma Ilustrado TRIBUTOS
Fluxograma Ilustrado TRIBUTOS
 
Aulas de Custos (Tributos e Impostos)
Aulas de Custos (Tributos e Impostos)Aulas de Custos (Tributos e Impostos)
Aulas de Custos (Tributos e Impostos)
 
Sistema Tributário Nacional
Sistema Tributário NacionalSistema Tributário Nacional
Sistema Tributário Nacional
 

Semelhante a Apresentação sobre impostos Jan 2013 2

A escolha da modalidade de tributação e economia tributária
A escolha da modalidade de tributação e economia tributáriaA escolha da modalidade de tributação e economia tributária
A escolha da modalidade de tributação e economia tributária
Rafhael Sena
 
Aula do dia 13 11 -contabilidade
Aula do dia 13 11 -contabilidadeAula do dia 13 11 -contabilidade
Aula do dia 13 11 -contabilidade
Fernanda Moreira
 
Aula do dia 13 11 -contabilidade
Aula do dia 13 11 -contabilidadeAula do dia 13 11 -contabilidade
Aula do dia 13 11 -contabilidade
Fernanda Moreira
 
Gestão Estratégica e Tributária em Suprimentos.
Gestão Estratégica e Tributária em Suprimentos.Gestão Estratégica e Tributária em Suprimentos.
Gestão Estratégica e Tributária em Suprimentos.
Ronei Cancela Soares .....
 
PLANEJ. CONTABIL TRIBUTARIO
PLANEJ. CONTABIL TRIBUTARIOPLANEJ. CONTABIL TRIBUTARIO
PLANEJ. CONTABIL TRIBUTARIO
Michelle Moraes
 
A Escolha Da Modalidade De TributaçãO como forma de Economia TributáRia
A Escolha Da Modalidade De TributaçãO como forma de Economia TributáRiaA Escolha Da Modalidade De TributaçãO como forma de Economia TributáRia
A Escolha Da Modalidade De TributaçãO como forma de Economia TributáRia
Rafhael Sena
 
A Escolha Da Modalidade De TributaçãO E Economia TributáRia
A Escolha Da Modalidade De TributaçãO E Economia TributáRiaA Escolha Da Modalidade De TributaçãO E Economia TributáRia
A Escolha Da Modalidade De TributaçãO E Economia TributáRia
Rafhael Sena
 
Escrituração Fiscal Digital - Pis/Cofins
Escrituração Fiscal Digital - Pis/CofinsEscrituração Fiscal Digital - Pis/Cofins
Escrituração Fiscal Digital - Pis/Cofins
jnmoura
 
Legislacao societaria
Legislacao societariaLegislacao societaria
Legislacao societaria
Claudio Parra
 
Legislação societária aula 01 introdução e conceitos
Legislação societária aula 01 introdução e conceitosLegislação societária aula 01 introdução e conceitos
Legislação societária aula 01 introdução e conceitos
Claudio Parra
 
Lucro Real - Lucro Presumido - IRPJ CSLL
Lucro Real - Lucro Presumido - IRPJ CSLLLucro Real - Lucro Presumido - IRPJ CSLL
Lucro Real - Lucro Presumido - IRPJ CSLL
ThiagoCoelho80
 
63094155 lucro-real-teoria-pratica
63094155 lucro-real-teoria-pratica63094155 lucro-real-teoria-pratica
63094155 lucro-real-teoria-pratica
Janielle Alves
 
Contabilidade gerencial prof
Contabilidade gerencial  profContabilidade gerencial  prof
Contabilidade gerencial prof
simuladocontabil
 
IRC 2013 - Sabe se a sua empresa vai pagar muito imposto em 2014?
IRC 2013 - Sabe se a sua empresa vai pagar muito imposto em 2014?IRC 2013 - Sabe se a sua empresa vai pagar muito imposto em 2014?
IRC 2013 - Sabe se a sua empresa vai pagar muito imposto em 2014?
UWU Solutions, Lda.
 
