SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 19
Baixar para ler offline
Brenda Paula Montijo Siqueira Giulia Spinelli Pires Pammela Jacomeli Lembi Rodrigo Maritan AMARELÃO
Classificação Taxonômica Ancylostoma duodenale Reino: Animmalia Filo: Nematoda Classe: Secernentea Ordem: Strongylida Família: Ancylostomadidae Gênero:  Ancylostoma Espécie:  Ancylostoma duodenale Necator americanus Reino: Animmalia Filo: Nematoda Classe: Secernentea Ordem: Strongylida Família: Ancylostomadidae Gênero:  Necator Espécie:  Necator americanus
 
Características *  São triblásticos *  Protostômios (o blastóporo dá origem à boca) *  Pseudocelomados *  Simetria bilateral *  Placas dentárias na cavidade bucal *  Não possuem sistema respiratório nem circulatório *  Dióicos *  Os vermes adultos alcançam aproximadamente um centímetro de comprimento sendo que as fêmeas são um pouco maiores que os machos.  *  Apresentam corpo alongado, cilíndrico e fino, com as extremidades afiladas Blastóporo
 
*  Os machos apresentam na extremidade posterior uma expansão chamada de bolsa copuladora. *  Fecundação interna *  Liberação de ovos Ancilostomídeo - ovo Fêmea (extremidade retilínea) Macho (extremidade apresenta bolsa copuladora) Ancilostomídeo adulto - detalhe da  bolsa copuladora
Ancylostoma duodenale *  Possui dois pares de dentes *  Coloração esbranquiçada *  Possui um par de placas cortantes *  Coloração amarelada Necator americanus
Ancylostoma duodenale  - Adulto extremidade anterior extremidade posterior (macho) Necator americanus  - Adulto
 
