SlideShare uma empresa Scribd logo
COMO MANTER OU AUMENTAR A  RELAÇÃO Ca:MgCOL. AGRO 13Engº.Agrº. Gastão Ney Monte Braga
Resultado de uma análise de soloK = 0,11 cmolc/dm³   Ca = 1,44 cmolc/dm³Mg = 0,41 cmolc/dm³H + Al = 3,65 cmolc/dm³Relação Ca:Mg  = 1,44 ÷ 0,41 = 3,5“ A relação ideal, para a maioria das culturas  é  entre 3 – 5 ”.
Por hipótese a recomendação de calcário foi de 4 t/haAplicação de um calcário com 38% de CaO e 12% de MgO por tonelada. (ver col. agro. 12)38% Ca O x 0,01784 = 0,67 cmolc  Ca/dm³12% MgO x 0,02481 = 0,29 cmolc  Mg/dm³
As 4 t/ha fornecem:4 x o,67 = 2,68 cmolc  Ca/dm³4 x 0,29 = 1,16 cmolc  Mg/dm³Relação Ca:Mg = 2,68 ÷ 1,16 = 2,3A relação  está abaixo da original = 3,5
Como manter em 3,5 a relação?Precisa-se 3,5 vezes mais cmolc Ca/dm³ em relação ao magnésio (0,29)0,29 x 3,5 =  1,02 cmolc  Ca/dm³Uma tonelada de dolomítico fornece 0,67 cmolc Ca/dm³.1,02 – 0,67 = 0,35 cmolc Ca/dm³ (falta)“ Há necessidade de aplicar um calcário calcítico ”.
Qual a quantidade de calcítico?O calcário calcítico possui 55% de CaO.55% CaO x 0,01784 = 0,98 cmolc Ca/dm³Em 1.000 kg calcítico temos  0,98 cmolc Ca/dm³Em ........ X kg.....................  0,35 cmolc Ca/dm³X = (0,35 x 1.000) 	0,98 = 357 kg/ha
Conclusão:“ Para cada 1 t/ha de calcário dolomítico a ser aplicado é preciso misturar 357 kg de calcítico ”.
Quantidade de Ca e Mg fornecida pelos dois calcários4 t de dolomítico fornece:4 x o,67 = 2,68 cmolc  Ca/dm³4 x 0,29 = 1,16 cmolc  Mg/dm³357 kg de calcítico, por tonelada de dolomítico, fornece  0,35 cmolc  Ca/dm³4 x 0,35 = 1,4 cmolc  Ca/dm³
Temos a relação Ca:Mg = 3,5?Ca  fornecido pelos dois calcários:Dolomítico =  2,68 cmolc  Ca/dm³Calcítico =    1,40 cmolc  Ca/dm³Total = 2,68+1,40 = 4,08 cmolc  Ca/dm³Mg  fornecido pelo dolomítico 1,16 cmolc  Mg/dm³Relação Ca:Mg = 4,08 ÷ 1,16 = 3,5
E para aumentar a relação Ca:Mg igual a 5Precisa-se 5 vezes mais cmolc Ca/dm³ em relação ao magnésio (0,29)0,29 x 5 =  1,45 cmolc  Ca/dm³Uma tonelada de dolomítico fornece 0,67 cmolc Ca/dm³.1,45 – 0,67 = 0,78 cmolc Ca/dm³ (falta)“ Há necessidade de aplicar um calcário calcítico ”.
Quanto calcítico é necessário?Em 1.000 kg calcítico temos  0,98 cmolc Ca/dm³Em ........ X kg......................  0,78 cmolc Ca/dm³X = (0,78 x 1.000)  ÷ 0,98 = 795 kg/ha
Aumentar a relação Ca:Mg para 5“ Para cada 1 t/ha de calcário dolomítico a ser aplicado é preciso misturar 795 kg de calcítico ”.
Quanto fornece de Ca e Mg os dois calcários?4 t de dolomítico fornece:4 x o,67 = 2,68 cmolc  Ca/dm³4 x 0,29 = 1,16 cmolc  Mg/dm³795 kg de calcítico por tonelada de dolomítico, fornece 0,78 cmolc  Ca/dm³4 x 0,78 = 3,12 cmolc  Ca/dm³
Temos a relação Ca:Mg = 5?Ca  fornecido pelos dois calcários:Dolomítico =  2,68 cmolc  Ca/dm³Calcítico    =    3,12 cmolc  Ca/dm³Total = 2,68+3,12 = 5,8 cmolc  Ca/dm³Mg  fornecido pelo dolomítico: 1,16 cmolc  Mg/dm³Relação Ca:Mg = 5,8 ÷ 1,16 = 5
PARA MAIORES INFORMAÇÕES, ACESSE:agronomiacomgismonti.blogspot.comMARCADORES: ANALISE DO SOLO, CALAGEM, CALCARIO

