SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 6
Baixar para ler offline
1
INFECÇÕES GASTROINTESTINAIS
Eles são chamados de infecções gastrointestinais, porque afetam o sistema digestivo.
Ocorrem principalmente nas estações quentes, pois a presença de bactérias aumenta devido às
altas temperaturas durante o dia e às chuvas constantes que umidificam o ambiente.
Causas
São causadas por vírus, bactérias ou parasitas intestinais que entram no corpo através de alimentos
e água contaminados principalmente com matéria fecal.
O contágio também pode ser de pessoa para pessoa.
Esses tipos de infecções são altamente variáveis, pois dependem do tipo e da
quantidade de microrganismos presentes no organismo, bem como variam de acordo
com a resistência da pessoa à doença.
A diarreia é definida como um aumento na frequência, volume e fluidez das fezes devido a causas
infecciosas, anomalias congênitas (má absorção), deficiências enzimáticas, fatores mecânicos,
endócrinos, imunológicos, nutricionais e tóxicos.
A diarreia aguda apresenta-se como um fenômeno isolado, de natureza exógena e com duração inferior a 2
semanas; diarréia crônica geralmente dura mais de 2 semanas.
A diarreia infecciosa é um dos problemas de saúde mais graves nos países em
desenvolvimento, onde é uma das principais causas de doença e morte em crianças. O
mecanismo infeccioso da diarreia pode ser invasivo, por colonização do trato intestinal e
toxigênico. As chamadas intoxicações alimentares ou toxi-infecções originam-se da secreção de
exotoxinas nos alimentos, antes de sua ingestão. Na infecção invasiva (disenteria), produz-se
um quadro inflamatório difuso, às vezes acompanhado de necrose do epitélio e ulcerações da
mucosa, com pequenos abscessos que dão origem à liberação de sangue com grande número
de polimorfonucleares (leucócitos) e fluido , incapaz de ser absorvido devido à destruição
celular causada pelo microrganismo. Nos processos enterotoxigênicos, o organismo atravessa
a camada mucilaginosa, liga-se às células epiteliais e produz a toxina que desencadeia a
diarreia secretora. Muitas vezes o mecanismo
é misto: invasivo e toxigênico. Flora normal do trato gastrointestinal, as fezes de adultos saudáveis contêm
um grande número de microrganismos. A flora fecal é importante para o organismo na síntese de
determinados nutrientes e exerce uma função protetora, pois previne o crescimento excessivo de outros
organismos patogênicos.
Infecções gastrointestinais bacterianas
salmonelose
Do ponto de vista clínico, dois grupos podem ser distinguidos de acordo com a patologia que
causam: Salmonella entericas(Salmonella enterica sorotipo enteritidis, typhimurium, choleraesuis)
que dão origem a gastroenterites, e salmonela tifica (Salmonella enterica sorotipo typhi e, menos
frequentemente, os sorotipos paratyphi A, paratyphi B e paratyphi C), que causam sepse febril e, às
vezes, diarreia. A Salmonella enterica é a causa mais comum de diarreia infecciosa em todo o
mundo, responsável por 10-50% de todas as diarreias bacterianas. Os animais e, sobretudo, as aves
constituem o reservatório mais importante do microrganismo. É transmitida ao homem pela água e
múltiplos alimentos, principalmente ovos de aves contaminados, mariscos e carnes de animais
infectados ou em contato com esses microrganismos.
Traduzido do Espanhol para o Português - www.onlinedoctranslator.com
dois
A causa desencadeante da diarreia é a invasão da mucosa do intestino delgado, com a consequente
lesão do epitélio. Caracteriza-se por um período de incubação de 12 a 48 horas, diarreia com
duração de 2 a 6 dias com 8 a 15 fezes abundantes e fétidas, mais ou menos aquosas, náuseas,
vômitos, febre com calafrios, anorexia, astenia, dores de cabeça, dor cólicas abdominais difusas e,
raramente, desidratação com hipotensão e choque que podem levar à insuficiência renal aguda.
Shigelose
As quatro espécies de Shigella: S. dysenteriae, S. flexneri,S. boydiiSS.sonneieles estão
implicados na produção de diarréia chamada disenteria bacilar. A shigelose afeta crianças entre
6 e 10 anos, durante os meses quentes e causa epidemias em comunidades fechadas. A
transmissão é sempre de pessoa para pessoa, através da água, alimentos e fômites. A
quantidade de microrganismos que deve ser ingerida é muito pequena, mas esse pequeno
número de bactérias se multiplica rapidamente no intestino delgado e, em cerca de 12 horas,
atinge altas concentrações. Raramente penetram além da submucosa, de modo que a
bacteremia é rara. O quadro clínico é caracterizado por: febre, dor abdominal em cólica e baixa
desidratação. Diarréia porS.sonneié autolimitado, dura 1-2 semanas e às vezes é assintomático.
Diarréia porEscherichia coli
Algumas cepas deE. coli, denominados enteropatogênicos (ECEP), são capazes de produzir
diarreia por colonização do intestino delgado, mas não são invasivos e não produzem toxinas.
Seria considerado uma disbacteriose. Sua ação consiste em destruir as microvilosidades e
aderir as bactérias à superfície luminal lesada. São causas de enterite epidêmica em crianças.
Outras cepas de E. coli, as enteroinvasivas (EIEC), podem penetrar nas células epiteliais do
intestino, de forma semelhante à Shigella, que produz um quadro clínico semelhante ao da
disenteria bacilar. A capacidade de produção de toxinas de cepas deE. coli, os enterotoxigênicos
(ETEC), dão origem à diarreia do tipo colérico pela ativação da adenil ciclase e secreção de
fluidos com perda de água e eletrólitos. A diarréia típica do turista ou do viajante é causada
principalmente por essas cepas, bem como diarréia tropical e enterite infantil. Nos últimos
anos, outras cepas de E. coli foram descritas, as chamadas cepas entero-hemorrágicas (EHEC),
produtoras de colite hemorrágica, ou diarreia sanguinolenta sem febre. Essas cepas pertencem
ao sorotipo O 157:H7 que produzem síndrome hemolítico-urêmica em crianças.
Diarréia porCampylobacter jejuni
É uma causa frequente de diarreia, especialmente em climas quentes e em crianças com menos de 2
anos de idade. Seu mecanismo de ação é invasivo, mas a produção de uma toxina termoestável foi
confirmada em alguns casos. A epidemiologia é semelhante à da salmonelose em muitos aspectos: os
surtos epidêmicos geralmente são causados pela contaminação do leite, água e alimentos, de um
reservatório animal, embora também possam ser transmitidos de pessoa para pessoa. A infecção
