SlideShare uma empresa Scribd logo
ESCOLA POLITÉCNICA DA USP DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA  HIDRÁULICA E SANITÁRIA PHD 2411 – SANEAMENTO I COAGULAÇÃO Prof. Dr. Roque Passos Piveli Prof. Dr. Sidney Seckler Ferreira Filho
COAGULAÇÃO Introdução Definição de um sistema coloidal Colóides liofóbicos e liofílicos Colóides hidrofóbicos e hidrofílicos Estabilidade de um sistema coloidal
COAGULAÇÃO Definição do processo de coagulação em águas de abastecimento Forças intermoleculares de Van der Waals Teoria da Dupla Camada
COAGULAÇÃO Comportamento químico em meio aquoso dos coagulantes mais utilizados no processo de tratamento de água Sais de alumínio (Sulfato de alumínio) Sais de Ferro (Cloreto férrico e sulfato férrico)
COAGULAÇÃO Mecanismos de desestabilização de partículas coloidais Compressão da Dupla Camada Adsorção neutralização Varredura Ponte interparticular Exercício – Dimensionamento de Calhas Parshall
Tratamento Convencional de Águas  de Abastecimento Manancial Coagulação Floculação Sedimentação Filtração Desinfecção Fluoretação Correção de pH Água final  Agente oxidante CAP Coagulante Alcalinizante Agente oxidante Polímero Polímero Agente oxidante Agente oxidante Flúor Alcalinizante
COAGULAÇÃO
COAGULAÇÃO
DISTRIBUIÇÃO DE TAMANHO DE PARTÍCULAS EM ÁGUAS NATURAIS  1   m 10 -3    m Partículas dissolvidas Partículas em suspensão Partículas coloidais 0,45   m Turbidez Cor aparente SST Cor real SDT Compostos dissolvidos
ESPECTRO DE DIÂMETROS DE PARTÍCULAS
DISTRIBUIÇÃO DE TAMANHO DE PARTÍCULAS EM ÁGUAS NATURAIS  1   m 10 -3    m Partículas dissolvidas Partículas em suspensão Partículas coloidais Processos de membrana Osmose reversa Nanofiltração Tratamento convencional e variantes Filtração direta Filtração em linha Filtração lenta
COAGULAÇÃO  SISTEMAS COLOIDAIS
Definição: Operação unitária responsável pela desestabilização das partículas coloidais em um sistema aquoso, preparando-as para a sua remoção nas etapas subseqüentes do processo de tratamento. COAGULAÇÃO
COAGULAÇÃO  Diâmetro das partículas Freqüência relativa Água bruta  Água coagulada
SISTEMAS COLOIDAIS Colóides liofóbicos: São aqueles que formam um sistema heterogêneo com o solvente (Sistema Bifásico). Desta forma, distingue-se uma fase contínua (solvente) e uma fase dispersa (colóides). Uma vez que predomina um sistema bifásico, pode-se definir uma área de interface.
SISTEMAS COLOIDAIS Colóides liofílicos: São aqueles que formam um sistema homogêneo com o solvente (Sistema Unifásico). Desta forma, distingue-se uma única fase contínua tendo o solvente e o sistema coloidal como soluto.
ESTABILIDADE DE SISTEMAS COLOIDAIS Quando a fase contínua é a água, os sistemas coloidais são denominados hidrofóbicos e hidrofílicos.
ESTABILIDADE DE SISTEMAS COLOIDAIS Sistemas coloidais hidrofóbicos: São sistemas instáveis, pois as interações com o solvente são pequenas.
