SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 10
Baixar para ler offline
2.1 Característicasgerais
dosvírus
Os vírus sãoseresdilìinLúos,visíveisâpe-
nâsâo micì.scópio elelìônico.consiituídospor
apeÌrâsdurscÌals€sdesubstâncias.ÌuÍìicas: áci-
do nucléico,.ÌuepodeseìDNA ouRNA. e pro-
teínâ.
O qÌrÈdifcrenci.ìos vírus de todos os ou
tros seresvivos é qrc cÌes sãoacelulâres, oÌr
seja,nãopossuemestrulurâceÌular.Assim. não
1êmâ complexamaquinariabioquínica neces
sáriâparafazerfuncionar setrprogramagenéti
co e precìsaìnde célulasqueos hospedeìn.To
dosos vírüssãopàrâsitâs intrâcelulsÍes obri-
gatórios.
Atuando como um "pirata ' celular, üm ví
rus invadeumacéluÌa e as$umeo comando.fa
rendo com que ela trabalhequaseque exclusi
vamenteparaproduzl novos vírus.A infecção
viral geralmenÌecausapÌofundasalteraçõesno
metabolismocelular.podendolevaràmortedas
céluÌâs infectadas.Víus causaÌndoençasem
pÌân1âse em animiis, inclüindo o honem.
Exemplosde doençashu
dâspor vírüs sãoo sarampo,a varíolae dive.
Forada célulahospedeiÌa,os vírusnãoma-
Ìifestam nenhumÂâúvìdade vitaÌ: não crescem.
não degradam neln fabricam substâncias e não
rcâgeÌna estímulos.No entanto.selìouler célu
lâshospedeirascompatíveìsì suâdisposìção,uìì
ÌÍrico vírusé cdpdTde originar.em cercade 20
minubs, centenasde novosvíms.
2.2 Estrutura e diversidade
dosvírus
CrD"iJi.
O envoÌtóriodosírus.fonnadopoÌproteí-
nês,é denomirìadocâpsídio.AlémdeprotegeÌ
o ácìdonucléicoviral.o câpsídioteÌnÂcapacj
dadedeseconrbinarquinììcamentecomsubs
tânciaspresentesna superiíciedascélulas.o
queperÌnileaovÍus reconheceÌe atacaro iipo
decéÌuÌaadequadoa hospedálo.Algunsvíus
podem,ainda.apresent.ìruÌnenvoltóriolìpídi-
co,proverlientedanembranadacéluÌaondese
orìginaram.
i[ú0 N]iüìÍi.o
OÌnâÈriâlgenéticodosvíÌuspodeserDNA
ox RNA, ondeestãoinscritasasinloÌmações
paÌaâ FoduEãodenovosvirus.Cadaespécie
virâÌ possüumúnicoripodeácidonucléico:há,
poÌtanto.írus deDNA e vírus deRNA.
Olirio
A paúícuÌaviraÌ.quâDdoforadacélulahos
pedeirê.é geneÌjcamentedeDominadavírion.
Cadaespécìede vírus apresentâvÍions de for
Ìnalocaracterístico.(Fig. 2.1)
Vru5 do herpesímplex
@,,,',"ffiffff:ffi
ilg
ffi
w
@
6
Figuro2.1 Nosdesenhos,olsunsiiposde ví.us,reprêseniodosèmescolo.No ÍdÕmicroqroÌioêtehônicoo
esqJe.dÕ,oordoor[Íciôlm"nr-.-rorsdel-erpe.{cordelo,ÕriolÌe,o.dodol,,rc(;zLêr,o)pdÕo
( 'oplosro{ve'de)deLmocèlulô:nI;.!do.No Íoicr icrog-oÍôêler'óri,o o o,'eitocolo'iooorl,c,dl-ê. e.u,,
vífiondêyoÍiolo.
18
, .
n'
':
x.';' ,
W
A especificidadedosvírus
Em geÍal.umtipo devÍus âtâcaapenasüm
oupoìcostiposdecéÌuÌa.lssopoíqüeumdeleÌ-
minadoÌìpo de vírus sóconsegueiúèctar ümâ
célülâquepossua.nâm,embrana,substânciasàs
quaiseÌepossaseÌigaÌ.
OvírusdâpoÌiomielite,poÌ exemplo,éaÌÌa-
men!eespecifico.inÍertandoapenascélulâ'neF
rosas,inre.íinâisedamuco'âddgffganlJJào
 rru.darubéolâedardnúlâcon'egueminÍectar
maioÌnúmerodetecidoshumanos
O, rrru. degnpe,ãob:rânreerlreise
podemrÍìlecurdrveÍso.rìpo'deceìulahumâna
e tambémcélulasde dìferentesânimais,como
pat'.câvalo'e porroc.tm muirô.cd'os.e*â
caprcidâde'e deeaofârodee"e.riru' con'e
gLirem'e ligara 'ub'úncrarpre'enr'emcéìu-
lâsdedìversostiposdeorganismo.
2.3 Reproduçãodosvírus
A rcproduçãodeuÌì vírusenvolY€doisas-
pectosiâduplicaçãodo mâteriâl g€néticoviral
easíntesedasproteínasdocapsídio.Comov!
mos.osvÍrusnãopossuema maqumanâneces-
sáriapâÌâÍeaÌizaressesprocessose porissosó
podemsereproduzirno interior decéÌulashos
Os vírusdesenvolveram,ao Ìongode sua
evolução.mecânismossuÌpÍeendentespâÌasub-
vertefofuncionamentodâcélulahospedeiÌaese
reproduzirà custadelâ.GeralÌnenteeÌesinìbem
o tuncionâmentodo mâteriâlgenéticodacélulâ
infectadae pâssamacomândma síntesedepÌo_
Ciclo reprodutiYo deum
bacteriófago
Um vírus muito estudado é o bacterió{ago
T., qüe serepÌoduz em certas linhagens da bac-
têti:àEscheric hìa colí.
Quando o úÌion do bâcteriófago TaentÍa em
contato com âbâctúia, adereàpaÌedeceÌuÌêrpor
meio de ceía prolernâ.presenle.nâ' fibÌasde
.ua cJudâ.Seme.r rcconhecimenromolecuìd
un vlrusnáocon.egueinlecrata F,.h ' i.hia '.lt
Nr câudddo bacreriólagoe.rànrambemp'e
.enre. enzima, que. orivadasJpo' o reconhe.i
mentomoleculâÌ,sãocâpazesdedigeÌiÌ eperfu-
rarâpâÌededâcéÌutabâcterianâ.ODNA dobâc-
teriófagoé,então,ìnjetadonocìtopìasmâ.
Umaveznointeriordabâctéda,osgenesdo
bâcteÌiófagosãoüanscritosem nolécuÌâsde
RNA etraduzidosemFoteínasviÌais.IssoocoÍ-
rc porqueasenzìmâsde trânscriçãoe tÌadução
dabactérianãodìstinguemosgenes'doinvâsor
deseusFóprÌos genes.
As pdrnenâsFot€ínâsviÌâis quesefomâm
induzerno DNA viraÌ âsenuÌtipÌicar, aoÌnesrno
tempoqueinibemo tuncionâmenlodocromosso-
mobacteriano.Empoucosminutosabâctériâesú
totalmenÌecontrolâdapelobâcteriófago.
O passosegrìinteé âproduçãodaspÌoteínâs
queconstìtuirãoâscâbeçâse câüdasdosnovos
vírus.Câbeçae câüdasãoeÌâboÌadasseparadâ
mente,e depoisseagregâmâoDNA. forÍnândo
CeÌcade 30 minutosâpósa entradadeum
únicofâgoinvasoÌ,â célulabâcteriânajá estáre-
duzidaa umabolsâÌ€pletade paÍícuÌâs vÍaú.
Nessemomentosãoproduzidasenzimasqueinj
ciamadestÍuição.oulise(dogregoô,i}J, desuui
çáor.dâpaÍedebâderiãna.qüeârÍebenrde über:
cenrenâ'devirionsmâduro..quepodeminÍêúâr
outrâsbâctéÌiaserciniciâro cicìo.(Fig.2.2)
Ciclo reprodutivo de um
vírus degripe
ExistemcentenâsdevâÌiedadesdevÍrusde
gipe, todospoÍadoresdeRNA, quêé seumate
Íiâl he{editáÌio.
A infecçãogripal começaqüandoo vírion
âdeÍeasübstânciasÌ€ceptomspÌ€sentesnasuper
fïcie dâscéÌulashospedeiÌâs,geÌâlmenteasqüe
rcvestemasvjasÌespiÌâtóriâs.A paÍtículaviÍâlpe-
netrâinGirÂ,nissodiferindodobacteÌiófâgo,em
queâpenâso DNA viraÌpenetÍânacéluìâ.
No interior da célulâo capsídìoé dìgerido
porenziÌnas,libeÍandooRNAnocitoplasma.O
RNA dovírusdagripeedeoutrosvírusdeRNA
(excetoosretrovírìrs)écapazdeseduplicar,ori-
ginandoinúmeÍâscópiâsdentÌodacélulâhospe-
deiÍâ. As infoÍÌnaçõesgenéticasdo RNA viÌaÌ
sãoenÌãotraduzidas,dândoofgem aoscompo-
nenìesprotéicosdocâpsídio.
19
DNA
liberoçõodosnovosvniônr
lnico dd fofúoçõo Acúmuo dê
dê panículosv rol5 pÕúícúlÕsvúdis
a 7 )4 2j . :: . ,::2r.,.,,::::
ÌêmPo(mii)
íigqo 2.2Cco repÌodutivodobocieÍófagoTj.Ehcercode30 minutos,!m únjcovírìoninÍecronteécopozde
gerorenhel0O e 200viriÕns.
A reünião de ícì&)s nucléìcose capsídn)s dâ cétnl.Ìhospedcjra.enìborajssopossaocorfer
orÌgìra rovos virÌons,quese libcrtrDrdascétu enì virludedâsperrufbaçõcscalsrdnspelaìnrec
Ìasinfectâd.ìs.Nâohá,nccessariamcntejanÌoÍlc çãoviÌrl. (Fig. 2.3)
[igur6 2.3 EtoposdÒ rê
prod!çõô de um vírusde
srlpêemcélllôsdooporelho
rêsprotóriohuhono.(l )
Fixoçõodo vírionò mem-
bionqdo céutq (2ì e 13)
Enslobomentodovírion.(4)
DêÍruiçõôdo ervorório
prôréicoeiheroçõodosoiro
moléc!losde RNA 9ue
consiÌuemo genomoqro.
{51Síntesede RNA men-
soseirov rol ló)Dupli.oçõo
doRNAyirôI.{Z)SínresedÕs
proreinosvircìs.(81 ncôr
porocõode proleínosvirois
na memb,onoclutor (e)
EmpocolomeriodoRNAyi
rol côm proteÍnos.ll0)
El;minoçõodo vÍion pêq
céuo oddolhê(quodrôò
esquerdalmôstraos ei
coixesmoleccloresque
pêrmiieho llgoçõodovírus
"it;::
l
20
Cicloreprodutivo
deum retrovírus
O Ìnâteriâl heÌedìtín) dos reúo!íus é o
RNA. A p ncìprl caracteríslicâdessetipo dc ví-
Íus é a presençâdâenznnatranscriptasc rêYer-
sa,caprzde produzirÌnolécultsdc DNA aprrtiÍ
dc RNA, isto é. dc cxccutarunrâ'1tunscÌiçio ro
A nlenÌbram do rctlovÍus se funde colÌ I
ìneÌnbÍânada céluh hospedeìra.e o câpsídiovi
ìâÌ peneúano cin)plâsmâ.Unì.llez ljberrÌdodo
c.ìpsídioprotéìco,o RNA produT.sobâ açãoda
truscÌiptase reve|sa.uma molécul! cìeDNA.
F-sttpeDcrâno núcleodâcéÌuÌx.inlroduz-seem
uÌn doscronossomosdo hospedeiroe rccoÌnb1-
na secom o DNA ceÌuld.
O DNA virâl i egrâdoâ(
luìàÍ é cÌìaìì{do províms. Ele é reconhecidoe
transcrìtopehs enzimâsdâ céÌuÌâ hosFdeirâ,
de nodo que logo coÌncçân â surgir molécüìâs
de RNA coìn inlbrmaçõcs prìÌâ a síntesedc
transcriptasereversâe d$ prolcínâsdo cèp!í
dìo. AÌgunas dessis nìoléculasdò RNA são
emptÌcotâdrsjuÌtiìÌente coìn nrolécuÌasde
transcriptrse reversa.originando ccnlenasde
Umr ez com os genesdo provírusrúegra
dos aosscus.a célulaintèctadaproduzpaÌtícu-
ÌâsviraisduÍântetodaa sui !ida. A infccçãopol
rctrcvÍus gcrâÌmenlenão lea à morte r cóltrÌâ
hospedeìÌa,c cstâpodeseÍepÌoduzire tfrDsmr'
rir o pÌovÍus iìÌtcgÍadoâ suâsiìÌhâs.(Fig.2.;r)
@' o
OO
'
id,j'o2.4 EtooodÕÍeoroducòodeumÍerrôvrusêmumocéluo (I )Fixoçôodovírioro receptoresdomembrono
d;ce! o.(2liereÌroçõodocopçdio(3)LrberoçaodoRNAvlrol(r')SíntesedeDNAÕPadirdÒRNAvirol(5J
PeneirqçôodoDNAvlro nonú;bo.e! or ló)IntegroçõodoDNAvnoloooomôssomodo.é1!o 17)SÍniesede
RNAviro (8)SinrêsedosproÌeínosvlrois.{9) EmpocotomenrôdoRNÀvno comproteinosÍôrmqndoocopsídio
