SlideShare uma empresa Scribd logo
ANTROPOLOGIA SOCIAL
O QUE É ANTROPOLOGIA SOCIAL? Raciocínio Humano O que as pessoas fazem ≠  Maneiras de se fazer as coisas
DIFERENÇAS ENTRE AS SOCIEDADES A maioria de nós cresce aprendendo como se comportar em relação aos nossos =  e, quando já estamos crescidos , tomamos por certo que  existe  apenas um modo  de se comportar. Então talvez viajemos para o estrangeiro, durante as férias ou por um período mais longo, e logo descobrimos que, nos outros países, as regras são  ≠.
Diferentes Culturas Cultura indiana: Uma das civilizações mais antigas; Diversidade de língua, hábitos e modo de vida não impedem que haja uma unidade cultural muito grande no país. Sentimento de amor pela nação mantém vivas até hoje muitas tradições, embora cada estado tenha sua própria forma de expressão, na arte, música, linguagem e culinária
O país é um centro de excelência em computação, apesar de 1/3 de sua população viver na miséria. Recursos modernos + costumes milenares = efeitos de extrema perversidade. Ultra-sonografia: utilizado para identificar o sexo no bebê. 927 garotas para cada 1000 até 6 anos de idade em todo o país.
Costumes desfavoráveis à mulher; Ao se casar, torna-se empregada da família do marido; A lei não permite o matrimônio de mulheres menores de 18 anos, porém são freqüentes os casamentos de homens mais velhos com meninas de 8-9 anos; Por tradição a família da noiva paga um dote generoso ao futuro marido; São comuns casos nos quais os parentes do noivo torturam a noiva para forçar seus pais a pagar um dote maior. Em situações mais extremas, ela é morta e o caso é registrado como “acidente doméstico”.
Cultura na Arábia Saudita: Islamismo como religião oficial; Ensino gratuito, mas não obrigatório; Álcool, porco, teatro e cinema: ilegais; Mulheres totalmente cobertas com roupas e lenços pretos; As mulheres podem casar com um único homem, o homem pode casar com quantas mulheres puder sustentar
Costumes Japoneses: Não existe qualquer gorjeta em qualquer que seja a situação no Japão como táxis, restaurantes, serviços pessoais... A gorjeta é ofensiva, o preço pago pelo serviço está no preço determinado, eles não estão mendigando; Os banhos públicos ainda estão bem vindos no Japão; Ao contrário das culturas ocidentais, no Japão, o banho de imersão é utilizado após se ter lavado e enxugado, e a pessoa fica imersa em uma água super quente por 10, 20, 30 minutos; Se acontecer de ser convidado para um lar japonês, você terá a honra de tomar o banho primeiro, geralmente antes do jantar. Tenha o máximo de cuidado para não sujar a água para imersão, pois a santidade da banheira é de extrema importância.
Os sentos (locais de banhos públicos), são locais sem barreiras referente à cor, idade ou linguagem, são separados por sexo com exceção de algumas regiões onde são encontrados banhos mistos. Mas, não há problema, pois o povo japonês nada interpreta nada de erótico no fato de se estar nu para banhar-se.
A Antropologia Social se tem preocupado, em grande parte, com as pessoas que “se portam” de modo muito diferente do “Deste País” e de qualquer outra das nações industrializadas que são chamadas “ocidentais”. Seu centro de interesse sempre foi os povos chamados “primitivos” ou, quando há tempo para se falar mais longamente, “povos de tecnologia simples” – povos que têm de dispensar nosso rol de artefatos, não só o radar e o transporte mecânico, mas também o dinheiro e a escrita.
As sociedades “primitivas” ou “simples” diferem muito entre si – talvez mais do que acontece com as sociedades industrializadas.  A explicação das diferenças entre os povos – e às vezes até mesmo entre indivíduos – como manifestações do “caráter nacional” é extremamente popular.
Características presente no sangue
As qualidades físicas que herdamos  não  estão contidas em nosso sangue, embora se tenha acreditado nisso durante tanto tempo que às vezes é difícil evitar o uso da expressão popular “parentes consanguíneos” A questão de como as pessoas, individualmente, se comportam e a de como as diferentes sociedades são organizadas são bastante diferentes; não se pode explicar diferenças entre sociedades dizendo que se compõem de diferentes tipos de pessoas.
Os povos não são, de modo algum, todos iguais e, onde diferem, essas diferenças não podem ser explicadas pela precipitação pluviométrica, pela temperatura, ou pelo tipo de vegetação produzido pelo solo. Que tipo de diferença interessa ao antropólogo social???
Interessa ao antropólogo social; não apenas o tipo de coisas que vemos as pessoas fazerem diariamente, mas, oculta pelo comportamento cotidiano, a maneira como são  organizadas  de modo a ser uma  sociedade  e não apenas muita gente que por acaso se encontra na mesma parte do mundo. Certos tipos de disposição são característicos de povos de tecnologia simples, ou que certas regras de herança e certas regras de casamento muitas vezes são encontradas juntas; mas é inútil procurar fora da sociedade explicações para o que acontece dentro dela.
O campo da Antropologia Social é atualmente tão amplo que poucas pessoas podem esperar tornar-se peritas, ao mesmo tempo, nela e em qualquer dos outros ramos da Antropologia no sentido mais amplo. Todo antropólogo social deve falar a língua do povo com o qual trabalha, mas pouco podem fazer um estudo intensivo de Linguística. O CAMPO DA ANTROPOLOGIA SOCIAL
Antigamente afirmava-se que nosso interesse apropriado se dirigia para as sociedades “primitivas” ou “simples”. Esses adjetivos em si requerem definição; hoje em dia geralmente se concorda que eles descrevem a tecnologia do povo a que se referem.  A sociedade primitiva típica não tem escrita nem meio circulante. Mas os antropólogos têm trabalhado em sociedades pré-industriais dotadas de escrita e meio circulante; e mais recentemente, em sociedades industriais das quais eles próprios são membros, em fábricas, prisões e hospitais de alienados, e estudado o parentesco e a família nas grandes cidades. Julgamos ser da nossa alçada observar a  totalidade  das relações que agem entre as pessoas na unidade social que estudamos, não só as diretamente relevantes a determinado problema.