ESTABILIDADE DE SISTEMAS COLOIDAIS Sistemas coloidais hidrofílicos: São sistemas estáveis, as interações com o solvente são tais que previnem o sistema contra alterações em sua “estrutura global”.
CARACTERÍSTICAS DOS  SISTEMAS COLOIDAIS Movimento Browniano: Bombardeamento pelas moléculas de água. Efeito Tyndall: Propriedade de dispersar a luz. A quantificação desta propriedade de um sistema coloidal é denominada nefelometria. Comportamento Elétrico: Existência de cargas negativas e positivas na superfície do colóide (Eletroforese).
TEORIA DA DUPLA CAMADA - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - + + + + + + + + + + + + + + + + + + + + + + + + + + + + + + + + + + + + + - - - - - - - - - - - - - + + + + Partícula Cargas N- N+ Meio Aquoso Camada difusa Camada rígida
TEORIA DA DUPLA CAMADA ESTABILIDADE COLOIDAL
TEORIA DA DUPLA CAMADA ESTABILIDADE COLOIDAL
ESTABILIDADE COLOIDAL
O PROCESSO DE COAGULAÇÃO Mecanismos de desestabilização de partículas coloidais Compressão da dupla camada Adsorção-neutralização Varredura Ponte interparticular
COAGULANTES EMPREGADOS EM ENGENHARIA AMBIENTAL Sulfato de alumínio (sólido ou líquido)  Cloreto férrico (líquido)  Sulfato férrico (líquido)  Cloreto de polialumínio (sólido ou líquido)  Coagulantes orgânicos catiônicos (sólido ou líquido)
DOSAGENS DE COAGULANTE USUALMENTE EMPREGADOS NO TRATAMENTO DE ÁGUAS DE ABASTECIMENTO Sulfato de alumínio (5 mg/l a 100 mg/l) Cloreto férrico (5 mg/l a 70 mg/l) Sulfato férrico (8 mg/l a 80 mg/l) Coagulantes orgânicos catiônicos (1 mg/l a 4 mg/l)
O PROCESSO DE COAGULAÇÃO Compressão da dupla camada
O PROCESSO DE COAGULAÇÃO Porque a compressão da dupla camada é incompleto no que tange à explicação do mecanismo de desestabilização de partículas coloidais ? São desprezados os efeitos entre o coagulante e o solvente, bem como da partícula coloidal e o solvente
COAGULAÇÃO: REAÇÕES QUÍMICAS ALUMÍNIO
COAGULAÇÃO: REAÇÕES QUÍMICAS FERRO
DIAGRAMA DE SOLUBILIDADE DO FERRO E ALUMÍNIO EM MEIO AQUOSO
VISÃO DINÂMICA DO PROCESSO DE COAGULAÇÃO Solvente Coagulante Colóide
DISPOSITIVOS HIDRÁULICOS PROCESSO DE COAGULAÇÃO Calhas Parshall Vertedores retangulares Malhas difusoras Injetores
PROCESSO DE COAGULAÇÃO VERTEDORES RETANGULARES
PROCESSO DE COAGULAÇÃO CALHAS PARSHALL
PROCESSO DE COAGULAÇÃO CALHAS PARSHALL   ETA CARAGUATATUBA
PROCESSO DE COAGULAÇÃO CALHAS PARSHALL   ETA CARAGUATATUBA
PROCESSO DE COAGULAÇÃO CALHAS PARSHALL   ETA CARAGUATATUBA
PROCESSO DE COAGULAÇÃO CALHAS PARSHALL   ETA CAMPOS DO JORDÃO
PROCESSO DE COAGULAÇÃO CALHAS PARSHALL   ETA CAMPOS DO JORDÃO
PROCESSO DE COAGULAÇÃO CALHAS PARSHALL   ETA CAMPOS DO JORDÃO
PROCESSO DE COAGULAÇÃO CALHAS PARSHALL   ETA CAMPOS DO JORDÃO
DISPOSITIVOS MECÂNICOS PROCESSO DE COAGULAÇÃO Agitadores mecânicos Turbinas Hélice propulsora
SISTEMAS DE AGITAÇÃO ESCOAMENTO AXIAL E RADIAL
SISTEMAS DE AGITAÇÃO  ESCOAMENTO AXIAL E RADIAL
PROCESSO DE COAGULAÇÃO ETA ALTO DA BOA VISTA
