SlideShare uma empresa Scribd logo
1.Introdução
1.1.Objectivos
1.1.1.Geral
1.1.2.Específicos
1.2.Importância do tema
2.3.Delimitacão do tema
2.4. Metodologia
3.Conceito de Imposto sobre Valor Acrescentado (IVA)
Segundo Waty (2007:148) o imposto é um conceito mais restrito pois, pode-se definir
imposto como sendo uma prestação coactiva, patrimonial, positiva, definitiva, sem caracter
sanção, estabelecida por Lei a favor de uma entidade publica ou com funções publicas para a
satisfação de necessidades publicas e redistribuição de riqueza, independente de qualquer
vinculo anterior.
Segundo (Baptista & Alves), o IVA é um imposto geral que, incide sobre a generalidade das
despesas de consumo. E também é um imposto plurifásico, já que é liquidado em todas as
fases do circuito económico e é não cumultativo, na medida em que se permite a dedução do
imposto suportado na aquisição dos bens e serviços indispensáveis à realização da venda.
Resume-se á entrega ao Estado do seu valor através do circuito económico em que intervêm
empresas e o consumidor final, que, em última análise, é o agente económico que suporta
todo o seu valor. Valor este, que é obtido a partir de uma taxa do imposto, fixada no CIVA1,
aprovado pela lei nº 32/2007, de 31 de Dezembro, de 17%.
4.Mecanismo de funcionamento do IVA
Todos os produtos ou serviços estão, em regra, sujeito ao IVA. O IVA é pago sempre que um
produto é vendido ou um serviço é prestado.
Exemplos:
Quando um produto sai da fábrica para o distribuidor;
Quando este o vende ao armazenista;
Quando este o vende ao comerciante;
Quando este o vende ao consumidor final.
Todos os intervenientes neste processo são sujeito passivos de IVA, excepto o consumidor
final que suporta e paga o IVA, ou seja, para este, o IVA é mais um custo que está incluído
no preço pago ao comerciante.
Cada agente económico que que transacciona bens ou serviços tem de liquidar IVA.
IVA sobre o preço de venda dos bens ou dos serviços = IVA
liquidado
Por outro lado, cada agente económico que transacciona bens ou serviços tem direito
a deduzir o IVA suportado nas aquisições de bens e serviços para o seu negócio.
Cada agente económico entrega ao Estado a diferença entre o IVA liquidado e o IVA
dedutível.
É de salientar que o IVA apuramento ou entregue ao estado é assim, calculado em função das
compras, e demais aquisições, das vendas e prestações de serviços. Somente nas condições
descritas abaixo é que se pode concluir se a Empresa deve pagar o IVA ao Estado e vice-
versa.
Esquema resumido do funcionamento do IVA
Factura 1200M Factura 3.600
IVA Liquidado por A- 200Mt IVA Liquidado por B- 600Mt
IVA Dedutível IVA Liquidado IVA Dedutível IVA Liquidado
200 0 200 600
Entrega ao Estado a diferença Entrega ao Estado a diferença
200 – 0 = 200 600 – 200 = 400

