SlideShare uma empresa Scribd logo
Vírus Anglo Santos Dumont | Prof. Pedro Tavares
Vírus: piratas de células Virus, do latim, veneno. Descoberta: 1892 Invisível ao microscópio ótico 200 nm de diâmetro Acelulares Constituição Proteínas Ácidos nucléicos Alguns possuem também glicoproteínas e lipídios
Vírus: piratas de células
Vírus: piratas de células
Vírus: piratas de células Capsídio viral Proteínas Envelope externo (alguns) Lipídios e glicoproteínas (origem  célula) Ácido Nucléico DNA (ácido desoxirribonucléico) RNA (ácido ribonucléico) Citomegalovírus DNA e RNA  AO MESMO TEMPO
Vírus: piratas de células Não possui metabolismo próprio Parasitas intracelulares obrigatórios Invasão de uma célula Tomada do controle do seu metabolismo Pode levar à morte da célula Fora das células Nenhuma atividade vital Crescimento; metabolismo; reação a estímulos
Seres vivos ou não? Argumentos contra Partículas infecciosas sem metabolismo próprio Ausência de estrutura celular Apenas dois tipos de substâncias Ácidos nucléicos Proteínas Argumentos à favor Simplicidade: adaptação Ácidos nucléicos e proteínas  substâncias vitais Manifestação típica da vida: reprodução Seres vivos mais “econômicos” do planeta
Bacteriófago
Vírus da gripe (Influenza)
Vírus da Aids (HIV)
Mecanismos de invasão Injeção Bacteriófagos Aderência à parede da célula bacteriana Injeção apenas do material genético Fusão HIV Aderência à membrana plasmática Fusão Penetração na célula hospedeira (com capa e tudo)
Mecanismos de invasão Englobamento A própria célula introduz os microorganismos em seu interior (com proteína e material genético) Processo que “lembra” a fagocitose
Bacteriófago Vírus que atacam bactérias Injeção do seu DNA na bactéria Multiplicação do DNA viral  CICLO LÍTICO Bloqueio dos genes bacterianos (ação do vírus) Síntese de proteínas virais (capsídio – “cabeça” e “cauda”) Montagem dos novos vírus Ação de lisozimas  rompimento da parede bacteriana Liberação dos novos vírus Reinício do ciclo
Bacteriófago Provírus Em certos bacteriófagos, em vez de se multiplicar logo que entra na célula hospedeira, o DNA viral é integrado ao DNA bacteriano DNA viral  provírus  CICLO LISOGÊNICO Não afeta a bactéria Multiplicação  produção de novas bactérias contendo o provírus Em determinadas situações o provírus pode se soltar do DNA bacteriano e voltar à atividade Destruição de toda a população bacteriana portadora do provírus
HIV Vírus da Aids Parasita de linfócitos T CD4 (auxiliadores) Células que comandam toda a defesa contra infecções Estrutura Envelope externo (proteínas e lipídios) Capsídio 2 moléculas de RNA Enzima transcriptase reversa
HIV
HIV Retrovírus RNA  DNA (transcriptase reversa) Mecanismo de ação Aderência à célula hospedeira Fusão à membrana celular (semelhança molecular) Capsídio viral penetra no citoplasma Liberação do RNA e da transcriptase reversa Produção de DNA viral complementar Penetração no núcleo Integração a um cromossomo (provírus) Fabricação de RNA viral, capsídio e transcriptase reversa Montagem dos novos vírus Saída das células (fusão dos capsídios com a membrana plasmática) Rompimento da membrana  morte celular
HIV
Influenza: o vírus da gripe Vários tipos diferentes Composição Envelope lipoprotéico esférico Capsídio RNA viral Mecanismo de ação Aderência a substâncias receptoras nas células das vias respiratórias Células do epitélio respiratório fagocitam o vírus inteiro para o citoplasma Destruição do envelope e do capsídio Duplicação do RNA viral Utilização da maquinaria celular para traduzir o RNA viral, produzindo os componentes protéicos do capsídio Montagem dos novos vírus Saída das células (carregando fragmentos da membrana plasmática, que formam seu envelope protéico) Não há, necessariamente, a morte da célula hospedeira Céluals morrem devido às perturbações provocadas pela infecção
Principais viroses humanas
Principais viroses humanas
Principais viroses humanas
H1N1 Denominação H  hemaglutinina Proteína que facilita a entrada dovírus na célula 16 tipos conhecidos (H1 a H16) N  neuraminidase Proteína que facilita a saída do vírus da célula 9 tipos conhecidos (N1 a N9)
H1N1
H1N1 Mutações nas proteínas H e N evitam o reconhecimento dos vírus pelo sistema imunológico, facilitando novas infecções Como surge uma nova cepa? Vírus da Gripe Humana Vírus da Gripe Aviária Vírus da Gripe Suína Vírus que infectam humanos, aves e porcos podem realizar contágios simultâneos em suínos. Nas células dos porcos, ocorre a mistura do material genético das diferentes cepas. Surge então uma nova cepa que reúne genes dos vários tipos de vírus. Os novos vírus infectam seres humanso e não são reconhecidos.
Verdadeiros donos do mundo? “Os verdadeiros donos do mundo – vírus e bactérias não atacam apenas a sua saúde, eles são a maior ameaça à existência humana. Saiba por que nunca estivemos tão vulneráveis nessa guerra”
Verdadeiros donos do mundo?
Verdadeiros donos do mundo? Revista Superinteressante, Agosto de 2009.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Vírus
VírusVírus
Organização e Reprodução dos Vírus
Organização e Reprodução dos VírusOrganização e Reprodução dos Vírus
Organização e Reprodução dos Vírus
Marcia Regina
 