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Preparo do solo e adubação do sorgo
Preparo do solo e adubação do sorgoPreparo do solo e adubação do sorgo
Preparo do solo e adubação do sorgo
Geagra UFG
 
Adubação cafeeiro )
Adubação cafeeiro     )Adubação cafeeiro     )
Adubação cafeeiro )
Luis Deleprane
 
Solos 4
Solos 4Solos 4
Aula 2 acidez e calagem do solo
Aula 2 acidez e calagem do soloAula 2 acidez e calagem do solo
Aula 2 acidez e calagem do solo
Fernando Rodrigo.
 
NUTRIÇÃO MINERAL DA SOJA
NUTRIÇÃO MINERAL DA SOJANUTRIÇÃO MINERAL DA SOJA
NUTRIÇÃO MINERAL DA SOJA
Geagra UFG
 
Adubação de Cobertura e Foliar
Adubação de Cobertura e FoliarAdubação de Cobertura e Foliar
Adubação de Cobertura e Foliar
Geagra UFG
 
Plantas de cobertura
Plantas de coberturaPlantas de cobertura
Plantas de cobertura
Geagra UFG
 
Cálculo da necessidade de calagem
Cálculo da necessidade de calagemCálculo da necessidade de calagem
Cálculo da necessidade de calagem
gastao ney monte braga
 
Cocoinucultura apresentação
Cocoinucultura apresentaçãoCocoinucultura apresentação
Cocoinucultura apresentação
Evangela Gielow
 
Gessagem
GessagemGessagem
Gessagem
Geagra UFG
 
Sorgo morfologia e fisiologia
Sorgo morfologia e fisiologiaSorgo morfologia e fisiologia
Sorgo morfologia e fisiologia
Geagra UFG
 
Nutrição mineral e adubação do milho
Nutrição mineral e adubação do milhoNutrição mineral e adubação do milho
Nutrição mineral e adubação do milho
Geagra UFG
 
Corretores da acidez superficial do solo
Corretores da acidez superficial do solo Corretores da acidez superficial do solo
Corretores da acidez superficial do solo
Geagra UFG
 
Apresentação Roberto Santinato Adubação Orgânica para o Cafeeiro
Apresentação Roberto Santinato Adubação Orgânica para o CafeeiroApresentação Roberto Santinato Adubação Orgânica para o Cafeeiro
Apresentação Roberto Santinato Adubação Orgânica para o Cafeeiro
Revista Cafeicultura
 
Potassio k.
Potassio k.Potassio k.
Potassio k.
Evangela Gielow
 
André Guarçoni - minicurso AVANÇOS NA NUTRIÇÃO PARA O CAFÉ CONILON
André Guarçoni - minicurso AVANÇOS NA NUTRIÇÃO PARA O CAFÉ CONILONAndré Guarçoni - minicurso AVANÇOS NA NUTRIÇÃO PARA O CAFÉ CONILON
André Guarçoni - minicurso AVANÇOS NA NUTRIÇÃO PARA O CAFÉ CONILON
Revista Cafeicultura
 
Sistemas de Irrigação no Arroz
Sistemas de Irrigação no ArrozSistemas de Irrigação no Arroz
Sistemas de Irrigação no Arroz
Geagra UFG
 
Palestra - análise de solo ÊNFASE EM MORANGO E BANANEIRA
Palestra - análise de solo ÊNFASE EM MORANGO E BANANEIRAPalestra - análise de solo ÊNFASE EM MORANGO E BANANEIRA
Palestra - análise de solo ÊNFASE EM MORANGO E BANANEIRA
CETEP, FTC, FASA..
 