geralmente ocorre no intestino delgado e às vezes afeta o cólon. Às vezes ocorre bacteremia. Um
episódio agudo de diarréia com duração de alguns dias é comum com pouco efeito sobre o estado geral;
outras vezes apresenta febre alta, calafrios, dor abdominal, mialgias e diarreia aquosa e sanguinolenta,
principalmente em crianças.
Diarréia por Yersinia
3
Sua incidência é de 1% de diarreia bacteriana. É encontrado em inúmeros alimentos,
principalmente em produtos cárneos, leite e derivados. Os sorotipos O3 e O9 são os mais
abundantes. Uma vez ingerido, invade o epitélio intestinal e produz dor abdominal, febre e, às
vezes, diarreia aquosa mucopurulenta. Em infecções graves, o quadro clínico pode mimetizar
disenteria bacilar, diarreia aquosa e sanguinolenta de curta duração ou apendicite aguda.
Diarréia por Aeromonas
aeromonas hydrophilatem sido associada à diarreia, tanto em crianças como em adultos. Seu
mecanismo de ação pode ser tóxico e invasivo. As manifestações clínicas incluem febre e dor
abdominal, embora a infecção possa ser assintomática. Em indivíduos comprometidos, é capaz de
gerar complicações graves, principalmente de origem extraintestinal.
Diarréia Vibrio
Vibrio choleraeÉ o agente causal da cólera, uma doença diarreica aguda. A diarreia é devida a
uma enterotoxina produzida pela bactéria depois de colonizar o intestino delgado. A infecção
pode dar origem a portadores assintomáticos, casos leves de diarreia, ou o quadro clássico de
início agudo, com diarreia aquosa profusa, pouca dor abdominal e ausência de febre. Em casos
graves, pode causar voz inaudível, cãibras musculares, choque hipovolêmico e acidose
metabólica. Se não for tratado adequadamente, o paciente pode morrer em poucas horas ou
desenvolver insuficiência renal devido à necrose tubular aguda. Vibrio parahaemolitycus é um
microrganismo halofílico frequentemente encontrado na água do mar, depositado no fundo do
mar durante o inverno. Acima de 14 ºC deixa o sedimento e parasita o zooplâncton, de onde é
ingerido por peixes e mariscos. A diarreia aguda deve-se à ingestão de peixe e marisco crus ou
mal cozinhados. É típico de países em que o peixe cru é incluído como alimento, como é o caso
do Japão. Os sintomas incluem: cólicas abdominais, náuseas, vômitos, dores de cabeça e febre.
Diarreia de Plesiomonas
É encontrado na água e em alguns animais. A via de transmissão é desconhecida e o mecanismo de ação é
desconhecido.está esclarecido. Parece ter capacidade invasiva e enterotoxigênica
Diarréia porStaphylococcus aureus
O S. aureus causa diarreia aguda, aquosa e não complicada como resultado da ingestão de uma
enterotoxina produzida em maionese e cremes. Também tem sido implicado na diarreia pós-
antibiótico
Diarréia porClostridium difficile
C. difficileProduz dois tipos de toxinas: verotoxina e citotoxina. A primeira delas está associada à
produção de enterocolite ou colite pseudomembranosa causada pela administração de
antimicrobianos. O quadro clínico aparece em pacientes internados com diversas patologias, inicia-
se de forma aguda com dor abdominal, febre e diarreia sanguinolenta, podendo piorar se não for
tratada
4
Infecções gastrointestinais virais
Os vírus são responsáveis por 70% das diarreias infecciosas. A diarreia viral é invasiva,
não inflamatória e autolimitada, exceto em indivíduos imunocomprometidos.
rotavírus
É o mais importante produtor de gastroenterites e epidemias nosocomiais e é transmitido
principalmente por via oral. Os vírus invadem o epitélio intestinal e produzem um efeito citopático,
manifestado por diarreia intensa de duração variável, acompanhada de náuseas, vômitos e, muitas
vezes, febre, linfocitose e desidratação grave.
Adenovírus
Também é muito comum em infecções intestinais. A diarreia tende a ter maior incidência nos meses
quentes e nos países com clima tropical. Geralmente é autolimitada e assintomática, exceto em
indivíduos imunossuprimidos.
Vírus do grupo Norwalk
A partir das fezes de surtos de diarreia, este tipo de vírus foi isolado. O uso de RIA mostrou que os anticorpos contra o vírus Norwalk aumentam pouco
durante a infância, aumentando na adolescência e na idade adulta, de modo que, na década de 50, cerca de 50% possuem anticorpos. O vírus Norwalk é
considerado a causa mais importante de surtos epidêmicos de gastroenterites não bacterianas que ocorrem em escolas, hospitais, asilos e famílias, e que
afetam adultos, crianças em idade escolar, crianças e idosos. De facto, um navio de cruzeiro britânico fechou recentemente as suas portas para a Grécia,
Itália e Espanha, transportando a bordo passageiros infetados com este vírus altamente contagioso. Os vírus do grupo Norwalk são infecções
generalizadas, benignos e autolimitados, que aparecem durante todo o ano, e principalmente no outono e inverno. São transmitidos pela via fecal-oral, a
partir de uma fonte comum, como água, alimentos e banheiros. Causam gastroenterite e caracterizam-se por um período de incubação de 24 horas,
seguido de cefaleia, náuseas, vômitos e diarreia (observa-se predominância de vômitos em crianças e diarreia em adultos). Acometem o intestino delgado,
no qual se observa encurtamento e alargamento das vilosidades intestinais. A Tabela 2 detalha as informações sobre os surtos de gastroenterite viral.
Causam gastroenterite e caracterizam-se por um período de incubação de 24 horas, seguido de cefaleia, náuseas, vômitos e diarreia (observa-se
predominância de vômitos em crianças e diarreia em adultos). Acometem o intestino delgado, no qual se observa encurtamento e alargamento das
vilosidades intestinais. A Tabela 2 detalha as informações sobre os surtos de gastroenterite viral. Causam gastroenterite e caracterizam-se por um período
de incubação de 24 horas, seguido de cefaleia, náuseas, vômitos e diarreia (observa-se predominância de vômitos em crianças e diarreia em adultos).
Acometem o intestino delgado, no qual se observa encurtamento e alargamento das vilosidades intestinais. A Tabela 2 detalha as informações sobre os
surtos de gastroenterite viral.
diarreia protozoária
Giardia lamblia apresenta alta frequência em creches e instituições fechadas, nas quais dá
origem a surtos epidêmicos, bem como em homossexuais. A infecção é transmitida através da
água e alimentos, ou de pessoa para pessoa. Nas formas agudas, manifesta-se a chamada
“síndrome duodenal entérica”, caracterizada por diarreia aquosa súbita, explosiva e fétida com
