SlideShare uma empresa Scribd logo
Conceção e Desenvolvimento de
Ambientes de Aprendizagem Online
Aplicação dos princípios do Desenho Instrutivo, da Teoria Cognitiva da Aprendizagem
Multimédia e da Teoria da Carga Cognitiva

Guilhermina Lobato Miranda
gmiranda@ie.ul.pt
http://lisboa.academia.edu/GuilherminaLobatoMiranda
[Elvira Monteiro
elviraprojectos@gmail.com]
Sabemos pouco sobre como se transmite e ensina a
cultura
E como se transforme a imaturidade inicial do ser
humano no ser competente que caracteriza o adulto
idealizado por cada sociedade [e cada grupo social,
num determinado tempo histórico]
(Jerôme Bruner, 1965, 1966)
Fonte: Google Images
Dois tipos de conhecimento
Conhecimento biológico primário (aprendizagem
natural)
Conhecimento biológico secundário (aprendizagem pelo
ensino ou instrução)
E suas relações
(Geary, 2007,2008)
Dois tipos de conhecimento

Abordados neste magnífico livro de 2011:
Cognitive Load Theory (Teoria da Carga
Cognitiva) de
John Sweller, Paul Ayres e Slava Kalyuga,

Fonte: Google.books
Abordagens científicas
Abordagem ‘naturalista’ ou ciência natural (Smith, 1993)
Abordagem ‘tecnicista’ ou ciência do artificial (ciências
do artificial) (Simon, 1981)

Fonte: Google Images
Abordagem, Teorias e Modelos
(Anderson, 1983)

Abordagem (framework): É um conjunto geral de conceitos para
compreender um domínio, mas que não está suficiente organizado
de modo a constituir uma teoria preditiva. A partir de um mesmo
framework posso deduzir várias teorias preditivas.
Um framework é avaliado pela capacidade que tem de gerar teorias preditivas, quer dizer, que se conseguem explicar
alguns fenómenos importantes. A psicologia do processamento de informação é um desse framework.

Teoria: É um sistema dedutivo preciso, mais geral que um modelo
(Ex.: Teoria Cognitiva da Aprendizagem Multimédia de R. Mayer;
Teoria da Carga Cognitiva de J. Sweller)

Modelo: Um modelo é a aplicação de uma teoria a um fenómeno
específico (Ex.: Modelo 4C-ID)
A Abordagem do Processamento da
Informação
O ser humano é considerado uma entidade biológica que
representa e processa informação que provém do exterior,
através dos vários sistemas sensoriais, e do interior do
próprio organismo. Esta entidade biológica necessita de um
sistema altamente complexo que preserve a informação
representada e processada que se chama MEMÓRIA
A Abordagem do Processamento da
Informação
Há entidades não biológicas ou dispositivos que também
representam e processam informação e possuem memória.

Fonte: Google Images
A Abordagem do Processamento da
Informação
O centro da actividade mental ou cognitiva é a
memória
A memória não é singular: há DOIS tipos
FUNDAMENTAIS de memória (+ as memórias
sensoriais)
Memória de Trabalho (MT)
Memória de Longo Prazo (MLP)
Aprendizagem Multimédia
Abordagem centrada na tecnologia
 Foco nas tecnologias multimédia de ponta, como incorporar
multimédia nas tecnologias
Abordagem centrada no aluno
 Foco no funcionamento da mente humana, como desenvolver a
aprendizagem humana a partir da adaptação da multimédia
Teorias da Aprendizagem Multimédia
Segundo Merriënboer & Kester (2009) as teorias sobre a
aprendizagem multimédia podem ser posicionadas em
diferentes níveis:
Nível 1 (Psicológico) – Descrevem os sistemas da memória
e os processos cognitivos que explicam a forma como as
pessoas processam diferentes tipos de informação e
aprendem através de diferentes sentidos.
Ex: Teoria da dupla codificação de Paivio (1986)
Teorias da Aprendizagem Multimédia

Nível 2 (Design das mensagens educativas) Identificam os
princípios multimédia e fornecem linhas orientadoras para
a criação de mensagens multimédia que incluam, por
exemplo: Texto + Imagens; Texto Narrado + Animações/
Vídeos Explicativos
Ex: Teoria generativa da aprendizagem multimédia de Richard
Mayer (2001)
Teorias da Aprendizagem Multimédia

Nível 3 (Design de cursos) – Definem a forma como devem
ser desenvolvidos programas educacionais com diferentes
recursos, incluindo: Textos + Imagens + Narrações +
Materiais Práticos + Sistemas em rede
Ex: Modelo 4C/ID (van Merriënboer, 1997; van Merriënboer,
Kirschner & Kester, 2003)
Teoria da Dupla Codificação
 Postula que a mente humana processa informação não-verbal
(imagens) e verbal (logogens) por canais distintos, criando
representações separadas para a informação processada em
cada um dos canais.
 Cada canal tem limitações (assunção da capacidade limitada): o
ser humano consegue absorver mais informação se esta for
distribuída pelos dois canais em vez de sobrecarregar apenas
um (por exemplo: um documentário televisivo narrado em vez
de legendado) – code-additivity hypothesis
 A teoria de Allan Paivio foi mais tarde rebatizada como o efeito
do duplo canal.
Modelo Estrutural da Dupla Codificação
(Paivio, 1986)
Estímulos Verbais

Estímulos Não-Verbais
Sistemas Sensoriais

Ligações Representacionais
S
I
S
T
E
M
A
V
E
R
B
A

E
S
T
R
U
T

LOGOGENS

IMAGENS
Ligações Referenciais

A
S
S
O
C

N
V
E
R
B
A

L

Respostas verbais

S
I
S
T
E
M
A

Respostas Não-Verbais

L
Teoria Cognitiva da Aprendizagem
Multimédia (Mayer)
Teoria Cognitiva da Aprendizagem
Multimédia
Princípio Multimédia
As pessoas aprendem mais profundadamente a partir
de palavras e imagens do que somente palavras

Mas se e só se…
Teoria Cognitiva da Aprendizagem
Multimédia
Processamento de Figuras

Fonte: R Mayer, 2009, p.228
Processamento Palavras Faladas

Fonte: R Mayer, 2009, p. 228
Processamento de Palavras Escritas

Fonte: R Mayer, 2009, p. 228
H
A
M
A
R

E
M
A
R
H

A
I
R
E
V

O
L
T
A
R
22
Teoria da Carga Cognitiva
(Sweller, 1986)

Preocupa-se com a forma como os recursos cognitivos
são utilizados durante o processo de aprendizagem e
de resolução de problemas
Defende que existe um limite para a quantidade de
informação que o ser humano consegue processar de
forma significativa, em cada momento (pressuposto da
capacidade limitada da memória de trabalho)

Defende que se esse limite for ultrapassado - excesso
de carga cognitiva - a informação não é retida, ou seja,
a aprendizagem não acontece
Dois Tipos de Carga Cognitiva
(Chandler & Sweller, 1991)

A carga cognitiva intrínseca

A carga cognitiva extrínseca ou estranha é a carga
sobre a memória de trabalho que os estudantes
experienciam quando interagem com os materiais
de aprendizagem e que não se relaciona
directamente com os conteúdos de aprendizagem
Este tipo de carga cognitiva pode ser manipulada e
controlada pelos designer e professores
Mais Um Tipo de Carga Cognitiva
(Sweller, van Merrienboer, & Paas, 1998)

A carga cognitiva adequada (germane) é a carga
dedicada ao processamento, construção e
automatização de esquemas e, segundo John Sweller
e os seus parceiros de investigação, pode ser
manipulada e controlada pelo professor (designer),
tal como a carga cognitiva extrínseca.
Em Síntese
Com estas descobertas os investigadores começaram
a preocupar-se em descobrir maneiras de redesenhar
os materiais de aprendizagem de forma a que estes
permitissem redireccionar a atenção dos estudantes
para processos cognitivos diretamente relevantes
para a construção de esquemas que permitam a
compreensão e retenção da informação relevante.
Mas se e só se…
tiver em conta alguns princípios
Princípios da CTML (Cognitive Theory of Multimedia Learning)
–
–
–
–
–
–
–

Princípio da sequenciação
Princípio da variabilidade
Princípio da individualização
Princípio da auto-explicação (self-explanation effect)
Princípio das rodas de apoio
Princípio da estratégia de conclusão
E mais…
Mas se e só se…
tiver em conta alguns princípios
Princípios da CTML (Cognitive Theory of Multimedia Learning)
–
–
–
–
–
–
–

Princípio da modalidade
Princípio da segmentação (ou do ritmo próprio)
Princípio da coerência ou fidelidade
Princípio da sinalização
Princípio da redundância
Princípio da contiguidade temporal
Princípio da contiguidade espacial
Princípio da Segmentação
 É preferível dar o controlo ao aluno de um qualquer
fenómeno em estudo quando este está a observar um
vídeo ou uma simulação; por exemplo, estudantes de psicoterapia
que estão a aprender a conduzir conversas com doentes com depressão a
partir de vídeos…