Preparação do solo, uso de corretivos e tecnologias de aplicação.
Preparação do solo,  uso de corretivos e tecnologias de aplicação.Preparação do solo,  uso de corretivos e tecnologias de aplicação.
Preparação do solo, uso de corretivos e tecnologias de aplicação.
AM Placas Ltda. Placas
 
Implantação da Cultura do Feijão
Implantação da Cultura do FeijãoImplantação da Cultura do Feijão
Implantação da Cultura do Feijão
Killer Max
 

Mais procurados (20)

Preparo do solo e adubação do sorgo
Preparo do solo e adubação do sorgoPreparo do solo e adubação do sorgo
Preparo do solo e adubação do sorgo
 
Adubação cafeeiro )
Adubação cafeeiro     )Adubação cafeeiro     )
Adubação cafeeiro )
 
Solos 4
Solos 4Solos 4
Solos 4
 
Aula 2 acidez e calagem do solo
Aula 2 acidez e calagem do soloAula 2 acidez e calagem do solo
Aula 2 acidez e calagem do solo
 
NUTRIÇÃO MINERAL DA SOJA
NUTRIÇÃO MINERAL DA SOJANUTRIÇÃO MINERAL DA SOJA
NUTRIÇÃO MINERAL DA SOJA
 
Adubação de Cobertura e Foliar
Adubação de Cobertura e FoliarAdubação de Cobertura e Foliar
Adubação de Cobertura e Foliar
 
Plantas de cobertura
Plantas de coberturaPlantas de cobertura
Plantas de cobertura
 
Cálculo da necessidade de calagem
Cálculo da necessidade de calagemCálculo da necessidade de calagem
Cálculo da necessidade de calagem
 
Cocoinucultura apresentação
Cocoinucultura apresentaçãoCocoinucultura apresentação
Cocoinucultura apresentação
 
Gessagem
GessagemGessagem
Gessagem
 
Sorgo morfologia e fisiologia
Sorgo morfologia e fisiologiaSorgo morfologia e fisiologia
Sorgo morfologia e fisiologia
 
Nutrição mineral e adubação do milho
Nutrição mineral e adubação do milhoNutrição mineral e adubação do milho
Nutrição mineral e adubação do milho
 
Corretores da acidez superficial do solo
Corretores da acidez superficial do solo Corretores da acidez superficial do solo
Corretores da acidez superficial do solo
 
Apresentação Roberto Santinato Adubação Orgânica para o Cafeeiro
Apresentação Roberto Santinato Adubação Orgânica para o CafeeiroApresentação Roberto Santinato Adubação Orgânica para o Cafeeiro
Apresentação Roberto Santinato Adubação Orgânica para o Cafeeiro
 
Potassio k.
Potassio k.Potassio k.
Potassio k.
 
André Guarçoni - minicurso AVANÇOS NA NUTRIÇÃO PARA O CAFÉ CONILON
André Guarçoni - minicurso AVANÇOS NA NUTRIÇÃO PARA O CAFÉ CONILONAndré Guarçoni - minicurso AVANÇOS NA NUTRIÇÃO PARA O CAFÉ CONILON
André Guarçoni - minicurso AVANÇOS NA NUTRIÇÃO PARA O CAFÉ CONILON
 
Sistemas de Irrigação no Arroz
Sistemas de Irrigação no ArrozSistemas de Irrigação no Arroz
Sistemas de Irrigação no Arroz
 
Palestra - análise de solo ÊNFASE EM MORANGO E BANANEIRA
Palestra - análise de solo ÊNFASE EM MORANGO E BANANEIRAPalestra - análise de solo ÊNFASE EM MORANGO E BANANEIRA
Palestra - análise de solo ÊNFASE EM MORANGO E BANANEIRA
 
Preparação do solo, uso de corretivos e tecnologias de aplicação.
Preparação do solo,  uso de corretivos e tecnologias de aplicação.Preparação do solo,  uso de corretivos e tecnologias de aplicação.
Preparação do solo, uso de corretivos e tecnologias de aplicação.
 
Implantação da Cultura do Feijão
Implantação da Cultura do FeijãoImplantação da Cultura do Feijão
Implantação da Cultura do Feijão
 

Destaque

Col.agro 10 coleta de amostra de solo
Col.agro 10 coleta de amostra de soloCol.agro 10 coleta de amostra de solo
Col.agro 10 coleta de amostra de solo
gastao ney monte braga
 
Col.agro 9 transformar o teor de k do solo em k2 o
Col.agro 9 transformar o teor de  k do solo em k2 oCol.agro 9 transformar o teor de  k do solo em k2 o
Col.agro 9 transformar o teor de k do solo em k2 o
gastao ney monte braga
 
Col.agro 5 armazenagem dos agrotoxicos
Col.agro 5 armazenagem dos agrotoxicosCol.agro 5 armazenagem dos agrotoxicos
Col.agro 5 armazenagem dos agrotoxicos
gastao ney monte braga
 