fezes espumosas amareladas. O processo se resolve espontaneamente em 1-4 semanas, ou
passa para uma fase crônica com ataques sintomáticos intermitentes.
Cryptosporidium parvum adquiriu um grande boom devido ao aparecimento e aumento de doenças
imunossupressoras. Causa diarreia como resultado da ingestão de oocistos de alimentos e água
contaminados, ou por transmissão de pessoa para pessoa. Em nosso meio, acomete principalmente
crianças menores de 3 anos que frequentam creches e portadores de AIDS. A presença de
portadores saudáveis é frequente. O quadro diarreico costuma ser autolimitado, de curta duração
e com poucos sintomas intestinais, náuseas, vômitos e, ocasionalmente, febre. Em pacientes
imunossuprimidos tende a se tornar crônica e pode causar diarreia secretora, com ou sem
absorção, com consequências muito graves. Isospora belli e Blastocystis hominis são a causa
5
de processos diarreicos em pacientes imunossuprimidos com doenças graves e pacientes com AIDS.
Outras causas de diarreia
- Distúrbios funcionais: Doenças inflamatórias intestinais crônicas (doença de Crohn e
colite ulcerativa, síndrome do intestino irritável.
Intolerância à lactose
Síndrome de má absorção
Doenças da vesícula biliar
Diarreia nervosa.
-
-
-
-
Diagnóstico
Diante da suspeita de processo infeccioso entérico, o histórico epidemiológico, os sintomas e o
período de incubação ajudarão a fazer um diagnóstico presuntivo. Se a causa responsável for
uma toxina, então não há febre ou há febre mínima; se o agente etiológico for um
microrganismo que se multiplicou no intestino, o período de incubação é maior e desenvolve-
se febre. Do ponto de vista clínico, é muito difícil conhecer a etiologia de um processo diarreico,
embora se possa suspeitar de relação com determinado microrganismo. O diagnóstico
microbiológico é feito a partir das fezes, embora outras amostras como swabs retais, suco
gástrico, sangue e bile possam ser utilizadas.
Exame de fezes frescas
É utilizado para a observação de leucócitos, eritrócitos e formas parasitárias intestinais, formas
vegetativas, larvas, ovos ou cistos de parasitas.
cultura de fezes
Exame bacteriológico das fezes que inclui a semeadura, isolamento e identificação dos
microrganismos existentes na referida amostra para estabelecer o diagnóstico de infecções
bacterianas intestinais.
Amostragem
A amostra de interesse é fezes diarreicas.
-
-
-
-
-
A amostra deve ser coletada na fase aguda da doença.
Em recipientes de boca larga com tampas bem ajustadas ou em meio de transporte Cary Blair.
Deve ser coletado antes de iniciar o tratamento antimicrobiano.
Deve ser obtida uma quantidade aproximada de 10 ml.
Também pode ser obtido por swab retal. Deve ser inserido até ultrapassar o esfíncter
anal (3cm). Imprima amplos movimentos de rotação para arrastar o muco da parede e
pequenos movimentos circulares para obter deposição. Colocar no meio de transporte.
Processo
Realize a semeadura primária nos seguintes meios: ágar Mac Conkey, ágar EMB e ágar SS. É
semeado por exaustão.
Incubar por 24 horas a 37°C.
6
Após esse tempo, observe o aparecimento das colônias, identificando as suspeitas em uma bateria
de exames bioquímicos para sua identificação.
Para o isolamento de Salmonella, a amostra pode ser inoculada em meio de enriquecimento de
caldo de tetrationato ou selenito. Faça uma subcultura após 18 horas de incubação.
Para o isolamento deVibrio choleraea amostra é semeada em meio de ágar TCBS. APA (água de
peptona alcalina) é usada como meio de enriquecimento, que é incubado por 6 a 8 horas.
Para a tipificação de gênero e espécie, utilizar sorotipagem.
Ágar EMB
Aparência da colônia:E. coliforma colônias escuras com um brilho metálico
esverdeado. Os fermentadores não-lactose (Salmonella e Shigella) dão colônias claras.
Em meio seletivo SS, as colônias de Shigella aparecem transparentes e as colônias de Salmonella
dão colônias transparentes com um centro preto.
Se é sobreE colise uma cepa patogênica foi isolada deve ser determinada por técnicas de
sorologia, ELISA ou PCR.
Se um germe patogênico é identificado, um antibiograma é realizado.
O tratamento da diarreia de etiologia infecciosa inclui medidas sintomáticas e reposição de fluidos e eletrólitos. Drogas que inibem a motilidade intestinal devem
sempre ser evitadas. Na diarreia moderada, a reposição de líquidos com base em bebidas não alcoólicas, como caldos e sucos de frutas, bem como limonada
alcalina, é suficiente. Se a diarreia for grave, é necessária a reposição urgente de líquidos por via oral ou parenteral. Quando a diarreia é produzida por um
mecanismo enterotóxico, a reposição de fluidos e eletrólitos é a chave para o tratamento devido à perda de fluido isotônico. Se o mecanismo for invasivo, as
proteínas também são perdidas, sendo necessário o fornecimento de água, eletrólitos e proteínas. Os antimicrobianos são indicados em processos severos, em
indivíduos com idades extremas e também naqueles com doenças subjacentes significativas. Em outros pacientes, o único efeito alcançado é prolongar a
diarreia. As orientações a seguir são as seguintes • Em salmonelose e shigelose, o uso de ciprofloxacina é recomendado. : • Na diarreia por Campylobacter,
geralmente são administrados eritromicina ou aminoglicosídeos e tetraciclina. • A cólera requer tratamento com tetraciclina. • Na diarreia viral, os
antimicrobianos não devem ser usados. Uma solução hidratante balanceada em sais orgânicos é administrada e a alimentação com leite é suprimida durante As
orientações a seguir são as seguintes • Em salmonelose e shigelose, o uso de ciprofloxacina é recomendado. : • Na diarreia por Campylobacter, geralmente são
administrados eritromicina ou aminoglicosídeos e tetraciclina. • A cólera requer tratamento com tetraciclina. • Na diarreia viral, os antimicrobianos não devem
ser usados. Uma solução hidratante balanceada em sais orgânicos é administrada e a alimentação com leite é suprimida durante As orientações a seguir são as
seguintes • Em salmonelose e shigelose, o uso de ciprofloxacina é recomendado. : • Na diarreia por Campylobacter, geralmente são administrados eritromicina
ou aminoglicosídeos e tetraciclina. • A cólera requer tratamento com tetraciclina. • Na diarreia viral, os antimicrobianos não devem ser usados. Uma solução
hidratante balanceada em sais orgânicos é administrada e a alimentação com leite é suprimida durante

