SlideShare uma empresa Scribd logo
Apresentação do Palestrante 
Antonio Rogério G. Costa 
Professor em cursos direcionados a formação em comércio exterior, 
logística e Seguros de Transportes. Bacharel em Ciências Náuticas, 
Pós em Comércio Exterior e Logística Empresarial. 
Sócio – Diretor de empresas de Logística Internacional, e 
atualmente Desenvolvendo Consultoria, Gestão, Planejamento 
Empresarial e internacionalização de empresas, dentre outros 
projetos.
Conceitos e oportunidade no Transporte Marítimo Internacional
Conceitos e Oportunidades 
no Transporte Marítimo 
Internacional 
(Shipping). 
“A logística vista do mar”.
O objetivo desta palestra é fazer emergir, 
aspectos os quais fazem parte do universo 
do dia-a-dia daqueles que vierem a 
exercer a atividade <SHIPPING>. 
“A logística vista do mar”. 
Desde já, deixo aqui o convite aos 
amigos(as) para que dialoguem comigo, 
via portal ABRACOMEX.
SHIPPING 
Shipping: 
The business of 
transporting freight, 
especially by ship .
Shipping agent: a person or 
company whose business is to 
prepare shipping documents, 
arrange shipping space and 
insurance, and deal with customs 
requirements. 
SHIPPING
S H I P P I N G A S P E C T S 
• 
Conceitos gerais 
• Transporte Marítimo 
• Container 
• Armador 
• Tipos de carga/mercadorias transportadas 
• Terminais marítimos 
• Principais, TRADES, em operação pelos 
armadores. 
• GEARLESS x SELFSUSTAINED 
• HUB PORT 
• FCL/LCL 
• BOX RATE 
• DEPARTAMENTOS E FUNÇÕES
I N T R O D U Ç Ã O A O S H I P P I N G 
• 
Transporte Marítimo 
O transporte marítimo define-se como sendo o transporte 
aquático que utiliza como vias de passagem os mares abertos, 
para o transporte de mercadorias e de passageiros. 
Mercadorias transportadas: todo o tipo de carga, desde 
químicos, combustíveis, alimentos, minérios a automóveis etc. 
(da Flor ao Trator ;) 
Carga geral: é a carga transportada em embalagens, sejam elas 
quais forem. e.g caixas, paletts, barris, contentores etc.
I N T R O D U Ç Ã O A O S H I P P I N G 
Container 
Container, invenção que norteou o transporte marítimo, produzindo mudanças 
operacionais, documentais e, obrigando a padronização de equipamentos de 
movimentação de embarque e descarga, navios, caminhões, logística de pátio etc. 
O contêiner (português brasileiro) ou contentor (português europeu) (em inglês container) é na prática 
um equipamento utilizado para transportar carga. 
Curiosidade : feito de aço CORTEN (COR-TEN), por quê? . 
Devido à sua composição química, o AÇO CORTEN aumenta a resistência à corrosão 
atmosférica. O AÇO CORTEN forma uma camada protetora em sua superfície sob a 
influência do tempo, chamada pátina, que retarda o efeito da corrosão. A camada de 
proteção da superfície desenvolve e regenera –se continuamente quando sujeito à 
influência do tempo. Por conseguinte, o aço é permitido à ferrugem, a fim de formar o 
revestimento de proteção.
M Ó D U L O I – I N T R O D U Ç Ã O A O S H I P P I N G 
História do container 
Durante séculos de comércio internacional, os seus precursores, chineses, árabes e 
europeus, não haviam conseguido criar uma forma não só de evitar as enormes 
perdas no transporte com as quebras, deteriorações e desvios de mercadorias, como 
também de agilizar e reduzir o custo das operações de carga e descarga. 
Em 1937, o americano Malcom Mc Lean, ao observar o lento embarque de fardos de 
algodão no porto de Nova Iorque, teve a ideia de armazená-los e transportá-los em 
grandes caixas de aço que pudessem, elas próprias, serem embarcadas nos navios. 
Com o tempo, Mc Lean aprimorou métodos de trabalho e expansão de sua 
companhia, a Sea-Land, posteriormente Maersk-Sealand,
M Ó D U L O I – I N T R O D U Ç Ã O A O S H I P P I N G 
História do container 
Em 1966 1º navio porta-contentores chega ao porto de Rotterdam - já o maior porto 
do mundo - o cargueiro adaptado "SS Fairland" da Sea Land, que ali descarregou 50 
unidades. Como não havia equipamento apropriado, o desembarque foi feito com o 
próprio guindaste do navio, outra criação de Mc Lean. 
Naquela época, nove mil estivadores trabalhavam no grande porto holandês, 
vinculando a 25 empresas de serviço. 
Logo depois, em 1967, cinco das empresas estivadoras que operavam no porto de 
Rotterdam criaram a ECT, com apenas 208 empregados para atender ao crescente 
movimento de contêineres.
M Ó D U L O I – I N T R O D U Ç Ã O A O S H I P P I N G 
• 
ASPECTOS GERAIS 
Um contêiner é um recipiente /embalagem, destinado ao acondicionamento e 
transporte de carga em navios, trens etc. 
É também conhecido como cofre de carga, pois é dotado de dispositivos de segurança 
previstos por legislações nacionais e por convenções internacionais. 
Tem como característica principal constituir hoje em dia uma unidade de carga 
independente, com dimensões padrão em medidas inglesas (pés). 
A unidade base, geralmente, considerada é o TEU (em inglês: twenty feet equivalent 
unit). Sendo 1 FEU (forty feet equivalent unit ) = 2 TEU’S 
Navios e Terminais portuários seguiram o padrão adotado, internacionalmente, no 
que diz respeito as dimensões dos containers. 
Bem como adotaram para efeito de quantificação, ou seja, para efeito de SKU (Stock 
Unit ), a unidade TEU em detrimento ao FEU.
M Ó D U L O I – I N T R O D U Ç Ã O A O S H I P P I N G 
Tipos e Características
M Ó D U L O I – I N T R O D U Ç Ã O A O S H I P P I N G 
PADRONIZAÇÃO 
A padronização dos contêineres foi instituída pela ISO (International Organization for 
Standardization), e pela ASA (American Standard Association). 
Com o tempo, a maioria dos países acabou adotando como padrão as especificações e 
dimensões propostas pela ISO, o que veio facilitar, inclusive, a construção de navios, 
trens e caminhões para o seu transporte, bem como guindastes e equipamentos 
apropriados para seu embarque, desembarque e movimentação. 
A Organização Internacional para Padronização (em inglês: International Organization for Standardization), 
popularmente conhecida como ISO1 é uma entidade que congrega os grémios de padronização/normalização 
de 170 países. 
Fundada em 23/02/1947, em Genebra/Suíça. 
++++ 
Embora popularmente se acredite que a expressão "ISO" é um acrónimo de "International Standards 
Organization", na realidade o nome que originou-se da palavra grega "ἴσος" ("isos"), que significa igualdade. 
Evitam-se com isso que a organização possua diferentes acrônimos em diferentes idiomas
Conceitos e oportunidade no Transporte Marítimo Internacional
I N T R O D U Ç Ã O A O S H I P P I N G 
Conceitos gerais 
• Navios PORTA CONTAINERS, são 
projetados com base em “TEU’S”. 
• Terminais calculam suas 
movimentações em TEUS e assim 
por diante.
S H I P P I N G 
Ferramentas de controle 
Existem softwares especializados para o 
carregamento de contentores, divulgando informação 
sobre como e de que forma dispor a carga dentro dos 
contentores, otimizando espaço e cumprindo regras de 
transporte, por exemplo cargas leves em cima de cargas 
pesadas. Softwares para gestão de retro área, pre-stacking, 
planos de cargo (estivagem de containers).
S H I P P I N G 
O Plano de Carga dos Navios Porta 
Contêineres é elaborado para Facilitar as 
operações de carregamento e 
descarregamento destes 
Navios, além de garantir a estabilidade e 
distribuição de esforços estruturais do 