(10ìlncoryorÒçõodeprÕréÍnosvlroisno membronocelulor.(l 1)EllmlnÒçõodôvirionpêlocé! o
21
RúuoÌíru!tincdÌ.ALdj
MÌritosrcrÌovíui possucnìgenescìcDoìÌina
ü,', oncoqenc.it,. ndu,/drì:,. c<t rd h,,,|e-
d(ira' ; Ji'.1o J. ro ,rÍo1..1.,.. nrnJ ,{ ,:,!10
de tumorcscancerosos.
Rec,nlerrenr"Je.cobr| | r-.e:t. I r fe Ío
rruquejr í(cr Inc.lub. Irrlo.. l r r( (t...
destacr se o HIV. sigÌâ eÌn irgÌôs de Ìl,nan
InnunaleíiìeY: I'izJ, que aLrcaos lintõci
tos T do sânsuee é o rgente câusâdorda sín"
dromedâ imunodeficiência âdqui rida. aAids
60 ìt1g)ês.A.quirc.] iútnunodelüj..rcr sn
llrone). tFls.2.5) .
EnÌboraa ÌnaioÍir dosreÌÌovíus não c{u1e
doençasgrrves I Aids é morrate veÌn sc disse,
minandof.ìpidancnÌepeÌo nrtrndo.desdc l98l.
SegundoalSunscientisÌis.ìssoocoÌÌe porqueo
lIÌV era ori-!ìnaììncnreÌrnì vÍ.us prescDteeÌn
nìacacose.apen:ìsrccertcmenle,teriasidoh.ans_
rìÌilìdo à espéciebuDrana.qüe âinda não teÌe
terìpo sufìcientepàrâ se adaptafa eÌe.À Aids
sefáeÍuúìda co ìÌaü dciathesno capíruto25
desteÌivì1r.
Vírus edoenças
Os !íÌs câusrnr'írì.1!docnçasao hoÌnem,
aosrniÌnaise àsplanras.Até o moÌnenro.Ìroucas
drogrs se nìostraÍrìmeficrzesem desÍujr os ví-
rus scmcausarsériosetèitoscotrrerais.
A ìÌeÌhor nìaneiracìecomhnÌerâs doençâs
vlrris é aÍavésdc vacinàs.Crâçasis crnrpanhâs
nNndiais de vrcinação,a vâríolají foi pfaticr
ìnenÌeeÌÌadìcadâdo plâneÌâ.OrÌrÌasvxcinasrÌ
lanrenteelÌcazcsião ascorìrraa polj!ììieliÌe c o
srraÌnpo.(Tab.2.l)
PÌôrêínosrêspônsóvêis
Môéc!tosdê
ranrcrprose
Figuro2.5 EsituÍurqdo HtV,o rerrovíruscousodordÒAids.
22
Goii@loideFlirc, .onktodiBlb,
úieios,conrominoddkop.s,go.
OvíM p€mtmpelosmloms dG
órcnË.t.udúrldê nsrdo.;m
Peeè mu@sos,dusndo6 ule'
roçôsomcr€ísri.ddodoêiÇo.
Vo.iiocõo@minhoqemdêvitur
dtsuodolumolinhos;mqleob@
oaodobovino,GrÒé,r.ind déví.
AÌÌdésdopiododomosquitoÁe
der oeglp,i O mosqulro.oíro-
o,noiê @p@ umnonêmouou
Ovnú êintoduzidoiúironmrê
@nosdllwdorcsqliro,dnmi.
mêdulo6smêqõnslo! nturco!
Vo(noçôo.omlinhogemdevíru.
orenuodolvacinod6virusvivôd
Dêshuiçõodonosluibl€d6r,B.
O vlÍ6 penerropelomu.dd do!
vlor rèspirotÒdor,.oi nocorenh
$nsüiimeFdi*n m pordi€r
Vocnoçõocm vnü vls de nho
Acrcdhaeq@ovjruipsêhePéo
bo@e e mu pliqmpÍinelrcno
gdçdnbôrcsin!€5ÍrcsDoíd$e
mmos P€rô@rPo,oÍ@$ oosoi
gueSêlring, .éuìosnêrusosèe
alEfiodomuÍuotuÍoesquelái.o,
Vftinoçõo@mviMviÍ!mroìnoÍ
vodolÉ.inosolkl@(m vnBvÉ
PelomordedurodeonmolÌntoc O víÍ6 pereÍop€lohimd0 do
nodedutuiunbmnl€om o$ iw
domimo.Atingeo siremonm
s .entÌol,ddê s úutip @,.ou
sonoooorcsürcpo@€saoíie.
Vocinoçôodq c&s,e minoçòod6
(õêsdêÍ!o, Éc ioçõôdepe$ús
rcrd dospor.õs de@ih<l&sd
.m suspèodèpóftroooenço.
Pkododemoquiro,e dê(oÍe O v1rusé intodlzdona.orrcnrè
$nguheoP€loPodo d. oiÌoPd
doportodorAtngeor é ! or do
Conborôoosodópodosverorcs.
Cotiolosdêslir, conbrodiÍelo,
obièros,.onhminodoekopos,gor
Ovlú oh@nomomeiteorglôtr
duossovo@ipdólìdos,podendo,
mhetonlo,oolEo.É no!l4ticu
os,ddnos,p00(ú5e.ee@
GÍipe Oví6 dw o5reciddd6 poÍÉfl
Npo,oH doopÍè horesprcroÍioi
Conromino.õodêóouoêobieros
porËadelndMd,s"@ii!.i*;16
5!põee qmhG6s lm$onemo
viru:deÍea orlmimdosporcoli'
mir.r 64_e obiebs.0 no& de
0vÍusmulloli.o€notoodo..du.
sondodstrulçõodecélJshepa.
lr^dido:desnomento;ffsoizo-
c@dosnoiipulodor6dêoliM.
ros.a inièçôodègdmdglobulino,
enÍoidodesobsngìjíns húmo
io, pooê@iÈír pÍoÉçoompe
CoilominoÉoolrdérdêìronslusõo
delonsledepe$@!inÍebdo'
peo HV,dous deinshumnl$.i
rurum oussng6 onrmmomse
hnrbmoi@ésdooro!ã!o ,qum_
aindoiõô sê6te eïó dir6sbr
Ovíusoto@os inlóciros,quoóo
os.é!osmoÍ@odd dodebm
immiú,iodoüsono,roÍmndo
o mcopozoercss r 05nE.çoes
opoÍlun,o! O indivdm-dÍêtodo
9émMtsnorec nFcç@gflt
ri@ izoÉoÍiso@ d6 hn.osde
úig@, porc4ilor dshib!çõode
rng@.ohninodo.Esblizo&
Írgorcsdo!nítunènl6c çor
êuiodeoguhôse*íngo! oekoÍ
rows.PÍaençõodepo$ivê.onl6.
sionooto.dudl P6lou$ dôpre.
Tob€lo2.ì Alsumosd@nçoscousodosporvÍr$.
23
Diagnosêdos vírus SeÍesaceutares,conslituídospor um ácidonuctéico(DNAou RNA)e
pÍoteínas,ParasilasintÍacetularesobrigalórios.
Oncleenconlrar vírus? Os vÍus sáo visíveisapenasao mjcroscópioelêtrônico.podemser
deteclâdospelâsdoençasquecausamêmouirosseÍesvlvos(planlas,anÌmais,bactériasetc.)
ê a mêlhormaneiÍade achá"iosé procurarnoorganismoqueaprêsentaos sinlomasda inec_
çãoviíâl-SãoexêmpÌosdevíÍusqueparasìiamo hoÍnem:osvíruscausâdoresdasgÍipes,do
sararnpo,da raivae daAids,
ClassiÍicaçãoOsvírus,peloÍalode nãoseÍemconstiiuÍdosde cótuÌas,nãosãoinctuídosem
nenhumdoscÍncoÍeinosde seresvivos.
BêprocluçãoMulliplicâm-sêapenasnointerioÍdecétutashospedeiras.tJmúnicovÍrion(partÊ
culaviral)podeoriginarcentenasdeoutrosemcurtoinlerualodelempo.
Textoodopiddodolivropi.orosdocéluio,deAndrewScon.roducaode
MorioGsrsjnoSesurodo,ColeçqoUnivêrsoddCiêncid,Edições70,
Lisboo,I982.
OsvírussãominúsculospiraÌasbiológicos.primejroelesinvademascéluÍasvivase.
depois,se utilizamdocomplexometâbolismocêlularparaproduzirmâisvÍus.
Osvírusentramnascélulas,multiplicam-seedepoissaêmparaseiníiltraremoutras
células,repetindoo processo.A quasetotalidadedas reâçõesquímicasnecessáriasa
concÍetlzaçãodestecicloinfindávelé executadapelascélulashospedeirase nãopelos
víruspropriamenteditos.
Durantesuatransmissãocélulaa célula,osvíruspodêmprovocardanosdevaslado-
res.Asdoençascausadasporvírusvãodesdeinfecçõestíviais,comoo reslriadocomurÌì,
até â varíola,â raiva,a Íebreamarela,o cancroe a Aids.Entreessesdoisextremos,
siluâm"sedoençascomoa gripe,a catapora,o sarampota cáÌxumba,a hepatite,a polio-
mielitee oulrasmais.Essasdoênçassãocapazesde mâtar,aleiÌarou, na melhordas
hipóteses,nosprovocardesconíortodurantêdias,semanasou meses.Osvírusnãoata_
camapenaso homem,mastambémpodeminlectaroutrosanimais,planlâsou bactérias.
Apesarda recêntee alarmantedisseminaçâodaAids,o séculoXXpresenciouuma
extraordináfiatransformaçãonarêlaçãoda humânidadecomosvírus.Aolonqodemjlha_
resdêanos,osvírusmataÍammilhõesdeserêshumanos,alémdecausaren;mesdanos
aogadoe às colheitas.Atualmenle,porém,é possívelevitarmujtasinfecçõesviraispor
meiodavacinação.
EmborâosvÍus aindanãolenhamsjdoderrotados,osveniosdamudancacomecam
a soprar.A provamaiseletivadissoé o triunÌodefinitivosobrea varíola,umaáasdoencus
infêcciosasmaisdevastadorasdahistóriadahumanidade.Graçasa ummonumentalesior_
çodêvacinaçãoporpartêdaOrganizaçãoÀrundialdaSaúdê,a varíolafoierradicada.
Naspróximasdécadas,váriosoutrosvírusperigososlerãoo mêsmodestinooueo
davaíiola.ouseusefeitosnocivosseÍáodrasticamentereduzidos.
1. Façacinco desenhos,com legendâsexplicâ.ivascuÍas. queiÌustremcadaum dosmo
nentos do cicÌoreprodutivodo bâcleÌiófà8pTr descritosI seguir:
a) fixaçãodo vírioni d) ììontâgemde vírionsi
b) injeçãodo DNA: e) lise da bâctéria.
'c)nulúplicação do DNA viúll
2. ApontepeÌomenosduasdiferençasimportantesnosciclosrepÌodutivosdc uÌn vírusde
gripee de um bacteriófâgo.
3. Sobreos retovíÌïs, rcspondai
a) QuaÌé o mâleriaÌsenéúco?
b) Qual a funçãodr enzìmâtanscriptasereveÍsal
c)oqueéplovírus?
d) QuedoençâspodeÌncausar?
4. Apontee cêracterize.em Ìinhâsgenis. trêsdoençâscâxsâdaspor vírüs.
A. TESTES
Blocoúnico. Osvírus
l. (PUC/Cmpinâ! SP)A pâlavE télula,. etìholo
gÌcâmente,ven de.?/4,quequeÌdjrerlequenâcd-
qdâde.Toddsoso.goimos livos sãofomâdos
de.éltn6, àexceçAodo(at:
a)tungos. d)âlsascimofíceas(uuis).
bl brclédas. e)protozoários.
2. (J. F.S.CdÌos-SP)QuaÌdoseÌuFx apresútâdos
Èúneapenasdoe!ç6 causadasporvms?
a)Rubóola.poiiomielÌte,tétdo, tèbreamarelae
b) Hepdlitelnfecciola,febreanàreta,Dbéolâ.
poliôÌnieliteevâríola.
c) Malíriâ. catalon, crÌumba,saraúpoe ru
d) Tétmo,polìomielìte,tubeÍculose,gripee ru-
e) saÌampo.râríoìa.nÌaldrir, iebrcamarelaehe-
pâtiteiníecciosâ,
3. (LIFRN)TodosÒsvírussãoconsLituídospor:
a)DNA epforeínás.
b)aminoácidoseágua.
c) ácidosnucìéìcoseproreÍnas.
d)DNA CRNA.
e)RNAeproLeínas.
4. (Unirio) Tôdososvírus;
a)sósereproduzomno ìnterioi decéluÌas.
b) são!üasltas devegerâissuperìo.es.
c) sãopatoeênicospda o homem.
d) podemserobservadosâomicroscópioóllico.
e) sãobadedófagos.
B. QUESTÕES DISCURSIVAS
5. (Faap'SP)O quesão,comosãoconsrituídose
ondesereP|oduzemosvírus?
ó. (Vunesp)O vírusresponsávelpetasÍndronedd
imunodeficiênciaadquirida(Aido é um retroví
Íus.Qualo tipo dêácidonucÌéicoquecolstiÌuj o
hate.ial genéticodosfeúovírus?A denomjn.ção
'Ìerrovírus"rcferesea queclracledsrìcadcsse
7. (FuvesÌSP)Queesuôentospodemserusados
parajusÌificâracla$ificaçãodosvÍus comose-
l Os vÍrus causam yárias doènças ao homeh.
âosanlmâis e àsplânt.s. Até o DÌomenlo o que se
sabesobrc o uso de drogls no conbate dasdoen
çâs virais? Quaì a melhoi úaneira de coô-
2.
3.
EnumeÌealeumascâracteísÌicasdos víus.
Citetiés doençdscausadaspor vfius,jndicandoo
modo detrdsúissão, modo de inïecçãoe medj-
26