 De igual modo é preferível segmentar uma apresentação
em unidades temáticas, categorias… e dar a possibilidade
aos alunos de levantarem questões, poderem voltar atrás,
etc.
Princípio da Coerência
 Os alunos aprendem melhor quando não há elementos que desviem a
atenção. Podem ser materiais interessantes mas irrelevantes para a
aprendizagem, como música de fundo, videoclips e imagens que não sejam
essenciais.
 Os estudantes também aprendem melhor com animações concisas apoiadas
em narração do que com animações muito elaboradas.
 No início da aprendizagem é preferível usar ambientes que retratem o real
mas com pouco fidelidade (fidelidade reduzida) pois os alunos podem
perder-se nos pormenores; só com o avançar da aprendizagem é que as
animações e simulações se devem aproximar das imagens reais
Princípio da Sinalização
 É útil focar a atenção dos alunos nas partes essenciais das
tarefas de aprendizagem.
 Sincronia entre texto explicativo falado e pistas em imagens
complexas.
 Por exemplo se o professor ou a animação estiver a ensinar
como operar com um equipamento é útil ir sinalizando
(com o dedo ou com uma cor que aparece ou outro sinal)
as partes que vão sendo explicadas
Princípio da Redundância
 A apresentação de informação redundante tem muitas vezes um
efeito pernicioso na aprendizagem.
 Mas o que pode ser considerado informação redundante?
 Pode ser a apresentação de uma simulação, com narração e texto
escrito em simultâneo
 Efeito de reversão do conhecimento especializado.
Princípio da Contiguidade Espacial
•

Efeito da atenção dividida no espaço (forma importante de carga cognitiva extrínseca).
Teorias da Aprendizagem e da Instrução
As teorias da aprendizagem visam explicar como
os seres vivos aprendem (animais e humanos)

Fonte: Wikimedia
Commons
Teorias da Aprendizagem e da Instrução
As teorias da instrução visam melhorar ou
mesmo optimizar os processos de
aprendizagem
Predisposição do aluno
Características de
entrada (1, 2)

INSTRUÇÃO
(3,4,5)

(1)Predisposição
Cognitiva:
• Capacidades
• Conhecimentos
• Competências

(2) Predisposição
Afectiva:
• Interesses
• Atitudes
• Motivação
• Auto-conceito

TAREFA(S)
APRENDIZAGEM

Resultados
aprendizagem
(6)

Cognitivos:
Resultados
avaliação

Avaliação do
sistema
instrutivo

(3,4,5) A qualidade da instrução
depende de:
• Como se organiza o conhecimento
• Como se sequência o conhecimento
• Como se apresenta o conhecimento
(métodos e técnicas)
Afectivos:
• Como se reforça (recompensas,
incentivos, feedback)
Resultados

avaliação
Fonte: Child, D. (1986). Psychology and the Teacher. London: Cassell

PROCESSO DE INSTRUÇÃO
Modelos de Desenho Instrutivo

Modelos Gerais: ADDIE
Modelos Construtivistas: Aprendizagem pela
Descoberta Guiada de J. Bruner
Modelos Instrutivistas: Aprendizagem Cumulativa
R. Gagné
Modelos Cognitivistas: 4C-ID
Modelo ADDIE

Fonte: wikipédia
Modelo 4C-ID
http://modelo4cid.wix.com/modelo-4c-id#!portfolio/component_41229

Utilização do moodle
Sabemos pouco sobre como
se transmite e ensina a cultura

Mas já sabemos alguma coisa…

Como se transforme a imaturidade inicial do ser
humano no ser competente que caracteriza o adulto
idealizado por cada sociedade [e por cada grupo social,
num determinado tempo histórico]
Mas já sabemos alguma coisa…

O sucesso escolar dos alunos depende de vários
fatores: (i) do próprio aluno, (ii) do meio familiar, (iii)
da escola que frequenta, (iv) dos currículos, (v) da
formação dos professores….
Há fatores que temos obrigação de conhecer para
compreender a situação de cada aluno, mas sobre os
quais não temos controlo;
Há outros fatores que, como professores, estão nas
nossas mãos modificar
Mas já sabemos alguma coisa…
O professor não pode agir como um mero facilitador da
aprendizagem ou mero expositor da matéria mas como um
‘ativador’, praticando um ensino ativo
[exemplo: sistema solar, meiose, respiração celular, Estruturas geológicas, e-portfolios]

Selecionando tarefas de aprendizagem desafiadoras [exemplo:

vodcasts:

http://www.youtube.com/watch?v=IIe1T_tb5h8;
http://www.youtube.com/watch?v=XKKHpAl8W2Y
http://www.youtube.com/watch?v=Ep6kRZ1kuuI

Promovendo o trabalho entre pares e a discussão de ideias e
das soluções encontradas pelos alunos
[exemplo: pesquisa Ppt e avaliação em pares e grelha registo de avaliação a pares]

Formulando objetivos claros centrados no desempenho
[exemplo: Grelhas]

Fornecendo os critérios de avaliação para cada tarefa
[exemplo: V-Gowin]

Dando feedback analítico
Referências
•
•
•
•
•

Anderson, J. R. (1983). The architecture of cognition. Cambridege, Mass.: Harvard University Press.
Bruner, J. (1965). The growth of mind. American Psychologist, 20(12), 1007-1017.
Bruner, J. (1966). Toward a theory of instruction. Cambridge, Mass.: Harvard University Press.
(tradução em língua portuguesa da Relógio d’Água Editores, 1999).
Chandler, P. and Sweller, J. (1991). Cognitive load theory and the format of instruction. Cognition
and Instruction, 8(4), 293-332. Disponível em:
http://ro.uow.edu.au/cgi/viewcontent.cgi?article=1133&context=edupapers
Kirschner, P. & van Merriënboer (2008). Ten steps to complex learning: A new approach to
instruction and instructional design. In T. Good, 21st century education: A reference hanbook (pp.
244-253 ). USA: Sage.
http://dspace.ou.nl/bitstream/1820/2327/1/Ten%20Steps%20to%20Complex%20Learning%20%20Sage%2021st%20Century.pdf

•
•
•

Mayer, R. E. & Moreno, R. (2003). Nine ways to reduce cognitive load in multimedia learning.
Educational Psychologist, 38(1), 43–52. Disponível em:
http://faculty.washington.edu/farkas/TC510/MayerMoreno9WaysToReduceCognitiveLoad.pdf
Miranda, G. L. (Org.) (2009). Ensino online e aprendizagem multimédia. Lisboa: Relógio d’Água
Editores.
Miranda, G. L. (1998). A Aprendizagem feita pelo ensino: a questão básica da escola. Atas do I
Colóquio Nacional: A Ciência Psicológica nos Sistemas de Formação. Sociedade Portuguesa de
Ciências da Educação – Secção de Psicologia da Educação (pp. 129-46). Faro: Universidade do
Algarve. Disponível em
http://www.academia.edu/1081667/A_aprendizagem_feita_pelo_ensino_a_questao_basicada_es
cola
Referências (cont.)
• Paivio, A. (2006). Dual coding theory and education. Draft chapter for the conference on
“Pathways to Literacy Achievement for High Poverty Children,” The University of Michigan
School of Education, September 29-October 1. Retirado de:

http://www.umich.edu/~rdytolrn/pathwaysconference/presentations/paivio.pdf
• Simon, H. (1981). As ciências do artificial. Coimbra: Arménio e Filhos Editor
•
•
•

•

Sweller, J., Ayres, P., & Kalyuga, (2011). Cognitive load theory. New york: Springer
Sweller, J. (s/d). Visualization and instruction design. Retirado de http://www.iwmkmrc.de/workshops/visualization/sweller.pdf
Sweller, J., van Merrienboer, J., & Paas, F. (1998). Cognitive architecture and instructional
design. Educational Psychology Review, 10(3), 251-296. Disponível em:
http://www.davidlewisphd.com/courses/EDD8121/readings/1998-Sweller_et_al.pdf
van Merriënboer, J. G., Clark, R. E., & Crook, M. B. (2002). Blueprints for Complex Learning:
The 4C/ID-Model. The AECT Annual Conference. Retitado de:
http://link.springer.com/article/10.1007%2FBF02504993#page-1
Dois livros e três vídeos para dar
continuidade ao tema desta conferência
Visible Learning and the Science of How to Learning (2014)
http://books.google.pt/books?id=VdhAAQAAQBAJ&printsec=frontcover&dq=visible+l
earning&hl=ptPT&sa=X&ei=6Sd5UsLIGbLY7AbfnICgAQ&redir_esc=y#v=onepage&q=visible%20learni
ng&f=false