PROCESSO DE COAGULAÇÃO ETA ALTO DA BOA VISTA
PROCESSO DE COAGULAÇÃO ETA ALTO DA BOA VISTA
PROCESSO DE COAGULAÇÃO ETA ALTO DA BOA VISTA
PROCESSO DE COAGULAÇÃO ETA GUARAÚ (SABESP)
PROCESSO DE COAGULAÇÃO ETA GUARAÚ (SABESP)
PROCESSO DE COAGULAÇÃO ETA RIO GRANDE (SABESP)
PROCESSO DE COAGULAÇÃO ETA RIO GRANDE (SABESP)
PROCESSO DE COAGULAÇÃO ETA RIO GRANDE (SABESP)
CONCEITO: GRADIENTE DE VELOCIDADE dx dy dz
CONCEITO: GRADIENTE DE VELOCIDADE dx dy dz
CONCEITO: GRADIENTE DE VELOCIDADE G=Gradiente de velocidade (s -1 ) dx dy dz
CÁLCULO DO GRADIENTE DE VELOCIDADE Agitadores de fluxo radial Agitadores de fluxo axial F a =força de arraste (N) v=velocidade (m/s) C d =coeficiente de arraste A p =área projetada n=rotação (rps) D=diâmetro do rotor (m) P=Potência (W)
CÁLCULO DO GRADIENTE DE VELOCIDADE Agitadores de fluxo axial F a =força de arraste (N) v=velocidade (m/s) C d =coeficiente de arraste A p =área projetada n=rotação (rps) D=diâmetro do rotor (m) P=Potência (W) 1,63 Turbina com seis palhetas inclinadas a 45 0 1,0 a 1,2 Turbina com quatro palhetas inclinadas a 32 0 1,27 Turbina com quatro palhetas inclinadas a 45 0 4,80 Turbina (seis palhetas curvas) 5,75 Turbina (seis palhetas retas) 0,87 Hélice propulsora marítima (3 hélices) Valor de K T Tipo de rotor
SISTEMAS DE AGITAÇÃO  ESCOAMENTO RADIAL
SISTEMAS DE AGITAÇÃO  ESCOAMENTO RADIAL
SISTEMAS DE AGITAÇÃO  ESCOAMENTO AXIAL
SISTEMAS DE AGITAÇÃO  ESCOAMENTO AXIAL
SISTEMAS DE AGITAÇÃO  ESCOAMENTO AXIAL
Gradiente de velocidade    1.000 s -1 Mecanismo de coagulação por adsorção-neutralização Gradiente de velocidade    300 s -1   Mecanismo de coagulação por varredura Tempo de detenção hidráulico    30 s UNIDADES DE MISTURA RÁPIDA DIMENSIONAMENTO
Vazão: 1,0 m 3 /s Verificação do gradiente de velocidade  DIMENSIONAMENTO DE CALHAS PARSHALL
Seleção da Calha Parshall  DIMENSIONAMENTO DE CALHAS PARSHALL
DIMENSIONAMENTO DE CALHAS PARSHALL
Equação de descarga:  DIMENSIONAMENTO DE CALHAS PARSHALL
DIMENSIONAMENTO DE CALHAS PARSHALL Cálculo da largura na secção de medida
DIMENSIONAMENTO DE CALHAS PARSHALL Cálculo da velocidade na secção de medida
DIMENSIONAMENTO DE CALHAS PARSHALL Cálculo da energia total disponível
DIMENSIONAMENTO DE CALHAS PARSHALL Cálculo do ângulo fictício  
DIMENSIONAMENTO DE CALHAS PARSHALL Cálculo da velocidade da água no início do ressalto
DIMENSIONAMENTO DE CALHAS PARSHALL Cálculo da altura de água no início do ressalto
DIMENSIONAMENTO DE CALHAS PARSHALL Cálculo do número de Froude
DIMENSIONAMENTO DE CALHAS PARSHALL Cálculo da profundidade no final do trecho divergente
DIMENSIONAMENTO DE CALHAS PARSHALL Cálculo da velocidade no final do trecho divergente
DIMENSIONAMENTO DE CALHAS PARSHALL Cálculo da perda de carga no ressalto hidráulico
DIMENSIONAMENTO DE CALHAS PARSHALL Cálculo do tempo de residência médio no trecho divergente
DIMENSIONAMENTO DE CALHAS PARSHALL Cálculo do gradiente de velocidade
Muito  Obrigado !!!