navio.
M Ó D U L O I – I N T R O D U Ç Ã O A O S H I P P I N G 
• Terminais marítimos 
• Porto: este termo é usado tanto para a área do porto onde os navios são 
ancorados e para a agência (autoridade portuária), que administra o uso 
de cais públicos e as propriedades da porta. 
• Berço (Berth): é o termo usado em portos e portos para um local 
designado onde os navios podem ser atracados, geralmente para 
fins de carga e descarga. Berços são designadas pela gestão de uma 
instalação (por exemplo, a autoridade portuária, capitão do porto). 
As embarcações são atribuídas a berços por essas autoridades.
M Ó D U L O I – I N T R O D U Ç Ã O A O S H I P P I N G 
• Terminais de Container 
Terminal especializado, onde navios porta-contentores podem atracar e 
embarcar e descarregar contêineres. São dotados de equipamentos de 
terra denominados de PORTAINER, cuja capacidade de elevação é de 35 
a 40 toneladas e cujas lanças alcançam 120 pés ou mais, a fim de atingir 
e operar toda a extensão da boca do navio, operando toda a BAY e as 
células do navio (Navios Porta contêineres) possuem células guia. Estes 
guindastes operam sobre trilhos, o que lhes permite atravessar ao longo 
do terminal (longitudinalmente e paralelo ao navio, trabalhando de Proa 
a Popa, várias BAYS do navio), podendo haver a utilização de vários 
PORTAINERS operando simultaneamente o mesmo navio. 
A maioria dos terminais têm áreas de armazenamento de acesso ferroviário e contêineres diretos, e são servidos 
por transportadoras rodoviárias.
M Ó D U L O I – I N T R O D U Ç Ã O A O S H I P P I N G 
Portainer – Operação de embarque /descarga
M Ó D U L O I – I N T R O D U Ç Ã O A O S H I P P I N G 
Rotterdam Port
M Ó D U L O I – I N T R O D U Ç Ã O A O S H I P P I N G
M Ó D U L O I – I N T R O D U Ç Ã O A O S H I P P I N G 
HUB PORT 
HUB PORT, consiste em um porto concentrador de cargas e de 
linhas de navegação. O termo decorre das estratégias de aumentar 
o tamanho dos navios, concentrar rotas e reduzir o número de 
escalas adotadas pelas principais companhias marítimas, 
notadamente a partir dos anos noventa. 
A ideia é fazer com grandes navios cumpram a rota de longo curso, 
descarregando as unidades de contêineres em portos HUB e, 
então, a partir daí, navios menores denominados de FEEDER, 
alimentam os portos próximos, de menor calado, fluviais etc.
M Ó D U L O I – I N T R O D U Ç Ã O A O S H I P P I N G 
Portainer – Operação de embarque – Feeder Vessel
M Ó D U L O I – I N T R O D U Ç Ã O A O S H I P P I N G 
Armador 
Armador, em marinha mercante, é o nome que se dá à empresa que, por sua 
própria conta e risco, promove a equipagem e a exploração de navio comercial, 
independente de ser ou não proprietário da embarcação. 
Sua renda provém normalmente da cobrança de frete para o transporte de 
cargas entre dois portos, ou na locação da embarcação a uma taxa diária. 
Em relação à propriedade da embarcação, para o direito comercial, o armador 
pode ser: 
Armador-gerente-proprietário: aquele que opera navios que pertencem a vários 
proprietários e/ou a armação, operando em nome destes. 
Armador-locatário: quando opera embarcação de propriedade alheia. 
Armador-proprietário: quando os navios pertencem ao próprio armador.
M Ó D U L O I – I N T R O D U Ç Ã O A O S H I P P I N G 
• 
 Alguns conhecimentos gerais sobre navios, com aplicação 
prática: 
• SHAFT GENERATOR 
• MCA x MCP 
• AUTONOMIA DE UM NAVIO 
 Tipos de navios 
• F/C = FULL CONTAINER = PORTA CONTAINER 
• RO-RO = ROLL ON ROLL OFF 
• PCC = PURE CAR CARRIER 
• ORE-OIL 
• BULK = GRANELEIRO 
• HEAVY LIFT = CARGAS DE PROJETOS / SUPERPESADAS 
• OUTROS
M Ó D U L O I – I N T R O D U Ç Ã O A O S H I P P I N G 
• F/C [ FULL CONTAINER ] PORTA CONTAINER 
MARSK CLASSE TRIPLE E – O MAIOR F/C JÁ LANÇADO AO MAR
M Ó D U L O I – I N T R O D U Ç Ã O A O S H I P P I N G 
• F/C [ FULL CONTAINER ] PORTA CONTAINER 
VESSELS PARTICULARS [CARACTERÍSTICAS PRINCIPAIS] 
• Capacidade: 18.270 TEUs (contêineres de 20 PÉS) 
• Comprimento: 399 metros 
• Calado de Projeto: 14,5 metros 
• Boca: 59 metros 
• Altura: 73 metros 
• Velocidade: 19 nós ( Aprox. 35 km/h) 
• Velocidade máxima: 25 nós (Aprox. 46 km/h) 
• Porte bruto: 165.000 toneladas métricas 
• Motores: MAN motores 8S80ME-C9.2, 8 cilindros, 800 milímetros 
furo, 3.450 milímetros de curso, avaliado em 29,7 MW @ 73 rpm 
cada, com um consumo de combustível de 168 g / kWh (21,2 mil 
litros por dia) 
• Hélices: hélices gêmeas, com 4 lâminas, de 9,8 m de diâmetro
M Ó D U L O I – I N T R O D U Ç Ã O A O S H I P P I N G 
Tipos de navios
M Ó D U L O I – I N T R O D U Ç Ã O A O S H I P P I N G 
Tipos de navios
M Ó D U L O I – I N T R O D U Ç Ã O A O S H I P P I N G 
Tipos de navios
M Ó D U L O I – I N T R O D U Ç Ã O A O S H I P P I N G 
• Equipamentos utilizáveis a bordo e em terra. 
– TUG MASTER 
– MAFI 
– PORTAINER 
– REACH STACKER 
– TRANSTAINER 
– Ship loader 
– ETC.
M Ó D U L O I – I N T R O D U Ç Ã O A O S H I P P I N G 
• Operação portuária: Tipos de portos e terminais 
– Ferramentas de controle em gestão portuária; 
– Negociação entre armadores e terminais 
– Departamentos de importação, exportação, pátio, 
comercial, etc. 
– Logística de patio [Retro area (Pre – stacking)/(Stacking for 
loading)]
M Ó D U L O I I – A S P E C T O S C O M E R C I A I S P E R T I N E N T E S A O S H I P P I N G 
• Navegação 
– [Principais portos no GLOBO, PECULIARIDADES e a razão de 
sua importância para o MUNDO]. 
– Canais Kiel, panamá, Suez 
– Comportas países baixos
M Ó D U L O I I – A S P E C T O S C O M E R C I A I S P E R T I N E N T E S A O S H I P P I N G 
• Navegação 
– Curiosidades: [ORTODROMIA x LOXODROMIA / CANAIS DE 
NAVEGAÇÃO / RIPEAM (SOLAS)], CALADO x PROFUNDIDADE x 
DRAGAGEM.
M O D U L O I I I – C H A R T E R I N G E S E G U R O A P L I C A D O S À N A V E G A Ç Ã O 
– Leasing de navios 
– Leasing de containers 
– Interface com terminais e seus contratos por Box 
– Nr de B/L x Nr de booking (finalidade) 
– DEPOT de VAZIOS 
– Documentos : B/L; invoice; termos de demurrage ; cláusulas 
de b/l
A S P E C T O S C O N T E M P L A D O S N O M O D U L O I I I – C H A R T E R I N G E S E G U R O 
A P L I C A D O S À N A V E G A Ç Ã O 
• DIREITO INTERNACIONAL x SEGURO INTERNACIONAL 
– CASCO 
– SEGURO P&I 
– SEGURO RC -Transportador 
– SEGURO DE CARGA 
– AVARIA GROSSA OU COMUM x AVARIA SIMPLES OU 
PARTICULAR 
– Varação x Encalhe simples; Arribada forçada , etc.
A S P E C T O S C O N T E M P L A D O S N O M O D U L O I I I – C H A R T E R I N G E S E G U R O 
A P L I C A D O S À N A V E G A Ç Ã O 
Segmentos de empresas demandantes de mão de 
obra especializada em Shipping. 
• Armadores 
• Agências de Navegação 
• Terminais 
• Estaleiros - [dependendo da formação de base] 
• Seguradoras – (dependendo da formação de 
base]
Obrigado pela participação! 
Contatos: 
www.abracomex.org | atendimento@abracomex.org 
http://twitter.com/abracomex | Skype: abracomex 
Portal de ensino: http://www.abracomexonline.org/ 
Telefones: 
4062-0660 Ramal:0405 / (11) 2171-1528 / (27) 3026-7785.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Vantagens e desvantagens do transporte maritimo
Vantagens e desvantagens do transporte maritimoVantagens e desvantagens do transporte maritimo
Vantagens e desvantagens do transporte maritimo
francisogam
 