Aula 08 auxiliar de contabilidade
Aula 08 auxiliar de contabilidadeAula 08 auxiliar de contabilidade
Aula 08 auxiliar de contabilidade
Homero Alves de Lima
 
Aula 3
Aula 3Aula 3
Estrutura dre
Estrutura dreEstrutura dre
Estrutura dre
simuladocontabil
 
Oci ajuda a deduzir impostos
Oci ajuda a deduzir impostosOci ajuda a deduzir impostos
Oci ajuda a deduzir impostos
Oracle
 
Palestra – convênio 93 impactos fiscais e jurídicos no e commerce e projetos ...
Palestra – convênio 93 impactos fiscais e jurídicos no e commerce e projetos ...Palestra – convênio 93 impactos fiscais e jurídicos no e commerce e projetos ...
Palestra – convênio 93 impactos fiscais e jurídicos no e commerce e projetos ...
E-Commerce Brasil
 
Módulo 09 Lucro Real.pptx análise de lucro
Módulo 09 Lucro Real.pptx análise de lucroMódulo 09 Lucro Real.pptx análise de lucro
Módulo 09 Lucro Real.pptx análise de lucro
wanderlancardoso1
 

Semelhante a Apresentação sobre impostos Jan 2013 2 (20)

A escolha da modalidade de tributação e economia tributária
A escolha da modalidade de tributação e economia tributáriaA escolha da modalidade de tributação e economia tributária
A escolha da modalidade de tributação e economia tributária
 
Aula do dia 13 11 -contabilidade
Aula do dia 13 11 -contabilidadeAula do dia 13 11 -contabilidade
Aula do dia 13 11 -contabilidade
 
Aula do dia 13 11 -contabilidade
Aula do dia 13 11 -contabilidadeAula do dia 13 11 -contabilidade
Aula do dia 13 11 -contabilidade
 
Gestão Estratégica e Tributária em Suprimentos.
Gestão Estratégica e Tributária em Suprimentos.Gestão Estratégica e Tributária em Suprimentos.
Gestão Estratégica e Tributária em Suprimentos.
 
PLANEJ. CONTABIL TRIBUTARIO
PLANEJ. CONTABIL TRIBUTARIOPLANEJ. CONTABIL TRIBUTARIO
PLANEJ. CONTABIL TRIBUTARIO
 
A Escolha Da Modalidade De TributaçãO como forma de Economia TributáRia
A Escolha Da Modalidade De TributaçãO como forma de Economia TributáRiaA Escolha Da Modalidade De TributaçãO como forma de Economia TributáRia
A Escolha Da Modalidade De TributaçãO como forma de Economia TributáRia
 
A Escolha Da Modalidade De TributaçãO E Economia TributáRia
A Escolha Da Modalidade De TributaçãO E Economia TributáRiaA Escolha Da Modalidade De TributaçãO E Economia TributáRia
A Escolha Da Modalidade De TributaçãO E Economia TributáRia
 
Escrituração Fiscal Digital - Pis/Cofins
Escrituração Fiscal Digital - Pis/CofinsEscrituração Fiscal Digital - Pis/Cofins
Escrituração Fiscal Digital - Pis/Cofins
 
Legislacao societaria
Legislacao societariaLegislacao societaria
Legislacao societaria
 
Legislação societária aula 01 introdução e conceitos
Legislação societária aula 01 introdução e conceitosLegislação societária aula 01 introdução e conceitos
Legislação societária aula 01 introdução e conceitos
 
Lucro Real - Lucro Presumido - IRPJ CSLL
Lucro Real - Lucro Presumido - IRPJ CSLLLucro Real - Lucro Presumido - IRPJ CSLL
Lucro Real - Lucro Presumido - IRPJ CSLL
 
63094155 lucro-real-teoria-pratica
63094155 lucro-real-teoria-pratica63094155 lucro-real-teoria-pratica
63094155 lucro-real-teoria-pratica
 
Contabilidade gerencial prof
Contabilidade gerencial  profContabilidade gerencial  prof
Contabilidade gerencial prof
 
IRC 2013 - Sabe se a sua empresa vai pagar muito imposto em 2014?
IRC 2013 - Sabe se a sua empresa vai pagar muito imposto em 2014?IRC 2013 - Sabe se a sua empresa vai pagar muito imposto em 2014?
IRC 2013 - Sabe se a sua empresa vai pagar muito imposto em 2014?
 