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Saneamento - captação
Saneamento - captaçãoSaneamento - captação
Saneamento - captação
wendellnml
 
Aula 6 lagoas de estabilização e lagoas facultativas
Aula 6 lagoas de estabilização e lagoas facultativasAula 6 lagoas de estabilização e lagoas facultativas
Aula 6 lagoas de estabilização e lagoas facultativas
Giovanna Ortiz
 
Aula 07 - Tecnicas de tratamento - parte 3 - 08.09
Aula 07 - Tecnicas de tratamento - parte 3 - 08.09Aula 07 - Tecnicas de tratamento - parte 3 - 08.09
Aula 07 - Tecnicas de tratamento - parte 3 - 08.09
Nelson Virgilio Carvalho Filho
 
Taa 6
Taa 6Taa 6
Aula 4 explicação decantadores dimensionamento
Aula 4 explicação decantadores dimensionamentoAula 4 explicação decantadores dimensionamento
Aula 4 explicação decantadores dimensionamento
Giovanna Ortiz
 
Lagoas de estabilização
Lagoas de estabilizaçãoLagoas de estabilização
Lagoas de estabilização
marchib
 
Teli 1
Teli 1Teli 1
Exercícios mistura rápida
Exercícios mistura rápidaExercícios mistura rápida
Exercícios mistura rápida
Giovanna Ortiz
 
Sistema de abastecimento de água
Sistema de abastecimento de águaSistema de abastecimento de água
Sistema de abastecimento de água
JessicaMonteiro64
 
Taa 3
Taa 3Taa 3
Taa 7
Taa 7Taa 7
Aula 1 - Introdução a Hidráulica.pdf
Aula 1 - Introdução a Hidráulica.pdfAula 1 - Introdução a Hidráulica.pdf
Aula 1 - Introdução a Hidráulica.pdf
AnneCarolineDePaulaN
 
Taa 2
Taa 2Taa 2
Aula 12 introdução aos metodos tratamento - prof. nelson (area 1) - 13.10
Aula 12   introdução aos metodos tratamento - prof. nelson (area 1) - 13.10Aula 12   introdução aos metodos tratamento - prof. nelson (area 1) - 13.10
Aula 12 introdução aos metodos tratamento - prof. nelson (area 1) - 13.10
Nelson Virgilio Carvalho Filho
 
4 operações físicas unitárias
4 operações físicas unitárias4 operações físicas unitárias
4 operações físicas unitárias
Gilson Adao
 
Taa 8
Taa 8Taa 8
Aula 14 tratamentos biológicos - 27.10
Aula 14   tratamentos biológicos - 27.10Aula 14   tratamentos biológicos - 27.10
Aula 14 tratamentos biológicos - 27.10
Nelson Virgilio Carvalho Filho
 
Aula 06 - Tecnicas de tratamento - parte 2 - 01.09
Aula 06 - Tecnicas de tratamento - parte 2 - 01.09Aula 06 - Tecnicas de tratamento - parte 2 - 01.09
Aula 06 - Tecnicas de tratamento - parte 2 - 01.09
Nelson Virgilio Carvalho Filho
 
Hidrologia Aula 1
Hidrologia Aula 1Hidrologia Aula 1
Hidrologia Aula 1
Ronaldo Cesar
 
Nbr 12214 nb 590 projeto de sistema de bombeamento de agua para abastecimen...
Nbr 12214 nb 590   projeto de sistema de bombeamento de agua para abastecimen...Nbr 12214 nb 590   projeto de sistema de bombeamento de agua para abastecimen...
Nbr 12214 nb 590 projeto de sistema de bombeamento de agua para abastecimen...
Laise Bastos
 

Mais procurados (20)

Saneamento - captação
Saneamento - captaçãoSaneamento - captação
Saneamento - captação
 
Aula 6 lagoas de estabilização e lagoas facultativas
Aula 6 lagoas de estabilização e lagoas facultativasAula 6 lagoas de estabilização e lagoas facultativas
Aula 6 lagoas de estabilização e lagoas facultativas
 
Aula 07 - Tecnicas de tratamento - parte 3 - 08.09
Aula 07 - Tecnicas de tratamento - parte 3 - 08.09Aula 07 - Tecnicas de tratamento - parte 3 - 08.09
Aula 07 - Tecnicas de tratamento - parte 3 - 08.09
 
Taa 6
Taa 6Taa 6
Taa 6
 
Aula 4 explicação decantadores dimensionamento
Aula 4 explicação decantadores dimensionamentoAula 4 explicação decantadores dimensionamento
Aula 4 explicação decantadores dimensionamento
 
Lagoas de estabilização
Lagoas de estabilizaçãoLagoas de estabilização
Lagoas de estabilização
 
Teli 1
Teli 1Teli 1
Teli 1
 
Exercícios mistura rápida
Exercícios mistura rápidaExercícios mistura rápida
Exercícios mistura rápida
 
Sistema de abastecimento de água
Sistema de abastecimento de águaSistema de abastecimento de água
Sistema de abastecimento de água
 
Taa 3
Taa 3Taa 3
Taa 3
 
Taa 7
Taa 7Taa 7
Taa 7
 
Aula 1 - Introdução a Hidráulica.pdf
Aula 1 - Introdução a Hidráulica.pdfAula 1 - Introdução a Hidráulica.pdf
Aula 1 - Introdução a Hidráulica.pdf
 