Podemos tomar uma pequena área de uma grande sociedade – uma fábrica, um sindicato operário ou um partido político. Se fizermos isso, estaremos invadindo o campo de outros especialistas – economistas  ou cientistas políticos. Mas podemos acrescentar algo à sua análise usando o conceito de estrutura social do antropólogo. Isso nos leva ao exame dos elos entre as relações políticas ou econômicas com as que dependem do parentesco ou dos deveres rituais.  Oferecemos a “matriz social” das investigações realizadas pelas disciplinas especialistas.
Alguns antropólogos na Grã-Bretanha e muitos na América chamam-se a sim próprios de antropólogos  culturais , afirmando que seu interessa básico está na  cultura.  Eles descendem em linha direta de Tylor e Boas. Os que dão o nome de estudiosos da  sociedade  são os descendentes intelectuais de Durkheim e Radeliffe-Brown Durkheim TERMOS-CHAVE
Uma cultura é a posse comum de um grupo de pessoas que compartilham as mesmas tradições; em termos sociais, esse grupo é uma sociedade. Se considerarmos as pessoas apenas como portadoras de cultura, talvez seja perigosamente fácil considerar uma cultura como um conjunto de regras e técnicas com existência independente; Quando os antropólogos ingleses dizem estar mais interessados nos fatos sociais do que nos culturais, querem dizer que estão interessados nas interações das pessoas que vivem em sociedade, e não nas características pessoais dos indivíduos, mesmo que estas sejam consideradas como o produto da sua cultura.
Radeliffe-Brown disse que o campo de estudo de um antropólogo poderia ser “qualquer localidade conveniente de tamanho adequado” e que, tendo selecionado sua “sociedade” desta maneira, sua tarefa seria a de estudar sua  estrutura.  Esta palavra é atualmente o conceito básico de grande parte do trabalho que está sendo realizado em Antropologia Social. Significa que consideramos a  sociedade,  não a cultura, como uma disposição ordenada de partes, e que nosso trabalho está em descobrir e explicar essa ordem. Ela consiste nas relações entre pessoas que não são reguladas por um conjunto de direitos e e obrigações reconhecidos.
No estudo da estrutura social dois conceitos popularizados por Linton, na América, são muito usados:  “status”  e  papel .  Status  significa a posição de uma pessoa relativamente à das outras com as quais mantém relações sociais. Para cada  status  existe um papel apropriado.
A Antropologia Social interessa-se pela maneia como os papéis são definidos pela sociedade e o que acontece quando não são corretamente desempenhados. Os papéis abrangem deveres de liderança, comando, proteção, obediência, cooperação, o ato de se fazer presentes ou pagamentos nas ocasiões certas etc. Cada sociedade tem suas maneiras reconhecidas de expressar as relações nas quais os papéis devem ser desempenhados.
Cultura é a maneira como as relações sociais são expressas e simbolizadas; é o que o antropólogo no campo vê primeiro, e ela deve constituir grande parte da sua descrição. Enquanto de fato os antropólogos considerarem determinado tipo de sociedade como sua principal matéria, terão de descobrir palavras adequadas para denotar o que seja. Isso é inadequado porque as pessoas às quais a maior parte da pesquisa tem sido dirigida estão começando a resentir-se com qualquer descrição que lhes dá um  status  inferior.  Primitivo  é uma palavra que tem sido demasiado usada. Os escritores do século XIX usavam-na para descrever uma condição de humanidade que, de certo modo, era infantil em comparação com a idade adulta deles. Não é de espantar que as novas nações se ofendam com o termo.
Uma expressão que ainda não ofendeu é  de pequena escala,  denotado o âmbito estreito das relações sociais ao qual as sociedades de tecnologia simples estão limitadas. Alguns autores distinguem entre sociedade  primitiva  e  camponesa.  Para eles, sociedade primitiva é aquela praticamente auto-suficiente e na qual as pessoas obtêm seu alimento e outras necessidades diretamente do seu próprio trabalho, e sociedade camponesa, a composta de agricultores que vivem em pequenas comunidades, ainda em grande parte auto-suficientes, mas tendo algumas relações com uma sociedade maior, particularmente na venda dos seus excedentes num mercado e na aceitação de uma autoridade política externa. Alguns fazem a mesma distinção entre sociedades “tribais” e “camponesas”.
A “destribalização” refere-se à adoção de maneiras urbanas de vida nas cidades, e não à rejeição das maneiras tradicionais do campo. O termo  grupo  tem um significado especial na linguagem dos antropólogos sociais. Significa  uma comunidade corporativa com existência permanente;  uma reunião de pessoas recrutadas de acordo com os princípios reconhecidos, com interesses e regras (normas) comuns que fixam os direitos e deveres dos membros em relação uns aos outros e as esses interesses.
É importante compreender claramente que uma categoria não é algo que existe: é um modo de classificar os fenômenos cuja existência as pessoas percebem. Uma categoria de pessoas  não é  uma disposição de pessoas, que é algo diferente de um grupo. Uma etiqueta não se pode transformar em uma coisa; ou, em termos mais profissionais, um conceito numa entidade ou uma classe lógica num grupo social. Supor que um agregado de pessoas deve ser  ou  uma categoria  ou  um grupo é tão desconexo como dizer que alguém mora em Londres ou na quarta-feira.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