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Biotecnologia
BiotecnologiaBiotecnologia
Biotecnologiaanabela
 
Virus e bacterias
Virus e bacteriasVirus e bacterias
Virus e bacteriassala703
 
Resumo teórico de virologia
Resumo teórico de virologiaResumo teórico de virologia
Resumo teórico de virologiaemanuel
 
DNA recombinante - Resumo de aula
DNA recombinante - Resumo de aulaDNA recombinante - Resumo de aula
DNA recombinante - Resumo de aularenatanatali
 
Fundamentos De Engenharia GenéTica (Parte Iii)
Fundamentos De Engenharia GenéTica (Parte Iii)Fundamentos De Engenharia GenéTica (Parte Iii)
Fundamentos De Engenharia GenéTica (Parte Iii)Nuno Correia
 
Vírus e bactérias
Vírus e bactériasVírus e bactérias
Vírus e bactériasletyap
 
Vírus e bactérias
Vírus e bactériasVírus e bactérias
Vírus e bactériasletyap
 
Herança extranuclear em fungos
Herança extranuclear em fungosHerança extranuclear em fungos
Herança extranuclear em fungosUERGS
 
Recombinação nos vírus
Recombinação nos vírusRecombinação nos vírus
Recombinação nos vírusUERGS
 
Virologia Geral - Replicação viral
Virologia Geral - Replicação viral Virologia Geral - Replicação viral
Virologia Geral - Replicação viral Wilia Diederichsen
 
Virologia Geral - Estrutura dos vírus
Virologia Geral - Estrutura dos vírusVirologia Geral - Estrutura dos vírus
Virologia Geral - Estrutura dos vírusWilia Diederichsen
 
Polo palmares virus completo
Polo palmares virus completoPolo palmares virus completo
Polo palmares virus completomarciliosilva01
 
Virus - Anglo Santos Dumont
Virus - Anglo Santos DumontVirus - Anglo Santos Dumont
Virus - Anglo Santos DumontPedro Tavares
 
Aula 2 virologia
Aula  2 virologiaAula  2 virologia
Aula 2 virologiaEdelma Vaz
 
7 1 2 RevisãO Fundamentos De Engenharia GenéTica
7 1 2  RevisãO Fundamentos De Engenharia GenéTica7 1 2  RevisãO Fundamentos De Engenharia GenéTica
7 1 2 RevisãO Fundamentos De Engenharia GenéTicaCidalia Aguiar
 

Mais procurados (20)

Biotecnologia
BiotecnologiaBiotecnologia
Biotecnologia
 
Virus e bacterias
Virus e bacteriasVirus e bacterias
Virus e bacterias
 
Resumo teórico de virologia
Resumo teórico de virologiaResumo teórico de virologia
Resumo teórico de virologia
 
DNA recombinante - Resumo de aula
DNA recombinante - Resumo de aulaDNA recombinante - Resumo de aula
DNA recombinante - Resumo de aula
 
Fundamentos De Engenharia GenéTica (Parte Iii)
Fundamentos De Engenharia GenéTica (Parte Iii)Fundamentos De Engenharia GenéTica (Parte Iii)
Fundamentos De Engenharia GenéTica (Parte Iii)
 
Vírus e bactérias
Vírus e bactériasVírus e bactérias
Vírus e bactérias
 
Vírus e bactérias
Vírus e bactériasVírus e bactérias
Vírus e bactérias
 
Herança extranuclear em fungos
Herança extranuclear em fungosHerança extranuclear em fungos
Herança extranuclear em fungos
 
Vírus Biologia
Vírus BiologiaVírus Biologia
Vírus Biologia
 
Recombinação nos vírus
Recombinação nos vírusRecombinação nos vírus
Recombinação nos vírus
 
Virologia Geral - Replicação viral
Virologia Geral - Replicação viral Virologia Geral - Replicação viral
Virologia Geral - Replicação viral
 
Vírus.
Vírus.Vírus.
Vírus.
 