Valor liquidado> Valor dedutível – IVA a pagar ao Estado
Valor dedutível> Valor liquidado – IVA a receber do Estado
Valor dedutível = Valor liquidado – A empresa não paga nem recebe do Estado
IVA suportado nas aquisições = IVA dedutível
IVA entregue ao Estado = IVA liquidado – IVA dedutível
Empresa A Empresa B Consumidor
Quem suporta o IVA?
No esquema anterior, é o consumidor que suporta o IVA (600MT);
Não há, para as empresas A e B, ganhos/perdas directamente relacionados com o
IVA: apenas fenómenos patrimoniais qualitativos;
No caso das empresas A e B:
-Em A: o IVA liquidado a B é reembolsado ao estado (ou seja, torna-se uma
obrigação perante o Estado);
-Em B: o IVA pago a A torna-se um direito perante o Estado (IVA dedutível);
-O Iva liquidado aos clientes é obrigação perante ao Estado;
-A empresa B devera entregar ao Estado a diferença entre o IVA liquidado e o IVA
dedutível (no exemplo: 400).
Segundo Borges et all (2010:425), conclui-se então que o IVA é apurado de forma indirecta
através de um método a que se costuma chamar:
Método directo subtractivo ou método da dedução base de base ou ainda método
contabilístico: o imposto é calculado pela aplicação das respectivas taxas ao valor
acrescentado (outputs-inputs), em cada fase do circuito económico. As dificuldades de
obtenção deste método estão directamente relacionadas com a possibilidade da
existência de mais de uma taxa de imposto, tornando-se praticamente inaplicável no
caso de os inputs estarem sujeitos a taxas diferentes dos outputs. Em suma porque esta
ópera por subtracção do IVA pago nas facturas de compra ao IVA recebido nas
vendas.
Método indirecto subtractivo ou método da dedução imposto de imposto ou
método de crédito do imposto ou ainda método das facturas: neste caso é
calculado pela aplicação das respectivas taxas ao valor acumulado em cada fase
(produto das vendas e serviços prestados pela empresa), subtraindo o montante do
imposto suportado na fase imediatamente anterior (compras de bens e serviços pela
empresa). Este método caracteriza-se pela sua simplicidade e pela possibilidade dos
agentes económicos disporem dados objectivos (facturas ou documentos equivalentes)
que lhes permitam um correcto apuramento do imposto a entregar no cofre do Estado.
5.Características do Imposto sobre o Valor Acrescentado
O IVA visa tributar todo o consumo em bens matérias e serviços, abrangendo todas fases do
circuito económico, desde a produção ao retalho, sendo porém a base tributável li mitada ao
valor acrescentado em cada fase. O mesmo quando é aplicado de modo geral e uniforme em
todo o circuito económico, corresponde a uma tributação, por taxa idêntica, efectuada de uma
só vez, na fase retalhista. O IVA é um imposto que se classifica no âmbito dos impostos
indirectos.
Características do IVA:
Imposto Indirecto: Atende à despesa efectuada e não ao rendimento.
Imposto Plurifásico: Recai sobre o valor acrescentado das sucessivas fases do
circuito económico, desde a produção ao retalho.
Imposto Neutro: É liquidado pelos vários operadores económicos nas várias fases do
circuito económico, mas só é efectivamente suportado pelo consumidor final.
Segundo Waty (2007:203), sendo o imposto neutro, o IVA não distorce o valor das
mercadorias em função da extensão ou compressão da cadeia de operadores económicos, não
intervindo na decisão da organização das unidades produtivas.
6.Incidência do Imposto sobre o Valor Acrescentado
Segundo Nabais (2009:269), O IVA incide sobre todas as transmissões de bens e prestações
de serviços que tenham lugar num determinado pais sobre as transmissões de bens e sobre as
operações intracomunitárias. Realizadas em território nacional.
Transmissões de bens
Prestação de serviços
Importação de bens
Operações intracomunitárias
Efectuadas em território nacional
Incidência
6.2.Incidência subjectiva ou Pessoal
São os sujeitos passivos do IVA as pessoas, singulares ou colectivas que:
Realizem uma só operação que esteja sujeita a IRS2 ou IRC3;
Exerçam de modo independente e com caracter de habitualidade actividades de
produção, comércio ou prestação de serviços
Procedam aa importação de bens;
Efectuem operações intracomunitárias.
O Estado e as demais pessoas colectivas de direito são sujeitos passivos do imposto quando
exerçam algumas das seguintes actividades e pelas operações tributárias delas decorrentes,
salvo quando se verifique que as exercem de forma não significativa:
Telecomunicações:
Distribuição de água, gás e electricidade;
Transporte de bens;
Prestação de serviços portuários;
Transporte de pessoas;
Transmissão de bens novos cuja produção se destina a venda;
Operações de organismos agrícolas;
Exploração de feiras e de exposições de carácter comercial;
Armazenagem:
Cantinas;
Radiodifusão e radiotelevisão
6.2.Incidência Real
Esta incidência traduz –se nos factos sujeitos a imposto:
Transmissão de bens ou de uma prestação de serviços;
As importações de bens;
As aquisições intracomunitárias de bens.
Neste tipo de incidência existem algumas operações que não podem considerar-se
transmissões mas são assimiladas porque provocam resultados equivalentes:
Leasing com posterior opção de compra;
Transmissão de bens entre comitente e comissario;
Contrato de venda com reserva de propriedade;
Transmissão de mercadorias aa consignação.
Exemplo:
Ofertas de existências e entrega de amostras a clientes;
Numa empresa que comercializa televisores, o sócio-gerente retira um televisor para o
uso pessoal. Estas afectações, como são consideradas transmissões, são tributáveis.
6.3Regras de territorialidade
Segundo Nabais (2009:271), o IVA é um imposto que é aplicável às transacções ocorridas em
cada um dos estados-membros. Para efeitos das disposições relativas ao IVA, a tabela abaixo
ilustra como estas transacções são aplicadas.
País terceiro País não pertencente á comunidade
Moçambicana (CM)
Território terceiro Alguns territórios dos Estados membros que
serão tratados como países terceiros
Transporte intracomunitário de bens Transporte de bens cujos lugares de partida e
de chegada se situam no território de Estados
membros diferentes
Lugar de partida Lugar onde se inicia efectivamente o
transporte
Lugar de chegada Lugar onde termina efectivamente o
transporte dos bens
Importação Entrada em território nacional de bens
originários ou procedentes de países terceiros
,Operações intracomunitárias Aquisições e transmissões de bens entre
sujeitos passivos sedeados em países da CM
Isencoes do IVA
Estão isentos do IVA, entre outros, os seguintes produtos e serviços :
Servicos bancários, em geral, incluindo:
-comcessao de credito;
-Prestacao de fianças, avales, causoes, e outras garantias;
-Contas-correntes, pagamentos,