1 ano sociologia as relações entre indivíduo e sociedade
1 ano sociologia as relações entre indivíduo e sociedade1 ano sociologia as relações entre indivíduo e sociedade
1 ano sociologia as relações entre indivíduo e sociedade
homago
 
01 - O que é Sociologia
01 - O que é Sociologia01 - O que é Sociologia
01 - O que é Sociologia
Claudio Henrique Ramos Sales
 
Política e poder
Política e poderPolítica e poder
Etnocentrismo
EtnocentrismoEtnocentrismo
Poder, Política e Estado.
Poder, Política e Estado.Poder, Política e Estado.
Poder, Política e Estado.
Paula Raphaela
 
Cidadania e democracia
Cidadania e democraciaCidadania e democracia
Cidadania e democracia
Lucas Justino
 
Os modos de produção
Os modos de produçãoOs modos de produção
Os modos de produção
Davi Gonçalves Valério
 
Identidade cultural no Mundo
Identidade cultural no MundoIdentidade cultural no Mundo
Identidade cultural no Mundo
Escola Estadual Alonso de Morais Andrade
 
Indústria Cultural
Indústria CulturalIndústria Cultural
Indústria Cultural
Beatriz Schnaider Tontini
 
Ciencias sociais power point[1][1][1]
Ciencias sociais   power point[1][1][1]Ciencias sociais   power point[1][1][1]
Ciencias sociais power point[1][1][1]
161912
 
Cidadania
CidadaniaCidadania
Conceitos básicos de sociologia
Conceitos básicos de sociologiaConceitos básicos de sociologia
Conceitos básicos de sociologia
Gilmar Rodrigues
 
A Ciência, o ideal científico e a razão instrumental
A Ciência, o ideal científico e a razão instrumentalA Ciência, o ideal científico e a razão instrumental
A Ciência, o ideal científico e a razão instrumental
Felipe Saraiva Nunes de Pinho
 
Introdução à Sociologia
Introdução à SociologiaIntrodução à Sociologia
Introdução à Sociologia
Alison Nunes
 
Slides da aula de Filosofia (João Luís) sobre Ética e Moral
Slides da aula de Filosofia (João Luís) sobre Ética e MoralSlides da aula de Filosofia (João Luís) sobre Ética e Moral
Slides da aula de Filosofia (João Luís) sobre Ética e Moral
Turma Olímpica
 
Antropologia: conceitos basicos
 Antropologia: conceitos basicos Antropologia: conceitos basicos
Antropologia: conceitos basicos
Flávia De Mattos Motta
 
história da sociologia
   história da sociologia   história da sociologia
história da sociologia
Colégio Basic e Colégio Imperatrice
 
Os pré-socráticos
Os pré-socráticosOs pré-socráticos
Os pré-socráticos
João Paulo Rodrigues
 
A sociologia e o olhar sociológico
A sociologia e o olhar sociológicoA sociologia e o olhar sociológico
A sociologia e o olhar sociológico
Ariella Araujo
 
A teoria de Max Weber
A teoria de Max WeberA teoria de Max Weber
A teoria de Max Weber
Edenilson Morais
 

Mais procurados (20)

1 ano sociologia as relações entre indivíduo e sociedade
1 ano sociologia as relações entre indivíduo e sociedade1 ano sociologia as relações entre indivíduo e sociedade
1 ano sociologia as relações entre indivíduo e sociedade
 
01 - O que é Sociologia
01 - O que é Sociologia01 - O que é Sociologia
01 - O que é Sociologia
 
Política e poder
Política e poderPolítica e poder
Política e poder
 
Etnocentrismo
EtnocentrismoEtnocentrismo
Etnocentrismo
 
Poder, Política e Estado.
Poder, Política e Estado.Poder, Política e Estado.
Poder, Política e Estado.
 
Cidadania e democracia
Cidadania e democraciaCidadania e democracia
Cidadania e democracia
 
Os modos de produção
Os modos de produçãoOs modos de produção
Os modos de produção
 
Identidade cultural no Mundo
Identidade cultural no MundoIdentidade cultural no Mundo
Identidade cultural no Mundo
 
Indústria Cultural
Indústria CulturalIndústria Cultural
Indústria Cultural
 
Ciencias sociais power point[1][1][1]
Ciencias sociais   power point[1][1][1]Ciencias sociais   power point[1][1][1]
Ciencias sociais power point[1][1][1]
 
Cidadania
CidadaniaCidadania
Cidadania
 
Conceitos básicos de sociologia
Conceitos básicos de sociologiaConceitos básicos de sociologia
Conceitos básicos de sociologia
 
A Ciência, o ideal científico e a razão instrumental
A Ciência, o ideal científico e a razão instrumentalA Ciência, o ideal científico e a razão instrumental
A Ciência, o ideal científico e a razão instrumental
 
Introdução à Sociologia
Introdução à SociologiaIntrodução à Sociologia
Introdução à Sociologia
 
Slides da aula de Filosofia (João Luís) sobre Ética e Moral
Slides da aula de Filosofia (João Luís) sobre Ética e MoralSlides da aula de Filosofia (João Luís) sobre Ética e Moral
Slides da aula de Filosofia (João Luís) sobre Ética e Moral
 
Antropologia: conceitos basicos
 Antropologia: conceitos basicos Antropologia: conceitos basicos
Antropologia: conceitos basicos
 
história da sociologia
   história da sociologia   história da sociologia
história da sociologia
 
Os pré-socráticos
Os pré-socráticosOs pré-socráticos
Os pré-socráticos
 
A sociologia e o olhar sociológico
A sociologia e o olhar sociológicoA sociologia e o olhar sociológico
A sociologia e o olhar sociológico
 
A teoria de Max Weber
A teoria de Max WeberA teoria de Max Weber
A teoria de Max Weber
 

Destaque

A antropologia social
A antropologia socialA antropologia social
A antropologia social
Kaio Maluf
 
5 escolas antropologicas
5 escolas antropologicas5 escolas antropologicas
5 escolas antropologicas
Rafael Paranhos
 
O homem primitivo e seu comportamento
O homem primitivo e seu comportamentoO homem primitivo e seu comportamento
O homem primitivo e seu comportamento
xereque2009
 
Exposición al
Exposición alExposición al
Exposición al
rivera7511
 
Importancia da cultura
Importancia da culturaImportancia da cultura
Importancia da cultura
Ricardo Lima
 
A mediunidade através dos tempos - Espiritismo e mediunidade - Wilma Badan
A mediunidade através dos tempos - Espiritismo e mediunidade - Wilma BadanA mediunidade através dos tempos - Espiritismo e mediunidade - Wilma Badan
A mediunidade através dos tempos - Espiritismo e mediunidade - Wilma Badan
Wilma Badan C.G.
 