Os transportes rodoviários em portugal
Os transportes rodoviários em portugalOs transportes rodoviários em portugal
Os transportes rodoviários em portugal
Mayjö .
 
O Transporte Ferroviário
O Transporte FerroviárioO Transporte Ferroviário
O Transporte Ferroviário
713773
 
Gasodutos
GasodutosGasodutos
Gasodutos
Pedro Peixoto
 
Rede Nacional de Plataformas Logísticas
Rede Nacional de Plataformas Logísticas Rede Nacional de Plataformas Logísticas
Rede Nacional de Plataformas Logísticas
Cláudio Carneiro
 
A distribuição espacial das redes de transporte
A distribuição espacial das redes de transporteA distribuição espacial das redes de transporte
A distribuição espacial das redes de transporte
Ilda Bicacro
 
Transportes marítimos, 9º1
Transportes marítimos, 9º1Transportes marítimos, 9º1
Transportes marítimos, 9º1
Mayjö .
 
Transportes fluviais
Transportes fluviaisTransportes fluviais
Transportes fluviais
Mayjö .
 
Meios de Transportes - 9 ano
Meios de Transportes - 9 anoMeios de Transportes - 9 ano
Meios de Transportes - 9 ano
Jonatãs Demétrio
 
Transportes fluviais bárbara, erica e inês
Transportes fluviais bárbara, erica e inêsTransportes fluviais bárbara, erica e inês
Transportes fluviais bárbara, erica e inês
Mayjö .
 
Salame3
Salame3Salame3
Transportes marítimos
Transportes marítimosTransportes marítimos
Transportes marítimos
Mayjö .
 
Autoestradas do Mar - Mobilidade e Comunicação 2
Autoestradas do Mar - Mobilidade e Comunicação 2Autoestradas do Mar - Mobilidade e Comunicação 2
Autoestradas do Mar - Mobilidade e Comunicação 2
Idalina Leite
 
Transportes Rodoviários
Transportes RodoviáriosTransportes Rodoviários
Transportes Rodoviários
Eduardo Batista
 
Transportes Aquáticos - marítimo
Transportes Aquáticos - marítimoTransportes Aquáticos - marítimo
Transportes Aquáticos - marítimo
geografianaserpapinto
 
A competitividade dos diferentes modos de transporte
A competitividade dos diferentes modos de transporteA competitividade dos diferentes modos de transporte
A competitividade dos diferentes modos de transporte
Ilda Bicacro
 
Setores de Atividade
Setores de AtividadeSetores de Atividade
Setores de Atividade
Sara Gonçalves
 
Transportes
TransportesTransportes
Transportes
Alfredo Garcia
 
Transportes Rodoviários em Portugal
Transportes Rodoviários em PortugalTransportes Rodoviários em Portugal
Transportes Rodoviários em Portugal
Ayandra Silva
 
Modal rodoviário
Modal rodoviárioModal rodoviário
Modal rodoviário
FaseLog
 

Mais procurados (20)

Vantagens e desvantagens do transporte maritimo
Vantagens e desvantagens do transporte maritimoVantagens e desvantagens do transporte maritimo
Vantagens e desvantagens do transporte maritimo
 
Os transportes rodoviários em portugal
Os transportes rodoviários em portugalOs transportes rodoviários em portugal
Os transportes rodoviários em portugal
 
O Transporte Ferroviário
O Transporte FerroviárioO Transporte Ferroviário
O Transporte Ferroviário
 
Gasodutos
GasodutosGasodutos
Gasodutos
 
Rede Nacional de Plataformas Logísticas
Rede Nacional de Plataformas Logísticas Rede Nacional de Plataformas Logísticas
Rede Nacional de Plataformas Logísticas
 
A distribuição espacial das redes de transporte
A distribuição espacial das redes de transporteA distribuição espacial das redes de transporte
A distribuição espacial das redes de transporte
 
Transportes marítimos, 9º1
Transportes marítimos, 9º1Transportes marítimos, 9º1
Transportes marítimos, 9º1
 
Transportes fluviais
Transportes fluviaisTransportes fluviais
Transportes fluviais
 
Meios de Transportes - 9 ano
Meios de Transportes - 9 anoMeios de Transportes - 9 ano
Meios de Transportes - 9 ano
 
Transportes fluviais bárbara, erica e inês
Transportes fluviais bárbara, erica e inêsTransportes fluviais bárbara, erica e inês
Transportes fluviais bárbara, erica e inês
 
Salame3
Salame3Salame3
Salame3
 
Transportes marítimos
Transportes marítimosTransportes marítimos
Transportes marítimos
 
Autoestradas do Mar - Mobilidade e Comunicação 2
Autoestradas do Mar - Mobilidade e Comunicação 2Autoestradas do Mar - Mobilidade e Comunicação 2
Autoestradas do Mar - Mobilidade e Comunicação 2
 
Transportes Rodoviários
Transportes RodoviáriosTransportes Rodoviários
Transportes Rodoviários
 
Transportes Aquáticos - marítimo
Transportes Aquáticos - marítimoTransportes Aquáticos - marítimo
Transportes Aquáticos - marítimo
 
A competitividade dos diferentes modos de transporte
A competitividade dos diferentes modos de transporteA competitividade dos diferentes modos de transporte
A competitividade dos diferentes modos de transporte
 
Setores de Atividade
Setores de AtividadeSetores de Atividade
Setores de Atividade
 
Transportes
TransportesTransportes
Transportes
 
Transportes Rodoviários em Portugal
Transportes Rodoviários em PortugalTransportes Rodoviários em Portugal
Transportes Rodoviários em Portugal
 
Modal rodoviário
Modal rodoviárioModal rodoviário
Modal rodoviário
 

Destaque

Técnicas de unitização de cargas em paletes
Técnicas de unitização de cargas em paletesTécnicas de unitização de cargas em paletes
Técnicas de unitização de cargas em paletes
Interlogis Planejamento das Operações Logísticas Ltda.
 
Tipos de navios
Tipos de naviosTipos de navios
Tipos de navios
Ana Cristina Vieira
 
Nomenclatura e peças de container
Nomenclatura  e peças de containerNomenclatura  e peças de container
Nomenclatura e peças de container
elliando dias
 
4. embalagem, acondicionamento e unitizacao
4. embalagem, acondicionamento e unitizacao4. embalagem, acondicionamento e unitizacao
4. embalagem, acondicionamento e unitizacao
Tássia Bagano Guimarães
 
Gestão Estratégica de Transportes
Gestão Estratégica de Transportes Gestão Estratégica de Transportes
Gestão Estratégica de Transportes
Adeildo Caboclo
 
Cargas Embalagens e Unitização Armazenagem 1ª parte
Cargas Embalagens e Unitização Armazenagem 1ª parteCargas Embalagens e Unitização Armazenagem 1ª parte
Cargas Embalagens e Unitização Armazenagem 1ª parte
BRINKS SEGURANÇA E TRANSPORTE DE VALORES
 
Pallets y tipos de pallets
Pallets y tipos de palletsPallets y tipos de pallets
Pallets y tipos de pallets
Wendy Barragan
 

Destaque (7)

Técnicas de unitização de cargas em paletes
Técnicas de unitização de cargas em paletesTécnicas de unitização de cargas em paletes
Técnicas de unitização de cargas em paletes
 
Tipos de navios
Tipos de naviosTipos de navios
Tipos de navios
 
Nomenclatura e peças de container
Nomenclatura  e peças de containerNomenclatura  e peças de container
Nomenclatura e peças de container
 
4. embalagem, acondicionamento e unitizacao
4. embalagem, acondicionamento e unitizacao4. embalagem, acondicionamento e unitizacao
4. embalagem, acondicionamento e unitizacao
 
Gestão Estratégica de Transportes
Gestão Estratégica de Transportes Gestão Estratégica de Transportes
Gestão Estratégica de Transportes
 
Cargas Embalagens e Unitização Armazenagem 1ª parte
Cargas Embalagens e Unitização Armazenagem 1ª parteCargas Embalagens e Unitização Armazenagem 1ª parte
Cargas Embalagens e Unitização Armazenagem 1ª parte
 
Pallets y tipos de pallets
Pallets y tipos de palletsPallets y tipos de pallets
Pallets y tipos de pallets
 

Semelhante a Conceitos e oportunidade no Transporte Marítimo Internacional

A análise de Sines como ativo geoestratégico nacional: um cluster suportado n...
A análise de Sines como ativo geoestratégico nacional: um cluster suportado n...A análise de Sines como ativo geoestratégico nacional: um cluster suportado n...
A análise de Sines como ativo geoestratégico nacional: um cluster suportado n...
APS - Administração dos Portos de Sines e do Algarve, S.A.
 