Virologia geral - Prof Jean Santos - Odontologia UENP
Virologia geral - Prof Jean Santos - Odontologia UENPVirologia geral - Prof Jean Santos - Odontologia UENP
Virologia geral - Prof Jean Santos - Odontologia UENP
Jean Santos
 
Os vírus
Os vírusOs vírus
Os vírus
Marcia Bantim
 
Vírus aula
Vírus aulaVírus aula
Vírus aula
Raquel Freiry
 
1ª Introducao Ao Curso De Virologia
1ª  Introducao Ao Curso De Virologia1ª  Introducao Ao Curso De Virologia
1ª Introducao Ao Curso De Virologia
Renato Moura
 
Aula 10 replicação viral - texto
Aula 10   replicação viral - textoAula 10   replicação viral - texto
Aula 10 replicação viral - texto
Lucas Almeida Sá
 
Vírus: Características Gerais e Replicação
Vírus: Características Gerais e ReplicaçãoVírus: Características Gerais e Replicação
Vírus: Características Gerais e Replicação
Wenzell Renan
 
Virus e viroses
Virus e virosesVirus e viroses
Virus e viroses
Elizabete Costa
 
Virologia Geral - Replicação viral
Virologia Geral - Replicação viral Virologia Geral - Replicação viral
Virologia Geral - Replicação viral
Wilia Diederichsen
 
Biologia- Virus
Biologia- VirusBiologia- Virus
Biologia- Virus
Slides de Tudo
 
Aula 2 virologia
Aula  2 virologiaAula  2 virologia
Aula 2 virologia
Edelma Vaz
 
Virus um grupo a parte
Virus  um grupo a parteVirus  um grupo a parte
Virus um grupo a parte
Joselito Oliveira Neto
 