Visible Learning (2009)http://books.google.pt/books?id=x6rpxFbpr4C&printsec=frontcover&dq=visible+learning&hl=ptPT&sa=X&ei=6Sd5UsLIGbLY7AbfnICgAQ&redir_esc=y#v=onepage&q=visible%20learni
ng&f=false

Vídeo 1: https://www.youtube.com/watch?v=sng4p3Vsu7Y
Vídeo 2: https://www.youtube.com/watch?v=3pD1DFTNQf4
Vídeo 3: https://www.youtube.com/watch?v=rkXE4lBwHD4
Vídeo Tatiana Marinho

• Teoria da Carga Cognitiva – YouTube
Obrigada pela vossa atenção
Guilhermina Lobato Miranda
gmiranda@ie.ul.pt
Moodle: disponibilizar documentos apoio
Moodle: feedback ativo – trabalho texto
em linha
Moodle: feedback ativo – trabalho texto
em linha
Moodle: feedback ativo – trabalho texto
em linha

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Plano de aula seminario
Plano de aula seminarioPlano de aula seminario
Plano de aula seminario
Tatiane
 
T. básico cúrriculo baseado em competências
T. básico   cúrriculo baseado em competênciasT. básico   cúrriculo baseado em competências
T. básico cúrriculo baseado em competências
Natalia Santos
 
Projeto Informática na Escola
Projeto Informática na EscolaProjeto Informática na Escola
Projeto Informática na Escola
Daiana de Ávila
 
Metodologia Dialética em Sala de Aula
Metodologia Dialética em Sala de AulaMetodologia Dialética em Sala de Aula
Metodologia Dialética em Sala de Aula
Mary Carneiro Rezende
 
Alfabetizacao-livro
 Alfabetizacao-livro Alfabetizacao-livro
Alfabetizacao-livro
Marisol Villalonga Aguilera
 
Plano de aula slides
Plano de aula slidesPlano de aula slides
Plano de aula slides
MarinaGLD
 
Aula 1- Gestão Escolar
Aula 1- Gestão EscolarAula 1- Gestão Escolar
Aula 1- Gestão Escolar
Professora Florio
 
Estágio supervisionado ii
Estágio supervisionado iiEstágio supervisionado ii
Estágio supervisionado ii
familiaestagio
 
RECOMPOSIÇÃO DAS APRENDIZAGENS.pptx
RECOMPOSIÇÃO DAS APRENDIZAGENS.pptxRECOMPOSIÇÃO DAS APRENDIZAGENS.pptx
RECOMPOSIÇÃO DAS APRENDIZAGENS.pptx
EsterLeite4
 
Aprendizagem baseada em projetos
Aprendizagem baseada em projetosAprendizagem baseada em projetos
Aprendizagem baseada em projetos
Diego Leal
 
Tipos de atividades
Tipos de atividadesTipos de atividades
Tipos de atividades
Nice Lacerda
 
Ler e escrever na escola o real o possivel e o necessario delia lerner
Ler e escrever na escola o real o possivel e o necessario delia lernerLer e escrever na escola o real o possivel e o necessario delia lerner
Ler e escrever na escola o real o possivel e o necessario delia lerner
Monica Oliveira
 
Modelos De AvaliaçãO Da Aprendizagem
Modelos De AvaliaçãO Da AprendizagemModelos De AvaliaçãO Da Aprendizagem
Modelos De AvaliaçãO Da Aprendizagem
UESB
 
Pnaic pauta resumida-3ª formação
Pnaic pauta resumida-3ª formaçãoPnaic pauta resumida-3ª formação
Pnaic pauta resumida-3ª formação
Fatima Lima
 
Síntese Crítica ao livro de Seymour Papert "A Máquina das Crianças: Repensand...
Síntese Crítica ao livro de Seymour Papert "A Máquina das Crianças: Repensand...Síntese Crítica ao livro de Seymour Papert "A Máquina das Crianças: Repensand...
Síntese Crítica ao livro de Seymour Papert "A Máquina das Crianças: Repensand...
Raquel Camacho
 
Educação 5.0 e as Metodologias Ativas e Inovadoras: encantando e engajando o ...
Educação 5.0 e as Metodologias Ativas e Inovadoras: encantando e engajando o ...Educação 5.0 e as Metodologias Ativas e Inovadoras: encantando e engajando o ...
Educação 5.0 e as Metodologias Ativas e Inovadoras: encantando e engajando o ...
Universidade Federal de Pernambuco
 
Jacaré
JacaréJacaré
Jacaré
Cida Ramos
 
Trabalho individual 2014 6º semestre.
Trabalho individual 2014 6º semestre.Trabalho individual 2014 6º semestre.
Trabalho individual 2014 6º semestre.
Rute Batista
 
Atividade de intervenção
Atividade de intervençãoAtividade de intervenção
Atividade de intervenção
Escola Estadual Deputado Emílio Justo
 
Projeto integrador (Currículo Baseado em Projeto Transdisciplinar)
Projeto integrador (Currículo Baseado em Projeto Transdisciplinar)Projeto integrador (Currículo Baseado em Projeto Transdisciplinar)
Projeto integrador (Currículo Baseado em Projeto Transdisciplinar)
Mariano Pimentel
 

Mais procurados (20)

Plano de aula seminario
Plano de aula seminarioPlano de aula seminario
Plano de aula seminario
 
T. básico cúrriculo baseado em competências
T. básico   cúrriculo baseado em competênciasT. básico   cúrriculo baseado em competências
T. básico cúrriculo baseado em competências
 
Projeto Informática na Escola
Projeto Informática na EscolaProjeto Informática na Escola
Projeto Informática na Escola
 
Metodologia Dialética em Sala de Aula
Metodologia Dialética em Sala de AulaMetodologia Dialética em Sala de Aula
Metodologia Dialética em Sala de Aula
 
Alfabetizacao-livro
 Alfabetizacao-livro Alfabetizacao-livro
Alfabetizacao-livro
 
Plano de aula slides
Plano de aula slidesPlano de aula slides
Plano de aula slides
 
Aula 1- Gestão Escolar
Aula 1- Gestão EscolarAula 1- Gestão Escolar
Aula 1- Gestão Escolar
 
Estágio supervisionado ii
Estágio supervisionado iiEstágio supervisionado ii
Estágio supervisionado ii
 
RECOMPOSIÇÃO DAS APRENDIZAGENS.pptx
RECOMPOSIÇÃO DAS APRENDIZAGENS.pptxRECOMPOSIÇÃO DAS APRENDIZAGENS.pptx
RECOMPOSIÇÃO DAS APRENDIZAGENS.pptx
 
Aprendizagem baseada em projetos
Aprendizagem baseada em projetosAprendizagem baseada em projetos
Aprendizagem baseada em projetos
 
Tipos de atividades
Tipos de atividadesTipos de atividades
Tipos de atividades
 
Ler e escrever na escola o real o possivel e o necessario delia lerner
Ler e escrever na escola o real o possivel e o necessario delia lernerLer e escrever na escola o real o possivel e o necessario delia lerner
Ler e escrever na escola o real o possivel e o necessario delia lerner
 
Modelos De AvaliaçãO Da Aprendizagem
Modelos De AvaliaçãO Da AprendizagemModelos De AvaliaçãO Da Aprendizagem
Modelos De AvaliaçãO Da Aprendizagem
 
Pnaic pauta resumida-3ª formação
Pnaic pauta resumida-3ª formaçãoPnaic pauta resumida-3ª formação
Pnaic pauta resumida-3ª formação
 
Síntese Crítica ao livro de Seymour Papert "A Máquina das Crianças: Repensand...
Síntese Crítica ao livro de Seymour Papert "A Máquina das Crianças: Repensand...Síntese Crítica ao livro de Seymour Papert "A Máquina das Crianças: Repensand...
Síntese Crítica ao livro de Seymour Papert "A Máquina das Crianças: Repensand...
 
Educação 5.0 e as Metodologias Ativas e Inovadoras: encantando e engajando o ...
Educação 5.0 e as Metodologias Ativas e Inovadoras: encantando e engajando o ...Educação 5.0 e as Metodologias Ativas e Inovadoras: encantando e engajando o ...
Educação 5.0 e as Metodologias Ativas e Inovadoras: encantando e engajando o ...
 
Jacaré
JacaréJacaré
Jacaré
 
Trabalho individual 2014 6º semestre.
Trabalho individual 2014 6º semestre.Trabalho individual 2014 6º semestre.
Trabalho individual 2014 6º semestre.
 