A Análise de Sines como Ativo Geoestratégico Nacional
A Análise de Sines como Ativo Geoestratégico Nacional A Análise de Sines como Ativo Geoestratégico Nacional
A Análise de Sines como Ativo Geoestratégico Nacional
Cláudio Carneiro
 
PARTE 3 2023.pptx
PARTE 3 2023.pptxPARTE 3 2023.pptx
PARTE 3 2023.pptx
silviodatorre1
 
Coleção de Selos - temática transportes
Coleção de Selos - temática transportesColeção de Selos - temática transportes
Coleção de Selos - temática transportes
Museu Filatelia Sérgio Pedro
 
Modal Aqua/Hidroviário
Modal Aqua/HidroviárioModal Aqua/Hidroviário
Modal Aqua/Hidroviário
Chiaki Lisboa
 
Navegacao e transporte maritimo de cargas tarefa 5 - Francisco Andre Barros...
Navegacao e transporte maritimo de cargas   tarefa 5 - Francisco Andre Barros...Navegacao e transporte maritimo de cargas   tarefa 5 - Francisco Andre Barros...
Navegacao e transporte maritimo de cargas tarefa 5 - Francisco Andre Barros...
André Conde
 
infraestrutura-portuaria_compress.pdf
infraestrutura-portuaria_compress.pdfinfraestrutura-portuaria_compress.pdf
infraestrutura-portuaria_compress.pdf
Marcos Boaventura
 
Seminriotransporteareodecargas 101126210659-phpapp01
Seminriotransporteareodecargas 101126210659-phpapp01Seminriotransporteareodecargas 101126210659-phpapp01
Seminriotransporteareodecargas 101126210659-phpapp01
Nayme Silva
 
TRANSPORTE AÉREO DE CARGAS - Geografia dos Transportes
TRANSPORTE AÉREO DE CARGAS - Geografia dos TransportesTRANSPORTE AÉREO DE CARGAS - Geografia dos Transportes
TRANSPORTE AÉREO DE CARGAS - Geografia dos Transportes
Virna Salgado Barra
 
Transporte Aéreo de Cargas
Transporte Aéreo de CargasTransporte Aéreo de Cargas
Transporte Aéreo de Cargas
Virna Salgado Barra
 
Dicionario portuario
Dicionario portuarioDicionario portuario
Dicionario portuario
jccamorim
 
Dicionario2011
Dicionario2011Dicionario2011
686343010-PLANEJAMENTO-OPERACIONAL-PORTUARIO.pdf
686343010-PLANEJAMENTO-OPERACIONAL-PORTUARIO.pdf686343010-PLANEJAMENTO-OPERACIONAL-PORTUARIO.pdf
686343010-PLANEJAMENTO-OPERACIONAL-PORTUARIO.pdf
Marcos Boaventura
 
Vantagens e desvantagens do transporte aquaviário no brasil
Vantagens e desvantagens do transporte aquaviário no brasilVantagens e desvantagens do transporte aquaviário no brasil
Vantagens e desvantagens do transporte aquaviário no brasil
Carlos Benkendorf
 
Trabalho: Navios e Portos
Trabalho: Navios e PortosTrabalho: Navios e Portos
Trabalho: Navios e Portos
Nome Sobrenome
 
Comércio Exterior - Glossário de Termos Técnicos
Comércio Exterior - Glossário de Termos TécnicosComércio Exterior - Glossário de Termos Técnicos
Comércio Exterior - Glossário de Termos Técnicos
Roberto de Paula Lico Junior
 
T3G2.cleaned (1).ppt
T3G2.cleaned (1).pptT3G2.cleaned (1).ppt
T3G2.cleaned (1).ppt
miguel498486
 
Atps passo 4
Atps  passo 4Atps  passo 4
Atps passo 4
freiitasbruna
 
Vantagens e desvantagens do transporte maritimo
Vantagens e desvantagens do transporte maritimoVantagens e desvantagens do transporte maritimo
Vantagens e desvantagens do transporte maritimo
francisogam
 
Aula 6 logística internacional
Aula 6   logística internacionalAula 6   logística internacional
Aula 6 logística internacional
Valeria Carneiro de Mangiacone
 

Semelhante a Conceitos e oportunidade no Transporte Marítimo Internacional (20)

A análise de Sines como ativo geoestratégico nacional: um cluster suportado n...
A análise de Sines como ativo geoestratégico nacional: um cluster suportado n...A análise de Sines como ativo geoestratégico nacional: um cluster suportado n...
A análise de Sines como ativo geoestratégico nacional: um cluster suportado n...
 
A Análise de Sines como Ativo Geoestratégico Nacional
A Análise de Sines como Ativo Geoestratégico Nacional A Análise de Sines como Ativo Geoestratégico Nacional
A Análise de Sines como Ativo Geoestratégico Nacional
 
PARTE 3 2023.pptx
PARTE 3 2023.pptxPARTE 3 2023.pptx
PARTE 3 2023.pptx
 
Coleção de Selos - temática transportes
Coleção de Selos - temática transportesColeção de Selos - temática transportes
Coleção de Selos - temática transportes
 
Modal Aqua/Hidroviário
Modal Aqua/HidroviárioModal Aqua/Hidroviário
Modal Aqua/Hidroviário
 
Navegacao e transporte maritimo de cargas tarefa 5 - Francisco Andre Barros...
Navegacao e transporte maritimo de cargas   tarefa 5 - Francisco Andre Barros...Navegacao e transporte maritimo de cargas   tarefa 5 - Francisco Andre Barros...
Navegacao e transporte maritimo de cargas tarefa 5 - Francisco Andre Barros...
 
infraestrutura-portuaria_compress.pdf
infraestrutura-portuaria_compress.pdfinfraestrutura-portuaria_compress.pdf
infraestrutura-portuaria_compress.pdf
 
Seminriotransporteareodecargas 101126210659-phpapp01
Seminriotransporteareodecargas 101126210659-phpapp01Seminriotransporteareodecargas 101126210659-phpapp01
Seminriotransporteareodecargas 101126210659-phpapp01
 
TRANSPORTE AÉREO DE CARGAS - Geografia dos Transportes
TRANSPORTE AÉREO DE CARGAS - Geografia dos TransportesTRANSPORTE AÉREO DE CARGAS - Geografia dos Transportes
TRANSPORTE AÉREO DE CARGAS - Geografia dos Transportes
 
Transporte Aéreo de Cargas
Transporte Aéreo de CargasTransporte Aéreo de Cargas
Transporte Aéreo de Cargas
 
Dicionario portuario
Dicionario portuarioDicionario portuario
Dicionario portuario
 
Dicionario2011
Dicionario2011Dicionario2011
Dicionario2011
 
686343010-PLANEJAMENTO-OPERACIONAL-PORTUARIO.pdf
686343010-PLANEJAMENTO-OPERACIONAL-PORTUARIO.pdf686343010-PLANEJAMENTO-OPERACIONAL-PORTUARIO.pdf
686343010-PLANEJAMENTO-OPERACIONAL-PORTUARIO.pdf
 
Vantagens e desvantagens do transporte aquaviário no brasil
Vantagens e desvantagens do transporte aquaviário no brasilVantagens e desvantagens do transporte aquaviário no brasil
Vantagens e desvantagens do transporte aquaviário no brasil
 
Trabalho: Navios e Portos
Trabalho: Navios e PortosTrabalho: Navios e Portos
Trabalho: Navios e Portos
 