Vírus
VírusVírus
Vírus
profatatiana
 
Vírus
VírusVírus
Virus Final
Virus FinalVirus Final
Virus Final
Sílvia Pimenta
 
Vírus Biologia
Vírus BiologiaVírus Biologia
Vírus Biologia
Andrea Barreto
 
Biologia vírus
Biologia   vírusBiologia   vírus
Biologia vírus
Pedro Pereira
 
Vírus e viroses
Vírus e virosesVírus e viroses
Vírus e viroses
Mariana Pardo
 
Aula vírus viroses_exercícios
Aula vírus viroses_exercíciosAula vírus viroses_exercícios
Aula vírus viroses_exercícios
Adriano Alves de Souza
 

Mais procurados (20)

Vírus
VírusVírus
Vírus
 
Organização e Reprodução dos Vírus
Organização e Reprodução dos VírusOrganização e Reprodução dos Vírus
Organização e Reprodução dos Vírus
 
Virologia geral - Prof Jean Santos - Odontologia UENP
Virologia geral - Prof Jean Santos - Odontologia UENPVirologia geral - Prof Jean Santos - Odontologia UENP
Virologia geral - Prof Jean Santos - Odontologia UENP
 
Os vírus
Os vírusOs vírus
Os vírus
 
Vírus aula
Vírus aulaVírus aula
Vírus aula
 
1ª Introducao Ao Curso De Virologia
1ª  Introducao Ao Curso De Virologia1ª  Introducao Ao Curso De Virologia
1ª Introducao Ao Curso De Virologia
 
Aula 10 replicação viral - texto
Aula 10   replicação viral - textoAula 10   replicação viral - texto
Aula 10 replicação viral - texto
 
Vírus: Características Gerais e Replicação
Vírus: Características Gerais e ReplicaçãoVírus: Características Gerais e Replicação
Vírus: Características Gerais e Replicação
 
Virus e viroses
Virus e virosesVirus e viroses
Virus e viroses
 
Virologia Geral - Replicação viral
Virologia Geral - Replicação viral Virologia Geral - Replicação viral
Virologia Geral - Replicação viral
 
Biologia- Virus
Biologia- VirusBiologia- Virus
Biologia- Virus
 
Aula 2 virologia
Aula  2 virologiaAula  2 virologia
Aula 2 virologia
 
Virus um grupo a parte
Virus  um grupo a parteVirus  um grupo a parte
Virus um grupo a parte
 
Vírus
VírusVírus
Vírus
 
Vírus
VírusVírus
Vírus
 
Virus Final
Virus FinalVirus Final
Virus Final
 
Vírus Biologia
Vírus BiologiaVírus Biologia
Vírus Biologia
 
Biologia vírus
Biologia   vírusBiologia   vírus
Biologia vírus
 
Vírus e viroses
Vírus e virosesVírus e viroses
Vírus e viroses
 
Aula vírus viroses_exercícios
Aula vírus viroses_exercíciosAula vírus viroses_exercícios
Aula vírus viroses_exercícios
 

Destaque

Biologia - vírus e príon
Biologia - vírus e príonBiologia - vírus e príon
Biologia - vírus e príon
NAPNE
 
Microorganismos virus bacterias hongos
Microorganismos virus bacterias hongosMicroorganismos virus bacterias hongos
Microorganismos virus bacterias hongos
Carla Hassan Marciel
 
ESTADO DE DIREITO - 21 EDIÇÃO
ESTADO DE DIREITO - 21 EDIÇÃOESTADO DE DIREITO - 21 EDIÇÃO
ESTADO DE DIREITO - 21 EDIÇÃO
Estadodedireito
 
La varicela la
La varicela laLa varicela la
La varicela la
Dulce0007
 
Capítulo 5 vírus
Capítulo 5   vírusCapítulo 5   vírus
Capítulo 5 vírus
rafaelcef3
 
Virus como agentes de doencas de plantas em pdf
Virus como agentes de doencas de plantas em pdfVirus como agentes de doencas de plantas em pdf
Virus como agentes de doencas de plantas em pdf
Rogger Wins
 
