SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 26
AVALIAÇÃO HIDROGEOLÓGICA DOS
SISTEMAS AQUÍFEROS TUBARÃO E
CRISTALINO DA PORÇÃO SUL DA UGRHI-05
Geraldo Hideo Oda, Sibele Ezaki, Mara Akie
Iritani, Claudia Luciana Varnier e Denise
Rossini Penteado
OBJETIVOS
Caracterização Hidrogeológica;
Estatística de poços;
Avaliação da produtividade;
Tubarão e Cristalino.
GEOLOGIA
Coberturas cenozóicas;
Sedimentos permo-carboníferos do Grupo Tubarão;
Intrusivas básicas (sills ou diques);
Rochas do Embasamento Cristalino.
O Embasamento é representado por rochas de médio a alto grau
metamórfico do Complexo Amparo, e correspondem a gnaisses com
intercalações de quartzitos, xistos, anfibolitos, gonditos e metaultrabasitos
(Neves, 2005; Hasui et al., 1981).
Tubarão:
(T) = 0,30 a 40 m2/dia (DAEE, 1981a, b);
(K) = 0,001 a 1 m2dia (DAEE, 1981a, b);
(Q/s) = 0,1 m3/h/m (Oda et al., 2005);
Cristalino:
(T) = 0,1 a 100 m²/dia;
(Q/s) lineamento = 0,2 m³/h/m;
(Q/s) fora = 0,03 m³/h/m DAEE (1981a, b);
HIDROGEOLOGIA
Trabalhos técnicos sobre hidrogeologia na área:
DAEE (1981a, b), Lopes (1984), Oda et al.
(1993), Pereira (1997), Oda (1998), Vidal
(2002), Oda et al. (2005), DAEE/IG/IPT/CPRM
(2005); Neves (2005); Varnier et al. (2005),
Iritani et al. (2009), Oda et al. (2012), Oda et al.
(2013).
NÚMERO DE POÇOS POR MUNICÍPIO
CAPIVARI
ELIAS
FAUSTO
INDAIATUBA
MONTE
MOR
RAFARD SALTO
TOTAL DE
POÇOS
Nº de poços 171 117 402 166 42 176 1262
NE médio 46,41 38,46 24,76 35,03 50,54 28,68
ND médio 110,76 82,46 99,31 99,25 113,2 95,85
EVOLUÇÃO DO Nº DE POÇOS
PROFUNDIDADE
PROFUNDIDADE
(m)
CAPIVARI
ELIAS
FAUSTO
INDAIATUBA
MONTE
MOR
RAFARD SALTO
TOTAL DE
POÇOS
Média 206 156 161 177 195 158
Mínima 70 40 27 60 45,7 32
Máxima 400 320 360 433 365 400
Total de poços
por município
171 114 432 176 45 161 1099
POÇOS POR AQUÍFERO
POÇOS POR USO E POR MUNICÍPIO
Uso da água Capivari
Elias
Fausto
Indaiatuba
Monte
Mor
Rafard Salto Totais %
Abastecimento
Público
49 17 10 36 24 4 140 11
Saneamento 42 46 245 35 4 85 457 36
Industrial 44 11 81 39 10 62 247 20
Agrícola 2 12 15 4 11 44 3
Agropecuário 4 5 13 17 39 3
Pecuário 15 18 15 24 2 9 83 7
Lazer 7 1 16 8 2 5 39 3
Outros 8 7 8 3 2 28 2
Sem Informação 14 24 80 51 7 9 185 15
Total 185 141 483 217 49 187 1262 100
VOLUME DE ÁGUA PRODUZIDO
MUNICÍPIO
FONTE DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA
SUPERFICIAL
(m3/ano)
(%)
AQUÍFERO
(m3/ano)
(%)
TOTAL
(m3/ano)
Indaiatuba 22.195.000 99,41 132.000 0,59 22.327.000
Monte Mor 1.894.200 54,05 1.610.210 45,95 3.504.410
Salto 11.294.400 100,00 0 0,00 11.294.400
Capivari 1.801.340 36,28 3.163.390 63,72 4.964.730
Elias Fausto 0 0,00 972.990 100,00 972.990
Rafard 0 0,00 659.540 100,00 659.540
Fonte: Sistema Nacional de Informações sobre Saneamento - SNIS (2008).
VAZÃO DOS POÇOS POR AQUÍFERO
VAZÃO (m³/h)
AQUÍFEROS
CRISTALINO TUBARÃO TUB. / CRIS. TUB. / DIAB.
Mínimo 0,00 0,00 0,00 0,10
Máximo 36,00 156,20 41,68 40,00
Média 4,79 10,58 4,96 10,37
N° de Poços 180 632 124 16
VAZÃO POR MUNICÍPIO
VAZÃO
MUNICÍPIOS
CAPIVARI
ELIAS
FAUSTO
INDAIATUBA
MONTE
MOR
RAFARD SALTO
Mínimo 0.50 0.80 0.00 0.04 0.10 0.00
Máximo 80.00 156.20 41.68 48.00 50.04 26.00
Média 11.8 16.2 5.5 10.1 10.8 5.2
N° de Poços 171 101 389 164 44 143
QS POR AQUÍFERO
Q/S
(m³/h/m)
AQUÍFERO EXPLOTADO
CRISTALINO TUBARÃO
TUBARÃO/
CRISTALINO
TUBARÃO/
DIABÁSIO
SEM
INFORMAÇÃO
Mínimo 0,001 0,000 0,001 0,003
Máximo 2,938 8,163 0,816 0,667
Média 0,157 0,329 0,083 0,225
N° de Poços 163 501 111 13 37
Q/S POR MUNICÍPIOS
MUNICÍPIOS
Q/S
(m³/h/m)
CAPIVARI ELIAS FAUSTO INDAIATUBA
MONTE
MOR
RAFARD SALTO
Mínimo 0.010 0.030 0.000 0.009 0.003 0.000
Máximo 2.018 8.163 7.563 1.748 1.147 2.404
Média 0.265 0.670 0.171 0.253 0.296 0.186
N° de Poços 150 75 337 114 38 111
CONTORNO DO EMBASAMENTO
Cota do
Embasamento
(m)
km E
km N
260000 265000 270000 275000 280000 285000
7430000
7435000
7440000
7445000
7450000
250
300
350
400
450
500
550
600
650
700
Indaiatuba
Salto
Limite MunicipalPoço Tubular Profundo
Elias Fausto
Monte Mor
Falha Inferida
CONTORNO DO EMBASAMENTO (VIDAL 2002)
MAPA DE VAZÃO DOS POÇOS
MAPA DE Q/s
230000 240000 250000 260000 270000 280000
74300007440000745000074600007470000
0.1
0.3
0.5
0.7
1
1.5
2
2.5
2.9
671 Poços Tubulares
Q/s
Escala Gráfica
5 km
( m³/h/m)
PORCENTAGEM DE ARENITO
230000 240000 250000 260000 270000 280000
7430000
7440000
7450000
7460000
7470000
(%)
638 Poços
Capivari
Monte Mor
Rafard
Elias Fausto
Indaiatuba
Salto
mE
mN
0
20
40
60
80
100
Porcentagem
de areia
PRODUTIVIDADE SIMILAR
CONCLUSÕES
 Constatou-se um uso crescente da Ág. Sub. pelo setor privado
(Indaiatuba e Salto);
 Capivari, Monte Mor, Rafard e Elias Fausto, utilizam muita Ág. Sub. para
abastecimento público;
 Rafard e Elias Fausto dependem 100% do Sistema Aquífero;
 O SAT apresenta os maiores valores de (Q/s);
 O Mapa de Produtividade Similar, indicou áreas mais produtivas (oeste e
leste de Capivari, nordeste de Monte Mor, centro-norte e leste de Elias
Fausto; centro-noroeste de Indaiatuba; e norte de Salto).
AGRADECIMENTOS
INSTITUTO GEOLÓGICO/SMA, FEHIDRO - CONTRATO 450/2006,
CETESB, DAEE, SABESP,
SAAE (INDAIATUBA E CAPIVARI),
SAE SALTO,
PREFEITURA MUNICIPAL DE RAFARD.
FIM
Geraldo Hideo Oda
Sibele Ezaki
Mara Akie Iritani
Claudia Luciana Varnier
Denise Rossini Penteado