Comércio Exterior - Glossário de Termos Técnicos
Comércio Exterior - Glossário de Termos TécnicosComércio Exterior - Glossário de Termos Técnicos
Comércio Exterior - Glossário de Termos Técnicos
 
T3G2.cleaned (1).ppt
T3G2.cleaned (1).pptT3G2.cleaned (1).ppt
T3G2.cleaned (1).ppt
 
Atps passo 4
Atps  passo 4Atps  passo 4
Atps passo 4
 
Vantagens e desvantagens do transporte maritimo
Vantagens e desvantagens do transporte maritimoVantagens e desvantagens do transporte maritimo
Vantagens e desvantagens do transporte maritimo
 
Aula 6 logística internacional
Aula 6   logística internacionalAula 6   logística internacional
Aula 6 logística internacional
 

Mais de ABRACOMEX

Passo a Passo para Iniciar na Exportação
Passo a Passo para Iniciar na ExportaçãoPasso a Passo para Iniciar na Exportação
Passo a Passo para Iniciar na Exportação
ABRACOMEX
 
Aula Inaugural MBA Gestão de Negócios Internacionais
Aula Inaugural MBA Gestão de Negócios InternacionaisAula Inaugural MBA Gestão de Negócios Internacionais
Aula Inaugural MBA Gestão de Negócios Internacionais
ABRACOMEX
 
Oportunidades Profissionais para Brasileiros nos Estados Unidos
Oportunidades Profissionais para Brasileiros nos Estados UnidosOportunidades Profissionais para Brasileiros nos Estados Unidos
Oportunidades Profissionais para Brasileiros nos Estados Unidos
ABRACOMEX
 
Aula Inaugural - MBA Gestão Jurídica Aduaneira
Aula Inaugural - MBA Gestão Jurídica AduaneiraAula Inaugural - MBA Gestão Jurídica Aduaneira
Aula Inaugural - MBA Gestão Jurídica Aduaneira
ABRACOMEX
 
Visto Americano Para Viagens Dicas Para Não falhar
Visto Americano Para Viagens Dicas Para Não falhar Visto Americano Para Viagens Dicas Para Não falhar
Visto Americano Para Viagens Dicas Para Não falhar
ABRACOMEX
 
Acordo MERCOSUL e União Europeia: Mais de US$ 150 bilhões em Negócios
Acordo MERCOSUL e União Europeia: Mais de US$ 150 bilhões em NegóciosAcordo MERCOSUL e União Europeia: Mais de US$ 150 bilhões em Negócios
Acordo MERCOSUL e União Europeia: Mais de US$ 150 bilhões em Negócios
ABRACOMEX
 
Como Calcular Custos na Importação
Como Calcular Custos na ImportaçãoComo Calcular Custos na Importação
Como Calcular Custos na Importação
ABRACOMEX
 
Principais Dicas para Participar de Feiras de Negócios
Principais Dicas para Participar de Feiras de NegóciosPrincipais Dicas para Participar de Feiras de Negócios
Principais Dicas para Participar de Feiras de Negócios
ABRACOMEX
 
MBA Gestão Jurídica Aduaneira e Internacional
MBA Gestão Jurídica Aduaneira e InternacionalMBA Gestão Jurídica Aduaneira e Internacional
MBA Gestão Jurídica Aduaneira e Internacional
ABRACOMEX
 
Passo a Passo para Abrir uma Empresa de Importação
Passo a Passo para Abrir uma Empresa de ImportaçãoPasso a Passo para Abrir uma Empresa de Importação
Passo a Passo para Abrir uma Empresa de Importação
ABRACOMEX
 
Dicas Valiosas para Viagens de Negócios aos EUA
Dicas Valiosas para Viagens de Negócios aos EUADicas Valiosas para Viagens de Negócios aos EUA
Dicas Valiosas para Viagens de Negócios aos EUA
ABRACOMEX
 
Como trabalhar com Drawback
Como trabalhar com DrawbackComo trabalhar com Drawback
Como trabalhar com Drawback
ABRACOMEX
 
Oportunidades e Desafios para Profissionais Brasileiros no Ambiente Global
Oportunidades e Desafios para Profissionais Brasileiros no Ambiente GlobalOportunidades e Desafios para Profissionais Brasileiros no Ambiente Global
Oportunidades e Desafios para Profissionais Brasileiros no Ambiente Global
ABRACOMEX
 
MBA Executivo em Comércio Exterior
MBA Executivo em Comércio ExteriorMBA Executivo em Comércio Exterior
MBA Executivo em Comércio Exterior
ABRACOMEX
 
MBA em Gestão de Logística Internacional
MBA em Gestão de Logística InternacionalMBA em Gestão de Logística Internacional
MBA em Gestão de Logística Internacional
ABRACOMEX
 
Webinar DUIMP - As Mudanças no Processo de Importação
Webinar DUIMP - As Mudanças no Processo de ImportaçãoWebinar DUIMP - As Mudanças no Processo de Importação
Webinar DUIMP - As Mudanças no Processo de Importação
ABRACOMEX
 
Webinar: Como Iniciar Carreira Internacional
Webinar: Como Iniciar Carreira InternacionalWebinar: Como Iniciar Carreira Internacional
Webinar: Como Iniciar Carreira Internacional
ABRACOMEX
 
Aula Online: Startup Importação - Como Elaborar um Plano de Negócios na Impor...
Aula Online: Startup Importação - Como Elaborar um Plano de Negócios na Impor...Aula Online: Startup Importação - Como Elaborar um Plano de Negócios na Impor...
Aula Online: Startup Importação - Como Elaborar um Plano de Negócios na Impor...
ABRACOMEX
 
Aula Inaugural - International Trade Management
Aula Inaugural - International Trade ManagementAula Inaugural - International Trade Management
Aula Inaugural - International Trade Management
ABRACOMEX
 
Aula Inaugural: Formação de Analista de Logística em Comércio Exterior
Aula Inaugural: Formação de Analista de Logística em Comércio Exterior Aula Inaugural: Formação de Analista de Logística em Comércio Exterior
Aula Inaugural: Formação de Analista de Logística em Comércio Exterior
ABRACOMEX
 

Mais de ABRACOMEX (20)

Passo a Passo para Iniciar na Exportação
Passo a Passo para Iniciar na ExportaçãoPasso a Passo para Iniciar na Exportação
Passo a Passo para Iniciar na Exportação
 
Aula Inaugural MBA Gestão de Negócios Internacionais
Aula Inaugural MBA Gestão de Negócios InternacionaisAula Inaugural MBA Gestão de Negócios Internacionais
Aula Inaugural MBA Gestão de Negócios Internacionais
 
Oportunidades Profissionais para Brasileiros nos Estados Unidos
Oportunidades Profissionais para Brasileiros nos Estados UnidosOportunidades Profissionais para Brasileiros nos Estados Unidos
Oportunidades Profissionais para Brasileiros nos Estados Unidos
 
Aula Inaugural - MBA Gestão Jurídica Aduaneira
Aula Inaugural - MBA Gestão Jurídica AduaneiraAula Inaugural - MBA Gestão Jurídica Aduaneira
Aula Inaugural - MBA Gestão Jurídica Aduaneira
 
Visto Americano Para Viagens Dicas Para Não falhar
Visto Americano Para Viagens Dicas Para Não falhar Visto Americano Para Viagens Dicas Para Não falhar
Visto Americano Para Viagens Dicas Para Não falhar
 
Acordo MERCOSUL e União Europeia: Mais de US$ 150 bilhões em Negócios
Acordo MERCOSUL e União Europeia: Mais de US$ 150 bilhões em NegóciosAcordo MERCOSUL e União Europeia: Mais de US$ 150 bilhões em Negócios
Acordo MERCOSUL e União Europeia: Mais de US$ 150 bilhões em Negócios
 
Como Calcular Custos na Importação
Como Calcular Custos na ImportaçãoComo Calcular Custos na Importação
Como Calcular Custos na Importação
 
Principais Dicas para Participar de Feiras de Negócios
Principais Dicas para Participar de Feiras de NegóciosPrincipais Dicas para Participar de Feiras de Negócios
Principais Dicas para Participar de Feiras de Negócios
 
MBA Gestão Jurídica Aduaneira e Internacional
MBA Gestão Jurídica Aduaneira e InternacionalMBA Gestão Jurídica Aduaneira e Internacional
MBA Gestão Jurídica Aduaneira e Internacional
 