Virologia Geral - Estrutura dos vírus
Virologia Geral - Estrutura dos vírusVirologia Geral - Estrutura dos vírus
Virologia Geral - Estrutura dos vírus
 
Engenharia Genética
Engenharia GenéticaEngenharia Genética
Engenharia Genética
 
Polo palmares virus completo
Polo palmares virus completoPolo palmares virus completo
Polo palmares virus completo
 
Virus - Anglo Santos Dumont
Virus - Anglo Santos DumontVirus - Anglo Santos Dumont
Virus - Anglo Santos Dumont
 
Aula 2 virologia
Aula  2 virologiaAula  2 virologia
Aula 2 virologia
 
7 1 2 RevisãO Fundamentos De Engenharia GenéTica
7 1 2  RevisãO Fundamentos De Engenharia GenéTica7 1 2  RevisãO Fundamentos De Engenharia GenéTica
7 1 2 RevisãO Fundamentos De Engenharia GenéTica
 
Os vírus - características e ação
Os vírus  - características e açãoOs vírus  - características e ação
Os vírus - características e ação
 
Virus
VirusVirus
Virus
 

Destaque

Cap.24 integraç o e controle (ii)-sistema nervoso
Cap.24 integraç o e controle (ii)-sistema nervosoCap.24 integraç o e controle (ii)-sistema nervoso
Cap.24 integraç o e controle (ii)-sistema nervosoAlice MLK
 
Cap.21 controle do meio interno-osmorregulaç o e excreç-o
Cap.21 controle do meio interno-osmorregulaç o e excreç-oCap.21 controle do meio interno-osmorregulaç o e excreç-o
Cap.21 controle do meio interno-osmorregulaç o e excreç-oAlice MLK
 
Canidários - Capítulo 10
Canidários - Capítulo 10Canidários - Capítulo 10
Canidários - Capítulo 10Alice MLK
 
Cap.16 equinodermos
Cap.16 equinodermosCap.16 equinodermos
Cap.16 equinodermosAlice MLK
 
Cap.18 nutriç o animal
Cap.18 nutriç o animalCap.18 nutriç o animal
Cap.18 nutriç o animalAlice MLK
 
Cap.14 anel deos
Cap.14 anel deosCap.14 anel deos
Cap.14 anel deosAlice MLK
 
Plantas sem sementes: criptógamas
Plantas sem sementes: criptógamasPlantas sem sementes: criptógamas
Plantas sem sementes: criptógamasAlice MLK
 
Fanerógamas: plantas com sementes
Fanerógamas: plantas com sementesFanerógamas: plantas com sementes
Fanerógamas: plantas com sementesAlice MLK
 
Cap.12 nematelmintos
Cap.12 nematelmintosCap.12 nematelmintos
Cap.12 nematelmintosAlice MLK
 
Cap.22 proteç o,suporte e movimento
Cap.22 proteç o,suporte e movimentoCap.22 proteç o,suporte e movimento
Cap.22 proteç o,suporte e movimentoAlice MLK
 
Cap.25 integraç o e controle (iii)-percepç-o sensorial
Cap.25 integraç o e controle (iii)-percepç-o sensorialCap.25 integraç o e controle (iii)-percepç-o sensorial
Cap.25 integraç o e controle (iii)-percepç-o sensorialAlice MLK
 
Reino Protista- Protozoários e Algas
Reino Protista- Protozoários e AlgasReino Protista- Protozoários e Algas
Reino Protista- Protozoários e AlgasAlice MLK
 
Fisica 1EM 1BIM
Fisica 1EM 1BIM Fisica 1EM 1BIM
Fisica 1EM 1BIM Alice MLK
 
Geografia 1EM 1BIM
Geografia  1EM 1BIM Geografia  1EM 1BIM
Geografia 1EM 1BIM Alice MLK
 
Cap.29 anatomia das plantas angiospermas
Cap.29 anatomia das plantas angiospermasCap.29 anatomia das plantas angiospermas
Cap.29 anatomia das plantas angiospermasAlice MLK
 
Exercicios biologia parasitologia
Exercicios biologia parasitologiaExercicios biologia parasitologia
Exercicios biologia parasitologiaAlice MLK
 
Historia 1EM 1BIM
Historia  1EM 1BIM Historia  1EM 1BIM
Historia 1EM 1BIM Alice MLK
 
Bio01 livro-propostos
Bio01 livro-propostosBio01 livro-propostos
Bio01 livro-propostosAlice MLK
 

Destaque (19)

Cap.24 integraç o e controle (ii)-sistema nervoso
Cap.24 integraç o e controle (ii)-sistema nervosoCap.24 integraç o e controle (ii)-sistema nervoso
Cap.24 integraç o e controle (ii)-sistema nervoso
 
Cap.21 controle do meio interno-osmorregulaç o e excreç-o
Cap.21 controle do meio interno-osmorregulaç o e excreç-oCap.21 controle do meio interno-osmorregulaç o e excreç-o
Cap.21 controle do meio interno-osmorregulaç o e excreç-o
 
Canidários - Capítulo 10
Canidários - Capítulo 10Canidários - Capítulo 10
Canidários - Capítulo 10
 
Cap.16 equinodermos
Cap.16 equinodermosCap.16 equinodermos
Cap.16 equinodermos
 
Cap.18 nutriç o animal
Cap.18 nutriç o animalCap.18 nutriç o animal
Cap.18 nutriç o animal
 
Cap.14 anel deos
Cap.14 anel deosCap.14 anel deos
Cap.14 anel deos
 
Plantas sem sementes: criptógamas
Plantas sem sementes: criptógamasPlantas sem sementes: criptógamas
Plantas sem sementes: criptógamas
 
Fanerógamas: plantas com sementes
Fanerógamas: plantas com sementesFanerógamas: plantas com sementes
Fanerógamas: plantas com sementes
 
Cap.12 nematelmintos
Cap.12 nematelmintosCap.12 nematelmintos
Cap.12 nematelmintos
 
Cap.22 proteç o,suporte e movimento
Cap.22 proteç o,suporte e movimentoCap.22 proteç o,suporte e movimento
Cap.22 proteç o,suporte e movimento
 
Cap.25 integraç o e controle (iii)-percepç-o sensorial
Cap.25 integraç o e controle (iii)-percepç-o sensorialCap.25 integraç o e controle (iii)-percepç-o sensorial
Cap.25 integraç o e controle (iii)-percepç-o sensorial
 
Reino Protista- Protozoários e Algas
Reino Protista- Protozoários e AlgasReino Protista- Protozoários e Algas
Reino Protista- Protozoários e Algas
 
Fisica 1EM 1BIM
Fisica 1EM 1BIM Fisica 1EM 1BIM
Fisica 1EM 1BIM
 
Geografia 1EM 1BIM
Geografia  1EM 1BIM Geografia  1EM 1BIM
Geografia 1EM 1BIM
 
Cap.29 anatomia das plantas angiospermas
Cap.29 anatomia das plantas angiospermasCap.29 anatomia das plantas angiospermas
Cap.29 anatomia das plantas angiospermas
 
Química
QuímicaQuímica
Química
 
Exercicios biologia parasitologia
Exercicios biologia parasitologiaExercicios biologia parasitologia
Exercicios biologia parasitologia
 
Historia 1EM 1BIM
Historia  1EM 1BIM Historia  1EM 1BIM
Historia 1EM 1BIM
 
Bio01 livro-propostos
Bio01 livro-propostosBio01 livro-propostos
Bio01 livro-propostos
 

Semelhante a Capítulo 02- Os Vírus

Biologia - vírus e príon
Biologia - vírus e príonBiologia - vírus e príon
Biologia - vírus e príonNAPNE
 
Divulgação técnica vírus oncogênicos em animais.
Divulgação técnica vírus oncogênicos em animais.Divulgação técnica vírus oncogênicos em animais.
Divulgação técnica vírus oncogênicos em animais.Safia Naser
 
1ª Introducao Ao Curso De Virologia
1ª  Introducao Ao Curso De Virologia1ª  Introducao Ao Curso De Virologia
1ª Introducao Ao Curso De VirologiaRenato Moura
 
Organização e Reprodução dos Vírus
Organização e Reprodução dos VírusOrganização e Reprodução dos Vírus
Organização e Reprodução dos VírusMarcia Regina
 
Características dos vírus e doenças causadas por vírus
Características dos vírus e doenças causadas por vírusCaracterísticas dos vírus e doenças causadas por vírus
Características dos vírus e doenças causadas por vírusMateusAlexandre21
 
Ipo pg 2007.06.02 aula1
Ipo pg 2007.06.02 aula1Ipo pg 2007.06.02 aula1
Ipo pg 2007.06.02 aula1Hugo Sousa
 
Vírus e reino monera
Vírus e reino moneraVírus e reino monera
Vírus e reino monerasanthdalcin
 
Geralidade da virologia
Geralidade da virologiaGeralidade da virologia
Geralidade da virologiaHelder44
 
202245_9170_TDE_Transposons.docx.pdf
202245_9170_TDE_Transposons.docx.pdf202245_9170_TDE_Transposons.docx.pdf
202245_9170_TDE_Transposons.docx.pdfDOUGLASDOCARMO5
 

Semelhante a Capítulo 02- Os Vírus (20)

Virus
VirusVirus
Virus
 
Biologia - vírus e príon
Biologia - vírus e príonBiologia - vírus e príon
Biologia - vírus e príon
 
Retrovírus 1
Retrovírus 1Retrovírus 1
Retrovírus 1
 
Aula vírus viroses_exercícios
Aula vírus viroses_exercíciosAula vírus viroses_exercícios
Aula vírus viroses_exercícios
 
Vírus 2017
Vírus 2017Vírus 2017
Vírus 2017
 
Vírus
VírusVírus
Vírus
 
Divulgação técnica vírus oncogênicos em animais.
Divulgação técnica vírus oncogênicos em animais.Divulgação técnica vírus oncogênicos em animais.
Divulgação técnica vírus oncogênicos em animais.
 
Assis 1º Bimestre
Assis   1º BimestreAssis   1º Bimestre
Assis 1º Bimestre
 
Biologia- Virus
Biologia- VirusBiologia- Virus
Biologia- Virus
 
1ª Introducao Ao Curso De Virologia
1ª  Introducao Ao Curso De Virologia1ª  Introducao Ao Curso De Virologia
1ª Introducao Ao Curso De Virologia
 
Organização e Reprodução dos Vírus
Organização e Reprodução dos VírusOrganização e Reprodução dos Vírus
Organização e Reprodução dos Vírus
 
Exercicios sobre virus
Exercicios sobre virusExercicios sobre virus
Exercicios sobre virus
 
Características dos vírus e doenças causadas por vírus
Características dos vírus e doenças causadas por vírusCaracterísticas dos vírus e doenças causadas por vírus
Características dos vírus e doenças causadas por vírus
 
Ipo pg 2007.06.02 aula1
Ipo pg 2007.06.02 aula1Ipo pg 2007.06.02 aula1
Ipo pg 2007.06.02 aula1
 
Vírus e reino monera
Vírus e reino moneraVírus e reino monera
Vírus e reino monera
 
Geralidade da virologia
Geralidade da virologiaGeralidade da virologia
Geralidade da virologia
 
RNA
RNARNA
RNA
 
202245_9170_TDE_Transposons.docx.pdf
202245_9170_TDE_Transposons.docx.pdf202245_9170_TDE_Transposons.docx.pdf
202245_9170_TDE_Transposons.docx.pdf
 
Virus
VirusVirus
Virus
 
Ácidos Nucleicos
Ácidos Nucleicos  Ácidos Nucleicos
Ácidos Nucleicos
 

Mais de Alice MLK

Biologia 1EM 2BIM
Biologia 1EM 2BIM Biologia 1EM 2BIM
Biologia 1EM 2BIM Alice MLK
 
