SlideShare uma empresa Scribd logo
Balantidium coli
Balantidium coli 
Classificação científica 
Reino:Protista 
Filo:Ciliophora 
Classe:Litostomatea 
Ordem:Vestibuliferida 
Família:Balantiididae 
Género:Balantidium 
Espécie:B. coli
Balantidium coli 
Ciliado causador da balantidiose, uma 
infecção do Intestino grosso do homem
Balantidium coli 
 o vive no intestino grosso humano, 
possui cílios 
 é o maior protozoário que pode 
parasitar o homem, pois mede 60 a 90 
μm de comprimento, por 50 a 60 μm de 
largura.
Balantidium coli 
Além do fato de ser grande, possui 
dois núcleos, que são chamados de 
micronúcleo e macronúcleo.
Reprodução: 
 Em geral, o parasito se multiplica na luz 
intestinal por divisão binária. 
 A multiplicação também leva à produção 
de cistos, que aparecem em grande número 
nas fezes formadas, apesar dos trofozoítos 
também serem eliminados. 
 A contaminação pela ingestão de cistos é a 
mais usual, visto que são mais resistentes às 
condições do meio externo.
Ciclo 
Trofozoítos unem -se temporariamente pelo processo denominado 
conjugação, com tempo suficiente para a troca de material genético 
cistos 
& trofozoítos 
cisto 
 
 
  
Importância 
 A distribuição da balantidíase é mundial, porém a prevalência 
é muito baixa (<1%) 
 A maioria dos casos humanos está entre os tratadores, 
criadores, comerciantes e abatedores de suínos 
 O parasito causa a balantidíase, uma infecção que acomete o 
intestino grosso humano. Os casos humanos se relacionam, 
em geral, com a presença de porcos infectados. 
 O quadro clínico pode: ser assintomático, ser do tipo crônico 
ou produzir diarréia ou disenteria (fezes com muco e sangue), 
sendo que na última situação o quadro é indistinguível daquele 
produzido pela amebíase. 

Sintomas: 
A infecção se manifesta com 
febre, 
anorexia, 
náuseas, 
vômitos 
e diarréia que pode evoluir com 
sintomas com muco, pus e sangue; 
Os casos graves manifestam-se com 
desidratação e hemorragias intestinais; 
A doença pode assumir forma crônica.
Diagnóstico: 
Feito pela visualização de trofozoitos e/ou 
cistos nas fezes 
Diagnóstico diferencial: 
 enterocolite amebiana
Prevenção: 
se faz pela 
higiene adequada, 
cozimento de alimentos, 
fervura da água, 
tratamento dos doentes 
e tratamento dos porcos 
(possíveis reservatórios do parasito). 
Engenharia sanitária: destino 
adequado dos dejetos dos suínos
Tratamento: 
é feito com tetraciclina, 30 a 50 mg/kg. por 
dia, por dez dias alternativamente e em 
crianças, metronidazol, 20 mg/kg por dia, por 
sete dias. 
Além do uso medicamentoso para atingir a 
cura da parasitose, recomenda-se fazer uma 
dieta láctea (muitas vezes apenas a dieta já 
cura o indivíduo), pois o Balantidium coli só 
se alimenta do amido.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Protozoologia - vet145
Protozoologia - vet145Protozoologia - vet145
Protozoologia - vet145
Universidade Federal de Viçosa
 
Aula de enterobius vermicularis
Aula de  enterobius vermicularisAula de  enterobius vermicularis
Aula de enterobius vermicularis
Rossana Martins
 
Protozooses
ProtozoosesProtozooses
Esquistossomose
EsquistossomoseEsquistossomose
Esquistossomose
Maria Márcia
 
Aula de Parasitologia do dia: 08.09.2016
Aula de Parasitologia do dia: 08.09.2016Aula de Parasitologia do dia: 08.09.2016
Aula de Parasitologia do dia: 08.09.2016
Jaqueline Almeida
 