Taa 2
Taa 2Taa 2
Taa 2
 
Aula 12 introdução aos metodos tratamento - prof. nelson (area 1) - 13.10
Aula 12   introdução aos metodos tratamento - prof. nelson (area 1) - 13.10Aula 12   introdução aos metodos tratamento - prof. nelson (area 1) - 13.10
Aula 12 introdução aos metodos tratamento - prof. nelson (area 1) - 13.10
 
4 operações físicas unitárias
4 operações físicas unitárias4 operações físicas unitárias
4 operações físicas unitárias
 
Taa 8
Taa 8Taa 8
Taa 8
 
Aula 14 tratamentos biológicos - 27.10
Aula 14   tratamentos biológicos - 27.10Aula 14   tratamentos biológicos - 27.10
Aula 14 tratamentos biológicos - 27.10
 
Aula 06 - Tecnicas de tratamento - parte 2 - 01.09
Aula 06 - Tecnicas de tratamento - parte 2 - 01.09Aula 06 - Tecnicas de tratamento - parte 2 - 01.09
Aula 06 - Tecnicas de tratamento - parte 2 - 01.09
 
Hidrologia Aula 1
Hidrologia Aula 1Hidrologia Aula 1
Hidrologia Aula 1
 
Nbr 12214 nb 590 projeto de sistema de bombeamento de agua para abastecimen...
Nbr 12214 nb 590   projeto de sistema de bombeamento de agua para abastecimen...Nbr 12214 nb 590   projeto de sistema de bombeamento de agua para abastecimen...
Nbr 12214 nb 590 projeto de sistema de bombeamento de agua para abastecimen...
 

Destaque

Aula de gravimetria
Aula de gravimetriaAula de gravimetria
Aula de gravimetria
Endler Marcel Borges
 
Colóides
ColóidesColóides
Colóides
profdavidluna
 
Medidores e sensores de vazão
Medidores e sensores de vazãoMedidores e sensores de vazão
Medidores e sensores de vazão
Luís Fernando Ferreira Silva
 
Coloides
ColoidesColoides
Coloides
Ivan Rabelo
 
Instrumentos de vazãommb
Instrumentos de vazãommbInstrumentos de vazãommb
Instrumentos de vazãommb
Marcelo Magalhaes Barbosa
 
Aula - Medição de vazão
Aula - Medição de vazão Aula - Medição de vazão
Aula - Medição de vazão
Carlos Melo
 
Estado Coloidal
Estado  ColoidalEstado  Coloidal
Estado Coloidal
guesta6c807
 
Zoneamento Ecológico-Econômico
Zoneamento Ecológico-EconômicoZoneamento Ecológico-Econômico
coloides
   coloides   coloides
Gravimetria dos precipitados, Química analitica
Gravimetria dos precipitados, Química analiticaGravimetria dos precipitados, Química analitica
Gravimetria dos precipitados, Química analitica
Emanuel Fraca
 
Apresentação vertedores
Apresentação vertedoresApresentação vertedores
Apresentação vertedores
Nircele Leal
 
Regiões agro ecológicas de moçambique pdf
Regiões agro ecológicas de moçambique pdfRegiões agro ecológicas de moçambique pdf
Regiões agro ecológicas de moçambique pdf
Credencio Maunze
 
quimica curso universitario (Mahan)
quimica curso universitario (Mahan)quimica curso universitario (Mahan)
quimica curso universitario (Mahan)
clasesdequimica
 
Hidraulica - Perda de carga exercicio
Hidraulica - Perda de carga exercicioHidraulica - Perda de carga exercicio
Hidraulica - Perda de carga exercicio
Carlos Elson Cunha
 
Hidráulica apostila 1
Hidráulica   apostila 1Hidráulica   apostila 1
Hidráulica apostila 1
Fausto Afonso Domingos
 
Soluções Químicas
Soluções QuímicasSoluções Químicas
Soluções Químicas
José Nunes da Silva Jr.
 