OFICINA PEDAGÓGICA II “ESTRATÉGIAS DE ENSINO E DE APRENDIZAGEM NO CURSO DE AD...
OFICINA PEDAGÓGICA II “ESTRATÉGIAS DE ENSINO E DE APRENDIZAGEM NO CURSO DE AD...OFICINA PEDAGÓGICA II “ESTRATÉGIAS DE ENSINO E DE APRENDIZAGEM NO CURSO DE AD...
OFICINA PEDAGÓGICA II “ESTRATÉGIAS DE ENSINO E DE APRENDIZAGEM NO CURSO DE AD...
ANGRAD
 
Povos Primitivos
Povos PrimitivosPovos Primitivos
Povos Primitivos
Diabzie
 
Estratégias Diferenciadas no Ensino
Estratégias Diferenciadas no EnsinoEstratégias Diferenciadas no Ensino
Estratégias Diferenciadas no Ensino
Vera Zacharias
 
Aula de Didática do Ensino Superior
Aula de Didática do Ensino SuperiorAula de Didática do Ensino Superior
Aula de Didática do Ensino Superior
Instituto Consciência GO
 
Mediunidade através dos tempos, A-2,0h
Mediunidade através dos tempos, A-2,0hMediunidade através dos tempos, A-2,0h
Mediunidade através dos tempos, A-2,0h
home
 
História dos povos primitivos
História dos povos primitivosHistória dos povos primitivos
História dos povos primitivos
Vagner Roberto
 
As Manifestações Espíritas Antes de Kardec
As Manifestações Espíritas Antes de KardecAs Manifestações Espíritas Antes de Kardec
As Manifestações Espíritas Antes de Kardec
contatodoutrina2013
 
1 Resumo: cultura, um conceito antropológico (LARAIA)
1 Resumo: cultura, um conceito antropológico (LARAIA)1 Resumo: cultura, um conceito antropológico (LARAIA)
1 Resumo: cultura, um conceito antropológico (LARAIA)
Israel serique
 
Cultura um conceito antropológico Roque Laraia
Cultura um conceito antropológico  Roque LaraiaCultura um conceito antropológico  Roque Laraia
Cultura um conceito antropológico Roque Laraia
Gisele Da Fonseca
 
Didática e Metodologia no Ensino Superior
Didática e Metodologia no Ensino SuperiorDidática e Metodologia no Ensino Superior
Didática e Metodologia no Ensino Superior
Luci Bonini
 
História e Evolução da Mediunidade
História e Evolução da MediunidadeHistória e Evolução da Mediunidade
História e Evolução da Mediunidade
Criamix
 
2.o fenômeno mediúnico através dos tempos. médiuns precursores
2.o fenômeno mediúnico através dos tempos. médiuns precursores2.o fenômeno mediúnico através dos tempos. médiuns precursores
2.o fenômeno mediúnico através dos tempos. médiuns precursores
jcevadro
 
Antropología y su campo de estudio
Antropología y su campo de estudioAntropología y su campo de estudio
Antropología y su campo de estudio
Erika Jacqueline Gue Guerrero Hernandez
 
Etnocentrismo
EtnocentrismoEtnocentrismo
Etnocentrismo
Taynná Barcellos
 

Destaque (20)

A antropologia social
A antropologia socialA antropologia social
A antropologia social
 
5 escolas antropologicas
5 escolas antropologicas5 escolas antropologicas
5 escolas antropologicas
 
O homem primitivo e seu comportamento
O homem primitivo e seu comportamentoO homem primitivo e seu comportamento
O homem primitivo e seu comportamento
 
Exposición al
Exposición alExposición al
Exposición al
 
Importancia da cultura
Importancia da culturaImportancia da cultura
Importancia da cultura
 
A mediunidade através dos tempos - Espiritismo e mediunidade - Wilma Badan
A mediunidade através dos tempos - Espiritismo e mediunidade - Wilma BadanA mediunidade através dos tempos - Espiritismo e mediunidade - Wilma Badan
A mediunidade através dos tempos - Espiritismo e mediunidade - Wilma Badan
 
OFICINA PEDAGÓGICA II “ESTRATÉGIAS DE ENSINO E DE APRENDIZAGEM NO CURSO DE AD...
OFICINA PEDAGÓGICA II “ESTRATÉGIAS DE ENSINO E DE APRENDIZAGEM NO CURSO DE AD...OFICINA PEDAGÓGICA II “ESTRATÉGIAS DE ENSINO E DE APRENDIZAGEM NO CURSO DE AD...
OFICINA PEDAGÓGICA II “ESTRATÉGIAS DE ENSINO E DE APRENDIZAGEM NO CURSO DE AD...
 
Povos Primitivos
Povos PrimitivosPovos Primitivos
Povos Primitivos
 
Estratégias Diferenciadas no Ensino
Estratégias Diferenciadas no EnsinoEstratégias Diferenciadas no Ensino
Estratégias Diferenciadas no Ensino
 
Aula de Didática do Ensino Superior
Aula de Didática do Ensino SuperiorAula de Didática do Ensino Superior
Aula de Didática do Ensino Superior
 
Mediunidade através dos tempos, A-2,0h
Mediunidade através dos tempos, A-2,0hMediunidade através dos tempos, A-2,0h
Mediunidade através dos tempos, A-2,0h
 
História dos povos primitivos
História dos povos primitivosHistória dos povos primitivos
História dos povos primitivos
 
As Manifestações Espíritas Antes de Kardec
As Manifestações Espíritas Antes de KardecAs Manifestações Espíritas Antes de Kardec
As Manifestações Espíritas Antes de Kardec
 
1 Resumo: cultura, um conceito antropológico (LARAIA)
1 Resumo: cultura, um conceito antropológico (LARAIA)1 Resumo: cultura, um conceito antropológico (LARAIA)
1 Resumo: cultura, um conceito antropológico (LARAIA)
 
Cultura um conceito antropológico Roque Laraia
Cultura um conceito antropológico  Roque LaraiaCultura um conceito antropológico  Roque Laraia
Cultura um conceito antropológico Roque Laraia
 
Didática e Metodologia no Ensino Superior
Didática e Metodologia no Ensino SuperiorDidática e Metodologia no Ensino Superior
Didática e Metodologia no Ensino Superior
 
História e Evolução da Mediunidade
História e Evolução da MediunidadeHistória e Evolução da Mediunidade
História e Evolução da Mediunidade
 
2.o fenômeno mediúnico através dos tempos. médiuns precursores
2.o fenômeno mediúnico através dos tempos. médiuns precursores2.o fenômeno mediúnico através dos tempos. médiuns precursores
2.o fenômeno mediúnico através dos tempos. médiuns precursores
 