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

UFCD -6222 -Introdução ao Código de Contas.pptx
UFCD -6222 -Introdução ao Código de Contas.pptxUFCD -6222 -Introdução ao Código de Contas.pptx
UFCD -6222 -Introdução ao Código de Contas.pptx
Nome Sobrenome
 
IVA e a CPLP
IVA e a CPLPIVA e a CPLP
IVA e a CPLP
Altair Marta
 
1000 exercicios resolvidos contabilidade
1000 exercicios resolvidos contabilidade1000 exercicios resolvidos contabilidade
1000 exercicios resolvidos contabilidade
razonetecontabil
 
Noções de fiscalidade
Noções de fiscalidadeNoções de fiscalidade
Noções de fiscalidade
Cristiano Ribeiro
 
Custos básicos
Custos básicosCustos básicos
Custos básicos
Universidade Pedagogica
 
Despesas e receitas públicas
Despesas e receitas públicasDespesas e receitas públicas
Despesas e receitas públicas
rene-de-jesus
 
Acréscimos e Diferimentos
Acréscimos e DiferimentosAcréscimos e Diferimentos
Acréscimos e Diferimentos
Luís Bastos
 
Macroeconomia resumo
Macroeconomia resumoMacroeconomia resumo
Manual
ManualManual
3. cpc 26 r1 apresentação das demonstrações contábeis
3. cpc 26 r1 apresentação das demonstrações contábeis3. cpc 26 r1 apresentação das demonstrações contábeis
3. cpc 26 r1 apresentação das demonstrações contábeis
Profacp
 
SNC Investimentos Ativos Fixos Tangíveis
SNC Investimentos Ativos Fixos TangíveisSNC Investimentos Ativos Fixos Tangíveis
SNC Investimentos Ativos Fixos Tangíveis
Rui Filipe Garcia
 
388886088-227459905-0580-Calculo-Financeiro-e-Actuarial-2-pdf.pdf
388886088-227459905-0580-Calculo-Financeiro-e-Actuarial-2-pdf.pdf388886088-227459905-0580-Calculo-Financeiro-e-Actuarial-2-pdf.pdf
388886088-227459905-0580-Calculo-Financeiro-e-Actuarial-2-pdf.pdf
Nelson Namm
 
Sistemas de custeio nas empresas.Pdf
Sistemas de custeio nas empresas.Pdf Sistemas de custeio nas empresas.Pdf
Sistemas de custeio nas empresas.Pdf
RichardSariaZacarias
 
Sebenta contabilidade analitica i 2014 2015 (1)
Sebenta contabilidade analitica i  2014 2015 (1)Sebenta contabilidade analitica i  2014 2015 (1)
Sebenta contabilidade analitica i 2014 2015 (1)
Brígida Oliveira
 
Organização formal do SNC .pdf
Organização formal do SNC .pdfOrganização formal do SNC .pdf
Organização formal do SNC .pdf
Amélia Martins
 
IRPS
IRPSIRPS
Resumo+de+macroeconomia
Resumo+de+macroeconomiaResumo+de+macroeconomia
Resumo+de+macroeconomia
bergerbird
 
Demonstração Do Resultado Do Exercício V 6
Demonstração Do Resultado Do Exercício V 6Demonstração Do Resultado Do Exercício V 6
Demonstração Do Resultado Do Exercício V 6
ctccecbg
 
impostos aplicados em portugal continental
impostos aplicados em portugal continentalimpostos aplicados em portugal continental
impostos aplicados em portugal continental
Thepatriciamartins12
 
Nota Fiscal Eletrônica
Nota Fiscal EletrônicaNota Fiscal Eletrônica
Nota Fiscal Eletrônica
Luiz Bettega
 

Mais procurados (20)

UFCD -6222 -Introdução ao Código de Contas.pptx
UFCD -6222 -Introdução ao Código de Contas.pptxUFCD -6222 -Introdução ao Código de Contas.pptx
UFCD -6222 -Introdução ao Código de Contas.pptx
 
IVA e a CPLP
IVA e a CPLPIVA e a CPLP
IVA e a CPLP
 
1000 exercicios resolvidos contabilidade
1000 exercicios resolvidos contabilidade1000 exercicios resolvidos contabilidade
1000 exercicios resolvidos contabilidade
 
Noções de fiscalidade
Noções de fiscalidadeNoções de fiscalidade
Noções de fiscalidade
 
Custos básicos
Custos básicosCustos básicos
Custos básicos
 
Despesas e receitas públicas
Despesas e receitas públicasDespesas e receitas públicas
Despesas e receitas públicas
 