Doenças
DoençasDoenças
Doenças
familiaestagio
 
Doencas virus e bacterias
Doencas virus e bacteriasDoencas virus e bacterias
Doencas virus e bacterias
Gisele Fidelis
 
Hongos.
Hongos. Hongos.
Hongos.
Carome04
 
Slides da aula de Biologia (Renato) sobre Bacterioses
Slides da aula de Biologia (Renato) sobre BacteriosesSlides da aula de Biologia (Renato) sobre Bacterioses
Slides da aula de Biologia (Renato) sobre Bacterioses
Turma Olímpica
 
17 sábado - dr. barros - urgencias en vih
17   sábado - dr. barros - urgencias en vih17   sábado - dr. barros - urgencias en vih
17 sábado - dr. barros - urgencias en vih
murgenciasudea
 
Tratamento de intoxicações (Medicamentos)
Tratamento de intoxicações (Medicamentos)Tratamento de intoxicações (Medicamentos)
Tratamento de intoxicações (Medicamentos)
Lina Oliveira
 
Movimentação de vírus em plantas
Movimentação de vírus em plantasMovimentação de vírus em plantas
Movimentação de vírus em plantas
Marcelo Feitosa
 
Física óptica
Física   ópticaFísica   óptica
Física óptica
WALTER ALENCAR DE SOUSA
 
Gestão e Segurança do Trabalho - Empresa Concreta
Gestão e Segurança do Trabalho - Empresa ConcretaGestão e Segurança do Trabalho - Empresa Concreta
Gestão e Segurança do Trabalho - Empresa Concreta
Greice Marques
 
Virologia
VirologiaVirologia
Virologia Geral - Patogenia das infecções virais
Virologia Geral - Patogenia das infecções viraisVirologia Geral - Patogenia das infecções virais
Virologia Geral - Patogenia das infecções virais
Wilia Diederichsen
 
Presentación protozoos
Presentación protozoosPresentación protozoos
Presentación protozoos
JESSICA CASTILLO MORA
 
Nr 25
Nr 25Nr 25
Microbiología y virus
Microbiología y virusMicrobiología y virus
Microbiología y virus
biologiaunimeta
 

Destaque (20)

Biologia - vírus e príon
Biologia - vírus e príonBiologia - vírus e príon
Biologia - vírus e príon
 
Microorganismos virus bacterias hongos
Microorganismos virus bacterias hongosMicroorganismos virus bacterias hongos
Microorganismos virus bacterias hongos
 
ESTADO DE DIREITO - 21 EDIÇÃO
ESTADO DE DIREITO - 21 EDIÇÃOESTADO DE DIREITO - 21 EDIÇÃO
ESTADO DE DIREITO - 21 EDIÇÃO
 
La varicela la
La varicela laLa varicela la
La varicela la
 
Capítulo 5 vírus
Capítulo 5   vírusCapítulo 5   vírus
Capítulo 5 vírus
 
Virus como agentes de doencas de plantas em pdf
Virus como agentes de doencas de plantas em pdfVirus como agentes de doencas de plantas em pdf
Virus como agentes de doencas de plantas em pdf
 
Doenças
DoençasDoenças
Doenças
 
Doencas virus e bacterias
Doencas virus e bacteriasDoencas virus e bacterias
Doencas virus e bacterias
 
Hongos.
Hongos. Hongos.
Hongos.
 
Slides da aula de Biologia (Renato) sobre Bacterioses
Slides da aula de Biologia (Renato) sobre BacteriosesSlides da aula de Biologia (Renato) sobre Bacterioses
Slides da aula de Biologia (Renato) sobre Bacterioses
 
17 sábado - dr. barros - urgencias en vih
17   sábado - dr. barros - urgencias en vih17   sábado - dr. barros - urgencias en vih
17 sábado - dr. barros - urgencias en vih
 
Tratamento de intoxicações (Medicamentos)
Tratamento de intoxicações (Medicamentos)Tratamento de intoxicações (Medicamentos)
Tratamento de intoxicações (Medicamentos)
 