Aula 08 auxiliar de contabilidade
Aula 08 auxiliar de contabilidadeAula 08 auxiliar de contabilidade
Aula 08 auxiliar de contabilidade
 
Aula 3
Aula 3Aula 3
Aula 3
 
Estrutura dre
Estrutura dreEstrutura dre
Estrutura dre
 
Oci ajuda a deduzir impostos
Oci ajuda a deduzir impostosOci ajuda a deduzir impostos
Oci ajuda a deduzir impostos
 
Palestra – convênio 93 impactos fiscais e jurídicos no e commerce e projetos ...
Palestra – convênio 93 impactos fiscais e jurídicos no e commerce e projetos ...Palestra – convênio 93 impactos fiscais e jurídicos no e commerce e projetos ...
Palestra – convênio 93 impactos fiscais e jurídicos no e commerce e projetos ...
 
Módulo 09 Lucro Real.pptx análise de lucro
Módulo 09 Lucro Real.pptx análise de lucroMódulo 09 Lucro Real.pptx análise de lucro
Módulo 09 Lucro Real.pptx análise de lucro
 

Apresentação sobre impostos Jan 2013 2

  • 1. A aplicação dos impostos brasileiros na comercial da SIMI Nuno Couceiro – 3 / 1 /2013
  • 2. Tópicos a Abordar 1. Breve descrição da temática 2. Enumeração dos impostos relevantes 3. ISS, ICMS e IPI 4. PIS e COFINS 5. IRPJ e CSLL 6. INSS 7. Retenções de Impostos em vez de Impostos Pagos - Regimes de Tributação 8. Exemplo Prático 9. Faturamento da SIMI P a entidades Brasileiras - Formas de Faturamento - Impostos Incidentes - Gross Up 10. Custos da M-O Brasileira - FGTS e Multa Rescisórias - Custo Hora 11. Notas Finais
  • 3. IVA apurado a entregar ao Estado Breve descrição da temática Num país normal que não o Brasil Compras M - O Vendas / Faturação IVA Compras IVA Vendas - = =- LUCRO BRUTO + + Pagamento do IVA ao Estado PagamentoRecebimento -- = = IRC - = LUCRO LÍQUIDO = LUCRO BRUTO
  • 4. No pagamento dos custos de M-O, abater as retenções Breve descrição da temática No BRASIL Compras M - O Vendas / Faturação Preço inclui todos os impostos Taxa de PIS, COFINS, ISS, ICMS - = LUCRO BRUTO X = Apuramento Imposto a pagar IRPJ - = LUCRO LÍQUIDO Recebimento = Faturação Pagamento ao fornecedores e de M-O com a totalidade do impostos incluídos - Crédito de imposto = Taxas de imposto X Compras - Impostos Retidos = Impostos a Pagar Retenções - Retenções (PIS, COFINS, IR, CSLL, INSS) - Caixa =
  • 5. Enumeração dos Impostos Relevantes IMPOSTOS ISS – Imposto sobre Serviços DESCRIÇÃO Incide sobre todas as prestações de serviço ICMS – Imposto Circulação de Mercadorias e Serviços Incide sobre o comércio de produtos PIS e COFINS Incide sobre os serviços prestados e as vendas de produtos, mas tem regime de créditos IPI – Imposto sobre Produtos Industrializados Incide na produção/industrialização de bens INSS - Instituto Nacional do Seguro Social Instituto Nacional do Seguro Social IRPJ – Imposto Renda Pessoas Jurídicas Imposto sobre o rendimento de empresas CSLL – Contribuição Social sobre o Lucro Líquido Adicional de imposto sobre o rendimento IOF – Imposto sobre Operações Financeiras Imposto Incidente sobre operações financeiras