Col.agro 4 transporte de agrotoxicos
Col.agro 4 transporte  de  agrotoxicosCol.agro 4 transporte  de  agrotoxicos
Col.agro 4 transporte de agrotoxicos
gastao ney monte braga
 
Col.agro 7 lavagem das embalagens vazias.agrotoxicos
Col.agro 7 lavagem das embalagens vazias.agrotoxicosCol.agro 7 lavagem das embalagens vazias.agrotoxicos
Col.agro 7 lavagem das embalagens vazias.agrotoxicos
gastao ney monte braga
 
Col.agro 8 intoxicacoes por agrotoxicos
Col.agro 8 intoxicacoes por agrotoxicosCol.agro 8 intoxicacoes por agrotoxicos
Col.agro 8 intoxicacoes por agrotoxicos
gastao ney monte braga
 
Col.agro 6 aplicacao de agrotoxicos.2007
Col.agro 6 aplicacao de agrotoxicos.2007Col.agro 6 aplicacao de agrotoxicos.2007
Col.agro 6 aplicacao de agrotoxicos.2007
gastao ney monte braga
 
Informativo técnico
Informativo técnicoInformativo técnico
Informativo técnico
Professor Renato Mascarenhas
 
AdubaçãO De Pastagens
AdubaçãO De PastagensAdubaçãO De Pastagens
AdubaçãO De Pastagens
João Alberto Teló
 
Aveia e Cevada - Polo Regional Sudoeste Paulista - Capão Bonito
Aveia e Cevada - Polo Regional Sudoeste Paulista - Capão BonitoAveia e Cevada - Polo Regional Sudoeste Paulista - Capão Bonito
Aveia e Cevada - Polo Regional Sudoeste Paulista - Capão Bonito
Agricultura Sao Paulo
 
Bokashi
BokashiBokashi
Bokashi
JNR
 
Bokashi
BokashiBokashi
Bokashi
Neli Narulita
 
Calagem e adubação para hortaliças sob cultivo protegido*
Calagem e adubação para hortaliças sob cultivo protegido*Calagem e adubação para hortaliças sob cultivo protegido*
Calagem e adubação para hortaliças sob cultivo protegido*
Rural Pecuária
 
Calagem
CalagemCalagem
Baixar livro metodo reconquistar gratis em portugues
Baixar livro metodo reconquistar gratis em portuguesBaixar livro metodo reconquistar gratis em portugues
Baixar livro metodo reconquistar gratis em portugues
nainha23676
 
Irrigação revisão e 2 bim 2013
Irrigação revisão e 2 bim 2013Irrigação revisão e 2 bim 2013
Irrigação revisão e 2 bim 2013
IF Baiano - Campus Catu
 
Treinamento Irrigação e Fertirrigação Parte 1
Treinamento Irrigação e Fertirrigação Parte 1Treinamento Irrigação e Fertirrigação Parte 1
Treinamento Irrigação e Fertirrigação Parte 1
endysarkis
 
Irrigação
IrrigaçãoIrrigação
Irrigação
Dil J. Messias
 
Banco de sementes
Banco de sementesBanco de sementes
Banco de sementes
luiscoentro
 
Aspersores tipos e_classificacao
Aspersores tipos e_classificacaoAspersores tipos e_classificacao
Aspersores tipos e_classificacao
relopes10
 

Destaque (20)

Col.agro 10 coleta de amostra de solo
Col.agro 10 coleta de amostra de soloCol.agro 10 coleta de amostra de solo
Col.agro 10 coleta de amostra de solo
 
Col.agro 9 transformar o teor de k do solo em k2 o
Col.agro 9 transformar o teor de  k do solo em k2 oCol.agro 9 transformar o teor de  k do solo em k2 o
Col.agro 9 transformar o teor de k do solo em k2 o
 
Col.agro 5 armazenagem dos agrotoxicos
Col.agro 5 armazenagem dos agrotoxicosCol.agro 5 armazenagem dos agrotoxicos
Col.agro 5 armazenagem dos agrotoxicos
 
Col.agro 4 transporte de agrotoxicos
Col.agro 4 transporte  de  agrotoxicosCol.agro 4 transporte  de  agrotoxicos
Col.agro 4 transporte de agrotoxicos
 
Col.agro 7 lavagem das embalagens vazias.agrotoxicos
Col.agro 7 lavagem das embalagens vazias.agrotoxicosCol.agro 7 lavagem das embalagens vazias.agrotoxicos
Col.agro 7 lavagem das embalagens vazias.agrotoxicos
 