Movimentação de vírus em plantas
Movimentação de vírus em plantasMovimentação de vírus em plantas
Movimentação de vírus em plantas
 
Física óptica
Física   ópticaFísica   óptica
Física óptica
 
Gestão e Segurança do Trabalho - Empresa Concreta
Gestão e Segurança do Trabalho - Empresa ConcretaGestão e Segurança do Trabalho - Empresa Concreta
Gestão e Segurança do Trabalho - Empresa Concreta
 
Virologia
VirologiaVirologia
Virologia
 
Virologia Geral - Patogenia das infecções virais
Virologia Geral - Patogenia das infecções viraisVirologia Geral - Patogenia das infecções virais
Virologia Geral - Patogenia das infecções virais
 
Presentación protozoos
Presentación protozoosPresentación protozoos
Presentación protozoos
 
Nr 25
Nr 25Nr 25
Nr 25
 
Microbiología y virus
Microbiología y virusMicrobiología y virus
Microbiología y virus
 

Semelhante a Virus - Anglo Santos Dumont

Virus
VirusVirus
Características dos vírus e doenças causadas por vírus
Características dos vírus e doenças causadas por vírusCaracterísticas dos vírus e doenças causadas por vírus
Características dos vírus e doenças causadas por vírus
MateusAlexandre21
 
Virus
VirusVirus
Vírus
VírusVírus
caracteristicas-gerais-dos-virus.ppt...............x
caracteristicas-gerais-dos-virus.ppt...............xcaracteristicas-gerais-dos-virus.ppt...............x
caracteristicas-gerais-dos-virus.ppt...............x
GracyPacheco1
 
Vírus
VírusVírus
Vírus
profatatiana
 
Aula virus (1)
Aula virus (1)Aula virus (1)
Aula virus (1)
Sandra Oliveira Oliveira
 
Virus-aula.ppt
Virus-aula.pptVirus-aula.ppt
Virus-aula.ppt
LinoReisLino
 
Virus.ppt
Virus.pptVirus.ppt
Virus.ppt
Gustavo596335
 
Virus.ppt
Virus.pptVirus.ppt
Virus.ppt
LinoReisLino
 
Resumo teórico de virologia
Resumo teórico de virologiaResumo teórico de virologia
Resumo teórico de virologia
emanuel
 
Vírus.ppt
Vírus.pptVírus.ppt
Vírus.ppt
julianmurritz
 
VíRus
VíRusVíRus
virus.ppt
virus.pptvirus.ppt
Ipo pg 2007.06.02 aula1
Ipo pg 2007.06.02 aula1Ipo pg 2007.06.02 aula1
Ipo pg 2007.06.02 aula1
Hugo Sousa
 
6941 virus
6941 virus6941 virus
6941 virus
ADÃO Graciano
 
Virus a.1
Virus a.1Virus a.1
Virus a.1
anhitha2
 
Aula virus 3
Aula virus 3Aula virus 3
Aula virus 3
Marcia Moreira
 
Vírus
VírusVírus
Vírus
aulasdotubao
 
Assis 1º Bimestre
Assis   1º BimestreAssis   1º Bimestre
Assis 1º Bimestre
Como Professor
 

Semelhante a Virus - Anglo Santos Dumont (20)

Virus
VirusVirus
Virus
 
Características dos vírus e doenças causadas por vírus
Características dos vírus e doenças causadas por vírusCaracterísticas dos vírus e doenças causadas por vírus
Características dos vírus e doenças causadas por vírus
 
Virus
VirusVirus
Virus
 
Vírus
VírusVírus
Vírus
 
caracteristicas-gerais-dos-virus.ppt...............x
caracteristicas-gerais-dos-virus.ppt...............xcaracteristicas-gerais-dos-virus.ppt...............x
caracteristicas-gerais-dos-virus.ppt...............x
 