Acréscimos e Diferimentos
Acréscimos e DiferimentosAcréscimos e Diferimentos
Acréscimos e Diferimentos
 
Macroeconomia resumo
Macroeconomia resumoMacroeconomia resumo
Macroeconomia resumo
 
Manual
ManualManual
Manual
 
3. cpc 26 r1 apresentação das demonstrações contábeis
3. cpc 26 r1 apresentação das demonstrações contábeis3. cpc 26 r1 apresentação das demonstrações contábeis
3. cpc 26 r1 apresentação das demonstrações contábeis
 
SNC Investimentos Ativos Fixos Tangíveis
SNC Investimentos Ativos Fixos TangíveisSNC Investimentos Ativos Fixos Tangíveis
SNC Investimentos Ativos Fixos Tangíveis
 
388886088-227459905-0580-Calculo-Financeiro-e-Actuarial-2-pdf.pdf
388886088-227459905-0580-Calculo-Financeiro-e-Actuarial-2-pdf.pdf388886088-227459905-0580-Calculo-Financeiro-e-Actuarial-2-pdf.pdf
388886088-227459905-0580-Calculo-Financeiro-e-Actuarial-2-pdf.pdf
 
Sistemas de custeio nas empresas.Pdf
Sistemas de custeio nas empresas.Pdf Sistemas de custeio nas empresas.Pdf
Sistemas de custeio nas empresas.Pdf
 
Sebenta contabilidade analitica i 2014 2015 (1)
Sebenta contabilidade analitica i  2014 2015 (1)Sebenta contabilidade analitica i  2014 2015 (1)
Sebenta contabilidade analitica i 2014 2015 (1)
 
Organização formal do SNC .pdf
Organização formal do SNC .pdfOrganização formal do SNC .pdf
Organização formal do SNC .pdf
 
IRPS
IRPSIRPS
IRPS
 
Resumo+de+macroeconomia
Resumo+de+macroeconomiaResumo+de+macroeconomia
Resumo+de+macroeconomia
 
Demonstração Do Resultado Do Exercício V 6
Demonstração Do Resultado Do Exercício V 6Demonstração Do Resultado Do Exercício V 6
Demonstração Do Resultado Do Exercício V 6
 
impostos aplicados em portugal continental
impostos aplicados em portugal continentalimpostos aplicados em portugal continental
impostos aplicados em portugal continental
 
Nota Fiscal Eletrônica
Nota Fiscal EletrônicaNota Fiscal Eletrônica
Nota Fiscal Eletrônica
 

Destaque

Apresentação direito fiscal
Apresentação direito fiscalApresentação direito fiscal
Apresentação direito fiscal
Maria José Alcobia
 
Impostos
ImpostosImpostos
Impostos
paulosacosta
 
IVA
IVAIVA
IVA por Maria Luisa Tipan
IVA  por Maria Luisa TipanIVA  por Maria Luisa Tipan
IVA por Maria Luisa Tipan
marialuisatipan.uce
 
Apresentação capítulo 7 bid v4
Apresentação capítulo 7 bid v4Apresentação capítulo 7 bid v4
Apresentação capítulo 7 bid v4
Jorge Silva
 
Plano Miguel Abuhab - Simplificando o Sistema Tributário no Brasil
Plano Miguel Abuhab - Simplificando o Sistema Tributário no BrasilPlano Miguel Abuhab - Simplificando o Sistema Tributário no Brasil
Plano Miguel Abuhab - Simplificando o Sistema Tributário no Brasil
Miguel Abuhab
 
1253293281 snc implicacoes_contabilisticas
1253293281 snc implicacoes_contabilisticas1253293281 snc implicacoes_contabilisticas
1253293281 snc implicacoes_contabilisticas
Márcia Carvalho
 
Tarefa final individual hosana fritschy
Tarefa final individual hosana fritschyTarefa final individual hosana fritschy
Tarefa final individual hosana fritschy
HosanaFritschy
 
Receita publica (Gustavo)
Receita publica (Gustavo)Receita publica (Gustavo)
Receita publica (Gustavo)
refugiodosanjos
 
O estado (operações contabilísticas no apuramento do iva)
O estado (operações contabilísticas no apuramento do iva)O estado (operações contabilísticas no apuramento do iva)
O estado (operações contabilísticas no apuramento do iva)
Universidade Pedagogica
 
Contabilidade e Fiscalidade - Módulo 5 - Impostos Indiretos
Contabilidade e Fiscalidade - Módulo 5 - Impostos IndiretosContabilidade e Fiscalidade - Módulo 5 - Impostos Indiretos
Contabilidade e Fiscalidade - Módulo 5 - Impostos Indiretos
escolaprofissionalsm
 
Sistema fiscal em mocambique
Sistema fiscal em mocambiqueSistema fiscal em mocambique
Sistema fiscal em mocambique
Universidade Pedagogica
 