Ciclo de Vida *  Os vermes adultos vivem no intestino delgado do homem. Depois do acasalamento, os ovos são expulsos com as fezes. *  No solo e em condições adequadas, como boa oxigenação, alta umidade e temperatura elevada, os ovos tornam-se embrionados 24 horas depois da expulsão. *  A larva assim originada denomina-se  rabditóide . Abandona a casca do ovo, passando a ter vida livre no solo. Depois de uma semana, em média, transforma-se numa larva que pode penetrar através da pele do homem, denominada larva  filarióide  infectante. Ancilostomídeo - larva rabditóide. Larvas filarióides - bainha envolvendo o parasita
*  As larvas filarióides penetram na pele e atingem a corrente sanguínea, sendo levadas pela circulação até o coração e, finalmente, aos pulmões. *  Perfuram os capilares pulmonares e a parede dos alvéolos, migram pelos bronquíolos e chegam à faringe. Em seguida, descem pelo esôfago e alcançam o intestino delgado, onde se tornam adultas.  *  O verme se estabelece no intestino, onde torna-se adulto (o local preferencial de instalação é no final do duodeno, mas ocasionalmente pode atingir o íleo ou ceco em infecções maciças), prende seus "dentes" na parede intestinal e passa a sugar o sangue de sua vítima.
Formas de Trasmissão * Penetração ativa das larvas filarióides infestantes na pele ou mucosas, principalmente nas regiões dos pés, pernas, nádegas e mãos.  * Ingestão das larvas junto com os alimentos ou água contaminada (alcança o estado adulto no intestino delgado, sem percorrer os caminhos descritos anteriormente).
Infectado pelo parasita, o indivíduo apresentará os seguintes sintomas: Lesão Cutânea:  A penetração da larva na pele causa uma sensação de “picada”, com aparecimento de vermelhidão, prurido e inchaço (edema) na região. Ocorre na parte superior dos pés, nas pernas, nádegas e regiões interdigitais. Lesão pulmonar:  Presença de focos hemorrágicos (onde as larvas perfuram as paredes alveolares), edema e presença de líquido na luz alveolar. O indivíduo apresenta um quadro semelhante à pneumonia, com tosse, febre, etc. Lesão da mucosa intestinal e espoliação sanguínea:  Vermes se alimentam de sangue e dilaceram a mucosa intestinal ocasionando pequenas hemorragias. Estabelecem uma anemia de evolução lenta acompanhada de perturbações e cólicas abdominais. Palidez (o que caracteriza o nome popular de amarelão), desânimo, dificuldade de raciocínio, cansaço e fraqueza, causado pela falta de ferro (anemia) no organismo. Com o tempo, a situação pode progredir e se agravar, aparecendo dores musculares, abdominais e de cabeça, hipertensão, sopro cardíaco, tonturas e ausência das menstruações nas mulheres. Em crianças ainda podem ocorrer diminuição ou perversão do apetite (em razão dessa deficiência de ferro na alimentação e necessidade orgânica do mineral, em zona endêmica é freqüente crianças comerem terra para se suprirem), retardamento físico e mental, e ainda consequências como dificuldade de aprendizagem escolar e a debilidade orgânica generalizada.
Profilaxia *  Educação sanitária em massa. *  Serviços de engenharia sanitária (construções de moradias higiênicas, dotadas de água tratada e instalações sanitárias adequadas). *  Abolir por completo adubação com fezes humanas. * Proteção dos pés pelo uso de calçados. *  Medidas de higiene pessoal (lavar as mãos, lavar alimentos crus antes do consumo, água filtrada ou fervida). *  Alimentação adequada, rica em ferro, proteínas, sais minerais, vitaminas e hidrato de carbono. *  Tratamento dos doentes (deve ser repetido com intervalo de seis meses, durante dois anos aproximadamente, a fim de impedir que o homem continue disseminando os ovos. Utiliza-se anti-helmínticos e antianêmicos. *  Ter o máximo de cuidado quanto ao local destinado ao lazer das crianças, pois acabam brincando com terra.
Curiosidades *  Papiros egípcios de 1.600 A.C., já assinalavam a ocorrência da doença. *  Avicena, médico persa que viveu no século X da nossa era, foi o primeiro a encontrar os vermes nos intestinos de doentes e responsabilizá-los pela anemia decorrente, por serem os mesmos sugadores de sangue (hematófagos). *  Na Europa era a doença conhecida por Anemia dos Mineiros, tomando nomes diversos conforme o país em que era constatada. No Brasil era antigamente nomeada por Opilação, Amarelão ou Anemia Tropical. *  Nosso escritor Monteiro Lobato, em um de seus livros, retrata o personagem Jeca Tatu, que nada mais era que um indivíduo parasitado pelo verme, o que serviu pelo Laboratório Fontoura para a propaganda de medicamentos de sua fabricação indicados para o tratamento da doença.
Bicho geográfico (larva migrans) Essa verminose pode ser provocada pelo Ancylostoma brasiliensis ou A.caninum. Normalmente tais vermes são parasitas intestinais de cães e gatos, apresentando ciclo vital semelhante ao do Ancylostoma duodenale. A Larva migrans é exatamente o que o nome sugere: uma larva migrando pelo corpo do hospedeiro errado; só viraria adulta nos intestinos de cães e gatos. Essa penetra a pele dos animais e, acidentalmente a pele do homem. A larva migrans cutânea invade só a pele, causando erupções geralmente nos pés, pernas e nádegas; os primeiros sinais são irritação ou bolhas a partir das quais vão surgindo túneis subcutâneos bem visíveis, de diferentes desenhos e comprimentos, que aumentam um centímetro por dia e motivam o apelido de bicho geográfico.
 