Fisica 1EM 2BIM
Fisica 1EM 2BIM Fisica 1EM 2BIM
Fisica 1EM 2BIM Alice MLK
 
Quimica 1EM 1BIM
Quimica 1EM 1BIM Quimica 1EM 1BIM
Quimica 1EM 1BIM Alice MLK
 
Portugues 1EM 1BIM
Portugues 1EM 1BIM Portugues 1EM 1BIM
Portugues 1EM 1BIM Alice MLK
 
Matematica 1EM 1BIM
Matematica  1EM 1BIM Matematica  1EM 1BIM
Matematica 1EM 1BIM Alice MLK
 
Biologia 1EM 1BIM
Biologia 1EM 1BIM Biologia 1EM 1BIM
Biologia 1EM 1BIM Alice MLK
 
Quimica 2° Bim
Quimica 2° BimQuimica 2° Bim
Quimica 2° BimAlice MLK
 
Memorex Biologia 1.1
Memorex Biologia  1.1Memorex Biologia  1.1
Memorex Biologia 1.1Alice MLK
 
Memorex Biologia 2.2
Memorex Biologia 2.2Memorex Biologia 2.2
Memorex Biologia 2.2Alice MLK
 
Cap.31 nutriç o das plantas
Cap.31 nutriç o das plantasCap.31 nutriç o das plantas
Cap.31 nutriç o das plantasAlice MLK
 
Cap.30 sistemas de transporte-xilema e floema
Cap.30 sistemas de transporte-xilema e floemaCap.30 sistemas de transporte-xilema e floema
Cap.30 sistemas de transporte-xilema e floemaAlice MLK
 
Cap.28 morfologia externa das plantas angiospermas
Cap.28 morfologia externa das plantas angiospermasCap.28 morfologia externa das plantas angiospermas
Cap.28 morfologia externa das plantas angiospermasAlice MLK
 
Cap.27 reproduç o e desenvolvimento dos animais
Cap.27 reproduç o e desenvolvimento dos animaisCap.27 reproduç o e desenvolvimento dos animais
Cap.27 reproduç o e desenvolvimento dos animaisAlice MLK
 
Cap.4 reino protista(i)-algas
Cap.4 reino protista(i)-algasCap.4 reino protista(i)-algas
Cap.4 reino protista(i)-algasAlice MLK
 
Cap.26 defesas do corpo
Cap.26 defesas do corpoCap.26 defesas do corpo
Cap.26 defesas do corpoAlice MLK
 
Cap.21 controle do meio interno-osmorregulaç o e excreç-o
Cap.21 controle do meio interno-osmorregulaç o e excreç-oCap.21 controle do meio interno-osmorregulaç o e excreç-o
Cap.21 controle do meio interno-osmorregulaç o e excreç-oAlice MLK
 
Cap.23 integraç o e controle (i)-sistema end-crino
Cap.23 integraç o e controle (i)-sistema end-crinoCap.23 integraç o e controle (i)-sistema end-crino
Cap.23 integraç o e controle (i)-sistema end-crinoAlice MLK
 
Cap.23 integraç o e controle (i)-sistema end-crino
Cap.23 integraç o e controle (i)-sistema end-crinoCap.23 integraç o e controle (i)-sistema end-crino
Cap.23 integraç o e controle (i)-sistema end-crinoAlice MLK
 
Cap.20 respiraç o
Cap.20 respiraç oCap.20 respiraç o
Cap.20 respiraç oAlice MLK
 

Mais de Alice MLK (19)

Biologia 1EM 2BIM
Biologia 1EM 2BIM Biologia 1EM 2BIM
Biologia 1EM 2BIM
 
Fisica 1EM 2BIM
Fisica 1EM 2BIM Fisica 1EM 2BIM
Fisica 1EM 2BIM
 
Quimica 1EM 1BIM
Quimica 1EM 1BIM Quimica 1EM 1BIM
Quimica 1EM 1BIM
 
Portugues 1EM 1BIM
Portugues 1EM 1BIM Portugues 1EM 1BIM
Portugues 1EM 1BIM
 
Matematica 1EM 1BIM
Matematica  1EM 1BIM Matematica  1EM 1BIM
Matematica 1EM 1BIM
 
Biologia 1EM 1BIM
Biologia 1EM 1BIM Biologia 1EM 1BIM
Biologia 1EM 1BIM
 
Quimica 2° Bim
Quimica 2° BimQuimica 2° Bim
Quimica 2° Bim
 
Memorex Biologia 1.1
Memorex Biologia  1.1Memorex Biologia  1.1
Memorex Biologia 1.1
 
Memorex Biologia 2.2
Memorex Biologia 2.2Memorex Biologia 2.2
Memorex Biologia 2.2
 
Cap.31 nutriç o das plantas
Cap.31 nutriç o das plantasCap.31 nutriç o das plantas
Cap.31 nutriç o das plantas
 
Cap.30 sistemas de transporte-xilema e floema
Cap.30 sistemas de transporte-xilema e floemaCap.30 sistemas de transporte-xilema e floema
Cap.30 sistemas de transporte-xilema e floema
 
Cap.28 morfologia externa das plantas angiospermas
Cap.28 morfologia externa das plantas angiospermasCap.28 morfologia externa das plantas angiospermas
Cap.28 morfologia externa das plantas angiospermas
 
Cap.27 reproduç o e desenvolvimento dos animais
Cap.27 reproduç o e desenvolvimento dos animaisCap.27 reproduç o e desenvolvimento dos animais
Cap.27 reproduç o e desenvolvimento dos animais
 
Cap.4 reino protista(i)-algas
Cap.4 reino protista(i)-algasCap.4 reino protista(i)-algas
Cap.4 reino protista(i)-algas
 
Cap.26 defesas do corpo
Cap.26 defesas do corpoCap.26 defesas do corpo
Cap.26 defesas do corpo
 
Cap.21 controle do meio interno-osmorregulaç o e excreç-o
Cap.21 controle do meio interno-osmorregulaç o e excreç-oCap.21 controle do meio interno-osmorregulaç o e excreç-o
Cap.21 controle do meio interno-osmorregulaç o e excreç-o
 
Cap.23 integraç o e controle (i)-sistema end-crino
Cap.23 integraç o e controle (i)-sistema end-crinoCap.23 integraç o e controle (i)-sistema end-crino
Cap.23 integraç o e controle (i)-sistema end-crino
 
Cap.23 integraç o e controle (i)-sistema end-crino
Cap.23 integraç o e controle (i)-sistema end-crinoCap.23 integraç o e controle (i)-sistema end-crino
Cap.23 integraç o e controle (i)-sistema end-crino
 
Cap.20 respiraç o
Cap.20 respiraç oCap.20 respiraç o
Cap.20 respiraç o
 

Último

[2.3.3] 100%_CN7_CAP_[FichaAvaliacao3].docx
[2.3.3] 100%_CN7_CAP_[FichaAvaliacao3].docx[2.3.3] 100%_CN7_CAP_[FichaAvaliacao3].docx
[2.3.3] 100%_CN7_CAP_[FichaAvaliacao3].docxSílvia Carneiro
 
Sequência didática Carona 1º Encontro.pptx
Sequência didática Carona 1º Encontro.pptxSequência didática Carona 1º Encontro.pptx
Sequência didática Carona 1º Encontro.pptxCarolineWaitman
 
Química-ensino médio ESTEQUIOMETRIA.pptx
Química-ensino médio ESTEQUIOMETRIA.pptxQuímica-ensino médio ESTEQUIOMETRIA.pptx
Química-ensino médio ESTEQUIOMETRIA.pptxKeslleyAFerreira
 
Histogramas.pptx...............................
Histogramas.pptx...............................Histogramas.pptx...............................
Histogramas.pptx...............................mariagrave
 
Nós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º ano
Nós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º anoNós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º ano
Nós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º anoIlda Bicacro
 
SQL Parte 1 - Criação de Banco de Dados.pdf
SQL Parte 1 - Criação de Banco de Dados.pdfSQL Parte 1 - Criação de Banco de Dados.pdf
SQL Parte 1 - Criação de Banco de Dados.pdfAndersonW5
 
Gramática - Texto - análise e construção de sentido - Moderna.pdf
Gramática - Texto - análise e construção de sentido - Moderna.pdfGramática - Texto - análise e construção de sentido - Moderna.pdf
Gramática - Texto - análise e construção de sentido - Moderna.pdfKelly Mendes
 
Maio Laranja - Combate à violência sexual contra crianças e adolescentes
Maio Laranja - Combate à violência sexual contra crianças e adolescentesMaio Laranja - Combate à violência sexual contra crianças e adolescentes
Maio Laranja - Combate à violência sexual contra crianças e adolescentesMary Alvarenga
 
Power Point sobre as etapas do Desenvolvimento infantil
Power Point sobre as etapas do Desenvolvimento infantilPower Point sobre as etapas do Desenvolvimento infantil
Power Point sobre as etapas do Desenvolvimento infantilMariaHelena293800
 
As teorias de Lamarck e Darwin para alunos de 8ano.ppt
As teorias de Lamarck e Darwin para alunos de 8ano.pptAs teorias de Lamarck e Darwin para alunos de 8ano.ppt
As teorias de Lamarck e Darwin para alunos de 8ano.pptorlando dias da silva
 
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdfaulasgege
 
Aspectos históricos da educação dos surdos.pptx
Aspectos históricos da educação dos surdos.pptxAspectos históricos da educação dos surdos.pptx
Aspectos históricos da educação dos surdos.pptxprofbrunogeo95
 
Periodo da escravidAo O Brasil tem seu corpo na América e sua alma na África
Periodo da escravidAo O Brasil tem seu corpo na América e sua alma na ÁfricaPeriodo da escravidAo O Brasil tem seu corpo na América e sua alma na África
Periodo da escravidAo O Brasil tem seu corpo na América e sua alma na Áfricajuekfuek
 
"Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande"
"Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande""Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande"
"Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande"Ilda Bicacro
 
Religiosidade de Assaré - Prof. Francisco Leite
Religiosidade de Assaré - Prof. Francisco LeiteReligiosidade de Assaré - Prof. Francisco Leite
Religiosidade de Assaré - Prof. Francisco Leiteprofesfrancleite
 
APRENDA COMO USAR CONJUNÇÕES COORDENATIVAS
APRENDA COMO USAR CONJUNÇÕES COORDENATIVASAPRENDA COMO USAR CONJUNÇÕES COORDENATIVAS
APRENDA COMO USAR CONJUNÇÕES COORDENATIVASricardo644666
 
Slides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptx
Slides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptxSlides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptx
Slides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
Dados espaciais em R - 2023 - UFABC - Geoprocessamento
Dados espaciais em R - 2023 - UFABC - GeoprocessamentoDados espaciais em R - 2023 - UFABC - Geoprocessamento
Dados espaciais em R - 2023 - UFABC - GeoprocessamentoVitor Vieira Vasconcelos
 