Destaque (12)

Apresentação direito fiscal
Apresentação direito fiscalApresentação direito fiscal
Apresentação direito fiscal
 
Impostos
ImpostosImpostos
Impostos
 
IVA
IVAIVA
IVA
 
IVA por Maria Luisa Tipan
IVA  por Maria Luisa TipanIVA  por Maria Luisa Tipan
IVA por Maria Luisa Tipan
 
Apresentação capítulo 7 bid v4
Apresentação capítulo 7 bid v4Apresentação capítulo 7 bid v4
Apresentação capítulo 7 bid v4
 
Plano Miguel Abuhab - Simplificando o Sistema Tributário no Brasil
Plano Miguel Abuhab - Simplificando o Sistema Tributário no BrasilPlano Miguel Abuhab - Simplificando o Sistema Tributário no Brasil
Plano Miguel Abuhab - Simplificando o Sistema Tributário no Brasil
 
1253293281 snc implicacoes_contabilisticas
1253293281 snc implicacoes_contabilisticas1253293281 snc implicacoes_contabilisticas
1253293281 snc implicacoes_contabilisticas
 
Tarefa final individual hosana fritschy
Tarefa final individual hosana fritschyTarefa final individual hosana fritschy
Tarefa final individual hosana fritschy
 
Receita publica (Gustavo)
Receita publica (Gustavo)Receita publica (Gustavo)
Receita publica (Gustavo)
 
O estado (operações contabilísticas no apuramento do iva)
O estado (operações contabilísticas no apuramento do iva)O estado (operações contabilísticas no apuramento do iva)
O estado (operações contabilísticas no apuramento do iva)
 
Contabilidade e Fiscalidade - Módulo 5 - Impostos Indiretos
Contabilidade e Fiscalidade - Módulo 5 - Impostos IndiretosContabilidade e Fiscalidade - Módulo 5 - Impostos Indiretos
Contabilidade e Fiscalidade - Módulo 5 - Impostos Indiretos
 
Sistema fiscal em mocambique
Sistema fiscal em mocambiqueSistema fiscal em mocambique
Sistema fiscal em mocambique
 

Semelhante a Conceito de imposto sobre valor acrescentado

IVA NA COMUNIDADE DOS PAÍSES DE LÍNGUA PORTUGUESA
IVA NA COMUNIDADE DOS PAÍSES DE LÍNGUA PORTUGUESAIVA NA COMUNIDADE DOS PAÍSES DE LÍNGUA PORTUGUESA
IVA NA COMUNIDADE DOS PAÍSES DE LÍNGUA PORTUGUESA
Altair Marta
 
Ta Original
Ta OriginalTa Original
Ta Original
m.jardim
 
PLANEJ. CONTABIL TRIBUTARIO
PLANEJ. CONTABIL TRIBUTARIOPLANEJ. CONTABIL TRIBUTARIO
PLANEJ. CONTABIL TRIBUTARIO
Michelle Moraes
 
Gestão de departamento fiscal
Gestão de departamento fiscalGestão de departamento fiscal
Gestão de departamento fiscal
D S Correia Silva
 
Apresentação sobre impostos Jan 2013 2
Apresentação sobre impostos Jan 2013 2Apresentação sobre impostos Jan 2013 2
Apresentação sobre impostos Jan 2013 2
Nuno Couceiro
 
2 ua-cf caderno-apoio_2
2 ua-cf caderno-apoio_22 ua-cf caderno-apoio_2
2 ua-cf caderno-apoio_2
Ana Filipa Silva
 
03-escrita fiscal_st
03-escrita fiscal_st03-escrita fiscal_st
03-escrita fiscal_st
Lucas Gheller
 
Incidência tributária no setor de mineração no brasil
Incidência tributária no setor de mineração no brasilIncidência tributária no setor de mineração no brasil
Incidência tributária no setor de mineração no brasil
Rinaldo Maciel de Freitas
 
Tributação na siderurgia brasileira
Tributação na siderurgia brasileiraTributação na siderurgia brasileira
Tributação na siderurgia brasileira
Rinaldo Maciel de Freitas
 
Imposto sobre o_valor_acresentado_-_iva
Imposto sobre o_valor_acresentado_-_ivaImposto sobre o_valor_acresentado_-_iva
Imposto sobre o_valor_acresentado_-_iva
Ilda Ferreira
 
Cartilha tributaria 2014
Cartilha tributaria 2014Cartilha tributaria 2014
Cartilha tributaria 2014
Angelica Maurina
 
Icms substituição tributária
Icms substituição tributáriaIcms substituição tributária
Icms substituição tributária
zeramento contabil
 
Icms substituição tributária
Icms substituição tributáriaIcms substituição tributária
Icms substituição tributária
zeramento contabil
 