  • 6. ISS, ICMS e IPI ISS – Imposto sobre Serviços Base de Incidência Incide sobre o valor final da fatura de serviço, sendo que os mesmos podem conter materiais (insumos) e equipamentos Nota: A lei prevê a redução da base de incidência sobre os materiais e equipamentos, mas na prática tal não acontece Taxa Varia entre 0% e 5%. Depende do município. Nota: É importante questionar o cliente sobre a taxa de imposto a aplicar, quando se tiver a fazer o orçamento Retenções Pagamento A forma de pagamento deste imposto, é a retenção por parte do cliente aquando do pagamento e entrega ao município em nessa data Créditos Não existem Notas Adicionais Em todos os serviços que forem cotados na estrutura de custos, contêm ISS, pelo que há uma duplicação de impostos ao subcontratar um serviço e facturá-lo ao cliente final Nota: Saber qual a taxa de ISS que o fornecedor considerou 𝑃𝑟𝑒ç𝑜 𝑎𝑛𝑡𝑒𝑠 𝑑𝑒 𝐼𝑆𝑆 (1 − 𝑇𝑥 𝐼𝑆𝑆) = 𝑃𝑟𝑒ç𝑜 𝑐𝑜𝑚 𝐼𝑆𝑆 Formula de eliminar do preço
  • 7. ISS, ICMS e IPI ICMS – Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços Base de Incidência Incide sobre o valor final da fatura de mercadoria Taxa Varia entre 7% e 19%. Depende do Estado Este imposto não está sujeito a retenções por parte do cliente. O pagamento é feito entre o diferencial do que foi faturado e dos créditos em momento diferido no tempo. Créditos Existem nas compras Notas Adicionais Nas compras o preço apresentado é o preço já com ICMS. Na maioria dos casos as compras irão ser feitas para insumo, pelo que indicar que iremos ser cliente final, para se faturar com alíquota cheia Os clientes só irão solicitar a faturação com ICMS se o crédito de ICMS com a compra for significativo, pois a taxa é menos convidativa que a de ISS. Pode haver interesse em que o cliente compre diretamente os materiais e a SIMI apenas faça o serviço Formula de eliminar do preço (𝑃𝑟𝑒ç𝑜 𝑎𝑛𝑡𝑒𝑠 𝑑𝑒 𝐼𝐶𝑀𝑆 − 𝐶𝑟é𝑑𝑖𝑡𝑜𝑠 𝑑𝑒 𝐼𝐶𝑀𝑆) (1 − 𝑇𝑥 𝐼𝐶𝑀𝑆 𝑛𝑜 𝐸𝑠𝑡𝑎𝑑𝑜 𝑑𝑒 𝐷𝑒𝑠𝑡𝑖𝑛𝑜) = 𝑃𝑟𝑒ç𝑜 𝑐𝑜𝑚 𝐼𝐶𝑀𝑆 Retenções Pagamento
  • 8. ISS, ICMS e IPI IPI – Imposto sobre Produtos Industrializados Base de Incidência Incide sobre a industrialização/fabricação de um produto. É calculado sobre o valor final da fatura, mas não faz parte do preço final. Taxa Variável. Depende do material a fabricar Este imposto não está sujeito a retenções por parte do cliente. O pagamento é feito entre o diferencial do que foi destacado na fatura emitida Créditos Existem os créditos nas faturas de compras que estão separados do valor da fatura Notas Adicionais Tal como no ICMS, a maioria dos casos as compras irão ser feitas para insumo, pelo que a existir cobrança de IPI nas compras elas serão custo da compra Nota: Como a génese da SIMI é fazer a montagem, nunca interessa fazermos a produção descrita como tal, pelo que separando-se o fornecimento do material em bruto e o serviço, elimina-se a incidência do IPI Formula de eliminar do preço Retenções Pagamento Aqui não existe uma fórmula, pois o valor do IPI é separado do valor final das faturas e cálculado em cima desse.