Passo a Passo para Abrir uma Empresa de Importação
Passo a Passo para Abrir uma Empresa de ImportaçãoPasso a Passo para Abrir uma Empresa de Importação
Passo a Passo para Abrir uma Empresa de Importação
 
Dicas Valiosas para Viagens de Negócios aos EUA
Dicas Valiosas para Viagens de Negócios aos EUADicas Valiosas para Viagens de Negócios aos EUA
Dicas Valiosas para Viagens de Negócios aos EUA
 
Como trabalhar com Drawback
Como trabalhar com DrawbackComo trabalhar com Drawback
Como trabalhar com Drawback
 
Oportunidades e Desafios para Profissionais Brasileiros no Ambiente Global
Oportunidades e Desafios para Profissionais Brasileiros no Ambiente GlobalOportunidades e Desafios para Profissionais Brasileiros no Ambiente Global
Oportunidades e Desafios para Profissionais Brasileiros no Ambiente Global
 
MBA Executivo em Comércio Exterior
MBA Executivo em Comércio ExteriorMBA Executivo em Comércio Exterior
MBA Executivo em Comércio Exterior
 
MBA em Gestão de Logística Internacional
MBA em Gestão de Logística InternacionalMBA em Gestão de Logística Internacional
MBA em Gestão de Logística Internacional
 
Webinar DUIMP - As Mudanças no Processo de Importação
Webinar DUIMP - As Mudanças no Processo de ImportaçãoWebinar DUIMP - As Mudanças no Processo de Importação
Webinar DUIMP - As Mudanças no Processo de Importação
 
Webinar: Como Iniciar Carreira Internacional
Webinar: Como Iniciar Carreira InternacionalWebinar: Como Iniciar Carreira Internacional
Webinar: Como Iniciar Carreira Internacional
 
Aula Online: Startup Importação - Como Elaborar um Plano de Negócios na Impor...
Aula Online: Startup Importação - Como Elaborar um Plano de Negócios na Impor...Aula Online: Startup Importação - Como Elaborar um Plano de Negócios na Impor...
Aula Online: Startup Importação - Como Elaborar um Plano de Negócios na Impor...
 
Aula Inaugural - International Trade Management
Aula Inaugural - International Trade ManagementAula Inaugural - International Trade Management
Aula Inaugural - International Trade Management
 
Aula Inaugural: Formação de Analista de Logística em Comércio Exterior
Aula Inaugural: Formação de Analista de Logística em Comércio Exterior Aula Inaugural: Formação de Analista de Logística em Comércio Exterior
Aula Inaugural: Formação de Analista de Logística em Comércio Exterior
 

Último

A perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptx
A perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptxA perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptx
A perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptx
marcos oliveira
 
IV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptx
IV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptxIV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptx
IV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptx
Ligia Galvão
 
Acróstico - Bullying é crime!
Acróstico - Bullying é crime!Acróstico - Bullying é crime!
Acróstico - Bullying é crime!
Mary Alvarenga
 
Mini livro sanfona - Minha Escola Tem História.
Mini livro  sanfona - Minha Escola Tem História. Mini livro  sanfona - Minha Escola Tem História.
Mini livro sanfona - Minha Escola Tem História.
Mary Alvarenga
 
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UEInfografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Centro Jacques Delors
 
Licao de adultos Topico 1 CPAD edit.pptx
Licao de adultos Topico 1 CPAD edit.pptxLicao de adultos Topico 1 CPAD edit.pptx
Licao de adultos Topico 1 CPAD edit.pptx
jetroescola
 
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsxOceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Luzia Gabriele
 
farmacologia-segura-em-mapas-mentais-reduzindo-os-riscos-da-terapeutica-24040...
farmacologia-segura-em-mapas-mentais-reduzindo-os-riscos-da-terapeutica-24040...farmacologia-segura-em-mapas-mentais-reduzindo-os-riscos-da-terapeutica-24040...
farmacologia-segura-em-mapas-mentais-reduzindo-os-riscos-da-terapeutica-24040...
AngelicaCostaMeirele2
 
As Ideias Têm Consequências - Richard M. Weaver
As Ideias Têm Consequências - Richard M. WeaverAs Ideias Têm Consequências - Richard M. Weaver
As Ideias Têm Consequências - Richard M. Weaver
C4io99
 
Relatório de Atividades 2016 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2016 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2016 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2016 CENSIPAM.pdf
Falcão Brasil
 
Caderno 1 - Módulo Água JMS 2024 (1).pdf
Caderno 1 -  Módulo Água JMS 2024 (1).pdfCaderno 1 -  Módulo Água JMS 2024 (1).pdf
Caderno 1 - Módulo Água JMS 2024 (1).pdf
SupervisoEMAC
 
Relatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdf
Falcão Brasil
 
Texto e atividade - O que fazemos com a água que usamos.
Texto e atividade -  O que fazemos com a água que usamos.Texto e atividade -  O que fazemos com a água que usamos.
Texto e atividade - O que fazemos com a água que usamos.
Mary Alvarenga
 
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Centro Jacques Delors
 
Painel para comemerorar odia dos avós grátis.pdf
Painel  para comemerorar odia dos avós grátis.pdfPainel  para comemerorar odia dos avós grátis.pdf
Painel para comemerorar odia dos avós grátis.pdf
marcos oliveira
 
Atividade Dias dos Pais - Meu Pai, Razão da Minha História.
Atividade Dias dos Pais -  Meu Pai, Razão da Minha História.Atividade Dias dos Pais -  Meu Pai, Razão da Minha História.
Atividade Dias dos Pais - Meu Pai, Razão da Minha História.
Mary Alvarenga
 
Slides Lição 2, CPAD, O Livro de Rute, 3Tr24.pptx
Slides Lição 2, CPAD, O Livro de Rute, 3Tr24.pptxSlides Lição 2, CPAD, O Livro de Rute, 3Tr24.pptx
Slides Lição 2, CPAD, O Livro de Rute, 3Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdfoficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
marcos oliveira
 
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptxSlides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 

Último (20)

FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO .
FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO                .FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO                .
FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO .
 
A perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptx
A perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptxA perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptx
A perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptx
 
IV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptx
IV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptxIV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptx
IV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptx
 
Acróstico - Bullying é crime!
Acróstico - Bullying é crime!Acróstico - Bullying é crime!
Acróstico - Bullying é crime!
 
Mini livro sanfona - Minha Escola Tem História.
Mini livro  sanfona - Minha Escola Tem História. Mini livro  sanfona - Minha Escola Tem História.
Mini livro sanfona - Minha Escola Tem História.
 
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UEInfografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UE
 
Licao de adultos Topico 1 CPAD edit.pptx
Licao de adultos Topico 1 CPAD edit.pptxLicao de adultos Topico 1 CPAD edit.pptx
Licao de adultos Topico 1 CPAD edit.pptx
 
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsxOceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
 
farmacologia-segura-em-mapas-mentais-reduzindo-os-riscos-da-terapeutica-24040...
farmacologia-segura-em-mapas-mentais-reduzindo-os-riscos-da-terapeutica-24040...farmacologia-segura-em-mapas-mentais-reduzindo-os-riscos-da-terapeutica-24040...
farmacologia-segura-em-mapas-mentais-reduzindo-os-riscos-da-terapeutica-24040...
 
As Ideias Têm Consequências - Richard M. Weaver
As Ideias Têm Consequências - Richard M. WeaverAs Ideias Têm Consequências - Richard M. Weaver
As Ideias Têm Consequências - Richard M. Weaver
 
Relatório de Atividades 2016 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2016 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2016 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2016 CENSIPAM.pdf
 
Caderno 1 - Módulo Água JMS 2024 (1).pdf
Caderno 1 -  Módulo Água JMS 2024 (1).pdfCaderno 1 -  Módulo Água JMS 2024 (1).pdf
Caderno 1 - Módulo Água JMS 2024 (1).pdf
 
Relatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdf
 
Texto e atividade - O que fazemos com a água que usamos.
Texto e atividade -  O que fazemos com a água que usamos.Texto e atividade -  O que fazemos com a água que usamos.
Texto e atividade - O que fazemos com a água que usamos.
 