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Para entender o caso
Para entender o casoPara entender o caso
Para entender o caso
Polibio Braga
 

Mais procurados (20)

ENCONTRO DE PERFURADORES Manutenção de Poços: Tecnologias, Custo e Eficiência
ENCONTRO DE PERFURADORES Manutenção de Poços: Tecnologias, Custo e Eficiência ENCONTRO DE PERFURADORES Manutenção de Poços: Tecnologias, Custo e Eficiência
ENCONTRO DE PERFURADORES Manutenção de Poços: Tecnologias, Custo e Eficiência
 
Apresentacao ctoc
Apresentacao ctocApresentacao ctoc
Apresentacao ctoc
 
OCORRÊNCIA DE NITRATO NO SISTEMA AQUÍFERO BAURU E SUA RELAÇÃO COM A OCUPAÇÃO ...
OCORRÊNCIA DE NITRATO NO SISTEMA AQUÍFERO BAURU E SUA RELAÇÃO COM A OCUPAÇÃO ...OCORRÊNCIA DE NITRATO NO SISTEMA AQUÍFERO BAURU E SUA RELAÇÃO COM A OCUPAÇÃO ...
OCORRÊNCIA DE NITRATO NO SISTEMA AQUÍFERO BAURU E SUA RELAÇÃO COM A OCUPAÇÃO ...
 
TAXONOMIA HIDROGEOLÓGICA DO ESTADO DO PIAUÍ
TAXONOMIA HIDROGEOLÓGICA DO ESTADO DO PIAUÍTAXONOMIA HIDROGEOLÓGICA DO ESTADO DO PIAUÍ
TAXONOMIA HIDROGEOLÓGICA DO ESTADO DO PIAUÍ
 
ÁGUA SUSTENTÁVEL (AS) E AS INDÚSTRIAS DE CERVEJA NAS BACIAS HIDROGRÁFICAS PCJ...
ÁGUA SUSTENTÁVEL (AS) E AS INDÚSTRIAS DE CERVEJA NAS BACIAS HIDROGRÁFICAS PCJ...ÁGUA SUSTENTÁVEL (AS) E AS INDÚSTRIAS DE CERVEJA NAS BACIAS HIDROGRÁFICAS PCJ...
ÁGUA SUSTENTÁVEL (AS) E AS INDÚSTRIAS DE CERVEJA NAS BACIAS HIDROGRÁFICAS PCJ...
 
Estudo sobre outorgas no Alto Rio das Velhas Igam
Estudo sobre outorgas no Alto Rio das Velhas IgamEstudo sobre outorgas no Alto Rio das Velhas Igam
Estudo sobre outorgas no Alto Rio das Velhas Igam
 
COMPARAÇÃO ENTRE RESULTADOS ANALÍTICOS DE METAIS PESADOS OBTIDOS DE AMOSTRAS ...
COMPARAÇÃO ENTRE RESULTADOS ANALÍTICOS DE METAIS PESADOS OBTIDOS DE AMOSTRAS ...COMPARAÇÃO ENTRE RESULTADOS ANALÍTICOS DE METAIS PESADOS OBTIDOS DE AMOSTRAS ...
COMPARAÇÃO ENTRE RESULTADOS ANALÍTICOS DE METAIS PESADOS OBTIDOS DE AMOSTRAS ...
 
ÍNDICE GUS E GSI NA AVALIAÇÃO DA CONTAMINAÇÃO EM ÁGUAS SUBTERRÂNEAS POR INSET...
ÍNDICE GUS E GSI NA AVALIAÇÃO DA CONTAMINAÇÃO EM ÁGUAS SUBTERRÂNEAS POR INSET...ÍNDICE GUS E GSI NA AVALIAÇÃO DA CONTAMINAÇÃO EM ÁGUAS SUBTERRÂNEAS POR INSET...
ÍNDICE GUS E GSI NA AVALIAÇÃO DA CONTAMINAÇÃO EM ÁGUAS SUBTERRÂNEAS POR INSET...
 