Formas farmacêuticas
Formas farmacêuticasFormas farmacêuticas
Formas farmacêuticas
Venturini Cláudio Luís
 
Aulas de Química Carlinho - Slides.‏
Aulas de Química Carlinho - Slides.‏Aulas de Química Carlinho - Slides.‏
Aulas de Química Carlinho - Slides.‏
Daniele Lino
 
Normas abnt - Referências. figuras, sumário
Normas abnt - Referências. figuras, sumárioNormas abnt - Referências. figuras, sumário
Normas abnt - Referências. figuras, sumário
Mike Barria
 

Destaque (19)

Aula de gravimetria
Aula de gravimetriaAula de gravimetria
Aula de gravimetria
 
Colóides
ColóidesColóides
Colóides
 
Medidores e sensores de vazão
Medidores e sensores de vazãoMedidores e sensores de vazão
Medidores e sensores de vazão
 
Coloides
ColoidesColoides
Coloides
 
Instrumentos de vazãommb
Instrumentos de vazãommbInstrumentos de vazãommb
Instrumentos de vazãommb
 
Aula - Medição de vazão
Aula - Medição de vazão Aula - Medição de vazão
Aula - Medição de vazão
 
Estado Coloidal
Estado  ColoidalEstado  Coloidal
Estado Coloidal
 
Zoneamento Ecológico-Econômico
Zoneamento Ecológico-EconômicoZoneamento Ecológico-Econômico
Zoneamento Ecológico-Econômico
 
coloides
   coloides   coloides
coloides
 
Gravimetria dos precipitados, Química analitica
Gravimetria dos precipitados, Química analiticaGravimetria dos precipitados, Química analitica
Gravimetria dos precipitados, Química analitica
 
Apresentação vertedores
Apresentação vertedoresApresentação vertedores
Apresentação vertedores
 
Regiões agro ecológicas de moçambique pdf
Regiões agro ecológicas de moçambique pdfRegiões agro ecológicas de moçambique pdf
Regiões agro ecológicas de moçambique pdf
 
quimica curso universitario (Mahan)
quimica curso universitario (Mahan)quimica curso universitario (Mahan)
quimica curso universitario (Mahan)
 
Hidraulica - Perda de carga exercicio
Hidraulica - Perda de carga exercicioHidraulica - Perda de carga exercicio
Hidraulica - Perda de carga exercicio
 
Hidráulica apostila 1
Hidráulica   apostila 1Hidráulica   apostila 1
Hidráulica apostila 1
 
Soluções Químicas
Soluções QuímicasSoluções Químicas
Soluções Químicas
 
Formas farmacêuticas
Formas farmacêuticasFormas farmacêuticas
Formas farmacêuticas
 
Aulas de Química Carlinho - Slides.‏
Aulas de Química Carlinho - Slides.‏Aulas de Química Carlinho - Slides.‏
Aulas de Química Carlinho - Slides.‏
 
Normas abnt - Referências. figuras, sumário
Normas abnt - Referências. figuras, sumárioNormas abnt - Referências. figuras, sumário
Normas abnt - Referências. figuras, sumário
 

Semelhante a CoagulaçãO

Aula 4 sedimentacao
Aula 4   sedimentacaoAula 4   sedimentacao
Aula 4 sedimentacao
Renato Cardoso
 
Aula 4 sedimentacao
Aula 4   sedimentacaoAula 4   sedimentacao
Aula 4 sedimentacao
Renato Cardoso
 
Aula 8 - Sedimentação - 2021 - ETAS.pptx
Aula 8 - Sedimentação - 2021 - ETAS.pptxAula 8 - Sedimentação - 2021 - ETAS.pptx
Aula 8 - Sedimentação - 2021 - ETAS.pptx
guilhermechiovato
 
Hidrociclones
HidrociclonesHidrociclones
Hidrociclones
Custodio Filipe
 
Lodo.ppt
Lodo.pptLodo.ppt
Cromatografia liquida
Cromatografia liquidaCromatografia liquida
Cromatografia liquida
Adrianne Mendonça
 
ebulicao_microcanais2014_trabalho_01.ppt
ebulicao_microcanais2014_trabalho_01.pptebulicao_microcanais2014_trabalho_01.ppt
ebulicao_microcanais2014_trabalho_01.ppt
ryuujinken0
 
Cromatografia
CromatografiaCromatografia
Cromatografia
Marilena Meira
 
SEDIMENTAÇÃO
SEDIMENTAÇÃOSEDIMENTAÇÃO
SEDIMENTAÇÃO
Anderson Formiga
 
AULA 4 - MISTURA RAPIDA.pdf
AULA 4 - MISTURA RAPIDA.pdfAULA 4 - MISTURA RAPIDA.pdf
AULA 4 - MISTURA RAPIDA.pdf
SarahSucupira2
 