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
 
Painel para comemerorar odia dos avós grátis.pdf
Painel  para comemerorar odia dos avós grátis.pdfPainel  para comemerorar odia dos avós grátis.pdf
Painel para comemerorar odia dos avós grátis.pdf
 
Atividade Dias dos Pais - Meu Pai, Razão da Minha História.
Atividade Dias dos Pais -  Meu Pai, Razão da Minha História.Atividade Dias dos Pais -  Meu Pai, Razão da Minha História.
Atividade Dias dos Pais - Meu Pai, Razão da Minha História.
 
Slides Lição 2, CPAD, O Livro de Rute, 3Tr24.pptx
Slides Lição 2, CPAD, O Livro de Rute, 3Tr24.pptxSlides Lição 2, CPAD, O Livro de Rute, 3Tr24.pptx
Slides Lição 2, CPAD, O Livro de Rute, 3Tr24.pptx
 
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdfoficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
 
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptxSlides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
 

Conceitos e oportunidade no Transporte Marítimo Internacional

  • 1. Apresentação do Palestrante Antonio Rogério G. Costa Professor em cursos direcionados a formação em comércio exterior, logística e Seguros de Transportes. Bacharel em Ciências Náuticas, Pós em Comércio Exterior e Logística Empresarial. Sócio – Diretor de empresas de Logística Internacional, e atualmente Desenvolvendo Consultoria, Gestão, Planejamento Empresarial e internacionalização de empresas, dentre outros projetos.
  • 3. Conceitos e Oportunidades no Transporte Marítimo Internacional (Shipping). “A logística vista do mar”.
  • 4. O objetivo desta palestra é fazer emergir, aspectos os quais fazem parte do universo do dia-a-dia daqueles que vierem a exercer a atividade <SHIPPING>. “A logística vista do mar”. Desde já, deixo aqui o convite aos amigos(as) para que dialoguem comigo, via portal ABRACOMEX.
  • 5. SHIPPING Shipping: The business of transporting freight, especially by ship .
  • 6. Shipping agent: a person or company whose business is to prepare shipping documents, arrange shipping space and insurance, and deal with customs requirements. SHIPPING
  • 7. S H I P P I N G A S P E C T S • Conceitos gerais • Transporte Marítimo • Container • Armador • Tipos de carga/mercadorias transportadas • Terminais marítimos • Principais, TRADES, em operação pelos armadores. • GEARLESS x SELFSUSTAINED • HUB PORT • FCL/LCL • BOX RATE • DEPARTAMENTOS E FUNÇÕES
  • 8. I N T R O D U Ç Ã O A O S H I P P I N G • Transporte Marítimo O transporte marítimo define-se como sendo o transporte aquático que utiliza como vias de passagem os mares abertos, para o transporte de mercadorias e de passageiros. Mercadorias transportadas: todo o tipo de carga, desde químicos, combustíveis, alimentos, minérios a automóveis etc. (da Flor ao Trator ;) Carga geral: é a carga transportada em embalagens, sejam elas quais forem. e.g caixas, paletts, barris, contentores etc.
  • 9. I N T R O D U Ç Ã O A O S H I P P I N G Container Container, invenção que norteou o transporte marítimo, produzindo mudanças operacionais, documentais e, obrigando a padronização de equipamentos de movimentação de embarque e descarga, navios, caminhões, logística de pátio etc. O contêiner (português brasileiro) ou contentor (português europeu) (em inglês container) é na prática um equipamento utilizado para transportar carga. Curiosidade : feito de aço CORTEN (COR-TEN), por quê? . Devido à sua composição química, o AÇO CORTEN aumenta a resistência à corrosão atmosférica. O AÇO CORTEN forma uma camada protetora em sua superfície sob a influência do tempo, chamada pátina, que retarda o efeito da corrosão. A camada de proteção da superfície desenvolve e regenera –se continuamente quando sujeito à influência do tempo. Por conseguinte, o aço é permitido à ferrugem, a fim de formar o revestimento de proteção.
  • 10. M Ó D U L O I – I N T R O D U Ç Ã O A O S H I P P I N G História do container Durante séculos de comércio internacional, os seus precursores, chineses, árabes e europeus, não haviam conseguido criar uma forma não só de evitar as enormes perdas no transporte com as quebras, deteriorações e desvios de mercadorias, como também de agilizar e reduzir o custo das operações de carga e descarga. Em 1937, o americano Malcom Mc Lean, ao observar o lento embarque de fardos de algodão no porto de Nova Iorque, teve a ideia de armazená-los e transportá-los em grandes caixas de aço que pudessem, elas próprias, serem embarcadas nos navios. Com o tempo, Mc Lean aprimorou métodos de trabalho e expansão de sua companhia, a Sea-Land, posteriormente Maersk-Sealand,
  • 11. M Ó D U L O I – I N T R O D U Ç Ã O A O S H I P P I N G História do container Em 1966 1º navio porta-contentores chega ao porto de Rotterdam - já o maior porto do mundo - o cargueiro adaptado "SS Fairland" da Sea Land, que ali descarregou 50 unidades. Como não havia equipamento apropriado, o desembarque foi feito com o próprio guindaste do navio, outra criação de Mc Lean. Naquela época, nove mil estivadores trabalhavam no grande porto holandês, vinculando a 25 empresas de serviço. Logo depois, em 1967, cinco das empresas estivadoras que operavam no porto de Rotterdam criaram a ECT, com apenas 208 empregados para atender ao crescente movimento de contêineres.
  • 12. M Ó D U L O I – I N T R O D U Ç Ã O A O S H I P P I N G • ASPECTOS GERAIS Um contêiner é um recipiente /embalagem, destinado ao acondicionamento e transporte de carga em navios, trens etc. É também conhecido como cofre de carga, pois é dotado de dispositivos de segurança previstos por legislações nacionais e por convenções internacionais. Tem como característica principal constituir hoje em dia uma unidade de carga independente, com dimensões padrão em medidas inglesas (pés). A unidade base, geralmente, considerada é o TEU (em inglês: twenty feet equivalent unit). Sendo 1 FEU (forty feet equivalent unit ) = 2 TEU’S Navios e Terminais portuários seguiram o padrão adotado, internacionalmente, no que diz respeito as dimensões dos containers. Bem como adotaram para efeito de quantificação, ou seja, para efeito de SKU (Stock Unit ), a unidade TEU em detrimento ao FEU.
  • 13. M Ó D U L O I – I N T R O D U Ç Ã O A O S H I P P I N G Tipos e Características
  • 14. M Ó D U L O I – I N T R O D U Ç Ã O A O S H I P P I N G PADRONIZAÇÃO A padronização dos contêineres foi instituída pela ISO (International Organization for Standardization), e pela ASA (American Standard Association). Com o tempo, a maioria dos países acabou adotando como padrão as especificações e dimensões propostas pela ISO, o que veio facilitar, inclusive, a construção de navios, trens e caminhões para o seu transporte, bem como guindastes e equipamentos apropriados para seu embarque, desembarque e movimentação. A Organização Internacional para Padronização (em inglês: International Organization for Standardization), popularmente conhecida como ISO1 é uma entidade que congrega os grémios de padronização/normalização de 170 países. Fundada em 23/02/1947, em Genebra/Suíça. ++++ Embora popularmente se acredite que a expressão "ISO" é um acrónimo de "International Standards Organization", na realidade o nome que originou-se da palavra grega "ἴσος" ("isos"), que significa igualdade. Evitam-se com isso que a organização possua diferentes acrônimos em diferentes idiomas
  • 16. I N T R O D U Ç Ã O A O S H I P P I N G Conceitos gerais • Navios PORTA CONTAINERS, são projetados com base em “TEU’S”. • Terminais calculam suas movimentações em TEUS e assim por diante.