Aula do dia 13 11 -contabilidade
Aula do dia 13 11 -contabilidadeAula do dia 13 11 -contabilidade
Aula do dia 13 11 -contabilidade
Fernanda Moreira
 
Aula do dia 13 11 -contabilidade
Aula do dia 13 11 -contabilidadeAula do dia 13 11 -contabilidade
Aula do dia 13 11 -contabilidade
Fernanda Moreira
 
Tributario definicoes
Tributario definicoesTributario definicoes
Tributario definicoes
zeramento contabil
 
Apresentação sobre impostos Jun 2014
Apresentação sobre impostos Jun 2014Apresentação sobre impostos Jun 2014
Apresentação sobre impostos Jun 2014
Nuno Couceiro
 
Introdução Tributos e Taxas Custos Logisticos
Introdução Tributos e Taxas Custos LogisticosIntrodução Tributos e Taxas Custos Logisticos
Introdução Tributos e Taxas Custos Logisticos
Willian dos Santos Abreu
 
Tratamento ICMS ST - Minas Gerais
Tratamento ICMS ST - Minas GeraisTratamento ICMS ST - Minas Gerais
Tratamento ICMS ST - Minas Gerais
Jefferson Oliveira
 
Análise do cenário da política tributária nacional
Análise do cenário da política tributária nacionalAnálise do cenário da política tributária nacional
Análise do cenário da política tributária nacional
CIRINEU COSTA
 

Semelhante a Conceito de imposto sobre valor acrescentado (20)

IVA NA COMUNIDADE DOS PAÍSES DE LÍNGUA PORTUGUESA
IVA NA COMUNIDADE DOS PAÍSES DE LÍNGUA PORTUGUESAIVA NA COMUNIDADE DOS PAÍSES DE LÍNGUA PORTUGUESA
IVA NA COMUNIDADE DOS PAÍSES DE LÍNGUA PORTUGUESA
 
Ta Original
Ta OriginalTa Original
Ta Original
 
PLANEJ. CONTABIL TRIBUTARIO
PLANEJ. CONTABIL TRIBUTARIOPLANEJ. CONTABIL TRIBUTARIO
PLANEJ. CONTABIL TRIBUTARIO
 
Gestão de departamento fiscal
Gestão de departamento fiscalGestão de departamento fiscal
Gestão de departamento fiscal
 
Apresentação sobre impostos Jan 2013 2
Apresentação sobre impostos Jan 2013 2Apresentação sobre impostos Jan 2013 2
Apresentação sobre impostos Jan 2013 2
 
2 ua-cf caderno-apoio_2
2 ua-cf caderno-apoio_22 ua-cf caderno-apoio_2
2 ua-cf caderno-apoio_2
 
03-escrita fiscal_st
03-escrita fiscal_st03-escrita fiscal_st
03-escrita fiscal_st
 
Incidência tributária no setor de mineração no brasil
Incidência tributária no setor de mineração no brasilIncidência tributária no setor de mineração no brasil
Incidência tributária no setor de mineração no brasil
 
Tributação na siderurgia brasileira
Tributação na siderurgia brasileiraTributação na siderurgia brasileira
Tributação na siderurgia brasileira
 
Imposto sobre o_valor_acresentado_-_iva
Imposto sobre o_valor_acresentado_-_ivaImposto sobre o_valor_acresentado_-_iva
Imposto sobre o_valor_acresentado_-_iva
 
Cartilha tributaria 2014
Cartilha tributaria 2014Cartilha tributaria 2014
Cartilha tributaria 2014
 
Icms substituição tributária
Icms substituição tributáriaIcms substituição tributária
Icms substituição tributária
 
Icms substituição tributária
Icms substituição tributáriaIcms substituição tributária
Icms substituição tributária
 
Aula do dia 13 11 -contabilidade
Aula do dia 13 11 -contabilidadeAula do dia 13 11 -contabilidade
Aula do dia 13 11 -contabilidade
 
Aula do dia 13 11 -contabilidade
Aula do dia 13 11 -contabilidadeAula do dia 13 11 -contabilidade
Aula do dia 13 11 -contabilidade
 
Tributario definicoes
Tributario definicoesTributario definicoes
Tributario definicoes
 
Apresentação sobre impostos Jun 2014
Apresentação sobre impostos Jun 2014Apresentação sobre impostos Jun 2014
Apresentação sobre impostos Jun 2014
 
Introdução Tributos e Taxas Custos Logisticos
Introdução Tributos e Taxas Custos LogisticosIntrodução Tributos e Taxas Custos Logisticos
Introdução Tributos e Taxas Custos Logisticos
 
Tratamento ICMS ST - Minas Gerais
Tratamento ICMS ST - Minas GeraisTratamento ICMS ST - Minas Gerais
Tratamento ICMS ST - Minas Gerais
 