Mais conteúdo relacionado

Semelhante a Infecciones gastrointestinales.es.pt.pdf

Semelhante a Infecciones gastrointestinales.es.pt.pdf (20)

Diarréia aguda
Diarréia agudaDiarréia aguda
Diarréia aguda
 
Enterobactérias
EnterobactériasEnterobactérias
Enterobactérias
 
Saneamento
SaneamentoSaneamento
Saneamento
 
Síndromes Diarréicas
Síndromes DiarréicasSíndromes Diarréicas
Síndromes Diarréicas
 
Água não tratada é porta aberta para várias doenças
Água não tratada é porta aberta para várias doençasÁgua não tratada é porta aberta para várias doenças
Água não tratada é porta aberta para várias doenças
 
Saúde pública
Saúde públicaSaúde pública
Saúde pública
 
Vibrio e Clostridium
Vibrio e ClostridiumVibrio e Clostridium
Vibrio e Clostridium
 
Água não tratada é porta aberta para várias doenças
Água não tratada é porta aberta para várias doençasÁgua não tratada é porta aberta para várias doenças
Água não tratada é porta aberta para várias doenças
 
Copasa doenças
Copasa doençasCopasa doenças
Copasa doenças
 
Infeccoes trato-gastrintestinal
Infeccoes trato-gastrintestinalInfeccoes trato-gastrintestinal
Infeccoes trato-gastrintestinal
 
Diarreias na criança - conduta
Diarreias na criança -  condutaDiarreias na criança -  conduta
Diarreias na criança - conduta
 
Diarreias
DiarreiasDiarreias
Diarreias
 
Aula+intestino+delgado
Aula+intestino+delgadoAula+intestino+delgado
Aula+intestino+delgado
 
Diarreia - Liga de Pediatria UNICID
Diarreia - Liga de Pediatria UNICIDDiarreia - Liga de Pediatria UNICID
Diarreia - Liga de Pediatria UNICID
 
Trabalho colera
Trabalho coleraTrabalho colera
Trabalho colera
 
Doencas de Veiculacao Hidrica
Doencas de Veiculacao HidricaDoencas de Veiculacao Hidrica
Doencas de Veiculacao Hidrica
 
Trabalho de Biologia
Trabalho de BiologiaTrabalho de Biologia
Trabalho de Biologia
 
Trabalho de colera
Trabalho de coleraTrabalho de colera
Trabalho de colera
 
Amebíase e toxoplasmose
Amebíase e toxoplasmoseAmebíase e toxoplasmose
Amebíase e toxoplasmose
 
Feira da cultura
Feira da culturaFeira da cultura
Feira da cultura
 

Último

POETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptx
POETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptxPOETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptx
POETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptxJMTCS
 
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptxBaladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptxacaciocarmo1
 
A população Brasileira e diferença de populoso e povoado
A população Brasileira e diferença de populoso e povoadoA população Brasileira e diferença de populoso e povoado
A população Brasileira e diferença de populoso e povoadodanieligomes4
 
O guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdf
O guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdfO guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdf
O guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdfErasmo Portavoz
 
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbv19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbyasminlarissa371
 
PLANEJAMENTO anual do 3ANO fundamental 1 MG.pdf
PLANEJAMENTO anual do  3ANO fundamental 1 MG.pdfPLANEJAMENTO anual do  3ANO fundamental 1 MG.pdf
PLANEJAMENTO anual do 3ANO fundamental 1 MG.pdfProfGleide
 
19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros
19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros
19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileirosMary Alvarenga
 