Vírus
VírusVírus
Vírus
 
Aula virus (1)
Aula virus (1)Aula virus (1)
Aula virus (1)
 
Virus-aula.ppt
Virus-aula.pptVirus-aula.ppt
Virus-aula.ppt
 
Virus.ppt
Virus.pptVirus.ppt
Virus.ppt
 
Virus.ppt
Virus.pptVirus.ppt
Virus.ppt
 
Resumo teórico de virologia
Resumo teórico de virologiaResumo teórico de virologia
Resumo teórico de virologia
 
Vírus.ppt
Vírus.pptVírus.ppt
Vírus.ppt
 
VíRus
VíRusVíRus
VíRus
 
virus.ppt
virus.pptvirus.ppt
virus.ppt
 
Ipo pg 2007.06.02 aula1
Ipo pg 2007.06.02 aula1Ipo pg 2007.06.02 aula1
Ipo pg 2007.06.02 aula1
 
6941 virus
6941 virus6941 virus
6941 virus
 
Virus a.1
Virus a.1Virus a.1
Virus a.1
 
Aula virus 3
Aula virus 3Aula virus 3
Aula virus 3
 
Vírus
VírusVírus
Vírus
 
Assis 1º Bimestre
Assis   1º BimestreAssis   1º Bimestre
Assis 1º Bimestre
 

Último

Slide de biologia aula2 2 bimestre no ano de 2024
Slide de biologia aula2  2 bimestre no ano de 2024Slide de biologia aula2  2 bimestre no ano de 2024
Slide de biologia aula2 2 bimestre no ano de 2024
vinibolado86
 
GÊNERO TEXTUAL - POEMA.pptx
GÊNERO      TEXTUAL     -     POEMA.pptxGÊNERO      TEXTUAL     -     POEMA.pptx
GÊNERO TEXTUAL - POEMA.pptx
Marlene Cunhada
 
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
DouglasMoraes54
 
Aula Contrato Individual de Trabalho .pdf
Aula Contrato Individual de Trabalho .pdfAula Contrato Individual de Trabalho .pdf
Aula Contrato Individual de Trabalho .pdf
Pedro Luis Moraes
 
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdfUFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
Manuais Formação
 
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdfTestes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
lveiga112
 
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
fagnerlopes11
 
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdfOS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
AmiltonAparecido1
 
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptxSlides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionaisResumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
beatrizsilva525654
 
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões.          pptxRimas, Luís Vaz de Camões.          pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
TomasSousa7
 
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
Mary Alvarenga
 
AULA-001---AS-CELULAS_5546dad041b949bbb7b1f0fa841a6d1f.pdf
AULA-001---AS-CELULAS_5546dad041b949bbb7b1f0fa841a6d1f.pdfAULA-001---AS-CELULAS_5546dad041b949bbb7b1f0fa841a6d1f.pdf
AULA-001---AS-CELULAS_5546dad041b949bbb7b1f0fa841a6d1f.pdf
SthafaniHussin1
 
As sequências didáticas: práticas educativas
As sequências didáticas: práticas educativasAs sequências didáticas: práticas educativas
As sequências didáticas: práticas educativas
rloureiro1
 
REGULAMENTO DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
REGULAMENTO  DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...REGULAMENTO  DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
REGULAMENTO DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
Eró Cunha
 
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptxAula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
LILIANPRESTESSCUDELE
 
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
LeticiaRochaCupaiol
 
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptxRedação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
DECIOMAURINARAMOS
 
497417426-conheca-os-principais-graficos-da-radiestesia-e-da-radionica.pdf
497417426-conheca-os-principais-graficos-da-radiestesia-e-da-radionica.pdf497417426-conheca-os-principais-graficos-da-radiestesia-e-da-radionica.pdf
497417426-conheca-os-principais-graficos-da-radiestesia-e-da-radionica.pdf
JoanaFigueira11
 