Col.agro 8 intoxicacoes por agrotoxicos
Col.agro 8 intoxicacoes por agrotoxicosCol.agro 8 intoxicacoes por agrotoxicos
Col.agro 8 intoxicacoes por agrotoxicos
 
Col.agro 6 aplicacao de agrotoxicos.2007
Col.agro 6 aplicacao de agrotoxicos.2007Col.agro 6 aplicacao de agrotoxicos.2007
Col.agro 6 aplicacao de agrotoxicos.2007
 
Informativo técnico
Informativo técnicoInformativo técnico
Informativo técnico
 
AdubaçãO De Pastagens
AdubaçãO De PastagensAdubaçãO De Pastagens
AdubaçãO De Pastagens
 
Aveia e Cevada - Polo Regional Sudoeste Paulista - Capão Bonito
Aveia e Cevada - Polo Regional Sudoeste Paulista - Capão BonitoAveia e Cevada - Polo Regional Sudoeste Paulista - Capão Bonito
Aveia e Cevada - Polo Regional Sudoeste Paulista - Capão Bonito
 
Bokashi
BokashiBokashi
Bokashi
 
Bokashi
BokashiBokashi
Bokashi
 
Calagem e adubação para hortaliças sob cultivo protegido*
Calagem e adubação para hortaliças sob cultivo protegido*Calagem e adubação para hortaliças sob cultivo protegido*
Calagem e adubação para hortaliças sob cultivo protegido*
 
Calagem
CalagemCalagem
Calagem
 
Baixar livro metodo reconquistar gratis em portugues
Baixar livro metodo reconquistar gratis em portuguesBaixar livro metodo reconquistar gratis em portugues
Baixar livro metodo reconquistar gratis em portugues
 
Irrigação revisão e 2 bim 2013
Irrigação revisão e 2 bim 2013Irrigação revisão e 2 bim 2013
Irrigação revisão e 2 bim 2013
 
Treinamento Irrigação e Fertirrigação Parte 1
Treinamento Irrigação e Fertirrigação Parte 1Treinamento Irrigação e Fertirrigação Parte 1
Treinamento Irrigação e Fertirrigação Parte 1
 
Irrigação
IrrigaçãoIrrigação
Irrigação
 
Banco de sementes
Banco de sementesBanco de sementes
Banco de sementes
 
Aspersores tipos e_classificacao
Aspersores tipos e_classificacaoAspersores tipos e_classificacao
Aspersores tipos e_classificacao
 

Semelhante a Col.agro 13.como manter ou aumentar a relaçao ca.mg

Estequiometria enem
Estequiometria enemEstequiometria enem
Estequiometria enem
Escola Pública/Particular
 
Revisão de mol 3 ano
Revisão de mol 3 anoRevisão de mol 3 ano
Revisão de mol 3 ano
Rodrigo Sampaio
 
Tabelas para interpretação
Tabelas para interpretaçãoTabelas para interpretação
Tabelas para interpretação
MayraOliveira38
 
Ff grau de pureza e rendimento
Ff grau de pureza e rendimentoFf grau de pureza e rendimento
Ff grau de pureza e rendimento
Paula Gouveia
 
Exerciciosreatores
ExerciciosreatoresExerciciosreatores
Exerciciosreatores
danitudinha
 
Aula de interpretacao dos resultados das analises de solo.pptx
Aula de interpretacao dos resultados das analises de solo.pptxAula de interpretacao dos resultados das analises de solo.pptx
Aula de interpretacao dos resultados das analises de solo.pptx
ClaytonBaravelli1
 
Estequiometria
EstequiometriaEstequiometria
Estequiometria
Aninha Felix Vieira Dias
 
Cálculos químicos
Cálculos químicosCálculos químicos
Cálculos químicos
Kaleb Reis
 
Cálculo estequiométricos
Cálculo estequiométricosCálculo estequiométricos
Cálculo estequiométricos
Rogeria Gregio
 
04 estequiometria-100801162153-phpapp01
04 estequiometria-100801162153-phpapp0104 estequiometria-100801162153-phpapp01
04 estequiometria-100801162153-phpapp01
ferfla10
 
Tabelas concretos e_argamassas
Tabelas concretos e_argamassasTabelas concretos e_argamassas
Tabelas concretos e_argamassas
Diego Alves
 
Estequiometria pureza e impureza
Estequiometria pureza e impurezaEstequiometria pureza e impureza
Estequiometria pureza e impureza
Rodrigo Sampaio
 