Atividade de intervenção
Atividade de intervençãoAtividade de intervenção
Atividade de intervenção
 
Projeto integrador (Currículo Baseado em Projeto Transdisciplinar)
Projeto integrador (Currículo Baseado em Projeto Transdisciplinar)Projeto integrador (Currículo Baseado em Projeto Transdisciplinar)
Projeto integrador (Currículo Baseado em Projeto Transdisciplinar)
 

Destaque

Moocs: Desafios e Oportunidades
Moocs: Desafios e OportunidadesMoocs: Desafios e Oportunidades
Moocs: Desafios e Oportunidades
Paula Peres
 
Ensinar na era mobile learning
Ensinar na era mobile learningEnsinar na era mobile learning
Ensinar na era mobile learning
Simpósio Hipertexto
 
Pensar, agir e interagir com a Web 2.0
Pensar, agir e interagir com a Web 2.0Pensar, agir e interagir com a Web 2.0
Pensar, agir e interagir com a Web 2.0
EB 2,3 Rainha Santa Isabel - Carreira
 
Poster Jornadas LCD - Avaliação Formativa em contextos digitais no ensino não...
Poster Jornadas LCD - Avaliação Formativa em contextos digitais no ensino não...Poster Jornadas LCD - Avaliação Formativa em contextos digitais no ensino não...
Poster Jornadas LCD - Avaliação Formativa em contextos digitais no ensino não...
Teresa Pombo
 
Capacidades digitais professores_sala_aula_futuro
Capacidades digitais professores_sala_aula_futuroCapacidades digitais professores_sala_aula_futuro
Capacidades digitais professores_sala_aula_futuro
Neuza Pedro
 
Compendium Recursos Educacionais Abertos: Casos da America Latina e Europa na...
Compendium Recursos Educacionais Abertos: Casos da America Latina e Europa na...Compendium Recursos Educacionais Abertos: Casos da America Latina e Europa na...
Compendium Recursos Educacionais Abertos: Casos da America Latina e Europa na...
Andreia Inamorato dos Santos
 
MOOC - uma experiência na Escola Superior de Educação de Santarém
MOOC - uma experiência na Escola Superior de Educação de SantarémMOOC - uma experiência na Escola Superior de Educação de Santarém
MOOC - uma experiência na Escola Superior de Educação de Santarém
Higher School of Education, Polytechnics Institute of Santarém
 
Eu e a minha identidade virtual
Eu e a minha identidade virtualEu e a minha identidade virtual
Eu e a minha identidade virtual
Cecília Tomás
 
Avaliação das aprendizagens com TIC
Avaliação das aprendizagens com TICAvaliação das aprendizagens com TIC
Avaliação das aprendizagens com TIC
João Sá
 
Batman Parangolé: por uma Antropofagia da EaD
Batman Parangolé: por uma Antropofagia da EaDBatman Parangolé: por uma Antropofagia da EaD
Batman Parangolé: por uma Antropofagia da EaD
Joao Mattar
 
Introdução ao Design Instrucional
Introdução ao Design InstrucionalIntrodução ao Design Instrucional
Introdução ao Design Instrucional
designinstrucional
 
Redes Personales de Aprendizaje para el Desarrollo Profesional
Redes Personales de Aprendizaje para el Desarrollo ProfesionalRedes Personales de Aprendizaje para el Desarrollo Profesional
Redes Personales de Aprendizaje para el Desarrollo Profesional
David Álvarez
 

Destaque (12)

Moocs: Desafios e Oportunidades
Moocs: Desafios e OportunidadesMoocs: Desafios e Oportunidades
Moocs: Desafios e Oportunidades
 
Ensinar na era mobile learning
Ensinar na era mobile learningEnsinar na era mobile learning
Ensinar na era mobile learning
 
Pensar, agir e interagir com a Web 2.0
Pensar, agir e interagir com a Web 2.0Pensar, agir e interagir com a Web 2.0
Pensar, agir e interagir com a Web 2.0
 
Poster Jornadas LCD - Avaliação Formativa em contextos digitais no ensino não...
Poster Jornadas LCD - Avaliação Formativa em contextos digitais no ensino não...Poster Jornadas LCD - Avaliação Formativa em contextos digitais no ensino não...
Poster Jornadas LCD - Avaliação Formativa em contextos digitais no ensino não...
 
Capacidades digitais professores_sala_aula_futuro
Capacidades digitais professores_sala_aula_futuroCapacidades digitais professores_sala_aula_futuro
Capacidades digitais professores_sala_aula_futuro
 
Compendium Recursos Educacionais Abertos: Casos da America Latina e Europa na...
Compendium Recursos Educacionais Abertos: Casos da America Latina e Europa na...Compendium Recursos Educacionais Abertos: Casos da America Latina e Europa na...
Compendium Recursos Educacionais Abertos: Casos da America Latina e Europa na...
 
MOOC - uma experiência na Escola Superior de Educação de Santarém
MOOC - uma experiência na Escola Superior de Educação de SantarémMOOC - uma experiência na Escola Superior de Educação de Santarém
MOOC - uma experiência na Escola Superior de Educação de Santarém
 
Eu e a minha identidade virtual
Eu e a minha identidade virtualEu e a minha identidade virtual
Eu e a minha identidade virtual
 
Avaliação das aprendizagens com TIC
Avaliação das aprendizagens com TICAvaliação das aprendizagens com TIC
Avaliação das aprendizagens com TIC
 
Batman Parangolé: por uma Antropofagia da EaD
Batman Parangolé: por uma Antropofagia da EaDBatman Parangolé: por uma Antropofagia da EaD
Batman Parangolé: por uma Antropofagia da EaD
 
Introdução ao Design Instrucional
Introdução ao Design InstrucionalIntrodução ao Design Instrucional
Introdução ao Design Instrucional
 
Redes Personales de Aprendizaje para el Desarrollo Profesional
Redes Personales de Aprendizaje para el Desarrollo ProfesionalRedes Personales de Aprendizaje para el Desarrollo Profesional
Redes Personales de Aprendizaje para el Desarrollo Profesional
 

Semelhante a Conceção e desenvolvimento de ambientes de aprendizagem online

Final.conceção e desenvolvimento de ambientes de aprendizagem online
Final.conceção e desenvolvimento de ambientes de aprendizagem onlineFinal.conceção e desenvolvimento de ambientes de aprendizagem online
Final.conceção e desenvolvimento de ambientes de aprendizagem online
Guilhermina Miranda
 
Ergonomia cognitiva em EAD
Ergonomia cognitiva em EADErgonomia cognitiva em EAD
Ergonomia cognitiva em EAD
Cid Boechat
 
96069702 neurociencias-neuroeducacao
96069702 neurociencias-neuroeducacao96069702 neurociencias-neuroeducacao
96069702 neurociencias-neuroeducacao
simonevilas
 
Design instructional e arquitecturas cognitivas
Design instructional e arquitecturas cognitivasDesign instructional e arquitecturas cognitivas
Design instructional e arquitecturas cognitivas
LurdesViana
 
Uso de recursos visuais no ensino de Química - Profª Flávia Vasconcelos
Uso de recursos visuais no ensino de Química - Profª Flávia VasconcelosUso de recursos visuais no ensino de Química - Profª Flávia Vasconcelos
Uso de recursos visuais no ensino de Química - Profª Flávia Vasconcelos
Encontro de Química e Formação Docente
 
Sobrecarga cognitiva
Sobrecarga cognitiva Sobrecarga cognitiva
Sobrecarga cognitiva
Delmacy Cruz Souza
 
Redescoberta da mente
Redescoberta da menteRedescoberta da mente
Redescoberta da mente
SUPORTE EDUCACIONAL
 
Redescoberta da mente
Redescoberta da menteRedescoberta da mente
Redescoberta da mente
SUPORTE EDUCACIONAL
 
Tic e desenvolvimento na américa latina uma análise sob a perspectiva da educ...
Tic e desenvolvimento na américa latina uma análise sob a perspectiva da educ...Tic e desenvolvimento na américa latina uma análise sob a perspectiva da educ...
Tic e desenvolvimento na américa latina uma análise sob a perspectiva da educ...
ACORN-REDECOM
 
Conectivismo
ConectivismoConectivismo
Conectivismo
Neuza Pedro
 
ausubel.ppt
ausubel.pptausubel.ppt
Psicologia_Cognitiva_-_Psi._da_Aprendizagem.pdf
Psicologia_Cognitiva_-_Psi._da_Aprendizagem.pdfPsicologia_Cognitiva_-_Psi._da_Aprendizagem.pdf
Psicologia_Cognitiva_-_Psi._da_Aprendizagem.pdf
BiologandoEmSantaCat
 
Conectivismo aprendizagem na era digital
Conectivismo aprendizagem na era digitalConectivismo aprendizagem na era digital
Conectivismo aprendizagem na era digital
Maria de los Dolores J Peña
 
Aprendizado móvel e aprendizado ubiquo
Aprendizado móvel e aprendizado ubiquoAprendizado móvel e aprendizado ubiquo
Aprendizado móvel e aprendizado ubiquo
UFPE
 