Análise do cenário da política tributária nacional
Análise do cenário da política tributária nacionalAnálise do cenário da política tributária nacional
Análise do cenário da política tributária nacional
 

Conceito de imposto sobre valor acrescentado

  • 2.
  • 3. 3.Conceito de Imposto sobre Valor Acrescentado (IVA) Segundo Waty (2007:148) o imposto é um conceito mais restrito pois, pode-se definir imposto como sendo uma prestação coactiva, patrimonial, positiva, definitiva, sem caracter sanção, estabelecida por Lei a favor de uma entidade publica ou com funções publicas para a satisfação de necessidades publicas e redistribuição de riqueza, independente de qualquer vinculo anterior. Segundo (Baptista & Alves), o IVA é um imposto geral que, incide sobre a generalidade das despesas de consumo. E também é um imposto plurifásico, já que é liquidado em todas as fases do circuito económico e é não cumultativo, na medida em que se permite a dedução do imposto suportado na aquisição dos bens e serviços indispensáveis à realização da venda. Resume-se á entrega ao Estado do seu valor através do circuito económico em que intervêm empresas e o consumidor final, que, em última análise, é o agente económico que suporta todo o seu valor. Valor este, que é obtido a partir de uma taxa do imposto, fixada no CIVA1, aprovado pela lei nº 32/2007, de 31 de Dezembro, de 17%. 4.Mecanismo de funcionamento do IVA Todos os produtos ou serviços estão, em regra, sujeito ao IVA. O IVA é pago sempre que um produto é vendido ou um serviço é prestado. Exemplos: Quando um produto sai da fábrica para o distribuidor; Quando este o vende ao armazenista; Quando este o vende ao comerciante; Quando este o vende ao consumidor final. Todos os intervenientes neste processo são sujeito passivos de IVA, excepto o consumidor final que suporta e paga o IVA, ou seja, para este, o IVA é mais um custo que está incluído no preço pago ao comerciante. Cada agente económico que que transacciona bens ou serviços tem de liquidar IVA. IVA sobre o preço de venda dos bens ou dos serviços = IVA liquidado
  • 4. Por outro lado, cada agente económico que transacciona bens ou serviços tem direito a deduzir o IVA suportado nas aquisições de bens e serviços para o seu negócio. Cada agente económico entrega ao Estado a diferença entre o IVA liquidado e o IVA dedutível. É de salientar que o IVA apuramento ou entregue ao estado é assim, calculado em função das compras, e demais aquisições, das vendas e prestações de serviços. Somente nas condições descritas abaixo é que se pode concluir se a Empresa deve pagar o IVA ao Estado e vice- versa. Esquema resumido do funcionamento do IVA Factura 1200M Factura 3.600 IVA Liquidado por A- 200Mt IVA Liquidado por B- 600Mt IVA Dedutível IVA Liquidado IVA Dedutível IVA Liquidado 200 0 200 600 Entrega ao Estado a diferença Entrega ao Estado a diferença 200 – 0 = 200 600 – 200 = 400 Valor liquidado> Valor dedutível – IVA a pagar ao Estado Valor dedutível> Valor liquidado – IVA a receber do Estado Valor dedutível = Valor liquidado – A empresa não paga nem recebe do Estado IVA suportado nas aquisições = IVA dedutível IVA entregue ao Estado = IVA liquidado – IVA dedutível Empresa A Empresa B Consumidor
  • 5. Quem suporta o IVA? No esquema anterior, é o consumidor que suporta o IVA (600MT); Não há, para as empresas A e B, ganhos/perdas directamente relacionados com o IVA: apenas fenómenos patrimoniais qualitativos; No caso das empresas A e B: -Em A: o IVA liquidado a B é reembolsado ao estado (ou seja, torna-se uma obrigação perante o Estado); -Em B: o IVA pago a A torna-se um direito perante o Estado (IVA dedutível); -O Iva liquidado aos clientes é obrigação perante ao Estado; -A empresa B devera entregar ao Estado a diferença entre o IVA liquidado e o IVA dedutível (no exemplo: 400). Segundo Borges et all (2010:425), conclui-se então que o IVA é apurado de forma indirecta através de um método a que se costuma chamar: Método directo subtractivo ou método da dedução base de base ou ainda método contabilístico: o imposto é calculado pela aplicação das respectivas taxas ao valor acrescentado (outputs-inputs), em cada fase do circuito económico. As dificuldades de obtenção deste método estão directamente relacionadas com a possibilidade da existência de mais de uma taxa de imposto, tornando-se praticamente inaplicável no caso de os inputs estarem sujeitos a taxas diferentes dos outputs. Em suma porque esta ópera por subtracção do IVA pago nas facturas de compra ao IVA recebido nas vendas. Método indirecto subtractivo ou método da dedução imposto de imposto ou método de crédito do imposto ou ainda método das facturas: neste caso é calculado pela aplicação das respectivas taxas ao valor acumulado em cada fase (produto das vendas e serviços prestados pela empresa), subtraindo o montante do imposto suportado na fase imediatamente anterior (compras de bens e serviços pela empresa). Este método caracteriza-se pela sua simplicidade e pela possibilidade dos agentes económicos disporem dados objectivos (facturas ou documentos equivalentes) que lhes permitam um correcto apuramento do imposto a entregar no cofre do Estado.