  • 9. PIS e COFINS Base de Incidência Incide sobre todas as faturas de serviços e de materiais e é calculado sobre o valor final da fatura Taxa 9,25% (1,65% PIS e 7,6% de COFINS) O cliente poderá reter em todos os pagamentos 3,65% O pagamento é feito entre o diferencial do valor calculado sobre todas as vendas, retirando os créditos e deduzido as retenções. Créditos Todas as compras dão direito a crédito de PIS e COFINS Notas Adicionais Há sempre uma grande confusão entre a taxa de retenção e o valor efetivo de imposto a pagar pela SIMI Nota: A apresentação de uma proposta com exclusão de impostos, obriga a descriminar os créditos que iremos considerar na proposta Nota 2: Há interpretações diversas sobre a necessidade de retenção de PIS e COFINS nos nossos serviços, mas como a SIMI será sempre pagadora destes impostos, não há problema na existência da retenção. Formula de eliminar do preço Retenções Pagamento (𝑃𝑟𝑒ç𝑜 𝑎𝑛𝑡𝑒𝑠 𝑑𝑒 𝑃𝐼𝑆 𝑒 𝐶𝑂𝐹𝐼𝑁𝑆 − 𝐶𝑟é𝑑𝑖𝑡𝑜𝑠 𝑑𝑒 𝑃𝐼𝑆 𝑒 𝐶𝑂𝐹𝐼𝑁𝑆) (1 − 9,25%) = 𝑃𝑟𝑒ç𝑜 𝑐𝑜𝑚 𝑃𝐼𝑆 𝑒 𝐶𝑂𝐹𝐼𝑁𝑆
  • 10. Juntando o PIS e COFINS ao ISS O PIS, COFINS e ISS incidem sobre o preço final e não sobre o preço antes de impostos. A Fórmula a usar para calcular o preço final a apresentar ao cliente, contendo todos os impostos, é a seguinte: 𝑃𝑟𝑒ç𝑜 𝑎𝑝ó𝑠 𝐵𝐷𝐼 𝑒 𝑎𝑛𝑡𝑒𝑠 𝑑𝑒 𝐼𝑚𝑝𝑜𝑠𝑡𝑜𝑠 − 𝐶𝑟é𝑑𝑖𝑡𝑜𝑠 𝑑𝑒 𝑃𝐼𝑆 𝑒 𝐶𝑂𝐹𝐼𝑁𝑆 (1 − 𝑇𝑥 𝐼𝑆𝑆 − 9,25%) Assim, no Brasil só há um preço que deve ser apresentado, que é o preço final, o qual já deve incluir todos os impostos que terão de ser pagos. Sendo, os créditos de PIS e COFINS a taxa de imposto (9,25%) vezes os insumos sujeitos a créditos
  • 11. IRPJ e CSLL Base de Incidência Lucro da Empresa (no caso do Lucro Real, que é o caso da SIMI Brasil) Taxa 34% (25% IRPJ e 9% de CSLL) O cliente poderá reter em todos os pagamentos 1,5% de IRPJ e 1% de CSLL O pagamento é feito trimestralmente após apuramento do lucro da empresa, retirando o valor retido. Créditos Não se aplica Notas Adicionais Como há taxas de retenção destes impostos, por vezes, surge estes impostos como destacados no preço, mas são taxas de retenção e não taxas finais. Formula de eliminar do preço Retenções Pagamento A SIMI não considera o imposto sobre o rendimento nas suas propostas, mas atendendo a que existe um diferencial de taxas de imposto entre Portugal e Brasil, do meu ponto de vista, dever-se-ia incluir um valor no BDI
  • 12. INSS Base de Incidência Custos com a Mão de Obra Brasileira Taxa 20% sobre os salário e horas extras Por lei, o cliente deverá reter em todos os pagamentos 11% do total do pagamento. Porém, a lei permite reduzir a base de retenção no caso da aplicação de materiais e equipamentos (não manuais), limitado até 50% do valor total da Nota. O pagamento é feito mensalmente entre o valor apurado a pagar e as retenções efetuadas pelos clientes Créditos Não existem Notas Adicionais É crucial reduzir a base de retenção no pagamento, devendo esta situação ficar clara desde o início da apresentação da proposta, por forma a não evitar dúvidas. A retenção não é um custo, mas tem como consequência a criação de um crédito que é quase impossível recuperar. A mão de obra expatriada tem de ser vendida como mão de obra, sujeita a retenção de INSS, sendo que essa retenção só é possível ser aproveitado em mão-de-obra brasileira Retenções Pagamento