Diana kaue artigo4
Diana kaue artigo4Diana kaue artigo4
Diana kaue artigo4
Rodrigo Rocha de Lima
 
Roteiro
RoteiroRoteiro
Roteiro
Sesi ba
 
Aula-4-Tratamento-de-água-e-esgoto-Náira_1S2017.pdf
Aula-4-Tratamento-de-água-e-esgoto-Náira_1S2017.pdfAula-4-Tratamento-de-água-e-esgoto-Náira_1S2017.pdf
Aula-4-Tratamento-de-água-e-esgoto-Náira_1S2017.pdf
RossineFerreira2
 
Manta de lodo
Manta de lodoManta de lodo
Manta de lodo
Marcelo Tavares
 
Reynolds
Reynolds Reynolds
tratamento de efluentes 2022 - primário - parte 2.pdf
tratamento de efluentes 2022 - primário - parte 2.pdftratamento de efluentes 2022 - primário - parte 2.pdf
tratamento de efluentes 2022 - primário - parte 2.pdf
RaquelReisMartelloti
 
Aula3 floculacao
Aula3 floculacaoAula3 floculacao
Aula3 floculacao
ju_fur
 
Cromatografia aula
Cromatografia aulaCromatografia aula
Cromatografia aula
Weslei Correa
 
cromatografiaaula-140827092133-phpapp02.pdf
cromatografiaaula-140827092133-phpapp02.pdfcromatografiaaula-140827092133-phpapp02.pdf
cromatografiaaula-140827092133-phpapp02.pdf
Joao Luiz Macedo
 
Sedimentação.pdf
Sedimentação.pdfSedimentação.pdf
Sedimentação.pdf
PereiraJr2
 

Semelhante a CoagulaçãO (20)

Aula 4 sedimentacao
Aula 4   sedimentacaoAula 4   sedimentacao
Aula 4 sedimentacao
 
Aula 4 sedimentacao
Aula 4   sedimentacaoAula 4   sedimentacao
Aula 4 sedimentacao
 
Aula 8 - Sedimentação - 2021 - ETAS.pptx
Aula 8 - Sedimentação - 2021 - ETAS.pptxAula 8 - Sedimentação - 2021 - ETAS.pptx
Aula 8 - Sedimentação - 2021 - ETAS.pptx
 
Hidrociclones
HidrociclonesHidrociclones
Hidrociclones
 
Lodo.ppt
Lodo.pptLodo.ppt
Lodo.ppt
 
Cromatografia liquida
Cromatografia liquidaCromatografia liquida
Cromatografia liquida
 
ebulicao_microcanais2014_trabalho_01.ppt
ebulicao_microcanais2014_trabalho_01.pptebulicao_microcanais2014_trabalho_01.ppt
ebulicao_microcanais2014_trabalho_01.ppt
 
Cromatografia
CromatografiaCromatografia
Cromatografia
 
SEDIMENTAÇÃO
SEDIMENTAÇÃOSEDIMENTAÇÃO
SEDIMENTAÇÃO
 
AULA 4 - MISTURA RAPIDA.pdf
AULA 4 - MISTURA RAPIDA.pdfAULA 4 - MISTURA RAPIDA.pdf
AULA 4 - MISTURA RAPIDA.pdf
 
Diana kaue artigo4
Diana kaue artigo4Diana kaue artigo4
Diana kaue artigo4
 
Roteiro
RoteiroRoteiro
Roteiro
 
Aula-4-Tratamento-de-água-e-esgoto-Náira_1S2017.pdf
Aula-4-Tratamento-de-água-e-esgoto-Náira_1S2017.pdfAula-4-Tratamento-de-água-e-esgoto-Náira_1S2017.pdf
Aula-4-Tratamento-de-água-e-esgoto-Náira_1S2017.pdf
 
Manta de lodo
Manta de lodoManta de lodo
Manta de lodo
 
Reynolds
Reynolds Reynolds
Reynolds
 
tratamento de efluentes 2022 - primário - parte 2.pdf
tratamento de efluentes 2022 - primário - parte 2.pdftratamento de efluentes 2022 - primário - parte 2.pdf
tratamento de efluentes 2022 - primário - parte 2.pdf
 