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de cursoDicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Simone399395
 

Último (20)

Slide de biologia aula2 2 bimestre no ano de 2024
Slide de biologia aula2  2 bimestre no ano de 2024Slide de biologia aula2  2 bimestre no ano de 2024
Slide de biologia aula2 2 bimestre no ano de 2024
 
GÊNERO TEXTUAL - POEMA.pptx
GÊNERO      TEXTUAL     -     POEMA.pptxGÊNERO      TEXTUAL     -     POEMA.pptx
GÊNERO TEXTUAL - POEMA.pptx
 
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
 
Aula Contrato Individual de Trabalho .pdf
Aula Contrato Individual de Trabalho .pdfAula Contrato Individual de Trabalho .pdf
Aula Contrato Individual de Trabalho .pdf
 
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdfUFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
 
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdfTestes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
 
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
 
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdfOS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
 
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptxSlides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
 
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionaisResumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
 
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões.          pptxRimas, Luís Vaz de Camões.          pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
 
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
 
AULA-001---AS-CELULAS_5546dad041b949bbb7b1f0fa841a6d1f.pdf
AULA-001---AS-CELULAS_5546dad041b949bbb7b1f0fa841a6d1f.pdfAULA-001---AS-CELULAS_5546dad041b949bbb7b1f0fa841a6d1f.pdf
AULA-001---AS-CELULAS_5546dad041b949bbb7b1f0fa841a6d1f.pdf
 
As sequências didáticas: práticas educativas
As sequências didáticas: práticas educativasAs sequências didáticas: práticas educativas
As sequências didáticas: práticas educativas
 
REGULAMENTO DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
REGULAMENTO  DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...REGULAMENTO  DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
REGULAMENTO DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
 
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptxAula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
 
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
 
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptxRedação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
 
497417426-conheca-os-principais-graficos-da-radiestesia-e-da-radionica.pdf
497417426-conheca-os-principais-graficos-da-radiestesia-e-da-radionica.pdf497417426-conheca-os-principais-graficos-da-radiestesia-e-da-radionica.pdf
497417426-conheca-os-principais-graficos-da-radiestesia-e-da-radionica.pdf
 
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de cursoDicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
 