Ancilostomídeos
AncilostomídeosAncilostomídeos
Ancilostomídeos
Beatriz Henkels
 
Balantidium coli
Balantidium coliBalantidium coli
Balantidium coli
Wendell Moura
 
Esquistossomose
EsquistossomoseEsquistossomose
Esquistossomose
naiellyrodrigues
 
Protozoários - Parasitologia
Protozoários - ParasitologiaProtozoários - Parasitologia
Protozoários - Parasitologia
Raphael Machado
 
Ascaridíase
Ascaridíase Ascaridíase
Ascaridíase
Thiara Cerqueira
 
Ordem Siphonaptera
Ordem SiphonapteraOrdem Siphonaptera
Ordem Siphonaptera
Marina Sousa
 
Ancilostomose
AncilostomoseAncilostomose
Ancilostomose
crishmuler
 
Conhecendo o que é zoonoses
Conhecendo o que é zoonosesConhecendo o que é zoonoses
Conhecendo o que é zoonoses
Dessa Reis
 
Schistosoma mansoni e esquistossomíase
Schistosoma mansoni e esquistossomíaseSchistosoma mansoni e esquistossomíase
Schistosoma mansoni e esquistossomíase
Thúlio Bezerra
 
Giardia
GiardiaGiardia
Caso clínico
Caso clínicoCaso clínico
Caso clínico
Marília Gomes
 
Diptera - vet 145
Diptera - vet 145Diptera - vet 145
Teniase e cisticercose
Teniase e cisticercoseTeniase e cisticercose
Teniase e cisticercose
feraps
 
Larva migrans cutânea e visceral
Larva migrans cutânea e visceralLarva migrans cutânea e visceral
Larva migrans cutânea e visceral
Achilles Reis
 
Botulismo
BotulismoBotulismo
Botulismo
Mariana Amorim
 

Mais procurados (20)

Protozoologia - vet145
Protozoologia - vet145Protozoologia - vet145
Protozoologia - vet145
 
Aula de enterobius vermicularis
Aula de  enterobius vermicularisAula de  enterobius vermicularis
Aula de enterobius vermicularis
 
Protozooses
ProtozoosesProtozooses
Protozooses
 
Esquistossomose
EsquistossomoseEsquistossomose
Esquistossomose
 
Aula de Parasitologia do dia: 08.09.2016
Aula de Parasitologia do dia: 08.09.2016Aula de Parasitologia do dia: 08.09.2016
Aula de Parasitologia do dia: 08.09.2016
 
Ancilostomídeos
AncilostomídeosAncilostomídeos
Ancilostomídeos
 
Balantidium coli
Balantidium coliBalantidium coli
Balantidium coli
 
Esquistossomose
EsquistossomoseEsquistossomose
Esquistossomose
 
Protozoários - Parasitologia
Protozoários - ParasitologiaProtozoários - Parasitologia
Protozoários - Parasitologia
 
Ascaridíase
Ascaridíase Ascaridíase
Ascaridíase
 
Ordem Siphonaptera
Ordem SiphonapteraOrdem Siphonaptera
Ordem Siphonaptera
 
Ancilostomose
AncilostomoseAncilostomose
Ancilostomose
 
Conhecendo o que é zoonoses
Conhecendo o que é zoonosesConhecendo o que é zoonoses
Conhecendo o que é zoonoses
 
Schistosoma mansoni e esquistossomíase
Schistosoma mansoni e esquistossomíaseSchistosoma mansoni e esquistossomíase
Schistosoma mansoni e esquistossomíase
 
Giardia
GiardiaGiardia
Giardia
 
Caso clínico
Caso clínicoCaso clínico
Caso clínico
 
Diptera - vet 145
Diptera - vet 145Diptera - vet 145
Diptera - vet 145
 
Teniase e cisticercose
Teniase e cisticercoseTeniase e cisticercose
Teniase e cisticercose
 