ATIVIDADE 1 - ENF - ENFERMAGEM BASEADA EM EVIDÊNCIAS - 52_2024
ATIVIDADE 1 - ENF - ENFERMAGEM BASEADA EM EVIDÊNCIAS - 52_2024ATIVIDADE 1 - ENF - ENFERMAGEM BASEADA EM EVIDÊNCIAS - 52_2024
ATIVIDADE 1 - ENF - ENFERMAGEM BASEADA EM EVIDÊNCIAS - 52_2024azulassessoria9
 
425416820-Testes-7º-Ano-Leandro-Rei-Da-Heliria-Com-Solucoes.pdf
425416820-Testes-7º-Ano-Leandro-Rei-Da-Heliria-Com-Solucoes.pdf425416820-Testes-7º-Ano-Leandro-Rei-Da-Heliria-Com-Solucoes.pdf
425416820-Testes-7º-Ano-Leandro-Rei-Da-Heliria-Com-Solucoes.pdfCarinaSofiaDiasBoteq
 

Último (20)

[2.3.3] 100%_CN7_CAP_[FichaAvaliacao3].docx
[2.3.3] 100%_CN7_CAP_[FichaAvaliacao3].docx[2.3.3] 100%_CN7_CAP_[FichaAvaliacao3].docx
[2.3.3] 100%_CN7_CAP_[FichaAvaliacao3].docx
 
Sequência didática Carona 1º Encontro.pptx
Sequência didática Carona 1º Encontro.pptxSequência didática Carona 1º Encontro.pptx
Sequência didática Carona 1º Encontro.pptx
 
Química-ensino médio ESTEQUIOMETRIA.pptx
Química-ensino médio ESTEQUIOMETRIA.pptxQuímica-ensino médio ESTEQUIOMETRIA.pptx
Química-ensino médio ESTEQUIOMETRIA.pptx
 
Histogramas.pptx...............................
Histogramas.pptx...............................Histogramas.pptx...............................
Histogramas.pptx...............................
 
Nós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º ano
Nós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º anoNós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º ano
Nós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º ano
 
SQL Parte 1 - Criação de Banco de Dados.pdf
SQL Parte 1 - Criação de Banco de Dados.pdfSQL Parte 1 - Criação de Banco de Dados.pdf
SQL Parte 1 - Criação de Banco de Dados.pdf
 
Gramática - Texto - análise e construção de sentido - Moderna.pdf
Gramática - Texto - análise e construção de sentido - Moderna.pdfGramática - Texto - análise e construção de sentido - Moderna.pdf
Gramática - Texto - análise e construção de sentido - Moderna.pdf
 
Maio Laranja - Combate à violência sexual contra crianças e adolescentes
Maio Laranja - Combate à violência sexual contra crianças e adolescentesMaio Laranja - Combate à violência sexual contra crianças e adolescentes
Maio Laranja - Combate à violência sexual contra crianças e adolescentes
 
Power Point sobre as etapas do Desenvolvimento infantil
Power Point sobre as etapas do Desenvolvimento infantilPower Point sobre as etapas do Desenvolvimento infantil
Power Point sobre as etapas do Desenvolvimento infantil
 
As teorias de Lamarck e Darwin para alunos de 8ano.ppt
As teorias de Lamarck e Darwin para alunos de 8ano.pptAs teorias de Lamarck e Darwin para alunos de 8ano.ppt
As teorias de Lamarck e Darwin para alunos de 8ano.ppt
 
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
 
Aspectos históricos da educação dos surdos.pptx
Aspectos históricos da educação dos surdos.pptxAspectos históricos da educação dos surdos.pptx
Aspectos históricos da educação dos surdos.pptx
 
Periodo da escravidAo O Brasil tem seu corpo na América e sua alma na África
Periodo da escravidAo O Brasil tem seu corpo na América e sua alma na ÁfricaPeriodo da escravidAo O Brasil tem seu corpo na América e sua alma na África
Periodo da escravidAo O Brasil tem seu corpo na América e sua alma na África
 
"Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande"
"Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande""Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande"
"Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande"
 
Religiosidade de Assaré - Prof. Francisco Leite
Religiosidade de Assaré - Prof. Francisco LeiteReligiosidade de Assaré - Prof. Francisco Leite
Religiosidade de Assaré - Prof. Francisco Leite
 
APRENDA COMO USAR CONJUNÇÕES COORDENATIVAS
APRENDA COMO USAR CONJUNÇÕES COORDENATIVASAPRENDA COMO USAR CONJUNÇÕES COORDENATIVAS
APRENDA COMO USAR CONJUNÇÕES COORDENATIVAS
 
Slides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptx
Slides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptxSlides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptx
Slides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptx
 
Dados espaciais em R - 2023 - UFABC - Geoprocessamento
Dados espaciais em R - 2023 - UFABC - GeoprocessamentoDados espaciais em R - 2023 - UFABC - Geoprocessamento
Dados espaciais em R - 2023 - UFABC - Geoprocessamento
 
ATIVIDADE 1 - ENF - ENFERMAGEM BASEADA EM EVIDÊNCIAS - 52_2024
ATIVIDADE 1 - ENF - ENFERMAGEM BASEADA EM EVIDÊNCIAS - 52_2024ATIVIDADE 1 - ENF - ENFERMAGEM BASEADA EM EVIDÊNCIAS - 52_2024
ATIVIDADE 1 - ENF - ENFERMAGEM BASEADA EM EVIDÊNCIAS - 52_2024
 
425416820-Testes-7º-Ano-Leandro-Rei-Da-Heliria-Com-Solucoes.pdf
425416820-Testes-7º-Ano-Leandro-Rei-Da-Heliria-Com-Solucoes.pdf425416820-Testes-7º-Ano-Leandro-Rei-Da-Heliria-Com-Solucoes.pdf
425416820-Testes-7º-Ano-Leandro-Rei-Da-Heliria-Com-Solucoes.pdf
 