Hipertexto 2012 - Slides da palestra de Alex Sandro Gomes (CCTE/UFPE)
Hipertexto 2012 - Slides da palestra de Alex Sandro Gomes (CCTE/UFPE)Hipertexto 2012 - Slides da palestra de Alex Sandro Gomes (CCTE/UFPE)
Hipertexto 2012 - Slides da palestra de Alex Sandro Gomes (CCTE/UFPE)
Simpósio Hipertexto
 
Conectivismo: uma teoria para a era digital
Conectivismo: uma teoria para a era digitalConectivismo: uma teoria para a era digital
Conectivismo: uma teoria para a era digital
Bruno Leite
 
Leitura internacional da América Latina no Brasil 2019
Leitura internacional da América Latina no Brasil 2019Leitura internacional da América Latina no Brasil 2019
Leitura internacional da América Latina no Brasil 2019
fabiolamore
 
Arquiteturas cognitivas para_a_aprendizagem_multimedia
Arquiteturas cognitivas para_a_aprendizagem_multimediaArquiteturas cognitivas para_a_aprendizagem_multimedia
Arquiteturas cognitivas para_a_aprendizagem_multimedia
LurdesViana
 
A Psicologia da Aprendizagem
A Psicologia da AprendizagemA Psicologia da Aprendizagem
A Psicologia da Aprendizagem
O Blog do Pedagogo
 
Portugal_manual-psicologia-da-aprendizagem-pdf-free.pdf
Portugal_manual-psicologia-da-aprendizagem-pdf-free.pdfPortugal_manual-psicologia-da-aprendizagem-pdf-free.pdf
Portugal_manual-psicologia-da-aprendizagem-pdf-free.pdf
Jerí Rabelo
 

Semelhante a Conceção e desenvolvimento de ambientes de aprendizagem online (20)

Final.conceção e desenvolvimento de ambientes de aprendizagem online
Final.conceção e desenvolvimento de ambientes de aprendizagem onlineFinal.conceção e desenvolvimento de ambientes de aprendizagem online
Final.conceção e desenvolvimento de ambientes de aprendizagem online
 
Ergonomia cognitiva em EAD
Ergonomia cognitiva em EADErgonomia cognitiva em EAD
Ergonomia cognitiva em EAD
 
96069702 neurociencias-neuroeducacao
96069702 neurociencias-neuroeducacao96069702 neurociencias-neuroeducacao
96069702 neurociencias-neuroeducacao
 
Design instructional e arquitecturas cognitivas
Design instructional e arquitecturas cognitivasDesign instructional e arquitecturas cognitivas
Design instructional e arquitecturas cognitivas
 
Uso de recursos visuais no ensino de Química - Profª Flávia Vasconcelos
Uso de recursos visuais no ensino de Química - Profª Flávia VasconcelosUso de recursos visuais no ensino de Química - Profª Flávia Vasconcelos
Uso de recursos visuais no ensino de Química - Profª Flávia Vasconcelos
 
Sobrecarga cognitiva
Sobrecarga cognitiva Sobrecarga cognitiva
Sobrecarga cognitiva
 
Redescoberta da mente
Redescoberta da menteRedescoberta da mente
Redescoberta da mente
 
Redescoberta da mente
Redescoberta da menteRedescoberta da mente
Redescoberta da mente
 
Tic e desenvolvimento na américa latina uma análise sob a perspectiva da educ...
Tic e desenvolvimento na américa latina uma análise sob a perspectiva da educ...Tic e desenvolvimento na américa latina uma análise sob a perspectiva da educ...
Tic e desenvolvimento na américa latina uma análise sob a perspectiva da educ...
 
Conectivismo
ConectivismoConectivismo
Conectivismo
 
ausubel.ppt
ausubel.pptausubel.ppt
ausubel.ppt
 
Psicologia_Cognitiva_-_Psi._da_Aprendizagem.pdf
Psicologia_Cognitiva_-_Psi._da_Aprendizagem.pdfPsicologia_Cognitiva_-_Psi._da_Aprendizagem.pdf
Psicologia_Cognitiva_-_Psi._da_Aprendizagem.pdf
 
Conectivismo aprendizagem na era digital
Conectivismo aprendizagem na era digitalConectivismo aprendizagem na era digital
Conectivismo aprendizagem na era digital
 
Aprendizado móvel e aprendizado ubiquo
Aprendizado móvel e aprendizado ubiquoAprendizado móvel e aprendizado ubiquo
Aprendizado móvel e aprendizado ubiquo
 
Hipertexto 2012 - Slides da palestra de Alex Sandro Gomes (CCTE/UFPE)
Hipertexto 2012 - Slides da palestra de Alex Sandro Gomes (CCTE/UFPE)Hipertexto 2012 - Slides da palestra de Alex Sandro Gomes (CCTE/UFPE)
Hipertexto 2012 - Slides da palestra de Alex Sandro Gomes (CCTE/UFPE)
 
Conectivismo: uma teoria para a era digital
Conectivismo: uma teoria para a era digitalConectivismo: uma teoria para a era digital
Conectivismo: uma teoria para a era digital
 
Leitura internacional da América Latina no Brasil 2019
Leitura internacional da América Latina no Brasil 2019Leitura internacional da América Latina no Brasil 2019
Leitura internacional da América Latina no Brasil 2019
 
Arquiteturas cognitivas para_a_aprendizagem_multimedia
Arquiteturas cognitivas para_a_aprendizagem_multimediaArquiteturas cognitivas para_a_aprendizagem_multimedia
Arquiteturas cognitivas para_a_aprendizagem_multimedia
 
A Psicologia da Aprendizagem
A Psicologia da AprendizagemA Psicologia da Aprendizagem
A Psicologia da Aprendizagem
 
Portugal_manual-psicologia-da-aprendizagem-pdf-free.pdf
Portugal_manual-psicologia-da-aprendizagem-pdf-free.pdfPortugal_manual-psicologia-da-aprendizagem-pdf-free.pdf
Portugal_manual-psicologia-da-aprendizagem-pdf-free.pdf
 

Mais de Guilhermina Miranda

PPT1.Conference. Without Sound. Online Learning Environments.Applying Intsruc...
PPT1.Conference. Without Sound. Online Learning Environments.Applying Intsruc...PPT1.Conference. Without Sound. Online Learning Environments.Applying Intsruc...
PPT1.Conference. Without Sound. Online Learning Environments.Applying Intsruc...
Guilhermina Miranda
 
Ppt dra guilhermina
Ppt dra guilherminaPpt dra guilhermina
Ppt dra guilhermina
Guilhermina Miranda
 
Conferência o valor de educar.nov.2017
Conferência o valor de educar.nov.2017Conferência o valor de educar.nov.2017
Conferência o valor de educar.nov.2017
Guilhermina Miranda
 
Paulo de Morais entrevista
Paulo de Morais entrevistaPaulo de Morais entrevista
Paulo de Morais entrevista
Guilhermina Miranda
 
As Tecnologias Digitais na Educação.6ab.2016
As Tecnologias Digitais na Educação.6ab.2016As Tecnologias Digitais na Educação.6ab.2016
As Tecnologias Digitais na Educação.6ab.2016
Guilhermina Miranda
 
As tecnologias digitais na educação.6ab.2016
As tecnologias digitais na educação.6ab.2016As tecnologias digitais na educação.6ab.2016
As tecnologias digitais na educação.6ab.2016
Guilhermina Miranda
 
Resposta à crítica oito ensaios que não precisa de ler de gonçalo mira
Resposta à crítica oito ensaios que não precisa de ler de gonçalo miraResposta à crítica oito ensaios que não precisa de ler de gonçalo mira
Resposta à crítica oito ensaios que não precisa de ler de gonçalo mira
Guilhermina Miranda
 
Fórum jovens investigadores 2014.versão slidhare
Fórum jovens investigadores 2014.versão slidhareFórum jovens investigadores 2014.versão slidhare
Fórum jovens investigadores 2014.versão slidhare
Guilhermina Miranda
 
A produção de vodcasts por alunos do 12.º ano de Geologia
A produção de vodcasts por alunos do 12.º ano de GeologiaA produção de vodcasts por alunos do 12.º ano de Geologia
A produção de vodcasts por alunos do 12.º ano de Geologia
Guilhermina Miranda
 
IDEE Workshop: Applying the 4C-ID Model to the Design of a Digital Educationa...
IDEE Workshop: Applying the 4C-ID Model to the Design of a Digital Educationa...IDEE Workshop: Applying the 4C-ID Model to the Design of a Digital Educationa...
IDEE Workshop: Applying the 4C-ID Model to the Design of a Digital Educationa...
Guilhermina Miranda
 
Noam chomsky el asalto neoliberal a las universidades y cómo debe ser la ed...
Noam chomsky   el asalto neoliberal a las universidades y cómo debe ser la ed...Noam chomsky   el asalto neoliberal a las universidades y cómo debe ser la ed...
Noam chomsky el asalto neoliberal a las universidades y cómo debe ser la ed...
Guilhermina Miranda
 
Tic na educação
Tic na educaçãoTic na educação
Tic na educação
Guilhermina Miranda
 
Uivo
UivoUivo
Doutoramento TIC na Educação 2012
Doutoramento TIC na Educação 2012Doutoramento TIC na Educação 2012
Doutoramento TIC na Educação 2012
Guilhermina Miranda
 
E tic e educação - tema e-learning
E   tic e educação - tema e-learning E   tic e educação - tema e-learning
E tic e educação - tema e-learning
Guilhermina Miranda
 
Balanço tic educa2010últimaversão
Balanço tic educa2010últimaversãoBalanço tic educa2010últimaversão
Balanço tic educa2010últimaversão
Guilhermina Miranda
 

Mais de Guilhermina Miranda (16)

PPT1.Conference. Without Sound. Online Learning Environments.Applying Intsruc...
PPT1.Conference. Without Sound. Online Learning Environments.Applying Intsruc...PPT1.Conference. Without Sound. Online Learning Environments.Applying Intsruc...
PPT1.Conference. Without Sound. Online Learning Environments.Applying Intsruc...
 