Larva migrans cutânea e visceral
Larva migrans cutânea e visceralLarva migrans cutânea e visceral
Larva migrans cutânea e visceral
 
Botulismo
BotulismoBotulismo
Botulismo
 

Destaque

Parasitologia
ParasitologiaParasitologia
Parasitologia
Adriana Pereira
 
Apostila de parasitologia clínica
Apostila de parasitologia clínicaApostila de parasitologia clínica
Apostila de parasitologia clínica
Kelwey Da Hora Farias
 
Aula n° 3 tripanossoma
Aula n° 3   tripanossomaAula n° 3   tripanossoma
Aula n° 3 tripanossoma
Gildo Crispim
 
Parasitologia - Protozoários
Parasitologia - ProtozoáriosParasitologia - Protozoários
Parasitologia - Protozoários
Juliana Lima
 
Doença de chagas
Doença de chagas Doença de chagas
Doença de chagas
certificado1
 
Doença de chagas
Doença de chagasDoença de chagas
Doença de chagas
KROLZITA
 
Doença de Chagas
Doença de ChagasDoença de Chagas
Doença de Chagas
ITPAC PORTO
 

Destaque (7)

Parasitologia
ParasitologiaParasitologia
Parasitologia
 
Apostila de parasitologia clínica
Apostila de parasitologia clínicaApostila de parasitologia clínica
Apostila de parasitologia clínica
 
Aula n° 3 tripanossoma
Aula n° 3   tripanossomaAula n° 3   tripanossoma
Aula n° 3 tripanossoma
 
Parasitologia - Protozoários
Parasitologia - ProtozoáriosParasitologia - Protozoários
Parasitologia - Protozoários
 
Doença de chagas
Doença de chagas Doença de chagas
Doença de chagas
 
Doença de chagas
Doença de chagasDoença de chagas
Doença de chagas
 
Doença de Chagas
Doença de ChagasDoença de Chagas
Doença de Chagas
 

Semelhante a Parasitologia - Balantidium coli

Saneamento
SaneamentoSaneamento
Saneamento
Adriano Antonholi
 
Trab de biologia
Trab de biologiaTrab de biologia
Trab de biologia
2° Ta - cotuca
 
Teníase e malária
Teníase e maláriaTeníase e malária
Teníase e malária
Filipe Bispo
 
Protozooses
ProtozoosesProtozooses
Protozooses
Isabella Silva
 
Protozooses
ProtozoosesProtozooses
Protozooses
Isabella Silva
 
AMEBIASE E GIARDIASE (AULA 1).ppt
AMEBIASE E GIARDIASE (AULA 1).pptAMEBIASE E GIARDIASE (AULA 1).ppt
AMEBIASE E GIARDIASE (AULA 1).ppt
dirleyvalderez1
 
Trabalho de Biologia
Trabalho de BiologiaTrabalho de Biologia
Trabalho de Biologia
2° Ta - cotuca
 
Reino protista
Reino protistaReino protista
Reino protista
ProfDeboraCursinho
 
Plano de aula 10
Plano de aula 10Plano de aula 10
Plano de aula 10
familiaestagio
 
Trabalho pronto
Trabalho prontoTrabalho pronto
Trabalho pronto
2° Ta - cotuca
 
Reino monera
Reino moneraReino monera
Reino monera
Ewerton Leonardo
 
Protozooses
ProtozoosesProtozooses
Protozooses
Bianca Borges
 
Doencas de Veiculacao Hidrica
Doencas de Veiculacao HidricaDoencas de Veiculacao Hidrica
Doencas de Veiculacao Hidrica
Odair Medrado
 
Infecciones gastrointestinales.es.pt.pdf
Infecciones gastrointestinales.es.pt.pdfInfecciones gastrointestinales.es.pt.pdf
Infecciones gastrointestinales.es.pt.pdf
joaopaulobrito3
 