Capítulo 02- Os Vírus

  • 1. 2.1 Característicasgerais dosvírus Os vírus sãoseresdilìinLúos,visíveisâpe- nâsâo micì.scópio elelìônico.consiituídospor apeÌrâsdurscÌals€sdesubstâncias.ÌuÍìicas: áci- do nucléico,.ÌuepodeseìDNA ouRNA. e pro- teínâ. O qÌrÈdifcrenci.ìos vírus de todos os ou tros seresvivos é qrc cÌes sãoacelulâres, oÌr seja,nãopossuemestrulurâceÌular.Assim. não 1êmâ complexamaquinariabioquínica neces sáriâparafazerfuncionar setrprogramagenéti co e precìsaìnde célulasqueos hospedeìn.To dosos vírüssãopàrâsitâs intrâcelulsÍes obri- gatórios. Atuando como um "pirata ' celular, üm ví rus invadeumacéluÌa e as$umeo comando.fa rendo com que ela trabalhequaseque exclusi vamenteparaproduzl novos vírus.A infecção viral geralmenÌecausapÌofundasalteraçõesno metabolismocelular.podendolevaràmortedas céluÌâs infectadas.Víus causaÌndoençasem pÌân1âse em animiis, inclüindo o honem. Exemplosde doençashu dâspor vírüs sãoo sarampo,a varíolae dive. Forada célulahospedeiÌa,os vírusnãoma- Ìifestam nenhumÂâúvìdade vitaÌ: não crescem. não degradam neln fabricam substâncias e não rcâgeÌna estímulos.No entanto.selìouler célu lâshospedeirascompatíveìsì suâdisposìção,uìì ÌÍrico vírusé cdpdTde originar.em cercade 20 minubs, centenasde novosvíms. 2.2 Estrutura e diversidade dosvírus CrD"iJi. O envoÌtóriodosírus.fonnadopoÌproteí- nês,é denomirìadocâpsídio.AlémdeprotegeÌ o ácìdonucléicoviral.o câpsídioteÌnÂcapacj dadedeseconrbinarquinììcamentecomsubs tânciaspresentesna superiíciedascélulas.o queperÌnileaovÍus reconheceÌe atacaro iipo decéÌuÌaadequadoa hospedálo.Algunsvíus podem,ainda.apresent.ìruÌnenvoltóriolìpídi- co,proverlientedanembranadacéluÌaondese orìginaram. i[ú0 N]iüìÍi.o OÌnâÈriâlgenéticodosvíÌuspodeserDNA ox RNA, ondeestãoinscritasasinloÌmações paÌaâ FoduEãodenovosvirus.Cadaespécie virâÌ possüumúnicoripodeácidonucléico:há, poÌtanto.írus deDNA e vírus deRNA. Olirio A paúícuÌaviraÌ.quâDdoforadacélulahos pedeirê.é geneÌjcamentedeDominadavírion. Cadaespécìede vírus apresentâvÍions de for Ìnalocaracterístico.(Fig. 2.1)
  • 2. Vru5 do herpesímplex @,,,',"ffiffff:ffi ilg ffi w @ 6 Figuro2.1 Nosdesenhos,olsunsiiposde ví.us,reprêseniodosèmescolo.No ÍdÕmicroqroÌioêtehônicoo esqJe.dÕ,oordoor[Íciôlm"nr-.-rorsdel-erpe.{cordelo,ÕriolÌe,o.dodol,,rc(;zLêr,o)pdÕo ( 'oplosro{ve'de)deLmocèlulô:nI;.!do.No Íoicr icrog-oÍôêler'óri,o o o,'eitocolo'iooorl,c,dl-ê. e.u,, vífiondêyoÍiolo. 18 , . n' ': x.';' , W
  • 3. A especificidadedosvírus Em geÍal.umtipo devÍus âtâcaapenasüm oupoìcostiposdecéÌuÌa.lssopoíqüeumdeleÌ- minadoÌìpo de vírus sóconsegueiúèctar ümâ célülâquepossua.nâm,embrana,substânciasàs quaiseÌepossaseÌigaÌ. OvírusdâpoÌiomielite,poÌ exemplo,éaÌÌa- men!eespecifico.inÍertandoapenascélulâ'neF rosas,inre.íinâisedamuco'âddgffganlJJào rru.darubéolâedardnúlâcon'egueminÍectar maioÌnúmerodetecidoshumanos O, rrru. degnpe,ãob:rânreerlreise podemrÍìlecurdrveÍso.rìpo'deceìulahumâna e tambémcélulasde dìferentesânimais,como pat'.câvalo'e porroc.tm muirô.cd'os.e*â caprcidâde'e deeaofârodee"e.riru' con'e gLirem'e ligara 'ub'úncrarpre'enr'emcéìu- lâsdedìversostiposdeorganismo. 2.3 Reproduçãodosvírus A rcproduçãodeuÌì vírusenvolY€doisas- pectosiâduplicaçãodo mâteriâl g€néticoviral easíntesedasproteínasdocapsídio.Comov! mos.osvÍrusnãopossuema maqumanâneces- sáriapâÌâÍeaÌizaressesprocessose porissosó podemsereproduzirno interior decéÌulashos Os vírusdesenvolveram,ao Ìongode sua evolução.mecânismossuÌpÍeendentespâÌasub- vertefofuncionamentodâcélulahospedeiÌaese reproduzirà custadelâ.GeralÌnenteeÌesinìbem o tuncionâmentodo mâteriâlgenéticodacélulâ infectadae pâssamacomândma síntesedepÌo_ Ciclo reprodutiYo deum bacteriófago Um vírus muito estudado é o bacterió{ago T., qüe serepÌoduz em certas linhagens da bac- têti:àEscheric hìa colí. Quando o úÌion do bâcteriófago TaentÍa em contato com âbâctúia, adereàpaÌedeceÌuÌêrpor meio de ceía prolernâ.presenle.nâ' fibÌasde .ua cJudâ.Seme.r rcconhecimenromolecuìd un vlrusnáocon.egueinlecrata F,.h ' i.hia '.lt Nr câudddo bacreriólagoe.rànrambemp'e .enre. enzima, que. orivadasJpo' o reconhe.i mentomoleculâÌ,sãocâpazesdedigeÌiÌ eperfu- rarâpâÌededâcéÌutabâcterianâ.ODNA dobâc- teriófagoé,então,ìnjetadonocìtopìasmâ. Umaveznointeriordabâctéda,osgenesdo bâcteÌiófagosãoüanscritosem nolécuÌâsde RNA etraduzidosemFoteínasviÌais.IssoocoÍ- rc porqueasenzìmâsde trânscriçãoe tÌadução dabactérianãodìstinguemosgenes'doinvâsor deseusFóprÌos genes. As pdrnenâsFot€ínâsviÌâis quesefomâm induzerno DNA viraÌ âsenuÌtipÌicar, aoÌnesrno tempoqueinibemo tuncionâmenlodocromosso- mobacteriano.Empoucosminutosabâctériâesú totalmenÌecontrolâdapelobâcteriófago. O passosegrìinteé âproduçãodaspÌoteínâs queconstìtuirãoâscâbeçâse câüdasdosnovos vírus.Câbeçae câüdasãoeÌâboÌadasseparadâ mente,e depoisseagregâmâoDNA. forÍnândo CeÌcade 30 minutosâpósa entradadeum únicofâgoinvasoÌ,â célulabâcteriânajá estáre- duzidaa umabolsâÌ€pletade paÍícuÌâs vÍaú. Nessemomentosãoproduzidasenzimasqueinj ciamadestÍuição.oulise(dogregoô,i}J, desuui çáor.dâpaÍedebâderiãna.qüeârÍebenrde über: cenrenâ'devirionsmâduro..quepodeminÍêúâr outrâsbâctéÌiaserciniciâro cicìo.(Fig.2.2) Ciclo reprodutivo de um vírus degripe ExistemcentenâsdevâÌiedadesdevÍrusde gipe, todospoÍadoresdeRNA, quêé seumate Íiâl he{editáÌio. A infecçãogripal começaqüandoo vírion âdeÍeasübstânciasÌ€ceptomspÌ€sentesnasuper fïcie dâscéÌulashospedeiÌâs,geÌâlmenteasqüe rcvestemasvjasÌespiÌâtóriâs.A paÍtículaviÍâlpe- netrâinGirÂ,nissodiferindodobacteÌiófâgo,em queâpenâso DNA viraÌpenetÍânacéluìâ. No interior da célulâo capsídìoé dìgerido porenziÌnas,libeÍandooRNAnocitoplasma.O RNA dovírusdagripeedeoutrosvírusdeRNA (excetoosretrovírìrs)écapazdeseduplicar,ori- ginandoinúmeÍâscópiâsdentÌodacélulâhospe- deiÍâ. As infoÍÌnaçõesgenéticasdo RNA viÌaÌ sãoenÌãotraduzidas,dândoofgem aoscompo- nenìesprotéicosdocâpsídio. 19
  • 4. DNA liberoçõodosnovosvniônr lnico dd fofúoçõo Acúmuo dê dê panículosv rol5 pÕúícúlÕsvúdis a 7 )4 2j . :: . ,::2r.,.,,:::: ÌêmPo(mii) íigqo 2.2Cco repÌodutivodobocieÍófagoTj.Ehcercode30 minutos,!m únjcovírìoninÍecronteécopozde gerorenhel0O e 200viriÕns. A reünião de ícì&)s nucléìcose capsídn)s dâ cétnl.Ìhospedcjra.enìborajssopossaocorfer orÌgìra rovos virÌons,quese libcrtrDrdascétu enì virludedâsperrufbaçõcscalsrdnspelaìnrec Ìasinfectâd.ìs.Nâohá,nccessariamcntejanÌoÍlc çãoviÌrl. (Fig. 2.3) [igur6 2.3 EtoposdÒ rê prod!çõô de um vírusde srlpêemcélllôsdooporelho rêsprotóriohuhono.(l ) Fixoçõodo vírionò mem- bionqdo céutq (2ì e 13) Enslobomentodovírion.(4) DêÍruiçõôdo ervorório prôréicoeiheroçõodosoiro moléc!losde RNA 9ue consiÌuemo genomoqro. {51Síntesede RNA men- soseirov rol ló)Dupli.oçõo doRNAyirôI.{Z)SínresedÕs proreinosvircìs.(81 ncôr porocõode proleínosvirois na memb,onoclutor (e) EmpocolomeriodoRNAyi rol côm proteÍnos.ll0) El;minoçõodo vÍion pêq céuo oddolhê(quodrôò esquerdalmôstraos ei coixesmoleccloresque pêrmiieho llgoçõodovírus "it;:: l 20
  • 5. Cicloreprodutivo deum retrovírus O Ìnâteriâl heÌedìtín) dos reúo!íus é o RNA. A p ncìprl caracteríslicâdessetipo dc ví- Íus é a presençâdâenznnatranscriptasc rêYer- sa,caprzde produzirÌnolécultsdc DNA aprrtiÍ dc RNA, isto é. dc cxccutarunrâ'1tunscÌiçio ro A nlenÌbram do rctlovÍus se funde colÌ I ìneÌnbÍânada céluh hospedeìra.e o câpsídiovi ìâÌ peneúano cin)plâsmâ.Unì.llez ljberrÌdodo c.ìpsídioprotéìco,o RNA produT.sobâ açãoda truscÌiptase reve|sa.uma molécul! cìeDNA. F-sttpeDcrâno núcleodâcéÌuÌx.inlroduz-seem uÌn doscronossomosdo hospedeiroe rccoÌnb1- na secom o DNA ceÌuld. O DNA virâl i egrâdoâ( luìàÍ é cÌìaìì{do províms. Ele é reconhecidoe transcrìtopehs enzimâsdâ céÌuÌâ hosFdeirâ, de nodo que logo coÌncçân â surgir molécüìâs de RNA coìn inlbrmaçõcs prìÌâ a síntesedc transcriptasereversâe d$ prolcínâsdo cèp!í dìo. AÌgunas dessis nìoléculasdò RNA são emptÌcotâdrsjuÌtiìÌente coìn nrolécuÌasde transcriptrse reversa.originando ccnlenasde Umr ez com os genesdo provírusrúegra dos aosscus.a célulaintèctadaproduzpaÌtícu- ÌâsviraisduÍântetodaa sui !ida. A infccçãopol rctrcvÍus gcrâÌmenlenão lea à morte r cóltrÌâ hospedeìÌa,c cstâpodeseÍepÌoduzire tfrDsmr' rir o pÌovÍus iìÌtcgÍadoâ suâsiìÌhâs.(Fig.2.;r) @' o OO ' id,j'o2.4 EtooodÕÍeoroducòodeumÍerrôvrusêmumocéluo (I )Fixoçôodovírioro receptoresdomembrono d;ce! o.(2liereÌroçõodocopçdio(3)LrberoçaodoRNAvlrol(r')SíntesedeDNAÕPadirdÒRNAvirol(5J PeneirqçôodoDNAvlro nonú;bo.e! or ló)IntegroçõodoDNAvnoloooomôssomodo.é1!o 17)SÍniesede RNAviro (8)SinrêsedosproÌeínosvlrois.{9) EmpocotomenrôdoRNÀvno comproteinosÍôrmqndoocopsídio (10ìlncoryorÒçõodeprÕréÍnosvlroisno membronocelulor.(l 1)EllmlnÒçõodôvirionpêlocé! o 21