ESTIMATIVA DA RECARGA PARA O SISTEMA AQUÍFERO BAURU NO MUNÍCIPIO DE ASSIS/SP
ESTIMATIVA DA RECARGA PARA O SISTEMA AQUÍFERO BAURU NO MUNÍCIPIO DE ASSIS/SPESTIMATIVA DA RECARGA PARA O SISTEMA AQUÍFERO BAURU NO MUNÍCIPIO DE ASSIS/SP
ESTIMATIVA DA RECARGA PARA O SISTEMA AQUÍFERO BAURU NO MUNÍCIPIO DE ASSIS/SP
 
GÊNESE, OCORRÊNCIA E TECNOLOGIAS DE TRATAMENTO PARA O EXCESSO DE FLÚOR NA ÁGU...
GÊNESE, OCORRÊNCIA E TECNOLOGIAS DE TRATAMENTO PARA O EXCESSO DE FLÚOR NA ÁGU...GÊNESE, OCORRÊNCIA E TECNOLOGIAS DE TRATAMENTO PARA O EXCESSO DE FLÚOR NA ÁGU...
GÊNESE, OCORRÊNCIA E TECNOLOGIAS DE TRATAMENTO PARA O EXCESSO DE FLÚOR NA ÁGU...
 
Para entender o caso
Para entender o casoPara entender o caso
Para entender o caso
 
Monitoramento de agua subterranea
Monitoramento de agua subterraneaMonitoramento de agua subterranea
Monitoramento de agua subterranea
 
MODELAGEM DA OSCILAÇÃO DO NÍVEL FREÁTICO PARA MENSURAR O VOLUME EXPLORÁVEL DA...
MODELAGEM DA OSCILAÇÃO DO NÍVEL FREÁTICO PARA MENSURAR O VOLUME EXPLORÁVEL DA...MODELAGEM DA OSCILAÇÃO DO NÍVEL FREÁTICO PARA MENSURAR O VOLUME EXPLORÁVEL DA...
MODELAGEM DA OSCILAÇÃO DO NÍVEL FREÁTICO PARA MENSURAR O VOLUME EXPLORÁVEL DA...
 
Apresentação Manejo de Água em Noronha - conselho apa
Apresentação Manejo de Água em Noronha - conselho apaApresentação Manejo de Água em Noronha - conselho apa
Apresentação Manejo de Água em Noronha - conselho apa
 
SISTEMA ALTERNATIVO PARA O DESAGUAMENTO EM MACIÇOS ROCHOSOS DE BAIXA PERMEABI...
SISTEMA ALTERNATIVO PARA O DESAGUAMENTO EM MACIÇOS ROCHOSOS DE BAIXA PERMEABI...SISTEMA ALTERNATIVO PARA O DESAGUAMENTO EM MACIÇOS ROCHOSOS DE BAIXA PERMEABI...
SISTEMA ALTERNATIVO PARA O DESAGUAMENTO EM MACIÇOS ROCHOSOS DE BAIXA PERMEABI...
 
RECARGA INDUZIDA ATRAVÉS DO BOMBEAMENTO NAS MARGENS E O PAPEL DA MEIOFAUNA NO...
RECARGA INDUZIDA ATRAVÉS DO BOMBEAMENTO NAS MARGENS E O PAPEL DA MEIOFAUNA NO...RECARGA INDUZIDA ATRAVÉS DO BOMBEAMENTO NAS MARGENS E O PAPEL DA MEIOFAUNA NO...
RECARGA INDUZIDA ATRAVÉS DO BOMBEAMENTO NAS MARGENS E O PAPEL DA MEIOFAUNA NO...
 
Agua rmbh seminário alto rio das velhas cbh velhas
Agua rmbh seminário alto rio das velhas cbh velhasAgua rmbh seminário alto rio das velhas cbh velhas
Agua rmbh seminário alto rio das velhas cbh velhas
 
VALOR: Redução de Perdas
VALOR: Redução de PerdasVALOR: Redução de Perdas
VALOR: Redução de Perdas
 
TRANSMISSIVIDADE DE AQUÍFEROS SEM ENSAIO DE BOMBEAMENTO PELO MÉDOTO DA ZONA D...
TRANSMISSIVIDADE DE AQUÍFEROS SEM ENSAIO DE BOMBEAMENTO PELO MÉDOTO DA ZONA D...TRANSMISSIVIDADE DE AQUÍFEROS SEM ENSAIO DE BOMBEAMENTO PELO MÉDOTO DA ZONA D...
TRANSMISSIVIDADE DE AQUÍFEROS SEM ENSAIO DE BOMBEAMENTO PELO MÉDOTO DA ZONA D...
 
VALOR: Reuso de Água
VALOR: Reuso de ÁguaVALOR: Reuso de Água
VALOR: Reuso de Água
 

Destaque

Destaque (20)

ENCONTRO DE PERFURADORES: A Importância da Água Subterrânea no Sistema de Aba...
ENCONTRO DE PERFURADORES: A Importância da Água Subterrânea no Sistema de Aba...ENCONTRO DE PERFURADORES: A Importância da Água Subterrânea no Sistema de Aba...
ENCONTRO DE PERFURADORES: A Importância da Água Subterrânea no Sistema de Aba...
 
CARACTERIZAÇÃO DE UNIDADES AQUÍFERAS APARTIR DE DADOS DO CADASTRO DE POÇOS DE...
CARACTERIZAÇÃO DE UNIDADES AQUÍFERAS APARTIR DE DADOS DO CADASTRO DE POÇOS DE...CARACTERIZAÇÃO DE UNIDADES AQUÍFERAS APARTIR DE DADOS DO CADASTRO DE POÇOS DE...
CARACTERIZAÇÃO DE UNIDADES AQUÍFERAS APARTIR DE DADOS DO CADASTRO DE POÇOS DE...
 