Antropología y su campo de estudio
Antropología y su campo de estudioAntropología y su campo de estudio
Antropología y su campo de estudio
 
Etnocentrismo
EtnocentrismoEtnocentrismo
Etnocentrismo
 

Semelhante a Cap 8 antropologia social

O que é antropologia
O que é antropologiaO que é antropologia
O que é antropologia
Aldenei Barros
 
Apostila de sociologia 3° ano
Apostila de sociologia 3° anoApostila de sociologia 3° ano
Apostila de sociologia 3° ano
Alexandre Quadrado
 
Homem e sociedade unip
Homem e sociedade unipHomem e sociedade unip
Homem e sociedade unip
Arte de Lorena
 
Material impresso filosofia 1 ano - ensino regular - Pro. Ms. Noe Assunção
Material impresso filosofia   1 ano - ensino regular - Pro. Ms. Noe AssunçãoMaterial impresso filosofia   1 ano - ensino regular - Pro. Ms. Noe Assunção
Material impresso filosofia 1 ano - ensino regular - Pro. Ms. Noe Assunção
Prof. Noe Assunção
 
Sociologia ii aula 1 - Cultura e Sociedade
Sociologia ii   aula 1 - Cultura e SociedadeSociologia ii   aula 1 - Cultura e Sociedade
Sociologia ii aula 1 - Cultura e Sociedade
Carmem Rocha
 
FACELI - DIREITO - 2° período - Curso de Homem, cultura e sociedade - 06 - cu...
FACELI - DIREITO - 2° período - Curso de Homem, cultura e sociedade - 06 - cu...FACELI - DIREITO - 2° período - Curso de Homem, cultura e sociedade - 06 - cu...
FACELI - DIREITO - 2° período - Curso de Homem, cultura e sociedade - 06 - cu...
Jordano Santos Cerqueira
 
Cultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdf
Cultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdfCultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdf
Cultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdf
aulasgege
 
indíegnas no ceara.ppt
indíegnas no ceara.pptindíegnas no ceara.ppt
indíegnas no ceara.ppt
Zé Neto
 
A diversidade cultural etnocentrismo e relativismo cultural
A diversidade cultural etnocentrismo e relativismo culturalA diversidade cultural etnocentrismo e relativismo cultural
A diversidade cultural etnocentrismo e relativismo cultural
Marcos Barros de Miranda
 
O que-e-cultura-popular
O que-e-cultura-popularO que-e-cultura-popular
O que-e-cultura-popular
ai ai
 
Antropologia cultura
Antropologia   culturaAntropologia   cultura
Antropologia cultura
Salomao Lucio Dos Santos
 
Damatta
DamattaDamatta
ATIVIDADE - CONCEITO DE CULTURA COM JOGO DA CRUZADINHA
ATIVIDADE - CONCEITO DE CULTURA COM JOGO DA CRUZADINHAATIVIDADE - CONCEITO DE CULTURA COM JOGO DA CRUZADINHA
ATIVIDADE - CONCEITO DE CULTURA COM JOGO DA CRUZADINHA
Prof. Noe Assunção
 
Apostila estudos antropológicos e políticos
Apostila estudos antropológicos e políticosApostila estudos antropológicos e políticos
Apostila estudos antropológicos e políticos
Ricardo Albert
 
O que é cultura
O que é culturaO que é cultura
O que é cultura
Thiago OLiveira da Silva
 
clarice cohn antropologia da criança livro.pdf
clarice cohn antropologia da criança livro.pdfclarice cohn antropologia da criança livro.pdf
clarice cohn antropologia da criança livro.pdf
DanielaSilva773001
 
Exercícios de Etnocentrismo - Antropologia
Exercícios de Etnocentrismo - AntropologiaExercícios de Etnocentrismo - Antropologia
Exercícios de Etnocentrismo - Antropologia
Psicologia_2015
 
Antropologia e o desenvolvimento antropológico do conceito de cultura
Antropologia e o desenvolvimento antropológico do conceito de culturaAntropologia e o desenvolvimento antropológico do conceito de cultura
Antropologia e o desenvolvimento antropológico do conceito de cultura
NathanDosSantos7
 
Aulas de sociologia ensino médio para o 2 ano em.
Aulas de sociologia ensino médio   para o 2 ano em.Aulas de sociologia ensino médio   para o 2 ano em.
Aulas de sociologia ensino médio para o 2 ano em.
MARISE VON FRUHAUF HUBLARD
 
Como o ser humano se tornou ser humano
Como o ser humano se tornou ser humanoComo o ser humano se tornou ser humano
Como o ser humano se tornou ser humano
Andressa Joao Bidoia
 

Semelhante a Cap 8 antropologia social (20)

O que é antropologia
O que é antropologiaO que é antropologia
O que é antropologia
 
Apostila de sociologia 3° ano
Apostila de sociologia 3° anoApostila de sociologia 3° ano
Apostila de sociologia 3° ano
 
Homem e sociedade unip
Homem e sociedade unipHomem e sociedade unip
Homem e sociedade unip
 
Material impresso filosofia 1 ano - ensino regular - Pro. Ms. Noe Assunção
Material impresso filosofia   1 ano - ensino regular - Pro. Ms. Noe AssunçãoMaterial impresso filosofia   1 ano - ensino regular - Pro. Ms. Noe Assunção
Material impresso filosofia 1 ano - ensino regular - Pro. Ms. Noe Assunção
 
Sociologia ii aula 1 - Cultura e Sociedade
Sociologia ii   aula 1 - Cultura e SociedadeSociologia ii   aula 1 - Cultura e Sociedade
Sociologia ii aula 1 - Cultura e Sociedade
 
FACELI - DIREITO - 2° período - Curso de Homem, cultura e sociedade - 06 - cu...
FACELI - DIREITO - 2° período - Curso de Homem, cultura e sociedade - 06 - cu...FACELI - DIREITO - 2° período - Curso de Homem, cultura e sociedade - 06 - cu...
FACELI - DIREITO - 2° período - Curso de Homem, cultura e sociedade - 06 - cu...
 
Cultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdf
Cultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdfCultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdf
Cultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdf
 
indíegnas no ceara.ppt
indíegnas no ceara.pptindíegnas no ceara.ppt
indíegnas no ceara.ppt
 
A diversidade cultural etnocentrismo e relativismo cultural
A diversidade cultural etnocentrismo e relativismo culturalA diversidade cultural etnocentrismo e relativismo cultural
A diversidade cultural etnocentrismo e relativismo cultural
 
O que-e-cultura-popular
O que-e-cultura-popularO que-e-cultura-popular
O que-e-cultura-popular
 
Antropologia cultura
Antropologia   culturaAntropologia   cultura
Antropologia cultura
 
Damatta
DamattaDamatta
Damatta
 
ATIVIDADE - CONCEITO DE CULTURA COM JOGO DA CRUZADINHA
ATIVIDADE - CONCEITO DE CULTURA COM JOGO DA CRUZADINHAATIVIDADE - CONCEITO DE CULTURA COM JOGO DA CRUZADINHA
ATIVIDADE - CONCEITO DE CULTURA COM JOGO DA CRUZADINHA
 
Apostila estudos antropológicos e políticos
Apostila estudos antropológicos e políticosApostila estudos antropológicos e políticos
Apostila estudos antropológicos e políticos
 
O que é cultura
O que é culturaO que é cultura
O que é cultura
 
clarice cohn antropologia da criança livro.pdf
clarice cohn antropologia da criança livro.pdfclarice cohn antropologia da criança livro.pdf
clarice cohn antropologia da criança livro.pdf
 
Exercícios de Etnocentrismo - Antropologia
Exercícios de Etnocentrismo - AntropologiaExercícios de Etnocentrismo - Antropologia
Exercícios de Etnocentrismo - Antropologia
 
Antropologia e o desenvolvimento antropológico do conceito de cultura
Antropologia e o desenvolvimento antropológico do conceito de culturaAntropologia e o desenvolvimento antropológico do conceito de cultura
Antropologia e o desenvolvimento antropológico do conceito de cultura
 
Aulas de sociologia ensino médio para o 2 ano em.
Aulas de sociologia ensino médio   para o 2 ano em.Aulas de sociologia ensino médio   para o 2 ano em.
Aulas de sociologia ensino médio para o 2 ano em.
 
Como o ser humano se tornou ser humano
Como o ser humano se tornou ser humanoComo o ser humano se tornou ser humano
Como o ser humano se tornou ser humano
 

Mais de Joao Balbi

Curso de chefia e liderança
Curso de chefia e liderançaCurso de chefia e liderança
Curso de chefia e liderança
Joao Balbi
 
Curso de Oratória-SENAC
Curso de Oratória-SENACCurso de Oratória-SENAC
Curso de Oratória-SENAC
Joao Balbi
 
Apresentacao e-oratoria
Apresentacao e-oratoriaApresentacao e-oratoria
Apresentacao e-oratoria
Joao Balbi
 
Curso de oratoria
Curso de oratoriaCurso de oratoria
Curso de oratoria
Joao Balbi
 
Aula 1
Aula 1Aula 1
Aula 1
Joao Balbi
 
14 trabalhos acadêmicos
14 trabalhos acadêmicos14 trabalhos acadêmicos
14 trabalhos acadêmicos
Joao Balbi
 
Gestão adm e financ no ens sup balbi
Gestão adm e financ no ens sup balbiGestão adm e financ no ens sup balbi
Gestão adm e financ no ens sup balbi
Joao Balbi
 
Planejamento escolar
Planejamento escolarPlanejamento escolar
Planejamento escolar
Joao Balbi
 
Planejamento e ação docente 2
Planejamento e ação docente 2Planejamento e ação docente 2
Planejamento e ação docente 2
Joao Balbi
 
Gestão adm e financ no ens sup
Gestão adm e financ no ens supGestão adm e financ no ens sup
Gestão adm e financ no ens sup
Joao Balbi
 
08 pppi estrutura
08 pppi estrutura08 pppi estrutura
08 pppi estrutura
Joao Balbi
 
03 dimensões da gestão escolar
03 dimensões da gestão escolar03 dimensões da gestão escolar
03 dimensões da gestão escolar
Joao Balbi
 
01 abertura
01 abertura01 abertura
01 abertura
Joao Balbi
 
Gestão adm e financ no ens sup
Gestão adm e financ no ens supGestão adm e financ no ens sup
Gestão adm e financ no ens sup
Joao Balbi
 
10 cpa
10 cpa10 cpa
10 cpa
Joao Balbi
 
09 pdi
09 pdi09 pdi
09 pdi
Joao Balbi
 
08 pppi estrutura
08 pppi estrutura08 pppi estrutura
08 pppi estrutura
Joao Balbi
 
07 pppi elementos
07 pppi elementos07 pppi elementos
07 pppi elementos
Joao Balbi
 
05 o sinaes
05 o sinaes05 o sinaes
05 o sinaes
Joao Balbi
 
04 o papel do coordenador e supervisor
04  o papel do coordenador e supervisor04  o papel do coordenador e supervisor
04 o papel do coordenador e supervisor
Joao Balbi
 

Mais de Joao Balbi (20)

Curso de chefia e liderança
Curso de chefia e liderançaCurso de chefia e liderança
Curso de chefia e liderança
 
Curso de Oratória-SENAC
Curso de Oratória-SENACCurso de Oratória-SENAC
Curso de Oratória-SENAC
 
Apresentacao e-oratoria
Apresentacao e-oratoriaApresentacao e-oratoria
Apresentacao e-oratoria
 
Curso de oratoria
Curso de oratoriaCurso de oratoria
Curso de oratoria
 
Aula 1
Aula 1Aula 1
Aula 1
 
14 trabalhos acadêmicos
14 trabalhos acadêmicos14 trabalhos acadêmicos
14 trabalhos acadêmicos
 
Gestão adm e financ no ens sup balbi
Gestão adm e financ no ens sup balbiGestão adm e financ no ens sup balbi
Gestão adm e financ no ens sup balbi
 
Planejamento escolar
Planejamento escolarPlanejamento escolar
Planejamento escolar
 
Planejamento e ação docente 2
Planejamento e ação docente 2Planejamento e ação docente 2
Planejamento e ação docente 2
 
Gestão adm e financ no ens sup
Gestão adm e financ no ens supGestão adm e financ no ens sup
Gestão adm e financ no ens sup
 