Virus - Anglo Santos Dumont

  • 1. Vírus Anglo Santos Dumont | Prof. Pedro Tavares
  • 2. Vírus: piratas de células Virus, do latim, veneno. Descoberta: 1892 Invisível ao microscópio ótico 200 nm de diâmetro Acelulares Constituição Proteínas Ácidos nucléicos Alguns possuem também glicoproteínas e lipídios
  • 5. Vírus: piratas de células Capsídio viral Proteínas Envelope externo (alguns) Lipídios e glicoproteínas (origem  célula) Ácido Nucléico DNA (ácido desoxirribonucléico) RNA (ácido ribonucléico) Citomegalovírus DNA e RNA  AO MESMO TEMPO
  • 6. Vírus: piratas de células Não possui metabolismo próprio Parasitas intracelulares obrigatórios Invasão de uma célula Tomada do controle do seu metabolismo Pode levar à morte da célula Fora das células Nenhuma atividade vital Crescimento; metabolismo; reação a estímulos
  • 7. Seres vivos ou não? Argumentos contra Partículas infecciosas sem metabolismo próprio Ausência de estrutura celular Apenas dois tipos de substâncias Ácidos nucléicos Proteínas Argumentos à favor Simplicidade: adaptação Ácidos nucléicos e proteínas  substâncias vitais Manifestação típica da vida: reprodução Seres vivos mais “econômicos” do planeta
  • 9. Vírus da gripe (Influenza)
  • 10. Vírus da Aids (HIV)
  • 11. Mecanismos de invasão Injeção Bacteriófagos Aderência à parede da célula bacteriana Injeção apenas do material genético Fusão HIV Aderência à membrana plasmática Fusão Penetração na célula hospedeira (com capa e tudo)
  • 12. Mecanismos de invasão Englobamento A própria célula introduz os microorganismos em seu interior (com proteína e material genético) Processo que “lembra” a fagocitose
  • 13. Bacteriófago Vírus que atacam bactérias Injeção do seu DNA na bactéria Multiplicação do DNA viral  CICLO LÍTICO Bloqueio dos genes bacterianos (ação do vírus) Síntese de proteínas virais (capsídio – “cabeça” e “cauda”) Montagem dos novos vírus Ação de lisozimas  rompimento da parede bacteriana Liberação dos novos vírus Reinício do ciclo
  • 14. Bacteriófago Provírus Em certos bacteriófagos, em vez de se multiplicar logo que entra na célula hospedeira, o DNA viral é integrado ao DNA bacteriano DNA viral  provírus  CICLO LISOGÊNICO Não afeta a bactéria Multiplicação  produção de novas bactérias contendo o provírus Em determinadas situações o provírus pode se soltar do DNA bacteriano e voltar à atividade Destruição de toda a população bacteriana portadora do provírus
  • 15. HIV Vírus da Aids Parasita de linfócitos T CD4 (auxiliadores) Células que comandam toda a defesa contra infecções Estrutura Envelope externo (proteínas e lipídios) Capsídio 2 moléculas de RNA Enzima transcriptase reversa
  • 16. HIV
  • 17. HIV Retrovírus RNA  DNA (transcriptase reversa) Mecanismo de ação Aderência à célula hospedeira Fusão à membrana celular (semelhança molecular) Capsídio viral penetra no citoplasma Liberação do RNA e da transcriptase reversa Produção de DNA viral complementar Penetração no núcleo Integração a um cromossomo (provírus) Fabricação de RNA viral, capsídio e transcriptase reversa Montagem dos novos vírus Saída das células (fusão dos capsídios com a membrana plasmática) Rompimento da membrana  morte celular
  • 18. HIV
  • 19. Influenza: o vírus da gripe Vários tipos diferentes Composição Envelope lipoprotéico esférico Capsídio RNA viral Mecanismo de ação Aderência a substâncias receptoras nas células das vias respiratórias Células do epitélio respiratório fagocitam o vírus inteiro para o citoplasma Destruição do envelope e do capsídio Duplicação do RNA viral Utilização da maquinaria celular para traduzir o RNA viral, produzindo os componentes protéicos do capsídio Montagem dos novos vírus Saída das células (carregando fragmentos da membrana plasmática, que formam seu envelope protéico) Não há, necessariamente, a morte da célula hospedeira Céluals morrem devido às perturbações provocadas pela infecção
  • 23. H1N1 Denominação H  hemaglutinina Proteína que facilita a entrada dovírus na célula 16 tipos conhecidos (H1 a H16) N  neuraminidase Proteína que facilita a saída do vírus da célula 9 tipos conhecidos (N1 a N9)
  • 24. H1N1
  • 25. H1N1 Mutações nas proteínas H e N evitam o reconhecimento dos vírus pelo sistema imunológico, facilitando novas infecções Como surge uma nova cepa? Vírus da Gripe Humana Vírus da Gripe Aviária Vírus da Gripe Suína Vírus que infectam humanos, aves e porcos podem realizar contágios simultâneos em suínos. Nas células dos porcos, ocorre a mistura do material genético das diferentes cepas. Surge então uma nova cepa que reúne genes dos vários tipos de vírus. Os novos vírus infectam seres humanso e não são reconhecidos.
  • 26. Verdadeiros donos do mundo? “Os verdadeiros donos do mundo – vírus e bactérias não atacam apenas a sua saúde, eles são a maior ameaça à existência humana. Saiba por que nunca estivemos tão vulneráveis nessa guerra”
  • 28. Verdadeiros donos do mundo? Revista Superinteressante, Agosto de 2009.