Orientações para a análise do poema Orfeu Rebelde.pptx
Orientações para a análise do poema Orfeu Rebelde.pptxOrientações para a análise do poema Orfeu Rebelde.pptx
Orientações para a análise do poema Orfeu Rebelde.pptxJMTCS
 
As Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptx
As Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptxAs Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptx
As Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptxAlexandreFrana33
 
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptx
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptxÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptx
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptxDeyvidBriel
 
Revolução Industrial - Revolução Industrial .pptx
Revolução Industrial - Revolução Industrial .pptxRevolução Industrial - Revolução Industrial .pptx
Revolução Industrial - Revolução Industrial .pptxHlioMachado1
 
Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024
Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024
Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024GleyceMoreiraXWeslle
 
6°ano Uso de pontuação e acentuação.pptx
6°ano Uso de pontuação e acentuação.pptx6°ano Uso de pontuação e acentuação.pptx
6°ano Uso de pontuação e acentuação.pptxErivaldoLima15
 
Slide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptx
Slide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptxSlide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptx
Slide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptxconcelhovdragons
 
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptx
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptxSlides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptx
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão Linguística
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão LinguísticaA Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão Linguística
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão LinguísticaFernanda Ledesma
 
TREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.ppt
TREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.pptTREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.ppt
TREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.pptAlineSilvaPotuk
 
parte indígena.pptxzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzz
parte indígena.pptxzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzparte indígena.pptxzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzz
parte indígena.pptxzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzAlexandrePereira818171
 
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptxSlides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 

Último (20)

POETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptx
POETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptxPOETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptx
POETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptx
 
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptxBaladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
 
A população Brasileira e diferença de populoso e povoado
A população Brasileira e diferença de populoso e povoadoA população Brasileira e diferença de populoso e povoado
A população Brasileira e diferença de populoso e povoado
 
O guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdf
O guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdfO guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdf
O guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdf
 
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbv19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
 
PLANEJAMENTO anual do 3ANO fundamental 1 MG.pdf
PLANEJAMENTO anual do  3ANO fundamental 1 MG.pdfPLANEJAMENTO anual do  3ANO fundamental 1 MG.pdf
PLANEJAMENTO anual do 3ANO fundamental 1 MG.pdf
 
19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros
19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros
19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros
 
Orientações para a análise do poema Orfeu Rebelde.pptx
Orientações para a análise do poema Orfeu Rebelde.pptxOrientações para a análise do poema Orfeu Rebelde.pptx
Orientações para a análise do poema Orfeu Rebelde.pptx
 
“O AMANHÃ EXIGE O MELHOR DE HOJE” _
“O AMANHÃ EXIGE O MELHOR DE HOJE”       _“O AMANHÃ EXIGE O MELHOR DE HOJE”       _
“O AMANHÃ EXIGE O MELHOR DE HOJE” _
 
As Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptx
As Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptxAs Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptx
As Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptx
 
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptx
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptxÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptx
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptx
 
Revolução Industrial - Revolução Industrial .pptx
Revolução Industrial - Revolução Industrial .pptxRevolução Industrial - Revolução Industrial .pptx
Revolução Industrial - Revolução Industrial .pptx
 
Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024
Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024
Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024
 
6°ano Uso de pontuação e acentuação.pptx
6°ano Uso de pontuação e acentuação.pptx6°ano Uso de pontuação e acentuação.pptx
6°ano Uso de pontuação e acentuação.pptx
 
Slide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptx
Slide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptxSlide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptx
Slide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptx
 
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptx
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptxSlides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptx
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptx
 
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão Linguística
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão LinguísticaA Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão Linguística
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão Linguística
 
TREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.ppt
TREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.pptTREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.ppt
TREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.ppt
 
parte indígena.pptxzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzz
parte indígena.pptxzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzparte indígena.pptxzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzz
parte indígena.pptxzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzz
 
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptxSlides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
 