  • 13. Retenções de Impostos em vez de Impostos Pagos Regimes Tributários Regime de Lucro Real Trimestral • Faturação ilimitada • Taxa de Impostos sobre o Rendimento (IRPJ e CSLL) - 34% - calculada sobre o Lucro Efetivo • Possibilidade de dedução dos prejuízos fiscais em períodos subsquentes • PIS e COFINS à taxa de 9,25% entre a diferença entre os Proveitos e os custos Regime de Lucro Presumido • Faturação Anual até R$ 48.000.000,00/ano ( ≈ €17.750.000,00) • Taxa de Impostos sobre o Rendimento (IRPJ e CSLL) - 34% - calculada sobre 32% do valor da Faturação, o que dá uma taxa de imposto efetiva de 10,88% sobre a Faturação • PIS e COFINS à taxa de 3,65% sem direito a créditos Regime Simples Nacional • Faturação Anual até R$ 3.600.000,00/ano ( ≈ €2.100.000,00) • Agregação de todos os impostos (IRPJ, CSLL, COFINS, PIS, ISS e ICMS) numa única taxa que pode variar entre 4,5% e 16,85% sobre a faturação
  • 14. Retenções de Impostos em vez de Impostos Pagos No Lucro Real Impostos Taxa Real Retenção Notas ISS Depende do Município Igual à Taxa Real Sempre aplicável, a não ser que exista isenção PIS e COFINS 9,25% da diferença entre as vendas e as compras 3,65% da Faturação Não é líquido que sobre a atividade da SIMI a retenção seja obrigatória * IRPJ 25% sobre o Lucro Real 1,5% da Faturação Não é líquido que sobre a atividade da SIMI a retenção seja obrigatória * CSLL 9% sobre o Lucro Real 1% da Faturação Não é líquido que sobre a atividade da SIMI a retenção seja obrigatória * INSS 20% do Salário Base mais Horas Extras 11% da Faturação sobre a percentagem de M-O, com um limite de 50% Retenção Obrigatória Compensáveisentresi * Apesar de não ser líquido que a atividade da SIMI poderá não estar sujeita a estas retenções, como a empresa irá ser contribuinte líquida destes impostos e os mesmos são compensáveis entre si, não há problema na sua retenção.
  • 15. Exemplo Numérico M-O Expatriada 100.000,00 M-O Local 300.000,00 Equipamentos manuais 50.000,00 Equipamentos não manuais 200.000,00 Consumíveis Consumíveis 50.000,00 Outros Seguros 10.000,00 Garantias Bancárias 15.000,00 Total de Custos 725.000,00 Valor de Venda após BDI e antes Impostos 1.000.000,00 Taxa de ISS 5% M-O Equipamentos Custos
  • 16. Faturamento da SIMI P a entidades Brasileiras TIPOS de FATURAMENTO Serviços Prestados – Destacamento de Pessoal Atividade normal da SIMI através da contratação de um serviço a ser executado por mão-de-obra. Serviços Prestados – Assistência Técnica e Cedência de Tecnologia O Acordo de Eliminação de Dupla Tributação entre o Portugal e Brasil, não elimina a dupla tributação dos rendimentos, fazendo com que o imposto pago pela entidade Brasileira, não seja aproveitada pela entidade Portuguesa, existindo assim uma perca de eficiência fiscal grande. Execução de um contrato específico entre a entidade Brasileira e a Portuguesa para prestação de serviços de assistência técnica ou de cedência de tecnologia. Neste caso, o Acordo de Eliminação de Dupla Tributação entre o Portugal e Brasil, elimina a dupla tributação dos rendimentos, fazendo com que o imposto sobre o Rendimento pago pela entidade Brasileira, seja utilizado na redução do imposto a pagar em Portugal, desde que a obra em questão tenha resultado. Pode obrigar ao registo do contrato no INPI – Instituto Nacional de Propriedade Industrial. Entre a SIMI P e a SIMI Brasil foi celebrado um contrato de assistência técnica para estarmos neste regime.