Infecciones gastrointestinales.es.pt.pdf
Infecciones gastrointestinales.es.pt.pdfInfecciones gastrointestinales.es.pt.pdf
Infecciones gastrointestinales.es.pt.pdf
joaopaulobrito4
 
Amebíase
AmebíaseAmebíase
Amebíase
crishmuler
 
Vibrio e Clostridium
Vibrio e ClostridiumVibrio e Clostridium
Vibrio e Clostridium
Gabi Magalhães
 
Reino protista
Reino protistaReino protista
Reino protista
professorbevilacqua
 
ARTIGO DOENÇAS DTAS DOENÇAS DE ORIGEM ALIMENTAR
ARTIGO DOENÇAS DTAS DOENÇAS DE ORIGEM ALIMENTARARTIGO DOENÇAS DTAS DOENÇAS DE ORIGEM ALIMENTAR
ARTIGO DOENÇAS DTAS DOENÇAS DE ORIGEM ALIMENTAR
JulioCesar371362
 
Esquistossomose
EsquistossomoseEsquistossomose
Esquistossomose
Murderdoll_Natty
 

Semelhante a Parasitologia - Balantidium coli (20)

Saneamento
SaneamentoSaneamento
Saneamento
 
Trab de biologia
Trab de biologiaTrab de biologia
Trab de biologia
 
Teníase e malária
Teníase e maláriaTeníase e malária
Teníase e malária
 
Protozooses
ProtozoosesProtozooses
Protozooses
 
Protozooses
ProtozoosesProtozooses
Protozooses
 
AMEBIASE E GIARDIASE (AULA 1).ppt
AMEBIASE E GIARDIASE (AULA 1).pptAMEBIASE E GIARDIASE (AULA 1).ppt
AMEBIASE E GIARDIASE (AULA 1).ppt
 
Trabalho de Biologia
Trabalho de BiologiaTrabalho de Biologia
Trabalho de Biologia
 
Reino protista
Reino protistaReino protista
Reino protista
 
Plano de aula 10
Plano de aula 10Plano de aula 10
Plano de aula 10
 
Trabalho pronto
Trabalho prontoTrabalho pronto
Trabalho pronto
 
Reino monera
Reino moneraReino monera
Reino monera
 
Protozooses
ProtozoosesProtozooses
Protozooses
 
Doencas de Veiculacao Hidrica
Doencas de Veiculacao HidricaDoencas de Veiculacao Hidrica
Doencas de Veiculacao Hidrica
 
Infecciones gastrointestinales.es.pt.pdf
Infecciones gastrointestinales.es.pt.pdfInfecciones gastrointestinales.es.pt.pdf
Infecciones gastrointestinales.es.pt.pdf
 
Infecciones gastrointestinales.es.pt.pdf
Infecciones gastrointestinales.es.pt.pdfInfecciones gastrointestinales.es.pt.pdf
Infecciones gastrointestinales.es.pt.pdf
 
Amebíase
AmebíaseAmebíase
Amebíase
 
Vibrio e Clostridium
Vibrio e ClostridiumVibrio e Clostridium
Vibrio e Clostridium
 
Reino protista
Reino protistaReino protista
Reino protista
 
ARTIGO DOENÇAS DTAS DOENÇAS DE ORIGEM ALIMENTAR
ARTIGO DOENÇAS DTAS DOENÇAS DE ORIGEM ALIMENTARARTIGO DOENÇAS DTAS DOENÇAS DE ORIGEM ALIMENTAR
ARTIGO DOENÇAS DTAS DOENÇAS DE ORIGEM ALIMENTAR
 
Esquistossomose
EsquistossomoseEsquistossomose
Esquistossomose
 

Último

A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdfA QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
AurelianoFerreirades2
 
759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf
759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf
759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf
MessiasMarianoG
 
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do AssaréFamílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
profesfrancleite
 