  • 6. RúuoÌíru!tincdÌ.ALdj MÌritosrcrÌovíui possucnìgenescìcDoìÌina ü,', oncoqenc.it,. ndu,/drì:,. c<t rd h,,,|e- d(ira' ; Ji'.1o J. ro ,rÍo1..1.,.. nrnJ ,{ ,:,!10 de tumorcscancerosos. Rec,nlerrenr"Je.cobr| | r-.e:t. I r fe Ío rruquejr í(cr Inc.lub. Irrlo.. l r r( (t... destacr se o HIV. sigÌâ eÌn irgÌôs de Ìl,nan InnunaleíiìeY: I'izJ, que aLrcaos lintõci tos T do sânsuee é o rgente câusâdorda sín" dromedâ imunodeficiência âdqui rida. aAids 60 ìt1g)ês.A.quirc.] iútnunodelüj..rcr sn llrone). tFls.2.5) . EnÌboraa ÌnaioÍir dosreÌÌovíus não c{u1e doençasgrrves I Aids é morrate veÌn sc disse, minandof.ìpidancnÌepeÌo nrtrndo.desdc l98l. SegundoalSunscientisÌis.ìssoocoÌÌe porqueo lIÌV era ori-!ìnaììncnreÌrnì vÍ.us prescDteeÌn nìacacose.apen:ìsrccertcmenle,teriasidoh.ans_ rìÌilìdo à espéciebuDrana.qüe âinda não teÌe terìpo sufìcientepàrâ se adaptafa eÌe.À Aids sefáeÍuúìda co ìÌaü dciathesno capíruto25 desteÌivì1r. Vírus edoenças Os !íÌs câusrnr'írì.1!docnçasao hoÌnem, aosrniÌnaise àsplanras.Até o moÌnenro.Ìroucas drogrs se nìostraÍrìmeficrzesem desÍujr os ví- rus scmcausarsériosetèitoscotrrerais. A ìÌeÌhor nìaneiracìecomhnÌerâs doençâs vlrris é aÍavésdc vacinàs.Crâçasis crnrpanhâs nNndiais de vrcinação,a vâríolají foi pfaticr ìnenÌeeÌÌadìcadâdo plâneÌâ.OrÌrÌasvxcinasrÌ lanrenteelÌcazcsião ascorìrraa polj!ììieliÌe c o srraÌnpo.(Tab.2.l) PÌôrêínosrêspônsóvêis Môéc!tosdê ranrcrprose Figuro2.5 EsituÍurqdo HtV,o rerrovíruscousodordÒAids. 22
  • 7. Goii@loideFlirc, .onktodiBlb, úieios,conrominoddkop.s,go. OvíM p€mtmpelosmloms dG órcnË.t.udúrldê nsrdo.;m Peeè mu@sos,dusndo6 ule' roçôsomcr€ísri.ddodoêiÇo. Vo.iiocõo@minhoqemdêvitur dtsuodolumolinhos;mqleob@ oaodobovino,GrÒé,r.ind déví. AÌÌdésdopiododomosquitoÁe der oeglp,i O mosqulro.oíro- o,noiê @p@ umnonêmouou Ovnú êintoduzidoiúironmrê @nosdllwdorcsqliro,dnmi. mêdulo6smêqõnslo! nturco! Vo(noçôo.omlinhogemdevíru. orenuodolvacinod6virusvivôd Dêshuiçõodonosluibl€d6r,B. O vlÍ6 penerropelomu.dd do! vlor rèspirotÒdor,.oi nocorenh $nsüiimeFdi*n m pordi€r Vocnoçõocm vnü vls de nho Acrcdhaeq@ovjruipsêhePéo bo@e e mu pliqmpÍinelrcno gdçdnbôrcsin!€5ÍrcsDoíd$e mmos P€rô@rPo,oÍ@$ oosoi gueSêlring, .éuìosnêrusosèe alEfiodomuÍuotuÍoesquelái.o, Vftinoçõo@mviMviÍ!mroìnoÍ vodolÉ.inosolkl@(m vnBvÉ PelomordedurodeonmolÌntoc O víÍ6 pereÍop€lohimd0 do nodedutuiunbmnl€om o$ iw domimo.Atingeo siremonm s .entÌol,ddê s úutip @,.ou sonoooorcsürcpo@€saoíie. Vocinoçôodq c&s,e minoçòod6 (õêsdêÍ!o, Éc ioçõôdepe$ús rcrd dospor.õs de@ih<l&sd .m suspèodèpóftroooenço. Pkododemoquiro,e dê(oÍe O v1rusé intodlzdona.orrcnrè $nguheoP€loPodo d. oiÌoPd doportodorAtngeor é ! or do Conborôoosodópodosverorcs. Cotiolosdêslir, conbrodiÍelo, obièros,.onhminodoekopos,gor Ovlú oh@nomomeiteorglôtr duossovo@ipdólìdos,podendo, mhetonlo,oolEo.É no!l4ticu os,ddnos,p00(ú5e.ee@ GÍipe Oví6 dw o5reciddd6 poÍÉfl Npo,oH doopÍè horesprcroÍioi Conromino.õodêóouoêobieros porËadelndMd,s"@ii!.i*;16 5!põee qmhG6s lm$onemo viru:deÍea orlmimdosporcoli' mir.r 64_e obiebs.0 no& de 0vÍusmulloli.o€notoodo..du. sondodstrulçõodecélJshepa. lr^dido:desnomento;ffsoizo- c@dosnoiipulodor6dêoliM. ros.a inièçôodègdmdglobulino, enÍoidodesobsngìjíns húmo io, pooê@iÈír pÍoÉçoompe CoilominoÉoolrdérdêìronslusõo delonsledepe$@!inÍebdo' peo HV,dous deinshumnl$.i rurum oussng6 onrmmomse hnrbmoi@ésdooro!ã!o ,qum_ aindoiõô sê6te eïó dir6sbr Ovíusoto@os inlóciros,quoóo os.é!osmoÍ@odd dodebm immiú,iodoüsono,roÍmndo o mcopozoercss r 05nE.çoes opoÍlun,o! O indivdm-dÍêtodo 9émMtsnorec nFcç@gflt ri@ izoÉoÍiso@ d6 hn.osde úig@, porc4ilor dshib!çõode rng@.ohninodo.Esblizo& Írgorcsdo!nítunènl6c çor êuiodeoguhôse*íngo! oekoÍ rows.PÍaençõodepo$ivê.onl6. sionooto.dudl P6lou$ dôpre. Tob€lo2.ì Alsumosd@nçoscousodosporvÍr$. 23
  • 8. Diagnosêdos vírus SeÍesaceutares,conslituídospor um ácidonuctéico(DNAou RNA)e pÍoteínas,ParasilasintÍacetularesobrigalórios. Oncleenconlrar vírus? Os vÍus sáo visíveisapenasao mjcroscópioelêtrônico.podemser deteclâdospelâsdoençasquecausamêmouirosseÍesvlvos(planlas,anÌmais,bactériasetc.) ê a mêlhormaneiÍade achá"iosé procurarnoorganismoqueaprêsentaos sinlomasda inec_ çãoviíâl-SãoexêmpÌosdevíÍusqueparasìiamo hoÍnem:osvíruscausâdoresdasgÍipes,do sararnpo,da raivae daAids, ClassiÍicaçãoOsvírus,peloÍalode nãoseÍemconstiiuÍdosde cótuÌas,nãosãoinctuídosem nenhumdoscÍncoÍeinosde seresvivos. BêprocluçãoMulliplicâm-sêapenasnointerioÍdecétutashospedeiras.tJmúnicovÍrion(partÊ culaviral)podeoriginarcentenasdeoutrosemcurtoinlerualodelempo. Textoodopiddodolivropi.orosdocéluio,deAndrewScon.roducaode MorioGsrsjnoSesurodo,ColeçqoUnivêrsoddCiêncid,Edições70, Lisboo,I982. OsvírussãominúsculospiraÌasbiológicos.primejroelesinvademascéluÍasvivase. depois,se utilizamdocomplexometâbolismocêlularparaproduzirmâisvÍus. Osvírusentramnascélulas,multiplicam-seedepoissaêmparaseiníiltraremoutras células,repetindoo processo.A quasetotalidadedas reâçõesquímicasnecessáriasa concÍetlzaçãodestecicloinfindávelé executadapelascélulashospedeirase nãopelos víruspropriamenteditos. Durantesuatransmissãocélulaa célula,osvíruspodêmprovocardanosdevaslado- res.Asdoençascausadasporvírusvãodesdeinfecçõestíviais,comoo reslriadocomurÌì, até â varíola,â raiva,a Íebreamarela,o cancroe a Aids.Entreessesdoisextremos, siluâm"sedoençascomoa gripe,a catapora,o sarampota cáÌxumba,a hepatite,a polio- mielitee oulrasmais.Essasdoênçassãocapazesde mâtar,aleiÌarou, na melhordas hipóteses,nosprovocardesconíortodurantêdias,semanasou meses.Osvírusnãoata_ camapenaso homem,mastambémpodeminlectaroutrosanimais,planlâsou bactérias. Apesarda recêntee alarmantedisseminaçâodaAids,o séculoXXpresenciouuma extraordináfiatransformaçãonarêlaçãoda humânidadecomosvírus.Aolonqodemjlha_ resdêanos,osvírusmataÍammilhõesdeserêshumanos,alémdecausaren;mesdanos aogadoe às colheitas.Atualmenle,porém,é possívelevitarmujtasinfecçõesviraispor meiodavacinação. EmborâosvÍus aindanãolenhamsjdoderrotados,osveniosdamudancacomecam a soprar.A provamaiseletivadissoé o triunÌodefinitivosobrea varíola,umaáasdoencus infêcciosasmaisdevastadorasdahistóriadahumanidade.Graçasa ummonumentalesior_ çodêvacinaçãoporpartêdaOrganizaçãoÀrundialdaSaúdê,a varíolafoierradicada. Naspróximasdécadas,váriosoutrosvírusperigososlerãoo mêsmodestinooueo davaíiola.ouseusefeitosnocivosseÍáodrasticamentereduzidos.
  • 9. 1. Façacinco desenhos,com legendâsexplicâ.ivascuÍas. queiÌustremcadaum dosmo nentos do cicÌoreprodutivodo bâcleÌiófà8pTr descritosI seguir: a) fixaçãodo vírioni d) ììontâgemde vírionsi b) injeçãodo DNA: e) lise da bâctéria. 'c)nulúplicação do DNA viúll 2. ApontepeÌomenosduasdiferençasimportantesnosciclosrepÌodutivosdc uÌn vírusde gripee de um bacteriófâgo. 3. Sobreos retovíÌïs, rcspondai a) QuaÌé o mâleriaÌsenéúco? b) Qual a funçãodr enzìmâtanscriptasereveÍsal c)oqueéplovírus? d) QuedoençâspodeÌncausar? 4. Apontee cêracterize.em Ìinhâsgenis. trêsdoençâscâxsâdaspor vírüs.
  • 10. A. TESTES Blocoúnico. Osvírus l. (PUC/Cmpinâ! SP)A pâlavE télula,. etìholo gÌcâmente,ven de.?/4,quequeÌdjrerlequenâcd- qdâde.Toddsoso.goimos livos sãofomâdos de.éltn6, àexceçAodo(at: a)tungos. d)âlsascimofíceas(uuis). bl brclédas. e)protozoários. 2. (J. F.S.CdÌos-SP)QuaÌdoseÌuFx apresútâdos Èúneapenasdoe!ç6 causadasporvms? a)Rubóola.poiiomielÌte,tétdo, tèbreamarelae b) Hepdlitelnfecciola,febreanàreta,Dbéolâ. poliôÌnieliteevâríola. c) Malíriâ. catalon, crÌumba,saraúpoe ru d) Tétmo,polìomielìte,tubeÍculose,gripee ru- e) saÌampo.râríoìa.nÌaldrir, iebrcamarelaehe- pâtiteiníecciosâ, 3. (LIFRN)TodosÒsvírussãoconsLituídospor: a)DNA epforeínás. b)aminoácidoseágua. c) ácidosnucìéìcoseproreÍnas. d)DNA CRNA. e)RNAeproLeínas. 4. (Unirio) Tôdososvírus; a)sósereproduzomno ìnterioi decéluÌas. b) são!üasltas devegerâissuperìo.es. c) sãopatoeênicospda o homem. d) podemserobservadosâomicroscópioóllico. e) sãobadedófagos. B. QUESTÕES DISCURSIVAS 5. (Faap'SP)O quesão,comosãoconsrituídose ondesereP|oduzemosvírus? ó. (Vunesp)O vírusresponsávelpetasÍndronedd imunodeficiênciaadquirida(Aido é um retroví Íus.Qualo tipo dêácidonucÌéicoquecolstiÌuj o hate.ial genéticodosfeúovírus?A denomjn.ção 'Ìerrovírus"rcferesea queclracledsrìcadcsse 7. (FuvesÌSP)Queesuôentospodemserusados parajusÌificâracla$ificaçãodosvÍus comose- l Os vÍrus causam yárias doènças ao homeh. âosanlmâis e àsplânt.s. Até o DÌomenlo o que se sabesobrc o uso de drogls no conbate dasdoen çâs virais? Quaì a melhoi úaneira de coô- 2. 3. EnumeÌealeumascâracteísÌicasdos víus. Citetiés doençdscausadaspor vfius,jndicandoo modo detrdsúissão, modo de inïecçãoe medj- 26