  • 17. Impostos Incidentes Faturamento da SIMI P a entidades Brasileiras Imposto Descrição Taxas Notas ISS Tecnicamente este valor é devido por conta da prestadora do serviço e deveria ser deduzido no pagamento. Depende do Município, varia entre 0% e 5% Num cenário de Gross Up que irá ser descrito de seguida, o valor pode ser eliminado. Em tese, deveria ser retirado ao pagamento a Portugal PIS e Cofins Importação Este valor irá pago pela entidade Brasileira no momento da remessa das divisas, mas a empresa recupera no seu apuramento de PIS e COFINS 9,25% Este imposto é inócuo para a contratante, tendo apenas dispêndio financeiro IRRF Imposto sobre o rendimento retido pela Receita Federal, aquando da remessa das divisas por parte da contratante 15% no caso de assistência técnica e 25% no caso de serviços prestados Os 15% de assistência técnica poderão ser aproveitados pela entidade Portuguesa no IRC. Se forem os 25% não poderão ser aproveitados. CIDE 10% do valor faturado à entidade brasileira a título de assistência técnica, terá de ser pago pela entidade brasileira 0% ou 10%, depende da taxa de IRRF Se houver cobrança de IRRF a 15%, a entidade contratante terá um custo de 10% em cima do valor da transferência INSS Não sendo custo, a entidade brasileira poderá retida pelo valor a título de INSS Não se aplica No caso da SIMI Brasil, poderá ser retida por estar a vender M-O estrangeira que será de difícil recuperação IOF Imposto sobre Operações Financeiras 0,38% do contrato de câmbio A cargo da ordenante
  • 18. Impostos Incidentes nos diferentes tipos de Faturamento Faturamento da SIMI P a entidades Brasileiras Imposto Destacamento de Pessoal Assistência Técnica ISS Depende do Município, varia entre 0% e 5%. Em tese, deveria ser retirado ao pagamento a Portugal Depende do Município, varia entre 0% e 5%. Em tese, deveria ser retirado ao pagamento a Portugal PIS e COFINS Importação 9,25%. A pagar pelo contratante no pagamento, mas recuperável 9,25%. A pagar pelo contratante no pagamento, mas recuperável IRRF 25% (não recuperáveis) 15% (recuperáveis) CIDE 0% 10% INSS Isento Isento IOF 0,38% do valor do câmbio 0,38% do valor do câmbio
  • 19. Faturamento da SIMI P a entidades Brasileiras GROSS UP Definição Quando é estabelecido pela SIMI P que o valor que fatura é o valor líquido que se quer receber, sendo a totalidade dos impostos suportada pela entidade Brasileira. Convém ficar escrito.
  • 20. CUSTOS MÃO DE OBRA BRASILEIRA FGTS – Fundo de Garantia Tempo Serviço O que é e quanto é? 8% calculado sobre o salário Base de cada trabalhador brasileiro e pago pela entidade contratante para a conta de FGTS de cada trabalhador brasileiro. Esse valor é irrevogavelmente de cada trabalhador, pelo que deverá ser considerado custo da empresa. Quando o trabalhador tem acesso ao valor? - No caso do trabalhador ser despedido, a empresa emite um documento que permite ao trabalhador ir receber o valor que está depositado em seu nome de FGTS. - No caso do trabalhador se