EXPANSÃO DO AGROHIDRONEGÓCIO NO PONTAL DO PARANAPANEMA (UGRHI-22): OCUPAÇÃO D...
EXPANSÃO DO AGROHIDRONEGÓCIO NO PONTAL DO PARANAPANEMA (UGRHI-22): OCUPAÇÃO D...EXPANSÃO DO AGROHIDRONEGÓCIO NO PONTAL DO PARANAPANEMA (UGRHI-22): OCUPAÇÃO D...
EXPANSÃO DO AGROHIDRONEGÓCIO NO PONTAL DO PARANAPANEMA (UGRHI-22): OCUPAÇÃO D...
 
VALOR: Tecnologia
VALOR: TecnologiaVALOR: Tecnologia
VALOR: Tecnologia
 
CARACTERIZAÇÃO HIDROQUÍMICA DAS ÁGUAS SUBTERRÂNEAS NA BACIA SEDIMENTAR DO ARA...
CARACTERIZAÇÃO HIDROQUÍMICA DAS ÁGUAS SUBTERRÂNEAS NA BACIA SEDIMENTAR DO ARA...CARACTERIZAÇÃO HIDROQUÍMICA DAS ÁGUAS SUBTERRÂNEAS NA BACIA SEDIMENTAR DO ARA...
CARACTERIZAÇÃO HIDROQUÍMICA DAS ÁGUAS SUBTERRÂNEAS NA BACIA SEDIMENTAR DO ARA...
 
Bases técnicas para a gestão de áreas contaminadas por solventes clorados em ...
Bases técnicas para a gestão de áreas contaminadas por solventes clorados em ...Bases técnicas para a gestão de áreas contaminadas por solventes clorados em ...
Bases técnicas para a gestão de áreas contaminadas por solventes clorados em ...
 
MODELAMENTO HIDROGEOLÓGICO REGIONAL EM LEAPFROG/FEFLOW DA REGIÃO DE VAZANTE, MG
MODELAMENTO HIDROGEOLÓGICO REGIONAL EM LEAPFROG/FEFLOW DA REGIÃO DE VAZANTE, MGMODELAMENTO HIDROGEOLÓGICO REGIONAL EM LEAPFROG/FEFLOW DA REGIÃO DE VAZANTE, MG
MODELAMENTO HIDROGEOLÓGICO REGIONAL EM LEAPFROG/FEFLOW DA REGIÃO DE VAZANTE, MG
 
COMPARAÇÃO ENTRE O SISTEMA AQUÍFERO GUARANI (SAG) EM SANTA CATARINA E NO RIO ...
COMPARAÇÃO ENTRE O SISTEMA AQUÍFERO GUARANI (SAG) EM SANTA CATARINA E NO RIO ...COMPARAÇÃO ENTRE O SISTEMA AQUÍFERO GUARANI (SAG) EM SANTA CATARINA E NO RIO ...
COMPARAÇÃO ENTRE O SISTEMA AQUÍFERO GUARANI (SAG) EM SANTA CATARINA E NO RIO ...
 
AINEL DE DEBATE 10: Água: soluções inovadoras e tecnologia. Oportunidade ou s...
AINEL DE DEBATE 10: Água: soluções inovadoras e tecnologia. Oportunidade ou s...AINEL DE DEBATE 10: Água: soluções inovadoras e tecnologia. Oportunidade ou s...
AINEL DE DEBATE 10: Água: soluções inovadoras e tecnologia. Oportunidade ou s...
 
Workshop: Aquíferos fraturados: novos desafios e perspectivas tecnológicas
Workshop: Aquíferos fraturados: novos desafios e perspectivas tecnológicasWorkshop: Aquíferos fraturados: novos desafios e perspectivas tecnológicas
Workshop: Aquíferos fraturados: novos desafios e perspectivas tecnológicas
 
AQDEURIM: UMA FERRAMENTA COMPUTACIONAL DESENVOLVIDA PARA AUXILIAR NA DETERMIN...
AQDEURIM: UMA FERRAMENTA COMPUTACIONAL DESENVOLVIDA PARA AUXILIAR NA DETERMIN...AQDEURIM: UMA FERRAMENTA COMPUTACIONAL DESENVOLVIDA PARA AUXILIAR NA DETERMIN...
AQDEURIM: UMA FERRAMENTA COMPUTACIONAL DESENVOLVIDA PARA AUXILIAR NA DETERMIN...
 
INFLUÊNCIA DE DEMANDAS HÍDRICAS AGRÍCOLAS NA RESPOSTA DA ÁGUA SUBTERRÂNEA NA ...
INFLUÊNCIA DE DEMANDAS HÍDRICAS AGRÍCOLAS NA RESPOSTA DA ÁGUA SUBTERRÂNEA NA ...INFLUÊNCIA DE DEMANDAS HÍDRICAS AGRÍCOLAS NA RESPOSTA DA ÁGUA SUBTERRÂNEA NA ...
INFLUÊNCIA DE DEMANDAS HÍDRICAS AGRÍCOLAS NA RESPOSTA DA ÁGUA SUBTERRÂNEA NA ...
 
CARTA GEOTÉCNICA DE SUSCETIBILIDADE A PROCESSOS GEOAMBIENTAIS E RISCO POTENCI...
CARTA GEOTÉCNICA DE SUSCETIBILIDADE A PROCESSOS GEOAMBIENTAIS E RISCO POTENCI...CARTA GEOTÉCNICA DE SUSCETIBILIDADE A PROCESSOS GEOAMBIENTAIS E RISCO POTENCI...
CARTA GEOTÉCNICA DE SUSCETIBILIDADE A PROCESSOS GEOAMBIENTAIS E RISCO POTENCI...
 
MÉTODO GEOELÉTRICO - POTENCIAL INSTRUMENTO PARA AUXILIO DA GESTÃO DO SOLO E D...
MÉTODO GEOELÉTRICO - POTENCIAL INSTRUMENTO PARA AUXILIO DA GESTÃO DO SOLO E D...MÉTODO GEOELÉTRICO - POTENCIAL INSTRUMENTO PARA AUXILIO DA GESTÃO DO SOLO E D...
MÉTODO GEOELÉTRICO - POTENCIAL INSTRUMENTO PARA AUXILIO DA GESTÃO DO SOLO E D...
 