Ppt dra guilhermina
Ppt dra guilherminaPpt dra guilhermina
Ppt dra guilhermina
 
Conferência o valor de educar.nov.2017
Conferência o valor de educar.nov.2017Conferência o valor de educar.nov.2017
Conferência o valor de educar.nov.2017
 
Paulo de Morais entrevista
Paulo de Morais entrevistaPaulo de Morais entrevista
Paulo de Morais entrevista
 
As Tecnologias Digitais na Educação.6ab.2016
As Tecnologias Digitais na Educação.6ab.2016As Tecnologias Digitais na Educação.6ab.2016
As Tecnologias Digitais na Educação.6ab.2016
 
As tecnologias digitais na educação.6ab.2016
As tecnologias digitais na educação.6ab.2016As tecnologias digitais na educação.6ab.2016
As tecnologias digitais na educação.6ab.2016
 
Resposta à crítica oito ensaios que não precisa de ler de gonçalo mira
Resposta à crítica oito ensaios que não precisa de ler de gonçalo miraResposta à crítica oito ensaios que não precisa de ler de gonçalo mira
Resposta à crítica oito ensaios que não precisa de ler de gonçalo mira
 
Fórum jovens investigadores 2014.versão slidhare
Fórum jovens investigadores 2014.versão slidhareFórum jovens investigadores 2014.versão slidhare
Fórum jovens investigadores 2014.versão slidhare
 
A produção de vodcasts por alunos do 12.º ano de Geologia
A produção de vodcasts por alunos do 12.º ano de GeologiaA produção de vodcasts por alunos do 12.º ano de Geologia
A produção de vodcasts por alunos do 12.º ano de Geologia
 
IDEE Workshop: Applying the 4C-ID Model to the Design of a Digital Educationa...
IDEE Workshop: Applying the 4C-ID Model to the Design of a Digital Educationa...IDEE Workshop: Applying the 4C-ID Model to the Design of a Digital Educationa...
IDEE Workshop: Applying the 4C-ID Model to the Design of a Digital Educationa...
 
Noam chomsky el asalto neoliberal a las universidades y cómo debe ser la ed...
Noam chomsky   el asalto neoliberal a las universidades y cómo debe ser la ed...Noam chomsky   el asalto neoliberal a las universidades y cómo debe ser la ed...
Noam chomsky el asalto neoliberal a las universidades y cómo debe ser la ed...
 
Tic na educação
Tic na educaçãoTic na educação
Tic na educação
 
Uivo
UivoUivo
Uivo
 
Doutoramento TIC na Educação 2012
Doutoramento TIC na Educação 2012Doutoramento TIC na Educação 2012
Doutoramento TIC na Educação 2012
 
E tic e educação - tema e-learning
E   tic e educação - tema e-learning E   tic e educação - tema e-learning
E tic e educação - tema e-learning
 
Balanço tic educa2010últimaversão
Balanço tic educa2010últimaversãoBalanço tic educa2010últimaversão
Balanço tic educa2010últimaversão
 

Último

História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdfHistória das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
LeideLauraCenturionL
 
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdfUFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
Manuais Formação
 
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
Sandra Pratas
 
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdfCaderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
shirleisousa9166
 
Desafio matemático - multiplicação e divisão.
Desafio matemático -  multiplicação e divisão.Desafio matemático -  multiplicação e divisão.
Desafio matemático - multiplicação e divisão.
Mary Alvarenga
 
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da TerraUma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Luiz C. da Silva
 
Atividade Dias dos Pais - Meu Pai, Razão da Minha História.
Atividade Dias dos Pais -  Meu Pai, Razão da Minha História.Atividade Dias dos Pais -  Meu Pai, Razão da Minha História.
Atividade Dias dos Pais - Meu Pai, Razão da Minha História.
Mary Alvarenga
 
Caderno 1 - Módulo Água JMS 2024 (1).pdf
Caderno 1 -  Módulo Água JMS 2024 (1).pdfCaderno 1 -  Módulo Água JMS 2024 (1).pdf
Caderno 1 - Módulo Água JMS 2024 (1).pdf
SupervisoEMAC
 
Atividade Análise literária O GUARANI.pdf
Atividade Análise literária O GUARANI.pdfAtividade Análise literária O GUARANI.pdf
Atividade Análise literária O GUARANI.pdf
sesiomzezao
 
Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
Falcão Brasil
 
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Centro Jacques Delors
 
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdfGeotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Falcão Brasil
 
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdfAviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
Falcão Brasil
 
Guerra de reconquista da Península ibérica
Guerra de reconquista da Península ibéricaGuerra de reconquista da Península ibérica
Guerra de reconquista da Península ibérica
felipescherner
 
reconquista sobre a guerra de ibérica.docx
reconquista sobre a guerra de ibérica.docxreconquista sobre a guerra de ibérica.docx
reconquista sobre a guerra de ibérica.docx
felipescherner
 
Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...
Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...
Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...
Falcão Brasil
 
Conhecimento sobre Vestimenta Anti chamas
Conhecimento sobre Vestimenta Anti chamasConhecimento sobre Vestimenta Anti chamas
Conhecimento sobre Vestimenta Anti chamas
edusegtrab
 
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
Sandra Pratas
 
Matemática para Concursos - Teoria dos Conjuntos
Matemática para Concursos - Teoria dos ConjuntosMatemática para Concursos - Teoria dos Conjuntos
Matemática para Concursos - Teoria dos Conjuntos
Instituto Walter Alencar
 

Último (20)

História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdfHistória das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
 
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdfUFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
 
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
 
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdfCaderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
 
FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO .
FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO                .FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO                .
FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO .
 
Desafio matemático - multiplicação e divisão.
Desafio matemático -  multiplicação e divisão.Desafio matemático -  multiplicação e divisão.
Desafio matemático - multiplicação e divisão.
 
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da TerraUma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
 
Atividade Dias dos Pais - Meu Pai, Razão da Minha História.
Atividade Dias dos Pais -  Meu Pai, Razão da Minha História.Atividade Dias dos Pais -  Meu Pai, Razão da Minha História.
Atividade Dias dos Pais - Meu Pai, Razão da Minha História.
 
Caderno 1 - Módulo Água JMS 2024 (1).pdf
Caderno 1 -  Módulo Água JMS 2024 (1).pdfCaderno 1 -  Módulo Água JMS 2024 (1).pdf
Caderno 1 - Módulo Água JMS 2024 (1).pdf
 
Atividade Análise literária O GUARANI.pdf
Atividade Análise literária O GUARANI.pdfAtividade Análise literária O GUARANI.pdf
Atividade Análise literária O GUARANI.pdf
 
Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
 
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
 
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdfGeotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
 
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdfAviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
 
Guerra de reconquista da Península ibérica
Guerra de reconquista da Península ibéricaGuerra de reconquista da Península ibérica
Guerra de reconquista da Península ibérica
 
reconquista sobre a guerra de ibérica.docx
reconquista sobre a guerra de ibérica.docxreconquista sobre a guerra de ibérica.docx
reconquista sobre a guerra de ibérica.docx
 
Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...
Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...
Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...
 