reformar. - No caso do trabalhador comprar casa. No caso do trabalhador apresentar demissão? O trabalhador não pode levantar o valor depositado de FGTS, apesar do valor ser seu. O que é a multa rescisória? Se a contratante decidir demitir o trabalhador, tem de pagar uma multa rescisória correspondente a 50% do valor já pago a título de FGTS, o que na prática dá um acrescento ao calor mensal de 4%, fazendo com que o custo final mensal de FGTS seja de 12%. Dos 50% do valor, 40% são para o trabalhador, o qual poderá levantar o valor em conjunto com o restante já depositado pela contratante e 10% é um valor que vai para o estado.
  • 21. CUSTOS MÃO DE OBRA BRASILEIRA DURAÇÃO DE CONTRATO 11 MESES 12 MESES 23 MESES ENCARGOS Custo Mensal Custo Total Custo Mensal Custo Total Custo Mensal Custo Total SALÁRIO 672,00R$ 7.392,00R$ 672,00R$ 8.064,00R$ 672,00R$ 15.456,00R$ ALIMENTAÇÃO NA FOLHA -R$ -R$ -R$ TRANSPORTE NA FOLHA -R$ -R$ -R$ PERICULOSIDADE 30% -R$ -R$ -R$ INSALUBRIDADE 10%, 20%, 40% -R$ -R$ -R$ ADICIONAL NOTURNO 40% -R$ -R$ -R$ Total de Proventos Diretos 672,00R$ 7.392,00R$ 672,00R$ 8.064,00R$ 672,00R$ 15.456,00R$ FÉRIAS 56,00R$ 616,00R$ 56,00R$ 672,00R$ 56,00R$ 1.288,00R$ 1/3 DAS FÉRIAS 18,67R$ 205,33R$ 18,67R$ 224,00R$ 18,67R$ 429,33R$ 13 SALARIO 56,00R$ 616,00R$ 56,00R$ 672,00R$ 56,00R$ 1.288,00R$ INSS E OUTROS P/ CONTA EMPRESA 231,17R$ 2.542,85R$ 231,17R$ 2.774,02R$ 231,17R$ 5.316,86R$ FGTS 64,21R$ 706,35R$ 64,21R$ 770,56R$ 64,21R$ 1.476,91R$ MULTA RESCISÓRIA 32,11R$ 353,17R$ 32,11R$ 385,28R$ 32,11R$ 738,45R$ 1.130,15R$ 12.431,70R$ 1.130,15R$ 13.561,86R$ 1.130,15R$ 25.993,56R$ Férias trabalhas (após 12 meses) -R$ -R$ 78,85R$ 946,18R$ 41,14R$ 946,18R$ Custo Básico Hora Custo Real Hora Custo Básico Hora Custo Real Hora Custo Básico Hora Custo Real Hora 3,53R$ 5,93R$ 3,53R$ 6,35R$ 3,53R$ 6,15R$ Multiplicador 68% Multiplicador 80% Multiplicador 74% Aviso prévio indemnizado 86,02R$ 946,18R$ 78,85R$ 946,18R$ 41,14R$ 946,18R$ Custo Total com pagamento do aviso prévio 13.377,88R$ 15.454,21R$ 27.885,91R$ Custo Real Hora 6,38R$ Custo Real Hora 7,17R$ Custo Real Hora 6,58R$ Multiplicador 81% Multiplicador 103% Multiplicador 87% 60% 6,88R$ 60% 6,88R$ 60% 6,88R$ 100% 8,60R$ 100% 8,60R$ 100% 8,60R$ PROVENTOSDIRETOS PROVENTOS PROPORCIONAIS ADICIONAIS Valor Hora Extra
  • 22. Notas Finais 1. Apresentar sempre os preços com impostos 2. Sempre que possível evitar a inclusão de materiais na prestação de serviço, para não haver duplicação de ISS/ICMS, quando tal for significativo 3. Desde o início do contato comercial reduzir a incidência de INSS 4. Saber a Taxa de ISS aplicável em cada projeto, para se apresentar o preço em conformidade 5. Dominar a diferença entre impostos retidos e impostos finais nas discussões comerciais 6. Não abusar da Mão de Obra Expatriada, para não criação de créditos de INSS de difícil recuperação 7. Sugestão Criar um diferencial no BDI referente à diferença de impostos sobre o rendimento 8. Atenção às variações do câmbio 9. Atenção à forma de faturação direta ao cliente de Portugal, para se ter a moldura correta de impostos
  • 23. FIM BOAS VENDAS e EXCELENTES ORÇAMENTOS