Apresentação dessal valors economico abas comentado fabian
Apresentação dessal valors economico abas comentado fabianApresentação dessal valors economico abas comentado fabian
Apresentação dessal valors economico abas comentado fabian
 
NOVOS PARADIGMAS NA GESTÃO DAS ÁGUAS SUBTERRÂNEAS
NOVOS PARADIGMAS NA GESTÃO DAS ÁGUAS SUBTERRÂNEASNOVOS PARADIGMAS NA GESTÃO DAS ÁGUAS SUBTERRÂNEAS
NOVOS PARADIGMAS NA GESTÃO DAS ÁGUAS SUBTERRÂNEAS
 
HÁ CONEXÃO HIDRÁULICA ENTRE OS SISTEMAS AQUÍFEROS GUARANI E BAURU NA “JANELA”...
HÁ CONEXÃO HIDRÁULICA ENTRE OS SISTEMAS AQUÍFEROS GUARANI E BAURU NA “JANELA”...HÁ CONEXÃO HIDRÁULICA ENTRE OS SISTEMAS AQUÍFEROS GUARANI E BAURU NA “JANELA”...
HÁ CONEXÃO HIDRÁULICA ENTRE OS SISTEMAS AQUÍFEROS GUARANI E BAURU NA “JANELA”...
 
Variações na Composição Isotópica da Precipitação e nas Águas Subterrâneas em...
Variações na Composição Isotópica da Precipitação e nas Águas Subterrâneas em...Variações na Composição Isotópica da Precipitação e nas Águas Subterrâneas em...
Variações na Composição Isotópica da Precipitação e nas Águas Subterrâneas em...
 
REMOÇÃO DE FLUORETO DE ÁGUA POR ELETRODIÁISE
REMOÇÃO DE FLUORETO DE ÁGUA POR ELETRODIÁISEREMOÇÃO DE FLUORETO DE ÁGUA POR ELETRODIÁISE
REMOÇÃO DE FLUORETO DE ÁGUA POR ELETRODIÁISE
 
Workshop: Abertura e dinâmica dos trabalhos e composição da mesa da Rede Hidr...
Workshop: Abertura e dinâmica dos trabalhos e composição da mesa da Rede Hidr...Workshop: Abertura e dinâmica dos trabalhos e composição da mesa da Rede Hidr...
Workshop: Abertura e dinâmica dos trabalhos e composição da mesa da Rede Hidr...
 

Semelhante a Avaliação Hidrogeológica dos Sistemas Aquíferos Tubarão e Cristalino da Porção Sul da UGRHI-05

Apresentação MME Belo Monte
Apresentação MME Belo MonteApresentação MME Belo Monte
Apresentação MME Belo Monte
jhcordeiro
 
Catalogo mangueiras tubos_geral
Catalogo mangueiras tubos_geralCatalogo mangueiras tubos_geral
Catalogo mangueiras tubos_geral
Hugo Andrade
 

Semelhante a Avaliação Hidrogeológica dos Sistemas Aquíferos Tubarão e Cristalino da Porção Sul da UGRHI-05 (20)

05 evapotranspiracaomanejo
05 evapotranspiracaomanejo05 evapotranspiracaomanejo
05 evapotranspiracaomanejo
 
Tecnologias de irrigação para pastagem e cana-de-açúcar (Prof. Brasileiro)
Tecnologias de irrigação para pastagem e cana-de-açúcar (Prof. Brasileiro)Tecnologias de irrigação para pastagem e cana-de-açúcar (Prof. Brasileiro)
Tecnologias de irrigação para pastagem e cana-de-açúcar (Prof. Brasileiro)
 
Ribeirão Lajeado.pptx
Ribeirão Lajeado.pptxRibeirão Lajeado.pptx
Ribeirão Lajeado.pptx
 
Reposição de aula tratamento preliminar
Reposição de aula   tratamento preliminarReposição de aula   tratamento preliminar
Reposição de aula tratamento preliminar
 
Matrizes Aquosas2017.pdf
Matrizes Aquosas2017.pdfMatrizes Aquosas2017.pdf
Matrizes Aquosas2017.pdf
 
Apresentação MME Belo Monte
Apresentação MME Belo MonteApresentação MME Belo Monte
Apresentação MME Belo Monte
 
PES COURSE - PORTO SEGURO & RECIFE (Water producers from the state of Espírit...
PES COURSE - PORTO SEGURO & RECIFE (Water producers from the state of Espírit...PES COURSE - PORTO SEGURO & RECIFE (Water producers from the state of Espírit...
PES COURSE - PORTO SEGURO & RECIFE (Water producers from the state of Espírit...
 
Valdir Folgosi - Seminário Saneamento e Tratamento da Água nos Processos de A...
Valdir Folgosi - Seminário Saneamento e Tratamento da Água nos Processos de A...Valdir Folgosi - Seminário Saneamento e Tratamento da Água nos Processos de A...
Valdir Folgosi - Seminário Saneamento e Tratamento da Água nos Processos de A...
 
Catalogo mangueiras tubos_geral
Catalogo mangueiras tubos_geralCatalogo mangueiras tubos_geral
Catalogo mangueiras tubos_geral
 
Tratamento de esgoto sanitario para recuperação de energia
Tratamento de esgoto sanitario para recuperação de energiaTratamento de esgoto sanitario para recuperação de energia
Tratamento de esgoto sanitario para recuperação de energia
 
Solução Compartilhada para Gestão de Resíduos Sólidos Urbanos em municípios d...
Solução Compartilhada para Gestão de Resíduos Sólidos Urbanos em municípios d...Solução Compartilhada para Gestão de Resíduos Sólidos Urbanos em municípios d...
Solução Compartilhada para Gestão de Resíduos Sólidos Urbanos em municípios d...
 