Conhecimento sobre Vestimenta Anti chamas
Conhecimento sobre Vestimenta Anti chamasConhecimento sobre Vestimenta Anti chamas
Conhecimento sobre Vestimenta Anti chamas
 
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
 
Matemática para Concursos - Teoria dos Conjuntos
Matemática para Concursos - Teoria dos ConjuntosMatemática para Concursos - Teoria dos Conjuntos
Matemática para Concursos - Teoria dos Conjuntos
 

Conceção e desenvolvimento de ambientes de aprendizagem online

  • 1. Conceção e Desenvolvimento de Ambientes de Aprendizagem Online Aplicação dos princípios do Desenho Instrutivo, da Teoria Cognitiva da Aprendizagem Multimédia e da Teoria da Carga Cognitiva Guilhermina Lobato Miranda gmiranda@ie.ul.pt http://lisboa.academia.edu/GuilherminaLobatoMiranda [Elvira Monteiro elviraprojectos@gmail.com]
  • 2. Sabemos pouco sobre como se transmite e ensina a cultura E como se transforme a imaturidade inicial do ser humano no ser competente que caracteriza o adulto idealizado por cada sociedade [e cada grupo social, num determinado tempo histórico] (Jerôme Bruner, 1965, 1966) Fonte: Google Images
  • 3. Dois tipos de conhecimento Conhecimento biológico primário (aprendizagem natural) Conhecimento biológico secundário (aprendizagem pelo ensino ou instrução) E suas relações (Geary, 2007,2008)
  • 4. Dois tipos de conhecimento Abordados neste magnífico livro de 2011: Cognitive Load Theory (Teoria da Carga Cognitiva) de John Sweller, Paul Ayres e Slava Kalyuga, Fonte: Google.books
  • 5. Abordagens científicas Abordagem ‘naturalista’ ou ciência natural (Smith, 1993) Abordagem ‘tecnicista’ ou ciência do artificial (ciências do artificial) (Simon, 1981) Fonte: Google Images
  • 6. Abordagem, Teorias e Modelos (Anderson, 1983) Abordagem (framework): É um conjunto geral de conceitos para compreender um domínio, mas que não está suficiente organizado de modo a constituir uma teoria preditiva. A partir de um mesmo framework posso deduzir várias teorias preditivas. Um framework é avaliado pela capacidade que tem de gerar teorias preditivas, quer dizer, que se conseguem explicar alguns fenómenos importantes. A psicologia do processamento de informação é um desse framework. Teoria: É um sistema dedutivo preciso, mais geral que um modelo (Ex.: Teoria Cognitiva da Aprendizagem Multimédia de R. Mayer; Teoria da Carga Cognitiva de J. Sweller) Modelo: Um modelo é a aplicação de uma teoria a um fenómeno específico (Ex.: Modelo 4C-ID)
  • 7. A Abordagem do Processamento da Informação O ser humano é considerado uma entidade biológica que representa e processa informação que provém do exterior, através dos vários sistemas sensoriais, e do interior do próprio organismo. Esta entidade biológica necessita de um sistema altamente complexo que preserve a informação representada e processada que se chama MEMÓRIA
  • 8. A Abordagem do Processamento da Informação Há entidades não biológicas ou dispositivos que também representam e processam informação e possuem memória. Fonte: Google Images
  • 9. A Abordagem do Processamento da Informação O centro da actividade mental ou cognitiva é a memória A memória não é singular: há DOIS tipos FUNDAMENTAIS de memória (+ as memórias sensoriais) Memória de Trabalho (MT) Memória de Longo Prazo (MLP)
  • 10. Aprendizagem Multimédia Abordagem centrada na tecnologia  Foco nas tecnologias multimédia de ponta, como incorporar multimédia nas tecnologias Abordagem centrada no aluno  Foco no funcionamento da mente humana, como desenvolver a aprendizagem humana a partir da adaptação da multimédia
  • 11. Teorias da Aprendizagem Multimédia Segundo Merriënboer & Kester (2009) as teorias sobre a aprendizagem multimédia podem ser posicionadas em diferentes níveis: Nível 1 (Psicológico) – Descrevem os sistemas da memória e os processos cognitivos que explicam a forma como as pessoas processam diferentes tipos de informação e aprendem através de diferentes sentidos. Ex: Teoria da dupla codificação de Paivio (1986)
  • 12. Teorias da Aprendizagem Multimédia Nível 2 (Design das mensagens educativas) Identificam os princípios multimédia e fornecem linhas orientadoras para a criação de mensagens multimédia que incluam, por exemplo: Texto + Imagens; Texto Narrado + Animações/ Vídeos Explicativos Ex: Teoria generativa da aprendizagem multimédia de Richard Mayer (2001)
  • 13. Teorias da Aprendizagem Multimédia Nível 3 (Design de cursos) – Definem a forma como devem ser desenvolvidos programas educacionais com diferentes recursos, incluindo: Textos + Imagens + Narrações + Materiais Práticos + Sistemas em rede Ex: Modelo 4C/ID (van Merriënboer, 1997; van Merriënboer, Kirschner & Kester, 2003)
  • 14. Teoria da Dupla Codificação  Postula que a mente humana processa informação não-verbal (imagens) e verbal (logogens) por canais distintos, criando representações separadas para a informação processada em cada um dos canais.  Cada canal tem limitações (assunção da capacidade limitada): o ser humano consegue absorver mais informação se esta for distribuída pelos dois canais em vez de sobrecarregar apenas um (por exemplo: um documentário televisivo narrado em vez de legendado) – code-additivity hypothesis  A teoria de Allan Paivio foi mais tarde rebatizada como o efeito do duplo canal.
  • 15. Modelo Estrutural da Dupla Codificação (Paivio, 1986) Estímulos Verbais Estímulos Não-Verbais Sistemas Sensoriais Ligações Representacionais S I S T E M A V E R B A E S T R U T LOGOGENS IMAGENS Ligações Referenciais A S S O C N V E R B A L Respostas verbais S I S T E M A Respostas Não-Verbais L
  • 16. Teoria Cognitiva da Aprendizagem Multimédia (Mayer)
  • 17. Teoria Cognitiva da Aprendizagem Multimédia Princípio Multimédia As pessoas aprendem mais profundadamente a partir de palavras e imagens do que somente palavras Mas se e só se…
  • 18. Teoria Cognitiva da Aprendizagem Multimédia
  • 19. Processamento de Figuras Fonte: R Mayer, 2009, p.228
  • 20. Processamento Palavras Faladas Fonte: R Mayer, 2009, p. 228
  • 21. Processamento de Palavras Escritas Fonte: R Mayer, 2009, p. 228
  • 23. Teoria da Carga Cognitiva (Sweller, 1986) Preocupa-se com a forma como os recursos cognitivos são utilizados durante o processo de aprendizagem e de resolução de problemas Defende que existe um limite para a quantidade de informação que o ser humano consegue processar de forma significativa, em cada momento (pressuposto da capacidade limitada da memória de trabalho) Defende que se esse limite for ultrapassado - excesso de carga cognitiva - a informação não é retida, ou seja, a aprendizagem não acontece
  • 24. Dois Tipos de Carga Cognitiva (Chandler & Sweller, 1991) A carga cognitiva intrínseca A carga cognitiva extrínseca ou estranha é a carga sobre a memória de trabalho que os estudantes experienciam quando interagem com os materiais de aprendizagem e que não se relaciona directamente com os conteúdos de aprendizagem Este tipo de carga cognitiva pode ser manipulada e controlada pelos designer e professores
  • 25. Mais Um Tipo de Carga Cognitiva (Sweller, van Merrienboer, & Paas, 1998) A carga cognitiva adequada (germane) é a carga dedicada ao processamento, construção e automatização de esquemas e, segundo John Sweller e os seus parceiros de investigação, pode ser manipulada e controlada pelo professor (designer), tal como a carga cognitiva extrínseca.
  • 26. Em Síntese Com estas descobertas os investigadores começaram a preocupar-se em descobrir maneiras de redesenhar os materiais de aprendizagem de forma a que estes permitissem redireccionar a atenção dos estudantes para processos cognitivos diretamente relevantes para a construção de esquemas que permitam a compreensão e retenção da informação relevante.
  • 27. Mas se e só se… tiver em conta alguns princípios Princípios da CTML (Cognitive Theory of Multimedia Learning) – – – – – – – Princípio da sequenciação Princípio da variabilidade Princípio da individualização Princípio da auto-explicação (self-explanation effect) Princípio das rodas de apoio Princípio da estratégia de conclusão E mais…
  • 28. Mas se e só se… tiver em conta alguns princípios Princípios da CTML (Cognitive Theory of Multimedia Learning) – – – – – – – Princípio da modalidade Princípio da segmentação (ou do ritmo próprio) Princípio da coerência ou fidelidade Princípio da sinalização Princípio da redundância Princípio da contiguidade temporal Princípio da contiguidade espacial