Infecciones gastrointestinales.es.pt.pdf

  • 1. 1 INFECÇÕES GASTROINTESTINAIS Eles são chamados de infecções gastrointestinais, porque afetam o sistema digestivo. Ocorrem principalmente nas estações quentes, pois a presença de bactérias aumenta devido às altas temperaturas durante o dia e às chuvas constantes que umidificam o ambiente. Causas São causadas por vírus, bactérias ou parasitas intestinais que entram no corpo através de alimentos e água contaminados principalmente com matéria fecal. O contágio também pode ser de pessoa para pessoa. Esses tipos de infecções são altamente variáveis, pois dependem do tipo e da quantidade de microrganismos presentes no organismo, bem como variam de acordo com a resistência da pessoa à doença. A diarreia é definida como um aumento na frequência, volume e fluidez das fezes devido a causas infecciosas, anomalias congênitas (má absorção), deficiências enzimáticas, fatores mecânicos, endócrinos, imunológicos, nutricionais e tóxicos. A diarreia aguda apresenta-se como um fenômeno isolado, de natureza exógena e com duração inferior a 2 semanas; diarréia crônica geralmente dura mais de 2 semanas. A diarreia infecciosa é um dos problemas de saúde mais graves nos países em desenvolvimento, onde é uma das principais causas de doença e morte em crianças. O mecanismo infeccioso da diarreia pode ser invasivo, por colonização do trato intestinal e toxigênico. As chamadas intoxicações alimentares ou toxi-infecções originam-se da secreção de exotoxinas nos alimentos, antes de sua ingestão. Na infecção invasiva (disenteria), produz-se um quadro inflamatório difuso, às vezes acompanhado de necrose do epitélio e ulcerações da mucosa, com pequenos abscessos que dão origem à liberação de sangue com grande número de polimorfonucleares (leucócitos) e fluido , incapaz de ser absorvido devido à destruição celular causada pelo microrganismo. Nos processos enterotoxigênicos, o organismo atravessa a camada mucilaginosa, liga-se às células epiteliais e produz a toxina que desencadeia a diarreia secretora. Muitas vezes o mecanismo é misto: invasivo e toxigênico. Flora normal do trato gastrointestinal, as fezes de adultos saudáveis contêm um grande número de microrganismos. A flora fecal é importante para o organismo na síntese de determinados nutrientes e exerce uma função protetora, pois previne o crescimento excessivo de outros organismos patogênicos. Infecções gastrointestinais bacterianas salmonelose Do ponto de vista clínico, dois grupos podem ser distinguidos de acordo com a patologia que causam: Salmonella entericas(Salmonella enterica sorotipo enteritidis, typhimurium, choleraesuis) que dão origem a gastroenterites, e salmonela tifica (Salmonella enterica sorotipo typhi e, menos frequentemente, os sorotipos paratyphi A, paratyphi B e paratyphi C), que causam sepse febril e, às vezes, diarreia. A Salmonella enterica é a causa mais comum de diarreia infecciosa em todo o mundo, responsável por 10-50% de todas as diarreias bacterianas. Os animais e, sobretudo, as aves constituem o reservatório mais importante do microrganismo. É transmitida ao homem pela água e múltiplos alimentos, principalmente ovos de aves contaminados, mariscos e carnes de animais infectados ou em contato com esses microrganismos. Traduzido do Espanhol para o Português - www.onlinedoctranslator.com
  • 2. dois A causa desencadeante da diarreia é a invasão da mucosa do intestino delgado, com a consequente lesão do epitélio. Caracteriza-se por um período de incubação de 12 a 48 horas, diarreia com duração de 2 a 6 dias com 8 a 15 fezes abundantes e fétidas, mais ou menos aquosas, náuseas, vômitos, febre com calafrios, anorexia, astenia, dores de cabeça, dor cólicas abdominais difusas e, raramente, desidratação com hipotensão e choque que podem levar à insuficiência renal aguda. Shigelose As quatro espécies de Shigella: S. dysenteriae, S. flexneri,S. boydiiSS.sonneieles estão implicados na produção de diarréia chamada disenteria bacilar. A shigelose afeta crianças entre 6 e 10 anos, durante os meses quentes e causa epidemias em comunidades fechadas. A transmissão é sempre de pessoa para pessoa, através da água, alimentos e fômites. A quantidade de microrganismos que deve ser ingerida é muito pequena, mas esse pequeno número de bactérias se multiplica rapidamente no intestino delgado e, em cerca de 12 horas, atinge altas concentrações. Raramente penetram além da submucosa, de modo que a bacteremia é rara. O quadro clínico é caracterizado por: febre, dor abdominal em cólica e baixa desidratação. Diarréia porS.sonneié autolimitado, dura 1-2 semanas e às vezes é assintomático. Diarréia porEscherichia coli Algumas cepas deE. coli, denominados enteropatogênicos (ECEP), são capazes de produzir diarreia por colonização do intestino delgado, mas não são invasivos e não produzem toxinas. Seria considerado uma disbacteriose. Sua ação consiste em destruir as microvilosidades e aderir as bactérias à superfície luminal lesada. São causas de enterite epidêmica em crianças. Outras cepas de E. coli, as enteroinvasivas (EIEC), podem penetrar nas células epiteliais do intestino, de forma semelhante à Shigella, que produz um quadro clínico semelhante ao da disenteria bacilar. A capacidade de produção de toxinas de cepas deE. coli, os enterotoxigênicos (ETEC), dão origem à diarreia do tipo colérico pela ativação da adenil ciclase e secreção de fluidos com perda de água e eletrólitos. A diarréia típica do turista ou do viajante é causada principalmente por essas cepas, bem como diarréia tropical e enterite infantil. Nos últimos anos, outras cepas de E. coli foram descritas, as chamadas cepas entero-hemorrágicas (EHEC), produtoras de colite hemorrágica, ou diarreia sanguinolenta sem febre. Essas cepas pertencem ao sorotipo O 157:H7 que produzem síndrome hemolítico-urêmica em crianças. Diarréia porCampylobacter jejuni É uma causa frequente de diarreia, especialmente em climas quentes e em crianças com menos de 2 anos de idade. Seu mecanismo de ação é invasivo, mas a produção de uma toxina termoestável foi confirmada em alguns casos. A epidemiologia é semelhante à da salmonelose em muitos aspectos: os surtos epidêmicos geralmente são causados pela contaminação do leite, água e alimentos, de um reservatório animal, embora também possam ser transmitidos de pessoa para pessoa. A infecção geralmente ocorre no intestino delgado e às vezes afeta o cólon. Às vezes ocorre bacteremia. Um episódio agudo de diarréia com duração de alguns dias é comum com pouco efeito sobre o estado geral; outras vezes apresenta febre alta, calafrios, dor abdominal, mialgias e diarreia aquosa e sanguinolenta, principalmente em crianças. Diarréia por Yersinia