Sinais de pontuação
Sinais de pontuaçãoSinais de pontuação
Sinais de pontuação
Mary Alvarenga
 
CRONOGRAMA - PSC 2° ETAPA 2024.pptx (1).pdf
CRONOGRAMA - PSC 2° ETAPA 2024.pptx (1).pdfCRONOGRAMA - PSC 2° ETAPA 2024.pptx (1).pdf
CRONOGRAMA - PSC 2° ETAPA 2024.pptx (1).pdf
soaresdesouzaamanda8
 
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
Mary Alvarenga
 
Folheto | Centro de Informação Europeia Jacques Delors (junho/2024)
Folheto | Centro de Informação Europeia Jacques Delors (junho/2024)Folheto | Centro de Informação Europeia Jacques Delors (junho/2024)
Folheto | Centro de Informação Europeia Jacques Delors (junho/2024)
Centro Jacques Delors
 
Funções e Progressões - Livro completo prisma
Funções e Progressões - Livro completo prismaFunções e Progressões - Livro completo prisma
Funções e Progressões - Livro completo prisma
djincognito
 
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdfUFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
Manuais Formação
 
AVALIAÇÃO DIAGNÓSTICA - 8º ANO 2024.pptx
AVALIAÇÃO DIAGNÓSTICA - 8º ANO 2024.pptxAVALIAÇÃO DIAGNÓSTICA - 8º ANO 2024.pptx
AVALIAÇÃO DIAGNÓSTICA - 8º ANO 2024.pptx
AntonioVieira539017
 
Fernão Lopes. pptx
Fernão Lopes.                       pptxFernão Lopes.                       pptx
Fernão Lopes. pptx
TomasSousa7
 
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
Biblioteca UCS
 
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdfOS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
AmiltonAparecido1
 
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptxRedação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
DECIOMAURINARAMOS
 
D20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
D20 - Descritores SAEB de Língua PortuguesaD20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
D20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
eaiprofpolly
 
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdfTestes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
lveiga112
 
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptxSlides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
A dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptx
A dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptxA dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptx
A dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptx
ReinaldoSouza57
 
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptxSlides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
000. Para rezar o terço - Junho - mês do Sagrado Coração de Jesús.pdf
000. Para rezar o terço - Junho - mês do Sagrado Coração de Jesús.pdf000. Para rezar o terço - Junho - mês do Sagrado Coração de Jesús.pdf
000. Para rezar o terço - Junho - mês do Sagrado Coração de Jesús.pdf
YeniferGarcia36
 

Último (20)

A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdfA QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
 
759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf
759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf
759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf
 
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do AssaréFamílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
 
Sinais de pontuação
Sinais de pontuaçãoSinais de pontuação
Sinais de pontuação
 
CRONOGRAMA - PSC 2° ETAPA 2024.pptx (1).pdf
CRONOGRAMA - PSC 2° ETAPA 2024.pptx (1).pdfCRONOGRAMA - PSC 2° ETAPA 2024.pptx (1).pdf
CRONOGRAMA - PSC 2° ETAPA 2024.pptx (1).pdf
 
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
 
Folheto | Centro de Informação Europeia Jacques Delors (junho/2024)
Folheto | Centro de Informação Europeia Jacques Delors (junho/2024)Folheto | Centro de Informação Europeia Jacques Delors (junho/2024)
Folheto | Centro de Informação Europeia Jacques Delors (junho/2024)
 
Funções e Progressões - Livro completo prisma
Funções e Progressões - Livro completo prismaFunções e Progressões - Livro completo prisma
Funções e Progressões - Livro completo prisma
 
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdfUFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
 
AVALIAÇÃO DIAGNÓSTICA - 8º ANO 2024.pptx
AVALIAÇÃO DIAGNÓSTICA - 8º ANO 2024.pptxAVALIAÇÃO DIAGNÓSTICA - 8º ANO 2024.pptx
AVALIAÇÃO DIAGNÓSTICA - 8º ANO 2024.pptx
 