08 pppi estrutura
08 pppi estrutura08 pppi estrutura
08 pppi estrutura
 
03 dimensões da gestão escolar
03 dimensões da gestão escolar03 dimensões da gestão escolar
03 dimensões da gestão escolar
 
01 abertura
01 abertura01 abertura
01 abertura
 
Gestão adm e financ no ens sup
Gestão adm e financ no ens supGestão adm e financ no ens sup
Gestão adm e financ no ens sup
 
10 cpa
10 cpa10 cpa
10 cpa
 
09 pdi
09 pdi09 pdi
09 pdi
 
08 pppi estrutura
08 pppi estrutura08 pppi estrutura
08 pppi estrutura
 
07 pppi elementos
07 pppi elementos07 pppi elementos
07 pppi elementos
 
05 o sinaes
05 o sinaes05 o sinaes
05 o sinaes
 
04 o papel do coordenador e supervisor
04  o papel do coordenador e supervisor04  o papel do coordenador e supervisor
04 o papel do coordenador e supervisor
 

Cap 8 antropologia social

  • 2. O QUE É ANTROPOLOGIA SOCIAL? Raciocínio Humano O que as pessoas fazem ≠ Maneiras de se fazer as coisas
  • 3. DIFERENÇAS ENTRE AS SOCIEDADES A maioria de nós cresce aprendendo como se comportar em relação aos nossos = e, quando já estamos crescidos , tomamos por certo que existe apenas um modo de se comportar. Então talvez viajemos para o estrangeiro, durante as férias ou por um período mais longo, e logo descobrimos que, nos outros países, as regras são ≠.
  • 4. Diferentes Culturas Cultura indiana: Uma das civilizações mais antigas; Diversidade de língua, hábitos e modo de vida não impedem que haja uma unidade cultural muito grande no país. Sentimento de amor pela nação mantém vivas até hoje muitas tradições, embora cada estado tenha sua própria forma de expressão, na arte, música, linguagem e culinária
  • 5. O país é um centro de excelência em computação, apesar de 1/3 de sua população viver na miséria. Recursos modernos + costumes milenares = efeitos de extrema perversidade. Ultra-sonografia: utilizado para identificar o sexo no bebê. 927 garotas para cada 1000 até 6 anos de idade em todo o país.
  • 6. Costumes desfavoráveis à mulher; Ao se casar, torna-se empregada da família do marido; A lei não permite o matrimônio de mulheres menores de 18 anos, porém são freqüentes os casamentos de homens mais velhos com meninas de 8-9 anos; Por tradição a família da noiva paga um dote generoso ao futuro marido; São comuns casos nos quais os parentes do noivo torturam a noiva para forçar seus pais a pagar um dote maior. Em situações mais extremas, ela é morta e o caso é registrado como “acidente doméstico”.
  • 7. Cultura na Arábia Saudita: Islamismo como religião oficial; Ensino gratuito, mas não obrigatório; Álcool, porco, teatro e cinema: ilegais; Mulheres totalmente cobertas com roupas e lenços pretos; As mulheres podem casar com um único homem, o homem pode casar com quantas mulheres puder sustentar
  • 8. Costumes Japoneses: Não existe qualquer gorjeta em qualquer que seja a situação no Japão como táxis, restaurantes, serviços pessoais... A gorjeta é ofensiva, o preço pago pelo serviço está no preço determinado, eles não estão mendigando; Os banhos públicos ainda estão bem vindos no Japão; Ao contrário das culturas ocidentais, no Japão, o banho de imersão é utilizado após se ter lavado e enxugado, e a pessoa fica imersa em uma água super quente por 10, 20, 30 minutos; Se acontecer de ser convidado para um lar japonês, você terá a honra de tomar o banho primeiro, geralmente antes do jantar. Tenha o máximo de cuidado para não sujar a água para imersão, pois a santidade da banheira é de extrema importância.
  • 9. Os sentos (locais de banhos públicos), são locais sem barreiras referente à cor, idade ou linguagem, são separados por sexo com exceção de algumas regiões onde são encontrados banhos mistos. Mas, não há problema, pois o povo japonês nada interpreta nada de erótico no fato de se estar nu para banhar-se.
  • 10. A Antropologia Social se tem preocupado, em grande parte, com as pessoas que “se portam” de modo muito diferente do “Deste País” e de qualquer outra das nações industrializadas que são chamadas “ocidentais”. Seu centro de interesse sempre foi os povos chamados “primitivos” ou, quando há tempo para se falar mais longamente, “povos de tecnologia simples” – povos que têm de dispensar nosso rol de artefatos, não só o radar e o transporte mecânico, mas também o dinheiro e a escrita.
  • 11. As sociedades “primitivas” ou “simples” diferem muito entre si – talvez mais do que acontece com as sociedades industrializadas. A explicação das diferenças entre os povos – e às vezes até mesmo entre indivíduos – como manifestações do “caráter nacional” é extremamente popular.
  • 13. As qualidades físicas que herdamos não estão contidas em nosso sangue, embora se tenha acreditado nisso durante tanto tempo que às vezes é difícil evitar o uso da expressão popular “parentes consanguíneos” A questão de como as pessoas, individualmente, se comportam e a de como as diferentes sociedades são organizadas são bastante diferentes; não se pode explicar diferenças entre sociedades dizendo que se compõem de diferentes tipos de pessoas.
  • 14. Os povos não são, de modo algum, todos iguais e, onde diferem, essas diferenças não podem ser explicadas pela precipitação pluviométrica, pela temperatura, ou pelo tipo de vegetação produzido pelo solo. Que tipo de diferença interessa ao antropólogo social???
  • 15. Interessa ao antropólogo social; não apenas o tipo de coisas que vemos as pessoas fazerem diariamente, mas, oculta pelo comportamento cotidiano, a maneira como são organizadas de modo a ser uma sociedade e não apenas muita gente que por acaso se encontra na mesma parte do mundo. Certos tipos de disposição são característicos de povos de tecnologia simples, ou que certas regras de herança e certas regras de casamento muitas vezes são encontradas juntas; mas é inútil procurar fora da sociedade explicações para o que acontece dentro dela.
  • 16. O campo da Antropologia Social é atualmente tão amplo que poucas pessoas podem esperar tornar-se peritas, ao mesmo tempo, nela e em qualquer dos outros ramos da Antropologia no sentido mais amplo. Todo antropólogo social deve falar a língua do povo com o qual trabalha, mas pouco podem fazer um estudo intensivo de Linguística. O CAMPO DA ANTROPOLOGIA SOCIAL