  • 3. 3 Sua incidência é de 1% de diarreia bacteriana. É encontrado em inúmeros alimentos, principalmente em produtos cárneos, leite e derivados. Os sorotipos O3 e O9 são os mais abundantes. Uma vez ingerido, invade o epitélio intestinal e produz dor abdominal, febre e, às vezes, diarreia aquosa mucopurulenta. Em infecções graves, o quadro clínico pode mimetizar disenteria bacilar, diarreia aquosa e sanguinolenta de curta duração ou apendicite aguda. Diarréia por Aeromonas aeromonas hydrophilatem sido associada à diarreia, tanto em crianças como em adultos. Seu mecanismo de ação pode ser tóxico e invasivo. As manifestações clínicas incluem febre e dor abdominal, embora a infecção possa ser assintomática. Em indivíduos comprometidos, é capaz de gerar complicações graves, principalmente de origem extraintestinal. Diarréia Vibrio Vibrio choleraeÉ o agente causal da cólera, uma doença diarreica aguda. A diarreia é devida a uma enterotoxina produzida pela bactéria depois de colonizar o intestino delgado. A infecção pode dar origem a portadores assintomáticos, casos leves de diarreia, ou o quadro clássico de início agudo, com diarreia aquosa profusa, pouca dor abdominal e ausência de febre. Em casos graves, pode causar voz inaudível, cãibras musculares, choque hipovolêmico e acidose metabólica. Se não for tratado adequadamente, o paciente pode morrer em poucas horas ou desenvolver insuficiência renal devido à necrose tubular aguda. Vibrio parahaemolitycus é um microrganismo halofílico frequentemente encontrado na água do mar, depositado no fundo do mar durante o inverno. Acima de 14 ºC deixa o sedimento e parasita o zooplâncton, de onde é ingerido por peixes e mariscos. A diarreia aguda deve-se à ingestão de peixe e marisco crus ou mal cozinhados. É típico de países em que o peixe cru é incluído como alimento, como é o caso do Japão. Os sintomas incluem: cólicas abdominais, náuseas, vômitos, dores de cabeça e febre. Diarreia de Plesiomonas É encontrado na água e em alguns animais. A via de transmissão é desconhecida e o mecanismo de ação é desconhecido.está esclarecido. Parece ter capacidade invasiva e enterotoxigênica Diarréia porStaphylococcus aureus O S. aureus causa diarreia aguda, aquosa e não complicada como resultado da ingestão de uma enterotoxina produzida em maionese e cremes. Também tem sido implicado na diarreia pós- antibiótico Diarréia porClostridium difficile C. difficileProduz dois tipos de toxinas: verotoxina e citotoxina. A primeira delas está associada à produção de enterocolite ou colite pseudomembranosa causada pela administração de antimicrobianos. O quadro clínico aparece em pacientes internados com diversas patologias, inicia- se de forma aguda com dor abdominal, febre e diarreia sanguinolenta, podendo piorar se não for tratada
  • 4. 4 Infecções gastrointestinais virais Os vírus são responsáveis por 70% das diarreias infecciosas. A diarreia viral é invasiva, não inflamatória e autolimitada, exceto em indivíduos imunocomprometidos. rotavírus É o mais importante produtor de gastroenterites e epidemias nosocomiais e é transmitido principalmente por via oral. Os vírus invadem o epitélio intestinal e produzem um efeito citopático, manifestado por diarreia intensa de duração variável, acompanhada de náuseas, vômitos e, muitas vezes, febre, linfocitose e desidratação grave. Adenovírus Também é muito comum em infecções intestinais. A diarreia tende a ter maior incidência nos meses quentes e nos países com clima tropical. Geralmente é autolimitada e assintomática, exceto em indivíduos imunossuprimidos. Vírus do grupo Norwalk A partir das fezes de surtos de diarreia, este tipo de vírus foi isolado. O uso de RIA mostrou que os anticorpos contra o vírus Norwalk aumentam pouco durante a infância, aumentando na adolescência e na idade adulta, de modo que, na década de 50, cerca de 50% possuem anticorpos. O vírus Norwalk é considerado a causa mais importante de surtos epidêmicos de gastroenterites não bacterianas que ocorrem em escolas, hospitais, asilos e famílias, e que afetam adultos, crianças em idade escolar, crianças e idosos. De facto, um navio de cruzeiro britânico fechou recentemente as suas portas para a Grécia, Itália e Espanha, transportando a bordo passageiros infetados com este vírus altamente contagioso. Os vírus do grupo Norwalk são infecções generalizadas, benignos e autolimitados, que aparecem durante todo o ano, e principalmente no outono e inverno. São transmitidos pela via fecal-oral, a partir de uma fonte comum, como água, alimentos e banheiros. Causam gastroenterite e caracterizam-se por um período de incubação de 24 horas, seguido de cefaleia, náuseas, vômitos e diarreia (observa-se predominância de vômitos em crianças e diarreia em adultos). Acometem o intestino delgado, no qual se observa encurtamento e alargamento das vilosidades intestinais. A Tabela 2 detalha as informações sobre os surtos de gastroenterite viral. Causam gastroenterite e caracterizam-se por um período de incubação de 24 horas, seguido de cefaleia, náuseas, vômitos e diarreia (observa-se predominância de vômitos em crianças e diarreia em adultos). Acometem o intestino delgado, no qual se observa encurtamento e alargamento das vilosidades intestinais. A Tabela 2 detalha as informações sobre os surtos de gastroenterite viral. Causam gastroenterite e caracterizam-se por um período de incubação de 24 horas, seguido de cefaleia, náuseas, vômitos e diarreia (observa-se predominância de vômitos em crianças e diarreia em adultos). Acometem o intestino delgado, no qual se observa encurtamento e alargamento das vilosidades intestinais. A Tabela 2 detalha as informações sobre os surtos de gastroenterite viral. diarreia protozoária Giardia lamblia apresenta alta frequência em creches e instituições fechadas, nas quais dá origem a surtos epidêmicos, bem como em homossexuais. A infecção é transmitida através da água e alimentos, ou de pessoa para pessoa. Nas formas agudas, manifesta-se a chamada “síndrome duodenal entérica”, caracterizada por diarreia aquosa súbita, explosiva e fétida com fezes espumosas amareladas. O processo se resolve espontaneamente em 1-4 semanas, ou passa para uma fase crônica com ataques sintomáticos intermitentes. Cryptosporidium parvum adquiriu um grande boom devido ao aparecimento e aumento de doenças imunossupressoras. Causa diarreia como resultado da ingestão de oocistos de alimentos e água contaminados, ou por transmissão de pessoa para pessoa. Em nosso meio, acomete principalmente crianças menores de 3 anos que frequentam creches e portadores de AIDS. A presença de portadores saudáveis é frequente. O quadro diarreico costuma ser autolimitado, de curta duração e com poucos sintomas intestinais, náuseas, vômitos e, ocasionalmente, febre. Em pacientes imunossuprimidos tende a se tornar crônica e pode causar diarreia secretora, com ou sem absorção, com consequências muito graves. Isospora belli e Blastocystis hominis são a causa