Cálculos químicos i soluções
Cálculos químicos i   soluçõesCálculos químicos i   soluções
Cálculos químicos i soluções
Aninha Felix Vieira Dias
 
cálculos químicos e soluções
cálculos químicos e soluçõescálculos químicos e soluções
cálculos químicos e soluções
Aninha Felix Vieira Dias
 
! Aula pratica 4 calagem teorica
! Aula pratica 4 calagem teorica! Aula pratica 4 calagem teorica
! Aula pratica 4 calagem teorica
mano_iker
 
calagem teorica
calagem teoricacalagem teorica
calagem teorica
Rafael Oliveira
 
Lista mathematica2
Lista mathematica2Lista mathematica2
Lista mathematica2
Patyufpa2014
 
Revisão de mol 3 ano solução
Revisão de mol 3 ano   soluçãoRevisão de mol 3 ano   solução
Revisão de mol 3 ano solução
Rodrigo Sampaio
 
Apostila de cursinho estequiometria e gases (2)
Apostila de cursinho estequiometria e gases (2)Apostila de cursinho estequiometria e gases (2)
Apostila de cursinho estequiometria e gases (2)
Leonidas3112
 
Quimica 5
Quimica 5Quimica 5
Quimica 5
UFGRS
 

Semelhante a Col.agro 13.como manter ou aumentar a relaçao ca.mg (20)

Estequiometria enem
Estequiometria enemEstequiometria enem
Estequiometria enem
 
Revisão de mol 3 ano
Revisão de mol 3 anoRevisão de mol 3 ano
Revisão de mol 3 ano
 
Tabelas para interpretação
Tabelas para interpretaçãoTabelas para interpretação
Tabelas para interpretação
 
Ff grau de pureza e rendimento
Ff grau de pureza e rendimentoFf grau de pureza e rendimento
Ff grau de pureza e rendimento
 
Exerciciosreatores
ExerciciosreatoresExerciciosreatores
Exerciciosreatores
 
Aula de interpretacao dos resultados das analises de solo.pptx
Aula de interpretacao dos resultados das analises de solo.pptxAula de interpretacao dos resultados das analises de solo.pptx
Aula de interpretacao dos resultados das analises de solo.pptx
 
Estequiometria
EstequiometriaEstequiometria
Estequiometria
 
Cálculos químicos
Cálculos químicosCálculos químicos
Cálculos químicos
 
Cálculo estequiométricos
Cálculo estequiométricosCálculo estequiométricos
Cálculo estequiométricos
 
04 estequiometria-100801162153-phpapp01
04 estequiometria-100801162153-phpapp0104 estequiometria-100801162153-phpapp01
04 estequiometria-100801162153-phpapp01
 
Tabelas concretos e_argamassas
Tabelas concretos e_argamassasTabelas concretos e_argamassas
Tabelas concretos e_argamassas
 
Estequiometria pureza e impureza
Estequiometria pureza e impurezaEstequiometria pureza e impureza
Estequiometria pureza e impureza
 
Cálculos químicos i soluções
Cálculos químicos i   soluçõesCálculos químicos i   soluções
Cálculos químicos i soluções
 
cálculos químicos e soluções
cálculos químicos e soluçõescálculos químicos e soluções
cálculos químicos e soluções
 
! Aula pratica 4 calagem teorica
! Aula pratica 4 calagem teorica! Aula pratica 4 calagem teorica
! Aula pratica 4 calagem teorica
 
calagem teorica
calagem teoricacalagem teorica
calagem teorica
 
Lista mathematica2
Lista mathematica2Lista mathematica2
Lista mathematica2
 
Revisão de mol 3 ano solução
Revisão de mol 3 ano   soluçãoRevisão de mol 3 ano   solução
Revisão de mol 3 ano solução
 
Apostila de cursinho estequiometria e gases (2)
Apostila de cursinho estequiometria e gases (2)Apostila de cursinho estequiometria e gases (2)
Apostila de cursinho estequiometria e gases (2)
 
Quimica 5
Quimica 5Quimica 5
Quimica 5
 

Último

Slide para aplicação da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
Slide para aplicação  da AVAL. FLUÊNCIA.pptxSlide para aplicação  da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
Slide para aplicação da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
LeilaVilasboas
 
apresentação metodologia terapia ocupacional
apresentação metodologia terapia ocupacionalapresentação metodologia terapia ocupacional
apresentação metodologia terapia ocupacional
shirleisousa9166
 
Portfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdf
Portfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdfPortfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdf
Portfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdf
Falcão Brasil
 
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdfGeotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Falcão Brasil
 
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
Sandra Pratas
 
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdfMarinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Falcão Brasil
 
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdfOrganograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Falcão Brasil
 
Introdução ao filme Divertida Mente 2 em pdf
Introdução ao filme Divertida Mente 2 em pdfIntrodução ao filme Divertida Mente 2 em pdf
Introdução ao filme Divertida Mente 2 em pdf
valdeci17
 
Fotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosas
Fotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosasFotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosas
Fotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosas
MariaJooSilva58
 
quadro de rotina semanal da coord.docx.pdf
quadro de rotina semanal da coord.docx.pdfquadro de rotina semanal da coord.docx.pdf
quadro de rotina semanal da coord.docx.pdf
marcos oliveira
 
Guerra de reconquista da Península ibérica
Guerra de reconquista da Península ibéricaGuerra de reconquista da Península ibérica
Guerra de reconquista da Península ibérica
felipescherner
 
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
Espanhol Online
 
Mini livro sanfona - Minha Escola Tem História.
Mini livro  sanfona - Minha Escola Tem História. Mini livro  sanfona - Minha Escola Tem História.
Mini livro sanfona - Minha Escola Tem História.
Mary Alvarenga
 
Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdf
Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdfEscola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdf
Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdf
Falcão Brasil
 
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdfAviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
Falcão Brasil
 
reconquista sobre a guerra de ibérica.docx
reconquista sobre a guerra de ibérica.docxreconquista sobre a guerra de ibérica.docx
reconquista sobre a guerra de ibérica.docx
felipescherner
 
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UEInfografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Centro Jacques Delors
 

Último (20)

Slide para aplicação da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
Slide para aplicação  da AVAL. FLUÊNCIA.pptxSlide para aplicação  da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
Slide para aplicação da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
 
apresentação metodologia terapia ocupacional
apresentação metodologia terapia ocupacionalapresentação metodologia terapia ocupacional
apresentação metodologia terapia ocupacional
 
Portfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdf
Portfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdfPortfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdf
Portfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdf
 
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdfGeotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
 
TALENTOS DA NOSSA ESCOLA .
TALENTOS DA NOSSA ESCOLA                .TALENTOS DA NOSSA ESCOLA                .
TALENTOS DA NOSSA ESCOLA .
 
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
 
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdfMarinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
 
FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO .
FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO                .FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO                .
FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO .
 
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdfOrganograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
 
RECORDANDO BONS MOMENTOS! _
RECORDANDO BONS MOMENTOS!               _RECORDANDO BONS MOMENTOS!               _
RECORDANDO BONS MOMENTOS! _
 
Introdução ao filme Divertida Mente 2 em pdf
Introdução ao filme Divertida Mente 2 em pdfIntrodução ao filme Divertida Mente 2 em pdf
Introdução ao filme Divertida Mente 2 em pdf
 
Fotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosas
Fotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosasFotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosas
Fotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosas
 
quadro de rotina semanal da coord.docx.pdf
quadro de rotina semanal da coord.docx.pdfquadro de rotina semanal da coord.docx.pdf
quadro de rotina semanal da coord.docx.pdf
 
Guerra de reconquista da Península ibérica
Guerra de reconquista da Península ibéricaGuerra de reconquista da Península ibérica
Guerra de reconquista da Península ibérica
 
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
 
Mini livro sanfona - Minha Escola Tem História.
Mini livro  sanfona - Minha Escola Tem História. Mini livro  sanfona - Minha Escola Tem História.
Mini livro sanfona - Minha Escola Tem História.
 
Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdf
Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdfEscola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdf
Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdf
 
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdfAviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
 
reconquista sobre a guerra de ibérica.docx
reconquista sobre a guerra de ibérica.docxreconquista sobre a guerra de ibérica.docx
reconquista sobre a guerra de ibérica.docx
 
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UEInfografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UE
 