Trat.EsgotoSlides.pdf
Trat.EsgotoSlides.pdfTrat.EsgotoSlides.pdf
Trat.EsgotoSlides.pdf
 
Sisema - Escassez de Recursos Hídricos no rio das Velhas
Sisema - Escassez de Recursos Hídricos no rio das VelhasSisema - Escassez de Recursos Hídricos no rio das Velhas
Sisema - Escassez de Recursos Hídricos no rio das Velhas
 
Apresentacao Marcos Heil
Apresentacao Marcos HeilApresentacao Marcos Heil
Apresentacao Marcos Heil
 
António Frazão - SIMTEJO
António Frazão - SIMTEJOAntónio Frazão - SIMTEJO
António Frazão - SIMTEJO
 
Primus overview pt br_press
Primus overview pt br_pressPrimus overview pt br_press
Primus overview pt br_press
 
Curso Unesco 2008 Hidrogeologia
Curso Unesco 2008 HidrogeologiaCurso Unesco 2008 Hidrogeologia
Curso Unesco 2008 Hidrogeologia
 
Produtos BRITANITE
Produtos BRITANITEProdutos BRITANITE
Produtos BRITANITE
 
Aula 4.pdf
Aula 4.pdfAula 4.pdf
Aula 4.pdf
 
Projeto de Drenagem Urbana utilizando Poços de Infiltração
Projeto de Drenagem Urbana utilizando Poços de InfiltraçãoProjeto de Drenagem Urbana utilizando Poços de Infiltração
Projeto de Drenagem Urbana utilizando Poços de Infiltração
 

Mais de Gabriella Ribeiro

Mais de Gabriella Ribeiro (20)

REALIZING THE TRANSPORT WE WANT – WHAT WILL IT TAKE?
REALIZING THE TRANSPORT WE WANT – WHAT WILL IT TAKE? REALIZING THE TRANSPORT WE WANT – WHAT WILL IT TAKE?
REALIZING THE TRANSPORT WE WANT – WHAT WILL IT TAKE?
 
CICLOMOBILIDADE: A EXPERIÊNCIA HOLANDESA; IDEIAS SUSTENTÁVEIS E INOVADORAS
CICLOMOBILIDADE: A EXPERIÊNCIA HOLANDESA; IDEIAS SUSTENTÁVEIS E INOVADORASCICLOMOBILIDADE: A EXPERIÊNCIA HOLANDESA; IDEIAS SUSTENTÁVEIS E INOVADORAS
CICLOMOBILIDADE: A EXPERIÊNCIA HOLANDESA; IDEIAS SUSTENTÁVEIS E INOVADORAS
 
Orientações quanto a aplicação da receita arrecadada com a cobrança das multa...
Orientações quanto a aplicação da receita arrecadada com a cobrança das multa...Orientações quanto a aplicação da receita arrecadada com a cobrança das multa...
Orientações quanto a aplicação da receita arrecadada com a cobrança das multa...
 
Caracterização, Tendências e Custos para a Sociedade
Caracterização, Tendências e Custos para a SociedadeCaracterização, Tendências e Custos para a Sociedade
Caracterização, Tendências e Custos para a Sociedade
 
Banco Mundial e Mobilidade Urbana
Banco Mundial e Mobilidade UrbanaBanco Mundial e Mobilidade Urbana
Banco Mundial e Mobilidade Urbana
 
Projetos de Transporte de Massa
Projetos de Transporte de MassaProjetos de Transporte de Massa
Projetos de Transporte de Massa
 
Mobilidade, cidade, metrópole e custeio
Mobilidade, cidade, metrópole e custeioMobilidade, cidade, metrópole e custeio
Mobilidade, cidade, metrópole e custeio
 
DIÁLOGO SOBRE MOBILIDADE OU EXPERIÊNCIAS E INOVAÇÕES IMPLANTADAS E SEUS IMPAC...
DIÁLOGO SOBRE MOBILIDADE OU EXPERIÊNCIAS E INOVAÇÕES IMPLANTADAS E SEUS IMPAC...DIÁLOGO SOBRE MOBILIDADE OU EXPERIÊNCIAS E INOVAÇÕES IMPLANTADAS E SEUS IMPAC...
DIÁLOGO SOBRE MOBILIDADE OU EXPERIÊNCIAS E INOVAÇÕES IMPLANTADAS E SEUS IMPAC...
 
Experiências e Inovações Implantadas e seus Impactos na Sociedade
Experiências e Inovações Implantadas e seus Impactos na SociedadeExperiências e Inovações Implantadas e seus Impactos na Sociedade
Experiências e Inovações Implantadas e seus Impactos na Sociedade
 
A VISÃO DA UNIVERSIDADE SOBRE A MOBILIDADE
A VISÃO DA UNIVERSIDADE SOBRE A MOBILIDADE A VISÃO DA UNIVERSIDADE SOBRE A MOBILIDADE
A VISÃO DA UNIVERSIDADE SOBRE A MOBILIDADE
 
A Política Nacional de Mobilidade Urbana e o Transporte Ativo
A Política Nacional de Mobilidade Urbana e o Transporte AtivoA Política Nacional de Mobilidade Urbana e o Transporte Ativo
A Política Nacional de Mobilidade Urbana e o Transporte Ativo
 
Técnicas de Restauração de Pavimentos Rígidos
Técnicas de Restauração de Pavimentos RígidosTécnicas de Restauração de Pavimentos Rígidos
Técnicas de Restauração de Pavimentos Rígidos
 
O Papel do Transporte Privado na Mobilidade Urbana
O Papel do Transporte Privado na Mobilidade Urbana O Papel do Transporte Privado na Mobilidade Urbana
O Papel do Transporte Privado na Mobilidade Urbana
 
ANÁLISE SOBRE A IMPORTÂNCIA E OS CRITÉRIOS PARA O CONSENTIMENTO DE OUTORGA QU...
ANÁLISE SOBRE A IMPORTÂNCIA E OS CRITÉRIOS PARA O CONSENTIMENTO DE OUTORGA QU...ANÁLISE SOBRE A IMPORTÂNCIA E OS CRITÉRIOS PARA O CONSENTIMENTO DE OUTORGA QU...
ANÁLISE SOBRE A IMPORTÂNCIA E OS CRITÉRIOS PARA O CONSENTIMENTO DE OUTORGA QU...
 