  • 5. 5 de processos diarreicos em pacientes imunossuprimidos com doenças graves e pacientes com AIDS. Outras causas de diarreia - Distúrbios funcionais: Doenças inflamatórias intestinais crônicas (doença de Crohn e colite ulcerativa, síndrome do intestino irritável. Intolerância à lactose Síndrome de má absorção Doenças da vesícula biliar Diarreia nervosa. - - - - Diagnóstico Diante da suspeita de processo infeccioso entérico, o histórico epidemiológico, os sintomas e o período de incubação ajudarão a fazer um diagnóstico presuntivo. Se a causa responsável for uma toxina, então não há febre ou há febre mínima; se o agente etiológico for um microrganismo que se multiplicou no intestino, o período de incubação é maior e desenvolve- se febre. Do ponto de vista clínico, é muito difícil conhecer a etiologia de um processo diarreico, embora se possa suspeitar de relação com determinado microrganismo. O diagnóstico microbiológico é feito a partir das fezes, embora outras amostras como swabs retais, suco gástrico, sangue e bile possam ser utilizadas. Exame de fezes frescas É utilizado para a observação de leucócitos, eritrócitos e formas parasitárias intestinais, formas vegetativas, larvas, ovos ou cistos de parasitas. cultura de fezes Exame bacteriológico das fezes que inclui a semeadura, isolamento e identificação dos microrganismos existentes na referida amostra para estabelecer o diagnóstico de infecções bacterianas intestinais. Amostragem A amostra de interesse é fezes diarreicas. - - - - - A amostra deve ser coletada na fase aguda da doença. Em recipientes de boca larga com tampas bem ajustadas ou em meio de transporte Cary Blair. Deve ser coletado antes de iniciar o tratamento antimicrobiano. Deve ser obtida uma quantidade aproximada de 10 ml. Também pode ser obtido por swab retal. Deve ser inserido até ultrapassar o esfíncter anal (3cm). Imprima amplos movimentos de rotação para arrastar o muco da parede e pequenos movimentos circulares para obter deposição. Colocar no meio de transporte. Processo Realize a semeadura primária nos seguintes meios: ágar Mac Conkey, ágar EMB e ágar SS. É semeado por exaustão. Incubar por 24 horas a 37°C.
  • 6. 6 Após esse tempo, observe o aparecimento das colônias, identificando as suspeitas em uma bateria de exames bioquímicos para sua identificação. Para o isolamento de Salmonella, a amostra pode ser inoculada em meio de enriquecimento de caldo de tetrationato ou selenito. Faça uma subcultura após 18 horas de incubação. Para o isolamento deVibrio choleraea amostra é semeada em meio de ágar TCBS. APA (água de peptona alcalina) é usada como meio de enriquecimento, que é incubado por 6 a 8 horas. Para a tipificação de gênero e espécie, utilizar sorotipagem. Ágar EMB Aparência da colônia:E. coliforma colônias escuras com um brilho metálico esverdeado. Os fermentadores não-lactose (Salmonella e Shigella) dão colônias claras. Em meio seletivo SS, as colônias de Shigella aparecem transparentes e as colônias de Salmonella dão colônias transparentes com um centro preto. Se é sobreE colise uma cepa patogênica foi isolada deve ser determinada por técnicas de sorologia, ELISA ou PCR. Se um germe patogênico é identificado, um antibiograma é realizado. O tratamento da diarreia de etiologia infecciosa inclui medidas sintomáticas e reposição de fluidos e eletrólitos. Drogas que inibem a motilidade intestinal devem sempre ser evitadas. Na diarreia moderada, a reposição de líquidos com base em bebidas não alcoólicas, como caldos e sucos de frutas, bem como limonada alcalina, é suficiente. Se a diarreia for grave, é necessária a reposição urgente de líquidos por via oral ou parenteral. Quando a diarreia é produzida por um mecanismo enterotóxico, a reposição de fluidos e eletrólitos é a chave para o tratamento devido à perda de fluido isotônico. Se o mecanismo for invasivo, as proteínas também são perdidas, sendo necessário o fornecimento de água, eletrólitos e proteínas. Os antimicrobianos são indicados em processos severos, em indivíduos com idades extremas e também naqueles com doenças subjacentes significativas. Em outros pacientes, o único efeito alcançado é prolongar a diarreia. As orientações a seguir são as seguintes • Em salmonelose e shigelose, o uso de ciprofloxacina é recomendado. : • Na diarreia por Campylobacter, geralmente são administrados eritromicina ou aminoglicosídeos e tetraciclina. • A cólera requer tratamento com tetraciclina. • Na diarreia viral, os antimicrobianos não devem ser usados. Uma solução hidratante balanceada em sais orgânicos é administrada e a alimentação com leite é suprimida durante As orientações a seguir são as seguintes • Em salmonelose e shigelose, o uso de ciprofloxacina é recomendado. : • Na diarreia por Campylobacter, geralmente são administrados eritromicina ou aminoglicosídeos e tetraciclina. • A cólera requer tratamento com tetraciclina. • Na diarreia viral, os antimicrobianos não devem ser usados. Uma solução hidratante balanceada em sais orgânicos é administrada e a alimentação com leite é suprimida durante As orientações a seguir são as seguintes • Em salmonelose e shigelose, o uso de ciprofloxacina é recomendado. : • Na diarreia por Campylobacter, geralmente são administrados eritromicina ou aminoglicosídeos e tetraciclina. • A cólera requer tratamento com tetraciclina. • Na diarreia viral, os antimicrobianos não devem ser usados. Uma solução hidratante balanceada em sais orgânicos é administrada e a alimentação com leite é suprimida durante