  • 17. S H I P P I N G Ferramentas de controle Existem softwares especializados para o carregamento de contentores, divulgando informação sobre como e de que forma dispor a carga dentro dos contentores, otimizando espaço e cumprindo regras de transporte, por exemplo cargas leves em cima de cargas pesadas. Softwares para gestão de retro área, pre-stacking, planos de cargo (estivagem de containers).
  • 18. S H I P P I N G O Plano de Carga dos Navios Porta Contêineres é elaborado para Facilitar as operações de carregamento e descarregamento destes Navios, além de garantir a estabilidade e distribuição de esforços estruturais do navio.
  • 19. M Ó D U L O I – I N T R O D U Ç Ã O A O S H I P P I N G • Terminais marítimos • Porto: este termo é usado tanto para a área do porto onde os navios são ancorados e para a agência (autoridade portuária), que administra o uso de cais públicos e as propriedades da porta. • Berço (Berth): é o termo usado em portos e portos para um local designado onde os navios podem ser atracados, geralmente para fins de carga e descarga. Berços são designadas pela gestão de uma instalação (por exemplo, a autoridade portuária, capitão do porto). As embarcações são atribuídas a berços por essas autoridades.
  • 20. M Ó D U L O I – I N T R O D U Ç Ã O A O S H I P P I N G • Terminais de Container Terminal especializado, onde navios porta-contentores podem atracar e embarcar e descarregar contêineres. São dotados de equipamentos de terra denominados de PORTAINER, cuja capacidade de elevação é de 35 a 40 toneladas e cujas lanças alcançam 120 pés ou mais, a fim de atingir e operar toda a extensão da boca do navio, operando toda a BAY e as células do navio (Navios Porta contêineres) possuem células guia. Estes guindastes operam sobre trilhos, o que lhes permite atravessar ao longo do terminal (longitudinalmente e paralelo ao navio, trabalhando de Proa a Popa, várias BAYS do navio), podendo haver a utilização de vários PORTAINERS operando simultaneamente o mesmo navio. A maioria dos terminais têm áreas de armazenamento de acesso ferroviário e contêineres diretos, e são servidos por transportadoras rodoviárias.
  • 21. M Ó D U L O I – I N T R O D U Ç Ã O A O S H I P P I N G Portainer – Operação de embarque /descarga
  • 22. M Ó D U L O I – I N T R O D U Ç Ã O A O S H I P P I N G Rotterdam Port
  • 23. M Ó D U L O I – I N T R O D U Ç Ã O A O S H I P P I N G
  • 24. M Ó D U L O I – I N T R O D U Ç Ã O A O S H I P P I N G HUB PORT HUB PORT, consiste em um porto concentrador de cargas e de linhas de navegação. O termo decorre das estratégias de aumentar o tamanho dos navios, concentrar rotas e reduzir o número de escalas adotadas pelas principais companhias marítimas, notadamente a partir dos anos noventa. A ideia é fazer com grandes navios cumpram a rota de longo curso, descarregando as unidades de contêineres em portos HUB e, então, a partir daí, navios menores denominados de FEEDER, alimentam os portos próximos, de menor calado, fluviais etc.
  • 25. M Ó D U L O I – I N T R O D U Ç Ã O A O S H I P P I N G Portainer – Operação de embarque – Feeder Vessel
  • 26. M Ó D U L O I – I N T R O D U Ç Ã O A O S H I P P I N G Armador Armador, em marinha mercante, é o nome que se dá à empresa que, por sua própria conta e risco, promove a equipagem e a exploração de navio comercial, independente de ser ou não proprietário da embarcação. Sua renda provém normalmente da cobrança de frete para o transporte de cargas entre dois portos, ou na locação da embarcação a uma taxa diária. Em relação à propriedade da embarcação, para o direito comercial, o armador pode ser: Armador-gerente-proprietário: aquele que opera navios que pertencem a vários proprietários e/ou a armação, operando em nome destes. Armador-locatário: quando opera embarcação de propriedade alheia. Armador-proprietário: quando os navios pertencem ao próprio armador.
  • 27. M Ó D U L O I – I N T R O D U Ç Ã O A O S H I P P I N G •  Alguns conhecimentos gerais sobre navios, com aplicação prática: • SHAFT GENERATOR • MCA x MCP • AUTONOMIA DE UM NAVIO  Tipos de navios • F/C = FULL CONTAINER = PORTA CONTAINER • RO-RO = ROLL ON ROLL OFF • PCC = PURE CAR CARRIER • ORE-OIL • BULK = GRANELEIRO • HEAVY LIFT = CARGAS DE PROJETOS / SUPERPESADAS • OUTROS
  • 28. M Ó D U L O I – I N T R O D U Ç Ã O A O S H I P P I N G • F/C [ FULL CONTAINER ] PORTA CONTAINER MARSK CLASSE TRIPLE E – O MAIOR F/C JÁ LANÇADO AO MAR
  • 29. M Ó D U L O I – I N T R O D U Ç Ã O A O S H I P P I N G • F/C [ FULL CONTAINER ] PORTA CONTAINER VESSELS PARTICULARS [CARACTERÍSTICAS PRINCIPAIS] • Capacidade: 18.270 TEUs (contêineres de 20 PÉS) • Comprimento: 399 metros • Calado de Projeto: 14,5 metros • Boca: 59 metros • Altura: 73 metros • Velocidade: 19 nós ( Aprox. 35 km/h) • Velocidade máxima: 25 nós (Aprox. 46 km/h) • Porte bruto: 165.000 toneladas métricas • Motores: MAN motores 8S80ME-C9.2, 8 cilindros, 800 milímetros furo, 3.450 milímetros de curso, avaliado em 29,7 MW @ 73 rpm cada, com um consumo de combustível de 168 g / kWh (21,2 mil litros por dia) • Hélices: hélices gêmeas, com 4 lâminas, de 9,8 m de diâmetro
  • 30. M Ó D U L O I – I N T R O D U Ç Ã O A O S H I P P I N G Tipos de navios
  • 31. M Ó D U L O I – I N T R O D U Ç Ã O A O S H I P P I N G Tipos de navios
  • 32. M Ó D U L O I – I N T R O D U Ç Ã O A O S H I P P I N G Tipos de navios
  • 33. M Ó D U L O I – I N T R O D U Ç Ã O A O S H I P P I N G • Equipamentos utilizáveis a bordo e em terra. – TUG MASTER – MAFI – PORTAINER – REACH STACKER – TRANSTAINER – Ship loader – ETC.
  • 34. M Ó D U L O I – I N T R O D U Ç Ã O A O S H I P P I N G • Operação portuária: Tipos de portos e terminais – Ferramentas de controle em gestão portuária; – Negociação entre armadores e terminais – Departamentos de importação, exportação, pátio, comercial, etc. – Logística de patio [Retro area (Pre – stacking)/(Stacking for loading)]
  • 35. M Ó D U L O I I – A S P E C T O S C O M E R C I A I S P E R T I N E N T E S A O S H I P P I N G • Navegação – [Principais portos no GLOBO, PECULIARIDADES e a razão de sua importância para o MUNDO]. – Canais Kiel, panamá, Suez – Comportas países baixos
  • 36. M Ó D U L O I I – A S P E C T O S C O M E R C I A I S P E R T I N E N T E S A O S H I P P I N G • Navegação – Curiosidades: [ORTODROMIA x LOXODROMIA / CANAIS DE NAVEGAÇÃO / RIPEAM (SOLAS)], CALADO x PROFUNDIDADE x DRAGAGEM.
  • 37. M O D U L O I I I – C H A R T E R I N G E S E G U R O A P L I C A D O S À N A V E G A Ç Ã O – Leasing de navios – Leasing de containers – Interface com terminais e seus contratos por Box – Nr de B/L x Nr de booking (finalidade) – DEPOT de VAZIOS – Documentos : B/L; invoice; termos de demurrage ; cláusulas de b/l
  • 38. A S P E C T O S C O N T E M P L A D O S N O M O D U L O I I I – C H A R T E R I N G E S E G U R O A P L I C A D O S À N A V E G A Ç Ã O • DIREITO INTERNACIONAL x SEGURO INTERNACIONAL – CASCO – SEGURO P&I – SEGURO RC -Transportador – SEGURO DE CARGA – AVARIA GROSSA OU COMUM x AVARIA SIMPLES OU PARTICULAR – Varação x Encalhe simples; Arribada forçada , etc.
  • 39. A S P E C T O S C O N T E M P L A D O S N O M O D U L O I I I – C H A R T E R I N G E S E G U R O A P L I C A D O S À N A V E G A Ç Ã O Segmentos de empresas demandantes de mão de obra especializada em Shipping. • Armadores • Agências de Navegação • Terminais • Estaleiros - [dependendo da formação de base] • Seguradoras – (dependendo da formação de base]
  • 40. Obrigado pela participação! Contatos: www.abracomex.org | atendimento@abracomex.org http://twitter.com/abracomex | Skype: abracomex Portal de ensino: http://www.abracomexonline.org/ Telefones: 4062-0660 Ramal:0405 / (11) 2171-1528 / (27) 3026-7785.