  • 17. Antigamente afirmava-se que nosso interesse apropriado se dirigia para as sociedades “primitivas” ou “simples”. Esses adjetivos em si requerem definição; hoje em dia geralmente se concorda que eles descrevem a tecnologia do povo a que se referem. A sociedade primitiva típica não tem escrita nem meio circulante. Mas os antropólogos têm trabalhado em sociedades pré-industriais dotadas de escrita e meio circulante; e mais recentemente, em sociedades industriais das quais eles próprios são membros, em fábricas, prisões e hospitais de alienados, e estudado o parentesco e a família nas grandes cidades. Julgamos ser da nossa alçada observar a totalidade das relações que agem entre as pessoas na unidade social que estudamos, não só as diretamente relevantes a determinado problema.
  • 18. Podemos tomar uma pequena área de uma grande sociedade – uma fábrica, um sindicato operário ou um partido político. Se fizermos isso, estaremos invadindo o campo de outros especialistas – economistas ou cientistas políticos. Mas podemos acrescentar algo à sua análise usando o conceito de estrutura social do antropólogo. Isso nos leva ao exame dos elos entre as relações políticas ou econômicas com as que dependem do parentesco ou dos deveres rituais. Oferecemos a “matriz social” das investigações realizadas pelas disciplinas especialistas.
  • 19. Alguns antropólogos na Grã-Bretanha e muitos na América chamam-se a sim próprios de antropólogos culturais , afirmando que seu interessa básico está na cultura. Eles descendem em linha direta de Tylor e Boas. Os que dão o nome de estudiosos da sociedade são os descendentes intelectuais de Durkheim e Radeliffe-Brown Durkheim TERMOS-CHAVE
  • 20. Uma cultura é a posse comum de um grupo de pessoas que compartilham as mesmas tradições; em termos sociais, esse grupo é uma sociedade. Se considerarmos as pessoas apenas como portadoras de cultura, talvez seja perigosamente fácil considerar uma cultura como um conjunto de regras e técnicas com existência independente; Quando os antropólogos ingleses dizem estar mais interessados nos fatos sociais do que nos culturais, querem dizer que estão interessados nas interações das pessoas que vivem em sociedade, e não nas características pessoais dos indivíduos, mesmo que estas sejam consideradas como o produto da sua cultura.
  • 21. Radeliffe-Brown disse que o campo de estudo de um antropólogo poderia ser “qualquer localidade conveniente de tamanho adequado” e que, tendo selecionado sua “sociedade” desta maneira, sua tarefa seria a de estudar sua estrutura. Esta palavra é atualmente o conceito básico de grande parte do trabalho que está sendo realizado em Antropologia Social. Significa que consideramos a sociedade, não a cultura, como uma disposição ordenada de partes, e que nosso trabalho está em descobrir e explicar essa ordem. Ela consiste nas relações entre pessoas que não são reguladas por um conjunto de direitos e e obrigações reconhecidos.
  • 22. No estudo da estrutura social dois conceitos popularizados por Linton, na América, são muito usados: “status” e papel . Status significa a posição de uma pessoa relativamente à das outras com as quais mantém relações sociais. Para cada status existe um papel apropriado.
  • 23. A Antropologia Social interessa-se pela maneia como os papéis são definidos pela sociedade e o que acontece quando não são corretamente desempenhados. Os papéis abrangem deveres de liderança, comando, proteção, obediência, cooperação, o ato de se fazer presentes ou pagamentos nas ocasiões certas etc. Cada sociedade tem suas maneiras reconhecidas de expressar as relações nas quais os papéis devem ser desempenhados.
  • 24. Cultura é a maneira como as relações sociais são expressas e simbolizadas; é o que o antropólogo no campo vê primeiro, e ela deve constituir grande parte da sua descrição. Enquanto de fato os antropólogos considerarem determinado tipo de sociedade como sua principal matéria, terão de descobrir palavras adequadas para denotar o que seja. Isso é inadequado porque as pessoas às quais a maior parte da pesquisa tem sido dirigida estão começando a resentir-se com qualquer descrição que lhes dá um status inferior. Primitivo é uma palavra que tem sido demasiado usada. Os escritores do século XIX usavam-na para descrever uma condição de humanidade que, de certo modo, era infantil em comparação com a idade adulta deles. Não é de espantar que as novas nações se ofendam com o termo.
  • 25. Uma expressão que ainda não ofendeu é de pequena escala, denotado o âmbito estreito das relações sociais ao qual as sociedades de tecnologia simples estão limitadas. Alguns autores distinguem entre sociedade primitiva e camponesa. Para eles, sociedade primitiva é aquela praticamente auto-suficiente e na qual as pessoas obtêm seu alimento e outras necessidades diretamente do seu próprio trabalho, e sociedade camponesa, a composta de agricultores que vivem em pequenas comunidades, ainda em grande parte auto-suficientes, mas tendo algumas relações com uma sociedade maior, particularmente na venda dos seus excedentes num mercado e na aceitação de uma autoridade política externa. Alguns fazem a mesma distinção entre sociedades “tribais” e “camponesas”.
  • 26. A “destribalização” refere-se à adoção de maneiras urbanas de vida nas cidades, e não à rejeição das maneiras tradicionais do campo. O termo grupo tem um significado especial na linguagem dos antropólogos sociais. Significa uma comunidade corporativa com existência permanente; uma reunião de pessoas recrutadas de acordo com os princípios reconhecidos, com interesses e regras (normas) comuns que fixam os direitos e deveres dos membros em relação uns aos outros e as esses interesses.
  • 27. É importante compreender claramente que uma categoria não é algo que existe: é um modo de classificar os fenômenos cuja existência as pessoas percebem. Uma categoria de pessoas não é uma disposição de pessoas, que é algo diferente de um grupo. Uma etiqueta não se pode transformar em uma coisa; ou, em termos mais profissionais, um conceito numa entidade ou uma classe lógica num grupo social. Supor que um agregado de pessoas deve ser ou uma categoria ou um grupo é tão desconexo como dizer que alguém mora em Londres ou na quarta-feira.