 
 

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Esquistossomose
EsquistossomoseEsquistossomose
Esquistossomose3a2011
 
Esquistossomose Mansoni
Esquistossomose MansoniEsquistossomose Mansoni
Esquistossomose Mansonifnanda
 
Ascaridíase - Lombriga - Ascaris Lumbricoides
Ascaridíase - Lombriga - Ascaris LumbricoidesAscaridíase - Lombriga - Ascaris Lumbricoides
Ascaridíase - Lombriga - Ascaris LumbricoidesFernanda Gomes
 
Aula 6 Teniase E Cisticercose
Aula 6   Teniase E CisticercoseAula 6   Teniase E Cisticercose
Aula 6 Teniase E CisticercoseITPAC PORTO
 
Malária apresentação
Malária apresentaçãoMalária apresentação
Malária apresentaçãoThiago André
 
Aula de Parasitologia Médica sobre a Malária
Aula de Parasitologia Médica sobre a MaláriaAula de Parasitologia Médica sobre a Malária
Aula de Parasitologia Médica sobre a MaláriaJaqueline Almeida
 
Sarcoptes Scabiei (sarna) Parasitologia Humana
Sarcoptes Scabiei (sarna) Parasitologia HumanaSarcoptes Scabiei (sarna) Parasitologia Humana
Sarcoptes Scabiei (sarna) Parasitologia HumanaRossana Martins
 
Faciola hepatica
Faciola hepaticaFaciola hepatica
Faciola hepatica3lk3
 
Imunopatologia da Esquistossomose (slide final)
Imunopatologia da Esquistossomose (slide final)Imunopatologia da Esquistossomose (slide final)
Imunopatologia da Esquistossomose (slide final)Hemilly Rayanne
 
Aula n° 3 tripanossoma
Aula n° 3   tripanossomaAula n° 3   tripanossoma
Aula n° 3 tripanossomaGildo Crispim
 

Mais procurados (20)

Esquistossomose
EsquistossomoseEsquistossomose
Esquistossomose
 
Ancilostomose
AncilostomoseAncilostomose
Ancilostomose
 
Esquistossomose Mansoni
Esquistossomose MansoniEsquistossomose Mansoni
Esquistossomose Mansoni
 
Ascaridíase - Lombriga - Ascaris Lumbricoides
Ascaridíase - Lombriga - Ascaris LumbricoidesAscaridíase - Lombriga - Ascaris Lumbricoides
Ascaridíase - Lombriga - Ascaris Lumbricoides
 
Amebíase
AmebíaseAmebíase
Amebíase
 
slide Filarioses
slide Filariosesslide Filarioses
slide Filarioses
 
Aula 9 fasciola
Aula 9 fasciolaAula 9 fasciola
Aula 9 fasciola
 
Aula 6 Teniase E Cisticercose
Aula 6   Teniase E CisticercoseAula 6   Teniase E Cisticercose
Aula 6 Teniase E Cisticercose
 
Doença de chagas
Doença de chagasDoença de chagas
Doença de chagas
 
Ascaris lumbricoides
Ascaris lumbricoidesAscaris lumbricoides
Ascaris lumbricoides
 
Malária apresentação
Malária apresentaçãoMalária apresentação
Malária apresentação
 
Aula de Parasitologia Médica sobre a Malária
Aula de Parasitologia Médica sobre a MaláriaAula de Parasitologia Médica sobre a Malária
Aula de Parasitologia Médica sobre a Malária
 
Ascaridíase
Ascaridíase Ascaridíase
Ascaridíase
 
Sarcoptes Scabiei (sarna) Parasitologia Humana
Sarcoptes Scabiei (sarna) Parasitologia HumanaSarcoptes Scabiei (sarna) Parasitologia Humana
Sarcoptes Scabiei (sarna) Parasitologia Humana
 
Faciola hepatica
Faciola hepaticaFaciola hepatica
Faciola hepatica
 
Imunopatologia da Esquistossomose (slide final)
Imunopatologia da Esquistossomose (slide final)Imunopatologia da Esquistossomose (slide final)
Imunopatologia da Esquistossomose (slide final)
 
Aula n° 3 tripanossoma
Aula n° 3   tripanossomaAula n° 3   tripanossoma
Aula n° 3 tripanossoma
 
Aula n° 2
Aula n° 2  Aula n° 2
Aula n° 2
 
Doença de chagas
Doença de chagasDoença de chagas
Doença de chagas
 
Microbiologia
MicrobiologiaMicrobiologia
Microbiologia
 

Semelhante a Ancylostomídeos: Características e Ciclo de Vida

Semelhante a Ancylostomídeos: Características e Ciclo de Vida (20)