“DUPLA DOMINIALIDADE DAS ÁGUAS NO BRASIL: ENTRAVES LEGAIS PARA O ADEQUADO GER...
“DUPLA DOMINIALIDADE DAS ÁGUAS NO BRASIL: ENTRAVES LEGAIS PARA O ADEQUADO GER...“DUPLA DOMINIALIDADE DAS ÁGUAS NO BRASIL: ENTRAVES LEGAIS PARA O ADEQUADO GER...
“DUPLA DOMINIALIDADE DAS ÁGUAS NO BRASIL: ENTRAVES LEGAIS PARA O ADEQUADO GER...
 
ANÁLISE DOS PONTOS DE ABASTECIMENTO DE ÁGUAS SUBTERRÂNEAS NO MUNICÍPIO DE ARA...
ANÁLISE DOS PONTOS DE ABASTECIMENTO DE ÁGUAS SUBTERRÂNEAS NO MUNICÍPIO DE ARA...ANÁLISE DOS PONTOS DE ABASTECIMENTO DE ÁGUAS SUBTERRÂNEAS NO MUNICÍPIO DE ARA...
ANÁLISE DOS PONTOS DE ABASTECIMENTO DE ÁGUAS SUBTERRÂNEAS NO MUNICÍPIO DE ARA...
 
Mapeamento da recarga de águas subterrâneas no Sistema Aquífero Bauru (SAB) e...
Mapeamento da recarga de águas subterrâneas no Sistema Aquífero Bauru (SAB) e...Mapeamento da recarga de águas subterrâneas no Sistema Aquífero Bauru (SAB) e...
Mapeamento da recarga de águas subterrâneas no Sistema Aquífero Bauru (SAB) e...
 
AVALIAÇÃO DA GESTÃO COMPARTILHADA DO AQUÍFERO JANDAÍRA , REGIÃO LIMÍTROFE DOS...
AVALIAÇÃO DA GESTÃO COMPARTILHADA DO AQUÍFERO JANDAÍRA , REGIÃO LIMÍTROFE DOS...AVALIAÇÃO DA GESTÃO COMPARTILHADA DO AQUÍFERO JANDAÍRA , REGIÃO LIMÍTROFE DOS...
AVALIAÇÃO DA GESTÃO COMPARTILHADA DO AQUÍFERO JANDAÍRA , REGIÃO LIMÍTROFE DOS...
 
DUPLA DOMINIALIDADE DAS ÁGUAS NO BRASIL: ENTRAVES LEGAIS PARA O ADEQUADO GERE...
DUPLA DOMINIALIDADE DAS ÁGUAS NO BRASIL: ENTRAVES LEGAIS PARA O ADEQUADO GERE...DUPLA DOMINIALIDADE DAS ÁGUAS NO BRASIL: ENTRAVES LEGAIS PARA O ADEQUADO GERE...
DUPLA DOMINIALIDADE DAS ÁGUAS NO BRASIL: ENTRAVES LEGAIS PARA O ADEQUADO GERE...
 
A RELAÇÃO ENTRE A HIDROGEOLOGIA E OS LINEAMENTOS ESTRUTURAIS DO PLANALTO SERR...
A RELAÇÃO ENTRE A HIDROGEOLOGIA E OS LINEAMENTOS ESTRUTURAIS DO PLANALTO SERR...A RELAÇÃO ENTRE A HIDROGEOLOGIA E OS LINEAMENTOS ESTRUTURAIS DO PLANALTO SERR...
A RELAÇÃO ENTRE A HIDROGEOLOGIA E OS LINEAMENTOS ESTRUTURAIS DO PLANALTO SERR...
 

Avaliação Hidrogeológica dos Sistemas Aquíferos Tubarão e Cristalino da Porção Sul da UGRHI-05