Fernão Lopes. pptx
Fernão Lopes.                       pptxFernão Lopes.                       pptx
Fernão Lopes. pptx
 
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
 
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdfOS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
 
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptxRedação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
 
D20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
D20 - Descritores SAEB de Língua PortuguesaD20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
D20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
 
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdfTestes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
 
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptxSlides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
 
A dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptx
A dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptxA dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptx
A dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptx
 
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptxSlides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
 
000. Para rezar o terço - Junho - mês do Sagrado Coração de Jesús.pdf
000. Para rezar o terço - Junho - mês do Sagrado Coração de Jesús.pdf000. Para rezar o terço - Junho - mês do Sagrado Coração de Jesús.pdf
000. Para rezar o terço - Junho - mês do Sagrado Coração de Jesús.pdf
 

Parasitologia - Balantidium coli

  • 2. Balantidium coli Classificação científica Reino:Protista Filo:Ciliophora Classe:Litostomatea Ordem:Vestibuliferida Família:Balantiididae Género:Balantidium Espécie:B. coli
  • 3. Balantidium coli Ciliado causador da balantidiose, uma infecção do Intestino grosso do homem
  • 4. Balantidium coli  o vive no intestino grosso humano, possui cílios  é o maior protozoário que pode parasitar o homem, pois mede 60 a 90 μm de comprimento, por 50 a 60 μm de largura.
  • 5. Balantidium coli Além do fato de ser grande, possui dois núcleos, que são chamados de micronúcleo e macronúcleo.
  • 6.
  • 7. Reprodução:  Em geral, o parasito se multiplica na luz intestinal por divisão binária.  A multiplicação também leva à produção de cistos, que aparecem em grande número nas fezes formadas, apesar dos trofozoítos também serem eliminados.  A contaminação pela ingestão de cistos é a mais usual, visto que são mais resistentes às condições do meio externo.
  • 8. Ciclo Trofozoítos unem -se temporariamente pelo processo denominado conjugação, com tempo suficiente para a troca de material genético cistos & trofozoítos cisto     
  • 9.
  • 10.
  • 11.
  • 12.
  • 13. Importância  A distribuição da balantidíase é mundial, porém a prevalência é muito baixa (<1%)  A maioria dos casos humanos está entre os tratadores, criadores, comerciantes e abatedores de suínos  O parasito causa a balantidíase, uma infecção que acomete o intestino grosso humano. Os casos humanos se relacionam, em geral, com a presença de porcos infectados.  O quadro clínico pode: ser assintomático, ser do tipo crônico ou produzir diarréia ou disenteria (fezes com muco e sangue), sendo que na última situação o quadro é indistinguível daquele produzido pela amebíase. 
  • 14. Sintomas: A infecção se manifesta com febre, anorexia, náuseas, vômitos e diarréia que pode evoluir com sintomas com muco, pus e sangue; Os casos graves manifestam-se com desidratação e hemorragias intestinais; A doença pode assumir forma crônica.
  • 15. Diagnóstico: Feito pela visualização de trofozoitos e/ou cistos nas fezes Diagnóstico diferencial:  enterocolite amebiana
  • 16. Prevenção: se faz pela higiene adequada, cozimento de alimentos, fervura da água, tratamento dos doentes e tratamento dos porcos (possíveis reservatórios do parasito). Engenharia sanitária: destino adequado dos dejetos dos suínos
  • 17. Tratamento: é feito com tetraciclina, 30 a 50 mg/kg. por dia, por dez dias alternativamente e em crianças, metronidazol, 20 mg/kg por dia, por sete dias. Além do uso medicamentoso para atingir a cura da parasitose, recomenda-se fazer uma dieta láctea (muitas vezes apenas a dieta já cura o indivíduo), pois o Balantidium coli só se alimenta do amido.