Principais verminoses humanas
Principais verminoses humanasPrincipais verminoses humanas
Principais verminoses humanas
 
Reino animalia (metazoa)
Reino animalia (metazoa)Reino animalia (metazoa)
Reino animalia (metazoa)
 
Zoo 1 de poríferos a nematelmintos
Zoo 1    de poríferos a nematelmintosZoo 1    de poríferos a nematelmintos
Zoo 1 de poríferos a nematelmintos
 
Filo Nematoda (Power Point)
Filo Nematoda (Power Point)Filo Nematoda (Power Point)
Filo Nematoda (Power Point)
 
Filo nematodea nematelmintos
Filo nematodea nematelmintosFilo nematodea nematelmintos
Filo nematodea nematelmintos
 
Nematelmintos
NematelmintosNematelmintos
Nematelmintos
 
008 helmintos
008   helmintos008   helmintos
008 helmintos
 
Filo platyhelminthes e Nematoda
Filo platyhelminthes e NematodaFilo platyhelminthes e Nematoda
Filo platyhelminthes e Nematoda
 
Filo platelminto
Filo platelmintoFilo platelminto
Filo platelminto
 
Reino animal
Reino animalReino animal
Reino animal
 
Plano de aula 10
Plano de aula 10Plano de aula 10
Plano de aula 10
 
Nematelmintos
NematelmintosNematelmintos
Nematelmintos
 
Aula invertebrados
Aula invertebradosAula invertebrados
Aula invertebrados
 
Animais Invertebrados
Animais InvertebradosAnimais Invertebrados
Animais Invertebrados
 
Animais invertebrados (mazza)
Animais invertebrados (mazza)Animais invertebrados (mazza)
Animais invertebrados (mazza)
 
7º ano cap 7 reino protoctistas
7º ano cap 7  reino protoctistas7º ano cap 7  reino protoctistas
7º ano cap 7 reino protoctistas
 
Fungos
FungosFungos
Fungos
 
Vida e Ambiente
Vida e AmbienteVida e Ambiente
Vida e Ambiente
 
Zoologia dos invertebrados
Zoologia dos invertebradosZoologia dos invertebrados
Zoologia dos invertebrados
 
Filo dos nematelmintos
Filo dos nematelmintosFilo dos nematelmintos
Filo dos nematelmintos
 

Mais de 3a2011

Principais regiões industriais no Brasil
Principais regiões industriais no BrasilPrincipais regiões industriais no Brasil
Principais regiões industriais no Brasil3a2011
 
Tecidos
TecidosTecidos
Tecidos3a2011
 
Citicercose
CiticercoseCiticercose
Citicercose3a2011
 
Ascaridíase
AscaridíaseAscaridíase
Ascaridíase3a2011
 
Teníase
 Teníase Teníase
Teníase3a2011
 
Festa 3° ano
Festa   3° anoFesta   3° ano
Festa 3° ano3a2011
 
Hormônios vegetais
Hormônios vegetaisHormônios vegetais
Hormônios vegetais3a2011
 
Toxoplasmose
ToxoplasmoseToxoplasmose
Toxoplasmose3a2011
 
Leishmaniose
Leishmaniose Leishmaniose
Leishmaniose 3a2011
 
Doença de chagas
Doença de chagasDoença de chagas
Doença de chagas3a2011
 
Malária
MaláriaMalária
Malária3a2011
 

Mais de 3a2011 (11)

Principais regiões industriais no Brasil
Principais regiões industriais no BrasilPrincipais regiões industriais no Brasil
Principais regiões industriais no Brasil
 