Col.agro 13.como manter ou aumentar a relaçao ca.mg

  • 1. COMO MANTER OU AUMENTAR A RELAÇÃO Ca:MgCOL. AGRO 13Engº.Agrº. Gastão Ney Monte Braga
  • 2. Resultado de uma análise de soloK = 0,11 cmolc/dm³ Ca = 1,44 cmolc/dm³Mg = 0,41 cmolc/dm³H + Al = 3,65 cmolc/dm³Relação Ca:Mg = 1,44 ÷ 0,41 = 3,5“ A relação ideal, para a maioria das culturas é entre 3 – 5 ”.
  • 3. Por hipótese a recomendação de calcário foi de 4 t/haAplicação de um calcário com 38% de CaO e 12% de MgO por tonelada. (ver col. agro. 12)38% Ca O x 0,01784 = 0,67 cmolc Ca/dm³12% MgO x 0,02481 = 0,29 cmolc Mg/dm³
  • 4. As 4 t/ha fornecem:4 x o,67 = 2,68 cmolc Ca/dm³4 x 0,29 = 1,16 cmolc Mg/dm³Relação Ca:Mg = 2,68 ÷ 1,16 = 2,3A relação está abaixo da original = 3,5
  • 5. Como manter em 3,5 a relação?Precisa-se 3,5 vezes mais cmolc Ca/dm³ em relação ao magnésio (0,29)0,29 x 3,5 = 1,02 cmolc Ca/dm³Uma tonelada de dolomítico fornece 0,67 cmolc Ca/dm³.1,02 – 0,67 = 0,35 cmolc Ca/dm³ (falta)“ Há necessidade de aplicar um calcário calcítico ”.
  • 6. Qual a quantidade de calcítico?O calcário calcítico possui 55% de CaO.55% CaO x 0,01784 = 0,98 cmolc Ca/dm³Em 1.000 kg calcítico temos 0,98 cmolc Ca/dm³Em ........ X kg..................... 0,35 cmolc Ca/dm³X = (0,35 x 1.000) 0,98 = 357 kg/ha
  • 7. Conclusão:“ Para cada 1 t/ha de calcário dolomítico a ser aplicado é preciso misturar 357 kg de calcítico ”.
  • 8. Quantidade de Ca e Mg fornecida pelos dois calcários4 t de dolomítico fornece:4 x o,67 = 2,68 cmolc Ca/dm³4 x 0,29 = 1,16 cmolc Mg/dm³357 kg de calcítico, por tonelada de dolomítico, fornece 0,35 cmolc Ca/dm³4 x 0,35 = 1,4 cmolc Ca/dm³
  • 9. Temos a relação Ca:Mg = 3,5?Ca fornecido pelos dois calcários:Dolomítico = 2,68 cmolc Ca/dm³Calcítico = 1,40 cmolc Ca/dm³Total = 2,68+1,40 = 4,08 cmolc Ca/dm³Mg fornecido pelo dolomítico 1,16 cmolc Mg/dm³Relação Ca:Mg = 4,08 ÷ 1,16 = 3,5
  • 10. E para aumentar a relação Ca:Mg igual a 5Precisa-se 5 vezes mais cmolc Ca/dm³ em relação ao magnésio (0,29)0,29 x 5 = 1,45 cmolc Ca/dm³Uma tonelada de dolomítico fornece 0,67 cmolc Ca/dm³.1,45 – 0,67 = 0,78 cmolc Ca/dm³ (falta)“ Há necessidade de aplicar um calcário calcítico ”.
  • 11. Quanto calcítico é necessário?Em 1.000 kg calcítico temos 0,98 cmolc Ca/dm³Em ........ X kg...................... 0,78 cmolc Ca/dm³X = (0,78 x 1.000) ÷ 0,98 = 795 kg/ha
  • 12. Aumentar a relação Ca:Mg para 5“ Para cada 1 t/ha de calcário dolomítico a ser aplicado é preciso misturar 795 kg de calcítico ”.
  • 13. Quanto fornece de Ca e Mg os dois calcários?4 t de dolomítico fornece:4 x o,67 = 2,68 cmolc Ca/dm³4 x 0,29 = 1,16 cmolc Mg/dm³795 kg de calcítico por tonelada de dolomítico, fornece 0,78 cmolc Ca/dm³4 x 0,78 = 3,12 cmolc Ca/dm³
  • 14. Temos a relação Ca:Mg = 5?Ca fornecido pelos dois calcários:Dolomítico = 2,68 cmolc Ca/dm³Calcítico = 3,12 cmolc Ca/dm³Total = 2,68+3,12 = 5,8 cmolc Ca/dm³Mg fornecido pelo dolomítico: 1,16 cmolc Mg/dm³Relação Ca:Mg = 5,8 ÷ 1,16 = 5
  • 15. PARA MAIORES INFORMAÇÕES, ACESSE:agronomiacomgismonti.blogspot.comMARCADORES: ANALISE DO SOLO, CALAGEM, CALCARIO