  • 1. AVALIAÇÃO HIDROGEOLÓGICA DOS SISTEMAS AQUÍFEROS TUBARÃO E CRISTALINO DA PORÇÃO SUL DA UGRHI-05 Geraldo Hideo Oda, Sibele Ezaki, Mara Akie Iritani, Claudia Luciana Varnier e Denise Rossini Penteado
  • 2.
  • 3.
  • 4.
  • 5. OBJETIVOS Caracterização Hidrogeológica; Estatística de poços; Avaliação da produtividade; Tubarão e Cristalino.
  • 6. GEOLOGIA Coberturas cenozóicas; Sedimentos permo-carboníferos do Grupo Tubarão; Intrusivas básicas (sills ou diques); Rochas do Embasamento Cristalino. O Embasamento é representado por rochas de médio a alto grau metamórfico do Complexo Amparo, e correspondem a gnaisses com intercalações de quartzitos, xistos, anfibolitos, gonditos e metaultrabasitos (Neves, 2005; Hasui et al., 1981).
  • 7. Tubarão: (T) = 0,30 a 40 m2/dia (DAEE, 1981a, b); (K) = 0,001 a 1 m2dia (DAEE, 1981a, b); (Q/s) = 0,1 m3/h/m (Oda et al., 2005); Cristalino: (T) = 0,1 a 100 m²/dia; (Q/s) lineamento = 0,2 m³/h/m; (Q/s) fora = 0,03 m³/h/m DAEE (1981a, b); HIDROGEOLOGIA
  • 8. Trabalhos técnicos sobre hidrogeologia na área: DAEE (1981a, b), Lopes (1984), Oda et al. (1993), Pereira (1997), Oda (1998), Vidal (2002), Oda et al. (2005), DAEE/IG/IPT/CPRM (2005); Neves (2005); Varnier et al. (2005), Iritani et al. (2009), Oda et al. (2012), Oda et al. (2013).
  • 9. NÚMERO DE POÇOS POR MUNICÍPIO CAPIVARI ELIAS FAUSTO INDAIATUBA MONTE MOR RAFARD SALTO TOTAL DE POÇOS Nº de poços 171 117 402 166 42 176 1262 NE médio 46,41 38,46 24,76 35,03 50,54 28,68 ND médio 110,76 82,46 99,31 99,25 113,2 95,85
  • 10. EVOLUÇÃO DO Nº DE POÇOS
  • 11. PROFUNDIDADE PROFUNDIDADE (m) CAPIVARI ELIAS FAUSTO INDAIATUBA MONTE MOR RAFARD SALTO TOTAL DE POÇOS Média 206 156 161 177 195 158 Mínima 70 40 27 60 45,7 32 Máxima 400 320 360 433 365 400 Total de poços por município 171 114 432 176 45 161 1099
  • 13. POÇOS POR USO E POR MUNICÍPIO Uso da água Capivari Elias Fausto Indaiatuba Monte Mor Rafard Salto Totais % Abastecimento Público 49 17 10 36 24 4 140 11 Saneamento 42 46 245 35 4 85 457 36 Industrial 44 11 81 39 10 62 247 20 Agrícola 2 12 15 4 11 44 3 Agropecuário 4 5 13 17 39 3 Pecuário 15 18 15 24 2 9 83 7 Lazer 7 1 16 8 2 5 39 3 Outros 8 7 8 3 2 28 2 Sem Informação 14 24 80 51 7 9 185 15 Total 185 141 483 217 49 187 1262 100
  • 14. VOLUME DE ÁGUA PRODUZIDO MUNICÍPIO FONTE DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA SUPERFICIAL (m3/ano) (%) AQUÍFERO (m3/ano) (%) TOTAL (m3/ano) Indaiatuba 22.195.000 99,41 132.000 0,59 22.327.000 Monte Mor 1.894.200 54,05 1.610.210 45,95 3.504.410 Salto 11.294.400 100,00 0 0,00 11.294.400 Capivari 1.801.340 36,28 3.163.390 63,72 4.964.730 Elias Fausto 0 0,00 972.990 100,00 972.990 Rafard 0 0,00 659.540 100,00 659.540 Fonte: Sistema Nacional de Informações sobre Saneamento - SNIS (2008).
  • 15. VAZÃO DOS POÇOS POR AQUÍFERO VAZÃO (m³/h) AQUÍFEROS CRISTALINO TUBARÃO TUB. / CRIS. TUB. / DIAB. Mínimo 0,00 0,00 0,00 0,10 Máximo 36,00 156,20 41,68 40,00 Média 4,79 10,58 4,96 10,37 N° de Poços 180 632 124 16
  • 16. VAZÃO POR MUNICÍPIO VAZÃO MUNICÍPIOS CAPIVARI ELIAS FAUSTO INDAIATUBA MONTE MOR RAFARD SALTO Mínimo 0.50 0.80 0.00 0.04 0.10 0.00 Máximo 80.00 156.20 41.68 48.00 50.04 26.00 Média 11.8 16.2 5.5 10.1 10.8 5.2 N° de Poços 171 101 389 164 44 143
  • 17. QS POR AQUÍFERO Q/S (m³/h/m) AQUÍFERO EXPLOTADO CRISTALINO TUBARÃO TUBARÃO/ CRISTALINO TUBARÃO/ DIABÁSIO SEM INFORMAÇÃO Mínimo 0,001 0,000 0,001 0,003 Máximo 2,938 8,163 0,816 0,667 Média 0,157 0,329 0,083 0,225 N° de Poços 163 501 111 13 37
  • 18. Q/S POR MUNICÍPIOS MUNICÍPIOS Q/S (m³/h/m) CAPIVARI ELIAS FAUSTO INDAIATUBA MONTE MOR RAFARD SALTO Mínimo 0.010 0.030 0.000 0.009 0.003 0.000 Máximo 2.018 8.163 7.563 1.748 1.147 2.404 Média 0.265 0.670 0.171 0.253 0.296 0.186 N° de Poços 150 75 337 114 38 111
  • 19. CONTORNO DO EMBASAMENTO Cota do Embasamento (m) km E km N 260000 265000 270000 275000 280000 285000 7430000 7435000 7440000 7445000 7450000 250 300 350 400 450 500 550 600 650 700 Indaiatuba Salto Limite MunicipalPoço Tubular Profundo Elias Fausto Monte Mor Falha Inferida
  • 20. CONTORNO DO EMBASAMENTO (VIDAL 2002)
  • 21. MAPA DE VAZÃO DOS POÇOS
  • 22. MAPA DE Q/s 230000 240000 250000 260000 270000 280000 74300007440000745000074600007470000 0.1 0.3 0.5 0.7 1 1.5 2 2.5 2.9 671 Poços Tubulares Q/s Escala Gráfica 5 km ( m³/h/m)
  • 23. PORCENTAGEM DE ARENITO 230000 240000 250000 260000 270000 280000 7430000 7440000 7450000 7460000 7470000 (%) 638 Poços Capivari Monte Mor Rafard Elias Fausto Indaiatuba Salto mE mN 0 20 40 60 80 100 Porcentagem de areia
  • 25. CONCLUSÕES  Constatou-se um uso crescente da Ág. Sub. pelo setor privado (Indaiatuba e Salto);  Capivari, Monte Mor, Rafard e Elias Fausto, utilizam muita Ág. Sub. para abastecimento público;  Rafard e Elias Fausto dependem 100% do Sistema Aquífero;  O SAT apresenta os maiores valores de (Q/s);  O Mapa de Produtividade Similar, indicou áreas mais produtivas (oeste e leste de Capivari, nordeste de Monte Mor, centro-norte e leste de Elias Fausto; centro-noroeste de Indaiatuba; e norte de Salto).
  • 26. AGRADECIMENTOS INSTITUTO GEOLÓGICO/SMA, FEHIDRO - CONTRATO 450/2006, CETESB, DAEE, SABESP, SAAE (INDAIATUBA E CAPIVARI), SAE SALTO, PREFEITURA MUNICIPAL DE RAFARD. FIM Geraldo Hideo Oda Sibele Ezaki Mara Akie Iritani Claudia Luciana Varnier Denise Rossini Penteado