Tecidos
TecidosTecidos
Tecidos
 
Citicercose
CiticercoseCiticercose
Citicercose
 
Ascaridíase
AscaridíaseAscaridíase
Ascaridíase
 
Teníase
 Teníase Teníase
Teníase
 
Festa 3° ano
Festa   3° anoFesta   3° ano
Festa 3° ano
 
Hormônios vegetais
Hormônios vegetaisHormônios vegetais
Hormônios vegetais
 
Toxoplasmose
ToxoplasmoseToxoplasmose
Toxoplasmose
 
Leishmaniose
Leishmaniose Leishmaniose
Leishmaniose
 
Doença de chagas
Doença de chagasDoença de chagas
Doença de chagas
 
Malária
MaláriaMalária
Malária
 

Ancylostomídeos: Características e Ciclo de Vida

  • 1. Brenda Paula Montijo Siqueira Giulia Spinelli Pires Pammela Jacomeli Lembi Rodrigo Maritan AMARELÃO
  • 2. Classificação Taxonômica Ancylostoma duodenale Reino: Animmalia Filo: Nematoda Classe: Secernentea Ordem: Strongylida Família: Ancylostomadidae Gênero: Ancylostoma Espécie: Ancylostoma duodenale Necator americanus Reino: Animmalia Filo: Nematoda Classe: Secernentea Ordem: Strongylida Família: Ancylostomadidae Gênero: Necator Espécie: Necator americanus
  • 3.  
  • 4. Características * São triblásticos * Protostômios (o blastóporo dá origem à boca) * Pseudocelomados * Simetria bilateral * Placas dentárias na cavidade bucal * Não possuem sistema respiratório nem circulatório * Dióicos * Os vermes adultos alcançam aproximadamente um centímetro de comprimento sendo que as fêmeas são um pouco maiores que os machos.  * Apresentam corpo alongado, cilíndrico e fino, com as extremidades afiladas Blastóporo
  • 5.  
  • 6. * Os machos apresentam na extremidade posterior uma expansão chamada de bolsa copuladora. * Fecundação interna * Liberação de ovos Ancilostomídeo - ovo Fêmea (extremidade retilínea) Macho (extremidade apresenta bolsa copuladora) Ancilostomídeo adulto - detalhe da bolsa copuladora
  • 7. Ancylostoma duodenale * Possui dois pares de dentes * Coloração esbranquiçada * Possui um par de placas cortantes * Coloração amarelada Necator americanus
  • 8. Ancylostoma duodenale - Adulto extremidade anterior extremidade posterior (macho) Necator americanus - Adulto
  • 9.  
  • 10. Ciclo de Vida * Os vermes adultos vivem no intestino delgado do homem. Depois do acasalamento, os ovos são expulsos com as fezes. * No solo e em condições adequadas, como boa oxigenação, alta umidade e temperatura elevada, os ovos tornam-se embrionados 24 horas depois da expulsão. * A larva assim originada denomina-se  rabditóide . Abandona a casca do ovo, passando a ter vida livre no solo. Depois de uma semana, em média, transforma-se numa larva que pode penetrar através da pele do homem, denominada larva  filarióide  infectante. Ancilostomídeo - larva rabditóide. Larvas filarióides - bainha envolvendo o parasita
  • 11. * As larvas filarióides penetram na pele e atingem a corrente sanguínea, sendo levadas pela circulação até o coração e, finalmente, aos pulmões. * Perfuram os capilares pulmonares e a parede dos alvéolos, migram pelos bronquíolos e chegam à faringe. Em seguida, descem pelo esôfago e alcançam o intestino delgado, onde se tornam adultas.  * O verme se estabelece no intestino, onde torna-se adulto (o local preferencial de instalação é no final do duodeno, mas ocasionalmente pode atingir o íleo ou ceco em infecções maciças), prende seus "dentes" na parede intestinal e passa a sugar o sangue de sua vítima.
  • 12. Formas de Trasmissão * Penetração ativa das larvas filarióides infestantes na pele ou mucosas, principalmente nas regiões dos pés, pernas, nádegas e mãos. * Ingestão das larvas junto com os alimentos ou água contaminada (alcança o estado adulto no intestino delgado, sem percorrer os caminhos descritos anteriormente).