Aula3 floculacao
Aula3 floculacaoAula3 floculacao
Aula3 floculacao
 
Cromatografia aula
Cromatografia aulaCromatografia aula
Cromatografia aula
 
cromatografiaaula-140827092133-phpapp02.pdf
cromatografiaaula-140827092133-phpapp02.pdfcromatografiaaula-140827092133-phpapp02.pdf
cromatografiaaula-140827092133-phpapp02.pdf
 
Sedimentação.pdf
Sedimentação.pdfSedimentação.pdf
Sedimentação.pdf
 

Último

Apresentação sobre Deep Web e anonimização
Apresentação sobre Deep Web e anonimizaçãoApresentação sobre Deep Web e anonimização
Apresentação sobre Deep Web e anonimização
snerdct
 
INTELIGÊNCIA ARTIFICIAL + COMPUTAÇÃO QUÂNTICA = MAIOR REVOLUÇÃO TECNOLÓGICA D...
INTELIGÊNCIA ARTIFICIAL + COMPUTAÇÃO QUÂNTICA = MAIOR REVOLUÇÃO TECNOLÓGICA D...INTELIGÊNCIA ARTIFICIAL + COMPUTAÇÃO QUÂNTICA = MAIOR REVOLUÇÃO TECNOLÓGICA D...
INTELIGÊNCIA ARTIFICIAL + COMPUTAÇÃO QUÂNTICA = MAIOR REVOLUÇÃO TECNOLÓGICA D...
Faga1939
 
se38_layout_erro_xxxxxxxxxxxxxxxxxx.docx
se38_layout_erro_xxxxxxxxxxxxxxxxxx.docxse38_layout_erro_xxxxxxxxxxxxxxxxxx.docx
se38_layout_erro_xxxxxxxxxxxxxxxxxx.docx
ronaldos10
 
Subindo uma aplicação WordPress em docker na AWS
Subindo uma aplicação WordPress em docker na AWSSubindo uma aplicação WordPress em docker na AWS
Subindo uma aplicação WordPress em docker na AWS
Ismael Ash
 
Ferramentas que irão te ajudar a entrar no mundo de DevOps/CLoud
Ferramentas que irão te ajudar a entrar no mundo de   DevOps/CLoudFerramentas que irão te ajudar a entrar no mundo de   DevOps/CLoud
Ferramentas que irão te ajudar a entrar no mundo de DevOps/CLoud
Ismael Ash
 
Aula combustiveis mais utilizados na indústria
Aula combustiveis mais utilizados na indústriaAula combustiveis mais utilizados na indústria
Aula combustiveis mais utilizados na indústria
zetec10
 

Último (6)

Apresentação sobre Deep Web e anonimização
Apresentação sobre Deep Web e anonimizaçãoApresentação sobre Deep Web e anonimização
Apresentação sobre Deep Web e anonimização
 
INTELIGÊNCIA ARTIFICIAL + COMPUTAÇÃO QUÂNTICA = MAIOR REVOLUÇÃO TECNOLÓGICA D...
INTELIGÊNCIA ARTIFICIAL + COMPUTAÇÃO QUÂNTICA = MAIOR REVOLUÇÃO TECNOLÓGICA D...INTELIGÊNCIA ARTIFICIAL + COMPUTAÇÃO QUÂNTICA = MAIOR REVOLUÇÃO TECNOLÓGICA D...
INTELIGÊNCIA ARTIFICIAL + COMPUTAÇÃO QUÂNTICA = MAIOR REVOLUÇÃO TECNOLÓGICA D...
 
se38_layout_erro_xxxxxxxxxxxxxxxxxx.docx
se38_layout_erro_xxxxxxxxxxxxxxxxxx.docxse38_layout_erro_xxxxxxxxxxxxxxxxxx.docx
se38_layout_erro_xxxxxxxxxxxxxxxxxx.docx
 
Subindo uma aplicação WordPress em docker na AWS
Subindo uma aplicação WordPress em docker na AWSSubindo uma aplicação WordPress em docker na AWS
Subindo uma aplicação WordPress em docker na AWS
 
Ferramentas que irão te ajudar a entrar no mundo de DevOps/CLoud
Ferramentas que irão te ajudar a entrar no mundo de   DevOps/CLoudFerramentas que irão te ajudar a entrar no mundo de   DevOps/CLoud
Ferramentas que irão te ajudar a entrar no mundo de DevOps/CLoud
 
Aula combustiveis mais utilizados na indústria
Aula combustiveis mais utilizados na indústriaAula combustiveis mais utilizados na indústria
Aula combustiveis mais utilizados na indústria
 

CoagulaçãO