  • 6. 5.Características do Imposto sobre o Valor Acrescentado O IVA visa tributar todo o consumo em bens matérias e serviços, abrangendo todas fases do circuito económico, desde a produção ao retalho, sendo porém a base tributável li mitada ao valor acrescentado em cada fase. O mesmo quando é aplicado de modo geral e uniforme em todo o circuito económico, corresponde a uma tributação, por taxa idêntica, efectuada de uma só vez, na fase retalhista. O IVA é um imposto que se classifica no âmbito dos impostos indirectos. Características do IVA: Imposto Indirecto: Atende à despesa efectuada e não ao rendimento. Imposto Plurifásico: Recai sobre o valor acrescentado das sucessivas fases do circuito económico, desde a produção ao retalho. Imposto Neutro: É liquidado pelos vários operadores económicos nas várias fases do circuito económico, mas só é efectivamente suportado pelo consumidor final. Segundo Waty (2007:203), sendo o imposto neutro, o IVA não distorce o valor das mercadorias em função da extensão ou compressão da cadeia de operadores económicos, não intervindo na decisão da organização das unidades produtivas. 6.Incidência do Imposto sobre o Valor Acrescentado Segundo Nabais (2009:269), O IVA incide sobre todas as transmissões de bens e prestações de serviços que tenham lugar num determinado pais sobre as transmissões de bens e sobre as operações intracomunitárias. Realizadas em território nacional. Transmissões de bens Prestação de serviços Importação de bens Operações intracomunitárias Efectuadas em território nacional Incidência
  • 7. 6.2.Incidência subjectiva ou Pessoal São os sujeitos passivos do IVA as pessoas, singulares ou colectivas que: Realizem uma só operação que esteja sujeita a IRS2 ou IRC3; Exerçam de modo independente e com caracter de habitualidade actividades de produção, comércio ou prestação de serviços Procedam aa importação de bens; Efectuem operações intracomunitárias. O Estado e as demais pessoas colectivas de direito são sujeitos passivos do imposto quando exerçam algumas das seguintes actividades e pelas operações tributárias delas decorrentes, salvo quando se verifique que as exercem de forma não significativa: Telecomunicações: Distribuição de água, gás e electricidade; Transporte de bens; Prestação de serviços portuários; Transporte de pessoas; Transmissão de bens novos cuja produção se destina a venda; Operações de organismos agrícolas; Exploração de feiras e de exposições de carácter comercial; Armazenagem: Cantinas; Radiodifusão e radiotelevisão 6.2.Incidência Real Esta incidência traduz –se nos factos sujeitos a imposto: Transmissão de bens ou de uma prestação de serviços; As importações de bens; As aquisições intracomunitárias de bens.
  • 8. Neste tipo de incidência existem algumas operações que não podem considerar-se transmissões mas são assimiladas porque provocam resultados equivalentes: Leasing com posterior opção de compra; Transmissão de bens entre comitente e comissario; Contrato de venda com reserva de propriedade; Transmissão de mercadorias aa consignação. Exemplo: Ofertas de existências e entrega de amostras a clientes; Numa empresa que comercializa televisores, o sócio-gerente retira um televisor para o uso pessoal. Estas afectações, como são consideradas transmissões, são tributáveis. 6.3Regras de territorialidade Segundo Nabais (2009:271), o IVA é um imposto que é aplicável às transacções ocorridas em cada um dos estados-membros. Para efeitos das disposições relativas ao IVA, a tabela abaixo ilustra como estas transacções são aplicadas. País terceiro País não pertencente á comunidade Moçambicana (CM) Território terceiro Alguns territórios dos Estados membros que serão tratados como países terceiros Transporte intracomunitário de bens Transporte de bens cujos lugares de partida e de chegada se situam no território de Estados membros diferentes Lugar de partida Lugar onde se inicia efectivamente o transporte Lugar de chegada Lugar onde termina efectivamente o transporte dos bens Importação Entrada em território nacional de bens originários ou procedentes de países terceiros ,Operações intracomunitárias Aquisições e transmissões de bens entre sujeitos passivos sedeados em países da CM
  • 9. Isencoes do IVA Estão isentos do IVA, entre outros, os seguintes produtos e serviços : Servicos bancários, em geral, incluindo: -comcessao de credito; -Prestacao de fianças, avales, causoes, e outras garantias; -Contas-correntes, pagamentos,