  • 13. Infectado pelo parasita, o indivíduo apresentará os seguintes sintomas: Lesão Cutânea: A penetração da larva na pele causa uma sensação de “picada”, com aparecimento de vermelhidão, prurido e inchaço (edema) na região. Ocorre na parte superior dos pés, nas pernas, nádegas e regiões interdigitais. Lesão pulmonar: Presença de focos hemorrágicos (onde as larvas perfuram as paredes alveolares), edema e presença de líquido na luz alveolar. O indivíduo apresenta um quadro semelhante à pneumonia, com tosse, febre, etc. Lesão da mucosa intestinal e espoliação sanguínea: Vermes se alimentam de sangue e dilaceram a mucosa intestinal ocasionando pequenas hemorragias. Estabelecem uma anemia de evolução lenta acompanhada de perturbações e cólicas abdominais. Palidez (o que caracteriza o nome popular de amarelão), desânimo, dificuldade de raciocínio, cansaço e fraqueza, causado pela falta de ferro (anemia) no organismo. Com o tempo, a situação pode progredir e se agravar, aparecendo dores musculares, abdominais e de cabeça, hipertensão, sopro cardíaco, tonturas e ausência das menstruações nas mulheres. Em crianças ainda podem ocorrer diminuição ou perversão do apetite (em razão dessa deficiência de ferro na alimentação e necessidade orgânica do mineral, em zona endêmica é freqüente crianças comerem terra para se suprirem), retardamento físico e mental, e ainda consequências como dificuldade de aprendizagem escolar e a debilidade orgânica generalizada.
  • 14. Profilaxia * Educação sanitária em massa. * Serviços de engenharia sanitária (construções de moradias higiênicas, dotadas de água tratada e instalações sanitárias adequadas). * Abolir por completo adubação com fezes humanas. * Proteção dos pés pelo uso de calçados. * Medidas de higiene pessoal (lavar as mãos, lavar alimentos crus antes do consumo, água filtrada ou fervida). * Alimentação adequada, rica em ferro, proteínas, sais minerais, vitaminas e hidrato de carbono. * Tratamento dos doentes (deve ser repetido com intervalo de seis meses, durante dois anos aproximadamente, a fim de impedir que o homem continue disseminando os ovos. Utiliza-se anti-helmínticos e antianêmicos. * Ter o máximo de cuidado quanto ao local destinado ao lazer das crianças, pois acabam brincando com terra.
  • 15. Curiosidades * Papiros egípcios de 1.600 A.C., já assinalavam a ocorrência da doença. * Avicena, médico persa que viveu no século X da nossa era, foi o primeiro a encontrar os vermes nos intestinos de doentes e responsabilizá-los pela anemia decorrente, por serem os mesmos sugadores de sangue (hematófagos). * Na Europa era a doença conhecida por Anemia dos Mineiros, tomando nomes diversos conforme o país em que era constatada. No Brasil era antigamente nomeada por Opilação, Amarelão ou Anemia Tropical. * Nosso escritor Monteiro Lobato, em um de seus livros, retrata o personagem Jeca Tatu, que nada mais era que um indivíduo parasitado pelo verme, o que serviu pelo Laboratório Fontoura para a propaganda de medicamentos de sua fabricação indicados para o tratamento da doença.
  • 16. Bicho geográfico (larva migrans) Essa verminose pode ser provocada pelo Ancylostoma brasiliensis ou A.caninum. Normalmente tais vermes são parasitas intestinais de cães e gatos, apresentando ciclo vital semelhante ao do Ancylostoma duodenale. A Larva migrans é exatamente o que o nome sugere: uma larva migrando pelo corpo do hospedeiro errado; só viraria adulta nos intestinos de cães e gatos. Essa penetra a pele dos animais e, acidentalmente a pele do homem. A larva migrans cutânea invade só a pele, causando erupções geralmente nos pés, pernas e nádegas; os primeiros sinais são irritação ou bolhas a partir das quais vão surgindo túneis subcutâneos bem visíveis, de diferentes desenhos e comprimentos, que aumentam um centímetro por dia e motivam o apelido de bicho geográfico.
  • 17.  
  • 18.  
  • 19.