  • 29. Princípio da Segmentação  É preferível dar o controlo ao aluno de um qualquer fenómeno em estudo quando este está a observar um vídeo ou uma simulação; por exemplo, estudantes de psicoterapia que estão a aprender a conduzir conversas com doentes com depressão a partir de vídeos…  De igual modo é preferível segmentar uma apresentação em unidades temáticas, categorias… e dar a possibilidade aos alunos de levantarem questões, poderem voltar atrás, etc.
  • 30. Princípio da Coerência  Os alunos aprendem melhor quando não há elementos que desviem a atenção. Podem ser materiais interessantes mas irrelevantes para a aprendizagem, como música de fundo, videoclips e imagens que não sejam essenciais.  Os estudantes também aprendem melhor com animações concisas apoiadas em narração do que com animações muito elaboradas.  No início da aprendizagem é preferível usar ambientes que retratem o real mas com pouco fidelidade (fidelidade reduzida) pois os alunos podem perder-se nos pormenores; só com o avançar da aprendizagem é que as animações e simulações se devem aproximar das imagens reais
  • 31. Princípio da Sinalização  É útil focar a atenção dos alunos nas partes essenciais das tarefas de aprendizagem.  Sincronia entre texto explicativo falado e pistas em imagens complexas.  Por exemplo se o professor ou a animação estiver a ensinar como operar com um equipamento é útil ir sinalizando (com o dedo ou com uma cor que aparece ou outro sinal) as partes que vão sendo explicadas
  • 32. Princípio da Redundância  A apresentação de informação redundante tem muitas vezes um efeito pernicioso na aprendizagem.  Mas o que pode ser considerado informação redundante?  Pode ser a apresentação de uma simulação, com narração e texto escrito em simultâneo  Efeito de reversão do conhecimento especializado.
  • 33. Princípio da Contiguidade Espacial • Efeito da atenção dividida no espaço (forma importante de carga cognitiva extrínseca).
  • 34. Teorias da Aprendizagem e da Instrução As teorias da aprendizagem visam explicar como os seres vivos aprendem (animais e humanos) Fonte: Wikimedia Commons
  • 35. Teorias da Aprendizagem e da Instrução As teorias da instrução visam melhorar ou mesmo optimizar os processos de aprendizagem
  • 36. Predisposição do aluno Características de entrada (1, 2) INSTRUÇÃO (3,4,5) (1)Predisposição Cognitiva: • Capacidades • Conhecimentos • Competências (2) Predisposição Afectiva: • Interesses • Atitudes • Motivação • Auto-conceito TAREFA(S) APRENDIZAGEM Resultados aprendizagem (6) Cognitivos: Resultados avaliação Avaliação do sistema instrutivo (3,4,5) A qualidade da instrução depende de: • Como se organiza o conhecimento • Como se sequência o conhecimento • Como se apresenta o conhecimento (métodos e técnicas) Afectivos: • Como se reforça (recompensas, incentivos, feedback) Resultados avaliação Fonte: Child, D. (1986). Psychology and the Teacher. London: Cassell PROCESSO DE INSTRUÇÃO
  • 37. Modelos de Desenho Instrutivo Modelos Gerais: ADDIE Modelos Construtivistas: Aprendizagem pela Descoberta Guiada de J. Bruner Modelos Instrutivistas: Aprendizagem Cumulativa R. Gagné Modelos Cognitivistas: 4C-ID
  • 40. Sabemos pouco sobre como se transmite e ensina a cultura Mas já sabemos alguma coisa… Como se transforme a imaturidade inicial do ser humano no ser competente que caracteriza o adulto idealizado por cada sociedade [e por cada grupo social, num determinado tempo histórico]
  • 41. Mas já sabemos alguma coisa… O sucesso escolar dos alunos depende de vários fatores: (i) do próprio aluno, (ii) do meio familiar, (iii) da escola que frequenta, (iv) dos currículos, (v) da formação dos professores…. Há fatores que temos obrigação de conhecer para compreender a situação de cada aluno, mas sobre os quais não temos controlo; Há outros fatores que, como professores, estão nas nossas mãos modificar
  • 42. Mas já sabemos alguma coisa… O professor não pode agir como um mero facilitador da aprendizagem ou mero expositor da matéria mas como um ‘ativador’, praticando um ensino ativo [exemplo: sistema solar, meiose, respiração celular, Estruturas geológicas, e-portfolios] Selecionando tarefas de aprendizagem desafiadoras [exemplo: vodcasts: http://www.youtube.com/watch?v=IIe1T_tb5h8; http://www.youtube.com/watch?v=XKKHpAl8W2Y http://www.youtube.com/watch?v=Ep6kRZ1kuuI Promovendo o trabalho entre pares e a discussão de ideias e das soluções encontradas pelos alunos [exemplo: pesquisa Ppt e avaliação em pares e grelha registo de avaliação a pares] Formulando objetivos claros centrados no desempenho [exemplo: Grelhas] Fornecendo os critérios de avaliação para cada tarefa [exemplo: V-Gowin] Dando feedback analítico
  • 43. Referências • • • • • Anderson, J. R. (1983). The architecture of cognition. Cambridege, Mass.: Harvard University Press. Bruner, J. (1965). The growth of mind. American Psychologist, 20(12), 1007-1017. Bruner, J. (1966). Toward a theory of instruction. Cambridge, Mass.: Harvard University Press. (tradução em língua portuguesa da Relógio d’Água Editores, 1999). Chandler, P. and Sweller, J. (1991). Cognitive load theory and the format of instruction. Cognition and Instruction, 8(4), 293-332. Disponível em: http://ro.uow.edu.au/cgi/viewcontent.cgi?article=1133&context=edupapers Kirschner, P. & van Merriënboer (2008). Ten steps to complex learning: A new approach to instruction and instructional design. In T. Good, 21st century education: A reference hanbook (pp. 244-253 ). USA: Sage. http://dspace.ou.nl/bitstream/1820/2327/1/Ten%20Steps%20to%20Complex%20Learning%20%20Sage%2021st%20Century.pdf • • • Mayer, R. E. & Moreno, R. (2003). Nine ways to reduce cognitive load in multimedia learning. Educational Psychologist, 38(1), 43–52. Disponível em: http://faculty.washington.edu/farkas/TC510/MayerMoreno9WaysToReduceCognitiveLoad.pdf Miranda, G. L. (Org.) (2009). Ensino online e aprendizagem multimédia. Lisboa: Relógio d’Água Editores. Miranda, G. L. (1998). A Aprendizagem feita pelo ensino: a questão básica da escola. Atas do I Colóquio Nacional: A Ciência Psicológica nos Sistemas de Formação. Sociedade Portuguesa de Ciências da Educação – Secção de Psicologia da Educação (pp. 129-46). Faro: Universidade do Algarve. Disponível em http://www.academia.edu/1081667/A_aprendizagem_feita_pelo_ensino_a_questao_basicada_es cola
  • 44. Referências (cont.) • Paivio, A. (2006). Dual coding theory and education. Draft chapter for the conference on “Pathways to Literacy Achievement for High Poverty Children,” The University of Michigan School of Education, September 29-October 1. Retirado de: http://www.umich.edu/~rdytolrn/pathwaysconference/presentations/paivio.pdf • Simon, H. (1981). As ciências do artificial. Coimbra: Arménio e Filhos Editor • • • • Sweller, J., Ayres, P., & Kalyuga, (2011). Cognitive load theory. New york: Springer Sweller, J. (s/d). Visualization and instruction design. Retirado de http://www.iwmkmrc.de/workshops/visualization/sweller.pdf Sweller, J., van Merrienboer, J., & Paas, F. (1998). Cognitive architecture and instructional design. Educational Psychology Review, 10(3), 251-296. Disponível em: http://www.davidlewisphd.com/courses/EDD8121/readings/1998-Sweller_et_al.pdf van Merriënboer, J. G., Clark, R. E., & Crook, M. B. (2002). Blueprints for Complex Learning: The 4C/ID-Model. The AECT Annual Conference. Retitado de: http://link.springer.com/article/10.1007%2FBF02504993#page-1
  • 45. Dois livros e três vídeos para dar continuidade ao tema desta conferência Visible Learning and the Science of How to Learning (2014) http://books.google.pt/books?id=VdhAAQAAQBAJ&printsec=frontcover&dq=visible+l earning&hl=ptPT&sa=X&ei=6Sd5UsLIGbLY7AbfnICgAQ&redir_esc=y#v=onepage&q=visible%20learni ng&f=false Visible Learning (2009)http://books.google.pt/books?id=x6rpxFbpr4C&printsec=frontcover&dq=visible+learning&hl=ptPT&sa=X&ei=6Sd5UsLIGbLY7AbfnICgAQ&redir_esc=y#v=onepage&q=visible%20learni ng&f=false Vídeo 1: https://www.youtube.com/watch?v=sng4p3Vsu7Y Vídeo 2: https://www.youtube.com/watch?v=3pD1DFTNQf4 Vídeo 3: https://www.youtube.com/watch?v=rkXE4lBwHD4
  • 46. Vídeo Tatiana Marinho • Teoria da Carga Cognitiva – YouTube
  • 47. Obrigada pela vossa atenção Guilhermina Lobato Miranda gmiranda@ie.ul.pt
  • 49. Moodle: feedback ativo – trabalho texto em linha
  • 50. Moodle: feedback ativo – trabalho texto em linha
  • 51. Moodle: feedback ativo – trabalho texto em linha